China afirma que foguete que vai cair na Lua não é de sua missão de 2014

O aparelho não pertenceria à CE-T1

A Terra e a Lua vistas pela Chang’e 5 do ponto Lagrange 1 Sol-Terra em abril de 2021, antes de retornar ao sistema Terra-Lua. foto CNSA/CLEP

por Andrew Jones

Os destroços de foguete que devem impactar a Lua em março não se originaram da missão Chang’e-5 T1 de 2014, afirma o Ministério das Relações Exteriores da China. “De acordo com o monitoramento , o estágio superior do foguete relacionado à missão Chang’e-5 T1 reentrou na atmosfera da Terra e queimou completamente”, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Wang Wenbin , hoje, 21 de fevereiro de 2022.
Dados de rastreamento espacial do 18º Esquadrão de Controle Espacial da Força Espacial americana sugerem que o objeto 2014-065B reentrou na atmosfera em outubro de 2015, um ano após o lançamento, aparentemente apoiando a afirmação chinesa.

A alegação adiciona mais mistério a um evento que chamou a atenção desde que foi relatado pela primeira vez que um objeto impactaria a Lua. O astrônomo Bill Gray informou em 21 de janeiro que um objeto designado WE0913A estava em uma trajetória que colidiria com a Lua em 4 de março. Gray inicialmente associou os detritos com o lançamento do Falcon 9 em fevereiro de 2015 do Deep Space Climate Observatory (DSCOVR). Gray revisou a identificação do WE0913A em 12 de fevereiro , no entanto, sugerindo um ajuste melhor para ser o estágio superior de um estágio de foguete Longa Marcha 3C que lançou a Chang’e-5 T1 em 2014, um objeto catalogado com o designador internacional 2014-065B. “De certa forma, isso continua sendo uma evidência ‘circunstancial’”, escreveu Gray, acrescentando uma ressalva.

O Washington Post mais tarde relatou uma declaração do Centro de Estudos de Objetos Próximo à Terra do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA, que disse que o objeto é provavelmente o foguete chinês da Chang’e 5-T1 lançado em 2014. Análise espectral independente por estudantes da Universidade do Arizona também afirmou ter confirmado a identidade do objeto como provavelmente pertencente à missão da China. O novo desenvolvimento, se confirmado, destaca os desafios de rastrear objetos no espaço profundo. Gray observa em seus relatórios sobre o objeto que rastrear lixo no espaço profundo não tem sido “uma grande preocupação”, explicando que o rastreamento da Força Espacial dos EUA está focado em órbitas mais baixas.

O radar, que é usado pode rastrear objetos tão pequenos quanto cerca de 10 centímetros em órbitas mais baixas, mas os telescópios são necessários para rastrear até objetos grandes quando estão mais distantes da Terra. O evento também destaca a importância da sustentabilidade nas operações espaciais daqui para frente. Tanto os Estados Unidos quanto vários parceiros e China e Rússia estão planejando os respectivos programas Artemis e Estação Internacional de Pesquisa Lunar ( ILRS ) para estabelecer uma presença de longo prazo na Lua.

A Chang’e-5 T1 foi uma missão experimental para uma futura missão de retorno de amostras lunares mais ambiciosa. Ela testou com sucesso uma nave espacial para reentrada faseada depois de retornar da Lua, verificando que uma cápsula de reentrada poderia trazer rochas lunares com segurança à Terra. O estágio superior do foguete Longa Marcha 3C para a missão também carregou a missão Manfred Memorial Moon para Luxemburgo. Já a missão Chang’e-5 foi lançada em novembro de 2020, coletando 1,7 kg de amostras lunares frescas da Lua e trazendo-as à Terra em dezembro de 2020.

O estágio superior dessa missão, de um foguete Longa Marcha 5, reentrou sobre o Oceano Pacífico uma semana após o lançamento. “Os esforços aeroespaciais da China estão sempre de acordo com a lei internacional”, disse Wang , em resposta à pergunta sobre o impacto lunar iminente da Associated Press. “Estamos comprometidos em salvaguardar seriamente a sustentabilidade a longo prazo das atividades do espaço e estamos prontos para ter amplos intercâmbios e cooperação com todos os lados”.

O módulo de serviço da Chang’e-5 de 2020 está atualmente testando uma órbita inédita ao redor da Lua em uma missão estendida ao espaço profundo. O módulo de serviço, que desempenhou um papel importante na entrega de 1,731 kg de amostras lunares à Terra em 2020, está agora na chamada órbita retrógrada distante (distant retrograde orbit – DRO) da Lua, de acordo com rastreadores amadores de satélite.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Author: homemdoespacobrasil

Sua referência em Astronáutica na internet

%d bloggers like this: