Ex número dois da NASA lança livro

Lori Garver ataca o administrador atual e diz que “primeira mulher na Lua será truque de marketing”

Lori Garver chegou ao segundo lugar da NASA no governo Obama

Um livro de memórias sem censura da ex-número 2 da agência espacial americana critica duramente o administrador da NASA e denuncia uma “cultura dominada por homens” por desperdiçar bilhões em no foguete lunar SLS do governo. Ela também rotula a promessa de levar a primeira mulher à Lua – primeiro pelo governo Trump e agora pela Casa Branca de Biden – como pouco mais do que um “truque de marketing”. Lori Garver, que chegou ao segundo lugar da NASA no governo Obama, não se conteve em um novo livro de memórias que foi lançado ontem, 21 de junho, “Escaping Gravity: My Quest to Transform NASA and Launch a New Space Age“, pela Diversion Books.

Lori Garver é ex-administradora adjunta da NASA e gerente geral da Air Line Pilots Association. Nomeada pelo presidente Barack Obama e confirmada pelo Senado dos Estados Unidos, Lori Beth Garver foi vice-administradora da NASA de 17 de julho de 2009 a 6 de setembro de 2013. Como vice-administradora, Garver foi a segunda em comando da agência espacial. Ela trabalhou em colaboração com o administrador na liderança geral, planejamento e orientação política para a agência.

Essa foi a segunda vez que ela trabalhou para a NASA. Seu primeiro período de serviço na agência foi de 1996 a 2001. Garver primeiro serviu como assistente especial do administrador e analista sênior de políticas do Escritório de Políticas e Planos, antes de se tornar administradora associada do Escritório. Reportando-se ao administrador, ela supervisionou a análise, o desenvolvimento e a integração de políticas e planos de longo prazo, o Sistema de Gerenciamento Estratégico e o Conselho Consultivo da NASA. No entanto, o cargo de vice-administrador é na verdade um posto sem poder de mando, uma figura meramente política usada pelos presidentes americanos para agraciar políticos apaniguados.

A veterana da NASA diz ter brigado com “empreiteiros inescrupulosos, burocratas míopes e políticos egoístas”. Ela critica a a liderança atual por ser resistente a empreendedores espaciais como Elon Musk, que oferecem a perspectiva de alternativas inovadoras e menos onerosas para seus programas. Garver disse que seus esforços para reformar a NASA como vice-administradora de 2009 a 2013 – em particular, cancelando o programa Constellation, que fracassou após quatro anos e bilhões de dólares – se depararam com “o complexo militar-industrial de trilhões de dólares”. “Fui atacada por democratas e republicanos no Congresso, pela indústria aeroespacial e por astronautas por propor uma agenda que não se adequava aos seus interesses paroquiais”, ela escreve em seu livro.

Garver, que ingressou na NASA em 1996 e ocupou uma série de cargos cada vez mais altos, acusa seu ex-chefe, Charles Bolden, o primeiro administrador negro da agência, de múltiplas falhas de liderança – desde presidir a diminuição da “diversidade” no corpo de astronautas até fazer o lance de forças entrincheiradas. interesses e seus apoiadores no Congresso. Ela acusa os gigantes aeroespaciais Boeing e Lockheed Martin e seus fornecedores de pressionar gananciosamente os líderes da NASA e o Congresso para iniciar o foguete do Sistema de Lançamento Espacial (Space Launch System SLS) de US$ 23 bilhões e a nave Orion que ela teme que vá falir o programa espacial antes que ele leve astronautas à Lua.

Garver acusa os legisladores de ambos os partidos de continuarem a colocar seus próprios interesses acima dos da agência. Ela diz que um dos maiores impedimentos para a reforma foi Bill Nelson, o ex-senador americano da Flórida que representou o Centro Espacial Kennedy e agora dirige a agência. Foi Nelson, ela escreve, que “liderou a oposição” ao Programa de Tripulação Comercial – a parceria público-privada que ela defendeu e que culminou em 2020 com a Crew Dragon da SpaceX retornando astronautas americanos à Estação Espacial Internacional a partir de solo americano pela primeira vez em uma década. Garver afirma que, se Nelson e Bolden conseguissem o que queriam há dez anos, os Estados Unidos ainda seriam dependentes da Rússia para enviar astronautas à estação espacial. E Nelson, diz ela, que junto com o então senador Kay Bailey Hutchison “nos forçou” o SLS, o foguete financiado pelos contribuintes que está anos atrasado, bilhões acima do custo e programado para finalmente fazer seu primeiro voo sem tripulação neste verão. A NASA na segunda-feira novamente teve que interromper prematuramente a contagem regressiva de teste para o foguete, incluindo o abastecimento, no que foi sua quarta tentativa.

“As pessoas não querem criticar nossa liderança atual”, disse Garver em entrevista. “E o senador Nelson agora é o administrador Nelson. Ainda estamos em um ponto em que não está exatamente claro que desenvolvemos algo sustentável para o espaço profundo.” Mas ela está preocupada com a forma como seu livro será recebido por Nelson, Bolden ou outros com quem trabalhou tão de perto? “Não sou passiva-agressiva”, disse Garver. “Eles têm sido. Eles me bloquearam das coisas. Eu acho que eles claramente não vão gostar.” Garver admitiu que não havia previsto que Nelson estaria dirigindo o programa espacial quando seu livro de memórias saiu. “Eu estava quase terminando o livro quando ele foi nomeado”, disse ela. “Isso me deu uma pausa. Minha editora adorou”. A agência e Nelson, por meio de um porta-voz, se recusaram a responder às acusações e críticas que Garver faz. Bolden e os principais contratantes do programa SLS também não responderam aos pedidos de comentários.

Uma “divisão de gênero”

Garver, que depois de deixar a NASA administrou a Associação de Pilotos de Linha Aérea, também ataca diretamente no que ela chama de “dominação masculina” e “cultura militar” da agência. Ela observa no livro que todos os quatorze administradores da agência foram homens e apenas duas das 134 missões do ônibus espacial foram comandadas por mulheres. Garver parece esquecer que durante os primeiros anos da NASA não haviam mulheres com capacidade e competência em número suficiente para comandar a agência espacial. E apesar de seu próprio sucesso subindo na cadeia, as mulheres também foram “abertamente denegridas”, ela escreve. “Muitos que discordaram de meus pontos de vista me atacaram com linguagem vulgar, de gênero, depredação e ameaças físicas”, escreve ela, agora com 61 anos, no livro. “Fui chamada de puta feia, puta da porra de vadia etc; disseram que eu precisava transar e perguntaram se estava menstruada ou na menopausa.”

Garver também culpa o “spirit de corps masculino predominantemente branco” na NASA e no Congresso por contribuir fortemente para o histórico problemático de programas da agência que estão anos atrasados ​​e custam bilhões a mais do que o anunciado. Ela tem um objetivo particular em atacar Nelson. Ela conta como o então senador, enquanto pressionava pelo SLS, também tentou bloquear o programa público-privado Commercial Crew que ajudou a financiar a Crew Dragon da SpaceX. Garver se refere a Nelson no livro como “um político de carreira mais conhecido por sua viagem política de outro mundo em 1986: um passeio financiado pelo contribuinte no ônibus espacial”. (Bolden pilotou essa missão, STS 61-C, na qual o então senador Nelson foi o segundo político a ir ao espaço, numa barganha entre NASA e o Congresso americano). O vôo de Nelson foi dedicado a obter o seu voto e o de seu comitê para ‘matar’ o orçamento do Departamento de Defesa (DoD) para lançadores descartáveis ​​e forçar todos os satélites do DoD a entrar no manifesto de cargas do ônibus espacial.

Ela diz que, anos depois, foi o alvo da ira do então senador Nelson por defender que as empresas privadas tivessem a chance de propor alternativas à abordagem tradicional da NASA, administrada pelo governo. Por exemplo, quando Musk fez comentários públicos de que poderia ajudar a resolver os problemas da agência, ela conta como o então senador Nelson, em uma reunião privada, “gritou comigo para ‘colocar meu garoto Elon’ na linha”.

Ela acusa Nelson de reescrever a história durante sua audiência de confirmação no Senado em 2021. “Não é de surpreender que o novo administrador se lembre de seu histórico de maneira diferente”, escreve ela. “O homem de setenta e nove anos está fazendo o possível para se embrulhar na bandeira do programa de tripulação comercial.” O rancor entre os dois democratas também aparece em um episódio que Garver relata de 2020, quando ela era conselheira de política espacial da campanha presidencial de Joe Biden. Ela diz que Nelson, então ex-senador, a “desconvidou” de um evento de campanha de 2020 anunciando o lançamento inaugural do Crew Dragon da SpaceX para a estação espacial.

O SLS

Garver reserva algumas de suas críticas mais duras, no entanto, para o SLS, construído pela Boeing e Lockheed Martin que a NASA está apostando para levar os astronautas à Lua até 2025. Ela culpa sua falta de reutilização, exorbitante preço por lançamento, bem como o sistema de aquisição governamental “self-dealing’ que recompensa os contratados e programas existentes. “Se O SLS tivesse voado pela quantia de dinheiro e no período de tempo que nos disseram, não haveria livro”, disse ela em entrevista. Garver, que há anos ataca publicamente o projeto SLS como um desperdício, ridiculariza-o no livro como o “Sistema de Lançamento do Senado” (Senate Launch System, no que não está errada).

Foguete SLS

Ela diz que a pressão política para manter as linhas de produção era esmagadora – mesmo que isso significasse que os contribuintes pagassem o dobro por componentes em um sistema que nunca poderia voar mais do que algumas vezes. Garver conta como a burocracia iniciou o programa das cinzas do Constellation sabendo que o que eles estavam prometendo não era viável. “A equipe da agência dos escritórios do programa, centros, escritorios legislativos, conselho geral e até o pessoal dos assuntos públicos estavam trabalhando contra nós em segredo”, escreve ela. “Pensei em quantas pessoas na sala e em todo o país estavam em êxtase com o anúncio, sem saber que sua liderança estava mentindo sobre o que era possível. Milhares de pessoas passariam a próxima década trabalhando em sistemas que não eram sustentáveis ​​a longo prazo. “Era mais fácil continuar fazendo a mesma coisa enquanto cobrava cada vez mais dinheiro do governo”, acrescentou. “Esse processo continua até hoje.”

“O governo Biden é agora o terceiro governo a ignorar essas realidades”, escreve ela, “então o absurdo continua”. Ela observa, por exemplo, que a agência está pagando à Aerojet Rocketdyne para reformar os motores do SLS que o governo desenvolveu inicialmente sob o programa Space Shuttle – em US$ 150 milhões cada. “Como o SLS descarta quatro a cada lançamento, os contribuintes gastarão US$ 600 milhões por lançamento em motores pelos quais já pagaram”, escreve Garver. “Por outro lado, a SpaceX vende um lançamento do Falcon Heavy por US$ 90 milhões, incluindo motores reutilizáveis”.

Uma ode a Elon Musk e aos ‘barões do espaço’

Se “Escaping Gravity” é uma acusação aos negócios de sempre em Washington, às vezes também pode ser lido como uma “carta de amor” aos bilionários “barões do espaço” Musk da SpaceX, o fundador da Blue Origin, Jeff Bezos, e a Richard Branson, fundador das empresas espaciais da Virgin. “Minha história é difícil de separar da de Elon”, Garver se gaba no livro, “porque eu não teria conseguido realizar uma grande transformação na NASA sem ele e a SpaceX”. Da mesma forma, ela descreve suas discussões com Bezos como “como conversar com um amigo que conheço há anos”, chamando-o de “relaxado, curioso e hilário”. E se refere a Branson como o “mais naturalmente carismático dos barões bilionários do espaço”. “Se gostamos pessoalmente dos titãs espaciais bilionários como indivíduos não vem ao caso”, escreve ela. “Por todas as contas, eles estão seguindo as leis estabelecidas e, em vez de investirem em empresas espaciais, poderiam estar gastando todo o seu dinheiro em confortos que pouco fariam pela nossa economia nacional”. Ela afirma que não tem interesse pessoal em defender os bilionários do espaço. “Eu nunca trabalhei para nenhum desses caras”, diz ela. “Eu nunca tirei um centavo deles.”

Garver lidera uma fundação chamada Earthrise, que se dedica ao uso de satélites para combater as “mudanças climáticas”. Ela tem laços financeiros com a indústria espacial. É executiva da Bessemer Venture Partners, embora diga que não é acionista de nenhuma de suas empresas. Ela também faz parte do conselho da Hydrosat, uma empresa de obtenção de imagens espaciais com sede em Luxemburgo, e anteriormente fazia parte do conselho da empresa de tecnologia espacial Maxar Technologies. “Não estou em conflito” [de interesses], ela sustentou em uma entrevista. “Não é minha praia.”

O livro ainda descreve o que ela vê como perspectivas mais brilhantes para o futuro da agência. Garver expressa otimismo de que suas batalhas prepararam o terreno para uma nova era no programa espacial. “Felizmente”, ela escreve, “enquanto os dinossauros devoram as últimas folhas nas copas das árvores, os mamíferos peludos continuaram a evoluir”. Ela anuncia a decisão da NASA de selecionar a SpaceX para construir o Human Landing System para o programa lunar Artemis – e elogia a pressão do Congresso para abrir a concorrência para outras empresas no futuro. Garver também espera que a agência eventualmente esteja mais aberta à Starship reutilizável da SpaceX, que agora está em desenvolvimento.

“Se for bem-sucedida, a Starship sozinha poderia realizar toda a missão Artemis sem os SLS, Orion ou Lunar Gateway, a um custo significativamente reduzido e maior capacidade”, escreve ela, referindo-se ao foguete da NASA, cápsula espacial e planos para uma pequena estação espacial em órbita ao redor da Lua. “A mudança para uma arquitetura mais sustentável para a exploração espacial humana novamente parece ao alcance”, acrescenta ela.

Mas os interessados arraigados também não vão desistir, adverte Garver. “[Os] atores tradicionais não se aposentaram; eles estão escrevendo novas peças enquanto desfrutam e alimentam o fratricídio”, ela escreve no livro. “Na minha opinião, ainda precisamos estar de olho para garantir um progresso sustentável. As partes interessadas que nos trouxeram a SLS e a Orion estão fortemente empenhadas em protegê-las.” Ela disse que teme que muito ainda seja impulsionado por: “oh, realmente precisamos fazer isso de uma maneira que empregue esses meus amigos ou essas empresas tenham um bom relacionamento com esses membros do Congresso, portanto, isso deve ser financiado”. “Para o complexo industrial-militar”, ela acrescentou, “o pessoal aeroespacial teve muito sucesso em manter esses contratos governamentais bem guardados. Eles têm todos os incentivos para fazê-lo. O sistema reforça isso.” Ela disse que os burocratas do governo precisam resistir à pressão política: o “trabalho é fazer o melhor com o dinheiro dos contribuintes. Não é para ’emplumar os ninhos’ de nossos amigos.”

Revelações sobre ‘Apollo 13’ e James Lovell

Menos de um mês depois de “Apollo 13” estrear nos cinemas em junho de 1995, o então presidente Bill Clinton se reuniu com o comandante da missão, Jim Lovell, para apresentar um dos maiores prêmios que um astronauta pode receber – a Medalha de Honra Espacial do Congresso. Acompanhado no Salão Oval pelos ex-vencedores de medalhas Charles “Pete” Conrad e o senador John Glenn, bem como por Tom Hanks, que interpretou Lovell no filme de sucesso, Clinton observou que, por causa do filme, os americanos agora sabiam por que Lovell merecia elogios. mais do que eles fizeram nos 25 anos que se passaram desde que a malfadada missão Apollo 13 voltou com segurança à Terra em 1970. “Embora você possa ter perdido a Lua”, disse Clinton a Lovell, “você ganhou algo talvez muito mais importante, o respeito permanente e a gratidão do povo americano”. Enquanto o presidente colocava a medalha no pescoço de Lovell, observando a cerimônia de lado estava Lori Garver. Na época, diretora executiva da National Space Society (NSS), uma organização sem fins lucrativos que defendia a criação de uma civilização espacial, Garver não apenas foi fundamental para conseguir que a medalha fosse concedida a Lovell, mas, como apenas algumas pessoas sabia na época, ela também ajudou a evitar que o evento fosse cancelado na noite anterior.

O comandante da missão Apollo 13, Jim Lovell (no centro), posa com Tom Hanks (à esquerda) e o presidente Bill Clinton depois de receber a Medalha de Honra Espacial do Congresso.

Garver também relembrou os eventos de 26 de julho de 1995 pela primeira vez em seu novo livro. Por todas as medidas, Lovell deveria estar entre o primeiro grupo de astronautas a receber a Medalha de Honra Espacial do Congresso quando foi concedida pela primeira vez em outubro de 1978. Entre os seis escolhidos estavam Alan Shepard, o primeiro americano a voar no espaço; Glenn, o primeiro americano a orbitar a Terra; o falecido Virgil “Gus” Grissom, comandante da malfadada tripulação da Apollo 1; Frank Borman, comandante de Lovell na Apollo 8, a primeira missão a orbitar a Lua; Neil Armstrong, o primeiro homem a pisar na Lua; e Conrad, comandante da primeira tripulação a viver a bordo da primeira estação espacial dos Estados Unidos, a Skylab.

Lovell acreditava que fora esquecido por causa de como a Apollo 13 foi percebida pela NASA antes do filme ser feito. “Jim Lovell expressou sua decepção durante o jantar por nunca ter recebido a Medalha de Honra Espacial do Congresso”, escreve Garver, relatando um evento que reuniu os verdadeiros astronautas da Apollo 13 com os atores que os retrataram no filme. “O comentário foi feito de passagem, enquanto ele explicava à mesa que, na época da Apollo 13, a missão foi considerada um fracasso, que agência havia feito o possível para varrer para debaixo do tapete”. Ao ouvir isso, Hanks chamou a atenção de Garver “e nós dois reconhecemos silenciosamente a menção”, lembrou.

Mais tarde naquela noite, Hanks puxou Garver de lado e disse que se ela conseguisse a medalha para Lovell, ele gostaria de estar lá para ver a premiação. Garver imediatamente aproveitou o interesse de Hanks, fazendo com que o ator concordasse que, se a cerimônia da Casa Branca acontecesse, ele falaria em um evento no Capitólio, dando seu apoio à Estação Espacial Internacional. “Foi uma oportunidade que nem a agência nem a Casa Branca poderiam deixar passar”, escreveu Garver. “Depois de meses coordenando a logística, a cerimônia foi marcada.”

Isto é, até a noite anterior, depois que Hanks chegou e pouco antes de um jantar privado ser marcado para começar em homenagem a Lovell. A Casa Branca informou Garver que a cerimônia teria que ser remarcada para uma data posterior. “Disseram-me: ‘[o evento em homenagem a Lovell] não se encaixa na mensagem do dia [do presidente]’, escreve Garver. Ninguém, porém, havia dito isso ao presidente. Depois que Garver compartilhou a situação com outra convidada do jantar, Barbara Mikulski, senadora do alto escalão de Maryland, recebeu uma ligação da Casa Branca. Logo depois que ela voltou para a mesa de jantar, outra ligação veio, desta vez para Lovell. “Agende [Lovell] para o dia seguinte”, lembrou Garver. “A senadora Mikulski me disse mais tarde naquela noite que o presidente havia ligado para falar com ela sobre a escalada da guerra na Bósnia, e depois dessa discussão, ela mencionou que seus companheiros de jantar, Jim Lovell e Tom Hanks, lamentavam não vê-lo no dia seguinte. A presidente alegou não ter conhecimento da cerimônia planejada ou da mudança de última hora e, como ela me transmitiu, e não parecia muito feliz com a decisão.”

No dia seguinte, Lovell se tornou o nono astronauta a receber o Medalha de Honra Espacial do Congresso. “Aceito humildemente esta medalha como comandante da Apollo 13, mas com o entendimento de que foram os esforços, a intuição e o trabalho em equipe de meus companheiros de tripulação Jack Swigert e Fred Haise e as centenas de pessoas dentro da NASA e da grupo de empreiteiros que realmente trabalhou duro para fazer… [a Apollo 13] uma recuperação bem-sucedida”, disse Lovell. Embora Garver tenha mantido os detalhes dos bastidores em sigilo até escrever “Escape Gravity”, Lovell estava ciente de seu papel. “Ao olhar para todas as minhas coisas enquanto pesquisava o livro, me deparei com uma nota que ele me enviou uma semana depois de me agradecer por minha ajuda para que isso acontecesse”, disse Garver. “Ele disse na nota que sabia que fomos eu, Tom Hanks e a senadora Mikulski quem ajudou porque a NASA havia tentado isso antes e não conseguiu passar pela Casa Branca. Então ele sabia que havia outras prioridades em ação.”

Para Garver, a experiência foi gratificante, mas também fortaleceu sua abordagem sobre como motivar as pessoas na direção desejada. “A natureza humana é algo inerente a todas as decisões, e na minha carreira sempre tive em mente quais são os incentivos, os interesses humanos, o que estamos tentando fazer e como você maximiza isso para obter o melhor decisões que você quer. Não de forma dissimulada, mas abertamente”, disse ela. “Quero dizer, pessoas brilhantes gostam de estar perto de outras pessoas brilhantes.”

Às vezes, porém, essas mesmas pessoas se encontram nas extremidades opostas de uma decisão. Grande parte de “Escape Gravity” mostra Garver relatando seu papel de liderança na transição da agência de ser totalmente dependente do grupo de empreiteiros que Lovell agradeceu em seu discurso de medalha de honra para abraçar a competição e o que agora é uma indústria espacial comercial florescente. Infelizmente para Garver, Lovell e alguns de seus colegas astronautas da era Apollo não estavam convencidos de que os fornecedores de voos espaciais comerciais estavam à altura do desafio. Em declarações públicas e em depoimentos ao Congresso, Lovell, Armstrong e o comandante da Apollo 17, Gene Cernan, expressaram suas objeções à mudança na forma como a agência contratou seus foguetes e espaçonaves. “Quando soube que estava acontecendo, eu disse a Charlie [Bolden, então administrador da NASA] ‘Podemos oferecer a eles um briefing? Acho que se eles entendessem, não se sentiriam assim'”, disse Garver. “Esta foi a parte mais difícil do livro [de escrever]. Eu era vice e a pessoa que liderava a agência não estava inicialmente a bordo.” “Acho que foi isso que nos impediu de os informar e isso é um exemplo perfeito de como ficou mais difícil”, disse Garver. “Quero dizer, se essas coisas tivessem sido corrigidas, tudo poderia ter sido diferente.”

Como Garver escreveu, com a ascensão dos voos espaciais comerciais surgiu a oportunidade de uma população expandida se tornar astronauta. O que esse título significa, porém, pode mudar. “À medida que mais e mais pessoas viajam para o espaço, a mística dos astronautas acabará por diminuir”, escreveu ela. “Títulos normalmente não significam mesmice. Marinheiros podem atravessar vastos oceanos ou pequenos lagos, e nem todos os médicos operam pessoas.” Nos 27 anos desde que Lovell foi presenteado com a Medalha de Honra Espacial do Congresso, mais dezenove astronautas foram premiados da mesma forma, elevando o total para 28. A medalha mais recente foi concedida pelo presidente George W. Bush ao primeiro piloto do ônibus espacial, Bob Cripen, em 2006.

Quem deveria ser o próximo agraciado com a medalha? “Costumava ser sempre alguém pioneiro”, diz Garver. “Dado esse critério, parece certamente que Doug Hurley [deveria ser homenageado], por primeiro a comandar uma nova espaçonave”. Hurley, junto com o colega Bob Behnken, voou no primeiro Crew Dragon da SpaceX para levar astronautas ao espaço em 2020 com financiamento privado para voar para a órbita da Terra em 2021. Ou à equipe da missão privada Inspiration4, por “representar uma transição tão tremenda que eu não pude acreditar na rapidez com que aconteceu. Desde quando voamos a primeira Dragon sob um contrato até ter uma chance de um voo particular com quatro não-funcionários da NASA e ser a primeira equipe com “igualdade de gênero”.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Author: homemdoespacobrasil

Sua referência em Astronáutica na internet

%d bloggers like this: