SpaceX adia para hoje o lançamento de 46 Starlinks

O ‘Grupo 3-02’ entrará em órbita quase-polar

Resumo atualizado do lançamento

A SpaceX adiou o lançamento de mais um lote de satélites Starlink (o Grupo 3-02) ontem à tarde devido a um problema com uma válvula num dos motores, a partir a partir da plataforma SLC-4E do polígono de Vandenberg SFB, Califórnia, EUA. Por volta das 14:37 Brasilia, a voz do RC (Range Coordinator, coordenadora de área) , Julie Black, anunciou: “LD is go for launch.” (“o diretor de lançamento – LD- deu o OK para prosseguir”); depois “… e atenção na rede: temos um aborto de lançamento”, para em seguinda anunciar : “… este é RC na contagem regressiva. Estejam cientes de que declaramos um adiamento hoje em Whisky 2313. Reciclagem [repetição da tentativa] de 24 horas.” O sequenciador de computador da contagem regressiva abortou a sequência de pré-lançamento em T-menos 46 segundos. A SpaceX identificou o motivo para o adiamento como “a posição não-nominal de uma válvula de reserva em um dos motores Merlin-1D” do primeiro estágio. Os parâmetros climáticos e a segurança do polígono militar em Vandenberg estavam favoráveis para o lançamento.

Por isso, a decolagem do foguete Falcon 9 v1.2 FT BL5 acontece hoje, 22 de julho de 2022 às 17:39 UTC (14:39 Brasilia). O ‘core’ de primeiro estágio é o booster 1071.4. A aterrissagem do ‘core’ será na balsa-drone ASDS Of Course I Still Love You (OCISLY). A missão prevê a recuperação das duas metades da carenagem de proteção do foguete a aproximadamente a 635 km de distância da costa pelo navio NRC Quest. A reentrada de detritos do segundo estágio está prevista para o sul do Pacífico.

A carga útil são quarenta e seis satélites Starlink, a serem colocados em uma órbita final de 97,6 graus de inclinação em trajetória sul-sudoeste com altitude média de 540 km. O primeiro estágio B1071 fez anteriormente os lançamentos dos satélites NROL-87, NROL-85 and SARah-1.

Transmissão ao vivo no Canal do Homem do Espaço
Trajetória terrestre do lançamento (ground track)

A empresa de Elon Musk informa que cada satélite Starlink apresenta um design compacto de tela plana que minimiza o volume, permitindo que uma “pilha” de lançamento ‘densa’ aproveite ao máximo os recursos de lançamento do Falcon 9. Com quatro antenas tipo “phased array” e duas antenas parabólicas em cada satélite. “Ao final de seu ciclo de vida, os satélites utilizam seu sistema de propulsão a bordo para desorbitar ao longo de alguns meses. No caso improvável de seu sistema de propulsão se tornar inoperante, os satélites queimarão na atmosfera da Terra dentro de 1 a 5 anos, significativamente menos do que as centenas ou milhares de anos necessários em altitudes mais altas. Além disso, os componentes Starlink são projetados para total desativação.”

Área de reentrada do segundo estágio
Foguete F9 v1.2 FT BL5 com satélites Starlink sob a carenagem de cabeça

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Author: homemdoespacobrasil

Sua referência em Astronáutica na internet

%d bloggers like this: