SpaceX lança satélite CSG-2 para a Itália

O COSMO-SkyMed fará observações por radar

O Falcon 9 FT Block 5 B1052.3 decola de Cabo Canaveral

O foguete Falcon 9 BL5 B1052.3 decolou do complexo de lançamento SLC-40 de Cabo Canaveral hoje, 31 de janeiro, às 23:11 UTC (20:11 de Brasília) transportando o satélite italiano CSG-2. O ‘booster’ de primeiro estágio aterrissou em terra, na landing zone LZ1. As carenagens de carga caíram de paraquedas ao norte de Cuba a 596 km de distancia do local de disparo, sendo recuperadas pelo navio de apoio Bob.

O primeiro estágio “core” B1052 deste Falcon 9 foi usado anteriormente duas vezes como foguete auxiliar (‘booster’) de foguetes Falcon Heavy , e foi convertido para ser um primeiro estágio em uso ‘solo’ . Foi usado nas missões que lançaram os satélites Arabsat-6A e STP-2 em 2019. Após a separação dos estágios foi feita uma manobra “dogleg” para que o foguete atingisse o azimute sul-sudoeste. Depois de ejetar o satélite, o segundo estágio orientou-se para fazer a reentrada na armosfera sobre o Pacífico Sul.

Os COSMO-SkyMed segunda geração (Constelação de Pequenos Satélites para observação da bacia do Mediterrâneo), ou CSG – ‘Seconda Generazione’, é um programa de observação da Terra da Agenzia Spatiele Italiana (ASI) para substituir o sistema COSMO-SkyMed de primeira geração, sendo que a constelação atual foi reduzida de quatro para duas espaçonaves. Os satélites, construídos pela Thales Alenia, são versões melhoradas do projeto original. Eles usam uma versão melhorada do chassi ‘Prima Bus’. O radar CSG-SAR (COSMO-SkyMed Second Generation Synthetic Aperture Radar) também é uma versão melhorada do sistema de banda X da primeira geração. Os satélites vão operar na mesma órbita circular síncrona com o sol permitindo amanhecer-anoitecer do mesmo modo que os veículos de primeira geração, com altitude nominal de 619 km e inclinação de 97,86º. Os satélites operam no mesmo plano orbital.

O satélite CSG-2 possui um sistema de estabilização de três eixos com giroscópio, sensores solares e e de estrelas, um conjunto de quatro rodas de reação, um conjunto CMG (Control Moment Gyro) e 3 hastes de torque como atuadores, com recursos de direção em cada eixo , alta precisão de apontamento e reconhecimento e determinação de órbita em tempo real.

A constelação prevê quatro satélites faseados a 90°, a uma altitude de 619 km, com hora de travessia do equador por volta das 06h00. O satélite tem memória integrada de 300 Gbit; compressão e criptografia de dados a bordo, capacidade de downlink de banda X de 300 Mbps. Seus sistemas permitem 24 horas de autonomia operacional a bordo e sua estabilização em três eixos oferece alta precisão de apontamento , com visada à direita e esquerda. O sistema de radiolocalização é baseado em receptor GPS de precisão e rastreadores de estrelas.

O transmissor e o receptor de radar operam através de uma antena multi-feixe orientável eletricamente que concentra a energia transmitida em feixe estreito, ao longo de uma direção normal à pista do satélite, enquanto as características dos pulsos transmitidos e do tempo de recepção determina a resolução espacial e a cobertura. Cada espaçonave tem cinco anos de vida operacional.

‘Core’ de primeiro estágio pousa em terra

O satélite, de 2.230 kg, representa o estado da arte da tecnologia de médio porte de espaçonaves de órbita baixa e é composto por dois componentes principais: A plataforma PRIMA, baseada no conceito de mesmo nome, que prevê três módulos principais, estrutural e funcionalmente reagrupados para permitir a integração de módulos paralelos e atividades de teste até a integração final do satélite. Os módulos são: um módulo de serviço transportando unidades de chassis além das de propulsão; o módulo de propulsão (incluído no módulo de serviço) transportando todos os itens de motorização e tanques conectados pelas tubulações e um módulo de carga útil transportando todos os equipamentos de trabalho, incluindo os apêndices pertinentes como antenas e atuadores. E o EPS (Electrical Power Subsystem) permite lidar com a alta potência de pico exigida pela carga útil (18,6 kW) durante toda a vida operacional de sete anos. O subsistema fornece energia através de painéis solares e através de baterias na fase de eclipse. A tensão do sistema opera a 65 V para a tensão não regulada e 28 V para a regulada. Durante cada sessão de imagem feita pela carga útil SAR, a bateria fornece à antena, através de uma fonte dedicada SPDU (Switched Power Distribution Unit), a energia em excesso da saída dos painéis solares. O subsistema de energia elétrica também prevê proteções oportunas contra curtos-circuitos ou absorção anômala de energia.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Falcon 9 lançará satélite italiano CSG-2 daqui a pouco

Espaçonave do COSMO-SkyMed fará observações por radar

Foguete Falcon 9 FT Block 5 B1052.3 na plataforma

O foguete Falcon 9 BL5 B1052.3 deve ser lançado do complexo de lançamento SLC-40 de Cabo Canaveral hoje, 30 de janeiro às 23:11 UTC – 20:11 de Brasília -, com data alternativa de 28 de janeiro a 1º de fevereiro, transportando o satélite italiano CSG-2. O ‘booster’ de primeiro estágio deve aterrissar em terra na landing zone LZ1. As carenagens de carga devem cair de paraquedas ao norte de Cuba a 596 km de distancia do local de disparo, sendo recuperadas pelo navio de apoio Bob. Após a separação dos estágios haverá uma manobra “dogleg” para que o foguete atinja o azimute sul-sudoeste. Depois de ejetar o satélite, o segundo estágio fará uma reentrada na armosfera sobre o Pacífico Sul.

A previsão do tempo indica probabilidade de clima favorável para o dia principal de 60% com classificação de segurança para pouso do ‘core’ booster moderada; Para a data reserva, também 60%, com probabilidades de tesouras de vento em níveis de alta atmosfera também moderadas.

O primeiro estágio “core” B1052 deste Falcon 9 já foi usado anteriormente, duas vezes, como foguete auxiliar (‘booster’) de lançadores Falcon Heavy , e foi convertido para ser um primeiro estágio em uso ‘solo’ . Foi usado nas missões que lançaram em 2019 os satélites Arabsat-6A, em abril, e STP-2, em junho.

O satélite CSG-2 possui um sistema de estabilização de três eixos com giroscópio, sensores solares e e de estrelas, um conjunto de quatro rodas de reação, um conjunto CMG (Control Moment Gyro) e 3 hastes de torque como atuadores, com recursos de direção em cada eixo , alta precisão de apontamento e reconhecimento e determinação de órbita em tempo real.

Os COSMO-SkyMed segunda geração (Constelação de Pequenos Satélites para observação da bacia do Mediterrâneo), ou CSG – ‘Seconda Generazione’, é um programa de observação da Terra da Agenzia Spatiele Italiana (ASI) para substituir o sistema COSMO-SkyMed de primeira geração, sendo que a constelação atual foi reduzida de quatro para duas espaçonaves. Os satélites, construídos pela Thales Alenia, são versões melhoradas do projeto original. Eles usam uma versão melhorada do chassi ‘Prima Bus’. O radar CSG-SAR (COSMO-SkyMed Second Generation Synthetic Aperture Radar) também é uma versão melhorada do sistema de banda X da primeira geração. Os satélites vão operar na mesma órbita circular síncrona com o sol permitindo amanhecer-anoitecer do mesmo modo que os veículos de primeira geração, com altitude nominal de 619 km e inclinação de 97,86º. Os satélites operam no mesmo plano orbital.

A constelação prevê quatro satélites faseados a 90°, a uma altitude de 619 km, com hora de travessia do equador por volta das 06h00. O satélite tem memória integrada de 300 Gbit; compressão e criptografia de dados a bordo, capacidade de downlink de banda X de 300 Mbps. Seus sistemas permitem 24 horas de autonomia operacional a bordo e sua estabilização em três eixos oferece alta precisão de apontamento , com visada à direita e esquerda. O sistema de radiolocalização é baseado em receptor GPS de precisão e rastreadores de estrelas.

O transmissor e o receptor de radar operam através de uma antena multi-feixe orientável eletricamente que concentra a energia transmitida em feixe estreito, ao longo de uma direção normal à pista do satélite, enquanto as características dos pulsos transmitidos e do tempo de recepção determina a resolução espacial e a cobertura. Cada espaçonave tem cinco anos de vida operacional.

O satélite, de 2.230 kg, representa o estado da arte da tecnologia de médio porte de espaçonaves de órbita baixa e é composto por dois componentes principais: A plataforma PRIMA, baseada no conceito de mesmo nome, que prevê três módulos principais, estrutural e funcionalmente reagrupados para permitir a integração de módulos paralelos e atividades de teste até a integração final do satélite. Os módulos são: um módulo de serviço transportando unidades de chassis além das de propulsão; o módulo de propulsão (incluído no módulo de serviço) transportando todos os itens de motorização e tanques conectados pelas tubulações e um módulo de carga útil transportando todos os equipamentos de trabalho, incluindo os apêndices pertinentes como antenas e atuadores. E o EPS (Electrical Power Subsystem) permite lidar com a alta potência de pico exigida pela carga útil (18,6 kW) durante toda a vida operacional de sete anos. O subsistema fornece energia através de painéis solares e através de baterias na fase de eclipse. A tensão do sistema opera a 65 V para a tensão não regulada e 28 V para a regulada. Durante cada sessão de imagem feita pela carga útil SAR, a bateria fornece à antena, através de uma fonte dedicada SPDU (Switched Power Distribution Unit), a energia em excesso da saída dos painéis solares. O subsistema de energia elétrica também prevê proteções oportunas contra curtos-circuitos ou absorção anômala de energia.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Falcon 9 deve lançar satélite italiano no dia 27

CSG-2 da COSMO-SkyMed fará observações do solo para clientes

A espaçonave CSG-2 possui um sistema de estabilização de três eixos com giroscópio, sensores solares e e de estrelas, um conjunto de quatro rodas de reação, um conjunto CMG (Control Moment Gyro) e 3 hastes de torque como atuadores, com recursos de direção em cada eixo , alta precisão de apontamento e reconhecimento e determinação de órbita em tempo real.

Um foguete Falcon 9 BL5 B1052.3 deve ser lançado do complexo de lançamento SLC-40 de Cabo Canaveral não antes de 27 de janeiro às 23:11 UTC, com data alternativa de 28 de janeiro a 1º de fevereiro, transportando o satélite italiano CSG-2. O ‘booster’ de primeiro estágio deve aterrissar em terra na landing zone LZ1. As carenagens de carga devem cair de paraquedas ao norte de Cuba a 596 km de distancia do local de disparo, sendo recuperadas pelo navio de apoio Bob. Após a separação dos estágios haverá uma manobra “dogleg” para que o foguete atinja o azimute sul-sudoeste. Depois de ejetar o satélite, o segundo estágio fará uma reentrada na armosfera sobre o Pacífico Sul.

A previsão do tempo indica probabilidade de clima favorável para o dia principal de 60% com classificação de segurança para pouso do ‘core’ booster moderada; Para a data reserva, também 60%, com probabilidades de tesouras de vento em níveis de alta atmosfera também moderadas.

Os COSMO-SkyMed segunda geração (Constelação de Pequenos Satélites para observação da bacia do Mediterrâneo), ou CSG – ‘Seconda Generazione’, é um programa de observação da Terra da Agenzia Spatiele Italiana (ASI) para substituir o sistema COSMO-SkyMed de primeira geração. Para esta geração, a constelação foi reduzida de quatro para duas espaçonaves. Os satélites, construídos pela Thales Alenia, são versões melhoradas do projeto original. Eles usam uma versão melhorada do chassi ‘Prima Bus’. O radar CSG-SAR (COSMO-SkyMed Second Generation Synthetic Aperture Radar) também é uma versão melhorada do sistema de banda X da primeira geração. Os satélites vão operar na mesma órbita circular síncrona com o sol permitindo amanhecer-anoitecer do mesmo modo que os veículos de primeira geração, com altitude nominal de 619 km e inclinação de 97,86º. Os satélites operam no mesmo plano orbital.

O satélite, de 2.230 kg, representa o estado da arte da tecnologia de médio porte de naves espaciais de órbita baixa e é composto pelos seguintes componentes principais: A plataforma PRIMA, baseada no conceito de mesmo nome, que prevê três módulos principais, estrutural e funcionalmente reagrupados para permitir a integração de módulos paralelos e atividades de teste até a integração final do satélite. Os módulos são: um módulo de serviço transportando unidades de chassis além das de propulsão; o módulo de propulsão (incluído no módulo de serviço) transportando todos os itens de motorização e tanques conectados pelas tubulações e um módulo de carga útil transportando todos os equipamentos de trabalho, incluindo os apêndices pertinentes como antenas e atuadores. E o EPS (Electrical Power Subsystem) permite lidar com a alta potência de pico exigida pela carga útil (18,6 kW) durante toda a vida operacional de sete anos. O subsistema fornece energia através de painéis solares e através de baterias na fase de eclipse. A tensão do sistema opera a 65 V para a tensão não regulada e 28 V para a regulada. Durante cada sessão de imagem feita pela carga útil SAR, a bateria fornece à antena, através de uma fonte dedicada SPDU (Switched Power Distribution Unit), a energia em excesso da saída dos painéis solares. O subsistema de energia elétrica também prevê proteções oportunas contra curtos-circuitos ou absorção anômala de energia.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

China lança seu mais avançado satélite de sensoriamento por radar

Foguete CZ-4C decolou de Jiuquan

CZ-4C decola de Jiuquan

A China lançou um foguete Longa Marcha-4C com um novo satélite ao espaço na noite de terça para quarta-feira, 25 a 26 de janeiro. O foguete decolou às 07:44 no horário de Pequim (20:44 de Brasília do dia 25) do Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan, no noroeste da China, e colocou a espaçonave L-SAR 01A na órbita predefinida. O satélite, equipado com radar de abertura sintética (SAR) de banda L, será usado para monitorar o ambiente geológico, deslizamentos de terra e terremotos.
O L-SAR 01 (Ludi Tance Yihao-01 Zu-A Xing, ou Land Exploration Nº 1 Group 01 A) é um dos componentes de uma dupla (L-SAR 01A e L-SAR 01B), projetados para serem orbitarem a uma altitude de 600 km, segundo a Administração Nacional do Espaço da China. Com ampla cobertura e alta resolução espacial, o projeto do L-SAR “ajudará a reduzir a dependência da China de dados estrangeiros em áreas como geologia, monitoramento de terremotos e suporte de emergência”, disse o governo. A SAST construiu o satélite, referido como o maior satélite SAR chinês em operação.

L-SAR 01

Os sistemas de observação ocidentais detectaram três objetos associados a este lançamento, em órbita. O principal está a numa órbita de 595×602 km, inclinada em 97,80°, com os outros dois assumindo trajetórias de 433 x 605 e 598 x 816 km.
O satélite deve operar em uma órbita quase síncrona com o sol a uma altitude de 607 quilômetros e possui capacidade para observação da Terra durante todo o dia, todos os climas e multimodo.

O outro satélite, LT-1-01B, será lançado não antes do final de fevereiro. Este é o 39º lançamento de um foguete Longa Marcha 4C. É também o 407º lançamento de um Longa Marcha, contando todas as versões.

Satélite em preparação

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Segundo astronauta israelense irá ao espaço em missão privada

Eitan Stibbe será o ocupante mais velho da ISS

A Axiom Mission 1 (Ax-1), a primeira missão de astronauta privados à Estação Espacial Internacional, tem como data de lançamento em 31 de março para “dar conta de preparativos adicionais de espaçonaves e tráfego da estação espacial”, afirmou a NASA esta semana. A bordo estará o israelense Eitan Stibbe, que aos 63 anos será o astronauta mais velho a visitar a ISS. A Axiom-1 deveria ser lançada em 21 de fevereiro sob o comando de Michael Lopez-Alegria , um ex-astronauta da NASA que agora trabalha na Axiom. Ele será acompanhado por três turistas espaciais, cada um dos quais pagou cerca de US$ 55 milhões para a missão de oito dias. Nem a Axiom Space nem Lopez-Alegria comentaram o atraso em suas contas em redes sociais.

Stibbe levará um pião com ele quando embarcar na missão espacial, cuja parte reservada a ele será denominada Rakia. Em uma cerimônia do Hanukkah em Houston, Texas, Stibbe mostrou ao prefeito de Houston, Sylvester Turner, o pião que o levará à ISS. “Eu disse a ele que levaria o pião comigo para a estação espacial , o que me permitiria demonstrar como ele funciona no espaço em microgravidade e sem atrito”, disse Stibbe. “A Terra gira da mesma forma, sem atrito e sem parar.” Stibbe, empresário e ex-piloto de caça que se tornará o segundo astronauta israelense a ir ao espaço depois do falecido Ilan Ramon, afirmou anteriormente que levaria consigo “uma bolsa cheia de itens que têm um significado especial. Ficou claro para mim que um desses itens se tornaria um símbolo da história judaica”. Em agosto do ano passado, foi anunciado que ele também levaria ao espaço uma moeda de 1.900 anos relacionada à segunda revolta judaica contra o domínio romano, conhecida como Revolta de Bar Kochba.

Em seu discurso na cerimônia de Hanukkah, Turner elogiou a comunidade judaica de Houston e desejou uma boa viagem a Stibbe. “Quando você decolar para o espaço, saiba que você não representará apenas o Estado de Israel, mas a Humanidade. E enquanto eles estarão torcendo por você em Israel, nós estaremos torcendo aqui de Houston”. O coronel aposentado da Força Aérea Israelense cobrirá o custo de voar para bordo da estação por oito a dez dias – e que custará cerca de US$ 50 milhões.

Stibbe, de 63 anos, serviu nas forças de defesa de Israel – IDF – como piloto. Em 11 de junho de 1982, durante uma missão, ele abateu quatro aeronaves sírias, dois Su-22, um MiG-23 e um helicóptero Aérospatiale Gazelle. Dois dias antes, ele havia ajudado a derrubar outro MiG-23.

Mais tarde, ele fundou o Grupo LR, especializado em projetos de segurança e infraestrutura na África. Ele também é o fundador do fundo de capital de risco Vital Capital e lidera projetos econômicos e sociais no continente africano.

A Missão Rakia, uma iniciativa conjunta entre a Fundação Ramon e a Agência Espacial de Israel, visa “inspirar a geração mais jovem promovendo e expandindo a indústria aeroespacial de Israel”. “Esta missão é uma oportunidade para avanços em dezenas de tecnologias israelenses e experimentos científicos no espaço, uma chance de progredir na educação e nas artes israelenses”

Diversas entidades de Israel foram convidadas a enviarem propostas para realizar experiencias científicas na missão. Das 44 propostas, 35 experimentos foram selecionados. A missão é liderada pelo Ministério de Ciência e Tecnologia de Israel e pela Fundação Ramon. Os experimentos abrangem uma ampla gama de diferentes áreas de pesquisa, incluindo testar ou demonstrar a viabilidade de certas tecnologias, observar fenômenos científicos e explorar os mecanismos de conceitos teóricos. Alguns dos experimentos se concentram em pesquisas científicas avançadas e provêm de uma variedade de fontes, incluindo estudantes israelenses do ensino médio. Por exemplo, um deles, um experimento projetado por estudantes de Tel Aviv, tentará testar como o ambiente de microgravidade afeta a taxa de degradação do plástico pela bactéria Ideonoella Sakaiensis.

Outros, mais complexos, estão sendo desenvolvidos por pesquisadores de diferentes empresas e instituições. Um deles, conhecido como ILAN-ES, foi desenvolvido pelo professor Yoav Yair da Universidade Reichmann. Neste experimento, serão estudados fenômenos elétricos luminosos de curta duração que ocorrem durante tempestades.

A Axiom contratou a SpaceX para fornecer quatro espaçonaves Crew Dragon para suas missões, incluindo a Ax-2, com lançamento previsto para o outono de 2022 ou primavera de 2023 sob o comando de Peggy Whitson , uma ex-astronauta e atualmente funcionária da Axiom. (A Ax-2 também incluirá o piloto, o investidor John Shoffner, e os outros dois membros da tripulação ainda não tenham tido seus nomes divulgados.)

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Telescópio James Webb chega à órbita programada

Espaçonave foi lançada há um mês

O JWST chegou ao ponto Lagrange 2

O telescópio James Webb, quase um mês após o lançamento, completou com sucesso o voo para o segundo ponto de Lagrange no sistema Sol-Terra e entrou em uma órbita de trabalho em torno dele, relatou ontem a NASA.”Hoje, às 14h EST, 16:00 Brasília, o JWST disparou seus propulsores a bordo por 297 segundos para completar a correção final de curso pós-lançamento para enviar o observatório para o ponto lagrangiano L2 a cerca de um 1,2 milhão de km da Terra”. No total, o voo da Terra para o segundo ponto de Lagrange levou quase um mês. Durante este período, ele conseguiu concluir a extensão dos principais elementos, incluindo o sistema óptico e o escudo térmico.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Dragon CRS-24: Nave cargueira volta à Terra

Cápsula de carga desceu no Atlântico

A espaçonave Cargo Dragon SpX-24/CRS-24, que estava acoplada à estação espacial internacional por quase um mês, voltou à Terra hoje às 18:05 hora de Brasília. A cápsula desceu de paraquedas nas proximidades da Cidade do Panamá, a 86.2W x 29.7N.

A nave foi lançada por um foguete Falcon 9 Block 5 do Kennedy Space Center em 21 de dezembro, e acoplou-se horas depois à ISS; suas cargas foram recolhidas pela tripulação da estação. Desde então a espaçonave permaneceu encaixada, com seu circuito de ar e eletricidade integrados aos sistemas da estação.

Zona de pouso

A cápsula C207.2 trouxe de volta as seguintes cargas:

Last light – Última luz: Um microscópio de imagem de luz de última geração, o Módulo de Microscopia de Luz (LMM) retorna após cerca de 12 anos na estação. O LMM, patrocinado pela Divisão de Ciências Biológicas e Físicas da NASA, possibilitou observar e registrar a maneira como a matéria é organizada e se move no nível microscópico e suportou pesquisas inovadoras de colóides, estudos de plantas e experimentos termofísicos.

Tiny structures, assemble – Estruturas minúsculas, montagem: O estudo de física da InSPACE-4 está retornando amostras que podem dar informações sobre como aproveitar nanopartículas para fabricar e fabricar novos materiais, incluindo diagnósticos médicos e escudos térmicos para aplicações terrestres e espaciais.

Cell signaling in microgravity – Sinalização celular na microgravidade: A investigação da Agência Espacial Europeia , ‘Cytoskeleton’ contribuiu para a compreensão de como o corpo humano responde à microgravidade. O estudo pode apoiar o desenvolvimento de contramedidas para ajudar os astronautas a manter a saúde ideal em futuras missões espaciais.
Cúpula de Hidrogênio /Hydrogen Dome – Como um dos componentes críticos do Sistema de Geração de Oxigênio (OGS), esta unidade de Cúpula de Hidrogênio foi removida e substituída em outubro de 2021 após um período de observação. Esta unidade está retornando para teste, desmontagem e avaliação e renovação para dar suporte à demanda futura em órbita.
Conjunto de processamento de urina Conjunto de destilação/Urine Processing Assembly Distillation Assembly – Unidade de substituição de sistema de suporte vital e controle ambiental crítico usada para destilação e processamento de urina em órbita. Este equipamento está retornando para avaliação e renovação para dar suporte à demanda futura de peças sobressalentes e aos objetivos futuros.
Ventilador de montagem de ar de aviônica/ Avionics Air Assembly Fan – Com planos de retornar ao solo para TT&E e reforma, esse ventilador de alta velocidade foi instalado anteriormente no rack do Node3 Water Process Assembly (WPA).
Analisador de Carbono Orgânico Total/ Total Organic Carbon Analyzer – equipamento projetado para avaliar os níveis de carbono orgânico total na água recuperada a bordo da ISS. Esta unidade está voltando ao solo para reforma após sete anos de operação contínua.
Recipientes de amostra de CO2 / Umidade Relativa (CO2/Relative Humidity Sample Containers) – Tecnologia atualizada de recipiente de amostra da era do space shuttle que foi modificada para coletar amostras de carga útil e apoiar objetivos de desenvolvimento de exploração com amina térmica e demonstrações de tecnologia de remoção de dióxido de carbono de quatro “leitos” (‘beds’).
Transportadores de pesquisa de roedores (“Rodent Research Transporters”) – transportadores retornando após seu uso nas experiências com roedores durante a missão CRS-24. Esses transportadores recondicionados darão suporte à demanda de curto prazo para as próximas missões com esses animais.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Cargo Dragon SpX-24 deixa a ISS

Espaçonave cargueira pousará amanhã no Atlântico

Espaçonave se afasta da ISS

A nave espacial de carga Cargo Dragon C209.2 (SpX-24/CRS-24) desacoplou-se hoje da estação espacial internacional às 12:41 hora de Brasília. A espaçonave reingressará na atmosfera da Terra amanhã, segunda-feira, 24 de janeiro, e fará amerrissagem na costa da Flórida às 16h05 ET (18:05 Brasília).

Áreas de amerrissagem na costa da Flórida. Os locais de recuperação estão nas áreas de Cabo Canaveral, Daytona, Jacksonville, Cidade do Panamá, Pensacola, Tallahassee e Tampa.
Configuração da estação após a partida da Cargo Dragon SpX-24

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

China faz mais um teste hipersônico suborbital

Lead

Foto de divulgação do projeto Tianxing-1 da Space Transportation

A China realizou o décimo teste bem-sucedido do veículo hipersônico Tianxing-1, que se tornará o protótipo de um futuro veículo de transporte espacial. A Space Transportation, empresa desenvolvedora, anunciou o teste hoje, 23 de janeiro de 2022. A espaçonave foi denominada Tianxing-1 Y5B, e este foi o 5º teste de voo do modelo Tianxing-1 e o 6º da série Tianxing em geral.
“Às 12h10, horário de Pequim (01h10, horário de Brasilia), a Space Transportation completou com sucesso o primeiro voo de teste deste ano a partir do centro de lançamento do espaçoporto de Jiuquan”. “De 17 a 19 de dezembro de 2021, a empresa realizou com sucesso duas missões – os 7º e 8º voos dos foguetes da série Lingkong Tianxing”, disse a empresa.

Veículo completo sobre o ‘bogie’ de suporte, para verificações e checagens. O foguete tem comprimento total de 8,7m, envergadura de 2,5m, massa de decolagem de 3.700kg e perfaz voo suborbital durante toda a viagem, com velocidade máxima superior a 4.300km/h.
A espaçonave suborbital tem asas curtas e empenagem convencional

Em 2019, a Universidade de Xiamen informou sobre dois voos de verificação conjuntos com o Space Transportation de um protótipo de espaçonave alada de 9 metros desenvolvido com base em Tianxing, capaz de atingir velocidades de cerca de 4.300 km/h e atingir uma altitude máxima de cerca de 26,2 km acima do nível do mar. Os testes testaram várias tecnologias, incluindo um sistema de comunicação de baixa frequência desenvolvido para se comunicar com o foguete em velocidades supersônicas. Com base nos resultados dos testes, a empresa enviou dados de voo para várias universidades e centros de pesquisa para análise de dados, graças aos quais os engenheiros devem melhorar a tecnologia no campo da aviação de alta velocidade.
Em 2020, a empresa anunciou o teste de um motor para um novo modelo da série, o Tianxing-2, que será mais ágil para manobras em altas velocidades e capaz de transportar uma carga útil mais diversificada, enquanto sua construção custará menos que o modelo anterior. A série de veículos lançadores Tianxing está sendo desenvolvida com o objetivo de criar futuras aeronaves hipersônicas para o transporte de passageiros e cargas, além de testar tecnologias novas aeroespaciais.

Seção frontal do cone de nariz com sistema regulável de adimissão

Segundo a Space Transportation, estão sendo feitos lançamentos de verificação entre 2019 e 2022, durante os quais são testadas as principais tecnologias para voos hipersônicos globais. A primeira missão do protótipo “táxi espacial” baseado nos Tianxing-1 e Tianxing-2 para turismo espacial suborbital está planejada para 2023, e o primeiro voo de teste de uma espaçonave completa está planejado para 2025. O primeiro voo global da espaçonave Tianxing está programado para 2028. Segundo os desenvolvedores, as tecnologias necessárias para realizar missões em grande escala devem ser finalizadas e testadas até 2030.

Perfil de voo do futuro veículo hipersônico

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Cargo Dragon SpX-24 tem retorno adiado

Espaçonave trará cargas da ISS

Como resultado de condições climáticas adversas na zona de amerrissagem na costa da Flórida, a SpaceX adiou a partida planejada de hoje da espaçonave de reabastecimento Cargo Dragon SpX-24 da ISS. A SpaceX e a NASA determinaram a data de domingo, 23 de janeiro, às 10h40 EST para o desacoplamento da Estação Espacial Internacional da nave , que trará 2.450 kg de carga, entre eles resultados de experimentos científicos. O pouso na costa da Flórida permitirá o transporte rápido dos experimentos para a Estação de Processamento da NASA no Centro Espacial Kennedy , permitindo que os pesquisadores coletem dados com exposição mínima das amostras à gravidade da Terra. A espaçonave Cargo Dragon 2 C209 desta missão foi usada anteriormente na missão CRS-22.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

United Launch Alliance lança dois satélites para os militares americanos

Foguete Atlas V 511 decolou hoje à tarde

Decolagem de Cabo Canaveral

Um foguete Atlas V 511 (AV-084) da United Launch Alliance (ULA) lançou a missão USSF-8, com dois satélites idênticos do Programa de Consciência Situacional Espacial Geossíncrona, os GSSAP-5 e GSSAP- 6 (Hornet 5 e 6) do Complexo de Lançamento Espacial 41 na Estação da Força Aérea de Cabo Canaveral, Flórida. A decolagem, para a Força Espacial dos EUA, foi feita em 21 de janeiro de 2022, às 19:00 UTC (16:00 Brasilia). Esta foi o 102º lançamento de um veículo lançador Atlas V e o primeiro e único voo planejado da configuração Atlas V 511, modelo de dois estágios com um único ‘booster’ auxiliar de propelente sólido.

O segundo estágio Centauro entrou em órbita de estacionamento com perigeu de 176 km e apogeu de 519 km , inclinada em 28,0 graus, costeando até sobre o equador antes da ignição para inserção dos satélites em trajetória de geotransferência.

Satélites GSSAP “Hornet”

A órbita final deve ser de aproximadamente 36.000 km, geoestacionária. Os satélites tem a função de proporcionar uma capacidade de atividade em órbita quase geossíncrona, suportando as operações de vigilância espacial do Comando Estratégico dos EUA como um sensor dedicado de Rede de Vigilância Espacial (SSN). De acordo com oficiais da USAF, os satélites GSSAP (Geosynchronous Space Situational Awareness Program) irão trafegar acima e abaixo do cinturão geoestacionário, usando sensores eletro-ópticos para coletar informações sobre satélites e outros objetos naquela região. Os satélites são manobráveis, permitindo-lhes coletar informações sobre satélites alvo específicos. Os GSSAP permitem “rastreamento e caracterização precisos” de satélites.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Militares americanos tem lançamento hoje

Atlas V de configuração ‘rara’ será usado

Foguete Atlas V da United Launch Alliance em preparação para o lançamento para as Forças Espaciais dos EUA

O lançamento do foguete Atlas V 511 AV-084 está previsto para hoje, 21 de janeiro de 2022, às 16:00 horas de Brasília, do Space Launch Complex-41 na Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral. “Nosso primeiro lançamento de 2022 expandirá as capacidades da Força Espacial dos EUA em apoio à segurança nacional”, disse Gary Wentz, vice-presidente de Programas Comerciais e Governamentais da ULA. “Estamos trabalhando em colaboração com a equipe da USSF para nos preparar para este lançamento e manter nossas equipes seguras e saudáveis. Queremos agradecer aos nossos parceiros de missão por seu trabalho em equipe contínuo enquanto completamos os preparativos finais para o lançamento.”

“A missão USSF-8 lançará dois satélites do Programa de Consciência Situacional Espacial Geossíncrona (Geosynchronous Space Situational Awareness Program – GSSAP): os GSSAP-5 e GSSAP-6, para uma órbita quase geossíncrona de cerca de 36.000 km. Os dados dos satélites contribuirão para previsões orbitais, aprimorando nosso conhecimento do ambiente GEO e permitindo ainda mais a segurança do voo espacial, incluindo a prevenção de colisões.”
O foguete AtlasV 511, designado AV-084, tem 59,7 metros de altura e pesará 389.234 kg uma vez totalmente abastecido para a decolagem. Possui um único foguete auxiliar (booster) de propelente sólido montado na lateral para impulso de decolagem adicional, diferente da maioria dos similares lançados até hoje, que apresentaram dois os mais ‘boosters’.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Russos fazem nova ‘caminhada espacial’

Shkaplerov e Dubrov trabalharam no módulo Prichal

Os cosmonautas no compartimento do módulo Poisk

Os cosmonautas Anton Shkaplerov e Pyotr Dubrov completaram hoje, 19 de janeiro, a primeira caminhada espacial (ou atividade extraveicular, EVA, em russo ‘VKD’) de 2022 como parte da integração do módulo multiporta Prichal ao módulo Nauka. A transmissão da atividade foi realizada pelo site da Roskosmos. Shkaplerov e Dubrov completaram a 59ª caminhada espacial do programa russo. Os dois começaram as atividades extraveiculares às 15h18, horário de Moscou (11:18 de Brasília ) e passaram sete horas e 11 minutos no espaço. Eles fecharam a escotilha de saída do módulo de pesquisa Poisk em às 22h29, hora de Moscou – 16:29 de Brasília.

 Para Shkaplerov, esta foi a terceira atividade extraveicular em sua carreira e para Dubrov, a quarta.

Os cosmonautas conectaram os cabos de comunicação intermódulo do sistema de aproximação Kurs-P e um cabo de TV entre os módulos, instalaram os alvos de acoplagem de controle, bem como uma câmera. A parte principal do trabalho planejado foi concluída. Isso permitirá que a espaçonave tripulada Soyuz MS-21 acople no módulo Prichal já em 18 de março. Esta será a primeira acoplagem após a sua chegada na ISS.

Como disse o cosmonauta Aleksander Poleshchuk, chefe do departamento de atividades extraveiculares da Corporação Energiya, “o trabalho foi complexo, difícil. Alguns procedimentos demonstraram-se mais complicados do que o ensaiado no hidrolaboratório” , disse ele à Roskosmos TV.

Mas, segundo o especialista, no geral o trabalho correu bem. “Estava na agenda trabalhar na inicialização do braço robótico europeu ERA, mas [houve] alguns problemas com o equipamento, então transferimos esse trabalho para a próxima VKD “, disse Poleshchuk. Os trabalhos de integração do manipulador europeu foram portanto adiados. Anteriormente, a Roskosmos informou que as caminhadas espaciais, durante as quais deveriam servir para configurar o manipulador, ocorreriam em 27 de janeiro e 2 de fevereiro. A próxima tripulação russa chegará à ISS em 18 de março e incluirá os cosmonautas Oleg Artemeyev, Denis Matveev e Sergei Korsakov. Em 14 de janeiro, Artemeyev informou que sua tripulação faria de seis a sete caminhadas espaciais. Anteriormente, Alexander Kaleri, chefe do centro de voo espacial da Energiya, disse que seriam necessárias três VKDs para instalar o manipulador ERA. Além disso, segundo ele, durante essas próximas três saídas, os cosmonautas instalarão equipamentos adicionais com a ajuda do manipulador. Kaleri observou que os astronautas da agência espacial européia ESA ajudarão a configurar o ERA, localizado no módulo Nauka.

No início das atividades, Dubrov observou que “a Terra é especialmente bonita” – disse ele enquanto se movia ao longo do mastro de carga ‘Strela’ para o módulo de laboratório multiuso MLM Nauka. “Petya, se possível, você pode fazer um trecho de vídeo, mas não por muito tempo, apenas um minuto” , disse um especialista do Centro de Controle da Missão TsUP em Moscou. No entanto, Dubrov observou que no momento Shkaplerov estava contra o Sol. Uma pequena selfie, sugeriu um especialista do controle terrestre . Depois de filmar, Dubrov continuou a se mover em direção ao Nauka. Oleg [Novitsky] já andou aqui, disse Dubrov quando se dirigia para o módulo.

No início da caminhada espacial, os especialistas do Centro de Controle da Missão pediram a Shkaplerov que mudasse o sistema de termorregulação do seu traje espacial Orlan-MKS para o modo manual para não resfriar demais. No entanto, Shkaplerov depois sentiu frio de qualquer maneira devido a um vazamento de água potável. “A água ‘derramou’” , disse Shkaplerov durante as conversações com a Terra. Quando um especialista em controle de missão perguntou de que tipo de água eles estavam falando, o astronauta respondeu que era água potável. “Bem, é água potável. A água saiu, tentei beber, não restou praticamente nada” , disse Shkaplerov.

O especialista sugeriu que ele girasse a válvula de regulagem para zero e notou que a temperatura no seu escafandro estava subindo lentamente. Depois de algum tempo, o cosmonauta disse que seus pés e dedos estavam congelando. Cinco horas depois, Shkaplerov disse que seus dedos não quase não obedeciam. Apesar disso, continuou a trabalhar.

Durante a instalação do equipamento do sistema Kurs, necessário para a acoplagens, a comunicação com os cosmonautas foi perdida por cerca de 15 minutos. Ao mesmo tempo, os especialistas do TsUP ouviam os astronautas, mas não eram por eles ouvidos. Os especialistas transmitiram essas informações por meio de seus colegas americanos aos tripulantes da ISS.

 “Aqui é Kayla, eu só queria que vocês soubessem que eles estão consertando o problema do som na Terra. Eles te ouvem alto e claro, mas o sinal não passa deles para a estação. Eles estão trabalhando nisso agora” – disse a astronauta da NASA Kayla Barron, enfatizando que ela e seus colegas observavam o trabalho de Shkaplerov e Dubrov e o consideram ótimo.

Apesar da perda de comunicação, os cosmonautas continuaram a trabalhar. Antes do teste do sistema, a conexão foi restaurada novamente. O teste do equipamento Kurs, conforme dito pela Roskosmos, transcorreu sem problemas. Durante a atividade extraveicular, os astronautas tiveram que jogar fora as tampas das antenas e dois recipientes vazios. Shkaplerov queria jogar fora a primeira tampa assim que não fosse mais necessária. Seria ótimo, mas ainda é cedo , disse o especialista do TsUP. Anton mais tarde foi autorizado a jogar fora o lixo, o que ele fez, jogando cada ítem para longe, um por um.

Em maio do ano passado, Igor Bakaras, que na época era chefe do centro de informação e análise da TsNIIMash, disse em entrevista à TASS que itens perdidos por astronautas durante caminhadas espaciais também se tornam detritos espaciais, e que após algum tempo eles queimavam na atmosfera. Segundo ele, o perigo para a ISS por parte destes objetos é bastante baixo e existe apenas no estágio inicial, no futuro, esses objetos caem abaixo da órbita da ISS e não representam uma ameaça a ela.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Falcon 9 lança mais um lote de Starlinks

‘Core’ de primeiro estágio foi usado pela décima vez

Falcon 9 Bl5 B1060.10 decola da plataforma 39A

O veículo de lançamento pesado Falcon 9 v1.2 FT Bl5 número B1060.10 lançou com sucesso um lote de 49 minissatélites em órbita ontem, 18 de janeiro. O lançamento ocorreu às 23:02, horário de Brasilia do Complexo de Lançamento 39A em Cabo Canaveral, Flórida. Os satélites Starlink são projetados para continuar a implantação da rede global de cobertura de Internet do sistema, disse a empresa desenvolvedora SpaceX.

Doze minutos após o lançamento, a ‘pilha’ de 49 satélites se separaram do segundo estágio do foguete em uma órbita de transferência elíptica de 340 km de altura. Depois que os engenheiros verificarem seu desempenho, os satélites, usando seus próprios motores de íons, subirão para a órbita regular a uma altura de 540 km, inclinada em 53.2 graus.
Este foi o 36º lançamento de um grupo desses satélites em órbita desde maio de 2019 como parte do projeto Starlink.
O primeiro estágio reutilizável do veículo de lançamento, que foi usado pela 10ª vez, aproximadamente nove minutos após a decolagem, fez um pouso vertical controlado na plataforma-drone flutuante A Shortfall of Gravitas, localizada no Atlântico, a 654 km da Flórida. Além disso, as embarcações especiais de resgate da SpaceX tiveram que “pescar’ na água as duas conchas da carenagem do nariz do foguete, que, após a separação, desceram de pára-quedas. Reutilizar a carenagem economiza até US$ 6 milhões nos lançamentos.
A constelação orbital agora consiste em 2.040 espaçonaves, pesando 290 kg cada. A empresa é atualmente a maior operadora de satélites do mundo.

TLEs para os satélites

Estatísticas de lançamento da missão Starlink Group-4.6
— 3º lançamento da SpaceX de 2022
— 8º lançamento da empresa em 50 dias
— 10º voo do estágio ‘core’ do Falcon 9 B1060
— 29º pouso de estágio bem sucedido consecutivo
— 54º reutilizado de conchas de carenagem
— 112º lançamento consecutivo bem sucedido
— 137º lançamento de um Falcon 9
— 145º desde o primeiro lançamento da SpaceX
— 2.042 satélites Starlink lançados até o momento
— 1.879 deles em órbita
— 1.469 deles em operação.
— O Falcon 9 B1060 estabeleceu um novo recorde da empresa pois lançou sua 10ª missão 566 dias após a primeira. E também, 46 dias após o 9º voo
— a SpaceX lançou pela primeira vez dez missões por dois estágios usados ​​seguidos
— O menor tempo entre pousos na plataforma ASOG – 13 dias

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

SpaceX lançará Starlinks G4/6 amanhã à noite

Lançamento previsto para hoje foi adiado por conta da meteorologia

A SpaceX adiou o lançamento que seria feito hoje, 17 de janeiro, de um foguete-portador Falcon 9 com 49 satélites Starlink para a órbita terrestre do Complexo de Lançamento 39A (LC-39A) a partir do Kennedy Space Center, na Flórida.

“A SpaceX tem como objetivo neste terça-feira, 18 de janeiro, o lançamento do Falcon 9 com 49 satélites Starlink para a órbita terrestre [a partir] do Complexo de Lançamento 39A (LC-39A) no Kennedy Space Center, na Flórida.” A janela de lançamento instantânea é às 19h04 EST (00:04 UTC em 19 de janeiro, 21:04 hora de Brasília de terça-feira).

Desde o início dos preparativos a oportunidade de reserva estava marcada para 18 de janeiro às 19h04 EST (00:04 UTC em 19 de janeiro).Os satélites serão colocados em órbita de 550 km, circular, inclinada em 53.2 graus em relação ao equador.

Foguete Falcon 9 v1.2 FT Block 5 na plataforma., na Flórida

A previsão do tempo marcava 70% para ‘Go’ (aprovado) em 17/18 de janeiro. Para data posterior prevê-se acima de 90% ‘Go’ para 18/19 de janeiro. O risco de ventos de cisalhamento de níveis atmosféricos superiores é moderado e o risco climático para a recuperação do ‘core’ de primeiro estágio é baixo-moderado para 17/18 de janeiro.

O Homem do Espaço transmite o lançamento a partir das 20:30

O ‘core’ de primeiro estágio do foguete, B1060.10, lançou anteriormente os GPS III-3, Turksat 5A, Transporter-2 e seis grupos de Starlink. Após a separação dos estágios, a SpaceX pousará o ‘core’ na balsa-drone A Shortfall of Gravitas, que está estacionada no Oceano Atlântico, apoiada pelo navio Zion M Falgout. Cada uma das metades da carenagem do Falcon 9 foi usada anteriormente em uma missão Starlink, e serão recuperadas no mar pelo navio Doug.

Lançamento e pouso do ‘core’ de primeiro estágio na barca-drone A Shortfall of Gravitas.
Mapa de reentrada do segundo estágio do foguete
Posição do rebocador Zion M Falgout

Mapas de zonas de exclusão para o lançamento em 17/18 de janeiro 00:26 UTC, com alternativa em 18 a 21 de janeiro foram feitos com base em notificações NOTMAR/NOTAMs emitidas recentemente. A trajetória de pegada no solo prevista aponta o pouso do booster B1060.10 a 654 km de distância de Cabo Canaveral, com recuperação da carenagem estimada a cerca de 664 km. O segundo estágio tem reentrada prevista sobre o Atlântico Sul.

Starlinks em processo de fechamento na carenagem de cabeça do foguete

Durante o webcast do Starlink-4.5, o engenheiro que serviu como anfitrião disse que o objetivo da manobra ineficiente de “dobrar” a trajetória de vôo (‘dog-leg’) era aumentar as chances de um pouso bem-sucedido do estágio ‘core’ na plataforma, e da queda das carenagens em uma área do oceano que tende a ser mais calma no inverno. Para isso, a carga nominal de 53 satélites foi reduzida para 49. Isso também adiciona cerca de 8% ao custo de cada lançamento ao sul dos Starlink, o que a SpaceX claramente prefere ao risco de perder o Falcon 9 (US$ 30-40 milhões) e carenagens (US$ 2 a 3 milhões por concha).

Satélite Starlink

CONTAGEM REGRESSIVA
Todos os tempos aproximados

EVENTO h: min: s
00:38:00 Diretor de lançamento verifica os propelentes
00:35:00 Abastecimento de querosene RP-1 densificada em andamento
00:35:00 Abastecimento do 1º estágio com LOX – oxigênio líquido em andamento
00:16:00 Carregamento de LOX de segundo em andamento
00:07:00 Falcon 9 inicia o resfriamento dos motores (chilldown) antes do lançamento
00:01:00 Computador de voo dá comando para iniciar as verificações finais de pré-lançamento
00:01:00 A pressurização dos tanques de propelente é calibrada para pressão de voo
00:00:45 Diretor de lançamento verifica a prontidão para lançamento
00:00:03 O controlador do motor comanda a sequência de ignição
00:00:00 Decolagem do Falcon 9

Lançamento, aterrissagem do ‘core’ B1960.10 e liberação dos satélitem em órbita inicial

Todos os tempos aproximados

EVENTO h: min: s
00:01:12 Max Q (momento máximo de estresse mecânico no foguete)
00:02:32 Corte dos motores principais do 1º estágio (MECO)
00:02:35 separação dos 1º e 2º estágios
00:02:42 Ignição do motor do 2º estágio
00:02:52 Descarte da carenagem
00:06:47 Início da queima de reentrada do 1º estágio
00:07:07 Fim da queima de reentrada do 1º estágio
00:08:25 Início da queima de pouso do 1º estágio
00:08:47 Fim da queima de pouso do 1º estágio
00:08:50 Corte do motor do 2º estágio (SECO-1)
00:15:32 Ejeção da ‘pilha’ de satélites Starlink

‘Core’ B1060 em junho do ano passado, após o lançamento do Transporter-2 – foto JennyHPhoto

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

China lança Shiyan-13

Foguete ChengZheng 2D decolou de Taiyuan

Longa Marcha 2D número Y70 decola de Taiyuan

A China lançou um novo satélite do Centro de Lançamento de Satélites de Taiyuan, na província de Shanxi no norte do país. na madrugada de hoje, segunda-feira 17 de janeiro. O satélite, Shiyan-13, foi lançado por um foguete Longa Marcha-2D (CZ-2D) nº Y70 às 10:35 (horário de Pequim, 02:35 UTC) e entrou na órbita planejada (órbita circular inclinada em 97,44° com perigeu de 468 km e apogeu de 493 km) com sucesso. O Shiyan-13 foi desenvolvido pela Academia de Inovação para Microssatélites (CAS Microspace) da Academia Chinesa de Ciências, para “demonstrar tecnologias de monitoramento do ambiente espacial”. Para este lançamento foi utilizado um novo adaptador de carga útil de 2 metros de diâmetro sobre o segundo estágio do foguete.
O lançamento marcou a 406ª missão dos foguetes da série Longa Marcha.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Virgin lança “Above de Clouds” com sete satélites

Foguete lançado do ar decolou de Mojave

Cosmic Girl decola de Mojave

A Virgin Orbit lançou sete satélites militares e civis em órbita terrestre usando seu veículo de lançamento aéreo LauncherOne na quinta-feira, 13 de janeiro. A decolagem do Boeing-747 modificado “Cosmic Girl” com o foguete de dois estágios acoplado sob a asa, do espaçoporto no deserto de Mojave (Califórnia), ocorreu às 13h38, horário da costa do Pacífico dos EUA (18h38, horário de Brasilia), subindo para uma altitude de 9,5 km. Isso levou pouco mais de uma hora, após o que o motor de primeiro estágio foi acionado e o Launcherone se separou da aeronave, começando seu trajeto para a órbita terrestre baixa. “Como vimos no centro de controle da missão, o motor reacendeu e o segundo estágio colocou todos os veículos dos clientes em suas órbitas estimadas”, disse a empresa no Twitter. O segundo estágio foi colocado numa órbita inicial de 524 km x 194 km com inclinação de 45 graus. A missão foi denominada ‘Above the Clouds’.

Emblema da missão

Sob a coifa de cabeça do foguete estavam satélites para testar tecnologias de comunicação do Pentágono, dois nanossatélites da empresa polonesa SatRevolution e um aparelho da americana Spire.
A missão do Pentágono, chamada STP-27VPB, foi contratada através da VOX Space da Virgin Orbit pela Defense Innovation Unit (DIU) do departamento de defesa (DoD) como parte da Iniciativa Rapid Agile Launch (RALI) do Space Test Program (STP). Como parte da carga útil do STP-27VPB, estavam os microssatélites PAN A e B, o TechEdSat 13, e o GEARRS 3.

Launcherone sendo integrado à asa do B-747

A empresa polonesa SatRevolution, lançou dois nanossatélites, STORK-3 e SteamSat-2. O STORK-3 se junta aos satélites STORK-4 e STORK-5 ‘Marta’ colocados em órbita noa missão de junho de 2021 “como parte das capacidades de observação da Terra da SatRevolution, com foco em atender clientes do setor agrícola para fotos de média resolução. O SteamSat-2 é demonstrador de tecnologia para os propulsores movidos a água para propulsão espacial do SteamJet Space System (Reino Unido).”

Imagens da câmera instalada no topo do segundo estágio mostrando o adaptador com os satélites

A Spire Global, fornecedora de imagens de satélite, lançou o Adler-1, desenvolvido em parceria com o Austrian Space Forum (OeWF) e a Findus Venture GmbH. O Adler-1, na verdade um chassi ‘Lemur-2’ modificado da própria Spire, pesquisará detritos espaciais perigosos. O satélite tem 30x10x10 cm estudará o ambiente de detritos espaciais para complementar os modelos de detritos obtendo dados no próprio local.

Gráfico da Virgin simulando a performance do foguete

Por causa do sistema de lançamento aéreo exclusivo que a Virgin Orbit desenvolveu, a missão foi lançada em uma órbita nunca antes acessível diretamente da Costa Oeste das Américas. Em vez de lançar a partir de uma plataforma fixa no solo, a Virgin Orbit carrega seu foguete sob a asa da aeronave 747 modificada e, como a aeronave voa longe sobre o oceano, conseguiu alcançar uma trajetória impossivel para um lançamento feito a partir do solo naquela região. Essa injeção direta na órbita -alvo economizou aos satélites meses de tempo de vida em órbita e quilos de combustível que poderiam ter gasto corrigindo sua órbita do que um local de lançamento fora do litoral poderia permitir.

Foguete Launcherone

O foguete tem 21,3 m de comprimento, é capaz de lançar satélites com peso de até 500 kg no espaço, em órbita baixa de cerca de 250 km. A empresa acredita que seu método de colocação de cargas em órbita proporciona maior mobilidade – o Boeing pode decolar de aeroportos de qualquer país – e é mais barato que os concorrentes. Este lançamento foi o terceiro bem sucedido da empresa, e os dois anteriores foram realizados em janeiro e junho do ano passado.

“Above the Clouds” é o nome da quinta faixa do álbum de 1998 do Gang Starr, “Moment of Truth”, com Inspectah Deck do Wu-Tang Clan. O disco foi lançado pela Virgin Records em colaboração com a Noo Trybe Records e é amplamente considerado como um dos maiores álbuns de hip hop de todos os tempos.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

SpaceX: Falcon 9 lança a ‘Transporter-3’

Foguete decolou com mais de 90 satélites; mini-satélite brasileiro está entre eles

Falcon 9 FT BL 5 decola Cabo Canaveral

O foguete Falcon 9 número B1058.10 foi lançado às 15: 25 UTC, 12:25 de Brasília hoje, quinta-feira, 13 de janeiro, a partir da plataforma SLC-40 em Cabo Canaveral, Flórida. A missão deve colocar cerca de noventa pequenos satélites em órbita, é chamada Transporter-3 e será o terceiro lançamento de um Falcon 9 dedicado ao programa Smallsat Rideshare da SpaceX. O segundo estágio do foguete entrou em uma órbita inicial de 207 km de altitude média cerca de nove minutos após a decolagem. Depois iniciou uma fase de costeamento para depois chegar à posição determinada para ejetar suas cargas em uma órbita síncrona a 550 km de altitude média e inclinada em 97 graus em relação ao equador terrestre.

A bordo está, entre muitos nanossatélites [*] (‘cubesats’, ‘pocketcubes’, satélites-dispensadores e outros), um pequeno satélite construído por uma startup brasileira, a PionLabs de São José dos Campos – o Pion-BR1, cubesat de cerca de 300 gramas, dedicado a serviços de radiomamador e experimentos científicos e técnicos. “Rideshare” é a ‘carona compartilhada’, onde vários satélites podem ser lançados por um mesmo foguete. O Transporter-3 marcará o primeiro ‘pouso terrestre’ da SpaceX de um ‘core’ de primeiro estágio de seu foguete em mais de seis meses e seu primeiro lançamento polar em 2022.

https://www.youtube.com/watch?v=KQ2rXMNJ6AQ

O peso total do lançador na decolagem foi de cerca de 552.300 kg. O ‘core’ de primeiro estágio B1058 foi utilizado anteriormente nos lançamentos dos Crew Dragon Demo-2, ANASIS-II, CRS-21, Transporter-1 e cinco missões de satélites Starlink. As conchas da carenagem de cabeça do foguete serão recuperadas no Oceano Atlântico pelo navio de apoio ‘Bob’. O primeiro estágio B1058 pousou na zona de aterrissagem 1 (Landing Zone 1) em Cabo Canaveral, cerca de oito minutos após a decolagem.

“Core” de primeiro estágio B1058.10 pousa na LZ-1 em Cabo Canaveral
Concepção artística do segundo estágio de um Falcon 9 com o adaptador multicargas
Rebocador (OTV – orbital transfer vehicle, veículo de transferência orbital) Sherpa-LTC

Os satélites estavam agrupados no adaptador cilíndrico de carga útil, e alguns seriam montados sobre um veículo de transferência orbital (OTV – orbital transfer vehicle) do tipo SHERPA-LTC (Sherpa LTC-1), um rebocador comercial desenhado para ejetar várias satélites em sequência.

Porém, o Sherpa-LTC1 não voou devido a um vazamento de propelente descoberto pouco antes do lançamento. Assim, dez naves integradas no Sherpa-LTC não voarão hoje. No entanto, os microssatélites Capella e Umbra voarão pela Spaceflight, pois estão conectados a outras portas no adaptador de carga útil do Falcon 9. E o satélite tcheco VZLUSAT-2 , um cubesat, foi colocado em outro mecanismo de ejeção em tempo recorde.

Foguete Falcon 9 v1.2 FT Block 5

Cronologia de voo

Etapas do lançamento a partir da decolagem (T zero) até o pouso em terra do primeiro estágio

Eventos conforme divulgados pela SpaceX
Todos os tempos são aproximados

00:01:12 Max Q (momento máximo de estresse mecânico no foguete)
00:02:15 Corte do motor principal do 1º estágio (MECO)
00:02:19 Separação de 1º e 2º estágios
00:02:26 Ignição do motor do 2º estágio
00:02:32 A queima de desaceleração – boostback – é iniciada
00:03:47 Descarte de carenagem
00:06:36 Começa a queima de reentrada do 1º estágio
00:08:26 Corte do motor do 2º estágio (SECO)
00:08:27 Pouso do ‘core’ de primeiro estágio
00:55:22 Reignição do motor do 2º estágio
00:55:24 Corte do motor do 2º estágio (SECO-2)
00:59:38 O UNICORN-2E é ejetado a partir do EXOport 6
00:59:51 DELFI-PQ, EASAT-2 e HADES são ejetados a partir do EXOport 6
01:00:25 UNICORN-2D, STALLA-2A e GRIZU-263A são ejetados a partir do EXOport 6
01:02:10 UNICORN-1 e UNICORN-2A são ejetados a partir do EXOport 6
01:02:49 PION-BR1, MDQUBESAT-1, SATLLA-2B e UNICORN-2TA1 são ejetados a partir do EXOport 6
01:02:55 ETV-A1 é liberado a partir do EXOport 6
01:03:04 HYPSO-1 é liberado a partir do EXOport 6
01:03:16 Gossamer Piccolomini é ejetado a partir do EXOport 6
01:03:28 DEWA-SAT 1 é ejetado a partir do EXOport 6
01:03:47 NuX-1 é liberado a partir do EXOport 6
01:04:15 BRO-5 é liberado a partir do EXOport 6
01:05:36 Challenger e SANOSAT-1 são ejetados do EXOport 6
01:05:48 FOSSASAT-2E5 e FOSSASAT-2E6 são liberados a partir do EXOport 6
01:06:01 FOSSASAT-2E2, WISESAT-2, FOSSASAT-2E3 e PILOT-1 são ejetados a partir do EXOport 6
01:06:27 FOSSASAT-2E1, WISESAT-1, FOSSASAT-2E4 e LAIKA são ejetados a partir do EXOport 6
01:06:32 Primeiro SuperDove é liberado
01:06:51 Primeiros lançamentos de LEMUR-2´s
01:07:13 KEPLER-17 é ejetado
01:07:19 Segunda liberação de LEMUR-2´s
01:07:31 Ororatech é ejetado
01:08:09 Tevel-4 e Tevel-5 são ejetados
01:08:35 Tevel-1, Tevel-2 e Tevel-3 são liberados
01:10:27 KEPLER-19 é liberado
01:11:01 Liberação do MDASat-1a
01:11:13 IRIS-A é ejetado
01:11:25 KEPLER-18 é ejetado
01:11:39 KEPLER-16 é ejetado
01:12:03 LEMUR-2-DJIRANG é ejetado
01:12:28 LEMUR-2-MIRIWARI é liberado
01:12:44 Ejeção do MDASat-1b
01:12:58 Ejeção do MDASat-1c
01:13:27 Tevel-6, Tevel-7 e Tevel-8 são liberados
01:21:07 Liberação do último SuperDove
01:21:30 Primeiro satélite ICEYE é ejetado a partir do EXOport 6
01:22:08 Segundo ICEYE é ejetado do EXOport 7
01:22:20 Umbra-02 é liberado
01:23:02 Satélite ucraniano Sich é ejetado
01:23:31 Satélite não identificado de cliente da Spaceflight é ejetado
01:24:30 Satélite-dispensador ION SCV-004 “Elysian Eleonora” é ejetado
01:27:04 Satélite não identificado de cliente da Spaceflight é liberado

O picossatélite brasileiro Pion-BR1

O Pion-BR1, um pequeno picossatélite [*] de 125 cm³, foi desenvolvido em sete meses pelos fundadores da Pion Labs, Calvin Trubiene, Bruno Pinto Costa, Gabriel Yamato e João Pedro Vilas Boas. As transmissões via rádio em 30 kHz e 4 GHz estarão disponíveis aos associados da entidade de radioamadores AMSAT-BR. Em órbita, o aparelho vai atuar para o monitoramento de sustentabilidade e segurança, como muitos players do agronegócio e da preservação da Amazônia. A montagem do satélite foi feita em um laboratório em São Caetano do Sul (SP). O nome PION é uma homenagem ao físico brasileiro César Lattes, que trabalhou na descoberta da partícula subatômica denominada pion.

Segundo a PION, o pequeno satélite é “… uma missão radioamadora aliada à educação com o objetivo de promover o acesso às tecnologias espaciais e a interação entre estudantes e a comunidade de radioamadores. A missão principal do satélite será um experimento digital de armazenamento e envio de mensagens usando o protocolo NGHam. Para apoiar as atividades em sala de aula e STEM (Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática), a missão PION-BR1 também:

(1) Avaliará a atitude de um pocketqube em um ambiente espacial;
(2) Avaliará a temperatura interna e externa do satélite;
(3) Realizará a coleta de dados de um experimento de magnetorquer (*) desenvolvido no Brasil.”

Pion-BR1 em configuração orbital

(*) Magnetorquers (também conhecidos como torques magnéticos ou barras de torque) são usados ​​em pequenos satélites para prover controle de atitude – mantendo a orientação em relação a um quadro inercial. Magnetorqueres produzem um campo magnético ao redor do satélite que interage com o campo magnético da Terra, produzindo assim um torque no satélite. Desta forma, o seu momento angular pode ser alterado e controlado. O mecanismo de torque magnético é atraente como modo de controle em pequenos satélites. O princípio de atuação é utilizar a interação entre o campo magnético terrestre e o campo magnético gerado por uma bobina fixada no satélite. Este princípio de controle é inerentemente não-linear e difícil de usar porque os torques de controle só podem ser gerados perpendicularmente ao vetor do campo geomagnético.

“Os estudantes de todo o Brasil participantes das atividades derivadas da missão serão incentivados a adquirir seus certificados de radioamador ao longo da vida da missão. A PION acredita que o satélite PION-BR1 irá despertar o interesse de jovens estudantes do Brasil pelas áreas STEM.”

“O serviço radioamador será utilizado como ferramenta de ensino para os estudantes participantes do programa OBSAT, programa coordenado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação do Brasil (MCTI), com o objetivo de promover experiências para alunos em projetos de pequenos satélites e, assim, divulgando o cultura aeroespacial para alunos e professores de instituições de ensino médio e universidades.”

O satélite teve seu projeto realizado em parceria com a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), a Olimpíada Brasileira de Satélites (OBSAT/MCTI), a Latin American Space Challenge (LASC), a AMSAT-BR e a Liga Brasileira de Radioamadores (LABRE).

Cargas úteis da missão

Manifesto de cargas da missão. Imagem nasaspaceflight.com

Lista de satélites de acordo com informações divulgadas (O número original deveria ser de 105 cargas úteis. O ION SCV-004 deve ejetar seis satélites.)

O Exolaunch EXOport 6 ejetará 29 satélites:

  • Unicorn- 1, 2A, 2TA1, 2D, 2E – Cubosats 3P da Alba Orbital. Estes são satélites de “bolso” projetados para demonstrar comunicações de rádio inovadoras e tecnologias de observação da Terra. Eles farão imagens noturnas da superfície do planeta para monitorar a poluição luminosa. Isso é necessário para acompanhar a dinâmica socioeconômica do desenvolvimento dos territórios, avaliar as consequências de conflitos militares e desastres naturais, bem como as emissões de gases de efeito estufa.
  • Delfi-PQ – pocketcube 3P da Delft University of Technology da Holanda. Um satélite de demonstração estudantil que deveria voar em um foguete Vector-R, mas foi cancelado e voou no Falcon 9.
  • EASAT-2 e HADES – Dois pocketcubes de tamanho 1,5P dos alunos da Universidade Europeia na Espanha. O EASAT-2 contém material de basalto para um experimento para estudar mudanças em suas propriedades no espaço. Este é o primeiro experimento na história com um tipo de satélite tão pequeno. O HADES carrega uma câmera em miniatura, transponder FM e repetidor digital a bordo e tem a capacidade de transmitir comunicações de voz.
  • SATTLA – 2, 2B – pocketcubes tamanho 2P de estudantes israelenses da Universidade Ariel. Esses satélites de rádio amador podem transmitir localização e sua telemetria usando um protocolo de transferência de dados automatizado, permitindo que os viajantes acessem os satélites para dados de localização e mensagens mesmo usando rádios portáteis ou móveis com antenas omnidirecionais.
  • GRIZU – 263A – pocketcube turco tipo 1P. O satélite foi desenvolvido como parte do projeto First Pocket Satellite da Turquia e será o primeiro femtosatélite do país. Foi nomeado em memória dos mineiros mortos em uma explosão em uma mina na Turquia, em Zonguldak,em 1992. O dispositivo vai operar em órbita por quase 5 anos.
  • PION – BR1 – o pocketcube 1P da PION Labs. O primeiro desenvolvido por uma startup brasileira. O satélite servirá como demonstração de tecnologia de comunicação para a Internet das Coisas, e também será usado como farol para radioamadores. Curiosamente, Alba Orbital (o operador da missão desta carga) estava vendendo um slot para PocketCube 1P por US $ 28.000.
  • MDQUBESAT – 1 – PocketCube 2P argentino, da Innova Space. Um dos primeiros satélites deste fator de forma na América Latina. Ele servirá como uma demonstração técnica da nova plataforma de satélites Innova Space para comunicações da Internet das Coisas (IoT).
  • ETV – A1 – cubesat 16U da empresa britânica Sen para observação da Terra. Este será o primeiro satélite do futuro agrupamento da empresa. Cada cubesat será equipado com várias câmeras UHD, projetadas para transmitir vídeo em tempo real do espaço, além de monitorar a ecologia e os desastres naturais na superfície da Terra.
  • HYPSO – 1 – Cubesat 6U “Observando o Oceano” de Estudantes Noruegueses do Small Satellite Laboratory (NTNU). Tem uma câmera hiperespectral que pode “ver” em muitos comprimentos de onda simultaneamente. O HYPSO-1 coletará dados de cor do mar para ver o florescimento de diferentes tipos de algas.
  • Gossamer-Piccolomini – cubesat tipo 1U da LunaSonde. Ele detectará águas subterrâneas, depósitos minerais e outros recursos geológicos em profundidades de até 2 quilômetros abaixo da superfície da Terra, criando um mapa tridimensional do subsolo. Usa radar de frequência ultra baixa para isso. Essa ideia vem de Jeremy Peyton, CEO da Lunasonde, que a propôs em 2016, quando estava no ensino médio. A empresa planeja lançar satélites semelhantes nas próximas missões da SpaceX.
  • DEWA-SAT 1, tamanho 3U, é dedicado a sensoriamento remoto da Terra, pelos Emirados Árabes Unidos. Ele adquirirá imagens multiespectrais visíveis de alta resolução para planejamento urbano e de infraestrutura e monitoramento de desastres.
  • NuX – 1 de Singapura, um cubesat 3U para demonstração de manobras autônomas em órbita usando um propulsor Hall em miniatura e sistema de controle de atitude da NuSpace. Além disso, uma carga útil para Internet das Coisas foi colocada no cubesat.
  • BRO 5 – Cubesat francês tipo 6U pesando 6 kg para monitoramento por rádio de tráfego marítimo e aéreo. Este será o 5º cubesat do agrupamento da UnseenLabs.
  • Challenger (Quub) – pocketcube tipo 3P pesando 750 gramas em homenagem à tripulação do ônibus espacial. Ele foi projetado para ajudar a evitar o risco de espionagem eletrônica e espionagem para dispositivos IoT. Ao contrário dos retransmissores de dados terrestres, nos quais os hackers podem se infiltrar entre os ‘hubs ‘ da rede, as transmissões de dados no espaço não podem ser interceptadas dessa maneira. O Cubesat também foi projetado para queimar completamente após a reentrada no final de sua vida útil de cinco anos.
  • SANOSAT – 1 – pocketcube 1P com sensor de radiação para transmissão de dados sobre a intensidade de radiação em órbita. O sensor mede a radiação alfa, beta e gama ao seu redor e transmite os dados para uma estação terrestre. A intensidade de radiação pode ser usada para construir um mapa de radiação, calcular a espessura de materiais de proteção contra radiação, identificar erupções solares, etc. O satélite também atuará como um retransmissor de rádio amador digital. Além disso, o satélite transmitirá seus dados de identificação e telemetria em código Morse. SANOSAT-1 será o primeiro femtosatélite nepalês.
  • FOSSASAT – 2E 1 a 6 – A empresa espanhola Fossa Systems está lançando seis pocketcubes tipo 2P para testar uma nova tecnologia experimental de transmissão de rádio chamada LoRa. O projeto foi criado para desenvolver sistemas de satélite em miniatura usando “componentes de prateleira” para criar pequenas naves de baixo custo.
  • WISESAT – 1, 2 – Satélites para a Internet das Coisas baseado no FOSSASAT-2. A empresa suíça de segurança cibernética, inteligência artificial e Internet das Coisas WISeKey, em colaboração com a FOSSA Systems, está lançando dois satélites para sua futura constelação WISeSat. Eles coletarão e enviarão dados de sensores terrestres para prever a manutenção de equipamentos, apoiar casas inteligentes com dispositivos conectados e veículos autônomos.
  • PILOT – 1 – um pocketcube tipo 2P para IoT da Itália baseado no FOSSASAT-2. Ele coletará dados de casas inteligentes, empresas agrícolas, fábricas e projetos de construção. Espera-se que o dispositivo se torne o primeiro satélite da futura constelação CShark em órbita. O período de sua existência ativa é de 3 anos.
  • LAIKA – pocketcube tipo 2P baseado no FOSSASAT-2. Será o primeiro pocketcube movido a motor embutido na própria estrutura do satélite e não ocupa espaço para a carga útil. O LAIKA é projetado para demonstrar várias manobras espaciais em órbita. O satélite recebeu o nome do primeiro animal lançado na órbita da Terra – a cadela Laika.
Cargas contradas pela ISILAUNCH no Transporter 3

Planet SuperDove- A Planet, nesta missão, lança 44 de suas “pombas” – Cubesats tamanho 3U do grupo SuperDove Flock 4S com uma massa de 5 kg cada, para fazer imagens de alta qualidade da superfície da Terra. Cada satélite carrega um telescópio e uma câmera CCD e fornecem imagens com resolução de até 50 cm. As imagens obtidas podem ser usadas para monitorar o clima da Terra, rastrear desastres naturais e desastres causados ​​pelo homem. A vida útil de cada satélite é de 2 a 3 anos.

  • LEMUR – 2 – quatro cubesats da Spire tipo 3U. Eles realizarão observação da Terra e monitoramento de transporte e usarão tecnologia de ocultação de rádio assistida por GPS para medir a pressão atmosférica, umidade e temperatura. Além disso, auxiliarão nas operações de busca e salvamento, bem como na prevenção da pirataria e da pesca ilegal.
  • KEPLER – 16, 17, 18, 19 – A Kepler lança quatro cubesats tamanho 6U para sua própria Internet das Coisas – o “Everywhere IoT”. Eles têm um sistema de comunicação de banda Ku de alta largura de banda e transmissão de dados de banda estreita para dados de sensores IoT.
  • OroraTech – um modelo 6U baseado na plataforma Spire. O satélite possui uma câmera infravermelha OroraTech e uma unidade de processamento de dados a bordo para detecção de incêndio e transmissão de dados usando o chassi Spire e a rede terrestre. Esta tecnologia ajudará a identificar e controlar áreas com risco particular de incêndios florestais e permitirá a detecção precoce de focos de calor. A OroraTech desenvolveu um serviço global de monitoramento de incêndios florestais que processa dados de satélite. O serviço destina-se a trabalhadores florestais, socorristas e seguradoras. Até 2026, a empresa planeja lançar uma constelação de 100 desses nanossatélites em órbita.
  • Tevel – 1 – 8 – oito cubesats tipo 1U estudantis do Israel Science Center Herzliya. Cada um deles carrega transponders FM de rádio amador a bordo para fins educacionais. Curiosamente, todos os oito satélites usarão as mesmas frequências desde que suas áreas de cobertura se sobreponham, e apenas um transponder FM será ativado por vez.
  • MDASat – 1a, 1b, 1c – três cubesats tamanho 2U da África do Sul. Os satélites monitorarão, identificarão e rastrearão navios quase em tempo real usando sinais AIS. Este será o primeiro lançamento de uma constelação de satélites totalmente desenvolvida no continente africano.
  • IRIS-A – Cubesat 2U, que visa apresentar novas tecnologias de comunicação para a Internet das Coisas no espaço. Um deles é LoRa. O segundo é o experimento compensado por Doppler. O satelite avaliará e compensará a mudança de frequência Doppler observada na estação terrestre. Também testará uma câmera embutida para demonstrar a capacidade de processar e enviar seus dados.

Nos EXOport 6 e 7:

  • ICEYE – Dois microssatélites finlandeses pesando 70 kg cada, equipados com radar SAR. A peculiaridade dos dispositivos é a resolução de foto aprimorada de até 3 m (por pixel).
  • UMBRA-02 é o segundo satélite comercial com radar de abertura sintética (SAR), o primeiro foi lançado na missão Transporter-2. Dentro do satélite, pesando 70 kg, há uma enorme antena de radar de abertura sintética ejetável. O Umbra tornará o acesso a informações de imagens de SAR mais fácil do que nunca. Os clientes agora pagarão o mesmo, independentemente de serem uma grande corporação ou uma startup.
  • Capella 7 e 8 – Dois microssatélites de 112 kg cada um com radar de abertura sintética para observação da Terra. O radar é capaz de distinguir objetos na Terra com 0,5 metros de tamanho. Os satélites estão equipados com uma antena refletora de malha desdobrável com uma abertura de 3,5 metros.
  • Sich – 2 – 30 (2 – 1) – Microssatélite ucraniano do Yuzhnoye Design Bureau. É uma modificação do satélite Sich-2, que operou em órbita síncrona do sol de 2011 a 2012. O satélite foi projetado para obter imagens da superfície da Terra na faixa do visível e do infravermelho próximo, além de observar o campo magnético do planeta. A câmera tem uma resolução de 7 m (por pixel). Esta será a carga útil mais pesada da missão, com uma massa de 170 kg.

O ION (ION SCV – 004 Elysian Eleonora) Cubesat Deployment Platform (um satélite ejetor de satélites da empresa D-Orbit) vai ejetar:

  • Guardian – cubesat 6U da Aistech Space. Está equipado com um telescópio multiespectral com sensores infravermelhos visíveis, infravermelhos próximos e infravermelhos térmicos. O Guardian será lançado na plataforma ION para a colocação precisa em órbitas operacionais. No futuro, a Aistech Space planeja ejetar uma constelação de 20 satélites Guardian. Será uma das primeiras constelações comerciais capazes de coletar dados térmicos sob demanda. As informações coletadas pelo Telescópio Guardian apoiarão a gestão da água, silvicultura, monitoramento ambiental e segurança marítima.

A SatRevolution também lança cinco cubesats a partir da plataforma:

  • Stork – 1 e 2 – dois cubesats de observação da Terra tipo 3U, bem como os cubesats de demonstração LabSat e SW1FT.
  • VZLUSAT – 2 – cubesat 3U pesando 3,9 kg do Centro Tcheco de Pesquisa Aeroespacial. O principal objetivo é testar tecnologias de observação da Terra e obter imagens da República Tcheca do espaço. Está equipado com duas câmaras experimentais, um detector de explosão gama e um sensor de desgaseificação de vapor de água. Os dados resultantes serão usados ​​para o desenvolvimento da agricultura e dos transportes. A validação da tecnologia a bordo do VZLUSAT-2 permitirá que futuras missões apoiem o desenvolvimento de uma constelação de satélites semelhantes em órbita.
  • O Mars Outpost Tech Demo é um experimento da NanoRacks como parte do programa Nanoracks Space Outpost, cujo objetivo principal é demonstrar o corte de metal no espaço e explorar a possibilidade de reutilizar materiais de naves espaciais que falharam e permaneceram em órbita. Uma câmera de vídeo registrará o corte de uma amostra de aço inoxidável CRES 316 com disco de corte de alta velocidade. O experimento terá início aproximadamente 45 minutos após o desligamento do motor do segundo estágio, quando o estágio será colocado em um órbita circular com uma altitude de cerca de 545 km. A carga útil de 111 kg não se separará do estágio e junto com ela sairá de órbita cerca de uma hora após o término do experimento.

Lista revisada de cargas úteis

ISILaunch 36 Porta 1
Sich-2-1 (170kg microsat, Ucrânia)

Planet (Porta ISIL 2)
Planeta SuperDoves Flock 4-X-1…-36 (36x 3U)

Planet (Porta ISIL 3)
Kepler 16-19 (4x 6U)
Planeta SuperDoves Flock 4-X-37/-44 (8x 3U)
Tevel-1…-8 (8x 1U, Israel)
LEMUR2 (2x 3U, Pinacle)
LEMUR2-Djirang (6U, Pinacle)
LEMUR2-Miriwari (6U, Pinacle)
OroraSat (6U, Ororatech, construído pela Spire)
IRIS-A (2U, Universidade Nacional Cheng Kung)
MDASat-1A/-1C (3x 2U, África do Sul)

D-Orbit ION SCV-004 “Elysian Eleonora”
DODONA (3U, USC/Lockheed Martin)
Stork-1, -2 (2x 3U, SatRev)
LabSat (3U, SatRev)
SW1FT (3U, SatRev)
VZLUSAT-2 (3U 3,9kg, SpaceManic, República Tcheca) (vindo do Spaceflight SXRS-6)
(hospedado) carga útil hiperespectral, computação em órbita

Exolaunch Porta 1 (28 sats)
Ejetores Fossa PocketPOD x2 (8 satélites)
Desafiante (3P, quub e Intuidex)
SanoSat-1 (1p, ORION Space, Nepal)
FossaSat-2E5,-2E6 (2x 2p, Fossa)
FossaSat-2E1/WISeSAT-1 (2p, Fossa)
FossaSat-2E2/WISeSAT-2 (2p, Fossa)
FossaSat-2E3/Pilot-1 (2p, CShark, Systems)
FossaSat-2E4/LAIKA (2p, Fossa)
Alba Orbital Clusters 3 e 4 (5 ejetores, 13 satélites)
Unicórnio-2E (3P, Orbital Alba)
DelfiPQ (3P, TU Delft, Holanda)
Hades e EASat-2 (2x 1.5P)
Unicorn-2D (3P, Alba Orbital)
SATTLA-2A (2P, Universidade Ariel, Israel)
Grizu-263a (1p)
Unicórnio 1 (2P)
Unicórnio 2A (3P, Orbital Alba)
MDQube-SAT1 (2P, Innova Space, Argentina)
PION-BR1 (1P, PION Labs, Brasil)
Unicórnio 2TA1 (?P, Orbital Alba)
SATTLA-2B (2P, Universidade Ariel, Israel)
ETV-A1 (16U, sen, construído pela NanoAvionics)
ICEYE X-14? (microsat)
HYPSO-1 (6U, NTNU, construído pela NanoAvionics)
NuX-1 (3U, NuSpace, Singapura)
DEWA-Sat1 (3U, Emirados Árabes Unidos, construído pela NanoAvionics)
BRO-5 (6U, UnseenLabs)
Gossamer-Piccolomini (1U?, Lunasonde)
Exolanch Porta 2
ICEYE X-16 (microssat)

Spaceflight SXRS-6 Porta 1
Microssat UMBRA-02 SAR
Spaceflight SXRS-6 Porta 2
Capela 7 e 8 (2x 112kg)

Classificação de satélites por tamanho

Na classificação de massa e em termos estritos, um nanossatélite (ou nanosat) é qualquer satélite com massa de 1 kg a 10 kg. Nesta base de dados, “nanosatélite” abrange todos os CubeSats , PocketQubes , TubeSats , SunCubes , ThinSats e picossatélites não-padronizados, salvo indicação em contrário.

Todos fazem parte da mesma revolução dos pequenos CubeSats e são fruto do desenvolvimento da tecnologia eletrônica moderna em termos de miniaturização de componentes. A classificação pela massa , porém, não é restrita a números exatos: Um CubeSat tamanho 1U pode ter 0,8 kg, mas também de 1,3 kg. Um 6U pode ser inferior ou superior a 10 kg. A maioria das massas desses pequenos aparelhos não são divulgadas.

O limite superior é de 10 kg para tipos não padronizados de nanosats e CubeSat tamanho 27U (de 30 a 40 kg). O limite inferior é o “1p”, os “PocketQubes” e demais picossatélites personalizados acima de 100 g, e os “SunCubes” que podem ser inferiores a 100 gramas.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Falcon 9 será lançado hoje com a ‘Transporter-3’

Foguete decola com mais de cem satélites; mini-satélite brasileiro está entre eles

Falcon 9 na plataforma em Cabo Canaveral

O foguete Falcon 9 número B1058.10 deve decolaràs 15: 25 UTC, 12:25 de Brasília hoje, quinta-feira, 13 de janeiro, a partir da plataforma SLC-40 em Cabo Canaveral, Flórida. A missão, que colocará 105 pequenos satélites em órbita, é chamada Transporter-3 e será o terceiro lançamento de um Falcon 9 dedicado ao programa Smallsat Rideshare da SpaceX. A órbita inicial será uma síncrona, a 550 km de altitude e inclinada em 97 graus em relação ao equador terrestre.

A bordo estará, entre muitos nanossatélites [*] (‘cubesats’, ‘pocketcubes’, satélites-dispensadores e outros), um pequeno satélite construído por uma startup brasileira, a PionLabs de São José dos Campos – o Pion-BR1, cubesat de cerca de 300 gramas, dedicado a serviços de radiomamador e experimentos científicos e técnicos. “Rideshare” é a ‘carona compartilhada’, onde vários satélites podem ser lançados por um mesmo foguete. O Transporter-3 marcará o primeiro ‘pouso terrestre’ da SpaceX de um ‘core’ de primeiro estágio de seu foguete em mais de seis meses e seu primeiro lançamento polar em 2022.

O peso total do lançador na decolagem deve ser de 552.300 kg. O ‘core’ de primeiro estágio B1058 foi utilizado anteriormente nos lançamentos dos Crew Dragon Demo-2, ANASIS-II, CRS-21, Transporter-1 e cinco missões de satélites Starlink. As conchas da carenagem de cabeça do foguete serão recuperadas no Oceano Atlântico pelo navio de apoio ‘Bob’.

Rebocador (OTV – orbital transfer vehicle, veículo de transferência orbital) Sherpa-LTC

Os satélites estarão agrupados no adaptador de carga útil, e alguns montados sobre um veículo de transferência orbital (OTV – orbital transfer vehicle) do tipo SHERPA-LTC (Sherpa LTC-1), um rebocador espacial comercial que é desenhado para ejetar várias satélites em sequência. Alguns deles estão acondicionados dentro ou na superfície de outros, e serão ejetados a partir do satélite-portador após abandonarem o Sherpa. Os satélites são ejetados por meio de dispensadores (“deployers”) de tipo comercial, produzidos por várias empresas e reunidos sob contrato das Spaceflight, D-Orbit e Exolaunch americanas.

Porém, o Sherpa-LTC1, anunciado anteriormente para este lançamento, não voará devido a um vazamento de propelente descoberto pouco antes do lançamento. Assim, dez naves integradas no Sherpa-LTC não voarão hoje. No entanto, os microssatélites Capella e Umbra voarão pela Spaceflight, pois estão conectados a outras portas no adaptador de carga útil do Falcon 9. E o satélite tcheco VZLUSAT-2 , um cubesat, foi colocado em outro mecanismo de ejeção em tempo recorde.

O Sherpa-LTC1 tem massa total de 400 quilogramas, com as cargas úteis. Desses, 127 kg são cargas úteis separáveis. A massa seca do LTC1 é de 230,5 kg, com 39 kg de propelente utilizável e 3 kg de resíduos (propelente e nitrogênio gasoso). Após a liberação, o Sherpa-LTC1 passará para uma fase de demonstração que incluirá a ejeção de cinco satélites de tamanho 3U adicionais a 500 km de altitude. Durante a fase primária da missão, o Sherpa-LTC1 ejetará até oito satélites, sete das quais com propulsão própria. Durante esta fase de demonstração, uma vez que o Sherpa-LTC1 tenha sido ‘abaixado’ para 500 km, cinco satélites adicionais serão ejetados.

Um canal de uplink de 5 MHz permite que a proprietária Spaceflight atualize o software de voo do rebocador com muito mais eficiência do que pode ser alcançado usando a largura de banda de 300 kHz com taxa de dados mais baixa, que foi usada na missão anterior, ‘Sherpa-LTE1’. A Spaceflight planeja encerrar a missão do rebocador (“safe” – “salvaguardar”, neutralizar o veículo) pelo menos 25-50 km acima das órbitas de naves tripuladas. A Spaceflight pretende encerrar a missão do Sherpa em uma órbita “tão circular quanto possível.” O decaimento da órbita do rebocador, com sua reentrada na atmosfera, deve acontecer depois de nove anos.

Foguete Falcon 9 v1.2 FT Block 5

Cronograma de atividades pré-lançamento

00:38:00 Diretor de Lançamento da SpaceX verifica o abastecimento de propelentes
00:35:00 Abastecimento de RP-1 (‘querosene de foguete’) em andamento
00:35:00 Abastecimento de LOX (oxigênio líquido ) no 1º estágio
00:16:00 Abastecimento de LOX no 2º estágio
00:07:00 Inicia-se o resfriamento dos motores (‘chilldown’)
00:01:00 Computador de vôo inicia verificações finais de pré-lançamento
00:01:00 Pressurização dos tanques até a pressão de voo é iniciada
00:00:45 Diretor de Lançamento verifica a prontidão para decolagem
00:00:03 O controlador do motor comanda a sequência de ignição
00:00:00 Decolagem do foguete

Etapas do lançamento a partir da decolagem (T zero) até o pouso em terra do primeiro estágio

Cronologia de voo

Eventos conforme divulgados pela SpaceX
Todos os tempos são aproximados

00:01:12 Max Q (momento máximo de estresse mecânico no foguete)
00:02:15 Corte do motor principal do 1º estágio (MECO)
00:02:19 Separação de 1º e 2º estágios
00:02:26 Ignição do motor do 2º estágio
00:02:32 A queima de desaceleração – boostback – é iniciada
00:03:47 Descarte de carenagem
00:06:36 Começa a queima de reentrada do 1º estágio
00:08:26 Corte do motor do 2º estágio (SECO)
00:08:27 Pouso do ‘core’ de primeiro estágio
00:55:22 Reignição do motor do 2º estágio
00:55:24 Corte do motor do 2º estágio (SECO-2)
00:59:38 O UNICORN-2E é ejetado a partir do EXOport 6
00:59:51 DELFI-PQ, EASAT-2 e HADES são ejetados a partir do EXOport 6
01:00:25 UNICORN-2D, STALLA-2A e GRIZU-263A são ejetados a partir do EXOport 6
01:02:10 UNICORN-1 e UNICORN-2A são ejetados a partir do EXOport 6
01:02:49 PION-BR1, MDQUBESAT-1, SATLLA-2B e UNICORN-2TA1 são ejetados a partir do EXOport 6
01:02:55 ETV-A1 é liberado a partir do EXOport 6
01:03:04 HYPSO-1 é liberado a partir do EXOport 6
01:03:16 Gossamer Piccolomini é ejetado a partir do EXOport 6
01:03:28 DEWA-SAT 1 é ejetado a partir do EXOport 6
01:03:47 NuX-1 é liberado a partir do EXOport 6
01:04:15 BRO-5 é liberado a partir do EXOport 6
01:05:36 Challenger e SANOSAT-1 são ejetados do EXOport 6
01:05:48 FOSSASAT-2E5 e FOSSASAT-2E6 são liberados a partir do EXOport 6
01:06:01 FOSSASAT-2E2, WISESAT-2, FOSSASAT-2E3 e PILOT-1 são ejetados a partir do EXOport 6
01:06:27 FOSSASAT-2E1, WISESAT-1, FOSSASAT-2E4 e LAIKA são ejetados a partir do EXOport 6
01:06:32 Primeiro SuperDove é liberado
01:06:51 Primeiros lançamentos de LEMUR-2´s
01:07:13 KEPLER-17 é ejetado
01:07:19 Segunda liberação de LEMUR-2´s
01:07:31 Ororatech é ejetado
01:08:09 Tevel-4 e Tevel-5 são ejetados
01:08:35 Tevel-1, Tevel-2 e Tevel-3 são liberados
01:10:27 KEPLER-19 é liberado
01:11:01 Liberação do MDASat-1a
01:11:13 IRIS-A é ejetado
01:11:25 KEPLER-18 é ejetado
01:11:39 KEPLER-16 é ejetado
01:12:03 LEMUR-2-DJIRANG é ejetado
01:12:28 LEMUR-2-MIRIWARI é liberado
01:12:44 Ejeção do MDASat-1b
01:12:58 Ejeção do MDASat-1c
01:13:27 Tevel-6, Tevel-7 e Tevel-8 são liberados
01:21:07 Liberação do último SuperDove
01:21:30 Primeiro satélite ICEYE é ejetado a partir do EXOport 6
01:22:08 Segundo ICEYE é ejetado do EXOport 7
01:22:20 Umbra-02 é liberado
01:23:02 Satélite ucraniano Sich é ejetado
01:23:31 Satélite não identificado de cliente da Spaceflight é ejetado
01:24:30 Satélite-dispensador ION SCV-004 “Elysian Eleonora” é ejetado
01:27:04 Satélite não identificado de cliente da Spaceflight é liberado

O picossatélite brasileiro Pion-BR1

O Pion-BR1, um pequeno picossatélite [*] de 125 cm³, foi desenvolvido em sete meses pelos fundadores da Pion Labs, Calvin Trubiene, Bruno Pinto Costa, Gabriel Yamato e João Pedro Vilas Boas. As transmissões via rádio em 30 kHz e 4 GHz estarão disponíveis aos associados da entidade de radioamadores AMSAT-BR. Em órbita, o aparelho vai atuar para o monitoramento de sustentabilidade e segurança, como muitos players do agronegócio e da preservação da Amazônia. A montagem do satélite foi feita em um laboratório em São Caetano do Sul (SP). O nome PION é uma homenagem ao físico brasileiro César Lattes, que trabalhou na descoberta da partícula subatômica denominada pion.

Pion-BR1 em configuração orbital

Segundo a PION, o pequeno satélite é “… uma missão radioamadora aliada à educação com o objetivo de promover o acesso às tecnologias espaciais e a interação entre estudantes e a comunidade de radioamadores. A missão principal do satélite será um experimento digital de armazenamento e envio de mensagens usando o protocolo NGHam. Para apoiar as atividades em sala de aula e STEM (Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática), a missão PION-BR1 também:

(1) Avaliará a atitude de um pocketqube em um ambiente espacial;
(2) Avaliará a temperatura interna e externa do satélite;
(3) Realizará a coleta de dados de um experimento de magnetorquer (*) desenvolvido no Brasil.”

(*) Magnetorquers (também conhecidos como torques magnéticos ou barras de torque) são usados ​​em pequenos satélites para prover controle de atitude – mantendo a orientação em relação a um quadro inercial. Magnetorqueres produzem um campo magnético ao redor do satélite que interage com o campo magnético da Terra, produzindo assim um torque no satélite. Desta forma, o seu momento angular pode ser alterado e controlado. O mecanismo de torque magnético é atraente como modo de controle em pequenos satélites. O princípio de atuação é utilizar a interação entre o campo magnético terrestre e o campo magnético gerado por uma bobina fixada no satélite. Este princípio de controle é inerentemente não-linear e difícil de usar porque os torques de controle só podem ser gerados perpendicularmente ao vetor do campo geomagnético.

“Os estudantes de todo o Brasil participantes das atividades derivadas da missão serão incentivados a adquirir seus certificados de radioamador ao longo da vida da missão. A PION acredita que o satélite PION-BR1 irá despertar o interesse de jovens estudantes do Brasil pelas áreas STEM.”

“O serviço radioamador será utilizado como ferramenta de ensino para os estudantes participantes do programa OBSAT, programa coordenado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação do Brasil (MCTI), com o objetivo de promover experiências para alunos em projetos de pequenos satélites e, assim, divulgando o cultura aeroespacial para alunos e professores de instituições de ensino médio e universidades.”

O satélite teve seu projeto realizado em parceria com a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), a Olimpíada Brasileira de Satélites (OBSAT/MCTI), a Latin American Space Challenge (LASC), a AMSAT-BR e a Liga Brasileira de Radioamadores (LABRE).

Cargas úteis da missão

Lista de satélites de acordo com os TLEs divulgados pelo Celestrack (O número total deve ser de 105 cargas úteis. Alguns TLEs podem significar mais de um satélite, seja cubesats ou pocketcubes. O ION SCV-004 deve ejetar seis satélites.)

UNICORN-2E
DELFI-P, QEASAT-2, HADES
UNICORN-2D, SATLLA-2A , GRI
UNICORN-1 e UNICORN-2A
PION-BR1, MDQUBESAT-1, SAT
ETV-A1
HYPSO-1
GOSSAMER-PICCOLOMINI
DEWA-SAT-1
NUX-1
BRO-5
CHALLENGER-3, SANOSAT-1
FOSSASAT-2E5/FOSSASAT-2E
FOSSASAT-2E2/FOSSASAT-2E
FOSSASAT-2E1/FOSSASAT-2E
FLOCK-4X-11
FLOCK-4X-23
FLOCK-4X-32
LEMUR2-D
KEPLER-17
LEMUR2-E
FLOCK-4X-39
LEMUR2-C
FLOCK-4X-42
FLOCK-4X-9
FLOCK-4X-41
FLOCK-4X-14
TEVEL-4/TEVEL-5
FLOCK-4X-10
TEVEL-1/TEVEL-2/TEVEL-3
FLOCK-4X-35
FLOCK-4X-15
FLOCK-4X-40
FLOCK-4X-12
FLOCK-4X-13
FLOCK-4X-33
FLOCK-4X-16
FLOCK-4X-34
FLOCK-4X-36
KEPLER-19
FLOCK-4X-44
MDASAT-1A
FLOCK-4X-37
IRIS-A
FLOCK-4X-38
KEPLER-18
KEPLER-16
LEMUR2-A
FLOCK-4X-43
LEMUR2-B
FLOCK-4X-29
MDASAT-1B
FLOCK-4X-30
MDASAT-1C
TEVEL-6/TEVEL-7/TEVEL-8
FLOCK-4X-2
FLOCK-4X-31
FLOCK-4X-3
FLOCK-4X-24
FLOCK-4X-1
FLOCK-4X-17
FLOCK-4X-5
FLOCK-4X-19
FLOCK-4X-20
FLOCK-4X-4
FLOCK-4X-27
FLOCK-4X-26
FLOCK-4X-6
FLOCK-4X-18
FLOCK-4X-7
FLOCK-4X-8
FLOCK-4X-28
FLOCK-4X-21
FLOCK-4X-22
FLOCK-4X-25
ICEYE-X14
ICEYE-X16
UMBRA-02
SICH2-1
CAPELLA-8-WHITNEY
ION-SCV-004
CAPELLA-7-WHITNEY

DEWA-SAT-1 dos Emirados Árabes
NUX-1 (cubesat 3U, NUSPACE)
TEVEL-1/TEVEL-2/TEVEL-3 (3 cubesats 1U , de escolas de Israel)
TEVEL-4/TEVEL-5 (dois cubesats 1U )
TEVEL-6/TEVEL-7/TEVEL-8 (três cubesats 1U)
BRO-5 (cubesat 6U, da UnseenLabs)
MDASat-1a e 1B (dois cubesats 2U, “Maritime Domain Awareness Satellite” da South African National Space Agency SANSA)
IRIS-A (cubesat 2U, da National Cheng Kung University)

O Nanoracks Mars Outpost Demo ficará preso ao segundo estágio do foguete

Gráfico com informações do lançamento, especificamente sobre o rebocador Sherpa

[*] – Na classificação de massa e em termos estritos, um nanossatélite (ou nanosat) é qualquer satélite com massa de 1 kg a 10 kg. Nesta base de dados, “nanosatélite” abrange todos os CubeSats , PocketQubes , TubeSats , SunCubes , ThinSats e picossatélites não-padronizados, salvo indicação em contrário.

Todos fazem parte da mesma revolução dos pequenos CubeSats e são fruto do desenvolvimento da tecnologia eletrônica moderna em termos de miniaturização de componentes. A classificação pela massa , porém, não é restrita a números exatos: Um CubeSat tamanho 1U pode ter 0,8 kg, mas também de 1,3 kg. Um 6U pode ser inferior ou superior a 10 kg. A maioria das massas desses pequenos aparelhos não são divulgadas.

O limite superior é de 10 kg para tipos não padronizados de nanosats e CubeSat tamanho 27U (de 30 a 40 kg). O limite inferior é o “1p”, os “PocketQubes” e demais picossatélites personalizados acima de 100 g, e os “SunCubes” que podem ser inferiores a 100 gramas.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

SpaceX lançará ‘Transporter 3’ esta semana

Falcon 9 colocará em órbita satélites de governos e empresas privadas

Foguete B1058.10 na plataforma SLC-40 em Cabo Canaveral

Um foguete Falcon 9 (número B1058.10) está programado para decolar não antes de 15: 25 UTC, 12:25 de Brasília na quinta-feira, 13 de janeiro de 2022, a partir da plataforma SLC-40 em Cabo Canaveral, Flórida. A missão, que colocará dezenas (o número chega a 105) de pequenos satélites em órbita, é chamada Transporter-3 será o terceiro lançamento de um Falcon 9 dedicado ao programa Smallsat Rideshare da SpaceX, que oferece o que é provavelmente a passagem mais acessível para a orbita terrestre. “Rideshare” é a ‘carona compartilhada’, onde vários satélites podem ser lançados por um mesmo foguete. O Transporter-3 marcará o primeiro ‘pouso terrestre’ da SpaceX de um ‘core’ de primeiro estágio de seu foguete em mais de seis meses e seu primeiro lançamento polar em 2022.

A órbita inicial será uma síncrona, a 550 km de altitude e inclinada em 97 graus em relação ao equador terrestre. O ‘core’ de primeiro estágio B1058 foi utilizado anteriormente nos lançamentos dos Crew Demo-2, ANASIS-II, CRS-21, Transporter-1 e cinco missões de satélites Starlink.

Entre as cargas a bordo estará o picossatélite brasileiro Pion BR-1, numa iniciativa de uma startup em parceria com empresas e instituições públicas.

Sob a carenagem de cabeça do foguete estão oa 105 satélites (entre cubesats, microsats, pocketqubes e o próprio veículo de transferência orbital Sherpa).

Áreas de zona de exclusão – Launch Hazard Areas (LHAs) a partir da SLC-40 para 13 de janeiro às 15:25 UTC, com datas alternativas em  14-17 de janeiro; Aterrissagem do ‘core’ de primeiro estágio na zona de aterrisagem LZ1. Área de queda (em vermelha) em caso de falha de separação de segundo estágio. Recuperação das conchas de carenagem ao norte de Cuba, a cerca de 606km na trilha de lançamento. O foguete deverá fazer uma manobra de mudança de azimute para atingir a inclinação desejada da órbita. 
Reentrada do segundo estágio no Oceano Índico.
Emblema da Transporter-3

Os satélites a serem lançados nesta missão são

Os Planet SuperDoves – 44 unidades
Flock 4x, cubesats tamanho 3U

  • Pela EXOLAUNCH
    – Em ejetores Fossa PocketPOD deployer (ejetor)
    CShark Pilot-1
    WISeSAT-1,2
    Fossasat-2E picossat (3 unidades)

-Alba Orbital Cluster 3 e 4 (16 unidades)
MDQube-SAT1 (2p)
Pion BR1, picossatélite brasileiro de tamanho 1p
SATTLA-2 (2p)
SanoSat-1 (pela Orion, do Nepal)
DelfiPQ (3p)
Carnegie Mellon (1p)
Hades (1,5p)
EAsat-2 (1,5p)
Grizu-263a (1p)
Unicorn 1 (2p)
Unicorn 2A, 2D, 2E (três do formato 3p)
EnduroSat 6U XL Cubesat Platform (dois)

Challenger (3P) PocketQube da Intuidex / Quub

No dispensador-satélite independente D-Orbit ION SCV-004 “Elysian Eleonora”:
Stork 1 e Stork 2
Guardian (6U)
LabSat (3U)
SW1FT (3U)

VZLUSAT-2, da República Checa

Montados no Shepa LTC-1:
Umbra-02
Capella 7 e 8
Kepler KEP-16 a 19

Pela ISIlaunch:
Sitch-2-1 da Ucrânia
TechEdSat-15
ICEYE-US
ELaNa-40 para a NASA (dois satélites, um deles o LLITED (Low-Latitude Ionosphere/Thermosphere Enhancements in Density)
CZE-BD
HYPSO-1 da NTNU
Kleos KSF 2A a 2D
SpireOroraSat 6U
ETV-A1
URESAT-1
WVSAT

  • Nanoracks
    Mars Outpost Tech Demo (uma plataforma de teste de tecnologia, de 111 kg, não separável – vai permanecer acoplada ao rebocador espacial Sherpa)
Gráfico com informações do lançamento, especificamente sobre o rebocador Sherpa

Lista de satélites de acordo com os TLEs divulgados pelo Celestrack (O número total deve ser de 98 cargas úteis. Alguns TLEs podem significar mais de um satélite, seja cubesat ou pocketcube. O ION SCV-004 deve ejetar seis satélites.)

UNICORN-2E
DELFI-PQ/EASAT-2/HADES
UNICORN-2D/SATLLA-2A/GRI
UNICORN-1/UNICORN-2A
PION-BR1/MDQUBESAT-1/SAT
ETV-A1
HYPSO-1
GOSSAMER-PICCOLOMINI
DEWA-SAT-1
NUX-1
BRO-5
CHALLENGER/SANOSAT-1
FOSSASAT-2E5/FOSSASAT-2E
FOSSASAT-2E2/FOSSASAT-2E
FOSSASAT-2E1/FOSSASAT-2E
FLOCK-4X-11
FLOCK-4X-23
FLOCK-4X-32
LEMUR2-D
KEPLER-17
LEMUR2-E
FLOCK-4X-39
LEMUR2-C
FLOCK-4X-42
FLOCK-4X-9
FLOCK-4X-41
FLOCK-4X-14
TEVEL-4/TEVEL-5
FLOCK-4X-10
TEVEL-1/TEVEL-2/TEVEL-3
FLOCK-4X-35
FLOCK-4X-15
FLOCK-4X-40
FLOCK-4X-12
FLOCK-4X-13
FLOCK-4X-33
FLOCK-4X-16
FLOCK-4X-34
FLOCK-4X-36
KEPLER-19
FLOCK-4X-44
MDASAT-1A
FLOCK-4X-37
IRIS-A
FLOCK-4X-38
KEPLER-18
KEPLER-16
LEMUR2-A
FLOCK-4X-43
LEMUR2-B
FLOCK-4X-29
MDASAT-1B
FLOCK-4X-30
MDASAT-1C
TEVEL-6/TEVEL-7/TEVEL-8
FLOCK-4X-2
FLOCK-4X-31
FLOCK-4X-3
FLOCK-4X-24
FLOCK-4X-1
FLOCK-4X-17
FLOCK-4X-5
FLOCK-4X-19
FLOCK-4X-20
FLOCK-4X-4
FLOCK-4X-27
FLOCK-4X-26
FLOCK-4X-6
FLOCK-4X-18
FLOCK-4X-7
FLOCK-4X-8
FLOCK-4X-28
FLOCK-4X-21
FLOCK-4X-22
FLOCK-4X-25
ICEYE-X14
ICEYE-X16
UMBRA-02
SICH2-1
CAPELLA-8-WHITNEY
ION-SCV-004
CAPELLA-7-WHITNEY

DEWA-SAT-1 dos Emirados Árabes
NUX-1 (cubesat 3U, NUSPACE)
TEVEL-1/TEVEL-2/TEVEL-3 (3 cubesats 1U , de escolas de Israel)
TEVEL-4/TEVEL-5 (dois cubesats 1U )
TEVEL-6/TEVEL-7/TEVEL-8 (três cubesats 1U)
BRO-5 (cubesat 6U, da UnseenLabs)
MDASat-1a e 1B (dois cubesat 2U, “Maritime Domain Awareness Satellite” da South African National Space Agency SANSA)
IRIS-A (cubesat 2U, da National Cheng Kung University)

CRONOLOGIA DA MISSÃO

Eventos do lançamento – conforme divulgado pela SpaceX
Todos os tempos são aproximados

00:01:12 Max Q (momento máximo de estresse mecânico no foguete)
00:02:15 Corte do motor principal do 1º estágio (MECO)
00:02:19 Separação de 1º e 2º estágios
00:02:26 Ignição do motor do 2º estágio
00:02:32 A queima de desaceleração – boostback – é iniciada
00:03:47 Descarte de carenagem
00:06:36 Começa a queima de reentrada do 1º estágio
00:08:26 Corte do motor do 2º estágio (SECO)
00:08:27 Pouso do ‘core’ de primeiro estágio
00:55:22 Reignição do motor do 2º estágio
00:55:24 Corte do motor do 2º estágio (SECO-2)
00:59:38 O UNICORN-2E é ejetado a partir do EXOport 6
00:59:51 DELFI-PQ, EASAT-2 e HADES são ejetados a partir do EXOport 6
01:00:25 UNICORN-2D, STALLA-2A e GRIZU-263A são ejetados a partir do EXOport 6
01:02:10 UNICORN-1 e UNICORN-2A são ejetados a partir do EXOport 6
01:02:49 PION-BR1, MDQUBESAT-1, SATLLA-2B e UNICORN-2TA1 são ejetados a partir do EXOport 6
01:02:55 ETV-A1 é liberado a partir do EXOport 6
01:03:04 HYPSO-1 é liberado a partir do EXOport 6
01:03:16 Gossamer Piccolomini é ejetado a partir do EXOport 6
01:03:28 DEWA-SAT 1 é ejetado a partir do EXOport 6
01:03:47 NuX-1 é liberado a partir do EXOport 6
01:04:15 BRO-5 é liberado a partir do EXOport 6
01:05:36 Challenger e SANOSAT-1 são ejetados do EXOport 6
01:05:48 FOSSASAT-2E5 e FOSSASAT-2E6 são liberados a partir do EXOport 6
01:06:01 FOSSASAT-2E2, WISESAT-2, FOSSASAT-2E3 e PILOT-1 são ejetados a partir do EXOport 6
01:06:27 FOSSASAT-2E1, WISESAT-1, FOSSASAT-2E4 e LAIKA são ejetados a partir do EXOport 6
01:06:32 Primeiro SuperDove é liberado
01:06:51 Primeiros lançamentos de LEMUR-2´s
01:07:13 KEPLER-17 é ejetado
01:07:19 Segunda liberação de LEMUR-2´s
01:07:31 Ororatech é ejetado
01:08:09 Tevel-4 e Tevel-5 são ejetados
01:08:35 Tevel-1, Tevel-2 e Tevel-3 são liberados
01:10:27 KEPLER-19 é liberado
01:11:01 Liberação do MDASat-1a
01:11:13 IRIS-A é ejetado
01:11:25 KEPLER-18 é ejetado
01:11:39 KEPLER-16 é ejetado
01:12:03 LEMUR-2-DJIRANG é ejetado
01:12:28 LEMUR-2-MIRIWARI é liberado
01:12:44 Ejeção do MDASat-1b
01:12:58 Ejeção do MDASat-1c
01:13:27 Tevel-6, Tevel-7 e Tevel-8 são liberados
01:21:07 Liberação do último SuperDove
01:21:30 Primeiro satélite ICEYE é ejetado a partir do EXOport 6
01:22:08 Segundo ICEYE é ejetado do EXOport 7
01:22:20 Umbra-02 é liberado
01:23:02 Satélite ucraniano Sich é ejetado
01:23:31 Satélite não identificado de cliente da Spaceflight é ejetado
01:24:30 Satélite-dispensador ION SCV-004 “Elysian Eleonora” é ejetado
01:27:04 Satélite não identificado de cliente da Spaceflight é liberado

Etapas do lançamento a partir da decolagem (T zero)

O picossatélite brasileiro Pion-BR1

O Pion-BR1, um pequeno picossatélite [*] de 125 cm³, foi desenvolvido em sete meses pelos fundadores da Pion Labs, Calvin Trubiene, Bruno Pinto Costa, Gabriel Yamato e João Pedro Vilas Boas. As transmissões via rádio em 30 kHz e 4 GHz estarão disponíveis aos associados da entidade de radioamadores AMSAT-BR. Em órbita, o aparelho vai atuar para o monitoramento de sustentabilidade e segurança, como muitos players do agronegócio e da preservação da Amazônia. A montagem do satélite foi feita em um laboratório em São Caetano do Sul (SP). O nome PION é uma homenagem ao físico brasileiro César Lattes, que trabalhou na descoberta da partícula subatômica denominada pion.

Pion-BR1 em configuração orbital

Segundo a PION, o pequeno satélite é “… uma missão radioamadora aliada à educação com o objetivo de promover o acesso às tecnologias espaciais e a interação entre estudantes e a comunidade de radioamadores. A missão principal do satélite será um experimento digital de armazenamento e envio de mensagens usando o protocolo NGHam. Para apoiar as atividades em sala de aula e STEM (Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática), a missão PION-BR1 também:

(1) Avaliará a atitude de um pocketqube em um ambiente espacial;
(2) Avaliará a temperatura interna e externa do satélite;
(3) Realizará a coleta de dados de um experimento de magnetorquer (*) desenvolvido no Brasil.”

(*) Magnetorquers (também conhecidos como torques magnéticos ou barras de torque) são usados ​​em pequenos satélites para prover controle de atitude – mantendo a orientação em relação a um quadro inercial. Magnetorqueres produzem um campo magnético ao redor do satélite que interage com o campo magnético da Terra, produzindo assim um torque no satélite. Desta forma, o seu momento angular pode ser alterado e controlado. O mecanismo de torque magnético é atraente como modo de controle em pequenos satélites. O princípio de atuação é utilizar a interação entre o campo magnético terrestre e o campo magnético gerado por uma bobina fixada no satélite. Este princípio de controle é inerentemente não-linear e difícil de usar porque os torques de controle só podem ser gerados perpendicularmente ao vetor do campo geomagnético.

“Os estudantes de todo o Brasil participantes das atividades derivadas da missão serão incentivados a adquirir seus certificados de radioamador ao longo da vida da missão. A PION acredita que o satélite PION-BR1 irá despertar o interesse de jovens estudantes do Brasil pelas áreas STEM.”

“O serviço radioamador será utilizado como ferramenta de ensino para os estudantes participantes do programa OBSAT, programa coordenado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação do Brasil (MCTI), com o objetivo de promover experiências para alunos em projetos de pequenos satélites e, assim, divulgando o cultura aeroespacial para alunos e professores de instituições de ensino médio e universidades.”

O satélite teve seu projeto realizado em parceria com a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), a Olimpíada Brasileira de Satélites (OBSAT/MCTI), a Latin American Space Challenge (LASC), a AMSAT-BR e a Liga Brasileira de Radioamadores (LABRE).

Cubesat VZLUSAT-2
Umbra

Equipe dos SuperDoves

Oresat0 (‘zero’)
SPIN-01

LLITED

ETV-A1
SanoSat-1

Oportunidades baratas de lançamento

Rebocador (OTV – orbital transfer vehicle, veículo de transferência orbital) Sherpa-LTC

Os clientes em potencial que compram a oportunidade de lançamento diretamente por meio da SpaceX podem atualmente pagar apenas US $ 1 milhão para lançar até 200 kg em órbita terrestre baixa sincronizada com o Sol. Enquanto as cargas úteis de compartilhamento de viagens perdem os benefícios do atendimento prático ao cliente e de uma inserção orbital mais direta e personalizada oferecida por um lançamento dedicado, os pequenos foguetes que oferecem serviços de lançamento direto para pequenos satélites são extremamente caros. Existem apenas dois foguetes de pequeno porte relativamente acessíveis ativos hoje.

O foguete Electron da Rocket Lab é o mais disponível e é capaz de lançar 200 quilogramas a 500 quilômetros em órbita sincronizada com o Sol (SSO) por cerca de $ 7,5 milhões – $ 37.500 / kg se totalmente explorado. Embora tenha completado apenas dois lançamentos bem-sucedidos, o foguete LauncherOne da Virgin Orbit lançado no ar é capaz de colocar 300 kg na mesma órbita por $ 12 milhões ($ 40.000 por kg). Uma vez operacional, o Rocket 3.0 da Astra custará pelo menos US $ 2,5 milhões para lançar 150 kg na SSO – talvez o mais acessível para pequenos lançamentos dedicados. Outros foguetes como o japonês Epsilon e o VEGA da Arianespace costumam oferecer serviços de transporte compartilhado, mas ambos custam pouco menos de US $ 40 milhões cada um e podem colocar apenas 1 a 2 toneladas em órbita com as mesmas desvantagens de um foguete Falcon compartilhado .

O motivo pelo qual o programa Smallsat Rideshare da SpaceX ser tão bem-sucedido é que em apenas dois lançamentos do Transporter, a empresa colocou quase 220 pequenos satélites em órbita para dezenas de clientes diferentes – incluindo startups, universidades, agências espaciais, grupos de estudantes, equipes científicas e outras. O Transporter-3 não será diferente e poderá transportar 80 a 90 pequenos satélites para a órbita, incluindo 44 satelites de observação da Terra SuperDove para a Planetlabs. Isso não leva em conta a possibilidade de que a SpaceX – como fez em ambas as missões anteriores do Transporter – incluisse vários satélites Starlink para aproveitar ao máximo o desempenho do Falcon 9.

Mais três Falcon 9 – incluindo um a ser lançado não antes de 24 de janeiro – estão programados para decolar antes do final do mês. Exceto por atrasos no cronograma, o Transporter-3 também pode ser o primeiro de até quatro lançamentos exclusivos de rideshare pela SpaceX neste ano.

[*] – Na classificação de massa e em termos estritos, um nanossatélite (ou nanosat) é qualquer satélite com massa de 1 kg a 10 kg. Nesta base de dados, “nanosatélite” abrange todos os CubeSats , PocketQubes , TubeSats , SunCubes , ThinSats e picossatélites não-padronizados, salvo indicação em contrário.

Todos fazem parte da mesma revolução dos pequenos CubeSats e são fruto do desenvolvimento da tecnologia eletrônica moderna em termos de miniaturização de componentes. A classificação pela massa , porém, não é restrita a números exatos: Um CubeSat tamanho 1U pode ter 0,8 kg, mas também de 1,3 kg. Um 6U pode ser inferior ou superior a 10 kg. A maioria das massas desses pequenos aparelhos não são públicas.

O limite superior é de 10 kg para tipos não padronizados de nanosats e CubeSat tamanho 27U (de 30 a 40 kg). O limite inferior é o “1p”, os “PocketQubes” e demais picossatélites personalizados acima de 100 g, e os “SunCubes” que podem ser inferiores a 100 gramas.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Como a NASA planeja usar sua nave Orion e a nave da SpaceX para pousar os próximos astronautas na Lua

por Evelyn Janeidy Arevalo – correções e atualizações por Homem do Espaço

Como a NASA planeja usar o sistema de lançamento espacial Orion e a nave espacial SpaceX para pousar os próximos astronautas na lua
Nave Orion acoplada ao alunissador Starship HLS em órbita lunar

Já se passou meio século desde que a Humanidade pisou pela última vez na superfície lunar. O programa Artemis da NASA tem como objetivo pousar astronautas no Pólo Sul Lunar até 2025. A agência está trabalhando com mais de 1.100 empresas nos Estados Unidos e em todos os seus centros para desenvolver o foguete Sistema de Lançamento Espacial (SLS) e a espaçonave Orion, projetada para colocar astronautas para a órbita lunar. A agência também contratou a SpaceX para desenvolver uma Starship configurada para Human Landing System (HLS, ou sistema de pouso humano – ou alunissador) otimizado para pousar astronautas na superfície lunar. A NASA tem um plano para utilizar os dois sistemas de lançamento. O perfil de voo Artemis 3 é delineado na figura abaixo.


A NASA concedeu à SpaceX US$ 2,89 bilhões como parte do contrato para desenvolver a Starship HLS, e pagou à empresa mais US$ 50 milhões por uma “demonstração de transferência e gerenciamento de propelente criogênico em órbita em grande escala” que está planejada antes do final de 2022, usando modificações da Starship. De acordo com o contrato, a SpaceX demonstrará como a nave HLS será reabastecida em órbita terrestre baixa, antes da missão Artemis III. A empresa planeja então reabastecer uma espaçonave principal conectada lado a lado com outra nave, que transportará propelente. A NASA diz que a SpaceX conduzirá a demonstração em grande escala para transferir 10 toneladas de propelente , especificamente oxigênio líquido, entre tanques de Starships.” Até hoje não foi feita transferência de fluidos criogênicos em grande escala em órbita. A tecnologia precisa estar suficientemente desenvolvida para garantir a missão tripulada.

Orion Space Launch System e SpaceX Starship Human Landing System.

Para se preparar para a missão lunar, a NASA conduzirá primeiro a missão Artemis I, um teste de vôo automático do conjunto SLS / Orion programado para a primavera deste ano. Então, em 2023, planeja-se lançar a Artemis II; Será o primeiro vôo de demonstração tripulado do SLS / Orion ao redor da Lua. A SpaceX realizará o primeiro teste de voo orbital da Starship este ano e os primeiros voos de demonstração ao redor da lua em 2023. Depois (e se) que essas missões de demonstração forem bem-sucedidas, a NASA conduzirá a Artemis III, que pousará dois astronautas em solo lunar. Inicialmente, a agência planejou realizar o primeiro pouso lunar tripulado em 2024, mas isso foi adiado até 2025 devido a uma ampla gama de fatores, incluindo a pandemia de Coronavirus. A agência precisa de tempo suficiente para garantir que o SLS / Orion e a Starship HLS da SpaceX sejam capazes de transportar os astronautas com segurança. 

Perfil do voo Artemis I
Foguete SLS que colocará a Orion em órbita lunar, com a tripulação principal.

O gráfico mostrado descreve como a NASA planeja usar o Orion/ Space Launch System e a Starship para retornar a humanidade à Lua. Durante a missão Artemis III , o foguete SLS vai decolar do Centro Espacial Kennedy na Flórida para lançar quatro astronautas a bordo da espaçonave para uma jornada de vários dias à órbita lunar. Antes, a SpaceX lançará a Starship HLS, ao lado de uma frota de veículos sem tripulação, como ‘entrepostos de combustível’ da sua base Starbase em Boca Chica, Texas. Os veículos serão preenchidos com propelente criogênico para reabastecimento em órbita da espaçonave HLS. Primeiro, a SpaceX lançará uma Starship para servir como depósito de propelente na órbita baixa. Em segundo lugar, a SpaceX lançará várias naves (todas versões da Starship) que servirão como transportadores para entregar propelente ao veículo-depósito (o ‘posto de gasolina’) que orbitará a Terra.  A nave Starship é alimentada com uma combinação de metano líquido e oxigênio líquido criogênicos. 

Starship lunar para a Artemis pousada na Lua

Depois, depois de abastecido, o HLS iniciará uma viagem de três dias até a órbita lunar a 384.000 km da Terra, onde aguardará a chegada dos astronautas a bordo da Orion. 

A NASA vai lançar sua Orion com os astronautas somente após que a SpaceX tiver concluído as complexas operações de reabastecimento do através de vários acoplamentos entre o posto de gasolina e outras Starship configuradas como transportadores de combustível, ou ‘petroleiros’ (“tanker”).

Assim que a Starship e a Orion estiverem em órbita lunar, o Orion irá acoplar uma porta NDS da nave HLS para permitir que dois dos 4 astronautas passem para o alunissador. Então Orion irá desacoplar e a nave HLS pousará no Pólo Lunar Sul e a primeira mulher e o próximo homem irão explorar a Lua por cerca de uma semana e coletar amostras enquanto a nave Orion permanece em órbita lunar com os outros dois astronautas monitorando a missão. Para retornar à Terra, a Starship HLS vai decolar da superfície lunar e encontrar a Orion na órbita lunar novamente, onde a nave irá se acoplar com a Starship e os astronautas retornarão à Orion. 

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

NASA estuda os raios-X com foguete suborbital

Black Brant IX foi usado para lançar pacote de detecção de raios

O Black Brant IX carregando a carga útil DXL decola da Wallops Flight Facility na Virgínia. Foto NASA Wallops Flight Facility

O foguete de sondagem suborbital Black Brant IX de dois estágios foi lançado em 8 de janeiro de 2022 da Wallops Flight Facility da NASA em Wallops Island, Virgínia à meia-noite EST (0500 GMT, 02:00 de Brasília no domingo, 9 de janeiro. O foguete estava transportando o experimento para “raios X difusos de galáxia local”, ou DXL (Diffuse X-ray emission from the Local galaxy), para estudar a origem de onde os raios X suaves que impactam a atmosfera da Terra vêm da Via Láctea. A janela de lançamento abriu das 23h às 3h locais. As oportunidades de lançamento de reserva iam até 17 de janeiro com a mesma janela . Com contadores proporcionais de 1.000 cm2 e alcance de cerca de 10 cm2 sr nas bandas de 1/4 e 3/4 keV, o DXL fez um vôo de 5 minutos estudando aspectos que não podem ser alcançado pelos atuais e futuros satélites de raios-X.

Este foi o quarto vôo do DXL. O primeiro vôo em 2012 confirmou a “Local Hot Bubble”, o Bolha Local [*] como uma fonte desses raios-X.

Seção da carga útil DXL

“Acredita-se que os raios X difusos de energia muito baixa vindos do espaço vêm de duas fontes. A primeira fonte está localizada fora de nosso sistema solar e é gerada pelos restos de múltiplas explosões de supernovas, formando o que agora é chamado de região de bolha quente local de nossa galáxia. A segunda está no sistema solar e é gerada pela troca de carga do vento solar. O DXL busca entender melhor a natureza e as características dessas fontes ”, explica Massimiliano Galeazzi, principal investigador da missão DXL na Universidade de Miami, Flórida.

O Black Brant IX é também designado Terrier Black Brant, tem dois estágios, com um primeiro estágio tipo Booster Terrier Mk 70 e um segundo estágio a ser escolhido entre os modelos dos Black Brant VB, Black Brant IXB, Black Brant IXBM1, Black Brant IXCM1, Terrier Black Brant XI Mod 2 ; sua massa bruta é de 2.200 kg. O foguete montado tem 12,20 metros de comprimento, com um diâmetro de 0,46 m e é capaz de atingir um apogeu de 300 km.

Existem três versões do Black Brant-IX. Cada configuração é qualificada para o voo e está disponível para seleção de missão:

  • BBIX Mod 0: Terrier MK 12 – BBVC
  • BBIX Mod 1: Terrier Mk 70 – BBVC
  • BBIX Mod 2: Terrier Mk 70 – BBVC (com coifa de cabeça estendida).

[*] – A Bolha Local, ou Cavidade Local, é uma cavidade relativa no meio interestelar do Braço de Orion na Via Láctea. Ele contém os vizinhos celestiais mais próximos e, entre outros, a Nuvem Interestelar Local (que engloba o Sistema Solar), a vizinha Nuvem G, o Grupo Móvel da Ursa Maior (o grupo estelar mais próximo ) e Hyades (o aglomerado aberto mais próximo).

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Chineses entram no terceiro mês de sua missão espacial

Taikonautas ensaiaram acoplagens por controle remoto

A tripulação da segunda expedição de longa duranção na Estação Espacial Chinesa (da esquerda para a direita) Zhigang, Guangfu e Yaping, durante o experimento de controle remoto da nave de carga Tianzhou-2 a pattir do módulo Tianhe.

O terceiro mês de trabalho da tripulação da 2ª expedição de longa duração na Estação Espacial Chinesa (CSS). Esta semana, os taikonautas Zhai Zhigang, Wang Yaping e Ye Guangfu, juntamente com o Centro de Controle de Voo de Pequim, realizaram dois testes de equipamentos de bordo essenciais para o próximo lançamento em 2022 para adicionar dois módulos-laboratórios à CSS.
Em 5 de janeiro de 2022, os testes do manipulador remoto instalado no módulo básico Tianhe para mover objetos de grande escala foram conduzidos com sucesso. Para este propósito, o manipulador fez uma captura da nave de carga automática Tianzhou-2 acoplado ao TianHe. Após verificar a confiabilidade da “empunhadura” e desempenho do equipamento, os ganchos da mecanismo de conexão foram abertos. Às 22:12 UTC a Tianzhou-2 foi fisicamente separada do CSS e foi movida a uma curta distância, em 20 graus, com a ajuda do manipulador e então mudou da porta frontal do Tianhe para a porta direita. A operação foi realizada na sequência reversa e às 22:59 UTC a Tianzhou-2 foi reacoplada na junção frontal do Tianhe.

Assim está configurada a estação espacial chinesa no momento: na imagem, TianZhou-2 à esquerda, módulo TianHe no centro, TianZhou-3 na direita e Shenzhou-13 embaixo

De acordo com a agência de notícias oficial Xinhua, citando a Agência Espacial de Voos Tripulados Chinesa (CMSA), os testes confirmaram a possibilidade do uso de um manipulador mecânico para movimentar os módulos espaciais. A pesquisa confirmou a eficácia das tecnologias relevantes e lançou as bases para a subseqüente montagem e construção de uma estação espacial doméstica em órbita. “
Em 7 de janeiro, o experimento de aproximação e conexão da mesma Tianzhou-2 foi conduzido com sucesso usando um modo de controle telecomandando, similar ao TORU russo. Para tanto as equipes do centro de controle fizeram a Tianzhou-2 ser estacionada a uma distância de 19 metros do TianHe, após o que o controle foi transferido para os astronautas a bordo da estação. Eles, em coordenação com os engenheiros de controle de solo, realizaram a transição para o controle manual da nave de carga, afastando-a à distância de 200 metros da estação. Em seguida, eles realizaram um ‘rendezvous’ (aproximação) manual, com a acoplagem finalizando a manobra. De acordo com a CMSA, o experimento durou cerca de duas horas e terminou às 23:55 UTC com a junção entre a Tianzhou-2 e o módulo Tianhe.
“O controle tele manual é um backup para a versão automática de conexão de espaçonaves não tripuladas. O experimento foi a primeira vez em que astronautas chineses usaram equipamento de televisão portátil para controlar a nave de carga e a estação espacial para realizar aproximações acoplagens”, disse a Xinhua.
O primeiro desenvolvimento do sistema TORU foi realizado por iniciativa da URSS, como parte do programa lunar “N1-L3” no início dos anos 1970. O desenvolvimento do TORU como um elemento regular do equipamento de bordo do complexo orbital da Mir foi conduzido na URSS / Rússia entre 1988-1992. Após um teste final em 1993, o sistema foi usado na Mir, e atualmente estão sendo usados ​​como parte do segmento russo da Estação Espacial Internacional para operações de reserva para acoplagens de naves de carga automáticos da família Progress. O TORU também foi utilizado para ser opção de reserva o acoplamento de naves de carga especializadas Progress com módulos Pirs, Poisk e Prichal, bem como um módulo multifuncional de laboratório Nauka.
De acordo com informações telemétricas obtidas pelo Centro de Controle de Voo de Pequim e relatórios da tripulação, os sistemas de bordo da Estação Espacial Chinesa funcionam normalmente. Os taikonautas estão se sentindo bem.
A partir de 15 de outubro de 2021, a Estação Espacial Chinesa inclui: o módulo básico Tianhe – a partir de 29 de abril de 2021; a nave de carga automática Tianzhou-2 – a partir de 29 de maio ; uma outra nave de cargam Tianzhou-3, a partir de 20 de setembro ; e nave espacial pilotada Shenzhou-13, a partir de 15 de outubro do mesmo ano.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Primeiro lançamento do ano: SpaceX lança 49 satélites

Rede de internet móvel ganha mais elementos

This image has an empty alt attribute; its file name is d88a5-1fb64cef-19d0-44b4-a9be-53d54e15d174.jpeg
Foguete Falcon 9 B1062.4 decola de Cabo Canaveral

A SpaceX lançou hoje, quinta-feira, 6 de janeiro de 2022, mais quarenta e nove satélites Starlink do Complexo de Lançamento 39A (LC-39A) no Centro Espacial Kennedy na Flórida. A missão foi denominada Starlink Fl34 Grupo 4-5, v1.5 L6. A decolagem do foguete Falcon 9 FT Block 5 ocorreu às 21:49 UTC (18:49 hora de Brasília). Após a separação dos estágios, o primeiro estágio do Falcon 9 pousou na balsa-drone A Shortfall of Gravitas.

Ao contrário das missões Starlink anteriores, o foguete voou para o sudeste da costa da Flórida em curso ao norte das Bahamas para colocar os satélites na órbita de 540 km (a ‘pilha’ foi liberada do segundo estágio numa órbita inicial de 339 km x 210 km). A pilha dos 49 satélites pesou 14.455 kg. A aterrissagem do ‘core’ de primeiro estágio aconteceu na balsa a cerca de 637 km do local de lançamento, com recuperação das conchas da carenagem, também reutilizadas (4º e 5º vôo) a 673 km pelo navio de apoio Doug; a reentrada do segundo estágio estava prevista para a segunda órbita, sobre o Atlântico Sul.

Fase de voo inicial

Linha de eventos da missão

00:01:12 Max Q (máximo estresse mecânico no foguete)
00:02:32 Corte dos motores de 1º estágio (MECO)
00:02:36 1º e 2º estágios separam-se
00:02:44 Motor de 2º estágio acende
00:02:52 Descarte da carenagem de cabeça
00:06:49 Início da queima de reentrada do 1º estágio
00:07:09 Fim da queima de reentrada do 1º estágio
00:08:27 Início da queima de pouso do 1º estágio
00:08:49 Queima de pouso do 1º estágio completa
00:08:50 Corte do motor de segundo estágio (SECO-1)
00:15:31 Satélites Starlink liberados

Pouso do ‘core’ na balsa-drone

Cada um dos satélites Starlink v1.5 pesa 295 kg e é projetado para ser leve e compacto. Os satélites são equipados com um propulsor de íons de criptônio de efeito Hall para manobrar no espaço até sua órbita planejada. O vôo de quinta-feira também continua os esforços da SpaceX para tornar as operações de mais eficientes, aprimorando seus satélites com a capacidade de se comunicarem entre si por meio de links de laser. Isso também reduzirá sua dependência de estações terrestres na Terra. Se for bem-sucedido, o vôo elevará o número total desses satélites em órbita para quase dois mil, enquanto trabalha para preencher seus planos orbitais planejados. A empresa tem aprovação para até 30.000 satélites de banda larga e tem opção de ampliar esse número. O total de usuários de Starlink atingiu 145 mil.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

This image has an empty alt attribute; its file name is curso1.jpg

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Chineses testam braço robótico da estação espacial

O braço robótico da estação espacial chinesa realocou a espaçonave de carga Tianzhou-2 hoje, a partir da porta frontal de acoplagem do módulo-base. Às 06:59 de 6 de janeiro de 2022, horário de Pequim, após cerca de 47 minutos de trabalho coordenado entre a estação e equipe de solo, o braço robótico completou um teste de realocação. Esta é a primeira vez que o “Chinarm” moveu um objeto de grande escala em órbita. O manipulador robótico foi projetado com capacidade para 25 toneladas, o suficiente para capturar e realocar espaçonaves e módulos experimentais como os Wentian e Mengtian, com lançamento previsto para o final deste ano.

A bordo da estação estão os astronautas Zhai Zhigang, Ye Guangfu e Wang Yaping, a meio caminho de uma missão que deverá durar seis meses. Eles chegaram à estação em outubro a bordo da nave espacial Shenzhou 13.

O teste começou às 06:12 de Pequim. Depois que a espaçonave de carga Tianzhou-2 foi desacoplada e separada do colar de engate frontal do módulo-base Tianhe , ela foi movida pelo braço robótico por cerca de 20 graus e então movida e acoplada de volta à porta frontal.
O teste de realocação de nave espacial de carga pelo braço robótico envolveu dois sistemas principais: o módulo-base e a nave de carga. O subsistema de braço robótico, o subsistema GNC (guiagem, navegação e controle), subsistema de telemetria, subsistema de gerenciamento de dados e outros participam e cooperam uns com os outros. Todos os sistemas foram desenvolvidos pelo 5º Grupo de Ciência e Tecnologia da Academia Aeroespacial da China.
Este teste testou inicialmente a viabilidade e eficácia do uso do braço robótico para operar a transposição de módulos da estação espacial, verificando as tecnologias de transposição e de controle de grandes cargas e experiência acumulada para a montagem e construção subsequente da estação espacial.

“No futuro, vamos entregar um segundo “braço” menor, para a estação, junto com o módulo de laboratório Wentian. Os dois manipuladores serão usados ​​separadamente, mas se necessário, podem ser conectados para criar um conjunto de 15 metros de comprimento, se necessário para alcançar objetos mais remotos “, disse um cientista ligado à agência espacial chinesa.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Força Aérea dos EUA: estágio russo caiu no Oceano Pacífico

Especialistas americanos confirmaram a queda do veículo espacial Persei

Persei com simulador GVM

O estágio Persei (Perseu) lançado em dezembro no terceiro teste do foguete russo Angara A5, reentrou na atmosfera da Terra às 23h08, horário de Moscou, em 5 de janeiro – 17:08 Brasilia. A reentrada aconteceu no Oceano Pacífico – disse o 18º Esquadrão Espacial da Força Aérea dos Estados Unidos, que rastreia todos os objetos artificiais em órbita baixa terrestre.
O estágio superior , que fez seu primeiro vôo, não conseguiu atingir a órbita planejada.
A previsão dos especialistas americanos para 18h50 do dia 5 quase se confirmou: o dispositivo entrou na atmosfera quase uma hora antes da hora que haviam calculado.
Conforme relatado, o lançamento de teste do novo Perseus (RB, ou “razgonnyy blok”, bloco acelerador – como os russos chamam o ‘upper stage’, estágio superior) foi realizado em 27 de dezembro no cosmódromo de Plesetsk. O veículo de lançamento pesado Angara-A5 funcionou normalmente. Além disso, o estágio carregava a maquete de carga útil não destacável GVM em 2.400 kg deveriam ter sido “lançados” a uma altitude de 35.800 km, com três partidas dos motores. Porém, após a primeira ativação do sistema de propulsão, o estágio superior silenciou e permaneceu em órbita baixa.
Ainda não está claro se todas as 20 toneladas (massa total do Persei com o simulador GVM) entraram na atmosfera íntegras ou se partiram. O fato é que, de acordo com os serviços de rastreamento americanos, logo após a separação do Persei (objeto 50505), mais três partes foram separadas (objetos 50569, 50570, 50571). Além disso, não se sabe quanto propelente permanecia nos tanques no momento da reentrada na atmosfera.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

James Webb tem seu espelho secundário posicionado

Estrutura desdobrada e travada em posição operacional

O espelho secundário é o primeiro elemento do sistema de focagem estendido – aqui visto retraído

O espelho secundário do James Webb Space Telescope – JWST – foi estendido e travado no lugar predeterminado hoje, 5 de janeiro. Segundo a NASA, “[o espelho] foi estendido e travado no ambiente de microgravidade e em temperaturas extremamente baixas e, no final das contas, teve que funcionar da primeira vez sem erros. Ele também teve que se desdobrar, posicionar e travar no lugar com uma tolerância de cerca de um milímetro e meio, e então ele deve permanecer estável enquanto o telescópio aponta para diferentes lugares no céu – e isso é tudo para um espelho secundário estrutura de suporte com mais de 7 metros de comprimento. O espelho secundário do Webb está no final da Estrutura de Suporte de Espelho Secundário (SMSS) e desempenha um papel importante em refletir a luz do espelho principal para os instrumentos atrás do espelho principal.”

Espelho secundário com sua armação de tripé estendida

O conjunto dos espelhos foram construídos em segmentos, sobre uma estrutura que se desdobra , como as folhas de uma mesa rebatível, para que possa caber na coifa de cabeça do foguete. O espelho então se desdobraria após o lançamento. Cada um dos 18 segmentos de espelho em forma hexagonal tem 1,32 metros de diâmetro, de plano a plano. (O espelho secundário tem 0,74 metro de diâmetro.) A forma hexagonal permite um espelho segmentado aproximadamente circular com “alto fator de preenchimento e simetria de seis vezes”. O alto fator de preenchimento significa que os segmentos se encaixam sem lacunas. Se os segmentos fossem circulares, haveria lacunas entre eles. A simetria é “boa” porque só precisa haver 3 prescrições ópticas diferentes para dezoito segmentos, seis de cada . Finalmente, uma forma geral mais ou menos circular é desejada porque isso focaliza a luz na região mais compacta dos detectores. Um espelho oval, por exemplo, daria imagens alongadas em uma direção. Um espelho quadrado enviaria muita luz para fora da região central.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

SpaceX lança mais um lote de Starlinks amanhã

Decolagem às 21:49 GMT

Foguete Falcon 9 V1.2 FT Block 5 – O primeiro estágio B1062.4 deste voo lançou anteriormente os GPS III-4, GPS III-5 e a missão Inspiration4.

A SpaceX está planejando lançar seu próximo lote de satélites Starlink esta semana em um foguete Falcon 9 Block 5. O lançamento (“Group 4, Flight 5”) está agendado para quinta-feira, dia 6 de janeiro de 2021, às 04:49 PM EST ( 21:49 GMT, 18:49 de Brasília ), com janela disponível até as 18:47 EST (23:47 GMT, 20:47 Brasilia) da plataforma LC-39A do Kennedy Space Center, na Flórida. Supõe-se que quarenta e nove satélites estarão a bordo, sendo que geralmente um vôo deste tipo transporta entre 48 a 53 unidades. O primeiro estágio (‘core’) do foguete está designado para pousar na balsa drone ‘A Shortfall of Gravitas‘, estacionada no Atlântico. Os mapas de zonas de exclusão mostram datas alternativas em 7 a 10 de janeiro com base em avisos NOTMARs / NOTAMs já emitidos. As previsões meteorológicas antecipam uma possibilidade de tempo bom de 80% na data principal e 70% na data reserva.

Jonathan Hofeller, vice-presidente de vendas do Sistema Starlink para a SpaceX, disse no mês passado que a rede já está fornecendo serviços de Internet para consumidores em mais de vinte países.

Linha de eventos da missão

00:01:12 Max Q (momento de máximo estresse mecânico no foguete)
00:02:32 Corte dos motores principais de 1º estágio (MECO)
00:02:36 1º e 2º estágios separam-se
00:02:44 Motor de 2º estágio inicia
00:02:52 Descarte da carenagem
00:06:49 Início da queima de reentrada do 1º estágio
00:07:09 Fim da queima de reentrada do 1º estágio
00:08:27 Início da queima de pouso do 1º estágio
00:08:49 Queima de pouso do 1º estágio completa
00:08:50 Corte do motor de segundo estágio (SECO-1)
00:15:31 Satélites Starlink liberados

Trajetória de lançamento e pouso do primeiro estágio na balsa-drone
Reentrada de segundo estágio

Ao contrário das missões Starlink anteriores, o foguete Falcon 9 voará para o sudeste da costa da Flórida em um curso ao norte das Bahamas para colocar o lote de satélites na órbita de 540 km (os satélites serão largados numa órbita inicial com apogeu de 339 km e perigeu de 210 km). A pilha dos 49 satélites deve pesar 14.455 kg, instalados sobre o adaptador de carga útil de fibra de carbono reforçado no interior da coifa de cabeça. A aterrissagem do ‘core’ de primeiro estágio (o de número B1062.4 ) deve acontecer na balsa a cerca de 637 km de distância do local de lançamento, com recuperação das conchas da carenagem a 673 km pelo navio de apoio Doug; a reentrada do segundo estágio será durante a segunda órbita, sobre o Atlântico Sul.

Zonas de exclusão em torno do Cabo

A missão Starlink 4-5 (satélites versão V1.5 Lançamento 6), tem como alvo o plano inclinado a 53,22 graus em relação ao equador. Para atingir esta posição orbital, o foguete será lançado do Centro Espacial Kennedy, e com base na escolha de lançamento sobre as Bahamas o foguete deve apontar num azimute inicial de 118 a 120 graus para permitir a aterrissagem na balsa estacionada no Atlântico e depois mudar, através de manobra do segundo estágio, para um azimute sudeste de 137 graus. A liberação da pilha de satélites está prevista para 15,6 minutos após o lançamento às 22:04:46.380 UTC (16:04 Brasília). A missão marcará o 34º lançamento da SpaceX com satélites Starlink.
Lançamentos anteriores que colocaram satélites em uma órbita semelhante ocorreram a nordeste da Costa Espacial da Flórida.

Em 13 de janeiro, outro lançamento da SpaceX transportará dezenas de satélites de clientes pagantes no vôo Transporter 3.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

James Webb: telas solares estendidas

A proteção térmica é essencial para o funcionamento

Telescópio espacial com o escudo de calor estendido

Hoje, 4 de janeiro de 2022, os engenheiros da NASA concluíram com sucesso a extensão da proteção solar do telescópio espacial James Webb (JWST). A proteção solar de cinco camadas, do tamanho de uma quadra de tênis, é essencial para proteger o telescópio do calor, permitindo que os instrumentos esfriem até as temperaturas extremamente baixas necessárias para cumprir seus objetivos científicos. A NASA transmitiu os eventos do tensionamento final do protetor solar, mostrando as atividades no Centro de Operações da Missão no Instituto de Ciência do Telescópio Espacial em Baltimore, Maryland. As conversas no circuito de comunicações deram uma visão da operação ocorrendo remotamente, a milhares de quilômetros da Terra.

Sequência de configuração do JWST

A extensão do protetor solar era reconhecida como uma das partes mais difíceis e complicadas da configuração do JWST. Apesar dos anos de desenvolvimento e testes, é difícil prever exatamente como as camadas de Kapton e todo o cabeamento se moveriam nas condições do espaço. O protetor solar de cinco camadas protegerá o telescópio da luz e do calor do Sol, da Terra e da Lua. Cada folha de plástico é quase tão fina quanto um cabelo humano e revestida com metal reflexivo, fornecendo proteção da ordem de mais de 1 milhão FPS. Juntas, as cinco camadas reduzem a exposição do Sol de mais de 200 quilowatts de energia solar para uma fração de watt. Essa proteção é crucial para manter os instrumentos científicos do JWST a temperaturas de 40 kelvins, ou abaixo de -230º C, frios o suficiente para ver a fraca luz infravermelha. Com este sucesso, toda a equipe está compreensivelmente satisfeita.

A cinco camadas de Kapton impedem que a luz infravermelha do Sol, da Terra e da Lua, bem como a eletrônica do chassi da espaçonave, alcance os espelhos e instrumentos científicos

A confirmação final da extensão das telas solares veio dez dias depois que o JWST deixou a Terra. A quinta e última camada do ‘guarda-sol’ de 21 por 14 metros foi esticada, com o telescópio a cerca de 916.000 km de distância. Há cerca de meio metro entre as camadas, com cerca de 2 metros de altura total da proteção solar, embora o tamanho varie em diferentes pontos. Ontem, 3 de janeiro, os engenheiros do JWST começaram a tensionar as três primeiras camadas. Eles planejaram fazer apenas uma camada ontem, mas tudo correu tão bem que decidiram continuar. Ao todo, o processo de tensionamento das três primeiras camadas durou pouco mais de cinco horas e meia.

Para impedir que a luz solar atinja seus detectores infravermelhos, ele tem um sistema de telas do tamanho de uma quadra de tênis, composta de cinco camadas de filme de kapton, cada uma não mais grossa do que um saco plástico

O protetor solar – aproximadamente do tamanho de uma quadra de tênis – foi dobrado para caber dentro da coifa de cabeça do foguete Ariane 5. A equipe Webb começou a estender remotamente o protetor solar em 28 de dezembro de 2021, três dias após o lançamento. “Esta é a primeira vez que alguém tenta colocar um telescópio tão grande no espaço”, disse Thomas Zurbuchen, administrador associado da Diretoria de Missão Científica da NASA na sede da agência em Washington. “O Webb exigiu não apenas uma montagem cuidadosa, mas também extensões cuidadosas. O sucesso de sua extensão mais desafiadora – a da proteção solar – é um testemunho incrível da engenhosidade humana e habilidade de engenharia que permitirá que o telescópio alcance seus objetivos científicos. ”

O desdobramento e tensionamento da proteção solar envolveu 139 dos 178 mecanismos de liberação, setenta conjuntos de dobradiças, oito motores de extensão, cerca de 400 polias e 90 cabos individuais totalizando cerca de 400 metros de comprimento. A equipe também pausou as operações de extensão por um dia para trabalhar na otimização dos sistemas de eletricidade e motores de tensionamento, para garantir que estivesse em perfeitas condições antes de iniciar o trabalho principal de tensionamento do protetor solar. “O protetor solar é notável porque protegerá o telescópio nesta missão histórica”, disse Jim Flynn, gerente do protetor solar da Northrop Grumman, o principal contratante da NASA para a espaçonave. “Este marco representa o espírito pioneiro de milhares de engenheiros, cientistas e técnicos que passaram partes significativas de suas carreiras desenvolvendo, projetando, fabricando e testando esta tecnologia espacial inédita.”

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Rússia: três cargueiros serão lançados para a ISS em 2022

Espaçonaves decolarão de Baikonur

Espaçonaves Progress tem 7,2 toneladas e tem pouco maid de sete metros de comprimento

O primeiro lançamento de um foguete Soyuz-2.1a do cosmódromo de Baikonur em 2022 está programado para 15 de fevereiro às 07:25, horário de Moscou (01:25 Brasília). Ele lançará o cargueiro espacial Progress MS-19. Segundo dados preliminares, o veículo ficará no espaço por mais de um ano – 370 dias. A segunda espaçonave de carga, Progress MS-20, partirá para um vôo de 173 dias em 3 de junho às 12h33, de Moscou (06:33 Brasília). Depois, o lançamento do Progress MS-21 está programado para 26 de outubro às 03:19 horário de Moscou – dia 25 às 21:19. Seu vôo terá duração prevista de 247 dias.

Foguete-lançador Soyuz 2.1a

Cada um deles entregará cargas de mais de 2,5 toneladas para a Estação Espacial Internacional, necessária para manter seu voo em modo tripulado e implementar o programa russo de pesquisa científica e aplicada. Normalmente, a carga inclui materiais do programa russo de experimentos, suprimentos médicos e suprimentos sanitários e higiênicos, itens de vestuário, rações alimentares padrão e alimentos frescos, bem como propelente de reabastecimento, água potável no sistema de tanques Rodnik e ar comprimido e oxigênio em cilindros de suprimento.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

James Webb: NASA faz anúncio sobre telescópio espacial

Espaçonave enfrenta dificuldades na extensão de estruturas; cronograma é alterado

Sequência de extensão de estruturas do telescópio espacial

A NASA fez hoje, 3 de janeiro de 2022, uma conferência online de mídia informando sobre as atividades do Telescópio Espacial James Webb, dando informações sobre o trabalho da espaçonave. Os motores de extensão das telas de proteção térmica do telescópio aqueceram mais do que o previsto (327 K contra os 320 K esperados). Embora issoesteja nos limites operacionais, os cientistas decidiram mudar a orientação da espaçonave para esfriar sua estrutura e terminar de estender essas telas. A primeira das cinco camadas está sendo tensionada hoje e as restantes serão estendidas amanhã, terça, e na quarta-feira, dependendo de como se der a operação. A espaçonave está equipada com seis motores usados ​​para tensionamento. Eles monitoram suas temperaturas e param sempre que atingem determinado limite. São dois motores na frente, dois na prancha traseira e um em cada lança telescópica nas laterais. As camadas são esticadas uma por vez. A fase preparatória começa hoje, e o próprio processo de tensionamento começará amanhã de manhã. Não foi respondida a pergunta direta sobre quanto propelente está disponível, uma vez que o foguete-lançador Ariane 5 teve uma performance que permitiu que a espaçonave economize suas reservas. A estimativa exata, estimam analistas independentes, deve ser possível seis meses após a conclusão de todas as correções.

É possível pausar a qualquer momento e até mesmo voltar atrás no processo, se necessário. Os engenheiros da NASA começaram os preparativos para as operações de tensionamento da primeira tela por volta das 9 horas (horário do leste nos EUA) de hoje, o que levará cerca de três horas. Em seguida, começará o tensionamento final e terminará a extensão da primeira camada ainda este dia.

Os painéis solares estão produzindo cerca de 10 por cento menos do que a voltagem esperada. Eram esperados 65 a 69 volts, e agora o valor é de 58 V.

O briefing informativo sobre o JWST

Os procedimentos de extensão são modificados conforme a equipe se concentra nas operações do observatório Aproveitando a flexibilidade do cronograma de comissionamento, a equipe da Webb decidiu se concentrar hoje na otimização dos sistemas de energia enquanto aprende mais sobre como o observatório se comporta no espaço. Como resultado, a equipe de operações mudou o início das atividades de tensionamento do protetor solar para hoje segunda-feira, 3 de janeiro. A equipe está analisando como o subsistema de energia está operando agora que várias das principais extensões foram concluídas. Simultaneamente, a equipe está trabalhando para garantir que os motores essenciais para o processo de tensionamento estejam nas temperaturas ideais antes de iniciar a atividade.

Canal que segue as etapas de configuração e atividades do james Webb

Usando uma abordagem para manter as operações da missão focadas no mínimo de atividades necessárias por vez, os especialistas optaram por esperar para retomar as etapas de extensão das telas de proteção solar depois de analisar a adaptação de seus mecanismos e atuadores ao ambiente espacial.

“Nada que possamos aprender com as simulações em solo é tão bom quanto analisar o observatório quando ele está sendo configurado e funcionando”, disse Bill Ochs, gerente de projeto no Goddard Space Flight Center da NASA. “Agora é a hora de aproveitar a oportunidade para aprender tudo o que pudermos sobre suas operações básicas. Então, daremos os próximos passos. ”

Apêndices externos (telas de proteção térmica, espelhos, armações e flap solar) do telescópio

A extensão foi projetada para que a equipe pudesse pausar as operações, se necessário. Neste caso, disse Ochs, eles estão contando com essa flexibilidade “para lidar adequadamente com a forma como o observatório está respondendo ao ambiente do espaço.”

“Passamos 20 anos projetando, desenvolvendo e testando [o telescópio espacial]”, disse Mike Menzel, engenheiro de sistemas líder do Goddard Center. “Tivemos uma semana para ver como o observatório realmente se comporta no espaço. Não é incomum aprender certas características de uma espaçonave durante o vôo. Isso é o que estamos fazendo agora. Até agora, as principais extensões que executamos foram tão bem quanto poderíamos esperar. Mas queremos aproveitar o nosso tempo e entender tudo o que pudermos sobre o observatório antes de seguirmos em frente. ”

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9