Como se orienta uma nave no espaço

Os avanços tecnológicos tornaram os sistemas de orientação pequenos, baratos e acessíveis. Até mesmo um microssatélite estudantil agora possui um sistema de orientação com o qual os pioneiros da astronáutica do passado só podiam sonhar. As possibilidades tecnológicas limitadas deram origem a soluções engenhosas.

Resposta assimétrica: sem orientação

Os primeiros satélites e até estações interplanetárias voaram sem direção. A transmissão de dados para a Terra era realizada por meio de um canal de rádio, por várias antenas, para que o satélite se comunicasse em qualquer posição e mesmo se estivesse a dar cambalhotas, pesava muito menos que um sistema de ativo de orientação. 


Luna 2, a primeira estação a alcançar a superfície lunar. Quatro antenas nas laterais possibilitavam comunicação em qualquer posição em relação à Terra.

Mesmo hoje, às vezes é mais fácil cobrir toda a superfície de um satélite com painéis solares e instalar várias antenas do que criar um sistema de orientação. Além disso, algumas tarefas não exigem orientação – por exemplo, os raios cósmicos podem ser registrados em qualquer posição do satélite.

Vantagens:

  • Simplicidade e confiabilidade máximas. Um sistema de orientação ausente não pode quebrar.

Desvantagens:

  • É adequado agora, principalmente, para microssatélites que resolvem tarefas relativamente simples. Os satélites maiores não podem passar sem um sistema de orientação.

Sensor solar

Em meados do século 20, as células fotovoltaicas se tornaram uma coisa familiar e dominada, então não há nada de surpreendente que elas tenham ido para o espaço. O Sol se tornou o farol óbvio para esses sensores. Sua luz forte atingindo o elemento fotossensível tornou possível determinar a direção:


Vários esquemas de operação de sensores solares modernos; abaixo uma matriz fotossensível


Sensores solares modernos

Vantagens:

  • Simplicidade.
  • Preço.
  • Quanto mais alta a órbita, menor a área de sombra e mais tempo o sensor pode trabalhar.
  • A precisão é de aproximadamente um minuto de arco.

Desvantagens:

  • Orientação ao longo de apenas um eixo.
  • Não trabalha na sombra da Terra ou de outro corpo celeste.
  • Pode estar sujeito a interferência da Terra, Lua, etc.

Apenas um eixo ao longo do qual os sensores solares podem estabilizar o aparelho não interfere em seu uso ativo. Primeiro, o sensor solar pode ser complementado com outros sensores. Em segundo lugar, para espaçonaves com baterias solares, o sensor solar permite que se organize facilmente um modo de rotação alinhado ao Sol, quando a espaçonave gira em sua direção, e as baterias solares operam nas condições mais confortáveis.
A espaçonave Vostok usou um sensor solar: o eixo do sol foi usado para traçar a orientação para frear a nave. Além disso, os sensores solares tinham grande demanda nas estações interplanetárias, porque muitos outros tipos de sensores não podiam funcionar fora da órbita da Terra.
Devido à sua simplicidade e baixo custo, os sensores solares agora são muito comuns na tecnologia espacial.

Infravermelho vertical (IKV)

Os dispositivos que voam na órbita terrestre geralmente precisam determinar a vertical local – a direção para o centro da Terra. Fotocélulas da faixa visível não são muito adequadas para isso – no lado noturno, a Terra é muito pior iluminada. Mas, na faixa do infravermelho, a Terra quente brilha quase da mesma forma nos hemisférios diurno e noturno. Em órbitas baixas, os sensores determinam a posição do horizonte, em órbitas altas, eles fazem a varredura do espaço em busca do círculo quente da Terra.
Estruturalmente, como regra, os sensores verticais infravermelhos contêm um sistema de espelhos ou um espelho de varredura:


infravermelho vertical montado com um ‘volante’. A unidade foi projetada para uma orientação precisa da Terra para satélites geoestacionários. O espelho de varredura é visível


Exemplo do campo de visão do infravermelho vertical. O círculo preto é a Terra


Sensores infravermelhos russos produzidas pela JSC VNIIEM 

Vantagens:

  • Eles são capazes de detectar a vertical local em qualquer parte da órbita.
  • Geralmente alta confiabilidade.
  • Boa precisão

Desvantagens:

  • Orientação ao longo de apenas um eixo.
  • Para órbitas baixas, algumas estruturas são necessárias, para órbitas altas, outras.
  • Dimensões e peso comparativamente grandes.
  • Apenas para a órbita terrestre.

O fato de a orientação ser baseada em apenas um eixo não impede o uso generalizado de infravermelhos verticais. Eles são muito úteis para satélites geoestacionários que precisam apontar suas antenas para a Terra.  Os IKV também são usados ​​na exploração espacial tripulada, por exemplo, em modificações modernas da espaçonave Soyuz, a orientação de frenagem é realizada apenas de acordo com seus dados:


Espaçonave Soyuz. Sensores IKV duplicados são mostrados por setas

Sensor de íon

Foi uma ideia lógica complementar o infravermelho vertical com um sensor de íons. Nas órbitas baixas terrestres, encontram-se moléculas da atmosfera, que podem ser íons , que carregam carga elétrica. Ao instalar sensores que registram o fluxo de íons, pode-se determinar qual lado da nave está voando para a frente na órbita, pois lá o fluxo será máximo:


Equipamento para medir a concentração de íons positivos

O sensor de íons funciona mais rápido – leva quase uma volta inteira para fazer uma orientação com um giroscopio, e o sensor de íons foi capaz de determinar uma orientação em cerca de 10 minutos. Infelizmente, na região da América do Sul existe o chamado “poço iônico”, que torna o funcionamento do sensor iônico instável. E justamente é na região da América do Sul que as naves russas Soyuz precisam determinar sua orientação de frenagem para pousar na região do Cazaquistão. Os sensores iônicos estavam na primeira Soyuz, mas logo foram abandonados e agora não são usados ​.

Sensor DE estrelaS

Muitas vezes, um eixo no Sol não é suficiente. Para a navegação, pode ser necessário mais um objeto brilhante, cuja direção, junto com o eixo ao Sol, dará a orientação desejada. A estrela Canopus se tornou um desses objetos pois é a segunda mais brilhante no céu e está longe do Sol. A primeira espaçonave a usar a estrela para orientação foi a Mariner 4, lançada para Marte em 1964. A ideia acabou dando certo, embora o sensor de estrela exigisse muita energia ao determinar a orientação, ele visava as estrelas erradas e foi necessário “pular” de estrela em estrela por vários dias. Depois que o sensor finalmente avistou Canopus, ele começou a perdê-la constantemente – partículoas voando ao lado da sonda às vezes brilhavam intensamente e reiniciavam o algoritmo para encontrar a estrela.
Os primeiros sensores estelares eram fotocélulas de pequeno campo de visão que podiam ter como alvo apenas uma estrela brilhante. Apesar de suas capacidades limitadas, eles eram usados ​​ativamente em estações interplanetárias. Hoje em dia, o progresso tecnológico criou, de fato, uma nova classe de dispositivos. Os sensores modernos de estrelas usam uma matriz de células fotoelétricas, trabalham em conjunto com um computador com um catálogo estelar e determinam a orientação do aparelho pelas estrelas que são visíveis em seu campo de visão. Esses sensores não precisam de determinação preliminar de uma orientação aproximada por outros dispositivos e são capazes de determinar a posição do aparelho independentemente da área do céu para a qual são direcionados.


Sensores estelares típicos


Quanto maior o campo de visão, mais fácil é navegar


Ilustração da operação do sensor, de acordo com a posição relativa das estrelas de acordo com os dados do catálogo, a direção da linha de visada é calculada

Vantagens:

  • A precisão máxima pode ser inferior a segundos de arco.
  • Não precisa de outros dispositivos, e pode determinar a posição exata por conta própria.
  • Eles funcionam em qualquer órbita.

Desvantagens:

  • Preço Alto.
  • Não trabalha quando a espaçonave estiver girando rapidamente.
  • Sensível à luz e interferências.

Agora, os sensores de estrelas são usados ​​onde se precisa saber a posição do veículo espacial com muita precisão – em telescópios e outros satélites científicos.

Magnetômetro

Uma maneira de orientação é de acordo com o campo magnético da Terra. Os magnetômetros para medir o campo magnético eram freqüentemente instalados em estações interplanetárias, mas não eram usados ​​para traçar sua orientação.


O campo magnético da Terra torna possível determinar orientação ao longo de todos os três eixos


Magnetômetro científico das sondas Pioneer-10 e -11


Magnetômetro digital. Este tipo equipou a estação Mir em 1998 e foi usado no módulo Philae da sonda Rosetta

Vantagens:

  • Simplicidade, baixo custo, confiabilidade, compactação.
  • Precisão média, de minutos de arco a vários segundos de arco.
  • Pode-se obter orientação ao longo de todos os três eixos.

Desvantagens:

  • Susceptível a interferências de equipamentos da espaçonave.
  • Não funciona acima de 10.000 km da Terra.

A simplicidade e o baixo custo dos magnetômetros os tornaram muito populares em microssatélites.

Plataforma giro-estabilizada

Historicamente, as espaçonaves costumam voar sem orientação ou em modo de rotação solar. Apenas na área do alvo da missão eles ativaram os sistemas ativos, construíram a orientação ao longo de três eixos e realizaram sua tarefa. Mas e se for preciso manter uma orientação arbitrária por muito tempo? Nesse caso, precisa-se “lembrar” a posição atual e registrar as manobras. E para isso, a humanidade não inventou nada melhor do que giroscópios (medem os ângulos de rotação) e acelerômetros (medem aceleração linear).
Giroscópios
A propriedade de um giroscópio é amplamente conhecida por se esforçar para manter sua posição no espaço:

Inicialmente, os giroscópios eram apenas mecânicos. Mas o progresso tecnológico levou ao surgimento de muitos outros tipos.
Giroscópios ópticos – Os ópticos – laser e fibra óptica – são caracterizados por uma precisão muito alta e pela ausência de partes móveis. Nesse caso, o efeito Sagnac é usado, com a mudança de fase das ondas em um interferômetro de anel giratório.


Giroscópio a laser

Giroscópio de onda de estado sólido – Neste caso, a precessão de uma onda estacionária de um sólido ressonante é medida. Eles não contêm peças móveis e são altamente precisos.

Giroscópios de vibração – O efeito Coriolis é usado para operação, onde as oscilações de uma parte do giroscópio ao girar desviam a parte sensível:

Os giroscópios de vibração são fabricados no design de MEMS, são baratos e muito pequenos em tamanho com uma precisão relativamente boa. São esses giroscópios que são encontrados em telefones celulares, quadricópteros e semelhantes. O giroscópio MEMS também pode operar no espaço e são instalados em microssatélites.

O tamanho e a precisão dos giroscópios são claros:

Acelerômetros
Estruturalmente, os acelerômetros são balanças – uma massa fixa muda seu peso sob a influência das acelerações, e o sensor converte esse peso em um valor de aceleração. Agora, além de versões grandes e caras, os acelerômetros adquiriram análogos MEMS:


Um exemplo de um acelerômetro de grande porte


Micrografia de um acelerômetro MEMS

A combinação de três acelerômetros e três giroscópios captura a rotação e a aceleração em todos os três eixos. Esse dispositivo é chamado de plataforma giroestabilizada. No início da astronáutica, eles só eram possíveis em um gimbal, eram muito complicados e caros.


Plataforma giro-estabilizada da nave Apollo. O cilindro azul em primeiro plano é um giroscópio. 

O auge dos sistemas mecânicos eram os sistemas sem cartão, quando a plataforma ficava imóvel em fluxos de gás. Era de alta tecnologia, fruto do trabalho de grandes equipes, aparelhos muito caros e secretos.


Sistema de orientação do Peacekeeper ICBM: A esfera no centro é uma plataforma giroestabilizada. 

Agora o desenvolvimento da electrônica levou ao fato de uma plataforma com uma precisão adequada a simples satélites caber na palma da mão, ser desenvolvida por alunos e até ter seu código-fonte publicado.

Uma inovação interessante é a plataforma MARG. Neles, os dados dos giroscópios e acelerômetros são complementados com sensores magnéticos, o que permite corrigir o erro acumulado dos giroscópios. O sensor MARG é provavelmente a opção mais adequada para microssatélites – é pequeno, simples, barato, não tem partes móveis, consome pouca energia e fornece orientação ao longo de três eixos com correção de erros.
Em sistemas complexos, os sensores em estrela são geralmente usados ​​para corrigir os erros de orientação da plataforma giroestabilizada.
O erro de trajetória, via de regra, é corrigido por sistemas de monitoramento de rádio da órbita – as antenas da Terra, de acordo com os sinais do aparelho, podem determinar com muita precisão sua posição e velocidade. Em órbitas baixas, um analógico barato apareceu para isso, os sistema como os GPS e GLONASS.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Rússia lança satélite usando um Angara de classe leve

Foguete decolou de Plesetsk

Imagem atribuída ao lançamento do Angara

Hoje, sexta-feira 29 de abril de 2022, o foguete leve Angara-1.2 foi lançado do cosmódromo de Plesetsk, na região de Arkhangelsk, com uma espaçonave EMKA Nº 3 (chamado oficialmente Kosmos 2555) , para o Ministério da Defesa russo.

O Angara-1.2 número 1L / 71602 decolou do “Cosmódromo Norte” às 19.55.22.612 UTC/ 22:55.22.612 hora de Moscou (16:55.22.612 hora de Brasilia)
“… às 22h56, horário de Moscou, a equipe de combate das Forças Aeroespaciais lançou com sucesso um veículo de lançamento de classe leve Angara-1.2 com uma espaçonave no interesse do Ministério da Defesa russo a partir da mesa nº 1 da área 35 do Cosmódromo de Teste Estatal de Plesetsk ” – disse o comunicado oficial.
O controle de rastreio americano indicou que o satélite foi colocado em uma órbita quase circular síncrona com o Sol de 279 x 294 km, inclinada em 96.44º , sendo que a órbita do EMKA mais recente foi de 319 x 347 km, 96.64 graus e período de 90,94 minutos.

Imagem do Angara divulgada pelo diretor da agência espacial russa

Todas as operações de pré-lançamento e o lançamento do foguete ocorreram no modo normal. O controle de lançamento e vôo do foguete foi realizado por um “complexo de controle automatizado baseado em terra”.

O Ministério da Defesa confirmou que o satélite foi inserido com sucesso na órbita planejada e que a telemetria constante está sendo recebida dele. O satélite se separou do foguete às 20h18 UTC. O Kosmos-2555 entrou em órbita síncrona do sol de 279 x 294 km com uma inclinação de 96,44 graus no horário local às 11:30. Ao mesmo tempo, de acordo com dados ocidentais, após a separação do satélite, o estágio superior AM, por volta das 02:03, horário de Moscou, em 30 de abril, foi observado sobre o Reino Unido, realizando o que foi inicialmente percebido como reentrando na atmosfera da Terra ou despejando combustível. No entanto, seus dados de rastreamento de órbita mostraram que o bloco AM na verdade elevou seu apogeu a uma altitude de cerca de 500 km, provavelmente simulando a capacidade de transportar uma carga útil a uma órbita mais alta, e depois foi desorbitado sobre o Oceano Pacífico.

O Angara lançado hoje tem um segundo estágio de diâmetro menor que o dos utilizados anteriormente. A carenagem da cabeça é um modelo 14S733.

Estes parâmetros são bastante semelhantes à órbita inicial do Kosmos-2551, que foi lançado em 295 x 307 km x 96,4 graus no mesmo plano orbital em setembro passado. De acordo com alguns observadores ocidentais, o veículo lançado foi mesmo um satélite militar de reconhecimento óptico da série EMKA (possível designação também como Zvezda e Razdan-N ) produzido pelo A. G. Iosifyan JSC VNIIEM, anteriormente o Instituto de Pesquisa de Eletromecânica Russo VNIIEM).

Este foi o primeiro lançamento do Angara-1.2 em execução em série, cujo principal desenvolvedor é o Centro Estatal de Pesquisa e Produção Espacial M. V. Khrunichev. Inicialmente, o foguete Angara-1.2, de acordo com o projeto, teria dois estágios e deveria usar dois módulos de bloco de foguetes universais : URM-1 como primeiro estágio e URM-2 como segundo. Produzido nesta forma em 2014, o teste de lançamento do protótipo do foguete Angara-1.2, designado como Angara-1.2PP (PP – Perviye Pusk, “primeiro lançamento”, código 14A125-01, número nº 71601), de Plesetsk ao longo de uma trajetória suborbital. 21 minutos após o lançamento, a carga útil do modelo de peso não destacável pesando 1.430 kg com o segundo estágio caiu em uma determinada área do local de teste de Kura na Península de Kamchatka a uma distância de 5.700 km.
De fato, posteriormente o projeto foi completamente redesenhado, tornando-se essencialmente um foguete de três estágios, incluindo o bloco URM-1 como primeiro estágio (com o motor RD-191), um segundo estágio especialmente projetado com diâmetro de 2,9 m (com o motor RD -0124A, usado no URM-2) e um módulo agregado destacável AM como terceiro estágio (equipado com quatro motores pequenos 11D458 com empuxo de 40 kgf e 14 motores 17D58E com empuxo de 1,3 kgf). O módulo AM foi originalmente apresentado nas primeiras versões do projeto do Angara-1.2 na década de 1990. O comprimento do Angara-1.2 neste projeto é de cerca de 41,5 m, com peso de lançamento de aproximadamente 171 toneladas, e carga útil é de 3.800 kg quando lançado em uma órbita de referência baixa com uma altitude de cerca de 200 km (foi nesta forma o primeiro lançamento do foguete serial Angara-1.2 Nº 1L)

As observações do que parece ter sido a ignição de órbita do estágio AM do Angara-1.2 sobre a Europa Ocidental às 2303 UTC de 29 de abril não são muito consistentes com os two-line elements TLEs (elementos orbitais) do Kosmos-2555 e sugerem que o estágio elevou sua órbita para cerca de 500 km apogeu após a ejeção do satélite. O estágio AM passou por testes adicionais após a separação do satélite, e foi colocado em uma órbita mais alta não apenas para testar os sistemas de propulsão, mas também para melhorar sua visibilidade nas estações de rastreamento russas, permitindo que obtivessem melhor telemetria.

Angara no prédio de integração e testes

O Angara faz parte de uma família de veículos de lançamento russos fabricados em Omsk pela Polyot (parte do Centro M.V. Khrunichev da Roskosmos). O primeiro Angara-1.2PP ( 14A125-01 No. 71601 ) foi o primeiro veículo de voo da família Angara . Seu lançamento foi realizado com sucesso em 9 de julho de 2014 . Esta missão suborbital de uma configuração de bloco único com partes de variações das famílias Angara-1 e Angara-A3 serviu como demonstração de desenvolvimento antes de seu uso operacional. O voo ocorreu de acordo com o plano . O segundo estágio entrou em uma trajetória suborbital ( inclinação de 75,2° ± 2′; perigeu previsto 1008,527 ± 5,8 quilômetros; apogeu previsto de 188,878 ± 0,3 quilômetros com período de revolução de 76,3 minutos ± 3,5 segundos), o voo o tempo foi de 21,28 minutos. O modelo de dimensão de massa de carga útil, inseparável do segundo estágio, caiu no polígono de teste em Kura na Kamchatka a cerca de 5.700 quilômetros do local de lançamento .

O chefe da Roskosmos, Dmitry Rogozin, lembrou que o mesmo foguete abrirá os testes da segunda etapa do cosmódromo de Vostochny. O Angara-1.2PP foi lançado até agora uma única vez em julho de 2014 também de Plesetsk. Mais cedo, em 11 de abril, Rogozin, falando sobre planos, disse que em dezembro de 2023 a versão leve do Angara será lançada de Vostochny, e o lançamento de mais um foguete Angara-A5 também estava planejado para este ano.

Antes disso, em 21 de janeiro, Rogozin informou que em 2022 estava planejado o lançamento de pelo menos dois Angaras. Depois de 25 de janeiro, o diretor da Roskosmos observou que estava sendo aventada a possibilidade de criar uma versão do foguete com um “pacote de retorno” de cinco blocos URM do primeiro estágio.

A espaçonave lançada pelo Angara 1.2

Concepção artística do EMKA (A. Zak – russianspaceweb.com)

O especialista Anatoly Zak, do russianspaceweb, assinala que “… uma revisão cuidadosa de fontes abertas feita por Bart Hendrickx, historiador espacial, estabeleceu uma forte ligação entre a missão e o programa ‘pequena espaçonave experimental’ Eksperementalny Maly Kosmicheskii Apparat EMKA, desenvolvido na corporação VNIIEM, com sede em Moscou. Em 2016, a organização divulgou em seu relatório anual que estava trabalhando em um complexo de sensoriamento remoto baseado na EMKA.
O documento também dizia que o lançamento do satélite estava programado para 2017 e a empresa estava se preparando para participar de seus testes e controle de voo.” O lançamento do primeiro EMKA (presumivelmente Zvezda-1, designação Kosmos-2525) foi realizada num foguete Soyuz-2.1V a partir de Plesetsk em 29 de março de 2018. O satélite operou em uma órbita com altitude de 270 km a 320 km e entrou na atmosfera em 1º de abril de 2021.

De acordo com fontes ocidentais, o aparelho EMKA era experimental e realmente atuou como um protótipo de demonstração de satélite de reconhecimento óptico de pequeno porte da nova geração da série Razbeg desenvolvida pela mesma VNIIEM. Presumivelmente, tinha uma massa de cerca de 250 kg, e possivelmente menos, e está equipado com uma câmera digital desenvolvida pela OJSC Peleng (Bielorrússia), que tem uma resolução máxima de 0,9 metros no modo pancromático. O lançamento do primeiro satélite Razbeg sob a designação Kosmos-2551 foi realizado por um Soyuz-2.1V de Plesetsk em 9 de setembro de 2021, mas não teve sucesso – o dispositivo não funcionou a partir do momento entrou em órbita e queimou em 20 de outubro na atmosfera. Em vista disso, pode-se supor que o aparelho agora lançado pelo veículo de lançamento Angara-1.2 sob a designação Kosmos-2555 é o segundo satélite da série Razbeg.

“A base de dados pública russa de rastreamento de aquisições federais também mencionou um contrato entre a corporação VNIIEM e o Ministério da Defesa para o desenvolvimento de um satélite assinado em 23 de outubro de 2015. Um contrato separado cobria a entrega do contêiner com a espaçonave EMKA de Moscou a Plesetsk, que aparentemente ocorreu em 24 de fevereiro de 2018, a bordo de um avião de transporte Il-76 partindo do aeródromo de Chkalovsky. Por fim, vários outros documentos de aquisição do governo russo listaram a compra de vários serviços da VNIIEM e estão associados ao projeto EMKA.” “Em uma publicação de 2014, de coautoria de executivos líderes do VNIIEM e um oficial da Academia Pedro, o Grande das Forças de Mísseis Estratégicos, foi divulgado que a empresa havia começado a trabalhar num pequeno satélite MKA-V destinado a capturar imagens da superfície terrestre de alta resolução. As aplicações de defesa foram listadas entre vários objetivos de sua missão.”

Em 1 de março passado, p Diretor Geral do Centro. M. V. Khrunichev, Alexei Varochko, dissera que onze veículos lançadores Angara estão em produção na fábrica Polyot (em Omsk, uma filial do Centro Khrunichev): três Angara-1.2 classe leve e oito Angara-A5 classe pesada. Em abril, o diretor da Roskosmos, Dmitry Rogozin, afirmou que no momento há oportunidade de produzir pelo menos quatro foguetes Angara pesados e pelo menos dois leves nas instalações de Omsk na Sibéria. E em um ano produzir-se-ão oito foguetes Angara pesados e dois leves, que cobrem completamente todas as necessidades de qualquer cliente, seja Roskosmos ou o Ministério da Defesa.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

SpaceX lança mais 53 Starlinks hoje

‘Core’ de primeiro estágio é reciclado em tempo recorde

O “core” B1062.6 faz parte do foguete de 568.012 kg que está posicionado na SLC-40

A SpaceX lançará a missão Starlink Fl43 Grupo 4-16 (v1.5 L14) com 53 satélites pelo foguete Falcon 9 (“core” B1062.6) a partir do Cape Canaveral Space Launch Complex 40 (SLC-40) em 29 de abril de 2022 às 21:27 UTC (18:27 Brasilia).
A previsão atual promete 80% de chance de condições climáticas favoráveis ​​no horário de lançamento programado. A SpaceX estabelecerá um novo recorde ao lançar uma missão com um ‘core’ de primeiro estágio que apenas 21 dias atrás retornou de seu último voo – o lançamento da missão tripulada Ax-1 para a estação espacial internacional.

Se tudo correr conforme o planejado, o primeiro estágio do foguete retornará e pousará na barca-drone Just Read the Instructions (JRTI), estacionada a 629 km na ‘pegada’ de trajetória no Atlântico. A balsa foi rebocada pelo rebocador Finn Falgout e é acessorada pelo navio de apoio Bob, que recuperará as conchas da carenagem de cabeça a 648 km do Cabo, cerca de 8,5 minutos após a decolagem. O estágio superior do Falcon 9 levará os satélites Starlink à órbita, liberando-os cerca de 60 minutos após o lançamento.

Transmissão do Homem do Espaço

CONTAGEM REGRESSIVA
hh/min/s: Evento
00:38:00 O diretor de lançamento da SpaceX verifica o abastecimento do propelente
00:35:00 O abastecimento de RP-1 (querosene grau de foguete) é regulado
00:35:00 O carregamento do 1º estágio com LOX (oxigênio líquido) começa
00:16:00 Carregamento de LOX do 2º estágio começa
00:07:00 Falcon 9 inicia resfriamento dos motores (chilldown) antes do lançamento
00:01:00 Computador de voo de comando para decolagem as verificações finais de pré-lançamento
00:01:00 A pressurização do tanque de propelente para a pressão de voo é regulada e conferida
00:00:45 Diretor de lançamento da SpaceX verifica o lançamento
00:00:03 O controlador automático do foguete comanda a sequência de ignição dos motores para decolagem
00:00:00 Decolagem do Falcon 9

LANÇAMENTO, ATERRISSAGEM E LIBERAÇÃO DA CARGA ÚTIL
Todos os tempos são aproximados

hh/min/s: Evento
00:01:12 Max Q (momento de máximo de estresse mecânico no foguete)
00:02:31 Corte dos motores principais do 1º estágio (MECO)
00:02:35 primeiro e segundo estágios separados (estagiamento)
00:02:42 Ignição 1 do motor do 2º estágio (SES-1)
00:02:50 Liberação de carenagem
00:06:13 Começa a ignição de reentrada do 1º estágio
00:06:32 Ignição de entrada do 1º estágio concluída
00:08:02 Começa a ignição de pouso do 1º estágio
00:08:24 Pouso do primeiro estágio
00:08:49 Corte 1 do motor do 2º estágio (SECO-1)
00:45:22 Ignição 2 do motore do 2º estágio (SES-2)
00:45:24 Corte 2 do motore do 2º estágio (SECO-2)
00:59:30 Satélites Starlink liberados

Perfil de lançamento até o pouso do ‘core’ na balsa

Reclamações de clientes

A SpaceX de Elon Musk pediu desculpas a alguns clientes por sua falta de suporte ao cliente do Starlink, pois expandiu demais a rede de internet via satélite. A equipe da Starlink disse em uma mensagem, postada no Reddit por um cliente chamado Robert Smith, que “atrasou nosso tempo de resposta normal” e “este não é o nível de suporte que pretendemos fornecer”. A empresa disse que está fazendo melhorias em seu serviço, incluindo a contratação de mais pessoas para sua equipe de suporte, de acordo com a mensagem. Acrescentou que pode haver um “atraso incomum” antes que eles respondam aos clientes e alguém da equipe responderá “eventualmente”.

Foguete configurado para lançamento de 53 satélites

O usuário “Smith”, residente em Washington, disse ao site Insider que a mensagem da empresa era uma resposta a uma postagem que ele enviou em 17 de abril sobre velocidades e latências lentas da Internet. Desde que encomendou o Starlink em maio de 2021, Smith disse que achou o serviço de Internet “ótimo”, mas não ficou impressionado com o suporte ao cliente .

“Infelizmente, nosso serviço sofreu nas últimas três semanas e o tempo de resposta lento no suporte”, disse Smith. “Tem sido uma mudança de vida um pouco decepcionante eles deixarem o atendimento cair tanto.” Um outro usuário do Reddit comentou a postagem de Smith, dizendo que também enviou uma solicitação à Starlink em 17 de abril, obteve a mesma resposta – e ainda está aguardando a empresa retornar.

Outro usuário foi informado de que a empresa estava enviando aos clientes “algum tipo de comunicação”. A falta de atendimento ao cliente é uma reclamação comum, de acordo com clientes que falaram com o Insider. Os clientes da Starlink contaram anteriormente sobre as frustrações que experimentaram com o atendimento. Duas pessoas, que ficaram irritadas depois que a Starlink aumentou os preços , disseram que exigiram que seus depósitos de US$ 100 fossem devolvidos por kits que não receberam.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Crew Dragon ‘Freedom’ acopla com a estação espacial

Missão Crew-4 chega com nova tripulação americana/italiana

Espaçonave C212 encaixa no adaptador de engate IDA-3 no compartimento PMA-3 no módulo Harmony

Os astronautas da NASA Kjell Lindgren, Bob Hines e Jessica Watkins e a astronauta da Agência Espacial Europeia Samantha Cristoforetti chegaram à Estação Espacial Internacional na quarta-feira, 27 de abril , quando sua nave espacial Crew Dragon C212 Freedom acoplou no complexo às 19:37 EDT (20:37 de Brasília), enquanto a estação espacial voava cerca de 420 km acima do Oceano Pacífico. Após a acoplagem da Crew Dragon ao módulo Harmony, os astronautas a bordo da nave recém-chegada e da estação espacial começaram a realizar verificações de vazamento padrão e pressurização em preparação para a abertura da escotilha.

Aproximadamente dez minutos após a acoplagem, o anfitrião da transmissão informou que a espaçonave estava totalmente protegida (junção hermética) na porta de encaixe da ISS. O engate ocorreu automaticamente.
A espaçonave foi lançada na quarta-feira às 03h55, horário da Costa Leste dos EUA (04h55, horário de Brasilia) do espaçoporto de Cabo Canaveral (Flórida). Esta é a quarta rotação da tripulação da ISS do lado americano como parte da cooperação da NASA com a SpaceX.
Lindgren, Hines, Watkins e Cristoforetti substituirão os colegas americanos Raju Chari, Tom Marshburn e Kayla Barron e o alemão Mattias Maurer, que voaram para a estação da Crew Dragon chamada Endurance em 11 de novembro do ano passado. Para Hines e Watkins, este é o primeiro voo ao espaço, e para Lindgren e Cristoforetti, o segundo.

Lindgren, Hines, Watkins e Cristoforetti se juntaram à tripulação da Expedição 67 (Raja Chari, Thomas Marshburn e Kayla Barron, da NASA, Matthias Maurer da ESA e os cosmonautas Oleg Artemyev, Sergey Korsakov e Denis Matveev da Roskosmos). Por um curto período de tempo, o número de tripulantes na estação espacial aumentará para onze pessoas até que a tripulação da Crew-3 parta no dia 4 de maio.

Configuração da ISS após o acoplamento da Crew Dragon ‘Crew-4’

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Crew-4/USCV-4 lançada para a ISS

Falcon 9 coloca em órbita quatro astronautas em espaçonave nova

Lançamento a partir da Plataforma 39A

A SpaceX e a NASA lançaram o foguete Falcon 9 Block 5 com a nave espacial Crew Dragon C212 Freedom na ‘Crew-4’, a quarta missão de expedição científica contratada para a Estação Espacial Internacional, a partir do Complexo de Lançamento 39A (LC-39A) no Kennedy Space Center na Flórida, hoje, quarta-feira, 27 de abril às 03h52:17 ET (07:52:17 UTC, 04:52:17 Brasilia). Este será o primeiro voo da espaçonave Dragon “Freedom” e o quarto voo do primeiro estágio do Falcon 9 , que lançou anteriormente as CRS-22, Crew-3 e Turksat 5B. Após a separação dos estágios, o ‘core’ de primeiro estágio do Falcon 9 pousou na balsa-drone A Shortfall of Gravitas, estacionada no Oceano Atlântico.

Tripulação no cockpit da nave ao entrar em órbita

A Crew-4 leva os astronautas da NASA Kjell Lindgren , comandante da missão, Robert Hines , piloto, e Jessica Watkins , especialista de missão; e astronauta da Agencia Espacial Europeia Samantha Cristoforetti, da Itália , que serve também como especialista de missão. Após o acoplamento da Crew-4, espera-se que a missão Crew-3 complete uma transição de quase cinco dias com seus substitutos antes de desacoplar da estação espacial e retornar à Terra. A missão dos quatro tripulantes da Crew-4 durará cerca de seis meses. A espaçonave Freedom deve acoplar no compartimento PMA-3 / IDA-3 do segmento americano da estação espacial internacional em 28 de abril às 01:30:00 UTC; em seguida, a espaçonave C210 “Endurance”, da missão Crew-3, deve desengatar não antes de 30 de abril às 22:00:00 UTC.

Fases do lançamento

Durante seu tempo na estação espacial em órbita, os astronautas da Crew-4 conduzirão mais de 200 experimentos científicos em áreas como ciência de materiais, tecnologias de saúde e botânica para se preparar para a exploração tripulada além da órbita baixa terrestre.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

SpaceX lançará a Crew-4/USCV-4 para a NASA esta semana

Espaçonave ‘Freedom’ fará seu primeiro voo

Foguete na plataforma

A NASA e a SpaceX planejam para as 03:52:47 EDT (07:52:47 UTC, 04:52:47 hora de Brasília) de quarta-feira, 27 de abril, o lançamento da missão Crew-4/USCV-4 para a Estação Espacial Internacional. O foguete Falcon 9 FT BL5 número de série B1067.4 deve decolar do Complexo de Lançamento 39A no Centro Espacial Kennedy na Flórida. As equipes decidiram adiar uma potencial oportunidade de lançamento em 26 de abril até mais tarde nesta semana, quando o posicionamento da estação espacial e a mecânica orbital forem mais favoráveis. A Crew-4, usando a nave espacial Crew Dragon C212 “Freedom” tem outra oportunidade de lançamento disponível quinta-feira, 28 de abril, já que o clima continua sendo um item crítico na programação da semana.

Os astronautas da Crew-4 SpaceX para a NASA: a partir da esquerda, Jessica Watson, Bob Hines e Kjell Lindgren, e a astronauta da ESA Samantha Cristoforetti do lado de fora do Edifício de Operações e Checkout do Kennedy Space Center durante um ensaio sem propelentes em 20 de abril de 2022. Foto NASA/Kim Shiflett

A espaçonave Freedom deve acoplar no compartimento PMA-3 / IDA-3 do segmento americano da estação espacial internacional em 28 de abril às 01:30:00 UTC; em seguida, a espaçonave C210 “Endurance”, com a missão Crew-3, deve desengatar não antes de 30 de abril às 22:00:00 UTC. A Crew-4 levará os astronautas da NASA Kjell Lindgren , comandante da missão, Robert Hines , piloto, e Jessica Watkins , especialista de missão; e astronauta da Agencia Espacial Europeia Samantha Cristoforetti, da Itália , que servirá como especialista de missão. Após o acoplamento da Crew-4, espera-se que a missão Crew-3 complete uma transição de quase cinco dias com a Crew-4 antes de desacoplar da estação espacial e retornar à Terra. A missão dos quatro tripulantes da Crew-4 durará cerca de seis meses.

O 45º Esquadrão Meteorológico da Força Espacial dos EUA prevê uma chance de 90% de condições climáticas favoráveis ​​na área da plataforma de lançamento para a decolagem da missão Crew-4 com base nos critérios climáticos de lançamento do Falcon 9 v1.2 FT Block 5. As principais preocupações climáticas para a área de lançamento são nuvens cumulus e o voo de acordo com as regras de precipitação. As equipes também monitorarão as condições climáticas tanto para a área de lançamento quanto para a trajetória do voo da Crew Dragon.

Emblema da missão

Lindgren é o comandante da espaçonave e da missão , e responsável por todas as fases do voo, desde o lançamento até a reentrada, e atuará como engenheiro de voo da Expedição 67 a bordo da estação. Este será o segundo voo espacial dele desde que se tornou astronauta em 2009. Em 2015, passou 141 dias a bordo da estação como engenheiro de voo da Expedição 44/45. Certificado em medicina de emergência, trabalhou anteriormente no Johnson Space Center em Houston como cirurgião de voo apoiando o treinamento e as operações da estação espacial e atuou como cirurgião adjunto para o voo do ônibus espacial STS-130 e a Expedição 24. Lindgren nasceu em Taipei, Taiwan, e passou a maior parte de sua infância na Inglaterra antes de se formar na Academia da Força Aérea dos EUA.

Hines é o piloto da espaçonave e o segundo no comando da missão, sendo responsável pelos sistemas e desempenho da espaçonave. A bordo da estação, atuará como engenheiro de voo da Expedição 67. Este será seu primeiro voo desde sua seleção como astronauta em 2017. Hines serviu mais de 22 anos na Força Aérea dos EUA como piloto de testes, piloto de caça e instrutor. Antes de sua seleção em 2017, era piloto de pesquisa em Johnson.

Tripulantes se dirigindo a mais uma sessão de ensaio

Watkins é especialista de missão e trabalhará em colaboração com o comandante e o piloto para monitorar a espaçonave durante as fases dinâmicas de lançamento e reentrada . Uma vez a bordo da estação, ela se tornará engenheira de voo da Expedição 67. Watkins cresceu em Lafayette, Colorado, e estudou geologia na Universidade de Stanford, Palo Alto, Califórnia, e na Universidade da Califórnia, em Los Angeles. Como geóloga, estudou a superfície de Marte e foi colaboradora da equipe científica do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA, em Pasadena, Califórnia, trabalhando no rover do Mars Science Laboratory, Curiosity. Ela também foi selecionada como astronauta da NASA em 2017, e esta será sua primeira viagem ao espaço.

Cristoforetti também servirá como especialista de missão, trabalhando para monitorar a espaçonave durante as fases dinâmicas do voo. Ela será engenheira de voo da Expedição 67. Esta será sua segunda viagem espacial após cinco meses em 2015 como engenheira de voo da Expedição 42/43. Nascida em Milão, Itália, foi piloto de caça da Força Aérea Italiana antes de ser selecionada como astronauta da ESA em 2009. Em 2019, serviu como comandante da 23ª missão de Operações de Missão Ambiental Extrema da NASA em uma estadia de 10 dias na Aquarius , a única estação de pesquisa submarina do mundo.

Experimentos

Retinas

Retinas artificiais podem restaurar a visão para milhões de pessoas que sofrem de doenças degenerativas da retina, incluindo retinite pigmentosa e degeneração macular relacionada à idade. O estudo patrocinado pelo ISS National Lab, Protein-Based Artificial Retina Manufacturing , avalia um processo de fabricação para desenvolver retinas humanas artificiais usando uma proteína ativada por luz chamada bacteriorrodopsina, que poderia substituir a função de células sensíveis à luz danificadas no olho. O processo cria implantes aplicando camadas de um filme fino. A microgravidade pode melhorar a qualidade e estabilidade dos filmes, limitando a agregação e sedimentação de partículas que ocorrem na Terra. Os investigadores da empresa norte-americana LambdaVision conduziram experimentos anteriores na estação espacial para determinar se o processo de camadas funcionava melhor em microgravidade . Esto experimento baseia-se nesse trabalho.

Wireless Compose

Wireless Compose-2 , um experimento da ESA, demonstra as capacidades de redes sem fio para apoiar experimentos científicos e dar controle e navegação precisos de objetos que voam livremente. Um desses “free-fliers” é Cimon , um assistente de inteligência artificial que a ESA atualmente está testando na estação espacial. O Wireless Compose-2 inclui a operação de um experimento da Agência Espacial Alemã (DLR), Balistocardiografia para Aplicações Extraterrestres e missões de longo prazo ( BEAT), que usa sensores embutidos em uma vestimenta para monitorar e medir parâmetros cardíacos, como pressão arterial. Normalmente, os cientistas só podem acessar esses dados usando ultrassonografias e tomografia computadorizada ou imagens de raios-X computadorizadas. Essa tecnologia pode fornecer uma maior visão sobre o desempenho do sistema cardiovascular no espaço e como ele muda durante uma missão espacial de longa duração.

A Crew-4 também continuará experimentos já em andamento na estação espacial, incluindo:

Software de alunos no espaço

O Kibo-RPC permite que os alunos criem programas para controlar um Astrobee , um dos robôs de voo livre da estação espacial. Patrocinado pela Agência de Exploração Aeroespacial do Japão (JAXA), este programa oferece aos participantes experiência prática com ciência, tecnologia, engenharia e matemática no espaço, ajudando a inspirar a próxima geração de exploradores. Durante seu voo anterior, Cristoforetti trabalhou em um programa estudantil semelhante, SPHERES-VERTIGO . Para esse experimento, os alunos escreveram um software para usar vários aparelhos de voo livre para construir modelos 3D de um objeto-alvo. A capacidade de criar tais modelos de objetos desconhecidos no espaço usando um ou dois pequenos satélites tem aplicações potenciais para uma ampla gama de missões espaciais.

Watkins, Lindgren, Cristoforetti e Hines

XROOTS
O XROOTS usa técnicas hidropônicas (à base de líquido) e aeropônicas (à base de ar) para cultivar plantas sem solo ou outros meios de crescimento tradicionais. Os cientistas planejam usar vídeo e imagens estáticas para avaliar o crescimento das plantas ao longo de todo o ciclo de vida. Os atuais sistemas de plantações são pequenos e usam sistemas baseados em meios particulados para fornecer água e nutrientes. Estes não escalam bem no espaço devido a problemas de massa, contenção, manutenção e saneamento. Técnicas hidropônicas e aeropônicas podem permitir a produção de culturas em maior escala para futuras explorações espaciais. Os componentes do sistema desenvolvidos para este experimento também podem melhorar o cultivo de plantas em ambientes terrestres, como estufas, contribuindo para uma melhor segurança alimentar populações. Em sua missão anterior, Lindgren trabalhou na Veg-01 , um sistema que cultivava plantas usando almofadas, pequenas unidades expansíveis contendo meios de crescimento e sementes. Esse experimento produziu alface romana vermelha, e Lindgren se tornou uma das primeiras pessoas a provar uma planta cultivada no espaço. Não se espera que os membros do Crew-4 comam as plantas do XROOTS, que serão enviadas de volta à Terra para análise.

Monitoramento médico

“O monitoramento da saúde da tripulação em missões de espaço profundo apresenta desafios únicos, incluindo espaço limitado para dispositivos médicos e a incapacidade de devolver amostras à Terra para análise.” Estes testes de demonstração usará um dispositivo comercial modificado para diagnosticar certas condições médicas. O dispositivo usa citometria de fluxo, um método que usa lasers para classificar e identificar células, e pode analisar a contagem e as características das células; detectar microorganismos, biomarcadores e proteínas; e diagnosticar distúrbios de saúde, como câncer de sangue. A demonstração verificará se o equipamento pode funcionar no ambiente espacial e avaliará sua precisão. Essa tecnologia também pode fornecer testes de diagnóstico oportunos, econômicos, confiáveis ​​e convenientes para pacientes que não têm acesso a uma infraestrutura de saúde robusta.

Tripulação em treinamento de cabine

A bordo da ISS, o comandante da atual Expedição 67 , Tom Marshburn , da NASA, fez pesquisas sobre o envelhecimento celular e as células cardíacas . Ele tambem trabalhou com os quatro astronautas da Axiom Mission 1 (que voltaram do espaço esta semana) com sua agenda de pesquisas de microgravidade. Os engenheiros de vôo Kayla Barron da NASA e Matthias Maurer da Agência Espacial Européia coletaram e armazenaram suas amostras de sangue para um estudo de propriedades bioquímicas musculares . Em seguida, a Barron operou equipamentos de pesquisa incluindo o Life Science Glovebox , um ‘headset’ de realidade mista e, finalmente, um freezer científico . Maurer configurou o equipamento de monitoramento acústico antes de ligar o companheiro de inteligência artificial móvel CIMON para uma demonstração de tecnologia. O engenheiro de voo americano Raja Chari configurou um microscópio comercial que pode ser operado na estação e remotamente a partir do solo para otimizar imagens e análises para uma variedade de pesquisas espaciais. Chari tambem auxilia nos preparativos de partida para ele e seus companheiros de tripulação da Crew-3 no final do mês.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Missão comercial da Axiom Ax-1 pousa no oceano

Espaçonave C206 Endeavour trouxe quatro astronautas depois de 17 dias em órbita

Os quatro astronautas particulares da missão Axiom Space Ax-1 fizeram amerrissagem no Oceano Atlântico
Barcos-piloto chegam à nave

A espaçonave Crew Dragon C206 Endeavour dos quatro turistas espaciais da Axiom, pousou no Atlântico, próximo a Jacksonville. A tripulação incluiu o ex-astronauta da NASA e vice-presidente da Axiom, Michael Lopez-Alegria, o empresário americano Larry Connor, o investidor canadense Mark Pathy e o empresário israelense Eythan Stibbe. A missão que durou 17 dias e denominada Ax-1, foi o primeiro voo puramente comercial para a estação espacial internacional ISS, sem representantes de entidades governamentais.

Cápsula descendo suspensa nos paraquedas principais
Transmissão da amerrissagem pelo Homem do Espaço

A amerrissagem foi feita hoje, segunda-feira, 25 de abril aproximadamente às 13h09, horário da Costa Leste dos EUA (14h09, horário de Brasília) na costa da Flórida. O navio de apoio da SpaceX, Megan, fez o resgate dos astronautas. O webcast da Axiom/SpaceX mostrou a equipe de resgate içando a nave para o deck do navio e a extração do primeiro tripulante, o comandante. Apesar de que é conhecido que um voo espacial de duas semanas pode influenciar o equilibrio do astronauta, não estavam disponiveis cadeiras reclinaveis, como as usadas em voos anteriores da própria Crew Dragon e de naves como a russa Soyuz e a chinesa Shenzhou. É de se supor que os outros tripulantes não estivessem em condições melhores. A Crew Dragon, construída pela empresa privada SpaceX, foi lançada em 8 de abril, numa missão financiada pela Axiom Space. Para a empresa, este foi o primeiro de dois voos turísticos para a ISS, garantidos por um contrato com a NASA.

Equipes de resgate chegam à cápsula, no oceano

O custo da missão Ax-1 não foi divulgado, embora em declarações separadas, a Axiom e a NASA tenham dito que os dias adicionais gastos esperando por condições climáticas aceitáveis ​​não adicionaram um custo adicional para a Axiom ou seus clientes. Durante os 15 dias da tripulação do Ax-1 na estação espacial, os quatro astronautas privados compartilharam o complexo orbital com a tripulação de sete pessoas da Expedição 67 para completar 25 experimentos científicos e demonstrações de tecnologia. A pesquisa do Ax-1 foi realizada em parceria com o Laboratório Nacional da ISS dos EUA e organizações escolhidas pela tripulação, incluindo o Hospital Infantil de Montreal e a Clínica Cleveland.

Disposição dos tripulantes na cabine

Lopez-Alegria, que se tornou o primeiro ex-astronauta da NASA a retornar à estação espacial, testou hardware e software para computação que poderia simplificar as operações de futuras naves espaciais, incluindo a habilitação de estações espaciais “inteligentes”. Ele também testou as telhas TESSERAE, que foram lançadas planas, mas quando ativadas em órbita formaram um “enxame” robótico de unidades autônomas e automontáveis.

Connor, um empresário e investidor ativista sem fins lucrativos de Ohio, trabalhou com a Clínica Mayo para examinar os efeitos da microgravidade nas células do coração humano em um esforço para entender melhor o envelhecimento.

Lopez-Alegria é retirado na cápsula e amparado enquanto caminha para os aposentos do navio de resgate

Pathy, um investidor, filantropo e agora o 12º canadense no espaço, trabalhou com os astronautas da Agência Espacial Canadense David Williams e Joshua Kutryk para conduzir a primeira sessão de holotransporte bidirecional da estação. A tecnologia de realidade aumentada (AR) pode permitir que futuras tripulações tragam virtualmente amigos, familiares e médicos com eles em missões no espaço profundo.

Stibbe, um investidor, filantropo e o segundo cidadão israelense a voar no espaço, fez parceria com a Fundação Ramon para continuar algumas das pesquisas iniciadas pelo falecido Ilan Ramon, o primeiro astronauta de Israel que morreu a bordo do ônibus espacial Columbia em 2003. Stibbe completou um experimento de observação (ILAN-ES), que como o experimento MEIDEX que estava a bordo do shuttle Columbia, estudou os fenômenos elétricos acima das tempestades.

Stibbe, Lopez-Alegria e Connor também participaram da pesquisa de “neurobem-estar” usando um capacete desenvolvido pela empresa israelense Brain.Space. Os tripulantes se revezaram usando o capacete para testar seu desempenho cognitivo e atividade cerebral.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Crew Dragon da Axiom Ax-1 volta hoje à Terra

Espaçonave trará quatro astronautas privados para pouso no oceano

Os quatro astronautas particulares da missão Axiom Space Ax-1 para a Estação Espacial Internacional acenam para estudantes em Houston durante uma videochamada em 13 de abril. O piloto Larry Connor; comandante Michael López-Alegría; o empresário canadense Mark Pathy; e o empresário israelense Eytan Stibbe. Foto Axiom Space

A espaçonave Crew Dragon C206 Endeavour dos quatro turistas espaciais da Axiom, após um longo atraso, se desengatou da Estação Espacial Internacional (ISS) e retorna hoje à Terra.
A escotilha da espaçonave foi fechada em 24 de abril de 2022, às 23:26 UTC (20:26 Brasilia). A separação foi física confirmada em 25 de abril, às 00:55 UTC (24 de abril, às 21:55 Brasilia). A Crew Dragon está completando seu primeiro voo totalmente comercial cinco dias depois do planejado devido a condições climáticas adversas na área de pouso programada.

Transmissão da amerrissagem pelo Homem do Espaço
Fase de desacoplagem e regresso à Terra
Disposição dos tripulantes na cabine

O pouso está programado para hoje, segunda-feira, aproximadamente às 13h06, horário da Costa Leste dos EUA (14h06, horário de Brasília) na costa da Flórida. O navio de resgate da SpaceX, Megan, deixou Porto Canaveral ontem em preparação para o retorno da Axiom-1. A Crew Dragon, construída pela empresa privada SpaceX, está em voo desde 8 de abril. O operador da missão é a Axiom Space. Para a empresa, este é o primeiro de dois voos turísticos para a ISS, garantidos por um contrato com a NASA.

Espaçonave Crew Dragon tem 12.500 kg de massa nominal em voo

A tripulação inclui o ex-astronauta da NASA e vice-presidente da Axiom, Michael Lopez-Alegria, o empresário americano Larry Connor, o investidor canadense Mark Pathy e o empresário israelense Eythan Stibbe. A missão Ax-1 é anunciada como o primeiro voo puramente comercial para a ISS – sem representantes de entidades governamentais.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

SpaceX lançou hoje mais um lote de 53 Starlinks

Mais satélites de internet para a frota da empresa

Decolagem de Cabo Canaveral

A SpaceX lançou hoje, quinta-feira, 21 de abril, o foguete Falcon 9 B1058.12 com 53 satélites Starlink (v1.5 L14) em órbita baixa terrestre a partir do Space Launch Complex 40 (SLC-40) na Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral (CCLFC), na Flórida. O lançamento foi às 17:51 UTC (13:51 EDT ou 14:51 hora de Brasilia).

A janela de lançamento instantânea original era às 11h14 ET, ou 15:14 UTC (12:14 Brasilia) mas foi adiada devido à meteorologia. O foguete de 69,97 metros de comprimento pesou cerca de 568.012 kg de massa no lançamento. O primeiro estágio ‘core’ B1058 do Falcon 9 desta missão lançou anteriormente os satélites GPS III-3, Turksat 5A, Transporter-2, e oito outras missões Starlink.

Após a separação dos estágios, o ‘core’ do Falcon 9 retornou à Terra e pousou na balsa-drone Marmac 303  Just Read the Instructions, estacionada no Oceano Atlântico com o navio de apoio Finn Falgout rebocando a plataforma de pouso flutuante. O navio Bob recuperou as conchas da carenagem de cabeça do foguete.

Transmissão ao vivo do lançamento

Trajetória do primeiro estágio
Reentrada prevista do segundo estágio

Eventos do lançamento

hh: Evento

  • 00:38:00 Diretor de lançamento da SpaceX verifica o inicio do abastecimento de propelente
  • 00:35:00 Abastecimento de RP-1 (querosene de foguete) em andamento
  • 00:35:00 Abastecimento do 1º estágio com LOX (oxigênio líquido) em andamento
  • 00:16:00 Carregamento de LOX do 2º estágio em andamento
  • 00:07:00 Falcon 9 inicia o resfriamento dos motores (chilldown) antes do lançamento
  • 00:01:00 Computador de voo habilita o comando para decolagem com as verificações finais de pré-lançamento
  • 00:01:00 A pressurização dos tanques de propelentes para a pressão de voo é regulada e conferida
  • 00:00:45 Diretor de lançamento da SpaceX verifica o lançamento
  • 00:00:03 O controlador comanda a sequência de ignição dos motores para decolagem
  • 00:00:00 Decolagem do Falcon 9
  • 00:01:12         Max Q (momento de máximo de estresse mecânico no foguete)
  • 00:02:30       Corte dos motores principais do 1º estágio (MECO)
  • 00:02:35       primeiro e segundo estágios separados (estagiamento)
  • 00:02:42       Ignição do motore do 2º estágio (SES-1)
  • 00:02:51        Liberação de carenagem
  • 00:06:12        Início da queima de reentrada do 1º estágio
  • 00:06:32       Queima de reentrada do 1º estágio concluída
  • 00:08:01       Início da queima de pouso do 1º estágio
  • 00:08:23       Pouso do primeiro estágio
  • 00:08:48       1º Corte do motor do 2º estágio (SECO-1)
  • 00:45:25        2ª ignição do motor do 2º estágio (SES-2)
  • 00:45:26        2º Corte do motor do 2º estágio (SECO-2)
  • 00:59:49        Satélites Starlink são liberados
Foguete separado nos primero e segundo estágios, a seção de cabeça e a pilha de satélites

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Missão de seis meses coloca a China em quase paridade com o Ocidente

Retorno da Shenzhou-13 marca nova rotina chinesa no espaço

Por Igor Lissov, com adaptação do Homem do Espaço

O TianHe deverá receber mais dois módulos científicos, WenTian e MengTian, a serem acoplados no “hub” frontal nas portas radias à bombordo e estibordo.

Os chineses acabam de concluir sua primeira missão espacial de seis meses em órbita. Os taikonautas da missão Shenzhou-13 voltaram à Terra completando 182 dias de ciclo na estação espacial TianHe, realizando um programa semelhante ao dos astronautas americanos e russos a bordo da estação espacial internacional. O voo desta tripulação demonstrou que a espaçonave chinesa funciona de modo satisfatório e confiável, e que os planos elaborados para suas equipes espaciais são cumpridos de acordo.

Em 16 de abril de 2021, às 09:56:40, horário de Pequim (01:56:40 UTC), o veículo de descida da espaçonave chinesa Shenzhou-13 voltou à Terra. O comandante da segunda expedição à estação espacial, Zhai Zhigang e seus tripulantes Wang Yaping e Ye Guangfu retornaram após seis meses no espaço. A primeira expedição à estação espacial chinesa, a ser chamada Tiangong, a bordo da espaçonave Shenzhou-12 ocorreu de 17 de junho a 17 de setembro de 2021 e durou três meses.

A tripulação vai para o início
Taikonautas da SZ-13

Chegada na estação

A segunda expedição foi lançada do Espaçoporto de Jiuquan em 16 de outubro de 2021 às 00:23:56, horário de Pequim. A Shenzhou-13 foi lançada com sucesso em órbita baixa com os seguintes parâmetros: inclinação 41.34 °; perigeu 200,0 km; apogeu 355,8 km; período de 89,926 min.

Iniciar "Shenzhou-13"
Lançamento de Jiuquan

Feitas as manobras necessárias, às 06:49 a nave acoplou em modo automático na porta nadir do Bloco de Base Tianhe. Os outros dois colares de encaixe da estação foram ocupados por naves de carga: o Tianzhou-2 estava na proa após um reencaixe e o Tianzhou-3, lançado em 20 de setembro de 2021, estava na popa. A massa total do complexo orbital, dois cargueiros e o Shenzhou-13 tripulado excedeu 50 toneladas. Sua órbita no dia da acoplagem tinha uma inclinação de 41,47°, uma altitude de 382,3 x 384,9 km e um período de 92,22 min.

A configuração do complexo após a chegada de "Shenzhou-13" (modelo)
Tianzhou 2, TianHe, Shenzhou 13 e Tianzhou 3

Às 09h58, duas órbitas após a acoplagem, a tripulação de Zhigang entrou na estação e informou que estava pronta para realizar o programa de voo de seis meses, comum para astronautas russos e americanos, mas o primeiro na prática chinesa. O Shenzhou também não fez testes em um longo voo não tripulado – nem em um período de três dias, nem em um período de seis meses.

O primeiro dia foi gasto ligando os sistemas e testando a conexão sem fio. Em 17 de outubro, às 09h50, os taikonautas abriram a escotilha traseira da Unidade Base que levava à Tianzhou-3 e começaram a descarregar o novo cargueiro. Foi relatado que mais tarde a escotilha da proa também seria aberta para acesso ao antigo veiculo de carga Tianzhou-2, qur foi preenchida com itens descartados que tiveram que ser removidos da estação.

Wang Yaping terá que voar assim por seis meses

Nas duas semanas seguintes, quase nada foi relatado sobre a vida e o trabalho a bordo. Somente no dia 2 de novembro foi veiculada uma reportagem na televisão com o tema “Manhã na Estação Espacial” – os astronautas mostraram como saem das cabines, fazem a barba, lavam o cabelo e escovam os dentes. Enquanto isso, em 21 de outubro, foi realizada uma correção não anunciada da órbita da estação – do nível de 381,8 x 384,6 km para 381,5 x 390,3 km. A próxima aconteceu no dia 6 de novembro com uma subida de 380,2 x 388,9 km para 381,3 x 389,4 km.

Primeira EVA

Em 5 de novembro, o Escritório do Programa de Voo Tripulado da China anunciou que a tripulação em breve realizaria sua primeira caminhada espacial (EVA). Seus participantes foram Zhai Zhigang, que foi o primeiro cosmonauta chinês a sair ao espaço em setembro de 2008 na Shenzhou-7, e Wang Yaping, que não tinha experiência em atividades extraveiculares. O comandante usava um traje Feitian com listras vermelhas de identificação (traje A), enquanto a engenheira de vôo usava listras amarelo-douradas (traje C). Este escafandro, além dos dois já a bordo, foi entregue pelo Tianzhou-3.

Zhai Zhigang novamente no espaço sideral

A saída aconteceu no dia 7 de novembro. A escotilha do compartimento de transferência foi aberta às 18h51, a Zhai Zhigang ‘nadou’ primeiro e repetiu o que disse há 13 anos: “Saí da nave, me sinto bem”. Wang Yaping respondeu imediatamente: “Vou sair em breve, me sentindo bem”. Ye Guangfu, que estava seguindo os camaradas de dentro do Bloco Base, não pôde deixar de acrescentar: “Vou sair da próxima vez, me sinto bem”.

Cosmonautas estão se preparando para tirar um adaptador para dois manipuladores

O comandante montou um dispositivo de fixação tipo âncora no manipulador remoto da estação e ficou em cima dele. Depois disso, Wang Yaping ‘nadou’ – ela precisava antes de tudo conferir como o novo traje espacial funcionava e como o manejaria. A principal tarefa de Zhai e Wang foi instalar um grampo para o adaptador entre os dois manipuladores de estação na Unidade Base e acoplar o próprio adaptador a este dispositivo.

Unidade Base do Manipulador Grande
Braço robótico de grande porte

De acordo com o projeto, a estação espacial chinesa estará equipada com dois manipuladores – um grande na Unidade Base e um pequeno no módulo Wentian. O manipulador principal com sete graus de liberdade tem comprimento de 10,2 m e é capaz de transportar cargas de até 25 toneladas. Um preço pela capacidade da “grande mão” é a baixa precisão de posicionamento. Portanto, os dois braços são feitos de acordo com o padrão do manipulador canadense Canadarm, o que lhes permite capturar a unidade de aparelhamento do objeto atendido com grande tolerância, depois centralizá-lo tensionando os cabos do atuador e fazer uma conexão rígida . O “braço pequeno” também tem sete graus de liberdade, mas é projetado para mover principalmente equipamentos científicos. Seu comprimento é de apenas 5 m, e sua precisão de posicionamento é muito maior, e possui um tipo diferente de garras, com três “dedos”. 

Pequeno módulo manipulador "Wentian"
Braço robótico de pequeno porte

Os dois manipuladores podem ser usados ​​separadamente ou juntos, formando uma única estrutura com alcance de 14,5 m. Para conectá-los, é usado um adaptador especial ou “adaptador ZJJ” (chinês 连接件, zhuangjiejian ) com duas unidades de cordame de diferentes tipos em lados opostos. Quando não estiver em uso, o adaptador será armazenado no suporte XGZZ (chinês: 悬挂装置, xuangua zhuangzhi ).

Assento para trava
Soquetes de fixação dos braços

De volta à Terra, um dos pontos para instalação do pequeno manipulador foi montado na parte nadir da Unidade Base, à direita do plano vertical, ou, em termos estritos, do plano I para o IV. Atrás dele, um ‘assento’ foi deixado para o dispositivo oposto – o retentor XGZZ, semelhante em design ao atuador final de um pequeno manipulador.

Então, Zhai Zhigang puxou o adaptador do compartimento de transferência e “moveu” o manipulador para o local de trabalho; Wang Yaping chegou lá por conta própria, assegurando-se pelos corrimãos com dois mosquetões. Às 20:28 ambos os participantes instalaram o retentor XGZZ no lugar, prenderam-no com seis parafusos usando uma chave de fenda elétrica e conectaram os três conectores do cabo para eletricidade e controle.

O adaptador está instalado na trava
Mão do atuador do braço

A Terra (indicativo de chamada “Shuguang”, ou seja, “Aurora”) verificou o status do XGZZ e emitiu um comando para abrir seus três “dedos”. Sob o controle de seu parceiro, Zhai Zhigang instalou o adaptador ZJJ e, novamente, sob comando da Terra, os “dedos” da trava do XGZZ fecharam e retraíram. O segundo lado do adaptador com um grande conjunto de captura do manipulador permaneceu disponível.

O segundo trabalho acabou por ser não programado. Na primeira parte da saída, Zhigang pisou acidentalmente no conector do cabo da unidade de tensionamento do grande manipulador, também localizado na parte nadir da Unidade Base, mas em direção ao 2º plano, ou seja, à esquerda na direção do voo. O centro de controle ‘MCC’ não conseguiu determinar de forma independente se a conexão estava quebrada ou não, e era pouco visível pela câmera panorâmica “D”. Portanto, pediram a Wang Yaping para ir até o local e filmar a montagem com a câmera do capacete ‘B’ de seu traje.

Wang Yaping testando a "âncora"
Taikonautas em EVA

A segunda metade da saída foi dedicada à verificação dos trajes espaciais ao realizar operações típicas fora da estação. Os astronautas mudaram de lugar. Primeiro, Wang Yaping, de pé na “âncora” do manipulador, inclinou-se totalmente para a esquerda, para a frente, para a direita e em direções intermediárias, e Zhigang filmou o que estava acontecendo. Então o comandante testou a mobilidade da mão, tentando girá-la para a esquerda e para a direita e para cima e para baixo, e Yaping estava filmando. Esses dados eram necessários para os desenvolvedores do dispositivo de auto-resgate de astronauta, semelhante ao dispositivo americano SAFER, permitindo retornar à estação após a separação devido ao empuxo dos propulsores. Um detalhe interessante: os chineses chamaram seu dispositivo de SAFEST, parodiando o nome americano: SAFER significa literalmente “mais seguro”, e SAFEST, “o mais seguro de todos”.

A EVA durou 6 horas e 25 minutos e terminou no dia 8 de novembro às 01:16. Zhai e Wang fecharam a escotilha do compartimento de transferência, pressurizaram-no, tiraram seus escafandros e voltaram para os alojamentos da Unidade Base.

Cargueiro espacial TianZhou

Primeira aula espacial

Após isso, o silêncio voltou a reinar na mídia chinesa. É verdade que a cada poucos dias havia outra história sobre a tripulação na estação – como os astronautas realizam pesquisas médicas (ultrassom do coração, teste funcional da função cardíaca e pulmonar), educação física, cozinhavam o jantar e comiam, cortavam seus cabelos. Notava-se que não havia mais aquela limpeza perfeita no Tianhe vista na missão anterior – um ambiente normal de trabalho. Em geral, porém, informar o público se reduzia à fórmula “tudo sobre a vida cotidiana e nada sobre o trabalho”.

Em 17 de novembro, outra correção foi acompanhada pela diminuição da altitude de voo da estação de 381,9 x 388,2 km para 381,1 x 385,7 km. Não havia razões aparentes para isso – talvez a estação tenha realizado uma manobra para evitar detritos espaciais.

Em 2 de dezembro, o China Office of Manned Flight anunciou a próxima aula em órbita – um evento interativo para alunos. Foi liderada por Wang Yaping, que já havia feito isso uma vez em seu primeiro voo na Tiangong-1 em junho de 2013; Zhai Zhigang e Ye Guangfu ajudaram.

Primeira lição da segunda expedição
Alunos em aula

O evento começou em 9 de dezembro às 15h40, horário de Pequim, e durou quase uma hora. Alunos na sala do Museu Chinês de Ciência e Tecnologia, na cidade de Nanning e no Condado de Wenchuan, bem como alunos de Hong Kong e Macau – um total de 1.420 pessoas estiveram na aula; dezenas de milhões puderam assistir e ouvir a transmissão.

Wang Yaping fez um tour pela estação e mostrou um forno de microondas, um dispensador de água e uma geladeira da qual ela tirou uma maçã fresca. Ela confirmou que a tripulação usa regularmente água recuperada e não vê nenhuma diferença entre esta e o suprimento recém-entregue. A chinesa mostrou os simuladores e demonstrou treinamento manual em uma bicicleta ergométrica. Zhigang presenteou o público com uma roupa tensionada do tipo Pingvin (Pinguim) russa, para manter o tônus ​​​​muscular.

Guangfu fez um pequeno relatório científico demonstrando um experimento sobre o crescimento celular na ausência de peso e sob condições de gravidade artificial e a diferença em sua taxa de crescimento e forma, e também mostrou células miocárdicas e sua resposta bioelétrica na tela de um microscópio fluorescente.

Então foi instruído por Yaping a se virar no ar sem tocar em nada, e previsivelmente não poderia fazer isso com o movimento usual na Terra. Somente aplicando o princípio do volante, isto é, girando vigorosamente com uma mão, ele conseguiu adquirir alguma velocidade angular.

A primeira lição da segunda expedição.  Solte com uma bolha dentro
Alunos assistem à aula espacial

Não excluindo o habitual para tais demonstrações, como demonstrações de gotas gigantes de água, formadas pela força da tensão superficial, e usando-as como lentes. Mas o mais bonito foi o experimento com um botão de flor, que foi preparado antes do voo por Wang Yaping e sua filha de cinco anos. O botão seco, colocado sobre um filme de água, desabrochou e adquiriu uma cor brilhante. “Vocês são todos como brotos de nosso país”, disse a chinesa. “Espero que seus sonhos floresçam no universo.”

Em conclusão, os astronautas responderam a perguntas da platéia, e Zhigang resumiu: “Os segredos do espaço e os segredos da ciência são ilimitados, mas o futuro é seu”.

Segunda saída

Três manobras sucessivas de 13 a 18 de dezembro elevaram a órbita da estação de 378,6 x 384,9 km para 383,7 x 391,0 km.

Em 17 de dezembro, os líderes do programa deram uma entrevista coletiva na qual não disseram nada de fundamentalmente novo. Bai Linhou (白林厚), vice-designer chefe da estação, disse que os astronautas estavam trabalhando de acordo com seu horário habitual sem turnos noturnos, pois um sistema acústico-óptico especial monitora a situação a bordo. Eles têm acesso à Internet e podem se comunicar por videochamadas com familiares e amigos, além de controlar iluminação e utensílios de cozinha por meio de aplicativos móveis. Tang Hongbo, membro da primeira expedição principal, confirmou que a tripulação dormia pacificamente – se houver problemas, eles são acordados pelo viva-voz e não gastam mais de meia hora preparando um jantar quente. Em geral, o Tianhe é uma casa “inteligente” e confortável. 

Em 25 de dezembro, o Escritório do Programa de Voo Tripulado anunciou a segunda caminhada espacial e informou que no período desde a primeira caminhada, a tripulação completou com sucesso várias tarefas, como pesquisas médicas, experimentos e testes espaciais, monitoramento de sistemas de estações e seus manutenção diária e exercícios de evacuação e assistência de emergência.

E Guangfu sobre a borda da escotilha
EVA

A EVA ocorreu no dia 26 de dezembro e durou 6 horas e 11 minutos, das 18h44 às 00h55. Desta vez, Ye Guangfu foi o primeiro a sair para o espaço (às 18h50 no traje espacial C), e o segundo foi Zhigang (às 19h37 no traje espacial A); Wang Yaping os ajudou em seu posto no Bloco Base.

Guangfu puxou uma “âncora” portátil, levou ao manipulador e fixou-o nele. Zhai Zhigang moveu-se sozinho na superfície da estação. Os astronautas ergueram a câmera de vídeo panorâmica externa C no lado esquerdo (ao longo do plano II) do grande diâmetro da unidade base, ou seja, instalaram-na em um espaçador para afasta-la do corpo e aumentar o campo de visão da câmera.

Bloco de câmeras de vídeo
Arranjo de câmeras externas

No total, existem quatro desses dispositivos na Unidade Base, e cada um deles não é apenas uma câmera, mas uma unidade com quatro lentes que permite monitorar em quatro direções simultaneamente com um campo de visão de 360 ​​° em azimute e 100° em elevação e transmitir imagens usando o protocolo H.264. Na primeira expedição, na saída em 4 de julho, operação semelhante foi realizada com a câmara lateral A no compartimento de grande diâmetro à direita (ao longo do plano IV), e em 20 de agosto, com a câmara D na parte superior (plano III) perto da escotilha de saída. Apenas o bloco nadir “B” permaneceu em seu estado original.

Ye Guangfu inspecionando o bloco de câmeras C (canto superior esquerdo)
Zhai Zhigang na "âncora" recém-instalada, Ye Guangfu garante a ele
Visão normal da câmera C traseira
Cenas de atividade fora da nave

A segunda tarefa da saída foi instalar uma “âncora” estacionária no compartimento de grande diâmetro do lado direito do Bloco Base . Ye Guangfu, junto com a carga, mudou-se para um novo local no manipulador, e descreveu um semicírculo ao redor da estação, e Zhigang veio pelos corrimãos. Guangfu instalou o dispositivo no campo de visão da câmera A, e o comandante imediatamente o testou – e do lado de fora pareciam ensaiar uma “dança” intrincada. (O autor se pergunta: que tipo de trabalho no espaço exigiria um ponto de fixação estacionário para um astronauta neste lugar?)

Em seguida os astronautas voltaram para o interior.

Testes de manipulador e [equivalente ao] TORU

Em 31 de dezembro, em seu discurso de Ano Novo, o presidente chinês Xi Jinping mencionou as conquistas da China no espaço: o rover Zhurong em Marte, o observatório solar Xihe e a estação tripulada Tianhe.

Conversa com os alunos

No dia 1 de janeiro de 2022, às 15h15, hora de Pequim, a tripulação realizou uma sessão de videochamada com aproximadamente 500 alunos de Pequim (Universidade de Tsinghua), Hong Kong e Macau e desejou-lhes um feliz ano novo europeu. O evento foi organizado pelo grupo de mídia chinês. Durante ele, descobriu-se que o Tiangong tem sua própria galeria de arte – com desenhos feitos por adolescentes das províncias centrais e ocidentais da China e entregues no Tienzhou-3 como um presente especial para a tripulação.

Galeria de arte a bordo

Em 6 de janeiro, realizou-se um teste do manipulador da estação com carga máxima, usando a nave de carga Tianzhou-2. Às 06:12, ele foi desacoplado do conjunto do nariz, mas não foi a lugar nenhum, pois foi segurado pelo manipulador na superfície cônica frontal. Usando o suporte do lado zenite do compartimento de pequeno diâmetro como base, o manipulador carregou a nave ao longo de um arco de aproximadamente 20° para a direita, simulando um rearranjo para a porta de encaixe lateral e depois na direção oposta. Após isso, o manipulador foi desacoplado, e às 06:59 o experimento terminou com a segunda acoplagem automática do cargueiro.

Esquema do experimento com transferência de módulo
Exercício de re-locação de espaçonave

O TianHe tem suportes para pequenos braços roboticos instalados nas naves e módulos, como o ASPr soviético na estação Mir, que era usado para reorganizar um módulo que chegava a porta de proa para uma das portas radiais. Caso esse manipulador pequeno não funcione, o manipulador principal da estação pode realizar a mesma operação. Este procedimento foi feito em 6 de janeiro.

A estação no quadro da câmera "Tianzhou-2"

Em 8 de janeiro, o Tianzhou-2 foi usado para outro experimento de controle no modo teleoperador, novamente usado pela primeira vez na Mir. Às 05:56 o cargueiro foi desacoplado e começou a se afastar lentamente da estação. Às 06:12, a tripulação ligou o controle remoto e conduziu manualmente o cargueiro até a marca dos 200 metros, onde pairou por pouco tempo. Então Zhai Zhigang trouxe novamente o Tianzhou-2 para a estação até o engate, que ocorreu às 07:35. O experimento foi concluído com sucesso às 07:55; além de verificar o próprio equipamento de controle remoto, foram verificados os procedimentos de coordenação entre a estação e a Terra.

Teste do modo teleoperador

Dias de semana e feriados

Depois, de acordo com a mídia chinesa, qualquer trabalho significativo na estação terminou. É claro que, na realidade, esse não era o caso, mas depois de 8 de janeiro, leitores e espectadores receberam apenas informes cotidianos.

Em 20 de janeiro, Wang Yaping quebrou o recorde de duração total de voo entre os astronautas chineses – cerca de 112 dias – anteriormente detido por Nie Haisheng. Em 24 de janeiro, toda a tripulação já comemorava o 100º dia desde o início da segunda expedição.

Feliz Ano do Tigre!

Em 31 de janeiro, comemoraram a chegada do Ano do Tigre de acordo com o calendário tradicional chinês. Como esperado, montaram guirlandas, enfeitaram o Tianhe com balões vermelhos e realizaram concursos de caligrafia.

Wang Yaping interpreta o guzheng

Em 15 de fevereiro, por ocasião do festival das lanternas da primavera, foi ao ar um ‘show’ em que Wang Yaping tocava o guzheng – cítara chinesa – e cantava a canção folclórica “Flor de Jasmim”. (Ela recebeu uma “resposta” do rover Zhurong: “É tão bonito que estou com saudades de casa agora.” No dia seguinte, Ye Guangfu tocou a flauta hulusa ; o rover não “respondeu”.)

Zhigang e Guangfu demonstraram letras de tinta preta habilmente executadas em papel vermelho. O comandante transmitiu as suas felicitações aos chineses em geral e aos participantes dos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim em particular. Por ocasião do feriado, o cardápio incluía yuanxiao – bolinhas de farinha de arroz recheadas.

Festival das Lanternas.  O aniversário de Wang Yaping foi em janeiro, mas a data exata é cuidadosamente escondida

Em 7 de março, Wang Yaping enviou felicitações a todas as mulheres do mundo por ocasião do Dia Internacional da Mulher em 8 de março ao Escritório Europeu da ONU em Genebra. A chinesa observou que no espaço não dá nenhuma indulgência às mulheres. Ao mesmo tempo, disse ela, não há diferenças significativas na capacidade os sexos de se adaptar às condições do espaço e trabalhar nele: mulheres desempenham um papel importante no espaço, complementando os astronautas do sexo masculino.

Em 23 de março, a tripulação realizou a segunda aula espacial para crianças em idade escolar. Começou às 15h44 e durou 45 minutos. O auditório selecionado estava localizado no Museu Chinês de Ciência e Tecnologia e nas cidades de Lhasa e Urumqi. Wang Yaping demonstrou a cristalização de uma solução saturada de acetato de sódio, e Ye Guangfu demonstrou a separação de água e óleo na ausência de gravidade com a rotação do recipiente.

Segunda aula de espaço

Os cosmonautas demonstraram ao público duas instalações científicas da estação – um rack de isolamento de vibração e uma câmara para processamento de materiais sem contêineres. Ye Guangfu disse que a tripulação participou de experimentos em medicina, física, ciência dos materiais e biologia espacial, e também fez alguns experimentos aplicados e praticou medicina tradicional chinesa. “Conseguimos trabalhar em estreita colaboração com cientistas na Terra”, enfatizou, “com dados experimentais sendo transmitidos a eles em tempo real”.

Em resposta a perguntas, Yaping disse que as moscas da fruta, objeto padrão para pesquisas biológicas, estão planejadas para serem enviadas para a estação. O módulo Wentian terá instalações para pesquisas sobre animais, plantas e microorganismos, e seus autores podem ser não apenas cientistas, mas também escolares, se oferecerem ideias interessantes.

De volta para Casa

Em 4 de março, o designer-chefe do programa tripulado, Zhou Jianping (周建平), anunciou que o voo estava transcorrendo normalmente e terminaria conforme planejado em meados de abril.

Desencaixe "Tianzhou-2"
TianZhou se afasta do complexo orbital

Em 27 de março, às 15h59, horário de Pequim (07h59 UTC), o cargueiro Tianzhou-2 foi desacoplado do nariz do Tianhe. Como havia sobrado combustível em seus tanques, após o desencaixe, foi realizado um experimento de reencontro rápido com a estação, seguindo um padrão de duas horas.

No mesmo dia, a órbita do cargueiro foi elevada para 377,2 x 432,6 km. Em 29 de março, a órbita foi ligeiramente corrigida e, em 31 de março, um impulso de frenagem foi emitido, como resultado do qual o Tianzhou-2 desorbitou, entrou na atmosfera às 18h40 e reentrou sobre o Oceano Pacífico Sul. Seu voo durou 10 meses.

Em 31 de março, foi anunciado oficialmente que o pouso do Shenzhou-13 ocorreria em meados de abril. Para obter uma trajetória de descida e ponto de pouso ótimos, em 9 de abril, foi realizada a primeira correção orbital do Tianhe em quatro meses. A órbita da estação, que havia descido para 370,8 x 381,9 km, foi elevada para 373,0 x 382,0 km.

"Fizemos um ótimo trabalho!"

Antes do retorno, os cosmonautas aumentavam o volume e a intensidade dos exercícios físicos, e suas horas de trabalho eram dedicadas à contabilidade, embalagem e carregamento dos materiais a serem devolvidos, limpeza da estação, manutenção dos sistemas e preparação para transferência para o modo de voo não tripulado, e reativação da nave de transporte. Enquanto isso, em 12 de abril, a equipe de busca e resgate realizou um exercício no local de pouso de Dongfeng.

Em 14 de abril, foi anunciado oficialmente que a tripulação da segunda expedição havia completado totalmente as tarefas atribuídas e retornaria à Terra em um futuro próximo. O aviso de que a área de pouso estava fechada para voos deu um prazo específico: 16 de abril, entre 09:35 e 10:05, horário de Pequim.

Shenzhou 13 separa-se da estação

Uma diferença significativa em relação ao final da primeira expedição foi que o intervalo de tempo entre o desengate da Shenzhou e o pouso foi reduzido de 29 para 9 horas. Portanto, o desencaixe foi realizado na noite de 16 de abril às 00:44, horário de Pequim. Os astronautas em trajes espaciais ocuparam os mesmos lugares que no início: no centro – o cosmonauta 01 (Zhai Zhigang), à direita – a 02 (Wang Yaping), à esquerda – o 03 (Ye Guangfu).

"Shenzhou-13" sai da estação

Durante o voo autônomo, instalações americanas conseguiram determinar a órbita da espaçonave: 369,4 x 377,4 km, 3,5 km abaixo da órbita da estação.

O loop de pouso passou ao longo de uma trajetória padrão através das zonas de visibilidade das estações terrestres Santiago (Chile), Swakopmund (Namíbia), Malindi (Quênia) e Karachi (Paquistão).

Descida sob a cúpula principal, drenando o peróxido
Módulo de retorno da Shenzhou 13 ejeta restos de propelente do sistema de controle

Às 09:06, a espaçonave realizou sua primeira guinada de 90° e separou o compartimento orbital um minuto depois. Seu destino permanece desconhecido: até 20 de abril, os americanos não o adicionaram como um novo objeto espacial ao seu catálogo.

Imediatamente após a separação, foi feita a orientação de desaceleração, sendo emitido o impulso de frenagem das 09:07:58 às 09:10:20. Às 09:30 na trajetória de descida a uma altitude de 145 km, o veículo de descida e o compartimento de instrumentos e motores separaram-se.

A partir das 09:36, a cápsula que entrava na atmosfera foi continuamente rastreado por câmeras do local de teste de Jiuquan e do centro de controle de Xi’an. A etapa de decréscimo da velocidade orbital passou com sucesso e às 09:42 o sistema de pára-quedas foi aberto.

Há um toque!
Nave pousa em Dong Feng

Em 16 de abril, às 09:56:40, horário de Pequim (01:56:40 UTC), o veículo de pouso da Shenzhou-13 aterrissou na área oeste da Zona de Pouso de Dongfeng, em um ponto com coordenadas 41°39’13’ ‘N, 100°09’38”E. Na aterrissagem, os motores de pouso suave dispararam e a cabine permaneceu na posição vertical.

"Bem, como você está aí?!"

A duração do voo da Shenzhou-13 foi de 182 dias 09 horas 32 minutos e 44 segundos; Wang Yaping marcou 197 dias 00 horas 01 minutos e 47 segundos em dois voos, e Zhai Zhigang, 185 dias 06 horas 00 minutos e 19 segundos.

Zhai Zhigang após 182 dias de voo

Helicópteros e veículos de busca e salvamento chegaram ao ponto de pouso quase simultaneamente com a nave. Já às 10h20, uma escada foi instalada sobre a cápsula e, às 10h47, Zhigang foi levantado; da borda da escotilha, ele lentamente deslizou para as mãos dos resgatistas. O comandante foi sentado em uma cadeira na frente da capsula e um correspondente da televisão chinesa foi autorizado a abordá-lo por um minuto. “Como você está se sentindo?” – “Muito bem. Eu me reporto à Pátria e ao povo: nós alcançamos o sucesso… O Presidente Xi está cuidando de nós… Estou orgulhoso de nossa grande Pátria.” Imediatamente , quatro socorristas carregaram Zhai para a ambulância nº 1.

Bem-vindo ao Wang Yaping!

O mesmo procedimento foi repetido mais duas vezes: às 10h58, Wang Yaping foi retirada da nave e às 11h05, Ye Guangfu. Todos os três astronautas pareciam alegres, acenando ativamente com as mãos e compartilhando suas impressões.

e Guangfu após o pouso

Já às 17h05 chegou o voo especial com os astronautas de Jiuquan para Pequim. Embora os tripulantes tenham sido retirados do avião em seus assentos, parentes e amigos, incluindo a filha de seis anos de Yaping, foram autorizados a abraçá-los.

Wang Yaping com a família no corredor

Planos futuros

Em entrevista coletiva em 17 de abril, o projetista-chefe da estação espacial, Yang Hong (杨宏), disse que a verificação das principais soluções técnicas no Bloco Base Tianhe foi concluída. Todos as acoplagens foram concluídas com sucesso, quatro caminhadas espaciais foram feitas, o manipulador da estação, seus motores e painéis solares flexíveis, que geram 10 kW de potência, estão operando normalmente. Os processos físicos e químicos subjacentes ao sistema de suporte de vida parcialmente fechado (95% de recuperação de água) foram testados e validados.

Braço de estação grande

Hao Chun (郝淳), chefe do Escritório de Programa Tripulado da China, delineou brevemente o plano de voo da estação para os meses restantes de 2022, que inclui os lançamentos da espaçonave de carga Tianzhou 4 em maio, a espaçonave tripulada Shenzhou-14 em junho, os módulos Wentian em julho, e Mengtian em outubro, bem como o cargueiro Tianzhou-5 e a nave tripulada Shenzhou-15 no final do ano.

A primeira operação do plano para a terceira expedição principal foi concluída em 20 de abril, às 05:02, horário de Pequim (19 de abril às 23:02 UTC): o cargueiro Tianzhou-3 partiu da porta de acoplagem traseira do Tianhe, circulou a estação e às 09:06 acoplou automaticamente na porta do nariz.

O Tianzhou-4 deve chegar ao ‘hub’ de popa, e, segundo informações não oficiais, será lançado de Wenchang em 10 de maio. Presumivelmente, em 4 de junho, a Shenzhou-14 será lançada e acoplada na porta nadir. Após a partida do Tianzhou-3, a tripulação da terceira expedição receberá sequencialmente os módulos Wentian (segundo informações não oficiais, com lançamento em 23 de julho) e Mengtian. Ambos serão unidos automaticamente compartimento de proa, de onde serão reorganizados: Wentian para a porta direita (ao longo do 4º plano), e o Mengtian à esquerda (ao longo do 2º plano). O primeiro já foi fabricado e totalmente testado, enquanto o segundo está sendo testado na fábrica de Tianjin.

A conclusão da montagem da estação marcará a transição para o estágio de seu uso e desenvolvimento projetado para 10 ou mais anos. Os dois novos módulos se tornarão o principal local de vida e trabalho da tripulação. O Wentian tem mais três cabines, um banheiro e uma cozinha, o que permitirá que seis astronautas estejam na estação ao mesmo tempo. A câmara de ar deste módulo, após ser testada pela tripulação do Shenzhou-14, se tornará o principal meio de caminhada espacial, e o centro de controle de backup do complexo poderá assumir todas as funções se algo acontecer com o Tianhe. Dois módulos terão 12 racks científicos, e no exterior, locais para três instrumentos científicos de grande porte e duas plataformas para equipamentos menores.

O Tianzhou-5 será lançado no início de novembro após a partida do Tianzhou-4, e completará o programa anual da Shenzhou-15, e uma nova tripulação substituirá uma anterior na estação pela primeira vez – na virada de novembro e dezembro, está prevista uma mudança de turno com duração de 5 a 10 dias. Durante o voo de seis meses, os cosmonautas da Shenzhou-15 terão várias caminhadas espaciais, instalarão equipamentos externos usando manipuladores, farão montagem, depuração e testes de racks científicos.

No futuro, está previsto o lançamento de dois veículos tripulados e dois cargueiros por ano.

Em 2023, está previsto o lançamento do telescópio espacial autônomo Xuntian, que periodicamente acoplará na estação para fins de manutenção.

Hao Chun também disse que, para melhorar as capacidades e o nível tecnológico do programa tripulado, a China continua a desenvolver uma nova geração de foguetese espaçonaves. O novo veículo tripulado transportará uma tripulação de até 7 pessoas e uma massa de carga muito maior do que a da Shenzhou. O aparelho de retorno da nave e o foguete da nova geração serão reutilizáveis.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

SpaceX lança hoje mais um lote de Starlinks

Serão mais 53 satélites de internet para a frota da empresa

A SpaceX deve lançar hoje, quinta-feira, 21 de abril, o Falcon 9 B1058.12 com 53 satélites Starlink (v1.5 L14) para a órbita baixa terrestre a partir do Space Launch Complex 40 (SLC-40) na Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral (CCLFC), na Flórida. O lançamento foi remarcado para 17:51 Coordinated Universal Time (UTC, ou 14:51 hora de Brasilia), devido à meteorologia (ventos em alta altitude).

Transmissão ao vivo do lançamento

A janela de lançamento instantânea original era às 11h14 ET, ou 15:14 UTC (12:14 Brasilia), e uma oportunidade reserva está disponível amanhã, sexta-feira, 22 de abril. O foguete tem 69,97 metros de comprimento e terá 568.012 kg de massa no lançamento. Este primeiro estágio do Falcon 9 desta missão lançou anteriormente os GPS III-3, Turksat 5A, Transporter-2, e oito outras missões Starlink.

Trajetória do primeiro estágio

Após a separação dos estágios, o primeiro estágio ‘core’ do Falcon 9 retornará à Terra e pousará na barca Marmac 303  Just Read the Instructions, estacionada no Oceano Atlântico. O navio Bob partiu em apoio à Starlink 4-14 deve recuperar as conchas da carenagem de cabeça do foguete.

Reentrada prevista do segundo estágio

A plataforma Just Read The Instructions deixou Porto Canaveral e está estacionada na zona de pouso do Falcon 9 ‘booster’ B1060.12. O navio de apoio Finn Falgout está rebocando a plataforma de pouso flutuante.

Foguete F9 v1.2 FT BL5 B1060.12 sem a seção de cabeça espacial
Foguete na SLC-40

Eventos do lançamento

hh: Evento

  • 00:38:00 Diretor de lançamento da SpaceX verifica o inicio do abastecimento de propelente
  • 00:35:00 Abastecimento de RP-1 (querosene de foguete) em andamento
  • 00:35:00 Abastecimento do 1º estágio com LOX (oxigênio líquido) em andamento
  • 00:16:00 Carregamento de LOX do 2º estágio em andamento
  • 00:07:00 Falcon 9 inicia o resfriamento dos motores (chilldown) antes do lançamento
  • 00:01:00 Computador de voo habilita o comando para decolagem com as verificações finais de pré-lançamento
  • 00:01:00 A pressurização dos tanques de propelentes para a pressão de voo é regulada e conferida
  • 00:00:45 Diretor de lançamento da SpaceX verifica o lançamento
  • 00:00:03 O controlador comanda a sequência de ignição dos motores para decolagem
  • 00:00:00 Decolagem do Falcon 9
  • 00:01:12         Max Q (momento de máximo de estresse mecânico no foguete)
  • 00:02:30       Corte dos motores principais do 1º estágio (MECO)
  • 00:02:35       primeiro e segundo estágios separados (estagiamento)
  • 00:02:42       Ignição do motore do 2º estágio (SES-1)
  • 00:02:51        Liberação de carenagem
  • 00:06:12        Início da queima de reentrada do 1º estágio
  • 00:06:32       Queima de reentrada do 1º estágio concluída
  • 00:08:01       Início da queima de pouso do 1º estágio
  • 00:08:23       Pouso do primeiro estágio
  • 00:08:48       1º Corte do motor do 2º estágio (SECO-1)
  • 00:45:25        2ª ignição do motor do 2º estágio (SES-2)
  • 00:45:26        2º Corte do motor do 2º estágio (SECO-2)
  • 00:59:49        Satélites Starlink são liberados
Foguete separado nos primero e segundo estágios, a seção de cabeça e a pilha de satélites
Perfil de lançamento

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Cosmonautas na ISS iniciam a segunda caminhada espacial em 2022

Objetivo foi trabalhar na montagem do braço robótico europeu

Os cosmonautas da Roskosmos Oleg Artemiev e Denis Matveev, membros da 67ª expedição de longo prazo à Estação Espacial Internacional, iniciaram mais uma caminhada espacial sob o programa russo. A escotilha de saída do módulo de pesquisa MIM2 Poisk foi aberta em 18 de abril de 2022 às 18:01, horário de Moscou (12:01 Brasilia). A duração prevista da atvidade extraveicular (EVA, extravehicular activity) serviu para preparar o manipulador remoto europeu ERA para sua operação no segmento russo da ISS. Durante a EVA (ou VKD em russo) de 6 horas e 37 minutos, os cosmonautas completaram a primeira etapa de preparação do manipulador remoto para operação no segmento russo.

Cosmonautas no exterior do módulo Nauka

Durante a saída, na superfície externa do módulo de laboratório multiuso Nauka, Artemiev e Matveev instalaram, conectaram e testaram o painel de controle externo do manipulador , desmontaram as tampas de proteção de três dispositivos de fixação passiva e três pontos de base móveis, montaram três corrimãos no ERA, removeram as tampas de isolamento térmico de tela-vácuo na área do ‘cotovelo’ e instalaram o adaptador de estação de trabalho portátil.

Ao mesmo tempo, o cosmonauta Sergei Korsakov controlou o ERA a partir do console interno do módulo Nauka.

Painel de controle externo

Esta foi a 60ª saída russa (52ª planejada, VKD No. 52) no âmbito do projeto ISS. Para Oleg Artemiev, que trabalha com o escafandro espacial Orlan-MKS nº 5 com listras vermelhas, esta é a quarta saída em sua carreira espacial, e para Denis Matveev, no traje espacial Orlan-MKS nº 4 com listras azuis, é a primeira. Desde março de 1965, os cosmonautas realizaram 156 caminhadas espaciais em trajes espaciais russos/soviéticos, e 72 cosmonautas da URSS e da Rússia estiveram em espaço aberto.
O serviço de imprensa da Roskosmos preparou um kit de imprensa especial dedicado ao trabalho de hoje no espaço.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

China: TiaHe, módulo-base da estação orbital chinesa, tem desempenho ótimo

Chineses confirmam o bom funcionamento do veículo espacial de 21 toneladas

O Tianhe, o módulo central da estação espacial da China, concluiu sua verificação das principais tecnologias e atingiu sua meta esperada. Yang Hong, designer-chefe do sistema da estação espacial do Programa Espacial Tripulado da China na Academia Chinesa de Tecnologia Espacial, fez as declarações em uma entrevista coletiva em Pequim no domingo. Yang disse que o módulo principal está em órbita há quase um ano, e todas as missões foram realizadas sem problemas e de acordo com o plano, incluindo o encontro e acoplagem com duas naves tripuladas e duas naves de carga, bem como a permanência de três meses do tripulação do Shenzhou-12 e a permanência de seis meses da tripulação do Shenzhou-13.

Missões incluindo atividades extraveiculares e operações remotas manuais foram realizadas no ano passado. As principais tecnologias relacionadas à reciclagem física e química e suporte à vida, grande controle complexo, bem como grandes asas flexíveis de células solares e manobras, foram verificadas.

Os resultados da avaliação mostram que as funções do Tianhe têm um desempenho melhor do que em seu projeto, disse Yang. O sistema de reciclagem e suporte à vida forneceu um bom ambiente para as necessidades metabólicas dos astronautas em órbita, disse Yang. A umidade liberada pelos astronautas é coletada como água condensada, e a urina é reciclada e processada em água potável e oxigênio. A eficiência de reciclagem de água é superior a 95%. A quantidade de água potável e oxigênio que precisa ser transportada por naves espaciais de carga foi bastante reduzida graças à tecnologia.

Asas de células solares flexíveis em grande escala têm fornecido energia para o módulo central e seu complexo. A avaliação mostrou que as células solares têm uma capacidade de geração de energia próxima de 10 quilowatts, além das expectativas de seu projeto.

Quatro atividades extraveiculares conduzidas pelas tripulações das Shenzhou-12 e Shenzhou-13 cobriram as operações, instalação e manutenção de eletrônicos, máquinas, tubulações e outros equipamentos fora da cabine, e estabeleceram uma base sólida para instalarem e manterem equipamentos extraveiculares durante longos períodos após a conclusão da estação espacial, disse Yang. O braço do robô desempenhou um papel importante em todo o processo de verificação de tecnologias chaves e teve um desempenho excelente. Sua capacidade de movimentação conjunta e precisão de posicionamento e atenderam às expectativas do projeto. Sua rigidez provou ser capaz de levantar e transferir grandes cargas, disse Yang.

“Desde 2020, a China realizou com sucesso seis missões, incluindo o módulo central Tianhe, as espaçonaves tripuladas Shenzhou-12 e Shenzhou-13, e as naves de carga Tianzhou-2 e Tianzhou-3”, Hao Chun, diretor da Agência Espacial Tripulada, disse na conferência de imprensa. Todas as seis missões obtiveram sucesso e completaram seu objetivo de verificar as principais tecnologias, disse Hao.

De acordo com o cronograma, a China concluirá a construção em órbita de sua estação espacial até 2022. Um total de seis missões estão planejadas para este ano, incluindo o lançamento da nave cargueira Tianzhou-4 em maio, a espaçonave tripulada Shenzhou-14 em junho, os módulos de laboratório Wentian em julho e Mengtian em outubro. Os três módulos formarão uma forma de T para completar a construção em órbita da estação espacial, seguida pelo lançamento da nave de carga Tianzhou-5 e da espaçonave Shenzhou-15, disse Hao.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

China lança observatório da atmosfera

Longa Marcha 4C decolou de Taiyuan

Foguete decolou do Centro de Lançamento de Satélites de Taiyuan, Província de Shanxi, norte da China

Homem do Espaço com informações de Igor Lissov

Um foguete Longa Marcha-4C (CZ-4C No. Y28) lançou o Atmospheric Environment Monitoring Satellite (AEMS) do Centro de Lançamento de Satélites de Taiyuan, Província de Shanxi, norte da China, 15 de abril de 2022, às 18:16 UTC (16 abril, às 02:16 hora local). Segundo fontes oficiais, o satélite entrou na órbita desejada. O AEMS, também conhecido como Daqi-1 (大气一号, Dàqì yī hào, Atmosfera-1), é descrito como “o primeiro satélite do mundo com capacidade de detecção a laser de CO₂” que pode “realizar a detecção de dióxido de carbono durante todo o dia e de alta precisão”. O satélite Daqi foi catalogado em uma órbita sincronizada solar de 681 x 690 km x 98,1 graus com um plano orbital de 01:35 hora local. O estágio superior do foguete estabeleceu-se em uma órbita de 500 x 691 km. Foi o 454º lançamento espacial chinês, o 416º para a família de foguetes Longa Marcha, o 157º para os porta-aviões fabricados em Shangai e o 90º para os foguetes Longa Marcha-4B.

O desenvolvedor do Lidar do DQ-1 é o Instituto de Óptica e Mecânica Fina de Shangai. O sistema óptico do Lidar e o espectrômetro de câmera de banda larga foram criados no Instituto de Física Técnica de Shangai. Os três instrumentos restantes foram fornecidos pelo Instituto Anhui de Óptica e Mecânica Fina da Academia de Ciências Físicas de Pesquisa de Hefei da Academia Chinesa de Ciências.

Cargas úteis
Detecção de aerossol e dióxido de carbono lidar ACDL(Aerosol and Carbon Dioxide Detection Lidar) é usado para sondagem vertical 24 horas por dia da atmosfera da Terra. Um sinal de laser é emitido com comprimento de onda de 1572 nm, energia de pulso de 75 mJ, duração de 15 ns e taxa de repetição de 200 μs, alternadamente em dois estados, off-line e on-line. O sinal refletido é recebido através de um telescópio Schmidt-Cassegrain com abertura de 1 m e campo de visão de 0,2 mrad (0,7′), que corresponde a 140 m na superfície da Terra e passa por um sistema de registro que determina a absorção diferencial no caminho integral devido à passagem do feixe de laser através de nuvens e aerossóis na presença de dióxido de carbono. Comparado aos instrumentos passivos, o lidar oferece alta resolução espacial e é menos sensível à presença de nuvens e aerossóis. Lidar (LiDaR) é um aparelho de telemedição por pulsos de luz ou laser,

O espectrômetro de câmera de banda larga WSI (Wide Spectral Imager) está fotografando em 21 canais espectrais na faixa do visível ao infravermelho térmico em uma banda larga de 2300 km com a melhor resolução de 75 m, formando diariamente um “retrato” global de a Terra. O dispositivo detecta aerossóis e poeira fina, poluição atmosférica, fumaça de grama queimada, nebulosidade.

Atmospheric Environment Monitoring Satellite (AEMS)

A câmera de polarização multi-ângulo DPC-II (Eng. Directional Polarization Camera) é uma modificação do dispositivo DPC do satélite Gaofen-5 e, por sua vez, era uma versão aprimorada do dispositivo POLDER-3 no Parasol francês satélite (NC nº 2, 2005). O instrumento fornece medições de polarização multi-ângulo e multi-espectral para caracterizar aerossóis na atmosfera da Terra (densidade óptica, coeficiente de retroespalhamento, etc.), conteúdo total de vapor de água e dados de cobertura de nuvens.

O polarímetro de varredura de aerossol POSP (Particulate Observing Scanning Polarization) opera na faixa de 410 a 2250 nm e é capaz de “separar” os processos de polarização associados às características da superfície e da atmosfera, o que permite medir com mais precisão a componente atmosférica e obter dados mais confiáveis ​​sobre a concentração de partículas de aerossol na superfície da Terra. Via de regra, ele é pareado com um DPC-II, usando as mesmas faixas de medição e tendo o mesmo campo de visão, de modo que os dois instrumentos se complementam.

O hiperespectrômetro de pequenos componentes para estudos ambientais EMI-II (Eng. Environmental Trace Gas Monitoring Instrument) é uma modificação do instrumento EMI do satélite Gaofen-5, construído como um análogo do instrumento OMI na espaçonave americana Aura (NC No. 9 , 2004). O dispositivo realiza medições na faixa ultravioleta e visível, que determinam a distribuição global de pequenos componentes atmosféricos (O 3 , NO, NO 2 , SO 2 , HCHO, BrO, OClO e outros compostos) com resolução espacial de 24 km e sua dinâmica.

A organização e gestão do projeto Daqi-1 foi de responsabilidade da Administração Espacial Nacional Chinesa, que é o “rosto” civil da Administração Estatal de Ciência, Tecnologia e Indústria de Defesa. A criação do sistema de aplicação foi confiada ao Ministério da Proteção Ambiental, à Administração Meteorológica da China, ao Ministério da Agricultura e Assuntos Rurais e outros departamentos de acordo com suas áreas de responsabilidade. O Centro de Aplicações de Satélites Chineses de Recursos Naturais e a Academia de Pesquisa de Informação Aeroespacial da Academia Chinesa de Ciências foram responsáveis ​​pela criação de um sistema terrestre para receber e processar informações. A Academia SAST é responsável pela criação do satélite e do veículo lançador, enquanto a Diretoria Geral de Lançamentos, Controle e Controle de Satélites é responsável pelo lançamento em órbita e controle da espaçonave em voo.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Falcon 9 lançou o NROL-85

SpaceX lança satélite espião para o Escritório Nacional de Reconhecimento dos EUA

A trilha de fogo do B1071.2 no lançamento

O foguete Falcon 9 B1071.2 lançou um satélite espião do Escritório Nacional de Reconhecimento (NRO) dos EUA ontem, 17 de abril, da Base da Força Espacial Vandenberg, Califórnia. A carga útil, designada NROL-85, foi a segunda missão do ano da agência e o segundo lançamento orbital de 2022 da Faixa Ocidental. O Falcon 9 decolou do Space Launch Complex 4 East às 9h13 da manhã locais – 10:13 Brasilia. Após a separação do segundo estágio o primeiro estágio do foguete pousou na Zona de Aterrissagem 4 cerca de oito minutos após a decolagem. Este foi o 114º ‘booster’ recuperado com sucesso pela SpaceX.

O primeiro estágio desse voo voou anteriormente com o NROL-87 em fevereiro . O NROL-85 é a primeira missão do NRO a reutilizar um foguete da SpaceX . O NROL-87 foi o primeiro lançamento do NRO de um Falcon 9 destinado a ser reutilizado para uma futura missão . A pedido do NRO, a SpaceX não mostrou nenhuma imagem do estágio superior e encerrou o webcast após o pouso do primeiro estágio. A SpaceX recebeu um contrato da Força Aérea dos EUA em fevereiro de 2019 para lançar os NROL-85 e o NROL-87. A SpaceX já havia lançado satélites NRO sob contratos comerciais.

O NRO constrói e opera satélites secretos de vigilância e inteligência do governo dos EUA. A NROL-85 é a 61ª missão lançada pela agência desde que sua existência foi divulgada em 1996. Este foi o 148º lançamento do Falcon 9 e a 14ª missão da série de foguetes em 2022. O satélite militar deve ter sido colocado em órbita de 1.220,8km x 1.024,2km , inclinada em 63,535°

O navio de apoio NRC Quest foi destacado para recuperar as conchas da carenagem do foguete.

A Vandenberg Space Force Base é a sede do Space Launch Delta 30. O SLD 30 gerencia os testes espaciais e de mísseis do Departamento de Defesa e a colocação de satélites em órbita da costa oeste dos EUA. Em 27 de setembro de 2021, o VSFB lançou seu 2.000º foguete em órbita. O SLC-4E era anteriormente chamado PALC2-4 e usado anteriormente pelos foguetes Atlas e Titan entre 1963 e 2005. Foi construído para uso pelos foguetes Atlas-Agena, mas posteriormente reformado para abrigar com os Titan. A designação SLC-4E foi aplicada no momento da conversão para lançar Titans. O SLC-4E foi alugado como local de lançamento do foguete Falcon 9, que voou pela primeira vez de Vandenberg em 29 de setembro de 2013, após um programa de reforma de 24 meses, iniciado no início de 2011.

‘Core’ de primeiro estágio pousa na zona de aterrissagem 4

Sobre a missão NROL-85, o National Reconaissance Office anunciou: “Por sessenta anos, o NRO desenvolveu, adquiriu, lançou e operou os satélites que são a base para a vantagem e a força dos Estados Unidos no espaço. Usando uma arquitetura diversificada e resiliente de satélites, o NRO coleta e oferece o melhor conteúdo de inteligência, vigilância e reconhecimento espacial do planeta. Os dados da NRO apóiam a Agência de Segurança Nacional, a Agência Nacional de Inteligência Geoespacial e outros parceiros da missão do NRO para produzir produtos de inteligência para o Presidente, Congresso, formuladores de políticas nacionais, combatentes e usuários civis. A arquitetura de sobrecarga híbrida do NRO projetada para fornecer cobertura global contra uma ampla gama de requisitos de inteligência, realizar esforços de pesquisa e desenvolvimento e auxiliar nos esforços de emergência e socorro a desastres nos EUA e em todo o mundo.”

Supostos parâmetros de órbita do NROL-85:

Transmissão ao vivo do Homem do Espaço

Eventos de lançamento

Todos os tempos são aproximados

hh: min/s: Evento
00:38:00 Diretor de lançamento da SpaceX verifica o carregamento de propelente
00:35:00 Abastecimento de RP-1 (querosene) em andamento
00:35:00 Abastecimento de LOX (oxigênio líquido) em andamento no 1º estágio
00:16:00 Carregamento de LOX no 2º estágio em andamento
00:07:00 Falcon 9 inicia o resfriamento dos motores (chilldown) antes da ignição
00:01:00 Computador de voo emite comando para decolagem nas verificações finais de pré-lançamento
00:01:00 A pressurização dos tanques de propelente para a pressão de voo é regulada e conferida
00:00:45 O Diretor de lançamento da SpaceX verifica o lançamento
00:00:03 O controlador comanda a sequência de ignição dos motores para decolagem
00:00:00 Decolagem do Falcon 9

Fases do lançamento, até a liberação do satélite

Lançamento, aterrissagem e liberação da carga útil

Todos os tempos são aproximados

hh: min/s: Evento
00:01:12 Max Q (momento de máximo de estresse mecânico no foguete)
00:02:16 Corte dos motores principais do 1º estágio (MECO)
00:02:20 1º e 2º estágios separados
00:02:33 Começa a queima de ‘boostback’ do 1º estágio
00:03:15 Liberação da carenagem de cabeça
00:03:21 Queima de ‘boostback’ do 1º estágio concluída
00:06:15 Começa a queima de reentrada do 1º estágio
00:06:36 Queima de reentrada do 1º estágio concluída
00:07:28 Começa a queima de pouso do 1º estágio
00:08:00 1º estágio pousa na Zona de Aterrissagem 4

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Falcon 9 lançará NROL-85 hoje

Decolagem programada para esta manhã

A SpaceX programou para hoje, o domingo, 17 de abril , o lançamento do Falcon 9 para a missão NROL-85 a partir do Space Launch Complex 4 East (SLC-4E) na Vandenberg Space Force Base, na Califórnia. A janela de lançamento instantânea é às 06h13 PT, ou 13:13 UTC (10:13 hora de Brasília).
O satélite militar deverá ser colocado em órbita de 1.220,8km x 1.024,2km , inclinada em 63,535°

Será o segundo voo do ‘booster’ B1071, que lançou anteriormente a missão NROL-87 em fevereiro de 2022. O navio de apoio NRC Quest deixou Los Angeles para recuperar as conchas da carenagem do foguete.

A Vandenberg Space Force Base é a sede do Space Launch Delta 30. O SLD 30 gerencia os testes espaciais e de mísseis do Departamento de Defesa e a colocação de satélites em órbita da costa oeste dos EUA. Em 27 de setembro de 2021, o VSFB lançou seu 2.000º foguete em órbita. O SLC-4E era anteriormente chamado PALC2-4 e usado anteriormente pelos foguetes Atlas e Titan entre 1963 e 2005. Foi construído para uso pelos foguetes Atlas-Agena, mas posteriormente reformado para abrigar com os Titan. A designação SLC-4E foi aplicada no momento da conversão para lançar Titans. O SLC-4E foi alugado como local de lançamento do foguete Falcon 9, que voou pela primeira vez de Vandenberg em 29 de setembro de 2013, após um programa de reforma de 24 meses, iniciado no início de 2011.

Sobre a missão NROL-85, o National Reconaissance Office anunciou: “Por sessenta anos, o NRO desenvolveu, adquiriu, lançou e operou os satélites que são a base para a vantagem e a força dos Estados Unidos no espaço. Usando uma arquitetura diversificada e resiliente de satélites, o NRO coleta e oferece o melhor conteúdo de inteligência, vigilância e reconhecimento espacial do planeta. Os dados da NRO apóiam a Agência de Segurança Nacional, a Agência Nacional de Inteligência Geoespacial e outros parceiros da missão do NRO para produzir produtos de inteligência para o Presidente, Congresso, formuladores de políticas nacionais, combatentes e usuários civis. A arquitetura de sobrecarga híbrida do NRO projetada para fornecer cobertura global contra uma ampla gama de requisitos de inteligência, realizar esforços de pesquisa e desenvolvimento e auxiliar nos esforços de emergência e socorro a desastres nos EUA e em todo o mundo.”

Supostos parâmetros de órbita do NROL-85:

Transmissão ao vivo do Homem do Espaço

Eventos de lançamento

Todos os tempos são aproximados

hh: min/s: Evento
00:38:00 Diretor de lançamento da SpaceX verifica o carregamento de propelente
00:35:00 Abastecimento de RP-1 (querosene) em andamento
00:35:00 Abastecimento de LOX (oxigênio líquido) em andamento no 1º estágio
00:16:00 Carregamento de LOX no 2º estágio em andamento
00:07:00 Falcon 9 inicia o resfriamento dos motores (chilldown) antes da ignição
00:01:00 Computador de voo emite comando para decolagem nas verificações finais de pré-lançamento
00:01:00 A pressurização dos tanques de propelente para a pressão de voo é regulada e conferida
00:00:45 O Diretor de lançamento da SpaceX verifica o lançamento
00:00:03 O controlador comanda a sequência de ignição dos motores para decolagem
00:00:00 Decolagem do Falcon 9

Fases do lançamento, até a liberação do satélite

Lançamento, aterrissagem e liberação da carga útil

Todos os tempos são aproximados

hh: min/s: Evento
00:01:12 Max Q (momento de máximo de estresse mecânico no foguete)
00:02:16 Corte dos motores principais do 1º estágio (MECO)
00:02:20 1º e 2º estágios separados
00:02:33 Começa a queima de ‘boostback’ do 1º estágio
00:03:15 Liberação da carenagem de cabeça
00:03:21 Queima de ‘boostback’ do 1º estágio concluída
00:06:15 Começa a queima de reentrada do 1º estágio
00:06:36 Queima de reentrada do 1º estágio concluída
00:07:28 Começa a queima de pouso do 1º estágio
00:08:00 1º estágio pousa na Zona de Aterrissagem 4

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Astronautas chineses voltam à Terra após seis meses

Shenzhou-13 pousou completando 183 dias no espaço

Shenzhou-13 desce de paraquedas
Comandante Zhai Zhigang

A cápsula de descida da espaçonave Shenzhou-13 (Shénzhōu ShíSān – 神舟十三 – com três taikonautas a bordo pousou com segurança na localidade de Dongfeng (100:09:38E x 41:39:13N), na Região Autônoma da Mongólia Interior, no norte da China, ontem, 15 de abril de 2022 às (22:56, hora de Brasilia, 01:56:37 UTC, ou 09:56 China Standard Time). Os taikonautas Zhai Zhigang (comandante), Ye Guangfu e Wang Yaping, completaram a primeira missão de seis meses (183 dias) na Estação Espacial da China (Zhōngguó Kōng Jiān Zhàn, 中国空间站)..

Engenheira operadora Wang Yaping

Como pôde ser visto na transmissão organizada pelo canal de TV, especialistas da missão de busca e salvamento chegaram logo ao local de pouso. Em seguida, a cápsula foi aberta. Segundo a TV, todos os tripulantes se sentiam bem.
A espaçonave se desacoplou com sucesso do módulo principal da estação orbital, Tianhe (Tiān Hé Héxīn Kāng, 天和核心舱), na noite de sexta para sábado às 00:44, horário de Pequim (13:44, horário de Brasilia de sexta-feira) em 15 de abril. Assim, o voo de retorno à Terra durou cerca de nove horas.

Engenheiro operador Ye Guangfu

O lançamento da Shenzhou-13 ocorreu em 16 de outubro de 2021 a partir do centro espacial de Jiuquan, no norte do país.

Técnicos da equipe de resgate inspecionam a escotilha antes da saída da tripulação
Veículo de descida após a aterrissagem

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Taikonautas da Shenzhou-13 voltam à Terra hoje à noite

Zhai, Guangfu e Yaping passaram seis meses no espaço

Ye Guangfu, Wang Yaping e Zhai Zhigang

Os astronautas chineses da missão Shenzhou-13 -Zhai Zhigang, Wang Yaping e Ye Guangfu – devem retornar à Terra na noite de hoje, 15 para 16 de abril. A espaçonave se desligou do módulo principal Tianhe da estação espacial às 00:44 do dia 16 de abril, horário de Pequim. De acordo com informações, antes do início do desacoplamento, os cosmonautas, em coordenação com o pessoal científico e técnico em Terra, realizaram uma série de trabalhos – como ajuste de regime do complexo da estação espacial, triagem e download de dados , limpeza e transferência dos recursos materiais que permanecem em órbita. Nas próximas duas horas, a tripulação fará a reentrada e o pouso. A órbita da nave espacial chinesa, vai fazê-la alcançar o local de pouso de Dongfeng na madrugada do dia 16. A janela de retorno permissível para a órbita atual estender-se-á pelos dois dias seguintes.

Em 16 de outubro passado, a espaçonave decolou com os três taikonautas em destino à estação espacial Tiangong para uma estadia de seis meses – a mais longa do programa espacial tripulado do país.

Eles concluíram várias tarefas nos últimos meses, incluindo duas atividades extraveiculares, duas aulas científicas ao vivo e vários experimentos de tecnologia e projetos de aplicação.

Os astronautas também usaram equipamentos de teleoperação manual (o chinese robotic arm) pela primeira vez, manobrando a nave de carga e a estação espacial para encontros e acoplagem.

Avisos de fechamento do espaço aéreo para o pouso Shenzhou 13 foram emitidos para 01:35 a 02:05 UTC de 16 de abril:

A0790/22 NOTAMN

  • Q) ZLHW/QRTCA/IV/BO/W/000/999/4112N10036E153
  • A) ZLHW B) 2204160135 C) 2204160205
  • E) ÁREA RESTRITA TEMPORÁRIA ESTABELECIDA DETERMINADA POR:
  • N4212E09730-N4212E10342-N4012E10342-N4012E09730.
  • TODAS AS ACFT (AERONAVES) SERÃO PROIBIDAS DE VOAR NA ÁREA RESTRITA.
  • LIMITES VERTICAIS: GND-UNL.
  • F) GND G) UNL

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

China lança Zhongxing 6D

Longa Marcha 3B colocou o satélite de comunicação em órbita

Foguete transportador Longa Marcha 3B número Y89

Às 20:00 do dia 15 de abril de 2022, horário de Pequim, a China lançou com sucesso o satélite Zhongxing 6D (ChinaSat-6D) usando o foguete transportador Longa Marcha 3B número Y89 no Centro de Lançamento de Satélites de Xichang. O satélite entrou na órbita predeterminada e a missão de lançamento foi um sucesso completo. O satélite oferecerá principalmente serviços de transmissão e comunicação de rádio e televisão confiáveis, estáveis e seguros para usuários dentro do território e águas territoriais da China e usuários na região da Ásia-Pacífico. Este foi o 415º lançamento de um foguete “Changzheng” (Longa Marcha), o 129º para os portadores da família CZ-3A, que também inclui os foguetes CZ-3C e CZ-3B, e o 84º para o CZ-3B com quatro ‘booster’s líquidos.

O Zhongxing-6D está equipado com uma carga útil combinada de 25 transponders de banda C e 25 transponders de banda Ku. Na banda C, deve substituir os recursos de seu antecessor com proteção aprimorada contra interferência no link Terra-espaçonave e cobertura da superfície terrestre; o recurso em banda Ku será grandemente aumentado para cobrir a alta demanda. Foi relatado que o novo satélite estabelecerá uma base técnica sólida para a transmissão de televisão de alta definição na China. O satélite ficará fixado em 125 graus de longitude leste, o que expandirá a cobertura da China no Mar da China Meridional e no Sudeste Asiático e realizará serviços para as ilhas do Mar da China Meridional e países insulares do Pacífico.

Chassis DFH

O segmento terrestre inclui a Estação Xibeiwang em Pequim, a Estação Hualai na Província de Hebei, a Estação Kashgar na Região Autônoma Uigur de Xinjiang e a Estação Haikoun na Ilha Hainan. O investimento total no projeto foi de 1.433,9 milhões de yuans (US$ 225 milhões).
O Zhongxing-6D foi construído no chassi DFH-4E, uma versão aprimorada da plataforma DFH-4 bem estabelecida para satélites geoestacionários. Uma das principais vantagens do DFH-4E é o sistema de propulsão combinado, que inclui motores-foguete tradicionais e motores-foguete elétricos.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

China: taikonautas de missão recordista retornam neste fim de semana

Zhai, Guangfu e Yaping completam seis meses no espaço

Imagem feita a partir da seção central do módulo-base TianHe mostrando a nave Shenzhou ao centro
Ye Guangfu, Wang Yaping e Zhai Zhigang

Os astronautas chineses da missão Shenzhou-13, estão se preparando para seu retorno à Terra após a recente separação da espaçonave de carga Tianzhou-2 do estação, de acordo com a Agência Espacial Tripulada da China. Os tripulantes do Shenzhou-13 – Zhai Zhigang, Wang Yaping e Ye Guangfu – estão todos em boas condições, disse a agência, acrescentando que planejam retornar à Terra em 16 de abril por volta das 9h às 10h, horário local. A julgar pela órbita atual da estação espacial chinesa, espera-se que ela cruze o local de pouso de Dongfeng efetivamente na manhã do dia 16, a janela de tempo para o retorno da Shenzhou. Uma janela de retorno também é esperada nos dois dias seguintes.

Em 16 de outubro de 2021, a espaçonave, transportada por um foguete CZ-2F/G número Y13 decolou com os três taikonautas em destino à estação espacial Tiangong para uma estadia de seis meses – a duração mais longa do programa espacial tripulado do país.

Eles concluíram várias tarefas nos últimos meses, incluindo duas atividades extraveiculares, duas aulas científicas ao vivo e vários experimentos de tecnologia e projetos de aplicação.

Os astronautas chineses também usaram equipamentos de teleoperação manual pela primeira vez, manobrando a nave de carga e a estação espacial para encontros e acoplagem. O módulo central TianHe da estação espacial está operando de forma estável.

A mídia oficial chinesa anunciou: “Momento histórico: Em 14 de abril, três astronautas, Zhai Zhigang, Wang Yaping e Ye Guangfu, passaram apenas 180 dias na Estação Espacial Chinesa! Atualmente, a missão de seis meses de Shenzhou 13 entrou na contagem regressiva final, e todos estão ansiosos pelo triunfo seguro e triunfal dos três heróis.”

Configuração atual da estação espacial chinesa com a nave Shenzhou 13 acoplada

Avisos de fechamento do espaço aéreo para o pouso Shenzhou 13 foram emitidos para 01:35 a 02:05 UTC de 16 de abril:

A0790/22 NOTAMN

  • Q) ZLHW/QRTCA/IV/BO/W/000/999/4112N10036E153
  • A) ZLHW B) 2204160135 C) 2204160205
  • E) ÁREA RESTRITA TEMPORÁRIA ESTABELECIDA DETERMINADA POR:
  • N4212E09730-N4212E10342-N4012E10342-N4012E09730.
  • TODAS AS ACFT (AERONAVES) SERÃO PROIBIDAS DE VOAR NA ÁREA RESTRITA.
  • LIMITES VERTICAIS: GND-UNL.
  • F) GND G) UNL

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

China lança Gaofen 3-03

Satélite de sensoriamento remoto por radar entrou na órbita prevista

por Igor Lissov

Longa Marcha 4C decola de Jiuquan

A China lançou com sucesso um novo satélite de observação da Terra, o Gaofen-3 03 (高分三号03星 – Gāo fēn sān hào san xīng, GF-3 No. 03, GF-3C), do Centro Espacial Jiuquan, no noroeste do país. O lançamento foi em 7 de abril de 2022 às 07:47, horário de Pequim (6 de abril às 23:47 UTC, dia 6) . O seu foguete Longa Marcha-4C (CZ-4C Nº Y38) decolou da mesa Nº 94 do Centro de Lançamento. O satélite foi lançado em órbita com sucesso com os seguintes parâmetros: perigeu de 738,0 km; apogeu de 745,0 km; inclinação 98,40°; período 99,64 min. No catálogo espacial americano o GF-3 nº 03 recebeu o número 52200 e a designação internacional 2022-035A.
Segundo fontes oficiais, o satélite entrou na órbita desejada e formará uma rede com Gaofen-3 “01” e o Gaofen-3 02 para melhorar “observação do oceano, aplicações de conservação de água, monitoramento de desastres, monitoramento ambiental e outros campos”. Os satélites Gaofen-3, desenvolvidos pela Academia de Pesquisa de Tecnologia Espacial (CAST) da China, são descritos como imageadores de radar multimodo e multipolarização para todos os climas do mar e da terra na banda C com uma resolução espacial de até 1 m. De acordo com informações oficiais, seus dados serão usados ​​no interesse da prevenção de desastres naturais, mitigação de desastres marítimos, monitoramento dinâmico do ambiente marinho, proteção do meio ambiente e dos recursos hídricos para proteger os direitos e interesses marítimos da China, bem como os interesses da agricultura e da meteorologia. O valor científico das observações oceanográficas consiste em medir a força do vento e das ondas, estudar as ondas internas do oceano e vários processos de mesoescala e menores.

A primeira espaçonave Gaofen-3 foi criada como parte do sistema integrado de observação da Terra com alta resolução CHEOS (China High Resolution Earth Observation System). O satélite com um peso de lançamento de 2.779 kg é baseado no chassi CS-L3000B. O corpo da espaçonave é um paralelepípedo retangular com seu eixo longo orientado para o nadir. A fonte de alimentação é fornecida por duas baterias solares de quatro seções com uma envergadura de 18 metros. O complexo de rádio de bordo opera nas bandas S (linha de telemetria de comando) e X (8212,5 MHz , para redefinição de informações de dados). A carga útil da espaçonave é um radar de banda C desenvolvido pelo Departamento de Sistemas de Sensoriamento Remoto de Microondas Espaciais da Academia de Inovação da Informação Aeroespacial, sucessor do Instituto de Eletrônica da Academia Chinesa de Ciências. O radar de abertura sintética tem uma antena de 15 metros de fase ativa (APAA) opera na faixa de frequência de 240 MHz 5280-5520 MHz. A faixa de ângulos de incidência do feixe é de 20° a 50°, a precisão do alinhamento não é inferior a 230 metros sem pontos de controle de solo.

Faixa de varredura do Gaofen

Inicialmente, foram anunciados sete modos de polarização (HH, HV, VV, VH e suas combinações – simples, duplo e completo) e cinco modos principais de operação com treze submodos. A imagem mais detalhada é obtida no modo Sliding Spotlight (SL) com resolução espacial de 1 m em uma faixa de 10 km de largura. O modo especializado de levantamento de ondas ‘WAV’ é caracterizado por uma resolução de 10 m em uma faixa de 5 km. Há também seis modos de ‘stripmap’ com resolução de 3 a 25 m e largura de banda de 30 a 130 km, três modos de varredura ‘ScanSAR’, incluindo um modo de observação global com resolução de 500 m em uma faixa de 650 km e dois modos com uma ampla gama de ângulos cai (de 10° a 60°).

Trio de satélites

O Gaofen-3 – 01 foi criado como um satélite experimental de vigilância de radar civil. A demanda por suas informações superou significativamente a oferta, o que levou à decisão de lançar a série como parte do Plano Nacional de Médio e Longo Prazo para o Desenvolvimento da Infraestrutura Espacial Civil para 2015-2025. Os satélites de números 02 e 03 foram construídos de acordo com o projeto já operacional – baseado em seu antecessor, mas com algumas modificações: A duração máxima do imageamento em uma revolução foi aumentada de 30 para 100 minutos; O número total de opções de levantamento foi aumentado para 20. Em particular, foram adicionados modos de varredura de terreno com TOPSAR (Observação de Terreno com Varreduras Progressivas) progressivo e vários modos de abertura dupla; Melhor resolução espacial e largura de banda no modo de onda; Introduziu um processador de dados em tempo real integrado com processamento de imagem, avaliação de área de interesse e funções de detecção de alvo móvel. O tempo para levar essas informações ao consumidor foi reduzido de várias horas para 10 minutos;
Foi instalado um sistema de recepção de sinais de identificação de embarcações marítimas AIS, que irá melhorar a qualidade da sua escolta.
Tabela. Modos de disparo da espaçonave “Gaofen-3” No. 02 e No. 03

Foi o 452º lançamento espacial da China, incluindo o 414º para a família de foguetes Longa Marcha e o 156º para aqueles projetados e construídos em Shangai. Para a mesa de lançamento nº 94 na área 43 de Jiuquan, ele se tornou o 86º foguete a decolar de lá.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Crew Dragon da Ax-1 acoplada à ISS

A nave C206 Endeavour acoplou na porta ‘zênite’ do módulo Harmony da estação espacial internacional, enquanto as espaçonaves orbitavam a 424 km acima da Terra

Crew Dragon C206 aproxima-se
A estação durante a aproximação
O israelense Eitan Stibbe entra pela escotilha

A espaçonave Crew Dragon Endeavour C206 da SpaceX, com uma tripulação de turistas, acoplou na Estação Espacial Internacional (ISS) hoje, sábado 9 de abril de 2022. A nave “Endeavour” acoplou de forma autônoma ao Adaptador de Acoplamento Internacional (IDA-3) do adaptador PMA-3 do módulo Harmony da estação, em 9 de abril de 2022, às 12:29 UTC (08:29 horário da Costa Leste dos EUA ) n modo suave; a acoplagem firme foi completada às 08:32EDT (09:32, horário de Brasilia), e foi realizada como parte da missão comercial Ax-1 da empresa Axiom Space. A etapa final do encontro da espaçonave com a ISS começou às 07h45 (08h45, horário de Brasilia). O apresentador da transmissão confirmou o encaixe bem-sucedido, que ocorreu no modo automático. Em cerca de uma hora e meia, os turistas espaciais poderam entrar na estação, onde passarão cerca de oito dias.

Astronautas junto à escotilha, reunidos

O lançamento do foguete transportador Falcon 9 v1.2 FT Block 5 com a espaçonave foi realizado a partir do espaçoporto de Cabo Canaveral (Flórida) na sexta-feira, e a viagem para a ISS levou menos de um dia. A tripulação inclui três empresários dos EUA, Israel e Canadá – Larry Connor, Eitan Stibbe e Mark Paty. De acordo com a SpaceNews, eles pagaram US$ 55 milhões cada. O comandante da tripulação é o ex-astronauta americano Michael Lopez-Alegria. Ele voou para a ISS às custas da Axiom Space, da qual é vice-presidente e astronauta-chefe.

Compêndio do Homem do Espaço sobre a nave Crew Dragon

Criada em 2016 e sediada em Houston, Texas, a Axiom Space, que decidiu entrar no mercado de turismo espacial, assinou um contrato com a SpaceX em março de 2020 para quatro missões para transportar à ISS passageiros pagantes. A Axiom Space também concordou com a NASA que seus turistas terão acesso ao segmento americano da estação.

A NASA continua em seu procedimento inexato de nomear as Progress russas em ordem de envio à estação. A Progress “79” ou ’79P’ é a Progress MS-18 e a “80” ou ’80P’ é a MS-19
This image has an empty alt attribute; its file name is forum.png
Fórum de Astronáutica
This image has an empty alt attribute; its file name is patreon.png
Patreon
This image has an empty alt attribute; its file name is excl-horiz-edited.png
CONTEÚDO RESTRITO A ASSINANTES
This image has an empty alt attribute; its file name is AVvXsEhoWyVtC4_hR8UzbJ1qmeAt8-xy1JkLSK-ZuMQhLeb2XeujBpREF6duZVd-QhawpZKagM9rwYNRw_1IxCZSXXV3vPeKP5KjRcSK0w4LqLg2hG8vTd30nmDYubCz72vt8qYDO4Om2rqiea5kg2d3YZFdZOATidrFiFTe4KgWltHsCFtFOkjeCrewY2ae3g=s365
Maquetes especializadas em Astronáutica

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

This image has an empty alt attribute; its file name is curso1.jpg

Curso de Introdução à Astronáutica



CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

SpaceX lança a Axiom Ax-1, primeira tripulação comercial, para a ISS

Missão privada leva astronauta e três turistas-pesquisadores

Foguete B1062.5 decola da plataforma 39A

O foguete SpaceX Falcon 9 (nº B1067.5) lançou a espaçonave Crew Dragon Endeavour C206, para a missão Ax-1 da Axiom Space para a Estação Espacial Internacional, do Complexo de Lançamento 39A (LC-39A) no Centro Espacial Kennedy da NASA na Flórida, hoje, 8 de abril de 2022, às 15:17 UTC (12:17 Brasilia). A tripulação inclui o comandante Michael López-Alegría, o piloto Larry Connor e os especialistas da missão Eytan Stibbe e Mark Pathy. O Endeavour C206 está programado para acoplar na estação espacial amanhã, 9 de abril, por volta das 11:45 UTC (08:45 Brasilia). Após a separação dos estágios, o ‘core’ de primeiro estágio do Falcon 9 (B1062) pousou na balsa-drone “A Shortfall of Gravitas”, estacionada no Oceano Atlântico. O primeiro estágio do Falcon 9 (B1062) anteriormente fez cinco missões: GPS III Space Vehicle 04 (GPS III SV04), GPS III SV05, Inspiration4 e um lote de satélites Starlink. A espaçonave Crew Dragon “Endeavour” voou anteriormente nas missões Demo-2 e Crew-2.

A imprensa afirmou anteriormente que Connor, Stibbe e Paty pagaram US$ 55 milhões cada pela oportunidade de ir à ISS. Lopez-Alegria voa às custas da Axiom Space, da qual é vice-presidente e astronauta-chefe. Espera-se que depois de acoplar a espaçonave à ISS, prevista para as 07h45 de sábado (08h45, horário de Brasilia), a tripulação permaneça a bordo da estação espacial por oito dias.

Estão em órbita hoje 14 pessoas: na Ax-1, Lopez-Alegria, Connor, Stibbe, Pathy; na ISS: Chari, Marshburn, Maurer, Barron, Artemyev, Matveyev, Korsakov; e na estação espacial chinesa, Zhai Zhigang, Wang Yaping e Ye Guangfu.

Estatísticas da missão
147º lançamento de um foguete Falcon 9 desde 2010
155º lançamento da família de foguetes Falcon desde 2006
5º lançamento do Falcon 9 B1062
129º lançamento do Falcon 9 da Costa Espacial da Flórida
140º lançamento em geral da plataforma 39A
46º lançamento da SpaceX em geral da plataforma 39A
90º voo de um foguete Falcon 9 reutilizado
6º lançamento da SpaceX com pessoas a bordo
1ª missão para a Axiom Space
3º voo da espaçonave Dragon C206 Endeavour
8º voo de uma espaçonave Crew Dragon
13º lançamento do Falcon 9 de 2022
13º lançamento da SpaceX em 2022
14º lançamento orbital baseado em Cabo Canaveral em 2022

Durante a missão de 10 dias, oito dos quais serão passados a bordo da ISS, a tripulação fará mais de 25 experimentos científicos e demonstrações de tecnologia desenvolvidas para ambiente de microgravidade.

Compêndio do Homem do Espaço sobre a nave Crew Dragon

O navio de apoio Shannon (GO Navigator) estava fundeado próximo à costa da cidade de Tampa para apoiar as operações das missões AX-1 e Crew-4 no Golfo do México.

Espaçonave separando-se do segundo estágio esgotado do foguete

CONTAGEM REGRESSIVA

Todos os tempos aproximados

hh:  min:  s:           Evento

  • 00:45:00  – O  diretor de lançamento da SpaceX verifica o abastecimento de propelente
  • 00:42:00 – Braço de acesso da tripulação se retrai
  • 00:37:00  – O sistema de escape de lançamento do Dragon está armado
  • 00:35:00 – O abastecimento de RP-1 (querosene de grau de foguete) é regulado
  • 00:35:00  – O carregamento do 1º estágio com LOX (oxigênio líquido) começa
  • 00:16:00   – O carregamento de LOX do 2º estágio começa
  • 00:07:00  –  Falcon 9 inicia resfriamento dos motores (chilldown) antes do lançamento
  • 00:05:00    – Transição da Crew Dragon para energia interna
  • 00:01:00 – Computador de voo habilita comando para decolagem as verificações finais de pré-lançamento
  • 00:01:00 – A pressurização dos tanques de propelente para a pressão de voo é regulada e conferida
  • 00:00:45-  Diretor de lançamento da SpaceX verifica o lançamento
  • 00:00:03   – O controlador comanda a sequência de ignição dos motores para decolagem
  • 00:00:00- Decolagem do Falcon 9

LANÇAMENTO, ATERRISSAGEM DO FOGUETE E LIBERAÇÃO DA ESPAÇONAVE

Todos os tempos aproximados

hh:  min:  s:           Evento

  • 00:01:02   – Max Q (momento de máximo de estresse mecânico no foguete)
  • 00:02:35 – Corte dos motores principais do 1º estágio (MECO)
  • 00:02:39   – primeiro e segundo estágios separados
  • 00:02:46 – Ignição dos motores do 2º estágio
  • 00:07:25    – Começa a queima de entrada do 1º estágio
  • 00:08:48    – Corte do motor do 2º estágio (SECO-1)
  • 00:09:02- Começa a queima de pouso do 1º estágio
  • 00:09:29- Pouso do primeiro estágio
  • 00:12:07- Crew Dragon se separa do 2º estágio
  • 00:12:55- A sequência aberta do nariz do Dragon começa

O ‘core’ de primeiro estágio B1062.5 pousou na barca-drone A Shortfall of Gravitas, estacionada a cerca de 500 km do Cabo Canaveral, tendo como embarcações auxilares os Doug (rebocador), Shannon e Megan.

Pathy, Connor, L-Alegria e Stibbe a bordo
L-Alegria e Connor junto ao painel de comando

A espaçonave irá acoplar no sistema de engate IDA-2 do módulo Harmony na ISS, e a tripulação dormirá na própria espaçonave Endeavour (uma pessoa), na câmara de ar Quest Airlock (uma) e no módulo europeu Columbus (duas). Quase todo o material para pesquisa científica e alimentos já foi lançado para a estação anteriormente, enquanto a nave transporta itens pessoais para a tripulação e o equipamento necessário. A SpaceX enfatiza que esta é “uma missão completa”: a tripulação é totalmente treinada não apenas para trabalhar na nave, mas também na ISS. No entanto, como sua missão é completamente científica, eles, por exemplo, estão aptos a preparar suas refeições, porém não estão habilitados a fazer reparos do sistema da estação espacial.

Fases de resgate de emergência no lançamento
Trajetória de ascensão
Reentrada prevista do segundo estágio do foguete
Lançamento e pouso na barca-drone
Fases de aproximação e engate com a estação espacial
Fase de desacoplagem e regresso à Terra

O quarteto é a primeira tripulação totalmente privada a visitar a Estação Espacial Internacional; os astronautas privados anteriores voaram como um ou dois indivíduos acompanhados por astronautas do governo conduzindo uma missão de rotina. A Axiom escolheu, para cada voo que organiza, ter como comandante um astronauta aposentado.

Enquanto isso, a SpaceX confirma que está pronta para lançar a espaçonave Freedom da missão Crew-4 (USCV-4) alguns dias após o pouso da espaçonave da Ax-1.

A nave tem 8,10 metros de comprimento e um diâmetro maximo de 3,88 metros na cápsula (3,66 metros no tronco).

A missão Ax-1 será significativa de várias maneiras:

  • Primeiro voo de uma tripulação totalmente privada para a estação espacial
  • Primeira missão tripulada a ser lançada em um foguete de combustível líquido que fará seu 5º voo
  • Primeira missão tripulada a ser lançada em um terceiro voo de uma Crew Dragon
  • Primeiro piloto de nave espacial privada a ir para a estação espacial – no caso, Larry Connor
  • Segundo voo espacial de um astronauta israelense (Eitan Stibbe)
  • Quinta missão espacial do comandante da nave, Michael Lopez-Alegria.
  • Além disso, se tudo correr conforme o cronograma e a próxima missão tripulada (Crew-4) for lançada em 13 dias, este será o menor tempo entre dois voos tripulados dos EUA desde as missões Gemini 7 e 6A em 1965. Um recorde semelhante para o space shuttle, que foi de 16 dias entre voos em 1986 e 1995, também será superado.
Disposição dos astronautas no cockpit
Emblema da missão

Para se preparar para a missão de dez dias, incluindo oito a bordo da ISS, cada tripulante completou treinamento em segurança, saúde, sistemas, operações do local de lançamento, protocolos de emergência e treinamento adicional para cargas úteis de pesquisa e demonstração de tecnologia. A Axiom Space espera que eles possam visitar o segmento russo da estação durante a sua estadia a bordo.

Esquema da Crew Dragon em projeções frontal e lateral : A- Compartimento pressurizado da cápsula da tripulação; B – Cápsula da tripulação , compartimento de serviço; C – ‘Trunk’ , compartimento de carga não pressurizado; 1- escudo térmico; 2- tubeiras dos propulsores SuperDraco (quatro grupos de dois) ; 3- painéis solares ; 4- tubeiras de propulsores Draco (4 x 3) ; 5- adaptador do cone do nariz ; 6- tampa do paraquedas; 7- escotilha principal ; 8- tampas para os pára-quedas principais ; 9- ‘Garra’ de conexão (para energia e controle térmico) ; 10- Radiadores ; 11- Conexão ao sistema de suporte de solo ; 12- Flaps para estabilização de voo se o sistema de resgate de emergência é acionado ; 13- Vigias. (imagem G. De Chiara)

Os tripulantes

Michael López-Alegría é o astronauta-chefe da Axiom Space e comandante da missão Ax-1. É um ex-piloto naval e astronauta da NASA que comandou três missões espaciais em sua carreira; foi membro de quatro voos espaciais e passou um total de 257 dias no espaço, durante os quais fez dez caminhadas espaciais, passando 67 horas e 40 minutos fora da estação.
Lopez-Alegria deixou a NASA em março de 2012. Com a Axiom, ele estará novamente no comando, e será responsável pela gestão da espaçonave Crew Dragon, garantindo a segurança da tripulação. “Este voo histórico marcará um momento decisivo no caminho para o acesso universal ao espaço. Esta será apenas a primeira de muitas missões à ISS da Axiom Space. A aquisição de assentos marca um progresso significativo em direção ao nosso objetivo, e temos o prazer de fazer parceria com a SpaceX nessa direção”, disse o executivo-chefe da Axiom, ex-chefe do programa da ISS na NASA, Michael Suffredini.

Michael López-Alegría

Voou quatro vezes ao espaço, voado nas missões do ônibus espacial STS-73, STS-92 e STS-113, e serviu como Comandante da Expedição 14 da ISS, voando para a ISS a bordo da nave russa Soyuz TMA-9. Ele detém os recordes da NASA para o maior número de atividades extraveiculares (EVA) ou “caminhadas espaciais” e tempo acumulado de EVA (67 horas e 40 minutos). Em 2021, ele foi incluido no Hall da Fama dos Astronautas dos EUA. Seu trabalho na Ax-1 “aproveita sua experiência na exploração espacial tradicional para ajudar a criar uma nova era de voos espaciais tripulados privados”. Anteriormente, López-Alegría foi Presidente da Federação de Voos Espaciais Comerciais e atuou em vários conselhos e comitês consultivos, incluindo o Comitê de Exploração e Operações Humanas do Conselho Consultivo da NASA, o Comitê Consultivo de Transporte Espacial Comercial da FAA e é Presidente do Comitê Internacional da ASTM em Voo Espacial Comercial. Ele também é o ex-presidente da Association of Space Explorers. López-Alegría nasceu em Madrid, Espanha, e emigrou para os Estados Unidos com a família. Seu filho Nicolas (Nico) López-Alegría está atualmente trabalhando em um documentário sobre sua missão.

Larry Connor

Larry Connor: A principal área de pesquisa de Connor será em torno do impacto das viagens espaciais nas células senescentes (células que pararam de se dividir irreversivelmente, mas não morreram) e na saúde do coração. Esse tipo de célula tem sido associado a várias doenças relacionadas à idade. Na Terra, a pesquisa de Connor tende a se concentrar em ressonâncias magnéticas pré- e pós-missão para estudar os efeitos do ambiente do voo espacial nos tecidos espinhal e cerebral.

Empresário imobiliário e de tecnologia de Dayton, Larry Connor, servirá como piloto da missão ; Connor começou a voar em 2007 e já voou 16 aeronaves diferentes, incluindo um caça F-5. É um piloto de helicóptero classificado e cinco vezes vencedor de competições de acrobacias que participou de vários eventos no Campeonato Nacional de Acrobacias dos EUA. O Grupo Connor, fundado em 1992, cresceu de US$ 0 para US$ 3,3 bilhões em ativos. Ao longo do caminho, foi reconhecido como um dos 50 melhores locais de trabalho nacionalmente pela Glassdoor, bem como vencedor de vários prêmios nacionalmente pela Comparably (Melhor Empresa para Mulheres, Melhor Cultura e Melhor Remuneração). O Grupo Connor possui e opera imóveis de luxo em Austin, Nashville, Tampa, Atlanta, Minneapolis, Chicago, Charlotte, Raleigh-Durham, Dallas, Denver, Indianápolis, Columbus, Cincinnati, Louisville e Dayton.

Pilotar a missão Ax-1 é um empreendimento que Connor planeja combinar em órbita com seus esforços sem fins lucrativos e parcerias com renomados especialistas médicos da Mayo Clinic e Cleveland Clinic. “É com isso que estou animado”, disse ele. “Não se trata de ser o piloto. Trata-se de fazer coisas que só podem ser feitas no espaço – experimentos em microgravidade. É uma maneira única de ajudar a humanidade.” Enquanto estiver a bordo da ISS, Connor também pretende proferir aulas de instrução para os alunos da Dayton Early College Academy, uma escola “K-12” reconhecida nacionalmente que produz graduados universitários de primeira geração.

Mark Pathy

Mark Pathy: Pathy trabalhará em parceria com seis universidades canadenses e duas startups de tecnologia, incluindo pesquisas sobre holotransporte bidirecional – um aplicativo de realidade mista para lentes especiais que possui projeções 3D bidirecionais como um holograma para se comunicar. Ele também realizará observações da Terra, pesquisar a Síndrome Neuro-Ocular Associada ao Voo Espacial (uma mudança na nitidez visual experimentada por muitos astronautas) e outros projetos com diferentes universidades.

O empresário de Montreal, Mark Pathy, se tornará o segundo cidadão-astronauta do Canadá, seguindo os passos do co-fundador do Cirque du Soleil, Guy Laliberté, que pagou US$ 35 milhões para voar para a Estação Espacial Internacional em 2009 numa nave russa Soyuz. (Ele será o terceiro se contar William Shatner como cidadão-astronauta por sua estadia de 10 minutos em voo suborbital pela Blue Origin.) Ele tem 52 anos, nascido e criado em Montreal, casado, e pai de três filhos pequenos. Ele é CEO e presidente da Mavrik, uma empresa de investimentos que fundou em 2016 após deixar o cargo de co-CEO da Fednav Ltd, empresa de navegação fundada por seu tio-avô na década de 1940. Ele também é presidente do conselho da Stingray, empresa de mídia de capital aberto na qual a Mavrik tem participação.

Os Pathys (a família é de descendência húngara) entraram no negócio de navegação comprando navios desativados após a Segunda Guerra Mundial. O negócio prosperou desde o início. Os irmãos logo se tornaram parceiros de negócios de pessoas como o ex-primeiro-ministro Paul Martin e se mudaram para o enclave de Westmount, em Montreal. Pathy foi educado na Selwyn House, uma escola particular para meninos em Westmount, onde passou por um breve período de rebeldia (“cinco brincos e um cabelo moicano”). Ele então recebeu um diploma de graduação da Universidade de Toronto e um MBA da INSTAD, antes de assumir um emprego como representante de contas em uma empresa de publicidade. Mas por volta dos 20 anos, Pathy cortou o cabelo, jogou fora os brincos, voltou para Montreal e começou a trabalhar para os negócios da família.

Quando não está trabalhando, Pathy gosta de mergulho, tênis e viagens ousadas. Certa vez, ele viajou pelos Bálcãs e visitou a República Democrática do Congo, para conhecer o ganhador do Prêmio Nobel da Paz Denis Mukwege, ginecologista e pastor pentecostal que recebe dinheiro da Pathy Family Foundation. O Dr. Mukwege recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 2018, juntamente com Nadia Murad, “por seus esforços para acabar com o uso da violência sexual como arma de guerra e conflito armado”; seu financiamento vai para instituições de caridade destinadas a gerar mudanças sociais de longo prazo. Foi para a Axiom que Pathy ligou depois que um amigo lhe contou sobre a missão proposta da empresa para a estação espacial. “Eu teria sido uma das primeiras pessoas a falar com Mark”, lembra López-Alegría. “Ele tinha muitas perguntas sobre segurança. Eu lembro disso.”

Eytan Stibbe

Eytan Stibbe está na tripulação do Axiom-1 em nome da Fundação Ramon e em colaboração com a Agência Espacial de Israel. A Axiom afirmou que durante seu tempo no espaço ele estará realizando experimentos e atividades educacionais para a geração mais jovem em Israel. Há um pouco menos de detalhes sobre os experimentos exatos que Stibbe conduzirá em comparação com seus colegas pesquisadores.

O ex-piloto de caça israelense Eytan Stibbe é o segundo membro da tripulação e vai se tornar o segundo astronauta de Israel. Stibbe é um piloto experimentado que enquanto servia na Força Aérea de Israel, foi apelidado de “Eytan dos quatro abates de aviões” graças a um incidente na primeira guerra do Líbano, quando derrubou quatro aeronaves sírias em uma única surtida. O primeiro astronauta do país foi Ilan Ramon, especialista em carga útil a bordo do ônibus espacial Columbia. Ele e os outros seis tripulantes da NASA foram mortos em 1º de fevereiro de 2003, quando o Columbia se desintegrou durante a reentrada. O empresário israelense pagará milhões de dólares de seu próprio dinheiro para de se tornar um turista espacial. Ele doará o dinheiro para a Fundação Ramon – uma ONG em memória de Ilan Ramon e seu falecido filho Assaf e sua falecida esposa Rona. Esse dinheiro não permanecerá com a fundação, mas será transferido para a Axiom como pagamento pelo voo.
O voo foi possível depois que a Axiom entrou em contato com a Fundação Ramon para obter assistência no estabelecimento de contatos com a indústria espacial local. Além da conexão da Axiom com a Agência Espacial de Israel, a Fundação Ramon também identificou uma oportunidade de enviar um segundo israelense ao espaço. De fato, a fundação iniciou seu processo de arrecadação de dinheiro com o objetivo de escolher um israelense para receber a oportunidade de um voo espacial e entrou em contato com vários candidatos. No final, porém, quem recebeu a homenagem foi Stibbe, membro do conselho de administração da fundação. Essa escolha tornou desnecessário que a entidade arrecadasse dinheiro para o voo, já que Stibbe conseguiu pagar sua passagem.

Stibbe, 62 anos, é um empresário internacional que ganhou a maior parte de seu dinheiro com negócios na África. Após sua dispensa da força aérea no início da década de 1980, ele foi por um curto período um consultor externo da Israel Aerospace Industries para seu projeto de caça Lavi. Em 1985, iniciou o Grupo LR com dois de seus amigos do esquadrão, Ami Lustig e Roy Ben Yami. Stibbe dedica a maior parte de seu tempo hoje ao Vital Capital Fund, uma fundação para investimentos na África com ênfase em empreendimentos sociais. A fundação investe em agricultura, hospitais, infraestrutura urbana e energia renovável. Além disso, ele é ativo em filantropia. Stibbe, casado e com três filhos, é cunhado do ex-diretor geral do Ministério da Fazenda, Yarom Ariav. No que diz respeito à Fundação Ramon, “esta é uma contribuição valiosa e sem precedentes para promover tanto a indústria espacial privada quanto a educação espacial em Israel”.

Contratos com a NASA

A espaçonave em configuração de lançamento, com a capota do nariz fechada

A missão exigiu que a Axiom fizesse um arranjo de acordos com parceiros, incluindo SpaceX, o Johnson Space Center, o Kennedy Space Center e outros. O acordo com a NASA é apenas uma peça do arranjo.
O acordo cobre itens como comida e água para os tripulantes, tempo dos astronautas para preparar a estação para a visita do veículo e outros custos associados à visita, disseram representantes da NASA e da Axiom durante uma entrevista coletiva. O texto completo do acordo não foi disponibilizado ao público.
Os custos incorporados ao acordo foram determinados em 2019, quando a NASA anunciou pela primeira vez que estaria disposta a receber até dois voos particulares de astronautas para a estação por ano, cada um por até 30 dias. Na época, funcionários da NASA estimaram que uma visita poderia custar cerca de US$ 35.000 por dia.
Entre esse esquema de preços, o acordo que não representa uma contabilidade abrangente dos custos da missão e a NASA pagando à Axiom pela capacidade de armazenamento no voo de volta à Terra para cargas úteis científicas que devem permanecer em baixas temperaturas, o acordo resultou na NASA pagando à Axiom um saldo de US$ 1,69 milhão.
No entanto, o Ax-1 será a única missão a voar com essas ‘taxas de barganha’. No final de abril passado, a NASA atualizou seus preços para visitas à estação espacial. De acordo com as informações, o aumento de custos foi dramático.
Sob a política antiga, o suporte de vida e suprimentos de tripulação para uma missão hipotética de quatro pessoas e uma semana à ISS custaria US$ 945.000, um valor que não inclui armazenamento, coleta de dados ou eletricidade. Sob a nova política, os encargos de carga, alimentos e suprimentos para a mesma missão seriam mais de US$ 2,5 milhões na extremidade inferior das faixas de custo citadas, mais US$ 10 milhões em taxas por missão.
Essa mudança de preço se deve à Axiom e outras empresas semelhantes que desejam mais visitas à estação espacial do que a NASA pode suportar, segundo funcionários da agência.

Espaçonave em configuração orbital, com a capota aberta

“Estamos vendo muito interesse em missões de astronautas particulares”, disse Angela Hart, gerente de desenvolvimento comercial de órbita terrestre baixa no Centro Espacial Johnson em Houston, durante uma entrevista coletiva.
“Neste momento, a demanda supera o que realmente acreditamos que serão as oportunidades na estação”, disse ela, especificando que a falta de equilíbrio entre oferta e demanda foi o motivo pelo qual a agência atualizou seu procedimento de visita a missões comerciais, a fim de deixar claro o tempo na estação espacial “é um recurso limitado”.

Foguete separado em seu ‘core’ de primeiro estágio, segundo estágio com saia adaptadora e espaçonave. O foguete tem altura de 65,78 metros, massa no lançamento de 549.054 kg e um diâmetro médio de 3,66 metros.

Turistas
Suffredini também disse que a Axiom Space espera fazer voos regulares de turistas espaciais para a ISS no futuro. “Gostaríamos de voar pelo menos duas vezes por ano, e já temos planos para o segundo, terceiro e quarto voo com turistas”, disse, adiantando que a concretização destas intenções dependerá da disponibilidade de transporte e da capacidade da ISS em receber visitantes.
Ao mesmo tempo, o chefe da Axiom Space observou que a empresa quer construir sua estação espacial, conforme planejado em outros acordos com a NASA.
Isso significa que a empresa terá acesso à porta frontal no módulo Harmony e poderá usá-la para construir uma estação espacial comercial que eventualmente substituirá a própria ISS.

Em 2020, como parte da iniciativa cislunar Next Space Technologies for Exploration Partnership (NextSTEP – num período de pedidos de até sete anos, consistindo de um período-base de cinco anos e uma opção de mais dois), a NASA concedeu à Axiom um contrato de US$ 140 milhões para oferecer pelo menos uma espaçonave habitável para ser anexada à Estação Espacial Internacional. A Axiom foi a única proposta selecionada do processo de solicitação com vencimento em 2019. A Bigelow Aerospace não apresentou uma proposta e posteriormente cessou os trabalhos.
Os módulos construídos pela Axiom são projetados para serem conectados à porta frontal do módulo Harmony com a intenção de demonstrar a capacidade de oferecer serviços e produtos comercialmente em órbita terrestre. O “Segmento Axiom” foi planejado, a partir de janeiro de 2020, para incluir um módulo multiporta para atuar como um conector, uma instalação de pesquisa e fabricação, um habitat da tripulação e um módulo de “janelas grandes” para visualização da Terra.

“A NASA mais uma vez reconheceu o trabalho árduo, talento e experiência dos habitantes de Houston à medida que expandimos a Estação Espacial Internacional e promovemos oportunidades comerciais no espaço”, disse o senador John Cornyn, do Texas. “Estou orgulhoso de que a Axiom continuará a construir sobre o legado do Texas de liderar a nação na exploração espacial humana.”

Essa seleção é um passo significativo para permitir o desenvolvimento de destinos comerciais independentes que atendam às necessidades de longo prazo da NASA em órbita terrestre baixa, além da vida útil da estação espacial, e continuem a promover o crescimento de uma economia robusta em órbita terrestre baixa.
“O anúncio do acordo é um passo empolgante e bem-vindo nos esforços para comercializar a órbita da Terra”, disse o senador Ted Cruz, do Texas. A Estação Espacial é, e continuará sendo, para o desenvolvimento de novas tecnologias para a órbita e além, e para continuar a liderança da América no espaço. Parabéns à Axiom Space por este prêmio emocionante – Houston é conhecida como “Space City” por um motivo, e estou ansioso para que esta grande empresa da Space City e a NASA transformem este anúncio em realidade.”

O desenvolvimento de destinos comerciais na órbita da Terra é um dos cinco elementos do plano da NASA para abrir a Estação Espacial a novas oportunidades comerciais e de marketing. Os outros elementos do plano incluem esforços para disponibilizar recursos da estação e sua tripulação para uso comercial por meio de uma nova política de preços; permitir missões de astronautas particulares para a estação; buscar oportunidades para estimular a demanda sustentável e de longo prazo por esses serviços; e quantificar a demanda de longo prazo da NASA para atividades em órbita baixa da Terra.

“O trabalho da Axiom para desenvolver um ‘destino comercial’ no espaço é um passo crítico para a NASA atender às suas necessidades de longo prazo para treinamento de astronautas, pesquisa científica e demonstrações de tecnologia em órbita”, disse o administrador da NASA à época, Jim Bridenstine. “Estamos transformando a maneira como a agência trabalha com a indústria para beneficiar a economia global e avançar na exploração espacial”.

A agência continuará precisando de pesquisas e testes de microgravidade em órbita baixa para permitir futuras missões à Lua e a Marte, incluindo a chegada da ‘primeira mulher e do próximo homem’ à Lua com a missão Artemis III como parte da exploração lunar da agência.

A Axiom esteve recentemente no noticiário por intermediar um assento de última hora para a NASA a bordo da espaçonave russa Soyuz MS-18. O astronauta da NASA Mark Vande Hei ocupou aquele assento, juntando-se aos cosmonautas russos Oleg Novitskiy e Pyotr Dubrov; o trio passou 355 dias em órbita. Em troca, a NASA levará um astronauta da seleção da Axiom em um veículo comercial dos EUA em 2023.

Estação espacial privada

Se Michael Suffredini pretende reduzir o preço da primeira estação espacial privada para US$ 3 bilhões – em comparação com os US$ 100 bilhões que custou para construir a ISS ele tem algumas decisões a tomar sobre o que fazer, por exemplo o que terceirizar e o que construir internamente.
“Construir um penico é um conceito simples”, disse Suffredini enquanto usava botas de cowboy e um blazer na frente de uma maquete de isopor de um banheiro espacial que pode extrair água da urina para reutilização. “Mas é uma coisa difícil de fazer.” Perto dali, uma equipe trabalhava em torno de uma réplica de madeira da concha hexagonal da estação, com diagramas e esboços afixados no interior de compensado.

A Axiom, fundada em 2016 por Suffredini e o empresário espacial Kam Ghaffarian, destaca-se entre as poucas ‘startups’ espaciais que tentam construir a primeira estação espacial comercial, e não apenas por causa da carreira de 30 anos dele na NASA, que incluiu uma década gerenciando o programa da ISS.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Axiom Ax-1, primeira tripulação comercial, decola hoje para a ISS

Missão privada lançará astronauta e três turistas em nave da SpaceX

Foguete B1062.5 na plataforma 39A

As equipes da SpaceX, Axiom Space e NASA concluíram o teste de prontidão da missão Ax-1 para a estação espacial internacional ISS. O lançamento está previsto para hoje, 8 de abril de 2022 às 12:17, horário de Brasília (15:17 UTC), com a chegada à ISS em 9 de abril às 11:45 UTC (08:45 Brasilia). Os tripulantes da Ax-1, o comandante hispano-americano Michael López-Alegría, o piloto americano Larry Connor, os especialistas de missão Eytan Stibbe de Israel e Mark Pathy do Canadá, tem sua decolagem programada a partir da LC-39A em Cabo Canaveral, e será feita com o foguete-portador Falcon 9 v1.2 FT Block 5 número B1062.5, a bordo da espaçonave Crew Dragon Endeavour C206, reutilizável, em seu terceiro voo para a estação.

Durante a missão de 10 dias, oito dos quais serão passados a bordo da ISS, a tripulação fará mais de 25 experimentos científicos e demonstrações de tecnologia desenvolvidas para ambiente de microgravidade.

Compêndio do Homem do Espaço sobre a nave Crew Dragon

A meteorologia prevê, para a data principal de lançamento, um clima de 90% “go” (aprovado), desde o local de decolagem e pelo no corredor de vôo do foguete. Existem restrições de ondas, raios e ventos em certas zonas de abortamento, mas o tempo em geral está favorável. O navio de apoio Shannon (GO Navigator) agora está fundeado próximo à costa da cidade de Tampa para apoiar as operações das missões AX-1 e Crew-4 no Golfo do México.

CONTAGEM REGRESSIVA

Todos os tempos são aproximados

hh:  min:  s:           Evento

  • 00:45:00  – O  diretor de lançamento da SpaceX verifica o abastecimento de propelente
  • 00:42:00 – Braço de acesso da tripulação se retrai
  • 00:37:00  – O sistema de escape de lançamento do Dragon está armado
  • 00:35:00 – O abastecimento de RP-1 (querosene de grau de foguete) é regulado
  • 00:35:00  – O carregamento do 1º estágio com LOX (oxigênio líquido) começa
  • 00:16:00   – O carregamento de LOX do 2º estágio começa
  • 00:07:00  –  Falcon 9 inicia resfriamento dos motores (chilldown) antes do lançamento
  • 00:05:00    – Transição da Crew Dragon para energia interna
  • 00:01:00 – Computador de voo habilita comando para decolagem as verificações finais de pré-lançamento
  • 00:01:00 – A pressurização dos tanques de propelente para a pressão de voo é regulada e conferida
  • 00:00:45-  Diretor de lançamento da SpaceX verifica o lançamento
  • 00:00:03   – O controlador comanda a sequência de ignição dos motores para decolagem
  • 00:00:00- Decolagem do Falcon 9

LANÇAMENTO, ATERRISSAGEM DO FOGUETE E LIBERAÇÃO DA ESPAÇONAVE

Todos os tempos são aproximados

hh:  min:  s:           Evento

  • 00:01:02   – Max Q (momento de máximo de estresse mecânico no foguete)
  • 00:02:35 – Corte dos motores principais do 1º estágio (MECO)
  • 00:02:39   – primeiro e segundo estágios separados
  • 00:02:46 – Ignição dos motores do 2º estágio
  • 00:07:25    – Começa a queima de entrada do 1º estágio
  • 00:08:48    – Corte do motor do 2º estágio (SECO-1)
  • 00:09:02- Começa a queima de pouso do 1º estágio
  • 00:09:29- Pouso do primeiro estágio
  • 00:12:07- Crew Dragon se separa do 2º estágio
  • 00:12:55- A sequência aberta do nariz do Dragon começa

Previsão do tempo para lançamento para as datas principal e reservas
A previsão do tempo indica 90% de possibilidade para 8 de abril; 80% para o dia 9 e acima de 90% para a outra data-reserva, dia 10 de abril. Os riscos de de vento de cisalhamento ao nível superior, o risco de recuperação no corredor de subida e retorno do ‘core’ de primeiro estágio são todos moderados para o dia 8. O risco de vento de cisalhamento de nível superior é moderado para 9 de abril. O risco de recuperação do corredor de subida e a recuperação do estágio e o risco climático é alto para o dia 9, enquanto que risco de recuperação do corredor de subida é moderado para 10 de abril. Todos os outros critérios de risco adicionais são baixos.

O ‘core’ de primeiro estágio B1062.5 deverá pousar na barca-drone A Shortfall of Gravitas, que estará estacionada a cerca de 500 km do Cabo Canaveral, tendo como embarcações auxilares os Doug (rebocador), Shannon e Megan.

Pathy, Connor, L-Alegria e Stibbe

A espaçonave irá acoplar no sistema de engate IDA-2 do módulo Harmony na ISS, e a tripulação dormirá na própria espaçonave Endeavour (uma pessoa), na câmara de ar Quest Airlock (uma) e no módulo europeu Columbus (duas). Quase todo o material para pesquisa científica e alimentos já foi lançado para a estação anteriormente, enquanto a nave transporta itens pessoais para a tripulação e o equipamento necessário. A SpaceX enfatiza que esta é “uma missão completa”: a tripulação é totalmente treinada não apenas para trabalhar na nave, mas também na ISS. No entanto, como sua missão é completamente científica, eles, por exemplo, estão aptos a preparar suas refeições, porém não estão habilitados a fazer reparos do sistema da estação espacial.

Fases de resgate de emergência no lançamento
Trajetória de ascensão
Reentrada prevista do segundo estágio do foguete
Lançamento e pouso na barca-drone
Fases de aproximação e engate com a estação espacial
Fase de desacoplagem e regresso à Terra
A nave tem 8,10 metros de comprimento e um diâmetro maximo de 3,88 metros na cápsula (3,66 metros no tronco).

O quarteto será a primeira tripulação totalmente privada a visitar a Estação Espacial Internacional; os astronautas privados anteriores voaram como um ou dois indivíduos acompanhados por astronautas do governo conduzindo uma missão de rotina. A Axiom escolheu, para cada voo que organiza, ter como comandante um astronauta aposentado.

Enquanto isso, a SpaceX confirma que está pronta para lançar a espaçonave Freedom da missão Crew-4 (USCV-4) alguns dias após o pouso da espaçonave da Ax-1.

A missão Ax-1 será significativa de várias maneiras:

  • Primeiro voo de uma tripulação totalmente privada para a estação espacial
  • Primeira missão tripulada a ser lançada em um foguete de combustível líquido que fará seu 5º voo
  • Primeira missão tripulada a ser lançada em um terceiro voo de uma Crew Dragon
  • Primeiro piloto de nave espacial privada a ir para a estação espacial – no caso, Larry Connor
  • Segundo voo espacial de um astronauta israelense (Eitan Stibbe)
  • Quinta missão espacial do comandante da nave, Michael Lopez-Alegria.
  • Além disso, se tudo correr conforme o cronograma e a próxima missão tripulada (Crew-4) for lançada em 13 dias, este será o menor tempo entre dois voos tripulados dos EUA desde as missões Gemini 7 e 6A em 1965. Um recorde semelhante para o space shuttle, que foi de 16 dias entre voos em 1986 e 1995, também será superado.
Disposição dos astronautas no cockpit
Emblema da missão

Para se preparar para a missão de dez dias, incluindo oito a bordo da ISS, cada tripulante completou treinamento em segurança, saúde, sistemas, operações do local de lançamento, protocolos de emergência e treinamento adicional para cargas úteis de pesquisa e demonstração de tecnologia. A Axiom Space espera que eles possam visitar o segmento russo da estação durante a sua estadia a bordo.

Esquema da Crew Dragon em projeções frontal e lateral : A- Compartimento pressurizado da cápsula da tripulação; B – Cápsula da tripulação , compartimento de serviço; C – ‘Trunk’ , compartimento de carga não pressurizado; 1- escudo térmico; 2- tubeiras dos propulsores SuperDraco (quatro grupos de dois) ; 3- painéis solares ; 4- tubeiras de propulsores Draco (4 x 3) ; 5- adaptador do cone do nariz ; 6- tampa do paraquedas; 7- escotilha principal ; 8- tampas para os pára-quedas principais ; 9- ‘Garra’ de conexão (para energia e controle térmico) ; 10- Radiadores ; 11- Conexão ao sistema de suporte de solo ; 12- Flaps para estabilização de voo se o sistema de resgate de emergência é acionado ; 13- Vigias. (imagem G. De Chiara)

Os tripulantes

Michael López-Alegría é o astronauta-chefe da Axiom Space e comandante da missão Ax-1. É um ex-piloto naval e astronauta da NASA que comandou três missões espaciais em sua carreira; foi membro de quatro voos espaciais e passou um total de 257 dias no espaço, durante os quais fez dez caminhadas espaciais, passando 67 horas e 40 minutos fora da estação.
Lopez-Alegria deixou a NASA em março de 2012. Com a Axiom, ele estará novamente no comando, e será responsável pela gestão da espaçonave Crew Dragon, garantindo a segurança da tripulação. “Este voo histórico marcará um momento decisivo no caminho para o acesso universal ao espaço. Esta será apenas a primeira de muitas missões à ISS da Axiom Space. A aquisição de assentos marca um progresso significativo em direção ao nosso objetivo, e temos o prazer de fazer parceria com a SpaceX nessa direção”, disse o executivo-chefe da Axiom, ex-chefe do programa da ISS na NASA, Michael Suffredini.

Michael López-Alegría

Voou quatro vezes ao espaço, voado nas missões do ônibus espacial STS-73, STS-92 e STS-113, e serviu como Comandante da Expedição 14 da ISS, voando para a ISS a bordo da nave russa Soyuz TMA-9. Ele detém os recordes da NASA para o maior número de atividades extraveiculares (EVA) ou “caminhadas espaciais” e tempo acumulado de EVA (67 horas e 40 minutos). Em 2021, ele foi incluido no Hall da Fama dos Astronautas dos EUA. Seu trabalho na Ax-1 “aproveita sua experiência na exploração espacial tradicional para ajudar a criar uma nova era de voos espaciais tripulados privados”. Anteriormente, López-Alegría foi Presidente da Federação de Voos Espaciais Comerciais e atuou em vários conselhos e comitês consultivos, incluindo o Comitê de Exploração e Operações Humanas do Conselho Consultivo da NASA, o Comitê Consultivo de Transporte Espacial Comercial da FAA e é Presidente do Comitê Internacional da ASTM em Voo Espacial Comercial. Ele também é o ex-presidente da Association of Space Explorers. López-Alegría nasceu em Madrid, Espanha, e emigrou para os Estados Unidos com a família. Seu filho Nicolas (Nico) López-Alegría está atualmente trabalhando em um documentário sobre sua missão.

Larry Connor

Larry Connor: A principal área de pesquisa de Connor será em torno do impacto das viagens espaciais nas células senescentes (células que pararam de se dividir irreversivelmente, mas não morreram) e na saúde do coração. Esse tipo de célula tem sido associado a várias doenças relacionadas à idade. Na Terra, a pesquisa de Connor tende a se concentrar em ressonâncias magnéticas pré- e pós-missão para estudar os efeitos do ambiente do voo espacial nos tecidos espinhal e cerebral.

Empresário imobiliário e de tecnologia de Dayton, Larry Connor, servirá como piloto da missão ; Connor começou a voar em 2007 e já voou 16 aeronaves diferentes, incluindo um caça F-5. É um piloto de helicóptero classificado e cinco vezes vencedor de competições de acrobacias que participou de vários eventos no Campeonato Nacional de Acrobacias dos EUA. O Grupo Connor, fundado em 1992, cresceu de US$ 0 para US$ 3,3 bilhões em ativos. Ao longo do caminho, foi reconhecido como um dos 50 melhores locais de trabalho nacionalmente pela Glassdoor, bem como vencedor de vários prêmios nacionalmente pela Comparably (Melhor Empresa para Mulheres, Melhor Cultura e Melhor Remuneração). O Grupo Connor possui e opera imóveis de luxo em Austin, Nashville, Tampa, Atlanta, Minneapolis, Chicago, Charlotte, Raleigh-Durham, Dallas, Denver, Indianápolis, Columbus, Cincinnati, Louisville e Dayton.

Pilotar a missão Ax-1 é um empreendimento que Connor planeja combinar em órbita com seus esforços sem fins lucrativos e parcerias com renomados especialistas médicos da Mayo Clinic e Cleveland Clinic. “É com isso que estou animado”, disse ele. “Não se trata de ser o piloto. Trata-se de fazer coisas que só podem ser feitas no espaço – experimentos em microgravidade. É uma maneira única de ajudar a humanidade.” Enquanto estiver a bordo da ISS, Connor também pretende proferir aulas de instrução para os alunos da Dayton Early College Academy, uma escola “K-12” reconhecida nacionalmente que produz graduados universitários de primeira geração.

Mark Pathy

Mark Pathy: Pathy trabalhará em parceria com seis universidades canadenses e duas startups de tecnologia, incluindo pesquisas sobre holotransporte bidirecional – um aplicativo de realidade mista para lentes especiais que possui projeções 3D bidirecionais como um holograma para se comunicar. Ele também realizará observações da Terra, pesquisar a Síndrome Neuro-Ocular Associada ao Voo Espacial (uma mudança na nitidez visual experimentada por muitos astronautas) e outros projetos com diferentes universidades.

O empresário de Montreal, Mark Pathy, se tornará o segundo cidadão-astronauta do Canadá, seguindo os passos do co-fundador do Cirque du Soleil, Guy Laliberté, que pagou US$ 35 milhões para voar para a Estação Espacial Internacional em 2009 numa nave russa Soyuz. (Ele será o terceiro se contar William Shatner como cidadão-astronauta por sua estadia de 10 minutos em voo suborbital pela Blue Origin.) Ele tem 52 anos, nascido e criado em Montreal, casado, e pai de três filhos pequenos. Ele é CEO e presidente da Mavrik, uma empresa de investimentos que fundou em 2016 após deixar o cargo de co-CEO da Fednav Ltd, empresa de navegação fundada por seu tio-avô na década de 1940. Ele também é presidente do conselho da Stingray, empresa de mídia de capital aberto na qual a Mavrik tem participação.

Os Pathys (a família é de descendência húngara) entraram no negócio de navegação comprando navios desativados após a Segunda Guerra Mundial. O negócio prosperou desde o início. Os irmãos logo se tornaram parceiros de negócios de pessoas como o ex-primeiro-ministro Paul Martin e se mudaram para o enclave de Westmount, em Montreal. Pathy foi educado na Selwyn House, uma escola particular para meninos em Westmount, onde passou por um breve período de rebeldia (“cinco brincos e um cabelo moicano”). Ele então recebeu um diploma de graduação da Universidade de Toronto e um MBA da INSTAD, antes de assumir um emprego como representante de contas em uma empresa de publicidade. Mas por volta dos 20 anos, Pathy cortou o cabelo, jogou fora os brincos, voltou para Montreal e começou a trabalhar para os negócios da família.

Quando não está trabalhando, Pathy gosta de mergulho, tênis e viagens ousadas. Certa vez, ele viajou pelos Bálcãs e visitou a República Democrática do Congo, para conhecer o ganhador do Prêmio Nobel da Paz Denis Mukwege, ginecologista e pastor pentecostal que recebe dinheiro da Pathy Family Foundation. O Dr. Mukwege recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 2018, juntamente com Nadia Murad, “por seus esforços para acabar com o uso da violência sexual como arma de guerra e conflito armado”; seu financiamento vai para instituições de caridade destinadas a gerar mudanças sociais de longo prazo. Foi para a Axiom que Pathy ligou depois que um amigo lhe contou sobre a missão proposta da empresa para a estação espacial. “Eu teria sido uma das primeiras pessoas a falar com Mark”, lembra López-Alegría. “Ele tinha muitas perguntas sobre segurança. Eu lembro disso.”

Eytan Stibbe

Eytan Stibbe está na tripulação do Axiom-1 em nome da Fundação Ramon e em colaboração com a Agência Espacial de Israel. A Axiom afirmou que durante seu tempo no espaço ele estará realizando experimentos e atividades educacionais para a geração mais jovem em Israel. Há um pouco menos de detalhes sobre os experimentos exatos que Stibbe conduzirá em comparação com seus colegas pesquisadores.

O ex-piloto de caça israelense Eytan Stibbe é o segundo membro da tripulação e vai se tornar o segundo astronauta de Israel. Stibbe é um piloto experimentado que enquanto servia na Força Aérea de Israel, foi apelidado de “Eytan dos quatro abates de aviões” graças a um incidente na primeira guerra do Líbano, quando derrubou quatro aeronaves sírias em uma única surtida. O primeiro astronauta do país foi Ilan Ramon, especialista em carga útil a bordo do ônibus espacial Columbia. Ele e os outros seis tripulantes da NASA foram mortos em 1º de fevereiro de 2003, quando o Columbia se desintegrou durante a reentrada. O empresário israelense pagará milhões de dólares de seu próprio dinheiro para de se tornar um turista espacial. Ele doará o dinheiro para a Fundação Ramon – uma ONG em memória de Ilan Ramon e seu falecido filho Assaf e sua falecida esposa Rona. Esse dinheiro não permanecerá com a fundação, mas será transferido para a Axiom como pagamento pelo voo.
O voo foi possível depois que a Axiom entrou em contato com a Fundação Ramon para obter assistência no estabelecimento de contatos com a indústria espacial local. Além da conexão da Axiom com a Agência Espacial de Israel, a Fundação Ramon também identificou uma oportunidade de enviar um segundo israelense ao espaço. De fato, a fundação iniciou seu processo de arrecadação de dinheiro com o objetivo de escolher um israelense para receber a oportunidade de um voo espacial e entrou em contato com vários candidatos. No final, porém, quem recebeu a homenagem foi Stibbe, membro do conselho de administração da fundação. Essa escolha tornou desnecessário que a entidade arrecadasse dinheiro para o voo, já que Stibbe conseguiu pagar sua passagem.

Stibbe, 62 anos, é um empresário internacional que ganhou a maior parte de seu dinheiro com negócios na África. Após sua dispensa da força aérea no início da década de 1980, ele foi por um curto período um consultor externo da Israel Aerospace Industries para seu projeto de caça Lavi. Em 1985, iniciou o Grupo LR com dois de seus amigos do esquadrão, Ami Lustig e Roy Ben Yami. Stibbe dedica a maior parte de seu tempo hoje ao Vital Capital Fund, uma fundação para investimentos na África com ênfase em empreendimentos sociais. A fundação investe em agricultura, hospitais, infraestrutura urbana e energia renovável. Além disso, ele é ativo em filantropia. Stibbe, casado e com três filhos, é cunhado do ex-diretor geral do Ministério da Fazenda, Yarom Ariav. No que diz respeito à Fundação Ramon, “esta é uma contribuição valiosa e sem precedentes para promover tanto a indústria espacial privada quanto a educação espacial em Israel”.

A espaçonave em configuração de lançamento, com a capota do nariz fechada

Contratos com a NASA

A missão exigiu que a Axiom fizesse um arranjo de acordos com parceiros, incluindo SpaceX, o Johnson Space Center, o Kennedy Space Center e outros. O acordo com a NASA é apenas uma peça do arranjo.
O acordo cobre itens como comida e água para os tripulantes, tempo dos astronautas para preparar a estação para a visita do veículo e outros custos associados à visita, disseram representantes da NASA e da Axiom durante uma entrevista coletiva. O texto completo do acordo não foi disponibilizado ao público.
Os custos incorporados ao acordo foram determinados em 2019, quando a NASA anunciou pela primeira vez que estaria disposta a receber até dois voos particulares de astronautas para a estação por ano, cada um por até 30 dias. Na época, funcionários da NASA estimaram que uma visita poderia custar cerca de US$ 35.000 por dia.
Entre esse esquema de preços, o acordo que não representa uma contabilidade abrangente dos custos da missão e a NASA pagando à Axiom pela capacidade de armazenamento no voo de volta à Terra para cargas úteis científicas que devem permanecer em baixas temperaturas, o acordo resultou na NASA pagando à Axiom um saldo de US$ 1,69 milhão.
No entanto, o Ax-1 será a única missão a voar com essas ‘taxas de barganha’. No final de abril passado, a NASA atualizou seus preços para visitas à estação espacial. De acordo com as informações, o aumento de custos foi dramático.
Sob a política antiga, o suporte de vida e suprimentos de tripulação para uma missão hipotética de quatro pessoas e uma semana à ISS custaria US$ 945.000, um valor que não inclui armazenamento, coleta de dados ou eletricidade. Sob a nova política, os encargos de carga, alimentos e suprimentos para a mesma missão seriam mais de US$ 2,5 milhões na extremidade inferior das faixas de custo citadas, mais US$ 10 milhões em taxas por missão.
Essa mudança de preço se deve à Axiom e outras empresas semelhantes que desejam mais visitas à estação espacial do que a NASA pode suportar, segundo funcionários da agência.

Espaçonave em configuração orbital, com a capota aberta

“Estamos vendo muito interesse em missões de astronautas particulares”, disse Angela Hart, gerente de desenvolvimento comercial de órbita terrestre baixa no Centro Espacial Johnson em Houston, durante uma entrevista coletiva.
“Neste momento, a demanda supera o que realmente acreditamos que serão as oportunidades na estação”, disse ela, especificando que a falta de equilíbrio entre oferta e demanda foi o motivo pelo qual a agência atualizou seu procedimento de visita a missões comerciais, a fim de deixar claro o tempo na estação espacial “é um recurso limitado”.

Turistas
Suffredini também disse que a Axiom Space espera fazer voos regulares de turistas espaciais para a ISS no futuro. “Gostaríamos de voar pelo menos duas vezes por ano, e já temos planos para o segundo, terceiro e quarto voo com turistas”, disse, adiantando que a concretização destas intenções dependerá da disponibilidade de transporte e da capacidade da ISS em receber visitantes.
Ao mesmo tempo, o chefe da Axiom Space observou que a empresa quer construir sua estação espacial, conforme planejado em outros acordos com a NASA.
Isso significa que a empresa terá acesso à porta frontal no módulo Harmony e poderá usá-la para construir uma estação espacial comercial que eventualmente substituirá a própria ISS.

Em 2020, como parte da iniciativa cislunar Next Space Technologies for Exploration Partnership (NextSTEP – num período de pedidos de até sete anos, consistindo de um período-base de cinco anos e uma opção de mais dois), a NASA concedeu à Axiom um contrato de US$ 140 milhões para oferecer pelo menos uma espaçonave habitável para ser anexada à Estação Espacial Internacional. A Axiom foi a única proposta selecionada do processo de solicitação com vencimento em 2019. A Bigelow Aerospace não apresentou uma proposta e posteriormente cessou os trabalhos.
Os módulos construídos pela Axiom são projetados para serem conectados à porta frontal do módulo Harmony com a intenção de demonstrar a capacidade de oferecer serviços e produtos comercialmente em órbita terrestre. O “Segmento Axiom” foi planejado, a partir de janeiro de 2020, para incluir um módulo multiporta para atuar como um conector, uma instalação de pesquisa e fabricação, um habitat da tripulação e um módulo de “janelas grandes” para visualização da Terra.

“A NASA mais uma vez reconheceu o trabalho árduo, talento e experiência dos habitantes de Houston à medida que expandimos a Estação Espacial Internacional e promovemos oportunidades comerciais no espaço”, disse o senador John Cornyn, do Texas. “Estou orgulhoso de que a Axiom continuará a construir sobre o legado do Texas de liderar a nação na exploração espacial humana.”

Tripulantes em foto de divulgação

Essa seleção é um passo significativo para permitir o desenvolvimento de destinos comerciais independentes que atendam às necessidades de longo prazo da NASA em órbita terrestre baixa, além da vida útil da estação espacial, e continuem a promover o crescimento de uma economia robusta em órbita terrestre baixa.
“O anúncio do acordo é um passo empolgante e bem-vindo nos esforços para comercializar a órbita da Terra”, disse o senador Ted Cruz, do Texas. A Estação Espacial é, e continuará sendo, para o desenvolvimento de novas tecnologias para a órbita e além, e para continuar a liderança da América no espaço. Parabéns à Axiom Space por este prêmio emocionante – Houston é conhecida como “Space City” por um motivo, e estou ansioso para que esta grande empresa da Space City e a NASA transformem este anúncio em realidade.”

Foguete separado em seu ‘core’ de primeiro estágio, segundo estágio com saia adaptadora e espaçonave. O foguete tem altura de 65,78 metros, massa no lançamento de 549.054 kg e um diâmetro médio de 3,66 metros.

O desenvolvimento de destinos comerciais na órbita da Terra é um dos cinco elementos do plano da NASA para abrir a Estação Espacial a novas oportunidades comerciais e de marketing. Os outros elementos do plano incluem esforços para disponibilizar recursos da estação e sua tripulação para uso comercial por meio de uma nova política de preços; permitir missões de astronautas particulares para a estação; buscar oportunidades para estimular a demanda sustentável e de longo prazo por esses serviços; e quantificar a demanda de longo prazo da NASA para atividades em órbita baixa da Terra.

“O trabalho da Axiom para desenvolver um ‘destino comercial’ no espaço é um passo crítico para a NASA atender às suas necessidades de longo prazo para treinamento de astronautas, pesquisa científica e demonstrações de tecnologia em órbita”, disse o administrador da NASA à época, Jim Bridenstine. “Estamos transformando a maneira como a agência trabalha com a indústria para beneficiar a economia global e avançar na exploração espacial”.

A agência continuará precisando de pesquisas e testes de microgravidade em órbita baixa para permitir futuras missões à Lua e a Marte, incluindo a chegada da ‘primeira mulher e do próximo homem’ à Lua com a missão Artemis III como parte da exploração lunar da agência.

A Axiom esteve recentemente no noticiário por intermediar um assento de última hora para a NASA a bordo da espaçonave russa Soyuz MS-18. O astronauta da NASA Mark Vande Hei ocupou aquele assento, juntando-se aos cosmonautas russos Oleg Novitskiy e Pyotr Dubrov; o trio passou 355 dias em órbita. Em troca, a NASA levará um astronauta da seleção da Axiom em um veículo comercial dos EUA em 2023.

Tripulação em treinamento de cabine

Estação espacial privada

Se Michael Suffredini pretende reduzir o preço da primeira estação espacial privada para US$ 3 bilhões – em comparação com os US$ 100 bilhões que custou para construir a ISS ele tem algumas decisões a tomar sobre o que fazer, por exemplo o que terceirizar e o que construir internamente.
“Construir um penico é um conceito simples”, disse Suffredini enquanto usava botas de cowboy e um blazer na frente de uma maquete de isopor de um banheiro espacial que pode extrair água da urina para reutilização. “Mas é uma coisa difícil de fazer.” Perto dali, uma equipe trabalhava em torno de uma réplica de madeira da concha hexagonal da estação, com diagramas e esboços afixados no interior de compensado.

Projeto da estação comercial da Axiom

A Axiom, fundada em 2016 por Suffredini e o empresário espacial Kam Ghaffarian, destaca-se entre as poucas ‘startups’ espaciais que tentam construir a primeira estação espacial comercial, e não apenas por causa da carreira de 30 anos dele na NASA, que incluiu uma década gerenciando o programa da ISS.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Rússia lança Kosmos 2554

Satélite ‘Lotos S-1’ é parte de sistema de escuta eletrônica

Satélite Lotos S-1

Na quinta-feira, 7 de abril de 2022, às 14:20:18.321, horário de Moscou (08:20 Brasília), do plataforma nº 3 da Área nº 43 do cosmódromo de teste estatal do Ministério da Defesa da Federação Russa (Cosmódromo de Plesetsk , região de Arkhangelsk), a tripulação de combate do Forças Aeroespaciais russas lançaram com sucesso o foguete de classe média Soyuz-2.1b com uma espaçonave do interesse do Ministério da Defesa da Rússia , anunciou o departamento. O satélite é um Lotos S-1 (14F145 “Lotos-S1” No. 806), e recebeu o número de série “Cosmos-2554”. O aparelho entrou em órbita inicial de 239 km x 900 km, inclinada em 67,1 graus; A espaçonave deve usar seu motor principal para elevar o perigeu e entrar numa órbita circular de 900 km.

Foguete Soyuz 2.1b

A Lotos S-1 é uma espaçonave equipada com sistemas de escuta eletrônica que faz parte de um programa militar ‘Liana’, destinado a oferecer dados estratégicos para as forças armadas da Federação Russa.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Primeira tripulação comercial, da Axiom Space, deve partir amanhã para a estação espacial internacional

Empresa lançará astronauta-chefe e três turistas em nave da SpaceX

A Axiom Space, de Houston, deve lançar quatro homens ao espaço na espaçonave Crew Dragon Endeavour C206 para a ISS, com horário de decolagem previsto para sexta-feira, 08 de abril de 2022 às 15:17 UTC (12:17 Brasilia). A SpaceX realizou a contagem regressiva de teste e, em seguida, testou os motores do 1º estágio do foguete ontem às 14h EDT (18:00 UTC) e tudo correu como previsto.

A decolagem a partir da LC-39A em Cabo Canaveral será feita com o foguete-portador será o Falcon 9 Block 5 número B1062.5, e a missão é denominada Ax-1.

Previsão do tempo para lançamento do Falcon 9 B1062.3 Axiom-1 Ax-1 para as datas principal e reservas
Data
8 de abril de 2022 = 70%
9 de abril de 2022 = 80%
10 de abril de 2022 = acima de 90%

O ‘core’ de primeiro estágio B1062.5 deverá pousar na barca-drone A Shortfall of Gravitas, que estará estacionada a cerca de 500 km do Cabo Canaveral, tendo como embarcações auxilares os Doug (rebocador) Shannon e Megan.

Pathy, Connor, L-Alegria e Stibbe

Originalmente planejada para o final de 2021 e atrasada de 21 de fevereiro a 30 de março, a missão foi mais uma vez adiada para não antes de domingo, 3 de abril. Isso foi feito para garantir “espaçamento apropriado para operações e revisões de dados pós-voo entre missões e permitir tentativas consecutivas de lançamento com base na mecânica orbital para encontro com a estação espacial”, a NASA e a SpaceX optaram por atrasar a quarta missão oficial de astronautas numa Crew Dragon , a Crew-4, de 15 de abril para 19 de abril. De acordo com a NASA e a Axiom, a missão foi adiada para “permitir que as equipes concluíssem o processamento final da espaçonave”.

A nave tem 8,10 metros de comprimento e um diâmetro maximo de 3,88 metros na cápsula (3,66 metros no tronco).

A tripulação é composta pelo comandante Michael López-Alegría dos EUA/Espanha, o piloto americano Larry Connor, o especialista de missão israelense Eytan Stibbe e o especialista de missão canadense Mark Pathy. Quanto cada passageiro pagou pelo voo não é de conhecimento público. “Geralmente não falamos sobre os pagamentos específicos que nossos clientes fazem”, disse o CEO da Axiom, Michael Suffredini, durante a coletiva de imprensa.

O quarteto será a primeira tripulação totalmente privada a visitar a Estação Espacial Internacional; os astronautas privados anteriores voaram como um ou dois indivíduos acompanhados por astronautas do governo conduzindo uma missão de rotina. A Axiom escolheu, para cada voo que organiza, ter como comandante um astronauta aposentado.

Disposição dos astronautas no cockpit

Para se preparar para a missão de dez dias, incluindo oito a bordo da ISS, cada tripulante completou treinamento em segurança, saúde, sistemas, operações do local de lançamento, protocolos de emergência e treinamento adicional para cargas úteis de pesquisa e demonstração de tecnologia. Enquanto estiverem na estação, os astronautas da Ax-1 completarão mais de 25 experimentos científicos e demonstrações de tecnologia. A Ax-1 é uma “missão de desbravamento” para a Axiom Station da Axiom Space, proposta como a primeira estação espacial comercial do mundo. A Axiom Space espera que eles possam visitar o segmento russo da estação durante a sua estadia a bordo. O anúncio foi feito durante um briefing por telefone sobre o voo, do CEO da empresa. “Estamos trabalhando para garantir que toda a estação seja acessível à nossa tripulação. Quanto ao segmento russo, depende do que será incluído no programa da missão. O astronauta profissional Michael Lopez-Alegria, que já esteve lá, conhece os sistemas, e esperamos que isso convença nossos parceiros para lhes dar a oportunidade de visitar o segmento russo”, disse.

Teste estático dos motores do Falcon 9

Os tripulantes

Michael López-Alegría é o astronauta-chefe da Axiom Space e comandante da missão Ax-1. É um ex-piloto naval e astronauta da NASA que comandou três missões espaciais em sua carreira; foi membro de quatro voos espaciais e passou um total de 257 dias no espaço, durante os quais fez dez caminhadas espaciais, passando 67 horas e 40 minutos fora da estação.
Lopez-Alegria deixou a NASA em março de 2012. Com a Axiom, ele estará novamente no comando, e será responsável pela gestão da espaçonave Crew Dragon, garantindo a segurança da tripulação. “Este voo histórico marcará um momento decisivo no caminho para o acesso universal ao espaço. Esta será apenas a primeira de muitas missões à ISS da Axiom Space. A aquisição de assentos marca um progresso significativo em direção ao nosso objetivo, e temos o prazer de fazer parceria com a SpaceX nessa direção”, disse o executivo-chefe da Axiom, ex-chefe do programa da ISS na NASA, Michael Suffredini.

Michael López-Alegría

Voou quatro vezes ao espaço, voado nas missões do ônibus espacial STS-73, STS-92 e STS-113, e serviu como Comandante da Expedição 14 da ISS, voando para a ISS a bordo da nave russa Soyuz TMA-9. Ele detém os recordes da NASA para o maior número de atividades extraveiculares (EVA) ou “caminhadas espaciais” e tempo acumulado de EVA (67 horas e 40 minutos). Em 2021, ele foi incluido no Hall da Fama dos Astronautas dos EUA. Seu trabalho na Ax-1 “aproveita sua experiência na exploração espacial tradicional para ajudar a criar uma nova era de voos espaciais tripulados privados”. Anteriormente, López-Alegría foi Presidente da Federação de Voos Espaciais Comerciais e atuou em vários conselhos e comitês consultivos, incluindo o Comitê de Exploração e Operações Humanas do Conselho Consultivo da NASA, o Comitê Consultivo de Transporte Espacial Comercial da FAA e é Presidente do Comitê Internacional da ASTM em Voo Espacial Comercial. Ele também é o ex-presidente da Association of Space Explorers. López-Alegría nasceu em Madrid, Espanha, e emigrou para os Estados Unidos com a família. Seu filho Nicolas (Nico) López-Alegría está atualmente trabalhando em um documentário sobre sua missão.

Experimentos

Larry Connor

Larry Connor: A principal área de pesquisa de Connor será em torno do impacto das viagens espaciais nas células senescentes (células que pararam de se dividir irreversivelmente, mas não morreram) e na saúde do coração. Esse tipo de célula tem sido associado a várias doenças relacionadas à idade. Na Terra, a pesquisa de Connor tende a se concentrar em ressonâncias magnéticas pré- e pós-missão para estudar os efeitos do ambiente do voo espacial nos tecidos espinhal e cerebral.

Empresário imobiliário e de tecnologia de Dayton, Larry Connor, servirá como piloto da missão ; Connor começou a voar em 2007 e já voou 16 aeronaves diferentes, incluindo um caça F-5. É um piloto de helicóptero classificado e cinco vezes vencedor de competições de acrobacias que participou de vários eventos no Campeonato Nacional de Acrobacias dos EUA. O Grupo Connor, fundado em 1992, cresceu de US$ 0 para US$ 3,3 bilhões em ativos. Ao longo do caminho, foi reconhecido como um dos 50 melhores locais de trabalho nacionalmente pela Glassdoor, bem como vencedor de vários prêmios nacionalmente pela Comparably (Melhor Empresa para Mulheres, Melhor Cultura e Melhor Remuneração). O Grupo Connor possui e opera apartamentos de luxo em Austin, Nashville, Tampa, Atlanta, Minneapolis, Chicago, Charlotte, Raleigh-Durham, Dallas, Denver, Indianápolis, Columbus, Cincinnati, Louisville e Dayton.

Pilotar a missão Ax-1 é um empreendimento que Connor planeja combinar em órbita com seus esforços sem fins lucrativos e parcerias com renomados especialistas médicos da Mayo Clinic e Cleveland Clinic. “É com isso que estou animado”, disse ele. “Não se trata de ser o piloto. Trata-se de fazer coisas que só podem ser feitas no espaço – experimentos em microgravidade. É uma maneira única de ajudar a humanidade.” Enquanto estiver a bordo da ISS, Connor também pretende proferir aulas de instrução para os alunos da Dayton Early College Academy, uma escola “K-12” reconhecida nacionalmente que produz graduados universitários de primeira geração.

Mark Pathy

Mark Pathy: Pathy trabalhará em parceria com seis universidades canadenses e duas startups de tecnologia, incluindo pesquisas sobre holotransporte bidirecional – um aplicativo de realidade mista para lentes especiais que possui projeções 3D bidirecionais como um holograma para se comunicar. Ele também realizará observações da Terra, pesquisar a Síndrome Neuro-Ocular Associada ao Voo Espacial (uma mudança na nitidez visual experimentada por muitos astronautas) e outros projetos com diferentes universidades.

O empresário de Montreal, Mark Pathy, se tornará o segundo cidadão-astronauta do Canadá, seguindo os passos do co-fundador do Cirque du Soleil, Guy Laliberté, que pagou US$ 35 milhões para voar para a Estação Espacial Internacional em 2009 numa nave russa Soyuz. (Ele será o terceiro se contar William Shatner como cidadão-astronauta por sua estadia de 10 minutos em voo suborbital pela Blue Origin.) Ele tem 52 anos, nascido e criado em Montreal, casado, e pai de três filhos pequenos. Ele é CEO e presidente da Mavrik, uma empresa de investimentos que fundou em 2016 após deixar o cargo de co-CEO da Fednav Ltd, empresa de navegação fundada por seu tio-avô na década de 1940. Ele também é presidente do conselho da Stingray, empresa de mídia de capital aberto na qual a Mavrik tem participação.

Os Pathys (a família é de descendência húngara) entraram no negócio de navegação comprando navios desativados após a Segunda Guerra Mundial. O negócio prosperou desde o início. Os irmãos logo se tornaram parceiros de negócios de pessoas como o ex-primeiro-ministro Paul Martin e se mudaram para o enclave de Westmount, em Montreal. Pathy foi educado na Selwyn House, uma escola particular para meninos em Westmount, onde passou por um breve período de rebeldia (“cinco brincos e um cabelo moicano”). Ele então recebeu um diploma de graduação da Universidade de Toronto e um MBA da INSTAD, antes de assumir um emprego como representante de contas em uma empresa de publicidade. Mas por volta dos 20 anos, Pathy cortou o cabelo, jogou fora os brincos, voltou para Montreal e começou a trabalhar para os negócios da família.

Quando não está trabalhando, Pathy gosta de mergulho, tênis e viagens ousadas. Certa vez, ele viajou pelos Bálcãs e visitou a República Democrática do Congo, para conhecer o ganhador do Prêmio Nobel da Paz Denis Mukwege, ginecologista e pastor pentecostal que recebe dinheiro da Pathy Family Foundation. O Dr. Mukwege recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 2018, juntamente com Nadia Murad, “por seus esforços para acabar com o uso da violência sexual como arma de guerra e conflito armado”; seu financiamento vai para instituições de caridade destinadas a gerar mudanças sociais de longo prazo. Foi para a Axiom que Pathy ligou depois que um amigo lhe contou sobre a missão proposta da empresa para a estação espacial. “Eu teria sido uma das primeiras pessoas a falar com Mark”, lembra López-Alegría. “Ele tinha muitas perguntas sobre segurança. Eu lembro disso.”

Pathy também se lembra dessas primeiras conversas. “Fiquei intrigado quando ouvi falar da Axiom, mas honestamente não achei que iria a lugar algum. Eu esperava descobrir que era uma coisa de longo prazo, como colocar seu nome para um voo para Marte. “Quanto mais eu olhava para a empresa, quanto mais eu falava com eles, mais eu pensava ‘esses caras estão realmente fazendo isso. Isso não é uma piada’. O dia em que percebi que poderia realmente ir para o espaço – foi uma surpresa.”

Eytan Stibbe

Eytan Stibbe está na tripulação do Axiom-1 em nome da Fundação Ramon e em colaboração com a Agência Espacial de Israel. A Axiom afirmou que durante seu tempo no espaço ele estará realizando experimentos e atividades educacionais para a geração mais jovem em Israel. Há um pouco menos de detalhes sobre os experimentos exatos que Stibbe conduzirá em comparação com seus colegas pesquisadores.

O ex-piloto de caça israelense Eytan Stibbe é o segundo membro da tripulação e vai se tornar o segundo astronauta de Israel. Stibbe é um piloto experimentado que enquanto servia na Força Aérea de Israel, foi apelidado de “Eytan dos quatro abates de aviões” graças a um incidente na primeira guerra do Líbano, quando derrubou quatro aeronaves sírias em uma única surtida. O primeiro astronauta do país foi Ilan Ramon, especialista em carga útil a bordo do ônibus espacial Columbia. Ele e os outros seis tripulantes da NASA foram mortos em 1º de fevereiro de 2003, quando o Columbia se desintegrou durante a reentrada. O empresário israelense pagará milhões de dólares de seu próprio dinheiro para de se tornar um turista espacial. Ele doará o dinheiro para a Fundação Ramon – uma ONG em memória de Ilan Ramon e seu falecido filho Assaf e sua falecida esposa Rona. Esse dinheiro não permanecerá com a fundação, mas será transferido para a Axiom como pagamento pelo voo.
O voo foi possível depois que a Axiom entrou em contato com a Fundação Ramon para obter assistência no estabelecimento de contatos com a indústria espacial local. Além da conexão da Axiom com a Agência Espacial de Israel, a Fundação Ramon também identificou uma oportunidade de enviar um segundo israelense ao espaço. De fato, a fundação iniciou seu processo de arrecadação de dinheiro com o objetivo de escolher um israelense para receber a oportunidade de um voo espacial e entrou em contato com vários candidatos. No final, porém, quem recebeu a homenagem foi Stibbe, membro do conselho de administração da fundação. Essa escolha tornou desnecessário que a entidade arrecadasse dinheiro para o voo, já que Stibbe conseguiu pagar sua passagem.

Foguete na plataforma 39A

Stibbe, 62 anos, é um empresário internacional que ganhou a maior parte de seu dinheiro com negócios na África. Após sua dispensa da força aérea no início da década de 1980, ele foi por um curto período um consultor externo da Israel Aerospace Industries para seu projeto de caça Lavi. Em 1985, iniciou o Grupo LR com dois de seus amigos do esquadrão, Ami Lustig e Roy Ben Yami. Stibbe dedica a maior parte de seu tempo hoje ao Vital Capital Fund, uma fundação para investimentos na África com ênfase em empreendimentos sociais. A fundação investe em agricultura, hospitais, infraestrutura urbana e energia renovável. Além disso, ele é ativo em filantropia. Stibbe, casado e com três filhos, é cunhado do ex-diretor geral do Ministério da Fazenda, Yarom Ariav.

A Fundação Ramon disse : “Eytan Stibbe está pagando os custos do voo e tudo relacionado aos preparativos. Eytan não está voando por lazer, ele está doando as 200 horas em que estará no espaço para realizar experimentos. Formamos um comitê independente liderado por Inbal Kreiss, escolhido de forma justa e transparente, e também faremos transmissões em hebraico do espaço para crianças, pela primeira vez. “Eytan também está doando os custos de transporte e armazenamento dos equipamentos para os experimentos que serão escolhidos. No que diz respeito à Fundação Ramon, esta é uma contribuição valiosa e sem precedentes para promover tanto a indústria espacial privada quanto a educação espacial em Israel.

Foguete instalado na plataforma, após o teste estático

Contratos com a NASA

A missão exigiu que a Axiom fizesse um arranjo de acordos com parceiros, incluindo SpaceX, o Johnson Space Center, o Kennedy Space Center e outros. O acordo com a NASA é apenas uma peça do arranjo.
O acordo cobre itens como comida e água para os tripulantes, tempo dos astronautas para preparar a estação para a visita do veículo e outros custos associados à visita, disseram representantes da NASA e da Axiom durante uma entrevista coletiva. O texto completo do acordo não foi disponibilizado ao público.
Os custos incorporados ao acordo foram determinados em 2019, quando a NASA anunciou pela primeira vez que estaria disposta a receber até dois voos particulares de astronautas para a estação por ano, cada um por até 30 dias. Na época, funcionários da NASA estimaram que uma visita poderia custar cerca de US$ 35.000 por dia.
Entre esse esquema de preços, o acordo que não representa uma contabilidade abrangente dos custos da missão e a NASA pagando à Axiom pela capacidade de armazenamento no voo de volta à Terra para cargas úteis científicas que devem permanecer em baixas temperaturas, o acordo resultou na NASA pagando à Axiom um saldo de US$ 1,69 milhão.
No entanto, o Ax-1 será a única missão a voar com essas ‘taxas de barganha’. No final de abril passado, a NASA atualizou seus preços para visitas à estação espacial. De acordo com as informações, o aumento de custos foi dramático.
Sob a política antiga, o suporte de vida e suprimentos de tripulação para uma missão hipotética de quatro pessoas e uma semana à ISS custaria US$ 945.000, um valor que não inclui armazenamento, coleta de dados ou eletricidade. Sob a nova política, os encargos de carga, alimentos e suprimentos para a mesma missão seriam mais de US$ 2,5 milhões na extremidade inferior das faixas de custo citadas, mais US$ 10 milhões em taxas por missão.
Essa mudança de preço se deve à Axiom e outras empresas semelhantes que desejam mais visitas à estação espacial do que a NASA pode suportar, segundo funcionários da agência.

Connor e Lopez-Alegria nos ensaios, a bordo da cabine da espaçonave

“Estamos vendo muito interesse em missões de astronautas particulares”, disse Angela Hart, gerente de desenvolvimento comercial de órbita terrestre baixa no Centro Espacial Johnson em Houston, durante uma entrevista coletiva.
“Neste momento, a demanda supera o que realmente acreditamos que serão as oportunidades na estação”, disse ela, especificando que a falta de equilíbrio entre oferta e demanda foi o motivo pelo qual a agência atualizou seu procedimento de visita a missões comerciais, a fim de deixar claro o tempo na estação espacial “é um recurso limitado”.

Turistas
Suffredini também disse que a Axiom Space espera fazer voos regulares de turistas espaciais para a ISS no futuro. “Gostaríamos de voar pelo menos duas vezes por ano, e já temos planos para o segundo, terceiro e quarto voo com turistas”, disse, adiantando que a concretização destas intenções dependerá da disponibilidade de transporte e da capacidade da ISS em receber visitantes.
Ao mesmo tempo, o chefe da Axiom Space observou que a empresa quer construir sua estação espacial, conforme planejado em outros acordos com a NASA.
Isso significa que a empresa terá acesso à porta frontal no módulo Harmony e poderá usá-la para construir uma estação espacial comercial que eventualmente substituirá a própria ISS.

Em 2020, como parte da iniciativa cislunar Next Space Technologies for Exploration Partnership (NextSTEP – num período de pedidos de até sete anos, consistindo de um período-base de cinco anos e uma opção de mais dois), a NASA concedeu à Axiom um contrato de US$ 140 milhões para oferecer pelo menos uma espaçonave habitável para ser anexada à Estação Espacial Internacional. A Axiom foi a única proposta selecionada do processo de solicitação com vencimento em 2019. A Bigelow Aerospace não apresentou uma proposta e posteriormente cessou os trabalhos.
Os módulos construídos pela Axiom são projetados para serem conectados à porta frontal do módulo Harmony com a intenção de demonstrar a capacidade de oferecer serviços e produtos comercialmente em órbita terrestre. O “Segmento Axiom” foi planejado, a partir de janeiro de 2020, para incluir um módulo multiporta para atuar como um conector, uma instalação de pesquisa e fabricação, um habitat da tripulação e um módulo de “janelas grandes” para visualização da Terra.

“A NASA mais uma vez reconheceu o trabalho árduo, talento e experiência dos habitantes de Houston à medida que expandimos a Estação Espacial Internacional e promovemos oportunidades comerciais no espaço”, disse o senador John Cornyn, do Texas. “Estou orgulhoso de que a Axiom continuará a construir sobre o legado do Texas de liderar a nação na exploração espacial humana.”

Tripulantes em foto de divulgação

Essa seleção é um passo significativo para permitir o desenvolvimento de destinos comerciais independentes que atendam às necessidades de longo prazo da NASA em órbita terrestre baixa, além da vida útil da estação espacial, e continuem a promover o crescimento de uma economia robusta em órbita terrestre baixa.
“O anúncio do acordo é um passo empolgante e bem-vindo nos esforços para comercializar a órbita da Terra”, disse o senador Ted Cruz, do Texas. A Estação Espacial é, e continuará sendo, para o desenvolvimento de novas tecnologias para a órbita e além, e para continuar a liderança da América no espaço. Parabéns à Axiom Space por este prêmio emocionante – Houston é conhecida como “Space City” por um motivo, e estou ansioso para que esta grande empresa da Space City e a NASA transformem este anúncio em realidade.”

Foguete separado em seu ‘core’ de primeiro estágio, segundo estágio com saia adaptadora e espaçonave. O foguete tem altura de 65,78 metros, massa no lançamento de 549.054 kg e um diâmetro médio de 3,66 metros.

O desenvolvimento de destinos comerciais na órbita da Terra é um dos cinco elementos do plano da NASA para abrir a Estação Espacial a novas oportunidades comerciais e de marketing. Os outros elementos do plano incluem esforços para disponibilizar recursos da estação e sua tripulação para uso comercial por meio de uma nova política de preços; permitir missões de astronautas particulares para a estação; buscar oportunidades para estimular a demanda sustentável e de longo prazo por esses serviços; e quantificar a demanda de longo prazo da NASA para atividades em órbita baixa da Terra.

“O trabalho da Axiom para desenvolver um ‘destino comercial’ no espaço é um passo crítico para a NASA atender às suas necessidades de longo prazo para treinamento de astronautas, pesquisa científica e demonstrações de tecnologia em órbita”, disse o administrador da NASA à época, Jim Bridenstine. “Estamos transformando a maneira como a agência trabalha com a indústria para beneficiar a economia global e avançar na exploração espacial”.

A agência continuará precisando de pesquisas e testes de microgravidade em órbita baixa para permitir futuras missões à Lua e a Marte, incluindo a chegada da ‘primeira mulher e do próximo homem’ à Lua com a missão Artemis III como parte da exploração lunar da agência.

Fases de resgate de emergência no lançamento
Trajetória de ascensão
Reentrada prevista do segundo estágio do foguete
Lançamento e pouso na barca-drone
Fases de aproximação e engate com a estação espacial
Aproximação e acoplagem
Fase de desacoplagem e regresso à Terra

A Axiom esteve recentemente no noticiário por intermediar um assento de última hora para a NASA a bordo da espaçonave russa Soyuz MS-18. O astronauta da NASA Mark Vande Hei ocupou aquele assento, juntando-se aos cosmonautas russos Oleg Novitskiy e Pyotr Dubrov; o trio passou 355 dias em órbita. Em troca, a NASA levará um astronauta da seleção da Axiom em um veículo comercial dos EUA em 2023.

Tripulação em treinamento de cabine

Estação espacial privada

Se Michael Suffredini pretende reduzir o preço da primeira estação espacial privada para US$ 3 bilhões – em comparação com os US$ 100 bilhões que custou para construir a ISS ele tem algumas decisões a tomar sobre o que fazer, por exemplo o que terceirizar e o que construir internamente.
“Construir um penico é um conceito simples”, disse Suffredini enquanto usava botas de cowboy e um blazer na frente de uma maquete de isopor de um banheiro espacial que pode extrair água da urina para reutilização. “Mas é uma coisa difícil de fazer.” Perto dali, uma equipe trabalhava em torno de uma réplica de madeira da concha hexagonal da estação, com diagramas e esboços afixados no interior de compensado.

Projeto da estação comercial da Axiom

A Axiom, fundada em 2016 por Suffredini e o empresário espacial Kam Ghaffarian, destaca-se entre as poucas ‘startups’ espaciais que tentam construir a primeira estação espacial comercial, e não apenas por causa da carreira de 30 anos de dele na NASA, que incluiu uma década gerenciando o programa da ISS.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Axiom: Primeira tripulação comercial deve partir para a ISS na sexta-feira

Axiom enviará seu astronauta-chefe e três turistas a bordo de nave da SpaceX

A empresa espacial americana Axiom Space, sediada em Houston, deve lançar quatro pessoas ao espaço a bordo da espaçonave Crew Dragon Endeavour C206 para a estação espacial internacional, com horário de lançamento previsto para sexta-feira, 08 de abril de 2022 às 15:17 UTC 12:17 Brasilia, decolando da LC-39A em Cabo Canaveral. O foguete-portador será o Falcon 9 v1.2 FT número B1062.5 e a missão é denominada Ax-1.

O primeiro estágio B1062.5 deverá pousar na balsa-drone A Shortfall of Gravitas, que está estacionada a cerca de 500 km de distância do Cabo Canaveral, tendo como navios auxilares os Doug (rebocador) Shannon e Megan.

Previsão do tempo para lançamento do Falcon 9 B1062.3 Axiom-1 Ax-1 para as datas principal e reservas
Dia
8 de abril de 2022 = 70%
9 de abril de 2022 = 80%
10 de abril de 2022 = >90%

Originalmente planejado para o final de 2021 e atrasada de 21 de fevereiro a 30 de março, a missão foi mais uma vez adiada para não antes de 17:13 UTC de domingo, 3 de abril. Em resposta, para garantir “espaçamento apropriado para operações e revisões de dados pós-voo entre missões tripuladas e para permitir várias tentativas consecutivas de lançamento com base na mecânica orbital para encontro com a estação espacial”, a NASA e a SpaceX optaram por atrasar a quarta missão operacional de astronautas numa Crew Dragon , a Crew-4, de 15 de abril às 10:45 UTC para 19 de abril. De acordo com a NASA e a Axiom, a missão foi adiada de modo a “permitir que as equipes concluíssem o processamento final da espaçonave”.

A tripulação de quatro pessoas é composta pelo comandante Michael López-Alegría dos EUA/Espanha, o piloto Larry Connor dos EUA, o especialista de missão Eytan Stibbe de Israel e o especialista da missão Mark Pathy do Canadá. Quanto cada passageiro pagou pela experiência não é de conhecimento público. “Geralmente não falamos sobre os pagamentos específicos que nossos clientes fazem”, disse o CEO da Axiom, Michael Suffredini, durante a coletiva de imprensa. “Tem sido amplamente divulgado como números na casa das dezenas de milhões, os quais eu não discutiria, mas geralmente não falamos sobre os preços específicos”. O quarteto será a primeira tripulação totalmente privada a visitar a Estação Espacial Internacional; os astronautas privados anteriores voaram como um ou dois indivíduos acompanhados por astronautas do governo conduzindo uma missão de rotina. A Axiom escolheu, para cada voo planejado que organiza, ser liderado por um astronauta aposentado para aumentar o conforto com o arranjo.

No início de 2020, a Axiom anunciou o contrato com a SpaceX para lançar quatro pessoas a bordo de uma Crew Dragon para a ISS e após meses de treinamento, a ‘Ax-1 Crew’ entrou na quarentena prevista no cronograma. Para marcar o estágio final de preparação, a Axiom divulgou fotos da tripulação em seus trajes leves de voo. Completaram centenas de horas de treinamento excedendo os requisitos da NASA.

Espaçonave Crew Dragon pesa cerca de 12.500 kg e tem 8,3 metros de comprimento e 3,88 m de diâmetro

Para se preparar para a missão de 10 dias, incluindo oito a bordo da ISS, cada tripulante completou treinamento em segurança, saúde, sistemas da ISS, operações do local de lançamento, protocolos de emergência e treinamento adicional para cargas úteis de pesquisa e demonstração de tecnologia. Enquanto estiverem na estação, os astronautas da Ax-1 completarão mais de 25 experimentos científicos e demonstrações de tecnologia. A missão Ax-1 é uma missão de desbravamento para a Axiom Station da Axiom Space, a primeira estação espacial comercial do mundo.

Disposição dos astronautas no cockpit

Lopez-Alegria é um ex-piloto naval e astronauta da NASA que comandou três missões espaciais em sua carreira; foi membro de quatro voos espaciais e passou um total de 257 dias no espaço, durante os quais fez dez caminhadas espaciais, passando 67 horas e 40 minutos fora da estação.
Lopez-Alegria deixou a NASA em março de 2012. Com a Axiom, ele estará novamente no comando, e será responsável pela gestão da espaçonave Crew Dragon, garantindo a segurança da tripulação. “Este voo histórico marcará um momento decisivo no caminho para o acesso universal ao espaço. Esta será apenas a primeira de muitas missões à ISS da Axiom Space. A aquisição de assentos marca um progresso significativo em direção ao nosso objetivo, e temos o prazer de fazer parceria com a SpaceX nessa direção”, disse o executivo-chefe da Axiom, ex-chefe do programa da ISS na NASA, Michael Suffredini.

Espaçonave na frente do foguete

A Axiom Space espera que eles possam visitar o segmento russo da estação durante a sua estadia a bordo. O anúncio foi feito durante um briefing por telefone sobre o voo, do CEO da empresa. “Estamos trabalhando para garantir que toda a estação seja acessível à nossa tripulação. Quanto ao segmento russo, depende do que será incluído no programa da missão. O astronauta profissional Michael Lopez-Alegria, que já esteve lá, conhece os sistemas, e esperamos que isso convença nossos parceiros para lhes dar a oportunidade de visitar o segmento russo”, disse.

Michael López-Alegría

Michael López-Alegría é o astronauta-chefe da Axiom Space e comandante da missão Ax-1. Voou quatro vezes ao espaço, voado nas missões do ônibus espacial STS-73, STS-92 e STS-113, e serviu como Comandante da Expedição 14 da ISS, voando para a ISS a bordo da nave russa Soyuz TMA-9. Ele detém os recordes da NASA para o maior número de atividades extraveiculares (EVA) ou “caminhadas espaciais” e tempo acumulado de EVA (67 horas e 40 minutos). Em 2021, ele foi incluido no Hall da Fama dos Astronautas dos EUA. Seu trabalho na Ax-1 “aproveita sua experiência na exploração espacial tradicional para ajudar a criar uma nova era de voos espaciais tripulados privados”. Anteriormente, López-Alegría foi Presidente da Federação de Voos Espaciais Comerciais e atuou em vários conselhos e comitês consultivos, incluindo o Comitê de Exploração e Operações Humanas do Conselho Consultivo da NASA, o Comitê Consultivo de Transporte Espacial Comercial da FAA e é Presidente do Comitê Internacional da ASTM em Voo Espacial Comercial. Ele também é o ex-presidente da Association of Space Explorers. López-Alegría nasceu em Madrid, Espanha, e emigrou para os Estados Unidos com a família. Seu filho Nicolas (Nico) López-Alegría está atualmente trabalhando em um documentário sobre sua missão.

Experimentos

Larry Connor

Larry Connor: A principal área de pesquisa de Connor será em torno do impacto das viagens espaciais nas células senescentes (células que pararam de se dividir irreversivelmente, mas não morreram) e na saúde do coração. Esse tipo de célula tem sido associado a várias doenças relacionadas à idade. Na Terra, a pesquisa de Connor tende a se concentrar em ressonâncias magnéticas pré- e pós-missão para estudar os efeitos do ambiente do voo espacial nos tecidos espinhal e cerebral.

O empresário imobiliário e de tecnologia de Dayton, Larry Connor, servirá como piloto da missão ; Connor começou a voar em 2007 e já voou 16 aeronaves diferentes, incluindo um caça F-5. É um piloto de helicóptero classificado e cinco vezes vencedor de competições de acrobacias que participou de vários eventos no Campeonato Nacional de Acrobacias dos EUA. O Grupo Connor, fundado em 1992, cresceu de US$ 0 para US$ 3,3 bilhões em ativos. Ao longo do caminho, foi reconhecido como um dos 50 melhores locais de trabalho nacionalmente pela Glassdoor, bem como vencedor de vários prêmios nacionalmente pela Comparably (Melhor Empresa para Mulheres, Melhor Cultura e Melhor Remuneração). O Grupo Connor possui e opera apartamentos de luxo em Austin, Nashville, Tampa, Atlanta, Minneapolis, Chicago, Charlotte, Raleigh-Durham, Dallas, Denver, Indianápolis, Columbus, Cincinnati, Louisville e Dayton.

Pilotar a histórica missão Ax-1 é um empreendimento que Connor planeja combinar em órbita com seus esforços sem fins lucrativos e parcerias com renomados especialistas médicos da Mayo Clinic e Cleveland Clinic. “É com isso que estou animado”, disse ele. “Não se trata de ser o piloto. Trata-se de fazer coisas que só podem ser feitas no espaço – experimentos em microgravidade. É uma maneira única de ajudar a humanidade.” Enquanto estiver a bordo da ISS, Connor também pretende proferir aulas de instrução para os alunos da Dayton Early College Academy, uma escola “K-12” reconhecida nacionalmente que produz graduados universitários de primeira geração.

Mark Pathy

Mark Pathy: Pathy trabalhará em parceria com seis universidades canadenses e duas startups de tecnologia, incluindo pesquisas sobre holotransporte bidirecional – um aplicativo de realidade mista para lentes especiais que possui projeções 3D bidirecionais como um holograma para se comunicar. Ele também realizará observações da Terra, pesquisar a Síndrome Neuro-Ocular Associada ao Voo Espacial (uma mudança na nitidez visual experimentada por muitos astronautas) e outros projetos com diferentes universidades.

O empresário de Montreal, Mark Pathy, se tornará o segundo cidadão-astronauta do Canadá, seguindo os passos do co-fundador do Cirque du Soleil, Guy Laliberté, que pagou US$ 35 milhões para voar para a Estação Espacial Internacional em 2009 numa nave russa Soyuz. (Ele será o terceiro se contar William Shatner como cidadão-astronauta por sua estadia de 10 minutos em voo suborbital pela Blue Origin.) Ele tem 52 anos, nascido e criado em Montreal, casado, e pai de três filhos pequenos. Ele é CEO e presidente da Mavrik, uma empresa de investimentos que fundou em 2016 após deixar o cargo de co-CEO da Fednav Ltd, empresa de navegação fundada por seu tio-avô na década de 1940. Ele também é presidente do conselho da Stingray, empresa de mídia de capital aberto na qual a Mavrik tem participação.

Os Pathys (a família é de descendência húngara) entraram no negócio de navegação comprando navios desativados após a Segunda Guerra Mundial. O negócio prosperou desde o início. Os irmãos logo se tornaram parceiros de negócios de pessoas como o ex-primeiro-ministro Paul Martin e se mudaram para o enclave de Westmount, em Montreal. Pathy foi educado na Selwyn House, uma escola particular para meninos em Westmount, onde passou por um breve período de rebeldia (“cinco brincos e um cabelo moicano”). Ele então recebeu um diploma de graduação da Universidade de Toronto e um MBA da INSTAD, antes de assumir um emprego como representante de contas em uma empresa de publicidade. Mas por volta dos 20 anos, Pathy cortou o cabelo, jogou fora os brincos, voltou para Montreal e começou a trabalhar para os negócios da família.

Quando não está trabalhando, Pathy gosta de mergulho, tênis e viagens ousadas. Certa vez, ele viajou pelos Bálcãs e visitou a República Democrática do Congo, para conhecer o ganhador do Prêmio Nobel da Paz Denis Mukwege, ginecologista e pastor pentecostal que recebe dinheiro da Pathy Family Foundation. (O Dr. Mukwege recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 2018, juntamente com Nadia Murad, “por seus esforços para acabar com o uso da violência sexual como arma de guerra e conflito armado”.) seu financiamento em instituições de caridade destinadas a gerar mudanças sociais de longo prazo. Foi para a Axiom que Pathy ligou depois que um amigo lhe contou sobre a missão proposta da empresa para a estação espacial. “Eu teria sido uma das primeiras pessoas a falar com Mark”, lembra López-Alegría. “Ele tinha muitas perguntas sobre segurança. Eu lembro disso.”

Pathy também se lembra dessas primeiras conversas. “Fiquei intrigado quando ouvi falar da Axiom, mas honestamente não achei que iria a lugar algum. Eu esperava descobrir que era uma coisa de longo prazo, como colocar seu nome para um voo para Marte. “Quanto mais eu olhava para a empresa, quanto mais eu falava com eles, mais eu pensava ‘esses caras estão realmente fazendo isso. Isso não é uma piada’. O dia em que percebi que poderia realmente ir para o espaço – foi uma surpresa.”

Eytan Stibbe

Eytan Stibbe está na tripulação do Axiom-1 em nome da Fundação Ramon e em colaboração com a Agência Espacial de Israel. A Axiom afirmou que durante seu tempo no espaço ele estará realizando experimentos e atividades educacionais para a geração mais jovem em Israel. Há um pouco menos de detalhes sobre os experimentos exatos que Stibbe conduzirá em comparação com seus colegas pesquisadores.

O ex-piloto de caça israelense Eytan Stibbe é o segundo membro da tripulação e vai se tornar o segundo astronauta de Israel. Stibbe é um piloto experimentado que enquanto servia na Força Aérea de Israel, foi apelidado de “Eytan dos quatro abates de aviões” graças a um incidente na primeira guerra do Líbano, quando derrubou quatro aeronaves sírias em uma única surtida. O primeiro astronauta do país foi Ilan Ramon, especialista em carga útil a bordo do ônibus espacial Columbia. Ele e os outros seis tripulantes da NASA foram mortos em 1º de fevereiro de 2003, quando o Columbia se desintegrou durante a reentrada. O empresário israelense pagará milhões de dólares de seu próprio dinheiro para de se tornar um turista espacial. Ele doará o dinheiro para a Fundação Ramon – uma ONG em memória de Ilan Ramon e seu falecido filho Assaf e sua falecida esposa Rona. Esse dinheiro não permanecerá com a fundação, mas será transferido para a Axiom como pagamento pelo voo.
O voo foi possível depois que a Axiom entrou em contato com a Fundação Ramon para obter assistência no estabelecimento de contatos com a indústria espacial local. Além da conexão da Axiom com a Agência Espacial de Israel, a Fundação Ramon também identificou uma oportunidade de enviar um segundo israelense ao espaço. De fato, a fundação iniciou seu processo de arrecadação de dinheiro com o objetivo de escolher um israelense para receber a oportunidade de um voo espacial e entrou em contato com vários candidatos. No final, porém, quem recebeu a homenagem foi Stibbe, membro do conselho de administração da fundação. Essa escolha tornou desnecessário que a entidade arrecadasse dinheiro para o voo, já que Stibbe conseguiu pagar sua passagem.

Stibbe, 62 anos, é um empresário internacional que ganhou a maior parte de seu dinheiro com negócios na África. Após sua dispensa da força aérea no início da década de 1980, ele foi por um curto período um consultor externo da Israel Aerospace Industries para seu projeto de caça Lavi. Em 1985, iniciou o Grupo LR com dois de seus amigos do esquadrão, Ami Lustig e Roy Ben Yami. Stibbe dedica a maior parte de seu tempo hoje ao Vital Capital Fund, uma fundação para investimentos na África com ênfase em empreendimentos sociais. A fundação investe em agricultura, hospitais, infraestrutura urbana e energia renovável. Além disso, ele é ativo em filantropia. Stibbe, casado e com três filhos, é cunhado do ex-diretor geral do Ministério da Fazenda, Yarom Ariav.

A Fundação Ramon disse : “Eytan Stibbe está pagando os custos do voo e tudo relacionado aos preparativos. Eytan não está voando por lazer, ele está doando as 200 horas em que estará no espaço para realizar experimentos. Formamos um comitê independente liderado por Inbal Kreiss, escolhido de forma justa e transparente, e também faremos transmissões em hebraico do espaço para crianças, pela primeira vez. “Eytan também está doando os custos de transporte e armazenamento dos equipamentos para os experimentos que serão escolhidos. No que diz respeito à Fundação Ramon, esta é uma contribuição valiosa e sem precedentes para promover tanto a indústria espacial privada quanto a educação espacial em Israel.

Contratos com a NASA

A missão exigiu que a Axiom fizesse um arranjo de acordos com parceiros, incluindo SpaceX, o Johnson Space Center, o Kennedy Space Center e outros. O acordo com a NASA é apenas uma peça do arranjo.
O acordo cobre itens como comida e água para os tripulantes, tempo dos astronautas para preparar a estação para a visita do veículo e outros custos associados à visita, disseram representantes da NASA e da Axiom durante uma entrevista coletiva. O texto completo do acordo não foi disponibilizado ao público.
Os custos incorporados ao acordo foram determinados em 2019, quando a NASA anunciou pela primeira vez que estaria disposta a receber até dois voos particulares de astronautas para a estação por ano, cada um por até 30 dias. Na época, funcionários da NASA estimaram que uma visita poderia custar cerca de US$ 35.000 por dia.
Entre esse esquema de preços, o acordo que não representa uma contabilidade abrangente dos custos da missão e a NASA pagando à Axiom pela capacidade de armazenamento no voo de volta à Terra para cargas úteis científicas que devem permanecer em baixas temperaturas, o acordo resultou na NASA pagando à Axiom um saldo de US$ 1,69 milhão.
No entanto, o Ax-1 será a única missão a voar com essas ‘taxas de barganha’. No final de abril passado, a NASA atualizou seus preços para visitas à estação espacial. De acordo com as informações, o aumento de custos foi dramático.
Sob a política antiga, o suporte de vida e suprimentos de tripulação para uma missão hipotética de quatro pessoas e uma semana à ISS custaria US$ 945.000, um valor que não inclui armazenamento, coleta de dados ou eletricidade. Sob a nova política, os encargos de carga, alimentos e suprimentos para a mesma missão seriam mais de US$ 2,5 milhões na extremidade inferior das faixas de custo citadas, mais US$ 10 milhões em taxas por missão.
Essa mudança de preço se deve à Axiom e outras empresas semelhantes que desejam mais visitas à estação espacial do que a NASA pode suportar, segundo funcionários da agência.

Espaçonave instalada no topo do seguyndo estágio do foguete

“Estamos vendo muito interesse em missões de astronautas particulares”, disse Angela Hart, gerente de desenvolvimento comercial de órbita terrestre baixa no Centro Espacial Johnson em Houston, durante uma entrevista coletiva.
“Neste momento, a demanda supera o que realmente acreditamos que serão as oportunidades na estação”, disse ela, especificando que a falta de equilíbrio entre oferta e demanda foi o motivo pelo qual a agência atualizou seu procedimento de visita a missões comerciais, a fim de deixar claro o tempo na estação espacial “é um recurso limitado”.

Turistas
Suffredini também disse que a Axiom Space espera fazer voos regulares de turistas espaciais para a ISS no futuro. “Gostaríamos de voar pelo menos duas vezes por ano, e já temos planos para o segundo, terceiro e quarto voo com turistas”, disse, adiantando que a concretização destas intenções dependerá da disponibilidade de transporte e da capacidade da ISS em receber visitantes.
Ao mesmo tempo, o chefe da Axiom Space observou que a empresa quer construir sua estação espacial, conforme planejado em outros acordos com a NASA.
Isso significa que a empresa terá acesso à porta frontal no módulo Harmony e poderá usá-la para construir uma estação espacial comercial que eventualmente substituirá a própria ISS.

Connor e Lopez-Alegria nos ensaios, a bordo da cabine da espaçonave

Em 2020, como parte da iniciativa cislunar Next Space Technologies for Exploration Partnership (NextSTEP – num período de pedidos de até sete anos, consistindo de um período-base de cinco anos e uma opção de mais dois), a NASA concedeu à Axiom um contrato de US$ 140 milhões para oferecer pelo menos uma espaçonave habitável para ser anexada à Estação Espacial Internacional. A Axiom foi a única proposta selecionada do processo de solicitação com vencimento em 2019. A Bigelow Aerospace não apresentou uma proposta e posteriormente cessou os trabalhos.
Os módulos construídos pela Axiom são projetados para serem conectados à porta frontal do módulo Harmony com a intenção de demonstrar a capacidade de oferecer serviços e produtos comercialmente em órbita terrestre. O “Segmento Axiom” foi planejado, a partir de janeiro de 2020, para incluir um módulo multiporta para atuar como um conector, uma instalação de pesquisa e fabricação, um habitat da tripulação e um módulo de “janelas grandes” para visualização da Terra.

“A NASA mais uma vez reconheceu o trabalho árduo, talento e experiência dos habitantes de Houston à medida que expandimos a Estação Espacial Internacional e promovemos oportunidades comerciais no espaço”, disse o senador John Cornyn, do Texas. “Estou orgulhoso de que a Axiom continuará a construir sobre o legado do Texas de liderar a nação na exploração espacial humana.”

Foguete Falcon 9 v1.2 FT Bl5

Essa seleção é um passo significativo para permitir o desenvolvimento de destinos comerciais independentes que atendam às necessidades de longo prazo da NASA em órbita terrestre baixa, além da vida útil da estação espacial, e continuem a promover o crescimento de uma economia robusta em órbita terrestre baixa.
“O anúncio do acordo é um passo empolgante e bem-vindo nos esforços para comercializar a órbita da Terra”, disse o senador Ted Cruz, do Texas. A Estação Espacial é, e continuará sendo, para o desenvolvimento de novas tecnologias para a órbita e além, e para continuar a liderança da América no espaço. Parabéns à Axiom Space por este prêmio emocionante – Houston é conhecida como “Space City” por um motivo, e estou ansioso para que esta grande empresa da Space City e a NASA transformem este anúncio em realidade.”

Foguete separado em seu ‘core’ de primeiro estágio, segundo estágio com saia adaptadora e espaçonave

O desenvolvimento de destinos comerciais na órbita da Terra é um dos cinco elementos do plano da NASA para abrir a Estação Espacial a novas oportunidades comerciais e de marketing. Os outros elementos do plano incluem esforços para disponibilizar recursos da estação e sua tripulação para uso comercial por meio de uma nova política de preços; permitir missões de astronautas particulares para a estação; buscar oportunidades para estimular a demanda sustentável e de longo prazo por esses serviços; e quantificar a demanda de longo prazo da NASA para atividades em órbita baixa da Terra.

“O trabalho da Axiom para desenvolver um ‘destino comercial’ no espaço é um passo crítico para a NASA atender às suas necessidades de longo prazo para treinamento de astronautas, pesquisa científica e demonstrações de tecnologia em órbita”, disse o administrador da NASA à época, Jim Bridenstine. “Estamos transformando a maneira como a agência trabalha com a indústria para beneficiar a economia global e avançar na exploração espacial”.

A agência continuará precisando de pesquisas e testes de microgravidade em órbita baixa para permitir futuras missões à Lua e a Marte, incluindo a chegada da ‘primeira mulher e do próximo homem’ à Lua com a missão Artemis III como parte da exploração lunar da agência.

Fases de resgate de emergência no lançamento
Trajetória de ascensão
Reentrada prevista do segundo estágio do foguete

A Axiom esteve recentemente no noticiário por intermediar um assento de última hora para a NASA a bordo da espaçonave russa Soyuz MS-18. O astronauta da NASA Mark Vande Hei ocupou aquele assento, juntando-se aos cosmonautas russos Oleg Novitskiy e Pyotr Dubrov; o trio passou 355 dias em órbita. Em troca, a NASA levará um astronauta da seleção da Axiom em um veículo comercial dos EUA em 2023.

Tripulação em treinamento de cabine

Estação espacial privada

Se Michael Suffredini pretende reduzir o preço da primeira estação espacial privada para US$ 3 bilhões – em comparação com os US$ 100 bilhões que custou para construir a ISS ele tem algumas decisões a tomar sobre o que fazer, por exemplo o que terceirizar e o que construir internamente.
“Construir um penico é um conceito simples”, disse Suffredini enquanto usava botas de cowboy e um blazer na frente de uma maquete de isopor de um banheiro espacial que pode extrair água da urina para reutilização. “Mas é uma coisa difícil de fazer.” Perto dali, uma equipe trabalhava em torno de uma réplica de madeira da concha hexagonal da estação, com diagramas e esboços afixados no interior de compensado.
A Axiom calcula que pode reduzir significativamente o custo de uma estação espacial, em grande parte devido aos avanços na tecnologia que permitem componentes menores que reduzem os custos de lançá-los e armazená-los. Na ISS, muitos componentes foram adicionados ao exterior, exigindo caminhadas espaciais caras para manutenção.
“A estação espacial internacional foi construída quando ainda estávamos tentando descobrir como manter os tripulados no espaço, então eles eram muito, muito conservadores”, disse Suffredini. Ele espera que US$ 3 bilhões cubram os primeiros quatro módulos da Axiom e uma torre de produção de eletricidade.

Projeto da estação comercial da Axiom

A Axiom, fundada em 2016 por Suffredini e o empresário espacial Kam Ghaffarian, destaca-se entre as poucas ‘startups’ espaciais que tentam construir a primeira estação espacial comercial, e não apenas por causa da carreira de 30 anos de dele na NASA, que incluiu uma década gerenciando o programa da ISS.

Outros grupos incluíam a Blue Origin, de Jeff Bezos, que fez parceria com a Sierra Space para construir uma estação com compartimento de armazenamento de carga e módulos habitacionais de três andares com ‘jardins’; A empreiteira aeroespacial Northrup Grummon, que fez parceria com uma subsidiária da empreiteira Leidos; e a Starlab da Nanoracks, com um braço robótico para carga e um grande habitat inflável projetado pela Lockheed Martin.
Andy Lapsa, ex-engenheiro da Blue Origin e co-fundador da Stoke Space, que pretende levar satélites ao espaço com foguetes reutilizáveis, disse que a competição por uma estação comercial em órbita terrestre é apenas uma faceta do ‘boom’ do financiamento espacial, já que o primeiros turistas chegaram ao espaço no ano passado. “Jeff Bezos por muito tempo falou sobre uma explosão empresarial no espaço”, disse ele. “Nós estamos começando a ver isso agora. Há mais de um vencedor.”

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Primeira tripulação comercial decola para a ISS neste fim da semana

Axiom enviará seu astronauta-chefe e três turistas a bordo de nave da SpaceX

A empresa espacial americana Axiom Space, sediada em Houston, deve lançar com a SpaceX quatro pessoas ao espaço, a bordo da espaçonave Crew Dragon Endeavour C206 para a ISS, com horário de lançamento previsto para não antes de sexta-feira, 08 de abril de 2022 às 15:17 UTC, com decolagem da LC-39A em Cabo Canaveral. O foguete-portador será o Falcon 9 v1.2 FT número B1062.5 e a missão é denominada Ax-1.

O primeiro estágio B1062.5 deverá pousar na balsa-drone A Shortfall of Gravitas, que estará estacionada a 500 km de distância do Cabo Canaveral, tendo como navios auxilares os Doug (rebocador) Shannon e Megan.

Originalmente planejado para lançamento no final de 2021 atrasada de 21 de fevereiro a 30 de março, a missão foi mais uma vez adiada para um antes de 17:13 UTC de domingo, 3 de abril. Em resposta, para garantir “espaçamento apropriado para operações e revisões de dados pós-voo entre missões de voos espaciais tripulados e para permitir várias tentativas consecutivas de lançamento com base na mecânica orbital para chegada à estação espacial”, a NASA e a SpaceX optaram por atrasar a quarta missão operacional de de astronautas com uma Crew Dragon , a Crew-4, de 15 de abril às 10:45 UTC para 19 de abril. De acordo com a NASA e a Axiom, a missão foi adiada de modo a “permitir que as equipes concluíssem o processamento final da espaçonave”.

A tripulação multinacional de quatro pessoas é composta pelo comandante Michael López-Alegría dos EUA/Espanha, o piloto Larry Connor dos EUA, o especialista de missão Eytan Stibbe de Israel e o especialista da missão Mark Pathy do Canadá. Quanto cada passageiro pagou pela experiência não é de conhecimento público. “Geralmente não falamos sobre os pagamentos específicos que nossos clientes fazem”, disse o CEO da Axiom, Michael Suffredini, durante a coletiva de imprensa. “Tem sido amplamente divulgado como números na casa das dezenas de milhões, os quais eu não discutiria, mas geralmente não falamos sobre os preços específicos”. O quarteto será a primeira tripulação totalmente privada a visitar a Estação Espacial Internacional; os astronautas privados anteriores voaram como um ou dois indivíduos acompanhados por astronautas do governo conduzindo uma missão de rotina. A Axiom escolheu, para cada voo planejado que organiza, ser liderado por um astronauta aposentado para aumentar o conforto com o arranjo.

No início de 2020, a Axiom anunciou o contrato com a SpaceX para lançar quatro pessoas a bordo de uma Crew Dragon para a ISS e após meses de treinamento, a ‘Ax-1 Crew’ entrou na quarentena prevista no cronograma. Para marcar o estágio final de preparação, a Axiom divulgou fotos da tripulação em seus trajes leves de voo. Completaram centenas de horas de treinamento excedendo os requisitos da NASA.

Espaçonave Crew Dragon pesa cerca de 12.500 kg e tem 8,3 metros de comprimento e 3,88 m de diâmetro

Para se preparar para a missão de 10 dias, incluindo oito a bordo da ISS, cada tripulante completou treinamento em segurança, saúde, sistemas da ISS, operações do local de lançamento, protocolos de emergência e treinamento adicional para cargas úteis de pesquisa e demonstração de tecnologia. Enquanto estiverem na estação, os astronautas da Ax-1 completarão mais de 25 experimentos científicos e demonstrações de tecnologia. A missão Ax-1 é uma missão de desbravamento para a Axiom Station da Axiom Space, a primeira estação espacial comercial do mundo.

Disposição dos astronautas no cockpit

Lopez-Alegria é um ex-piloto naval e astronauta da NASA que comandou três missões espaciais em sua carreira; foi membro de quatro voos espaciais e passou um total de 257 dias no espaço, durante os quais fez dez caminhadas espaciais, passando 67 horas e 40 minutos fora da estação.
Lopez-Alegria deixou a NASA em março de 2012. Com a Axiom, ele estará novamente no comando, e será responsável pela gestão da espaçonave Crew Dragon, garantindo a segurança da tripulação. “Este voo histórico marcará um momento decisivo no caminho para o acesso universal ao espaço. Esta será apenas a primeira de muitas missões à ISS da Axiom Space. A aquisição de assentos marca um progresso significativo em direção ao nosso objetivo, e temos o prazer de fazer parceria com a SpaceX nessa direção”, disse o executivo-chefe da Axiom, ex-chefe do programa da ISS na NASA, Michael Suffredini.

A Axiom Space espera que eles possam visitar o segmento russo da estação durante a sua estadia a bordo. O anúncio foi feito durante um briefing por telefone sobre o voo, do CEO da empresa. “Estamos trabalhando para garantir que toda a estação seja acessível à nossa tripulação. Quanto ao segmento russo, depende do que será incluído no programa da missão. O astronauta profissional Michael Lopez-Alegria, que já esteve lá, conhece os sistemas, e esperamos que isso convença nossos parceiros para lhes dar a oportunidade de visitar o segmento russo”, disse.

Michael López-Alegría

Michael López-Alegría é o astronauta-chefe da Axiom Space e comandante da missão Ax-1. Voou quatro vezes ao espaço, voado nas missões do ônibus espacial STS-73, STS-92 e STS-113, e serviu como Comandante da Expedição 14 da ISS, voando para a ISS a bordo da nave russa Soyuz TMA-9. Ele detém os recordes da NASA para o maior número de atividades extraveiculares (EVA) ou “caminhadas espaciais” e tempo acumulado de EVA (67 horas e 40 minutos). Em 2021, ele foi incluido no Hall da Fama dos Astronautas dos EUA. Seu trabalho na Ax-1 “aproveita sua experiência na exploração espacial tradicional para ajudar a criar uma nova era de voos espaciais tripulados privados”. Anteriormente, López-Alegría foi Presidente da Federação de Voos Espaciais Comerciais e atuou em vários conselhos e comitês consultivos, incluindo o Comitê de Exploração e Operações Humanas do Conselho Consultivo da NASA, o Comitê Consultivo de Transporte Espacial Comercial da FAA e é Presidente do Comitê Internacional da ASTM em Voo Espacial Comercial. Ele também é o ex-presidente da Association of Space Explorers. López-Alegría nasceu em Madrid, Espanha, e emigrou para os Estados Unidos com a família. Seu filho Nicolas (Nico) López-Alegría está atualmente trabalhando em um documentário sobre sua missão.

Experimentos

Larry Connor

Larry Connor: A principal área de pesquisa de Connor será em torno do impacto das viagens espaciais nas células senescentes (células que pararam de se dividir irreversivelmente, mas não morreram) e na saúde do coração. Esse tipo de célula tem sido associado a várias doenças relacionadas à idade. Na Terra, a pesquisa de Connor tende a se concentrar em ressonâncias magnéticas pré- e pós-missão para estudar os efeitos do ambiente do voo espacial nos tecidos espinhal e cerebral.

Mark Pathy

Mark Pathy: Pathy trabalhará em parceria com seis universidades canadenses e duas startups de tecnologia, incluindo pesquisas sobre holotransporte bidirecional – um aplicativo de realidade mista para lentes especiais que possui projeções 3D bidirecionais como um holograma para se comunicar. Ele também realizará observações da Terra, pesquisar a Síndrome Neuro-Ocular Associada ao Voo Espacial (uma mudança na nitidez visual experimentada por muitos astronautas) e outros projetos com diferentes universidades.

Eytan Stibbe

Eytan Stibbe está na tripulação do Axiom-1 em nome da Fundação Ramon e em colaboração com a Agência Espacial de Israel. A Axiom afirmou que durante seu tempo no espaço ele estará realizando experimentos e atividades educacionais para a geração mais jovem em Israel. Há um pouco menos de detalhes sobre os experimentos exatos que Stibbe conduzirá em comparação com seus colegas pesquisadores.

Contratos com a NASA

A missão exigiu que a Axiom fizesse um arranjo de acordos com parceiros, incluindo SpaceX, o Johnson Space Center, o Kennedy Space Center e outros. O acordo com a NASA é apenas uma peça do arranjo.
O acordo cobre itens como comida e água para os tripulantes, tempo dos astronautas para preparar a estação para a visita do veículo e outros custos associados à visita, disseram representantes da NASA e da Axiom durante uma entrevista coletiva. O texto completo do acordo não foi disponibilizado ao público.
Os custos incorporados ao acordo foram determinados em 2019, quando a NASA anunciou pela primeira vez que estaria disposta a receber até dois voos particulares de astronautas para a estação por ano, cada um por até 30 dias. Na época, funcionários da NASA estimaram que uma visita poderia custar cerca de US$ 35.000 por dia.
Entre esse esquema de preços, o acordo que não representa uma contabilidade abrangente dos custos da missão e a NASA pagando à Axiom pela capacidade de armazenamento no voo de volta à Terra para cargas úteis científicas que devem permanecer em baixas temperaturas, o acordo resultou na NASA pagando à Axiom um saldo de US$ 1,69 milhão.
No entanto, o Ax-1 será a única missão a voar com essas ‘taxas de barganha’. No final de abril passado, a NASA atualizou seus preços para visitas à estação espacial. De acordo com as informações, o aumento de custos foi dramático.
Sob a política antiga, o suporte de vida e suprimentos de tripulação para uma missão hipotética de quatro pessoas e uma semana à ISS custaria US$ 945.000, um valor que não inclui armazenamento, coleta de dados ou eletricidade. Sob a nova política, os encargos de carga, alimentos e suprimentos para a mesma missão seriam mais de US$ 2,5 milhões na extremidade inferior das faixas de custo citadas, mais US$ 10 milhões em taxas por missão.
Essa mudança de preço se deve à Axiom e outras empresas semelhantes que desejam mais visitas à estação espacial do que a NASA pode suportar, segundo funcionários da agência.

A tripulação é composta pelo comandante Michael López-Alegría dos EUA/Espanha, o piloto Larry Connor dos EUA, o especialista da missão Eytan Stibbe de Israel e o especialista da missão Mark Pathy, do Canadá.

“Estamos vendo muito interesse em missões de astronautas particulares”, disse Angela Hart, gerente de desenvolvimento comercial de órbita terrestre baixa no Centro Espacial Johnson em Houston, durante uma entrevista coletiva.
“Neste momento, a demanda supera o que realmente acreditamos que serão as oportunidades na estação”, disse ela, especificando que a falta de equilíbrio entre oferta e demanda foi o motivo pelo qual a agência atualizou seu procedimento de visita a missões comerciais, a fim de deixar claro o tempo na estação espacial “é um recurso limitado”.

Turistas
Suffredini também disse que a Axiom Space espera fazer voos regulares de turistas espaciais para a ISS no futuro. “Gostaríamos de voar pelo menos duas vezes por ano, e já temos planos para o segundo, terceiro e quarto voo com turistas”, disse, adiantando que a concretização destas intenções dependerá da disponibilidade de transporte e da capacidade da ISS em receber visitantes.
Ao mesmo tempo, o chefe da Axiom Space observou que a empresa quer construir sua estação espacial, conforme planejado em outros acordos com a NASA.
Isso significa que a empresa terá acesso à porta frontal no módulo Harmony e poderá usá-la para construir uma estação espacial comercial que eventualmente substituirá a própria ISS.

A Axiom foi fundada em 2016 por Michael Suffredini e o empresário espacial Kam Ghaffarian

Em 2020, como parte da iniciativa cislunar Next Space Technologies for Exploration Partnership (NextSTEP – num período de pedidos de até sete anos, consistindo de um período-base de cinco anos e uma opção de mais dois), a NASA concedeu à Axiom um contrato de US$ 140 milhões para oferecer pelo menos uma espaçonave habitável para ser anexada à Estação Espacial Internacional. A Axiom foi a única proposta selecionada do processo de solicitação com vencimento em 2019. A Bigelow Aerospace não apresentou uma proposta e posteriormente cessou os trabalhos.
Os módulos construídos pela Axiom são projetados para serem conectados à porta frontal do módulo Harmony com a intenção de demonstrar a capacidade de oferecer serviços e produtos comercialmente em órbita terrestre. O “Segmento Axiom” foi planejado, a partir de janeiro de 2020, para incluir um módulo multiporta para atuar como um conector, uma instalação de pesquisa e fabricação, um habitat da tripulação e um módulo de “janelas grandes” para visualização da Terra.

“A NASA mais uma vez reconheceu o trabalho árduo, talento e experiência dos habitantes de Houston à medida que expandimos a Estação Espacial Internacional e promovemos oportunidades comerciais no espaço”, disse o senador John Cornyn, do Texas. “Estou orgulhoso de que a Axiom continuará a construir sobre o legado do Texas de liderar a nação na exploração espacial humana.”

Foguete Falcon 9 v1.2 FT Bl5

Essa seleção é um passo significativo para permitir o desenvolvimento de destinos comerciais independentes que atendam às necessidades de longo prazo da NASA em órbita terrestre baixa, além da vida útil da estação espacial, e continuem a promover o crescimento de uma economia robusta em órbita terrestre baixa.
“O anúncio do acordo é um passo empolgante e bem-vindo nos esforços para comercializar a órbita da Terra”, disse o senador Ted Cruz, do Texas. A Estação Espacial é, e continuará sendo, para o desenvolvimento de novas tecnologias para a órbita e além, e para continuar a liderança da América no espaço. Parabéns à Axiom Space por este prêmio emocionante – Houston é conhecida como “Space City” por um motivo, e estou ansioso para que esta grande empresa da Space City e a NASA transformem este anúncio em realidade.”

O desenvolvimento de destinos comerciais na órbita da Terra é um dos cinco elementos do plano da NASA para abrir a Estação Espacial a novas oportunidades comerciais e de marketing. Os outros elementos do plano incluem esforços para disponibilizar recursos da estação e sua tripulação para uso comercial por meio de uma nova política de preços; permitir missões de astronautas particulares para a estação; buscar oportunidades para estimular a demanda sustentável e de longo prazo por esses serviços; e quantificar a demanda de longo prazo da NASA para atividades em órbita baixa da Terra.

“O trabalho da Axiom para desenvolver um ‘destino comercial’ no espaço é um passo crítico para a NASA atender às suas necessidades de longo prazo para treinamento de astronautas, pesquisa científica e demonstrações de tecnologia em órbita”, disse o administrador da NASA à época, Jim Bridenstine. “Estamos transformando a maneira como a agência trabalha com a indústria para beneficiar a economia global e avançar na exploração espacial”.

A agência continuará precisando de pesquisas e testes de microgravidade em órbita baixa para permitir futuras missões à Lua e a Marte, incluindo a chegada da ‘primeira mulher e do próximo homem’ à Lua com a missão Artemis III como parte da exploração lunar da agência.

Fases de resgate de emergência no lançamento
Trajetória de ascensão
Reentrada prevista do segundo estágio do foguete

A Axiom esteve recentemente no noticiário por intermediar um assento de última hora para a NASA a bordo da espaçonave russa Soyuz MS-18. O astronauta da NASA Mark Vande Hei ocupou aquele assento, juntando-se aos cosmonautas russos Oleg Novitskiy e Pyotr Dubrov; o trio passou 355 dias em órbita. Em troca, a NASA levará um astronauta da seleção da Axiom em um veículo comercial dos EUA em 2023.

Tripulação em treinamento de cabine

Estação espacial privada

Se Michael Suffredini pretende reduzir o preço da primeira estação espacial privada para US$ 3 bilhões – em comparação com os US$ 100 bilhões que custou para construir a ISS ele tem algumas decisões a tomar sobre o que fazer, por exemplo o que terceirizar e o que construir internamente.
“Construir um penico é um conceito simples”, disse Suffredini enquanto usava botas de cowboy e um blazer na frente de uma maquete de isopor de um banheiro espacial que pode extrair água da urina para reutilização. “Mas é uma coisa difícil de fazer.” Perto dali, uma equipe trabalhava em torno de uma réplica de madeira da concha hexagonal da estação, com diagramas e esboços afixados no interior de compensado.
A Axiom calcula que pode reduzir significativamente o custo de uma estação espacial, em grande parte devido aos avanços na tecnologia que permitem componentes menores que reduzem os custos de lançá-los e armazená-los. Na ISS, muitos componentes foram adicionados ao exterior, exigindo caminhadas espaciais caras para manutenção.
“A estação espacial internacional foi construída quando ainda estávamos tentando descobrir como manter os tripulados no espaço, então eles eram muito, muito conservadores”, disse Suffredini. Ele espera que US$ 3 bilhões cubram os primeiros quatro módulos da Axiom e uma torre de produção de eletricidade.

Projeto da estação comercial da Axiom

A Axiom, fundada em 2016 por Suffredini e o empresário espacial Kam Ghaffarian, destaca-se entre as poucas ‘startups’ espaciais que tentam construir a primeira estação espacial comercial, e não apenas por causa da carreira de 30 anos de dele na NASA, que incluiu uma década gerenciando o programa da ISS.

Outros grupos incluíam a Blue Origin, de Jeff Bezos, que fez parceria com a Sierra Space para construir uma estação com compartimento de armazenamento de carga e módulos habitacionais de três andares com ‘jardins’; A empreiteira aeroespacial Northrup Grummon, que fez parceria com uma subsidiária da empreiteira Leidos; e a Starlab da Nanoracks, com um braço robótico para carga e um grande habitat inflável projetado pela Lockheed Martin.
Andy Lapsa, ex-engenheiro da Blue Origin e co-fundador da Stoke Space, que pretende levar satélites ao espaço com foguetes reutilizáveis, disse que a competição por uma estação comercial em órbita terrestre é apenas uma faceta do ‘boom’ do financiamento espacial, já que o primeiros turistas chegaram ao espaço no ano passado. “Jeff Bezos por muito tempo falou sobre uma explosão empresarial no espaço”, disse ele. “Nós estamos começando a ver isso agora. Há mais de um vencedor.”

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

RocketLab lança satélites da BlackSky

Missão “Without Mission a Beat” foi um sucesso

Um foguete Electron (número F25) lançou dois satélites de reconhecimento geoespacial da BlackSky em órbita hoje, 2 de abril. Neste sábado, o foguete, lançado da da península Mahia, plataforma LC-1A , na Nova Zelândia, lançou com sucesso dois satélites de sensoriamento remoto da Terra (ERS) da empresa americana de inteligência geoespacial BlackSky anunciou a Rocket Lab, desenvolvedora do veículo de lançamento. “Os satélites BlackSky foram lançados com sucesso”, disse o anúncio.

De acordo com dados não oficiais, a BlackSky Global está pronta para fornecer a seus clientes imagens de satélite de alta resolução por US$ 100 por 30 quilômetros quadrados, o que representa cerca de um décimo da média do setor.
Os serviços da BlackSky Global oferecem suporte a uma variedade de aplicativos em setores como agricultura, silvicultura, governo civil, organizações não governamentais, defesa, finanças, engenharia, energia e outros.


Os minissatélites de sensoriamento remoto, pesando cerca de 55 kg cada, foram incluídos na constelação orbital, que, segundo a BlackSky, será composta por desesseis espaçonaves em 2022. Permitem obter imagens ópticas com uma resolução de 50-90 centímetros de uma altitude de 430 km. Com o lançamento de hoje, a BlackSky já tem 14 satélites semelhantes em órbita.
As satélites, além dos serviços para empresas privadas, também realizam tarefas de interesse do Pentágono e das agências de inteligência dos EUA.
“O lançamento do foguete leve de dois estágios com um estágio superior do tipo ‘kick stage’ foi realizado no domingo às 01:41, horário local (sábado às 09:41, horário de Brasília) da plataforma de lançamento da Rocket Lab na Península Mahia, na Nova Zelândia. A colocação dos satélites na órbita determinada como parte da missão, denominada ‘Without Mission A Beat’, foi realizada cerca de uma hora após o lançamento do foguete.” A carenagem de cabeça do lançador se separou como planejado, e os satélites gêmeos a bordo mostraram bom funcionamento.

Desligamento bem-sucedido de todos os nove motores Rutherford no booster de primeiro estágio do Electron, e seus 1º e 2º estágios foram separados de forma “limpa”. A missão continuou nominalmente em órbita.
O estágio superior se separou com sucesso do segundo estágio. O estágio superior então costeou em uma órbita elíptica por cerca de 50 minutos antes que o seu motor Curie fosse acionado para realizar uma ignição de circularização antes da liberação da carga útil.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

China: cargueiro espacial reentra na atmosfera

Tianzhou-2 encerrou missão de quase um ano no espaço

A espaçonave de carga Tianzhou-2 foi controlada para reentrar na atmosfera às 18h40 no dia 31 de março, horário de Pequim (10:40 UTC), depois de 336 dias em órbita. A maioria dos componentes da espaçonave foi desintegrada e destruída, e uma pequena quantidade de detritos caiu em águas seguras num local predeterminado do Pacífico Sul. Às 03:53 UTC a saída de órbita a partir dos 385 km foi iniciada e às 09:55 foi iniciada a reentrada.

Nave espacial Tianzhou tem quase 13 toneladas e pode transportar cerca de 6,5 toneladas de carga

Os vários módulos da estação espacial, espaçonaves tripuladas, espaçonaves de carga, satélites de retransmissão e a série Longa Marcha de veículos lançadores usados ​​no projeto da estação espacial chinesa são todos desenvolvidos pela China Aerospace Science and Technology Corporation. Outros subsistemas do projeto também são desenvolvidos pela Aerospace Science and Technology Corporation.

Foguete lançador Longa Marcha 7 Y3

A Tianzhou-2 foi a primeira espaçonave de carga lançada no estágio chave de verificação de tecnologia da estação espacial da China. Foi lançada em órbita em 29 de maio de 2021 por um foguete Longa Marcha CZ-7 número Y3. Este também é o primeiro voo do sistema de transporte de carga da estação espacial, enviando 6,8 toneladas. Durante sua operação em órbita, a espaçonave de carga Tianzhou-2 realizou quatro encontros e acoplagens com o módulo principal Tianhe e completou uma série de testes, como voo orbital, verificação de transferência de braço robótico e encontro e acoplamento manual com operação remota conforme planejado. Depois de ser separada da estação espacial no dia 30, a margem de propelentes da espaçonave foi totalmente utilizada para implementar com sucesso um teste de encontro rápido de duas horas entre a espaçonave e a estação, acumulando experiência para a construção orbital e gerenciamento de operação da estação espacial.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

SpaceX lança ‘Transporter-4’

‘Booster’ B1061.7 colocou em órbita quarenta satélites

Falcon 9 v1.2 FT Block 5 decola de Cabo Canaveral no sétimo lançamento do ‘core’ B1061

O foguete Falcon 9 v1.2 FT Block 5 lançou a Transporter-4, quarta missão dedicada do Programa SmallSat Rideshare da SpaceX com 40 satélites de pequeno porte, do Space Launch Complex 40 (SLC-40) em Cabo Canaveral, Flórida, hoje 1º de abril de 2022, às 16:24:16.974 UTC – 13:24:16.974 de Brasilia. O primeiro estágio do Falcon 9 pousou na balsa-drone ‘Just Read the Instructions‘, que estava estacionada a 532 km do Cabo Canaveral no Oceano Atlântico, rebocada pelo Finn Falgout; A recuperação das conchas da carenagem da cabeça foi feita a 604 km, pelo navio de apoio ‘Bob’.

Anteriormente, o “core” B1061 de primeiro estágio lançou seis missões, uma Starlink, as primeira e segunda missões operacionais de astronautas americanos para a Estação Espacial Internacional pela SpaceX ; também lançou o satélite Sirius Radio SXM-8, a missão de reabastecimento Cargo Dragon 2 CRS-23 para a ISS e a missão Imaging X-ray Polarimetry Explorer da NASA. Após este voo bem-sucedido, recebeu em definitivo a designação “B1061.7”.

O programa SmallSat Rideshare da SpaceX oferece a pequenos operadores missões de carona compartilhada programadas e dedicadas do Falcon 9 em órbita para cargas úteis da classe ESPA por US$ 1 milhão por missão, o que inclui até 200 kg de carga útil.

A Transporter-4 carrega satélites de EUA,  França, Lituânia, Índia, Eslováquia, Brasil, Noruega, Argentina e, possivelmente, Dinamarca
Satélites montados no adaptador-ejetor, montados na carenagem de cabeça do foguete

O peso total do foguete na decolagem foi de cerca de 55o.300 kg. ; Já o segundo estágio deveria fazer a reentrada sobre o Oceano Índico.

As quarenta cargas úteis foram montadas no topo do segundo estágio foguete em uma configuração especial no adaptador com tecnologia de anel ESPA (Expendable Secondary Port Adapter). O ESPA permite que se conectem dezenas de pequenos satélites ao adaptador para obter o máximo de um lançamento em uma única missão. As empresas também têm a opção de usar adaptadores ESPA personalizados para satélites.

Arranjo dos satélites no suporte, com seus dispensadores

A missão Transporter-4 ejetou os 40 satélites em órbita síncrona com o sol, incluindo “cubeSats, microsats, picosats, cargas úteis hospedadas sem liberação da carga útil e um veículo de transferência orbital transportando espaçonaves para serem liberados posteriormente”, disse a empresa. Sob o programa, a empresa tem um preço base de US$ 1,1 milhão para ejetar uma carga útil de 200 quilos.

Etapas do lançamento a partir da decolagem (T zero) até o pouso na balsa-drone pelo primeiro estágio

As cargas úteis incluem cubesats, microsats, picosats [*], cargas hospedadas e um satélite de transferência orbital: entre eles o LEO-1 / Omnispace 1; Shankuntala/Pixxel 2; doze satélites Swarm, os Hawk 4A, 4B, 4C e EnMAP.

O manifesto da Exolaunch na missão Transporter-4 inclui as seguintes cargas e empresas:

SPARK 1 da Omnispace (EUA) – projetado e construído pela Thales Alenia Space em conjunto com NanoAvionics, Syrlinks & ANYWAVES, este satélite NGSO de nova geração operará na Banda S 2. O Omnispace Spark 1 suportará o padrão 3GPP da indústria móvel, possibilitando a conectividade direta a dispositivos compatíveis. Este programa servirá para avançar no desenvolvimento e implementação da rede global híbrida não-terrestre (NTN) da Omnispace;

MP42 da NanoAvionics (EUA, Reino Unido e Lituânia) – o primeiro microsat ejetado pelo suporte em anel da NanoAvionics transportando cargas úteis de cinco empresas diferentes. O hardware e o software do chassi de satélite MP42, bem como a infraestrutura de operações da missão, são estabelecidos na arquitetura de linha de base e blocos específicos da missão para integração flexível e econômica, resultando em ampla aplicabilidade, confiabilidade, repetibilidade e manufaturabilidade.

SHAKUNTALA da Pixxel (EUA e Índia) – é um satélite de imageamento hiperespectral da Terra. A constelação é projetada para oferecer cobertura global a cada 24 horas, com o objetivo de detectar, monitorar e prever fenômenos globais;

BDSAT da Spacemanic (Eslováquia) – O projeto BDsat visa apoiar a comunidade de radioamadores com vários serviços e atividades. O objetivo secundário é a verificação de um protótipo de equipamento de medição de pressão e verificar a funcionalidade desta tecnologia em condições de espaço aberto.

O AlfaCrux, desenvolvido nos laboratórios da Universidade de Brasília

ALFACRUX da Universidade de Brasília (Brasil) – desenvolvido pela UnB e fabricado pela Alen Space, o satélite AlfaCrux é projetado para investigações educacionais e técnicas de comunicação de banda estreita e suas aplicações realizadas por pesquisadores, estudantes e operadores de rádio amadores interessados em técnica de rádio sem juros pecuniários. Desenvolvido no laboratório da Universidade de Brasília (UnB), representa o resultado de uma parceria entre a instituição, a Agência Espacial Brasileira e a Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal (FAP-DF). A Alén Space se uniu ao projeto da Universidade de Brasília para desenvolver um CubeSat tipo 1U que permitirá a realização de pesquisas e experimentos na área de comunicações. Juntas, as equipes galega e brasileira trabalharam na plataforma 1U, que inclui sistema de energia, painéis solares, baterias, computador de bordo, sistema de comunicações, antenas e estrutura; software de bordo e de controle de missão; uma carga útil de comunicações TOTEM SDR , preparada para oferecer demonstrações de comunicações e realizar experimentos SDR (Software Defined Radio). Além disso, uma solução integral GS-Kit para a instalação de uma estação terrestre de rastreamento por satélite na Universidade de Brasília. O satélite tem aresta de dez centímetros e pesa 1,5 quilo, e foi produzido com uma combinação de sistemas vindos de fora do país com soluções desenvolvidas no Brasil. O subsistema de orientação espacial , por exemplo, foi criado pelo próprio time de pesquisadores do nanossatélite. O satélite ficará em órbita a cerca de 500 quilômetros de altitude estabelecendo conexão de dados e voz com a superfície. A iniciativa é parte de uma onda de projetos que buscam desenvolver satélites de dimensões reduzidas, além de baixo custo de produção, lançamento e manutenção. Possíveis demonstrações técnicas em órbita incluem soluções de digipeaters, impactos de cintilação no link de comunicação via satélite e sistemas de coleta de dados.

BRO-7 da UNSEENLABS (França) – o sétimo satélite da constelação da UNSEENLABS dedicado à geolocalização de embarcações no mar. A UNSEENLABS processa e analisa os dados de radiofrequencia e oferece conhecimento exclusivo para operações de segurança nacional, proteção ambiental e um número crescente de aplicações no setor comercial. Sua constelação é projetada para oferecer dados aos clientes para acompanhar o tráfego marítimo, independentemente do horário do dia e das condições climáticas.

ARCSAT do Norwegian Defense Research Establishment (FFI) (Noruega) – um nanossatélite fabricado pela GomSpace projetado para demonstrar o uso e a relevância de um relé de satélite para comunicação UHF em altas latitudes. O satélite será capaz de cobrir qualquer ponto da superfície da Terra variando de 4 a 15 passagens diárias em latitudes mais altas a partir de uma órbita polar;

Cinco NEWSAT MICROSATS da Satellogic (EUA e Argentina) – a missão será a primeira do novo modelo de satélite Mark V da Satellogic. Essa nova geração de satélites aprimora a constelação da empresa com câmeras, rádios, computadores e outros subsistemas aprimorados, compatíveis com todos os componentes dos modelos anteriores, oferecendo aos clientes da Satellogic produtos de maior qualidade. Os satélites restantes são quatro NewSats Mark IV atualizados. Esses satélites aprimorados contêm maior armazenamento a bordo e atualizações nos sistemas de propulsão e navegação. Este lançamento expandirá a frota da Satellogic para 22 satélites oferecendo dados de alta resolução.

Foguete Falcon 9 v1.2 FT Block 5

CONTAGEM REGRESSIVA
Todos os horários são aproximados

hh / min: s: Evento
00:38:00 O diretor de lançamento da SpaceX verifica o abastecimento do propelente
00:35:00 RP-1 (querosene de grau de foguete) abastecido nos tanques
00:35:00 abastecimento dos tanques do primeiro estágio com oxigênio líquido
00:16:00 Carregamento de LOX do segundo estágio
00:07:00 Foguete inicia o resfriamento dos motores (chilldown) antes do lançamento
00:01:00 Computador de voo habilita rotina de comando para decolagem nas verificações finais de pré-lançamento
00:01:00 A pressurização dos tanques de propelente para a pressão de voo é regulada
00:00:45 Diretor de lançamento da SpaceX certifica o lançamento
00:00:03 O controlador comanda a sequência de ignição dos motores para decolagem
00:00:00 Decolagem do Falcon 9

LANÇAMENTO, ATERRISSAGEM E LIBERAÇÃO
Todos os horários são aproximados

hh / min: s: Evento
00:01:12 Max Q (momento de máximo de estresse mecânico no foguete)
00:02:30 Corte do motor principais do 1º estágio (MECO)
00:02:34 primeiro e segundo estágios separados (estagiamento)
00:02:41 Ignição dos motores do 2º estágio
00:03:01 Liberação de carenagem
00:08:40 Começa a queima de entrada do 1º estágio
00:09:09 A queima de entrada do 1º estágio termina
00:09:59 Corte do motor do 2º estágio (SECO)
00:09:59 Começa a queima de pouso do 1º estágio
00:10:26 Pouso do primeiro estágio
00:14:00 Ejeção do EnMAP
00:16:41 LEO-1 é liberado
00:17:30 Ejeção do GNOMES-3
00:28:43 Re-ignição do motor do 2º estágio (SES-2)
00:28:45 Corte do motor do 2º estágio (SECO-2)
01:08:28 Re-ignição do motor do 2º estágio (SES-3)
01:08:29 Corte do motor do 2º estágio (SECO-3)
01:14:42 O ARCSAT é liberado
01:14:54 Liberação do AlfaCrux
01:15:07 Liberação de 12 satélites Swarm
01:16:22 Shankuntala liberado
01:16:39 BD-Sat liberado
01:17:08 BRO-7 é liberado
01:17:28 Liberação do NewSat-27
01:17:44 Liberação do NewSat-23
01:18:43 Liberação do NewSat-24
01:20:18 Liberação do NewSat-25
01:22:48 Liberação do NewSat-26
01:23:25 Hawk 4C é liberado
01:23:36 Hawk 4B liberado
01:24:13 Hawk 4A liberado
01:25:46 Ejeção do MP42
01:25:58 Lynk Tower 01 é liberado

[*] – Na classificação de massa e em termos estritos, um nanossatélite (ou nanosat) é qualquer satélite com massa de 1 kg a 10 kg. Nesta base de dados, “nanosatélite” abrange todos os CubeSats , PocketQubes , TubeSats , SunCubes , ThinSats e picossatélites não-padronizados, salvo indicação em contrário. O limite superior é de 10 kg para tipos não padronizados de nanosats e CubeSat tamanho 27U (de 30 a 40 kg). O limite inferior é o “1p”, os “PocketQubes” e demais picossatélites personalizados acima de 100 g, e os “SunCubes” que podem ser inferiores a 100 gramas.

Todos fazem parte da mesma revolução dos pequenos CubeSats e são fruto do desenvolvimento da tecnologia eletrônica moderna em termos de miniaturização de componentes. A classificação pela massa , porém, não é restrita a números exatos: Um CubeSat tamanho 1U pode ter 0,8 kg, mas também de 1,3 kg. Um 6U pode ser inferior ou superior a 10 kg. A maioria das massas desses pequenos aparelhos não são divulgadas.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Atualização ‘Transporter-4’: 60 % de chance de lançamento hoje

Clima melhora e B1061.7 deve decolar com quarenta satélites

Falcon 9 na plataforma em Cabo Canaveral

A SpaceX tem 60% de possibilidade de lançar hoje, 1º de abril às 16:24:16.974 UTC – 13:24:16.974 de Brasilia, sua quarta missão do SmallSat Rideshare Program – a Transporter-4 em orbita síncrona SSO. O lançamento será feito a partir do complexo Space Launch Complex SLC-40, da Cape Canaveral Space Force Station na Flórida. A meteorologia, previa anteriormente 30% de chance de clima favorável, atualizada para 60% a 50 minutos antes de T-zero. O foguete Falcon 9 v1.2 FT Block 5 que lançará a missão é o booster B1061-7.

O programa SmallSat Rideshare da SpaceX oferece a pequenos operadores missões de carona compartilhada programadas e dedicadas do Falcon 9 em órbita para cargas úteis da classe ESPA por US$ 1 milhão por missão, o que inclui até 200 kg de carga útil.

A Transporter-4 carrega satélites de EUA,  França, Lituânia, Índia, Eslováquia, Brasil, Noruega, Argentina e, possivelmente, Dinamarca

Anteriormente, o “core” de primeiro estágio lançou seis missões, uma Starlink, as primeira e segunda missões operacionais de astronautas americanos para a Estação Espacial Internacional pela SpaceX ; também lançou o satélite Sirius Radio SXM-8, a missão de reabastecimento Cargo Dragon 2 CRS-23 para a ISS e a missão Imaging X-ray Polarimetry Explorer da NASA. Logo após a colocação do segundo estágio do Falcon 9 em órbita, a empresa planeja pousar o primeiro estágio na balsa drone ‘Just Read the Instructions‘, que está estacionada a 532 km do Cabo Canaveral no Oceano Atlântico, rebocada pelo Finn Falgout; A recuperação das conchas da carenagem da cabeça deve ser a 604 km, pelo navio de apoio ‘Bob’. O peso total do foguete na decolagem deve ser de 55o.300 kg. ; Já o segundo estágio deve fazer reentrada no Oceano Índico.

Satélites montados no adaptador-ejetor, montados na carenagem de cabeça do foguete

As quarenta cargas úteis estão montadas no topo do segundo estágio foguete, e a empresa compartilhou uma fotografia do interior da carenagem que mostra as cargas organizadas em uma configuração especial no adaptador com tecnologia de anel ESPA (Expendable Secondary Port Adapter). O ESPA permite que se conectem dezenas de pequenos satélites ao adaptador para obter o máximo de um lançamento em uma única missão, conforme ilustrado abaixo. As empresas também têm a opção de usar adaptadores ESPA personalizados para satélites.

Arranjo dos satélites no suporte, com seus dispensadores
Etapas do lançamento a partir da decolagem (T zero) até o pouso na balsa-drone pelo primeiro estágio

A missão Transporter-4 ejetará os 40 satélites em órbita síncrona com o sol, incluindo “cubeSats, microsats, picosats, cargas úteis hospedadas sem liberação da carga útil e um veículo de transferência orbital transportando espaçonaves para serem liberados posteriormente”, disse a empresa. O programa reduz o custo do voo espacial, permitindo que as organizações compartilhem o Falcon 9 por um preço combinado. Reservar um foguete inteiro pode custar até US$ 67 milhões. Sob o programa, a empresa tem um preço base de US$ 1,1 milhão para ejetar uma carga útil de 200 quilos.

As cargas úteis incluem cubesats, microsats, picosats [*], cargas hospedadas e um satélite de transferência orbital: entre eles o LEO-1 / Omnispace 1; Shankuntala/Pixxel 2; doze satélites Swarm, os Hawk 4A, 4B, 4C e EnMAP.

O AlfaCrux, desenvolvido nos laboratórios da Universidade de Brasília

Também está no manifesto de carga o AlfaCrux, desenvolvido no laboratório da Universidade de Brasília (UnB) – resultado de uma parceria entre a instituição, a Agência Espacial Brasileira e a Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal (FAP-DF). Do tamanho padrão CubeSat, o satélite tem aresta de dez centímetros e pesa 1,5 quilo. O Alfa Crux foi produzido com uma combinação de sistemas trazidos de fora do país com soluções desenvolvidas no Brasil. O subsistema de orientação espacial , por exemplo, foi criado pelo próprio time de pesquisadores do nanossatélite. O satélite ficará em órbita a cerca de 500 quilômetros de altitude estabelecendo conexão de dados e voz com a superfície. A iniciativa é parte de uma onda de projetos que buscam desenvolver satélites de dimensões reduzidas, além de baixo custo de produção, lançamento e manutenção.

Foguete Falcon 9 v1.2 FT Block 5

CONTAGEM REGRESSIVA
Todos os horários são aproximados

hh / min: s: Evento
00:38:00 O diretor de lançamento da SpaceX verifica o abastecimento do propelente
00:35:00 RP-1 (querosene de grau de foguete) abastecido nos tanques
00:35:00 abastecimento dos tanques do primeiro estágio com oxigênio líquido
00:16:00 Carregamento de LOX do segundo estágio
00:07:00 Foguete inicia o resfriamento dos motores (chilldown) antes do lançamento
00:01:00 Computador de voo habilita rotina de comando para decolagem nas verificações finais de pré-lançamento
00:01:00 A pressurização dos tanques de propelente para a pressão de voo é regulada
00:00:45 Diretor de lançamento da SpaceX certifica o lançamento
00:00:03 O controlador comanda a sequência de ignição dos motores para decolagem
00:00:00 Decolagem do Falcon 9

LANÇAMENTO, ATERRISSAGEM E LIBERAÇÃO
Todos os horários são aproximados

hh / min: s: Evento
00:01:12 Max Q (momento de máximo de estresse mecânico no foguete)
00:02:30 Corte do motor principais do 1º estágio (MECO)
00:02:34 primeiro e segundo estágios separados (estagiamento)
00:02:41 Ignição dos motores do 2º estágio
00:03:01 Liberação de carenagem
00:08:40 Começa a queima de entrada do 1º estágio
00:09:09 A queima de entrada do 1º estágio termina
00:09:59 Corte do motor do 2º estágio (SECO)
00:09:59 Começa a queima de pouso do 1º estágio
00:10:26 Pouso do primeiro estágio
00:14:00 Ejeção do EnMAP
00:16:41 LEO-1 é liberado
00:17:30 Ejeção do GNOMES-3
00:28:43 Re-ignição do motor do 2º estágio (SES-2)
00:28:45 Corte do motor do 2º estágio (SECO-2)
01:08:28 Re-ignição do motor do 2º estágio (SES-3)
01:08:29 Corte do motor do 2º estágio (SECO-3)
01:14:42 O ARCSAT é liberado
01:14:54 Liberação do AlfaCrux
01:15:07 Liberação de 12 satélites Swarm
01:16:22 Shankuntala liberado
01:16:39 BD-Sat liberado
01:17:08 BRO-7 é liberado
01:17:28 Liberação do NewSat-27
01:17:44 Liberação do NewSat-23
01:18:43 Liberação do NewSat-24
01:20:18 Liberação do NewSat-25
01:22:48 Liberação do NewSat-26
01:23:25 Hawk 4C é liberado
01:23:36 Hawk 4B liberado
01:24:13 Hawk 4A liberado
01:25:46 Ejeção do MP42
01:25:58 Lynk Tower 01 é liberado

[*] – Na classificação de massa e em termos estritos, um nanossatélite (ou nanosat) é qualquer satélite com massa de 1 kg a 10 kg. Nesta base de dados, “nanosatélite” abrange todos os CubeSats , PocketQubes , TubeSats , SunCubes , ThinSats e picossatélites não-padronizados, salvo indicação em contrário. O limite superior é de 10 kg para tipos não padronizados de nanosats e CubeSat tamanho 27U (de 30 a 40 kg). O limite inferior é o “1p”, os “PocketQubes” e demais picossatélites personalizados acima de 100 g, e os “SunCubes” que podem ser inferiores a 100 gramas.

Todos fazem parte da mesma revolução dos pequenos CubeSats e são fruto do desenvolvimento da tecnologia eletrônica moderna em termos de miniaturização de componentes. A classificação pela massa , porém, não é restrita a números exatos: Um CubeSat tamanho 1U pode ter 0,8 kg, mas também de 1,3 kg. Um 6U pode ser inferior ou superior a 10 kg. A maioria das massas desses pequenos aparelhos não são divulgadas.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Falcon 9 lança amanhã a ‘Transporter-4’

Foguete decola com quarenta satélites

Falcon 9 na plataforma em Cabo Canaveral

A SpaceX deve lançar em 1º de abril às 16:24:16.974 UTC – 13:24:16.974 de Brasilia, (com datas alternativas de 02 a 08 de abril) sua quarta missão do SmallSat Rideshare Program – a Transporter-4 em orbita síncrona do Sol – SSO. É uma missão dedicada de compartilhamento de lançamento da SpaceX. O programa SmallSat Rideshare da SpaceX oferece a pequenos operadores missões de carona compartilhada regularmente programadas e dedicadas do Falcon 9 em órbita SSO para cargas úteis da classe ESPA por apenas US$ 1 milhão por missão, o que inclui até 200 kg de massa de carga útil. O foguete Falcon 9 v1.2 FT Block 5 que lançará a missão é o booster B1061-7. O lançamento será feito a partir do complexo Space Launch Complex SLC-40, da Cape Canaveral Space Force Station na Flórida. A meteorologia, contudo, prevê 30% de chance de clima favorável.

A Transporter-4 carrega satélites de EUA,  França, Lituânia, Índia, Eslováquia, Brasil, Noruega, Argentina e, possivelmente, Dinamarca

Anteriormente, este foguete de primeiro estágio (“core”) lançou seis missões, incluindo uma Starlink, as primeira (Crew-1) e segunda (Crew-2) missões operacionais de astronautas americanos para a Estação Espacial Internacional da SpaceX ; também lançou o satélite SiriusXM Radio SXM-8, a missão de reabastecimento Cargo Dragon 2 CRS-23 para a ISS e a missão científica Imaging X-ray Polarimetry Explorer (IXPE) da NASA. Logo após a colocação do segundo estágio do Falcon 9 em órbita, a empresa planeja pousar o foguete do primeiro estágio na balsa drone ‘Just Read the Instructions‘, que estará estacionada a 532 km de distância do Cabo Canaveral no Oceano Atlântico, rebocada pelo rebocador Finn Falgout; A recuperação da carenagem da cabeça deve ser a 604 km pelo navio de apoio ‘Bob’. O peso total do lançador na decolagem deve ser de 55o.300 kg. ; Já o segundo estágio deve fazer reentrada no Oceano Índico.

Satélites montados no adaptador-ejetor, montados na carenagem de cabeça do foguete

As 40 cargas úteis estão montadas no topo do segundo estágio foguete, e a empresa compartilhou uma fotografia do interior da carenagem que mostra as cargas organizadas em uma configuração especial no adaptador com tecnologia de anel ESPA (Expendable Secondary Port Adapter). O ESPA permite que se conectem dezenas de pequenas espaçonaves ao adaptador de carga útil para obter o máximo de um lançamento de foguete em uma única missão, conforme ilustrado abaixo. As empresas também têm a opção de usar adaptadores ESPA personalizados para satélites.

Arranjo dos satélites no suporte, com seus dispensadores
Etapas do lançamento a partir da decolagem (T zero) até o pouso na balsa-drone pelo primeiro estágio

O programa reduz o custo do voo espacial, permitindo que as organizações compartilhem o Falcon 9 por um preço combinado. Reservar um foguete inteiro pode custar até US$ 67 milhões. Sob o programa, a empresa tem um preço base de US$ 1,1 milhão para ejetar uma carga útil de 200 quilos. A missão Transporter-4 ejetará 40 satélites em órbita síncrona com o sol, incluindo “cubeSats, microsats, picosats, cargas úteis hospedadas sem liberação da carga útil e um veículo de transferência orbital transportando espaçonaves para serem liberados posteriormente”, disse a empresa.

As cargas úteis incluem cubesats, microsats, picosats [*], cargas hospedadas e um veículo de transferência orbital: entre eles o LEO-1 / Omnispace 1; Shankuntala/Pixxel 2; 12 satélites Swarm, os Hawk 4A, 4B, 4C e EnMAP.

O AlfaCrux, desenvolvido nos laboratórios da Universidade de Brasília

Também está no manifesto de carga o AlfaCrux, desenvolvido no laboratório da Universidade de Brasília (UnB) – resultado de uma parceria entre a instituição, a Agência Espacial Brasileira e a Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal (FAP-DF). Do tamanho padrão CubeSat, o satélite tem aresta de dez centímetros e pesa 1,5 quilo. O Alfa Crux foi produzido com uma combinação de sistemas trazidos de fora do país com soluções desenvolvidas no Brasil. O subsistema de orientação espacial , por exemplo, foi criado pelo próprio time de pesquisadores do nanossatélite. O satélite ficará em órbita a cerca de 500 quilômetros de altitude estabelecendo conexão de dados e voz com a superfície. A iniciativa é parte de uma onda de projetos que buscam desenvolver satélites de dimensões reduzidas, além de baixo custo de produção, lançamento e manutenção.

Foguete Falcon 9 v1.2 FT Block 5

CONTAGEM REGRESSIVA
Todos os horários são aproximados

hh / min: s: Evento
00:38:00 O diretor de lançamento da SpaceX verifica o abastecimento do propelente
00:35:00 RP-1 (querosene de grau de foguete) abastecido nos tanques
00:35:00 abastecimento dos tanques do primeiro estágio com oxigênio líquido
00:16:00 Carregamento de LOX do segundo estágio
00:07:00 Foguete inicia o resfriamento dos motores (chilldown) antes do lançamento
00:01:00 Computador de voo habilita rotina de comando para decolagem nas verificações finais de pré-lançamento
00:01:00 A pressurização dos tanques de propelente para a pressão de voo é regulada
00:00:45 Diretor de lançamento da SpaceX certifica o lançamento
00:00:03 O controlador comanda a sequência de ignição dos motores para decolagem
00:00:00 Decolagem do Falcon 9

LANÇAMENTO, ATERRISSAGEM E LIBERAÇÃO
Todos os horários são aproximados

hh / min: s: Evento
00:01:12 Max Q (momento de máximo de estresse mecânico no foguete)
00:02:30 Corte do motor principais do 1º estágio (MECO)
00:02:34 primeiro e segundo estágios separados (estagiamento)
00:02:41 Ignição dos motores do 2º estágio
00:03:01 Liberação de carenagem
00:08:40 Começa a queima de entrada do 1º estágio
00:09:09 A queima de entrada do 1º estágio termina
00:09:59 Corte do motor do 2º estágio (SECO)
00:09:59 Começa a queima de pouso do 1º estágio
00:10:26 Pouso do primeiro estágio
00:14:00 Ejeção do EnMAP
00:16:41 LEO-1 é liberado
00:17:30 Ejeção do GNOMES-3
00:28:43 Re-ignição do motor do 2º estágio (SES-2)
00:28:45 Corte do motor do 2º estágio (SECO-2)
01:08:28 Re-ignição do motor do 2º estágio (SES-3)
01:08:29 Corte do motor do 2º estágio (SECO-3)
01:14:42 O ARCSAT é liberado
01:14:54 Liberação do AlfaCrux
01:15:07 Liberação de 12 satélites Swarm
01:16:22 Shankuntala liberado
01:16:39 BD-Sat liberado
01:17:08 BRO-7 é liberado
01:17:28 Liberação do NewSat-27
01:17:44 Liberação do NewSat-23
01:18:43 Liberação do NewSat-24
01:20:18 Liberação do NewSat-25
01:22:48 Liberação do NewSat-26
01:23:25 Hawk 4C é liberado
01:23:36 Hawk 4B liberado
01:24:13 Hawk 4A liberado
01:25:46 Ejeção do MP42
01:25:58 Lynk Tower 01 é liberado

[*] – Na classificação de massa e em termos estritos, um nanossatélite (ou nanosat) é qualquer satélite com massa de 1 kg a 10 kg. Nesta base de dados, “nanosatélite” abrange todos os CubeSats , PocketQubes , TubeSats , SunCubes , ThinSats e picossatélites não-padronizados, salvo indicação em contrário.

Todos fazem parte da mesma revolução dos pequenos CubeSats e são fruto do desenvolvimento da tecnologia eletrônica moderna em termos de miniaturização de componentes. A classificação pela massa , porém, não é restrita a números exatos: Um CubeSat tamanho 1U pode ter 0,8 kg, mas também de 1,3 kg. Um 6U pode ser inferior ou superior a 10 kg. A maioria das massas desses pequenos aparelhos não são divulgadas.

O limite superior é de 10 kg para tipos não padronizados de nanosats e CubeSat tamanho 27U (de 30 a 40 kg). O limite inferior é o “1p”, os “PocketQubes” e demais picossatélites personalizados acima de 100 g, e os “SunCubes” que podem ser inferiores a 100 gramas.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9