Rússia lança satélite militar

Espaçonave ‘Tundra’ foi lançada de Plesetsk

Foguete decolou do Cosmódromo Norte e seguiu para órbita de transferência

As Forças Aeroespaciais russas lançaram ao espaço um satélite Kupol Tundra através de um foguete transportador Soyuz-2.1b a partir do cosmódromo de Plesetsk na quarta-feira, 2 de novembro de 2022. O foguete decolou às 09:47:48 hora de Moscou (03:47:48 de Brasília), da plataforma 43/3 do cosmódromo de Plesetsk na região de Arkhangelsk. O satélite militar de detecção por infravermelho foi batizado Kosmos 2563 quando confirmado que havia se desprendido do estágio superior Fregat em órbita altamente elíptica. Depois do lançamento dois objetos foram rastreados em órbita, um em 1.625 x 38.536 km com inclinação de 63.82° e outro em 1.646 x 38.538 km, inclinada em 63.80°.

Como parte da implementação do acordo entre o Governo da República de Komi e o Ministério da Defesa da Federação Russa para o período de lançamento, as áreas de impacto em Vashka (em Udorsky) e Zheleznodorozhny (Knyazhpogostsky) foram declaradas como zonas de exclusão. Para evitar a presença de pessoas nas áreas de queda, o Ministério de Recursos Naturais de Komi notificou as administrações municipais, órgãos estatais, organizações públicas e empresas privadas. Todos os departamentos foram orientados a notificar a população, pessoas jurídicas, empresários individuais e organizações localizadas na zona de perigo.

O Tundra (espaçonave 14F142) – do Sistema Espacial Unificado – Yedinoy Kosmicheskoy Sistemy EKS – também chamado Kupol (“Domo”), foi projetado para detectar lançamentos de mísseis com sensores infravermelhos e substituiu o sistema Oko-1. O primeiro satélite estava previsto para o 4º trimestre de 2014, mas foi lançado apenas em 17 de novembro de 2015. Em dezembro de 2016, o primeiro vice-comandante em chefe das Forças Aeroespaciais, general Pavel Kurachenko, informou que até 2020 estava planejado colocar em operação cerca de dez desses satélites e construir cinco estações de radar de alerta antecipado. De acordo com o plano, dez satélites estarão em órbita em 2022. O EKS fas parte de um programa abrangente de defesa, o Yedinuyu Kosmicheskuyu Sistemu Obnaruzheniya i Boyevogo Upravleniya – EKSOiBU, ou Sistema Unificado de Detecção Espacial e Controle de Combate.

Fase inicial de voo de um Soyuz 2.1b lançado a partir de Plesetsk

Os satélites des série são colocados em órbitas altamente elípticas de 12 horas com perigeus variando de cerca de 1.400 a 2.000 quilômetros, apogeu em torno de 38.000 quilômetros e uma inclinação de cerca de 63 graus. Os satélites têm dois apogeus diários durante os quais passam várias horas ‘pairando’ acima do hemisfério norte. Um está localizado aproximadamente sobre a Groenlândia e o outro acima do Extremo Oriente da Rússia. Como o centro de controle oriental do EKS ainda não está totalmente desenvolvido, os satélites provavelmente só realizam observações do apogeu “ocidental”. Este está situado mais a oeste do que os satélites soviéticos em órbita altamente elíptica. Aparentemente, eles são capazes de detectar lançamentos de mísseis do continente norte-americano e do Oceano Atlântico contra o fundo da Terra. Isso é corroborado por uma declaração oficial de que estas espaçonaves podem detectar lançamentos de mísseis balísticos de ambos os continentes e oceanos.

Ao contrário do sistema Oko-1, o Sistema Espacial Unificado é capaz não apenas de detectar a radiação infravermelha de mísseis balísticos terrestres e marítimos , mas também calcular sua trajetória de voo e fornecer designação de alvos para sistemas de defesa antimísseis terrestres. Além disso, o EKS também garante a orientação das armas estratégicas russas. Os satélites Tundra também são equipados com sistemas de controle de combate – naves espaciais podem ser usadas para transmitir comandos para iniciar um ataque de retaliação.

O veículo foi desenvolvido com a participação do instituto central de pesquisa Kometa ( módulo de carga útil ) e da RKK Energia (chassi). A corporação Kometa estava anteriormente envolvida no projeto e desenvolvimento do complexo de defesa anti-espacial, sistema espacial para detecção antecipado de lançamentos de mísseis balísticos intercontinentais de primeira e segunda geração, bem como o segmento espacial de sistema de alerta antecipado (sistema OKO ).

Foguete Soyuz 2.1b

A NPO Lavochkin participou diretamente na criação do “Compartimento A” e do “Compartimento B” (ambos compõem o “módulo de equipamento funcional” – Modul Poleznoy Nagruzki – da espaçonave), que envolve elementos da estrutura de suporte (a caixa dos compartimentos e painéis alveolares com e sem presilhas para instrumentação), suspensão interna e externa (receptores, dutos de fluido, radiadores, antenas direcionais de alto e baixo ganho ), além de fazer os cálculos de resistência e dinâmica.

Segundo o jornal Vedomosti, o Ministério da Defesa russo tem cobranças contra a Energia no valor de cerca de 36 bilhões de rublos. Estas dívidas são devidas pelo fracasso no desenvolvimento de um novo estágio superior 14S48 (Perseus-KV) para o foguete Angara-A5, bem como devido a dificuldades com a produção em série dos satélites Tundra.

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

E-Book espaçonave Crew Dragon

E-book Balsas-drone da SpaceX

Publicidade

Autor: homemdoespacobrasil

Sua referência em Astronáutica na internet

%d blogueiros gostam disto: