O quanto a Rússia está interessada na ISS?

A anunciada saída do país a partir de 2024 já era conhecida há anos

Projeto da estação orbital de serviços russa, ROSS

A Rússia anunciou que deixará a Estação Espacial Internacional após 2024 e que lançará sua própria nova estação espacial, a “ROSS“, logo depois. O movimento não é necessariamente surpreendente, não apenas por causa da guerra em curso na Ucrânia, mas por razões puramente técnicas. O programa espacial russo está flertando com a saída da parceria há anoa, mas ainda assim, a decisão foi um grande golpe para a colaboração internacional no espaço. A mídia russa divulgou o anúncio depois que Yuri Borisov, o novo chefe da agência espacial russa, discutiu a decisão com o presidente Vladimir Putin durante uma reunião recente. A Rússia não havia concordado formalmente em suportar a estação após a data de 2024, mas o governo Biden planejava apoiar as operações da ISS até pelo menos 2030. Isso significaria que Estados Unidos deveriam administrar a estação sem a ajuda de seu parceiro de longa data. Isso não é necessariamente impossível, mas será difícil. A ISS foi originalmente projetada para que a Roskosmos e a NASA controlassem aspectos críticos das operações da estação espacial. Neste momento, por exemplo, a Rússia controla os sistemas de controle de propulsão da estação, que fornecem impulsos regulares que mantêm a ISS na posição e impedem que saia de órbita. Sem a ajuda da Rússia, esses sistemas, presumivelmente, precisariam ser entregue à NASA ou substituídos. “A NASA está comprometida com a operação segura da Estação Espacial Internacional até 2030 e está coordenando isso com nossos parceiros”, disse o administrador da NASA, Bill Nelson, em comunicado. “A NASA não tomou conhecimento das decisões de nenhum dos parceiros, embora continuemos a construir capacidades futuras para garantir nossa presença principal na órbita baixa da Terra”.

Atualmente a manutenção da órbita da estação espacial internacional é feita por naves russas

“Ainda não avisamos sobre isso, não há necessidade disso ainda. Não há necessidade de fazer isso hoje. Apenas dissemos que após 24 anos iniciaremos o processo de saída. Se será em meados de 2024 ou em 2025 – tudo depende “, na verdade, inclusive do estado e do desempenho da própria ISS. Mas o fato de começarmos a fazer isso, de fato, também não é segredo, o que relatei ao presidente”, disse o novo diretor da Roskosmos, Yuri Borisov.

“Aspectos políticos (em relação à ISS) … eles não existem, e acho que não deveriam existir”, disse Borisov ao canal de TV Rossiya 24. “O projeto da ISS enriqueceu a ciência mundial no campo do conhecimento sobre o Universo, sobre a Terra, deu a todos os participantes deste processo novos conhecimentos, nos reanimou até certo ponto. Acredito que tanto hoje como no futuro, tais projetos deve estar fora da política. E é uma pena que, às vezes, neste momento difícil, nossos projetos conjuntos no espaço, que são realmente interessantes para toda a humanidade, comecem a dar-lhes um colorido político. Isso está errado”, ressaltou Borisov. A partir de 2025, começará o período de transição do segmento russo para ROS. A partir de 2025, o financiamento do programa científico do segmento russo será quase completamente interrompido. Devido a isso, o financiamento da ROSS será iniciado. Não há dinheiro para ambos. Provavelmente, a partir de 2025, a tripulação do segmento russso será novamente reduzida para dar espaço aos turistas.

As coisas pioraram em fevereiro, quando o ex-chefe da agencia espacial russa, Dmitry Rogozin, pareceu ameaçar derrubar a ISS na Terra. No mês seguinte, a agência espacial anunciou que não trabalharia mais com a Alemanha em experimentos científicos na ISS, e também disse que deixaria de vender motores de foguete para os EUA, dos quais a NASA historicamente depende. E Rogozin novamente levantou a ideia de que, sem a ajuda da Rússia, a NASA precisaria encontrar outra maneira de chegar à ISS. Desta vez, ele sugeriu “vassouras”. Por essas razões, o anúncio da Rússia não foi realmente surpreendente. “É provável que a Rússia possa sair da ISS, dada a situação geopolítica da Ucrânia antes de 2025”, explicou Namrata Goswami, estudioso independente de política espacial, no final de fevereiro. “Se a Rússia acabar deixando a ISS antes de 2025 devido à crise na Ucrânia, será difícil desenvolver rapidamente o ciclo de apoio russo à ISS.”

Apesar da guerra, a NASA tentou manter a aparência de normalidade a bordo da ISS. A agência publicou atualizações sobre experimentos científicos que acontecem a bordo da estação espacial e até organizou uma conferência de imprensa promovendo a primeira missão tripulada privada à ISS, que ocorreu em abril . Mas nos bastidores, os EUA estão correndo para descobrir como seria uma ISS sem a Rússia. Uma empresa, a Northrop Grumman, se ofereceu para construir um sistema de propulsão que substituiria o da Rússia, e Elon Musk sugeriu no Twitter que a SpaceX também poderia ajudar.

É bom lembrar que o principal ramo de atividade espacial russo é o lançamento de seus próprios satélites , sejam civis ou militares – com ênfase nestes últimos. O percentual de dependencia dos foguetes russos em relação a cargas estrangeiras é mínimo, já que o programa espacial do país é eminentemente estatal; não há na Rússia empresas privadas independentes competindo por fatias dos lançamentos de espaçonaves, como acontece no Ocidente. O principal cliente e o principal fornecedor se fundem na mesma entidade – o governo, e tudo o que vem de fora é um “extra”. Mais ainda, para o governo russo uma presença espacial humana permanente não é prioritária, em face dos interesses militares e da exploração prática dos satélites em serviços como comunicação e navegação. É em países como os Estados Unidos que existe uma cobrança da sociedade e de entidades sobre voos espaciais tripulados, como é o exemplo do programa Artemis, que tem como justificativa de existir a sua utilidade como fonte de empregos e investimentos para senadores prestarem contas a seus eleitores. Ou para empresas privadas como a SpaceX e a ULA, que dependendem das encomendas governamentais para financiarem ou aprovarem seus projetos.

Os cientistas russos estão, de qualquer modo, realizando testes visando a operação da ISS além de 2024: Os engenheiros da RKK Energia estão trabalhando em uma série de testes de resistência para os mecanismos de acoplagem a bordo do segmento russo da ISS para garantir seu trabalho confiável até 2030. Além disso, durante 2021 e 2022, o Instituto de Materiais Elásticos, VNIIEMI, realizou testes com o objetivo de reconfirmar a longevidade de materiais à base de borracha, como selos O-ring, que são críticos para fornecer uma interface estanque e livre de vazamento de ar após encaixe. A partir de 2023, a RKK Energia também planeja iniciar os chamados testes de resistência e cíclicos de todas as portas de acoplamento que permitem a transferência de tripulação entre os módulos. Para isso, a empresa planeava fabricar duas portas , que seriam acopladas durante os testes e posteriormente utilizadas como unidades de referência. Além disso, a RKK Energia planejou realizar uma análise comparativa das cargas mecânicas reais registradas durante os testes de vários tipos de mecanismos de acoplagem, incluindo SSVP, ASA-G e APAS.

Vladimir Putin, que assinou uma lei no ano passado permitindo permanecer no poder até pelo menos 2036, adotou um tom otimista sobre o futuro do programa espacial russo. “Iremos necessariamente implementar todos os planos traçados de forma consistente e persistente, apesar de quaisquer dificuldades e algumas tentativas de fora para nos impedir nesse movimento”, disse Putin. As “dificuldades” e “tentativas de fora” são provavelmente alusões às inúmeras sanções internacionais que foram impostas pelos EUA e outras nações desde que a Rússia invadiu a Ucrânia.

Essas sanções são manifestações de desaprovação dos países na esfera de influência dos EUA, o que levou à dissolução de muitas das parcerias espaciais da Rússia. Por exemplo, a Europa anunciou recentemente que não participará mais da série Luna de missões robóticas lunares da Rússia, nem lançará o rover ExoMars Rosalind Franklin em um foguete russo como planejado anteriormente. Putin disse que a Rússia planeja continuar sua missão lunar Luna-25, que está programada para ser lançada este ano; uma série de satélites de banda larga chamada Sfera; uma “nave espacial de transporte de próxima geração” (a Aryol) e tecnologias de propulsão com foco em capacidades nucleares (o Zevs) nos próximos anos. Ele ficou em silêncio sobre assuntos militares em voos espaciais, no entanto, incluindo relatos de que as forças russas estão interferindo no acesso ao GPS na Ucrânia.

A ISS não está enfrentando uma crise imediata, e Borisov disse que a Rússia, por enquanto, honrará suas obrigações atuais com a estação. Mas sempre se soube que, obviamente, a estação não deveria existir para sempre, e os EUA já estão financiando vários conceitos diferentes de estações espaciais comerciais que devem, se tudo correr conforme o planejado, substituir a ISS até o final da década. Ainda assim, a decisão da Rússia foi interpretada como preocupante para os americanos e serve como um forte aviso de que o futuro do espaço pode não ser tão colaborativo – ou internacional – quanto antes. A Rússia e os EUA começaram a construir a estação espacial no final da década de 1990 , e a parceria foi considerada um grande feito de colaboração internacional, especialmente após a Guerra Fria e a corrida espacial de décadas. Desde então, a ISS reuniu astronautas de todo o mundo para realizar pesquisas que poderiam, eventualmente, ajudar a levar os humanos ainda mais longe no espaço. A parceria com a ISS agora inclui quinze países diferentes e é considerada por alguns como a maior conquista da humanidade – e que esteve acima de tudo o que está acontecendo no planeta Terra.

Isso cada vez mais não é o caso. Em 2014, a Rússia usou a ISS na tentativa de pressionar os EUA a reconhecer sua anexação da Crimeia, uma península no sul da Ucrânia (e que a Ucrânia ainda considera parte de seu território). Em uma aparente tentativa de pressionar os EUA a reconhecer formalmente as reivindicações da Rússia sobre a região, o programa espacial russo sugeriu que transferiria o treinamento de astronautas para a Crimeia . Esta era uma ameaça crítica na época: os astronautas da NASA precisavam de treinamento para viajar no foguete Soyuz da Rússia, que, naquela época, era a única maneira de chegar à ISS. O conflito ocorreu apenas alguns meses depois que os EUA instituíram sanções que visavam punir a Rússia por sua invasão da Crimeia. Em resposta, a Roskosmos deu a entender que pararia de transportar quaisquer astronautas da NASA , com Dmitry Rogozin, que era o chefe da Roskosmos até ser demitido em 15 de julho, sugerindo em um tweet que os EUA “…levassem seus astronautas para a Estação Espacial Internacional usando um trampolim”. “Tem havido uma sensação de que a ISS está começando a se tornar uma moeda de troca de algum tipo nas relações entre os Estados Unidos, em particular, e a Rússia”, explicou Wendy Whitman Cobb, professora de Estudos Espaciais da Escola de Aeronáutica Avançada da Força Aérea dos EUA, no final de fevereiro.

Agora os EUA não dependem mais da Roskosmos para transporte para a ISS: a SpaceX transporta astronautas da NASA para a estação espacial desde 2020. A contrapartida é que a Rússia sinalizou repetidas vezes que não está comprometida com o futuro de longo prazo da ISS ameaçando se retirar da parceria com a estação espacial em 2021 – novamente devido às sanções dos EUA . A situação ficou ainda mais sombria em novembro daquela ano, quando a Rússia explodiu um satélite espião desativado com um míssil antissatélite e criou milhares de detritos espaciais, incluindo alguns que autoridades dos EUA temiam que pudessem danificar a ISS. Este teste não apenas destacou que a Rússia tem a capacidade de derrubar um satélite , mas que estava potencialmente disposta a colocar em risco seus próprios cosmonautas da ISS, que foram forçados a se abrigar em veículos de emergência por várias horas após o teste.

Os esforços para manter a ISS operando sem a Rússia podem funcionar por alguns anos, mas a estação espacial não existirá para sempre. A NASA ainda planeja desocupar a estação até o final da década, quando será lentamente desorbitada sobre uma parte remota do Oceano Pacífico, abrindo caminho para novas estações espaciais tomarem seu lugar. Isso inclui a estação espacial chinesa Tiangong, cujo primeiro módulo foi lançado em órbita em maio passado – e na qual astronautas já vivem a bordo – e que deve estar concluída até o final de 2022 . Além das várias novas estações espaciais comerciais, que os EUA têm em andamento, a Rússia e a Índia planejam lançar suas próprias estações espaciais nacionais na próxima década. Como essas estações geralmente estarão sob a alçada de um país específico, elas provavelmente não serão tão “internacionais” quanto a ISS.

O contrato atual para a operação da ISS é calculado até 2024. Se não for estendido por todos os países participantes, de acordo com o plano, a estação operará por mais 2,5 anos e, no segundo semestre de 2025, será desorbitada e descartada no Oceano Pacífico com a ajuda do cargueiro russo Progress . Não era segredo para ninguém que a ISS não existiria para sempre. E nos últimos anos, quando a destruição da estação apareceu no horizonte, todos os participantes do programa pensaram na direção em que a astronáutica tripulada se moveria depois dela. No entanto, o fato é que nenhuma agência espacial está pronta para se aposentar da ISS em 2025. Mesmo a Rússia ainda quer fazer uso de seus módulos, como o Nauka, que foi lançado para a ISS em 2020 e que recebeu um outro compartimento extra, o Prichal, enquanto projeta a sua próxima estação espacial ROSS.

De acordo com os planos atuais (que, em teoria, ainda podem ser revistos), esta estação ROSS ficará localizada em órbita circumpolar, e a sua construção começará com o lançamento do módulo base (o antigo Módulo de Ciência e Energia ‘NEM’ projetado para a ISS) por volta de 2027. Obviamente, este módulo não estará pronto para lançamento em 2025 e, possivelmente, a Roskosmos enfrentaria uma pausa nos voos tripulados que poderia durar alguns anos se abandonasse a ISS enquanto isso.

A Roskosmos poderia tentar reduzir esse intervalo separando o módulo Nauka e o módulo multiporta Prichal da ISS para anexar o NEM a eles no futuro. Nesse caso, a nova estação russa permanecerá na órbita da ISS. A principal questão para este plano: existe a possibilidade técnica de o Nauka, que não foi desenvolvido para vôo independente, ser desconectado da ISS e aguardar a chegada dessa unidade-base? A resposta é provavelmente negativa. Finalmente, não se pode descartar que a Roskosmos concorde com raros voos de seus cosmonautas para a estação orbital chinesa. Claro, as naves chinesas terão que ser usadas ​​para isso, já que a estação Tiangong está em órbita com uma inclinação muito baixa para lançamentos de Baikonur, e a espaçonave Soyuz tem um sistema de acoplagem incompatível.

A Gateway é uma estação espacial nos planos da NASA – porém ficará em órbita lunar e não poderá ser tripulada permanentemente

Os planos de desenvolvimento americanos após a ISS são muito mais ambiciosos. A NASA planeja financiar a construção de uma estação espacial privada em órbita terrestre, bem como iniciar a construção da estação orbital circumlunar Gateway com ampla participação internacional. No entanto, a estação privada não aparecerá antes de 2030, e o Gateway, de acordo com o cronograma atual, não antes de 2027. Assim, para a NASA, a aposentadoria da ISS também significará uma interrupção nos voos. A perda de um posto avançado em órbita da Terra confundirá muito os planos da agência espacial norte-americana que, sem dúvida, fará esforços significativos para evitar que isso aconteça. A solução mais óbvia é manter o segmento americano sem o russo. No entanto, existem sérias dificuldades técnicas e legais com isso. Por exemplo, o procedimento para desmontar a ISS é prescrito levando em consideração o uso da tecnologia russa. Terá de ser redesenhado. É possível separar fisicamente os segmentos russo e americano da ISS? É impossível responder a esta pergunta com certeza, pois ninguém sequer pensou que tal necessidade surgiria.

É muito provável que isso simplesmente não funcione. A ISS pode continuar voando com um segmento russo desassistido? Isso criará ameaças muito sérias à segurança da estação. Parece muito mais realista manter o segmento russo como parte da ISS com serviço, mas sem a operação pretendida. Nesse caso, a NASA teria que pagar os voos de especialistas russos para manter os módulos Zvezda e Zarya em condições de funcionamento. Ao mesmo tempo, a NASA poderia recorrer aos serviços de intermediários (o mesmo da Axiom Space) para assumir os serviços da Roskosmos, mas do ponto de vista político, tal decisão ainda parece indesejável para os Estados Unidos.

Se o descarte da ISS se tornar inevitável, a NASA terá que ajustar seriamente sua estratégia. O Gateway lunar não poderá substituir completamente uma estação próxima à Terra. Missões de longo prazo para orbitar a Lua são impossíveis devido à alta radiação (um limite de dois meses está sendo considerado atualmente). Os voos para lá no foguete SLS e na espaçonave Orion custarão à NASA cinco a dez vezes mais do que os voos para a ISS. Além disso, do ponto de vista político, é inaceitável para os Estados Unidos que a China tenha uma estação na órbita da Terra, mas eles não. Para acelerar o desenvolvimento de uma nova estação de órbita baixa, a NASA precisará aumentar o orçamento agora e dramaticamente em muitos bilhões de dólares. E mesmo assim, as chances de colocar esta estação em funcionamento até 2025 são próximas de zero.

Enquanto isso, o chefe da agência espacial russa clarifica qual é o planejamento russo para o abandono da ISS: “Quanto ao momento da retirada da Rússia do projeto da ISS, declaramos que pretendemos fazê-lo não a partir de 2024, mas depois de 2024. Em russo, essas são duas grandes diferenças, dos pontos de vista técnico, científico e político. O lado russo suportou o peso do projeto da ISS para estabelecer e operar a estação, especialmente nos estágios iniciais – nos anos 2000, quando seus colegas não tinham como entregar astronautas ou carga periódicamente. A montagem da ISS começou com o lançamento do módulo Zarya em 1998, e os recursos dos principais módulos russos da ISS já foram usados ​​quase à exaustão. Este é o lado técnico da questão: A garantia foi excedida há muito tempo. A questão principal aqui é a vida não apenas dos cosmonautas russos, mas também dos astronautas americanos e outras tripulações internacionais.

Existe essa noção do envelhecimento do metal, quando começa a aumentar a intensidade de diversos tipos de acidentes, falhas de equipamentos, microfissuras etc. Este é um processo natural no final do ciclo de vida de qualquer produto. É improvável que qualquer especialista em qualquer país do mundo possa prever hoje exatamente quando esse processo se tornará uma avalanche e criará uma ameaça real à tripulação. Todas essas previsões são de natureza bastante probabilística. Mas, de acordo com a opinião oficial de muitos especialistas, a probabilidade de tal processo aumentará após 2024, e é por isso que os russos mencionam esse cronograma.

“A Rússia foi pioneira em voos espaciais pilotados. Nosso cosmonauta Yuri Gagarin foi o primeiro a ir ao espaço. Para nós a cosmonáutica é um tesouro nacional e, sem dúvida, vamos preservar a cosmonáutica tripulada. Mas é aqui que vemos uma bifurcação na estrada – o futuro do programa espacial tripulado da Rússia depende do posicionamento correto no que diz respeito à conclusão do ciclo de vida da ISS e à criação de uma estação russa. Isso também precisa ser entendido” – disse o diretor para voos espaciais tripulados da Roskosmos, ex-cosmonauta Vladimir Solovyov. ” Contando com a opinião de nossos especialistas em resistência e confiabilidade que prevêem que após 2024 pode haver um processo semelhante a uma avalanche associado à falha de vários equipamentos nos módulos da ISS, começamos a pensar seriamente no futuro de nosso programa tripulado e desenvolvendo uma estação orbital russa há cerca de dois anos. Um outro aspecto técnico: o tempo agora gasto pelos cosmonautas, incluindo os americanos, na procura de possíveis avarias e na sua reparação começa a ultrapassar todos os limites razoáveis. Isso é feito em detrimento da pesquisa científica. Quando você gasta tempo em recuperação, não sobra tempo para programas científicos.”

“Além disso, a estação já tem 24 anos, e uma série de componentes, unidades que precisam ser substituídas por um motivo ou outro, podem ser difíceis de fabricar agora, porque as empresas que os produziam inicialmente podem ter mudado, e a tecnologia mudou ao longo deste tempo. Nem sempre é possível fazer uma cópia exata . Os componentes eletrônicos podem não estar mais disponíveis ou qualquer outra coisa. Isso também é compreensível até para um não-engenheiro. A combinação desses problemas técnicos nos faz pensar na criação de uma estação russa. E essa transição – a conclusão dos trabalhos na ISS e o início dos trabalhos na estação russa – certamente deve ser sincronizada.”

Quanto às questões legais e organizacionais, o procedimento para a retirada russa do projeto internacional da ISS está claramente definido em documentos relevantes, segundo o diretor da Rososmos. Os russos estão cientes de que devem avisar com um ano de antecedência aos colegas que vai fazer isso devido a tais e tais circunstâncias. “Dissemos apenas que após 2024 iniciaremos o processo de retirada. Se isso será em meados de 2024 ou em 2025, tudo depende, de fato, também do desempenho da própria ISS. “Mas o fato de que vamos começar a fazer isso também não é segredo, e eu relatei isso ao presidente. Quanto ao aspecto científico, do ponto de vista [russo], a maior parte dos planos para a órbita de inclinação de 51,6° foi cumprida. Do ponto de vista científico, não vemos benefícios adicionais em estender esse processo até 2030. E o dinheiro que será gasto para manter o segmento russo e [continuar] nossa participação é enorme.”

“Portanto, é puramente economicamente conveniente gastar esse dinheiro em uma nova estação para obter uma nova qualidade e a perspectiva de novas realizações científicas. Por quê? Acho que isso também é compreensível. A tecnologia progrediu enormemente nos últimos 24 anos, e os principais módulos para experimentos científicos devem ser equipados com os equipamentos apropriados enquanto ainda estão no solo porque esses equipamentos nem sempre podem ser entregues por naves de transporte . A propósito, nossos colegas internacionais têm uma vantagem nesse sentido. Eles lançaram seus módulos muito mais tarde . E eles ainda não terminaram a lista de experimentos que querem fazer na ISS . Mas até os americanos preveem que a ISS operará, na melhor das hipóteses, até 2030. Repito que a retirada da ISS será feita no estrito cumprimento de nossos compromissos. Além disso, eu diria que esse processo não é instantâneo. Segundo especialistas, pode levar até dois anos.”

“E além disso, por mais lamentável que seja, algum dia a vida útil da ISS chegará ao fim e teremos que desorbitá-la corretamente. De acordo com os colegas ocidentais e nossos especialistas, isso provavelmente não será possível sem a participação da Rússia. Fomos os progenitores dessa ideia, participamos de todas as etapas de sua formação, e agora a ISS está envelhecendo , como tudo neste mundo. Assumiremos a responsabilidade por todas as etapas do ciclo de vida da estação. No que diz respeito aos aspectos políticos, não há nenhum. E acho que não deveria haver. O projeto da ISS enriqueceu os conhecimentos sobre o universo e a Terra, deu a todos os participantes novos conhecimentos e nos uniu até certo ponto. Acredito que tanto agora como no futuro tais projetos devem ser realizados fora da política . Lamento muito que, às vezes, durante esses tempos difíceis, nossos projetos conjuntos no espaço, que são de interesse de toda a humanidade, estão se politizando . Isto está errado.”

A Rússia está traçando um novo curso no espaço

Alguns dos planos de curto prazo da Rússia no espaço não foram afetados por sua guerra com a Ucrânia, pelo menos por enquanto. O astronauta Mark Vande Hei, por exemplo, ainda viajou de volta à Terra num veículo Soyuz da Rússia no final de março, junto com dois cosmonautas. A agência ainda tem planos de levar a cosmonauta Anna Kikina na Crew Dragon da SpaceX ainda este ano. Mas outros aspectos da agenda espacial da Rússia estão agora no ar e possivelmente sinalizam a nova abordagem da Roskosmos. Por um lado, a deterioração das relações entre a Europa e a Rússia já afetou seu trabalho no espaço: a Agência Espacial Européia (ESA) – que representa 22 países europeus – emitiu no final de fevereiro uma declaração reconhecendo sanções contra a Rússia. Em resposta, a Roskosmos atrasou os lançamentos de vários satélites no espaçoporto europeu na Guiana Francesa que deveriam usar seu foguete Soyuz .

Separadamente, a agência espacial russa entrou em um impasse com o Reino Unido sobre os planos de lançar em órbita 36 satélites da empresa de internet por satélite OneWeb. A Roskosmos deveria entregar esses satélites (novamente usando um Soyuz) em março, mas se recusou a fazê-lo, a menos que o Reino Unido vendesse sua participação na empresa e prometesse que os satélites não seriam usados ​​por seus militares. O Reino Unido, que declarou suas próprias sanções contra a Rússia , disse que não estava disposto a negociar . A OneWeb anunciou depois que contrataria a SpaceX para lançar alguns de seus satélites.

Os planos para missões que se aprofundarão no espaço também estão mudando. Após a invasão da Rússia, Romênia , Cingapura e Bahrein disseram que se juntariam aos Acordos Artemis. Quinze outros países, incluindo Polônia e Ucrânia , já haviam assinado o conjunto de princípios liderado pela NASA, que deve orientar como os países exploram o espaço . E embora a Roskosmos devesse enviar um robô a Marte em algum momento deste ano ao lado da ESA, autoridades disseram em fevereiro que esses planos agora são “ muito improváveis ”. Rogozin anunciara que a Rússia barrará os EUA de seu eventual plano de enviar uma missão a Vênus. Rogozin já havia sugerido que Vênus é um “ planeta russo ”.

Ainda não sabemos como a guerra da Rússia com a Ucrânia pode afetar sua colaboração com o programa espacial da China. Nos últimos anos, as agências espaciais dos dois países desenvolveram amplos planos para trabalhar juntos no espaço, incluindo um esforço para construir uma base na Lua . A Rússia também pode ajudar a agencia espacial chinesa CMSA na conclusão de sua própria estação espacial. Não é de surpreender que a CMSA trabalhe com a Roskosmos sobre a NASA. Os EUA excluíram amplamente a China de seu trabalho no espaço : uma lei dos EUA de 2011 impede a NASA de colaborar com a agência espacial da China, e nenhum astronauta chinês jamais visitou a ISS. Essa proibição é um lembrete de que a ISS nunca foi tão “internacional” como o próprio nome indica, e também deu à CMSA ampla razão para construir um programa espacial sofisticado por conta própria.

Ainda não está claro o quanto as tensões internacionais importam para a Rússia. Mais uma vez, a Roskosmos tem planos de construir sua própria estação espacial nacional, que pretende concluir depois de 2025 , e a agência espacial russa já começou a trabalhar no primeiro módulo central da estação . Depois, há o fato de que a Rússia era líder na corrida espacial muito antes de começar a trabalhar com a ISS. Embora as chances pareçam menores a cada dia, sempre há a possibilidade de a Roskosmos se reconciliar com a NASA. Afinal, a União Soviética e os EUA tentaram trabalhar juntos no espaço durante a Guerra Fria – mesmo que os dois países também tentassem superar um ao outro.

Adiamento da exploração lunar tripulada

A Roskosmos está atualmente adiando o trabalho em voos tripulados para a Lua para se concentrar em tarefas mais urgentes, disse Alexander Bloshenko, diretor executivo da corporação estatal de ciência; “Até agora, a questão do foguete russo superpesado foi adiada, assim como o programa lunar. Estamos priorizando assuntos mais urgentes – sensoriamento remoto da Terra e comunicações, o que todos precisam – tanto civis quanto militares. Portanto, o esforço científico mudou ,” ele disse. Segundo ele, a estatal continua trabalhando ativamente no veículo lançador Soyuz-5, que é parte integrante do foguete superpesado. Ao mesmo tempo, o projeto de outro foguete superpesado, o Yenisei, ainda não foi adotado.

A aposta na estação ROSS

O diretor para voos espaciais tripulados Solovyov indicou várias razões para a construção de uma nova estação, além da decisão da administração de se retirar da ISS. Está associado principalmente à depreciação da estação e a um aumento significativo nos custos de tempo e recursos para o reparo do segmento russo. Além disso, está prevista a alteração da inclinação orbital da nova estação ROSS, uma vez que a atual órbita da ISS não permite visualizar todo o território da Rússia. Também está planejado realizar pesquisas médicas e biológicas na nova órbita em condições menos protegidas da radiação cósmica pela magnetosfera da Terra . Isso é necessário para entender o que as futuras expedições interplanetárias terão que enfrentar, que também não terão proteção radiológica. O projeto de construção da ROSS tornou-se uma prioridade , relegando o programa lunar para segundo plano. A Roskosmos também se recusou a participar do programa lunar da NASA. Solovyov confirmou que a ROSS seria visitada e não habitada permanentemente, e isso se deve não apenas ao aumento dos riscos de radiação e saúde para a tripulação, mas também ao alto custo de manter pessoas em órbita. É mais seguro e barato enviar instrumentos automáticos para a estação, que só precisarão ser ajustados periodicamente e realizar manutenção e reparo. O equilíbrio entre a duração e a frequência do voo continua a ser determinado. Mas mesmo agora Solovyov aponta que deve enviar pessoas para ROSS apenas quando a intervenção humana direta for necessária. Se a decisão sobre a construção for tomada antes do final deste ano, a primeira etapa de implantação da estação começará em 2028 com o lançamento do foguete Angara-A5M do Módulo Ciência e Energia (NEM). Será equipado com um bloco de giroscopios para possibilitar o uso do NEM como módulo principal por vários anos. Depois disso, os módulos Nodal (com 6 portas de acoplamento) e câmara despressurizavel (para caminhadas espaciais) serão lançados para o NEM num Angara-A5M em um único pacote.

Em 2030, terá início a segunda etapa de construção. Nela, os módulos Cientifico e de Produção serão acoplados à estação, assim como a Plataforma de Manutenção de Espaçonaves pressurizada será entregue para reequipamento, reabastecimento e envio de novas espaçonaves automáticas para a órbita.

O módulo de produção é necessário para experimentos na área de tecnologia espacial, ciência de materiais espaciais, pesquisas com o desenvolvimento de métodos para obtenção de cristais semicondutores, filmes, inclusive usando epitaxia de feixe molecular. Os componentes serão armazenados e a montagem e teste dos dispositivos automáticos serão realizados. Além disso, o módulo permitirá realizar trabalhos de preparação, ajuste e reparo de amostras testadas de equipamentos avançados.

O módulo cientifico está planejado para ser equipado com estações de trabalho universais externas e racks universais internos conectados a um computador de alto desempenho com rede para troca e armazenamento de informações. Será possível levar equipamentos ao módulo para pesquisas em áreas como medicina espacial, biotecnologia, ciência dos materiais, tecnologia espacial, bem como para observações visuais e instrumentais da Terra, experimentos educacionais e muito mais.

A essa altura, já deverão existir rebocadores interorbitais, que são meios de mover as naves espaciais para a estação e devolvê-las às órbitas. Ao final da segunda etapa, a ROSS atingirá uma massa de cerca de 122 toneladas e um volume hermético de 505 m³. A tripulação será entregue à estação por um nave baseado na Aryol PTK, lançado do cosmodromo de Vostochny num Angara-A5M. Vale ressaltar que no momento a Aryol também não está concluída . Seus testes, de acordo com as expectativas, devem estar concluídos quando começar a implantação da ROSS. Ao mesmo tempo, os preparativos para testar a unidade de resgate de emergência começarão apenas em janeiro de 2024.

Além disso, como Solovyov apontou, o Aryol está sendo desenvolvida para voos à Lua. Mas, segundo ele, se houver vontade e apoio, será possível criar novos tipos de nave unificados para o transporte e suporte técnico da ROSS. De acordo com cálculos preliminares, um nave modificada com uma tripulação de quatro pessoas poderá entregar à estação até 500 kg de carga “seca”, com uma tripulação de dois, até 750 kg. Também é possível entregar até 1,5 tonelada de combustível, até 360 kg de água e até 120 kg de gases.

Como Solovyov disse, com vontade política e financiamento suficiente, a ROSS pode ser usada como base para montar um complexo lunar ou marciano e até implementar esquemas de dois lançamentos nos quais a tripulação espera na estação pela chegada de um estágio superior para realizar um impulso de partida para a Lua. Cálculos preliminares mostram a possibilidade de usar a ROSS como ‘espaçoporto’. Em conclusão, Solovyov observou que a configuração que ele descreveu foi desenvolvida pela RKK Energia. A proposta recebeu o apoio da liderança da indústria e do presidente da Rússia, a primeira etapa do projeto preliminar foi concluída, após a qual será tomada a decisão final sobre a construção da ROSS. Na segunda etapa, detalha-se a composição e a finalidade dos módulos. Se a decisão for tomada e o financiamento for recebido, durante este ano ocorrerá o desenvolvimento de um projeto preliminar e de redução do volume de testes experimentais em solo através do uso de modelos digitais. Após a defesa do projeto preliminar, terá início a etapa de desenvolvimento da documentação técnica. O lançamento dos primeiros módulos, no melhor cenário, está previsto para 2028.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Estágio do foguete chinês que lançou o WenTian reentrou na atmosfera

Foguete de 30 metros desceu no oceano próximo às Filipinas

O estágio principal do foguete Longa Marcha 5B nº Y3 reentrou às 16:55 UTC em 30 de julho de 2022. Os detritos que sobreviveram à passagem do estágio de 30 metros de comprimento e 19 toneladas, feito em ligas de alumínio e aço, caíram na região próximos às ilhas de Panay e Mindanao nas Filipinas, no sul do Mar da China, em 119.0° E e 9.1° N. O foguete transportador com o módulo Wentian para a estação orbital chinesa Tiangong foi lançado do Cosmódromo de Wenchang na ilha de Hainan em 24 de julho. Após 495 segundos, o módulo se separou com sucesso do veículo de lançamento e entrou na órbita pretendida.

O chefe da NASA, Bill Nelson, criticou a China por não fornecer dados sobre as rotas de voo do veículo lançador. A China não forneceu dados de trajetória para o veículo de lançamento Longa Marcha 5B que retornou à Terra. Isso deve ser feito para usar o espaço com responsabilidade e proteger a vida das pessoas , escreveu Nelson no Twitter. Ele observou que possíveis detritos de foguetes podem acarretar sérios riscos de perda de vidas e destruição de propriedades. Nelson fez a crítica aos chineses ignorando os vários casos em que restos do foguetes americanos já caíram em regiões povoadas ou rotas de navios. É fato, porém, que nos últimos anos tem sido prática frequente o controle da trajetória de reentrada de estágios descartados, por parte de americanos, europeus e russos. A China também faz esforços neste sentido quando do lançamento de outros foguetes, mas não no caso do Longa Marcha 5.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

China lança mais um trio de Yaogans

Satélites de sensoriamento remoto são o terceiro grupo colocado em órbita

Longa Marcha 2D número Y65 decola de Xichang

Às 13:28 UTC de 29 de julho de 2022 (21:28 Pequim), o foguete Longa Marcha 2D número Y65 (CZ-2D) da CASC lançou com sucesso outro grupo de três satélites Yaogan-35 do Centro de Lançamento de Satélites Xichang na província de Sichuan, China. Os satélites Yaogan 35 G03 entraram com sucesso na órbita predeterminada e a missão de lançamento foi um sucesso completo. Os satélites são o terceiro lote da família Yaogan-35 e serão usados ​​para experimentos científicos, levantamento de recursos terrestres, estimativa de produção agrícola, bem como prevenção e mitigação de desastres. A China lançou o primeiro lote de satélites Yaogan-35 em 6 de novembro do ano passado e o segundo no mês passado.

O Longa Marcha-2D, um foguete chinês de dois estágios, é usado principalmente para o lançamento de satélites em órbita baixa e sincrona. É fabricado pela Academia de Tecnologia de Voo Espacial de Shangai (SAST), uma subsidiária da Oitava Academia da CASC. Este foi o 30º lançamento do LM-2D, e o foguete usado nesta missão foi uma configuração de dois estágios. Nesse formato, o comprimento total do veículo lançador excede 41 metros e a massa de decolagem é de 232 toneladas.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

China estréia seu maior foguete de propelente sólido

O ZK-1A ‘Lijian-1’ colocou seis satélites em órbita

ZK-1A decola de Jiuquan

Às 12h12 de 27 de julho de 2022 (04:12 UTC), seis satélites, incluindo um de teste de tecnologia espacial e um para sondar a densidade atmosférica, foram lançados por um novo foguete transportador Lijian-1 a partir do Centro de lançamento de satélites de Jiuquan. Esta missão transportou um total de seis satélites: o satélite de teste de nova tecnologia espacial desenvolvido pelo Instituto de Inovação de Microssatélites da Academia Chinesa de Ciências, o satélite de teste de detecção de densidade atmosférica, um satélite de teste de distribuição de chave quântica de baixa órbita, um satélite duplo de teste de montagem eletromagnética e o “Nanyue Science Star” desenvolvido pela Shanghai Aerospace Technology Co., Ltd. O “satélite de teste de tecnologia espacial” é uma plataforma de satélite de teste de nova tecnologia espacial universal, escalável e de resposta rápida, que realizará experimentos em novas cargas úteis de ciência espacial.

Imagem promocional dos satélites colocados em órbita pelo novo foguete

Os satélites foram:
Kongjian Xinjishu Shiyan (Experiências com novas tecnologias no espaço)
Guidao Daqimidu Tance Shiyan (Teste de detecção de densidade atmosférica orbital)
Diguidao Liangzi Mishifenfa Shiyan (Experiência de distribuição de chave quântica de orbita baixa)
Dianci zuzhuang Shiyan (Montagem eletromagnética de teste – dois satélites)
Huawan-Nanyue Kexue (experimento Huawan Nanyue)
Exceto o último, outros também são nomeados como Chuangxin X5 (创新5).

Satélites em voo com o último estágio do foguete

“O Jinan No. 1 entrou na órbita estabelecida, e seu painel solar foi aberto com sucesso – e seu teste em órbita será realizado em breve. O desenvolvimento bem-sucedido do satélite quântico permitirá que a China realize a distribuição de chaves quânticas satélite-terra em tempo real entre satélites e estações terrestres miniaturizadas pela primeira vez, e construir uma rede de comunicação segura Quantum de integração espaço-terra prática e de baixo custo.” – anunciou a mídia oficial chinesa. O satélite também é chamado Diguidao Liangzi Mishifenfa Shiyan (Experiência de distribuição de chaves quânticas de baixa órbita). O “satélite quântico micro-nano” foi desenhado pelo Laboratório Nacional de Hefei e desenvolvido em conjunto pela Universidade de Ciência e Tecnologia da China, o Instituto Jinan de Tecnologia Quântica, o Instituto de Inovação de Microssatélites da Academia Chinesa de Ciências e o Instituto de Física Técnica de Shangai. Com o apoio do Comitê de Gerenciamento da Zona de Alta Tecnologia de Jinan, o Instituto Jinan de Tecnologia Quântica é responsável por organizar o desenvolvimento de sistemas de aplicação terrestre e, como usuário, realiza a verificação geral da tecnologia de aplicação de distribuição de chaves quânticas.

O Jinan-1 é o segundo aparelho de comunicação quântica lançado pela China após o lançamento do satélite experimental “Mozi” em 16 de agosto de 2016, lançado por um o foguete Longa Marcha 2D no Centro de Lançamento de Jiuquan.. Com base na pesquisa e desenvolvimento e experimentos do satélite experimental, a equipe de pesquisa abordou com sucesso tecnologias-chave, como tecnologia de distribuição de chaves quânticas miniaturizadas de baixo custo e tecnologia de extração de chaves em tempo real, que aumentam a frequência da fonte de luz em cerca de seis vezes e melhora a pontualidade da geração de chaves em 2 a 3 ordens de magnitude. A mídia chinesa afirmou ainda que
“… o lançamento bem-sucedido e a operação em órbita do Jinan No. 1” será seguido por uma demonstração de aplicações de redes de comunicação quântica de área ampla comercializadas por meio de uma estação terrestre miniaturizada em Jinan, que ajudará a China a expandir sua presença internacional no campo da comunicação quântica espacial.

O novo foguete chinês

O foguete de propelente sólido Lijian-1 ( ZhongKe 1A ou ZK-1A) foi desenvolvido independentemente pela Zhongke Aerospace Exploration Technology Co., Ltd. sob a Academia Chinesa de Ciências. O novo veículo de quatro estágios com peso de lançamento de 135 toneladas, um impulso de decolagem de 200 toneladas-força, um comprimento total de 30 metros, diâmetro de estágio central de 2,65 metros, e um diâmetro de carenagem de 2,65 metros. É capaz de alcançar e uma órbita síncrona solar de 500 quilômetros com um capacidade de carga de 1.500 quilos. A missão marcou o primeiro voo do modelo. O foguete é uma parte do 14º Plano Quinquenal da Academia Chinesa de Ciências, e foi desenhado pelo Instituto de Mecânica. De acordo com o arranjo do primeiro projeto de voo, a equipe de teste do Instituto de Mecânica é composta por seis departamentos com um total de 174 membros, incluindo 54 membros do partido comunista chinês. Este lançamento marcou a 26ª missão orbital para a China em 2022 e a 90ª em todo o mundo.

Lijian-1 ‘ZhongKe 1A’

O foguete Lijian-1 ‘ZhongKe 1A’ possui “… uma série de recursos como grande capacidade de carga, alta precisão orbital, alta confiabilidade inerente, velocidade de resposta rápida, alta eficiência de lançamento, baixos requisitos de segurança, baixo custo de lançamento, uso flexível e conveniente e boa adaptabilidade ambiental, Com excelentes vantagens, é adequado para lançamento de rede de baixo custo e rápido de órbita média/baixa para cargas de satélites médios/pequenos”, disse a mídia oficial chinesa.

A CAS Space é um braço comercial da Academia Chinesa de Ciências . A empresa arrecadou US$ 31 milhões em 2021, mas os principais investidores foram CITIC Juxin, em última análise de propriedade da empresa estatal de investimentos CITIC Group Corporation, Zhongke Chuangxing, um fundo acelerador criado pela CAS, e Yuexiu Industrial Investment, outro veículo de investimento estatal, operando na Grande Área da Baía Guangdong-Hong Kong-Macau. A base industrial da CAS Space foi estabelecida no distrito de Nansha em Guangzhou, capital da província de Guangdong. Nansha afirma que pretende promover uma cadeia industrial completa, incluindo foguetes, satélites e aplicações downstream. Subsidiárias espaciais da montadora Geely, incluindo Geespace, Shanghe Aerospace e Xingkong Zhilian também se estabeleceram em Nansha.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Rússia deve começar a abandonar a ISS em 2024

Decisão de deixar o projeto internacional nasceu há um ano

A ROSS deverá ser montada a partir de 2025 em uma órbita que permitirá uma cobertura do território russo

“A decisão de retirar a Rússia do projeto da Estação Espacial Internacional (ISS) após 2024 foi tomada, e todas as obrigações com os parceiros serão cumpridas.” O anúncio foi feito na terça-feira, 26 de julho de 2022, em uma reunião do presidente russo Vladimir Putin e diretor-geral da agência espacial Roskosmos, Yuri Borisov. “Cumpriremos todas as nossas obrigações com nossos parceiros, mas a decisão de deixar a ISS após 2024 foi tomada”, disse Yury Borisov ao presidente. O chefe da Roskosmos também falou sobre o início da formação da Estação de Serviço Orbital Russa (ROSS).

A criação da estação ROSS foi apontada como uma das prioridades mais importantes para os próximos anos. Além disso, o novo diretor geral da indústria espacial pretende desenvolver sistemas de satélites para fornecer serviços espaciais à economia do país. De fato, Borisov repetiu ao presidente suas próprias palavras há um ano sobre os planos de reduzir o trabalho na ISS após 2024 devido à grave deterioração dos sistemas e equipamentos em nosso segmento russo. “É só que, em 12 de abril de 2021, essa decisão, claramente solicitada ao presidente pelo ex-chefe da Roskosmos Dmitry Rogozin, provavelmente não foi preparada até o fim”, sugere o chefe do Instituto de Política Espacial, Ivan Moiseev . “- Ou partimos imediatamente, ou amanhã, ou mais tarde… ao longo do ano, datas específicas “flutuavam”. No entanto, agora ficou claro que confirmamos que adiamos essa decisão de um ano atrás, e todos os acordos assinados anteriormente com a NASA permanecem em vigor até 2024.

Assim foi o diálogo do presidente russo com o chefe da agência espacial:

Putin: No que diz respeito à cosmonáutica tripulada, quais são as idéias sobre o que precisa ser feito no futuro próximo?
Borisov: Senhor Putin, você sabe que estamos trabalhando no âmbito da cooperação internacional na Estação Espacial Internacional. É claro que cumpriremos todas as nossas obrigações para com nossos parceiros, mas a decisão de deixar a estação após 2024 foi tomada. Acho que a essa altura começaremos a montar a estação orbital russa. Acredito que o futuro da cosmonáutica tripulada russa, antes de tudo, deve se basear em um programa científico equilibrado e sistemático, para que cada voo nos enriqueça com conhecimentos na área espacial.
Putin: Ótimo.

De acordo com o plano, a primeira etapa da montagem da estação ROSS foi postada no canal de telegramas da estatal. Isso envolve o lançamento do módulo científico e energético básico (NEM), os módulos de entroncamento e câmara de ar em uma órbita de alta latitude, o que permitirá o levantamento de todo o território da Rússia, incluindo o Ártico e a Rota do Mar do Norte (os Estados Unidos são melhor vistos da ISS). Na primeira etapa, apenas dois cosmonautas poderão permanecer na estação. Na segunda fase, o número pode dobrar devido ao advento dos módulos de laboratório e produção, bem como da plataforma de serviços de satélites.

Em março, a Roskosmos admitiu que o governo russo não poderia estender o acordo sobre a participação da corporação no programa da ISS até 2024 devido às sanções dos EUA e da UE impostas em resposta à operação militar na Ucrânia. A NASA enfatizou anteriormente que eles continuavam a cooperar com a Roskosmos no trabalho da ISS. O chefe da NASA, Bill Nelson , destacou que a relação dos astronautas com os colegas da Rússia na estação continua funcionando e profissional.

Quanto a segunda tarefa – fornecer à economia do país comunicações de alta qualidade, navegação por satélite, mapas espaciais, o quão bem a indústria lida com a substituição de importações terá um grande papel . – Esta é a pergunta mais importante – diz Ivan Moiseev- Teremos dinheiro suficiente para tudo nas novas condições? Se criarmos foguetes principalmente por conta própria, a participação das importações na criação de satélites é muito alta – até 80% para alguns dispositivos. Se antes podíamos escolher o melhor dos melhores, agora a escolha é restrita – apenas a China. Para criar algo de alta qualidade e próprio, você precisa de tempo e dinheiro. Mas, aparentemente, o presidente , que anteriormente supervisionou a Roskosmos através de seu vice-primeiro-ministro, tem certeza. “…Você conhece as perspectivas, conhece nossas vantagens competitivas, as questões que exigem atenção especial”, disse ele, dirigindo-se ao novo chefe.

NASA anuncia planos para continuar o trabalho na ISS após saída russa

Representantes da NASA informaram que a Rússia não notificou oficialmente o lado americano da retirada do projeto da ISS após 2024. É sabido que a agencia espacial americana continuará a operar a Estação Espacial Internacional até 2030, disse Joel Montalbano, chefe do programa americano da ISS, em entrevista coletiva com a Agência Aeroespacial Nacional. Ele comentou as palavras do diretor geral da Roskosmos sobre a intenção de deixar a ISS após 2024. “Vamos nos aproximar de 2030 com força total”, disse Montalbano, citado pelo editor da SpaceNews, Jeff Foust, no Twitter. A Reuters , citando um alto funcionário da NASA, relatou que a Rússia não notificou o lado americano de seus planos. O astronauta Kjell Lindgren, que está atualmente na ISS, confirmou isso por meio de um link de vídeo durante a conferência: de acordo com ele, os tripulantes que estão na estação “trabalham juntos”. Agora a bordo da ISS, além de Lindgren, estão os astronautas da NASA Robert Hines, Samantha Cristoforetti e Jessica Watkins, bem como os cosmonautas da Roskosmos Oleg Artemyev, Denis Matveev e Sergey Korsakov.

Em fevereiro, a NASA admitiu que a operação da ISS poderia cessar no início de 2031. De acordo com o plano americano, a esta altura a estação começará a descer lentamente e depois entrará na atmosfera. Seus destroços devem cair em uma zona desabitada no Pacífico Sul, perto do chamado Point Nemo.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Arianespace estréia o Vega-C

Novo foguete de classe leve lançou satélite científico e mais seis ‘cubesats’

O Vega-C decolou de Kourou

O novo foguete Vega C da Europa foi lançado para seu voo de estreia de Kourou, Guiana Francesa, na quarta-feira (13 de julho de 2022), após um atraso de duas horas. O foguete “pulou da plataforma de lançamento como um carro de corrida Jaguar”, como os comentaristas de lançamento o descreveram, às 9h13 EDT (13:13 GMT; 10h13, horário local de Kourou). A sequência automática de pré-lançamento sincronizada, que assume a contagem regressiva quatro minutos antes da decolagem, interrompeu o procedimento duas vezes , primeiro antes do lançamento oficialmente programado às 7:13 EDT (1113 GMT), depois durante uma segunda tentativa uma hora depois. Uma vez que o Vega C de 35 metros de altura ultrapassou a plataforma de lançamento, continuou sem problemas, incluindo quatro ignições do estágio superior Avum +, uma versão atualizada do usado no foguete Vega original.

O Vega C, desenvolvido pela Agência Espacial Europeia (ESA) será operado a partir de agora pela empresa francesa Arianespace, e é consideravelmente mais potente que o Vega original , que voa desde 2012. Além do estágio superior Avum atualizado, ele apresenta novos motores , P120C e Zefiro-40 em seus primeiro e segundo estágios, respectivamente. O Vega C pode levar 2,3 toneladas para uma órbita polar , em comparação com 1,5 tonelada para o Vega anterior, disseram funcionários da ESA. O Vega C também possui cerca de duas vezes o volume de carga útil de seu antecessor, graças à sua carenagem maior. “O Vega C está bem adaptado para uma ampla gama de missões, de nanossatélites a naves espaciais de observação óptica e radar ”, disseram representantes da Arianespace. “Os adaptadores de carga útil facilitarão o transporte pelo Vega C de vários satélites, incluindo configurações com cargas úteis primárias acompanhadas por cubesats ou microsats”.

A missão de estreia exibiu essa capacidade. O Vega C lançou sete satélites – uma espaçonave principal e seis cubesats de ‘carona’. A carga útil principal era o LARES-2, um satélite de 295 quilos desenvolvido pela Agência Espacial Italiana.

“Uma vez em órbita, o caminho do LARES-2 será rastreado por laser, a partir de estações terrestres”, disseram funcionários da ESA. “O objetivo da missão é medir o chamado efeito de arrasto de quadro, uma distorção do espaço-tempo causada pela rotação de um corpo massivo como a Terra, conforme previsto pela teoria geral da relatividade de Einstein. Seu antecessor, o similar LARES , foi a principal carga útil no voo inaugural de 2012 do Vega.”

Discriminação dos componentes do novo foguete, com seus fabricantes e fornecedores

Um dos seis cubesats testará uma nova maneira de detectar biomoléculas no espaço, enquanto outro investigará o crescimento de plantas em microgravidade. Um terceiro visa esclarecer as auroras e outros fenômenos relacionados à magnetosfera da Terra, disseram funcionários da ESA. Os outros três cubesats, incluindo um desenvolvido pelo CERN , estudarão os efeitos da radiação espacial na eletrônica. O LARES-2 foi colocado na órbita da Terra como planejado uma hora e 24 minutos após a decolagem. Os seis cubesats seguiram cerca de uma hora depois. A estreia de Vega C fez parte de um período movimentado em voos espaciais. O foguete europeu decolou menos de sete horas depois que a Rocket Lab lançou um satélite espião para o Escritório Nacional de Reconhecimento dos EUA, por exemplo. E a SpaceX planejava lançar uma cápsula de carga robótica Cargo Dragon em direção à Estação Espacial Internacional na noite de quinta-feira (14 de julho). O Vega C junta-se ao Vega original e ao foguete pesado Ariane 5 no rol de foguetes da Arianespace. A empresa também está desenvolvendo outro foguete, o Ariane 6, para substituir o Ariane 5; o primeiro voo desse novo foguete está previsto para 2023. A Arianespace também operava foguetes Soyuz de fabricação russa até recentemente. Mas a parceria que permitia tais missões se dissolveu depois que a Rússia invadiu a Ucrânia em fevereiro passado.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Módulo se acopla à estação espacial chinesa

‘Wentian’ foi lançado no domingo e é o segundo do complexo espacial do país

Taikonauta chines entra no Wentian

O módulo-laboratório Wentian acoplou com sucesso à estação espacial da China nas primeiras horas de 25 de julho de 2022. O módulo, lançado 13 horas antes, encaixou na “cabine principal” (o módulo-base) Tianhe, marcando a primeira vez do país em que duas espaçonaves de 20 toneladas completaram uma manobra de acoplagem em órbita. A ‘atracação’ foi às 03:24 hora de Pequim. A manobra seguiu o seguinte cronograma: 19:08 UTC, capturada pelo mecanismo de acoplamento do Tianhe; 19:13 UTC, hora oficialmente reconhecida de engate com captura inicial e retração do sistema; 19:24 UTC, sistema de engate fixado e protegido (com encaixe hermético).
Os astronautas Chen Dong, Liu Yang e Cai Xuzhe entraram no Wentian às 02:00 UTC de 25 de julho, 20 horas após o lançamento e sete horas após seu acoplamento com a Estação Espacial Tiangong. Às 10h03, horário de Pequim, os tripulantes da espaçonave Shenzhou-14 abriram a escotilha do módulo e entraram lá com sucesso , disse o Escritório do Programa Espacial Tripulado da China (CMSA). Esta foi a primeira vez que os astronautas chineses entraram no módulo em órbita.

Minutos antes de abrir a escotilha do sistema andrógino de acoplagem entre o módulo-base TianHe e o recém-chegado módulo-laboratória WenTian

O Wentian foi acoplado inicialmente na porta frontal do TianHe, e será realocado nos próximos dias na porta lateral direita, sua localização permanente. Em outubro, seguirá outro módulo de 20 toneladas, o MengTian, que fará a mesma manobra e será finalmente acoplado na porta esquerda do módulo-base, formando um complexo em forma de letra “T”.

Configuração de encaixe inicial do complexo espacial

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

SpaceX lança mais um lote de Starlinks

Grupo 4-25 eleva para 2.141 o número desses satélites em operação

Foguete B1062.8 decola de Cabo Canaveral

Em 24 de julho de 2022 às 13:38 UTC (10:38 Brasilia) da plataforma LC-39A do Centro Espacial Kennedy, foi lançado um foguete Falcon 9 com 53 satélites Starlink para a órbita baixa terrestre. A pilha de satélites do “Grupo 4-25” foi colocada em uma órbita inicial de 232 por 338 quilômetros, com 53,2 graus de inclinação – para que depois cada um seja direcionado a sua altitude final de 540 km.
Este foi o oitavo voo do primeiro estágio do foguete: o B1062 pousou com sucesso na plataforma flutuante A Shortfall Of Gravitas , no Oceano Atlântico a leste de Charleston, Carolina do Sul. O navio de apoio Doug fez a captura das conchas da carenagem do nariz na água.

Resumo do lançamento

Estatísticas de lançamento da missão Starlink-4.25

  • 6º lançamento do mês
  • 8º voo do estágio B1062
  • 33º lançamento em 2022
  • 59º pouso de ‘booster’ bem sucedido consecutivo
  • 96º evento de concha de carenagem reutilizado
  • 104 pouso bem sucedido de estágio na plataforma
  • 133º pouso de estágio bem sucedido
  • 142º lançamento bem sucedido da SpaceX em sequência
  • 167º lançamento do Falcon 9
  • 175º lançamento da SpaceX.
    Constelação Starlink:
  • 2.957 satélites lançados
  • 2.702 em órbita
  • 2.141 em operação
Foguete na zona transônica

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

China lança módulo de expansão de sua estação espacial

“WenTian” decolou de Wenchang num foguete Longa Marcha 5B

O foguete Longa Marcha 5B decolou de Wenchang pesando 837.500 kg, com 53,66 metros de comprimento e 11,70 metros de largura

A China lançou no domingo, 24 de julho de 2022 às 06:22 UTC (14:22 hora local, 03:22 de Brasilia), o Módulo de Laboratório Wentian (问天实验舱 – Wen Tian Shiyan Kang ), o primeiro módulo extra da estação espacial chinesa , em órbita baixa terrestre com uma altitude média de 393 quilômetros. O módulo Wentian funcionará tanto como um back-up para o módulo principal da estação quanto como uma plataforma para a realização de experimentos científicos. O foguete-portador Longa Marcha 5B-nº Y3 (CZ-5B Y3) que transportou o módulo decolou do Espaçoporto de Wenchang, localizado na costa da província insular chinesa de Hainan, informou o Escritório do Programa Espacial Tripulado da China.
Está planejado que o Wentian se acople automaticamente na porta frontal do módulo base TianHe (天和核心舱 – Tian He Hexin Kang) da estação. Posteriormente, um braço manipulador robótico montado nele o transferirá para a porta lateral direita. De acordo com a midia oficial, o encaixe será em torno de 13 horas após o lançamento, ou por volta das 19:00 UTC – 16:00 Brasilia. Quando o Wentian se aproximar do Tianhe, a tripulação do módulo principal, que chegou lá na espaçonave Shenzhou-14, irá acoplá-lo no compartimento frontal principal do Tianhe para, em seguida, reconectar-se à porta lateral.
O módulo experimental consiste em dois compartimentos – trabalho e serviço, bem como uma câmara de ar, a partir da qual se planeja realizar saídas de taikonautas para o espaço. O módulo possui três beliches para tripulantes, um banheiro e uma cozinha. O Wentian tem um comprimento de 17,7 m, um peso seco de cerca de 21,5 toneladas, uma massa de propelemtes de 1,55 toneladas, e um peso de lançamento de mais de 23 toneladas.

O foguete lançador na preparação

Graças ao espaço adicional, a China poderá alternar as tripulações em órbita pela primeira vez no final deste ano, com seis taikonautas na estação ao mesmo tempo, por uma semana.

Esquema externo do módulo

De acordo com a Administração do Programa de Voo Tripulado da China, há racks equipados dentro do módulo para a realização de experimentos científicos, e do lado de fora há painéis solares para alimentar a espaçonave com eletricidade e adaptadores para colocar cargas úteis. No futuro, está prevista a colocação em operação de um braço-manipulador robótico de 5 metros de comprimento, que complementará o trabalho do braço principal de dez metros instalado no módulo base. Espera-se que a estação espacial chinesa Tiangong seja concluída este ano, transformando-a de um complexo de módulo único em um laboratório espacial com três módulos – o módulo principal Tianhe e dois de laboratório, Wentian e Mengtian. O módulo Tianhe foi lançado em abril de 2021, e o Mengtian está programado para outubro deste ano. Além disso, está previsto o lançamento de um módulo adicional, “Xuntian”, que é um telescópio espacial de 2 metros – e no futuro a estação poderá ser expandida para seis módulos e deverá funcionar por 10-15 anos em órbita da Terra.

Longa Marcha 5B número Y3 usado para lançar o Wentian
Emblema da missão de lançamento do WenTian
Imagem de TV embarcada da seção de propulsao do WenTian logo após se separar do estágio de ‘core’ do foguete Longa Marcha
Imagens das câmeras externas do módulo mostrando a extensão bem-sucedida dos painéis solares e a porta da eclusa de saída extraveicular
Renderização do módulo após a separação do foguete
WenTian na bancada movel (‘bogie’) no prédio de montagem, abastecimento e testagem na Ilha de Hainan

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

SpaceX lançou mais 46 Starlinks hoje

O ‘Grupo 3-02’ entrou em órbita quase-polar

Foguete decolou de Vandenberg

A SpaceX confirmou a colocação de 46 novos satélites de Internet Starlink, completando seu 52º lançamento dedicado de banda larga com financiamento privado. A empresa lançou 2.904 satélites Starlink até o momento, incluindo satélites já desativados. Um foguete Falcon 9 v1.2 FT BL5 lançou os Starlink (Starlink-52, Group 3-02) do Space Launch Complex 4 East (SLC-4E) da Vandenberg Space Force Base em Califórnia, em 22 de julho de 2022, às 17h39 UTC (14h39 Brasilia). Após a separação dos estágios, o ‘core’ de primeiro estágio pousou na balsa-drone ASDS Of Course I Still Love You (OCISLY), estacionada no Oceano Pacífico. O primeiro estágio do Falcon 9 (B1071) anteriormente lançou três missões: NROL-87, NROL-85 e SARah-1. A reentrada de detritos do segundo estágio estava prevista para o sul do Pacífico.

A carga útil, quarenta e seis satélites Starlink, foram colocados em uma órbita final de 97,6 graus de inclinação em trajetória sul-sudoeste com altitude média de 540 km.

Transmissão ao vivo no Canal do Homem do Espaço

Estatísticas sobre a missão de hoje:
166º de um foguete Falcon 9 desde 2010
174º lançamento da família de foguetes Falcon desde 2006
4º lançamento do Falcon 9 booster B1071
108º voo de um booster Falcon reutilizado
52º lançamento dedicado de satélites Starlink
26º lançamento da SpaceX da Base da Força Espacial Vandenberg
32º lançamento do Falcon 9 de 2022
32º lançamento orbital da SpaceX em 2022
7ª tentativa de lançamento orbital baseada em Vandenberg em 2022

Trajetória terrestre do lançamento (ground track)

A empresa de Elon Musk informa que cada satélite Starlink apresenta um design compacto de tela plana que minimiza o volume, permitindo que uma “pilha” de lançamento ‘densa’ aproveite ao máximo os recursos de lançamento do Falcon 9. Com quatro antenas tipo “phased array” e duas antenas parabólicas em cada satélite. “Ao final de seu ciclo de vida, os satélites utilizam seu sistema de propulsão a bordo para desorbitar ao longo de alguns meses. No caso improvável de seu sistema de propulsão se tornar inoperante, os satélites queimarão na atmosfera da Terra dentro de 1 a 5 anos, significativamente menos do que as centenas ou milhares de anos necessários em altitudes mais altas. Além disso, os componentes Starlink são projetados para total desativação.”

‘Core’ de primeiro estágio pousou na balsa-drone
Foguete F9 v1.2 FT BL5 com satélites Starlink sob a carenagem de cabeça

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

SpaceX adia para hoje o lançamento de 46 Starlinks

O ‘Grupo 3-02’ entrará em órbita quase-polar

Resumo atualizado do lançamento

A SpaceX adiou o lançamento de mais um lote de satélites Starlink (o Grupo 3-02) ontem à tarde devido a um problema com uma válvula num dos motores, a partir a partir da plataforma SLC-4E do polígono de Vandenberg SFB, Califórnia, EUA. Por volta das 14:37 Brasilia, a voz do RC (Range Coordinator, coordenadora de área) , Julie Black, anunciou: “LD is go for launch.” (“o diretor de lançamento – LD- deu o OK para prosseguir”); depois “… e atenção na rede: temos um aborto de lançamento”, para em seguinda anunciar : “… este é RC na contagem regressiva. Estejam cientes de que declaramos um adiamento hoje em Whisky 2313. Reciclagem [repetição da tentativa] de 24 horas.” O sequenciador de computador da contagem regressiva abortou a sequência de pré-lançamento em T-menos 46 segundos. A SpaceX identificou o motivo para o adiamento como “a posição não-nominal de uma válvula de reserva em um dos motores Merlin-1D” do primeiro estágio. Os parâmetros climáticos e a segurança do polígono militar em Vandenberg estavam favoráveis para o lançamento.

Por isso, a decolagem do foguete Falcon 9 v1.2 FT BL5 acontece hoje, 22 de julho de 2022 às 17:39 UTC (14:39 Brasilia). O ‘core’ de primeiro estágio é o booster 1071.4. A aterrissagem do ‘core’ será na balsa-drone ASDS Of Course I Still Love You (OCISLY). A missão prevê a recuperação das duas metades da carenagem de proteção do foguete a aproximadamente a 635 km de distância da costa pelo navio NRC Quest. A reentrada de detritos do segundo estágio está prevista para o sul do Pacífico.

A carga útil são quarenta e seis satélites Starlink, a serem colocados em uma órbita final de 97,6 graus de inclinação em trajetória sul-sudoeste com altitude média de 540 km. O primeiro estágio B1071 fez anteriormente os lançamentos dos satélites NROL-87, NROL-85 and SARah-1.

Transmissão ao vivo no Canal do Homem do Espaço
Trajetória terrestre do lançamento (ground track)

A empresa de Elon Musk informa que cada satélite Starlink apresenta um design compacto de tela plana que minimiza o volume, permitindo que uma “pilha” de lançamento ‘densa’ aproveite ao máximo os recursos de lançamento do Falcon 9. Com quatro antenas tipo “phased array” e duas antenas parabólicas em cada satélite. “Ao final de seu ciclo de vida, os satélites utilizam seu sistema de propulsão a bordo para desorbitar ao longo de alguns meses. No caso improvável de seu sistema de propulsão se tornar inoperante, os satélites queimarão na atmosfera da Terra dentro de 1 a 5 anos, significativamente menos do que as centenas ou milhares de anos necessários em altitudes mais altas. Além disso, os componentes Starlink são projetados para total desativação.”

Área de reentrada do segundo estágio
Foguete F9 v1.2 FT BL5 com satélites Starlink sob a carenagem de cabeça

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Rússia faz mais uma caminhada espacial na ISS

Cosmonautas continuaram a configurar braço-robótico europeu

Cosmonautas trabalham junto ao compartimento Poisk

A quarta EVA (extravehicular activity – atividade extraveicular, ou VKD) russa deste ano foi concluída ontem, 21 de julho de 2022, quando o cosmonauta da Roskosmos Oleg Artemiev, e a astronauta da Agência Espacial Europeia Samantha Cristoforetti, membros da 67ª expedição da Estação Espacial Internacional, completaram uma caminhada espacial para configurar o braço-robô europeu ERA no exterior do módulo russo Nauka. A escotilha de saída do módulo de pesquisa Poisk foi fechada em às 00:54 do dia 22, horário de Moscou – 18:54 do dia 22 em Brasilia, concluindo uma atividade de 7 horas 4 minutos e 12 segundos.

Os cosmonautas completaram as seguintes tarefas na atividade extraveicular VKD-54:

  • Lançamento de oito nanossatélites YuZGU-55 e dois nanossatélites Tsiolkovsky-Ryazan, sob o programa de experimentos científicos e educacionais Radioskaf
  • Transferência da plataforma do adaptador do módulo Poisk para o módulo Nauka
  • Instalação de um adaptador do manipulador ERA no Nauka
  • Substituição de uma moldura de placas de proteção na câmera de vídeo CLU-2 no atuador de extremidade CE-2 do manipulador ERA
  • Colocar o painel de controle externo ERA no Nauka em modo de segurança
  • Cobertura do sistema de montagem do manipulador ERA com isolamento térmico
  • Instalação de bloqueadores nas lanças de carga Strelas GStM-1 e GStM-2;
  • colocação da lança de carga Strela GStM-2 entre os módulos Zarya e Poisk.
  • Tarefa adicional: instalar a segunda plataforma do adaptador no módulo Nauka
Artemyev usou o escafandro com listras laranjas e Samantha, o de listras azuis

Durante a saída de 7 horas e 4 minutos, eles lançaram oito nanossatélites YuZGU-55 e dois nanossatélites Tsiolkovsky-Ryazan, criados por estudantes da Universidade Estatal do Sudoeste e da Universidade Estatal de Radiotecnica Ryazan. Os satélites YuZGU-55 continuarão a realizar as tarefas dos quatro Tanyusha-YUZGU lançados da ISS em 2017-2018 – testando uma constelação inteligente e autônoma e pesquisando a superfície da Terra. Artemiev e Cristoforetti lançaram os 10 nanossatélites durante o EVA, estabelecendo um novo recorde na ISS, sob o programa Radioskaf, estabelecendo assim um novo recorde para o número de pequenas espaçonaves lançadas durante uma saída para o espaço sideral.
Os astronautas lançaram seis YuZGU-55 No. 5 a 10, entregues à ISS em fevereiro no Progress MS-19, e quatro YuZGU-55 No. 11 e No. 12 e Tsiolkovsky-Ryazan No. 1 e Nº 2, entregues no Progress MS-20.
Durante o lançamento de um dos nanossatélites, a pequena espaçonave tocou o painel solar da ISS e sua estrutura duas vezes. “Está tudo bem, ele tocou suavemente”, comentou Artemiev. Os satélites Tsiolkovsky-Ryazan carregam equipamentos de transmissão de rádio projetados para calibrar a sensibilidade dos radiotelescópios do Observatório de Radioastronomia Pushchino. Ao mesmo tempo, podem emitir sinais de rádio especializados para estudar os efeitos da propagação das ondas através da ionosfera usando equipamentos de recepção de rádio.

Nanossatélite lançado à mão pelo cosmonauta Artemyev

O ERA será o primeiro robô capaz de “andar” do lado de fora do segmento russo da ISS, andando entre pontos de fixação no Nauka e no Poisk. O sistema de controle permite que o robô “ande” de forma independente, movendo-se de um ponto de fixação para outro. O manipulador, com um comprimento de 11,3 metros quando estendido, consiste em duas seções longas simétricas conectadas por uma dobradiça e dois “pulsos”. Em vez de mãos, existem os chamados atuadores EES (End Effectors) nas extremidades – elementos usados para segurar a estação, pegar carga e ajudar os astronautas, inclusive para movê-los entre os locais de trabalho. As “juntas” proporcionam ao manipulador alta mobilidade ; pode alcançar objetos a uma distância de 9,7 metros e transportar cargas de oito toneladas a uma velocidade de até 10 cm/s e com precisão de posicionamento de até 5 mm. Ao mesmo tempo, a massa do próprio braço é de apenas 630 kg.

Cosmonautas já de volta ao compartimento Poisk

O dia 21 de julho de 2022, marcou exatamente um ano desde o lançamento do módulo de laboratório multifuncional russo “Nauka” para a Estação Espacial Internacional. O módulo foi lançado por um foguete Proton-M do cosmódromo de Baikonur. Oito dias depois, ele acoplou no segmento russo da ISS. O módulo é projetado para aprimorar as capacidades técnicas e operacionais do segmento russo e garante a implementação do programa de pesquisa no interesse da ciência fundamental e da esfera social. Em setembro de 2021, os cosmonautas da Roskosmos Oleg Novitsky e Pyotr Dubrov, durante duas caminhadas espaciais, colocaram e conectaram cabos de energia, cabos de rede e televisão e cabos do sistema de rádio de Kurs ao módulo Nauka. Em duas caminhadas espaciais em abril de 2022, Oleg Artemiev e Denis Matveev começaram a preparar para operação o manipulador europeu ERA. Este trabalho continuou hoje com Artemiev e Cristoforetti. Em saídas futuras, usando o ERA, está planejado transferir a câmara de ar do pequeno módulo de pesquisa Rassvet e instalar um trocador de calor de radiação adicional no módulo Nauka.

Como foi trabalhar com o ‘Orlan-MKS’ – Samantha Cristoforetti contou ao correspondente especial da TASS, seu colega Oleg Artemyev, sua opinião sobre como foi trabalhar com o escafandro Orlan MKS: “Foi confortável trabalhar. Na Terra, fiz treinamento nos trajes americanos e russos. O russo Orlan-MKS é ágil e está sempre pronto para trabalhar com qualquer antropometria” disse Cristoforetti. Acima de tudo, a astronauta lembrou-se da tarefa de lançar pequenos veículos no programa Radioskaf, quando, junto com Artemyev, estabeleceu um recorde de número de satélites lançados durante uma caminhada espacial. “A preparação para a tarefa ocorreu completamente a bordo da ISS. Foi necessário pensar em como retirar os dispositivos para que eles não se emaranhassem (os satélites foram presos com adriças especiais)”, acrescentou. Cristoforetti não teve dificuldades durante as negociações, pois fala vários idiomas, inclusive russo.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Russos e europeus deixam guerra de lado e fazem trabalho conjunto no espaço

Artemyev e Cristoforetti trabalharão no braço-robô ERA apesar de embate retórico

Grafico com as tarefas resumidas da atividade extraveicular

Depois de muitas ameaças, europeus e russos finalmente começaram a trabalhar no braço robótico ERA, instalado no módulo russo Nauka: O russo Oleg Artemyev e a italiana Samantha Cristoforetti vão fazer uma atividade extreveicular (EVA, ou VKD em russo) para montar aparelhos e configurar os mecanismos do braço-robô europeu encaixado no exterior do Nauka. A União Europeia tentou impor uma série de sanções econômicas à Federação Russa apóa a invasão da Ucrânia, e algumas destas medidas afetaram (ou pelo menos acreditava-se que afetariam) os programas espaciais conjuntos entre a Agencia Espacial Europeia ESA e a russa Roskosmos. Bastaram tres meses de guerra e a constatação de que a Rússia segue firme tanto política quanto economicamente – e ameaçando cortar o gás dos gasodutos que alimentam os aquecedores e as indústrias da Europa Ocidental, para que a cooperação começasse a ser cinicamente retomada. Desde fevereiro, a União Européia impôs seis pacotes de sanções contra a Rússia, incluindo medidas restritivas direcionadas (sanções individuais), sanções econômicas e medidas diplomáticas. A UE também adotou sanções contra a Bielorrússia em resposta ao seu envolvimento na invasão da Ucrânia. O objetivo das sanções econômicas é impor consequências severas à Rússia por suas ações e impedir efetivamente a capacidade russa de continuar a agressão. As sanções individuais visam pessoas responsáveis ​​por apoiar, financiar ou implementar ações que prejudiquem a integridade territorial, a soberania e a independência da Ucrânia ou que beneficiem dessas ações.

Tarefas resumidas da atividade extraveicular

Lista de tarefas da atividade extraveicular VKD-54 no Segmento Russo

  1. Lançamento de oito nanossatélites YuZGU-55 e dois nanossatélites da Tsiolkovsky-Ryazan
  2. Transferência da plataforma do adaptador do módulo Poisk para o módulo Nauka
  3. Instalação de um adaptador do manipulador ERA no Nauka
  4. Substituição de uma moldura de placas de proteção na câmera de vídeo CLU-2 no atuador de extremidade CE-2 do manipulador ERA
  5. Colocar o painel de controle externo ERA no Nauka em modo de segurança
  6. Cobertura do sistema de montagem do manipulador ERA com isolamento térmico
  7. Instalação de bloqueadores nas lanças de carga Strelas GStM-1 e GStM-2;
    colocação da lança de carga Strela GStM-2 entre os módulos Zarya e Poisk.
  8. Tarefa adicional: instalar a segunda plataforma do adaptador no módulo Nauka
Cosmonautas Artemyev e Cristoforetti

Cronograma

  • Etapa Nº Operação/ Hora GMT
  • 1 Samantha Cristoforetti abre a escotilha de saída do Módulo Poisk número 1/ 14:00
  • 2 Astronautas colocam o anel de segurança na escotilha / 14:05
  • 3 Cristoforetti sai de Poisk/ 14:08
  • 4 Cristoforetti se adapta às condições de saída/ 14:13
  • 5 Astronautas retiram oito nanossatélites YuzGU-55 e dois da universidade Tsiolkovsky-Ryazan /14:18
  • 6 Oleg Artemyev deixa o Poisk, Cristoforetti monta e liga a câmera Glisser-M
  • no módulo Zvezda /14:23
  • 7 Astronautas ligam câmeras montadas nos capacetes dos escafandros Orlan-MKS /14:25
  • 8 Astronautas seguem para o posto do operador da lança de carga GStM-1 /14:30
  • 9 Os astronautas prendem a adriça com nano-satélites entre o posto de operador e a ligação móvel do GStM-1/14:33
  • 10 cosmonautas lançam todos os dez nanossatélites/ 15:03
  • 11 Oleg Artemyev leva a adriça e as capas protetoras dos nanossatélites para o Poisk
  • e Samantha desliga e desmonta a Glisser-M /15:11
  • 12 astronautas descansam.
  • 13 Astronautas removem o adaptador do braço ERA do Poisk /15:28
  • 14 Astronautas se movem com adaptador ERA para o ponto base passivo BTP-2 no Poisk/ 15:38
  • 15 Astronautas removem plataforma com adaptadores do BTP-2/ 15:43
  • 16 Astronautas instalam adaptador do ERA no BTP-2 /15:48
  • 17 astronautas transferem a plataforma de transferência com adaptadores para módulo Nauka /16:18
  • 18 astronautas removem a capa protetora do ponto base BTL-4 /16:21
  • 19 instalam plataforma com adaptadores no BTL-4/ 16:26
  • 20 astronautas procedem ao atuador KE-2 do manipulador ERA/ 16:31
  • 21 desmontam armação com placas de segurança para câmera de vídeo CLU-2 no KE-2/ 16:38
  • 22 astronautas se deslocam para a Estação de Controle Externo EMMI do ERA/ 16:48
  • 23 astronautas descansam.
  • 24 Artemyev coloca o controle remoto EMMI no modo de armazenamento, Cristoforetti cobre o sistema de montagem do manipulador ERA com isolamento de tela-vácuo / 17:18
  • 25 astronautas passam para o KE-2/ 17:28
  • 26 astronautas montam armação de segurança para câmera de vídeo CLU-2 no KE-2 / 17:35
  • 27 astronautas seguem para a unidade GStM-1 / 17:45
  • 28 Os astronautas desmontam a alça do GStM-1 e colocam-na na bolsa de transporte / 17:50
  • 29 Astronautas instalam dispositivo de travamento no GStM-1 / 18:02
  • 30 astronautas vão para o módulo Poisk / 18:17
  • 31 astronautas descansam.
  • 32 astronautas cruzando o módulo Zarya / 18:42
  • 33 Oleg Artemyev vai para o console de operador do GStM-2, Samantha Cristoforetti vai para a unidade de aparelhamento do GStM-2 / 18:52
  • 34 Cristoforetti prende o mosquetão da adriça de segurança ao cordame
  • 35 Cristoforetti desata o nó do cordame
  • 36 Astronautas tiram o GTM-2 do módulo Zarya e o trazem para o módulo Poisk /19:26
  • 37 Oleg Artemyev vai para a montagem de cordame com a ajuda do dispositivo de transporte de segurança, Samantha desmonta a alça do GSTM-2 /19:36
  • 38 Astronautas arrumam a alça na bolsa de transporte
  • 39 Astronautas instalam o dispositivo de travamento no GStM-2 / 19:52
  • 40 astronautas se movem para a escotilha número 1 do Poisk / 20:02
  • 41 astronautas inspecionam seus trajes espaciais Orlan-MKS / 20:05
  • 42 astronautas controlam os acessórios de seus trajes espaciais /20:09
  • 43 Astronautas desligam câmeras montadas em capacetes em trajes espaciais Orlan-MKS / 20:11
  • 44 Oleg Artemyev entra no módulo Poisk / 20:14
  • 45 Samantha Cristoforetti entra no Poisk /20:17
  • 46 Astronautas removem o anel de proteção da borda da escotilha / 20:22
  • 47 Astronautas iniciam a secagem de trocadores de calor nos trajes espaciais/ 20:32
  • 48 Astronautas fecham a escotilha de saída número 1 do Poisk / 20:35

Como parte das sanções econômicas, a UE impôs uma série de restrições de importação e exportação à Rússia. Isso significa que as entidades europeias não podem vender determinados produtos para a Rússia (restrições à exportação) e que as entidades russas não podem vender determinados produtos para a UE (restrições à importação). A lista de produtos proibidos destina-se a maximizar o impacto negativo das sanções para a economia russa , limitando as consequências para as empresas e os cidadãos da UE. As restrições de exportação e importação excluem produtos destinados principalmente ao consumo e produtos relacionados à saúde, farmacêutica, alimentação e agricultura, para não prejudicar a população russa. As proibições são implementadas pelas autoridades aduaneiras da UE.

Além disso, a UE, em colaboração com outros parceiros afins, adotou uma declaração que reserva o direito de deixar de tratar a Rússia como a nação mais favorecida no âmbito da OMC. A UE decidiu agir sobre isso não por meio de um aumento nas tarifas de importação, mas por meio de um conjunto de medidas restritivas que incluem proibições à importação ou exportação de certas mercadorias. A UE e os seus parceiros também suspenderam qualquer trabalho relacionado com a adesão da Bielorrússia à OMC.

Os efeitos econômicos da guerra na Ucrânia são sentidos em toda a Europa. Os custos diretos de sanções e interrupções no comércio, inflação crescente devido aos preços mais altos de energia e commodities e incerteza crescente se tornarão um obstáculo para a economia da Europa. Os custos econômicos gerais da guerra ainda são difíceis de prever. No entanto, o impacto será diferente para os diferentes Estados-Membros. Após a pandemia, a invasão russa da Ucrânia é mais um choque econômico externo com consequências assimétricas em toda a Europa.

Essa distribuição desigual das dificuldades econômicas entre os estados membros da UE não é apenas um problema econômico: é politicamente importante. Garantir que a Europa permaneça unida nos próximos meses e possivelmente anos diante da agressão da Rússia exigirá a divisão de responsabilidades para evitar que alguns Estados membros sejam afetados muito mais do que outros. Mas quais países serão os mais atingidos e por quê? Este resumo dá uma primeira olhada nas diferenças potenciais de exposição entre os estados membros. Concentra-se na exposição comercial direta, bem como nos custos potenciais da dependência energética da Rússia e nas vulnerabilidades em relação ao aumento dos preços da energia em geral.

Esta primeira espiada nos dados revela alguns padrões importantes. Em primeiro lugar, os países da Europa Central e Oriental são especialmente vulneráveis ​​em vários fatores. Isso inclui dependência de exportação, dependência de importações de energia da Rússia, bem como uma exposição pronunciada a aumentos gerais de preços de energia. Em segundo lugar, a Alemanha e a Itália se destacam como países fortemente dependentes do gás russo, mas também podem ser atingidos pela escassez de oferta nas indústrias automotivas. Terceiro, o efeito geral do aumento dos preços da energia difere entre os estados membros. Embora seja especialmente difícil tolerar os países mais pobres do Leste com invernos mais frios, as economias com uso intensivo de energia no norte e no oeste da Europa também sofreriam desproporcionalmente. Como resultado, é provável que a UE precise compartilhar esse fardo igualmente para manter a unidade política.

No total, também tendo em conta as sanções individuais anteriores impostas após a anexação da Crimeia em 2014, a UE sancionou 98 entidades e 1158 indivíduos. A lista inclui:

  • O presidente da Rússia, Vladimir Putin
  • Ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov
  • oligarcas ligados ao Kremlin, como Roman Abramovich
  • 351 membros da Duma Estatal Russa (a câmara baixa do parlamento) que votaram a favor do reconhecimento de Donetsk e Luhansk em 15 de fevereiro de 2022
  • membros do Conselho de Segurança Nacional
  • altos funcionários e militares
  • empresários proeminentes (ou seja, pessoas ativas na indústria siderúrgica russa e outras que fornecem serviços financeiros, produtos militares e tecnologia para o estado russo)
  • propagandistas e atores da desinformação
  • responsáveis ​​pelas atrocidades cometidas em Buscha e Mariupol
  • membros selecionados da família de alguns dos indivíduos mencionados

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

SpaceX lança amanhã mais 46 Starlinks

O ‘Grupo 3-02’ entrará em órbita quase-polar

Resumo do lançamento

A SpaceX deve lançar amanhã um foguete Falcon 9 v1.2 FT BL5 amanhã, 21 de julho de 2022 às 17:39 UTC (14:39 Brasilia), a partir da plataforma SLC-4E do polígono de Vandenberg SFB, Califórnia, com mais um lote de satélites Starlink. O ‘core’ de primeiro estágio é o booster 1071.4. A aterrissagem do ‘core’ será na balsa-drone ASDS Of Course I Still Love You (OCISLY). A missão prevê a recuperação das duas metades da carenagem de proteção do foguete a aproximadamente a 635 km de distância da costa pelo navio NRC Quest. A reentrada de detritos do segundo estágio está prevista para o sul do Pacífico.

A carga útil é de quarenta e seis satélites Starlink, a serem colocados em uma órbita final de 97,6 graus de inclinação em uma trajetória sul-sudoeste com altitude média de 540 km. A massa do satélite Starlink na atual versão v1.5 é de cerca de 300 kg após a adição de terminais ISL a laser.

O primeiro estágio B1071 fez anteriormente os lançamentos dos satélites NROL-87, NROL-85 and SARah-1.

Transmissão ao vivo no Canal do Homem do Espaço
Trajetória terrestre do lançamento (ground track)

A empresa de Elon Musk informa que cada satélite Starlink apresenta um design compacto de tela plana que minimiza o volume, permitindo que uma “pilha” de lançamento ‘densa’ aproveite ao máximo os recursos de lançamento do Falcon 9. Com quatro antenas tipo “phased array” e duas antenas parabólicas em cada satélite. “Ao final de seu ciclo de vida, os satélites utilizam seu sistema de propulsão a bordo para desorbitar ao longo de alguns meses. No caso improvável de seu sistema de propulsão se tornar inoperante, os satélites queimarão na atmosfera da Terra dentro de 1 a 5 anos, significativamente menos do que as centenas ou milhares de anos necessários em altitudes mais altas. Além disso, os componentes Starlink são projetados para total desativação.”

Área de reentrada do segundo estágio
Foguete F9 v1.2 FT BL5 com satélites Starlink sob a carenagem de cabeça

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

China prepara novo módulo de sua estação espacial para lançamento

“WenTian” pesa 20 toneladas e vai duplicar o espaço para trabalho

Longa Marcha CZ-5B nº Y3 na mesa de lançamento em Wenchang

O Escritório do Programa Espacial Tripulado da China (CMSA) disse na segunda-feira, 18 julho de 2022, que a combinação do módulo de laboratório Wentian para a estação espacial chinesa e seu foguete Longa Marcha-5B Y3 foi entregue na zona de lançamento. O CMSA acrescentou que o lançamento do Wentian será realizado “nos próximos dias em momento oportuno” – fontes informam que a decolagem se dará em 24 de julho. De acordo com o escritório, vários trabalhos de verificação de funções e testes conjuntos serão realizados antes do lançamento.

O WenTian pesa cerca de 21 toneladas e tem mais de 90 metros cúbicos de volume interno
Resumo da missão de lançamento

Além do Wentian, os chineses vão lançar ainda este ano outro módulo de pesquisas (“cabine de experimentos”), o MengTian. Os módulos se tornarão a principal área de trabalho para astronautas em órbita após a conclusão da estação espacial chinesa. O módulo de laboratório Wentian será lançado em julho, enquanto o Mengtian, em outubro, disse Hao Chun, chefe do Escritório do Programa Espacial Tripulado da China, em uma entrevista coletiva. Yang Hong, designer-chefe do Sistema de Estação Espacial do Programa Espacial Tripulado da Academia de Tecnologia Espacial da China, observou que ambos os módulos estão equipados com gabinetes de experimentos e plataformas externas para instalação de cargas. Nesses dois módulos, os astronautas poderão realizar experimentos no campo da ciência, materiais espaciais, medicina e exploração espacial.

Panfleto comemorativo

O módulo -laboratório Wentian está equipado com os mesmos alojamentos de astronautas que o módulo principal Tianhe, incluindo três áreas de dormir, um banheiro e uma cozinha. Wentian e Tianhe podem acomodar até seis astronautas durante as trocas de tripulação. O módulo Wentian possui um pequeno braço mecânico, projetado para auxiliar as atividades extraveiculares dos astronautas e pode ser usado separadamente ou em conjunto com o braço-manipulador robótico maior do módulo principal Tianhe. A cabine da câmara de ar do módulo, após a conclusão da construção da estação espacial, servirá como a principal eclusa de caminhada espacial para a realização de trabalhos extraveiculares, enquanto a cabine do compartimento multiporta do módulo principal se tornará a saída sobressalente. Para garantir a operação confiável da estação espacial, o módulo Wentian está equipado com um circuito de controle e gerenciamento de backup para o complexo, que será ativado em caso de problemas com o módulo principal.

Emblema da missão de lançamento

Já o compartimento de carga e a plataforma de exploração espacial do módulo de laboratório Mengtian servirão para projetos de pesquisa extraveicular no futuro. O equipamento científico destinado à instalação na superfície externa da estação será enviado por um cargueiro e lançado ao espaço através do compartimento de carga, onde posteriormente os cosmonautas, por meio de braços manipuladores, poderão instalá-lo na plataforma para operações extraveiculares.

De acordo com Yang Hong, a montagem e testes integrados do Wentian foram concluídos na cidade de Tianjin (norte da China), e o módulo está pronto para ser lançado. Além disso, o módulo Mengtian foi parcialmente montado e testado, e outros testes estão em andamento conforme programado.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

China lança mais dois satélites de sensoriamento

Dois “Siwei Gaojing” entraram em órbita no sábado passado

A China lançou no sábado, 16 de julho de 2022, um foguete transportador Longa Marcha-2C número Y71 para colocar dois satélites no espaço.
O par de satélites, os Siwei 03 e 04 (ou Siwei Gaojing-2 01 e 02), foi lançado às 6h57 (horário de Pequim – 15 de julho às 22:57 UTC) do Centro de Lançamento de Satélites de Taiyuan, na província de Shanxi, no norte, e logo entrou na órbita predefinida. Eles oferecerão serviços comerciais de sensoriamento remoto para setores como investigação de recursos terrestres, monitoramento de desastres naturais, planejamento urbano e segurança. A órbita inicial foi quase circular, com quatro objetos rastreados em 484 x 500 km x 97,4 graus – e a hora local do nó descendente é 06:05.
A missão marcou o 427º voo dos foguetes transportadores de nome Longa Marcha, em suas várias versões.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

SpaceX lançou nave de carga à ISS

Cargo Dragon C208 já está acoplada ao módulo Harmony para voo de 30 dias

Foguete com a nave de carga decola de Cabo Canaveral

Um foguete SpaceX Falcon 9 lançou a espaçonave CRS-25 Dragon do Complexo de Lançamento 39A (LC-39A) no Kennedy Space Center, Flórida, em 15 de julho de 2022 às 00:00: 44 UTC (14 de julho, às 21:44 Brasilia). A espaçonave CRS-25 Dragon fez anteriormente as missões CRS-21 e CRS-23 e estava programada para acoplar de forma autônoma na Estação Espacial Internacional em 16 de julho de 2022, aproximadamente às 15:20 UTC (12:20 Brasilia). Após a separação dos estágios, o primeiro estágio do Falcon 9 pousou na blasa-drone ‘A Shortfall of Gravitas’, estacionada no Oceano Atlântico. O primeiro estágio do Falcon 9 (B1067) anteriormente reallizou quatro missões: CRS-22, Crew-3, Turksat-5B e Crew-4.
A nave de carga CRS-25, de cerca de 12.000 kg de massa na decolagem, entrou em uma órbita de 207 x 264 km x 51,7 graus; A missão durará cerca de um mês, após o qual serão carregados na nave os resultados das pesquisas realizadas na estação e os equipamentos que devem ser devolvidos à Terra. Ele se desprenderá da estação, entrará na atmosfera e amerrissará na costa da Flórida. A Cargo Dragon também trouxe 5 cubesats estudantis para ejeção da ISS como parte da missão ELaNa 45.

Os cubesats ELaNa

Os pequenos satélites foram selecionados por meio da Iniciativa de Lançamento de CubeSats, que oferece acesso de baixo custo ao espaço para instituições educacionais dos EUA, centros da NASA e outros para desenvolver e demonstrar novas tecnologias no espaço e inspirar e desenvolver a próxima geração de cientistas, engenheiros, e tecnólogos. Os CubeSats foram desenvolvidos pelo Massachusetts Institute of Technology; a Escola Weiss em Palm Beach Gardens, Flórida; o Centro de Pesquisa Ames da NASA no Vale do Silício, Califórnia; a Universidade Aeronáutica Embry-Riddle em Daytona Beach, Flórida; e a Universidade do Sul do Alabama em Mobile. Os CubeSats serão ejetados a partir da estação espacial.

BeaverCube

Os satélites são os:
BeaverCube, tamanho 3U do Massachusetts Institute of Technology (MIT)
CLICK A, tamanho 3U do MIT/Space Systems Laboratory
D3, tamanho 2U da University of Florida, Gainesville
JAGSAT 1, tamanho 2U da University of South Alabama
CapSat 1 (Capacitor Satellite 1), tamanho 1U da Weiss School
TUMnanoSAT (Universidade Técnica da Moldávia), tamanho 1U da Moldávia

A NASA selecionou mais de 200 missões para CubeSats de mais de cem organizações representando 42 estados, o Distrito de Columbia e Porto Rico por meio da Iniciativa de Lançamento de CubeSats desde 2010. Até o momento, 134 satélites foram lançadas no espaço por meio de oportunidades na ELaNa.

ESTATÍSTICAS DA MISSÃO:
164º lançamento de um foguete Falcon 9 desde 2010
172º lançamento da família de foguetes Falcon desde 2006
5º lançamento do Falcon 9 “booster B1067”
143º lançamento do Falcon 9 da Costa Espacial da Flórida
51º lançamento da SpaceX da plataforma 39A
145º decolagem em geral da plataforma 39A
106º voo de um booster Falcon 9 reutilizado
5º lançamento de uma Cargo Dragon modelo V2
25ª missão de carga da SpaceX à Estação Espacial Internacional
30º lançamento do Falcon 9 de 2022
30º lançamento da SpaceX em 2022
30º lançamento orbital baseado em Cabo Canaveral em 2022

A nave de reabastecimento comercial orbitou a Terra por um dia e meio antes de alcançar a Estação Espacial no sábado. Os engenheiros de voo da Expedição 67, Bob Hines e Jessica Watkins, da NASA, estavam de plantão monitorando o Dragon durante sua aproximação e encontro automatizados até que ele encaixasse automaticamente na porta frontal (IDA-2/PMA-2) do módulo Harmony às 11h20 EST (12h20, horário de Brasilia). A Dragon entregou cerca de 3 toneladas de carga para a ISS: suprimentos, equipamentos e materiais para vários experimentos. Equipamentos para monitorar tempestades de poeira na superfície da Terra e microorganismos do solo irão para a estação: os cientistas querem ver como eles se comportam em gravidade zero. Além disso, a cápsula trará materiais e equipamentos para estudar os processos subjacentes ao envelhecimento do sistema imunológico, para criar um compósito de biopolímero com adição de solo lunar, que poderá ser usado no futuro para construir uma base no satélite da Terra. Firam mais de 2.630 kg de experimentos, suprimentos de tripulação e ferramentas; Das 2.668 kg de carga à estação, foram :

  • 2.124 kg no compartimento pressurizado
  • 544 kg no não pressurizado (a ferramenta EMIT e a unidade de carregamento de bateria).
    Destes: 1.120 kg de materiais para pesquisa científica , 376 kg de mantimentos para a tripulação, 328 kg de equipamentos para a estação, 181 kg de equipamentos para caminhadas espaciais e 33 kg de equipamentos de informática.

A tripulação da Expedição 67 abriu a escotilha e começou a descarregar os novos experimentos científicos e suprimentos da tripulação.

Configuração da ISS após o engate da CRS-25

Este lançamento utilizou o 1º estágio B1067 (em seu 5º voo) e a nave Cargo Dragon C208 em sua 3ª missão, com pouso na plataforma A Shortfall of Gravitas rebocada pelo navio de apoio Doug a cerca de 300 km de distancia do local de decolagem.

Compartimento de carga (trunk) da nave espacial

Durante o abastecimento do propelente de monometil hidrazina (MMH) na espaçonave, leituras elevadas de vapores foram medidas em uma região isolada do sistema de propulsão dos motores Draco. O combustível e o oxidante N2O4 foram descarregados para dar suporte a outras inspeções e testes. Assim que a fonte exata das leituras elevadas foram identificadas e a causa determinada, funcionários da NASA e da SpaceX conseguiram achar a fonte do problema numa uma junta de entrada da válvula do propelente. As equipes removeram o conjunto específico para substituí-lo. A SpaceX também substituiu os paraquedas da espaçonave para uma inspeção mais profunda.

Transmissão ao vivo no canal do Homem do Espaço

Foguete F9 v1.2 FT Bl 5

Experimentos transportados

EMIT
A Earth Surface Mineral Dust Source Investigation – Investigação da Fonte de Pó Mineral da Superfície da Terra, conhecida como EMIT, passará o próximo ano medindo a composição mineral da poeira nas paisagens mais secas da Terra. Durante um briefing de quinta-feira, Robert Green, investigador principal do EMIT, explicou o que ele chamou de “ciclo de poeira mineral” do planeta. A poeira soprada na atmosfera da Terra pelos ventos do deserto viaja milhares de quilômetros. O conteúdo mineral dessa poeira atmosférica afeta o sistema climático global interconectado, e a composição desses minerais é fundamental para descobrir como. Dependendo dos minerais presentes, por exemplo, a poeira atmosférica absorverá e refletirá a luz solar de diferentes maneiras, aquecendo ou resfriando áreas, afetando a formação de nuvens e a química atmosférica. Esse tipo de poeira também pode servir como um rico depósito de nutrientes quando se instala no oceano ou em terra. No momento, de acordo com Green, há apenas um total de 5.000 amostras minerais do ciclo global de poeira da Terra nas mãos dos cientistas. O EMIT pretende deixar esse número na poeira. O módulo EMIT é carregado no porta-malas (trunk) da nave no CRS-25, e é a maior carga útil da missão. Assim que a Cargo Dragon chegar à ISS, o EMIT será conectado ao Módulo 1 de Logística Externa da estação, onde passará o próximo ano analisando espectroscopicamente mais de um bilhão de amostras de poeira de todo o planeta. Os cientistas esperam usar esses dados para atualizar modelos de sistemas globais para coisas como previsão do tempo e pesquisa climática.

Biopolymer space concrete – Concreto espacial de biopolímero
Equipamento de voo para a Pesquisa de Biopolímeros para Capacidades In-Situ, uma investigação de como a microgravidade afeta o processo de criação de uma alternativa de concreto feita com material orgânico e materiais no local, como poeira lunar ou marciana. Cada módulo faz dois tijolos, para um total de seis tijolos feitos no espaço.
O programa Artemis da NASA visa estabelecer uma presença humana permanente na Lua. No entanto, a questão de como melhor construir habitats sustentáveis ​​a partir de recursos de origem local permanece sem resposta. Materiais de construção como aço e concreto são pesados ​​e extremamente econômicos para serem lançados em órbita, sem falar na Lua .
Estudantes da Universidade de Stanford estão investigando como a microgravidade afeta a formação de uma alternativa de concreto que mistura um composto orgânico com água e recursos “in situ”, como regolito lunar ou poeira marciana, para criar um composto de solo de biopolímero (BPC). Em vez de utilizar uma reação química, calor ou pressão, os compostos usados ​​nos BPCs permitem que a mistura seque com “cerca de metade da força do cimento Portland”, de acordo com a estudante de Stanford Jocelyn Huang Thai, uma das líderes da equipe da Biopolymer Research In-Situ. Este experimento usará um composto chamado albumina de soro bovino (BSA) para criar seis tijolos a bordo da estação espacial, cada um com cerca de 7 milímetros de comprimento. Na Terra, a BSA forma pontes de proteína que conectam as partículas de sujeira durante o processo de secagem. Os pesquisadores esperam comparar tijolos misturados no espaço com contrapartes feitas na Terra para determinar a influência da microgravidade no processo de secagem e formação de pontes de proteína, e como isso afeta a densidade e a resistência dos tijolos.

Space stitches – suturas no espaço
A Agência Espacial Europeia (ESA) e a Universidade de Florença, na Itália, estão enviando amostras de pele para a estação espacial no CRS-25: Um conjunto de chips de tecido, recipientes projetados para armazenar células humanas para estudo em microgravidade, conterá amostras de pele humana e vasos sanguíneos, eticamente derivados, que foram feridos e depois suturados para estudar as forças mecânicas dos pontos no processo de cicatrização em microgravidade . À medida que o ritmo do voo espacial tripulado aumenta , alguém em algum momento será ferido inadvertidamente. Monica Monici, da Universidade de Florença, investigadora principal do estudo Suture in Space, destacou os benefícios de estudar suturas no espaço. “Experiências anteriores em culturas de células e modelos animais mostraram que o fechamento da ferida é retardado em condições de microgravidade”, explicou Monici. “Como o tempo de evacuação do espaço para a Terra [em futuras missões] pode ser muito longo, a necessidade de implementar cuidados e cirurgias para traumas aumenta. A cicatrização de feridas deve ser considerada um grande problema para investigação, pois é fundamental para a sobrevivência da tripulação”.

Microgravity Model Immunological Senescence on Tissue Stem Cells – Envelhecimento do sistema imunológico
A imunossenescência, o envelhecimento das células imunes, ocorre a uma taxa mais alta na microgravidade, e esse envelhecimento pode inibir a capacidade das células de reparar tecidos. Assim como o experimento das suturas, a investigação da Imunosenescência também usa chips de tecido, mas desta vez para estudar o envelhecimento imunocelular.
“Você é tão velho quanto se sente”: de acordo com Sonja Schrepfer, investigadora principal do projeto, a pessoa tem a idade do seu sistema imunológico. “Um sistema imunológico envelhecido não está necessariamente correlacionado com a idade do paciente, mas sim com o status do sistema imunológico”, disse Schrepfer, professora de cirurgia da Universidade da Califórnia em San Francisco. Os pesquisadores do projeto poderão observar essas células em voo e de volta ao solo também. Um experimento semelhante voou em uma missão de carga em dezembro de 2018, mas seus parâmetros de missão não planejavam um retorno. Os cientistas poderão observar a reação do tecido imunológico após o voo, depois que as amostras de imunossenescência forem trazidas à Terra em setembro.

Caracterizando os efeitos da microgravidade na cicatrização de feridas
Centro de Psiquiatria e Neurociência Militar, pesquisador: Rasha Hammamieh

Este projeto visa investigar os efeitos da microgravidade na cicatrização de feridas cutâneas em um roedor. A equipe de pesquisa documentará o processo de cicatrização de feridas e a qualidade do tecido regenerado da pele, identificando genes, redes de genes e funções celulares associadas à cicatrização de feridas cutâneas que diferem entre ambientes de microgravidade e terrestres. Alguns dos camundongos serão devolvidos vivos para observar a cicatrização de feridas e determinar a quantidade de tempo necessária após o retorno do voo espacial para a recuperação da cicatrização normal da pele. Os resultados podem identificar mecanismos moleculares afetados pela microgravidade que desempenham um papel na cicatrização de feridas na pele, levando ao desenvolvimento de melhores tratamentos de feridas na Terra.

Development of a Brain Organoid Model for Commercial Applications Desenvolvimento de um modelo organoide cerebral para aplicações comerciais, Universidade da Califórnia, San Diego; Pesquisador responsável:Erik Viirre

Este projeto visa estabelecer um modelo organoide cerebral (órgão miniaturizado e simplificado) para uso na ISS para pesquisa biomédica e aplicações de medicina personalizada. Desenvolvidos a partir de células-tronco, os organoides cerebrais serão editados por genes e usados ​​para estudar doenças neurológicas em microgravidade. Esses modelos organoides podem auxiliar no estudo de doenças que representam um fardo significativo para a saúde, como autismo e doença de Alzheimer.

Electrical Stimulation of Human Myocytes in Microgravity – Estimulação elétrica de miócitos humanos em microgravidade
Universidade da Flórida; Pesquisador responsável: Siobhan Malany

Este projeto visa desenvolver um sistema de chip de tecido para cultivar e estimular eletricamente células musculares esqueléticas primárias humanas de adultos jovens e idosos em microgravidade. A estimulação elétrica faz com que os microtecidos musculares se contraiam, permitindo que a equipe monitore as taxas de contração muscular. Alterações fisiológicas que resultam em perda de massa e força muscular ocorrem cerca de 10 vezes mais rápido na microgravidade do que na Terra. A plataforma de chip de tecido da equipe servirá como um sistema avançado de cultura de células humanas para estudar alterações fisiológicas induzidas por microgravidade que imitam a perda muscular relacionada à idade e para testar terapias para tratar a perda muscular. Este projeto baseia-se em uma investigação patrocinada pelo ISS National Lab para validar o uso de um sistema lab-on-a-chip para cultivar células musculares esqueléticas humanas em microgravidade.

Genes in Space-9, Boeing e miniPCR bio ; Pesquisador responsável:Scott Copeland

Esta experiência estudantil através do programa Genes in Space testará um método que pode ser usado para analisar a qualidade da água em órbita. Se for bem-sucedido, esse método poderá ser usado para desenvolver um biossensor que procuraria patógenos em amostras de água. Esse sensor agilizaria os testes de qualidade da água, fornecendo uma ferramenta valiosa para viajantes espaciais e pessoas em comunidades remotas ou de poucos recursos na Terra que não têm acesso a equipamentos sofisticados. Genes in Space é uma competição anual de pesquisa de alunos do 7º ao 12º ano a projetar experimentos de DNA a serem conduzidos através do Laboratório Nacional da ISS.

Interfacial Bioprocessing of Pharmaceuticals Via Ring-Sheared Drop Module – Bioprocessamento interfacial de produtos farmacêuticos por meio do módulo de gota de anel cortado , Arizona State University; Pesquisador responsável: Juan Lopez

Este projeto busca desenvolver e testar modelos preditivos para entender e controlar as forças fluidas que causam a agregação de proteínas (clustering) durante o desenvolvimento de drogas. A equipe de pesquisa girará uma gota de solução de proteína de uma polegada de diâmetro em um módulo motorizado e observará a formação da gota à medida que ela sofre cisalhamento (força de dois fluidos deslizando um pelo outro). A agregação de proteínas pode ser um fator limitante significativo na fabricação de produtos farmacêuticos, afetando a qualidade e o rendimento dos ingredientes farmacêuticos ativos. A capacidade de prever melhor como o cisalhamento afeta as proteínas pode ajudar os pesquisadores a mitigar melhor os efeitos indesejáveis ​​durante a fabricação de produtos farmacêuticos. Esta investigação é financiada pela US National Science Foundation.

Spectral Characterization of Novel Spacecraft Materials at Low Earth Orbit Environment – Caracterização espectral de novos materiais de naves espaciais no ambiente de órbita terrestre baixa, Georgia Institute of Technology; Pesquisador responsável: Elena Pils

Este projeto usará o MISSE Flight Facility para avaliar as mudanças nas propriedades ópticas de materiais para naves espaciais convencionais e novos à medida que são expostos às condições extremas do espaço. A equipe de pesquisa correlacionará esses dados de propriedades ópticas com a química do material e os dados de vida útil esperados para produzir um banco de dados que será valioso tanto no diagnóstico remoto da saúde do material da espaçonave quanto na melhoria da simulação do ambiente espacial terrestre para testes de materiais.

Structure and Stability of Foams and Emulsions – Estrutura e estabilidade de espumas e emulsões, City College of New York
Pesquisador responsável: Jing Fan

Este projeto visa validar um fenômeno físico previsto em modelos, mas nunca observado: estrutura ótima de embalagem de espumas secas. O projeto também estudará se é possível usar nanopartículas ecologicamente corretas em vez de surfactantes para estabilizar espumas e emulsões. A microgravidade é benéfica porque as bolhas e gotas que formam espumas secas podem se formar sem serem confinadas em um recipiente, permitindo que as espumas e emulsões sejam preservadas e observadas por várias horas. Os resultados podem levar a melhorias em produtos de uso diário, como molhos para saladas, sabonetes líquidos, cremes cosméticos, extintores de incêndio e muito mais. Este projeto é financiado pela US National Science Foundation.

Study of Induced Pluripotent Stem Cells in Microgravity – Estudo de células-tronco pluripotentes induzidas em microgravidade, Cedars-Sinai Medical Center; Pesquisador responsável:Clive Svendsen

A Cedars-Sinai, em parceria com a Space Tango, explorará o efeito da microgravidade nas células-tronco pluripotentes induzidas (iPSCs) e nas células progenitoras neurais que elas geram. As iPSCs humanas são ideais para criar e testar tratamentos em potencial que podem ser adaptados a um indivíduo. A microgravidade pode superar alguns dos problemas envolvidos nos processos pelos quais as células-tronco se dividem e se tornam diferentes tipos de células, o que poderia avançar na fabricação de iPSCs para o tratamento de várias doenças na Terra.

Tide in Space, Procter & Gamble; Pesquisador responsável:Mark Sivik

Esta investigação busca auxiliar no desenvolvimento de soluções de lavanderia de baixo uso de recursos para o uso diário, ao mesmo tempo em que atende às demandas dos consumidores por produtos mais sustentáveis. Este projeto expandirá um experimento inicial a bordo do laboratório em órbita utilizando o Tide Infinity para testes de estabilidade. Este projeto avaliará ainda mais os principais ingredientes encontrados nas canetas Tide To Go e nos lenços Tide To Go, permitindo que a empresa examine a viabilidade de soluções de detergentes de limpeza no espaço.

O LANÇAMENTO

Perfil de lançamento e entrada em órbita

LANÇAMENTO, ATERRISSAGEM E LIBERAÇÃO DA CARGA ÚTIL
Todos os tempos são aproximados
hh:min:ss Evento
00:01:12 Max Q (momento de máximo de estresse mecânico no foguete)
00:02:27 Corte dos motores principais do 1º estágio (MECO)
00:02:30 1º e 2º estágios separados
00:02:38 Partida do motor do 2º estágio
00:02:43 Começa a queima de ‘boostback’ do 1º estágio
00:03:15 “boostback” do 1º estágio completa
00:05:45 Começa a queima de reentrada do 1º estágio
00:05:59 A queima de reentrada do 1º estágio é concluída
00:07:06 Começa a queima de pouso do 1º estágio
00:07:33 1ª estágio pousa na barca
00:08:37 Corte dos motores do 2º estágio (SECO)
00:11:49 Dragon se separa do 2º estágio

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

SpaceX lançou Grupo 4-22 de satélites Starlink

Foguete Falcon 9 Block 5 teve atuação perfeita

Falcon 9 B1051.13 decola do Space Launch Complex 40 (SLC-40) na Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral

Um veículo de lançamento do B1051.13 Falcon 9 lançou 53 satélites Starlink (Grupo 4-22 Starlink-51) do Space Launch Complex 40 (SLC-40) na Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral na Flórida, em 17 de julho de 2022, às 14h20 UTC (11h20 Brasilia). Após a separação dos estágios, o ‘core’ de estágio do Falcon 9 pousou na balsa-drone “Just Read the Instructions”, estacionada no Oceano Atlântico a 657 km de distância . O primeiro estágio B1051) já fez doze missões: SXM-7, RADARSAT Constellation Mission, Demo-1 (primeira missão de demonstração da Crew Dragon) e nove outras missões Starlink. As conchas da carenagem de cabeça estimada em aproximadamente 668 km do ponto de lançamento.

A pilha de cinquenta e três satélites do modelo v1.15 entrou em órbita inicial de 232 quilômetros por 338 quilômetros com 53,2 graus de inclinação, para em seguida se dividir e cada um dos satélites seguir para seu ‘slot’ orbital em torno da Terra.

Estatísticas desta missão

  • 3º voo de conchas de carenagem
  • 13º voo de estágio B1051
  • O B1051 é o 3º booster do Falcon 9 em seu 13º voo
  • 31º lançamento em 2022
  • 51º lançamento dedicado de Starlink
  • 57º pouso de ‘core’ consecutivo
  • 92º concha de carenagem reutilizada em voo
  • 102º pouso bem-sucedido
  • 131º pouso bem -sucedido
  • 140º lançamento bem sucedido da SpaceX em sequência
  • 165º lançamento do Falcon 9
  • 173º lançamento da SpaceX
  • A SpaceX completou 8 lançamentos em menos de 30 dias
  • A empresa atingiu seu recorde no ano passado em termos de número de lançamentos para o ano – 31
  • A taxa de lançamento atual é de 1 missão a cada 6,4 dias, então a SpaceX pode completar 57 lançamentos este ano, até a implementação do seu plano de “60 lançamentos”

Para o programa Starlink:

  • 2.858 satélites lançados
  • 2.604 em órbita
  • 2.074 em operação
‘Core’ de primeiro estágio pousa na balsa-drone

Eventos da missão até a colocação na órbita inicial
00:01:12 Max Q (momento de pico de estresse mecânico no foguete)
00:02:28 Corte dos motores principaias do 1º estágio (MECO)
00:02: 32 1º e 2º estágios separados
00:02:39 Partida do motor do 2º estágio
00:02:43 Descarte da carenagem
00:06:50 Início da queima de entrada do 1º estágio
00:07:09 Queima de entrada do 1º estágio concluída
00:08:26 Ignição da queima de pouso do motor central do 1º estágio
00:08:47 Corte do motor do 2º estágio (SECO-1)
00:08:48 Pouso do 1º estágio
00:15:28 Os satélites Starlink são liberados

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Rogozin sai da Roskosmos

Putin substitui o controverso político por Yuri Borisov como novo chefe da agência

Dmitry Rogozin

O presidente russo, Vladimir Putin, demitiu Dmitry Rogozin como diretor geral da Roskosmos e nomeou para o cargo Yuri Borisov hoje, 15 de julho de 2022; Borisov era vice-primeiro-ministro da Federação Russa. Os decretos correspondentes do chefe de Estado foram publicados no site do Kremlin: “De acordo com o parágrafo “e” do artigo 83 da Constituição da Federação Russa, Yuri Ivanovich Borisov deve ser dispensado do cargo de vice-presidente do governo da Federação Russa”, diz um dos documentos. Por outro decreto, Putin nomeou “… Borisov como diretor geral da corporação estatal para atividades espaciais Roskosmos “. Na sexta-feira, o presidente também demitiu o chefe anterior Rogozin, que ocupava o cargo há quatro anos sendo foi nomeado CEO da corporação estatal em 24 de maio de 2018, e há indicações que ele será designado para um cargo administrativo na Ucrânia ocupada pela Rússia.

Yuri Borisov

Borisov, de 15 de novembro de 2012 a 18 de maio de 2018 foi vice-ministro da Defesa da Federação Russa, sob direção do ministro Sergei Shoigu, e supervisionou o rearmamento do exército russo. Desde maio de 2018, ele atuava como vice-primeiro-ministro da Federação Russa. Em 2018-2020, no escritório de Dmitry Medvedev, ele supervisionou o trabalho do complexo militar-industrial da Federação Russa, e substituiu Rogozin como vice-primeiro-ministro da indústria de defesa. Ele manteve seu cargo no novo governo de Mikhail Mishustin, formado em janeiro de 2020. Borisov foi responsável por questões de política estatal no campo da indústria, indústria de defesa, ordens de defesa do estado, supervisão tecnológica e nuclear, desenvolvimento do sistema GLONASS, cooperação técnico-militar com estados estrangeiros, aplicação da lei, defesa civil e desenvolvimento da fronteira do estado da Federação Russa. Ele também supervisionava o Distrito Federal dos Urais desde julho de 2021.

A trajetória de Rogozin

Dmitry Olegovich Rogozin (nascido em 21 de dezembro de 1963 em Moscou ) é político e estadista. Ex-diretor geral da “Roskosmos” de maio de 2018 a julho de 2022. Vem da família de um militar, Oleg Konstantinovich Rogozin, tenente-general, professor e doutor em ciências técnicas. Graduado do Departamento Internacional da Faculdade de Jornalismo da Universidade Estadual de Moscou, em 1988 graduou-se com honras na Faculdade de Economia da Universidade do Marxismo-Leninismo sob o Comitê da Cidade de Moscou do PCUS. Em 1996, na Faculdade de Filosofia da Universidade Estatal de Moscou, defendeu sua dissertação para o grau de Candidato a Ciências Filosóficas sobre o tema “A Questão Russa e sua Influência na Segurança Nacional e Internacional”. Em 1999, defendeu sua dissertação lá para o grau de Doutor em Filosofia sobre o tema “Problemas da Segurança Nacional da Rússia na virada do século XXI”. Em 2016 defendeu na Academia Naval N. G. Kuznetsov a tese para o grau de Doutor em Ciências Técnicas na especialidade “Teoria de armas, política técnico-militar, sistema de armas.

Em agosto de 1991, participou dos eventos do ” Putsch ” da Casa Branca, liderou um grupo de defensores voluntários do Soviete Supremo da RSFSR. Em maio-junho de 1992 foi combatente de um destacamento voluntário no conflito armado na Transnístria. Em 1997 tornou-se membro da Duma do Estado. Conhecido por suas atividades de oposição como presidente da filial regional do partido Grande Rússia e como presidente do partido Rodina até 2006. Em 2003 e 2004 foi Vice-Presidente da Duma do Estado. De janeiro de 2008 a dezembro de 2011 – Representante da Federação Russa junto à Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) em Bruxelas, Embaixador Extraordinário e Plenipotenciário da Rússia. De dezembro de 2011 a maio de 2018 foi Vice-Primeiro Ministro da Federação Russa, Presidente do Collegium da Comissão Militar-Industrial da Federação Russa, o Conselho Fiscal da Roskosmos, o Conselho Fiscal da Fundação de Pesquisa Avançada, o Conselho Marítimo sob o Governo da Federação Russa, a Comissão Estatal para o Desenvolvimento do Ártico, a Comissão Estadual de Fronteiras, a Comissão para o Controle de Exportação da Federação Russa. Presidente do Conselho de Curadores da Sociedade Histórica Militar Russa de 2013 a 2019.
Desde 2014, após a anexação da Crimeia à Federação Russa, está sujeito a sanções que incluem a proibição de entrada nos Estados Unidos, Canadá, países da UE, Suíça e Austrália, bem como a apreensão de bens localizados nos territórios desses países.
Em 2018, chefiou a corporação estatal Roskosmos. Tornou-se o Representante Especial do Presidente da Federação Russa para a Cooperação Internacional no Espaço desde dezembro de 2018. Sob seu comando, começaram os trabalhos na segunda e terceira etapas da construção do cosmódromo de Vostochny. Foi iniciada a construção do aeroporto de mesmo nome no cosmódromo. Iniciou-se a construção do Centro Espacial Nacional, prosseguiu-se com a criação da nave Oryol e iniciou-se a criação de uma nova nave, Orlyonok.
Conhecido como um conhecedor de armas pequenas, e colecionador, tem uma patente para uma invenção na área de armamento. Mestre dos esportes no handebol, e ativamente envolvido em tênis, basquete, tiro prático. Rogozin é praticante de caça submarina, anda de moto, e é piloto de helicóptero particular. Marcado com prêmios da Federação Russa, prêmios de estados estrangeiros e títulos honoríficos.

Em setembro de 2014, devido ao atraso na construção no cosmódromo de Vostochny por 26 meses, o presidente Putin montou uma comissão sobre esta questão, chefiada por Rogozin. O Vice-Primeiro Ministro acompanhou o processo de construção, fazendo viagens ao cosmódromo, e como resultado, o atraso foi reduzido, 20 processos criminais foram iniciados – mas a construção da primeiro estágio ainda foi transportado com 4 meses de atraso. Rogozin criticou o pessoal de gestão da Roskosmos. Em 2018, respondeu à proposta do presidente de dirigir a Roskosmos como uma pessoa já familiarizada com os problemas da indústria. Em 24 de maio de 2018, por decreto de Putin, foi nomeado Diretor Geral agência espacial. Ele começou sua posse expressando os “10 mandamentos da Roskosmos”, dos princípios que uma corporação deve seguir.

Segundo Rogozin, a principal tarefa da corporação estatal e seus funcionários é a expansão no espaço e na Terra, em mercados comerciais, onde o papel das constelações orbitais é muito importante, chamando a ideia de exploração espacial para a Rússia de uma espécie de religião. Depois disso, pediu à Câmara de Contas que verificasse todos os empreendimentos da Roskosmos. No final de julho, ordenou que fossem feitos trabalhos urgentes para criar infraestrutura para missões tripuladas no cosmódromo de Vostochny. Isto foi seguido por uma revisão do programa federal para 2016-2025 com emendas e uma proposta para transferir a indústria espacial para a Sibéria, mais próximo do novo cosmódromo. Em junho de 2018, anunciou a possibilidade de usar a espaçonave tripulada Soyuz para voar até a Lua até que o desenvolvimento de uma nova espaçonave fosse concluído. Ele prometeu livrar a indústria de “ociosos e intrigantes”, bem como combater a corrupção em todos os níveis. Em seguida, anunciou que a produção de veículos lançadores Proton estava sendo concluída, e também instruiu a verificar e analisar os experimentos realizados na ISS, a fim de deixar apenas aqueles que eram importantes para a expansão da Rússia no espaço; além disso, ordenou que finalmente fosse concluído o segmento russo da ISS, que, em junho de 2018, não estava totalmente equipado com módulos. Nomeou Ivan Kharchenko como Vice-Chefe da Roskosmos e instruiu a aumentar o número de lançamentos de Vostochny o mais rápido possível, não apenas porque o cosmódromo não deveria ficar ocioso, mas também para atrair jovens especialistas que deveriam estar em demanda. Em 10 de julho, após o lançamento bem-sucedido da espaçonave Progress MS-09 em um esquema de encontro ultracurto para a ISS, ele informou que esta era uma etapa importante para testar a tecnologia de um esquema de dois lançamentos com posterior montagem orbital de uma espaçonave para o espaço profundo. Em meados de julho, ordenou a criação de uma corporação baseada na NPO Energomash para a produção de motores de foguete. Como resultado de uma auditoria da Câmara de Contas das empresas da Roskosmos, foram reveladas violações totalizando 760 bilhões de rublos. No final de julho, representantes da agência confirmaram informações sobre a detenção do chefe da NPO Lavochkin, Sergey Lemeshevsky, o chefe da diretoria da associação, Ekaterina Averyanova e o advogado Igor Tretyakov, acusados de “fraude em um caso especialmente grande escala”. Em agosto, Alexei Beloborodov, vice-chefe da RKK Energia, e dois de seus subordinados foram detidos sob acusação de fraude. No início de setembro, o Tribunal Tverskoy de Moscou prendeu à revelia o ex-diretor geral da Capital Trust Company Soyuz, Eduard Chesnov, sob a acusação de desviar 7,5 bilhões de rublos da Roskosmos. No início de julho, um funcionário de 74 anos de TsNIIMash, Viktor Kudryavtsev, foi preso sob a acusação de alta traição, nomeadamente a transferência de informações confidenciais para um dos países do bloco da OTAN. Em 3 de setembro, Rogozin anunciou a possibilidade de vender motores de foguete russos RD-180 para a China, sujeito à assinatura de acordos de propriedade intelectual. E no final de outubro, a Rússia transportou mais quatro motores RD-180 para os EUA.

Dmitry disse que a Roskosmos e a TsNIIMash estavam preocupadas com o cientista Viktor Kudryavtsev acusado de traição, mas também lembrou que existem requisitos rigorosos de segurança de estado e segredos de estado que todos devem cumprir. Kudryavtsev foi acusado de transferir informações secretas por e-mail para uma organização estrangeira – o belga Von Karman Institute of Hydrodynamics, com o qual TsNIIMash colaborou. Em outubro, após reunião na Energia, o chefe da Roskosmos anunciou que todas as equipes de projeto da estatal participariam do desenvolvimento de um foguete superpesado. Na abertura da conferência em Moscou sobre a diversificação da indústria espacial e de foguetes, felicitou seus participantes pelo centenário do Komsomol, e observou sua contribuição para o desenvolvimento da indústria espacial soviética. Falando em diversificação, esclareceu que não se tratava de modernização, mas de criação de algo novo. No início de novembro, em entrevista, anunciou que o novo foguete Soyuz-5 seria produzido em duas versões, tripulada e comercial, leve, o que seria mais barato para os compradores.

2019 – Em 4 de janeiro, soube-se que a NASA havia adiado a visita de Rogozin aos Estados Unidos, mas no mesmo mês, o chefe da organização, Jim Bridenstine, mostrou sua disposição de vir à Rússia ele mesmo. Ao mesmo tempo, soube-se que a Energia e a Roskosmos começaram a desenvolver o conceito de uma nova espaçonave lunar da série Soyuz, conforme prometido anteriormente. Em 10 de janeiro, Rogozin anunciou que o novo módulo Nauka para a ISS seria lançado no início de 2020. Negou, juntamente com o chefe da NPO Energomash, Igor Arbuzov, rumores sobre problemas com os motores RD-191 destinados ao foguete Angara-A5.

Em janeiro, Rogozin criticou as piadas sobre os fracassos da Roskosmos, atribuindo-as à incompetência dos jornalistas e a uma reação exagerada aos erros cometidos por especialistas de todos os países, chamando tudo isso de um ataque de informação à organização. Exemplo disso foi a situação do telescópio Radioastron, com o qual se perdeu a comunicação, foi lançado em 2011, com uma vida útil estimada de pelo menos 3 anos e possível 5 anos. Em 2019, o dispositivo ultrapassou sua vida útil em uma vez e meia, mas, por exemplo, os jornalistas da publicação Lenta.ru em seu artigo “Voo a lugar nenhum” criticaram as atividades da corporação no passado. A Ruspress e Kompromat-Ural criticaram não apenas o trabalho da Roskosmose o próprio Rogozin, mas também acusaram o Lenta.ru de remover o artigo por um suborno, e o chefe da Roskosmos de roubar dinheiro do orçamento. Os jornalistas da publicação Versia.ru acreditam que o chefe da organização se preocupava mais com a imagem do que com os resultados, esquecendo que era seu dever para com a sociedade dar um relatório oportuno sobre suas ações e as ações da organização, refutando os rumores e especulações de jornalistas. Uma investigação do serviço de imprensa da Roskosmos apontou para a mídia e vários ex-executivos e contratados contra os quais processos por difamação foram abertos. Em 21 de janeiro, Rogozin anunciou que seria realizado um recrutamento adicional de cosmonautas do sexo feminino, já que em 2018 nem uma única mulher passou nos testes, com lançamentos orbitais subsequentes e a perspectiva de missões lunares. Para a tripulação feminina, o traje espacial Orlan-ISS seria atualizado. Em abril, o chefe da Roskosmos anunciou um projeto conjunto entre sua organização e o grupo S7 para criar uma versão comercial do Soyuz-5, o foguete Soyuz-5 Leve, que substituiria o ucraniano Zenit.

Durante o ano, foram previstos lançamentos de 25 foguetes espaciais, o que superou o número de lançamentos em 2018 (19 lançamentos bem sucedidos). Paralelamente, foi assegurada a quota de lançamentos bem sucedidos ao nível de 100%. Este resultado foi alcançado “em conexão com a melhoria da qualidade dos transportadores e veículos espaciais, o trabalho altruísta de todos os trabalhadores da indústria espacial e de foguetes: lançadores, cientistas de foguetes, engenheiros, projetistas. “

2020 – Em outubro, Rogozin demitiu Evgeny Rogoza, diretor geral da diretoria do cosmódromo de Vostochny. Ele repreendeu dois funcionários da TsENKI. A demissão e as reprimendas ocorreram após a prisão do chefe do cosmódromo de Vostochny, Roman Bobkov. O engenheiro-chefe da TsENKI foi preso por fraude durante a construção do cosmódromo. Vladimir Zhuk foi detido devido a graves deficiências na construção da primeiro estágio de Vostochny. Na véspera do Ano Novo em 31 de dezembro, Rogozin observou o fato de que projetos conjuntos com a NASA estavam sendo reduzidos por sua iniciativa. Ele lembrou que, de fato, a Roskosmos estava sob sanções há muito tempo. Em dezembro, a lista publicada pela primeira vez incluiu as empresas Roskosmos – o instituto científico chefe da corporação estatal TsNIIMash, bem como o Centro Progress de Foguetes que produz veículos de lançamento da série Soyuz. Ele também disse que uma resposta coerente do chefe NASA, Jim Bridenstine, sobre sanções contra empresas da Roskosmos, ele nunca recebeu, apenas comunicados diplomáticos. E observou que, em sua opinião, o espaço deveria estar fora da política, mas, de fato,” a cooperação nessa área é a quintessência da política”. Ele prometeu que a Roskosmos enviaria cosmonautas para voar ao redor da Lua em 2028, e não em 2029, como planejado anteriormente usando o foguete Yenisei. E em 2030, pousaria cosmonautas russos na Lua. No mesmo dia, durante as felicitações aos astronautas, anunciou que havia chefiado a recém-criada diretoria, que prepararia missões lunares.

2021 – No final de janeiro, por ordem dele, especialistas da Ust-Katav Carriage Works começaram a considerar a possibilidade de abastecer o cosmódromo de Vostochny com um trem de alta velocidade. Esperava-se que o transporte elétrico levasse os funcionários do espaçoporto aos assentamentos mais próximos. Rogozin, além de tudo isso, disse que os satélites que chegassem ao aeroporto de Vostochny também seriam transportados ao redor do cosmódromo em uma plataforma de carga especial, que seria criada com base nos trens da Ust-Katav. Em março, o diretor-geral anunciou que começaram os trabalhos preparatórios para a construção de um aeroporto no cosmódromo de Vostochny. Em fevereiro, eles começaram a derrubar árvores para o aeroporto. Segundo ele, a limpeza do local deveria ser concluída antes da primavera. Esclareceu que era neste local que chegariam naves pesadas para serem lançadas pelo foguete Angara. Em abril, Dmitry Rogozin anunciou a retirada da Rússia do projeto da ISS em 2025, especificando que ninguém iria desorbitar a estação em 2025. A Roskosmos salientou que a decisão sobre a continuação dos trabalhos na ISS seria tomada mais perto de 2024, tendo em conta o seu estado. Rogozin anunciou o início dos trabalhos na ROSS, ou estação orbital de serviços russa e de acordo ele está previsto o lançamento da estação em órbita em 2030. Segundo ele, o projeto está em alto estágio de desenvolvimento. Ele também observou que a estação pode ser aberta a turistas e tripulações internacionais. No mesmo mês, ele informou que durante todo o período da epidemia, o COVID-19 foi detectado em apenas 10,4% dos funcionários da corporação, que somavam 18.452 pessoas. Em abril de 2021, 17,9 mil pessoas se recuperaram e 123 pessoas morreram.

Em 21 de abril, durante a reunião geral dos membros da Academia Russa de experimentoss, o chefe da corporação estatal propôs que dois institutos acadêmicos – o Instituto de Problemas Biomédicos da Academia Russa de experimentoss e o Instituto de Pesquisa Espacial da Academia Russa de experimentoss — mudasse para o novo prédio do Centro Espacial Nacional e lembrou que já havia sugerido isso antes, mas não obteve resposta e acrescentou que a construção do Centro Espacial estava progredindo muito rapidamente. Segundo ele, este será um “ninho” de engenharia da Roskosmos, onde pelo menos 20.000 engenheiros dos principais escritórios de design localizados em Moscou ocuparão 250.000 metros quadrados já em 2023.O NCC, criado no oeste de Moscou com base no Centro Khrunichev, incluirá divisões das principais organizações da indústria de foguetes e espaço, escritórios de design, divisões de pesquisa e organizações educacionais. Ele atuou como um dos produtores do filme ” Desafio “, que foi filmado na ISS na missão Soyuz MS-20.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

SpaceX lança hoje à noite mais uma nave de carga à ISS

Cargo Dragon C208 decola na missão SpX-25/CRS-25

O foguete Falcon 9 B1067.5 da missão Cargo Dragon CRS-25 já está no local de lançamento, instalado verticalmente na plataforma de lançamento LC-39A no Centro Espacial Kennedy (Florida). O lançamento da 25ª missão de reabastecimento da Estação Espacial Internacional pela SpaceX encomendada pela NASA está programado para 15 de julho de 2022 às 00:44 UTC (21:44, horário de Brasilia dia 14). A chegada da espaçonave à estação está prevista para aproximadamente 11h20 EDT no sábado, 16 de julho. A Dragon irá acoplar de forma autônoma na porta frontal do módulo Harmony da estação, com os astronautas da NASA Jessica Watkins e Bob Hines monitorando as operações. Espera-se que a espaçonave (a C208.3) passe cerca de um mês acoplada antes de retornar à Terra com cargas de retorno, amerrissando na costa da Flórida. Este será o quinto voo da SpaceX sob o contrato CRS Phase 2 da NASA, concedido em janeiro de 2016. Como parte da missão CRS-25, 2.630 kg de cargas diversas serão entregues à ISS, incluindo materiais para pesquisa e experimentos, bem como alimentos para a tripulação.

Seção de cabeça do foguete com a espaçonave

Este lançamento utilizará o 1º estágio B1067 (em seu 5º voo) e a nave Cargo Dragon C208 em sua 3ª missão, com previsão de pouso na plataforma A Shortfall of Gravitas “ASOG” rebocada pelo navio de apoio Doug a cerca de 300 km de distancia do local de decolagem. A previsão da meteorologia prevê 70% ‘Go’ (aprovado) para 15 e 16 de julho (00:18 UTC), e 60% ‘Go’ para 16 de julho ( às ~23:56 UTC). Todos os critérios de risco adicionais são baixos para todos os três dias.

Compartimento de carga (trunk) da nave espacial

Durante o carregamento do propelente de monometil hidrazina (MMH) na espaçonave, leituras elevadas de vapores foram medidas em uma região isolada do sistema de propulsão dos motores Draco. O combustível e o oxidante N2O4 foram descarregados para dar suporte a outras inspeções e testes. Assim que a fonte exata das leituras elevadas foram identificadas e a causa determinada, funcionários da NASA e da SpaceX conseguiram achar a fonte do problema numa uma junta de entrada da válvula do propelente. As equipes removeram o conjunto específico para substituí-lo. A SpaceX também substituiu os paraquedas da espaçonave para uma inspeção mais profunda.

Transmissão ao vivo no canal do Homem do Espaço

O Programa de Serviços de Lançamento da NASA vai enviar cinco CubeSats para a Estação Espacial Internacional como parte da missão ELaNa 45 (Lançamento Educacional de Nanossatélites) a bordo da CRS-25. Os pequenos satélites foram selecionados por meio da Iniciativa de Lançamento de CubeSats, que oferece acesso de baixo custo ao espaço para instituições educacionais dos EUA, centros da NASA e outros para desenvolver e demonstrar novas tecnologias no espaço e inspirar e desenvolver a próxima geração de cientistas, engenheiros, e tecnólogos. Os CubeSats foram desenvolvidos pelo Massachusetts Institute of Technology; a Escola Weiss em Palm Beach Gardens, Flórida; o Centro de Pesquisa Ames da NASA no Vale do Silício, Califórnia; a Universidade Aeronáutica Embry-Riddle em Daytona Beach, Flórida; e a Universidade do Sul do Alabama em Mobile. Os CubeSats serão ejetados a partir da estação espacial.

BeaverCube

Os satélites são os:
BeaverCube, tamanho 3U do Massachusetts Institute of Technology (MIT)
CLICK A, tamanho 3U do MIT/Space Systems Laboratory
D3, tamanho 2U da University of Florida, Gainesville
JAGSAT 1, tamanho 2U da University of South Alabama
CapSat 1 (Capacitor Satellite 1), tamanho 1U da Weiss School
TUMnanoSAT (Universidade Técnica da Moldávia), tamanho 1U da Moldávia

A NASA selecionou mais de 200 missões para CubeSats de mais de cem organizações representando 42 estados, o Distrito de Columbia e Porto Rico por meio da Iniciativa de Lançamento de CubeSats desde 2010. Até o momento, 134 satélites foram lançadas no espaço por meio de oportunidades na ELaNa.

Foguete F9 v1.2 FT Bl 5

Experimentos transportados

EMIT
A Earth Surface Mineral Dust Source Investigation – Investigação da Fonte de Pó Mineral da Superfície da Terra, conhecida como EMIT, passará o próximo ano medindo a composição mineral da poeira nas paisagens mais secas da Terra. Durante um briefing de quinta-feira, Robert Green, investigador principal do EMIT, explicou o que ele chamou de “ciclo de poeira mineral” do planeta. A poeira soprada na atmosfera da Terra pelos ventos do deserto viaja milhares de quilômetros. O conteúdo mineral dessa poeira atmosférica afeta o sistema climático global interconectado, e a composição desses minerais é fundamental para descobrir como. Dependendo dos minerais presentes, por exemplo, a poeira atmosférica absorverá e refletirá a luz solar de diferentes maneiras, aquecendo ou resfriando áreas, afetando a formação de nuvens e a química atmosférica. Esse tipo de poeira também pode servir como um rico depósito de nutrientes quando se instala no oceano ou em terra. No momento, de acordo com Green, há apenas um total de 5.000 amostras minerais do ciclo global de poeira da Terra nas mãos dos cientistas. O EMIT pretende deixar esse número na poeira. O módulo EMIT é carregado no porta-malas (trunk) da nave no CRS-25, e é a maior carga útil da missão. Assim que a Cargo Dragon chegar à ISS, o EMIT será conectado ao Módulo 1 de Logística Externa da estação, onde passará o próximo ano analisando espectroscopicamente mais de um bilhão de amostras de poeira de todo o planeta. Os cientistas esperam usar esses dados para atualizar modelos de sistemas globais para coisas como previsão do tempo e pesquisa climática.

Biopolymer space concrete – Concreto espacial de biopolímero
Equipamento de voo para a Pesquisa de Biopolímeros para Capacidades In-Situ, uma investigação de como a microgravidade afeta o processo de criação de uma alternativa de concreto feita com material orgânico e materiais no local, como poeira lunar ou marciana. Cada módulo faz dois tijolos, para um total de seis tijolos feitos no espaço.
O programa Artemis da NASA visa estabelecer uma presença humana permanente na Lua. No entanto, a questão de como melhor construir habitats sustentáveis ​​a partir de recursos de origem local permanece sem resposta. Materiais de construção como aço e concreto são pesados ​​e extremamente econômicos para serem lançados em órbita, sem falar na Lua .
Estudantes da Universidade de Stanford estão investigando como a microgravidade afeta a formação de uma alternativa de concreto que mistura um composto orgânico com água e recursos “in situ”, como regolito lunar ou poeira marciana, para criar um composto de solo de biopolímero (BPC). Em vez de utilizar uma reação química, calor ou pressão, os compostos usados ​​nos BPCs permitem que a mistura seque com “cerca de metade da força do cimento Portland”, de acordo com a estudante de Stanford Jocelyn Huang Thai, uma das líderes da equipe da Biopolymer Research In-Situ. Este experimento usará um composto chamado albumina de soro bovino (BSA) para criar seis tijolos a bordo da estação espacial, cada um com cerca de 7 milímetros de comprimento. Na Terra, a BSA forma pontes de proteína que conectam as partículas de sujeira durante o processo de secagem. Os pesquisadores esperam comparar tijolos misturados no espaço com contrapartes feitas na Terra para determinar a influência da microgravidade no processo de secagem e formação de pontes de proteína, e como isso afeta a densidade e a resistência dos tijolos.

Space stitches – suturas no espaço
A Agência Espacial Europeia (ESA) e a Universidade de Florença, na Itália, estão enviando amostras de pele para a estação espacial no CRS-25: Um conjunto de chips de tecido, recipientes projetados para armazenar células humanas para estudo em microgravidade, conterá amostras de pele humana e vasos sanguíneos, eticamente derivados, que foram feridos e depois suturados para estudar as forças mecânicas dos pontos no processo de cicatrização em microgravidade . À medida que o ritmo do voo espacial tripulado aumenta , alguém em algum momento será ferido inadvertidamente. Monica Monici, da Universidade de Florença, investigadora principal do estudo Suture in Space, destacou os benefícios de estudar suturas no espaço. “Experiências anteriores em culturas de células e modelos animais mostraram que o fechamento da ferida é retardado em condições de microgravidade”, explicou Monici. “Como o tempo de evacuação do espaço para a Terra [em futuras missões] pode ser muito longo, a necessidade de implementar cuidados e cirurgias para traumas aumenta. A cicatrização de feridas deve ser considerada um grande problema para investigação, pois é fundamental para a sobrevivência da tripulação”.

Microgravity Model Immunological Senescence on Tissue Stem Cells – Envelhecimento do sistema imunológico
A imunossenescência, o envelhecimento das células imunes, ocorre a uma taxa mais alta na microgravidade, e esse envelhecimento pode inibir a capacidade das células de reparar tecidos. Assim como o experimento das suturas, a investigação da Imunosenescência também usa chips de tecido, mas desta vez para estudar o envelhecimento imunocelular.
“Você é tão velho quanto se sente”: de acordo com Sonja Schrepfer, investigadora principal do projeto, a pessoa tem a idade do seu sistema imunológico. “Um sistema imunológico envelhecido não está necessariamente correlacionado com a idade do paciente, mas sim com o status do sistema imunológico”, disse Schrepfer, professora de cirurgia da Universidade da Califórnia em San Francisco. Os pesquisadores do projeto poderão observar essas células em voo e de volta ao solo também. Um experimento semelhante voou em uma missão de carga em dezembro de 2018, mas seus parâmetros de missão não planejavam um retorno. Os cientistas poderão observar a reação do tecido imunológico após o voo, depois que as amostras de imunossenescência forem trazidas à Terra em setembro.

Caracterizando os efeitos da microgravidade na cicatrização de feridas
Centro de Psiquiatria e Neurociência Militar, pesquisador: Rasha Hammamieh

Este projeto visa investigar os efeitos da microgravidade na cicatrização de feridas cutâneas em um roedor. A equipe de pesquisa documentará o processo de cicatrização de feridas e a qualidade do tecido regenerado da pele, identificando genes, redes de genes e funções celulares associadas à cicatrização de feridas cutâneas que diferem entre ambientes de microgravidade e terrestres. Alguns dos camundongos serão devolvidos vivos para observar a cicatrização de feridas e determinar a quantidade de tempo necessária após o retorno do voo espacial para a recuperação da cicatrização normal da pele. Os resultados podem identificar mecanismos moleculares afetados pela microgravidade que desempenham um papel na cicatrização de feridas na pele, levando ao desenvolvimento de melhores tratamentos de feridas na Terra.

Development of a Brain Organoid Model for Commercial Applications Desenvolvimento de um modelo organoide cerebral para aplicações comerciais, Universidade da Califórnia, San Diego; Pesquisador responsável:Erik Viirre

Este projeto visa estabelecer um modelo organoide cerebral (órgão miniaturizado e simplificado) para uso na ISS para pesquisa biomédica e aplicações de medicina personalizada. Desenvolvidos a partir de células-tronco, os organoides cerebrais serão editados por genes e usados ​​para estudar doenças neurológicas em microgravidade. Esses modelos organoides podem auxiliar no estudo de doenças que representam um fardo significativo para a saúde, como autismo e doença de Alzheimer.

Electrical Stimulation of Human Myocytes in Microgravity – Estimulação elétrica de miócitos humanos em microgravidade
Universidade da Flórida; Pesquisador responsável: Siobhan Malany

Este projeto visa desenvolver um sistema de chip de tecido para cultivar e estimular eletricamente células musculares esqueléticas primárias humanas de adultos jovens e idosos em microgravidade. A estimulação elétrica faz com que os microtecidos musculares se contraiam, permitindo que a equipe monitore as taxas de contração muscular. Alterações fisiológicas que resultam em perda de massa e força muscular ocorrem cerca de 10 vezes mais rápido na microgravidade do que na Terra. A plataforma de chip de tecido da equipe servirá como um sistema avançado de cultura de células humanas para estudar alterações fisiológicas induzidas por microgravidade que imitam a perda muscular relacionada à idade e para testar terapias para tratar a perda muscular. Este projeto baseia-se em uma investigação patrocinada pelo ISS National Lab para validar o uso de um sistema lab-on-a-chip para cultivar células musculares esqueléticas humanas em microgravidade.

Genes in Space-9, Boeing e miniPCR bio ; Pesquisador responsável:Scott Copeland

Esta experiência estudantil através do programa Genes in Space testará um método que pode ser usado para analisar a qualidade da água em órbita. Se for bem-sucedido, esse método poderá ser usado para desenvolver um biossensor que procuraria patógenos em amostras de água. Esse sensor agilizaria os testes de qualidade da água, fornecendo uma ferramenta valiosa para viajantes espaciais e pessoas em comunidades remotas ou de poucos recursos na Terra que não têm acesso a equipamentos sofisticados. Genes in Space é uma competição anual de pesquisa de alunos do 7º ao 12º ano a projetar experimentos de DNA a serem conduzidos através do Laboratório Nacional da ISS.

Interfacial Bioprocessing of Pharmaceuticals Via Ring-Sheared Drop Module – Bioprocessamento interfacial de produtos farmacêuticos por meio do módulo de gota de anel cortado , Arizona State University; Pesquisador responsável: Juan Lopez

Este projeto busca desenvolver e testar modelos preditivos para entender e controlar as forças fluidas que causam a agregação de proteínas (clustering) durante o desenvolvimento de drogas. A equipe de pesquisa girará uma gota de solução de proteína de uma polegada de diâmetro em um módulo motorizado e observará a formação da gota à medida que ela sofre cisalhamento (força de dois fluidos deslizando um pelo outro). A agregação de proteínas pode ser um fator limitante significativo na fabricação de produtos farmacêuticos, afetando a qualidade e o rendimento dos ingredientes farmacêuticos ativos. A capacidade de prever melhor como o cisalhamento afeta as proteínas pode ajudar os pesquisadores a mitigar melhor os efeitos indesejáveis ​​durante a fabricação de produtos farmacêuticos. Esta investigação é financiada pela US National Science Foundation.

Spectral Characterization of Novel Spacecraft Materials at Low Earth Orbit Environment – Caracterização espectral de novos materiais de naves espaciais no ambiente de órbita terrestre baixa, Georgia Institute of Technology; Pesquisador responsável: Elena Pils

Este projeto usará o MISSE Flight Facility para avaliar as mudanças nas propriedades ópticas de materiais para naves espaciais convencionais e novos à medida que são expostos às condições extremas do espaço. A equipe de pesquisa correlacionará esses dados de propriedades ópticas com a química do material e os dados de vida útil esperados para produzir um banco de dados que será valioso tanto no diagnóstico remoto da saúde do material da espaçonave quanto na melhoria da simulação do ambiente espacial terrestre para testes de materiais.

Structure and Stability of Foams and Emulsions – Estrutura e estabilidade de espumas e emulsões, City College of New York
Pesquisador responsável: Jing Fan

Este projeto visa validar um fenômeno físico previsto em modelos, mas nunca observado: estrutura ótima de embalagem de espumas secas. O projeto também estudará se é possível usar nanopartículas ecologicamente corretas em vez de surfactantes para estabilizar espumas e emulsões. A microgravidade é benéfica porque as bolhas e gotas que formam espumas secas podem se formar sem serem confinadas em um recipiente, permitindo que as espumas e emulsões sejam preservadas e observadas por várias horas. Os resultados podem levar a melhorias em produtos de uso diário, como molhos para saladas, sabonetes líquidos, cremes cosméticos, extintores de incêndio e muito mais. Este projeto é financiado pela US National Science Foundation.

Study of Induced Pluripotent Stem Cells in Microgravity – Estudo de células-tronco pluripotentes induzidas em microgravidade, Cedars-Sinai Medical Center; Pesquisador responsável:Clive Svendsen

A Cedars-Sinai, em parceria com a Space Tango, explorará o efeito da microgravidade nas células-tronco pluripotentes induzidas (iPSCs) e nas células progenitoras neurais que elas geram. As iPSCs humanas são ideais para criar e testar tratamentos em potencial que podem ser adaptados a um indivíduo. A microgravidade pode superar alguns dos problemas envolvidos nos processos pelos quais as células-tronco se dividem e se tornam diferentes tipos de células, o que poderia avançar na fabricação de iPSCs para o tratamento de várias doenças na Terra.

Tide in Space, Procter & Gamble; Pesquisador responsável:Mark Sivik

Esta investigação busca auxiliar no desenvolvimento de soluções de lavanderia de baixo uso de recursos para o uso diário, ao mesmo tempo em que atende às demandas dos consumidores por produtos mais sustentáveis. Este projeto expandirá um experimento inicial a bordo do laboratório em órbita utilizando o Tide Infinity para testes de estabilidade. Este projeto avaliará ainda mais os principais ingredientes encontrados nas canetas Tide To Go e nos lenços Tide To Go, permitindo que a empresa examine a viabilidade de soluções de detergentes de limpeza no espaço.

CONTAGEM REGRESSIVA
hh:min:ss Evento
00:38:00 O diretor de lançamento da SpaceX verifica a carga de propelentes
00:35:00 O carregamento de RP-1 (querosene de grau de foguete) começa
00:35:00 O carregamento do 1º estágio com LOX (oxigênio líquido) começa
00:16:00 O carregamento de LOX do 2º estágio começa
00:07:00 Falcon 9 inicia o resfriamento dos motores (chilldown) pré-lançamento
00:05:00 Transição do Dragon para eletricidade interna
00:01:00 Computador de voo de comando para decolagem as verificações finais de pré-lançamento
00:01:00 Tanques de propelente pressurizados para voo
00:00:45 Diretor de lançamento da SpaceX verifica o lançamento
00:00:03 O controlador comanda a sequência de ignição dos motores para decolagem
00:00:00 Decolagem do Falcon 9

LANÇAMENTO, ATERRISSAGEM E LIBERAÇÃO DA CARGA ÚTIL
Todos os tempos são aproximados
hh:min:ss Evento
00:01:12 Max Q (momento de máximo de estresse mecânico no foguete)
00:02:27 Corte dos motores principais do 1º estágio (MECO)
00:02:30 1º e 2º estágios separados
00:02:38 Partida do motor do 2º estágio
00:02:43 Começa a queima de ‘boostback’ do 1º estágio
00:03:15 “boostback” do 1º estágio completa
00:05:45 Começa a queima de reentrada do 1º estágio
00:05:59 A queima de reentrada do 1º estágio é concluída
00:07:06 Começa a queima de pouso do 1º estágio
00:07:33 1ª estágio pousa na barca
00:08:37 Corte dos motores do 2º estágio (SECO)
00:11:49 Dragon se separa do 2º estágio

Perfil de lançamento e entrada em órbita

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

China lança TL2 03 e completa etapa de comunicação espacial

Foguete CZ-3B colocou o satélite com sucesso em órbita

Longa Marcha 3B decola de Xichang

A China lançou hoje com sucesso um novo satélite de retransmissão de dados do Centro Espacial Xichang, no sudoeste da província de Sichuan. O satélite Tianlian II-03 (“TL-2C” ou TL-2 03) foi lançado às 00:30 de 13 de julho de 2022 (dia 12 às 16:30 UTC, 13:30 de Brasília), horário de Pequim, usando o foguete transportador Longa Marcha-3B. O Tianlian II-03 é o satélite de retransmissão de segunda geração projetado para operar em órbita geossíncrona. O Long March 3B número Y85, neste lançamento, elevou o número de satélites da rede de retransmissão Tianlian para oito. Este foi o 23º lançamento orbital da China no ano.

Resumo do lançamento

A missão foi um sucesso total. o sistema de satélite de retransmissão de dados de órbita geossíncrona de segunda geração chinês foi oficialmente concluído. A carga útil mais especial do satélite é a antena responsável pela captura e rastreamento, que pode fornecer um amplo alcance e alta precisão para capturar e rastrear usuários-alvo e fornecer a esses usuários a função de transmissão de dados de alta velocidade.

Ele realizará retransmissão de dados, bem como funções de telemetria, rastreamento e controle para naves espaciais tripuladas e satélites de recursos naturais em órbita baixa e média. Além disso, o Tianlian II-03 será usado para telemetria, rastreamento e controle de lançamentos de espaçonaves.

Este foi o 426º lançamento da série de veículos lançadores Longa Marcha. O Longa Marcha 3B/E, também conhecido como 3B/G2, é uma variante aprimorada do CZ-3B, apresentando um primeiro estágio e boosters ampliados, aumentando sua capacidade de carga útil em transferencia geoestacionária GTO para 5.500 kg. Seu vôo inaugural ocorreu em 13 de maio de 2007, quando lançou com sucesso o NigComSat-1 da Nigéria, o primeiro satélite de comunicações geossíncrono africano. Em 2013, lançou com sucesso a sonda lunar Chang’e 3 e o rover Yutu. Desde 2015, os Longa Marcha 3B e 3C podem opcionalmente acomodar um estágio superior YZ-1, que tem sido usado para lançamentos duplos ou satélites de navegação BeiDou em órbita terrestre média (MEO).

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

SpaceX tem acidente durante teste de superfoguete

Ensaio do motor do super pesado termina com explosão repentina

Fragmentos de telas e escudos de proteção térmica, e possivelmente peças dos motores, se espalharam ao redor da mesa de lançamento em Starbase, Boca Chica, Texas

Um teste do ‘booster’ para o primeiro veículo orbital da SpaceX ontem, 11 de julho de 2022, terminou um fogo inesperado da baia de motores, provocando um incêndio na plataforma. A explosão aconteceu por volta das 17h20 ET, e ainda não há informações sobre a causa da anomalia – ou se alguém ficou ferido durante o incidente. A explosão foi seguida por uma quantidade significativa de fogo nas proximidades do foguete e chamas e fumaça ainda podiam ser vistas saindo da plataforma uma hora após o incidente, mas a situação no local não pareceu estar piorando. A empresa começou a realizar testes pré-voo do protótipo neste ano. Esse protótipo em especial, identificado como Booster 7, está nesses testes há alguns meses, e passou por um teste de prova criogênica em maio, então os engenheiros instalaram todos os motores Raptor V2. Na segunda-feira, 11 de julho, a SpaceX realizou os primeiros testes no Booster 7 e a operação terminou com a explosão inesperada. A explosão causou uma onda de choque que foi capturada pelas câmeras de transmissão ao vivo do LabPadre e da NASASpaceflight. Em 12 de julho, às 8h50 ET , novos detalhes surgiram sobre a anomalia. Uma “nuvem de gás metano e oxigênio misturados foi acidentalmente inflamada” e “funcionou como uma pequena bomba de ar-combustível”, resultando em explosão e onda de choque. O fundador da empresa, Elon Musk, compartilhou via Twitter que a ” equipe está avaliando os danos”. Em um tweet que foi logo excluído, Musk sugeriu que o evento fora planejado e que fazia parte do “teste do motor do ‘booster’”. Mais tarde, Musk removeu o tweet, dizendo que a anomalia na mesa de lançamento “na verdade não foi boa”. Durante o teste, o foguete foi abastecido com metano líquido criogênico e oxigênio líquido. Quando o veículo foi abastecido, causou uma ventilação significativa que foi vista debaixo do foguete antes que a explosão maciça ocorresse. Em uma breve conversa no Twitter sob o vídeo da explosão, o astrônomo Jonathan McDowell escreveu a Musk – “No quadro geral, ainda nos primeiros dias com Raptor V2. Ainda aprendendo, acho. Boa sorte com a análise”. Ao que Musk respondeu: “O combustível criogênico é um desafio adicional, pois evapora e cria risco de explosão de combustível-ar em uma atmosfera parcialmente de oxigênio como a Terra. Agora, temos muitos sensores para detectar isso. Em um tweet subsequente, o CEO da SpaceX disse que a anomalia “era específica para este tipo teste de partida do motor”, já que os 33 motores Raptor exigem uma “sequência de partida complexa”. Em uma série de tweets, Musk disse que a empresa estava planejando um “teste de partida” dos motores, que não envolvesse a ignição. “O Raptor tem uma sequência de partida complexa”, escreveu ele. “No futuro, não faremos um teste de partida giratória com todos os 33 motores de uma só vez.” Musk acrescentou que, daqui para frente, “não faremos um teste de partida com todos os 33 motores de uma só vez”. Durante a noite, Musk disse que a base do Booster 7 “parece bem à luz da lanterna”, mas os funcionários da SpaceX “desligaram (neutralizaram) a plataforma durante a noite por segurança”. As equipes de solo “saberão mais pela manhã”, acrescentou.

Momentos após a explosão

A SpaceX está no meio da preparação de seu foguete e da nave Starship para seu lançamento orbital inaugural; havia transferido o veículo Super Heavy chamado Booster 7 para a plataforma de Boca Chica, Texas, em junho, para testes. A SpaceX não definiu uma data de lançamento firme para esse primeiro voo, nem está claro como esse incidente afetará esses planos.

Ainda não está claro o que causou a anomalia. A SpaceX não emitiu avisos de que tentaria um teste de ignição estática do Booster 7. Tal teste, envolvendo alguns ou todos os trinta e três motores Raptor no booster, é um marco importante antes da primeira tentativa de lançamento orbital. Nesse primeiro lançamento orbital, o foguete de primeiro estágio Super Heavy cairá no Golfo do México ou tentará pousar na Starbase, de acordo com um recente arquivo da Comissão Federal de Comunicações. A Starship entrará brevemente em órbita a uma altitude de cerca de 250 quilômetros antes de reentrar na atmosfera e fazer um “pouso direcionado e motorizado”, ou seja, uma queda controlada, no Oceano Pacífico, ao norte do Havaí. Esse pedido da FCC para uma licença experimental cobre um período de seis meses a partir de 1º de agosto. A SpaceX ainda precisará de uma licença de lançamento da Federal Aviation Administration (FAA) para realizar o lançamento. Embora a FAA tenha concluído uma avaliação ambiental em 13 de junho, permitindo que esses lançamentos continuem, essa revisão exige que a SpaceX implemente dezenas de medidas para mitigar os efeitos ambientais.

Usuários de twitter sugeriram que a SpaceX tentasse queimar/evaporar os vazamentos de combustível antes da ignição para evitar explosões, como a NASA fazia com o ônibus espacial, e Musk concordou com o método. “Essa é uma das coisas que faremos daqui para frente”, escreveu Musk em resposta, surpreendendo especialistas que supunham que um recurso tão básico para este tipo de motor tenha sido ignorado pela SpaceX durante todo esse tempo. “Este problema em particular, no entanto, foi específico para o teste de partida giratória do motor (o Raptor tem uma sequência de partida complexa). Daqui para frente, não faremos um teste de partida giratória com todos os 33 motores de uma vez”, disse Musk. A SpaceX está aguardando uma licença de voo espacial da Federal Aviation Administration (FAA) para lançar a Starship em órbita neste verão. Não está claro se a explosão causou algum dano que potencialmente atrasaria o tão esperado teste de voo orbital de estreia. Em relação à quantidade de danos que a explosão causou, Musk disse que “a base do veículo parece bem à luz de lanternas”, ele escreveu em 12 de julho à meia-noite, “eu estava lá há cerca de uma hora.”

‘Booster’ B7

Mudanças dos motores Raptor V1 para os Raptor V2

  • Muitos componentes externos foram removidos ou fundidos
  • O empuxo do Raptor V1 era de cerca de 180 toneladas, enquanto o do Raptor 2 é de 230 toneladas e pode chegar a 250 toneladas.
  • A pressão de operação do Raptor V2 é de 300 bar, tornando-se a maior pressão de câmara para um motor de foguete em funcionamento
    Quanto aos testes dos motores
  • Elon diz que eles “explodiram” pelo menos 20 a 30 Raptor V2s.
  • Este modo de teste só foi habilitado devido ao alto desempenho dos Raptors.
  • Elon também diz que a SpaceX “derreteu” cerca de 50 câmaras, o que geralmente resultava em um desligamento “suave” se o motor parasse rápido o suficiente.
  • Eles podem remover as bombas e unidades de energia dos motores derretidos na câmara para reutilização.
    Quanto aos ignitores no Raptor V2
  • O Raptor 1 tem acendedores de queimadores na câmara principal, que foram removidos no Raptor 2.
  • Quando perguntado sobre a fonte do acendedor do Raptor 2, Elon disse que era um “molho secreto”.
  • A remoção dos ignitores da câmara principal resultou em uma “redução significativa da complexidade”, com menos pontos de falha e que tornou o motor mais leve.
    Quanto à vetorização de empuxo
  • O Raptor V2 ainda usa atuadores hidráulicos, os mesmos do Raptor 1, mas querem mudar para atuadores elétricos em futuras versões do motor.
    Outras mudanças
  • Elon diz que a remoção das carcaças do motor resultaria em uma redução dramática no peso, custo e complexidade.
  • A única coisa que impede que certas coberturas sejam removidas são os componentes sensíveis ao calor.
  • Elon também diz que remover interfaces parafusadas seria a solução ideal.
  • Eles também estão procurando maneiras de eliminar o Throat Film Cooling (refrigeração por camada de gás na garganta do motor) no original.

Detalhes do Booster 7

  • Elon reconhece um problema que ocorreu durante o teste do Booster 7 em abril, quando o “LOX Transfer Tube” (duto de transferencia de oxigênio líquido do tanque para o motor) entrou em colapso, e que havia sido reparado no momento em que um vídeo foi postado. O sistema de pré-tratamento de gás natural e o liquefator não são mais necessários devido aos avanços no design e nas capacidades dos motores da SpaceX. Anteriormente, previa-se a necessidade de refinamento adicional de metano para níveis mais puros do que os disponíveis comercialmente adotados. No entanto, como resultado dos avanços do motor, a SpaceX pode contar com metano disponível comercialmente sem refinamento. Assim, a empresa não está mais propondo um sistema de pré-tratamento e liquefator de gás natural. Como a SpaceX não está mais propondo uma usina de dessalinização, sistema de pré-tratamento de gás natural e liquefator, não se requer mais uma usina de energia.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

SpaceX lançou lote Starlink Fl49 Grupo 4-21

Satélites v1.5 L20 foram lançados pelo Falcon 9 B1058.13

A SpaceX lançou um Falcon 9 (B1058-13) do SLC-40 na Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral, na Flórida, em 7 de julho de 2022, às 09h01 EDT (13:11 UTC, 10:11 Brasilia). Este lançamento levou mais um lote de satélites Starlink (Starlink Group 4-21) para uma órbita inicial baixa de 300 m com inclinação de 53,2°.

O ‘core’ de primeiro estágio pousou na balsa-drone Just Read the Instructions, estacionada no Oceano Atlântico. O B1058-13 foi o segundo booster de Falcon 9 a ser lançado 13 vezes. Já o navio de apoio Bob só conseguiu recuperar uma das conchas da carenagem de cabeça do foguete no oceano.

Este primeiro estágio lançou as seguintes missões:
Crew Dragon Demo 2
ANASIS-II
Starlink v1.0 L-12
CRS-21
Transporter-1
Starlink v1.0 L-20
Starlink v1.0 L-23
Starlink v1.0 L-26
Grupo Starlink 4-1
Transporter-3
Grupo Starlink 4-8
Grupo Starlink 4-17

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

SpaceX lançou mais um lote de Starlinks

Mais 46 satélites com link de laser foram colocados em órbita

Foguete B1063.6 decola

Um veículo de lançamento Falcon 9 da SpaceX lançou 46 satélites Starlink v1.5 L21 (Starlink Fl50 Grupo 3-1) de Vandenberg SLC-4E, em 11 de julho de 2022, às 01:39 UTC (10 de julho, às 22:39 Brasilia). Após a separação, o primeiro estágio do Falcon 9 pousou na balsa-drone Of Course I Still Love You (OCISLY), estacionada no Oceano Atlântico a 643 km de distância, enquanto as conchas da carenagem de carga foram recuperadas no oceano pelo navio NRC Quest a 654 km. Os satélites números 1022 a 1067 foram liberados em órbita baixa de 350 km inclinada em 97,6 graus depois de duas ignições do motor do segundo estágio.

Eventos no lançamento – Todos os horários aproximados

h:min:s evento

00:00:00 Decolagem
00:01:12 Max Q (momento de máximo de estresse mecânico no foguete)
00:02:28 Corte dos motores principais do 1º estágio (MECO)
00:02: 31 1º e 2º estágios separados
00:02:38 Ignição dos motores do 2º estágio (SES-1)
00:02:44 Liberação da carenagem
00:06:20 Início da ignição de reentrada do 1º estágio
00:06:39 Ignição de reentrada do 1º estágio concluída
00:08 :03 Início da queima de pouso do 1º estágio
00:08:25 Pouso do 1º estágio
00:08:42 Corte dos motores do 2º estágio (SECO-1)
00:53:56 Segunda ignição dos motores do 2º estágio (SES-2)
00:53:57 segundo corte dos motores do 2º estágio (SECO-2)
01:02:58 Satélites Starlink são liberados

O primeiro estágio deste Falcon 9 (B1063.6) anteriormente lançou cinco missões: Sentinel-6, DART e três outras missões Starlink. O primeiro pouso bem-sucedido em 8 de abril de 2016 como parte da missão CRS-8 também foi realizado na plataforma OCISLY. Este foi o 51º pouso de sucesso nesta plataforma.

Estatísticas de lançamento do Starlink-3.1

  • 6º voo do Falcon 9 B1063
  • 25º lançamento de Vandenberg
  • 29º lançamento de 2022
  • 50º lançamento dedicado a Starlink
  • 51º pouso na plataforma OCISLY
  • 55º pouso consecutivo bem sucedido
  • 90º ocasião de carenagem reutilizada para voo
  • 100º pouso bem sucedido em plataforma
  • 129º pouso bem sucedido geral
  • 138º lançamento consecutivo bem sucedido da SpaceX
  • 163º lançamento de um Falcon 9
  • 171º lançamento da SpaceX

Starlink:

  • 2.805 satélites lançados
  • 2.552 em órbita
  • 2.039 em operação

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Russos lançam GLONASS-K

Satélite de navegação para o sistema russo

Soyuz 2.1b nº R15000-037 decola de Plesetsk

Às 12h18, horário de Moscou (06:18 Brasilia), o foguete transportador Soyuz-2.1b/Fregat com a espaçonave Glonass-K No. 16L foi lançado do cosmódromo “norte” (Plesetsk) da Rússia. Todas as operações de pré-lançamento e lançamento ocorreram no modo normal. Poucas horas depois, o novo satélite de navegação se separou do estágio superior Fregat e foi colocado na órbita pretendida sob controle. Uma conexão de telemetria estável foi mantida mostrando os sistemas de bordo funcionando normalmente. O novo satélite irá complementar a constelação orbital do Sistema Global de Navegação por Satélite GLONASS, que agora inclui 25 aparelhos, dois da nova geração Glonass-K e mais três em manutenção. O satélite foi aceito para controle por instalações terrestres do Centro Espacial Principal de Testes G. S. Titov das Forças Espaciais das Forças Aeroespaciais e “… os sistemas de bordo da espaçonave estão funcionando normalmente”, anunciou o departamento.

Este foi o 86º lançamento consecutivo bem sucedido de um veículo lançador russo. No ano passado, a Roskosmos quebrou o recorde de 1992-1993 para o número de lançamentos perfeitos em sucessão. Até o final de dezembro de 2021, 76 lançamentos bem-sucedidos de foguetes russos foram realizados: 37 de Baikonur, 23 de Plesetsk, oito de Vostochny e Kourou. São 62 lançamentos de foguetes da família Soyuz (cinco de Soyuz-FG, dezoito de Soyuz-2.1a, 28 de Soyuz-2.1b, três – Soyuz-2.1v, e 4 de “Soyuz-ST-A” e ” Soyuz-ST-B”), Nove lançamentos de Proton-M, dois lançamentos de Angara-A5 e três de Rokot’s completam a lista.

O Glonass-K

É uma nova espaçonave do Sistema Global de Navegação por Satélite. Em comparação com seus antecessores – os Glonass-M – eles têm características técnicas aprimoradas e uma vida ativa estendida (dez anos de operação em vez de sete). A principal inovação é que além dos sinais de navegação com divisão de frequência nas bandas L1 e L2, eles emitem um sinal por divisão de código civil na banda L3. Isso torna possível aumentar significativamente, até dezenas de centímetros, a precisão das determinações de posicionamento, mesmo sem o uso de estações especiais de correção de solo.

Além do sinal de navegação, um complexo radiotécnico especial está instalado a bordo do Glonass-K para trabalhar no sistema internacional de busca e salvamento KOSPAS-SARSAT. Ou seja, os satélites não apenas permitem que a pessoa envolvida em um acidente aéreo, marítimo ou outro receba dados sobre sua localização, mas também transmita um sinal SOS com esses dados através dos satélites Glonass-K.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

CAPSTONE: NASA anuncia problemas com o satélite lunar

Cubesat de testes foi lançado há uma semana e enfrenta falha de comunicação

A NASA emitiu um comunicado sobre os problemas com a misssão do cubesat CAPSTONE no dia 5 de julho de 2022:
“Após a colocação em órbita bem-sucedida e o início do comissionamento da espaçonave em 4 de julho, a Cislunar Autonomous Positioning System Technology Operations and Navigation Experiment ( CAPSTONE ) experimentou problemas de comunicação enquanto estava em contato com a Deep Space Network. A equipe da responsável atualmente está trabalhando para entender a causa e restabelecer o contato. A equipe tem bons dados de trajetória da espaçonave com base na primeira passagem completa e na segunda parcial da estação terrestre com a Deep Space Network. Se necessário, a missão tem propelente suficiente para atrasar a manobra inicial de correção da trajetória pós-separação por vários dias. Atualizações adicionais serão fornecidas assim que possível.”

Após seu lançamento em 28 de junho, a CAPSTONE orbitou a Terra ligada ao estágio superior Photon do seu foguete-lançador Electron da Rocket Lab, que manobrou em posição para sua transferência para a Lua. Nos seguintes seis dias, os motores do Photon dispararam sete vezes em momentos-chave para elevar o ponto mais alto da órbita para cerca de 1.303.568 km da Terra antes de liberar o cubesat em sua trajetória de transferência lunar balística lunara. A espaçonave está sendo pilotada pelas equipes da Advanced Space e Terran Orbital.

Como um desbravador para a estação de transbordo lunar Gateway , que faz parte do programa Artemis da NASA , o CAPSTONE ajudará a reduzir o risco para futuras naves tripuladas validando novas tecnologias de navegação e verificando a dinâmica de sua órbita em forma de halo. Esta órbita, formalmente conhecida como órbita halo quase retilínea (NRHO), é significativamente alongada. Sua localização em um ponto de equilíbrio nas gravidades da Terra e da Lua oferece estabilidade para missões de longo prazo como o Gateway e requer energia mínima para se manter. A órbita do CAPSTONE também estabelecerá um ponto que é uma área de preparação ideal para missões à Lua . A órbita trará o CAPSTONE a 1.600 km de um pólo lunar em sua passagem próxima e 70.000 km do outro pólo em seu apogeu a cada sete dias, exigindo menos capacidade de propulsão para naves voando para a superfície lunar do que outras órbitas circulares.

Após uma viagem de quatro meses até o seu destino, o CAPSTONE orbitará essa área ao redor da Lua por pelo menos seis meses para estudar as características da órbita. Especificamente, ele validará os requisitos de energia e propulsão para manter sua órbita conforme previsto pelos modelos da agência espacial , reduzindo as incertezas logísticas. Também demonstrará a confiabilidade de soluções de navegação para espaçonaves, bem como recursos de comunicação com a Terra. A órbita NRHO oferece a vantagem de uma visão desobstruída da Terra, além da cobertura do pólo sul lunar.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Virgin lança mais sete satélites com seu foguete lançado de avião

Launcherone colocou pequenas espaçonaves em órbita

Lonestar

Na missão “Straight Up” da Virgin Orbit, a aeronave Boeing 747 “Cosmic Girl” decolou do Mojave Air and Spaceport na Califórnia, em 2 de julho de 2022, às 05:49 UTC (08:49 Brasilia). O “Cosmic Girl” viajou ao largo da costa do Pacífico a cerca de 9,6 km de altitude, em seguida, liberou o foguete LauncherOne que lançou sete satélites para a missão STP-S28A da Força Espacial dos EUA, às 06:53 UTC (09:53 Brasilia). O CelesTrak divulgou dados para três objetos do lançamento (2022-074) catalogados em órbitas de 492 x 498 km inclinadas em 45,0 graus.

A lista dos satélites colocados em órbita na missão:

CTIM-FD
GPX2
Gunsmoke L
MISR B
NACHOS 2
Recurve
Slingshot 1

CTIM -FD

A bordo da missão Straight Up estava o Lonestar. Patrocinado pelo Comando de Defesa Espacial e Mísseis do Exército dos EUA, é um veículo experimental de apoio espacial tático que ajudará nas operações de força conjunta. Também esta a bordo o CubeSat CTIM -FD da Universidade do Colorado em Boulder. Em órbita, o CubeSat, que faz parte da missão ELaNa 39 da NASA, monitorará a Irradiância Solar Total (a entrada de energia espectralmente integrada no topo da Terra) detectando observações solares durante o dia e a noite.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Militares dos EUA lançam dois satélites de teste

Missão USSF-12 decolou num Atlas V 541

Um veículo lançador Atlas V 541 AV-094 da United Launch Alliance (ULA) lançou a missão USSF-12 diretamente para a órbita geossíncrona, do Space Launch Complex 41 (SLC-41) na Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral, Flórida, em 1º de julho de 2022, às 23h15 UTC (20h15 de Brasília). A missão USSF-12 para o Comando de Sistemas Espaciais da Força Espacial dos EUA (SSC) teve duas cargas : o Wide Field of View (WFOV) para o Space Sensing Directorate do SSC e a espaçonave USSF-12 ‘Ring’ para o Programa de Teste Espacial STP do Departamento de Defesa. O Atlas V transportou ambas as espaçonaves diretamente à órbita geossíncrona aproximadamente 35.500 km acima do equador aproximadamente 6 horas após a decolagem. Segunda queima do estágio Centauro estava prevista para elevar a órbita para 186 x 36.334 km x 26,2 graus de inclinação.

Liberação do WFOV

Uma terceira ignição às 0459 UTC colocou o veículo em uma órbita de 36.106 x 36.168 km x 0,0 graus, e as cargas úteis seriam liberadas junto com um adaptador. A terceira queima do estágio superior Centauro foi completada, terminando a fase de voo propulsado para o lançamento dos dois satélites. O adaptador especial que permitiu ao Atlas V transportar as duas cargas úteis foi descartado com sucesso abrindo caminho para a liberação do anel USSF-12 Ring. A espaçonave USSF-12 Ring para foi liberada pelo Centauro, completando o lançamento. A missão USSF-12 decolou do Cabo Canaveral após um atraso de 24 horas na quinta-feira devido ao clima, bem como atrasos climáticos adicionais no início da janela de sexta-feira. O primeiro e o segundo estágios do Atlas V se separaram quatro minutos e meio após a decolagem, logo seguidos por uma ignição de mais de seis minutos do motor do estágio Centauro.

Ejeção do adaptador de transição

O satélite Wide Field of View (WFOV), é uma plataforma de testes para uma nova geração de tecnologia de vigilância de mísseis. O outro satélite, o STP é um chassi que hospedava uma série de demonstrações de tecnologia para o Departamento de Defesa dos EUA. Foi chamado, simplesmente, de USSF-12 Ring. O satélite WFOV e o USSF-12 Ring foram projetados para operação por até três anos. O WFOV possui um sensor de imagem com mais de 2 metros, que foi construído pela L3Harris Technologies, uma empresa que também produziu componentes ópticos para os telescópios espaciais Hubble e James Webb da NASA, bem como para o telescópio espacial Nancy Grace Roman, que está atualmente em desenvolvimento. O sensor foi projetado para um novo tipo de sistema de detecção – o rastreamento de armas hipersônicas – e o WFOV ajudará o SSC a calibrar sua precisão. O principal objetivo do WFOV é demonstrar que seu sensor pode executar simultaneamente uma missão estratégica – observando lançamentos de mísseis em seu campo de visão – ao mesmo tempo em que se concentra em alvos mais estreitos de significado tático. Ao fazê-lo, demonstrará técnicas e algoritmos que serão vitais para o sucesso das futuras missões do NG-OPIR. O WFOV não faz parte da constelação Tracking Layer da Agência de Desenvolvimento Espacial, outro sistema experimental de detecção de mísseis programado para ser lançado em um futuro próximo, que inclui vários satélites. Dado que a L3Harris, fabricante da carga útil infravermelha do USSF-12 WFOV, é a principal contratada para quatro dos satélites de rastreamento, no entanto, é provável que haja algumas semelhanças e equipamentos potencialmente compartilhados.

Liberação do anel USSF-12 Ring

Os sucessores do WFOV, os satélites do programa OPIR, estão a caminho de ser lançados em 2025, de acordo com um comunicado do SSC, com um total de cinco programados para até 2028. Tanto o WFOV quanto o USSF-12 Ring são considerados cargas úteis classificadas em apoio à segurança nacional, portanto, não há muita informação disponível para nenhum deles. No entanto, representantes de agências governamentais e empreiteiras puderam oferecer alguns detalhes. O USSF-12 Ring foi construído pela Northrop Grumman com base na linha de produtos ESPAStar da empresa. Este anel está sendo controlado pelo DoD e possui seis suportes de carga útil exclusivos, bem como um sistema de propulsão independente, disse Matt Verock, vice-presidente de segurança espacial da Northrop Grumman. O DoD não divulgou detalhes sobre nenhuma dessas cargas, mas o diretor do programa, tenente-coronel Jon Shea, disse que o USSF-12 Ring e suas cargas irão “lançar os principais desbravadores para recursos futuros e oferecer tecnologias inovadoras para nos ajudar a avançar em futuras missões”.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9