Astra lança hoje missão para a NASA

Foguete de pequeno porte de ‘resposta rápida’ decola hoje à tarde

A contagem regressiva do Astra em Cabo Canaveral está atualmente suspensa. A contagem regressiva do Astra foi retomada. Os relógios em Cabo Canaveral estão marcados para as 15h30 EST (20:30 GMT, 17:30 Brasilia). A janela de lançamento de hoje para a missão de demonstração do Venture Class Launch Services da NASA vai até as 16h EST (21:30 GMT, ou 18:00 Brasília).

Foguete Astra na plataforma

A Astra Space Inc vai lançar hoje, 5 de fevereiro de 2022, às 16:10 hora de Brasília (19:10 UTC) quatro satélites de pesquisa desenvolvidos por três universidades e pelo Centro Espacial Johnson da NASA. Os cubesats, da Iniciativa de Lançamento CubeSat da NASA (CSLI), estão voando na missão Educational Launch of Nanosatellites (ELaNa 41). O lançamento da ELaNa 41 será o primeiro operacional da Astra Space . A empresa programa a decolagem de seu Rocket 3.3 LV0008 do Space Launch Complex 46 na Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral, na Flórida.

O ELaNa 41 lançará quatro CubeSats, projetados e construídos por três universidades e um centro da NASA. Eles incluem:

BAMA-1 – Universidade do Alabama, Tuscaloosa
INCA – Universidade Estadual do Novo México, Las Cruces
QubeSat – Universidade da Califórnia, Berkeley
R5-S1 – Centro Espacial Johnson da NASA, Houston

Este serviço de lançamento é fruto de um contrato Venture Class Launch Services Demonstration 2 , para recursos de lançamento dedicados para cargas úteis pequenas, concedidos pelo Programa de Serviços de Lançamento da NASA (LSP) com sede no Kennedy Space Center. As missões de classe de risco da NASA ajudam no desenvolvimento e demonstração de novos veículos de lançamento comercial. “Esses lançamentos VCLS Demo 2 de pequenos satélites podem tolerar um nível mais alto de risco do que missões maiores e demonstrarão e ajudarão a mitigar os riscos associados ao uso de novos veículos de lançamento que fornecem acesso ao espaço para futuras pequenas espaçonaves e missões.”

Zona de lançamento
Transmissao ao vivo do Homem do Espaço

Missão ELaNa-41

VCLS logo.

O Programa de Serviços de Lançamento da NASA (LSP) concedeu vários contratos Venture Class Launch Services Demonstration 2 para lançar pequenos satélites (SmallSats) para o espaço, incluindo CubeSats, microsats ou nanossatélites. A primeira missão sob o contrato decola de Cabo Canaveral no Astra Rocket de hoje.

Os CubeSats foram desenvolvidos por três universidades e pelo Centro Espacial Johnson da NASA. Os CubeSats, selecionados pela Iniciativa de Lançamento CubeSat da NASA (CSLI), voando na missão Educational Launch of Nanosatellites (ELaNa 41).  Os CubeSats estão desempenhando um papel cada vez maior na exploração, demonstrações de tecnologia, pesquisa científica e investigações educacionais. Esses satélites em miniatura fornecem uma plataforma de baixo custo para missões da NASA, incluindo exploração espacial planetária; Observação da Terra; ciência fundamental da Terra e do espaço; e demonstrações de tecnologia, como comunicações a laser de última geração, armazenamento de energia, propulsão no espaço e capacidades de movimento autônomo. Eles também fornecem aos educadores meios econômicos para envolver os alunos em todas as fases de desenvolvimento de satélite, operação e exploração de dados coletados por meio de pesquisa prática e experiência de desenvolvimento do mundo real em oportunidades de lançamento de caronas compartilhadas financiadas pela NASA.

O CSLI permite o lançamento de projetos CubeSat projetados, construídos e operados por alunos, professores e professores, bem como Centros da NASA e organizações sem fins lucrativos. Gerenciadas pelo LSP, as missões ELaNa oferecem uma oportunidade de ejeção ou lançamento de compartilhamento de carona para o espaço para CubeSats selecionados por meio do CSLI. Os gerentes de missão da ELaNa e suas equipes oferecem instrução sobre voos espaciais por meio da preparação (licenciamento, integração e testes) de cargas úteis voadas no espaço. Desde a sua criação em 2010, a iniciativa selecionou mais de 200 missões CubeSat, das quais mais de 100 foram lançadas ao espaço, com mais de 30 missões programadas para lançamento nos próximos 12 meses. Os CubeSats selecionados representam participantes de 42 estados, Distrito de Columbia, Porto Rico e 102 organizações exclusivas. Esses satélites em miniatura foram priorizados e selecionados por meio de uma análise formal da NASA das propostas apresentadas em resposta aos anúncios do CSLI. A NASA anunciou seu mais recente chamado para propostas em 9 de agosto de 2021.

Ejeção dos CubeSat

Os quatro cubesats do ELaNa 41 serão ejetados no espaço a partir de seu dispensador no topo do estágio superior do foguete Rocket 3.3.

BAMA-1  – Universidade do Alabama, Tuscaloosa

BAMA-1 CubeSat.
O BAMA-1 , formato 3U CubeSat completa suas verificações de ajuste e integração. por : Abby Feeder, Universidade do Alabama

O BAMA-1 é uma missão de demonstração de tecnologia que realizará uma demonstração de voo de um módulo de vela de arrasto desorbitando rapidamente o satélite. As naves espaciais equipadas com tecnologia de arrasto serão capazes de desorbitar de forma confiável e rápida, reduzindo assim os detritos espaciais e o risco para satélites operacionais, estações espaciais e veículos tripulados.

INCA CubeSat.
Ian McNeil testando o painel solar extensível do INCA. por : Mark Roberts, New Mexico State University

INCA – Universidade Estadual do Novo México, Las Cruces

O INCA (Ionospheric Neutron Content Analyzer) é uma missão de investigação científica que estudará as dependências de latitude e tempo do espectro de nêutrons em órbita baixa da Terra pela primeira vez para melhorar os modelos atuais de clima espacial e mitigar ameaças ao espaço e ativos aéreos. As medições virão de um novo espectrômetro de nêutrons direcional, que está sendo desenvolvido em conjunto com o Goddard Space Flight Center da NASA e a Universidade de New Hampshire.

QubeSat CubeSat.
O objetivo principal do 2U cubesat QubeSat é testar e qualificar um giroscópio quântico desenvolvido por pesquisadores da Universidade da Califórnia, Berkeley, nas condições de órbita baixa da Terra. por Universidade da Califórnia, Berkeley

QubeSat – Universidade da Califórnia, Berkeley

QubeSat é uma missão de demonstração de tecnologia. Ele testará e caracterizará os efeitos das condições espaciais em giroscópios quânticos usando centros de vacância de nitrogênio em diamante. Os centros de vacância de nitrogênio são pontos de defeito de nitrogênio no diamante com propriedades quânticas que permitem aos cientistas formar giroscópios que medem a velocidade angular. As tecnologias baseadas em centros de vacância de nitrogênio são particularmente adequadas para o espaço devido à sua alta precisão, fator de forma pequeno e tolerância à radiação.

R5-S1 CubeSat.
O R5-S1 destina-se a avaliar a adequação de componentes comerciais de prateleira para recursos de inspeção extraveicular de voo livre, incluindo câmeras, computadores e algoritmos. por : Sam Pedrotty, Centro Espacial Johnson da NASA

R5-S1 – Centro Espacial Johnson da NASA, Houston

O R5-S1 destina-se a “demonstrar uma maneira rápida e econômica de construir CubeSats bem-sucedidos, além de demonstrar algumas tecnologias importantes para a inspeção no espaço, que podem ajudar a tornar a exploração espacial tripulada mais segura e eficiente”. O R5-S1 pode ser uma maneira mais barata de demonstrar tecnologias cruciais, como computadores de alto desempenho, câmeras, algoritmos e uma nova maneira de satélites transmitirem imagens para o solo.

Tom Marotta, Gerente Principal de Licenciamento de Lançamento, anunciou em nome da Astra:

“Hoje, temos o orgulho de anunciar que a Astra é a primeira empresa a receber uma licença Part 450 da Federal Aviation Administration (FAA). Nossa missão ELaNa41 para a NASA (e primeiro lançamento fora do Cabo Canaveral) será conduzida sob esta licença. A Parte 450 é uma estrutura de licenciamento de lançamento para operações de lançamento e reentrada de voos espaciais comerciais que consolida as Partes 415, 417, 431 e 435 sob um único regime de licenciamento. A FAA introduziu a Part 450 de uma diretriz do Conselho Nacional do Espaço para encorajar a liderança americana no comércio espacial.
A Part 450 é baseada em desempenho, permitindo uma cadência de lançamento mais alta e maior flexibilidade regulatória. Sob licenças anteriores, um operador normalmente tinha que esperar anos antes de receber autorização para realizar vários lançamentos. Agora, um operador pode solicitar e receber uma única autorização para realizar vários lançamentos do mesmo veículo ou de uma família de veículos. As licenças Part 450 de lançamento responsivo, disponibilidade de programação e custo mais baixo podem ser modificadas para adicionar locais adicionais, economizando tempo e despesas de solicitação de uma nova licença à medida que o Astra expande sua frota de foguetes e portos espaciais. Essa mesma eficiência de custo é realizada por missão, com conformidade regulatória simplificada para cada voo subsequente sob a Parte 450. Graças aos avanços da tecnologia, o espaço agora é acessível ao setor privado de maneiras nunca antes vistas, possibilitando uma nova geração de empreendedores. A revolução que está acontecendo na indústria espacial é semelhante ao nascimento da internet – dezenas de milhares de satélites estão planejados para serem construídos e lançados na próxima década. A nova regra da Parte 450 foi introduzida para apoiar uma maior inovação e ajudar a estabelecer as bases para a FAA acompanhar o aumento dramático na cadência e complexidade das operações de transporte espacial comercial.

Foguete tem cinco motores Delphin de turbombas acionadas por baterias elétricas

Benefícios em todo o setor: permitindo iteração rápida e inovação
A indústria espacial comercial em rápido crescimento está desenvolvendo algumas das tecnologias mais avançadas do mundo e é um diferencial estratégico e econômico fundamental para o nosso país. A flexibilidade é fundamental para a indústria espacial comercial – e especialmente para o Astra, pois trabalhamos para atingir nosso objetivo de lançamentos diários. Astra aplaude a FAA por tomar medidas para introduzir mais flexibilidade com a Parte 450, abrindo caminho para maiores inovações em voos espaciais.

Expandindo o acesso ao espaço – A Astra se orgulha de ser a primeira empresa a receber uma licença da Parte 450 e planejamos continuar aproveitando todo o potencial da flexibilidade da Parte 450. Nossa licença existente pode ser modificada para adicionar mais locais de lançamento, juntamente com novos veículos de lançamento. Além disso, pretendemos trabalhar em estreita colaboração com a FAA para simplificar ainda mais as atividades de conformidade por missão à medida que trabalhamos para a entrega diária de espaço. A expansão maciça do acesso à órbita é essencial para o Astra cumprir sua missão contínua de melhorar a vida na Terra a partir do espaço. A Parte 450 é um passo crítico no caminho para esse objetivo. Observação: O Astra também possui uma licença da Parte 417 para realizar lançamentos do Pacific Spaceport Complex-Alaska na Ilha Kodiak até 2026. A FAA considera os lançamentos Kodiak da Astra como operações legadas que poderão continuar sob a Parte 417.”

O foguete Astra Rocket

O foguete Astra se encaixa no segmento de foguetes pequenos do mercado de lançamentos. A variação do Rocket 3.3 pode transportar cerca de 50 quilos de carga útil para a órbita baixa da Terra, com sua versão planejada do Rocket 4.0 prevista para aumentar essa capacidade. O objetivo do Astra é lançar um foguete por dia até 2025, reduzindo seu preço de US$ 2,5 milhões.

(resumo de Gunter Krebs)
O Astra é um pequeno veículo lançador de satélites projetado pela Astra Space Inc, anteriormente conhecida como Ventions Inc. Este é um pequeno veículo lançador orbital capaz de colocar cerca de 100 kg em órbita terrestre baixa. Este veículo se baseia na experiência adquirida com o desenvolvimento do veículo lançador SALVO lançado do ar, embora este não tenha realizado nenhum lançamento. É alimentado por querosene RP-1 e oxigênio líquido (LOX). O primeiro estágio é alimentado por cinco motores Delphin de 28 kN de empuxo, cada um acionado por bombas alimentadas por bateria, e o segundo estágio usa um motor chamado Aether. O Astra usa uma infraestrutura terrestre mínima, que pode ser montada em curto prazo em diferentes locais de lançamento.

O foguete foi visto em um vídeo em fevereiro de 2018, aparentemente fazendo testes de solo na Estação Aérea Naval de Alameda. A empresa é cliente de um lançamento suborbital secreto “Rocket 1” no Pacific Spaceport Complex Alaska (PSCA) na Ilha Kodiak em 2018. O primeiro voo de teste suborbital ocorreu em 21 de julho de 2018 com falha logo após o lançamento. O segundo voo suborbital em novembro de 2018 também falhou logo após o lançamento e caiu perto da plataforma, depois que todos os cinco motores falharam. A primeira versão orbital, Rocket-3.0, é um veículo de dois estágios. O estágio um aparentemente usa um design de antepara de intertanque comum, ao contrário dos dois protótipos. Tem um diâmetro de 1,32 m e uma altura de 11,6 m. Três veículos foram construídos desta versão inicial para testes de voo, antes de produzir versões melhoradas.

A versão operacional, Rocket-3.3, é uma versão melhorada da versão Rocket-3.0. O primeiro estágio é alongado e o segundo estágio teve seu empuxo aumentado. O veículo de lançamento não requer uma infraestrutura de lançamento fixa, pois todos os componentes ( trailer de transporte, trailers de combustivel e oxidante, trailer de sistemas de suporte de solo e em geral seis contêineres de serviço) são transportáveis ​​por transporte aéreo e podem ser montados em qualquer local de lançamento de “plataforma limpa.”

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Author: homemdoespacobrasil

Sua referência em Astronáutica na internet

%d bloggers like this: