ULA lançou dois satélites de comunicações

SES-20 e SES-21 farão cobertura geoestacionária de TV e dados

Foguete AV-099 decola da plataforma SLC-41

A United Launch Alliance lançou os satélites SES-20 e SES-21 por um foguete Atlas V 531 n° AV-099 na terça-feira, 4 de outubro de 2022, às 17:36 EDT – 18:36 hora de Brasília do complexo SLC-41 de Cabo Canaveral. Este foi o sétimo lançamento da ULA em 2022, ocorrendo poucos dias após o de um Delta IV Heavy de Vandenberg Space Force Base. Este voo também marcou a primeira missão comercial da empresa a ser executada diretamente ‘em casa’, uma vez que todas as cargas comerciais anteriores foram adquiridas através dos Serviços de Lançamento Comercial da Lockheed Martin. O SES-20 de 1.369 kg deve ser colocado no ‘slot’ orbital (localização operacional) de 103,05°W, enquanto o seu irmão SES-21, de 1.638 kg está planejado para 131°W. Na decolagem, o motor principal do primeiro estágio e os três propulsores SRBs geraram 958.533 kgf de empuxo.

Perfil de lançamento

Doze minutos após a primeira ignição do Centaur ser concluída, o motor RL-10C acendeu pela segunda vez, elevando o apogeu para perto da órbita geossíncrona. Esta segunda ignição durou aproximadamente quatro minutos e 52 segundos. Após esta segunda ignição, o Centauro costeou por mais de 5 horas antes de acender o motor uma última vez. Esta ignição final utilizou todo o propelente restante, colocando as espaçonaves o mais próximo possível da órbita geossíncrona. Os dois satélites foram então liberados, e o estágio superior se neutralizou, liberando todo o excesso de fluidos e gases e esgotando suas baterias. Os dois satélites finalizarão suas órbitas nos próximos meses, transicionando lentamente para suas localizações operacionais finais no oeste dos Estados Unidos.

Foguete Atlas V 531 tem três ‘boosters’ de combustível sólido, um estágio central CCB e um estágio superior Centauro

A missão da SES foi o 678º voo de um Atlas e o 378º a partir do Cabo Canaveral. O Atlas V 531 AV-099 totalmente montado tinha 59,7 metros, com a carga útil encapsulada dentro da carenagem cabeça de material composto de 5,4 metros de diâmetro. Este foi o quinto voo da configuração Atlas V 531, realizado pela primeira vez em agosto de 2010 para lançar com sucesso o satélite de comunicações estratégicas AEHF-1 da Força Espacial. Esta variante também lançou a segunda e terceira missões AEHF em 2012 e 2013 e NROL-101 em 2020.

Perfil de lançamento
Transmissão ao vivo do Canal do Homem do Espaço

A Boeing Company construiu este par de satélites no seu chassi BSS-702SP, fabricados e montados em Los Angeles, Califórnia. Os novos satélites de banda C permitirão que a SES libere 280 MHz do espectro de banda média para uso 5G enquanto migra sem problemas os clientes de banda C existentes da empresa. A empresa opera a única constelação de satélites multi-órbita do mundo com a combinação de cobertura global de alto desempenho. Sua rede de vídeo tem cerca de 8.000 canais e tem um alcance de 366 milhões de lares em todo o mundo. Os SES-20 e SES-21 faziam parte do acordo geral de banda C com a agencia governamental ce comunicações americana, FCC. A SES (e a Intelsat) devolveram de frequências 300 MHz à FCC como parte do plano da FCC para migração 5G nos EUA. Cada espaçonave tem dez transponders primários de 36 MHz mais tubos de back-up para permitir a transmissão de televisão digital para mais de 120 milhões de residências de TV, bem como serviços de dados. O sistema da SES daqui por diante vão estar posicionados nos slots orbitais de 103 graus oeste, 131 graus oeste e 135 graus oeste.

Resumo do lançamento
Chassi 702P

A SES já começou a substituir sua frota de banda C com aparelhos da Thales Alenia. Em junho, a SpaceX lançou o SES-22 ao slot de 135 graus oeste. Restaram cinco satélites de banda C no total (SES-18, SES-19, SES-20, SES-21 e SES-22). A empresa encomendou à Boeing os dois modelos 702 em junho de 2020 como parte de seus esforços de limpeza do espectro da banda C, e esses são os primeiros que a empresa entregou desde o início de 2020. “A entrega dos SES-20 e do SES-21 marca mais um grande marco para nosso projeto de compensação de espectro da banda C nos EUA”, comentou o CTO da SES Ruy Pinto. Os satélites passaram por testes ambientais na fábrica de satélites da Boeing em El Segundo, Califórnia, incluindo vibração, vácuo térmico, interferência eletromagnética e testes acústicos. “ Os SES-20 e SES-21 são os primeiros satélites comerciais que entregamos desde o início da pandemia global”, disse Ryan Reid, presidente da Boeing Satellite Systems International. “Foi um desafio, mas encontramos maneiras de responder às demandas e prazos emergentes dos clientes. Como resultado, passamos da assinatura do contrato para a entrega em pouco mais de dois anos.”

SES-20 e SES-21 empilhados

Os veículos 702SP, altamente eficientes, foram projetados para operar em órbita geoestacionária a aproximadamente 36.000 km acima da Terra. Os satélites usam quatro sistemas de propulsão Xenon-ion (XIPS) modelo XIPS-25, com 130 kg deste propelente, que reduzem significativamente sua massa de lançamento em relação aos motores hipergólicos, permitindo assim que dois grandes aparelhos sejam lançados em conjunto pelo mesmo foguete. O módulo de carga útil é montado no chassi comum em apenas quatro suportes com seis conectores elétricos, após a carga útil ser adaptada às especificações do cliente. Essa simplicidade de projeto oferece grande vantagem de custos não recorrentes do programa reduzidos, uma vez que o chassi não precisa ser alterado para cada carga útil, e essas cargas podem ser adaptadas livremente sem que o chassi seja afetado. Além disso, o design mais simples acelera o processamento de montagem geral. A Boeing desenvolveu um sistema patenteado para lançar dois satélites 702SP de forma empilhada, sem necessidade de qualquer adaptador entre eles. Segundo a empresa, o satélite na posição inferior não requer nenhuma modificação estrutural para suportar o peso do superior, utilizando apenas sua estrutura central para suporta-lo. Os dois satélites são separados após a inserção orbital, permitindo que sejam tratados como uma única carga útil, o que reduz a complexidade para o provedor de lançamento.

Uma característica inovadora do Boeing 702 é seu sistema de energia que consiste em painéis refletores solares angulares ao longo de ambos os lados das asas. Juntos, os painéis formam uma calha rasa e concentram os raios solares nas células que alimentam o satélite. As células solares de arsenieto de gálio de junção dupla e tripla desenvolvidas pela Spectrolab, uma subsidiária da Boeing, oferecem uma faixa de potência de até 25kW na versão ‘Plus’ do Boeing 702.

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

E-Book espaçonave Crew Dragon

E-book Balsas-drone da SpaceX

Publicidade

Autor: homemdoespacobrasil

Sua referência em Astronáutica na internet

%d blogueiros gostam disto: