China lança mais três satélites de teste

Em segundo voo em 12 horas, chineses colocam mais três “Shiyan” em órbita

Foguete CZ-6 decola de Tayiuan

Ontem, 26 de setembro de 2022, às 23h50 UTC, um foguete Longa Marcha 6 lançou com sucesso os satélites Shiyan 16 A e B e Shiyan 17 a partir do centro espacial de Taiyuan. Segundo a mídia oficial do país, são satélites de sensoriamento remoto, usados principalmente para levantamento de terras, planejamento metropolitano e prevenção e mitigação de desastres. O Shiyan-16A entrou em órbita de 505.2 x 520,7 km, inclinada em 97,45° e com período de 94,88 min; O Shiyan-16B teve os parâmetros de 505,6 518,9 km inclinada em 97,45° e com período de 94,87 min; e o Shiyan-17 em 503,0 520,0 km com inclinação de 97,45° e período de 94,85 minutos.

O par Shiyan 16 A/B “SY-16 A/B” são de responsabilidade do Instituto 509 da Academia de Pesquisa de Tecnologia Espacial SAST de Shangai, enquanto o Shyian 17 “SY-17” é construído sobre um chassi DFH da Academia de Pesquisa de Tecnologia Espacial CAST. Este foi o 10º lançamento de um foguete CZ-6 e o ​​440º lançamento da série Longa Marcha – e também o segundo lançamento espacial da China em 12 horas. O país havia lançado com sucesso horas antes os satélites de sensoriamento remoto Yaogan 36 01 – A, B e C num foguete Longa Marcha 2D que decolou o Centro de Lançamento de Satélites de Xichang.

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

E-Book espaçonave Crew Dragon

Sonda da NASA faz com sucesso primeiro teste de defesa planetária

Espaçonave autoguiada DART chocou-se contra asteróide

A equipe de controle observa as imagens do asteróide antes do impacto

A espaçonave DART da NASA chocou-se intencionalmente com o asteroide Dimorphos no primeiro teste de defesa planetária da Humanidade. O impacto ocorreu às 19:14 ET (23:14 UTC ou 20:13 hora de Brasília) de 26 de setembro de 2022. O evento foi saudado por aplausos da equipe da missão em Laurel, Maryland. A missão DART, ou Double Asteroid Redirection Test, foi lançada há 10 meses. Embora o asteróide não estivesse em risco de impactar a Terra, esta demonstração poderia determinar como desviar rochas espaciais que poderiam representar uma ameaça no futuro. “Estamos embarcando em uma nova era da humanidade, uma era na qual potencialmente temos a capacidade de nos proteger de algo como um impacto perigoso de asteroide”, disse Lori Glaze, diretora da Divisão de Ciência Planetária da NASA. “Que coisa incrível. Nunca tivemos essa capacidade antes. Este sistema de asteroides foi um alvo perfeito para testar um impacto cinético – o que pode ser necessário se um outro estiver a caminho de atingir a Terra.

A missão DART é um experimento para testar se um impacto cinético pode alterar a velocidade e a trajetória guiando deliberadamente a espaçonave para o asteroide (que orbita um asteroide maior, Didymos) e observando mudanças em sua órbita após o choque. O evento foi capturado por um sistema de câmeras – o Didymos Reconnaissance and Asteroid Camera for Optical Navigation (DRACO), principal instrumento a bordo e é responsável por transmitir imagens ao controle da missão da aproximação de 24.000 km/h ao asteróide. Ele também foi responsável por navegar corretamente a DART até seu ponto de impacto.

Esquema simplificado da fase de impacto e alteração orbital de Dimorphos. O asteroide Didymos e sua pequena lua Dimorphos compõem o que é chamado de sistema binário de asteroides – o que significa que a pequena lua (Dimorphos) orbita o corpo maior (Didymos). O par de asteróides, próximo da Terra (tipo Apollo) foi descoberto em 1996. O sistema está em uma órbita solar elíptica (excentricidade, e=394), inclinada em 3,407 ° em relação à eclíptica, com afélio de 2.2760 AU, periélio de 1,0133 AU, semi-eixo maior de 1.6446 AU com um período de 770,18 dias. Didymos B orbita Didymos A com um período de 11,90h.

Por volta das 16:00 EDT, o instrumento fixou em Didymos quando a nave entrou em sua fase terminal de aproximação. Com o alvo identificado, a DART começou a se autoguiar até o ponto de impacto não recebendo mais instruções do centro de controle. Às 07h30 e 15h30 EDT, as primeiras imagens de Didymos foram transmitidas através do ‘feed’ ao vivo. O sistema de asteróides apareceu inicialmente como um pequeno ponto contra a escuridão do espaço. A 25 minutos do impacto, a nave foi capaz de “ver” Dimorphos – indicado como um pequeno ponto borrado no canto superior direito da tela, que mostrava também o asteroide maior Didymos.

Aproximação da sonda com o alvo
‘Close’ final na superfície rochosa do asteróide

O mini-satélite LICIACube (Light Italian CubeSat for Imaging of Asteroids), da Agência Espacial Italiana, seguiu alguns minutos depois para fotografar o local do impacto. O minissatélite sobrevoou o local da colisão a uma altitude de cerca de 60 quilômetros para capturar as primeiras imagens e dados, ainda a serem decodificados. A espaçonave DART ejetou o LICIACube cerca de dez dias antes do impacto a cerca de 4,2 km por hora para adquirir imagens do impacto e do material ejetado à medida que passa pelo asteróide.

Visão geral da espaçonave DART com Roll Out Solar Arrays (ROSA) estendidos. Com os paineis totalmente estendidos, a DART mede 12,5 metros por 2,4 metros. A DART usa um motor NEXT–C da NASA (NASA Evolutionary Xenon Thruster – Commercial), um sistema de propulsão iônica.

No momento do impacto, Didymos e Dimorphos estavam relativamente próximos da Terra – dentro de 11 milhões de quilômetros. A equipe estima que a espaçonave atingiu o asteroide em um ponto a cerca de 17 metros do centro do corpo celeste. A equipe do DART diz que levará cerca de dois meses para os cientistas determinarem se a órbita do asteroide mudou.

A espaçonave pesava apenas 570 quilos – em comparação com os cinco bilhões de quilos do asteroide – mas isso deve ser suficiente para encurtar sua órbita de 11 horas e 55 minutos em torno de Didymos. A colisão deve reduzir esse tempo em 10 minutos, mas os telescópios levarão de alguns dias a quase um mês para checar a nova órbita. Os cientistas observaram que a mudança orbital esperada de 1% pode não parecer muito, mas enfatizaram que isso levaria a mudanças significativas ao longo dos anos.

Espaçonave no prédio de montagem e checagem

Dimorphos foi escolhido para esta missão porque seu tamanho é similar a asteroides que podem representar uma ameaça à Terra. Se a DART não tivesse atingido Dimorphos, teria sido colocada em uma órbita que criaria outra oportunidade em dois anos. O impacto rápido só mudará a velocidade de Dimorphos à medida que orbita Didymos em 1%, mas mudará o período orbital da pequena lua.

A espaçonave foi lançada por um foguete Falcon 9 nº B1063.3 em 24 de novembro de 2021, às 06:24 UTC, a partir do Space Launch Complex 4 (SLC-4E) da Base Aérea de Vandenberg, Califórnia.

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

E-Book espaçonave Crew Dragon

NASA: missão Crew-5 deve decolar dia 3 de outubro

Dois americanos, um japonês e uma russa devem ficar seis meses a borda da estação espacial internacional

Tripulação da Crew-5: astronautas da NASA Nicole Aunapu Mann (centro-direita), comandante; Josh Cassada (centro-esquerda), piloto; e os especialistas de missão Koichi Wakata (direita), da JAXA do Japão , e a cosmonauta Anna Kikina, à esquerda, da Roskosmos.

A decolagem da missão Crew-5 da NASA para a estação espacial internacional está prevista para não antes das 12h46 EDT segunda-feira, 3 de outubro de 2022. A nave da SpaceX Crew Dragon C210 ‘Endurance’ será lançada por um foguete Falcon 9 v1.2 FT Block 5 (número B1077.1) a partir da plataforma 39A de Cabo Canaveral, Flórida. A comandante da nave é Nicole Mann, astronauta da NASA que não tem experiência em voos espaciais; o piloto é Josh Kassada, também da NASA, igualmente sem experiência; como especialista da Missão-1 irá Koichi Wakata, astronauta da Agência Espacial do Japão, com quatro voos espaciais a seu crédito; e a especialista de Missão-2 será Anna Kikina, cosmonauta da Roskosmos, também novata. A espaçonave deverá se acoplar à estação espacial internacional para render a atual tripulação Crew-4, que completa seis meses de voo.

Foguete Falcon 9 Bl5

A espaçonave Crew Dragon C210 Endurance chegou ao hangar no Complexo de Lançamento 39A do Centro Espacial Kennedy, na Flórida, em 23 de setembro. A espaçonave veio da instalação de processamento próxima em Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral. O foguete B1077 a ser usado neste voo foi danificado durante o transporte para o local de teste , obrigando a SpaceX fazer uma revisão em sua estrutura e atrasar a decolagem em cerca de um mês. Um exemplar novo de Falcon 9 foi planejado para lançar a missão Crew-5, embora a SpaceX tenha uma frota suficiente de estágios já certificados. O novo foguete foi transportado da fábrica de montagem da empresa em Hawthorne, Califórnia, para o local de teste em McGregor, Texas. Na estrada, houve um incidente, sobre o qual a NASA decidiu não comentar até o último momento. Para restaurar o foguete, a SpaceX substituiu a unidade de interestágio danificada e vários instrumentos na área (garrafas de nitrogênio, tubulações de sangria do motor Merlin Vac, braços dos atuadores das aletas de controle aerodinâmico etc).

Espaçonave foi transferida do prédio de checagem para o centro de montagem

A massa do foguete Falcon 9 na decolagem será de 573.000 kg. Espera-se uma massa para a nave Crew Dragon de cerca de 14.200 kg. O navio de apoio Doug e está rebocando a balsa-drone Just Read the Instructions – JRTI partindo de Canaveral há três dias com destino ao local de pouso do primeiro estágio do foguete, no oceano Atlântico.

Disposição nos tripulantes na cabine

Nicole Mann

Nicole Mann

Nicole Aunapu Mann foi selecionada pela NASA em junho de 2013. Uma nativa da Califórnia, é bacharel em engenharia mecânica e mestre em engenharia mecânica. Mann é coronel do Corpo de Fuzileiros Navais e serviu como piloto de testes nos F/A-18 Hornet e Super Hornet. Ela foi sentou praça duas vezes a bordo de porta-aviões em apoio às operações de combate no Iraque e no Afeganistão. Ela nasceu em Petaluma, Califórnia e casou-se com Travis R. Mann. Eles são pais de um filho e moram em Houston, TX. Graduou-se na Rancho Cotate High School, Rohnert Park, Califórnia, em 1995. Obteve um Bacharelado em Engenharia Mecânica pela Academia Naval dos Estados Unidos em 1999. Mestrado em Engenharia Mecânica com especialização em Mecânica dos Fluidos pela Universidade de Stanford em 2001. Mann foi comissionada como Segundo Tenente do Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos em 1999. Após a pós-graduação, ela completou a Escola Básica (TBS) em Quantico, Virgínia e se reportou à Estação Aérea Naval (NAS) Pensacola, Flórida, para treinamento de voo em 2001. Ganhou suas asas de ouro como aviadora naval em 2003 e se reportou ao VFA-106 para treinamento de frota no F/A-18C. Começou sua carreira de vôo operacional em 2004 com os Thunderbolts do VMFA-251 com base em Beaufort, Carolina do Sul. Durante esta missão, ela serviu duas vezes com o CVW-1 a bordo do USS Enterprise (CVN-65) e voou em missões de combate em apoio às Operações IRAQI FREEDOM e ENDURING FREEDOM. Ao retornar de sua segunda missão, Mann se apresentou à Escola de Pilotos de Teste Naval dos Estados Unidos, Classe 135, em NAS Patuxent River, Maryland. Em junho de 2009, começou sua turnê de teste de desenvolvimento no Air Test and Evaluation Squadron TWO THREE (VX-23) como piloto de teste do F/A-18/oficial de projeto. Enquanto estava no VX-23, Mann executou uma variedade de testes de voo, incluindo expansão do envelope de carga, qualidades de voo, adequação em porta-aviões e separação de munições no F/A-18A-F. Na primavera de 2011, Mann assumiu funções como Oficial de Operações do VX-23. Em julho de 2012, Mann foi designada para o PMA-281 como Líder da Equipe de Produto Integrado (IPT) do Sistema de Planejamento de Missão Conjunta (JMPS-E) quando foi selecionada como candidata a astronauta. Ela acumulou mais de 2.500 horas de voo em 25 tipos de aeronaves, 200 prisões de porta-aviões e 47 missões de combate no Iraque e no Afeganistão.

Mann foi selecionada em junho de 2013 como um dos oito membros da 21ª classe de astronautas da NASA. Seu treinamento de candidato a astronauta incluiu instrução intensiva em sistemas da Estação Espacial Internacional, caminhadas espaciais, treinamento em russo, robótica, treinamento fisiológico, treinamento de vôo T-38 e de sobrevivência na água e na selva. Ela completou o treinamento de Candidato a Astronauta em julho de 2015. Atuou como Oficial de Segurança e Treinamento do T-38 e, mais recentemente, completou uma turnê como Assistente do Chefe de Exploração. Ela liderou o corpo de astronautas no desenvolvimento da espaçonave Orion, Space Launch System (SLS) e Exploration Ground Systems (EGS).

Espaçonave C210 Endurance

Josh Cassada

Josh A. Cassada

Josh A. Cassada foi selecionado pela NASA em 2013. Nasceu em San Diego, Califórnia, mas considera sua cidade natal White Bear Lake, Minnesota. Casado com a ex-Megan Friedly de Charlevoix, Michigan. Eles têm dois filhos. Ele cresceu em White Bear Lake, Minnesota e é físico e piloto de testes da Marinha dos EUA. Antes de se tornar um aviador naval, Cassada obteve seu bacharelado em Física no Albion College e seu Ph. D. na Universidade de Rochester, conduzindo pesquisa experimental em física de alta energia no Fermi National Accelerator Laboratory. Depois de duas missões operacionais no P-3C, incluindo 23 de combate, Cassada foi piloto de teste de P-3C e P-8A, bem como instrutor na Escola de Pilotos de Teste Naval dos EUA. Cassada acumulou mais de 4.000 horas de voo em mais de 45 aeronaves diferentes.
Formou-se na White Bear Lake Area High School, White Bear Lake, Minnesota em 1991. Obteve um Bacharelado em Física pelo Albion College, Albion, Michigan em 1995. Ele obteve um Mestrado em Artes (1997) e um Doutorado (2000) ) em Física com especialização em física de partículas de alta energia pela Universidade de Rochester, Rochester, Nova York. Após concluir sua pesquisa no Fermi National Accelerator Laboratory e defender sua dissertação, Cassada recebeu seu Ph.D. da Universidade de Rochester em 2000. Foi comissionado como oficial da marinha mais tarde naquele mesmo ano, ganhando suas asas de ouro como aviador naval em 2001. Começou sua carreira de vôo operacional em 2002 com os Fighting Tigers de VP-8, estacionados em Brunswick, Maine. Como comandante do avião de patrulha P-3C, comandante da missão e piloto instrutor, Cassada foi destacado para o Pacífico Ocidental, Mar Mediterrâneo e América Central, servindo em várias operações, incluindo Iraqi Freedom, Enduring Freedom e alívio de tsunami em vários serviços durante a Operação Unified Assistance. Após se formar na Escola de Pilotos de Teste Naval dos EUA em 2006, ele atuou como piloto de teste de desenvolvimento para aeronaves P-8A e P-3C em Patuxent River, Maryland. Foi o Oficial de Projeto de Aeronavegabilidade do P-8A e piloto de testes líder para vários programas de Patrulha Marítima e Aeronaves de Reconhecimento. Cassada então completou um tour como piloto instrutor de T-38C e T-6A na Escola de Pilotos de Teste Naval dos EUA, dando instrução em todas as fases do currículo de asa fixa. Em 2011, ele foi designado para a DCMA Boeing Seattle como Chefe de Operações de Voo, liderando todas as operações de aeronaves e supervisão de contratos para P-8A, KC-46, AWACS e USMC UAV, ao mesmo tempo em que executava o teste de aceitação de voo da Marinha da aeronave P-8A. . Mais tarde, co-fundou a Quantum Opus, LLC, produzindo detectores de fótons de alta velocidade e baixa perda para permitir experimentos de próxima geração em óptica quântica, computação quântica óptica, comunicação de fóton único, biofotônica de baixo fluxo e sensoriamento remoto. Acumulou mais de 4.000 horas de voo em mais de 40 aeronaves diferentes, além de 23 missões de combate.

Cassada foi selecionado em junho de 2013 como um dos oito membros da 21ª classe de astronautas da NASA. Seu treinamento de candidato incluiu instrução intensiva em sistemas da Estação Espacial Internacional, atividade extraveicular, robótica, treinamento em língua russa, treinamento fisiológico, treinamento de vôo em T-38 e de sobrevivência na água e na selva. Após a conclusão do treinamento de candidato a astronauta em julho de 2015, Cassada apoiou as operações e a integração da estação espacial em tempo real, inclusive servindo como comunicador de cápsula no Controle da Missão, bem como o desenvolvimento das espaçonaves Orion e Crew Dragon do Programa de Tripulação Comercial.

Koichi Wakata

Koichi Wakata

O astronauta japonês Koichi Wakata acumulou vários recordes durante sua carreira. Entre eles, ele foi o primeiro astronauta japonês a fazer quatro voos espaciais. Além disso, em 2014, Wakata se tornou o primeiro japonês a comandar a Estação Espacial Internacional. Wakata nasceu em 1º de agosto de 1963, em Saitama, Honshu, Japão. Quando menino, sonhava em se tornar um astronauta. No entanto, ele não achava que fosse possível, porque naquela época o Japão não tinha um programa espacial relevante. Em vez disso, voltou sua atenção para construir e pilotar aviões . Wakata frequentou a Universidade Kyushu em Fukuoka, na ilha de Kyushu . Graduou-se em engenharia aeronáutica em 1987 e fez mestrado em mecânica aplicada em 1989. Anos depois, em 2004, obteve o doutorado em engenharia aeroespacial.

Em 1989, Wakata começou a trabalhar na Japan Airlines como engenheiro estrutural de aeronaves. Três anos depois, a Agência Nacional de Desenvolvimento Espacial do Japão (agora a Agência de Exploração Aeroespacial do Japão, ou JAXA) o escolheu para iniciar o treinamento de astronauta. A organização o enviou para a NASA nos Estados Unidos. A NASA treinou Wakata no Johnson Space Center em Houston, Texas. Lá ele estudou robótica de ônibus espaciais , cargas úteis e operações da ISS.

Em 1996, Wakata fez sua primeira missão no ônibus espacial Endeavour . Ele operou o braço robótico para recuperar um satélite japonês. Em 2000 ele viajou para a ISS no shuttle Discovery . Mais uma vez ele usou o braço robótico, desta vez para mover e instalar partes da estação espacial . Em 2006, Wakata comandou uma pequena equipe no habitat submarino da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica na costa da Flórida. Durante a estadia de uma semana, a tripulação tentou missões no fundo do oceano. O ambiente submarino simula as condições do espaço.

Em 2009, Wakata realizou sua primeira missão de longa duração . Ele permaneceu por cerca de cinco meses, tornando-se o primeiro astronauta japonês a viver na ISS por um longo período . Ele conduziu experimentos e cuidou da instalação da estação usando os braços robóticos. Wakata começou sua estadia de seis meses na ISS no final de 2013. Por dois desses meses, em 2014, ele serviu como comandante da estação espacial.

Anna Kikina

Anna Kikina

Anna Kikina é a única mulher no corpo de cosmonautas russo e será a quinta cosmonauta russa. Anna tem 37 anos e nasceu em 27 de agosto de 1984 em Novosibirsk. Em 2005, fez cursos no Ministério de Situações de Emergência como instrutora de ensino de primeiros socorros à população e possui certificado de salva-vidas. Em 2006, ela se formou na Academia Estadual de Transporte Aquático de Novosibirsk em Proteção de Emergência. No mesmo local, em 2008, recebeu um segundo ensino superior na especialidade “Economia e gestão na empresa (transporte)”. De acordo com sua primeira formação, Kikina é engenheira hidráulica, e sua segunda formação, é como economista-gerente. Por algum tempo antes de ingressar no corpo de cosmonautas, Anna trabalhou como diretora de programa na Radio Siberia Altai LLC. Foi lá que soube do início da seleção para o corpo de cosmonautas. “Antes disso, eu nem pensava no espaço. Mais ou menos entendendo que tipo de atividade é essa, tendo avaliado a situação, decidi que era exatamente isso que queria fazer a seguir. Eu estava em chamas com o desejo de auto-realização nesta profissão ”, disse Kikina em uma de suas entrevistas.

Este será o primeiro voo de uma mulher russa ao espaço em oito anos (a russa anterior, Elena Serova, foi ao espaço em 2014 e retornou em 2015). Este será o primeiro voo de um representante russo na espaçonave Crew Dragon, e o primeiro vôo em 20 anos de um russo em uma espaçonave americana (em dezembro de 2002, Valery Korzun e Sergei Treshchev pousaram no ônibus espacial Endeavour). Será o 22º russo que voou em uma espaçonave americana (Sergey Krikalev fez três voos, Vladimir Titov, Yuri Usachev, Vladimir Dezhurov e Nikolai Budarin – dois voos cada, o resto um cada) Este será o segundo voo de uma russa em uma espaçonave americana (em maio de 1997, Elena Kondakova voou no ônibus espacial Atlantis).

Em 2012, Kikina tornou-se participante da primeira competição aberta de seleção para o corpo de cosmonautas. No total, foram apresentadas 43 candidaturas de mulheres, das quais seis foram convidadas para o Centro de Formação de Cosmonautas para seleção. Como resultado, apenas Anna foi incluída no grupo de oito candidatos (os sete restantes eram homens) que foram autorizados a treinar. De 2012 a 2014, Anna passou por treinamento espacial geral. Nessa época, ela aprendeu a pilotar a aeronave L-39, saltou de paraquedas, passou por treinamento de imponderabilidade a bordo da aeronave de laboratório Il-76MDK, testes em câmara de isolamento, treinamento de mergulho e treinamento de sobrevivência em várias zonas climáticas e geográficas. “Nós ‘sobrevivemos’ com o equipamento feito especificamente para astronautas. As condições são as mesmas, mas os itens que você usa são estritamente definidos. Você aprende como lidar corretamente com o veículo de descida, como sair dele. Sair ou não sair, usar como cobertura ou não. Comunicação de rádio, acesso à comunicação, atraindo a atenção para as equipes de resgate. Você se ajusta, você sai da situação. Você, por exemplo, tem apenas um facão para toda a tripulação. Não há nada de especial para cavar na neve, não há pá ”, Anna compartilhou com a mídia anteriormente.

Em 2014, por decisão da Comissão Interdepartamental de Qualificação, Kikina foi recomendada para admissão ao cargo de cosmonauta de teste do corpo de cosmonautas. Em 2017, participou do experimento de isolamento internacional SIRIUS, que simulou um voo para a Lua. Desde maio de 2021, Kikina, juntamente com Sergey Prokopiev e Dmitry Petelin, vinha treinando como tripulação reserva da ISS-67 como engenheira de voo para a espaçonave Soyuz MS-22 e engenheira de voo para a Estação Espacial Internacional .

Fases de voo entre o lançamento e a entrada em órbita da nave espacial

Em 2021, Kikina tornou-se embaixadora da coleção de roupas para atletas russos nas Olimpíadas de Tóquio. Em 2021, a marca Barbie lançou uma boneca com sua imagem. A Barbie Astronauta é apresentada em duas versões : em traje de treino e traje espacial. A boneca é lançada em versão única e não se destina à venda. A primeira boneca astronauta Barbie foi dedicada em 1965 ao voo de Valentina Tereshkova. Anna Kikina é mestre em esportes em poliatlo (all-around) e rafting. Certificado pela PADI OWD, é instrutora de aerotransporte e completou mais de 150 saltos de paraquedas.

Em julho de 2022, a Roskosmos e a NASA assinaram um acordo sobre voos cruzados. Dentro de sua estrutura, os astronautas americanos voarão na espaçonave russa Soyuz e os cosmonautas russos nas espaçonaves americanas. O acordo prevê três trocas de cosmonautas. Como parte do primeiro deles, o astronauta Francisco Rubio se juntou à tripulação da nave russa Soyuz MS-22, e Anna Kikina foi nomeada especialista em missão para a tripulação da missão Crew 5.

Sequência de setores de abortamento previstos

A Roskosmos publicou na segunda-feira um vídeo mostrando o treinamento final da cosmonauta russa antes do voo . “Falta uma semana para o lançamento. Anna Kikina continua a se preparar ativamente para o voo, mantém sua aptidão física em nível muito alto. A cosmonauta está em quarentena em um complexo especial no Lyndon Johnson Space Center em Houston” diz a descrição do vídeo publicado no canal Telegram da Roskosmos. O vídeo mostra Kikina se exercitando em aparelhos de musculação na academia. “Um grande olá a todos. Sentindo-me bem, em boa forma. Até breve”, desejou a cosmonauta. Os cosmonautas da Roscosmos Sergey Prokopyev e Dmitry Petelin, que decolaram na nave Soyuz MS-22 em 21 de setembro estarão esperando por Anna na ISS.

Locais de pouso de amerrissagem de emergência

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

E-Book espaçonave Crew Dragon

China lança satélites de sensoriamento remoto

Foguete Longa Marcha 2D com os Yaogan-36 decolou de Xichang

Longa Marcha CZ-2D n° Y68 decola de Xichang
Foguete instalado na mesa de lançamento no dia anterior

A China lançou com sucesso os satélites de sensoriamento remoto Yaogan 36 01 – A, B e C (Yáogan Sānshíliù Hào Wèixīng A, B, C). Às 21:38 hora de Pequim (13:38 UTC, 10:38 Brasilia) de 26 de setembro de 2022, o foguete Longa Marcha 2D decolou o Centro de Lançamento de Satélites de Xichang, e enviou com os satélites para a órbita programada de 615 km × 619 km, 97,8 °. O foguete CZ-2D número Y68 completou com sucesso o lançamento no estilo “uma flecha e três estrelas” segundo os chineses, quando um foguete (a ‘flecha’) lança três satélites (as ‘estrelas’) ao mesmo tempo.

Emblema da campanha de lançamento

Os satélites A e B foram construídos pela CAST de Pequim e o satélite C foi montado pela SAST de Shangai. Oficialmente, os Yaogan “são usados ​​principalmente para experimentos científicos, censo de terras e recursos, estimativa de produção agrícola e prevenção e mitigação de desastres”. O 509º Instituto da Oitava Academia desenvolveram a carga útil.

O Longa Marcha 2 é o foguete “medalha de ouro” da China. Foi desenvolvido pela Oitava Academia da Corporação de Ciência e Tecnologia Aeroespacial – desenhado em 1990 e voando pela primeira vez em 9 de agosto de 1992, de modo que o modelo completa 30 anos de serviço. Segundo a mídia chinesa, com uma taxa de sucesso “extremamente alta”, índice de confiabilidade de 0,97 e é citado como o melhor de sua classe no mundo. Tem um empuxo de decolagem de 300 toneladas e uma capacidade de carga de 1,2 toneladas correspondente a uma órbita circular síncrona solar de 700 quilômetros; Os chineses o descrevem como de “alta confiabilidade, alta segurança, baixo custo e ciclo curto de preparação”. Ele pode ser combinado com um estágio superior para lançar “redes interorbitais multissatélite”, deste modo melhorando bastante sua capacidade de carga acima da altitude de 1.000 quilômetros.

Este foi o 439º lançamento da série Longa Marcha de foguetes transportadores.

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

China lança dois satélites

Foguete Kuaizhou-1A decolou de Taiyuan

Foguete é movido a propelente sólido

O foguete leve chinês Kuaizhou 1A lançou dois satélites ontem à noite, 24 de setembro de 2022 (22h55 UTC ou 06h55, horário local do dia 25) do Centro de Lançamento de Satélites de Taiyuan, na província de Shanxi, no norte do país. O par de satélites, Shiyan-14 (SY14) e Shiyan-15 (SY-15), entrou na órbita predefinida, inclinada em 97,52° e com perigeu de 490 km e apogeu de 500 km. O SY-14 Shìyàn shísì tem objetivos de “pesquisa científica e validação de novas tecnologias, uma descrição genérica para satélites de testes. Já o satélite de sensoriamento remoto SY-15 Shìyàn shíwǔ deve ser usado em agrimensura, planejamento urbano e monitoramento de desastres, e foi construído pelo Instituto 509 da Shanghai Academy of Spaceflight Technology – SAST.

Foguete KZ-1A

Foi a 18ª missão de voo dos foguetes da série Kuaizhou-1A, de acordo com o centro de lançamento.

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

SpaceX lança o lote Starlink G4-35

Foguete B1073.4 colocou 52 satélites em órbita

O foguete F9 B1073.4 decolou de Cabo Canaveral

O foguete foguete Falcon9 v1.2 FT Block 5 nº B1073.4 foi lançado da Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral às 19:32:10 EDT (23:32:10 GMT, 20:32:10 de Brasília) de sábado 24 de setembro de 2022. Os 52 satélites Starlink V1.5 do Grupo 4-35 que o veículo colocou em órbita serão adicionados à rede de internet de alta velocidade e baixa latência da SpaceX. O foguete decolou do Space Launch Complex 40 (SLC-40) na Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral na Flórida. Os satélites foram liberados em órbita inicial de 230 x 335 km para depois seguirem para sua órbita final de 540 km, inclinada em 53,22 graus.

O foguete (‘core’, núcleo de primeiro estágio) lançado no sábado à noite estreou em 14 de maio com um lançamento carregando satélites Starlink, depois voou novamente em 29 de junho com o satélite de comunicações comerciais SES 22. Mais recentemente, o estágio foi lançado e pousou em 9 de agosto em outra missão Starlink.

Live do lançamento no Canal do Homem do Espaço

O ‘core’ de primeiro estágio B1073.4 lançou anteriormente os Starlink Grupo 4-15, o satélite SES-22 e o Grupo 4-26 de Starlinks. Após a separação (estagiamento), o B1073.4 pousou na balsa-drone A Shortfall of Gravitas, rebocada pelo navio de apoio Bob, a 645 km da Flórida. As conchas da carenagem de cabeça seriam recuperadas no mar pelo ‘Bob‘. O foguete teve um peso de decolagem de 567.864 kg.

Starlinks

O lote de satélites totalizando 15.964 kg e denominado Group 4-35 faz parte da “concha” (shell) 4. A ejeção foi às 23:47:43.500 UTC (20:47:43.500 de Brasília). Os assinantes agora podem se conectar à rede em mais de 40 países e territórios. A Antártida é uma das regiões mais recentes onde o serviço de internet está disponível. A National Science Foundation anunciou no início deste mês que a agência está trabalhando com a SpaceX para testar o serviço Starlink na sua Estação McMurdo.

Resumo do lançamento

Estatísticas da missão

  • 177º lançamento de um foguete Falcon 9 desde 2010
  • 185º lançamento da família de foguetes Falcon desde 2006
  • 4º lançamento do ‘booster’ B1073
  • 152º lançamento do Falcon 9 da Costa Espacial da Flórida
  • 98º lançamento do Falcon 9 da plataforma 40
  • 153º lançamento em geral da plataforma 40
  • 119º voo de um ‘booster’ de Falcon 9 reutilizado
  • 62º lançamento dedicado do Falcon 9 com satélites Starlink
  • 43º lançamento do Falcon 9 em 2022
  • 43º lançamento da SpaceX em 2022
  • 41ª tentativa de lançamento orbital com base no Cabo Canaveral em 2022

CONTAGEM REGRESSIVA

hh:min:ss – Evento

  • 00:38:00 O diretor de lançamento da SpaceX verifica o abastecimento de propelentes
  • 00:35:00 RP-1 (querosene para foguete) sendo abastecido
  • 00:35:00 abastecimento do primeiro estágio com LOX (oxigênio líquido) em andamento
  • 00:16:00 Abastecimento de LOX do segundo estágio em andamento
  • 00:07:00 Falcon 9 inicia resfriamento do motor (“chilldown”) antes do lançamento
  • 00:01:00 Computador de voo emite comando para iniciar as verificações finais de pré-lançamento
  • 00:01:00 A pressurização do tanque de propelente para a pressão de voo começa
  • 00:00:45 SpaceX Launch Director verifica o lançamento
  • 00:00:03 O controlador do motor comanda a sequência de ignição para decolagem
  • 00:00:00 Decolagem do Falcon 9
Cada satélite Starlink v.15 com link de laser inter-satélite, tem massa de 307 kg

LANÇAMENTO, ATERRISSAGEM DO CORE B1067.6 E LIBERAÇÃO DAS CARGAS

Todos os tempos são aproximados

hh:min:ss – Evento

  • 00:01:12 Max Q (momento máximo de estresse mecânico no foguete)
  • 00:02:27 Corte do motor principal do 1º estágio (MECO)
  • 00:02:31 Separação do segundo estágio
  • 00:02:36 Ignição do motor do 2º estágio
  • 00:02:42 Separação de carenagem
  • 00:06:48 Início da ignição de reentrada do 1º estágio
  • 00:07:07 Ignição de reentrada do 1º estágio concluída
  • 00:08:26 Início da queima de pouso do 1º estágio
  • 00:08:40 Corte do motor do 2º estágio (SECO-1)
  • 00:08:47 pouso do ‘core’ de primeiro estágio
  • 00:15:21 Os satélites Starlink são liberados
Perfil de decolagem

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Militares americanos lançam NROL-91

Foi o último foguete Delta IV Heavy a decolar de Vandenberg

Foguete decola da SLC-6

O foguete Delta IV Heavy transportando a missão NROL-91 para o National Reconnaissance Office (NRO) decolou em 24 de setembro às 15h25 PDT (18:25 Brasilia) do Complexo de Lançamento Espacial-6 na Base da Força Espacial Vandenberg. Até o momento, a ULA fez 153 voos com 100% de sucesso.. O foguete Delta IV Heavy é o maior da família Delta IV e um dos mais possantes do mundo. Ele teve treze lançamentos bem-sucedidos e é o segundo com maior capacidade de carga útil em operação. “A NRO tem sido e continua sendo uma parceira fenomenal através de 32 campanhas de lançamento colaborativo, decorrentes do primeiro lançamento em 2006”, disse Gary Wentz, vice-presidente de Programas Comerciais e Governamentais . “Esta missão foi a 96ª de Segurança Nacional da ULA e a 10ª missão da NRO a bordo de um Delta IV Heavy – uma história da qual estamos muito orgulhosos.” “Esta também foi a 95ª missão Delta da ULA da Base da Força Espacial Vandenberg e nosso quinto e último Delta IV Heavy da Costa Oeste, completando um longo e bem-sucedido mandato de entrega de cargas críticas de segurança nacional”, acrescentou Wentz. “Estamos ansiosos para preparar o Space Launch Complex-3 para futuros voos do foguete Vulcan da Costa Oeste.”

A ULA anunciou que o foguete pesava 725.750 kg no lançamento, e que os motores RS-68A desenvolveriam 958.533 kgf de empuxo na decolagem. Estes dados não são exatos, já que a operadora costuma arredondar seus números. Para o NROL-91, o Delta IV usou uma carenagem de carga útil bi-setor, ou de duas conchas, feita de materiais compostos (uma estrutura de sanduiche com placas de grafite-epoxy e forro de espuma de poliuretano).

Esta foi 153ª missão da ULA no geral , sua sexta missão em 2022 e a décima-quarta de um Delta IV-H. Aproveitando os 100 por cento de sucesso com as mais de 150 missões a ULA é um dos provedores de serviços de lançamento mais experientes e confiáveis . O próximo lançamento da joint venture é a missão SES-20 e SES-21, planejada para 30 de setembro da Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral, Flórida.

Resumo do lançamento

O NROL-91 é um satélite de carga útil não-especificada, que segundo o Departamento de Defesa (DoD) dos EUA, fará “coleta de inteligência, esforços de pesquisa e desenvolvimento e esforços de socorro a emergências e desastres nos EUA e em todo o mundo”. Algumas fontes descrevem-no como sendo um um satélite de inteligência de imagens eletroópticas tipo KH-11 (“Kennen” ou “Crystal”). Não foi revelado o tipo de órbita, mas o azimute de lançamento foi anunciado como 159,7°.

Transmissão do Homem do Espaço

Até agora, o único KH-11 não operado em órbita síncrona do Sol foi o USA-290. Acredita-se que os satélites Crystal forneçam ao NRO imagens de alta resolução da superfície. Há rumores de que eles se assemelham ao Telescópio Espacial Hubble. A maioria operou em uma órbita síncrona do Sol (SSO) – baixa e quase polar que lhes permite cobrir a maior parte da superfície da Terra, garantindo que passem por cada ponto no mesmo horário solar local todos os dias. garantindo condições de iluminação consistentes.

Último Delta da Costa Oeste

Este foi o lançamento final do Delta IV da Costa Oeste dos Estados Unidos. A ULA tem contrato para lançar mais duas missões no Delta IV Heavy em 2023 e 2024, mas o fará de Cabo Canaveral, Flórida, após o qual o foguete será aposentado.

A versão pesada do Delta IV consiste em um Common Core Booster (CBC) com dois CBCs instalados nos lados funcionando como boosters, um segundo estágio de 5 metros e uma carenagem de cabeça de 5 metros. Cada CBC usa um motor RS-68A de 319.896,018 kgf de empuxo com tubeira única, que consome propelentes criogênicos – oxigênio e hidrogênio líquido. Usando a versão maior do Delta Cryogenic Second Stage ‘DCSS’, o Delta IV Heavy possui um único motor RL10C-2-1, em seu estágio superior, com 11.226,411 kgf de impulso. Com seus três CBCs, o foguete tem largura de mais de 15 metros. Foguetes Delta IV Heavy usando os motores RS-68A avançados podem transportar cargas úteis de até 28.790 kg para a órbita terrestre baixa. A capacidade de transferência geoestacionária é de 14.220 kg, o veículo pode levar 6.750 kg diretamente para a órbita geoestacionária e enviar cargas de até 10.200 kg para trajetórias interplanetárias. Uma missão Delta IV típica tem uma duração de 2,3 horas, mas pode ser estendida para sete horas para perfis de missão específicos.
O foguete Delta IV-Heavy 70,7 metros de altura, um diâmetro principal de 5 metros e massa nominal de decolagem de 733.400 kg.

Lançado pela primeira vez em novembro de 2002, o Delta IV fez 42 voos antes desta missão, dos quais treze usaram a configuração Heavy. Outras versões do Delta IV incluíram o Delta IV Medium, que consistia em um único common core booster CBC, um segundo estágio DCSS de quatro metros de diâmetro e várias configurações intermediárias do Medium ‘Plus’ que equipavam o CBC do Medium com dois ou quatro boosters de propelentes sólidos e podiam voar com qualquer versão do segundo estágio.
Das quarenta e duas missões anteriores, o Delta IV completou 41 com sucesso. Seu único fracasso foi o vôo inaugural do modelo Heavy em 2004, durante o qual todos os três CBCs desligaram prematuramente devido a cavitação nas linhas de propulsão. O foguete, que carregava um simulador de massa e um par de pequenos satélites, atingiu uma órbita mais baixa do que o planejado.
Cada Common Booster Core é alimentado por um motor Aerojet Rocketdyne RS-68A, capaz de produzir 312 kilonewtons de empuxo ao nível do mar. O estágio superior e a carga útil são montados acima do ‘core’ central, enquanto os outros são fixados nos lados de bombordo e estibordo do veículo.
Enquanto os CBCs oferecem um impulso inicial através da atmosfera da Terra, o DCSS é responsável por completar a inserção da carga útil em órbita. É alimentado por um único motor criogênico da família RL10 da Aerojet Rocketdyne.

Zonas de visibilidade da trajetória de voo, azimute e trilha de ascensão do foguete, com o descarte dos boosters na marca de T+ ~130 segundos

Depois de completar a missão NROL-91, a ULA planeja começar a desocupar a plataforma SLC-6. O futuro foguete da empresa, o Vulcan-Centaur, será lançado do Space Launch Complex-3 , de onde a joint-venture atualmente opera seu foguete Atlas V. Durante uma entrevista, o coronel Bryan Titus, vice-comandante do Space Launch Delta 30 em Vandenberg, disse que os oficiais de terreno estão em discussões com as empresas de lançamento para tentar obter um novo ‘inquilino’ para o SLC-6. O Space Launch Delta 30 é a unidade da Força Espacial que opera Vandenberg. “Estou bastante confiante de que será [o complexo] utilizado”, disse Titus sobre o SLC-6. Ele se recusou a nomear quaisquer desses “inquilinos” em potencial. A maioria dos lançamentos em Vandenberg hoje são conduzidos pela SpaceX, que aluga o Space Launch Complex-4 para lançamentos e aterrissagens de ‘cores’ (estagios de núcleo ou primeiro estágio) de seus Falcon 9 BL5.

3D da ULA descrevendo o lançamento

Uma plataforma com longa história

O coronel Bryan Titus lembrou o passado histórico do SLC-6. Foi originalmente construído na década de 1960 para lançar o Laboratório Orbital Tripulado (MOL) da Força Aérea, que nunca voou, e reaproveitado na década de 1980 como um local de lançamento e pouso para missões de ônibus espaciais militares. Após o desastre do ônibus espacial Challenger em 1986, a USAF desativou o local sem nunca realizar um lançamento de shuttle na Costa Oeste. Eles reativaram a plataforma na década de 1990 para alguns lançamentos da Lockheed Martin, com o foguete Athena e, eventualmente, a transferiram para o programa Delta IV. A pista do aeródromo do SLC-6 foi usada para pousar o avião espacial reutilizável X-37B da Força Aérea.

Três ‘cores’ formam o Delta IV-H. São módulos praticamente idênticos, com motores RS-68 movidos a hidrogênio e oxigênio líquidos, e um estágio superior DCSS também criogênico equipado com um motor – atualmente o RL-10 C2-1

A Blue Origin e a Northrop Grumman teriam considerado um acordo com a ULA para usar o SLC-6 para lançar missões oficiais se tivessem sido selecionados para o contrato da Fase 2 de Lançamento Espacial de Segurança Nacional. Mas ambos foram superados pela ULA e SpaceX em agosto de 2020. A plataforma “teve muitas vidas”, disse Titus. “Acho que todo mundo em Vandenberg tem um lugar caloroso em seus corações por esse lugar, e vamos garantir que ele continue a ser utilizado, mas não sabemos exatamente como”, acrescentou. “Existem muitos outros provedores de serviços de lançamento por aí que podem encontrar utilidade nesse local. Temos muita infraestrutura aqui”. Mas na verdade, o fato é que poucos operadores espaciais teriam condições, se é que estivessem dispostos, a bancar os custos de sua manutenção.

Gary Wentz, vice-presidente de programas governamentais e comerciais da ULA, disse que a empresa está se preparando para o lançamento final do Atlas V na Costa Oeste do SLC-3 programado para 1º de novembro para a NASA e a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica NOAA. Após a conclusão dessa missão, o SLC-3 será modernizado com novos equipamentos em preparação para o Vulcan, que deve começar a voar em 2023. Ele disse que a ULA não vê necessidade de manter duas plataformas de lançamento na Costa Oeste. “Do ponto de vista comercial, era apropriado usarmos o SLC-3 porque há muitos pontos em comum entre os sistemas dos Atlas e Vulcan.”

Contratos do Departamento de Defesa

Como os lançamentos do Delta IV Heavy levam anos para serem planejados, a Força Aérea e o NRO dividiram o contrato em duas partes: Serviços de Produção de Veículos de Lançamento (LVPS) e Suporte às Operações de Lançamento (LOPS). O contrato de US$ 1,18 bilhão concedido em setembro de 2019 à ULA foi para a LOPS. A Força Aérea adquiriu os foguetes Delta IV Heavy para as missões NROL-44 e NROL-82 no ano fiscal de 2017 sob o contrato de compra em bloco de fase 1 do Delta que terminou oficialmente em 30 de setembro de 2019. Ambas as missões atrasaram o cronograma e caíram para 2020, o que as levou além do período de execução do contrato da Fase 1 e exigiu que a Força Aérea concedesse um contrato LOPS separado. O contrato de produção do foguete para o NROL-82 foi concedido em abril de 2017 por US$ 270,4 milhões e o do NROL-44 em dezembro de 2016 por US$ 269,2 milhões. Três foguetes Delta 4 Heavy adicionais foram adquiridos em outubro de 2018 em um contrato de fonte única separado no valor de US$ 467,5 milhões para as NROL-91, NROL-68 e NROL-70. Todos estes contratos envolviam a utilização de foguetes lançadores descartáveis evoluídos, conhecidos nos EUA como EELV.

O próximo contrato LOPS cobria todas as cinco missões e pagava pela infraestrutura e manutenção da plataforma de lançamento e empreiteiros de suporte de alcance na Base Aérea de Vandenberg e Estação da Força Aérea de Cabo Canaveral, encapsulamento de satélite e propelentes. Ao todo, os contratos concedidos para a produção de foguetes e serviços de lançamento para as cinco missões somam cerca de US$ 2,2 bilhões. O coronel Robert Bongiovi, diretor da Empresa de Lançamento do Centro Espacial e de Sistemas de Mísseis da Força Aérea, disse que esses eram os “últimos remanescentes dos contratos de fonte única”. Ele disse que essas cinco missões tinham “requisitos de lançamento únicos e complexos e estavam entre os ativos espaciais mais importantes do país”.

Como seria a configuação do KH-11, por G. de Chiara

Ao separar a produção de veículos e os contratos de operações de lançamento, a Força Aérea disse que economizou onze meses e US$ 455 milhões em custos nas cinco missões porque permitiu que a ULA começasse a adquirir material e negociasse preços com fornecedores antecipadamente. Também deu tempo extra à USAF para avaliar o escopo do trabalho e negociar um contrato final de LOPS com a ULA. O contrato LOPS de cinco anos concedido em 30 de setembro de 2019 começou no ano fiscal de 2020 e as opções foram exercidas anualmente.

Bongiovi disse que as missões do NRO eram exclusivas da ULA porque o Delta IV estava determinado a ser o único foguete que poderia satisfazer as demandas. Os satélites NRO requerem manuseio especial no local de lançamento e estudos de integração complexos para determinar a compatibilidade adequada da carga útil. “Estamos sempre tentando descobrir como introduzir a concorrência”, disse ele. Em resposta a perguntas sobre se o Falcon Heavy da SpaceX poderia ter competido nessas missões, Bongiovi disse que na época em que esses lançamentos foram adquiridos em 2016 e 2017, o Delta IV-H era o único capaz de realizar essas missões. Embora o Falcon Heavy tenha sido certificado para missões de segurança nacional, ele ainda não era capaz de atender aos requisitos de “missão exclusiva” para satélites NRO muito grandes que precisavam atingir órbitas difíceis, disse ele.

Concepção artística do H-11 Kennen/Crystal – Charles P. Vick

Bongiovi insistiu que a Força Aérea quer se afastar do fornecimento exclusivo e fazer a transição para um programa competitivo de aquisição de lançamento. Os lançamentos futuros serão disputados no âmbito do Contrato de Serviço de Lançamento da Fase 2 do Lançamento Espacial de Segurança Nacional. Dois fornecedores seriam selecionados em 2020 para dividir 60/40 todas as missões de segurança nacional de 2022 a 2026. Para ganhar esses contratos, as empresas precisavam demonstrar que podiam atender aos requisitos de todas as missões projetadas para esses cinco anos. Quando o Delta IV Heavy for retirado de serviço em 2025, a Força Aérea disse que os dois vencedores da Fase 2 terão que competir pelas missões de carga pesada “Categoria C”.

O único outro fornecedor de lançamento certificado a desafiar a ULA na aquisição do “EELV Fase 1” foi a SpaceX. O foguete Falcon 9 foi certificado em maio de 2015. Na Fase 1A do programa, a SpaceX recebeu cinco missões GPS 3. A adjudicação do contrato em setembro de 2019 encerrou o programa EELV. Sob o contrato de compra em bloco da fase 1 com a ULA, a Força Aérea concordou em comprar 36 foguetes durante um período de cinco anos. A infraestrutura associada e o suporte ao lançamento de foguetes foram financiados sob um contrato separado conhecido como EELV Launch Capability, ou ELC. Esse arranjo deu à Força Aérea flexibilidade para reagendar lançamentos no manifesto do Atlas V e do Delta IV sem incorrer em penalidades. O DoD na época queria evitar os custos adicionais associados aos frequentes atrasos no lançamento causados ​​por atrasos nos programas de satélite. Ao pagar por um recurso de lançamento separado do material de lançamento, o DoD procurou garantir o acesso ao espaço, independentemente dos atrasos na carga útil.

A Lei de Autorização de Defesa Nacional para o ano fiscal de 2016 orientou a Força Aérea a descontinuar o contrato ELC até 31 de dezembro de 2019 para o Atlas V e 31 de dezembro de 2020 para os serviços de lançamento do Delta IV. Cinco missões concedidas à ULA sob o EELV Fase 1 foram lançadas nos cinco anos seguintes, incluindo os dois Delta IV Heavy para NROL-44 e NROL-82 e três missões de Atlas V (NROL-101, AEHF-6 e AFSPC-7 ). A Força Aérea anunciará um “contrato de conclusão” separado em 1º de outubro para operações de apoio ao lançamento para as três missões de Atlas V. Um porta-voz da ULA disse que o contrato concedido em 2019 para voar as cinco missões restantes do Fase 1 com os Delta IV Heavy “incluiu um escopo bem definido para garantir que a Força Aérea e o NRO tivessem a capacidade necessária para lançar as missões restantes em cronograma.”

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

EUA lançam satélite militar amanhã

Missão NROL-91 deve decolar da Base de Vandenberg

Foguete na plataforma, com a torre de serviço móvel ainda instalada. Antes do lançamento ela é afastada e deixa apenas a torre umbilical fixa ligada ao lançador por dois braços de acesso umbilical

Oficiais da Base da Força Espacial Vandenberg, na Califórnia, estão se preparando para o lançamento no sábado de um Delta IV Heavy da United Launch Alliance transportando o satélite NROL-91 (a ser designado “USA-” e um número de série – possivelmente 337 – quando entrar em órbita) para o National Reconnaissance Office. O foguete está programado para decolar do Space Launch Complex-6 na base da força espacial no sábado às 14h53 locais (21:53 UTC ou 18:53 Brasília). O foguete Delta IV Heavy – um veículo de lançamento de carga pesada – é o maior da família Delta IV e um dos foguetes mais possantes do mundo. Ele teve treze lançamentos bem-sucedidos e é o segundo foguete com maior capacidade de carga útil em operação. A previsão na quinta-feira mostra uma chance de 90% de condições climáticas favoráveis ​​para o lançamento, segundo oficiais da Base da Força Espacial. A principal preocupação das autoridades são nuvens espessas e ventos de decolagem, o que pode ocasionar um atraso de 24 horas.

Resumo do lançamento

O NROL-91 é um satélite de carga útil não-especificada, que segundo o Departamento de Defesa (DoD) dos EUA, fará “coleta de inteligência, esforços de pesquisa e desenvolvimento e esforços de socorro a emergências e desastres nos EUA e em todo o mundo”. Algumas fontes descrevem-no como sendo um um satélite de inteligência de imagens eletroópticas tipo KH-11 (“Kennen” ou “Crystal”). Não foi revelado o tipo de órbita, mas o azimute de lançamento foi anunciado como 159,7°.

Transmissão do Homem do Espaço
O foguete Delta IV-Heavy 70,7 metros de altura, um diâmetro principal de 5 metros e massa nominal de decolagem de 733.400 kg.

Até agora, o único KH-11 não operado em órbita síncrona do Sol foi o USA-290. Lançado pela missão NROL-71 em janeiro de 2019, foi o penúltimo KH-11 a ser enviado antes do NROL-91. Com uma inclinação orbital de 73,6 graus, sua órbita é mais baixa que a dos demais satélites operacionais, o que significa que não passa tão perto dos polos da Terra.
Acredita-se que os satélites Crystal forneçam ao NRO imagens de alta resolução da superfície. Há rumores de que eles se assemelham ao Telescópio Espacial Hubble. A maioria operou em uma órbita síncrona do Sol (SSO) – baixa e quase polar que lhes permite cobrir a maior parte da superfície da Terra, garantindo que passem por cada ponto no mesmo horário solar local todos os dias. garantindo condições de iluminação consistentes.
As áreas de perigo publicadas antes da missão NROL-91, para alertar os aviadores e marinheiros (‘NOTAMs’) para ficarem longe de áreas onde se espera que os detritos do lançamento caiam, sugerem que esta missão visa a mesma inclinação que o USA-290, em vez da mais típica da SSO.
Com o lançamento deste sábado marcando o último voo de um Delta IV de Vandenberg, não está claro se isso também significa que o NROL-91 será o lançamento final de um satélite Crystal. O elemento óptico agora abandonado do programa FIA procurou desenvolver um satélite de imagem de alta resolução menor e mais barato usando tecnologia mais moderna. Missões futuras podem seguir esse modelo ou, alternativamente, os satélites Crystal podem continuar sendo lançados a bordo de um foguete diferente – como o Falcon Heavy ou o veículo de próxima geração da ULA, o Vulcan.

Último Delta da Costa Oeste

Este será o lançamento final do Delta IV da Costa Oeste dos Estados Unidos. A ULA tem contrato para lançar mais duas missões no Delta IV Heavy em 2023 e 2024, mas o fará de Cabo Canaveral, Flórida, após o qual o foguete será aposentado. A ULA anunciou que o foguete deve pesar 725.750 kg no lançamento, e que os motores RS-68A desenvolverão 958.533 kgf de empuxo na decolagem. Estes dados não são exatos, já que a operadora costuma arredondar seus números.

A versão pesada do Delta IV consiste em um Common Core Booster (CBC) com dois CBCs instalados nos lados funcionando como boosters, um segundo estágio de 5 metros e uma carenagem de cabeça de 5 metros. Cada CBC usa um motor RS-68A de 319.896,018 kgf de empuxo com tubeira única, que consome propelentes criogênicos – oxigênio e hidrogênio líquido. Usando a versão maior do Delta Cryogenic Second Stage ‘DCSS’, o Delta IV Heavy possui um único motor RL10C-2-1, em seu estágio superior, com 11.226,411 kgf de impulso. Com seus três CBCs, o foguete tem largura de mais de 15 metros. Foguetes Delta IV Heavy usando os motores RS-68A avançados podem transportar cargas úteis de até 28.790 kg para a órbita terrestre baixa. A capacidade de transferência geoestacionária é de 14.220 kg, o veículo pode levar 6.750 kg diretamente para a órbita geoestacionária e enviar cargas de até 10.200 kg para trajetórias interplanetárias. Uma missão Delta IV típica tem uma duração de 2,3 horas, mas pode ser estendida para sete horas para perfis de missão específicos.

Para o NROL-91, o Delta IV está usando uma carenagem de carga útil bi-setor, ou de duas conchas, feita de materiais compostos (uma estrutura de sanduiche com placas de grafite-epoxy e forro de espuma de poliuretano). Esta é uma das duas coifas que podem ser usadas no modelo Heavy e foi usada em lançamentos anteriores do Crystal. A maioria das outras missões de segurança nacional usaram um design trissetor – de três partes – de construção metálica, derivado de uma das coifas usadas anteriormente no Titan IV.
Lançado pela primeira vez em novembro de 2002, o Delta IV fez 42 voos antes desta missão, dos quais treze usaram a configuração Heavy. Outras versões do Delta IV incluíram o Delta IV Medium, que consistia em um único common core booster CBC, um segundo estágio DCSS de quatro metros de diâmetro e várias configurações intermediárias do Medium ‘Plus’ que equipavam o CBC do Medium com dois ou quatro boosters de propelentes sólidos e podiam voar com qualquer versão do segundo estágio.
Das quarenta e duas missões anteriores, o Delta IV completou 41 com sucesso. Seu único fracasso foi o vôo inaugural do modelo Heavy em 2004, durante o qual todos os três CBCs desligaram prematuramente devido a cavitação nas linhas de propulsão. O foguete, que carregava um simulador de massa e um par de pequenos satélites, atingiu uma órbita mais baixa do que o planejado.
Cada Common Booster Core é alimentado por um motor Aerojet Rocketdyne RS-68A, capaz de produzir 312 kilonewtons de empuxo ao nível do mar. O estágio superior e a carga útil são montados acima do ‘core’ central, enquanto os outros são fixados nos lados de bombordo e estibordo do veículo.
Enquanto os CBCs oferecem um impulso inicial através da atmosfera da Terra, o DCSS é responsável por completar a inserção da carga útil em órbita. É alimentado por um único motor criogênico da família RL10 da Aerojet Rocketdyne.

Esta deve ser 153ª missão da ULA no geral , sua sexta missão em 2022 e a décima-quarta de um Delta IV-H.

Zonas de visibilidade da trajetória de voo, azimute e trilha de ascensão do foguete, com o descarte dos boosters na marca de T+ ~130 segundos

O lançamento do NROL-91 marca o fim de uma era, disse o coronel Chad Davis, diretor do Escritório de Lançamento Espacial do NRO em 22 de setembro. “Acho que ‘agridoce’ é a palavra certa para usar hoje”. Depois de completar a missão NROL-91, a ULA planeja começar a desocupar a plataforma SLC-6. O futuro foguete da empresa, o Vulcan-Centaur, será lançado do Space Launch Complex-3 , de onde a joint-venture atualmente opera seu foguete Atlas V. Durante uma entrevista, o coronel Bryan Titus, vice-comandante do Space Launch Delta 30 em Vandenberg, disse que os oficiais de terreno estão em discussões com as empresas de lançamento para tentar obter um novo ‘inquilino’ para o SLC-6. O Space Launch Delta 30 é a unidade da Força Espacial que opera Vandenberg. “Estou bastante confiante de que será [o complexo] utilizado”, disse Titus sobre o SLC-6. Ele se recusou a nomear quaisquer desses “inquilinos” em potencial. A maioria dos lançamentos em Vandenberg hoje são conduzidos pela SpaceX, que aluga o Space Launch Complex-4 para lançamentos e aterrissagens de ‘cores’ (estagios de núcleo ou primeiro estágio) de seus Falcon 9 BL5.

3D da ULA descrevendo o lançamento

Uma plataforma com longa história

O coronel Bryan Titus lembrou o passado histórico do SLC-6. Foi originalmente construído na década de 1960 para lançar o Laboratório Orbital Tripulado (MOL) da Força Aérea, que nunca voou, e reaproveitado na década de 1980 como um local de lançamento e pouso para missões de ônibus espaciais militares. Após o desastre do ônibus espacial Challenger em 1986, a USAF desativou o local sem nunca realizar um lançamento de shuttle na Costa Oeste. Eles reativaram a plataforma na década de 1990 para alguns lançamentos da Lockheed Martin, com o foguete Athena e, eventualmente, a transferiram para o programa Delta IV. A pista do aeródromo do SLC-6 foi usada para pousar o avião espacial reutilizável X-37B da Força Aérea.

‘Cluster’ de ‘cores’ que formam o Delta IV-H. São três módulos praticamente idênticos, com motores RS-68 movidos a hidrogênio e oxigênio líquidos e um estágio superior também criogênico equipado com um motor – atualmente o RL-10 C2-1

A Blue Origin e a Northrop Grumman teriam considerado um acordo com a ULA para usar o SLC-6 para lançar missões oficiais se tivessem sido selecionados para o contrato da Fase 2 de Lançamento Espacial de Segurança Nacional. Mas ambos foram superados pela ULA e SpaceX em agosto de 2020. A plataforma “teve muitas vidas”, disse Titus. “Acho que todo mundo em Vandenberg tem um lugar caloroso em seus corações por esse lugar, e vamos garantir que ele continue a ser utilizado, mas não sabemos exatamente como”, acrescentou. “Existem muitos outros provedores de serviços de lançamento por aí que podem encontrar utilidade nesse local. Temos muita infraestrutura aqui”. Mas na verdade, o fato é que poucos operadores espaciais teriam condições, se é que estivessem dispostos, a bancar os custos de sua manutenção.

Gary Wentz, vice-presidente de programas governamentais e comerciais da ULA, disse que a empresa está se preparando para o lançamento final do Atlas V na Costa Oeste do SLC-3 programado para 1º de novembro para a NASA e a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica NOAA. Após a conclusão dessa missão, o SLC-3 será modernizado com novos equipamentos em preparação para o Vulcan, que deve começar a voar em 2023. Ele disse que a ULA não vê necessidade de manter duas plataformas de lançamento na Costa Oeste. “Do ponto de vista comercial, era apropriado usarmos o SLC-3 porque há muitos pontos em comum entre os sistemas dos Atlas e Vulcan.”

Contratos do Departamento de Defesa

Como os lançamentos do Delta IV Heavy levam anos para serem planejados, a Força Aérea e o NRO dividiram o contrato em duas partes: Serviços de Produção de Veículos de Lançamento (LVPS) e Suporte às Operações de Lançamento (LOPS). O contrato de US$ 1,18 bilhão concedido em setembro de 2019 à ULA foi para a LOPS. A Força Aérea adquiriu os foguetes Delta IV Heavy para as missões NROL-44 e NROL-82 no ano fiscal de 2017 sob o contrato de compra em bloco de fase 1 do Delta que terminou oficialmente em 30 de setembro de 2019. Ambas as missões atrasaram o cronograma e caíram para 2020, o que as levou além do período de execução do contrato da Fase 1 e exigiu que a Força Aérea concedesse um contrato LOPS separado. O contrato de produção do foguete para o NROL-82 foi concedido em abril de 2017 por US$ 270,4 milhões e o do NROL-44 em dezembro de 2016 por US$ 269,2 milhões. Três foguetes Delta 4 Heavy adicionais foram adquiridos em outubro de 2018 em um contrato de fonte única separado no valor de US$ 467,5 milhões para as NROL-91, NROL-68 e NROL-70. Todos estes contratos envolviam a utilização de foguetes lançadores descartáveis evoluídos, conhecidos nos EUA como EELV.

O próximo contrato LOPS cobria todas as cinco missões e pagava pela infraestrutura e manutenção da plataforma de lançamento e empreiteiros de suporte de alcance na Base Aérea de Vandenberg e Estação da Força Aérea de Cabo Canaveral, encapsulamento de satélite e propelentes. Ao todo, os contratos concedidos para a produção de foguetes e serviços de lançamento para as cinco missões somam cerca de US$ 2,2 bilhões. O coronel Robert Bongiovi, diretor da Empresa de Lançamento do Centro Espacial e de Sistemas de Mísseis da Força Aérea, disse que esses eram os “últimos remanescentes dos contratos de fonte única”. Ele disse que essas cinco missões tinham “requisitos de lançamento únicos e complexos e estavam entre os ativos espaciais mais importantes do país”.

Como seria a configuação do KH-11, por G. de Chiara

Ao separar a produção de veículos e os contratos de operações de lançamento, a Força Aérea disse que economizou onze meses e US$ 455 milhões em custos nas cinco missões porque permitiu que a ULA começasse a adquirir material e negociasse preços com fornecedores antecipadamente. Também deu tempo extra à USAF para avaliar o escopo do trabalho e negociar um contrato final de LOPS com a ULA. O contrato LOPS de cinco anos concedido em 30 de setembro de 2019 começou no ano fiscal de 2020 e as opções foram exercidas anualmente.

Bongiovi disse que as missões do NRO eram exclusivas da ULA porque o Delta IV estava determinado a ser o único foguete que poderia satisfazer as demandas. Os satélites NRO requerem manuseio especial no local de lançamento e estudos de integração complexos para determinar a compatibilidade adequada da carga útil. “Estamos sempre tentando descobrir como introduzir a concorrência”, disse ele. Em resposta a perguntas sobre se o Falcon Heavy da SpaceX poderia ter competido nessas missões, Bongiovi disse que na época em que esses lançamentos foram adquiridos em 2016 e 2017, o Delta IV-H era o único capaz de realizar essas missões. Embora o Falcon Heavy tenha sido certificado para missões de segurança nacional, ele ainda não era capaz de atender aos requisitos de “missão exclusiva” para satélites NRO muito grandes que precisavam atingir órbitas difíceis, disse ele.

Concepção artística do H-11 Kennen/Crystal – Charles P. Vick

Bongiovi insistiu que a Força Aérea quer se afastar do fornecimento exclusivo e fazer a transição para um programa competitivo de aquisição de lançamento. Os lançamentos futuros serão disputados no âmbito do Contrato de Serviço de Lançamento da Fase 2 do Lançamento Espacial de Segurança Nacional. Dois fornecedores seriam selecionados em 2020 para dividir 60/40 todas as missões de segurança nacional de 2022 a 2026. Para ganhar esses contratos, as empresas precisavam demonstrar que podiam atender aos requisitos de todas as missões projetadas para esses cinco anos. Quando o Delta IV Heavy for retirado de serviço em 2025, a Força Aérea disse que os dois vencedores da Fase 2 terão que competir pelas missões de carga pesada “Categoria C”.

O único outro fornecedor de lançamento certificado a desafiar a ULA na aquisição do “EELV Fase 1” foi a SpaceX. O foguete Falcon 9 foi certificado em maio de 2015. Na Fase 1A do programa, a SpaceX recebeu cinco missões GPS 3. A adjudicação do contrato em setembro de 2019 encerrou o programa EELV. Sob o contrato de compra em bloco da fase 1 com a ULA, a Força Aérea concordou em comprar 36 foguetes durante um período de cinco anos. A infraestrutura associada e o suporte ao lançamento de foguetes foram financiados sob um contrato separado conhecido como EELV Launch Capability, ou ELC. Esse arranjo deu à Força Aérea flexibilidade para reagendar lançamentos no manifesto do Atlas V e do Delta IV sem incorrer em penalidades. O DoD na época queria evitar os custos adicionais associados aos frequentes atrasos no lançamento causados ​​por atrasos nos programas de satélite. Ao pagar por um recurso de lançamento separado do material de lançamento, o DoD procurou garantir o acesso ao espaço, independentemente dos atrasos na carga útil.

A Lei de Autorização de Defesa Nacional para o ano fiscal de 2016 orientou a Força Aérea a descontinuar o contrato ELC até 31 de dezembro de 2019 para o Atlas V e 31 de dezembro de 2020 para os serviços de lançamento do Delta IV. Cinco missões concedidas à ULA sob o EELV Fase 1 foram lançadas nos cinco anos seguintes, incluindo os dois Delta IV Heavy para NROL-44 e NROL-82 e três missões de Atlas V (NROL-101, AEHF-6 e AFSPC-7 ). A Força Aérea anunciará um “contrato de conclusão” separado em 1º de outubro para operações de apoio ao lançamento para as três missões de Atlas V. Um porta-voz da ULA disse que o contrato concedido em 2019 para voar as cinco missões restantes do Fase 1 com os Delta IV Heavy “incluiu um escopo bem definido para garantir que a Força Aérea e o NRO tivessem a capacidade necessária para lançar as missões restantes em cronograma.”

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

SpaceX deve lançar o Starlink G4-35

Foguete B1073.4 colocará 52 satélites em órbita

Live do lançamento no Canal do Homem do Espaço

A SpaceX fará o lançamento do foguete Falcon9 v1.2 FT Block 5 nº B1073.4 com 52 satélites Starlink V1.5 do Grupo 4-35 (v1.5 L33) a partir do Space Launch Complex 40 (SLC-40) na Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral na Flórida. A decolagem está marcada para sábado, 24 de setembro de 2022 às 23:32:10 UTC (20:32:10 de Brasília). O lançamento está condicionado às condições meteorológicas: A previsão do tempo marca 70% de clima favorável em 24 de setembro e 80% no dia 25, data-reserva.

Resumo do lançamento

O ‘core’ de primeiro estágio B1073.4 lançou anteriormente os Starlink Grupo 4-15, o satélite SES-22 e o Grupo 4-26 de Starlinks. Após a separação (estagiamento), o B1073.4 pousará na balsa-drone A Shortfall of Gravitas, rebocada pelo navio de apoio Bob, que seguiram de Porto Canaveral para a posição de recuperação, a 645 km da Flórida. As conchas da carenagem de cabeça serão recuperadas no mar pelo ‘Bob‘. O foguete deverá ter um peso de decolagem de 567.864 kg.

Starlinks

O lote de satélites, totalizando 15.964 kg, é denominado Group 4-35, e faz parte da “concha” (shell) 4; a órbita-alvo é circular, com 540 km, e os satélites serão primeiro liberados em grupo numa órbita inicial de 230 x 335 km, inclinada em 53,22 graus em relação ao equador. A ejeção dos satélites está marcada para 23:47:43.500 UTC (20:47:43.500 de Brasília).

O foguete F9 B1073.4 deverá ter uma massa na decolagem de 567.864 kg

CONTAGEM REGRESSIVA

hh:min:ss – Evento

  • 00:38:00 O diretor de lançamento da SpaceX verifica o abastecimento de propelentes
  • 00:35:00 RP-1 (querosene para foguete) sendo abastecido
  • 00:35:00 abastecimento do primeiro estágio com LOX (oxigênio líquido) em andamento
  • 00:16:00 Abastecimento de LOX do segundo estágio em andamento
  • 00:07:00 Falcon 9 inicia resfriamento do motor (“chilldown”) antes do lançamento
  • 00:01:00 Computador de voo emite comando para iniciar as verificações finais de pré-lançamento
  • 00:01:00 A pressurização do tanque de propelente para a pressão de voo começa
  • 00:00:45 SpaceX Launch Director verifica o lançamento
  • 00:00:03 O controlador do motor comanda a sequência de ignição para decolagem
  • 00:00:00 Decolagem do Falcon 9
Cada satélite Starlink v.15 com link de laser inter-satélite, tem massa de 307 kg

LANÇAMENTO, ATERRISSAGEM DO CORE B1067.6 E LIBERAÇÃO DAS CARGAS

Todos os tempos são aproximados

hh:min:ss – Evento

  • 00:01:12 Max Q (momento máximo de estresse mecânico no foguete)
  • 00:02:27 Corte do motor principal do 1º estágio (MECO)
  • 00:02:31 Separação do segundo estágio
  • 00:02:36 Ignição do motor do 2º estágio
  • 00:02:42 Separação de carenagem
  • 00:06:48 Início da ignição de reentrada do 1º estágio
  • 00:07:07 Ignição de reentrada do 1º estágio concluída
  • 00:08:26 Início da queima de pouso do 1º estágio
  • 00:08:40 Corte do motor do 2º estágio (SECO-1)
  • 00:08:47 pouso do ‘core’ de primeiro estágio
  • 00:15:21 Os satélites Starlink são liberados
Perfil de decolagem

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

China lança o Yunhai-1 03

Satélite meteorológico militar entrou em órbita com sucesso

O Longa Marcha-2D n° Y76 foi lançado do complexo de lançamento No. 94 do Centro de Lançamento de Jiuquan

Em 21 de setembro de 2022, às 07:15, horário de Pequim (23:15 UTC de 20 de setembro), o foguete Longa Marcha-2D (CZ-2D) n° Y76 foi lançado do complexo de lançamento No. 94 do Centro de Lançamento Espacial de Jiuquan com o satélite meteorológico militar Yunhai-1 No. 03 (YH-1 03). O satélite foi colocado com sucesso em uma órbita síncrona com inclinação de 98,50°; perigeu de 754,2 km, apogeu de 775,6 km e período de 100,13 minutos. O satélite “será usado principalmente para detectar ambientes atmosféricos, marinhos e espaciais, prevenção e mitigação de desastres e experimentos científicos”. A massa do YH-1 03 deve estar em torno de 1. 200 kg já que o CZ-2D tem capacidade para 1.100 a 1.300 kg para este tipo de órbita de 700 km.

Supõe-se que os Yunhai-1 sejam satélites meteorológicos militares, focados principalmente no monitoramento de áreas marinhas. Além do nome (o ideograma “yun” significa “nuvem”, e o “hai”, “mar”), esta interpretação é apoiada pela presença a bordo de um radiômetro de microondas de polarização total de banda dupla, cuja antena normalmente faz 18 rotações por minuto, o que se manifesta nas variações correspondentes no brilho do objeto. O segundo instrumento conhecido é o radiômetro de varredura infravermelha do Instituto de Física Técnica de Shangai que foi relatado estar nas 2ª e 3ª espaçonaves.

O primeiro Yunhai-1 foi lançado em 12 de novembro de 2016 e por seis anos trabalhou a uma altura de cerca de 783 km com a passagem do nó descendente em 05:30 hora local. Inúmeras correções foram realizadas principalmente para compensar o arrasto na alta atmosfera, embora em alguns casos também tenha sido observada uma diminuição na órbita, provavelmente para fins de faseamento. Há poucos dias, entre 15 e 17 de setembro, o YH-1 01 caiu de 782,6 para 776,5 km, o que pode indicar o fim da vida operacional. O YH-1 03 foi lançado no mesmo plano orbital. O segundo foi lançado em 25 de setembro de 2019 e como seu antecessor, entrou em órbita síncrona com o sol, mas com uma hora de nó descendente local de 07:10. Rapidamente subiu para uma altitude de trabalho de 783 km e fez um voo controlado, sincronizando seu movimento com o primeiro satélite da série. As duas espaçonaves estavam constantemente fora de fase, de modo que YH-1 02 seguia o YH-1 01 meia órbita atrás e com a trilha no solo deslocada pela metade da distância entre as curvas.

Em 18 de março de 2021, o Yunhai-1 02 foi destruído, resultando em pelo menos vinte e um fragmentos, segundo o 18º Esquadrão de Controle Espacial da Força Espacial dos EUA; até o momento, o número de detritos no catálogo americano aumentou para 37. Após o incidente, as variações no brilho da espaçonave cessaram, o que foi registrado no relatório do Multichannel Monitoring Telescope MMT para rsultados da análise de informações fotométricas em objetos espaciais em órbitas próximas à Terra de outubro de 2021. Ao mesmo tempo, o Yunhai-1 No. 02 continua a corrigir a órbita e supoe-se que o sistema de propulsão e, possivelmente, alguns instrumentos da carga útil estão funcionando. Os radioamadores ocidentais continuam a receber sinais KA na banda L, o que confirma o fato de sua operação anormal.

O terceiro Yunhai-1 é o 93º satélite lançado desenvolvido pelo 509º Instituto SAST, incluindo o 12º em 2022. A criação da espaçonave foi realizada pela primeira vez no modo de design digital e suporte ao desenvolvimento em todas as etapas. Como resultado, o tempo de depuração para equipamentos de solo foi reduzido em 60%, a duração da alimentação da espaçonave antes do lançamento – em 20%, a duração dos testes de campo – em 10% e o número de equipes de teste foi reduzido em 15%.

O foguete CZ-2D, como o satélite, foi desenvolvido pela “8ª Academia” de Shangai, oficialmente conhecida como SAST. Os desenvolvedores anunciaram sua preparação rápida de pré-lançamento, que atingiu um recorde de 11 dias e pode ser melhorada para 10 dias. Foi o 65º lançamento do CZ-2D em 30 anos de operação de todas as suas variantes, a partir de 9 de agosto de 1992, e o 50º de Jiuquan. Também se tornou o 482º para todos os foguetes chineses e o 438º para a família Changzheng (Longa Marcha), incluindo o 168º para os foguetes construídos pela SAST.

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

NASA testa o abastecimento do SLS

Engenheiros agora trabalham para aprovar o foguete para lançamento dia 27

A NASA realizou ontem o teste de abastecimento criogênico do foguete SLS para a missão Artemis I na plataforma 39B do Cabo Canaveral, na Flórida. O diretor de lançamento confirmou que todos os objetivos foram cumpridos no teste de demonstração criogênica, e as equipes passaram depois às de segurança e preparativos para drenar os tanques do foguete. Depois de encontrar um vazamento de hidrogênio no início do abastecimento, os engenheiros conseguiram solucionar o problema e prosseguir com as atividades.

Durante o CDT – Cryogenic Demonstration Test – os controladores conseguiram abastecer os tanques com 2,7 milhões de litros de hidrogênio e oxigênio líquidos – uma tarefa que anteriormente se mostrou impossível devido a vazamentos. Esses vazamentos parecem agora ter sido corrigidos ou gerenciados durante o processo. O foguete pode ser lançado já na próxima terça-feira. As equipes avaliarão os dados do teste, juntamente com o clima e outros fatores, antes de confirmar a prontidão para prosseguir para a próxima oportunidade de lançamento. A data de lançamento prevista é 27 de setembro, sendo que a espaçonave Orion fará um voo de 38 dias, 23 horas e 49 minutos e com retorno programado para 5 de novembro. O foguete permanece em configuração segura enquanto as equipes avaliam os próximos passos.

No entanto, a agência espacial dos EUA diz que vários fatores terão que ser considerados antes que uma decisão de “ir” seja tomada. “Não gosto de me antecipar aos dados”, disse o diretor de voo Charlie Blackwell-Thompson. “Gostaria que a equipe tivesse a oportunidade de dar uma olhada, para ver se há mudanças que precisamos fazer em nosso procedimento de abastecimento e em nossos cronogramas”.

Os quatro principais objetivos da demonstração incluíam avaliar o reparo para resolver o vazamento de hidrogênio identificado na tentativa anterior de lançamento, carregar propelentes nos tanques usando novos procedimentos, realizar a sangria pré-ignição (‘kick-start bleed’) e um teste de pré-pressurização. Os novos procedimentos de abastecimento criogênico e automação do solo foram projetados para fazer a transição de temperatura e pressão lentamente durante o processo para reduzir a probabilidade de vazamentos que podem ser causados ​​por mudanças rápidas de temperatura ou pressão. Depois de encontrar um vazamento no início da operação, as equipes reduziram ainda mais as pressões de fluxo para solucionar o problema e prosseguir com o teste. O teste de pré-pressurização permitiu que os engenheiros calibrassem as configurações usadas para condicionar os motores durante a contagem final e validassem os cronogramas antes do dia do lançamento para reduzir o risco de programação durante a contagem regressiva no dia do lançamento.

A NASA tentou lançar o foguete em 29 de agosto e novamente em 3 de setembro. Mas em ambas as ocasiões foi atormentado pelo hidrogênio escapando das linhas de alimentação – entre outros problemas. As vedações danificadas tiveram que ser substituídas e testadas, que foi o objetivo do exercício de quarta-feira. E embora os controladores mais uma vez tenham visto o comportamento de vazamento, eles foram capazes de implementar medidas para manter as perdas dentro de limites aceitáveis. Além disso, os controladores foram capazes de abastecer totalmente o estágio central e o estágio superior do foguete e colocá-los em sua configuração pronta para o voo. Isso incluiu a preparação dos quatro grandes motores na base do foguete, que devem ser reduzidos a uma temperatura operacional extremamente baixa.

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Rússia lança Soyuz MS-22

Espaçonave acoplou-se à estação espacial com dois russos e um americano

O foguete Soyuz-2.1a com a nave espacial Soyuz MS-22 carregando a 68ª expedição à Estação Espacial Internacional decolou em 21 de setembro de 2022 às 16:54:49, horário de Moscou (10:54:49.531 Brasilia) do cosmódromo de Baikonur com sucesso. A tripulação principal da espaçonave (11F732A48 n° 751) é composta pelo comandante Sergei Prokopiev, o engenheiro de voo-1 Dmitry Petelin, natural do Cazaquistão – pela Roskosmos – e engenheiro de voo-2 Frank Rubio, da NASA. Após um voo de acordo com o padrão de três horas a nave acoplou-se com o módulo russo Rassvet.

Soyuz MS-22 na aproximação final com a porta de engate passiva do módulo Rassvet

A Soyuz se acoplou no Rassvet por volta das 13h11 EDT (1711 GMT, ou 11:11 Brasilia) após um voo de duas órbitas. Cerca de duas horas após a acoplagem, as escotilhas entre a Soyuz e a estação espacial foram abertas oficialmente às 15h34 EDT. A chegada de três novos tripulantes às sete pessoas já existentes a bordo da Expedição 67 aumenta temporariamente a população da estação para dez. O astronauta Rubio e os cosmonautas Prokopyev e Petelin juntaram-se à Expedição 67 – comandante Oleg Artemyev, cosmonautas Denis Matveev e Sergey Korsakov da Roscosmos, astronautas da NASA Bob Hines, Kjell Lindgren e Jessica Watkins, e a astronauta da Agência Espacial Européia Samantha Cristoforetti. Rubio, Prokopyev e Petelin passarão seis meses a bordo do laboratório orbital. Os cosmonautas Artemyev, Matveev e Korsakov retornarão à Terra em 29 de setembro na nave Soyuz MS-21, que está atualmente acoplada na estação , para um pouso de pára-quedas na estepe cazaque.

Cosmonautas e astronautas reúnem-se a bordo da estação

A Soyuz MS-22 entregou à ISS suprimentos sanitários e higiênicos e controle médico, documentação de bordo e itens consumíveis para equipamentos de serviço, roupas e pertences pessoais dos cosmonautas, rações e alimentos frescos, bem como embalagens para experimentos os científicos Econ-M, Biofilm, Interaction-2, Biomag-M, MSK-2, FAGEN, Cardiovector, Cytomechanarium e Reflex. Os primeiro experimentos com a impressora 3D russa serão trazidos à Terra pela tripulação da Soyuz MS-21.

Resumo do lançamento

Os astronautas da Expedição 67 – Hines, Lindgren , Watkins e Cristoforetti estão a bordo desde sua chegada em abril, na SpaceX Dragon Crew-4 Freedom. A Freedom e sua tripulação estão atualmente planejados para retornar do início ao meio de outubro..

Transmissão de lançamento pelo Canal do Homem do Espaço

Homenagem ao pioneiro Tsiolkovsky

Emblema da missão

A espaçonave recebeu o nome de Tsiolkovsky em homenagem ao 165º aniversário do nascimento de Konstantin Tsiolkovsky, cientista russo, inventor e fundador da teoria da exploração espacial. A carenagem de cabeça do foguete traz um retrato do cientista e a inscrição “165 anos desde o nascimento de Konstantin Tsiolkovsky”.

Tripulação da espaçonave: comandante ISS-68 Sergey Prokopyev (centro); o cosmonauta-testador, engenheiro de vôo / ISS-68 Dmitry Petelin (direita) e o astronauta, engenheiro de voo-2 / ISS-68 Franco (Frank) Rubio

O tenente-coronel Francisco Carlos Rubio veio de origens humildes, criado por uma mãe solteira adolescente no sudoeste de Miami. Mais de 30 anos depois de ingressar no Exército, o piloto de helicóptero UH-60 Black Hawk fará seu primeiro voo no espaço quando partir de Baikonur para a estação espacial. Rubio disse que sua mãe, uma imigrante de El Salvador, o criou em um ambiente que incentivava o trabalho duro. Rubio, que se alistou no Exército em 1998 como forma de pagar a faculdade, obteve o doutorado em medicina e fez uma extensa carreira militar. Ele voou mais de 1.100 horas, incluindo cerca de 600 durante destacamentos na Bósnia, Afeganistão e Iraque. Ele também obteve sua certificação ‘Jumpmaster’ e realizou mais de 650 saltos de paraquedismo.

Espaçonave 11F732A48 ‘Soyuz MS’

Homenagem à FMBA

A FBMA foi homenageada neste lançamento, tendo seu logotipo aplicado em adesivo à seção de cauda do terceiro estágio do foguete: A agência é o instituto nacional de saúde pública da Federação Russa, entidade federal vinculada ao Ministério da Saúde e sediada na Rodovia Volokolamsk, em Moscou. Foi criada como Terceira Direção Principal do Ministério da Saúde soviético em 1947 – depois renomeada Direção Federal/Principal de Assuntos Biomédicos e Extremos em 1991. Manteve este nome até 2004, quando foi renomeada para o nome atual. Durante o regime soviético, desde 1947, a Terceira Diretoria Principal do Ministério da Saúde era responsável por essas funções.

Carta de Novgorod

Adesivo em homenagem aos 1.140 anos de união de Kyiv (Kiev) a Novgorod

Outra cerimônia que foi feita nesta missão incluiu a Carta de Novgorod. A delegação de Novgorod entregou uma cópia do documento de casca de bétula encontrada em Veliky Novgorod ao cosmódromo. Segundo os cientistas, o texto da carta é uma referencia à Arca de Noé.

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

SpaceX lança o lote Starlink G4-34

Primeiro estágio B1067 fez seu 6° lançamento

Foguete decola do Space Launch Complex 40 na Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral

A SpaceX lançou o foguete Falcon9 v1.2 FT Block 5 nº B1067.6 com 54 satélites Starlink V1.5 a partir do Space Launch Complex 40 (SLC-40) na Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral na Flórida na noite de 18/19 de setembro de 2022, às 20h18 ET (00:18 UTC em 19 de setembro). O lançamento vinha sendo adiado há uma semana devido às condições de tempestades elétricas no Cabo.

Live do lançamento no Canal do Homem do Espaço

O ‘core’ de primeiro estágio que executou esta missão lançou anteriormente as CRS-22, Crew-3, Turksat 5B, Crew-4 e CRS-25. Após a separação (estagiamento), o primeiro estágio pousou na balsa-drone Just Read the Instructions, que estava estacionada a 660 km de distância da Flórida no Oceano Atlântico, rebocada pelo rebocador Kurt J Crosby . As conchas da carenagem de cabeça foram recuperadas no mar pelo navio de apoio ‘Doug‘. O foguete tyeve uma massa de decolagem de 568.478 kg.

Starlinks

Cada satélite Starlink v.15 com link de laser inter-satélite, tem massa de 307 kg

O lote de satélites (exemplares n° 1.510 a 1.563) totalizando 16.578 kg) é denominado Group 4-34, e faz parte da “concha” (shell) 4; a órbita-alvo era circular, com 540 km, e os satélites foram primeiro liberados em grupo numa órbita inicial de 336 x 232 km, inclinada em 53,22 graus em relação ao equador. Os satélites agora passarão os meses seguintes elevando sua órbita para a Shell 4. A SpaceX tem pelo menos mais duas missões em setembro, incluindo pelo menos mais uma missão Starlink e a missão Transport and Tracking Layer (TTL) Tranche 0 Flight 1 para a Agência de Desenvolvimento Espacial (SDA).

Estatísticas da missão Starlink-4.34
6º Voo do Estágio de Falcon 9 B1067
42º Lançamento de 2022
61º Missão Starlink
68º Aterrissagem bem-sucedida de ‘booster’ consecutiva
97º Lançamento da SpaceX do SLC-40
113° Sucesso no pouso na plataforma flutuante
142º sucesso aterrissagem em fase no total
151º lançamento bem-sucedido da empresa consecutivo
176º lançamento do Falcon 9
184º lançamento da SpaceX.
Starlink:
3.347 satélites lançados
3.076 em órbita
2.549 em operação.
A taxa de lançamento atual da empresa é de uma missão em 6,2 dias. Assim, a SpaceX pode realizar 59 lançamentos até o final deste ano.

O foguete F9 B1067.6 teve uma massa na decolagem de 568.478 kg

CONTAGEM REGRESSIVA

hh:min:ss – Evento

  • 00:38:00 O diretor de lançamento da SpaceX verifica o abastecimento de propelentes
  • 00:35:00 RP-1 (querosene para foguete) sendo abastecido
  • 00:35:00 abastecimento do primeiro estágio com LOX (oxigênio líquido) em andamento
  • 00:16:00 Abastecimento de LOX do segundo estágio em andamento
  • 00:07:00 Falcon 9 inicia resfriamento do motor (“chilldown”) antes do lançamento
  • 00:01:00 Computador de voo emite comando para iniciar as verificações finais de pré-lançamento
  • 00:01:00 A pressurização do tanque de propelente para a pressão de voo começa
  • 00:00:45 SpaceX Launch Director verifica o lançamento
  • 00:00:03 O controlador do motor comanda a sequência de ignição para decolagem
  • 00:00:00 Decolagem do Falcon 9
Resumo do lançamento

LANÇAMENTO, ATERRISSAGEM DO CORE B1067.6 E LIBERAÇÃO DAS CARGAS

Todos os tempos são aproximados

hh:min:ss – Evento

  • 00:01:12 Max Q (momento máximo de estresse mecânico no foguete)
  • 00:02:27 Corte do motor principal do 1º estágio (MECO)
  • 00:02:31 Separação do segundo estágio
  • 00:02:36 Ignição do motor do 2º estágio
  • 00:02:42 Separação de carenagem
  • 00:06:48 Início da ignição de reentrada do 1º estágio
  • 00:07:07 Ignição de reentrada do 1º estágio concluída
  • 00:08:26 Início da queima de pouso do 1º estágio
  • 00:08:40 Corte do motor do 2º estágio (SECO-1)
  • 00:08:47 pouso do ‘core’ de primeiro estágio
  • 00:15:21 Os satélites Starlink são liberados
Perfil de decolagem

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Rússia lança nova tripulação para a ISS na quarta-feira

Soyuz MS-22 decola com dois russos e um americano

Resumo do lançamento

O lançamento do foguete Soyuz-2.1a com a nave espacial Soyuz MS-22 carregando a 68ª expedição à Estação Espacial Internacional está programado para 21 de setembro de 2022 às 16:54 hora de Moscou (10:54 hora de Brasília). Em 18 de setembro, o foguete foi transportado do prédio de montagem e teste MIK 254 para o complexo de lançamento 6 da área 31 do Cosmódromo de Baikonur, onde, após instalá-lo em posição vertical, as empresas da Roskosmos começaram a se preparar para o lançamento. A tripulação principal da espaçonave (11F732A48 número de série 751) é composta pelo comandante Sergei Prokopiev (da Roskosmos), o engenheiro de voo-1 Dmitry Petelin, natural do Cazaquistão – também pela Roskosmos – e engenheiro de voo-2 Frank Rubio, da NASA. Seus substitutos são os cosmonautas da Roskosmos Oleg Kononenko e Nikolai Chub e a astronauta da NASA Loral O’Hara. A missão deve durar seis meses. Espera-se que o voo para a ISS ocorra de acordo com o padrão de três horas entre a decolagem e o acoplamento com o módulo Rassvet.

O foguete Soyuz-2.1a rebocado pela carreta TUA para a plataforma em Baikonur

A Soyuz está programada para acoplar no Rassvet por volta das 13h11 EDT (1711 GMT, ou 11:11 Brasilia) após um voo de duas órbitas. Cerca de duas horas após a acoplagem, as escotilhas entre a Soyuz e a estação espacial serão abertas e Prokopyev, Petelin e Rubio serão recebidos pelo comandante da Expedição 67, Oleg Artemyev, e pelos cosmonautas Denis Matveev e Sergey Korsakov da Roskosmos; os astronautas da NASA Bob Hines, Kjell Lindgren e Jessica Watkins; e a astronauta da Agência Espacial Européia (ESA) Samantha Cristoforetti. Prokopyev, Petelin e Rubio passarão cerca de seis meses na estação espacial. Este será o segundo vôo de Prokopyev ao espaço e o primeiro de Petelin e Rubio. Rubio é o primeiro astronauta da NASA a voar sob o novo acordo de troca de tripulação desde os voos americanos de tripulação comercial começaram a voar. A Soyuz MS-22 deve entregar à ISS suprimentos sanitários e higiênicos e controle médico, documentação de bordo e itens consumíveis para equipamentos de serviço, roupas e pertences pessoais dos cosmonautas, rações e alimentos frescos, bem como embalagens para experimentos os científicos Econ-M, Biofilm, Interaction-2, Biomag-M, MSK-2, FAGEN, Cardiovector, Cytomechanarium e Reflex. O comandante Prokopiev disse que os experimentos com a impressora 3D já começaram na estação, mas o trabalho principal ficará com sua equipe. Os primeiros resultados serão trazidos à Terra pela tripulação da espaçonave Soyuz MS-21, que deve retornar em 29 de setembro.

Transmissão de lançamento pelo Canal do Homem do Espaço

O cosmonauta Prokopiev disse que levaria as joias de sua filha e a cruz do neto com ele no voo para que o lembrassem de sua família enquanto trabalha na estação. “Antes de tudo, estas são as joias da minha filha e a cruz do meu neto, são as coisas que vão aquecer meu coração”, disse Prokopiev em uma entrevista coletiva. Prokopiev nasceu em 19 de fevereiro de 1975 e se tornou avô em 2021. Ele esclareceu que as tripulações geralmente levam pertences pessoais, fotos de amigos e parentes.
Seu companheiro de tripulação Dmitry Petelin decidiu levar consigo os desenhos de sua filha mais velha, bem como um talismã o qual seu avô usou na Segunda Guerra Mundial. O astronauta americano Rubio leva fotos de família e pequenos objetos de seus filhos que “serão um belo presente” quando ele voltar para casa.

O foguete Soyuz-2.1a número S15000-051 montado na plataforma da Area 31/6 em Baikonur

Homenagem ao pioneiro Tsiolkovsky

Emblema da missão

A espaçonave recebeu o nome de Tsiolkovsky em homenagem ao 165º aniversário do nascimento de Konstantin Tsiolkovsky, cientista russo, inventor e fundador da teoria da exploração espacial. A carenagem de cabeça do foguete traz um retrato do cientista e a inscrição “165 anos desde o nascimento de Konstantin Tsiolkovsky. O emblema da tripulação é feito na forma de um círculo. Na parte superior são aplicados: o indicativo de chamada da tripulação, “Altai”, e as bandeiras dos países participantes do voo (à esquerda a da Rússia, à direita dos EUA). No mesmo campo abaixo, são inseridos os nomes dos integrantes da expedição. Na parte superior do círculo interno é apresentada: na parte superior uma imagem estilizada da estação, e na inferior uma imagem da espaçonave. Sob a nave está o nome e o número de série da espaçonave Soyuz MS-22, cuja direção de voo aponta para a ISS. Abaixo está uma imagem da Terra. A ISS é cercada por três estrelas, correspondentes ao número de tripulantes da nave. O cisne simboliza o comandante da tripulação, Coronel das Forças Aeroespaciais da Federação Russa Prokopiev, que voou aeronaves Tu-160 durante seu serviço militar – que os pilotos russos chamam de “Cisne Branco”. À direita das três estrelas está uma imagem estilizada de uma tartaruga, simbolizando o nome do conjunto de astronautas da NASA de 2017, as ‘turtles’, do qual Franco Rubio é membro. Ao lado do cisne está uma figura em forma de vela, formada por três arcos de círculos, cujos raios são proporcionais aos raios dos três corpos celestes: a Terra, Marte e a Lua. Este é o emblema do recrutamento para o corpo de cosmonautas de Roskosmos, no qual Dmitry Petelin foi selecionado.

Tripulação da espaçonave: comandante ISS-68 Sergey Prokopyev (centro); o cosmonauta-testador, engenheiro de vôo / ISS-68 Dmitry Petelin (direita) e o astronauta, engenheiro de voo-2 / ISS-68 Franco (Frank) Rubio

O tenente-coronel Francisco Carlos Rubio veio de origens humildes, criado por uma mãe solteira adolescente no sudoeste de Miami. Mais de 30 anos depois de ingressar no Exército, o piloto de helicóptero UH-60 Black Hawk fará seu primeiro voo no espaço quando partir de Baikonur para a estação espacial. Rubio disse que sua mãe, uma imigrante de El Salvador, o criou em um ambiente que incentivava o trabalho duro. “Uma das coisas mais importantes que minha mãe me ensinou enquanto estávamos crescendo é que, apesar dos desafios que enfrentamos, nada era uma desculpa”, disse ele. “Eu tive que trabalhar e seguir em frente e, felizmente, isso me incutiu uma ética de trabalho muito boa.” Rubio, que se alistou no Exército em 1998 como forma de pagar a faculdade, obteve o doutorado em medicina e fez uma extensa carreira militar. Ele voou mais de 1.100 horas, incluindo cerca de 600 durante destacamentos na Bósnia, Afeganistão e Iraque. Ele também obteve sua certificação ‘Jumpmaster’ e realizou mais de 650 saltos de paraquedismo.

De acordo com a tradição, os tripulantes da equipe de reserva Oleg Kononenko, Nikolai Chub e Loral O’Hara, acompanharam a transferência por ferrovia do foguete do prédio MIK254 para a plataforma. Além deles acompanharam as famílias dos astronautas, representantes de agências espaciais e empresas da indústria espacial, além de jornalistas.

Equipes de resgate já prontas para o lançamento

O treinamento dos grupos de busca no Cosmódromo realizam os exercícios de busca programados. Equipes de busca terrestre e aérea são formadas por especialistas do Centro Espacial Yuzhny (uma filial da JSC TsENKI, parte da Roskosmos ). Sua tarefa é procurar fragmentos de foguetes em caso de acidente ao longo da trajetória de voo a uma distância de até 150 km do complexo de lançamento para as equipes de solo e até 250 km para o grupo aéreo. Como parte dos exercícios, foi determinado um local presumido onde os fragmentos de foguete cairiam, foi feita uma simulação de busca na estepe, um cordão e proteção foi instalado e um acampamento com alojamento e refeições para trabalhadores foi organizado à distância do lugar condicional da queda. As equipes de busca fazem parte de uma time de resgate de “emergência não padrão” designada para cada lançamento. Além dos funcionários do Centro Espacial Yuzhny, essa formação inclui especialistas do Ministério de Emergências da Rússia e da Agência Federal Médica e Biológica da Rússia (Federalnoye Mediko-Biologicheskoye Agentstvo, FMBA).

Espaçonave 11F732A48 ‘Soyuz MS’

Homenagem à FMBA

A FBMA também será homenageada neste lançamento, tendo seu logotipo aplicado em adesivo à seção de cauda do terceiro estágio (‘bloco I’) do foguete: A agência é o instituto nacional de saúde pública da Federação Russa, entidade federal vinculada ao Ministério da Saúde e sediada na Rodovia Volokolamsk, em Moscou. Foi criada como Terceira Direção Principal do Ministério da Saúde soviético em 1947 – depois renomeada Direção Federal/Principal de Assuntos Biomédicos e Extremos em 1991. Manteve este nome até 11 de outubro de 2004, quando foi renomeada para o nome atual. Durante o regime soviético, desde 1947, a Terceira Diretoria Principal do Ministério da Saúde era responsável por essas funções.

Emblema da FBMA na carenagem de cabeça do foguete

Hoje, seu principal objetivo é “proteger a saúde e a segurança pública por meio do controle e prevenção de doenças, lesões e deficiências”. A Agência concentra a atenção nacional no desenvolvimento e aplicação de controle e prevenção de doenças. Concentra sua atenção especialmente em doenças infecciosas, patógenos de origem alimentar, saúde ambiental, segurança e saúde ocupacional, promoção da saúde, prevenção de lesões e atividades educacionais destinadas a melhorar a saúde dos cidadãos russos. Além disso, a FMBA pesquisa e fornece informações sobre doenças não infecciosas. A agência também é responsável pelo banco de sangue russo.

Carta de Novgorod

Outra cerimônia que será feita nesta missão inclui a Carta de Novgorod. A delegação de Novgorod entregará uma cópia do documento de casca de bétula a Baikonur. Uma comitiva de oito alunos e dois estudantes da região de Novgorod numa ação a ser realizada no âmbito da cooperação entre o governo regional e a Roskosmos. A delegação entregará uma cópia da casca de bétula encontrada em Veliky Novgorod ao cosmódromo nos dias 19 e 23 de setembro. A delegação incluiu alunos com alto desempenho nas suas áreas disciplinares. O programa da estadia inclui uma visita ao Cosmódromo de Baikonur durante a campanha de lançamento do Soyuz 2.1a com a Soyuz MS-22. Juntamente com o veículo lançador, uma cópia da carta de casca de bétula nº 10, encontrada no local de escavação de Nerevsky em Veliky Novgorod, irá para o espaço. A carta data de meados do século XIV, diz o seguinte texto: ” Há granizo entre o céu e a terra. O embaixador vai até ele sem caminho, ele é mudo, carrega uma carta não escrita. Segundo os cientistas, o trecho é uma referencia à Arca de Noé.

Adesivo em homenagem aos 1.140 anos de união de Kyiv (Kiev) a Novgorod

Em 26 de julho de 1951, no local de escavação de Nerevsky uma expedição arqueológica liderada por A. V. Artsikhovsky descobriu o primeiro documento de casca de bétula contendo uma lista de deveres feudais. As informações sobre o uso da casca de bétula como material para escrever na Rússia Antiga eram conhecidas há muito tempo, inclusive dos escritos de autores medievais. A primeira escrita russa antiga em casca de bétula, uma pequena carta de um plebeu que viveu no século XV, foi descoberta durante essas escavações arqueológicas. As escavações começaram em 1932, mas somente em 1951 os arqueólogos se mudaram para o lado Nerevsky da cidade. Em 26 de julho de 1951, um membro da expedição encontrou este pedaço de casca de bétula com um texto em russo. Ao final da temporada de campo, a expedição tinha mais nove documentos semelhantes. Posteriormente, letras de casca de bétula foram encontradas em escavações em Moscou, Pskov, Smolensk, Staraya Russa, Tver, Torzhok, Vitebsk, Mstislavl, Zvenigorod Galitsky. Hoje seu número ultrapassou mil. As letras de casca de bétula mais antigas datam da primeira metade do século XI e as últimas de meados do século XV.

Foguete Soyuz 2.1a tem 51,31 metros de comprimento e 316 toneladas de massa na decolagem

A descoberta de letras de casca de bétula abriu uma nova página no estudo da história da língua russa, expandiu a compreensão dos cientistas sobre as características da vida de uma pessoa medieval. Ao contrário das antigas crônicas russas, os textos de letras de casca de bétula estão cheios de detalhes cotidianos. A maioria das cartas contém letras, também existem vários registros, etiquetas, rascunhos de documentos, exercícios para alunos, alfabetos, encantamentos, textos da igreja. Tópicos cotidianos determinaram a forma de apresentação – a maioria dos documentos é escrita em língua coloquial russa antiga.

A ideia de enviar uma das cartas de casca de bétula para a Estação Espacial Internacional, proposta por um estudante de Novgorod, foi apoiada pelos cosmonautas russos. Este evento será programado para coincidir com o 1.160º aniversário do nascimento do Estado na Rússia, que é comemorado em 2022. No terceiro estágio do foguete, estão adesivados símbolos adicionais, dedicados ao nascimento do Estado russo e ao 1.140º aniversário da campanha do príncipe Oleg contra Kyiv.

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Astronautas da Shenzhou 14 fazem sua segunda caminhada espacial

A saída ao espaço durou cinco horas

Os astronautas chineses da missão Shenzhou-14 iniciaram sua segunda atividade extraveicular (EVA no jargão astronáutico) no sábado – dia 17 de setembro de 2022, de acordo com a Agência Espacial para voos Tripulados da China (CMS). O taikonauta Cai Xuzhe, abriu a cabine do módulo de laboratório Wentian da Estação Espacial da China às 13h35 Horário de Pequim. Às 15h33, Cai e seu colega Cheng Dong saíram com sucesso da cabine estanque do módulo Wentian e às 17h47, a tripulação da Shenzhou-14 completou com sucesso a atividade extraveicular, que durou cerca de cinco horas, anunciou a CMS.

Taikonautas fora da estação espacial

Durante a EVA, a tripulação realizou operações, incluindo a instalação de um encaixe (âncora ou ‘foot-stop’), que é usado para fixar os pés dos astronautas no grande braço robótico, e uma alça de assistência, que pode ajudar a abrir a porta da escotilha do lado de fora em caso de emergência. Os taikonautas também instalaram bombas adicionais no equipamento principal do sistema de controle térmico da estação espacial, e realizaram pela primeira vez um ensaio de resgate extraveicular. No ensaio, o astronauta Cai Xuzhe simulou perder a consciência e Chen Dong simulou seu resgate, guiando-o para a eclusa de estanque do módulo.

As tarefas eram auxiliadas pelo pequeno braço robótico no módulo Wentian. A terceira taikonauta, Liu Yang, estava no módulo central TianHe para dar suporte. (Cai Xuzhe ficou dentro do TianHe para suporte durante a primeira saída ao espaço da missão, feita no dia 2 de setembro por Liu e Chen).

O trio completou com sucesso a primeira atividade extraveicular da cabine do módulo de laboratório Wentian que durou cerca de sete horas. A equipe, muitas vezes chamada de “a equipe mais ocupada até hoje”, vem trabalhando em várias missões desde o início de setembro. Eles começaram a se preparar para atividades cada vez mais complexas quase imediatamente após sua primeira saída ao espaço . “EVAs relativamente frequentes podem ajudar a tornar a caminhada espacial uma atividade regular”, disse Pan Shunliang, vice-designer-chefe do Departamento de Design Geral da Academia de Tecnologia Espacial da China, explicando as razões para o cronograma apertado de EVAs. As EVAs regulares são uma capacidade necessária para as estações espaciais. Para atingir este objetivo, os astronautas e o pessoal de controle de solo precisam ser qualificados em cooperação com vários exercícios, disse Pan.

Configuração atual da estação espacial chinesa

“Os dois taikonautas fora da estação e o de dentro devem se coordenar. Outros departamentos em terra, incluindo nosso sistema de estação espacial, sistema de astronautas, Centro de Controle de Voo Aeroespacial de Pequim e o sistema de medição e comunicação, também precisam ser coordenados”, disse Pan. “Especialmente no estágio de operação, pode ser necessário transferir as asas solares do módulo central para ambos os lados dos módulos de laboratório. Isso requer várias caminhadas espaciais regulares e, portanto, as caminhadas espaciais são conduzidos para preparar e testar nossa capacidade para caminhadas espaciais”, explicou.

Em 6 de setembro, os taikonautas conversaram com jovens africanos. Eles também colheram e provaram repolho cultivado no espaço, e celebraram o Festival do Meio Outono, a primeira tripulação a fazê-lo do espaço. Enquanto marcavam 100 dias no espaço esta semana, Yin Rui, vice-comandante-chefe do sistema de astronautas do CMS, disse que há mais a esperar da segunda metade da permanência da tripulação da Shenzhou-14 em órbita.

Após a acoplagem do módulo MengTian, a ser lançado em outubro, a estação chinesa assumirá a forma de letra T

“A estação espacial da China estará pronta antes de dezembro e sua estrutura em forma de T estará em plena configuração 400 km acima da Terra. Essa imagem mostrará o melhor da sabedoria chinesa e do povo chinês”, disse Yin. A China está programada para lançar o módulo de laboratório Mengtian em outubro. Após o Mengtian, o país enviará a espaçonave de carga Tianzhou-5 e a nave tripulada Shenzhou-15 para a estação ainda este ano. Os tripulantes da Shenzhou-15 se juntarão aos astronautas da Shenzhou-14 para a primeira troca de tripulação na sua estação espacial.

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

SpaceX tenta novamente lançar o Starlink G4-34

Meteorologia vem adiando o Falcon 9 B1067.6 há uma semana

Live do lançamento no Canal do Homem do Espaço

A SpaceX fará o lançamento do foguete Falcon9 v1.2 FT Block 5 nº B1067.6 com 54 satélites Starlink V1.5 a partir do Space Launch Complex 40 (SLC-40) na Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral na Flórida. A decolagem vem sendo postergada desde a noite de domingo e agora está marcada para a noite de 18/19 de setembro de 2022, às 20h18 ET (00:18 UTC em 19 de setembro). O lançamento, mais uma vez, está condicionado às condições da tempestade no Cabo.

Resumo do lançamento

O ‘core’ de primeiro estágio que executará esta missão lançou anteriormente as CRS-22, Crew-3, Turksat 5B, Crew-4 e CRS-25. Após a separação (estagiamento), o primeiro estágio pousará na balsa-drone Just Read the Instructions, que ficará estacionada no Oceano Atlântico, rebocada pelo rebocador Kurt J Crosby e as conchas da carenagem de cabeça serão recuperadas no mar pelo navio de apoio ‘Doug‘. O foguete deverá ter um peso de decolagem de 568.478 kg.

Starlinks

O lote de satélites (exemplares n° 1.510 a 1.563) totalizando 16.578 kg) é denominado Group 4-34, e faz parte da “concha” (shell) 4; a órbita-alvo é circular, com 540 km, e os satélites serão primeiro liberados em grupo numa órbita inicia de 336 x 232 km, inclinada em 53,22 graus em relação ao equador.

O foguete F9 B1067.6 deverá ter uma massa na decolagem de 568.478 kg

CONTAGEM REGRESSIVA

hh:min:ss – Evento

  • 00:38:00 O diretor de lançamento da SpaceX verifica o abastecimento de propelentes
  • 00:35:00 RP-1 (querosene para foguete) sendo abastecido
  • 00:35:00 abastecimento do primeiro estágio com LOX (oxigênio líquido) em andamento
  • 00:16:00 Abastecimento de LOX do segundo estágio em andamento
  • 00:07:00 Falcon 9 inicia resfriamento do motor (“chilldown”) antes do lançamento
  • 00:01:00 Computador de voo emite comando para iniciar as verificações finais de pré-lançamento
  • 00:01:00 A pressurização do tanque de propelente para a pressão de voo começa
  • 00:00:45 SpaceX Launch Director verifica o lançamento
  • 00:00:03 O controlador do motor comanda a sequência de ignição para decolagem
  • 00:00:00 Decolagem do Falcon 9
Cada satélite Starlink v.15 com link de laser inter-satélite, tem massa de 307 kg

LANÇAMENTO, ATERRISSAGEM DO CORE B1067.6 E LIBERAÇÃO DAS CARGAS

Todos os tempos são aproximados

hh:min:ss – Evento

  • 00:01:12 Max Q (momento máximo de estresse mecânico no foguete)
  • 00:02:27 Corte do motor principal do 1º estágio (MECO)
  • 00:02:31 Separação do segundo estágio
  • 00:02:36 Ignição do motor do 2º estágio
  • 00:02:42 Separação de carenagem
  • 00:06:48 Início da ignição de reentrada do 1º estágio
  • 00:07:07 Ignição de reentrada do 1º estágio concluída
  • 00:08:26 Início da queima de pouso do 1º estágio
  • 00:08:40 Corte do motor do 2º estágio (SECO-1)
  • 00:08:47 pouso do ‘core’ de primeiro estágio
  • 00:15:21 Os satélites Starlink são liberados
Perfil de decolagem

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

SpaceX faz nova tentativa de lançar o Starlink G4-34

Falcon 9 B1067.6 colocará 54 satélites em órbita

Live do lançamento no Canal do Homem do Espaço

A SpaceX teve que adiar mais uma vez o lançamento do foguete Falcon9 v1.2 FT Block 5 nº B1067.6 com 54 satélites Starlink V1.5 a partir do Space Launch Complex 40 (SLC-40) na Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral na Flórida. A decolagem vem sendo postergada desde a noite de domingo e agora está marcada para a noite de 16 para 17 de setembro de 2022, às 01:05 UTC (22:05 de Brasília). O lançamento, mais uma vez, está condicionado às condições da tempestade no Cabo.

Resumo do lançamento

O ‘core’ de primeiro estágio que executará esta missão lançou anteriormente as CRS-22, Crew-3, Turksat 5B, Crew-4 e CRS-25. Após a separação (estagiamento), o primeiro estágio pousará na balsa-drone Just Read the Instructions, que ficará estacionada no Oceano Atlântico, rebocada pelo rebocador Kurt J Crosby e as conchas da carenagem de cabeça serão recuperadas no mar pelo navio de apoio ‘Doug‘. O foguete deverá ter um peso de decolagem de 568.478 kg.

Starlinks

O lote de satélites (exemplares n° 1.510 a 1.563) totalizando 16.578 kg) é denominado Group 4-34, e faz parte da “concha” (shell) 4; a órbita-alvo é circular, com 540 km, e os satélites serão primeiro liberados em grupo numa órbita inicia de 336 x 232 km, inclinada em 53,22 graus em relação ao equador.

O foguete F9 B1067.6 deverá ter uma massa na decolagem de 568.478 kg

CONTAGEM REGRESSIVA

hh:min:ss – Evento

  • 00:38:00 O diretor de lançamento da SpaceX verifica o abastecimento de propelentes
  • 00:35:00 RP-1 (querosene para foguete) sendo abastecido
  • 00:35:00 abastecimento do primeiro estágio com LOX (oxigênio líquido) em andamento
  • 00:16:00 Abastecimento de LOX do segundo estágio em andamento
  • 00:07:00 Falcon 9 inicia resfriamento do motor (“chilldown”) antes do lançamento
  • 00:01:00 Computador de voo emite comando para iniciar as verificações finais de pré-lançamento
  • 00:01:00 A pressurização do tanque de propelente para a pressão de voo começa
  • 00:00:45 SpaceX Launch Director verifica o lançamento
  • 00:00:03 O controlador do motor comanda a sequência de ignição para decolagem
  • 00:00:00 Decolagem do Falcon 9
Cada satélite Starlink v.15 com link de laser inter-satélite, tem massa de 307 kg

LANÇAMENTO, ATERRISSAGEM DO CORE B1067.6 E LIBERAÇÃO DAS CARGAS

Todos os tempos são aproximados

hh:min:ss – Evento

  • 00:01:12 Max Q (momento máximo de estresse mecânico no foguete)
  • 00:02:27 Corte do motor principal do 1º estágio (MECO)
  • 00:02:31 Separação do segundo estágio
  • 00:02:36 Ignição do motor do 2º estágio
  • 00:02:42 Separação de carenagem
  • 00:06:48 Início da ignição de reentrada do 1º estágio
  • 00:07:07 Ignição de reentrada do 1º estágio concluída
  • 00:08:26 Início da queima de pouso do 1º estágio
  • 00:08:40 Corte do motor do 2º estágio (SECO-1)
  • 00:08:47 pouso do ‘core’ de primeiro estágio
  • 00:15:21 Os satélites Starlink são liberados
Perfil de decolagem

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

SpaceX lança hoje mais ‘Starlinks’ se o clima permitir

Foguete Falcon 9 colocará 54 satélites do grupo 4-34 em órbita

Live do lançamento no Canal do Homem do Espaço

A SpaceX remarcou para hoje, quarta-feira, 14 de setembro de 2022, o lançamento do o foguete Falcon9 v1.2 FT Block 5 nº B1067.6 com 54 satélites Starlink V1.5 para a órbita terrestre a partir do Space Launch Complex 40 (SLC-40) na Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral na Flórida. A decolagem deveria ter sido feita na terça-feira, 13 de setembro, depois de ter sido adiada na noite de domingo. O lançamento está condicionado às condições da tempestade na área de lançamento: “…tarde tempestuosa na Flórida Central. Há probabilidade de 70% de o clima violar os critérios de lançamento do foguete na missão Starlink 4-34 esta noite. Se o tempo permitir, o horário de lançamento está marcado para 21h48 EDT” – anunciou a empresa nas redes sociais.

Resumo do lançamento

A janela de lançamento instantânea abre às 22:48 de Brasília (01:48 GMT em 15 de setembro). O foguete deverá ter um peso de decolagem de 568.478 kg.

O ‘core’ de primeiro estágio que executará esta missão lançou anteriormente as CRS-22, Crew-3, Turksat 5B, Crew-4 e CRS-25. Após a separação (estagiamento), o primeiro estágio pousará na balsa-drone Just Read the Instructions, que ficará estacionada no Oceano Atlântico, rebocada pelo rebocador Kurt J Crosby e as conchas da carenagem de cabeça serão recuperadas no mar pelo navio de apoio ‘Doug‘.

Starlinks

O lote de satélites (exemplares n° 1.510 a 1.563) totalizando 16.578 kg) é denominado Group 4-34, e faz parte da “concha” (shell) 4; a órbita-alvo é circular, com 540 km, e os satélites serão primeiro liberados em grupo numa órbita inicia de 336 x 232 km, inclinada em 53,22 graus em relação ao equador.

O foguete F9 B1067.6 deverá ter uma massa na decolagem de 568.478 kg

CONTAGEM REGRESSIVA

hh:min:ss – Evento

  • 00:38:00 O diretor de lançamento da SpaceX verifica o abastecimento de propelentes
  • 00:35:00 RP-1 (querosene para foguete) sendo abastecido
  • 00:35:00 abastecimento do primeiro estágio com LOX (oxigênio líquido) em andamento
  • 00:16:00 Abastecimento de LOX do segundo estágio em andamento
  • 00:07:00 Falcon 9 inicia resfriamento do motor (“chilldown”) antes do lançamento
  • 00:01:00 Computador de voo emite comando para iniciar as verificações finais de pré-lançamento
  • 00:01:00 A pressurização do tanque de propelente para a pressão de voo começa
  • 00:00:45 SpaceX Launch Director verifica o lançamento
  • 00:00:03 O controlador do motor comanda a sequência de ignição para decolagem
  • 00:00:00 Decolagem do Falcon 9
Cada satélite Starlink v.15 com link de laser inter-satélite, tem massa de 307 kg

LANÇAMENTO, ATERRISSAGEM DO CORE B1067.6 E LIBERAÇÃO DAS CARGAS

Todos os tempos são aproximados

hh:min:ss – Evento

  • 00:01:12 Max Q (momento máximo de estresse mecânico no foguete)
  • 00:02:27 Corte do motor principal do 1º estágio (MECO)
  • 00:02:31 Separação do segundo estágio
  • 00:02:36 Ignição do motor do 2º estágio
  • 00:02:42 Separação de carenagem
  • 00:06:48 Início da ignição de reentrada do 1º estágio
  • 00:07:07 Ignição de reentrada do 1º estágio concluída
  • 00:08:26 Início da queima de pouso do 1º estágio
  • 00:08:40 Corte do motor do 2º estágio (SECO-1)
  • 00:08:47 pouso do ‘core’ de primeiro estágio
  • 00:15:21 Os satélites Starlink são liberados
Perfil de decolagem

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

China lança mais um ChinaSat

Foguete Longa Marcha 7A colocou satélite de comunicações em órbita

O foguete CZ-7A n° Y5 usou uma coifa curta de 4,2 metros de diâmetro e teve uma altura de 60,1 metros

A China lançou hoje, às 10:18 hora de Brasília, o foguete Longa Marcha 7A n° Y5 com o satélite Zhong Xing 1E (ChinaSat 1E) do centro espacial de Wenchang. Esta missão foi a 437ª da série de veículos lançadores Longa Marcha.

“Às 21:18 de 13 de setembro, o foguete transportador Longa Marcha 7A (foguete Huǒjiàn Zhǎng Qī A) desenvolvido pela Academia de Veículos Lançadores foi lançado do espaçoporto de Wenchang na costa leste da China, e enviou com sucesso o satélite Zhongxing 1E para a órbita programada.” anunciou a pidia oficial chinesa. O ZX-1E ‘Chinasat 1E’ foi colocado pelo terceiro estágio do fohguete numa órbita provisória de tranbsferência geostacionária (GTO) para depois arrendondar a trajetória para uma órbita geoestacionaria pura a 36.600 km. O satélite de comunicações civis/militares vai “fornecer aos usuários serviços de rádio e televisão de comunicação de alta qualidade.”

Resumo do lançamento

O foguete Longa Marcha 7A para esta missão adotou uma configuração com um diâmetro de carenagem de cabeça de 4,2 metros e uma altura total de 60,1 metros. O veículo foi desenvolvido pela Academia Chinesa de Tecnologia de Veículos de Lançamento (CALT), uma subsidiária da China Aerospace Science and Technology Corporation. A capacidade de transporte em órbita de transferência geossíncrona é de cerca de 7 toneladas, o que preenche a lacuna da capacidade de transporte da órbita de transferência geossíncrona da China de 5,5 a 7 toneladas. Pode ser adaptado a dois tipos de coifas com um diâmetro de 4,2 m e 3,7 metros, e pode ser usado em lançamentos simples ou duplos.

O CZ-7A é o primeiro tipo de foguete chinês a usar a tecnologia de separação conjunta do primeiro estágio com os boosters, reduzindo a complexidade em comparação com o método usual de separar os boosters primeiramente e depois o primeiro estágio. Segundo seus projetistas, a estrutura é mais simplificada. Ao mesmo tempo, a separação em conjunto também reduz a área de queda do estágio, e toda a combinação está na mesma área de queda de destroços. Com a premissa de garantir a cobertura do teste, o processo de tecnologia de lançamento foi reduzido de 32 dias para 26 dias, otimizando a sequência do processo, trabalho paralelo , e testes combinados.

Segundo a CALT, de acordo com a tendência geral de desenvolvimento de satélites de órbita alta e a necessidade urgente deles serem equipados com antenas de grande porte, o foguete também terá uma nova configuração de carenagem de 5,2 metros no futuro para transportar estas espaçonaves maiores.

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

New Shepard NS-23 explode em voo

Sistema de escape de emergência trouxe a cápsula em segurança ao solo

Momento do acionamento do sistema de escape, que demonstrou a confiabilidade do mecanismo desenhado pela Blue Origin numa situação real

A Blue Origin abortou o lançamento de seu foguete suborbital New Shepard logo após a decolagem hoje, 12 de setembro de 2022, no primeiro grande fracasso da empresa de Jeff Bezos desde a transição para voos comerciais de rotina. A decolagem de hoje ocorreu às 14:27 GMT ( 11:27 de Brasilia) do ‘Launch Site One’ na propriedade Corn Ranch da Blue Origin, perto de Van Horn, Texas. Não havia passageiros a bordo da cápsula CC2.0-1 ‘RSS H.G. Wells’, que transportava uma série de cargas úteis. A Administração Federal de Aviação dos EUA (FAA) disse que investigaria o incidente. Este foi o primeiro voo do New Shepard com carga útil desde agosto de 2021. A missão era denominada NS-23 e usava o foguete-propulsor reutilizável NS-03, em seu 9° lançamento.

Cenário reconstituído da situação de emergência do NS-23

O lançamento estava programado originalmente para 31 de agosto e, em seguida, em 1º de setembro – e ambas as vezes teve que ser adiado por conta do clima.

A FAA, que licencia lançamentos comerciais, disse em um comunicado que supervisionará a investigação do acidente. A entidade analisa incidentes em voos espaciais, mas o Congresso americano a impediu de promulgar regulamentos de segurança além de proteger espectadores não envolvidos. “Nenhum ferimento ou dano à propriedade pública foi relatado”, disse a FAA, observando que o foguete propulsor caiu dentro de uma área designada de “perigo”, ou zona de exclusão. “Antes que o veículo New Shepard possa retornar ao voo, a FAA determinará se algum sistema, processo ou procedimento relacionado ao acidente afetou a segurança pública.”

A Blue Origin começou a transportar passageiros rotineiramente desde julho de 2021, quando lançou Jeff Bezos, seu fundador, ao espaço. Em setembro de 2021, um grupo de atuais e ex-funcionários da Blue Origin escreveu um ensaio coletivo acusando a empresa de um “ambiente de trabalho tóxico”, além de alegar problemas de segurança. Em dezembro, a FAA liberou a empresa após realizar uma revisão da sua cultura de segurança.

Foguete New Shepard em modo de emergência

A falha no lançamento

Os detalhes da falha não foram divulgados. Pouco mais de um minuto após a decolagem, o módulo de propulsão (Propulsion Module – PM, na nomenclatura da Blue Origin) pareceu sofrer um problema no motor BE-3 e desviar do curso, levando o sistema de avaria de emergência a entrar em ação a T + 01min05s. “Isso não foi planejado e ainda não temos detalhes”, disse Erika Wagner, diretora sênior de mercados espaciais emergentes, durante a transmissão ao vivo do lançamento. “Mas nossa cápsula [“CC”: Crew Capsule] da tripulação conseguiu escapar com sucesso.”

Resumo do voo

Uma vez que a avaria ocorreu, a cápsula CC2.0-1 acionou seu motor de emergência de combustível sólido e rapidamente se separou do foguete, e pousou com segurança sob pára-quedas. Uma técnica de escape semelhante seria usada para salvar passageiros caso estivessem a bordo durante uma falha. “Você pode ver como nossos sistemas de segurança de backup entraram em ação hoje para manter nossa carga útil segura durante uma situação fora do nominal”, disse Wagner. “A segurança é o nosso maior valor na Blue Origin.” A empresa encerrou a transmissão depois que a cápsula pousou no deserto. Um representante da Blue Origin disse que a empresa faria anuncios no twitter para atualizações.

Em T+ 1min 01 s, a 7.714,7 metros de altitude, houve uma aparente anomalia na pluma do jato; aos 8.473,4 metros, uma língua de fogo, de natureza não-identificável pelas imagens à distância saiu da seção do motor, e um fragmento, não identificável, foi visto a voar para longe. O Módulo de Propulsão saiu do eixo vertical de alinhamento (eixo X), e após o imediato acendimento do motor de escape da cápsula, ele não foi mais focalizado pela câmera. Não ficou claro se os engenheiros deixaram o foguete simplesmente cair ao solo (já que a telemetria permitia prever sua zona de queda, e que é levada em conta em todo planejamento de missão) ou se o sistema de autodestruição foi acionado – o que não parece provável.

Trajetória originalmente prevista do voo

As cargas úteis

A cápsula estava transportando trinta e seis cargas científicas de organizações de pesquisa, universidades e escolas. Também levava dezenas de milhares de cartões postais do Club for the Future, organização de fomento à educação da Blue Origin. Duas cargas estavam num suporte no casco externo do foguete New Shepard; 18 cargas dentro da cápsula pressurizada eram financiadas pela NASA através do programa Flight Opportunities; 24 cargas recebidas de escolas, universidades e organizações envolvidas na educação STEM, e os cartões postais do Club for the Future.

As cargas incluíam tecnologia de célula de combustível de hidrogênio desenvolvida pela Infinity Fuel Cell e Hydrogen Inc., uma empresa com sede em Windsor, Connecticut, com um contrato financiado pela NASA para desenvolver um Sistema de Energia e Energia Modular Avançado. A tecnologia de célula de combustível AMPES poderia ser usada para gerar energia para futuros rovers lunares e habitats de superfície, e esperava-se que o lançamento da Blue Origin permitisse aos engenheiros testar parte do hardware em microgravidade.
Outro experimento financiado pela NASA veio da Honeybee Robotics, uma subsidiária da Blue Origin, e foi projetado para estudar a força dos solos planetários sob diferentes condições de gravidade.
Uma investigação da Universidade da Flórida iria testar um sistema de imagem de fluorescência que permite pesquisas biológicas em missões suborbitais, e pesquisadores do MIT Media Lab realizaram um experimento chamado “Wax Casting” para testar como futuros exploradores poderiam produzir seu próprio propelente sólido não tóxico em microgravidade, como parafina e cera de abelha. O experimento Wax Casting deveria estudar como a cera derretida da vela e um líquido semelhante chamado heptadecano reagem quando fossem girados em tubos a bordo da cápsula.
O Electrostatic Regolith Interaction Experiment da University of Central Florida, também apoiado pela NASA, iria estudar o comportamento de partículas de poeira carregadas em microgravidade. As informações desse experimento iriam ajudar os engenheiros a desenvolver estratégias para evitar que a poeira lunar danifique eletrônicos, células solares, equipamentos mecânicos e trajes espaciais de astronautas na lua, de acordo com a UCF.
Houve também um experimento da NeoCity Academy em Kissimmee, Flórida, onde seis estudantes do ensino médio desenvolveram uma investigação para estudar os efeitos da microgravidade nas ondas sonoras ultrassônicas. Outro projeto, do Anatolia College na Grécia, iria tentar criar uma pintura no espaço.

Histórico de sucessos

Este foi o nono voo deste exemplar NS-03 em particular. Este tipo de foguete é um veículo totalmente reutilizável que usa propelentes criogênicos (oxigênio e hidrogênio líquidos), e foi projetado para pousar na vertical após um lançamento bem-sucedido ; teve um recorde de vôos quase perfeito até agora, exceto por uma falha parcial no início de sua campanha de testes. Este foi o 4º voo da empresa este ano, a 9ª missão com cargas científicas e o 23º lançamento da Blue Origin, e o momento, o programa levou 31 passageiros ao espaço.

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

SpaceX lançará mais um lote de seus ‘Starlinks’ na terça-feira

Foguete Falcon 9 colocará 54 satélites de internet em órbita

O foguete F9 B1067.6 deverá ter uma massa na decolagem de 568.478 kg

A SpaceX programou para terça-feira, 13 de setembro de 2022, o lançamento do o foguete Falcon9 v1.2 FT Block 5 nº B1067.6 com 54 satélites Starlink V1.5 para a órbita terrestre baixa a partir do Space Launch Complex 40 (SLC-40) na Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral, na Flórida. Após um teste dos motores do Falcon 9 de pré-lançamento na manhã de domingo , dia 11, concluído na Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral, a SpaceX anunciou que sua próxima decolagem não seria antes de terça-feira, 13 de setembro. Originalmente, o lançamento era esperado na noite de domingo.

A janela de lançamento instantânea é às 22h10 ET ou 23:10 de Brasília (02:10 UTC em 14 de setembro), e uma oportunidade de reserva está disponível na quarta-feira, 14 de setembro às 21h48 ET, ou 22:48 de Brasília (01:48 UTC em 15 de setembro). O foguete deverá ter um peso de decolagem de 568.478 kg.

O ‘core’ de primeiro estágio que executará esta missão lançou anteriormente as CRS-22, Crew-3, Turksat 5B, Crew-4 e CRS-25. Após a separação (estagiamento), o primeiro estágio pousará na balsa-drone Just Read the Instructions, que ficará estacionada no Oceano Atlântico, rebocada pelo rebocador Kurt J Crosby e as conchas da carenagem de cabeça serão recuperadas no mar pelo navio de apoio ‘Doug‘.

Starlinks

O lote de satélites (totalizando 16.578 kg) é denominado Group 4-34, e faz parte da “concha” (shell) 4; a órbita-alvo é circular, com 540 km, e os satélites serão primeiro liberados em grupo numa órbita inicia de 336 x 232 km, inclinada em 53,22 graus em relação ao equador.

A ‘pilha’ de satélites é separada em bloco, para depois ser desfeita com cada Starlink seguindo para sua órbita por meio de seu motor elétrico de efeito Hall movido a criptônio

CONTAGEM REGRESSIVA

hh:min:ss – Evento

  • 00:38:00 O diretor de lançamento da SpaceX verifica o abastecimento de propelentes
  • 00:35:00 RP-1 (querosene para foguete) sendo abastecido
  • 00:35:00 abastecimento do primeiro estágio com LOX (oxigênio líquido) em andamento
  • 00:16:00 Abastecimento de LOX do segundo estágio em andamento
  • 00:07:00 Falcon 9 inicia resfriamento do motor (“chilldown”) antes do lançamento
  • 00:01:00 Computador de voo emite comando para iniciar as verificações finais de pré-lançamento
  • 00:01:00 A pressurização do tanque de propelente para a pressão de voo começa
  • 00:00:45 SpaceX Launch Director verifica o lançamento
  • 00:00:03 O controlador do motor comanda a sequência de ignição para decolagem
  • 00:00:00 Decolagem do Falcon 9
Cada satélite Starlink v.15 com link de laser inter-satélite, tem massa de 307 kg

LANÇAMENTO, ATERRISSAGEM E LIBERAÇÃO DAS CARGAS

Todos os tempos são aproximados

hh:min:ss – Evento

  • 00:01:12 Max Q (momento máximo de estresse mecânico no foguete)
  • 00:02:27 Corte do motor principal do 1º estágio (MECO)
  • 00:02:31 Separação do segundo estágio
  • 00:02:36 Ignição do motor do 2º estágio
  • 00:02:42 Separação de carenagem
  • 00:06:48 Início da ignição de reentrada do 1º estágio
  • 00:07:07 Ignição de reentrada do 1º estágio concluída
  • 00:08:26 Início da queima de pouso do 1º estágio
  • 00:08:40 Corte do motor do 2º estágio (SECO-1)
  • 00:08:47 pouso do ‘core’ de primeiro estágio
  • 00:15:21 Os satélites Starlink são liberados
Perfil de decolagem

Live do lançamento no Canal do Homem do Espaço

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

SpaceX lança mais um lote de Starlinks e um satélite-protótipo

Foguete ‘core’ de primeiro estágio foi usado pela 14ª vez – um recorde

Falcon 9 v1.2 FT BL5 n° B1058.14 decola de Cabo Canaveral com o lote G4-2 de Starlinks e o Bluewalker-3

A SpaceX lançou no sábado, 10 de setembro de 2022, o foguete Falcon 9 v1.2 FT BL5 n° B1058.14 com 34 satélites Starlink e um BlueWalker 3 da AST SpaceMobile em órbita baixa terrestre a partir do Complexo de Lançamento 39A (LC-39A) do Kennedy Space Center, na Flórida. O lançamento foi às 21h20 ET, 22:20 Brasilia, ou 01:20 UTC de 11 de setembro, domingo. Uma oportunidade de reserva estava disponível no domingo, às 20h48 ET, ou 00:48 UTC de 12 de setembro.

O ‘core’ do primeiro estágio desta missão lançou anteriormente as missões Crew Demo-2, ANASIS-II, CRS-21, Transporter-1, Transporter-3 e oito lotes de Starlink. Após a separação dos estágios, o ‘core’ de primeiro estágio B1058 pousou na balsa-drone A Shortfall of Gravitas, que estava estacionada no Oceano Atlântico e as conchas da coifa de cabeça pousaram no mar e foram recuperadas pelo navio de apoio Bob. Esta também foi a primeira missão de cinco ignições dos motores Merlin 1DPlus Vac do segundo estágio do Falcon 9. O foguete pesou 563.838 kg na decolagem.

Contando com o lote ‘Group 4-2’ lançado hoje, a SpaceX lançou mais de 3.200 satélites desde 2019, com milhares ainda programados. A SpaceX planeja completar sua constelação inicial com 12.000 Starlinks e solicitou permissão para aumentar para até 30.000 satélites. No domingo, 11 de setembro, a empresa planeja lançar mais um lote de Starlink. Esse voo, que levará 54 satélites , está programado para ser lançado do Space Launch Complex 40 na Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral, na Flórida, às 22h53 EDT (23:53 de Brasília, ou 02:53 GMT no dia 12)

Resumo do lançamento

A empresa lançou mais de 3.200 satélites desde 2019, com milhares ainda programados. A SpaceX planeja completar sua constelação inicial com 12.000 Starlinks e solicitou permissão para aumentar para até 30 mil satélites. No domingo, 11 de setembro, a empresa planejava lançar mais um lote de Starlink. Esse voo (G4-34), que levará 54 satélites , estava programado para decolar do Space Launch Complex 40 na Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral, Flórida, às 22h53 EDT (23:53 de Brasília, ou 02:53 GMT no dia 12), mas foi aparentemente adiado para o dia 13 às 22:00 EDT (quarta-feira, dia 14, às 02:00 UTC).

Satélite Starlink

Cronograma de lançamento

  • 00:01:12               Max Q (momento de máximo de estresse mecânico no foguete)
  • 00:02:32               Corte dos motores principais do 1º estágio (MECO)
  • 00:02:35               primeiro e segundo estágios separados (estagiamento)
  • 00:02:42               ignição do motor do 2º estágio
  • 00:03:16               Liberação da carenagem
  • 00:06:17               Início da ignição de reentrada do 1º estágio
  • 00:06:37               Ignição de reentrada do 1º estágio concluída
  • 00:08:09               Início da ignição de pouso do 1º estágio
  • 00:08:28               Corte do motor do 2º estágio (SECO-1)
  • 00:08:31               Core de 1° estágio pousa
  • 00:47:16               Ignição 2 do motor do 2º estágio (SES-2)
  • 00:47:20               Corte 2 do motor do 2º estágio (SECO-2)
  • 00:49:51               O satélite BlueWalker 3 da AST SpaceMobile é liberado
  • 01:07:36               Ignição 3 do motor do 2º estágio (SES-3)
  • 01:07:38               Corte 3 do motor do 2º estágio (SECO-3)
  • 01:53:56               Ignição 4 do motor do 2º estágio (SES-4)
  • 01:54:05               Corte 4 do motor do 2º estágio (SECO-4)
  • 02:03:49               Os satélites Starlink são liberados
BlueWalker 3

Bluewalker

O BlueWalker 3 é um protótipo de satélite para a constelação de comunicações móveis SpaceMobile da AST & Science. O aparelho foi desenvolvido nas instalações da AST no Texas. O satélite de 1.500 quilos tem uma antena ‘phased array’ de 10 metros de largura com 64m2 de área, composta por vários módulos de sub-antena idênticos, para conectar diretamente a smartphones e outros dispositivos em velocidades de banda larga. É um protótipo para os satélites BlueBird operacionais maiores.

“A razão pela qual nosso satélite é grande é porque, para se comunicar com um telefone de baixa potência e baixa força interna, você só precisa de uma antena grande de um lado com muita potência, e isso é uma parte crítica de nossa infraestrutura “ segundo o diretor de estratégia da AST SpaceMobile, Scott Wisniewski, disse em uma entrevista ao space.com. “Achamos que isso é realmente importante para a comunicação direta com aparelhos comuns, sem alterações no aparelho, sem encargos extras para o usuário.”

Os primeiros cinco BlueBird serão semelhantes ao BlueWalker 3, enquanto os restantes serão maiores. A startup possui uma licença experimental para testes em órbita do BlueWalker 3 para configurar equipamentos e softwares terrestres para os satélites operacionais. A empresa disse, em 16 de maio, que o desenvolvimento do BlueBird está tão avançado que está pronta para é regular a lançar os satélites operacionais em 2023, mesmo que o Blue Walker 3 tenha problemas.

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Firefly tentará o sucesso com seu segundo ‘Alpha’ hoje à noite

Foguete de classe leve fará seu segundo voo, após falha em 2021

Alpha n° 2 (FLTA002)

O foguete Alpha n° 2 (FLTA002) da empresa Firefly deve ser lançado hoje à noite, 11 de setembro de 2022, numa janela de lançamento que abre às 15:00 PST (22:00 UTC, ou 19:00 de Brasília) da plataforma SLC-2, da base Vandenberg Space Force Base, na Califórnia com vários pequenos satélites de clientes comerciais. O “To The Black” é o segundo voo de demonstração de tecnologia da Firefly que tentará lançar vários satélites para a órbita terrestre baixa do local de lançamento (SLC-2) na Base da Força Espacial Vandenberg. O segundo estágio vai entrar em uma trajetória de transferência elíptica para uma fase de costeamento até o apogeu e então realizará uma ignição de circularização de órbita a 300 km com inclinação de 137 graus.

Segunda tentativa do Alpha

O foguete Alpha foi lançado pela primeira vez há quase um ano (o FLTA001), em 2 de setembro de 2021, também da Base de Vandenberg. Após um desligamento prematuro de um motor Reaver 1, o foguete explodiu 2,5 minutos após o lançamento. A empresa disse mais tarde que o desligamento de um dos quatro motores principais foi causado por um problema elétrico. Os controladores de alcance então detonaram o foguete por razões de segurança, já que estava ficando fora de controle: “… a Firefly começou a investigar a anomalia para descobrir exatamente por que as válvulas de combustível no motor nº 2 fecharam. “Informaremos a causa raiz da anomalia assim que a investigação for concluída. Em parceria com a FAA e nossos parceiros no Space Launch Delta 30, retornaremos para realizar um segundo voo Alpha o mais rápido possível.”

O primeiro estágio do Alpha é movido por quatro motores Reaver 1 funcionando com LOX / RP-1 em ciclo de derivação, produzindo 736,1 kN (74.842,741 quilogramas-força) de empuxo. O segundo estágio tem um motor Lightning 1 igualmente funcionando a LOX / RP-1, produzindo 70,1 kN (6.807 kgf) de empuxo. O Lightning 1 foi testado por quase 5 minutos em março de 2018 durante um teste de longa duração no Test Stand 1 da Firefly em Briggs, Texas. A fuselagem do foguete é construída em material composto de fibra de carbono . O uso de fibra de carbono foi escolhido por tornar o veículo mais eficiente em termos de propelente devido ao baixo peso. O Alpha totalmente montado tem cerca de 29,75 metros de comprimento e cerca de 1,8 metros de diâmetro.
Resumo do lançamento

O foguete é descrito pelos seus construtores como “… tendo a maior capacidade de carga útil pelo menor custo por quilo em sua classe de veículos, na classe de 1.000 kg mais avançado do mundo. Usando tecnologias de foguete testadas e comprovadas em voo, o Alpha é 100% fabricado nos EUA e projetado para ser o lançador pequeno mais confiável. Os motores alimentados por bomba e refrigerados regenerativamente usam querosene e oxigenio liquido, e nossos sistemas de aviônicos, como o computador de voo e o sistema de comunicação, empregam componentes COTS com herança de voo estabelecida. Avanços modernos em materiais compostos de carbono são usados ​​para criar estruturas primárias fortes e leves, como tanques de propelente. Totalmente fabricado e lançado nos EUA, é capaz de reduzir os custos ao mínimo, ao mesmo tempo em que alcança uma confiabilidade sem precedentes. Nossas instalações de lançamento dedicadas na costa oeste e leste dos EUA, no Complexo de Lançamento Espacial 2 da Base da Força Espacial de Vandenberg e no Complexo de Lançamento Espacial 20 da Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral, permitirão voos uma vez por mês até o final de 2022.”

As cargas úteis a serem lançadas nesta missão serão:

Ejetor de satelites PicoBus da Libre Space Foundation, com 37cm x 12cm x 15cm e massa de 6,327Kg (incluindo o dispensador). Este é um ejetor para satélites extra-pequenos tipo “Pocketqubes” tamanho 8P para ser usado para ejetar seis deles no espaço.

Ejetor PicoBus
Serenity

O CubeSat tipo 3U “Serenity” da Teachers in Space (“Professores no Espaço”). Medindo 32cm x 10cm x 10cm, e pesando 1,67Kg, tem objetivo de coletar dados durante a missão e disponibilizá-los à comunidade educacional para análise e comparação com dados coletados em outros voos. Os experimentos englobam pressão atmosférica, temperatura e radiação por meio de um par combinado de contadores Geiger, um envolto em material experimental de proteção contra radiação e o outro exposto.

TechEdSat

Um CubeSat 3U da NASA, chamado TechEdSat-15 ou TES-15, com 10cm x 10cm x 34cm e massa de 4,15kg, em colaboração com a San Jose State University equipado com um “exo-brake” desdobrável, que é um dispositivo de frenagem exoatmosférico. O projeto TES-15 é parte do empreendimento Nano-Orbital Workshop (‘NOW’) [1] é um exo-freio articulado ‘quente’ que permite o direcionamento de órbita por meio de modulação de arrasto e penetração mais profunda na atmosfera para validar sistemas tipo COM para futuros voos do sistema Entry, Descent Landing (entrada, descida de aterrissagem, ou EDL). O exo-freio será acionado depois que o CubeSat for ejetado de seu dispensador para desacelerá-lo e faze-lo reentrar na atmosfera. O sistema foi desenhado para resistir a ambientes de temperatura muito mais alta, várias centenas de graus do que em experiências anteriores. Outros experimentos a bordo incluem o Beacon And Memory Board Interface ( interface de radiofarol e placa de memória, BAMBI), que otimiza a transferência de dados internos e externos do nanossatélite.

GENESIS-L e GENESIS-N

Dois deles vão testar a primeira constelação de telecomunicações totalmente gratuita e de código aberto do mundo, os GENESIS-L e GENESIS-N (da AMSAT da Espanha). Será uma demonstração de tecnologia para radioamadores, com um propulsor de plasma pulsado micro sub-joule e plataforma de teste para futuras missões. Cada satélite pesa 220 gramas.

FOSSASAT-1B

Outro satélite a ser ejetado é o FOSSASAT-1B, de 250 gramas , um demonstrador de tecnologia de comunicação e sensoriamento remoto de telecomunicações da LoRa, para demonstração de ADCS e experimento de imagens terrestres de baixa resolução.

Qubik-1 & Qubik-2

Por fim, os Qubik-1 & Qubik-2, de 200 gramas cada, pertencentes à própria Libre Space, uma outra missão de demonstração de tecnologia de comunicação realizando vários experimentos de telecomunicações. Espera-se que os satélites tenham apenas três semanas de vida útil em órbita. Este curto período de tempo será suficiente para o experimentos de telecomunicações, enquanto, ao mesmo tempo, a análise das estações terrestres dos sinais recebidos tentará explorar as variações doppler para determinação da órbita e a identificação de satélites das estações terrestres em todo o mundo, através do Rede SatNOGS.

[*] – A NOW inclui a colaboração de indústrias e de outras organizações governamentais, trabalhando com capacidade de uma alta cadência de missões . O Centro de Pesquisa Ames da NASA, no Vale do Silício, na Califórnia, abriga a equipe TechEdSat . Estudantes estagiários, jovens profissionais e voluntários fornecem mão de obra e recebem uma experiência prática com sistemas em voo espacial real. O projeto TechEdSat-15 é gerenciado pela Ames e financiado pela sua Diretoria de Engenharia .

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Astronautas da Polaris Dawn na fase final de treinamento

Tripulantes falam da missão que incluirá atividade extraveicular

A tripulação privada Polaris Dawn da SpaceX fala sobre sua missão

Os quatro tripulantes do Polaris Dawn pretendem mais uma vez arrecadar dinheiro para o Hospital Infantil St. Jude em Memphis enquanto realizarem a primeira caminhada espacial comercial, com o lançamento marcado para não antes de dezembro de 2022.

A missão incluirá o astronauta e bilionário Jared Isaacman, que pagou por todos os quatro assentos na espaçonave Crew Dragon da SpaceX tanto para essa missão quanto para o próximo voo. (Ele e os outros astronautas da Inspiration4 arrecadaram US$ 250 milhões para o hospital St. Jude enquanto estavam em órbita no ano passado.) Isaacman será o comandante da Polaris Dawn, voando com três pessoas com experiência em operações aeroespaciais: Anna Menon e Sarah Gillis, ambas engenheiras de operações da SpaceX, e o piloto aposentado da Força Aérea dos Estados Unidos, Scott Poteet.

Em uma sessão de perguntas e respostas ao site space.com, os tripulantes do Polaris Dawn compartilharam histórias dos mentores que os inspiraram a voar, o que eles querem fazer em órbita e os objetivos de caridade que fundamentam o Programa Polaris.

Jared Isaacman, comandante
Isaacman liderou a missão SpaceX Inspiration4 em 2021 antes de anunciar o Polaris Dawn e as duas futuras missões do Programa no início deste ano. Isaacman é o bilionário fundador e CEO da Shift4 payments e piloto talentoso, com cerca de 6.000 horas de experiência de voo. Ele é dono de uma empresa de treinamento de pilotos a jato, a Draken International, e realizou uma circunavegação em alta velocidade do mundo, entre outros marcos.

Nave espacial Crew Dragon, que será usada na missão

Space.com: O que você sentiu falta durante a Inspiration4 que gostaria de fazer dessa vez?

Isaacman: Vou tentar o meu melhor para fazer uma pausa por um momento e apreciar o ambiente em que tenho a sorte de estar, uma vista que poucos viram. Eu estava muito focado na missão e na linha do tempo com o Inspiration4, e sei que estarei novamente, mas espero poder aproveitar alguns desses momentos especiais.

Space.com: Como estar no espaço mudou você ou sua abordagem de caridade?

Isaacman : a Inspiration4 e agora a Polaris se tornou uma plataforma maior para fazer a coisa certa. Sempre tentei incorporar importantes causas de caridade em minhas aventuras passadas – sempre tentando garantir que a missão servisse a um propósito maior. Isso obviamente não mudou com a Inspiration4 ou Polaris. Poderíamos apenas realizar as coisas em uma escala muito maior.

A missão que Isaacman patrocinou, a Inspiration4, levou quatro astronautas privados numa missão ‘solo’ da Crew Dragon

Space.com: Como tem sido o treinamento?

Isaacman: Semelhante ao Inspiration4, o tempo simplesmente desaparece. Os dias e semanas simplesmente desaparecem, mas neste caso, o programa de treinamento é muito mais longo e ainda mais intenso. A duração mais longa da missão nos permitiu fazer cinco dias de pesquisa, cada uma com treinamento especializado. Isso se soma aos aspectos únicos de desenvolvimento da missão – como um novo traje de EVA [atividade extra-veicular, ou caminhada espacial] e uma campanha de simulação específica para órbitas de EVA e de alta radiação.

Space.com: Qual é a parte mais desafiadora ou interessante do treinamento?

Isaacman: O treinamento de EVA é realmente interessante. Traz consigo novos níveis de medicina espacial, uma compreensão mais profunda do ECLSS [sistemas de controle ambiental e suporte à vida] e suas modificações para esta missão. [Temos] vários ambientes de treinamento empolgantes, como SCUBA, pára-quedismo, câmara de altitude, sistemas de suspensão e uma campanha de simulação que se concentra nos procedimentos nominais e de contingência que precisamos dominar. É muito emocionante.

Space.com: Por qual parte da missão você está mais ansioso?

Isaacman: Meu trabalho é realmente olhar para a totalidade da missão e todos os nossos objetivos. É por isso que com a Inspiration4 o treinamento, a formação de equipes, a missão, a pesquisa e a angariação de fundos para St. Jude foram todos de igual importância. Isso não é diferente com o Programa Polaris. Temos muitos objetivos ambiciosos que quero garantir que alcancemos. É tudo tão importante.

Space.com: Quais itens especiais você levará para a missão?

Isaacman: Pessoalmente, alguns pequenos itens para minha esposa e filhas, mas na maioria das vezes nossa alocação em massa está sendo priorizada para ciência, pesquisa e as modificações do ECLSS necessárias para atingir nossos objetivos.

Space.com: Que divulgação você planeja realizar?

Isaacman: Continuaremos a angariação de fundos e a conscientização que começamos com o St. Jude. Arrecadamos mais de US$ 250 milhões e o trabalho está longe de terminar. Eu esperaria que St. Jude desempenhasse um grande papel em todas as fases de nossa missão, antes, durante e depois da amerrissagem.

Space.com: Como você selecionou sua equipe?

Isaacman: Polaris é um esforço conjunto com a SpaceX. Decidimos muitas coisas juntos em relação ao Programa. No caso da tripulação, construímos uma equipe para cumprir os objetivos da missão. É claro que ter familiaridade e confiança com todos da Inspiration4 teve um papel importante, mas acho que se você observar o histórico de cada membro da tripulação, poderá ver por que eles são adequados para essa missão e os objetivos que pretendemos alcançar.

Ao que se divulgou, a atividade extraveicular será feita com um escafandro espacial derivado da traje de pressão intraveicular já usado nas Crew Dragon atuais. Foi especificado que não haverá uma câmara de despressurização instalada, o que indica que a cabine será vazada durante a atividade, sendo repressurizada após o trabalho externo.

Space.com: O que você espera realizar nas futuras missões Polaris?

Isaacman: Cada missão deve se basear na anterior e esperamos que muito possa ser aprendido com a ciência, a pesquisa e toda a tecnologia que pretendemos demonstrar. Quando Polaris terminar, a primeira nave tripulada Starship deverá ter voado e esse é o veículo que abrirá espaço para muitos. [Starship é a nave tripulada da SpaceX que está sendo desenvolvida para missões no espaço profundo; o vôo final do Polaris dependerá dela.] Ela retornará os seres humanos à Lua e, finalmente, a Marte e além. É incrível até mesmo pensar nisso.

Sarah Gillis, especialista de missão
Sarah Gillis é engenheira líder de operações espaciais da SpaceX. Ela foi responsável pelo treinamento de astronautas, incluindo a Inspiration4, o voo de teste tripulado Demo-2 da NASA e o Crew-1. Sua experiência em operações de controle de missão inclui ser oficial de navegação para missões de reabastecimento de carga Dragon e de comunicação da tripulação para missões de voo tripulado da Crew Dragon.
Gillis originalmente planejava ser uma violinista clássica, mas seu mentor do ensino médio e astronauta da NASA Joe Tanner a ajudou a decidir se engajar na engenharia aeroespacial. Gillis ingressou na SpaceX em 2015.

Space.com: Há quanto tempo você quer ir para o espaço?

Sarah Gillis: Eu não acho que eu realmente tinha considerado a possibilidade de ir para o espaço antes do meu primeiro ano do ensino médio, quando conheci um astronauta pela primeira vez. No entanto, isso sempre parecia algo muito fora do reino das possibilidades, então não era algo em que eu foquei muita energia ao longo dos anos. Em vez disso, tentei buscar e aprender coisas que achei interessantes e, em algum momento, acabei desenvolvendo um conjunto de habilidades altamente aplicável ao voo espacial tripulado.

Space.com: Como tem sido o treinamento?

Sarah Gillis: Tem sido incrivelmente divertido estar deste lado do treinamento, concentrando-se na coesão da equipe e aprendendo os novos objetivos específicos da missão. Acho realmente inspirador e motivador aprender ao lado dessa equipe. Todos trazem seus conhecimentos para a mesa. É um ambiente bastante colaborativo. Todos nos damos muito bem, o que rende muitas risadas durante o treinamento… entre todo o aprendizado, é claro!

Space.com: Qual é a parte mais desafiadora ou interessante do treinamento?

Gillis: Acho que a coisa mais interessante que observei até agora é que, apesar de trazermos individualmente muito conhecimento da espaçonave para a mesa, ainda temos muito a aprender quando se trata de trabalhar de forma eficiente e eficaz em equipe. É muito divertido participar do processo de refinamento de nosso gerenciamento de recursos de tripulação, enquanto continuamos a formar uma equipe.

Space.com: Como o treinamento da tripulação da Polaris Dawn se compara com os astronautas da NASA que voam a bordo do Crew Dragon?

Gillis: Nosso programa de treinamento do Crew Dragon é idêntico ao treinamento da NASA, além de tópicos relacionados ao encontro e acoplagem na Estação Espacial Internacional, com base em nossa trajetória de vôo livre. Além disso, adicionamos um programa completo para nos preparar para usar o novo traje extraveicular e executar a operação de EVA, bem como treinamento específico de missão para os cerca de 40 experimentos de pesquisa que realizaremos em voo. Finalmente, a equipe médica da SpaceX fez um trabalho incrível criando um novo programa de treinamento semelhante ao que os tripulantes da NASA passam.

Space.com: Quais habilidades as operações de missão realmente ensinam para voos espaciais?

Equipe trabalha no simulador da nave Crew Dragon

Gillis: Existem muitas habilidades que se aplicam diretamente tanto no controle de missões quanto em voos espaciais. Como o espaço é um ambiente implacável, você precisa aprender a trabalhar como parte de uma equipe de alto desempenho para evitar erros. Você aprende a se comunicar de forma eficaz e concisa, para garantir que as decisões corretas possam ser tomadas com rapidez e segurança. Você aprende como executar listas de verificação e seguir procedimentos, que combinados com um profundo conhecimento dos sistemas da espaçonave permitem que você resolva rapidamente problemas e solucione quaisquer problemas que surgirem.

Space.com: Por qual parte da missão você está mais ansiosa?

Gillis: Estou apenas tentando aproveitar cada parte dessa experiência, desde o treinamento até a amerrissagem segura no final da missão. Enquanto em órbita, acho que estou mais ansiosa para viver e trabalhar no ambiente de microgravidade.

Quais itens especiais você levará para a missão?

Gillis: Eu tenho algum trabalho a fazer para descobrir o que vou levar na missão, mas estou aberta a sugestões!

Space.com: Que divulgação você planeja realizar? Você está planejando tocar música em órbita?

Gillis: Eu adoraria ter a oportunidade de tocar música em órbita! Ainda estamos trabalhando no plano para todas as atividades a bordo, mas definitivamente espero que isso faça parte da lista.

Anna Menon, especialista de missão e oficial médica
Anna Menon é engenheira líder de operações espaciais na SpaceX e trabalhou como diretora de missão e comunicadora de tripulação, além de gerenciar o desenvolvimento de operações tripuladas. Missões notáveis em que ela trabalhou incluem as Demo-2, Crew-1 e missões de carga não-tripuladas CRS-22 e CRS-23.

Antes de ingressar na SpaceX, Menon trabalhou na NASA como controladora de voo biomédico para a Estação Espacial Internacional, inclusive atuando como líder das operações biomédicas da Expedição 47/48. Sua professora da quarta série, Alison Smith Balch, inspirou a paixão de Menon pelo espaço. Smith Balch era filha do astronauta e piloto da NASA Michael J. Smith, que morreu durante o acidente do ônibus espacial Challenger em 1986.

Anna Menon

Space.com: Há quanto tempo você queria ir para o espaço?

Anna Menon: Eu sonhava como seria ver nossa bela Terra entre as estrelas desde que eu era uma garotinha. Fui inspirada a trabalhar neste campo aos nove anos de idade em uma viagem ao Johnson Space Center da NASA. Lá, vivi um dia na vida tanto de um controlador de voo no Controle da Missão quanto de um astronauta. Daquele ponto em diante, tornou-se meu sonho contribuir para esta indústria com minha carreira.

Space.com: Que pesquisa você está ansiosa para realizar?

Menon: Há tantos experimentos com os quais estou animada nesta missão! Selecionamos aproximadamente 40 estudos diferentes para serem feitos em cinco dias, e cada um deles explorará ideias novas e importantes para nos ajudar a melhorar a vida tanto aqui na Terra quanto em futuras missões no espaço. Alguns experimentos que me vêm à mente para os quais estou animada envolverão ultra-som Doppler dos rins e fígado para entender melhor a farmacocinética e endoscopia de nossas vias aéreas para entender melhor a administração de estratégias de intubação que salvam vidas para missões espaciais.

Space.com: Como uma carreira de desenvolvimento de respostas operacionais críticas para emergências de naves espaciais para outros preparou você para operar uma nave espacial?

Menon: Um aspecto é que isso me proporcionou uma história e uma formação técnica não apenas sobre o quê, mas sobre os porquês de nossas operações. Esse histórico pode informar nossas decisões e ações em voo para ajudar nossa tripulação a cumprir nossos objetivos de missão. Além disso, carrego comigo anos de trabalho como companheira de equipe dos muitos engenheiros brilhantes da SpaceX no Controle de Missão; esta experiência pode ajudar a servir como uma ponte entre nossa tripulação no espaço e a fantástica equipe na Terra que nos apoia.

Space.com: O que você está ansiosa para contar aos seus filhos e familiares quando voltar?

Menon: Bem, primeiro, eu pretendo dar a eles o maior abraço e dizer pela milionésima vez o quanto eu os amo. Mas depois disso, estou animada para compartilhar histórias com eles. Espero poder dar vida a essa experiência para eles de uma maneira que toque suas vidas tanto quanto tenho certeza de que tocará a minha. Meu sonho é que um dia o espaço seja tão – ou até mais – acessível às pessoas como aviões e carros são hoje. Até esse dia, tentarei pintar um retrato para meus filhos e familiares da beleza do nosso planeta e da vastidão das estrelas e do universo que nos cercam, do ponto de vista de voar entre eles.

Scott Poteet, piloto
Scott “Kidd” Poteet é tenente-coronel aposentado da Força Aérea dos Estados Unidos, com tem 3.200 horas de voo em aeronaves, incluindo F-16, A-4, T-38, T-37, T-3 e Alpha Jet. Ele também tem mais de 400 horas de experiência em combate. Poteet serviu 20 anos na Força Aérea, incluindo cargos seniores como 64º Esquadrão Agressor, piloto de demonstração Thunderbird nº 4, piloto de teste e avaliação operacional e examinador de voo. Posteriormente, atuou como diretor de desenvolvimento de negócios da Draken e presidente de estratégia da Shift4, ambas empresas de Isaacman. Poteet também foi o diretor da missão do Inspiration4.

Space.com: Há quanto tempo você queria ir para o espaço?

Scott Poteet: Eu sempre assumi que o espaço era muito improvável devido ao meu desempenho acadêmico na escola primária e na faculdade, apesar de ser um grande fã do filme “The Right Stuff” na década de 1980. Assim que isso se tornou realidade no ano passado, abracei a oportunidade e continuo comprometido em compartilhar o máximo possível da jornada com o público. É apenas mais um exemplo de como a exploração espacial será mais acessível às gerações futuras.

Space.com: Como você usará sua experiência militar em órbita?

Poteet: Uma coisa que notei é a consistência entre as operações nas forças armadas e a preparação para o espaço. A forma como abordamos as técnicas e procedimentos de treinamento é muito semelhante ao que vivi na Força Aérea. Estamos altamente comprometidos em entender a dinâmica da tripulação e aprimorar a disciplina do procedimento da lista de verificação. Tenho imensa confiança na equipe da SpaceX.

Scott “Kidd” Poteet

Space.com: Como o treinamento da tripulação se compara ao seu treinamento militar básico?

Poteet: A atenção aos detalhes que testemunhei da equipe da SpaceX é incomparável em relação a como os procedimentos da lista de verificação são executados, o que é um verdadeiro esforço da equipe para incluir o controle da missão. Há uma razão pela qual a SpaceX está liderando a exploração espacial, e esses homens e mulheres merecem seu lugar nos livros de história. Estou animado para ver o que o futuro reserva para todos nós experimentarmos.

Space.com: Qual você acha que será o legado da Polaris Dawn?

Poteet: Queremos apenas desempenhar um pequeno papel na evolução da exploração espacial. Sabemos que este é um esforço de equipe com uma história muito profunda de realizações da NASA. Certamente não estaríamos aqui sem os sacrifícios feitos por aqueles que vieram antes de nós. Se pudermos fazer uma pequena contribuição para o bem maior no espaço e aqui na terra, teremos o prazer de proclamar “missão cumprida”.

Space.com: Como tem sido o treinamento?

Poteet: Para entender completamente o nosso treinamento, gosto de dividi-lo em três fases distintas que são simultâneas.

A Fase 1 é entender o básico para incluir os sistemas do Falcon 9 e da Dragon, aviônicos, procedimentos, operações de contingência, etc. A Fase 2 está focada nos elementos especializados de nossa missão. Isso inclui a EVA, a altitude mais alta, a comunicação por Starlink e os extensos experimentos científicos e de pesquisa.
Por último, na Fase 3, abordamos dinâmicas de grupo, formação de equipes e “estar confortável em situações desconfortáveis”. Este tipo de treinamento inclui treinamento de caça, alpinismo, mergulho, paraquedismo e sobrevivência na água, para citar alguns. Em suma, este é um dos melhores e mais intensos treinamentos que já experimentei.

Space.com: Por qual parte da missão você está mais ansioso?

Poteet: Acho que, como há tantos marcos, objetivos e tarefas ao longo de toda a missão, é difícil apontar um aspecto. Assim como uma experiência em qualquer tipo de operação militar, você entra em uma mentalidade operacional com foco intenso. Estaremos totalmente preparados para nossa missão, portanto, é fundamental encontrar o equilíbrio certo entre aproveitar a experiência e atingir nossos objetivos. Apreciar a vista do nosso apogeu planejado certamente será um destaque.

Space.com: Quais itens especiais você levará para a missão?

Poteet: Honestamente, não pensei muito nisso. Eu me considero um pouco minimalista, então não estou muito comprometido em trazer muitas coisas. Eu quero trazer algo para cada um dos membros da minha família, mas não pode ser muito grande, já que estamos dedicando a maior parte do nosso espaço de carga à ciência e pesquisa e aos itens adicionais necessários para a EVA.

Space.com: Que divulgação você planeja realizar?

Poteet: A divulgação é muito importante para nossa missão geral e o St. Jude tem sido um grande parceiro na Inspiration4 e na Polaris Dawn. Estamos sempre procurando novas maneiras de apoiar sua causa para incluir várias iniciativas que estamos mantendo até em órbita.

Space.com: Qual é a parte mais desafiadora ou interessante do treinamento?

Poteet: O aspecto mais desafiador é acompanhar minha incrível equipe. Com um astronauta experiente e dois engenheiros experientes da SpaceX, estou comprometido em não decepcioná-los e quero ter certeza de contribuir de todas as maneiras possíveis. Todo o treinamento prático com escalada, mergulho e vôo é divertido.

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

China lança dois satélites de navegação

Os ‘Weili Kongjian’ testarão sistema de posicionamento global

Kuaizhou-1A número Y16 decola de Jiuquan

Em 6 de setembro de 2022, às 10:24:30, horário de Pequim (02:24:30 UTC, 23:24:30 hora de Brasília no dia 5), o foguete Kuaizhou-1A (KZ-1A) número Y16 foi lançado do centro de lançamentos de Jiuquan dois satélites experimentais de navegação Weili KongJian S3 e S4. O Weili Kongjian S3 (CentiSpace-1 S3) foi colocado em órbita com inclinação de 53,53°, perigeu de 693,0 km, apogeu de 705.1 km e período de 98,75 minutos; O Weili Kongjian S4, com inclinação de 53,53°, perigeu de 694,9 km, apogeu de 706,6 km e período de 98,79 minutos. O último estágio do foguete entrou numa órbita de 53,56°, 198,7 km x 765,6 km, com período de 94,25 minutos.

Foguete KZ-1A

Este foi o 17º lançamento do foguete comercial de propelente sólido KZ-1A desenvolvido pela Chinese Space Science and Industry Corporation, CASIC, em Wuhan e comercializado sob a marca Exace, e o 479º lançamento na história do programa espacial chinês. Além do número de série Y16, o foguete tinha o nome ‘Quan Cheng-1’ (泉城一号).

No dia 21 de agosto, no âmbito deste lançamento, foi anunciada a área de impacto do terceito estágio ao largo da costa da Nova Guiné, na região de 19°S, 156°E, e a 1 de setembro foi acrescentada uma zona de exclusão na China, na fronteira das províncias de Shanxi e Henan.

CentiSpace-1 S3 (Wēi Lí Kōngjiān Yī Hào Xìtǒng S3)

O cliente é a Beijing Future Navigation Science and Technology Co que, em 29 de setembro de 2018, teve seu primeiro satélite experimental Weili KongJian S1 ou Xiangzhikui-1 (向日葵一号 ou Girassol-1, pesando 97 kg ) lançado em órbita . O segundo satélite do mesmo tamanho, o S2, foi lançado em 10 de julho de 2020 em um novo foguete KZ-11, mas foi perdido em pane de decolagem.

O objetivo declarado dos satélites é ser uma adição aos sistemas tradicionais de navegação em órbitas de média altitude. A precisão do posicionamento nos sistemas Beidou, GLONASS e GPS é limitada por uma série de fatores, sendo os mais importantes o erro na determinação e previsão da posição dos próprios satélites, bem como o atraso ionosférico na propagação da navegação. sinal, e com posicionamento operacional não melhor do que 2 a 3 metros.

Com uso de estações corretivas com posição conhecida, o usuário pode contar com a precisão de centimetros. A transmissão dessas correções ao consumidor pode ser realizada apenas com a ajuda de satélites especializados de baixa órbita, que executam simultaneamente funções de comunicação. A capacidade de atingir a precisão de centímetro sublinha seu nome oficial em inglês “CentiSpace”. A letra S na frente do número provavelmente vem da palavra 试验 (Shiyan), ou seja, “experiência”, pois descreve a fase experimental.

Os dois satélites lançados juntos têm fabricantes diferentes. O satélite S3, como o S1 há quatro anos, foi projetado e fabricado pela Innovative Microsatelite Research Academy (IIAM) da Academia Chinesa de Ciências de Shangai – um empreendimento para o qual este lançamento foi o 44º, e o satélite foi o 85º da história.

O nome completo da espaçonave é 微厘空间一号系统S3试验卫星 (Wēi Lí Kōngjiān Yī Hào Xìtǒng S3 e Wēi Lí Kōngjiān Yī Hào Xìtǒng S4); a parte até os caracteres S3 é o nome do sistema e, a partir deles, as especificações do satélite. Os últimos quatro caracteres são pronunciados shiyan weixing e significam “satélite experimental”, com S3 servindo como seu número. Os dois hieróglifos antes de S1 são lidos ‘shitun’ e significam “sistema”. Finalmente, eles são precedidos pelo nome de weili kongjian e o número de série 1. O desenvolvedor não deu características do satélite, dizendo apenas que existem dois módulos em escala real a bordo para testar informações e equipamentos de navegação adicionais para uma linha especial de comunicação entre satélites de baixa velocidade. O dispositivo permitirá testar o sistema em circuito fechado, além de demonstrar a operação autônoma de longo prazo em órbita e o desempenho independente das tarefas.

O S4 foi projetado e fabricado pela Harbin Gongda Satellite Technology Co. Ltd. ou HITSAT) em parceria com o Instituto de Tecnologia de Harbin (HIT) e seu Instituto de Tecnologia Espacial. A Harbin Polytechnic University, fundada em 1920 por engenheiros russos como uma escola técnica da Chinese Eastern Railway, lançou seu primeiro satélite em 2004 e enviou dezenove veículos em órbita no total. O satélite usa um chassi SATware desenvolvido antes mesmo que a empresa fosse formalmente fundada em dezembro de 2020, e o lançamento foi o primeiro. O nome da empresa, é uma abreviação do nome completo da Universidade Politécnica de Harbin em chinês (哈尔滨工业大学, harbin gunye daxue).

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

China lança mais três satélites de sensoriamento

Foguete CZ-2D colocou em órbita o grupo ‘Yaogan-35 05’

Longa Marcha 2D n° Y67 decola de Xichang

A China lançou no dia 6 de setembro de 2022 às 04:19 UTC o foguete Longa Marcha 2D n° Y67 com o 5º grupo de três satélites de reconhecimento Yaogan-35. O foguete CZ-2D decolou do Centro de Lançamento de Satélites de Xichang os três veículos espaciais de sensoriamento remoto Yaogan-35 05, exemplares A, B e C para órbita baixa.
Cinco objetos relacionados com este lançamento foram rastreados em órbita:
2022-109A/53760 in 491 x 502 km x 34.99°
2022-109B/53761 in 489 x 500 km x 34.99°
2022-109C/53762 in 490 x 501 km x 34.99°
2022-109D/53763 in 491 x 501 km x 35.00°
2022-109E/53764 in 490 x 502 km x 34.99°

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Arianespace lança o Eutelsat Konnect

Foguete europeu colocou satélite de comunicações em órbita geoestacionária

Foguete decola da mesa de disparo da Ensemble d’ Lancement Ariane ‘ELA’ 3

O satélite Eutelsat Konnect VHTS foi a única carga útil a bordo do foguete-lançador Ariane 5 ECA que decolou ontem, 7 de setembro de 2022 no voo VA258. A decolagem do foguete de 56 metros ocorreu às 17h45 EDT (21:45 GMT, 18:45 de Brasilia) da plataforma ELA-3 no centro espacial da Guiana. A nova espaçonave Eutelsat pesava mais de cerca de 6,4 toneladas no lançamento e fornecerá conectividade de banda Ka para os mercados europeus, incluindo clientes de banda larga fixa – como residências e empresas – e usuários de WiFi em voo voando pela Europa em aviões. O corpo principal do satélite tem cerca de 8,8 metros de altura. VHTS significa Very High Throughput Satellite, e oferece flexibilidade de alocação de capacidade, uso de espectro ideal e rede terrestre progressiva. A Thales Alenia Space também desenvolveu o segmento terrestre.

A inclinação da órbita de transferência foi de 3,5 graus em relação ao equador e o satélite foi liberado quase 29 minutos após o lançamento. Depois, os painéis solares foram estendidos e os motores de plasma de baixo empuxo, e baixo consumo de combustível foram acionados para manobrar o satélite em órbita geoestacionária circular final a mais de 36.000 quilômetros sobre o equador.

Com um dia de atraso devido a ventos desfavoráveis ​​em nível superior, o foguete Ariane 5 acendeu seu motor principal Vulcain 2 movido a hidrogênio e oxigênio quando a contagem regressiva chegou a zero. Sete segundos depois, acendeu dois motores de propelente sólido montados na lateral para impulsionar o lançador com 1.315.417,8 kgf de empuxo.

Resumo do lançamento

Anunciado como o satélite de comunicações mais poderoso já construído na Europa, e construido num chassi Spacebus-Neo 2000 da Thales Alenia Space, que o montou e testou em Cannes, França. A Thales levou a espaçonave para a Guiana Francesa no início deste verão de barco, um modo de transporte mais lento do que o normal devido à falta de aviões cargueiros russos na Europa. O Eutelsat Konnect VHTS carrega uma carga útil de banda Ka de 500 Gb/s. A Eutelsat encomendou um novo satélite da Thales em 2018, depois que as negociações com a Viasat para uma proposta conjunta de satélite de banda larga geoestacionária para a Europa fracassaram. O novo satélite tem sete vezes a capacidade do Eutelsat Konnect, a espaçonave anterior de alta largura de banda lançada em 2022. As principais empresas de telecomunicações europeias, como a Orange na França e a Telecom Italia Mobile na Itália, se comprometeram a usar a largura de banda de banda larga do Eutelsat Konnect VHTS. A Thales Alenia Space venderá largura de banda de banda larga para clientes governamentais. O KONNECT VHTS foi o 37º satélite Eutelsat lançado pela Arianespace e o 166º aparelho da Thales Alenia Space a ser lançado pela mesma empresa.

Eutelsat Konnect VHTS

O Eutelsat Konnect VHTS foi lançado em órbita em um dos quatro foguetes Ariane 5 ainda em serviço com a Arianespace. O foguete, que está em serviço desde 1996, está sendo substituído pelo modelo Ariane 6 de próxima geração.

O investimento no KONNECT VHTS substitui o projeto conjunto com a ViaSat no satélite ViaSat 3-EMEA para a Europa, África e Oriente Médio. Com um taxa instantânea de 500 Gbps, o KONNECT VHTS “vai proporcionar acesso à Internet de alta velocidade em toda a Europa, especialmente em regiões isoladas e de baixa cobertura, oferecendo serviço comparável às redes de fibra óptica em termos de desempenho e custo, contribuindo assim significativamente para a ponte dividir. também atenderá às necessidades de conectividade de banda larga das redes de telecomunicações fixas e móveis, em terra, mar ou ar.”

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Arianespace adia lançamento do Eutelsat Konnect

Meteorologia adversa cancelou decolagem do foguete europeu com satélite de comunicações

Transmissão ao vivo do Homem do Espaço

Devido às condições climáticas adversas no Centro Espacial da Guiana (CSG), o voo VA258 – inicialmente previsto para hoje, 6 de setembro de 2022, foi adiado. Segundo a Arianespace, “o foguete-lançador Ariane 5 ECA e o satélite EUTELSAT KONNECT VHTS estão em condições estáveis ​​e seguras”. A nova data de lançamento passou para amanhã, 7 de setembro, no mínimo, na janela de lançamento de 21h45 às 23h11 UTC (18h45 às 20h11 Brasilia). O lançamento será feito a partir da plataforma ELA-3 no centro espacial da Guiana. O satélite a ser transportado é o EUTELSAT KONNECT VHTS de 6.300 kg, que tem o processador digital on-board mais poderoso já colocado em órbita. O satélite, construido num chassi Spacebus-Neo 2000 da Thales Alenia Space oferece flexibilidade de alocação de capacidade, uso de espectro ideal e rede terrestre progressiva. A Thales Alenia Space também desenvolveu o segmento terrestre.

Resumo do lançamento

O investimento no KONNECT VHTS substitui o projeto conjunto com a ViaSat no satélite ViaSat 3-EMEA para a Europa, África e Oriente Médio. Com um taxa instantânea de 500 Gbps, o KONNECT VHTS “vai proporcionar acesso à Internet de alta velocidade em toda a Europa, especialmente em regiões isoladas e de baixa cobertura, oferecendo serviço comparável às redes de fibra óptica em termos de desempenho e custo, contribuindo assim significativamente para a ponte dividir. também atenderá às necessidades de conectividade de banda larga das redes de telecomunicações fixas e móveis, em terra, mar ou ar.”

Foguete na mesa de disparo da Ensemble d’ Lancement Ariane ‘ELA’ 3
Eutelsat Konnect VHTS

Ele carrega uma carga útil de ponta usando tecnologias disruptivas desenvolvidas com o apoio do governo francês, por meio do Centre National d’Etudes Spatiales (CNES) e do programa “Investing in the Future” (PIA), em conjunto com a Agência Espacial Européia ( ESA). A carga útil compreende principalmente o processador digital mais poderoso do mundo, que combina alocação de capacidade ágil, uso e suporte de espectro otimizados e implantação gradual da cobertura de rede no solo. O KONNECT VHTS será o 37º satélite Eutelsat lançado pela Arianespace e será o 166º aparelho da Thales Alenia Space a ser lançado pela mesma empresa.

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Arianespace lança o Eutelsat Konnect hoje

Foguete europeu colocará satélite de comunicações em órbita

Resumo do lançamento

A decolagem do foguete Arianespace Ariane 5 no voo VA258 está prevista para 6 de setembro de 2022, o mais cedo possível dentro da janela de lançamento entre 21:45 a 22:51 UTC, ou 18:45 a 19:51 Brasilia. O lançamento será feito a partir da plataforma ELA-3 no centro espacial da Guiana. O satélite a ser transportado é o EUTELSAT KONNECT VHTS de 6.300 kg, que tem o processador digital on-board mais poderoso já colocado em órbita. O satélite, construido num chassi Spacebus-Neo 2000 da Thales Alenia Space oferece flexibilidade de alocação de capacidade, uso de espectro ideal e rede terrestre progressiva. A Thales Alenia Space também desenvolveu o segmento terrestre.

Eutelsat Konnect VHTS

O investimento no KONNECT VHTS substitui o projeto conjunto com a ViaSat no satélite ViaSat 3-EMEA para a Europa, África e Oriente Médio. Com um taxa instantânea de 500 Gbps, o KONNECT VHTS “vai proporcionar acesso à Internet de alta velocidade em toda a Europa, especialmente em regiões isoladas e de baixa cobertura, oferecendo serviço comparável às redes de fibra óptica em termos de desempenho e custo, contribuindo assim significativamente para a ponte dividir. também atenderá às necessidades de conectividade de banda larga das redes de telecomunicações fixas e móveis, em terra, mar ou ar.”

Ele carrega uma carga útil de ponta usando tecnologias disruptivas desenvolvidas com o apoio do governo francês, por meio do Centre National d’Etudes Spatiales (CNES) e do programa “Investing in the Future” (PIA), em conjunto com a Agência Espacial Européia ( ESA). A carga útil compreende notavelmente o processador digital mais poderoso do mundo, que combina alocação de capacidade ágil, uso e suporte de espectro otimizados e implantação gradual da cobertura de rede no solo. O KONNECT VHTS será o 37º satélite Eutelsat lançado pela Arianespace e será o 166º aparelho da Thales Alenia Space a ser lançado pela mesma empresa.

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

SpaceX lançou espaçonave da Boeing e mais Starlinks

Foguete Falcon 9 decolou de Cabo Canaveral

A SpaceX lançou um foguete Falcon9 v1.2 FT Block 5 número n° B1052.7 no domingo, 4 de setembro às 22h09 EDT (02:09 UTC em 5 de setembro). Decolando do Complexo de Lançamento Espacial 40 (SLC-40) da Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral, na Flórida, esta missão transportou cinquenta e um satélites Starlink V1.5 e o rebocador espacial Sherpa LTC-2 OTV com o Varuna-TDM, para a órbita baixa terrestre. Este foi o 40º lançamento do Falcon 9 em 2022 somando um lançamento a cada 6,2 dias. O menor intervalo de tempo entre lançamentos da mesma plataforma (SLC-40) foi de 7 dias e 22 horas. Assim, a SpaceX pode realizar 59 lançamentos antes do final deste ano. Os satélites Starlink passarão os meses seguintes elevando sua órbita para a cocha “Shell 4”, numa órbita circular de 540 km a 53,2 graus. A SpaceX tem pelo menos mais quatro missões em setembro, incluindo pelo menos três Starlink e a missão TTL. A SpaceX tem aprovação para lançar 12.000 satélites Starlink e pediu a um regulador internacional que aprove mais 30.000.

Foguete Falcon 9 v1.2 FT BL5

Os satélites de internet de Elon Musk (totalizando 15.657 kg, exemplares 1425 a 1475) fazem parte do ‘Group 4-20’, e juntaram-se aos exemplares já estabelecidos em suas órbitas de trabalho. Os satélites foram liberados em bloco na órbita-alvo inicial, para depois se separarem e seguirem para suas órbitas finais de 540 km.

O Varuna-TDM, ‘Technology Demonstration Mission’, é um programa comercial da Boeing, que pretende testar comunicações em banda V para uma constelação proposta de 147 satélites de banda larga não-geoestacionários. O Varuna ficou instalado em um veículo de transferência orbital Sherpa-LTC2 da Spaceflight Inc, que elevará o satélite para uma órbita baixa da Terra de 1.064 quilômetros.

Resumo do lançamento

Após a separação, o primeiro estágio (‘core’ B1052) realizou uma série de manobras de propulsão para se orientar adequadamente para a reentrada. Em T+6:05, a queima de reentrada começou e continuou pelos próximos 31 segundos. O primeiro estágio então voltou para a Terra, continuando a usar suas aletas de grade para direcioná-lo para sua posição de pouso. Às T+8:05, o estágio foi acionado pela terceira vez para desacelerá-lo para um pouso suave na balsa-drone Just Read the Instructions, que estava estacionada no Oceano Atlântico, rebocada pelo navio de apoio ‘Doug‘, que recuperou as conchas da carenagem da cabeça no mar. O ‘core’ do primeiro estágio desta missão lançou anteriormente os Arabsat-6A, STP-2, COSMO-SkyMed Segunda Geração FM2, a sonda sul-coreana lunar KPLO e duas missões Starlink.

Estatísticas de lançamento da missão Starlink-4.20

  • 4º/5º voo da carenagem de cabeça
  • 6º lançamento conjunto de Starlink
  • 7º voo do estágio B1052
  • 38ª tentativa de lançamento orbital com base no Cabo Canaveral em 2022
  • 40º lançamento da SpaceX em 2022
  • 40º lançamento do Falcon 9 em 2022
  • 50º lançamento da SpaceX em 12 meses
  • 59º lançamento dedicado do Falcon 9 com satélites Starlink
  • 66º pouso de ‘core’ bem-sucedido consecutivo
  • 96º lançamento do Falcon 9 da plataforma 40
  • 110º concha de carenagem reutilizada
  • 111º pouso de estágio bem-sucedido na plataforma
  • 116º voo de um booster Falcon 9 reutilizado
  • 140º pouso de estágio bem-sucedido
  • 149º lançamento do Falcon 9 da Costa Espacial da Flórida
  • 149º lançamento bem-sucedido da empresa consecutivo
  • 151º lançamento geral da plataforma 40
  • 174º lançamento de um foguete Falcon 9 desde 2010
  • 182º lançamento da família de foguetes Falcon desde 2006

Starlink:

  • 3.259 satélites lançados
  • 2.991 em órbita
  • 2.387 em operação.

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

China lança mais um satélite de observação

Yaogan 33-02 fará cobertura de radar

Um novo satélite chinês de sensoriamento remoto foi lançado com sucesso a partir do Centro Espacial de Jiuquan, no noroeste da China, no sábado, 3 de setembro de 2022 às 07h44, horário de Pequim (23:44 UTC ou 20:44 de Brasília do dia 2 ). O foguete transportador Chang Zheng-4C colocou o satélite Yaogan-33-02 com sucesso em sua órbita planejada de 680 km x 688 km, inclinada em 98,2°. O satélite será usado para “experimentos científicos, pesquisa terrestre, avaliação do rendimento das colheitas e prevenção de desastres e minimização de danos.”

O estágio superior do foguete fez uma queima de redução de perigeu por volta das 0020 UTC de 3 de setembro chega a uma órbita de 494km por 694 km e foi catalogado como 53699 / 2022-106B.

Para foguetes transportadores da série Longa Marcha, este lançamento foi o 435º consecutivo.

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

SpaceX lança hoje à noite espaçonave de teste e mais Starlinks

Foguete Falcon 9 colocará 51 satélites de internet e uma espaçonave da Boeing

O foguete deverá ter uma massa na decolagem de 567.737 kg

A SpaceX deve lançar domingo, 4 de setembro de 2022, o foguete Falcon9 v1.2 FT Block 5 número n° B1052.7 com cinquenta e um satélites Starlink V1.5 e um veículo de transferência orbital Sherpa-LTC da Spaceflight. O foguete decolará do Space Launch Complex 40 (SLC-40) na Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral, na Flórida. A janela de lançamento instantâneo é às 22h09 ET ou 23:09 de Brasília (02:09 UTC em 5 de setembro), e uma oportunidade de reserva está disponível na segunda-feira, dia 5, às 21h39 ET (01:39 UTC em 6 de setembro). A órbita-alvo inicial é de 236 x 329 km, inclinada em 53,2 graus.

O ‘core’ do primeiro estágio desta missão lançou anteriormente os Arabsat-6A, STP-2, COSMO-SkyMed Segunda Geração FM2, a sonda sul-coreana lunar KPLO e duas missões Starlink. Após a separação dos estágios, o core pousará na balsa-drone Just Read the Instructions, que ficará estacionada no Oceano Atlântico, rebocada pelo navio de apoio ‘Doug‘.

Starlinks

Os satélites de internet de Elon Musk (totalizando 15.657 kg, exemplares 1425 a 1475) fazem parte do ‘Group 4-20’, para juntarem-se aos exemplares já estabelecidos em suas órbitas de trabalho. Os satélites serão liberados em bloco único na órbita-alvo inicial de aproximadamente 230 km inclinada em 53,2°, para depois se separarem e seguirem para suas órbitas finais de 540 km.

Varuna-TDM

A Missão de Demonstração de Tecnologia Varuna da Boeing (Varuna-TDM, de 180kg de massa total, para 140kg sem propelente) testará equipamentos de comunicações de banda V para uma constelação proposta de 147 satélites não-geoestacionários de banda larga. O satélite será ejetado a partir do rebocador espacial (“OTV”) tipo Sherpa-LTC2 da Spaceflight para uma órbita de 1056 km, inclinada em 54°. Ele elevará a órbita através de duas iginições em uma trajetória de Hohmann para sua órbita operacional para operar por um período de até dois anos. Na conclusão da missão, ele realizará a queima de saída de órbita para reduzir o perigeu para 300 km até a reentrada.

Sherpa LTC-2 com o Varuna Technology Demonstration Mission

A espaçonave consiste no veículo de transferência orbital Sherpa-LTC 2 com um sistema de propulsão bipropelente integral e um arranjo de painel solar, e equipamento de guiagem e controle acondicionados dois módulos construídos pela Astro Digital e aparafusados no anel de suporte do veículo de transferência. Esses módulos são o sistema de comando e controle (CCS) e o módulo de carga útil de banda V. O sistema de propulsão química do Sherpa utiliza o conjunto-motor Polaris da Benchmark Space Systems com propelentes “verdes”. O oxidante é o peróxido de teste alto (HTP) e o álcool isopropílico (IPA) é o combustível alimentados usando nitrogênio gasoso como pressurizador. Este sistema bipropelente de modo duplo com quatro motores controlados independentemente. O HTP pode ser usado como monopropelente no modo de baixo empuxo ou combinado com o IPA no modo de alto empuxo. Cada propulsor pode fornecer até 22 N de empuxo individualmente; quando operados juntos, todos os quatro produzem até 88 N de empuxo. Com a capacidade de comandar os propulsores de forma independente, o Sherpa pode dirigir sem a necessidade de basculamento.

Relações entre a Spaceflight e SpaceX estremecidas

A Spaceflight confiou nos lançamentos da SpaceX para sua linha em expansão de rebocadores espaciais de próxima geração. O primeiro deles foi um Sherpa-FX, que não tem propulsão, que fez sua estreia como parte da missão de carona Transporter-1 em janeiro de 2021. A missão Transporter-2 então lançou um Sherpa-FX2 e um Sherpa-LTE – o primeiro OTV da Spaceflight com propulsão elétrica no final daquele ano, em junho. Depois que o Sherpa-LTC foi removido do voo Transporter 3 da SpaceX em janeiro de 2022, a Spaceflight planejava lançar um Sherpa-FX em seu próximo voo compartilhado em abril.

No entanto, a SpaceX decidiu remover o rebocador de sua Transporter-4 após preocupações com fatores ambientais que afetariam os satélites instalados no OTV. Cerca de uma semana depois, a empresa de Muks disse que não trabalharia mais com o Spaceflight após as missões atualmente manifestadas. O CEO da Spaceflight, Curt Blake, se recusou a discutir o relacionamento da Spaceflight com a SpaceX, ou qual seria seu último OTV a voar com a empresa.

Para ampliar suas opções, a Spaceflight anunciou em 8 de agosto um acordo para lançar futuros rebocadores espaciais nos foguetes Vega da Arianespace, incluindo seu Vega C de próxima geração. Blake disse que assinou um acordo para usar o Vega com a SAB Launch Services da Itália – que também fornece serviços em outros lançadores europeus – para cobrir lançamentos a partir do próximo ano.

Blake disse que o Spaceflight está “muito próxima de identificar detalhes” para os clientes e missões do Vega que usariam o Sherpa, com o primeiro lançamento provavelmente no final de 2023 ou início de 2024. A Spaceflight e a SAB também estão em parceria para oferecer aos clientes acesso a instalações compartilhadas de integração e armazenamento na Europa e nos Estados Unidos. Blake disse que a Spaceflight está conversando com “vários” outros fornecedores de lançamento e “se aproximando de finalizar acordos para lançar OTVs em vários foguetes”.

CONTAGEM REGRESSIVA

hh:min:ss – Evento

  • 00:38:00 Diretor de lançamento da SpaceX verifica autorização para abastecimento de propelente
  • 00:35:00 O abastecimento do querosene RP-1 começa
  • 00:35:00 O abastecimento do 1º estágio LOX (oxigênio líquido) começa
  • 00:16:00 O abastecimento da LOX do 2º estágio começa
  • 00:07:00 Falcon 9 inicia o resfriamento dos motores antes do lançamento
  • 00:01:00 Computador de voo de comando inicia as verificações finais de pré-lançamento
  • 00:01:00 A pressurização dos tanques de propelente para a pressão de voo começa
  • 00:00:45 Diretor de lançamento da SpaceX verifica o lançamento
  • 00:00:03 O controlador do motor comanda a sequência de ignição
  • 00:00:00 Decolagem
Perfil de decolagem

LANÇAMENTO, ATERRISSAGEM E LIBERAÇÃO DAS CARGAS

Todos os tempos são aproximados

hh:min:ss – Evento

  • 00:00:00 Decolagem
  • 00:01:12 Max Q (momento de pico de estresse mecânico no foguete)
  • 00:02:29 Corte do motor principal do 1º estágio (MECO)
  • 00:02:33 1º e 2º estágios separados
  • 00:02:39 Ignição do motor do 2º estágio
  • 00:03:13 Liberação da carenagem
  • 00:08:05 Início da ignição de entrada do 1º estágio
  • 00:06:36 Ignição de reentrada do 1º estágio concluída
  • 00:08:05 Início da ignição de pouso do 1º estágio
  • 00:08:27 Pouso do 1º estágio
  • 00:08:45 Corte do motor do 2º estágio (SECO-1)
  • 00:45:25 2ª Ignição do motor do 2º estágio (SES-2)
  • 00:45:27 2°Corte do motor do 2º estágio (SECO-2)
  • 00:49:28 Sherpa-LTC da Spaceflight é liberado
  • 01:12:23 Satélites Starlink são liberados

Live do lançamento no Canal do Homem do Espaço

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Russos fazem nova caminhada espacial na ISS

Artemiev e Matveev terminaram a instalação do braço robótico europeu

No sábado, 3 de setembro de 2022 – horário de Moscou, os cosmonautas da Roscosmos , Oleg Artemyev e Denis Matveev, realizaram mais uma atividade extraveicular, designada VKD-54A, de 7 horas 47 minutos 37 segundos, pela a escotilha de saída do módulo Poisk da estação espacial internacional.

Durante a caminhada espacial sob o programa russo com duração de 7 horas e 47 minutos, os cosmonautas Oleg Artemyev e Denis Matveev prepararam o manipulador remoto europeu ERA para operação. Na superfície externa do módulo de laboratório multifuncional Nauka, os cosmonautas instalaram uma plataforma com adaptadores, transferiram o painel de controle externo do console EMMI para o ponto -base BTL-3 e o conectaram, montaram dois corrimãos flexiveis, ajustaram os acionamentos TRM nos atuadores de extremidade KE-1 e KE-2 do manipulador ERA e removeram o anel de base do atuador KE-1.

A escotilha do módulo Poisk foi aberta por volta das 16h25, horário de Moscou. Como de costume, os cosmonautas primeiro instalaram o anel de proteção na borda da escotilha, que foi concluída às 9h30. Matveev imediatamente obteve permissão do solo para sair do Poisk, já que a estação estava se aproximando do nascer do sol orbital por volta das 9h33 EDT. Artemiev então recebeu um “GO” (‘aprovado’) para sair do Poisk às 9h39 EDT e foi visto do lado de fora em três minutos.

Artemiev e Matveev substituíram telas de proteção para a câmera de vídeo CLU-1 no atuador KE-1, testaram o controle do manipulador do console EMMI e instalaram um bloqueador no mastro de carga do GTM- 1. Além disso, eles concluíram uma tarefa adicional – eles transferiram a lança Strela GSTM-2 do bloco de carga funcional Zarya para o módulo Poisk. Com o comissionamento do ERA, os guidastes de carga “Strela” GsTM 1 e 2 não serão mais necessárias e são transferidas para a reserva. Agora eles serão usados ​​para aumentar a rigidez de todo o sistema multimódulo do segmento russo.

As tarefas incluíram:

  • Transferência para o console EMMI anexado ao corrimão nº 4401, remoção da EMMI;
  • Transferência do EMMI para ponto base BTL3, fixação do EMMI ao corrimão nº 4108;
  • Fiação do EMMI ao ponto base BTL3;
  • Testar controles do ERA usando o painel do EMMI;
  • Transferência de EMMI para o modo de armazenamento.
  • Substituição do vidro de proteção na câmera CLU1 no atuador KE1 na ERA;
  • Instalação de um retentor no GStM1;
  • Extensão do GStM2 entre o compartimento frontal ‘GA’ do módulo Zarya e o compartimento Poisk MIM2.

Esta foi a 64ª saída russa como parte do projeto ISS e a sexta em 2022. Para Oleg esta foi a oitava saída na carreira espacial (marcando um total de 53 horas e 31 minutos), para Denis Matveev – a quarta (26 horas e 8 minutos). Desde março de 1965, 72 cosmonautas da URSS e da Rússia realizaram 160 saídas em escafandros espaciais russos Orlan MKS.
Artemiev usou o escafandro Orlan-MKS n° 5 com listras vermelhas, com a câmera n° 16 instaçada sobre o capacete fixo; e Matveev, o Orlan-MKS n° 4 com listras azuis e a câmera n° 20.

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Astronautas da Shenzhou-14 completam primeira caminhada espacial

Chen Dong e Liu Yang trabalharam por seis horas fora da nave

Chen e Liu usaram a escotilha do novo módulo Wentian pela primeira vez, para sair ao espaço aberto

De acordo com a China National Space Administration (CNSA), a primeira atividade extraveicular da missão Shenzhou-14 (神舟十四号) foi concluída em 1º de setembro de 2022, às 18:33 UTC ( 2 de setembro, às 00:33 Hora Padrão da China ), quando os astronautas Chen Dong (陈冬, comandante) e Liu Yang (刘洋) retornaram com segurança ao Módulo – Laboratório Wentian (问天实验舱) após 6 horas e 7 minutos de trabalho em regime despressurizado. A atividade extraveicular foi um sucesso total.

Às 19h09, Chen e Liu deixaram o Wentian e realizaram atividades com a ajuda de um pequeno braço mecânico, incluindo a instalação de uma unidade de bombeamento estendida e a configuração da câmera panorâmica do módulo de laboratório. O pequeno braço robótico passou nos testes necessários e futuramente será conectado ao braço grande que está instalado no módulo-base Tianhe para mais testes.

A estação espacial chinesa está composta por quatro espaçonaves, o módulo-base TianHe, a nave de carga Tianzhou 4, a nave tripulada Shenzhou 14 e o módulo-laboratório Wentian

Além disso, eles testaram a possibilidade de movimento independente no espaço para um retorno de emergência à espaçonave. Foi também a primeira vez que os astronautas chineses usam a câmara de ar do módulo Wentian para caminhadas espaciais. O compartimento extraveicular tem um volume de cerca de 10 metros cúbicos e a escotilha de saída tem diâmetro de um metro. O astronauta Cai Xuzhe auxiliou os dois colegas de dentro do módulo.

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Artemis I adiada novamente

Superfoguete SLS teve problema no abastecimento

Foguete SLS na plataforma – foto Bill Ingalls/NASA

A NASA cancelou outra tentativa de lançamento do foguete lunar SLS número 1 da missão Artemis I na manhã de hoje, sábado 3 de setembro de 2022, após várias tentativas malsucedidas de conter um vazamento de hidrogênio líquido. A agência espacial anunciou que pretende fazer nova tentativa em outubro o mais cedo possível, possivelmente nos dias 17 ou 19 no meio da noite em horário EDT, ou entre os dias 17 e 31. O anúncio oficial do adiamento pelo diretor de lançamento Charlie Blackwell-Thompson veio por volta das 11h19 ET (12:19 hora de Brasília). O administrador da NASA, Bill Nelson, confirmou que se o foguete precisar ser revertido para seu prédio de montagem VAB, uma nova tentativa de lançar a missão lunar pode não acontecer até meados de outubro, no mínimo. Mais tarde, a NASA organizou uma entrevista coletiva sobre o incidente com o administrador Nelson, o administrador associado da Diretoria de Missão de Desenvolvimento de Sistemas de Exploração Jim Free e Mike Sarafin, gerente da missão. Nelson disse que será prudente e não apressará o lançamento, garantindo que todos os sistemas funcionem. “O vazamento de hidrogênio foi um ‘grande vazamento’ que persistiu apesar dos vários esforços para resolver o problema”, disse Mike Sarafin. Houve uma sobrepressurização inadvertida da linha de hidrogênio durante o resfriamento. “Não posso descartar o encaixe de desconexão rápida, que está sujeito mostrar alguns efeitos disso, mas é muito cedo para dizer.” Jim Free explicou que se o sistema de terminação de voo FTS fosse reconfigurado e o vazamento pudesse ser reparado na plataforma, ainda seria necessário analisar os problemas relacionados à vida útil da nave Orion para decidir se seria melhor devolver o lançador ao prédio VAB – o que acabou sendo escolhido.

O vazamento de hidrogênio foi notado pela primeira vez esta manhã, logo após o foguete começar a ser abastecido com hidrogênio líquido. A NASA disse que o vazamento “se desenvolveu no lado da alimentação da desconexão rápida de 8 polegadas ao tentar transferir combustível para o foguete”. A equipe fez três tentativas de soluçionar o problema, mas um vazamento foi detectado após cada esforço para corrigir o problema. Após a terceira vez, os engenheiros recomendaram que o lançamento não fosse permitido. Logo depois, o diretor Blackwell-Thompson, decidiu cancelar a tentativa. A agência espacial então anunciou que tem disponibilidade para o lançamento entre 17 e 31 de outubro. Se conseguir consertar o vazamento de hidrogênio, a agência espacial poderia, em teoria, tentar novamente na segunda-feira. Uma janela de lançamento de 90 minutos seria aberta às 17h12 EST. Se a agência adiasse para terça-feira, teria apenas uma janela de 24 minutos que abriria às 18h57, EDT.

Transmissão começa por volta das 13:30 hora de Brasília

O SLS deve ser um dos “cavalos de batalha” do programa Artemis. Para esta missão ele é encarregado de lançar a espaçonave Orion não tripulada ao redor da Lua. Em missões futuras, a NASA tentará colocar seus astronautas na superfície lunar usando o SLS, a Orion e equipamentos adicionais. O primeiro esforço para lançar este foguete teve que ser adiado na manhã de segunda-feira depois que um sensor indicou que um dos quatro motores do estágio central (‘core stage’, ou CS-1) não parecia estar esfriando à temperatura adequada de aproximadamente -270° C. Depois de estudar e solucionar o problema, as autoridades disseram que estava claro que o motor estava realmente funcional e que um sensor estava dando uma leitura de temperatura falsa. “Sabemos que tínhamos um sensor ruim”, disse John Honeycutt, gerente de programa do foguete no Marshall Space Flight Center em Huntsville, Alabama.

A Orion da missão Artemis I.

Então, hoje, enquanto as equipes trabalhavam para abastecer os tanques do estágio central, detectaram repetidamente o vazamento de hidrogênio que os fez parar e iniciar o processo de abastecimento várias vezes. Após fazer as três tentativas malsucedidas de reparar o vazamento, Blackwell-Thompson acabou cancelando o lançamento.

Não foi a primeira vez que vazamentos de hidrogênio atrapalharam os esforços para abastecer este foguete. Problemas semelhantes apareceram durante os ensaios gerais e a primeira tentativa no lançamento. Funcionários da NASA estão agora estudando o problema e discutindo os próximos passos. Os críticos dizem que o programa Artemis será caro demais para ser sustentável se a NASA depender desse foguete e nave espacial, que vêm com um preço alto. O inspetor geral da agência espacial disse que cada um dos primeiros voos custará mais de US$ 4 bilhões, e isso não inclui bilhões de dólares em custos de desenvolvimento.

A missão inaugural do foguete e da nave prevê que espaçonave orbitará a Terra e, em seguida, será propelida pelo segundo estágio do foguete para entrar em uma órbita retrógrada elíptica lunar com perigeu e apogeu de 99,7 km a 64.373 km para depois retornar ao nosso planeta após cerca de 42 dias de voo.

O SLS Block I número 1 é composto pelo estágio central CS-1, os ‘boosters’ RSRMV-1L e RSRMV-1R e o estágio superior ICPS n°1. Já a nave espacial Orion será composta pela cápsula Crew Module CM n° 002 e o Módulo de Serviço Europeu ESM-001Bremen’.

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Artemis I decola amanhã

Canais Brazilianspace e Homem do Espaço transmitem o voo inaugural do superfoguete SLS

Transmissão começa por volta das 13:30 hora de Brasília

As equipes da NASA estão prontas para a segunda tentativa de lançamento do do foguete lunar SLS com uma espaçonave Orion da missão Artemis I a ser feita amanhã – sábado, 3 de setembro de 2022 – às 15:17 de Brasília, a partir da plataforma 39B do Cabo Canaveral na Flórida. A nave espacial Orion 001 e o foguete SLS número 1 estão prontos para contagem regressiva. O Canal do Homem do Espaço vai transmitir em conjunto com o Canal e Blog Brazilianspace. O ‘Homem do Espaço’, o prof. Rui Botelho, o jornalista Duda Falcão e o Dr. Oswaldo Barbosa Loureda (Professor da UFMA e Fundador da Startup espacial Acrux) vão comentar o lançamento e a missão.

O SLS Block I número 1 será composto pelo estágio central ‘core stage’ CS-1, os ‘boosters’ auxiliares RSRMV-1L e RSRMV-1R e o estágio superior ICPS n°1. Já a nave espacial Orion será composta pela cápsula Crew Module CM n° 002 e o Módulo de Serviço Europeu ESM-001Bremen’.

A Orion será composta pela cápsula Crew Module n° 002 e o Módulo de Serviço ESM-001 ‘Bremen’.

Hoje a agência espacial americana confirmou que os mastros de serviço umbilicais de cauda, as válvulas da seção intertanque, os sistemas de sangria de propelente dos motores e pontos de rachaduras na espuma isolante do estágio central, todos estão de acordo com o esperado e dentro dos limites de segurança.

Numa entrevista realizada ontem, 1 de setembro, foi explicado que cada motor RS-25 tem cinco transdutores principais de medição para verificar o fluxo de sangria de hidrogênio, e que o sensor defeituoso na tentativa de lançamento de 29 de agosto não fazia parte desses cinco – era um sensor no segmento da plataforma. O estágio central ‘core stage’ “CS” tem um número não especificado de transdutores que fazem a checagem da sangria de propelente de modo independente. Isso normalmente é feito medindo-se a pressão interna dos tanques e sua temperatura. A razão de ter um sensor na plataforma para verificar a sangria foi porque o sistema era parte do circuito usado nos ensaios abastecidos (os ‘wet dress rehearsals’), e que foi mantido na contagem regressiva real, para fins de teste. Na verdade, o lançamento do dia 29 poderia ter seguido, já que os niveis de pressão eram de fato corretos. “Não precisamos deste sensor para o sistema. Usamos apenas para confirmação de resfriamento para análise de engenharia” comentou um engenheiro.
Jeremy Parsons, vice-diretor de sistemas terrestres, relatou que existem cerca de 45 pequenos intervalos de suspensao de lançamento (‘built-in-holds’) durante a janela de lançamento para evitar colisões com satélites e detritos; a maioria deles leva apenas alguns segundos, e alguns cerca de um minuto. Parsons também informou que os tanques do estágio central ainda podem ser abastecidos e esvaziados mais de dez vezes.

O SLS Block I número 1 será composto pelo estágio central CS-1, os ‘boosters’ RSRMV-1L e RSRMV-1R e o estágio superior ICPS n°1

Ela acrescenta que pode haver chuvas na hora da decolagem, mas isso será difícil de prever. Qualquer atraso no abastecimento dos tanques não será necessariamente um atraso na decolagem, e que “para a decolagem de amanhã, a equipe vai checar 489 critérios principais de confirmação de lançamento”; Para tanto, foram adicionadas na plataforma mais algumas câmeras de TV padrão e outras, de alta resolução, para fazer inspeções remotamente. Para eventuais problemas, há uma equipe de ‘pad rats’ (ou pessoal de plataforma) que podem ser enviados para a mesa de lançamento (a chamada “equipe vermelha“) para uma inspeção visual, mas a preferencia é pelas câmeras.

No sábado, os tanques dos primeiro e segundo estágios devem ser abastecidos no modo ‘nominal’ às 12h07 (13:07 de Brasília) com uma parada final de trinta minutos a T-menos 10 min a partir das 13h37 (14:37 de Brasília); e se a diretoria de lançamento der permissão, a contagem deve ser retomada às 14h07 (15:07 de Brasília) para um lançamento às 14h17 (15:17 de Brasília).

Foguete SLS na plataforma – foto Bill Ingalls/NASA

A missão inaugural do foguete e da nave prevê que espaçonave orbitará a Terra e, em seguida, será propelida pelo segundo estágio do foguete para entrar em uma órbita retrógrada elíptica lunar com perigeu e apogeu de 99,7 km a 64.373 km para depois retornar ao nosso planeta após cerca de 42 dias de voo.

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Missão Artemis I terá transmissão no Youtube com especialistas brasileiros

Canais Brazilianspace e Homem do Espaço transmitem o lançamento do SLS no dia 3 de setembro

A NASA marcou a próxima tentativa de lançamento do foguete lunar SLS da missão Artemis I para sábado, 3 de setembro de 2022 às 14:17 EDT (15:17 de Brasília). O Canal do Homem do Espaço vai transmitir em conjunto com o Canal e Blog Brazilianspace. O ‘Homem do Espaço’, o prof. Rui Botelho, jornalista Duda Falcão e o Dr. Oswaldo Barbosa Loureda (Professor da UFMA e Fundador da Startup Acrux) vão comentar o lançamento e a missão.

Clique aqui para o Compêndio do Homem do Espaço sobre a missão Artemis I.

A missão inaugural do foguete SLS e da nave Orion prevê que espaçonave orbitará a Terra e, em seguida, será propelida pelo segundo estágio do foguete para entrar em uma órbita retrógrada elíptica lunar com perigeu e apogeu de 99,7 km a 64.373 km para depois retornar ao nosso planeta.

Foguete SLS na plataforma

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9