Quarenta ‘Starlinks’ fora de curso

Satélite Starlink reentra sobre Pòrto Rico. O usuário do YouTube kevinizooropa já havia filmado segundos estágios da SpaceX e chuvas de meteoros, e em 7 de fevereiro capturou a reentrada de um dos Starlink sobre Porto Rico (conforme confirmado pelo astrônomo Jonathan McDowell).

A SpaceX perdeu cerca de 40 dos 49 satélites de internet Starlink lançados em órbita em 3 de fevereiro como resultado de “uma tempestade geomagnética” no dia 4, anunciou a empresa em seu site. “A análise preliminar mostrou que o aumento da resistência do ar em baixas altitudes não permitiu que os satélites saíssem do modo de segurança e iniciassem a correção de órbita, e cerca de 40 deles retornarão ou já retornaram à atmosfera terrestre”, disse a empresa. Não haverá detritos orbitais e nenhuma parte dos satélites atingirá a Terra, acrescentou a SpaceX.

A empresa observou que, devido à tempestade, a resistência do ar rarefeito na altitude (cerca de 270 km) se tornou 50% mais forte do que nos lançamentos anteriores. Isso tornou mais difícil para os satélites alcançarem sua posição orbital. Os especialistas decidiram colocar os minissatélites em modo de segurança, em que se deslocassem ‘lateralmente’ em órbita, para diminuir a resistência, mas essas medidas não ajudaram. Segundo a SpaceX, os veículos fora de órbita não representam uma ameaça para outros satélites e são projetados para queimar ao entrar na reentrada na atmosfera terrestre. As tempestades geomagnéticas são desencadeadas por distúrbios entre o campo magnético da Terra e as partículas carregadas do sol, conhecidas como vento solar, de acordo com o Space Weather Prediction Center. Os satélites foram lançados a uma baixa altitude de cerca de 200 quilômetros, e então tiveram que subir até a altura exigida pelos motores elétricos de efeito Hall por conta própria. A SpaceX vem fazendo esses lançamentos há cerca de 3 anos e até agora tudo está funcionando bem. Desta vez, de acordo com a capacidade do motor, não foi suficiente para alguns satélites subirem em uma atmosfera tão densa.

O lançamento dos 49 Starlinks foi realizado usando um foguete pesado Falcon 9 em 3 de fevereiro às 13:13, horário da Costa Leste dos EUA do Complexo de Lançamento 39A no Porto Espacial de Cabo Canaveral, na Flórida. Cerca de 80% desses satélites foram “significativamente impactados” pela tempestade geomagnética da sexta-feira. A constelação orbital da SpaceX consiste em mais de duas mil unidades pesando 290 kg cada dos quais quase 1.900 estão funcionando. A empresa é atualmente a maior operadora de satélites do mundo.

O SpaceTrack divulgou informações de reentrada para 5 unidades do recente lote Starlink: [o satélite] 2022-010L reentrou às 0006 UTC de 9 de fevereiro sobre 45W 46S. Quatro outros caíram de 6 a 7 de fevereiro em 169E 20N, 55E 2S, 106W 40N e 66W 28N- o último destes foi a entrada vista de Porto Rico.

Gráfico revisado mostrando as altitudes de liberação de Starlinks (imagem superior: perigeu azul, apogeu em vermelho); densidade atmosférica (no meio) a 200 (vermelho), 220 (azul), 250 (verde) km de altitude e fluxo de rádio solar (inferior). Densidade do modelo NRL-MSISE00 usando dados solares Kelso

No futuro, a SpaceX planeja colocar uma constelação orbital de 12.000 espaçonaves desse tipo (e posteriormente 30.000) para criar uma rede em grande escala que fornecerá aos assinantes acesso à internet de banda larga em qualquer lugar do mundo. O investimento total no projeto é estimado em US$ 10 bilhões.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Author: homemdoespacobrasil

Sua referência em Astronáutica na internet

%d bloggers like this: