SpaceX lança a Axiom Ax-1, primeira tripulação comercial, para a ISS

Missão privada leva astronauta e três turistas-pesquisadores

Foguete B1062.5 decola da plataforma 39A

O foguete SpaceX Falcon 9 (nº B1067.5) lançou a espaçonave Crew Dragon Endeavour C206, para a missão Ax-1 da Axiom Space para a Estação Espacial Internacional, do Complexo de Lançamento 39A (LC-39A) no Centro Espacial Kennedy da NASA na Flórida, hoje, 8 de abril de 2022, às 15:17 UTC (12:17 Brasilia). A tripulação inclui o comandante Michael López-Alegría, o piloto Larry Connor e os especialistas da missão Eytan Stibbe e Mark Pathy. O Endeavour C206 está programado para acoplar na estação espacial amanhã, 9 de abril, por volta das 11:45 UTC (08:45 Brasilia). Após a separação dos estágios, o ‘core’ de primeiro estágio do Falcon 9 (B1062) pousou na balsa-drone “A Shortfall of Gravitas”, estacionada no Oceano Atlântico. O primeiro estágio do Falcon 9 (B1062) anteriormente fez cinco missões: GPS III Space Vehicle 04 (GPS III SV04), GPS III SV05, Inspiration4 e um lote de satélites Starlink. A espaçonave Crew Dragon “Endeavour” voou anteriormente nas missões Demo-2 e Crew-2.

A imprensa afirmou anteriormente que Connor, Stibbe e Paty pagaram US$ 55 milhões cada pela oportunidade de ir à ISS. Lopez-Alegria voa às custas da Axiom Space, da qual é vice-presidente e astronauta-chefe. Espera-se que depois de acoplar a espaçonave à ISS, prevista para as 07h45 de sábado (08h45, horário de Brasilia), a tripulação permaneça a bordo da estação espacial por oito dias.

Estão em órbita hoje 14 pessoas: na Ax-1, Lopez-Alegria, Connor, Stibbe, Pathy; na ISS: Chari, Marshburn, Maurer, Barron, Artemyev, Matveyev, Korsakov; e na estação espacial chinesa, Zhai Zhigang, Wang Yaping e Ye Guangfu.

Estatísticas da missão
147º lançamento de um foguete Falcon 9 desde 2010
155º lançamento da família de foguetes Falcon desde 2006
5º lançamento do Falcon 9 B1062
129º lançamento do Falcon 9 da Costa Espacial da Flórida
140º lançamento em geral da plataforma 39A
46º lançamento da SpaceX em geral da plataforma 39A
90º voo de um foguete Falcon 9 reutilizado
6º lançamento da SpaceX com pessoas a bordo
1ª missão para a Axiom Space
3º voo da espaçonave Dragon C206 Endeavour
8º voo de uma espaçonave Crew Dragon
13º lançamento do Falcon 9 de 2022
13º lançamento da SpaceX em 2022
14º lançamento orbital baseado em Cabo Canaveral em 2022

Durante a missão de 10 dias, oito dos quais serão passados a bordo da ISS, a tripulação fará mais de 25 experimentos científicos e demonstrações de tecnologia desenvolvidas para ambiente de microgravidade.

Compêndio do Homem do Espaço sobre a nave Crew Dragon

O navio de apoio Shannon (GO Navigator) estava fundeado próximo à costa da cidade de Tampa para apoiar as operações das missões AX-1 e Crew-4 no Golfo do México.

Espaçonave separando-se do segundo estágio esgotado do foguete

CONTAGEM REGRESSIVA

Todos os tempos aproximados

hh:  min:  s:           Evento

  • 00:45:00  – O  diretor de lançamento da SpaceX verifica o abastecimento de propelente
  • 00:42:00 – Braço de acesso da tripulação se retrai
  • 00:37:00  – O sistema de escape de lançamento do Dragon está armado
  • 00:35:00 – O abastecimento de RP-1 (querosene de grau de foguete) é regulado
  • 00:35:00  – O carregamento do 1º estágio com LOX (oxigênio líquido) começa
  • 00:16:00   – O carregamento de LOX do 2º estágio começa
  • 00:07:00  –  Falcon 9 inicia resfriamento dos motores (chilldown) antes do lançamento
  • 00:05:00    – Transição da Crew Dragon para energia interna
  • 00:01:00 – Computador de voo habilita comando para decolagem as verificações finais de pré-lançamento
  • 00:01:00 – A pressurização dos tanques de propelente para a pressão de voo é regulada e conferida
  • 00:00:45-  Diretor de lançamento da SpaceX verifica o lançamento
  • 00:00:03   – O controlador comanda a sequência de ignição dos motores para decolagem
  • 00:00:00- Decolagem do Falcon 9

LANÇAMENTO, ATERRISSAGEM DO FOGUETE E LIBERAÇÃO DA ESPAÇONAVE

Todos os tempos aproximados

hh:  min:  s:           Evento

  • 00:01:02   – Max Q (momento de máximo de estresse mecânico no foguete)
  • 00:02:35 – Corte dos motores principais do 1º estágio (MECO)
  • 00:02:39   – primeiro e segundo estágios separados
  • 00:02:46 – Ignição dos motores do 2º estágio
  • 00:07:25    – Começa a queima de entrada do 1º estágio
  • 00:08:48    – Corte do motor do 2º estágio (SECO-1)
  • 00:09:02- Começa a queima de pouso do 1º estágio
  • 00:09:29- Pouso do primeiro estágio
  • 00:12:07- Crew Dragon se separa do 2º estágio
  • 00:12:55- A sequência aberta do nariz do Dragon começa

O ‘core’ de primeiro estágio B1062.5 pousou na barca-drone A Shortfall of Gravitas, estacionada a cerca de 500 km do Cabo Canaveral, tendo como embarcações auxilares os Doug (rebocador), Shannon e Megan.

Pathy, Connor, L-Alegria e Stibbe a bordo
L-Alegria e Connor junto ao painel de comando

A espaçonave irá acoplar no sistema de engate IDA-2 do módulo Harmony na ISS, e a tripulação dormirá na própria espaçonave Endeavour (uma pessoa), na câmara de ar Quest Airlock (uma) e no módulo europeu Columbus (duas). Quase todo o material para pesquisa científica e alimentos já foi lançado para a estação anteriormente, enquanto a nave transporta itens pessoais para a tripulação e o equipamento necessário. A SpaceX enfatiza que esta é “uma missão completa”: a tripulação é totalmente treinada não apenas para trabalhar na nave, mas também na ISS. No entanto, como sua missão é completamente científica, eles, por exemplo, estão aptos a preparar suas refeições, porém não estão habilitados a fazer reparos do sistema da estação espacial.

Fases de resgate de emergência no lançamento
Trajetória de ascensão
Reentrada prevista do segundo estágio do foguete
Lançamento e pouso na barca-drone
Fases de aproximação e engate com a estação espacial
Fase de desacoplagem e regresso à Terra

O quarteto é a primeira tripulação totalmente privada a visitar a Estação Espacial Internacional; os astronautas privados anteriores voaram como um ou dois indivíduos acompanhados por astronautas do governo conduzindo uma missão de rotina. A Axiom escolheu, para cada voo que organiza, ter como comandante um astronauta aposentado.

Enquanto isso, a SpaceX confirma que está pronta para lançar a espaçonave Freedom da missão Crew-4 (USCV-4) alguns dias após o pouso da espaçonave da Ax-1.

A nave tem 8,10 metros de comprimento e um diâmetro maximo de 3,88 metros na cápsula (3,66 metros no tronco).

A missão Ax-1 será significativa de várias maneiras:

  • Primeiro voo de uma tripulação totalmente privada para a estação espacial
  • Primeira missão tripulada a ser lançada em um foguete de combustível líquido que fará seu 5º voo
  • Primeira missão tripulada a ser lançada em um terceiro voo de uma Crew Dragon
  • Primeiro piloto de nave espacial privada a ir para a estação espacial – no caso, Larry Connor
  • Segundo voo espacial de um astronauta israelense (Eitan Stibbe)
  • Quinta missão espacial do comandante da nave, Michael Lopez-Alegria.
  • Além disso, se tudo correr conforme o cronograma e a próxima missão tripulada (Crew-4) for lançada em 13 dias, este será o menor tempo entre dois voos tripulados dos EUA desde as missões Gemini 7 e 6A em 1965. Um recorde semelhante para o space shuttle, que foi de 16 dias entre voos em 1986 e 1995, também será superado.
Disposição dos astronautas no cockpit
Emblema da missão

Para se preparar para a missão de dez dias, incluindo oito a bordo da ISS, cada tripulante completou treinamento em segurança, saúde, sistemas, operações do local de lançamento, protocolos de emergência e treinamento adicional para cargas úteis de pesquisa e demonstração de tecnologia. A Axiom Space espera que eles possam visitar o segmento russo da estação durante a sua estadia a bordo.

Esquema da Crew Dragon em projeções frontal e lateral : A- Compartimento pressurizado da cápsula da tripulação; B – Cápsula da tripulação , compartimento de serviço; C – ‘Trunk’ , compartimento de carga não pressurizado; 1- escudo térmico; 2- tubeiras dos propulsores SuperDraco (quatro grupos de dois) ; 3- painéis solares ; 4- tubeiras de propulsores Draco (4 x 3) ; 5- adaptador do cone do nariz ; 6- tampa do paraquedas; 7- escotilha principal ; 8- tampas para os pára-quedas principais ; 9- ‘Garra’ de conexão (para energia e controle térmico) ; 10- Radiadores ; 11- Conexão ao sistema de suporte de solo ; 12- Flaps para estabilização de voo se o sistema de resgate de emergência é acionado ; 13- Vigias. (imagem G. De Chiara)

Os tripulantes

Michael López-Alegría é o astronauta-chefe da Axiom Space e comandante da missão Ax-1. É um ex-piloto naval e astronauta da NASA que comandou três missões espaciais em sua carreira; foi membro de quatro voos espaciais e passou um total de 257 dias no espaço, durante os quais fez dez caminhadas espaciais, passando 67 horas e 40 minutos fora da estação.
Lopez-Alegria deixou a NASA em março de 2012. Com a Axiom, ele estará novamente no comando, e será responsável pela gestão da espaçonave Crew Dragon, garantindo a segurança da tripulação. “Este voo histórico marcará um momento decisivo no caminho para o acesso universal ao espaço. Esta será apenas a primeira de muitas missões à ISS da Axiom Space. A aquisição de assentos marca um progresso significativo em direção ao nosso objetivo, e temos o prazer de fazer parceria com a SpaceX nessa direção”, disse o executivo-chefe da Axiom, ex-chefe do programa da ISS na NASA, Michael Suffredini.

Michael López-Alegría

Voou quatro vezes ao espaço, voado nas missões do ônibus espacial STS-73, STS-92 e STS-113, e serviu como Comandante da Expedição 14 da ISS, voando para a ISS a bordo da nave russa Soyuz TMA-9. Ele detém os recordes da NASA para o maior número de atividades extraveiculares (EVA) ou “caminhadas espaciais” e tempo acumulado de EVA (67 horas e 40 minutos). Em 2021, ele foi incluido no Hall da Fama dos Astronautas dos EUA. Seu trabalho na Ax-1 “aproveita sua experiência na exploração espacial tradicional para ajudar a criar uma nova era de voos espaciais tripulados privados”. Anteriormente, López-Alegría foi Presidente da Federação de Voos Espaciais Comerciais e atuou em vários conselhos e comitês consultivos, incluindo o Comitê de Exploração e Operações Humanas do Conselho Consultivo da NASA, o Comitê Consultivo de Transporte Espacial Comercial da FAA e é Presidente do Comitê Internacional da ASTM em Voo Espacial Comercial. Ele também é o ex-presidente da Association of Space Explorers. López-Alegría nasceu em Madrid, Espanha, e emigrou para os Estados Unidos com a família. Seu filho Nicolas (Nico) López-Alegría está atualmente trabalhando em um documentário sobre sua missão.

Larry Connor

Larry Connor: A principal área de pesquisa de Connor será em torno do impacto das viagens espaciais nas células senescentes (células que pararam de se dividir irreversivelmente, mas não morreram) e na saúde do coração. Esse tipo de célula tem sido associado a várias doenças relacionadas à idade. Na Terra, a pesquisa de Connor tende a se concentrar em ressonâncias magnéticas pré- e pós-missão para estudar os efeitos do ambiente do voo espacial nos tecidos espinhal e cerebral.

Empresário imobiliário e de tecnologia de Dayton, Larry Connor, servirá como piloto da missão ; Connor começou a voar em 2007 e já voou 16 aeronaves diferentes, incluindo um caça F-5. É um piloto de helicóptero classificado e cinco vezes vencedor de competições de acrobacias que participou de vários eventos no Campeonato Nacional de Acrobacias dos EUA. O Grupo Connor, fundado em 1992, cresceu de US$ 0 para US$ 3,3 bilhões em ativos. Ao longo do caminho, foi reconhecido como um dos 50 melhores locais de trabalho nacionalmente pela Glassdoor, bem como vencedor de vários prêmios nacionalmente pela Comparably (Melhor Empresa para Mulheres, Melhor Cultura e Melhor Remuneração). O Grupo Connor possui e opera imóveis de luxo em Austin, Nashville, Tampa, Atlanta, Minneapolis, Chicago, Charlotte, Raleigh-Durham, Dallas, Denver, Indianápolis, Columbus, Cincinnati, Louisville e Dayton.

Pilotar a missão Ax-1 é um empreendimento que Connor planeja combinar em órbita com seus esforços sem fins lucrativos e parcerias com renomados especialistas médicos da Mayo Clinic e Cleveland Clinic. “É com isso que estou animado”, disse ele. “Não se trata de ser o piloto. Trata-se de fazer coisas que só podem ser feitas no espaço – experimentos em microgravidade. É uma maneira única de ajudar a humanidade.” Enquanto estiver a bordo da ISS, Connor também pretende proferir aulas de instrução para os alunos da Dayton Early College Academy, uma escola “K-12” reconhecida nacionalmente que produz graduados universitários de primeira geração.

Mark Pathy

Mark Pathy: Pathy trabalhará em parceria com seis universidades canadenses e duas startups de tecnologia, incluindo pesquisas sobre holotransporte bidirecional – um aplicativo de realidade mista para lentes especiais que possui projeções 3D bidirecionais como um holograma para se comunicar. Ele também realizará observações da Terra, pesquisar a Síndrome Neuro-Ocular Associada ao Voo Espacial (uma mudança na nitidez visual experimentada por muitos astronautas) e outros projetos com diferentes universidades.

O empresário de Montreal, Mark Pathy, se tornará o segundo cidadão-astronauta do Canadá, seguindo os passos do co-fundador do Cirque du Soleil, Guy Laliberté, que pagou US$ 35 milhões para voar para a Estação Espacial Internacional em 2009 numa nave russa Soyuz. (Ele será o terceiro se contar William Shatner como cidadão-astronauta por sua estadia de 10 minutos em voo suborbital pela Blue Origin.) Ele tem 52 anos, nascido e criado em Montreal, casado, e pai de três filhos pequenos. Ele é CEO e presidente da Mavrik, uma empresa de investimentos que fundou em 2016 após deixar o cargo de co-CEO da Fednav Ltd, empresa de navegação fundada por seu tio-avô na década de 1940. Ele também é presidente do conselho da Stingray, empresa de mídia de capital aberto na qual a Mavrik tem participação.

Os Pathys (a família é de descendência húngara) entraram no negócio de navegação comprando navios desativados após a Segunda Guerra Mundial. O negócio prosperou desde o início. Os irmãos logo se tornaram parceiros de negócios de pessoas como o ex-primeiro-ministro Paul Martin e se mudaram para o enclave de Westmount, em Montreal. Pathy foi educado na Selwyn House, uma escola particular para meninos em Westmount, onde passou por um breve período de rebeldia (“cinco brincos e um cabelo moicano”). Ele então recebeu um diploma de graduação da Universidade de Toronto e um MBA da INSTAD, antes de assumir um emprego como representante de contas em uma empresa de publicidade. Mas por volta dos 20 anos, Pathy cortou o cabelo, jogou fora os brincos, voltou para Montreal e começou a trabalhar para os negócios da família.

Quando não está trabalhando, Pathy gosta de mergulho, tênis e viagens ousadas. Certa vez, ele viajou pelos Bálcãs e visitou a República Democrática do Congo, para conhecer o ganhador do Prêmio Nobel da Paz Denis Mukwege, ginecologista e pastor pentecostal que recebe dinheiro da Pathy Family Foundation. O Dr. Mukwege recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 2018, juntamente com Nadia Murad, “por seus esforços para acabar com o uso da violência sexual como arma de guerra e conflito armado”; seu financiamento vai para instituições de caridade destinadas a gerar mudanças sociais de longo prazo. Foi para a Axiom que Pathy ligou depois que um amigo lhe contou sobre a missão proposta da empresa para a estação espacial. “Eu teria sido uma das primeiras pessoas a falar com Mark”, lembra López-Alegría. “Ele tinha muitas perguntas sobre segurança. Eu lembro disso.”

Eytan Stibbe

Eytan Stibbe está na tripulação do Axiom-1 em nome da Fundação Ramon e em colaboração com a Agência Espacial de Israel. A Axiom afirmou que durante seu tempo no espaço ele estará realizando experimentos e atividades educacionais para a geração mais jovem em Israel. Há um pouco menos de detalhes sobre os experimentos exatos que Stibbe conduzirá em comparação com seus colegas pesquisadores.

O ex-piloto de caça israelense Eytan Stibbe é o segundo membro da tripulação e vai se tornar o segundo astronauta de Israel. Stibbe é um piloto experimentado que enquanto servia na Força Aérea de Israel, foi apelidado de “Eytan dos quatro abates de aviões” graças a um incidente na primeira guerra do Líbano, quando derrubou quatro aeronaves sírias em uma única surtida. O primeiro astronauta do país foi Ilan Ramon, especialista em carga útil a bordo do ônibus espacial Columbia. Ele e os outros seis tripulantes da NASA foram mortos em 1º de fevereiro de 2003, quando o Columbia se desintegrou durante a reentrada. O empresário israelense pagará milhões de dólares de seu próprio dinheiro para de se tornar um turista espacial. Ele doará o dinheiro para a Fundação Ramon – uma ONG em memória de Ilan Ramon e seu falecido filho Assaf e sua falecida esposa Rona. Esse dinheiro não permanecerá com a fundação, mas será transferido para a Axiom como pagamento pelo voo.
O voo foi possível depois que a Axiom entrou em contato com a Fundação Ramon para obter assistência no estabelecimento de contatos com a indústria espacial local. Além da conexão da Axiom com a Agência Espacial de Israel, a Fundação Ramon também identificou uma oportunidade de enviar um segundo israelense ao espaço. De fato, a fundação iniciou seu processo de arrecadação de dinheiro com o objetivo de escolher um israelense para receber a oportunidade de um voo espacial e entrou em contato com vários candidatos. No final, porém, quem recebeu a homenagem foi Stibbe, membro do conselho de administração da fundação. Essa escolha tornou desnecessário que a entidade arrecadasse dinheiro para o voo, já que Stibbe conseguiu pagar sua passagem.

Stibbe, 62 anos, é um empresário internacional que ganhou a maior parte de seu dinheiro com negócios na África. Após sua dispensa da força aérea no início da década de 1980, ele foi por um curto período um consultor externo da Israel Aerospace Industries para seu projeto de caça Lavi. Em 1985, iniciou o Grupo LR com dois de seus amigos do esquadrão, Ami Lustig e Roy Ben Yami. Stibbe dedica a maior parte de seu tempo hoje ao Vital Capital Fund, uma fundação para investimentos na África com ênfase em empreendimentos sociais. A fundação investe em agricultura, hospitais, infraestrutura urbana e energia renovável. Além disso, ele é ativo em filantropia. Stibbe, casado e com três filhos, é cunhado do ex-diretor geral do Ministério da Fazenda, Yarom Ariav. No que diz respeito à Fundação Ramon, “esta é uma contribuição valiosa e sem precedentes para promover tanto a indústria espacial privada quanto a educação espacial em Israel”.

Contratos com a NASA

A espaçonave em configuração de lançamento, com a capota do nariz fechada

A missão exigiu que a Axiom fizesse um arranjo de acordos com parceiros, incluindo SpaceX, o Johnson Space Center, o Kennedy Space Center e outros. O acordo com a NASA é apenas uma peça do arranjo.
O acordo cobre itens como comida e água para os tripulantes, tempo dos astronautas para preparar a estação para a visita do veículo e outros custos associados à visita, disseram representantes da NASA e da Axiom durante uma entrevista coletiva. O texto completo do acordo não foi disponibilizado ao público.
Os custos incorporados ao acordo foram determinados em 2019, quando a NASA anunciou pela primeira vez que estaria disposta a receber até dois voos particulares de astronautas para a estação por ano, cada um por até 30 dias. Na época, funcionários da NASA estimaram que uma visita poderia custar cerca de US$ 35.000 por dia.
Entre esse esquema de preços, o acordo que não representa uma contabilidade abrangente dos custos da missão e a NASA pagando à Axiom pela capacidade de armazenamento no voo de volta à Terra para cargas úteis científicas que devem permanecer em baixas temperaturas, o acordo resultou na NASA pagando à Axiom um saldo de US$ 1,69 milhão.
No entanto, o Ax-1 será a única missão a voar com essas ‘taxas de barganha’. No final de abril passado, a NASA atualizou seus preços para visitas à estação espacial. De acordo com as informações, o aumento de custos foi dramático.
Sob a política antiga, o suporte de vida e suprimentos de tripulação para uma missão hipotética de quatro pessoas e uma semana à ISS custaria US$ 945.000, um valor que não inclui armazenamento, coleta de dados ou eletricidade. Sob a nova política, os encargos de carga, alimentos e suprimentos para a mesma missão seriam mais de US$ 2,5 milhões na extremidade inferior das faixas de custo citadas, mais US$ 10 milhões em taxas por missão.
Essa mudança de preço se deve à Axiom e outras empresas semelhantes que desejam mais visitas à estação espacial do que a NASA pode suportar, segundo funcionários da agência.

Espaçonave em configuração orbital, com a capota aberta

“Estamos vendo muito interesse em missões de astronautas particulares”, disse Angela Hart, gerente de desenvolvimento comercial de órbita terrestre baixa no Centro Espacial Johnson em Houston, durante uma entrevista coletiva.
“Neste momento, a demanda supera o que realmente acreditamos que serão as oportunidades na estação”, disse ela, especificando que a falta de equilíbrio entre oferta e demanda foi o motivo pelo qual a agência atualizou seu procedimento de visita a missões comerciais, a fim de deixar claro o tempo na estação espacial “é um recurso limitado”.

Foguete separado em seu ‘core’ de primeiro estágio, segundo estágio com saia adaptadora e espaçonave. O foguete tem altura de 65,78 metros, massa no lançamento de 549.054 kg e um diâmetro médio de 3,66 metros.

Turistas
Suffredini também disse que a Axiom Space espera fazer voos regulares de turistas espaciais para a ISS no futuro. “Gostaríamos de voar pelo menos duas vezes por ano, e já temos planos para o segundo, terceiro e quarto voo com turistas”, disse, adiantando que a concretização destas intenções dependerá da disponibilidade de transporte e da capacidade da ISS em receber visitantes.
Ao mesmo tempo, o chefe da Axiom Space observou que a empresa quer construir sua estação espacial, conforme planejado em outros acordos com a NASA.
Isso significa que a empresa terá acesso à porta frontal no módulo Harmony e poderá usá-la para construir uma estação espacial comercial que eventualmente substituirá a própria ISS.

Em 2020, como parte da iniciativa cislunar Next Space Technologies for Exploration Partnership (NextSTEP – num período de pedidos de até sete anos, consistindo de um período-base de cinco anos e uma opção de mais dois), a NASA concedeu à Axiom um contrato de US$ 140 milhões para oferecer pelo menos uma espaçonave habitável para ser anexada à Estação Espacial Internacional. A Axiom foi a única proposta selecionada do processo de solicitação com vencimento em 2019. A Bigelow Aerospace não apresentou uma proposta e posteriormente cessou os trabalhos.
Os módulos construídos pela Axiom são projetados para serem conectados à porta frontal do módulo Harmony com a intenção de demonstrar a capacidade de oferecer serviços e produtos comercialmente em órbita terrestre. O “Segmento Axiom” foi planejado, a partir de janeiro de 2020, para incluir um módulo multiporta para atuar como um conector, uma instalação de pesquisa e fabricação, um habitat da tripulação e um módulo de “janelas grandes” para visualização da Terra.

“A NASA mais uma vez reconheceu o trabalho árduo, talento e experiência dos habitantes de Houston à medida que expandimos a Estação Espacial Internacional e promovemos oportunidades comerciais no espaço”, disse o senador John Cornyn, do Texas. “Estou orgulhoso de que a Axiom continuará a construir sobre o legado do Texas de liderar a nação na exploração espacial humana.”

Essa seleção é um passo significativo para permitir o desenvolvimento de destinos comerciais independentes que atendam às necessidades de longo prazo da NASA em órbita terrestre baixa, além da vida útil da estação espacial, e continuem a promover o crescimento de uma economia robusta em órbita terrestre baixa.
“O anúncio do acordo é um passo empolgante e bem-vindo nos esforços para comercializar a órbita da Terra”, disse o senador Ted Cruz, do Texas. A Estação Espacial é, e continuará sendo, para o desenvolvimento de novas tecnologias para a órbita e além, e para continuar a liderança da América no espaço. Parabéns à Axiom Space por este prêmio emocionante – Houston é conhecida como “Space City” por um motivo, e estou ansioso para que esta grande empresa da Space City e a NASA transformem este anúncio em realidade.”

O desenvolvimento de destinos comerciais na órbita da Terra é um dos cinco elementos do plano da NASA para abrir a Estação Espacial a novas oportunidades comerciais e de marketing. Os outros elementos do plano incluem esforços para disponibilizar recursos da estação e sua tripulação para uso comercial por meio de uma nova política de preços; permitir missões de astronautas particulares para a estação; buscar oportunidades para estimular a demanda sustentável e de longo prazo por esses serviços; e quantificar a demanda de longo prazo da NASA para atividades em órbita baixa da Terra.

“O trabalho da Axiom para desenvolver um ‘destino comercial’ no espaço é um passo crítico para a NASA atender às suas necessidades de longo prazo para treinamento de astronautas, pesquisa científica e demonstrações de tecnologia em órbita”, disse o administrador da NASA à época, Jim Bridenstine. “Estamos transformando a maneira como a agência trabalha com a indústria para beneficiar a economia global e avançar na exploração espacial”.

A agência continuará precisando de pesquisas e testes de microgravidade em órbita baixa para permitir futuras missões à Lua e a Marte, incluindo a chegada da ‘primeira mulher e do próximo homem’ à Lua com a missão Artemis III como parte da exploração lunar da agência.

A Axiom esteve recentemente no noticiário por intermediar um assento de última hora para a NASA a bordo da espaçonave russa Soyuz MS-18. O astronauta da NASA Mark Vande Hei ocupou aquele assento, juntando-se aos cosmonautas russos Oleg Novitskiy e Pyotr Dubrov; o trio passou 355 dias em órbita. Em troca, a NASA levará um astronauta da seleção da Axiom em um veículo comercial dos EUA em 2023.

Estação espacial privada

Se Michael Suffredini pretende reduzir o preço da primeira estação espacial privada para US$ 3 bilhões – em comparação com os US$ 100 bilhões que custou para construir a ISS ele tem algumas decisões a tomar sobre o que fazer, por exemplo o que terceirizar e o que construir internamente.
“Construir um penico é um conceito simples”, disse Suffredini enquanto usava botas de cowboy e um blazer na frente de uma maquete de isopor de um banheiro espacial que pode extrair água da urina para reutilização. “Mas é uma coisa difícil de fazer.” Perto dali, uma equipe trabalhava em torno de uma réplica de madeira da concha hexagonal da estação, com diagramas e esboços afixados no interior de compensado.

A Axiom, fundada em 2016 por Suffredini e o empresário espacial Kam Ghaffarian, destaca-se entre as poucas ‘startups’ espaciais que tentam construir a primeira estação espacial comercial, e não apenas por causa da carreira de 30 anos dele na NASA, que incluiu uma década gerenciando o programa da ISS.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Author: homemdoespacobrasil

Sua referência em Astronáutica na internet

%d bloggers like this: