Starliner: novo escafandro de voo tem réplica divulgada

Traje AES ainda não foi apresentado mas sua réplica sexá exibida em evento nos EUA

Réplica feita por Adam Savage

Uma réplica do segundo traje de subida e entrada ( ascent and entry suit – AES) selecionado pela Boeing para uso a bordo de sua nova nave espacial comercial agora faz parte do ” Gateway: The Deep Space Complex “, uma nova atração que será inaugurada hoje, quarta-feira (15 de junho de 2022) no Kennedy Space Center Visitor Complex na Flórida. O traje “Boeing Blue” foi produzido para a exposição antes que quaisquer exemplos do traje espacial real projetado pela ILC Dover fossem vistos pelo público. “Dentro do reino do espaço e trajes espaciais, 100 por cento, esta é a primeira vez. Eu continuo descrevendo meu humor sobre isso como ‘sobre a lua’. que eu percebo é um pouco exagerado, mas estou em êxtase com isso”, disse Adam Savage, co-anfitrião do programa do Discovery Channel “Mythbusters” ganhou a reputação de fabricar trajes altamente detalhados de astronautas entre seus outros projetos em Tested.com.

Mas este traje espacial ainda não fez história. Anunciado no final do mês passado, a escolha da Boeing pelo AES da ILC Dover foi quase uma surpresa. A empresa aeroespacial havia selecionado anteriormente outro fabricante de trajes espaciais, a David Clark Company, para fornecer roupas de pressão para os astronautas de suas cápsulas CST-100 Starliner. Um exemplo do traje de David Clark, que foi revelado pela primeira vez em 2017, já voou duas vezes ao espaço nos dois testes de voo orbital da Boeing. Embora astronautas ainda não tenham voado no Starliner, um dispositivo de teste antropométrico (manequim instrumentado) chamado “Rosie the Rocketeer” foi vestido com o traje para essas missões de teste.

O escafandro da ILC Dover e o da David Clark

O próximo e, conforme planejado atualmente, o último voo de teste da Boeing levará uma tripulação, que também usará o traje de David Clark, de acordo com um comunicado divulgado pela empresa. O ILC AES será introduzido assim que a Boeing começar a levar astronautas em missões contratadas pela NASA para a Estação Espacial Internacional em 2023. “No espírito do voo espacial tripulado comercial, tomamos a decisão de trazer um fornecedor adicional de trajes espaciais para introduzir redundância, flexibilidade e competição adicionais para acomodações de tripulação em voos futuros para destinos de órbita baixa e missões operacionais, e estamos satisfeitos em ver o mercado se abrindo e permitindo mais opções para a Boeing, bem como para nossos clientes governamentais e comerciais”, diz o comunicado da empresa.

Capacete inclui gorro flexível e bordos da viseira rígidos aparafusados com fechamento por zíper hermético

Quando Savage recebeu o telefonema para replicar o traje Starliner, ele pensou que iria reproduzir o design de David Clark. “Fiz minha oferta com base nos trajes da Starliner que já haviam sido vistos. Embora haja uma grande diferença no efeito visual dos trajes que vimos até agora e este, felizmente não há uma grande diferença em termos do esforço necessário para fazer um, então minha oferta se manteve”, disse Savage em entrevista ao site collectSPACE.

A ILC tem história como fornecedora de trajes espaciais de atividade extraveicular (EVA) para a NASA. A empresa fez as roupas usadas pelos astronautas da Apollo e forneceu os produtos macios para o traje ainda usado pela tripulação da Estação Espacial Internacional quando realizam caminhadas espaciais fora do segmento norte-americano. A ILC e seus parceiros também foram selecionados para um contrato da NASA para fornecer a próxima geração de escafandros para serem usados ​​na órbita terrestre e na Lua. Com a ascensão da indústria de voos espaciais comerciais, a ILC assumiu a responsabilidade de desenvolver seu próprio AES como uma solução pronta para uso. “Então, quando surgiu a oportunidade, conseguimos fazer alguns ajustes em nossa oferta comercial e apenas recriar nosso traje LEA [Launch, Entry, and Abort] para as especificações da Boeing e nos tornarmosum segundo fornecedor para eles”, disse Joey Sung, engenheiro sênior de design da ILC. “A principal diferença é essencialmente a camada de cobertura retardante de chama, como se poderá ver na réplica feita de nosso traje.”

Os designers da ILC foram capazes de atender às necessidades da Boeing. Savage e a pequena equipe que contratou tiveram que encontrar uma maneira de fazer o mesmo com fontes externas. Em primeiro lugar, foi preciso encontrar um material que combinasse com “Boeing Blue”, a marca registrada da empresa que aparece fortemente no exterior do traje e no próprio Starliner.

“Tenho sorte o que acontece de haver aqui em San Francisco uma loja de tecidos gigante a cerca de 200 metros da porta da frente da minha loja”, disse Savage. “Reunimos algumas amostras de alguns outros lugares, mas nosso favorito era daquele lugar e enviamos para a Boeing”. A empresa deu a sua aprovação no dia seguinte. “Nunca funciona tão facilmente”, disse Savage, “mas de alguma forma funcionou que a cor estava absolutamente perfeita.”

Em seguida veio a recriação dos detalhes que conferem ao escafandro sua funcionalidade e visual. Nem a ILC nem a Boeing poderiam fornecer uma amostra de traje para Savage fazer referência, então, em vez disso, com base em sua orientação, a ILC enviou a centenas de fotografias de todos os ângulos e características imagináveis ​​da vestimenta. “E eles exigiram que eu destruísse as fotos quando eu terminasse de construir”, disse Savage à collectSPACE.

Sem padrões a seguir ou ferrramentas para moldar moldes, Savage teve que confiar no que as fotos mostravam e no que podia ser reconhecido nelas. Por exemplo, uma das características do ILC AES é seu capacete integrado.
“O painel frontal é removível e substituível, por isso é altamente sustentável”, disse Sung em entrevista. “Ele está se referindo a esse sistema maravilhoso no qual, em vez de um anel de pescoço ou capacete separado, a viseira é realmente parte integrante do traje macio. Você o fecha puxando um zíper que basicamente envolve seu pescoço, efetivamente de uma orelha, sob o queixo e até a outra orelha”, disse Savage. “Quando estávamos olhando as fotos, percebemos que era o mesmo zíper lacrado padrão da indústria que você também pode encontrar em uma roupa seca de mergulho.” “Então, porque eu também tenho uma empresa de fabricação de sacolas – eu faço sacolas de ferramentas com lona reciclada, entrei em contato com meu fabricante e perguntei se ele tinha uma fonte para os selos de 21 polegadas. Ele fez, então conseguimos as peças certas, ” ele disse.

A viseira é mantida no traje usando um par de anéis que lembram a forma da boca aberta do Pac-Man. “Contratei um maravilhoso artista 3D aeroespacial para desenhar esse par de quadros para mim, para que pudéssemos imprimi-los exatamente em 3D. E, felizmente, como ele trabalha no setor aeroespacial, ele reconheceu o tipo específico de parafusos da indústria que são usados ​​para a viseira no traje real. Acho que há mais de 70 deles”, disse Savage. “Então eu peguei os parafusos reais que têm as marcações e tudo mais”, disse ele. “Foi uma daquelas coisas que aumentam profundamente a veracidade da aparência do traje, porque há uma diferença real entre o hardware aeroespacial e o hardware normal de uma loja de ferragens”.

Nem todas as peças estavam disponíveis comercialmente, em parte por causa do design exclusivo do traje. Savage só conseguiu encontrar um componente – um pequeno botão de ajuste – que ele poderia reutilizar de uma construção anterior que ele fez do Advanced Crew Escape Suit (ACES) da NASA, usado no ônibus espacial.
Os outros itens tiveram que ser feitos do zero. “A parte que mais me divertiu foi o conector de teste para o umbilical, porque é realmente diferente de qualquer um dos conectores da Apollo ou posteriores aos quais estou acostumado ou já vi”, disse Savage. “Então, foi realmente muito divertido, olhar para as provavelmente 30 ou 40 fotos que eu tinha apenas desse conector e replicá-lo.”

Parte da estética do traje também apresentou um desafio. Correndo pelos dois braços estão rajadas de estrelas brancas que são de forma simples, mas exigem posicionamento exato. “Não havia apenas preocupações com a marca, garantindo que os gráficos de que estávamos começando fossem o mais precisos possível para corresponder ao que a Boeing queria, mas o bordado em ambos os braços é diferente”, disse Savage. “Portanto, não se tratava apenas de obter os gráficos certos para o bordado certo. Também se tratava de bordá-lo no tecido com o viés certo, porque estávamos combinando o viés do original em todos os lugares que podíamos.”

“Havia apenas um monte de fatores que todos tinham que trabalhar em perfeita harmonia uns com os outros”, disse ele. “Essa foi talvez uma das partes mais difíceis de replicar.” Savage e sua equipe se esforçaram pela autenticidade da cabeça aos pés, incluindo a parte inferior das botas integradas que, pela natureza da exibição, estariam fora de vista. “Nossas botas são um componente removível feito com nossos parceiros da San Antonio Shoemakers”, disse Sung sobre o traje real da ILC AES. “Essa é uma das coisas com que passamos mais tempo, mas que você não pode ver”, disse Savage. “Eu tinha fotos dessa alma exata e como ela envolvia a bota integrada. Replicamos totalmente o solado da bota com precisão.”

“Eu não queria imprimi-lo em um material macio simplesmente porque isso é menos arquivístico, então fiz uma impressão 3D dele, sinterizei o nylon e usei calor para ajustar suavemente a alma para que parecesse um pouco mais com um pedaço de tecido. material macio”, disse ele. O resultado final é uma réplica que passa visualmente pela coisa real, mesmo enquanto essa coisa real permanece em segredo.

“Estou tão encantado com o que a ILC Dover fez nas últimas décadas para os voos espaciais americanos que realmente queria fazer o melhor trabalho possível”, disse Savage. “Eles estão empolgados e obcecados com trajes espaciais de uma maneira que eu entendo totalmente. Então é ótimo compartilhar isso”, disse ele. Sung também ficou impressionado com o trabalho de Savage. “Eu diria que é uma representação bastante precisa”, disse Sung. “Acho que a partir dessa réplica você pode ter uma boa ideia de como é o nosso traje.”

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Author: homemdoespacobrasil

Sua referência em Astronáutica na internet

%d bloggers like this: