Of Course I Still Love You

Primeira barca-drone operacional da SpaceX para recuperação de foguetes

Of Course I Still Love You

As barcas-drone (ASDS) são embarcações autônomas capazes de posicionamento de precisão, originalmente declarado dentro de 3 metros mesmo em condições de tempestade, usando informações de posição de GPS e quatro propulsores azimutais movidos a diesel. Além do modo de operação autônomo, os navios também podem ser controlados teleroboticamente. Os propulsores azimutais são unidades de propulsão externa com motorização hidráulica com unidades modulares de acionamento diesel-hidráulico fabricadas pela Thrustmaster, um fornecedor de equipamentos marítimos do Texas. O foguete em retorno não deve apenas pousar dentro dos limites da superfície do convés, mas também lidar com as ondas do oceano e erros de GPS. A SpaceX equipa os navios com uma variedade de sensores e tecnologia de medição para coletar dados sobre o retorno do ‘booster’ e tentativas de pouso, incluindo câmeras GoPro comerciais disponiveis no mercado.

No centro das plataformas de pouso das barcas-drone está um círculo que envolve o “X” estilizado da SpaceX em um ponto de pouso que marca X no local.

Balsa MARMAC 302

A barcaça estava em construção em um estaleiro da Louisiana desde o início de 2015, usando um casco Marmac 304 para atender a lançamentos na costa leste. Foi construída como uma substituição para a primeira Just Read the Instructions e entrou em serviço operacional para o 19° voo do Falcon 9 no final de junho de 2015. Em junho, seu porto de origem era Jacksonville, Flórida, mas após dezembro, foi transferido 260 km mais ao sul, em Port Canaveral.

Embora as dimensões do navio sejam quase idênticas às do primeiro ASDS, vários aprimoramentos foram feitos, incluindo uma parede de aço contra explosão erguida entre os contêineres de popa e o convés de desembarque. O navio estava pronto para um teste de pouso de primeiro estágio na missão CRS-7, que falhou no lançamento em 28 de junho de 2015. Em 8 de abril de 2016, o ‘core’ de primeiro estágio que lançou a espaçonave Dragon CRS-8 pousou com sucesso pela primeira vez na OCISLY.
Em fevereiro de 2018, o ‘core’ central do Falcon Heavy no voo de teste explodiu com o impacto próximo à balsa, o que danificou dois dos quatro propulsores da embarcação. Dois propulsores foram removidos da barcaça Marmac 303 para reparar a OCISLY.

Os navios-drone da SpaceX, Just Read the Instructions (JRTI), A Shortfall of Gravitas (ASOG) e Of Course I Still Love You (OCISLY), são construídos sobre barcaças Marmac, tipo 303 e 304. Todas têm o mesmo projeto básico e construção. A mesma empresa que adaptou as barcas de suas funções originais trabalhou no barco Ms Tree e também foi responsável pela instalação de um heliporto e outros equipamentos no navio de recuperação GO Navigator em suas instalações em Fourchon.

Detalhes gerais de uma balsa-drone

O processo de seleção das embarcações-base para as ‘droneships’ da SpaceX levou em conta em primeiro lugar a necessidade de um amplo espaço para o pouso do foguete – então o tipo escolhido foi a barcaça, seguindo as diretrizes:

  1. barcaças de convés de porte suficiente para transporte de carga de alto impacto
  2. capazes de garantir o pouso de foguetes longe das instalações e da população.
  3. garantia de que quaisquer problemas como explosões pudessem ser contidos.

A SpaceX utilizou as balsas de série ‘Marmac 300’ da McDonough Marine Service, pois estas oferecem uma ampla área para diferentes operações e podem ser modificadas para se adequarem ao papel.

Características das barcaças de convés:
Barcaças de convés são modificadas para transporte de carga de convés, dependendo do uso pretendido. As cargas de convés podem incluir tubos, estacas, estruturas fabricadas, equipamentos, rochas e material paletizado. Em alguns casos, certas cargas líquidas podem ser transportadas. As barcaças de convés são excelentes plataformas de trabalho para homens e máquinas, servindo assim como extensão de terreno. Algumas dessas barcaças podem ter decks de ancinho. Para essas operações, as barcaças devem ser convertidas, abastecidas com auxiliares e conduzidas de forma autônoma.

Dados básicos de uma balsa MARMAC

A barcaça padrão Marmac 304 tem 92 m de comprimento, 31 m de largura e 6 m de altura e uma capacidade na linha de carga de 10.268 toneladas, com nível exigido de estabilidade adequado para o transporte de foguetes.

Conversão:
Depois de escolher o modelo de embarcação adequado para construir o navio drone, foi necessário modifica-lo para poder realizar as tarefas necessárias, e essa modificação incluiu elementos primários como motores a diesel, geradores e tanques, enquanto os outros elementos são adicionados específicos para propósitos de pouso de foguete, como adicionar diferentes câmeras e sensores, um sistema de posicionamento dinâmico junto com propulsores de posicionamento e um robô-fixador ‘octagrabber’ usado durante a operação.

Elementos estruturais básicos de uma balsa tipo MARMAC

Principais aspectos da conversão:
A conversão é feita adicionando:

  1. Duas asas são soldadas à barcaça do convés plano para aumentar sua largura
  2. Propulsores na proa e popa
  3. Baluartes para toda a barcaça
Propulsores escamoteáveis

As balsas-drone são equipadas com uma série de facilidades, entre as quais:
• Câmeras e sensores: Gravam as aterrissagens para análise; foi demonstrado que as câmeras podem ser ajustadas e movidas remotamente durante as aterrissagens para fornecer uma melhor perspectiva.
• Antenas (comunicações): Conectam os dados gravados via satélite e permite
comunicação com o booster em reentrada. O uplink de dados geralmente é interrompido no momento da aterrissagem porque as fortes vibrações sacodem as antenas de seu bloqueio com o satélite.
• Blindagem contra explosão: É usada para proteger todo o equipamento atrás dele de qualquer incêndio ou explosão inesperada.
• Tanques de nitrogênio: Para pressurizar o foguete para a viagem de volta ao porto.
• Geradores a diesel: Vários deles (geralmente seis) são utilizados para acionar os propulsores.
• Tanque de combustível: Abastecidos via geradores a diesel.
• Unidades de energia elétrica: Como unidades de reserva para suporte de posicionamento dinâmico.

Esquema propulsivo-energético de uma balsa genérica

A ideia dos nomes dos navios-drones:
As barcaças de pouso são chamadas de “Just Read The Instructions”, “Of Curse I Still Love You”, e “A Shortfall Of Gravitas”; os nomes vieram de obras do falecido autor de ficção científica Iain M. Banks.

Publicidade
%d blogueiros gostam disto: