Rússia lança nova tripulação para a ISS na quarta-feira

Soyuz MS-22 decola com dois russos e um americano

Resumo do lançamento

O lançamento do foguete Soyuz-2.1a com a nave espacial Soyuz MS-22 carregando a 68ª expedição à Estação Espacial Internacional está programado para 21 de setembro de 2022 às 16:54 hora de Moscou (10:54 hora de Brasília). Em 18 de setembro, o foguete foi transportado do prédio de montagem e teste MIK 254 para o complexo de lançamento 6 da área 31 do Cosmódromo de Baikonur, onde, após instalá-lo em posição vertical, as empresas da Roskosmos começaram a se preparar para o lançamento. A tripulação principal da espaçonave (11F732A48 número de série 751) é composta pelo comandante Sergei Prokopiev (da Roskosmos), o engenheiro de voo-1 Dmitry Petelin, natural do Cazaquistão – também pela Roskosmos – e engenheiro de voo-2 Frank Rubio, da NASA. Seus substitutos são os cosmonautas da Roskosmos Oleg Kononenko e Nikolai Chub e a astronauta da NASA Loral O’Hara. A missão deve durar seis meses. Espera-se que o voo para a ISS ocorra de acordo com o padrão de três horas entre a decolagem e o acoplamento com o módulo Rassvet.

O foguete Soyuz-2.1a rebocado pela carreta TUA para a plataforma em Baikonur

A Soyuz está programada para acoplar no Rassvet por volta das 13h11 EDT (1711 GMT, ou 11:11 Brasilia) após um voo de duas órbitas. Cerca de duas horas após a acoplagem, as escotilhas entre a Soyuz e a estação espacial serão abertas e Prokopyev, Petelin e Rubio serão recebidos pelo comandante da Expedição 67, Oleg Artemyev, e pelos cosmonautas Denis Matveev e Sergey Korsakov da Roskosmos; os astronautas da NASA Bob Hines, Kjell Lindgren e Jessica Watkins; e a astronauta da Agência Espacial Européia (ESA) Samantha Cristoforetti. Prokopyev, Petelin e Rubio passarão cerca de seis meses na estação espacial. Este será o segundo vôo de Prokopyev ao espaço e o primeiro de Petelin e Rubio. Rubio é o primeiro astronauta da NASA a voar sob o novo acordo de troca de tripulação desde os voos americanos de tripulação comercial começaram a voar. A Soyuz MS-22 deve entregar à ISS suprimentos sanitários e higiênicos e controle médico, documentação de bordo e itens consumíveis para equipamentos de serviço, roupas e pertences pessoais dos cosmonautas, rações e alimentos frescos, bem como embalagens para experimentos os científicos Econ-M, Biofilm, Interaction-2, Biomag-M, MSK-2, FAGEN, Cardiovector, Cytomechanarium e Reflex. O comandante Prokopiev disse que os experimentos com a impressora 3D já começaram na estação, mas o trabalho principal ficará com sua equipe. Os primeiros resultados serão trazidos à Terra pela tripulação da espaçonave Soyuz MS-21, que deve retornar em 29 de setembro.

Transmissão de lançamento pelo Canal do Homem do Espaço

O cosmonauta Prokopiev disse que levaria as joias de sua filha e a cruz do neto com ele no voo para que o lembrassem de sua família enquanto trabalha na estação. “Antes de tudo, estas são as joias da minha filha e a cruz do meu neto, são as coisas que vão aquecer meu coração”, disse Prokopiev em uma entrevista coletiva. Prokopiev nasceu em 19 de fevereiro de 1975 e se tornou avô em 2021. Ele esclareceu que as tripulações geralmente levam pertences pessoais, fotos de amigos e parentes.
Seu companheiro de tripulação Dmitry Petelin decidiu levar consigo os desenhos de sua filha mais velha, bem como um talismã o qual seu avô usou na Segunda Guerra Mundial. O astronauta americano Rubio leva fotos de família e pequenos objetos de seus filhos que “serão um belo presente” quando ele voltar para casa.

O foguete Soyuz-2.1a número S15000-051 montado na plataforma da Area 31/6 em Baikonur

Homenagem ao pioneiro Tsiolkovsky

Emblema da missão

A espaçonave recebeu o nome de Tsiolkovsky em homenagem ao 165º aniversário do nascimento de Konstantin Tsiolkovsky, cientista russo, inventor e fundador da teoria da exploração espacial. A carenagem de cabeça do foguete traz um retrato do cientista e a inscrição “165 anos desde o nascimento de Konstantin Tsiolkovsky. O emblema da tripulação é feito na forma de um círculo. Na parte superior são aplicados: o indicativo de chamada da tripulação, “Altai”, e as bandeiras dos países participantes do voo (à esquerda a da Rússia, à direita dos EUA). No mesmo campo abaixo, são inseridos os nomes dos integrantes da expedição. Na parte superior do círculo interno é apresentada: na parte superior uma imagem estilizada da estação, e na inferior uma imagem da espaçonave. Sob a nave está o nome e o número de série da espaçonave Soyuz MS-22, cuja direção de voo aponta para a ISS. Abaixo está uma imagem da Terra. A ISS é cercada por três estrelas, correspondentes ao número de tripulantes da nave. O cisne simboliza o comandante da tripulação, Coronel das Forças Aeroespaciais da Federação Russa Prokopiev, que voou aeronaves Tu-160 durante seu serviço militar – que os pilotos russos chamam de “Cisne Branco”. À direita das três estrelas está uma imagem estilizada de uma tartaruga, simbolizando o nome do conjunto de astronautas da NASA de 2017, as ‘turtles’, do qual Franco Rubio é membro. Ao lado do cisne está uma figura em forma de vela, formada por três arcos de círculos, cujos raios são proporcionais aos raios dos três corpos celestes: a Terra, Marte e a Lua. Este é o emblema do recrutamento para o corpo de cosmonautas de Roskosmos, no qual Dmitry Petelin foi selecionado.

Tripulação da espaçonave: comandante ISS-68 Sergey Prokopyev (centro); o cosmonauta-testador, engenheiro de vôo / ISS-68 Dmitry Petelin (direita) e o astronauta, engenheiro de voo-2 / ISS-68 Franco (Frank) Rubio

O tenente-coronel Francisco Carlos Rubio veio de origens humildes, criado por uma mãe solteira adolescente no sudoeste de Miami. Mais de 30 anos depois de ingressar no Exército, o piloto de helicóptero UH-60 Black Hawk fará seu primeiro voo no espaço quando partir de Baikonur para a estação espacial. Rubio disse que sua mãe, uma imigrante de El Salvador, o criou em um ambiente que incentivava o trabalho duro. “Uma das coisas mais importantes que minha mãe me ensinou enquanto estávamos crescendo é que, apesar dos desafios que enfrentamos, nada era uma desculpa”, disse ele. “Eu tive que trabalhar e seguir em frente e, felizmente, isso me incutiu uma ética de trabalho muito boa.” Rubio, que se alistou no Exército em 1998 como forma de pagar a faculdade, obteve o doutorado em medicina e fez uma extensa carreira militar. Ele voou mais de 1.100 horas, incluindo cerca de 600 durante destacamentos na Bósnia, Afeganistão e Iraque. Ele também obteve sua certificação ‘Jumpmaster’ e realizou mais de 650 saltos de paraquedismo.

De acordo com a tradição, os tripulantes da equipe de reserva Oleg Kononenko, Nikolai Chub e Loral O’Hara, acompanharam a transferência por ferrovia do foguete do prédio MIK254 para a plataforma. Além deles acompanharam as famílias dos astronautas, representantes de agências espaciais e empresas da indústria espacial, além de jornalistas.

Equipes de resgate já prontas para o lançamento

O treinamento dos grupos de busca no Cosmódromo realizam os exercícios de busca programados. Equipes de busca terrestre e aérea são formadas por especialistas do Centro Espacial Yuzhny (uma filial da JSC TsENKI, parte da Roskosmos ). Sua tarefa é procurar fragmentos de foguetes em caso de acidente ao longo da trajetória de voo a uma distância de até 150 km do complexo de lançamento para as equipes de solo e até 250 km para o grupo aéreo. Como parte dos exercícios, foi determinado um local presumido onde os fragmentos de foguete cairiam, foi feita uma simulação de busca na estepe, um cordão e proteção foi instalado e um acampamento com alojamento e refeições para trabalhadores foi organizado à distância do lugar condicional da queda. As equipes de busca fazem parte de uma time de resgate de “emergência não padrão” designada para cada lançamento. Além dos funcionários do Centro Espacial Yuzhny, essa formação inclui especialistas do Ministério de Emergências da Rússia e da Agência Federal Médica e Biológica da Rússia (Federalnoye Mediko-Biologicheskoye Agentstvo, FMBA).

Espaçonave 11F732A48 ‘Soyuz MS’

Homenagem à FMBA

A FBMA também será homenageada neste lançamento, tendo seu logotipo aplicado em adesivo à seção de cauda do terceiro estágio (‘bloco I’) do foguete: A agência é o instituto nacional de saúde pública da Federação Russa, entidade federal vinculada ao Ministério da Saúde e sediada na Rodovia Volokolamsk, em Moscou. Foi criada como Terceira Direção Principal do Ministério da Saúde soviético em 1947 – depois renomeada Direção Federal/Principal de Assuntos Biomédicos e Extremos em 1991. Manteve este nome até 11 de outubro de 2004, quando foi renomeada para o nome atual. Durante o regime soviético, desde 1947, a Terceira Diretoria Principal do Ministério da Saúde era responsável por essas funções.

Emblema da FBMA na carenagem de cabeça do foguete

Hoje, seu principal objetivo é “proteger a saúde e a segurança pública por meio do controle e prevenção de doenças, lesões e deficiências”. A Agência concentra a atenção nacional no desenvolvimento e aplicação de controle e prevenção de doenças. Concentra sua atenção especialmente em doenças infecciosas, patógenos de origem alimentar, saúde ambiental, segurança e saúde ocupacional, promoção da saúde, prevenção de lesões e atividades educacionais destinadas a melhorar a saúde dos cidadãos russos. Além disso, a FMBA pesquisa e fornece informações sobre doenças não infecciosas. A agência também é responsável pelo banco de sangue russo.

Carta de Novgorod

Outra cerimônia que será feita nesta missão inclui a Carta de Novgorod. A delegação de Novgorod entregará uma cópia do documento de casca de bétula a Baikonur. Uma comitiva de oito alunos e dois estudantes da região de Novgorod numa ação a ser realizada no âmbito da cooperação entre o governo regional e a Roskosmos. A delegação entregará uma cópia da casca de bétula encontrada em Veliky Novgorod ao cosmódromo nos dias 19 e 23 de setembro. A delegação incluiu alunos com alto desempenho nas suas áreas disciplinares. O programa da estadia inclui uma visita ao Cosmódromo de Baikonur durante a campanha de lançamento do Soyuz 2.1a com a Soyuz MS-22. Juntamente com o veículo lançador, uma cópia da carta de casca de bétula nº 10, encontrada no local de escavação de Nerevsky em Veliky Novgorod, irá para o espaço. A carta data de meados do século XIV, diz o seguinte texto: ” Há granizo entre o céu e a terra. O embaixador vai até ele sem caminho, ele é mudo, carrega uma carta não escrita. Segundo os cientistas, o trecho é uma referencia à Arca de Noé.

Adesivo em homenagem aos 1.140 anos de união de Kyiv (Kiev) a Novgorod

Em 26 de julho de 1951, no local de escavação de Nerevsky uma expedição arqueológica liderada por A. V. Artsikhovsky descobriu o primeiro documento de casca de bétula contendo uma lista de deveres feudais. As informações sobre o uso da casca de bétula como material para escrever na Rússia Antiga eram conhecidas há muito tempo, inclusive dos escritos de autores medievais. A primeira escrita russa antiga em casca de bétula, uma pequena carta de um plebeu que viveu no século XV, foi descoberta durante essas escavações arqueológicas. As escavações começaram em 1932, mas somente em 1951 os arqueólogos se mudaram para o lado Nerevsky da cidade. Em 26 de julho de 1951, um membro da expedição encontrou este pedaço de casca de bétula com um texto em russo. Ao final da temporada de campo, a expedição tinha mais nove documentos semelhantes. Posteriormente, letras de casca de bétula foram encontradas em escavações em Moscou, Pskov, Smolensk, Staraya Russa, Tver, Torzhok, Vitebsk, Mstislavl, Zvenigorod Galitsky. Hoje seu número ultrapassou mil. As letras de casca de bétula mais antigas datam da primeira metade do século XI e as últimas de meados do século XV.

Foguete Soyuz 2.1a tem 51,31 metros de comprimento e 316 toneladas de massa na decolagem

A descoberta de letras de casca de bétula abriu uma nova página no estudo da história da língua russa, expandiu a compreensão dos cientistas sobre as características da vida de uma pessoa medieval. Ao contrário das antigas crônicas russas, os textos de letras de casca de bétula estão cheios de detalhes cotidianos. A maioria das cartas contém letras, também existem vários registros, etiquetas, rascunhos de documentos, exercícios para alunos, alfabetos, encantamentos, textos da igreja. Tópicos cotidianos determinaram a forma de apresentação – a maioria dos documentos é escrita em língua coloquial russa antiga.

A ideia de enviar uma das cartas de casca de bétula para a Estação Espacial Internacional, proposta por um estudante de Novgorod, foi apoiada pelos cosmonautas russos. Este evento será programado para coincidir com o 1.160º aniversário do nascimento do Estado na Rússia, que é comemorado em 2022. No terceiro estágio do foguete, estão adesivados símbolos adicionais, dedicados ao nascimento do Estado russo e ao 1.140º aniversário da campanha do príncipe Oleg contra Kyiv.

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Author: homemdoespacobrasil

Sua referência em Astronáutica na internet

%d bloggers like this: