SpaceX: FAA emite parecer ambiental

E a empresa de Elon Musk deverá cumprir mais exigências sobre o meio ambiente

Ship “S24” e artigo de teste booster “B7.1”

A Administração Federal de Aviação dos EUA divulgou sua avaliação ambiental do local de lançamento Starbase da SpaceX em Boca Chica, Texas, e do programa de lançamento da nave Starship na segunda-feira, dia 13 de maio de 2022, concluindo que os planos da empresa não teriam um impacto ambiental significativo – mas exigindo que se implementasse uma série de medidas de mitigação antes de realizar voos de teste. A Avaliação Ambiental Programática (PEA) de 183 páginas da FAA explica os possíveis efeitos do complexo Starbase e do programa de lançamento de Starships desde à poluição sonora do estrondo sônico até a poluição luminosa nas populações de tartarugas marinhas próximas. De acordo com a FAA, a SpaceX precisará executar mais de 75 atividades de mitigação no total para cumprir a avaliação.

“A FAA divulgou a Avaliação Ambiental Programática Final e a Constatação Mitigada de Nenhum Impacto Significativo/Registro de Decisão para o Programa Starship/Super Heavy Launch Vehicle no Boca Chica Launch Site no Condado de Cameron, Texas ( PEA e FONSI/ROD ). A revisão ambiental é apenas uma parte da avaliação da licença para lançamentos de Starship/Super Heavy. A FAA deve concluir as revisões de segurança, risco e financeiras antes de determinar a licença. A FAA preparou a PEA final para avaliar os potenciais impactos ambientais da FAA emitindo uma licença experimental e/ou licença de operador de veículo para a SpaceX para operações de lançamento de Starship/Super Heavy no Local de Lançamento de Boca Chica no Condado de Cameron, TX. A entidade divulgou o rascunho da PEA para revisão e comentários públicos em 17 de setembro de 2021. A entidade realizou reuniões públicas virtuais em 18 e 20 de outubro de 2021. O período de revisão pública foi encerrado em 1º de novembro de 2021. A PEA foi revisada com base em comentários públicos em audiencias, e a PEA final inclui respostas aos comentários (no Anexo I da PEA final).
A FAA determinou que a Ação Proposta não resultaria em impactos ambientais significativos. As medidas de mitigação necessárias estão listadas ao longo do Capítulo 3 da PEA final. A PEA, FONSI/ROD e as medidas de mitigação associadas serão condições de qualquer licença ou permissão futura emitida para a SpaceX para operações de lançamento de Starship/Super Heavy no Local de Lançamento de Boca Chica e devem ser implementadas pela SpaceX. A entidade concluiu consultas interinstitucionais com agências estaduais e federais como parte da revisão ambiental e de acordo com leis e regulamentos de propósito específico. Essas consultas incluíram, mas não se limitaram, ao seguinte:
Seção 7 da Lei de Espécies Ameaçadas: A FAA recebeu uma Opinião Biológica (BO) do Serviço de Pesca e Vida Selvagem dos EUA e uma Carta de Concorrência (LOC) do Serviço Nacional de Pesca Marinha.
Seção 106 da Lei de Preservação Histórica Nacional: Em consulta com o Oficial de Preservação Histórica do Estado do Texas, juntamente com outras partes consultoras, a entidade resolveu os efeitos adversos a propriedades históricas e celebrou um Acordo Programático (PA).”

Starshis e SuperHeavy deverão forma o sistema de transporte da SpaceX baseado no Texas

Para garantir o mínimo de perturbação às tartarugas marinhas, por exemplo, a empresa deve seguir uma estratégia de gerenciamento de iluminação do local de lançamento, com um biólogo certificado realizando avaliações de iluminação durante semanas importantes no ciclo de vida das tartarugas. A SpaceX também será obrigada a “começar a colaboração” com o US Fish and Wildlife Service (USFWS) para evitar impactos em espécies de aves protegidas, como a tarambola. De acordo com um memorando do USFWS, as perdas recentes nos números das tarambolas estão ligadas às operações da Starbase.

O PEA está em andamento há muito tempo, com a FAA dizendo inicialmente que realizaria uma avaliação ambiental em novembro de 2020. A entidade emitiu um rascunho da PEA em setembro do ano passado, mas o documento final foi adiado enquanto se buscava informações de outras agências governamentais e do público. Enquanto aguardava a revisão final, a SpaceX retomou o trabalho, construindo vários protótipos da nave e testando em altitude. Se os atrasos continuarem, o CEO da SpaceX, Elon Musk, ameaça mudar a Starbase para a Flórida, onde a empresa atualmente realiza lançamentos do Kennedy Space Center da NASA. (No entanto, a Reuters informou no dia anterior ao lançamento desta PEA que a NASA exigiria garantias de que um lançamento de Starship da Flórida não interromperia a infraestrutura necessária para operar a Estação Espacial Internacional.)

A determinação final da entidade – o que é chamado de “Constatação Mitigada de Nenhum Impacto Significativo” – significa que a empresa não terá que se envolver em uma Declaração de Impacto Ambiental muito mais aprofundada, que provavelmente levaria muitos meses, se não anos, para ser concluída. Mas a avaliação da entidade não garante uma licença de lançamento, mesmo que a SpaceX cumpra as mais de 75 mudanças. “O pedido de licença da SpaceX também deve atender aos requisitos de segurança, risco e responsabilidade financeira da FAA”, diz a PEA.

A SpaceX tem planos bem definidos para a Starbase perto do extremo sul do estado. De acordo com a FAA, a empresa pretende executar até 20 voos suborbitais de Starships por ano e até, mas não mais que, cinco lançamentos orbitais por ano. A prioridade mudou de um desenvolvimento intensivo para lançamentos dos Starlink v2 – então provavelmente a empresa se concentrará em fazer lançamentos sem falhas a partir do Booster 7 e nave S24. Além disso, uma série de lançamentos bem-sucedidos abrirá caminho para a utilização da plataforma 39A na Flórida. Apenas dois pares parecem estar alocados para testes de lançamento orbital: Booster 7 com Ship 24 e Booster 8 com Ship 25 como reserva. De acordo com “The Ring Watchers” longarinas serão adicionados ao tanque de LOX para a Ship 26 – o que provavelmente significa o desejo de carregá-lo com satélites Starlinks v2 ao máximo.

O primeiro voo de teste dos Booster/Starship foi anunciado como entrando numa órbita fracionada em que a nave destina-se a atingir a velocidade orbital e antes que ela possa complete uma órbita, realizaria uma queima retro para reentrar perto do Havaí. O foguete Super Heavy da Starship retornará à Terra da mesma forma que a empresa agora aterrissa seus foguetes Falcon 9 em barcaças marítimas flutuantes. A avaliação final, de acordo com a SpaceX, traz a corporação “um passo mais perto” de lançar a Starship em órbita pela primeira vez.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Author: homemdoespacobrasil

Sua referência em Astronáutica na internet

%d bloggers like this: