Astronautas da Polaris Dawn na fase final de treinamento

Tripulantes falam da missão que incluirá atividade extraveicular

A tripulação privada Polaris Dawn da SpaceX fala sobre sua missão

Os quatro tripulantes do Polaris Dawn pretendem mais uma vez arrecadar dinheiro para o Hospital Infantil St. Jude em Memphis enquanto realizarem a primeira caminhada espacial comercial, com o lançamento marcado para não antes de dezembro de 2022.

A missão incluirá o astronauta e bilionário Jared Isaacman, que pagou por todos os quatro assentos na espaçonave Crew Dragon da SpaceX tanto para essa missão quanto para o próximo voo. (Ele e os outros astronautas da Inspiration4 arrecadaram US$ 250 milhões para o hospital St. Jude enquanto estavam em órbita no ano passado.) Isaacman será o comandante da Polaris Dawn, voando com três pessoas com experiência em operações aeroespaciais: Anna Menon e Sarah Gillis, ambas engenheiras de operações da SpaceX, e o piloto aposentado da Força Aérea dos Estados Unidos, Scott Poteet.

Em uma sessão de perguntas e respostas ao site space.com, os tripulantes do Polaris Dawn compartilharam histórias dos mentores que os inspiraram a voar, o que eles querem fazer em órbita e os objetivos de caridade que fundamentam o Programa Polaris.

Jared Isaacman, comandante
Isaacman liderou a missão SpaceX Inspiration4 em 2021 antes de anunciar o Polaris Dawn e as duas futuras missões do Programa no início deste ano. Isaacman é o bilionário fundador e CEO da Shift4 payments e piloto talentoso, com cerca de 6.000 horas de experiência de voo. Ele é dono de uma empresa de treinamento de pilotos a jato, a Draken International, e realizou uma circunavegação em alta velocidade do mundo, entre outros marcos.

Nave espacial Crew Dragon, que será usada na missão

Space.com: O que você sentiu falta durante a Inspiration4 que gostaria de fazer dessa vez?

Isaacman: Vou tentar o meu melhor para fazer uma pausa por um momento e apreciar o ambiente em que tenho a sorte de estar, uma vista que poucos viram. Eu estava muito focado na missão e na linha do tempo com o Inspiration4, e sei que estarei novamente, mas espero poder aproveitar alguns desses momentos especiais.

Space.com: Como estar no espaço mudou você ou sua abordagem de caridade?

Isaacman : a Inspiration4 e agora a Polaris se tornou uma plataforma maior para fazer a coisa certa. Sempre tentei incorporar importantes causas de caridade em minhas aventuras passadas – sempre tentando garantir que a missão servisse a um propósito maior. Isso obviamente não mudou com a Inspiration4 ou Polaris. Poderíamos apenas realizar as coisas em uma escala muito maior.

A missão que Isaacman patrocinou, a Inspiration4, levou quatro astronautas privados numa missão ‘solo’ da Crew Dragon

Space.com: Como tem sido o treinamento?

Isaacman: Semelhante ao Inspiration4, o tempo simplesmente desaparece. Os dias e semanas simplesmente desaparecem, mas neste caso, o programa de treinamento é muito mais longo e ainda mais intenso. A duração mais longa da missão nos permitiu fazer cinco dias de pesquisa, cada uma com treinamento especializado. Isso se soma aos aspectos únicos de desenvolvimento da missão – como um novo traje de EVA [atividade extra-veicular, ou caminhada espacial] e uma campanha de simulação específica para órbitas de EVA e de alta radiação.

Space.com: Qual é a parte mais desafiadora ou interessante do treinamento?

Isaacman: O treinamento de EVA é realmente interessante. Traz consigo novos níveis de medicina espacial, uma compreensão mais profunda do ECLSS [sistemas de controle ambiental e suporte à vida] e suas modificações para esta missão. [Temos] vários ambientes de treinamento empolgantes, como SCUBA, pára-quedismo, câmara de altitude, sistemas de suspensão e uma campanha de simulação que se concentra nos procedimentos nominais e de contingência que precisamos dominar. É muito emocionante.

Space.com: Por qual parte da missão você está mais ansioso?

Isaacman: Meu trabalho é realmente olhar para a totalidade da missão e todos os nossos objetivos. É por isso que com a Inspiration4 o treinamento, a formação de equipes, a missão, a pesquisa e a angariação de fundos para St. Jude foram todos de igual importância. Isso não é diferente com o Programa Polaris. Temos muitos objetivos ambiciosos que quero garantir que alcancemos. É tudo tão importante.

Space.com: Quais itens especiais você levará para a missão?

Isaacman: Pessoalmente, alguns pequenos itens para minha esposa e filhas, mas na maioria das vezes nossa alocação em massa está sendo priorizada para ciência, pesquisa e as modificações do ECLSS necessárias para atingir nossos objetivos.

Space.com: Que divulgação você planeja realizar?

Isaacman: Continuaremos a angariação de fundos e a conscientização que começamos com o St. Jude. Arrecadamos mais de US$ 250 milhões e o trabalho está longe de terminar. Eu esperaria que St. Jude desempenhasse um grande papel em todas as fases de nossa missão, antes, durante e depois da amerrissagem.

Space.com: Como você selecionou sua equipe?

Isaacman: Polaris é um esforço conjunto com a SpaceX. Decidimos muitas coisas juntos em relação ao Programa. No caso da tripulação, construímos uma equipe para cumprir os objetivos da missão. É claro que ter familiaridade e confiança com todos da Inspiration4 teve um papel importante, mas acho que se você observar o histórico de cada membro da tripulação, poderá ver por que eles são adequados para essa missão e os objetivos que pretendemos alcançar.

Ao que se divulgou, a atividade extraveicular será feita com um escafandro espacial derivado da traje de pressão intraveicular já usado nas Crew Dragon atuais. Foi especificado que não haverá uma câmara de despressurização instalada, o que indica que a cabine será vazada durante a atividade, sendo repressurizada após o trabalho externo.

Space.com: O que você espera realizar nas futuras missões Polaris?

Isaacman: Cada missão deve se basear na anterior e esperamos que muito possa ser aprendido com a ciência, a pesquisa e toda a tecnologia que pretendemos demonstrar. Quando Polaris terminar, a primeira nave tripulada Starship deverá ter voado e esse é o veículo que abrirá espaço para muitos. [Starship é a nave tripulada da SpaceX que está sendo desenvolvida para missões no espaço profundo; o vôo final do Polaris dependerá dela.] Ela retornará os seres humanos à Lua e, finalmente, a Marte e além. É incrível até mesmo pensar nisso.

Sarah Gillis, especialista de missão
Sarah Gillis é engenheira líder de operações espaciais da SpaceX. Ela foi responsável pelo treinamento de astronautas, incluindo a Inspiration4, o voo de teste tripulado Demo-2 da NASA e o Crew-1. Sua experiência em operações de controle de missão inclui ser oficial de navegação para missões de reabastecimento de carga Dragon e de comunicação da tripulação para missões de voo tripulado da Crew Dragon.
Gillis originalmente planejava ser uma violinista clássica, mas seu mentor do ensino médio e astronauta da NASA Joe Tanner a ajudou a decidir se engajar na engenharia aeroespacial. Gillis ingressou na SpaceX em 2015.

Space.com: Há quanto tempo você quer ir para o espaço?

Sarah Gillis: Eu não acho que eu realmente tinha considerado a possibilidade de ir para o espaço antes do meu primeiro ano do ensino médio, quando conheci um astronauta pela primeira vez. No entanto, isso sempre parecia algo muito fora do reino das possibilidades, então não era algo em que eu foquei muita energia ao longo dos anos. Em vez disso, tentei buscar e aprender coisas que achei interessantes e, em algum momento, acabei desenvolvendo um conjunto de habilidades altamente aplicável ao voo espacial tripulado.

Space.com: Como tem sido o treinamento?

Sarah Gillis: Tem sido incrivelmente divertido estar deste lado do treinamento, concentrando-se na coesão da equipe e aprendendo os novos objetivos específicos da missão. Acho realmente inspirador e motivador aprender ao lado dessa equipe. Todos trazem seus conhecimentos para a mesa. É um ambiente bastante colaborativo. Todos nos damos muito bem, o que rende muitas risadas durante o treinamento… entre todo o aprendizado, é claro!

Space.com: Qual é a parte mais desafiadora ou interessante do treinamento?

Gillis: Acho que a coisa mais interessante que observei até agora é que, apesar de trazermos individualmente muito conhecimento da espaçonave para a mesa, ainda temos muito a aprender quando se trata de trabalhar de forma eficiente e eficaz em equipe. É muito divertido participar do processo de refinamento de nosso gerenciamento de recursos de tripulação, enquanto continuamos a formar uma equipe.

Space.com: Como o treinamento da tripulação da Polaris Dawn se compara com os astronautas da NASA que voam a bordo do Crew Dragon?

Gillis: Nosso programa de treinamento do Crew Dragon é idêntico ao treinamento da NASA, além de tópicos relacionados ao encontro e acoplagem na Estação Espacial Internacional, com base em nossa trajetória de vôo livre. Além disso, adicionamos um programa completo para nos preparar para usar o novo traje extraveicular e executar a operação de EVA, bem como treinamento específico de missão para os cerca de 40 experimentos de pesquisa que realizaremos em voo. Finalmente, a equipe médica da SpaceX fez um trabalho incrível criando um novo programa de treinamento semelhante ao que os tripulantes da NASA passam.

Space.com: Quais habilidades as operações de missão realmente ensinam para voos espaciais?

Equipe trabalha no simulador da nave Crew Dragon

Gillis: Existem muitas habilidades que se aplicam diretamente tanto no controle de missões quanto em voos espaciais. Como o espaço é um ambiente implacável, você precisa aprender a trabalhar como parte de uma equipe de alto desempenho para evitar erros. Você aprende a se comunicar de forma eficaz e concisa, para garantir que as decisões corretas possam ser tomadas com rapidez e segurança. Você aprende como executar listas de verificação e seguir procedimentos, que combinados com um profundo conhecimento dos sistemas da espaçonave permitem que você resolva rapidamente problemas e solucione quaisquer problemas que surgirem.

Space.com: Por qual parte da missão você está mais ansiosa?

Gillis: Estou apenas tentando aproveitar cada parte dessa experiência, desde o treinamento até a amerrissagem segura no final da missão. Enquanto em órbita, acho que estou mais ansiosa para viver e trabalhar no ambiente de microgravidade.

Quais itens especiais você levará para a missão?

Gillis: Eu tenho algum trabalho a fazer para descobrir o que vou levar na missão, mas estou aberta a sugestões!

Space.com: Que divulgação você planeja realizar? Você está planejando tocar música em órbita?

Gillis: Eu adoraria ter a oportunidade de tocar música em órbita! Ainda estamos trabalhando no plano para todas as atividades a bordo, mas definitivamente espero que isso faça parte da lista.

Anna Menon, especialista de missão e oficial médica
Anna Menon é engenheira líder de operações espaciais na SpaceX e trabalhou como diretora de missão e comunicadora de tripulação, além de gerenciar o desenvolvimento de operações tripuladas. Missões notáveis em que ela trabalhou incluem as Demo-2, Crew-1 e missões de carga não-tripuladas CRS-22 e CRS-23.

Antes de ingressar na SpaceX, Menon trabalhou na NASA como controladora de voo biomédico para a Estação Espacial Internacional, inclusive atuando como líder das operações biomédicas da Expedição 47/48. Sua professora da quarta série, Alison Smith Balch, inspirou a paixão de Menon pelo espaço. Smith Balch era filha do astronauta e piloto da NASA Michael J. Smith, que morreu durante o acidente do ônibus espacial Challenger em 1986.

Anna Menon

Space.com: Há quanto tempo você queria ir para o espaço?

Anna Menon: Eu sonhava como seria ver nossa bela Terra entre as estrelas desde que eu era uma garotinha. Fui inspirada a trabalhar neste campo aos nove anos de idade em uma viagem ao Johnson Space Center da NASA. Lá, vivi um dia na vida tanto de um controlador de voo no Controle da Missão quanto de um astronauta. Daquele ponto em diante, tornou-se meu sonho contribuir para esta indústria com minha carreira.

Space.com: Que pesquisa você está ansiosa para realizar?

Menon: Há tantos experimentos com os quais estou animada nesta missão! Selecionamos aproximadamente 40 estudos diferentes para serem feitos em cinco dias, e cada um deles explorará ideias novas e importantes para nos ajudar a melhorar a vida tanto aqui na Terra quanto em futuras missões no espaço. Alguns experimentos que me vêm à mente para os quais estou animada envolverão ultra-som Doppler dos rins e fígado para entender melhor a farmacocinética e endoscopia de nossas vias aéreas para entender melhor a administração de estratégias de intubação que salvam vidas para missões espaciais.

Space.com: Como uma carreira de desenvolvimento de respostas operacionais críticas para emergências de naves espaciais para outros preparou você para operar uma nave espacial?

Menon: Um aspecto é que isso me proporcionou uma história e uma formação técnica não apenas sobre o quê, mas sobre os porquês de nossas operações. Esse histórico pode informar nossas decisões e ações em voo para ajudar nossa tripulação a cumprir nossos objetivos de missão. Além disso, carrego comigo anos de trabalho como companheira de equipe dos muitos engenheiros brilhantes da SpaceX no Controle de Missão; esta experiência pode ajudar a servir como uma ponte entre nossa tripulação no espaço e a fantástica equipe na Terra que nos apoia.

Space.com: O que você está ansiosa para contar aos seus filhos e familiares quando voltar?

Menon: Bem, primeiro, eu pretendo dar a eles o maior abraço e dizer pela milionésima vez o quanto eu os amo. Mas depois disso, estou animada para compartilhar histórias com eles. Espero poder dar vida a essa experiência para eles de uma maneira que toque suas vidas tanto quanto tenho certeza de que tocará a minha. Meu sonho é que um dia o espaço seja tão – ou até mais – acessível às pessoas como aviões e carros são hoje. Até esse dia, tentarei pintar um retrato para meus filhos e familiares da beleza do nosso planeta e da vastidão das estrelas e do universo que nos cercam, do ponto de vista de voar entre eles.

Scott Poteet, piloto
Scott “Kidd” Poteet é tenente-coronel aposentado da Força Aérea dos Estados Unidos, com tem 3.200 horas de voo em aeronaves, incluindo F-16, A-4, T-38, T-37, T-3 e Alpha Jet. Ele também tem mais de 400 horas de experiência em combate. Poteet serviu 20 anos na Força Aérea, incluindo cargos seniores como 64º Esquadrão Agressor, piloto de demonstração Thunderbird nº 4, piloto de teste e avaliação operacional e examinador de voo. Posteriormente, atuou como diretor de desenvolvimento de negócios da Draken e presidente de estratégia da Shift4, ambas empresas de Isaacman. Poteet também foi o diretor da missão do Inspiration4.

Space.com: Há quanto tempo você queria ir para o espaço?

Scott Poteet: Eu sempre assumi que o espaço era muito improvável devido ao meu desempenho acadêmico na escola primária e na faculdade, apesar de ser um grande fã do filme “The Right Stuff” na década de 1980. Assim que isso se tornou realidade no ano passado, abracei a oportunidade e continuo comprometido em compartilhar o máximo possível da jornada com o público. É apenas mais um exemplo de como a exploração espacial será mais acessível às gerações futuras.

Space.com: Como você usará sua experiência militar em órbita?

Poteet: Uma coisa que notei é a consistência entre as operações nas forças armadas e a preparação para o espaço. A forma como abordamos as técnicas e procedimentos de treinamento é muito semelhante ao que vivi na Força Aérea. Estamos altamente comprometidos em entender a dinâmica da tripulação e aprimorar a disciplina do procedimento da lista de verificação. Tenho imensa confiança na equipe da SpaceX.

Scott “Kidd” Poteet

Space.com: Como o treinamento da tripulação se compara ao seu treinamento militar básico?

Poteet: A atenção aos detalhes que testemunhei da equipe da SpaceX é incomparável em relação a como os procedimentos da lista de verificação são executados, o que é um verdadeiro esforço da equipe para incluir o controle da missão. Há uma razão pela qual a SpaceX está liderando a exploração espacial, e esses homens e mulheres merecem seu lugar nos livros de história. Estou animado para ver o que o futuro reserva para todos nós experimentarmos.

Space.com: Qual você acha que será o legado da Polaris Dawn?

Poteet: Queremos apenas desempenhar um pequeno papel na evolução da exploração espacial. Sabemos que este é um esforço de equipe com uma história muito profunda de realizações da NASA. Certamente não estaríamos aqui sem os sacrifícios feitos por aqueles que vieram antes de nós. Se pudermos fazer uma pequena contribuição para o bem maior no espaço e aqui na terra, teremos o prazer de proclamar “missão cumprida”.

Space.com: Como tem sido o treinamento?

Poteet: Para entender completamente o nosso treinamento, gosto de dividi-lo em três fases distintas que são simultâneas.

A Fase 1 é entender o básico para incluir os sistemas do Falcon 9 e da Dragon, aviônicos, procedimentos, operações de contingência, etc. A Fase 2 está focada nos elementos especializados de nossa missão. Isso inclui a EVA, a altitude mais alta, a comunicação por Starlink e os extensos experimentos científicos e de pesquisa.
Por último, na Fase 3, abordamos dinâmicas de grupo, formação de equipes e “estar confortável em situações desconfortáveis”. Este tipo de treinamento inclui treinamento de caça, alpinismo, mergulho, paraquedismo e sobrevivência na água, para citar alguns. Em suma, este é um dos melhores e mais intensos treinamentos que já experimentei.

Space.com: Por qual parte da missão você está mais ansioso?

Poteet: Acho que, como há tantos marcos, objetivos e tarefas ao longo de toda a missão, é difícil apontar um aspecto. Assim como uma experiência em qualquer tipo de operação militar, você entra em uma mentalidade operacional com foco intenso. Estaremos totalmente preparados para nossa missão, portanto, é fundamental encontrar o equilíbrio certo entre aproveitar a experiência e atingir nossos objetivos. Apreciar a vista do nosso apogeu planejado certamente será um destaque.

Space.com: Quais itens especiais você levará para a missão?

Poteet: Honestamente, não pensei muito nisso. Eu me considero um pouco minimalista, então não estou muito comprometido em trazer muitas coisas. Eu quero trazer algo para cada um dos membros da minha família, mas não pode ser muito grande, já que estamos dedicando a maior parte do nosso espaço de carga à ciência e pesquisa e aos itens adicionais necessários para a EVA.

Space.com: Que divulgação você planeja realizar?

Poteet: A divulgação é muito importante para nossa missão geral e o St. Jude tem sido um grande parceiro na Inspiration4 e na Polaris Dawn. Estamos sempre procurando novas maneiras de apoiar sua causa para incluir várias iniciativas que estamos mantendo até em órbita.

Space.com: Qual é a parte mais desafiadora ou interessante do treinamento?

Poteet: O aspecto mais desafiador é acompanhar minha incrível equipe. Com um astronauta experiente e dois engenheiros experientes da SpaceX, estou comprometido em não decepcioná-los e quero ter certeza de contribuir de todas as maneiras possíveis. Todo o treinamento prático com escalada, mergulho e vôo é divertido.

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Author: homemdoespacobrasil

Sua referência em Astronáutica na internet

%d bloggers like this: