Artemis I: NASA marca lançamento para sábado

Segunda tentativa de testar o superfoguete SLS será no dia 3 de setembro

Foguete-lançador na plataforma 39B em Cabo Canaveral

A NASA remarcou a próxima tentativa de lançamento do foguete lunar SLS da missão Artemis I para sábado, 3 de setembro de 2022 às 14:17 EDT (15:17 de Brasília), depois de concluir que um sensor de temperatura defeituoso pode estar na raiz do problema que adiou a primeira tentativa no dia 29. Os gerentes de missão se reuniram na terça-feira, 29, para discutir dados e desenvolver um plano para resolver problemas que surgiram durante a primeira tentativa. Durante essa tentativa, as equipes não conseguiram resfriar os quatro motores RS-25 para aproximadamente -250°C, com o motor número 3 apresentando temperaturas mais altas do que os outros. As equipes também detectaram um vazamento de hidrogênio em um sistema de desconexão rápida do umbilical do mastro de serviço da baia de motores, ​​chamado de duto de purga, e gerenciaram o vazamento ajustando manualmente as taxas de fluxo de propelente.

Clique aqui para o Compêndio do Homem do Espaço sobre a missão Artemis I

A equipe de gerenciamento da missão planeja se reunir amanhã, quinta-feira 1º de setembro, para revisar os dados e a prontidão geral. Os meteorologistas da Força Espacial dos EUA, na estação de Lançamento Espacial Delta 45, preveem condições climáticas favoráveis ​​para sábado. Embora sejam esperadas pancadas de chuva, prevê-se que sejam esporádicas durante a janela de lançamento e que a probabilidade de se violar as restrições climáticas é “algo em torno de 60%”. No entanto, como a janela de lançamento tem duas horas de duração, deve ser possível encontrar momentos em que as condições sejam aceitáveis, pois as chuvas da tarde, típicas desta época do ano na Flórida, passam. Ainda há uma boa oportunidade, em termos de clima, para lançar no sábado.

A missão inaugural do foguete SLS e da nave Orion prevê que espaçonave orbitará a Terra e, em seguida, será propelida pelo segundo estágio do foguete para entrar em uma órbita retrógrada elíptica lunar com perigeu e apogeu de 99,7 km a 64.373 km para depois retornar ao nosso planeta.

Cronograma da missão

  • Dia de voo 1: lançamento e colocação da nave espacial Orion em órbita terrestre
  • Dia de voo 2 a 5: trânsito de preparação para saída da órbita terrestre
  • Dias de voo 6 a 9: trânsito para a órbita lunar
  • Dia de voo 10 a 23: espaçonave em órbita lunar
  • Dia de voo 24 a 34: saida da órbita lunar
  • Dias de voo 35 a 42: trânsito de retorno
  • Dia de voo 43: amerrissagem da cápsula (módulo da tripulação) no Oceano Pacífico
Plano de voo para a Artemis I
O “megarocket” tem 98 metros de comprimento e 2.608.156 kg. O SLS produzirá 4.309.127,5 kgf de empuxo na decolagem e é capaz de transportar uma carga útil de 86 toneladas até a órbita terrestre baixa ou 27 toneladas para a Lua.

Na realidade, era grande a probabilidade de que o SLS não decolasse nem em 29 de agosto, nem em 2 de setembro (originalmente a data principal), nem no sábado e nem no dia 5 – uma das datas reserva. E se a razão técnica declarada para o adiamento não puder ser eliminada na próxima semana, ou outros obstáculos forem encontrados, o que é provável, o combustível e o oxidante terão que ser drenados e toda a estrutura do veículo lançador terá que ser configurada novamente, e isso vai requerer mais seis meses de trabalho.

Uma razão para o atraso adicional é dar aos engenheiros tempo para trabalhar em um vazamento de hidrogênio no estágio central. “Queremos fazer algumas inspeções e retorques”, disse Charlie Blackwell-Thompson, diretor de lançamento da Artemis. No entanto, esse vazamento foi resolvido durante a tentativa do dia 29 e não foi o motivo pelo qual o lançamento foi cancelado. Em vez disso, os controladores tiveram problemas com o “kickstart bleed”, onde o hidrogênio líquido flui pelos quatro motores no estágio principal para resfriá-los antes do lançamento. John Honeycutt, gerente do programa SLS da NASA, disse que o sangramento de hidrogênio destina-se a resfriar os motores a cerca de -250 graus Celsius. Três dos motores, n°s 1, 2 e 4, caíram para cerca de -245 graus Celsius, mas o motor 3 estava apenas a cerca de -230 Celsius, de acordo com os sensores de temperatura. Ele disse que uma possibilidade para a diferença é um problema com o sensor em vez do fluxo de hidrogênio líquido. “Estamos um pouco preocupados com um desses sensores”, disse ele, porque eles estavam detectando “bom hidrogênio líquido frio” sendo sangrado do motor. “Entendemos a física sobre o desempenho do hidrogênio”, disse ele mais tarde no briefing. “A maneira como o sensor está se comportando não se alinha com a física da situação.”

Foguete SLS – componentes principais da missão inaugural
Foguete SLS – Configuração do foguete para a missão inaugural

Por enquanto, a única mudança planejada para a tentativa de lançamento de 3 de setembro é começar a fluir hidrogênio para os motores cerca de 30 a 45 minutos antes, disse Blackwell-Thompson, enquanto o tanque de hidrogênio do estágio central estiver na fase de “enchimento rápido” de carregamento.. Foi o que aconteceu durante os testes ‘Green Run’ do estágio principal no Stennis Space Center no início de 2021, onde não houve problemas de temperatura relatados. “A única coisa que sei mudar para replicar o sucesso que tivemos em Stennis é mover o teste mais cedo na linha do tempo”, disse Honeycutt. Além disso, as equipes estão configurando sistemas na plataforma de lançamento ‘Launch Pad 39B’ para permitir que os engenheiros acessem o sistema de purga. Uma vez estabelecido o acesso, os técnicos realizarão avaliações e pontos de conexão de torque, quando necessário.

Se o mesmo problema de temperatura reaparecer, pode ser possível prosseguir com a contagem regressiva se os engenheiros definirem que o sensor está com defeito e que o motor nº 3 está devidamente resfriado. “Teremos um plano para ir/não ir (GO/ No GO), em vez de ficarmos sentados coçando a cabeça”, disse ele. “Temos que continuar analisando os dados. Temos que reunir a lógica do voo, antecipando que não obteremos resultados melhores no sensor de temperatura de sangria do motor nº 3.” Um sensor que está travado em dezenas de graus, em vez de estar completamente offline, não é inesperado. “Ao longo da minha carreira, vi muitos sensores se mostrarem erráticos”, disse ele, “e ficarem fora de calibração”. Substituir o sensor enquanto o foguete estiver na plataforma de lançamento “provavelmente não é o ideal”, disse Blackwell-Thompson, e não pode ser feito antes que o atual período de lançamento termine em 6 de setembro.

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Author: homemdoespacobrasil

Sua referência em Astronáutica na internet

%d bloggers like this: