SpaceX lançou missão Transporter 5 com satélites do Brasil

Satelites de radar farão pesquisas sobre a Amazônia para a FAB

B1061.8 decola do Space Launch Complex 40

O foguete Falcon 9 Block 5 v1.2 FT B1061.8 decolou do Space Launch Complex 40, na estação da Força Aérea de Cabo Canaveral às 18:26:59.990 UTC (13:26:59.990 Brasilia), levando 39 satélites da missão Transporter 5 hoje, 25 de maio de 2022. Os satélites foram colocados numa órbita-alvo síncrona com o Sol com altitude média de 525 km, inclinada em 97 graus. A liberação das trinta e nove cargas primárias ocorreu entre 19:26:00.510 a 19:42:22.810 UTC (16:26:00.510 a 16:42:22.810 Brasilia), após a segunda ignição do segundo estágio do foguete.

A recuperação das conchas da carenagem foi feita ao norte de Cuba, a cerca de 600 km a jusante do Cabo, pelo navio de apoio Bob. O segundo estágio fez sua reentrada controlada sobre o Pacífico Sul.

Esta missão foi estreia da nova variação do veículo de transferência orbital , Sherpa-AC, uma versão aumentada do modelo básico com recursos como um computador de vôo, controle de atitude e um novo sistema de energia elétrica.

O B1061 pousou de volta ao local de lançamento no modo Retornar ao Local de Lançamentoreturn to launch site, RTLS; a aterrissagem foi feita na zona de pouso 1 – LZ-1, na Estação da Força Espacial do Cabo, no antigo LC-13.

Dois satélites de sensoriamento por radar encomendados pelo Brasil estavam na carga: os microssatélites LESSONIA – Carcará I e Carcará II – construídos pela ICEYE finlandesa.

‘Core’ de primeiro estágio B1061.8 pousado na Landing Zone 1 em Cabo Canaveral

Segundo o comandante da Força Aérea Brasileira (FAB), tenente-brigadeiro do Ar Carlos de Almeida Baptista Junior, a tecnologia dos LESSONIA permitirá o rastreamento de faixas com até dois metros de largura. Será possível identificar princípios de incêndio florestais e pequenos garimpos ilegais escondidos na floresta. Os equipamentos vigiarão, em especial, a Amazônia e o mar territorial brasileiro (Amazônia Azul), a partir de uma tecnologia que permite a captação de imagens independentemente das condições atmosféricas.

Área de queda (vermelha) em caso de falha da ignição de retorno (boostback)
Área de queda do segundo estágio.

Entre os principais clientes de lançamento estão a D-orbit, Momentus, Xona Space, NearSpace Launch, a Missile Defense Agency e o MIT Lincoln Laboratory:

Ejetores FOSSA para PocketQube
FOSSASAT-2E (7x 2P, FOSSA Systems, Espanha)
Veery FS-1 (1P, Care Weather Technologies, EUA),

SELFIESAT-1 (ORBIT NTNU),

Nanoracks:
Mars Outpost Tech Demo (“Testbed
Non Deployable Payload” com massa de 111kg)*

Ejetor/suporte Exolaunch (EXOpod):
Shared Sat 3 (6U, EnduroSat)
Planetum-1 (1U, Planetum, Rep. Checa)
Foresail-1 (3U, Aalto U., Finlandia)
LEMUR (6u, HANCOM inSpace/Spire)
LEMUR (2x 3U, DASA/Spire)
LEMUR (2x 3U, Spire)
Spark 2 (12U, Omnispace)

Dois suportes para cargas da Momentus
BRONCOSAT-1 (1.5U, Bronco Space/Cal Poly, EUA) + 4 outros
Vigoride VR-3 (de 411.5kg ; 120kg sendo propelente de água)

Spaceflight Inc
Rebocador OTV : Sherpa-AC
“Attitude Control” (5)
XONA Alpha (XONA, EUA)*
TROOP‐3 (NearSpace Launch, EUA)*
CNCE (CubeSat Networked Communications Experiment)
AMS (Agile Micro Sat) (cubesat 6U-XL, MIT Lincoln Lab)
Block 2 (dois cubesats tamanho 3U, Missile Defense Agency)

Satélite-plataforma da D-Orbit, ION – SCV 006
Capella 9 (112kg) – Satellogic cubesats
CPOD A/B (2x 3U, Tyvak para a NASA)
Hawkeye 360 Cluster 5 (três satélites de 29kg)
KUbeSat ( Universidade do Kansas, EUA)
VariSat-1 A/B/C (3x 6U) | PTD-3/Tyvak-0125 (cubesats 6U)
ICEYE US (2 sats) | Centauri 5 (6U, Fleet, Tyvak)
GHOSt-01,-02 (2x 91.4kg, Orbital Sidekick, EUA)

TBIRD (NASA) – uma OctoBucket Platform (OmniTeq)

* – representa cargas estacionárias/não ejetáveis

Os satélites LESSONIA-1 para serviço do Brasil foram ejetados a partir do satélite-plataforma ION da D-Orbit:

O Projeto LESSONIA-1 visa a aquisição de um Sistema Espacial completo, composto pelo Segmento Espacial (dois satélites de sensoriamento remoto radar na banda X) e pelo Segmento Terrestre (toda a infraestrutura de solo necessária para a operação desses satélites) para ser instalado no Comando de Operações Aeroespaciais – COMAE (Centro de Operações Espaciais – COPE e Centro Conjunto Operacional de Inteligência -CCOI). São dois Satélites de Sensoriamento Remoto Radar modelo X2 da fabricante ICEYE; Segmento Terrestre completo (toda a infraestrutura de solo necessária para a operação dos satélites) para operação do Segmento Espacial. O valor total do contrato entre o Comando da Aeronáutica e a empresa ICEYE é de US$ 33.874.000,00.

A contratação da Space X, porém, não tem participação do governo brasileiro. Por contrato, a empresa finlandesa é quem tem a responsabilidade de contratar a lançadora dos satélites. A Força Aérea só começará a operar os equipamentos a partir do Centro de Operações Especiais da FAB, em Brasília, quando os aparelhos estiverem em órbita.

A principal diferença entre o satélite-radar e os equipamentos óticos convencionais é que o segundo não consegue “fotografar” os alvos à noite, ou se o tempo estiver encoberto no momento do rastreamento. O satélite-radar independe das condições meteorológicas.

O tenente-brigadeiro do Ar Carlos de Almeida Baptista Junior assegurou que os dados disponibilizados pelos novos satélites serão compartilhados com órgãos de fiscalização, controle e pesquisa civis, como Ibama, Polícia Federal e universidades. “As imagens são de ótima resolução e captam até a presença de metais na superfície”, disse Baptista Junior.

São dois satélites de sensoriamento remoto por radar (SRR), batizados Carcará I e Carcará II

Informações Operacionais
Dois satélites, denominados Carcará I e Carcará II, com cinco painéis solares com potência de 300 W e uma antena plana de radar
Peso: aproximadamente 85 kg
Altitude: aproximadamente 570 km
Inclinação: 97°
15 órbitas por dia
TTC: Banda S
Downlink: Banda X
Radar de abertura sintética – Synthetic Aperture Radar (SAR) Banda X
Polarização: VV
Potência emitida: 4kW
Vida útil de aproximadamente 3 anos

Imagem padrão modo Stripmap:
Tamanho: 30km por 50km
Ângulo de Incidência: entre 10° e 30°
Resolução Espacial: 3 metros

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Author: homemdoespacobrasil

Sua referência em Astronáutica na internet

%d bloggers like this: