Irã anuncia lançamento de foguete mas não confirma entrada em órbita

Foguete Simorgh teria missão de orbitar três satélites

Simorgh decola do Centro Imam Khomeini

Um porta-voz do Ministério da Defesa e Apoio das Forças Armadas anunciou o lançamento bem-sucedido de um foguete Simorgh hoje, quinta-feira 30 de dezembro de 2021, supostamente com três satélites de pesquisa – porém estes não entraram em órbita. De acordo com o anúncio da agência oficial de notícias IRNA, Seyed Ahmad Hosseini, Vice-Ministro da Cultura e Relações Públicas do Ministério da Defesa, afirmou: A este respeito, o projeto e o desenvolvimento da base espacial Imam Khomeini (que Aláh tenha misericórdia dele) e o foguete Simorgh foram incluídos no programa da indústria espacial do país.” Quanto ao desempenho dos satélites do Simorgh, ele disse: “Neste lançamento, o desempenho das instalações da base espacial e dos estágios do foguete foram realizados de forma correta e, por fim, foram alcançados os objetivos de pesquisa pretendidos. ” Ou seja, o porta-voz indicou um funcionamento satisfatório do foguete-portador mas não confirmou a entrada em órbita das espaçonaves. Mais adiante, Hosseini pareceu indicar que as três cargas úteis não seriam satélites, mas sim equipamentos de telemetria, ou até mesmo modelos dimensionais de massa contendo equipamentos de telemedidas.

O porta-voz observou: “Nesta missão de pesquisa espacial, pela primeira vez, três cargas de pesquisa foram lançadas simultaneamente a uma altitude de 470 km e a uma velocidade de 7.350 m/s”. Hosseini, informando que foram analisados os dados da telemetria, acrescentou: “Combinando os dados e analisando a performance do foguete, será feito o planejamento necessário para um lançamento operacional.” – indicando que o voo seria realmente um teste técnico do foguete e que as cargas não eram destinadas a entrar em órbita. Porém, o anúncio pode esconder uma falha de tentativa orbital, não atingindo a velocidade orbital com seu último estágio e conseguindo atingir apenas a altitude de 470 quilômetros e posteriormente caindo de volta ao solo. Para um teste deste tipo não seria normal a colocação de três cargas úteis de pesquisa diferentes – um único pacote de telemetria seria suficiente.

O lançador tem 87 toneladas de massa no lançamento

O Irã já fez cinco lançamentos com este foguete, começando em 2016 com um teste suborbital aparentemente bem-sucedido e mais quatro outras tentativas orbitais, em 2017, 2019, 2020 e a última em junho passado – todas sem sucesso. É difícil acreditar que os iranianos teriam feito apenas mais um teste suborbital após quatro tentativas orbitais anteriores.

O foguete Simorgh (“Fênix” em Persa) tem uma relação de volume dos tanques de oxidante / combustível de primeiro estágio de cerca de 1,4 (este estágio é derivado do foguete norte-coreano Unha-3). O primeiro estágio tem quatro motores controle de atitude com turbobomba separada com quatro motores LRE-4 (4D10V), cada um com duas turbobombas. O segundo estágio é um foguete Safir alongado, e com diâmetro expandido. Os dois primeiros estágios funcionam com propelentes líquidos hipergólicos – tetraóxido de nitrogênio e dimetil-hidrazina assimétrica. Acredita-se que o terceiro estágio é um Saman-1 com um motor de combustível sólido Arash-24.

Acredita-se que o Simorgh seja baseado na tecnologia de mísseis norte-coreanos, amplamente usada nos mísseis iranianos de médio alcance Shahab-3. As agências de inteligência dos EUA acreditam que a Coréia do Norte forneceu ao Irã dados de projeto, tecnologia de separação de estágios e equipamento de apoio para este e outros lançadores. O foguete Simorgh tem 26,5 metros de comprimento e uma massa de lançamento de 87.000 kg. Seu primeiro estágio com um diâmetro de 2,4 metros é movido por um conjunto de quatro motores derivados do foguete Shahab, cada um com até 37.000 kgf (360 kilonewtons ) de empuxo, além de um motor de quatro tubeiras verniers, usado para controle de atitude, produzindo um adicional de 14.000 kgf (140 kN ). Na decolagem, esses motores geram um total de 162.000 kgf (1.590 kN ) de empuxo. O segundo estágio, com um diâmetro de 1,5 metro, utiliza quatro motores menores (originalmente os motores vernier do foguete militar soviético R-27) produzindo 7.000 kgf, ou 69 kN. O terceiro é um estágio superior tipo Saman-1 movido a combustível sólido produzindo 1.300 kgf, ou 13 kN. de empuxo. O Simorgh é tido como capaz de colocar uma carga útil única de 350 kg ou uma carga principal e vários cubesats secundários em uma órbita terrestre baixa de 500 quilômetros.

O tempo total de vôo para uma órbita de 500-530 km é entre 480 e 495 segundos, e a separação do primeiro estágio deve ocorrer a uma altitude de 90 km e a uma velocidade de 2300 m / s. Então o segundo estágio são acionados e a carenagem de cabeça é descartada, e o satélite é então acelerado para 7400 m / s e colocado em órbita. Em contraste com seu antecessor Safir, o Simorgh é integrado e montado verticalmente na plataforma de lançamento; cada estágio é construído horizontalmente e posteriormente levado para a plataforma de lançamento, onde o empilhamento é concluído numa torre vertical de serviço.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

China lança TianHui-4

Penúltimo lançamento chinês de 2021 foi feito a partir de Jiuquan

Foguete transportador Longa Marcha 2D nº Y41 decola de Jiuquan

A China lançou hoje (29 de dezembro de 2021) com sucesso o satélite TianHui-4 a partir do Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan , no noroeste do país. O satélite foi lançado por um foguete transportador Longa Marcha 2D nº Y41 (Chengzheng 2 Ding Yao 41) às 19h13 (horário de Pequim) e entrou em sua órbita planejada. O lançamento marcou a 404ª missão dos foguetes da série Longa Marcha, decolando da Área 43, plataforma 94 de Jiuquan.
Este lançamento foi o 57º do foguete Longa Marcha 2D (CZ-2D), e o 150º da série Longa Marcha desenvolvida pela Oitava Academia de Ciências. Este CZ-2D foi o primeiro a utilizar um novo adaptador projetado pela Shanghai Academy of Spaceflight Technology para dois satélites posicionados lado-a-lado, permitindo baixa energia do ato de separação, alta precisão e ausência de sujeira na ejeção da carga útil. O adaptador e seu sistema de separação garantem o “disparo” de satélites com um desvio de velocidade de não mais que 0,05 m / s. Com este sistema, quatro travas que prendem a espaçonave são disparadas com um intervalo de não mais que 10 milissegundos; os dois satélites são separados num intervalo de no máximo 20 milissegundos, enquanto a vibração é reduzida de 5.000 g, nos modelos anteriores, para 2.000 g.

O satélite Tianhui-4 (天 绘 -4, ‘Mapeador Celeste’-4) foi desenvolvido pela Aerospace Dongfanghong Satellite Co., Ltd., uma subsidiária da Quinta Academia de Ciência e Tecnologia Aeroespacial da China – ou Shanghai Aerospace. De acordo com fontes oficiais, o TianHui-4 entrou na órbita planejada e será usado “principalmente para realizar pesquisas experimentais científicas, levantamento de recursos terrestres, mapeamento de informações geográficas e outras tarefas”.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

China lança mais um satélite

País totaliza 55 lançamentos neste ano com o TJS-9

CZ-3B decola do Centro de Lançamento de Satélites de Xichang na província de Sichuan, sudoeste da China

A China lançou hoje, 29 de dezembro, um novo satélite de teste de tecnologia de comunicação do Centro Espacial de Xichang em Sichuan, sudoeste do país. O lançamento do satélite Tongxun Jishu Shiyan-9 (通讯 技术 试验卫星 ou ‘TJS-9’), um sucesso segundo as primeiras informações, foi feito às 00:43:03 do dia 30, horário de Pequim (16:43:03 UTC, dia 29), usando o foguete Longa Marcha-3B nº Y84. O satélite foi colocado com sucesso na órbita de transferência geossíncrona. Este lançamento foi o 405º dos foguetes Longa Marcha. Foi o 55º e último lançamento da China este ano, e quadragésimo-oitavo de um Longa Marcha em 2021.

O satélite de teste de tecnologia de comunicação nº 9 foi desenvolvido pela Quinta Academia de Ciência e Tecnologia Aeroespacial e será usado principalmente para realizar verificação de tecnologia de comunicação de satélite de alta velocidade e multibanda.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

China: Starlinks ameaçaram a estação espacial chinesa

Enxame de satélites de Elon Musk são mais um ‘peso de duas medidas’ na balança internacioal

Estação espacial chinesa abriga três astronautas

“Este ano, satélites Starlink dos EUA se aproximaram duas vezes da estação espacial chinesa, colocando em risco a vida e a saúde dos astronautas a bordo. Os Estados Unidos devem respeitar a ordem internacional no espaço sideral, com base no direito internacional, e tomar medidas imediatas para prevenir a recorrência de tais incidentes.” O anúncio foi feito hoje pelo representante oficial do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian.

Ontem (28 de dezembro), em uma coletiva de imprensa , um dos jornalistas fez a seguinte pergunta: O site oficial do Comitê das Nações Unidas para o Uso Pacífico do Espaço Exterior publicou recentemente um relatório que a Missão Permanente da República Popular da China para o Escritório da ONU e outras organizações internacionais em Viena enviaram nota verbal ao Secretário-Geral das Nações Unidas, informando que os satélites da SpaceX duas vezes este ano se aproximaram da estação espacial chinesa, colocando em risco a vida dos taikonautas a bordo. O ministerio do exterior pode confirmar essa informação? Qual a responsabilidade internacional dos Estados Unidos, como membro do Tratado do Espaço Exterior, por essas ações?

Starlinks são lançados em lotes por foguetes Falcon 9

Zhao confirmou que os satélites lançados pela empresa norte-americana se aproximaram da estação espacial duas vezes este ano, em julho e outubro. No momento, os taikonautas estavam a bordo da estação, e por razões de segurança, tomaram medidas de emergência para evitar uma colisão, acrescentou.

Zhao Lijian enfatizou que o Tratado do Espaço Exterior de 1967 é amplamente reconhecido como a pedra angular da lei espacial internacional moderna. O porta-voz lembrou que o documento define os astronautas como enviados de toda a humanidade ao espaço. “Todos os países devem respeitar, proteger a segurança dos astronautas e notificar imediatamente o Secretário-Geral da ONU ou outros Estados membros do tratado sobre qualquer fenômeno que descobrirem no espaço que possa representar ameaça à vida ou à saúde dos astronautas”, continuou o diplomata. Os países também devem ser responsabilizados pelas atividades de suas empresas privadas no espaço, disse ele.

Zhao disse que o governo chinês, cumprindo suas obrigações nos termos do tratado, a fim de garantir a segurança dos astronautas, em 3 de dezembro, por meio da Missão Chinesa no Escritório da ONU em Viena, notificou o Secretário-Geral sobre os incidentes e as medidas tomadas pelo lado chinês, pedindo-lhe que divulgue esta informação a todos os estados. Os Estados Unidos reiteram consistentemente sua adesão ao chamado princípio de “conduta responsável no espaço sideral”, mas ignoraram suas obrigações sob o Tratado do Espaço , o que representa uma séria ameaça à segurança dos astronautas, disse o funcionário do Ministério das Relações Exteriores chinês. “Este é um exemplo clássico de política de dois pesos e duas medidas”, concluiu.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Russos discutem a falha no estágio Perseu

O foguete Angara funcionou bem, mas o ‘acelerador’ espacial teve problema de guiagem

Decolagem de Plesetsk

Os russos discutem o destino do estágio superior do foguete Angara A5 3L lançado ontem. O Persei nº 1L (“Perseu”, ou 14S48 – uma versão modernizada do estágio superior ‘Blok DM’ 11S861-03), que, durante o teste de vôo de ontem, deveria colocar em órbita geoestacionária um modelo de carga útil inseparável GVM ‘gabaritno-massovogo maketa’; Conforme relatado na mídia, a colocação na órbita-alvo deveria ser realizada “de acordo com um esquema típico de nove horas com quatro partidas do motor de propulsão 11D58M. O estágio superior normalmente se separaria do terceiro estágio do Angara aos 12 minutos após a decolagem. Ele deveria atingir a órbita desejada em nove horas, depois de quatro partidas do motor principal. Entretanto, mais de 10 horas se passaram desde o lançamento, e não houve anúncios. Depois, foi relatado que o primeiro acendimento do motor do Persei para inserção adicional na órbita de referência ocorrera normalmente. Na segunda ativação, após alguns segundos, ocorreu um “desligamento de emergência”. Os especialistas continuaram trabalhando para trazer o Persei de volta à operação.

O simulador GVM

O site russianspaceweb confirmou, referindo-se a suas próprias fontes, que o teste do estágio aparentemente, terminou em falha (não foi possível fazer a segunda ignição dos motores). Em qualquer caso, é por isso que testes de voo são realizados – a fim de identificar deficiências. Ao mesmo tempo, o lançador Angara A5 funcionou normalmente.

De acordo com as informações disponíveis, o estágio estava equipado com um sistema hidráulico/ pneumático aprimorado e um maior volume nos tanques de propelentes que são ‘ambientalmente corretos’ – graças aos quais o Angara A5 poderá lançar 3,6 toneladas de carga útil em órbita geoestacionária em vez das 2,8 toneladas atuais. O Persei usa um sistema de temporizador que aciona uma sequência pré-programada de ignições, checagem de atitude e auto-conferência de parametros orbitais. Seu software é carregado na mémória do controlador durante a fase final da contagem regressiva. O Persei é uma adaptação do Blok DM-03 chamada “Faza 1 Variant 2” (para os estágios DM-3 usados no Proton-M é usada a “Faza 1 Variant 1”). Além disso, tem um novo sistema de controle de vôo digital, e ao contrário do DM-3 original, não tem o controlador reserva Kvant-VD e o compartimento toroidal de eletronicos presentes nos DM-3 anteriores – no Persei estes instrumentos estão acondicionados no adaptador/suporte de carga útil montado na armação de aço instalada no topo do radiador do tanque de oxigênio líquido. O sistema de aceleração auxiliar de ignição do motor principal, chamado SOZ, e o sistema de propulsão auxiliar mudaram para combustível e oxidante não-tóxicos.

O bloco ‘Persei’

O GVM-IPN-1 / Persei foi catalogado pelo NORAD americano como 50505 / 2021-133A, em uma órbita de perigeu de 178,5 km e apogeu de 200,9 km, inclinada em 63,4 graus. O programa dos foguetes espaciais de classe pesada Angara depende do sucesso do estágio superior Persei. O estágio garante o acesso da carga útil à órbita geoestacionária a partir de Vostochny, e também permite lançar espaçonaves à Lua e ao espaço profundo. Segundo informou o canal russo de TV ‘Perviy Kanal’, este é o último voo de teste do Angara-5. Outros voos serão feitos com carga útil funcional.

Vídeo do lançamento do Angara A5 nº3L

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Rússia lança mais um foguete Angara e testa novo estágio ‘Persei’

Foguete pesado russo deve substituir o Proton

TV russa mostrou o lançamento horas depois

Hoje, segunda-feira (27 de dezembro), as Forças Aeroespaciais Russas conduziram o terceiro teste de lançamento do foguete pesado Angara-A5 (número 3L) com um modelo de massa de carga a partir do cosmódromo de Plesetsk. “A tripulação de combate das Forças Espaciais realizou um lançamento de teste do foguete Angara-A5 com o modelo geral de massa de carga útil [‘gabaritno-massovogo maketa’, ou GVM]”, disse o departamento militar. O foguete foi lançado às 19:00:00.697 horário de Moscou (15:00 de Brasília), da plataforma nº 35 do Cosmódromo de Teste Estatal do Ministério da Defesa russo na região de Arkhangelsk. O bloco orbital como parte do estágio superior Perseu ( ou “DM-03 Persey 14S48 nº 1L”) e o modelo de massa de carga separaram-se do terceiro estágio : “Em 12 minutos após o lançamento, o bloco orbital formado pelo estágio superior Persei e o modelo de massa não destacável se separaram do terceiro estágio do Angara-A5 “, disse o departamento militar. Eles observaram que a inserção do bloco orbital na órbita geoestacionária será realizada com a ajuda estágio Persei (“Perseu”) de acordo com o esquema de nove horas com quatro ignições do motor principal do estágio superior. A Roskosmos parabenizou as Forças Espaciais Militares (as VKS, Vayenno-Kosmicheskii Sill’) e a indústria espacial russa (as equipes do Centro Khrunichev, NPO Energomash, o centro NPTs AP, e o centro de infraestrutura terrestre TsENKI) pelo lançamento de teste bem-sucedido e o estágio superior de nova geração. O foguete tem um comprimento de 62 metros, com uma largura de 8,86 m no primeiro estágio, em torno dos quatro módulos laterais; desenvolve 980 toneladas-força na decolagem e tem uma massa de lançamento de 773 toneladas.

O foguete na plataforma, em Plesetsk, o “Cosmódromo Norte”
Foguete Angara A5 nº 3L com estágio superior Persei

“No momento estimado, na zona de visibilidade de rádio do complexo de controle baseado em solo das Forças Aeroespaciais nas áreas estabelecidas da República de Komi, na região de Tomsk e nas área litorâneas do Mar das Filipinas, houve a separação dos estágios I, II e III e a descarga da carenagem de cabeça”.
O Ministério da Defesa observou que todas as operações de pré-lançamento e lançamento do foguete foram realizados no modo normal. “Os recursos terrestres das Forças Aeroespaciais monitoraram o lançamento e o vôo do foguete ”, disseram os militares. Este é o terceiro lançamento de teste do foguete Angara-A5. O lançamento anterior do foguete do ‘cosmódromo norte’ foi realizado com sucesso em 14 de dezembro de 2020.
Anteriormente, o teste estava planejado em 23 de dezembro, mas depois foi adiado para 24 de dezembro, e então para outra data. Em 25 de dezembro, uma fonte disse à agência Interfax que o lançamento aconteceria antes do final do ano. O principal cliente da família Angara é o Ministério da Defesa. No cosmódromo de Vostochny, estão em andamento as obras das instalações ‘de segunda etapa’, destinadas aos lançamentos dessa família. O primeiro disparo do Angara de Vostochniy está programado para 2023, e no mesmo ano um foguete com a próxima espaçonave tripulada, a Aryol, será lançado a partir dele.
Os foguetes foram desenvolvidos pelo Centro Khrunichev, e está em andamento o processo de transferência da produção de Moscou para a fábrica Polyot em Omsk, que também faz parte do centro. Como relatou o chefe da Roskosmos, Dmitry Rogozin, está planejado o lançamento de quatro Angara-A5 feitos em Omsk a partir de 2022, e pelo menos oito foguetes pesados ​​e dois modelos leves a partir de 2024. Está previsto que, após o início da produção em série, o custo do foguete diminuirá significativamente. Sergey Kuznetsov, diretor geral do escritório de design Salyut, relatou que, no momento, o custo de lançamento varia de US$ 50 a US$ 100 milhões. O “Angara” é uma família dos mais recentes foguetes portadores russos de tipo modular com várias capacidades de carga, criados com base em módulos de foguete universais (universalnaya rakieta modul’, – URM) com motores a querosene a oxigênio líquido. A família inclui veículos de lançamento de classes leves a pesadas na faixa de carga útil de 3,5 toneladas (Angara-1.2) a 38 t (Angara-A5V) em órbita terrestre baixa.

O foguete 3L horas antes do lançamento

Diferentes versões de Angaras são desenhadas usando um número diferente de módulos de foguetes universais URM-1 (para os primeiro e segundo estágios) e URM-2 (para os estágios superiores). O número de módulos universais no primeiro estágio determina a capacidade de carga do veículo lançador. O URM-1 está equipado com motor de propelente líquido RD-191 desenvolvido pela NPO Energomash, e o URM-2 com um motor RD-0124A (desenvolvido pelo KBKhA).
O estágio superior Perseu foi desenvolvido na RKK Energia e é destinado a ser usado com o Angara-A5.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Soyuz lança mais 36 satélites Oneweb

Decolagem de Baikonur foi um sucesso

O Soyuz-2.1b (serial N15000-052) com o estágio Fregat foi lançado da Área 31 do Cosmódromo de Baikonur

Hoje, 27 de dezembro de 2021, às 16:10:37.088 horário de Moscou (10:10 de Brasília), o foguete Soyuz-2.1b (serial N15000-052) com o estágio superior Fregat foi lançado da Área 31, plataforma 6, do cosmódromo de Baikonur como parte da missão 37 da Oneweb, com 36 satélites da empresa. Para 2021, este lançamento foi o 24º de foguetes espaciais russos e o 14º de Baikonur. A decolagem, o vôo do foguete, a separação dos estágios e a entrada orbital foram concluídos no modo normal. A separação da unidade principal (composta pelos estágios 1, 2 e 3) e a primeira ativação dos motores do estágio superior (ou “quarto estágio) Fregat ocorreram no tempo predeterminado. A coifa de cabeça (nº Ya15000-041) foi separada e descartada de acordo com o programado. A próxima entrada para a zona de visibilidade de rádio foi prevista para às 17:44, horário de Moscou.

Fase de separação da coifa de cabeça

Em seguida, o estágio superior Fregat continuou para liberar os 36 veículos na órbita alvo circular, polar, com 1.200 km de altitude média. Dentro de 3,5 horas, os satélites OneWeb, de acordo com a sequência de vôo, se separarão alternadamente do rebocador russo desenvolvido pela S.A. Lavochkin (uma empresa afiliada da Roskosmos). Cada satélite pesa cerca de 150 kg, e é projetado para servir de retransmissor de dados de internet para clientes privados em todo o mundo.
O veículo de lançamento Soyuz-2 foi desenvolvido com base no foguete Soyuz-U. O desenvolvedor principal é o Progress RKTs (também subordinado à Roskosmos). Os mísseis da família Soyuz-2 são equipados com sistemas de propulsão aprimorados e modernos sistemas de controle e medição, em especial o sistema de autopilotagem Malakit 3, que aumentam suas características técnicas e operacionais. Estruturalmente Soyuz-2, como todos os foguetes da família Soyuz, é feito de acordo com o esquema de divisão longitudinal-transversal dos estágios. Em combinação com o estágio Fregat, é projetado para lançar espaçonaves em órbitas baixas de várias altitudes e inclinações, incluindo geotransferências e órbitas geoestacionárias, bem como trajetórias interplanetárias. Os motores funcionaram no modo normal, incluindo os RD-107/108 de primeiro e segundo estágios, desenvolvidos na Associação Científica e de Produção Energomash V.P. Glushko e o motor RD-0124 de terceiro estágio, criado no centro de propulsão de Voronezh (parte da estrutura de propulsão integrada, chefiada pela NPO Energomash e igualmente afiliada à Roskosmos).

Separação do estágio Fregat com a ‘pilha’ de satélites

Com este lançamento, a constelação de órbita baixa da OneWeb aumentará em mais trinta e seis satélites e alcançará 394. Este lançamento foi o décimo segundo dentro do programa OneWeb, o terceiro de Baikonur em 2021 e o quinto deste cosmódromo como um todo. O trabalho está sendo executado sob contrato entre a Glavkosmos (braço comercial internacional da Roskosmos) a Arianespace e a Starsem.

Satélite Oneweb em configuração orbital

O acesso à Internet através do sistema de satélite OneWeb será fornecido por meio de 40 estações terminais terrestres que serão distribuídas na superfície da Terra. Os terminais OneWeb serão independentes, autossuficientes e protegidos de fatores ambientais adversos. Cada um dos terminais será capaz de fornecer acesso à Internet em alta velocidade em sua área de cobertura por meio de tecnologias Wi-Fi, LTE ou 5G. A faixa de frequência de rádio licenciada será usada ou, quando disponível, a faixa de frequência de rádio Wi-Fi, LTE ou 5G disponível ao público. A empresa pretende montar uma constelação de baixa órbita de mais de 600 satélites para a ampla oferta de serviços de Internet de banda larga de alta velocidade na banda Ku, cujos clientes devem ser principalmente operadoras de Wi-Fi, LTE ou 5G, bem como provedores. Os satélites ficarão em órbitas polares com uma inclinação de 87,9 ° a uma altitude de 1.200 km em doze planos uniformemente espaçados na longitude do nó ascendente, com cada espaçonave fornecendo uma taxa de transferência de 7 Gbit / s. O período de existência ativa em órbita é de pelo menos sete anos. Cada satélite tem 1,2 metro de comprimento 92,5 cm de largura e 1,27 metro de altura.

Fase de voo de primeiro e segundo estágios

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

China: astronautas fazem nova ‘caminhada espacial’

Trabalho fora da estação chinesa durou 6 horas

Taikonauta na extremidade do braço robótico

Hoje, domingo, 26 de dezembro, os taikonautas Ye Guangfu e Zhai Zhigang, estiveram fora do módulo central Tianhe da estação espacial chinesa para uma atividade extraveicular (EVA), disse a Agência Espacial Tripulada da China (CMSA). A agência informou que Ye abriu a escotilha da cabine frontal do Tianhe às 18h44 horário de Pequim (08h44 Brasília) e ele e seu comandante foram assistidos pela taikonauta Wang Yaping de dentro do módulo. Ye e Zhai, vestindo escafandros espaciais Feitian desenvolvidos na China, saíram do módulo principal às 18h50 e 19h37, respectivamente.

Painel solar da nave Shenzhou-13 vista pela câmera externa durante a EVA

A caminhada no espaço foi concluída às 00:55 horário de Pequim de acordo com a CMSA, no dia 27 (10:55 horário de Brasilia ainda no dia 26), 6 horas e 11 minutos após a abertura da escotilha. De acordo com as informações oficiais, durante a saída para o vácuo espacial, os taikonautas levantaram uma câmera panorâmica ‘D’, instalaram apoios para os pés para futuros trabalhos e a verificação da transferência de cargas. Paralelamente, foi realizada uma verificação adicional do funcionamento da câmara de descompressão do módulo principal, dos trajes e do braço mecânico manipulador, bem como uma avaliação aprofundada das tecnologias para realização de atividades extraveiculares, a interação de astronautas a bordo, no espaço , e o controle de solo , com o objetivo de acumular mais experiência para as operações subsequentes e também uma série de testes de equipamentos.
Esta é a segunda “caminhada espacial” dos taikonautas que chegaram à estação da espaçonave Shenzhou-13 em 16 de outubro. A primeira foi realizada em 7 de novembro por Zhigang e Wang Yaping, que se tornou a primeira mulher na história da astronáutica chinesa a caminhar no espaço.

Exterior da estação espacial chinesa CSS com o braço-robô, o casco do módulo central TianHe com um dos painéis solares e alguns dos equipamentos externos, bem como cabos de segurança e mosquetões usados pelos astronautas

A taikonauta Yaping trabalhou em conjunto com o centro de controle de solo para operar o braço mecânico e apoiar a dupla na condução das operações extraveiculares. A CMSA observou que as atividade fora da nave estão se tornando rotina nas missões da sua estação espacial. Os taikonautas chineses realizarão EVAs ainda mais complexas para dar suporte para a conclusão bem-sucedida da construção e a operação estável da estação, acrescentou a CMSA.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

China deve lançar mais dois satélites nas próximas horas

ZY-1 2E e CAS-9 devem decolar de Taiyuan

Ziyuan-1 02

A China Aerospace Science and Technology Corporation está programando lançar nas próximas horas um foguete Longa Marcha 4C – número de série Y39 – do Centro de Lançamento de satélites de Taiyuan, com dois satélites. Um é o satélite de sensoriamento remoto Ziyuan-1 02E e o outro um satélite pequeno para radioamadorismo. A AMSAT-UK (organização de satélites de radioamador), anunciou que será cubesat 6U, chamado CAS-9 (ou ‘XW-3’). A janela de lançamento da missão abre às 03:11:31 UTC no dia 26. A carga útil principal é o ZY-1. A órbita pretendida é uma circular sincronizada com o Sol, com altitude de 770,1 quilômetros, ângulo de inclinação de 98,58 graus e período de operação de 100,14 minutos, e o ciclo de revisitação de três dias.

Ziyuan-1 02E

O ZY-1 2E, de 2.100 kg, é equipado com uma câmera PMS de alta resolução projetada e desenvolvida no BISME (Instituto de Mecânica Espacial e Eletricidade de Pequim). É um equipamento derivado das câmeras dos satélites CBERS-1 / -2 / -02B. É equipado com uma câmera infravermelha visível de nove bandas e uma câmera hiperespectral de 166 bandas. A câmera de infravermelho próximo visível tem uma resolução de solo de 5 metros e uma largura de faixa de 115 km, proporcionando um GSD (Ground Sample Distance – distância de amostragem no solo) de 5 metros na Pan e 10 m nas bandas MS a partir de uma órbita de 780 km. O sistema óptico possui uma longa distância focal com um pequeno número f – fornecendo uma alta qualidade de imagem na frequência de Nyquist de 77 lp/ mm. Os elementos ópticos incluem: espelho reflexivo oscilante, janela, espelho reflexivo de 45 °, espelho reflexivo esférico, lente e prisma. A imagem da câmera tem alta precisão geométrica e a precisão do posicionamento da imagem é melhor que 50 metros; a imagem da câmera tem alta resolução espectral e informações de alto detalhe. A câmera hiperespectral pode gerar imagens em mosaico com informações de cores diferentes ao mesmo tempo, capturar com precisão as informações de luz refletidas por vários minerais e, por meio do cálculo de inversão, calcular o conteúdo mineral da área observada e da cobertura. A capacidade de “disparo contínuo” também promove a melhoria das capacidades de armazenamento e transmissão de dados. O satélite permite 900 megabits por segundo de transmissão de dados e 2T bits de capacidade de armazenamento. Sistemas de transmissão de dados de alta velocidade e antenas de feixe duplo aumentam a capacidade de downlink de dados. O satélite de observação é construído em torno de um chassi Phoenix-Eye-2 e equipado com um sistema propulsor de desesseis motores de 1 Newton e dois propulsores de 20 Newtons.

CAS-9 ou ‘XW-3’

O CAS-9 carrega um transponder linear de uplink VHF e UHF downlink com uma largura de banda de 30kHz, a ser usado pela Organização de Apoio Grupo de Amadores de Satélites Chineses (CAMSAT). Este transponder funcionará ininterruptamente, e entusiastas radioamadores em todo o mundo vão usá-lo para comunicações radiofrequência bidirecional. O aparelho tem um radiorafol em código Morse de ondas curtas de telemetria e um emissor UHF – AX.25 4.8k / 9.6kbps para telemetria GMSK. A órbita-alvo é circular com altitude média de 770 km com inclinação de 98.858 ° de longitude leste e 28.413 ° de latitude norte local sobre a Austrália Ocidental, com previsão de atingir esta órbita às 03:35:58 UTC.
O transponder é do tipo linear funcionando no VHF / UHF em 435,180 MHz, para o farol de telemetria UHF CW em 435,575 MHz e para telemetria em 435,725 MHz, e um uplink para o transponder VHF / UHF em 145,870 MHz. O cubesat 6U, com uma massa de cerca de 10 kg. Com dimensões de 34 cm x 12, 17 cm x 9,9 cm e quatro painéis solares, o pequeno satélite tem um sistema de controle de atitude estabilizado de três eixos. Depois que o satélite completar o auto-teste, a câmera estará disponível para os radioamadores usarando o canal de telemetria GMSK para transmissão das imagens e dados, alternando com as sessões de telemetria. O cubesat também está equipado com um gerador termoelétrico experimental projetado por alunos chineses de ensino médio.

O Longa Marcha 4C, também conhecido como Chang Zheng 4C, CZ-4C ou LM-4C, anteriormente denominado Longa Marcha 4B-II, pode ser operado a partir dos Centros de Lançamento de Satélites de Jiuquan, Taiyuan e Xichang e possui três estágios. Os veículos 4C foram usados ​​para lançar, entre outros, os satélites de radar de abertura sintética Yaogan-1, Yaogan-3 e o satélite meteorológico orbital polar Fengyun-3A. Em 15 de dezembro de 2009, uma Longa Marcha 4C foi usada para lançar Yaogan-8. Como ainda era designado como Longa Marcha 4B-II na época de seu vôo inaugural, seu primeiro lançamento é frequentemente confundido com uma Longa Marcha 4B. O Longa Marcha 4C é derivado do CZ-4B, mas apresenta um estágio superior religável e uma carenagem de cabeça de maior diâmetro. Em 1 de setembro de 2016, um Longa Marcha 4C falhou por razões desconhecidas.

O foguete todo montado tem 45,8 m de comprimento, um diâmetro no corpo cilindrico principal de 3,35 m, e tem uma massa de decolagem básica de 250.000 kg.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Telescópio James Webb lançado com sucesso

Foguete Ariane 5 colocou o observatório em trajetória para o Ponto Lagrange 2

O JWST é visto sendo liberado do segundo estágio do foguete-lançador

Hoje, 25 de dezembro às 09h20 da manhã, hora de Brasília, o maior (6.173 kg) e mais caro observatório orbital, o telescópio infravermelho James Webb, foi lançado com sucesso para uma viagem de 1,5 milhão de quilômetros. O foguete europeu Ariane 5 ECA+ número L5114, decolou do espaçoporto europeu de Kourou na selva da Guiana Francesa perto da costa atlântica. Acelerando através da barreira do som 47 segundos após a decolagem, o Ariane 5 rapidamente saiu da espessa atmosfera inferior, descartando seus dois propulsores de combustível sólido ao longo do caminho. O motor Vulcain 2 do primeiro estágio, movido a hidrogênio, desligou oito minutos e meio após o lançamento e o vôo continuou por mais 16 minutos com a potência do segundo estágio criogênico ESC-A.

Então, 27 minutos após o lançamento, a uma altitude de cerca de 1.392 km acima da costa oriental da África, o telescópio espacial foi liberado para voar por conta própria, com rumo externo a mais de 33.7962 km/h.

O único painel solar do observatório, fundamental para começar a recarregar as baterias da espaçonave, foi estendido por comando do computador cerca de seis minutos após a separação. Um propulsor a bordo está programado para disparar na noite de hoje, sábado, para ajustar a trajetória.

O Webb, que tem o nome em homenagem a um ex-administrador da NASA, tem melhorias em relação ao seu predecessor, o telescópio espacial Hubble, de duas maneiras principais. O primeiro é o seu tamanho: o Hubble era mais ou menos do tamanho de um ônibus escolar, enquanto Webb tem o tamanho de uma quadra de tênis. O Webb é de longe o maior telescópio que a NASA já tentou enviar para o espaço. Mas não é apenas o tamanho total que importa. Quando se trata de telescópios refletores como esses, o principal componente é o tamanho do espelho curvo. O espelho do Hubble tinha 2,4 m de diâmetro. Os espelhos dourados do JWST combinam para um diâmetro de 6,5 metros. No geral, isso equivale a mais de seis vezes a área de coleta de luz. Essa luz vem em muitas variedades diferentes. O olho humano pode ver apenas uma faixa estreita, conhecida como luz visível, mas o universo contém também luz fora dessa faixa, incluindo as formas de alta frequência e energia: ultravioleta, raios X, raios gama. Depois, há a luz de baixa energia com comprimentos de onda mais longos: infravermelho, microondas, rádio. O Webb é um telescópio infravermelho, portanto, ele vê a luz com um comprimento de onda maior do que os olhos humanos podem ver. Isso permite a ao satélite “olhar mais para trás” no tempo do que o Hubble.

A luz infravermelha é geralmente uma luz muito antiga, devido a um fenômeno chamado ‘redshifting’ (desvio para o vermelho). Quando uma fonte de luz está se afastando de um observador, ela se “estica”, transformando-se em comprimentos de onda cada vez mais longos. Como o espaço está em constante expansão, as coisas mais distantes de nós no universo estão se afastando. E conforme a luz viaja através do espaço vinda dessas galáxias distantes, ela é literalmente esticada pela expansão do espaço.

Em vôo, o observatório irá se resfriar gradualmente até as temperaturas operacionais criogênicas (cerca de -233 ° C). O JWST entrará em ação cerca de seis meses após o lançamento: o processo de comissionamento é complexo, meticuloso e longo, controlado do solo e inclui centenas de operações separadas.

  • 33 minutos: extensão de painéis solares;
  • 12,5 horas: acionar o motor para corrigir a trajetória;
  • 2 dias: acionamento o motor para correção de trajetória;
  • Dia 3: desdobramento da palete frontal da tela de proteção térmica, seguida da traseira;
  • Dia 4: montagem da torre extensível;
  • Dia 5: Desdobramento do flap traseiro ;
  • Dia 5: desatarraxamento da capa que cobre a tela de proteção térmica;
  • Dia 6: alongamento da tela pelas lanças telescópicas;
  • Dia 7: início da extensão da tela;
  • Dia 8: fim da extensão da tela;
  • Dia 10: extensão do espelho secundário;
  • Dia 11: extensão do radiador traseiro de instrumentos;
  • 12-13 dias: extensão de “asas” do espelho principal;
  • Dia 13: O James Webb é totalmente desdobrado;
  • 15-24 dias: movimento de segmentos de espelho individuais para focagem;
  • Dia 29: ignição final do motor para entrar em órbita em L2;
  • 29,5 dias: conclusão da colocação em órbita;
  • até seis meses: calibração.

Em 1996, a NASA começou a desenvolver o projeto para este observatório. Em 2002, recebeu o nome do ex-diretor da agência, James Webb. Numerosos problemas levaram a um atraso de quase quinze anos; A NASA o chama de “máquina do tempo” devido ao fato de que o dispositivo será capaz de ver na faixa de infravermelho galáxias que apareceram no início do Universo (13,5 bilhões de anos atrás) e provavelmente não existem mais. Para eliminar a interferência térmica, o Webb será colocado à sombra parcial da Terra e coberto adicionalmente com um escudo térmico de 21 x 14 metros. O custo do projeto é de cerca de US $ 10 bilhões.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Russos adiam lançamento do Angara

Foguete com estágio superior ‘Persei’ seria lançado hoje

O foguete Angara A-5 é composto por três estágios básicos e um estágio superior Block DM-03 14S48 nº 1L “Persei”

O lançamento do foguete pesado Angara-A5 nº 71753 (“3L”) no cosmódromo de Plesetsk, previsto para hoje sexta-feira, foi adiado devido a uma avaria no complexo terrestre um minuto e meio antes do lançamento, mas é possível que o foguete seja lançado amanhã, sábado, 25. A agência estatal TASS foi informada por uma fonte próxima ao departamento militar. “Um minuto e meio antes da decolagem, foi dado um sinal automático para cancelar o lançamento”, disse o interlocutor da agência. A Comissão Estatal está considerando fazer o lançamento do Angara-A5 para 25 de dezembro, disse uma fonte à RIA Novosti. “No momento, uma missão estatal está trabalhando, estudando os motivos do cancelamento do lançamento e decidindo a questão da possibilidade de lançar o foguete no sábado”.

O objetivo do voo é colocar em órbita geostacionária um simulador de nave espacial IPN-PS para testar o estágio superior “Persei”.

Em dezembro, a administração do distrito de Kargasoksky, na região de Tomsk, anunciou que o lançamento do foguete estava programado para as 18h de 23 de dezembro, horário de Moscou , com uma data de reserva em 24 de dezembro . O Angara é uma família de veículos de lançamento russos. Os conjuntos de módulos de foguetes universais (URM) do Angara são fabricados na Omsk PO Polyot (parte do Centro Khrunichev da Roskosmos ). Os dois primeiros lançamentos do Angara ocorreram em 23 de dezembro de 2014 e 14 de dezembro de 2020 a partir de Plesetsk.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Atividades na estação espacial internacional

Astronautas e cosmonautas tiveram um dezembro atarefado

O programa de trabalho planejado para os dias 17 a 19 de dezembro de 2021 foi implementado totalmente. Naqueles três dias, a equipe da estação realizou: a experiência Lazma; o experimento atmosfera UV; o experimento Ekon-M; o experimento Fotobiorreaktor; experimento Strutkura; transferência de embalagens de acordo com os experimentos Kristalizator, Refleks, Kascad, Korrektisya, Biofilm, Biomag-M, Mikrovir para o veículo de descida da espaçonave Soyuz MS-20 para retornar à Terra; exames médicos: avaliação do estado funcional do aparelho muscular dos braços dos tripulantes, controle da microecosfera do meio ambiente, controle do estado sanitário e epidemiológico a bordo da ISS; tomada mensal de leituras de dosímetros de equipamentos de radiação “Pille” e sua colocação nos locais de exposição no segmento russo da ISS; preparação da espaçonave Soyuz MS-20 para descida: acondicionamento do equipamento recuperável no veículo de descida da Soyuz, preparação dos sistemas de bordo do segmento russo ISS para a desacoplagem.
O experimento Lazma foi realizado para estudar a redistribuição do fluxo sanguíneo periférico dos membros para a cabeça e para avaliar o metabolismo oxidativo da pele em condições de microgravidade. O cosmonauta Alexander Misurkin da Roscosmos, e os participantes de vôo espacial (turistas) Yusaku Maezawa e Yozo Hirano participaram do experimento.
O experimento Econ-M permitirá determinar a possibilidade de obtenção de informação operacional documentada quando os astronautas realizam observações visuais e com instrumentos ópticos portáteis durante um longo vôo espacial para avaliar as consequências ambientais de atividades humanas artificiais no território da Federação Russa e em outros países.
O experimento Atmosfera UV consiste em mapear a atmosfera noturna na faixa próxima do ultravioleta com um detector de grande angular com grande abertura e alta resolução espaço-temporal. O objetivo do experimento é obter um mapa do brilho da atmosfera noturna da Terra na faixa de comprimento de onda de ultravioleta próximo (300-400 nm) dentro das latitudes disponíveis para observação a partir da órbita da ISS.
O experimento Fotobiorreaktor: Seu objetivo é operar um fotobiorreator para experimentos biotecnológicos e obtenção de alimentos e oxigênio por meio do cultivo de microalgas em microgravidade.
O experimento Struktura é um estudo dos processos físicos de cristalização de proteínas para obter cristais únicos de proteínas com estrutura perfeita, adequados para análise estrutural de raios-X e de sua estrutura no interesse da ciência fundamental, medicina e biotecnologia.
Os resultados experimentais intermediários foram devolvidos na nave espacial Soyuz MS-20:
O experimento Kristalizator consiste na obtenção de dados sobre os processos físicos de cristalização para a obtenção de monocristais de proteínas com estrutura perfeita e filmes biocristalinos a partir de uma solução a granel em substratos. É realizado no interesse de biologia fundamental e aplicada, medicina, farmacologia e microeletrônica.
Experimento Refleks – estudo das mudanças no comportamento de um modelo de objeto biológico (as moscas Drosophila melanogaster) como resultado do impacto das condições de voo espacial.
Experimente Kascad: É realizado para estudar os processos de cultivo de células de microrganismos, animais e humanos em condições de microgravidade para obtenção de biomassa concentrada com alto teor de células, proporcionando um maior rendimento de substâncias biologicamente ativas.
Experimente Korrektsya, para determinar os mecanismos de perda de massa óssea e sua gravidade durante o vôo espacial, para descrever sua dinâmica e determinar os mecanismos de recuperação e a possibilidade de prever sua reversibilidade após o retorno à Terra.
Experiência Biofilm. Estudo da influência dos fatores de voo espacial na formação de biofilmes bacterianos.
Experimento Biomag-M – estudo das alterações nas propriedades dos objetos biológicos e a possibilidade de aumentar a sua atividade em condições de blindagem do campo magnético sob a influência dos principais fatores do espaço exterior.
Experimento Mikrovir, cujo objetivo é estudar a influência dos fatores de voo espacial na velocidade de ação lítica sobre as bactérias.

Durante o dia 22, foram realizados: Desengate do compartimento de montagem de instrumentos do módulo de transporte de carga Progress M-UM do módulo multiporta Prichal do segmento russo da ISS;
experimento Pilot-T; experimento Ekon-M; exames médicos do estado do sistema cardiovascular durante a atividade física dosada em uma bicicleta ergométrica; treinamento para a prática das ações básicas de operador na “Missão de verificação de consoles e manipulador ERA” (o braço-robótico europeu instalado no módulo russo Nauka); manutenção do sistema de suporte de vida – com acionamento do sistema “Elektron”, substituir o suprimento de água; exercícios físicos completos.
Concluído no programa do segmento americano da ISS: Acoplamento da espaçonave Cargo Dragon SpaceX CRS-24 à porta frontal do segmento americano da ISS; amostragem de ar com um amostrador AK-1M na Cargo Dragon CRS-24 – e as amostras foram armazenadas no gabinete médico do módulo de serviço para posterior retorno à Terra; treinamento em ações adicionais em situações de emergência após a chegada da CRS-24.

Na sexta-feira, 24 de dezembro de 2021, às 04: 18 horário de Moscou, um comando foi emitido e os motores do veículo de carga Progress MS-18 acoplado no segmento russo da ISS foram ligados. Eles trabalharam por 539,4 segundos e o montante do impulso foi 1,06 m / s. Os especialistas do serviço de suporte balístico e de navegação TsNIIMash receberam informações telemétricas completas para determinar os parâmetros exatos da órbita da ISS. Anteriormente, a altitude orbital da estação foi ajustada em 3 de dezembro para evitar detritos espaciais – um fragmento do veículo de lançamento americano Pegasus lançado dos Estados Unidos em 1994. A altitude da estação foi ajustada para formar as condições balísticas iniciais antes do lançamento da espaçonave Soyuz MS-21 e da aterrissagem da Soyuz MS -19 em 2022. De acordo com dados preliminares, após a manobra, a altitude orbital da ISS diminuiu cerca de 1,8 km.

O lançamento da nave espacial Soyuz MS-21 com a tripulação da 67ª expedição de longa duração está programado para 18 de março de 2022. Pela primeira vez, o veículo de transporte deve acoplar no módulo multiporta Prichal, que em novembro de 2021 passou a fazer parte do segmento russo da ISS. O pouso do veículo de descida da Soyuz MS-19 com os cosmonautas Anton Shkaplerov e Peter Dubrov, bem como o astronauta Mark Vande Hai, está programado para o final de março.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Telescópio espacial preparado para lançamento

…mas a meteorologia não está favorável

A data prevista de lançamento do Telescópio Espacial James Webb (JWST) foi confirmada para 25 de dezembro, o mais cedo possível dentro da janela entre 09h20 e 9h52 de Kourou; 12h20 e 12h52 UTC ou 09:20/09:52 de Brasília. Em 21 de dezembro de 2021, a Análise de Prontidão de Lançamento para o vôo VA256 foi concluída com sucesso e concluída com a autorização para realizar o ‘rollout’ do veículo lançador Ariane 5 (transferência do prédio de montagem e checagem para a plataforma de lançamento ELA-3) e o início da cronologia de lançamento. No entanto, devido às condições climáticas adversas no espaçoporto europeu na Guiana Francesa, o vôo – inicialmente agendado para 24 de dezembro – foi adiado.

A nova data de lançamento passou para o dia 25, o mais cedo possível na janela de 12h20-12h52 GMT. No dia seguinte, hora local de Kourou, foi divulgada outra previsão meteorológica para confirmar a data de 25 de dezembro. O lançador Ariane 5 ECA+ número de série L5114 e o JWST estão em condições estáveis e seguras no prédio de montagem final.

Nesta época do ano é comum a ocorrência de mau tempo na Guiana Francesa, devido ao clima tropical. A previsão da meteorologia para todo o fim de dezembro é de tempo nublado sujeito mesmo a chuvas. O foguete pode decolar em condições de chuvas e nebulosidade parcial, uma vez que os ventos em grande altitude é que são mais determinantes a um ‘envelope’ de decolagem e trajetória de voo atmosférico dentro dos limites permitidos.

O telescópio espacial em si tem uma massa de 6.161,5 kg ; a massa total da carga útil, contando os adaptadores e sistema periféricos, é de 6.295,5 kg.

Foguete-portador sendo transferido do prédio de montagem e checagem para a plataforma

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

“Rebocador” russo deixa a ISS

Espaçonave serviu para levar o módulo Prichal até seu “porto” no módulo Nauka

Progress M-UM “PAO” deixa a estação espacial, separando-se do módulo russo Prichal

Hoje, 23 de dezembro de 2021, às 02:03 horário de Moscou, (20:03 Brasília no dia 22) o compartimento de instrumentos da nave espacial de carga Progress M-UM desacoplou-se do módulo Prichal da Estação Espacial Internacional. Assim, ele liberou o sistema de acoplagem ‘nadir’ do Prichal para subsequente acoplagem de espaçonaves russas tripuladas e de carga. Assim, naves de se acoplarem ao Prichal poderão transferir suas cargas para o segmento russo através do módulo Nauka, também acoplado este ano.

A espaçonave Progress M-UM era composta pela montagem do módulo Prichal com um compartimento de montagem de instrumentos (PAO) de uma nave Progress M padrão equipada com um compartimento de transição especialmente desenvolvido. O compartimento de montagem de instrumentos, portanto, corresponde ao compartimento de uma Progress M com modificações para aumentar sua rigidez e resistência em relação à massa da espaçonave aumentada para 8.180 kg.

A progress M-UM na configuração original, quando foi lançada em 24 de novembro passado

Às 02h03, horário de Moscou, os especialistas do Centro de Controle da Missão TsNIIMash emitiram a ordem para desencaixar o compartimento de montagem de instrumentos, após o que ele foi enviado para “voo livre “. Depois de afastado a distancia segura, os especialistas russos começaram a descida controlada do compartimento para fora da órbita terrestre.

O padrão de voo do compartimento após a separação do Prichal é semelhante ao padrão de voo das espaçonaves-módulos Progress M-SO1 (que levou o compartimento Pirs) e Progress M-MIM2 (que rebocou o módulo Poisk até seu porto de acoplagem). A previsão era de que o sistema de propulsão comeceçasse a frear às 06:45 (horário de Moscou) e operasse por cerca de 13 minutos. Depois disso, o compartimento começaria a sair da órbita e em cerca de 24 minutos entraria nas camadas densas da atmosfera terrestre. A parte principal da espaçonave desintegrará na atmosfera e os destroços cairião em região não navegável do Oceano Pacífico, a 2.460 km da cidade de Wellington (Austrália) e 7.030 km de Santiago do Chile.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

China lança dois satélites de teste

E o foguete Longa Marcha 7A estreou nova carenagem de cabeça

CZ-7A nº Y3 decola de Wenchang

A China lançou com sucesso dois satélites por meio de um foguete Longa Marcha 7A (CZ-7A nº Y3) às 18:12 de 23 de dezembro – hora de Pequim. O foguete foi lançado com sucesso do Centro de Lançamento Espacial de Wenchang na ilha chinesa de Hainan. Dois satélites, Shiyan 12 -01 – 02 ( 试验 十二 号 卫星 01 星 e 02 星) foram desenvolvidos pela Quinta Academia Aeroespacial e serão usados ​​principalmente para “detecção de ambiente espacial e testes técnicos relacionados”; estima-se que cada satélite SJ 12 tenha 3.000 kg massa, o que combina bem com a capacidade cotada do CZ-7A – que é de 7.000 kg em órbita de transferência geoestacionária; não foi confirmado se os dois satélites foram diretamente acoplados um ao outro ou se havia uma coifa interna extra separando as duas espaçonaves, a exemplo da carenagem SYLDA usada pelo foguetes europeus Ariane. O foguete Longa Marcha 7A é um veículo de lançamento de nova geração de médio porte e três estágios, desenvolvido pela ‘First Academy of China Aviation Industry Corporation’. A Corporação de Ciência e Tecnologia Aeroespacial da China ( CASC ) é a principal contratada do programa espacial chinês . É propriedade do Estado e possui várias entidades subordinadas que projetam, desenvolvem e fabricam uma variedade de espaçonaves , veículos de lançamento , sistemas de mísseis táticos e estratégicos e equipamentos de solo. Foi oficialmente estabelecida em julho de 1999 como parte de um esforço de reforma do governo chinês, tendo anteriormente feito parte da antiga China Aerospace Corporation.. Esta missão é o 402º lançamento da série Longa Marcha de foguetes .

Diferença nas carenagens dos CZ-7A

O foguete-portador foi mostrado em 21 de dezembro quando foi possível ver que o modelo apresentava uma nova coifa de cabeça, mais estreita e mais longa do que as normalmente usadas por este tipo de foguete. Os dois primeiros CZ-7A, lançados em 16 de março de 2020 e 12 de março de 2021, usaram uma carenagens mais curtas e de diâmetro de 4,2 m. Neste terceiro foguete, a carenagem mais longa e com um diâmetro de 3,35 m fez o foguete ter uma altura de 60,7 m , tornando-o o mais comprido de sua série.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Japão lança Inmarsat 6-F1

Satélite de comunicações é o mais avançado da empresa

H2A-204 nº 45 decola de Tanegashima transportando o Inmarsat 6-F1

O satélite Inmarsat-6 F1 foi lançado hoje, quarta-feira (22 de dezembro) por um foguete japonês Mitsubishi H-2A 204 nº 45 (Raketto 45) do Centro Espacial de Tanegashima às 10:32 am EST (1532 GMT). O Inmarsat-6 F1, de 5.470 kg é o primeiro de dois satélites “I-6” que a empresa sediada em Londres planeja colocar em órbita geoestacionária, de 35.790 quilômetros. A espaçonave tem um sistema russo de propulsão elétrica a xenônio Fakel SPT140D, para fazer as mudanças de órbita e manter estacionamento.

O foguete japonês de classe média H-IIA foi criado por encomenda da Japan Aerospace Exploration Agency (JAXA) pela Mitsubishi Heavy Industries. É um lançador movido a hidrogênio e oxigênio líquidos com quatro foguetes auxilares de propelente sólido (na versão 204, “4” de quatro ‘boosters’) – capaz de lançar seis toneladas de carga útil em órbita. O primeiro vôo desse modelo geral (H-IIA) de foguete ocorreu em 29 de agosto de 2001. O custo de um lançamento é estimado em US $ 90 milhões. O transportador consiste em um primeiro estágio equipado com quatro ‘boosters’ e um motor principal, um segundo estágio que dá partida após o desligamento do primeiro estágio e uma carenagem de cabeça que abriga o satélite. O comprimento total no momento do lançamento é de 53 metros e o peso total previsto é de 443 toneladas.

Alguns segundos após a decolagem, o H-IIA iniciou uma manobra de giro para atingir o azimute leste em direção à sua órbita de transferência geoestacionária (GTO). Após 1 minuto e 40 segundos, os quatro SRBs (foguetes auxiliares) se separaram. Os quatro SRB-A3 foram ejetados em pares, o primeiro após 2 minutos e 5 segundos do lançanento, e o segundo par 2 segundos depois. Quando o foguete atingiu o espaço, a carenagem de cabeça foi largada após cerca de quatro minutos de vôo. Após seis minutos e meio no voo de primeiro estágio, o motor LE-7A foi desligado. Após alguns segundos, o segundo estágio é separado e seu motor LE-5A é ligado. Após aproximadamente cinco minutos e meio de queima, o segundo estágio entrou em órbita de estacionamento baixa e desligou o motor. A partir daí, o segundo estágio entrou em uma fase de costeamento antes de sua segunda ignição. Após a conclusão da queima, o foguete, ao ser ligado pela segunda vez, impulsionou a “pilha” (estágio e satélite) a órbita de transferência planejada. Essa ignição durou aproximadamente três minutos. Após a conclusão, o satélite I-6 F1 se separou do segundo estágio. A partir daí, os painéis solares da espaçonave foram estendidos e o sistema de propulsão foi acionado para lançar o satélite em sua órbita geoestacionária prevista.

Os satélites I-6 são compatíveis com os terminais para as redes ELERA e Global Xpress já operacionais da Inmarsat. Projetado e fabricado pela Airbus Defense and Space sobre seu chassi Eurostar 3000EOR, será o primeiro satélite de carga útil dupla com recursos em banda L (a “ELERA”) e banda Ka (a “Global Xpress”). Os satélites I-6 são citados pela Inmarsat como “os maiores e mais avançados já lançados, e também são os primeiros satélites ‘híbridos’ da Inmarsat, com cargas úteis de comunicações em banda L (ELERA) e banda Ka (Global Xpress). O I-6 F1 proporcionará o dobro da capacidade por feixe e o dobro da potência da geração anterior de satélites de banda L Inmarsat-4 (“I-4″), e muito mais dados podem ser transportados pela mesma quantidade de largura de banda. Adicione-se flexibilidade ilimitada de roteamento de feixe para atender à demanda segundo a segundo, mesmo em ‘hotpots’ congestionados, e os I-6s serão catalisadores para as capacidades do ELERA.” O I-6 F1, uma vez no espaço, estendeu seus dois painéis solares de 47 metros de envergadura, formando uma espaçonave de 7,5 metros de comprimento, 2,90 de altura e 1,99 m de largura, estendendo sua antena parabólica de banda-L de cerca de 8,9 metros de diâmetro. Um painel conjugado de nove pratos de banda Ka completa o arranjo da espaçonave.

A empresa já possui quatorze satélites em órbita geoestacionária que fornecem conectividade global de voz e dados de alta velocidade para os clientes . O satélite de sexta geração é o primeiro de dois dos maiores e mais avançados do Reino Unido com suas cargas úteis duplas, capazes de operar nas bandas L e Ka.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Foguete japonês lança satélite britânico de comunicação amanhã

Inmarsat 6F1 decola de Tanegashima

Inmarsat-6 F1 – detalhes divulgados pela operadora
Inmarsat-6 F1

O foguete japonês H-IIA (H-2A-204 “Rocketto F45”) será lançado com o satélite britânico de telecomunicações Inmarsat-6 F1 na quarta-feira 22 de dezembro, informou o desenvolvedor Mitsubishi Heavy Industries (MHI). O lançamento está programado para ocorrer do Centro Espacial Tanegashima da plataforma LA -Y1, às 21h33, horário de Tóquio (11h33, horário de Brasília). O aparelho com cerca de 5.470 kg, criado pela Airbus Defense and Space, fará parte do grupo orbital da britânica Inmarsat, uma das maiores provedoras mundiais de serviços de telecomunicações.
O Inmarsat-6 F1 é um satélite de comunicações da operadora britânica Inmarsat, projetado e fabricado pela Airbus Defense and Space no chassi Eurostar 3000EOR. Parte da frota de satélites Inmarsat-6, será o primeiro satélite de carga útil dupla com recursos em banda L (a “ELERA”) e banda Ka (a “Global Xpress”).

Baia de motor do primeiro estágio do H-2A

Os satélites I-6 são citados pela Inmarsat como “os maiores e mais avançados satélites de comunicações comerciais já lançados, e também são os primeiros satélites híbridos da Inmarsat, apresentando cargas úteis de comunicações em banda L (ELERA) e banda Ka (Global Xpress). O I-6 F1 proporcionará o dobro da capacidade por feixe e o dobro da potência da geração anterior de satélites de banda L Inmarsat-4 (“I-4″), e muito mais dados podem ser transportados pela mesma quantidade de largura de banda. Adicione-se flexibilidade ilimitada de roteamento de feixe para atender à demanda segundo a segundo, mesmo em ‘hotpots’ congestionados, e os I-6s serão catalisadores para as capacidades do ELERA.” O I-6 F1, uma vez no espaço, estenderá seus dois painéis solares de 47 metros de envergadura, com um chassi estrutural de 7,5 metros de comprimento, 2,90 de altura e 1,99 m de largura, com uma antena parabólica da banda-L desfraldável de cerca de 8,9 metros de diâmetro feita de malha metálica. Um painel conjugado de nove pratos de banda Ka completa o arranjo da espaçonave.

Primeiro estágio do Mitsubishi H-2A


A empresa já possui 14 satélites em órbita geoestacionária com altitude de cerca de 36,8 mil km. Eles fornecem conectividade global de voz e dados de alta velocidade para clientes terrestres. O satélite de sexta geração é o primeiro de dois dos maiores e mais avançados dispositivos de comunicação comercial do Reino Unido. Esses são satélites de carga útil dupla, capazes de operar nas bandas L e Ka. Eles também têm um sistema de propulsão elétrica Fakel SPT140D, que lhes permite mudar de órbita e manter estacionamento.
O foguete japonês H-IIA, de classe média, foi criado por encomenda da Japan Aerospace Exploration Agency (JAXA) pela Mitsubishi Heavy Industries. É um lançador movido a hidrogênio e oxigênio líquidos com quatro foguetes auxilares de propelente sólido – capaz de lançar seis toneladas de carga útil em órbita. O primeiro vôo desse tipo de foguete ocorreu em 29 de agosto de 2001. O custo de um lançamento é estimado em US $ 90 milhões. O transportador consiste em um primeiro estágio equipado com quatro ‘boosters’ e um motor principal, um segundo estágio que dá partida após o desligamento do primeiro estágio e uma carenagem de cabeça que abriga o satélite. O comprimento total no momento do lançamento é de 53 metros e o peso total previsto é de 443 toneladas.

Topo do tanque de oxigênio líquido de primeiro estágio do H-2A

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Cargo Dragon SpX-24 lançada hoje de manhã para a ISS

Cápsula C209.2 transporta 3 toneladas para a estação espacial internacional

Falcon 9 FT 1.2 BL5 B1069.1 decola da plataforma 39A na Flórida

A SpaceX lançou um foguete Falcon 9 Bl5 (B1069.1) do Kennedy Space Center com a nave de carga robô Cargo Dragon CRS-24 às 10:07:08 UTC (07:07:08 Brasília) hoje, 21 de dezembro. O foguete decolou do Complexo de Lançamento 39A (LC-39A) no Centro Espacial Kennedy, na Flórida. A Dragon está agora em órbita a caminho de seu encontro com a Estação Espacial Internacional. A nave realiza a missão comercial CRS-24 sendo catalogada como 50318 em uma órbita de 212 x 363 km , inclinada em 51,6 graus. A espaçonave fará uma série de ignições para se encontrar com a ISS, que está atualmente em uma órbita de 417 x 423 km x 51,6 graus.

O ‘core’ do foguete ‘B1069’ (em seu primeiro voo) pousou a 629 km do local de lançamento (‘downrange’). Os restos do segundo estágio reentraram próximo da região sul da Austrália na primeira órbita. Após a separação , o primeiro estágio do Falcon 9 pousou na balsa-drone Just Read the Instructions, estacionada no Oceano Atlântico. A espaçonave Cargo Dragon 2 C209 desta missão anteriormente foi usada na missão CRS-22. Aproximadamente doze minutos após a decolagem, a Dragon se separou do segundo estágio do foguete e seguiu para um acoplamento automático na estação amanhã, quarta-feira, 22 de dezembro, aproximadamente às 06:38 hora de Brasília, 09:38 UTC.

Estatísticas de lançamento da missão CRS-24

  • 1º voo do “core” Falcon 9 B1069
  • 2º voo da nave Cargo Dragon 2 ‘C209’
  • 4º voo das naves Cargo Dragon 2
  • 24ª missão de reabastecimento da SpaceX para ISS
  • 25º pouso bem-sucedido na plataforma JRTI
  • 26º pouso sucessivo de um estágio
  • 31º lançamento em 2021
  • 41º lançamento da SpaceX da plataforma LC-39A
  • 77º pouso bem-sucedido de um estágio em plataforma
  • 100º pouso bem-sucedido do estágio
  • 109º lançamento bem-sucedido consecutivo
  • 134º lançamento do Falcon 9
  • 142º lançamento da SpaceX
  • 100º pouso bem-sucedido de um estágio de foguete de classe orbital
  • Atualização do recorde da SpaceX para o número de lançamentos por ano : 31
  • Atualização do recorde para o número de lançamentos por mês : 5
  • Atualização do recorde para o número de lançamentos bem-sucedidos pousos de ‘cores’ em sucessão: 26
  • Novo recorde para voos em ‘cores’ reutilizáveis ​​para o ano. Em 29 das 31 missões (94%), foram utilizadas estágios anteriormente usados
  • foram realizados três lançamentos pela empresa em 69 horas
  • O intervalo de tempo mais curto entre um novo voo do mesmo veículo Cargo Dragon 2, de 164 dias.
Espaçonave C209.2 e suas cargas
A nave se separa do segundo estágio no momento predeterminado
Ascensão inicial do foguete com pouso do primeiro estágio em balsa-drone
Reentrada do segundo estágio

Estatísticas da espaçonave

  • Comprimento: 8,1 metros
  • Diametro: 3,88 metros
  • Massa vazia (cápsula): 3.600 kg
  • Massa vazia (‘porta-malas’): 1.500 kg
  • Massa de propelente: 1.300 kg
  • Tetraóxido de nitrogênio: 957,84 kg
  • Monometil hidrazina assimétrica: 342,60 kg

Cargas transportadas

Experimentos científicos transportados pela nave

“Bioprinting bandages” – A bioimpressão usa células viáveis ​​e moléculas biológicas para imprimir estruturas de tecido. O estudo Bioprint FirstAid da DLR (Agência Aeroespacial Alemã) demonstrará uma bioprinter portátil que usa as células da pele do próprio paciente para criar um adesivo formador de tecido para cobrir uma ferida e acelerar o processo de cicatrização. Em futuras missões à Lua e Marte, a bioimpressão desses patches personalizados pode ajudar a resolver as mudanças na cicatrização de feridas que podem ocorrer no espaço e complicar o tratamento. Os adesivos de cura personalizados também têm benefícios potenciais na Terra, proporcionando um tratamento mais seguro e flexível em qualquer lugar necessário.

Melhorando a administração de medicamentos contra o câncer – Os anticorpos monoclonais, usados ​​para tratar uma ampla gama de doenças humanas, não se dissolvem facilmente em líquidos e, portanto, devem ser administrados por via intravenosa em um ambiente clínico. O CASIS PCG 20 continua a trabalhar na cristalização de um anticorpo monoclonal desenvolvido pelo Merck Research Labs, o pembrolizumab. É o ingrediente ativo do Keytruda, um medicamento que tem como alvo vários tipos de câncer. Os cientistas analisam esses cristais para aprender mais sobre a estrutura e o comportamento do componente para criar formulações de medicamentos que podem ser administrados em um consultório médico ou até mesmo em casa.

Avaliação do risco de infecção – Os cientistas observaram que o voo espacial às vezes aumenta a virulência de micróbios potencialmente nocivos e reduz a função imunológica humana, aumentando o risco de doenças infecciosas. Host-Pathogen avalia as mudanças induzidas pelo espaço no estado imunológico através da cultura de células coletadas de membros da tripulação antes, durante e após o vôo espacial com bactérias “normais” e bactérias cultivadas sob condições simuladas de vôo espacial. Os resultados podem ajudar a avaliar o risco potencial que os micróbios infecciosos podem representar e podem apoiar o desenvolvimento de contramedidas. Isso poderia melhorar o atendimento àqueles com sistema imunológico comprometido na Terra.

Raízes, brotos e folhas – Multi Variable Platform (MVP) Plant-01 perfila e monitora o desenvolvimento de brotos e raízes de plantas em microgravidade. As plantas podem servir como uma parte vital dos sistemas de suporte à vida humana para voos espaciais de longa duração e habitação da Lua e Marte. Mas as plantas cultivadas no espaço sofrem estresse de vários fatores, e estudos recentes indicam mudanças na expressão dos genes das plantas em resposta a esses fatores estressantes. Uma melhor compreensão dessas mudanças pode permitir o projeto de plantas mais adequadas para o crescimento em ambientes de voos espaciais.

Desenvolvimento de lavanderias lunares – astronautas na estação espacial usam uma peça de roupa várias vezes e, em seguida, substituem-na por roupas novas entregues em missões de reabastecimento. A capacidade limitada de carga torna isso um desafio, e o reabastecimento não é uma opção para missões mais longas, como a Lua e Marte. Em colaboração com a NASA, a Proctor & Gamble desenvolveu o Tide Infinity, um detergente totalmente degradável especificamente para uso no espaço, e a P&G Telescience Investigation of Detergent Experiments (PGTIDE) estuda o desempenho de seus ingredientes de remoção de manchas e a estabilidade da formulação em microgravidade. Depois de comprovada no espaço, a Tide planeja usar os novos métodos de limpeza e detergente para desenvolver soluções de lavanderia sustentáveis ​​e de baixo uso de recursos na Terra.

Turbine Superalloy Casting Module (SCM) testa um dispositivo de manufatura comercial que processa peças de liga resistentes ao calor em microgravidade. Ligas são materiais compostos de pelo menos dois elementos químicos diferentes, um dos quais é um metal. Os pesquisadores esperam microestruturas mais uniformes e propriedades mecânicas aprimoradas em peças de superligas processadas em microgravidade em relação às processadas na Terra. Esses materiais superiores podem melhorar o desempenho dos motores de turbina em indústrias como a aeroespacial e geração de energia na Terra.

Alunos e cidadãos como “cientistas espaciais” – Os alunos matriculados em instituições de ensino superior podem projetar e construir experimentos de microgravidade como parte da Oportunidade de Carga Útil para Estudantes da NASA com Ciência Cidadã (SPOCS). Como parte de seu experimento, as equipes selecionadas envolvem alunos do jardim ao 12º ano como cientistas cidadãos. A ciência cidadã permite que indivíduos que não são cientistas profissionais contribuam para a pesquisa do mundo real. O projeto “NASA STEM on Station” está financiando experimentos voando nesta missão de reabastecimento, incluindo um estudo sobre resistência a antibióticos em microgravidade da Universidade de Columbia e um sobre como a microgravidade afeta polímeros resistentes a bactérias da Universidade de Idaho.

Cargas em geral

Compact Ocean Wind Vector Radiometer (COWVR) – Este instrumento será lançado no “tronco” (trunk, ou porta-malas) da Dragon e medirá a direção e velocidade dos ventos na superfície do oceano.
Experimento Temporal para Tempestades e Sistemas Tropicais (Temporal Experiment for Storms and Tropical Systems TEMPEST) – Este instrumento será lançado também no tronco e investigará a umidade atmosférica.
Sensor de hidrogênio – equipamento de sistema de suporte vital e controle ambiental crítico que monitora a presença de excesso de hidrogênio no oxigênio gerado, o que ajuda a informar a NASA sobre os sinais de alerta com a pilha de células do sistema gerador de oxigênio.
Dispositivo de exercício resistivo avançado (Advanced Resistive Exercise Device ARED) Ativo Ceifador de conhecimento em uma rede cinética (Knowledge Reaper Asset in a Kinetic Network – KRAKN) : sua caixa de eletrônicos – Esta caixa de eletrônicos atualizará a caixa de instrumentação de legado do dispositivo de exercício resistivo avançado e será utilizada em órbita pelos membros da tripulação para dar suporte às suas necessidades de exercício.

Módulo de controle remoto de energia (Remote Power Control Module – PCM) Tipo V interno – planejado para substituir uma unidade degradada atualmente instalada, este RPCM tipo V interno oferece suporte a todo o sistema eletrônico de energia distribuindo recursos de energia pela ISS.

Geladeira – Após uma falha de uma unidade de geladeira em órbita, esta sobressalente oferecerá capacidade de armazenamento a frio para suportar múltiplas investigações durante as Expedições 66 e 67.

Medidores de vazão EXPRESS – Esses sobressalentes medem as taxas de fluxo e fornecerão um sinal para comandar as válvulas de controle correspondentes para os racks EXPRESS (que significa Acelerar o Processamento de Experimentos para a Estação Espacial), provendo os recursos necessários para experimentos de carga útil.

“Rodent Research Hardware”/ equipamento de pesquisa de roedores – roedores, habitats, transportadores e equipamento de suporte necessários para a missão de pesquisa específica de roedores durante a duração da missão.

Cargas a serem retornadas pela nave:
Cúpula de Hidrogênio /Hydrogen Dome – Como um dos componentes críticos do Sistema de Geração de Oxigênio (OGS), esta unidade de Cúpula de Hidrogênio foi removida e substituída em outubro de 2021 após um período de observação. Esta unidade está retornando para teste, desmontagem e avaliação e renovação para dar suporte à demanda futura em órbita.
Conjunto de processamento de urina Conjunto de destilação/Urine Processing Assembly Distillation Assembly – Unidade de substituição de sistema de suporte vital e controle ambiental crítico usada para destilação e processamento de urina em órbita. Este equipamento está retornando para avaliação e renovação para dar suporte à demanda futura de peças sobressalentes e aos objetivos futuros.
Ventilador de montagem de ar de aviônica/ Avionics Air Assembly Fan – Com planos de retornar ao solo para TT&E e reforma, esse ventilador de alta velocidade foi instalado anteriormente no rack do Node3 Water Process Assembly (WPA).
Analisador de Carbono Orgânico Total/ Total Organic Carbon Analyzer – equipamento projetado para avaliar os níveis de carbono orgânico total na água recuperada a bordo da ISS. Esta unidade está voltando ao solo para reforma após sete anos de operação contínua.
Recipientes de amostra de CO2 / Umidade Relativa (CO2/Relative Humidity Sample Containers) – Tecnologia atualizada de recipiente de amostra da era do space shuttle que foi modificada para coletar amostras de carga útil e apoiar objetivos de desenvolvimento de exploração com amina térmica e demonstrações de tecnologia de remoção de dióxido de carbono de quatro “leitos” (‘beds’).
Transportadores de pesquisa de roedores (“Rodent Research Transporters”) – transportadores retornando após seu uso nas experiências com roedores durante a missão CRS-24. Esses transportadores recondicionados darão suporte à demanda de curto prazo para as próximas missões com esses animais.

Subssatélites
A missão incluirá o 38º Lançamento Educacional de Nanossatélites (Educational Launch of Nanosatellites – ELaNa) da NASA numa iniciativa de oferecer oportunidades para pequenas cargas úteis construídas por universidades, escolas secundárias, centros e organizações sem fins lucrativos.
Os quatro pequenos satélites, ou CubeSats, que compõem a 38ª missão ELaNa incluem projetos da Aerospace Corporation em El Segundo, Califórnia; Universidade Estadual de Utah em Logan, Utah; Georgia Tech Research Corporation em Atlanta, Geórgia; e Kennedy da NASA.
Os CubeSats são uma classe satélites de pesquisa chamados nanosatélites, construídas com dimensões padrão – Unidades ou “U” – de 10 cm. Freqüentemente incluídos como cargas úteis secundárias, os CubeSats podem ter o tamanho de 1U, 2U, 3U ou 6U, normalmente pesando menos de 1,5 kg por “U” e projetados para realizar tarefas exclusivas uma vez colocados na órbita baixa terrestre.
O Daily Atmospheric and Ionospheric Limb Imager (DAILI), construído pela Aerospace Corporation, é um CubeSat linear 6U que faz imagens da borda da atmosfera da Terra para determinar a densidade diurna do oxigênio atmosférico. A região da atmosfera que ele estudará – aproximadamente uma altitude de 87 a 180 milhas – é difícil de medir e produz modelos atmosféricos incertos. Esta investigação pode ajudar a melhorar os modelos que informam nossa compreensão da dinâmica na atmosfera superior, que pode afetar satélites e detritos espaciais na órbita baixa da Terra, enquanto uma melhor compreensão de como funciona a atmosfera da Terra pode contribuir para uma melhor previsão do tempo e outros eventos atmosféricos.
A Aerospace Corporation – uma corporação nacional sem fins lucrativos que opera um centro de pesquisa e desenvolvimento financiado pelo governo federal – projetou e desenvolveu o DAILI com base no experimento do Sistema de Detecção Atmosférica e Ionosférica Remota da empresa, que estava operacional na estação espacial de 2009 a 2010, possibilitou que o DAILI fosse projetado. O projeto DAILI CubeSat é liderado pelo investigador principal, Dr. James Hecht.
Uma equipe de graduação da Universidade Estadual de Utah desenvolveu o satélite de controle de atitude passiva Get Away Special (GASPACS), um CubeSat 1U com a missão principal de implantar uma lança inflável de um metro de comprimento em órbita baixa da Terra e transmitir uma fotografia clara da lança implantada para Terra. As estruturas infláveis são compactas e leves e, portanto, podem servir a muitos propósitos úteis no espaço. Nesta missão, a lança inflável também estabilizará passivamente a rotação do satélite devido ao arrasto aerodinâmico em órbita.
O GASPACS CubeSat foi desenvolvido pela equipe Get Away da universidade – uma equipe de pesquisa extracurricular de graduação dentro do departamento de física que dá aos alunos a oportunidade de aprender habilidades de engenharia do mundo real contribuindo efetivamente para a pesquisa aeroespacial. O principal investigador da equipe é o Dr. Jan Sojka, chefe do departamento de física da universidade.
O satélite do Observatório de Revestimento Térmico Passivo Operando em Órbita Terrestre Baixa (PATCOOL) é um CubeSat 3U patrocinado pela NASA e desenvolvido por estudantes da Universidade da Flórida para investigar a viabilidade do uso de um revestimento de superfície seletivo criogênico como uma forma mais eficiente de resfriar passivamente componentes no espaço. A equipe espera que os testes em órbita validem o que os testes de solo demonstraram – que este revestimento deve oferecer uma refletância muito maior da energia irradiante do Sol do que qualquer revestimento existente, ao mesmo tempo que oferece emissão de energia no infravermelho distante.
O Laboratório de Naves Espaciais Múltiplas Autônomas Avançadas (ADAMUS) da Universidade da Flórida (UF), com financiamento do Programa de Serviços de Lançamento da NASA (LSP), desenvolveu o PATCOOL CubeSat, junto com o investigador principal, Brandon Marsell, chefe da filial para Ambientes e Aprovação de Lançamento do LSP, com sede em Kennedy.
A missão Tethering and Ranging do Georgia Institute of Technology (TARGIT) é um CubeSat 3U que busca desenvolver e testar em órbita um sistema LiDAR de imagem capaz de mapeamento topográfico detalhado, ao mesmo tempo que oferece aos estudantes universitários educação prática em sistemas espaciais e formulários. Além disso, a missão demonstrará uma série de tecnologias de espaçonaves experimentais, incluindo sistemas de cabos e inflação ativos, componentes impressos em 3D, sensores de horizonte usando imagens térmicas de baixa resolução e células solares baseadas em nanocarbono.
Alunos da Escola de Engenharia Aeroespacial da Georgia Tech projetaram e desenvolveram o TARGIT CubeSat, sob a tutela de seu professor e investigador principal, Dr. Brian C. Gunter.
Os CubeSats da missão ELaNa 38 foram selecionados pela CubeSat Launch Initiative (CSLI) da NASA e designados para a missão pelo LSP, com base em Kennedy. A CSLI oferece oportunidades de lançamento para pequenas cargas úteis de satélites construídas por universidades, escolas de segundo grau, centros da NASA e organizações sem fins lucrativos.
Até o momento, a NASA selecionou 220 missões CubeSat, 124 das quais foram lançadas ao espaço, com mais 37 missões programadas para lançamento nos próximos 12 meses. Os CubeSats selecionados representam participantes de 42 estados, Distrito de Columbia, Porto Rico e 102 organizações independentes.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

SpaceX deve lançar nave de carga para a ISS nas próximas horas

A meteorologia, no entanto, não é favorável

A SpaceX planeja para terça-feira, 21 de dezembro, o lançamento do foguete Falcon 9 v1.2 FT Block 5 em sua 24º missão de Serviços de Reabastecimento Comercial (CRS-24 “SpX-24”) para a Estação Espacial Internacional. O foguete colocará em órbita a cápsula Cargo Dragon C209.2 , carregando aproximadamente 3 toneladas de materias de consumo, peças e experimentos científicos. A decolagem está prevista para 05h06 EST, ou 07:06 Brasília – 10h06 UTC, do Complexo de Lançamento 39A (LC-39A) no Centro Espacial Kennedy na Flórida. A meteorologia está desfavorável, no entanto, e a nave realmente tem 70% de chance de ter seu lançamento adiado pelas más condições do Cabo Canaveral e a jusante no Oceano Atlântico. As previsões do tempo para uma janela reserva em 22 de dezembro às 06:43 Brasília (9h43 UTC) prevêem uma chance muito melhor de 60% de condições favoráveis. Outras oportunidades ocorrem entre 25-29 de dezembro, de acordo com os NOTMARs / NOTAMs emitidos.

Estas são as datas previstas:
Data primária : terça-feira, 21 de dezembro às 10:06 UTC (05:06 EST).
Data de reserva 1 : quarta-feira, 22 de dezembro às ~ 09: 43 UTC (~ 04: 43 EST).
Data de reserva 2 : sábado, dia 25 às ~ 08: 33 UTC (~ 03: 33 EST).
Data reserva 3 : domingo, dia 26 às ~ 08h10 UTC (~ 03h10 EST).
Data reserva 4 : segunda-feira, dia 27 às ~ 07: 47 UTC (~ 02: 47 EST).
Data reserva 5 : terça-feira, dia 28 às ~ 07: 22 UTC (~ 02: 22 EST).
Data reserva 6 : quarta-feira, 29 de dezembro às ~ 06h59 UTC (~ 01h59 EST).

O ‘core’ do foguete ‘B1069’ (em seu primeiro voo) pousará a 629 km abaixo da linha de lançamento (‘downrange’). Os restos do segundo estágio reentrarão ao sul da Austrália na primeira órbita.
Após a separação , o primeiro estágio do Falcon 9 pousará na balsa-drone Just Read the Instructions, estacionada no Oceano Atlântico.
A espaçonave Cargo Dragon 2 C209 desta missão anteriormente fez o voo CRS-22. Aproximadamente doze minutos após a decolagem, a Dragon se separará do segundo estágio do Falcon 9 e seguirá para um acoplamento automático na estação espacial na quarta-feira, 22 de dezembro, aproximadamente às 06:38 hora de Brasília, 09:38 UTC.

Independentemente disso, quando a CRS-24 for lançada, ela representará uma série de marcos e estabelecerá vários novos recordes para a SpaceX. Além de consolidar os 31 lançamentos da empresa neste ano, a CRS-24 também será o terceiro lançamento de um foguete Falcon em apenas 69 horas – menos de três dias. Antes disso, o recorde de três lançamentos foi estabelecido mais recentemente em novembro de 2020, quando três Falcon 9 lançaram a Crew-1, o Sentinel 6A e os Starlink V1 L15 com um pouco mais de nove dias (~ 217 horas) de intervalo. Se a SpaceX puder encontrar uma lacuna nas nuvens e for lançada em 21 de dezembro, ela baterá esse recorde por um fator de três.

Trajetória de lançamento
Reingresso na atmosfera do segundo estágio

Eventos de lançamento
00:01:12 Max Q (momento máximo de estresse dinâmico no foguete)
00:02:31 Corte do motor principal do 1º estágio (MECO)
00:02:35 1º e 2º estágios separados
00:02:42 Motor de 2º estágio acende
00:06:31 Início da ignição de reentrada do 1º estágio
00:07:00 Fim da ignição de entrada do 1º estágio
00:08:18 Início da ignição de pouso do 1º estágio
00:08:40 Corte do motor do 2º estágio (SECO)
00:08:44 Ignição de pouso do 1º estágio completa
00:11:51 Nave se separa do 2º estágio

Perfil de lançamento

Experimentos científicos transportados pela nave

“Bioprinting bandages” – A bioimpressão usa células viáveis ​​e moléculas biológicas para imprimir estruturas de tecido. O estudo Bioprint FirstAid da DLR (Agência Aeroespacial Alemã) demonstrará uma bioprinter portátil que usa as células da pele do próprio paciente para criar um adesivo formador de tecido para cobrir uma ferida e acelerar o processo de cicatrização. Em futuras missões à Lua e Marte, a bioimpressão desses patches personalizados pode ajudar a resolver as mudanças na cicatrização de feridas que podem ocorrer no espaço e complicar o tratamento. Os adesivos de cura personalizados também têm benefícios potenciais na Terra, proporcionando um tratamento mais seguro e flexível em qualquer lugar necessário.

Manifesto de cargas

Melhorando a administração de medicamentos contra o câncer – Os anticorpos monoclonais, usados ​​para tratar uma ampla gama de doenças humanas, não se dissolvem facilmente em líquidos e, portanto, devem ser administrados por via intravenosa em um ambiente clínico. O CASIS PCG 20 continua a trabalhar na cristalização de um anticorpo monoclonal desenvolvido pelo Merck Research Labs, o pembrolizumab. É o ingrediente ativo do Keytruda, um medicamento que tem como alvo vários tipos de câncer. Os cientistas analisam esses cristais para aprender mais sobre a estrutura e o comportamento do componente para criar formulações de medicamentos que podem ser administrados em um consultório médico ou até mesmo em casa.

Avaliação do risco de infecção – Os cientistas observaram que o voo espacial às vezes aumenta a virulência de micróbios potencialmente nocivos e reduz a função imunológica humana, aumentando o risco de doenças infecciosas. Host-Pathogen avalia as mudanças induzidas pelo espaço no estado imunológico através da cultura de células coletadas de membros da tripulação antes, durante e após o vôo espacial com bactérias “normais” e bactérias cultivadas sob condições simuladas de vôo espacial. Os resultados podem ajudar a avaliar o risco potencial que os micróbios infecciosos podem representar e podem apoiar o desenvolvimento de contramedidas. Isso poderia melhorar o atendimento àqueles com sistema imunológico comprometido na Terra.

Raízes, brotos e folhas – Multi Variable Platform (MVP) Plant-01 perfila e monitora o desenvolvimento de brotos e raízes de plantas em microgravidade. As plantas podem servir como uma parte vital dos sistemas de suporte à vida humana para voos espaciais de longa duração e habitação da Lua e Marte. Mas as plantas cultivadas no espaço sofrem estresse de vários fatores, e estudos recentes indicam mudanças na expressão dos genes das plantas em resposta a esses fatores estressantes. Uma melhor compreensão dessas mudanças pode permitir o projeto de plantas mais adequadas para o crescimento em ambientes de voos espaciais.

Desenvolvimento de lavanderias lunares – astronautas na estação espacial usam uma peça de roupa várias vezes e, em seguida, substituem-na por roupas novas entregues em missões de reabastecimento. A capacidade limitada de carga torna isso um desafio, e o reabastecimento não é uma opção para missões mais longas, como a Lua e Marte. Em colaboração com a NASA, a Proctor & Gamble desenvolveu o Tide Infinity, um detergente totalmente degradável especificamente para uso no espaço, e a P&G Telescience Investigation of Detergent Experiments (PGTIDE) estuda o desempenho de seus ingredientes de remoção de manchas e a estabilidade da formulação em microgravidade. Depois de comprovada no espaço, a Tide planeja usar os novos métodos de limpeza e detergente para desenvolver soluções de lavanderia sustentáveis ​​e de baixo uso de recursos na Terra.

Turbine Superalloy Casting Module (SCM) testa um dispositivo de manufatura comercial que processa peças de liga resistentes ao calor em microgravidade. Ligas são materiais compostos de pelo menos dois elementos químicos diferentes, um dos quais é um metal. Os pesquisadores esperam microestruturas mais uniformes e propriedades mecânicas aprimoradas em peças de superligas processadas em microgravidade em relação às processadas na Terra. Esses materiais superiores podem melhorar o desempenho dos motores de turbina em indústrias como a aeroespacial e geração de energia na Terra.

Alunos e cidadãos como “cientistas espaciais” – Os alunos matriculados em instituições de ensino superior podem projetar e construir experimentos de microgravidade como parte da Oportunidade de Carga Útil para Estudantes da NASA com Ciência Cidadã (SPOCS). Como parte de seu experimento, as equipes selecionadas envolvem alunos do jardim ao 12º ano como cientistas cidadãos. A ciência cidadã permite que indivíduos que não são cientistas profissionais contribuam para a pesquisa do mundo real. O projeto “NASA STEM on Station” está financiando experimentos voando nesta missão de reabastecimento, incluindo um estudo sobre resistência a antibióticos em microgravidade da Universidade de Columbia e um sobre como a microgravidade afeta polímeros resistentes a bactérias da Universidade de Idaho.

Cargas em geral

Compact Ocean Wind Vector Radiometer (COWVR) – Este instrumento será lançado no “tronco” (trunk, ou porta-malas) da Dragon e medirá a direção e velocidade dos ventos na superfície do oceano.
Experimento Temporal para Tempestades e Sistemas Tropicais (Temporal Experiment for Storms and Tropical Systems TEMPEST) – Este instrumento será lançado também no tronco e investigará a umidade atmosférica.
Sensor de hidrogênio – equipamento de sistema de suporte vital e controle ambiental crítico que monitora a presença de excesso de hidrogênio no oxigênio gerado, o que ajuda a informar a NASA sobre os sinais de alerta com a pilha de células do sistema gerador de oxigênio.
Dispositivo de exercício resistivo avançado (Advanced Resistive Exercise Device ARED) Ativo Ceifador de conhecimento em uma rede cinética (Knowledge Reaper Asset in a Kinetic Network – KRAKN) : sua caixa de eletrônicos – Esta caixa de eletrônicos atualizará a caixa de instrumentação de legado do dispositivo de exercício resistivo avançado e será utilizada em órbita pelos membros da tripulação para dar suporte às suas necessidades de exercício.

Módulo de controle remoto de energia (Remote Power Control Module – PCM) Tipo V interno – planejado para substituir uma unidade degradada atualmente instalada, este RPCM tipo V interno oferece suporte a todo o sistema eletrônico de energia distribuindo recursos de energia pela ISS.

Geladeira – Após uma falha de uma unidade de geladeira em órbita, esta sobressalente oferecerá capacidade de armazenamento a frio para suportar múltiplas investigações durante as Expedições 66 e 67.

Medidores de vazão EXPRESS – Esses sobressalentes medem as taxas de fluxo e fornecerão um sinal para comandar as válvulas de controle correspondentes para os racks EXPRESS (que significa Acelerar o Processamento de Experimentos para a Estação Espacial), provendo os recursos necessários para experimentos de carga útil.

“Rodent Research Hardware”/ equipamento de pesquisa de roedores – roedores, habitats, transportadores e equipamento de suporte necessários para a missão de pesquisa específica de roedores durante a duração da missão.

Espaçonave no topo do foguete B1069.1

Cargas a serem retornadas pela nave:
Cúpula de Hidrogênio /Hydrogen Dome – Como um dos componentes críticos do Sistema de Geração de Oxigênio (OGS), esta unidade de Cúpula de Hidrogênio foi removida e substituída em outubro de 2021 após um período de observação. Esta unidade está retornando para teste, desmontagem e avaliação e renovação para dar suporte à demanda futura em órbita.
Conjunto de processamento de urina Conjunto de destilação/Urine Processing Assembly Distillation Assembly – Unidade de substituição de sistema de suporte vital e controle ambiental crítico usada para destilação e processamento de urina em órbita. Este equipamento está retornando para avaliação e renovação para dar suporte à demanda futura de peças sobressalentes e aos objetivos futuros.
Ventilador de montagem de ar de aviônica/ Avionics Air Assembly Fan – Com planos de retornar ao solo para TT&E e reforma, esse ventilador de alta velocidade foi instalado anteriormente no rack do Node3 Water Process Assembly (WPA).
Analisador de Carbono Orgânico Total/ Total Organic Carbon Analyzer – equipamento projetado para avaliar os níveis de carbono orgânico total na água recuperada a bordo da ISS. Esta unidade está voltando ao solo para reforma após sete anos de operação contínua.
Recipientes de amostra de CO2 / Umidade Relativa (CO2/Relative Humidity Sample Containers) – Tecnologia atualizada de recipiente de amostra da era do space shuttle que foi modificada para coletar amostras de carga útil e apoiar objetivos de desenvolvimento de exploração com amina térmica e demonstrações de tecnologia de remoção de dióxido de carbono de quatro “leitos” (‘beds’).
Transportadores de pesquisa de roedores (“Rodent Research Transporters”) – transportadores retornando após seu uso nas experiências com roedores durante a missão CRS-24. Esses transportadores recondicionados darão suporte à demanda de curto prazo para as próximas missões com esses animais.

Subssatélites
A missão incluirá o 38º Lançamento Educacional de Nanossatélites (Educational Launch of Nanosatellites – ELaNa) da NASA numa iniciativa de oferecer oportunidades para pequenas cargas úteis construídas por universidades, escolas secundárias, centros e organizações sem fins lucrativos.
Os quatro pequenos satélites, ou CubeSats, que compõem a 38ª missão ELaNa incluem projetos da Aerospace Corporation em El Segundo, Califórnia; Universidade Estadual de Utah em Logan, Utah; Georgia Tech Research Corporation em Atlanta, Geórgia; e Kennedy da NASA.
Os CubeSats são uma classe satélites de pesquisa chamados nanosatélites, construídas com dimensões padrão – Unidades ou “U” – de 10 cm. Freqüentemente incluídos como cargas úteis secundárias, os CubeSats podem ter o tamanho de 1U, 2U, 3U ou 6U, normalmente pesando menos de 1,5 kg por “U” e projetados para realizar tarefas exclusivas uma vez colocados na órbita baixa terrestre.
O Daily Atmospheric and Ionospheric Limb Imager (DAILI), construído pela Aerospace Corporation, é um CubeSat linear 6U que faz imagens da borda da atmosfera da Terra para determinar a densidade diurna do oxigênio atmosférico. A região da atmosfera que ele estudará – aproximadamente uma altitude de 87 a 180 milhas – é difícil de medir e produz modelos atmosféricos incertos. Esta investigação pode ajudar a melhorar os modelos que informam nossa compreensão da dinâmica na atmosfera superior, que pode afetar satélites e detritos espaciais na órbita baixa da Terra, enquanto uma melhor compreensão de como funciona a atmosfera da Terra pode contribuir para uma melhor previsão do tempo e outros eventos atmosféricos.
A Aerospace Corporation – uma corporação nacional sem fins lucrativos que opera um centro de pesquisa e desenvolvimento financiado pelo governo federal – projetou e desenvolveu o DAILI com base no experimento do Sistema de Detecção Atmosférica e Ionosférica Remota da empresa, que estava operacional na estação espacial de 2009 a 2010, possibilitou que o DAILI fosse projetado. O projeto DAILI CubeSat é liderado pelo investigador principal, Dr. James Hecht.
Uma equipe de graduação da Universidade Estadual de Utah desenvolveu o satélite de controle de atitude passiva Get Away Special (GASPACS), um CubeSat 1U com a missão principal de implantar uma lança inflável de um metro de comprimento em órbita baixa da Terra e transmitir uma fotografia clara da lança implantada para Terra. As estruturas infláveis são compactas e leves e, portanto, podem servir a muitos propósitos úteis no espaço. Nesta missão, a lança inflável também estabilizará passivamente a rotação do satélite devido ao arrasto aerodinâmico em órbita.
O GASPACS CubeSat foi desenvolvido pela equipe Get Away da universidade – uma equipe de pesquisa extracurricular de graduação dentro do departamento de física que dá aos alunos a oportunidade de aprender habilidades de engenharia do mundo real contribuindo efetivamente para a pesquisa aeroespacial. O principal investigador da equipe é o Dr. Jan Sojka, chefe do departamento de física da universidade.
O satélite do Observatório de Revestimento Térmico Passivo Operando em Órbita Terrestre Baixa (PATCOOL) é um CubeSat 3U patrocinado pela NASA e desenvolvido por estudantes da Universidade da Flórida para investigar a viabilidade do uso de um revestimento de superfície seletivo criogênico como uma forma mais eficiente de resfriar passivamente componentes no espaço. A equipe espera que os testes em órbita validem o que os testes de solo demonstraram – que este revestimento deve oferecer uma refletância muito maior da energia irradiante do Sol do que qualquer revestimento existente, ao mesmo tempo que oferece emissão de energia no infravermelho distante.
O Laboratório de Naves Espaciais Múltiplas Autônomas Avançadas (ADAMUS) da Universidade da Flórida (UF), com financiamento do Programa de Serviços de Lançamento da NASA (LSP), desenvolveu o PATCOOL CubeSat, junto com o investigador principal, Brandon Marsell, chefe da filial para Ambientes e Aprovação de Lançamento do LSP, com sede em Kennedy.
A missão Tethering and Ranging do Georgia Institute of Technology (TARGIT) é um CubeSat 3U que busca desenvolver e testar em órbita um sistema LiDAR de imagem capaz de mapeamento topográfico detalhado, ao mesmo tempo que oferece aos estudantes universitários educação prática em sistemas espaciais e formulários. Além disso, a missão demonstrará uma série de tecnologias de espaçonaves experimentais, incluindo sistemas de cabos e inflação ativos, componentes impressos em 3D, sensores de horizonte usando imagens térmicas de baixa resolução e células solares baseadas em nanocarbono.
Alunos da Escola de Engenharia Aeroespacial da Georgia Tech projetaram e desenvolveram o TARGIT CubeSat, sob a tutela de seu professor e investigador principal, Dr. Brian C. Gunter.
Os CubeSats da missão ELaNa 38 foram selecionados pela CubeSat Launch Initiative (CSLI) da NASA e designados para a missão pelo LSP, com base em Kennedy. A CSLI oferece oportunidades de lançamento para pequenas cargas úteis de satélites construídas por universidades, escolas de segundo grau, centros da NASA e organizações sem fins lucrativos.
Até o momento, a NASA selecionou 220 missões CubeSat, 124 das quais foram lançadas ao espaço, com mais 37 missões programadas para lançamento nos próximos 12 meses. Os CubeSats selecionados representam participantes de 42 estados, Distrito de Columbia, Porto Rico e 102 organizações independentes.

Produção de ‘cores’ e segundos estágios de foguetes pela SpaceX:
A SpaceX – que atua em um setor muito competitivo – não fornece informações oficiais sobre quantos estágios Falcon ela produz a cada ano. Isso deixa para os fãs e aficionados a tarefa coletar e rastrear a fabricação. De 2010 a 2017, a produção de ‘boosters’ cresceu consistentemente ano após ano , chegando a um pico de 13 – mais de um booster por mês – em 2017. Desde 2017, a produção de estágios ‘cores’ tem diminuído consistentemente, caindo para apenas cinco boosters concluídos em 2020, o menor valor desde 2013.

Apesar de construir apenas cinco novos boosters em 2020, a SpaceX completou um recorde de vinte e seis lançamentos de Falcon 9, demonstrando o quanto a reutilização dos boosters representou de mudança de paradigma para a empresa. Notavelmente, embora a produção tenha diminuído drasticamente, a SpaceX ainda tem que fabricar um novo estágio superior descartável para cada lançamento o que significa que – na maior parte – a fábrica de Hawthorne está provavelmente tão ocupada quanto, e em breve estará mais ocupada do que estava em torno do pico 2016-2018.

Em uma pequena reviravolta, no entanto, a redução da produção de ‘cores ‘ pode ter chegado a um mínimo em 2020. Desde maio de 2020, a SpaceX parece ter enviado pelo menos 8 ou 9 cores [*] da fábrica de Hawthorne para a da McGregor. Menos de um mês atrás, um novo ‘booster’ – que se acredita ser o Falcon 9 B1069 – foi colocado verticalmente em McGregor antes de seu primeiro ensaio geral (o teste abastecido, ou wet dress rehearsal) e teste estático de motor. Menos de três semanas depois, outro novo booster foi avistado pronto para transporte fora de Hawthorne – provavelmente o mesmo avistado a caminho de McGregor em 21 de julho.

Em 2021, a SpaceX entregou um Falcon Heavy (provavelmente B1066) e dois boosters de Falcon 9 (os B1067 e B1069) para McGregor. O ‘core’ visto em Hawthorne em 18 de julho foi o quarto primeiro estágio do Falcon a ser levado para lá este ano. Se a SpaceX mantiver essa média nos próximos cinco meses, poderá enviar seis ou até sete ‘cores’ de Falcon em 2021 – marcando o primeiro aumento aparente de produção desde 2017.

[*] : Incluindo boosters F9 / FH B1061, B1062, B1063, B1064, B1065, B1066, B1067 e B1069

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

James Webb: Uma máquina de US $ 10 bilhões em busca do ‘fim das trevas’

Um resumo da história do telescópio espacial

Por Jonathan Amos
BBC Science

Homem e a Via Láctea

A escuridão completa pode ser conseguida no fundo de uma caverna, talvez; ou em um porão quando a energia é desligada. Mas geralmente há um brilho fraco vindo de algum lugar. Mesmo o céu noturno nunca parece realmente preto, até porque geralmente há uma ou duas estrelas brilhando à distância.

Portanto, é difícil imaginar uma época em que tudo o que existia eram trevas, quando você poderia viajar em qualquer direção por milhões de anos e ainda não ver absolutamente nada. Mas esta é a história que os cientistas nos contam, da “idade das trevas” que se apoderou do Universo antes de as primeiras estrelas se inflamarem. E muito em breve, eles pretendem nos mostrar aquela época, ou melhor, como ela terminou – como o cosmos finalmente se encheu de luz.

Eles farão isso usando o maior telescópio já colocado fora da Terra: o Telescópio Espacial James Webb.

Com lançamento previsto para os próximos dias, o JWST tem a missão de olhar mais fundo no Universo – e, portanto, mais para trás no tempo – do que até mesmo o lendário Telescópio Espacial Hubble, que teve sucesso.

Espelho principal Webb
“Simplesmente hipnotizante”: o enorme espelho do Webb é feito de berílio revestido de ouro

Equipado com um espelho de 6,5 m de largura e quatro instrumentos super-sensíveis, Webb ficará olhando por dias para um ponto muito estreito no céu para detectar a luz que viajou através da imensidão do espaço por mais de 13,5 bilhões de anos.

“Eles serão apenas pequenas manchas vermelhas”, disse o cientista sênior do projeto da JWST e ganhador do Prêmio Nobel, John Mather.

“Achamos que deveria haver estrelas, galáxias ou buracos negros talvez começando 100 milhões de anos após o Big Bang. Não haverá muitos deles para encontrar, daquela época, mas o telescópio Webb pode vê-los se eles estiverem lá , e tivermos sorte “, disse o pesquisador da agência espacial dos EUA em uma edição especial do Discovery no BBC World Service .

É uma ideia surpreendente que se ainda possa testemunhar tal coisa. Mas essa é a consequência de a luz ter uma velocidade finita em um cosmos vasto e em expansão. Se você continuar sondando cada vez mais fundo, deverá eventualmente conseguir recuperar a luz das estrelas pioneiras à medida que elas se agrupam nas primeiras galáxias.

Comparações de telescópio

Mas com que propósito? Por que gastar 10 anos concebendo, e outros 20 anos construindo, uma máquina de US $ 10 bilhões para detectar algumas manchas vermelhas e fracas no céu?

Bem, basicamente tudo se resume à questão mais fundamental: De onde viemos?

Quando o Universo foi formado no Big Bang, ele continha apenas hidrogênio, hélio e um punhado de lítio. Nada mais. Todos os elementos químicos da Tabela Periódica mais pesados ​​do que esses três tiveram que ser forjados em estrelas. Todo o carbono que constitui os seres vivos; todo o nitrogênio na atmosfera da Terra; todo o silício nas rochas – todos esses átomos tiveram que ser “fabricados” nas reações nucleares que fazem as estrelas brilhar e nas poderosas explosões que acabam com sua existência. Só estamos aqui porque as primeiras estrelas e seus descendentes semearam o Universo com o material para fazer coisas.

Como o telescópio verá no tempo

“A missão do Webb é sobre a formação de todas as semelhanças; é o argumento do ‘somos todos feitos de poeira estelar'”, pondera Rebecca Bowler, astrônoma da Universidade de Oxford que é membro da equipe do instrumento NIRSpec de Webb. “É sobre a formação do primeiro átomo de carbono de todos os tempos. É absolutamente incrível para mim que pudemos realmente observar esse processo em andamento.”

Não sabemos muito sobre as primeiras estrelas. Podemos colocar as leis da física em modelos de computador e executá-los para ter uma noção do que pode ser possível. E isso parece fantástico.

“As estimativas variam de 100 a 1.000 vezes a massa do nosso Sol”, disse Marcia Rieke, a principal investigadora do instrumento NIRCam do Webb. “E, de fato, todas as estrelas seguem a regra de que o período de tempo em que podem existir como uma estrela é inversamente proporcional à sua massa – ou seja, quanto mais massiva uma estrela, mais rápido ela esgota seu combustível. E assim essas estrelas primitivas pode ter durado apenas no máximo um milhão de anos ou algo assim. “

A ênfase na busca pela primeira luz das estrelas faz o JWST soar como uma “flauta de uma nota”. Na verdade, é bem mais. Ele observará quase tudo o que há para ver além da Terra – desde as luas geladas e cometas em nosso próprio Sistema Solar até os buracos negros colossais que parecem residir no centro de todas as galáxias. Deve ser particularmente apto ao estudo de planetas ao redor de outros sóis.

O telescópio, entretanto, foi ajustado para olhar para todos os seus alvos de uma maneira muito particular – no infravermelho.

O Hubble foi projetado para ser sensível à luz predominantemente em comprimentos de onda ópticos ou visíveis. É o mesmo tipo de luz que detectamos com nossos olhos. O Webb, por outro lado, está configurado especificamente para detectar comprimentos de onda mais longos, que, embora invisíveis aos nossos olhos, estão exatamente no regime em que aparecerá o brilho dos objetos mais distantes do Universo.

“A luz das estrelas distantes é esticada pela expansão do Universo e muda para a região infravermelha do espectro. Chamamos isso de redshift“, explica Richard Ellis, astrônomo da University College London que está impaciente para explorar o fim da idade das trevas.

“O fator limitante que temos com o Hubble, por exemplo, é que ele não chega longe o suficiente no infravermelho para detectar o sinal da luz das estrelas que queremos. Também não é um telescópio particularmente grande. Foi uma máquina pioneira, com certeza. Incrível em suas fotos. Mas o diâmetro de seu espelho é de apenas 2,4 m, e a potência de um telescópio é dimensionada com o quadrado do diâmetro do espelho. E é aí que entra o JWST. “

Telescópio espacial James Webb

Foi o astrônomo do século 18, William Herschel, quem descobriu o infravermelho. Ele também revolucionou a produção de espelhos telescópicos. Suas máquinas de polimento com manivela podiam alcançar uma superfície refletiva superlisa em um disco fundido de uma liga de estanho e cobre.

Herschel teria apreciado a inovação incluída na produção dos espelhos do Webb.

Eles são feitos do metal berílio, que é leve e mantém sua forma em temperaturas muito baixas. E então há o revestimento de ouro. É extremamente fino, com apenas algumas centenas de átomos de espessura, mas essa adição transforma os espelhos em refletores quase perfeitos ao infravermelho.

Noventa e oito por cento da luz incidente é devolvida, garantindo que a emissão de estrelas distantes sofra perdas mínimas quando chega aos instrumentos do Webb.

Como os telescópios cobrem diferentes partes do espectro eletromagnético

Qualquer um que tenha visto o espelho primário segmentado de 6,5 m do telescópio atestará sua qualidade hipnotizante. Mesmo aqueles que trabalharam nele por duas décadas nunca se cansam de sua beleza. “Houve um tempo em que o espelho estava apontado para baixo e eu tinha que passar por baixo dele para fazer uma inspeção da ótica da traseira”, lembra Lee Feinberg da NASA, que liderou a equipe de espelhos. “Então, lá estava eu ​​em minha roupa de coelho – o traje extralimpo usado nos trabalhos de precisão -, olhando para todas aquelas superfícies douradas e me vendo sendo refletido de volta. Foi realmente incrível – todas essas superfícies focando em mim. Tive uma sensação incrível de energia, estar no centro de tudo. “

O Hubble ficou famoso por ter um grande problema com seu espelho primário. Quando o telescópio entrou em órbita em 1990, os cientistas perceberam que o refletor não havia sido polido corretamente. Suas imagens iniciais de galáxias estavam borradas. Não foi até que os astronautas pudessem adotar algumas medidas corretivas que o Hubble começou a ver o cosmos com clareza. E talvez não sem razão, é por causa dessa experiência que todos perguntam se o espelho de Webb tem garantia de perfeição.

Os engenheiros colocaram o telescópio no simulador espacial que foi usado na década de 1960 para controlar o equipamentos da nave espacial Apollo e até mesmo astronautas com trajes espaciais.

A câmara A, como é conhecido o recipiente a vácuo, tem um volume gigantesco e foi capaz de engolir o telescópio inteiro (sem a proteção solar). O objetivo do teste de três meses era levar o Webb à temperatura operacional de pouco menos de -233 ° C (40 kelvin), para ver se todos os seus espelhos focariam conforme o planejado. Isso também daria às equipes que trabalham nos quatro instrumentos a chance de ver como seus sistemas funcionavam em condições simuladas de outro mundo. 

Câmara A
A câmara de vácuo usada na Apollo deu ao Webb uma amostra de como será operar no espaço

Em determinada ocasião, uma tempestade atingiu a área de preparação da espaçonave, e em certo momento, os consoles de computador que conversavam com telescópio dentro da Câmara A tinham que ser cobertos por uma folha de plástico para protegê-los do risco de pingar água do teto. Mas escondido atrás das grossas paredes do recipiente de vácuo, o próprio Webb estava seguro e demonstrando que não tinha um “problema de Hubble”.

“Os segmentos no espelho primário têm atuadores atrás deles que nos permitem movê-los, até mesmo mudar sua curvatura”, explica Lee Feinberg. “Quando implantados pela primeira vez no espaço, esses segmentos ficarão desalinhados. Mas todos esses atuadores nos levarão de um desalinhamento medido em milímetros para apenas nanômetros. Um fator de melhoria de um milhão.” Esses atuadores farão com que os 18 segmentos se comportem como se fossem um único espelho monolítico.

A engenheira de sistemas de instrumentos da NASA, Begoña Vila, acrescenta: “Isso é o que demonstramos na câmara de teste. Sabemos que quando focamos em uma estrela no espaço pela primeira vez, veremos 18 pontos de luz diferentes porque os 18 segmentos de espelho individuais não estão alinhados. Mas então nós ajustaremos esses espelhos para reunir todos os pontos para fazer uma única estrela que não seja aberrada e boa para operações normais. Sabemos que o Webb funcionará.

Uma cientista segura uma caixa plástica da Tupperware: “Este não é um Tupperware antigo; é um Tupperware qualificado para uso espacial. Ele atende a todos os padrões internacionais para manter as coisas perfeitamente limpas por anos”, disse o diretor do Centro de Tecnologia de Astronomia do Reino Unido.

Se você quer entender o quão avançado é JWST, mas também por que sua construção demorou tanto – cerca de 20 anos na fase de construção – você precisa olhar na caixa de plástico de Gillian. Ele contém um “espelho de corte” sobressalente do Mid-Infrared Instrument (MIRI) que ela e seus colegas construíram para o telescópio.

Mais ou menos do tamanho de uma moeda britânica de 50 centavos, parece um mini acordeão musical feito para uma boneca. O pequeno espelho – mais uma vez revestido de ouro – contém uma série de “degraus” inclinados.

O arranjo permite que o espelho adquira uma imagem do céu, mas também corte a luz de, digamos, uma galáxia ou a borda de um buraco negro, e então envie essa luz para um espectrógrafo. Este dispositivo irá revelar a química, temperatura, densidade e velocidade dos alvos em estudo.

“Mas não apenas em um ponto da imagem, mas em todos os pontos da imagem, todos ao mesmo tempo. Você vai de 2D para 3D – para o que chamamos de cubo de dados”, ela diz.

James E Webb
James E Webb foi uma figura-chave na NASA encarregada de implementar o projeto Apollo de pousos na Lua

Isso havia sido feito na astronomia terrestre, mas era uma novidade para o James Webb. Além do mais, o nível de precisão de engenharia exigido era extremamente desafiador. Os degraus tinham que ser usinados com muito cuidado para que tivessem bordas extremamente nítidas, caso contrário, a luz de diferentes comprimentos de onda iria sangrar através do espelho, contaminando os dados.

Demorou um ano para convencer as agências espaciais de que os espelhos cortantes do MIRI atenderiam às especificações. E o negócio é o seguinte: este é apenas um pequeno componente em uma parte de um telescópio gigante.

Quando eles montaram o Webb, cada um desses elementos teve que ser testado e, em seguida, testado novamente quando unido a outro elemento. Todo o edifício foi construído como uma boneca russa matrioshka – elemento dentro de elemento.

O ex-cientista do projeto da NASA, Mark Clampin, explica: “Por ser um observatório tão grande e complexo e também porque tem que funcionar em temperaturas criogênicas, você não pode simplesmente juntar tudo de uma vez e depois testá-lo. Você coloca tudo em compartimentos selados , pacotes isolados termicamente, começando com as menores peças e indo para cima, testando em cada estágio. E então, conforme tudo fica cada vez maior, torna-se virtualmente impossível voltar porque você encontrou um problema em um detector, digamos. “

Imagine que no final da construção do telescópio eles percebessem que um dos espelhos cortantes do MIRI estava com defeito. Desmontar o observatório multibilionário para chegar à parte com defeito seria o pesadelo de todos os pesadelos.

James Webb
James Webb dobrado para caber no nariz de seu foguete de lançamento

Mark McCaughrean é um astrônomo britânico especializado em infravermelho que trabalhou no projeto por 23 anos como consultor da Agência Espacial Européia. Ele já viu pedaços do Webb antes, mas apenas semanas antes do lançamento esperado, do espaçoporto de Kourou na Guiana Francesa, ele terá a chance de examinar o observatório concluído pela primeira vez.

“Não tenho ideia do que dizer. É surpreendente.” Há emoção em sua voz.

Os espelhos e mantas isolantes são uma mistura de ouro e prata. A última cor tem um leve tom púrpura. Estamos vendo o Webb em sua configuração dobrada, mas ainda assim é do tamanho de um único ônibus de piso duplo.

Este “ônibus” foi levantado para caber confortavelmente no nariz de seu foguete-portador Ariane 5.

“Tem uma escala incrível”, comenta Mark. “Quando se desenrolar no espaço – será um pássaro voando livremente no cosmos – isso seria uma linda coisa de se ver!”

Gráfico de sequência de implantação

O Webb teve que lutar contra os opositores durante todo o seu desenvolvimento. “É muito complexo”, diziam eles. E quando você considera a sequência de operações que o telescópio deve completar para começar suas observações do cosmos, é meio assustador.

Os engenheiros referem-se a “falhas de ponto único” para descrever as ações que, se não ocorrerem na hora e na ordem certa, provavelmente prejudicarão todo o empreendimento. O Webb teve que superar 344 desses obstáculos decisivos.

Algumas ações devem ser muito diretas, como a implantação de um painel solar e antena de rádio minutos imediatamente após o lançamento.

Mesmo a abertura das abas do espelho primário deveria ser considerada uma operação bastante normal. Mas as ações se concentraram em torno do desdobramento do escudo do tamanho de uma quadra de tênis que manterá Webb resfriado e protegerá sua visão do brilho do Sol – isso é outro assunto.

“Algumas dos principais mecanismos incluem 140 motores de liberação, cerca de 70 conjuntos de dobradiça, oito motores de extensão; temos rolamentos, molas, engrenagens; cerca de 400 polias são necessárias e 90 cabos, totalizando 400 metros”, disse Krystal Puga, da indústria aeroespacial fabricante Northrop Grumman.

“Para aperfeiçoar a sequência, realizamos vários testes de implantação ao longo de vários anos em modelos pequenos e grandes. Praticamos não apenas a implantação, mas também o processo de armazenamento. Isso nos dá a confiança de que Webb será estendido com sucesso.” Amber Straughn, uma astrofísica da equipe científica do JWST da NASA, explica por que o telescópio é tão importante e emocionante. “Para aqueles de nós que não estiveram diretamente envolvidos no projeto, todo o processo de desdobramento parece assustador. E se um dos cordões que puxam as membranas superfinas se soltar ou, pior ainda, se quebrar?”

John Mather é a voz calma. Seus muitos anos no empreendimento o levaram a uma posição filosófica. “Estou confiante”, diz ele, “e, no entanto, também estou ciente de que não importa quão bom seja o plano que temos – e temos um plano muito bom – coisas ruins ainda podem acontecer. Mas minha opinião não tem efeito sobre o sistema. E, conseqüentemente, minha preocupação também não tem efeito. Então, eu geralmente não me preocupo. “

Borboleta
Dado tudo o que o Hubble nos mostrou, o antigo telescópio agora parece um investimento muito sólido

E agora, o custo do telescópio espacial.

O valor que todos citam é de US $ 10 bilhões (em libras, £ 7,5 bilhões; euros, € 9 bilhões). Abrange o período de construção direta de 20 anos, o lançamento e cinco anos de operações no espaço.

Como um número frio, é de lacrimejar. Mas vale lembrar que o Hubble também era muito caro. O lendário observatório custou mais de US $ 7 bilhões em dólares quando foi lançado e reparado. Deve estar mais perto do dobro agora.

Mas, considerando tudo o que Hubble nos mostrou sobre o Universo e nosso lugar nele, o antigo telescópio parece ter um bom valor.

Telescópio webb
Para os europeus, o custo do Webb equivale ao preço de uma xícara de café barato

Se o Webb tiver sucesso em nos mostrar nossas origens atômicas, quem continuará a reclamar dos custos? “No valor de face, há muitos zeros, e só a Europa gastou € 700 milhões (£ 600 milhões; US $ 800 milhões) no James Webb”, disse o ex-gerente de projetos da Agência Espacial Europeia, Peter Jensen.

“Mas quando você olha para isso como um custo por habitante na Europa, isso se resume a uma xícara de café em uma lanchonete barata, bebido por um período de 20 anos.”

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Soyuz MS-20 pousa no Cazaquistão encerrando missão turística

Turistas japoneses passaram 12 dias no espaço e recolocam a Rússia no mercado

O turista espacial Maezawa sobre o nariz do veículo de descida da Soyuz, após o pouso no Cazaquistão , a sudeste da cidade de Zezkazgan.

Hoje, 20 de dezembro de 2021, o veículo de descida da nave espacial russa Soyuz MS-20, que se desacoplou três horas e meia antes da Estação Espacial Internacional, pousou no Cazaquistão encerrando uma missão de doze dias que recolocou a Rússia no mercado de turismo espacial.

O comandante Aleksandr Misurkin e os turistas japoneses Yuzaku Maezawa e Yozo Hirano visitaram a estação espacial em uma nave especial dedicada ao voo turístico, que rendeu uma quantia estimada em 50 milhões de dólares aos cofres russos. A Roskosmos, agência espacial russa, já tem encomenda para novas missões de turismo, intermediadas pela empresa americana Space Adventures. Os japoneses foram os 11º e 12º clientes da Space Adventures a voarem ao espaço em naves russas desde 2001, quando o empresário americano Dennis Tito inaugurou a Era do Turismo Espacial na nave Soyuz TM-32.

A separação do módulo de habitação , BO, e do compartimento de instrumentos e motores , PAO, do aparelho de descida , SA, que transportava a tripulação, ocorreu às 05:47:02 horário de Moscou em 20 de dezembro (21:47 de Brasília no dia 19). A cápsula com cosmonautas entrou nas camadas superiores da atmosfera às 05:50, de Moscou, em 20 de dezembro (23:50 Brasília do dia 19). A cápsula iniciou a sequência de abertura dos paraquedas às 05:58:41 de Moscou, em 20 de dezembro (23:58 Brasília, dia 19). O pouso do aparelho de Descida ocorreu às 06:13:41, Moscou, em 20 de dezembro (00:13:41 Brasília no dia 20) nas estepes do Cazaquistão a cerca de 148 quilômetros a sudeste de Zhezkazgan.

Mizurkin recebido pelas equipes

Todas as operações de descida da órbita e pouso ocorreram no modo normal, a tripulação está se sentindo bem. A nave havia se separado do segmento russo da estação às 02:50:30, horário de Moscou. Seu sistema de propulsão SKD foi ligado no modo normal para desaceleração às 05:18:56 horário de Moscou, após o que começou a sair de órbita. Logo depois, o Soyuz MS se dividiu nos três compartimentos, e a tripulação de três no veículo de descida experimentou sobrecargas padrão de cerca de 4g. “O veículo de descida pousou na vertical. Equipes de resgate no local. Tudo está normal.” – tuitou o diretor da agência espacial russa Roskosmos, Dmitry Rogozin.

Reabilitação pós-voo

Para cumprir o programa de experiências científicas pós-voo e reabilitação, está previsto que esta noite Alexander Misurkin, Yusaku Maezawa e Yozo Hirano cheguem ao Complexo para treino de pré-lançamento e reabilitação pós-voo de cosmonautas (astronautas) no Zvezdniy Gorodok ( o TsPK, centro de treinamento de cosmonautas , ou Cidade das Estrelas, na região de Moscou). A reabilitação da tripulação durará de 14 a 21 dias, dependendo do bem-estar dos cosmonautas. Nesse período, eles recuperam a forma física normal, sob supervisão de médicos, vão à piscina, fazem caminhadas e aumentam gradativamente a carga sobre os músculos.

O período de reabilitação não exclui a participação dos cosmonautas em experimentos diretamente relacionados às suas atividades profissionais. Está previsto que em 21 de dezembro, Alexander Misurkin continuará sua participação no experimento médico LAZMA, que começou no TsPK antes do vôo, então continuou durante a missão orbital. Conduzir o experimento “Constelação – LM” também permanece tradicional, cujo objetivo principal é estudar as capacidades de uma pessoa durante voos ao espaço profundo e trabalhar nas superfícies da Lua e de Marte.

Hirano após a volta à Terra

A Space Adventures, Inc., empresa líder mundial em experiências espaciais, comemorou o pouso da nave russa. “Uma vez no espaço, você percebe o quanto vale a pena ter essa experiência incrível”, disse Maezawa à Associated Press. “E acredito que essa experiência incrível vai levar a outra coisa.”

Desde documentar tarefas cotidianas, como escovar os dentes no espaço, até compartilhar reflexões mais pessoais, como os momentos emocionais da leitura de um mangá favorito no espaço, Maezawa compartilhou continuamente suas experiências com seus fãs por meio de seu canal no YouTube. Como parte dessa missão, Maezawa fez crowdsourcing de ideias de coisas para fazer no espaço antes de seu lançamento como parte de sua campanha ‘100 coisas que você deseja que a MZ faça no espaço’.

Maezawa continuará sua ambição de “espalhar a consciência e o interesse nas viagens espaciais ao público”, agindo como o anfitrião da missão ‘dearMoon’ – um voo circunlunar a bordo da nave espacial da SpaceX atualmente programada para lançamento em 2023 – junto com outros oito passageiros que ele convidará.

Maezawa, o turista principal

Eric Anderson, CEO da Space Adventures, disse: “A conclusão do voo espacial de MZ não é apenas um marco para ele e a Space Adventures, mas também para a indústria de voos espaciais comerciais como um todo e para o futuro da humanidade no espaço. A missão de MZ chega no final de um ano que viu um ‘boom’ incrível no turismo espacial e está preparada para inaugurar outra onda de exploração. ”

A Space Adventures tem cooperado com a Roskosmos desde o primeiro voo turístico espacial do mundo em 2001. A conclusão bem-sucedida da missão de Maezawa e de Hirano os torna o oitavo e o nono astronautas particulares a visitar a estação espacial com a Space Adventures e os primeiros participantes de voos espaciais privados do Japão.

Permanecendo a bordo da estação está a tripulação da Expedição 67 – os astronautas Raja Chari, Kayla Barron, Thomas Marshburn, Mark vande Hei (americanos) e Mathia Maurer, da Alemanha, e os cosmonautas da Roskosmos, Anton Shkaplerov e Pyotr Dubrov.

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Soyuz MS-20 deixa a ISS

Piloto russo e turistas japoneses se preparam para voltar à Terra

Soyuz MS-20 se afastando da estação espacial

Às 02:50:33 hora de Moscou, dia 20 de dezembro (20:50:33 Brasília, no dia 19) a nave espacial Soyuz MS-20 desacoplou-se do compartimento MIM-2 Poisk da Estação Espacial Internacional, iniciando a viagem de volta à Terra de seus tripulantes. A espaçonave deve aterrissar no Cazaquistão por volta da meia-noite de 20 de dezembro, trazendo o comandante Aleksandr Misurkin e os turistas japoneses Yuzako Maezawa e Yozo Hirano após um voo espacial de 12 dias no espaço.

A nave fará um voo autônomo de cerca de três horas e meia e se separará em seus três compartimentos após o acionamento do motor principal para frenagem e saída de órbita, para que seu veículo de descida aterrisse de paraquedas na estepe cazaque. A transmissão ao vivo no Canal do Homem do Espaço se inicia às 23:00 horas de Brasília.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Turistas voltam à Terra hoje à noite

Dois japoneses e um russo pousam de madrugada no Cazaquistão após 12 dias no espaço

Veículos de busca e resgat PEM-1 /PEM-2 Sinaya Ptitsa seguem para as cidade de Zhezkazghan

O grupo de resgate terrestre do Distrito Militar Central (TsVO) dirigiu-se às áreas de pouso principal e reserva do veículo de descida da espaçonave Soyuz MS-20 no Cazaquistão, informou a assessoria de imprensa do Distrito. “Quatro veículos de busca e recuperação foram enviados para a área de pouso principal, a sudeste de Zhezkazgan. Duas equipes de ‘Pássaros Azuis’ partiram para a área de reserva”; De acordo com os militares, os veículos anfíbios PEM-1 e PEM-2 “Sinaya Ptitisa” vão levar especialistas de resgate e médicos militares, transportando agasalhos para a tripulação da Soyuz e equipamentos para a evacuação dos cosmonautas nas áreas de operações de busca e salvamento.

O comandante Aleksandr Misurkin e os turistas japoneses Yuzaky Maezawa e Yozo Hirano deverão pousar a bordo de sua nave espacial às 20:50 hora de Brasília na estepes cazaques, após um voo espacial de doze dias.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

ISS: atividades de dezembro

Astronautas continuam a manutenção a bordo da estação espacial

Configuração da ISS em 19 de dezembro de 2021

Em 15 de dezembro, a equipe removeu o filtro de ar anterior e o coletor Wring e o substituiu por peças sobressalentes: Filtro de ar do compartimento de resíduos e higiene (WHC) e remoção e substituição do coletor Wring (R&R); Reposicionamento de isolamento multicamada (MLI), do adaptador de acoplamento internacional avançado (IDA-F): a equipe recolocou os cantos soltos do MLI e realizou um teste de tração bem-sucedido para verificar se o velcro ainda era capaz de manter o MLI no lugar. As fotos foram baixadas para análise posterior. Limpeza da tela do cone do adaptador de acoplamento pressurizado (PMA1) com checagem da ventilação do intermódulo (IMV) com limpeza do conjunto da tela do cone do IMV localizado na antepara do PMA1 no ponto onde se concetava ao Node 1 Unity.

Os equipamentos de alta eficiência (HEPA) e filtros de carvão froam limpos e foi feita uma revisão dos detectores de fumaça usando um aspirador de pó. Transferência de salmoura de EDV para o conjunto do processador de salmoura (BPA) : a equipe tentou uma transferência deste resíduo de um EDV para o BPA por meio do Sistema de transferência de urina (UTS). No entanto, essa transferência não foi bem-sucedida e a equipe de solo recomendou fazer uma desmontagem completa e uma nova tentativa em uma data posterior. As equipes passaram a analisar o refinamento dos procedimentos para ajudar na próxima tentativa.

No dia 16, a tripulação tentou novamente a transferência – que foi concluída nominalmente usando o procedimento atualizado e o BPA iniciou o ciclo de desidratação. Depois, foi feita uma pesquisa de medição de fluxo de ventilação intermodular (IMV) analisando a taxa de fluxo através de válvulas IMV no Node 1 Unity, a cúpula, Módulo Aeroespacial Expandido da Bigelow (BEAM), da câmara de vácuo Nanoracks Airlock (NRAL), o Node 3 Tranquility e o laboratório Destiny dos EUA. A tripulação não conseguiu completar a medição na porta de entrada do Avionics Air Assembly (AAA) do Oxygen Generator System (OGS) devido à falta de um adaptador OGS “Velocicalc”. Esta medição não seria necessária até 27 de janeiro de 2022, e as equipes de terra avaliaram as opções para prosseguir antes dessa data. Na mesma semana, houve uma perda de downlink 2 (D / L 2) devido à unidade de comunicação Ku (KCU) e à placa de interface de áudio e vídeo (AVIC): um problema no computador de placa única (SBC) – D / L 2 impossibilitou-o exibir vídeo. Este problema foi atribuído a um bloqueio KCU AVIC SBC e CRONUS e foi resolvido após uma reinicialização do KCU AVIC SBC de acordo com os procedimentos de recuperação padrão. Na sexta-feira, 17 de dezembro, o Mobile Transporter “MT” foi transferido com sucesso do Worksite (WS) 4 para o WS 2 sem violações de limite térmico. Houve uma preocupação sobre a violação potencial do Time To Limit (TTL) para o Conjunto de Pan-Tilt e mastro de iluminação e armação de câmera de SSRMS (CLPA). Com a conclusão desta transferência, o MT ficou pronto para suportar os eventos de lançamento e acoplamento da missão cargueira SpX-24, a ser lançada em 21 de dezembro.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

SpaceX lança satélite turco

Turksat 5B fará retransmissão comercial e militar para o governo da Turquia

Falcon 9 decola da SLC-40 (‘slick forty’) na Flórida

Um foguete americano Falcon 9 v1.2 FT BL5 nº B1067.3 lançou com sucesso um novo satélite turco de telecomunicações Turksat 5B em órbita na manhã de domingo, anunciou o desenvolvedor, a SpaceX.
O lançamento foi realizado às 22h58 do dia 18 de dezembro, horário da Costa Leste dos EUA (06:58 do dia 19 de dezembro, horário de Brasília), a partir do 40º complexo de lançamento da Base Aérea dos EUA no Cabo Canaveral, na Flórida.
Aproximadamente 34 minutos após o lançamento, uma espaçonave pesando 4,5 toneladas foi colocada em trajetória visando sua órbita geoestacionária, separando-se do segundo estágio e acionando seu motor . O Turksat-5B, projetado para fornecer televisão digital comercial e serviços de Internet de banda larga. é o quinto e mais poderoso satélite de telecomunicações da constelação orbital turca. Assim como o Turksat-5A, lançado em janeiro deste ano, o novo satélite é classificado como de quinta geração. Ele operará na banda Ku e oferecerá taxas de transferência de dados superiores a 55 Gbps. Isso permitirá aumentar a capacidade da constelação de satélites turcos em 15 vezes; possui transponders nas bandas Ku, Ka e X. Os transponders Ku destinam-se não apenas à transmissão de televisão, mas também ao controle do UAV ANKA-S (reconhecimento e ataque de classe MALE de UAVs), sobre o qual não houve menção no noticiário em idioma turco. A Internet de banda larga será fornecida através da banda Ka. Igualmente não foi mencionado nas notícias turcas que o Turksat-5B tem mais três transponders militares na banda X. O dispositivo foi construído pela Airbus Defense and Space Corporation e tem 25% de instrumentos produzidos na Turquia. Será usado pelo operador Turksat e cobrirá a Turquia, o Oriente Médio, o Golfo Pérsico, o Mar Vermelho, Mar Mediterrâneo, o Norte e o Leste da África. Sua vida útil é projetada para 15 anos.

O ‘core’ de primeiro estágio B1067.3 pousou na balsa-drone ‘A Shortfall of Gravitas‘, estacionada no Oceano Atlântico, cerca de 8 minutos e meio após a decolagem.

Foi o 133º vôo do Falcon 9, o trigésimo de 31 planejados para 2021, o 117º a ser lançado da Flórida e o 77º da plataforma SLC-40; foi o 3º voo do 1º estágio B1067; uma recuperação bem-sucedida seria a 99ª para a SpaceX, a 76ª no mar.

O ‘core’ de primeiro estágio fez um pouso bem-sucedido na balsa-drone ‘A Shortfall of Gravitas’ cerca de 8 minutos após o lançamento

Eventos da missão

00:01:12 Max Q (momento máximo de estresse mecânico no foguete)
00:02:33 Corte do motor principal de 1º estágio (MECO)
00:02:37 1º e 2º estágios separados
00:02:44 Motor de 2º estágio acende
00:03:24 Liberação da carenagem
00:06:27 Início da ignição de entrada do 1º estágio
00:06:51 Fim da ignição de entrada do 1º estágio
00:08:06 Corte do motor de 2º estágio (SECO)
00:08:19 Início da ignição de pouso do 1º estágio
00:08:42 Ignição de pouso do 1º estágio completa
00:26:43 O motor do 2º estágio é reiniciado
00:27:44 Corte do motor do 2º estágio (SECO-2)
00:32:45 Liberação do Turksat 5B

Foguete F9 BL 5 v1.2 FT

Estatísticas do lançamento do Turksat 5B

  • 2º voo dessas conchas de carenagem
  • 3º voo do estágio Falcon 9 B1067
  • 25º pouso bem-sucedido consecutivo de 1º estágio
  • 30º lançamento do ano pela SpaceX
  • 50º evento de concha de carenagem reutilizável
  • 76º pouso bem-sucedido de um estágio em balsa
  • 77º lançamento da SpaceX a partir da plataforma SLC-40
  • 99º pouso bem-sucedido de primeiro estágio
  • 108º lançamento consecutivo da SpaceX
  • 133º lançamento de um Falcon 9
  • 141º lançamento da SpaceX em geral
  • Recorde do menor intervalo de tempo entre os lançamentos da empresa (15 horas e 17 minutos)
  • Recorde do número de pousos de primeiro estágio bem-sucedidos consecutivos (25)
  • O menor intervalo de tempo entre os pousos na plataforma ASOG (16 dias).

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

SpaceX preparada para lançamento de satélite turco esta noite

Turksat 5B será a última missão comercial de satélite da empresa em 2021

Türksat 5B

O foguete Falcon 9 Block 5 FT número B1067.3 tem a tarefa de colocar o Turksat 5B em órbita geoestacionária de 36.000 km, onde irá, de acordo com as autoridades turcas, aumentar a capacidade do que o país atualmente tem em termos de comunicações. Ele vai se juntar ao 5A, que foi lançado em janeiro. O foguete deve decolar do Complexo de Lançamento Espacial 40 (SLC-40) na Estação da Força Espacial do Cabo Canaveral, na Flórida, numa janela de disparo que se abre às 03:58 UTC (00:58 Brasília). A janela de lançamento será de uma hora e meia, e uma oportunidade reserva está disponível no domingo, 19 de dezembro, com os mesmos 90 minutos.

O ‘core’ de primeiro estágio do foguete deverá pousar na balsa-drone A Shortfall of Gravitas, que está estacionada a cerca de 797 km da Florida, e as conchas da coifa de carga serão recuperadas pelo navio Bob.

O Falcon 9 liberará o Turksat-5B em uma órbita de transferência geoestacionária, e o satélite usará seu motor para ajustar sua trajetória até sua órbita operacional. Esta abordagem é comum para o lançamento de satélites geoestacionários, pois reduz a exigência sobre o foguete. Após a SECO-1 (‘second stage cut-off’, ou corte do motor do segundo estágio) em uma órbita de estacionamento inicial, o estágio superior e o satélite irão derivar até o momento da segunda ignição e, em seguida, a liberação da carga útil. Após a separação, o Turksat-5B estenderá seus painéis solares antenas de comunicação para manobrar o resto do trajeto para a órbita geoestacionária.

O projeto Türksat 5B começou em setembro de 2011. O contrato de produção final para a Turkish Aerospace Industries (TAI) foi planejado para 2015. Após um atraso, o contrato foi finalmente assinado em outubro de 2017, quando a Airbus Defence and Space foi selecionada para ingressar o projeto com 25% para a construção do satélite na Turquia, no que foi considertado um grande estímulo às iniciativas da telecomunicação do país. O satélite de comunicações vai servir em uma órbita geoestacionária a 42 ° de longitude leste. Foi construído com base num chassi Eurostar-3000EOR da Airbus Defense and Space, com uma massa de 4.500 kg e uma vida útil de projeto de 15 anos, com opção de extensão de manobra de mais de 35 anos. Alimentado por dois painéis solares e baterias de 15 kW, com capacidade de 50 Gbps de alto rendimento satélite com transmissores de banda Ku, banda Ka e Transponders de banda X. O aparelho também tem três transponders militares de banda X com cobertura global e que foram desenvolvidos pela Aselsan para uso pela Presidência Turca das Indústrias de Defesa (SSB / SSM).

Seção de cabeça do F9 BL5 B1067.3

A carenagem de cabeça do foguete foi usada anteriormente para o lançamento do satélite GPSIII SV05, e o ‘core’ B1067 suportou duas missões de espaçonaves, uma cargueira e outra tripulada Dragon – as CRS-22 e Crew-3.

A SpaceX está pronta para continuar a implementar o programa de satélites de comunicações produzido internamente na Turquia, com o Türksat 6A, em 2023. Depois de analisar as ofertas e opções de várias empresas, foi escolhido o foguete Falcon 9, “a melhor opção” em termos técnicos, administrativos e financeiros, disse o ministro dos Transportes e Infraestrutura, Adil Karaismailoğlu, em comunicado à imprensa. A Türksat e a SpaceX também assinaram um acordo a este respeito, acrescentou. O Turksat 6A será construído pelo Instituto de Pesquisa de Tecnologias Espaciais TÜBİTAK. A espaçonave operará de 42 graus a leste com uma carga útil de transponders de Ku- e X-band. Um Falcon 9 lançou o Turksat 5A em janeiro. Tanto o Turksat 5A quanto o 5B foram construídos pela Airbus Defense and Space. O Turksat 6A será o terceiro satélite Turksat lançado pela SpaceX. No comunicado, Karaismailoğlu disse que a montagem do satélite está programada para ser concluída antes do final do ano, com os testes ambientais do satélite terminando no final de 2022.

O ministro destacou que as fases de produção, integração e teste do satélite estão sendo conduzidas no Centro de Montagem, Integração e Teste de Sistemas Espaciais (AIT) na capital, Ankara. A previsão é que seja concluída em 2022. O projeto fará da Turquia um dos dez países que podem produzir seu próprio satélite de comunicações, sublinhou. O satélite está previsto para ser lançado no primeiro trimestre de 2023 e foi criado com a colaboração do Ministério de Transporte e Infraestrutura, bem como de organizações e empresas como a empresa líder de defesa ASELSAN, Turkish Aerospace Industries (TAI) e CTech, juntamente com a Türksat e o principal órgão científico do país, a Pesquisa Científica e Tecnológica Conselho da Turquia (TÜBITAK). Anteriormente, o Türksat 5A também foi lançado pela SpaceX em janeiro de 2021 e garantiu os direitos orbitais da Turquia pelos próximos 30 anos, cobrindo a Europa, o Oriente Médio e grandes regiões da África, bem como o Mediterrâneo, o Egeu e o Mar Negro região.

Outro Falcon 9 está programado para colocar uma espaçonave de carga para a estação espacial internacional no dia 21 de dezembro.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Starlink ‘Group 4-4’ – SpaceX lança mais 52 satélites de internet

This image has an empty alt attribute; its file name is d88a5-1fb64cef-19d0-44b4-a9be-53d54e15d174.jpeg
O Falcon 9 v1.2 FT B1051.11 decola de Vandenberg

O foguete Falcon 9 B1051.11 da SpaceX lançou 52 satélites Starlink (“Group 4-4”, Starlink-33), decolando do Complexo de Lançamento Espacial 4 Leste (SLC-4E) na Base da Força Espacial de Vandenberg na Califórnia, em 18 de dezembro de 2021, às 12:41 UTC (09:41 Brasília). Após a separação do ‘core’ de primeiro estágio, o segundo estágio prosseguiu para colocar a ‘pilha’ de satélites em órbita. Já o ‘core’ do Falcon 9 pousou na balsa-drone “Of Course I Still Love You”, estacionada no Oceano Atlântico. O primeiro estágio do Falcon 9 (B1051) anteriormente foi utilizado em dez lançamentos: SXM-7, RADARSAT Constellation Mission, Demo-1 (a primeira missão de demonstração da nave Crew Dragon) e sete outras missões Starlink. Este foi o 101º lançamento bem sucedido de um Falcon 9 consecutivamente.

Uma das conchas da carenagem de cabeça do foguete foi usada no lançamento do Sentinel 6A e do Starlink v1.0 L20 ; já a parte passiva não foi identificada pela SpaceX. Ao que consta ambas as concheas foram recobradas no Oceano Pacífico.

Os satélites de Internet colocados hoje em órbita assumiram um plano orbital inclinado em 53,2 graus em relação ao equador, a 550 km de altitude média.

This image has an empty alt attribute; its file name is forum.png

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

This image has an empty alt attribute; its file name is curso1.jpg

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Turistas espaciais japoneses voltam à Terra na madrugada do dia 20

Maezawa, seu secretário e um cosmonauta russo pousarão no Cazaquistão

Matthias Maurer e Yozo Hirano

Após doze dias a bordo da Estação Espacial Internacional , o empresário japonês Yusaku Maezawa e seu assistente de produção Yozo Hirano retornarão à Terra na noite de 19 para 20 de dezembro. A viagem de Maezawa foi organizada pela Space Adventures e o tornou o primeiro viajante espacial privado do Japão a visitar a ISS, e o primeiro com um secretário particular e cinebiógrafo. As transmissões ao vivo da despedida, fechamento da escotilha e da arterrissagem serão transmitidas pela TV da NASA e pela TV da Roskosmos. “Uma vez no espaço, você percebe o quanto vale a pena ter essa experiência incrível”, disse Maezawa durante uma entrevista à Associated Press. “E acredito que essa experiência incrível vai levar a outra coisa.”

De acordo com o programa de vôo, o pouso do veículo de descida da espaçonave Soyuz MS-20 está programado para 19/20 de dezembro (10:13 pm EST, 19 de dezembro – 00:13 do dia 20 em Brasília – a 148 km a sudeste da cidade de Zhezkazgan, no Cazaquistão). A tripulação composta pelo cosmonauta Alexander Misurkin e Maezawa e Hirano retornará à Terra de paraquedas. A tripulação foi lançada na Soyuz MS-20 do Cosmódromo de Baikonur em 8 de dezembro passado.

Veículos todo-terreno PEM-1 e PEM-2 Sinaya Ptisya

Equipes de busca e resgate do Distrito Militar Central da Rússia foram enviadas para o Cazaquistão para resgatar o módulo de descida da espaçonave Soyuz MS-20. O Distrito Militar Central convocou pessoal adicional da região de Chelyabinsk nos Urais para reforçar o grupo básico que garantirá a segurança da espaçonave. Em particular, cerca de 50 outras equipes de resgate foram transferidas para território cazaque, juntamente com oito helicópteros Mi-8 MPS e dois veículos de busca e evacuação PEM-1 e PEM-2 Sinaya Ptisya – ‘Pássaro Azul’; No geral, a operação de busca e resgate para o pouso seguro do módulo de descida envolve cerca de 200 equipes de resgate, doze helicópteros Mi-8, dois aviões An-12 e um An-26 e mais de 20 veículos motorizados, incluindo seis veículos ‘Pássaros Azuis’.

Mi-8MPS

As ambições espaciais de Maezawa o farão (se tudo correr como previsto) retornar ao espaço em 2023 para uma missão circunlunar a bordo da nave espacial Starship da SpaceX.

O astronauta alemão Matthias Maurer, que faz parte da tripulação da NASA a bordo da estação, disse que estes últimos dias foram divertidos: ” Em 8 de dezembro, recebemos Maezawa, Hirano e Alexander Misurkin . Eles voltarão à Terra na segunda-feira, mas não antes de Alexander e eu acertarmos as contas nas competições de badminton, que começamos na Rússia.”

Maezawa, CEO da Start Today, Ltd., é empresário de comércio eletrônico e colecionador de arte de renome mundial. Ele fundou a ZOZO, Ltd., uma empresa de varejo on-line de roupas de capital aberto, que foi vendidad para o Yahoo! Japão em 2019. Junto com a missão Soyuz MS-20 para a ISS, ele também planeja participar de uma missão circunlunar a bordo da nave espacial da SpaceX, atualmente programada para lançamento em 2023. Já Hirano ingressou na ZOZO, após se formar na universidade, onde se tornou o diretor de elenco da equipe de fotografia. Atualmente trabalha na SPACETODAY como produtor cinematográfico. Na ISS, foi responsável por documentar a missão de seu chefe Maezawa.

A Space Adventures organizou os voos dos primeiros astronautas privados do mundo (Dennis Tito, Mark Shuttleworth, Greg Olsen, Anousheh Ansari, Charles Simonyi, Richard Garriott e Guy Laliberté) e hoje oferece “uma variedade de missões de voos espaciais em órbita terrestre, na Estação Espacial Internacional e [possivelmente] à Lua”. A Space Adventures, empresa líder mundial em “experiências espaciais”, faz parceria com a Roskosmos há duas décadas, organizando o primeiro voo turístico espacial do mundo em 2001. Com a conclusão da missão de Maezawa, a empresa somou nove milionários a alcançar seus sonhos para lançar ao espaço.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Telescópio espacial Webb deve decolar dia 24

Técnicos da ESA e da Arianespace fecharam o satélite na coifa do foguete

Na noite de ontem (17), as equipes do centro espacial da Guiana concluíram o encapsulamento do observatório James Webb dentro da coifa de carga do foguete Ariane 5, completando a seção de cabeça do lançador. O telescópio espacial infravermelho tem agora confirmada sua data de lançamento para 24 de dezembro, às 12:20 GMT ( 09:20 hora de Brasília). A análise final de preparação do lançamento será realizada na terça-feira, 21 de dezembro e, se bem-sucedida, a implementação das tarefas relativas ao seu transporte para a plataforma e a atividade relacionada à decolagem estão planejadas para o dia seguinte, 22.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

China: lançamento duplo fracassa

Dois satélites de auxílio à direção autônoma de carros são perdidos

Um foguete Kuaizhou 1A sofreu pane após lançado de Jiuquan

O lançamento de dois de satélites comerciais GeeSAT, transportados por um foguete Kuaizhou-1A nº Y16, não teve sucesso, disse o centro de lançamento em um comunicado hoje quarta-feira, 15 de dezembro de 2021. Um ‘desempenho anormal’ foi detectado durante o vôo do foguete, que decolou do Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan, no noroeste da China, às 10h (horário de Pequim). O lançamento visava colocar os GeeSAT-1A e 1B em uma órbita de 600 x 600 km, com inclinação de cerca de 50º. O foguete de combustível sólido está a serviço da empresa chinesa ExPace, também conhecida como ExPace Technology Corporation, estabelecida como subsidiária da China Aerospace Science and Technology Corporation (CASC) em 2016. A subsidiária permitiu que a CASC entrasse no mercado de lançamentos comerciais.

Satélites na coifa do foguete-portador

Segundo a mídia oficial chinesa, “às 10:00 de 15 de dezembro, a China usou um foguete Kuaizhou-1A para lançar um lançamento comercial duplo, de dois satélites GeeSAT do Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan. O foguete voou de forma anormal e a missão de lançamento falhou. As razões específicas [do fracasso] estão sendo analisadas e investigadas.”

O lançamento de hoje foi o 14º do modelo de foguete KZ-1/1A. O KZ-1 tem três estágios de combustível sólido e um quarto de combustível líquido que é integrado com a espaçonave e não se separa após o lançamento – reduzindo a massa total integrando o controle de atitude, eletricidade, telemetria, de controle e propulsão do estágio superior e do satélite em uma unidade. O foguete tem 20 metros de comprimento e massa de 30 toneladas, compreendendo os três estágios básicos e o módulo de controle de atitude à guisa de estágio superior, para finalizar a inserção orbital. Os modelos KZ-1 / 1A são baseados no míssil DF-21, adicionando dois estágios superiores adicionais para criar um veículo orbital de alta precisão e de baixo custo, com prontidão de lançamento rápido quando necessário. O Kuaizhou-1A usa o mesmo veículo básico de três estágios mais o estágio superior com combustível líquido, porém permite cargas úteis separáveis ​​para maior flexibilidade. O KZ-1 pode colocar cargas úteis de até 400 kg em uma órbita síncrona com o Sol, enquanto o KZ-1A pode transportar cerca de 225 kg em uma órbita similar de 500 km.

Foguete Kuaizhou

Ano passado, a Estação Terrestre de Daoyu Korla, contruída pela montadora Geely para sua subsidiária Geespace foi inaugurada, o que significou que uma parte importante do equipamento de solo no sistema de navegação baseado no espaço GEESAT-1 estava pronto. Cada GeeSat é uma espaçonave de formato de prisma de base quadrangular e 130 kg de massa no lançamento, e dispõe de uma carga útil de radiofarol e equipamentos de recepção e transmissão, bem como um relógio de alta precisão e sistema de triangulação de posição. Estes seriam os dois primeiros satélites da Geespace, e iriam testar a tecnologia de à navegação e conectividade remota para direção autônoma de veículos terrestres.

Foto atribuída aos GeeSat

De acordo com o plano, a Shikong Daoyu construiu estações terrestres em Taizhou, Korla, Hulunbuir e Shenzhen. Taizhou é a principal estação terrestre e o centro de controle de missão de satélite, e as estações terrenas em Korla, Hulunbuir e Shenzhen são operadas remotamente pelo Centro de controle de missão, adotando uma operação automática e modo de trabalho autônomo. Atualmente, a Estação Terrestre Korla foi concluída antes e a Estação Taizhou está ficou pronta meses depois. Atualmente, a empresa continuará a construção do sistema de verificação de serviços de aprimoramento de navegação GEESAT-1 baseado no espaço.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Russia prepara Progress MS para voo de doze meses

Espaçonave decola em fevereiro para reabestecer a estação espacial

O lançamento do foguete Soyuz-2.1a com o cargueiro espacial Progress MS-19 (espaçonave nº449) sob o programa da 80ª missão de abastecimento da ISS está agendado para 15 de fevereiro de 2022 a partir do cosmódromo de Baikonur – de acordo com o projeto, o Progress, terá que ficar acoplado na Estação Espacial Internacional por até 370 dias. No cosmódromo, continua a preparação da nave para o voo, no programa da 80ª missão de abastecimento da Estação Espacial Internacional. Na última semana, de acordo com o cronograma, a espaçonave foi entregue na câmara anecóica do prédio de montagem e teste (MIK) da Área 254 para testes elétricos. A câmara anecóica da Área 254 é uma sala especializada coberta por dentro com material radioabsorvente para simular as condições do espaço exterior. Os especialistas da RKK Energia, produtora da espaçonave, e do Centro Yuzhny, responsável pelo apoio de solo, realizaram operações para verificar o funcionamento dos equipamentos de rádio a bordo do Progress MS-19. Após a conclusão, a espaçonave foi levada ao prédio de montagem e teste para os testes de vácuo pneumático.
Na semana passada, especialistas da Energia e empresas da Roskosmos realizaram testes da espaçonave para verificar a prontidão de seus sistemas para lançamento. Após a conclusão das atividades, o Progress MS-19 foi entregue ao prédio 103 e colocado na câmara de vácuo 17Т523МR. O ciclo seguinte de seis dias de testes de vácuo pneumático usando hélio e ar comprimidos foi realizado a fim de controlar a estanqueidade da espaçonave nas condições do solo.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

FAA americana e AEB concordam em estudar viabilidade de voos espaciais a partir de solo brasileiro

Documento de intenções pode facilitar operações comerciais espaciais dos EUA no Brasil

A Federal Aviation Administration – FAA – dos Estados Unidos e a Agência Espacial Brasileira, em encontro realizado em 2 de dezembro de 2021, assinaram uma declaração conjunta de intenções para designar pessoas em ambas as partes para aprovar licenças e autorizações.

No escopo do manifesto, estão a realização de estudos de impacto ambiental por parte da entidade brasileira de meio-ambiente (IBAMA), relatórios sobre segurança e ‘safety’ de atividades aeroespaciais em solo e espaço aéreo brasileiro com participação de entidades americanas;
estabelecimento de diretrizes para a emissão de avisos de zonas de exclusão pré- e durante- lançamentos e reentradas /retorno de veículos espaciais e atividades correlatas.

Assinaram o acordo o Administrador Associado para Transporte Espacial Comercial da FAA, Wayne Montheith, e o Presidente da AEB, Carlos A. Teixeira de Moura.

O documento pode ser baixado em
https://www.faa.gov/space/additional_information/international_affairs/media/Brazil_DOI_Signed_Final_Fully_Executed.pdf

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

China lança satélite de retransmissão

Foguete Longa Marcha 3B colocou o Tianlian II-02 em órbita

Lançamento a partir de Xichang

O foguete chinês Longa Marcha 3B decolou do Centro de Lançamento de Satélites Xichang hoje, 13 de dezembro, por volta de 09:09 hora de Pequim (dia 14), 16:09 UTC (13:09 Brasília) e colocou em órbita um satélite de comunicações. Segundo informações, a carga útil foi o satélite de retransmissão Tianlian-2-02, o segundo da nova geração de satélites de retransmissão de dados TL-2. Foi o 401º foguete Longa Marcha lançado. Os foguetes da família já haviam acumulado 400 lançamentos em dezembro de 2021. Destes, 382 foram bem-sucedidos, onze foram falhas e sete foram falhas parciais. A taxa de sucesso cumulativa é de 95,5%.

Os satélites Tianlian ( em chinês 天 链 二号, Corrente Celeste II ) são semelhantes em função aos aparelhos de rastreamento e retransmissão de dados da NASA, que começaram a ser lançados na década de 1980 para apoiar missões de ônibus espaciais. O primeiro Tianlian de série 2 usa seu motor de bordo para entrar em sua órbita geoestacionária. Seu “slot” operacional em órbita não é divulgado pelas autoridades chinesas. Comparados aos satélites Tianlian 1 anteriores, os Tianlian 2 permitem taxas de transmissão de dados mais rápidas entre estações terrestres e espaçonaves em órbita baixa, e são capazes de se conectar a mais espaçonaves ao mesmo tempo, de acordo com a mídia estatal chinesa. Este sistema de satélite representa um progresso no planejamento de missão e no gerenciamento do sistema em comparação com o sistema Tianlian I.

Tianlian

O satélite foi desenvolvido pela Divisão de Comunicações de Satélite da Quinta Academia e adotou o chassi Dongfanghong 4 (DFH-4). É usado principalmente para retransmissão de dados e serviços de telemedição e controle para espaçonaves tripuladas, laboratórios de tecnologia espacial e estações espaciais. As capacidades do satélite de retransmissão de dados da China estão entre as mais ativas do mundo. Após a conclusão do sistema Tianlian-1, a China alcançou um grande avanço na medição e controle com base no espaço e na transmissão de informações com capacidade de cobertura global e vantagens de alta cobertura em tempo real, taxa de transmissão e relação de custo eficiente. Oferece retransmissão de dados e controle para o encontro e acoplamento das espaçonaves das séries Tiangong-1 e Shenzhou. Em resposta às necessidades de construção de engenharia espacial tripulada foi iniciado o trabalho de pesquisa do sistema Tianlian-2. Em termos de seleção de plataforma, em comparação com o satélite Tianlian-1 baseado na variação do DFH3, a plataforma Dongsan, o Tianlian-2 01 usa a plataforma DFH4 Dongsi, que possui melhor desempenho, maior carga e maior vida útil. Em termos de configuração de carga, o satélite Tianlian-2 01 está equipado com várias novas antenas. “Por causa dessas novas antenas, a capacidade de transmissão de dados da segunda geração foi muito melhorada em comparação com a primeira geração, e a taxa de transmissão dobrou” diz Zhao Hong, designer-chefe da ‘Sky Chain’.

O Tianlian-2 02 será compartilhado com o sistema Tianlian-1. Atualmente, o sistema está operando de forma estável. “O Tianlian-2 02 será adicionado ao sistema retransmissor de dados chinês a como um novo ativo na aplicação de satélites”, disse Wang Jiasheng, projetista-chefe dos satélites 01, 02 e 03 e engenheiro-chefe do projeto Tianlian II.

Changzheng san B

O veículo de lançamento Longa Marcha 3B é um foguete de três estágios desenvolvido com base nos foguetes Longa Marcha 3A e Longa Marcha 2. O estágio principal é basicamente o mesmo que o Longa Marcha 3A. A estrutura é basicamente a mesma que o foguete CZ 2, que tem o feixe de quatro boosters de propelentes líquidos iguais ao foguete Longa Marcha 2 em torno do primeiro estágio do CZ 3A, e o segundo estágio é aumentado. O CZ3B é atualmente o principal foguete da China para o lançamento de satélites em órbita alta. A capacidade em órbita geossíncrona deste modelo é aumentada para 5.500 kg, o coloca entre os maiores foguetes do mundo.

A principal tarefa do “Changzheng san B” é lançar satélites pesados ​​em órbitas de transferência geossíncrona e satélites leves múltiplos . O preço de lançamento é de cerca de 70 milhões de dólares americanos. Em agosto de 1998, o foguete colocou com sucesso o satélite de comunicações filipino Mabuhai-1 , de 3.770 kg, na órbita programada, e desde então empreendeu muitas missões de lançamento de satélites de comunicações domésticas e internacionais.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Rússia lança mais dois satélites de comunicações

Foguete Proton decolou de Baikonur

Foguete 8K82KM Proton decola de Baikonur

Em 13 de dezembro de 2021, às 15:07, horário de Moscou (10:07 hora de Brasília) as espaçonaves Express-AMU7 e Express-AMU3 foram lançadas em pares do cosmódromo de Baikonur usando o veículo de lançamento Proton-M com o estágio superior Briz-M. O foguete Proton-M (nº 53546), de 58,2 metros e 706 toneladas, com dois satélites de telecomunicações foi lançado a partir da plataforma 39 da Área 200. A cabeça espacial do foguete com o estágio superior Briz-M e dois satélites de telecomunicações separou-se com sucesso do terceiro estágio. “Houve a separação da unidade principal do terceiro estágio do veículo lançador”, disse o comentarista do lançamento. O Express-AMU7 se separarou do estágio superior em 17 horas e 50 minutos após o lançamento e o Express-AMU3 em 18 horas e 7 minutos.

As espaçonave serão manobradas usando sistemas de propulsão que incluem dois motores SPD-100V e um motor SPD-140D. O prazo para colocação na posição de ‘estacionamento’ do Express-AMU7 não será superior a 56 dias, e do Express-AMU3 não superior a 59 dias.

A primeira ativação e desativação do estágio superior Breeze-M em órbita ocorreu normalmente, disse Dmitry Rogozin, diretor geral da Roscksmos. Anteriormente, Rogozin disse que o lançamento do Proton-M fora adiado de 6 para 12 de dezembro devido à necessidade de preparar o estágio superior. Posteriormente, a estatal informou que os especialistas do Centro. MV Khrunichev eliminou o problema. Porém, em 9 de dezembro, a Roskosmos anunciou o adiamento para a data reserva devido a outros problemas identificados no estágio superior. Posteriormente, a estatal informou que a decolagem estava marcada para 13 de dezembro.

As espaçonaves Express-AMU7 e Express-AMU3 são veículos comerciais de telecomunicações geoestacionários de classe média, fabricados pela empresa Informatsionnyye Sputnikovyye Sistemy (Sistemas de Satélite de Informação) M.F. Reshetnev com base na plataforma de satélite Express-1000N no interesse da operadora de satélite russa FGUP Kosmicheskaya Svyaz’i para o desenvolvimento da constelação orbital da Federação Russa.

Mapa da trajetória de lançamento

A espaçonave Express-AMU7 é projetada para operar em uma posição orbital de 145 ° de longitude leste e está equipada com 16 transponders ativos e dois adicionais operando através do uso de equipamento de backup na banda C, 20 transponders ativos na banda Ku e 1 transponder ativo na banda L. A nave espacial inclui uma carga útil projetada para recepção, amplificação de baixo ruído e conversão de frequência do sinal recebido, de acordo com a largura de banda do canal, bem como retransmissão do sinal recebido.

A nave Express-AMU3 foi projetada para operar em uma posição orbital de 103 ° E e está equipada com 7 transponders ativos na banda C e dois transponders ativos na banda L. A banda Ku tem uma arquitetura reconfigurável: 8 transponders ativos (Missão 1) e 22 transponders ativos (Missão 2); Inclui uma carga útil projetada para recepção, amplificação de baixo ruído e conversão de frequência do sinal recebido, de acordo com a largura de banda do canal, bem como retransmissão do sinal recebido.

Foguete Proton

Para o vôo do foguete Proton-M, uma rota foi usada com áreas destacadas de queda das partes descartadas. Este caminho ofereceu uma inclinação da órbita de referência de 51,55 °. Após a separação do bloco orbital do veículo lançador, uma nova injeção em órbita alvo foi realizada pelo estágio superior de acordo com um esquema de injeção típico com 5 ignições do motor principal. Para o vôo um esquema de lançamento energeticamente vantajoso , como dizem os russos, com aceleração adicional foi usado, no qual o foguete traz a unidade orbital para uma trajetória suborbital aberta, e o estágio Briz-M realiza o disparo adicional da unidade na órbita de referência. A duração total desde o lançamento até o momento de separação da primeira espaçonave Express-AMU7 será de 17 horas e 50 minutos e para a Express-AMU3, 18 horas 7 minutos.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Rússia: foguete Proton-M lança dois satélites amanhã

Espaçonaves Ekspress farão cobertura de telecomunicações

Foguete 8K82K sendo instalado na plataforma de disparo

No cosmódromo Baikonur, continuam os preparativos para o lançamento do foguete Proton-M nº 6304837974 com o estágio superior Briz-M (93706/99575) com os satélites Express-AMU3 e Express-AMU7 , que está programado para amanhã, 13 de dezembro de 2021 às 15h07 no horário de Moscou (09:07 hora de Brasília). No sábado, 11 de dezembro, no complexo de lançamento da Área 200, os trabalhos começaram de acordo com a programação do dia de lançamento.
Há poucos dias, a equipe conjunta do cosmódromo realizou o transporte do foguete do prédio de montagem e teste (MIK) da Área nº 92A-50 para a posição de abastecimento. Lá, os tanques de baixa pressão do estágio superior Briz-M foram abastecidos com propelentes e gases comprimidos.

Seção baia de motores do Proton pouco antes da colocação na mesa de lançamento

Na manhã de sábado, o foguete foi levado ao complexo de lançamento pela carreta de transporte e instalação 8T184K, montado na mesa de disparo pelo dispositivo de instalação 8U260M no lançador nº 39 e colocado na posição vertical. Após a chegada torre deslizante de preparação 8T185, os técnicos da Roskosmos deram início aos trabalhos de conexão elétrica e hidropneumática. Ao longo de vários dias, foram realizadas inspeções autônomas da espaçonave, veículo de lançamento, estágio superior, bem como as operações finais do sistema de controle do foguete.

Foguete sendo envolvido pela torre de preparação

As espaçonaves Express são satélites comerciais de telecomunicações geoestacionários de classe média, fabricados pela empresa Informatsionnyye Sputnikovyye Sistemy – Sistemas de Satélite de Informação – MF Reshetnev (outra afiliada da Roskosmos ) para o desenvolvimento da constelação orbital da Federação Russa. Destinam-se a serviços fixos e móveis, televisão digital e radiodifusão, acesso à Internet de alta velocidade, bem como transmissão de dados na Rússia e em países associados nas bandas C, Ku e L.

Satélite em preparação

Os Express-AMU3 e Express-AMU7 foram criados pela Reshetnev para “prover serviços de comunicação e radiodifusão de alta qualidade a pedido do operador nacional FGUP Kosmicheskaya Svyaz (Comunicação Espacial)”. Eles são construídos com base no chassi Express-1000N. Já a carga útil é projetada e fabricada pelo parceiro europeu Thales Alenia Space. Pela primeira vez na prática da Reshetnev, uma parte do equipamento de carga útil de um satélite comercial foi fabricada por um terceirizado. O refletor de uma das antenas do Express-AMU7 foi fabricado pela Reshetnev por encomenda da Thales Alenia.

Checagem do satélite

O Ekspress AMU 3 tem 2.150 kg e será estacionado em 103°E; o Ekspress AMU 7, de 1.980 kg, ficará localizado em 145°E.

Durante a produção, os dois veículos passaram por um ciclo completo de testes de solo e foram enviados ao cosmódromo de Baikonur. Um Antonov An-124 Ruslan foi usado para transportar as espaçonaves . Em 18 de outubro de 2021, eles foram entregues ao cosmódromo e foram preparados para lançamento. Os AMU3 e AMU7 serão lançados em órbita geoestacionária em duas manobras. O veículo Proton-M e seu estágio superior Briz-M os levarão à órbita de transferência geossíncrona, então, utilizando seus próprios motores de correção, os satélites chegarão aos seus pontos “de estação”, onde serão utilizados para testes de vôo. A vida útil garantida das espaçonaves é de 15 anos.

Transporte e instalação do foguete na plataforma
Foguete na carreta de transporte

O foguete Proton-M e o estágio Briz-M foram desenvolvidos e produzidos pela GKNPTs Khrunichev. É um grande aparelho de 58,7 metros de comprimento, 7,44 metros de largura e 705 toneladas de peso. O Proton-M tem doze motores (seis RD-276 no primeiro estágio, três RD-0210 e um RD-0211 no segundo, e um RD-0213 de propulsão principal e um motor de direção RD-0214 no terceiro. Desde 1965, foram feitos 425 lançamentos de várias modificações do foguete Proton – inicialmente pelo modelo UR-500 e depois pelos 8K82 e 8K82K, batizados de ‘Proton’ por conta dos primeiros satélites lançados por este tipo de foguete. O uso do estágio superior Breeze-M como parte do Proton-M tornou possível aumentar a massa de carga em órbita geoestacionária para 3,5 toneladas, e mais de 6 toneladas na órbita de transferência. O primeiro lançamento do Proton-M – Briz-M foi realizado em 7 de abril de 2001.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Blue Origin envia mais uma equipe de turistas ao espaço

Missão bem-sucedida confirma confiabilidade do sistema suborbital de Jeff Bezos

Decolagem do foguete New Shepard na missão NS-19

A Blue Origin de Jeff Bezos marcou mais um voo espacial suborbital turístico na manhã de hoje, 11 de dezembro de 2021, com o voo NS-19, o qual transportou como passageiros o empresário Lane Bess, seu filho Cameron Bess, o executivo Evan Dick, a filantropa Laura Shepard Churchley, o ex-jogador da NFL Michael Strahan e Dylan Taylor, também empresário.
O esportista Strahan foi a “estrela” do vôo 19 do New Shepard, enquanto , Laura foi também motivo de atração, uma vez que é filha do primeiro astronauta americano, Alan B. Shepard Jr, que em 1961 fez um voo suborbital a bordo de uma espaçonave, a Mercury-Redstone 3.

A espaçonave decolou às 10:00 EST (12:00 de Brasília) e subiu a uma altitude de 105,8 km, acima da “fronteira” internacionalmente reconhecida de 100 km de altura – com o foguete propulsor acelerando-a a uma velocidade máxima de 3.611 km/h, antes de desprender-se e fazer um arco, para começar o mergulho de volta à Terra após cerca de três minutos ‘sem gravidade’. A bordo da cápsula ejetada do módulo de propulsão cerca de dois minutos e 45 segundos após a decolagem, Churchley, Strahan, Dick, Taylor, e Bess pai e filho experimentaram a ‘ausência de gravidade’, livres para desamarrar-se dos assentos e flutuar dentro da cabine enquanto ela subia em uma trajetória balística.
“Olhem só… meu Deus!” um dos passageiros exclamou em meio a risos e alegria contemplando a vista da Terra e a escuridão do espaço através das grandes janelas da cápsula.

A Blue Origin lançou mais uma equipe, desta vez de seis pessoas, até a “fronteira” do espaço – a bordo da nave suborbital New Shepard (da esquerda para a direita): Dylan Taylor, Lane Bess e seu filho Cameron, Laura Shepard Churchley, Michael Strahan e Evan Dick. foto – Blue Origin

O foguete reutilizável New Shepard Propulsion Module 4 desceu de volta para um pouso perfeito cerca de oito minutos após a decolagem. A cápsula da tripulação RSS First Step, descendo em três paraquedas de 24 metros, fez o mesmo dois minutos depois, aterrissando em meio a uma nuvem de poeira para encerrar um vôo de 10 minutos e 13 segundos. O proprietário da Blue Origin, Jeff Bezos, e o pessoal de recuperação chegaram ao local em minutos para abrir a escotilha e dar as boas-vindas à tripulação de volta à Terra.

Cápsula RSS First Step após o pouso de paraquedas

Os quatro companheiros de tripulação dos convidados especiais Laura e Strahan compraram suas passagens por valores não revelados. A Blue Origin não revela seus preços e, até agora, nenhum passageiro ofereceu detalhes. Mas Lane Bess, brincando, disse a Bezos depois da aterrissagem : “Vou voar de novo. Coloque-me na fila! ”

Os turistas-astronautas após a aterrissagem

“Bem-vindos de volta, pessoal”, dissera Bezos após abrir a escotilha. Strahan foi o primeiro a sair, sorrindo, abraçando o fundador da Amazon e cumprimentando sua família. Churchley disse a Bezos que pensou no voo de seu pai no Mercury Freedom 7, uma pequena cápsula com um periscopio enquanto ela conseguiu flutuar livre de seu assento e ter uma vista panorâmica da Terra abaixo.

Lance e Cameron Bess, primeiros pai e filho viajantes espaciais suborbitais num mesmo voo

Laura Shepard Churchley atua como presidente do Conselho de Curadores da Astronaut Scholarship Foundation, que arrecada fundos e oferece orientação para estudantes universitários e bolsistas em áreas STEM. Bess fundou a Bess Ventures and Advisory, onde atua como fundador e diretor. Seu filho, Cameron, acompanhou-o a bordo no NS-19, tornando-os a primeira dupla de pais e filhos a voar juntos para o espaço.
Já Michael T. Strahan é apresentador de televisão, jornalista e ex-profissional de futebol americano. Ele jogou todas as 15 temporadas de sua carreira com o New York Giants da National Football League. Strahan atualmente detém o recorde reconhecido da liga em uma única temporada de ‘sacks’ de zagueiros em uma temporada, e ajudou os Giants a vencerem o Super Bowl XLII sobre o New England Patriots em sua última temporada em 2007.
Dylan Taylor é um executivo americano e ‘superinvestidor anjo’ na indústria do ramo NewSpace. Ele é presidente e CEO da Voyager Space Holdings.

A 19ª missão New Shepard – NS-19 – foi o terceiro vôo da Blue Origin com passageiros a bordo, e o primeiro com uma tripulação completa de seis membros. O proprietário da Blue , Bezos, seu irmão Mark, a pioneira da aviação Wally Funk, de 82 anos, e o adolescente holandês Oliver Daemen decolaram em 20 de julho no primeiro voo da empresa.
A missão de hoje marca o sétimo voo espacial suborbital não governamental comercial pilotado em uma competição de alto risco entre a Blue Origin de Bezos e a Virgin Galactic, de propriedade do colega bilionário Richard Branson. A Virgin lançou quatro voos tripulados de seu avião espacial VSS Unity, mais recentemente enviando Branson, dois pilotos e três companheiros em 11 de julho. A Blue Origin acompanhou o voo de Bezos lançando um conjunto de experimentos da NASA em uma missão não-tripulada em 26 de agosto. Então, em 13 de outubro, o ator William Shatner – Capitão Kirk de “Star Trek” – e três tripulantes foram lançados no 18º voo da empresa em geral e o segundo com passageiros a bordo.

Jeff Bezos, o bilionário dono da Blue Origin, não tem a legião de fãs nem o apoio de grande parte da mídia e dos portais de notícias espaciais americanos oferecem a Elon Musk, o controverso dono da SpaceX. Entre os bilionários espaciais -divide o panteão da glória dos novos-ricos ‘desbravadores comerciais do espaço’, Bezos e sua Blue Origin são vistos como o ‘patinho feio’ da nova era de voos turísticos ao espaço. Se por um lado a Blue tem mesmo graves pecados – comprometeu-se a entregar um motor BE-4 para um cliente, a ULA que produz os foguetes Atlas e Vulcan e ainda não o fez, e avança a passos de tartaruga para colocar em atividade um foguete de carga pesada “New Glenn”, por outro Bezos está inequivocamente à frente de Elon Musk e Richard Branson no turismo espacial, atrás apenas da Rússia, que é a verdadeira líder do mercado de turismo espacial. Os russos, em parceria com a empresa americana Space Adventures já lançaram quase uma dezena de turistas em voos espaciais à estação espacial internacional, enquanto a SpaceX de Musk realizou apenas um voo espacial com quatro turistas a bordo, com Bezos já tendo lançado a si mesmo ao espaço em sua nave e depois repetindo mais dois voos suborbitais com passageiros pagantes. Branson, da Virgin Galactic, também se aventurou no seu espaçoplano VSS Unity e o disponibiliza para voos suborbitais. Coincidentemente, dois turistas japoneses estão neste momento a bordo da ISS, vindos numa nave Soyuz especialmente designada para o voo turístico, e uma segunda espaçonave já foi encomendada para uma futura missão semelhante.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Galactic Energy chinesa coloca cinco satélites em órbita em seu segundo lançamento

Ceres 1 decolou de Jiuquan

O foguete de propelente sólido Ceres-1 nº Y2 de quatro estágios decolou do Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan no Deserto de Gobi às 20h13 de terça-feira, dia 7 de dezembro de 2021 (dia 6 na hora de Brasilia), colocando cinco satélites em uma órbita sincronizada com o Sol de aproximadamente 500 quilômetros. O Tianjin University-1 é um satélite de sensoriamento remoto infravermelho desenvolvido pela Changguang Satellite Technology, um operador de constelação de sensoriamento baseado em Changchun e derivado do CIOMP da Academia Chinesa de Ciências.

O Tianjin University 1, um satélite de observação infravermelho da Changguang Satellite Company, Baoyun do Tianyi Research Institute, o Lize 1, satélite de experimento científico, o Jinzijing 5 (Golden Bauhinia-5) , um satélite de sensoriamento remoto de Zhongke Xingrui, e o Jinzijing 1 03 (Golden Bauhinia-1-03), outro satélite de sensoriamento remoto.

Os Lize-1 e Baoyun são satélites de experimentos científicos desenvolvidos pela Spacety, baseada em Changsha. O Lize-1 é um teste de uma nova plataforma e para testes de constelações, com o envolvimento de duas empresas privadas. O Baoyun de aproximadamente 20 quilos carrega uma carga útil de detecção de ocultação GNSS da Tianjin Yunyao Aerospace Technology Co., Ltd., e uma carga útil de computação inteligente como parte dos testes para uma constelação de plataforma de código aberto ” Tiansuan ” planejada para prover banda larga em órbita baixa e potencialmente futuros serviços 6G, em parceria com a Universidade de Correios e Telecomunicações de Pequim. O satélite também carrega uma carga útil experimental para a Universidade Beihang e uma câmera de uso comercial Xiaomi.

O Golden Bauhinia-5 é um satélite de sensoriamento remoto desenvolvido pela Starwiz (Zhongke Xingrui Technology (Beijing) Co., Ltd.) para o Hong Kong Aerospace Technology Group Limited (HKATG). A última carga é o outro satélite de sensoriamento remoto Golden Bauhinia-1 (03) desenvolvido pelo ZeroG Lab para a HKATG, com sede em Pequim.

Cinco satélites foram catalogados neste lançamento:

2021-118A / 49812 em 483 x 499 km x 97,39 °
2021-118B / 49813 em 486 x 502 km x 97,39 °
2021-118C / 49814 em 473 x 502 km x 97,41 °
2021-118D / 49815 em 474 x 504 km x 97,39 °
2021-118E / 49816 em 478 x 503 km x 97,39 °

O lançamento segue o primeiro da empresa em novembro de 2020, o que tornou a Galactic Energy a segunda empresa de foguetes privada chinesa a entrar em órbita, após o sucesso do iSpace em julho de 2019. O foguete Ceres-1 foi patrocinado pela Ping An Bank, tendo a logomarca impressa no casco.
O foguete Ceres-1 tem um diâmetro de 1,4 metros, comprimento de cerca de 20 metros, um peso de decolagem de cerca de 33 toneladas e um estágio superior de propelente líquido. Ele pode transportar 300 quilogramas de carga útil em uma órbita SSO de 500 quilômetros. A Galactic Energy afirma que fez uma série de melhorias no Ceres-1 desde o primeiro lançamento, aprimorando os motores de segundo e terceiro estágios e introduzindo compostos de fibra de carbono, aumentando a relação empuxo-peso, capacidade de carga útil e desempenho geral do lançador. A Galactic planeja completar cinco missões de lançamento comercial em 2022 e acelerar ainda mais o desenvolvimento um foguete reutilizável de dois estágios, conhecido como PALLAS-1.

O lançamento foi o 48º do ano para a China e estendeu o recorde de lançamentos do país em um ano. A grande maioria foram de foguetes Longa Marcha realizados pela China Aerospace Science and Technology Corp., (CASC), com exceção do lançamento dos Ceres-1, três lançamentos Kuaizhou-1A e duas tentativas da iSpace.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

China: Foguete Longa Marcha 4B coloca dois satélites em órbita

Decolagem do 400º Longa Marcha foi feita a partir de Jiuquan

A China lançou hoje, sexta-feira 10 de dezembro de 2021, usando um foguete Longa Marcha-4B nº Y47 (CZ-4B, Changzheng-4B), dois satélites Shijian-6 05 (Shi Jian 6 hao-05 zu A-xing e B-xing). O lançamento ocorreu às 08h11 (21h11, do dia 9, hora de Brasilia), no espaçoporto de Jiuquan (noroeste da província de Gansu). Este foi o primeiro par de espaçonaves SJ-6 lançado desde 2010.

Os lançamentos de satélites de Jiuquan normalmente ocorrem a partir da plataforma de lançamento 9401/SLS-2, usando os veículos de lançamento Longa Marcha 2, Longa Marcha 4 e Longa Marcha 11. A SLS-1 é outra plataforma, usada para lançamentos tripulados Shenzhou em foguetes Longa Marcha 2F.

Conforme divulgado, os veículos serão usados ​​para “exploração espacial e teste de novas tecnologias”. Este lançamento marca o 400º lançamento dos foguetes da série Changzheng.

O Chang Zheng 4B é um foguete de 44,1 metros de altura e 3,35 metros de largura, equipado com três estágios, todos usando propelentes N2O4 / UDMH. O primeiro estágio é movido por quatro motores YF-21C, gerando 2.961,6 kilonewtons (kN) de empuxo. O segundo estágio está equipado com um único motor YF-24C com empuxo de 742,04 kN. O terceiro estágio é equipado com dois motores YF-40 com 100,85 kN de empuxo. O CZ-4B é capaz de colocar até 4.200 kg para uma órbita baixa, 2.800 kg para uma órbita polar sincronizada com o Sol ou 1.500 kg para uma órbita de transferência geoestacionária.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

NASA: Espaçonave de pesquisa de raios-X lançada com sucesso

Foguete Falcon 9 levou a IXPE ao espaço

A espaçonave Imaging X-ray Polarimetry Explorer (IXPE) da NASA foi lançada às 03:00 h de Brasília nesta quinta-feira, 9 de dezembro de 2021, em um foguete da SpaceX, o Falcon 9 B1061.2 do Kennedy Space Center da NASA na Flórida. O primeiro estágio “core” B1061.5 pousou na barca-drone Just Read The Instructions, estacionada no oceano Atlântico.

Eventos da missão
00:01:12 Max Q (momento máximo de estresse mecânico no foguete)
00:02:32 Corte do motor principal de 1º estágio (MECO)
00:02:36 1º e 2º estágio separados
00:02:44 Motor de 2º estágio se inicia
00:03:37 Separação de carenagem
00:06:19 Início da queima de entrada do 1º estágio
00:06:47 Queima de entrada de primeiro estágio completa
00:08:04 Corte do motor de 2º estágio (SECO-1)
00:08:10 Início da ignição de pouso do 1º estágio
00:08:35 Queima de pouso do 1º estágio completa
00:28:51 Motor de 2º estágio se inicia
00:29:51 Corte do motor de 2º estágio (SECO-2)
00:33:22 Satélite IXPE ejetado

Apesar da pequena massa do satélite (320 kg), o Falcon 9 teve que desempenhar para colocá-lo em uma órbita quase equatorial com uma inclinação de 0,5 °. O lançamento do Cabo Canaveral, que está 28,5 ° acima do equador verdadeiro, é lançado fisicamente diretamente para uma órbita equatorial com um ângulo de 0,2 ° Em vez disso, o foguete teve que entrar em uma órbita apontada estritamente para o leste, e então realizar uma mudança de plano ou inclinação de órbita. Esta mudança é conhecida por ser frequentemente uma de maior energia que podem ser realizados no espaço. Isso se aplica à missão IXPE, que exigiu uma mudança de plano de 28,5 ° logo após a decolagem. Para o Falcon 9, isso significou que a massa do IXPE é cerca de 20-30% de seu desempenho teórico máximo (1.500-2.000 kg em órbita) para este perfil de missão, enquanto o foguete é capaz de lançar cerca de 15.000 kg na mesma órbita, 600 km, sem mudar de plano orbital.

Um esforço conjunto com a Agência Espacial Italiana, o observatório IXPE é a primeira missão da NASA dedicada a medir a polarização dos raios X dos objetos mais extremos e misteriosos do universo – remanescentes de supernovas, buracos negros supermassivos e dezenas de outros objetos de alta energia objetos.

“O IXPE representa outra inovação extraordinária”, disse Thomas Zurbuchen, administrador associado da Diretoria de Missão Científica na sede da agência em Washington. “Junto com nossos parceiros na Itália e em todo o mundo, adicionamos um novo observatório espacial à nossa frota que moldará nossa compreensão do universo. Cada espaçonave é cuidadosamente escolhida para fazer novas observações, e o IXPE vai nos mostrar o universo ao nosso redor – como estrelas em explosão e buracos negros no centro das galáxias – de maneiras que nunca fomos capazes de ver. ”

O foguete teve o desempenho esperado, com a separação da espaçonave ocorrendo 33 minutos de vôo. Aproximadamente um minuto depois, a espaçonave desfraldou seus painéis solares. A IXPE entrou em sua órbita ao redor do equador terrestre a uma altitude de aproximadamente 600 quilômetros) . Cerca de 40 minutos após o lançamento, os operadores da missão receberam os primeiros dados de telemetria da nave.

“É uma sensação indescritível ver algo em que se trabalhou por décadas se tornar real e ser lançado ao espaço”, disse Martin Weisskopf, principal investigador do IXPE no Marshall Space Flight Center em Huntsville, Alabama. Weisskopf teve a ideia da espaçonave e conduziu experimentos seminais em astronomia de raios-X desde os anos 1970. “Este é apenas o começo para o IXPE. Temos muito trabalho pela frente. Mas esta noite, nós celebramos! ”

O IXPE possui três telescópios de última geração com detectores especiais sensíveis à polarização. A polarização é uma propriedade da luz que contém pistas sobre o ambiente de onde a luz se origina. A nova missão baseia-se e complementa as descobertas científicas de outros telescópios, incluindo o Observatório de Raios-X Chandra, o telescópio carro-chefe da NASA. As primeiras operações leves estão programadas para começar em janeiro.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

NASA lançará observatório espacial de raios-X

IXPE fará imagens com luz polarizada

Falcon 9 v1.2 FT Block 5 (B1061.2)

Primeira missão da NASA dedicada a medir a polarização de raios-X, o IXPE -Imaging X-Ray Polarimetry Explorer- está programado para ser lançado a bordo de um foguete da SpaceX, um Falcon 9 v1.2 FT Block 5 (B1061.2) do Complexo de Lançamento 39A do Kennedy Space Center em 9 de dezembro de 2021 às 06:00 UTC – 03:00 Brasília). O lançamento é gerenciado pelo Programa de Serviços de Lançamento da NASA, com sede na Flórida. O teste final de pré-lançamento do IXPE começou na segunda-feira, 8 de novembro. A espaçonave seja intergrada ao veículo de lançamento durante a última semana de novembro.
O IXPE usará três telescópios espaciais com detectores sensíveis capazes de medir a polarização dos raios-X cósmicos, permitindo aos cientistas responder a questões fundamentais sobre esses ambientes extremamente complexos onde os campos gravitacional, elétrico e magnético estão em seus limites. O detector sensível à polarização foi inventado e desenvolvido por cientistas italianos do Istituto Nazionale di AstroFisica (INAF) e do Instituto Nazionale di Fisica Nucleare (INFN) e foi aperfeiçoado ao longo de vários anos.

IXPE

A espaçonave IXPE chegou à Força Espacial do Cabo Canaveral Estação na Flórida em 5 de novembro de 2021.

A NASA selecionou o IXPE como uma missão do Programa de Exploradores em 2017. O projeto IXPE é uma colaboração entre a NASA e a Agência Espacial Italiana. O Marshall Space Flight Center da NASA em Huntsville, Alabama, gerencia a missão IXPE. A Ball Aerospace, sediada em Broomfield, Colorado, gerencia as operações da espaçonave com o apoio da Universidade do Colorado em Boulder.
O Goddard Space Flight Center da NASA em Greenbelt, Maryland, gerencia o Programa de Exploradores para o Diretório de Missões Científicas da agência em Washington.
O Imaging X-ray Polarimetry Explorer é um observatório espacial com três telescópios idênticos projetados para medir a polarização dos raios-X cósmicos. A missão estudará objetos astronômicos exóticos e permitirá mapear os campos magnéticos de buracos negros, estrelas de nêutrons, pulsares, remanescentes de supernovas, magnetares, quasares e núcleos galácticos ativos. A radiação de raios-X de alta energia do ambiente ao redor desses objetos pode ser polarizada – vibrando em uma direção particular. O estudo da polarização dos raios X revela a física desses objetos e pode fornecer informações sobre os ambientes de alta temperatura onde eles são criados.
A missão IXPE foi anunciada em 3 de janeiro de 2017. Está sendo desenvolvida pelo programa Small Explorer da NASA (SMEX) e está programada para lançamento em 9 de dezembro. O custo estimado da missão e sua operação de dois anos é de US $ 188 milhões (o o custo de lançamento é de US $ 50,3 milhões). O objetivo da missão IXPE é expandir a compreensão dos processos e fontes astrofísicas de alta energia, em apoio ao primeiro objetivo científico da NASA em astrofísica: “Descubra como o universo funciona”. Ao obter polarimetria de raios-X e imagens polarimétricas de fontes cósmicas, o IXPE aborda dois objetivos científicos específicos: determinar os processos de radiação e propriedades detalhadas de fontes específicas de raios-X cósmicos ou categorias de fontes; e explorar efeitos relativísticos e quânticos gerais em ambientes extremos.

Durante a missão de dois anos do IXPE, ele estudará alvos como núcleos galácticos ativos, quasares, pulsares, nebulosas de vento, magnetares, acumulação de binários de raios-X, remanescentes de supernovas e o Centro Galáctico. A espaçonave foi construída pela Ball Aerospace & Technologies. O investigador principal é Martin C. Weisskopf, do NASA Marshall Space Flight Center; ele é o cientista-chefe da astronomia de raios-X no Marshall e também cientista do projeto da espaçonave Chandra X-ray Observatory.

Os objetivos técnicos e científicos incluem:

Melhorar a sensibilidade de polarização em duas ordens de magnitude sobre o polarímetro de raios-X a bordo do Orbiting Solar Observatory
Fornecer medições espectrais, espaciais e temporais simultâneas
Determinar a geometria e o mecanismo de emissão de núcleos galácticos e microquasares ativos
Determinar a configuração do campo magnético em magnetares e determine a magnitude do campo
Encontrar o mecanismo de produção de raios-X em pulsares (tanto isolados como de acreção) e a geometria
Determinar como as partículas são aceleradas nas nebulosas por ventos de pulsares

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Tusistas espaciais chegam à ISS

Soyuz MS-20 traz dois japoneses para missão turística

A escotilha da espaçonave Soyuz MS-20 foi aberta hoje, 8 de dezembro de 2021, às 16:35 UTC (19:05 Moscou). O cosmonauta Aleksander Misurkin da Roskosmos e os participantes do voo espacial Yusaku Maezawa (前 澤 友 作) e Yozo Hirano (平野 陽 三) começam uma missão de 12 dias na Estação Espacial Internacional , com aterrissagem programada no Cazaquistão no dia 20 Dezembro.

O lançamento do foguete Soyuz-2.1a com a Soyuz MS-20 ocorrera cerca de oito horas antes, às 10:38:15 horário de Moscou, do cosmódromo de Baikonur . Após 528,9 segundos, a espaçonave se separou do terceiro estágio na órbita-alvo. Com este lançamento, a Roskosmos retoma os voos turísticos tripulados ao espaço após uma pausa de 12 anos.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Nave Soyuz MS-20 chega à ISS com turistas

Rússia

A Soyuz MS-20 se aproxima para a acoplagem à estação espacial

A espaçonave Soyuz MS-20 com a ‘Tripulação Visitante 20’ para a Estação Espacial Internacional acoplou automaticamente no Pequeno Módulo de Pesquisa Poisk (MIM-2) do Segmento Russo às 16:40:44, horário de Moscou – 10:40:44 de Brasília. Pela primeira vez em doze anos, turistas espaciais chegaram à estação. Os tripulantes são o cosmonauta Alexander Misurkin, da Roskosmos, e os participantes do vôo espacial Yusaku Maezawa e Yozo Hirano.

O encontro foi realizado no regime de quatro órbitas sob a supervisão de especialistas do Grupo Principal de Controle Operacional do segmento russo integrante Roskosmos. A partir daí tripulação se preparou para realizar as operações de abertura das escotilhas de transferência: monitorar a estanqueidade dos compartimentos da espaçonave, passar os sistemas para compartilhar eletricidade, equalizar a pressão entre a espaçonave e a estação, bem como retirar e secar seus escafandros Sokol KV-2.

Após a conclusão dos testes hermeticidade entre a espaçonave e o módulo Poisk, foi planejado abrir as escotilhas às 18:35, de Moscou – 12:35 Brasília. Depois disso, a tripulação recém-chegada será transferida para a ISS. A transmissão ao vivo desta operação estará disponível a partir das 18:10, de Moscou (12:10 Brasília).

Desde 2001, a organização de voos turísticos ao espaço está a cargo da Roskosmos e da americana Space Adventures, que presta serviços de marketing. Até o momento, sete pessoas puderam se tornar turistas espaciais pela Space Adventures e Rússia. Eles foram levados à Estação Espacial Internacional em 2001-2009 em espaçonaves russas Soyuz TM, TMA e agora o modelo MS sob contratos com a Space Adventures.

O voo da 20ª tripulação visitante ocorre no contexto da expedição principal ISS-66. A bordo da estação, eles serão recebidos pelos cosmonautas da Roskosmos Anton Shkaplerov (comandante da estação) e Pyotr Dubrov, e pelos astronautas da NASA Mark Vande Hai, Raja Chari, Thomas Marshburn, Kayla Barron e o alemão Matthias Maurer.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Turistas decolam na Soyuz para a Estação Espacial

Soyuz MS-2o foi lançada na madrugada

Foguete Soyuz 2.1a decola do Cosmódromo de Baikonur, em Tyuratam, Cazaquistão

O foguete Soyuz-2-1a transportando a nave espacial Soyuz MS -20 decolou da Área 31 em Baikonur hoje, 8 de dezembro de 2021, às 10:38: 15.584 Horário de Moscou (04:38 de Brasília ou 07:38 UTC), com dois turistas espaciais japoneses – o empresário Yusaku Maezawa e seu assistente Yozo Hirano e o comandante russo Alexander Misurkin. Os turistas espaciais devem passar doze dias em órbita da Terra e retornar no dia 20 de dezembro. O quanto eles pagaram pelo vôo não foi especificado. Anteriormente, o chefe do escritório de representação russo da operadora de turismo espacial Space Adventures, Sergei Kostenko, mencionou que um voo em uma nave russa poderia custar cerca de US $ 50 milhões.

A espaçonave estrou em órbita inicial com os seguintes parâmetros: perigeu de 200 quilômetros, apogeu de 242 quilômetros, período de 88,63 minutos e inclinação de 51,67 graus .

Tripulação a bordo da cabine da Soyuz

A espaçonave está programada para acoplar no módulo MIM2 Poisk, do segmento russo ISS, dentro de três minutos a partir das 16:41:30, horário de Moscou no dia do lançamento, após um vôo autônomo de quatro órbitas em quatro horas. A bordo da ISS, a tripulação se juntará aos membros da 66ª expedição de longa duração. Junto com a tripulação, a nave entregará à estação cerca de 162 kg de carga útil, entre material para pesquisas e experimentos biomédicos, equipamentos de consumo, produtos de higiene, alimentos frescos e rações.

Na véspera, os turistas deram uma conferência de imprensa, na qual Maezawa disse ter escolhido o voo da Soyuz devido à sua confiabilidade. “O turista disse que escolheu a espaçonave russa para o vôo para a ISS por causa de sua confiabilidade”. Oleg Mukhin, vice-presidente da Federação Russa de Cosmonáutica, comentou suas palavras em uma entrevista , observando que as espaçonaves russas já voam há muitos anos e conquistaram a confiança.

Largagem da coifa de cabeça do foguete

“Não se trata de ‘diplomacia’, mas de reconhecer a confiabilidade da Soyuz. Todos os turistas espaciais voaram nas Soyuz, e os americanos estão apenas começando a enviá-los para o espaço em outras naves. Nossa nave é realmente confiável, e o veículo de lançamento tem trabalhado continuamente para isso muitos anos. Ele (Maezawa) tomou a decisão certa ao escolher um vôo na Soyuz. Além disso, se uma pessoa paga em dinheiro, ela pode escolher”. “A escolha pela Soyuz mostra confiança em nossa tecnologia espacial”, disse Mukhin. O pouso da Soyuz MS-20 (espaçonave número 752 ) está programado para 20 de dezembro. A espaçonave estava programada para desacoplar da estação às 14h53, horário de Moscou (08:53 de Brasilia). Após um vôo autônomo de 2 horas e meia, a nave deve realizar a manobra de retropropulsão, com duração de 05:24 a 05:28, seguida pela reentrada e pouso na estepe do Cazaquistão às 06:18, horário de Moscou. (00:18 de Brasília).

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Rússia lança dois turistas ao espaço amanhã

Piloto-cosmonauta levará japoneses ara a estação espacial

Ogiso, Misurkin, Maezawa, Hirano e Skvortsov

Especialistas do Centro de Controle de Voo TsNIIMash concluíram o trabalho planejado de preparação para o lançamento da espaçonave tripulada Soyuz MS-20 e sua acoplagem ao segmento russo da Estação Espacial Internacional. De acordo com o serviço de apoio balístico e de navegação do Centro de Controle, o lançamento está programado para 8 de dezembro de 2021 às 10:38:15, horário de Moscou (04:38:15 de Brasília), do complexo de lançamento da Área nº 31 do cosmódromo de Baikonur, em Tyuratam, na república do Cazaquistão. A Soyuz MS-20 transportará dois turistas espaciais japoneses para um voo de cerca de 12 dias.

Foguete já está na plataforma “Vostok” em Baikonur

Hoje, 7 de dezembro de 2021, a Comissão Estatal para Complexos Espaciais Tripulados aprovou a as tripulações principal e reserva da Soyuz MS-20 (espaçonave nº 752). Além disso, foi confirmada a prontidão do foguete Soyuz-2.1a (número S15000-053) e da infraestrutura terrestre para o próximo lançamento.
Disse o chefe do Centro de Treinamento de Cosmonautas, Maxim Kharlamov: “As tripulações estão preparadas para voo espacial.”
Tripulação principal:
Herói da Rússia, cosmonauta-piloto da Federação Russa, comandante da espaçonave Alexander Misurkin;
os participantes do voo espacial Yusaku Maezawa e Yozo Hirano.
Tripulação reserva:
Herói da Rússia, cosmonauta-piloto da Federação Russa, comandante Alexander Skvortsov;
e Shun Ogiso, participante de voo espacial.

Especialistas do Grupo de Controle Operacional Principal para o segmento russo da ISS ( da RKK Energia afiliada à Roskosmos) começarão a controlar o vôo da espaçonave após sua separação do terceiro estágio 529 segundos após o lançamento. A transmissão do cosmódromo de Baikonur estará disponível no site e nas redes sociais Roskosmos a partir das 09h00, horário de Moscou 03:00 Brasilia.

Espaçonave e foguete lançador

A aproximação da Soyuz MS-20 com a ISS de acordo com um esquema de quatro órbitas e acoplamento ao módulo Poisk está planejada para ser feita automaticamente sob a supervisão dos especialistas do Centro de Controle da Rússia, do comandante e da estação. A acoplagem da espaçonave está agendada para 16:41:06, horário de Moscou (± 3 minutos).
Às 02:00, horário de Moscou em 8 de dezembro, especialistas das subsidiárias da Roskosmos começarão a trabalhar no programa do dia de lançamento. Na manhã desta quarta-feira, será realizada uma reunião da Comissão Estatal, que considerará os resultados dos testes realizados com um veículo lançador e a espaçonave. A comissão deve avaliar a prontidão do foguete para o abastecimento com propelente, para o lançamento na hora marcada.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Atlas V lança mais satélites

Estação de comunicação a laser está entre as cargas

O foguete Atlas V-551 nº AV-093 da United Launch Alliance decolou hoje, 7 de dezembro de 2021, de Cabo Canaveral, na estação da força aérea CCAFS, plataforma SLC-41, às 09:41 UTC (06:41 Brasília). O foguete carregou duas espaçonaves STPSat-6 e LDPE-1 (ROOSTER-1, com seis subssatélites) – militares e cientificas para uma órbita geossíncrona.
A missão Laser Communications Relay Demonstration (LCRD) foi lançada com sucesso, completou três ignições do motor do estágio Centauro e foi colocada na trajetória esperada. A missão do Programa de Teste Espacial 3 ( Space Test Program 3, STP-3) do Departamento de Defesa (DoD) enviou dois satélites, incluindo a espaçonave do Programa de Teste Espacial Satellite-6 (Space Test Program Satellite-6 – STPSat-6), que hospedava duas cargas úteis da NASA – o LCRD e do Laboratório de Pesquisa Naval – o NASA-US Ultraviolet Spectro-Coronagraph (UVSC) Pathfinder – para o espaço. O STPSat-6 está programado para se separar do Centauro para assumir órbita geossíncrona em cerca de 6 horas após a decolagem.

A sequência de voo foi seguida desta maneira
01: 07: 22.1 Partida do motor principal Aerojet Rocketdyne RL10C-1 (MES-2)
01: 13: 25.6 Corte do motor principal (MECO-2)
06: 24: 48.2 Partida do motor principal Rocketdyne RL10C-1 (MES-3)
06: 27: 26.3 Corte do motor principal (MECO- 3)
06: 30: 15.4 Separação do STPSat-6
07: 10: 02.4 Separação do LDPE-1
08: 08: 02.3 Conclusão da missão

Atlas V-551 nº AV-093

Esta missão do Atlas V-551 atingiu as seguintes marcas:

672º lançamento do programa Atlas desde 1957
373º lançamento do Atlas do Cabo Canaveral
261ª missão de um estágio superior Centauro
238º uso do Centauro por um foguete Atlas
507º motor RL10 de produção a ser lançado
37º motor RL10C-1 lançado
96º voo de um motor principal RD-180
90º lançamento de um Atlas 5 desde 2002
34ª Força Aérea / Força Espacial dos EUA uso de um Atlas 5
Boosters de foguete sólido GEM-63 da 4ª à 8ª lançados
74º lançamento de um Atlas 5 do Cabo Canaveral
4º lançamento do Atlas 5 em 2021
132º voo do veículo de lançamento expansível evoluído
147º voo da United Launch Alliance geral
82º Atlas 5 sob a United Launch Alliance
105º voo da United Launch Alliance saindo do Cabo Canaveral
32º vôo da série 500 do Atlas 5
12º Atlas 5 para voar na configuração 551
101º lançamento do Complexo 41
74º Atlas 5 para usar o Complexo 41
28º lançamento orbital geral do Cabo Canaveral em 2021

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Soyuz ST-B lança mais dois satélites Galileo

Sistema europeu de navegação aumenta sua constelação

Soyuz ST-B parte de Kourou, na Guiana Francesa

O foguete russo Soyuz-ST-B com o estágio superior Fregat-MT e dois satélites Galileo FOC- M9 (23-24), SAT 27-28, foi lançado em 5 de dezembro de 2021 às 00h19 UTC (4 de dezembro, às 21h19 hora local). O lançamento do foguete (voo VS26) e o vôo do estágio superior ocorreram no modo normal. Após a separação da unidade principal do terceiro estágio, o Fregat continuou em trajetória propulsada e colocou os satélites na órbita pretendida.

A operadora do Centro Espacial da Guiana é a provedora europeia Arianespace, e do lado russo a Glavkosmos (parte da Roscosmos), prestando a interação das empresas da indústria espacial russa com a Arianespace. De acordo com o programa, dois satélites Galileo FOC M9 foram separados com sucesso do estágio Fregat. As naves espaciais de navegação entraram em órbita e foram assumidas pelo cliente. O lançador Soyuz-ST-B e o estágio superior Fregat funcionaram sem problemas.

Satélites se separando do estágio Fregat-MT

Os satélites Galileo FOC são fabricados pela EADS Astrium para a Agência Espacial Europeia. Dos 28 Galileo’s já em órbita baixa terrestre, quatorze foram lançados por foguetes Soyuz-2 entre 2011 e 2016, e hoje mais dois foram adicionadas à constelação. Durante o primeiro lançamento do cosmódromo europeu na Guiana Francesa em outubro de 2011, um Soyuz-ST-B com o estágio Fregat também lançou duas espaçonaves Galileo em órbita. É um sistema global europeu de navegação em operação desde 2016. Ele oferece serviços de posicionamento, navegação e cronometragem de alta precisão para mais de 2,3 bilhões de usuários em todo o mundo. Graças ao uso de duas frequências no “padrão Galileo”, ele dá uma precisão de posicionamento em tempo real com a precisão. O sistema inclui tecnologias inovadoras desenvolvidas pela indústria europeia. Além disso, serviços de navegação global são prestados pelo russo GLONASS, pelo americano GPS e pelo chinês Beidou.

Os satélites Galileo são construídos pela OHB System, e a carga útil é feita pela empresa britânica Surrey Satellite Technology Ltd (SSTL), que é 99% propriedade da Airbus Defense and Space. A organização da constelação de satélites continuará com os lançamentos de Soyuz-2 e Ariane 62, que completarão frota de primeira geração de seis Galileo FOC adicionais nos próximos anos.

Primeiro desligamento do Fregat ocorreu a uma altitude de 634 km, seguido de um desçligamento para uma fase de costeamento até 23.500 km de altitude antes de religar para circularizr a órbita. A ignição do circularização ocorreu às 0401 UTC, seguida da luberação dos dois satélites.

Em janeiro, o Diretor Geral Adjunto de Cooperação Internacional da Roskosmos, Sergei Savelyev, dissera que a Federação Russa em 2021 planejava realizar 10 lançamentos com foguetes Soyuz-2 e Soyuz-ST para clientes estrangeiros.

Satélites Galileo

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

ISS manobra para evitar ‘lixo espacial’

Mais uma manobra – desta vez para desviar-se de material americano

Hoje, foi realizada uma correção não programada da órbita da ISS hoje, 21 de dezembro, por especialistas do Centro de Controle de Missão TsNIIMash às 10:58, horário de Moscou para evitar “lixo espacial” – um fragmento do foguete americano Pegasus, lançado dos Estados Unidos em 1994. Todas as operações foram realizadas rotineiramente de acordo com os cálculos dos especialistas russos do serviço balístico. Para essa manobra, foram utilizados os motores do cargueiro Progress MS-18, que operaram por 160,9 segundos. O impulso foi de menos 0,3 m / s. Após a realização da manobra corretiva, a altitude orbital da estação foi reduzida preliminarmente em 310 metros.De acordo com os dados atualizados do serviço de apoio balístico e de navegação do Centro de Controle da Missão de TsNIIMash, os parâmetros da órbita da ISS após a manobra de evasão foram: Período de 92,91 min; inclinação orbital: 51,66 graus; perigeu, 420,30 km; apogeu de 434,84 km; altitude média da órbita: 419,65 km.
Esta correção não afetou os planos de lançamento e acoplamento com a ISS da espaçonave tripulada Soyuz MS-20 em 8 de dezembro de 2021. De acordo com a Central de Informações e Centro Analítico do Sistema Automatizado para Alerta de Situações Perigosas no Espaço Próximo à Terra do TsNIIMash, a ISS teria se aproximado de uma distância mínima de 3 km com um fragmento do estágio descartado às 13:33, horário de Moscou.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

ISS: astronautas fazem atividade extraveicular

EVA-78 para instalar antenas

Os astronautas da NASA Thomas Marshburn e Kayla Barron concluíram sua primeira caminhada no espaço da Expedição 66 às 12h47 EST de 2 de dezembro, após 6 horas e 32 minutos. Marshburn e Barron instalaram com sucesso um subconjunto de antena de banda S (SASA) na estrutura de treliça Port 1 e guardaram uma antena defeituosa. Além disso, a dupla concluiu as tarefas de preparação na estrutura Port-4, incluindo redefinir o torque em um conjunto de parafusos. Esta foi a quinta caminhada no espaço para Marshburn, a primeira para Barron, e a 13ª caminhada no espaço na Estação Espacial Internacional este ano. Marshburn soma agora um total de 31 horas e um minuto de ‘caminhada no espaço’, e o tempo de Barron no exterior é agora de 6 horas e 32 minutos. Os membros da tripulação da estação passaram agora um total de 64 dias, 12 horas e 26 minutos trabalhando fora, conduzindo 245 caminhadas espaciais em apoio à montagem e manutenção do laboratório orbital.

No início deste mês, a Estação Espacial Internacional ultrapassou seu marco de 21 anos de presença tripulada contínua, oferecendo oportunidades para pesquisas e “demonstrações tecnológicas que ajudam a se preparar para missões de longa duração à Lua e Marte e também a melhorar a vida na Terra”. Durante esse tempo, 249 pessoas de 19 países visitaram o laboratório orbital, que já hospedou cerca de 3.000 investigações de pesquisadores em 108 países e áreas.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

NASA: Teste de comunicação a laser será lançado dia 5

Foguete Atlas V 551 decola em missão militar com carga útil civil acompanhante

O lançamento do Laser Communications Relay Demonstration (LCRD) da NASA está programado para domingo, 5 de dezembro do Complexo de Lançamento 41 na Capa Canaveral space Force Station – CCSFS, com uma janela de lançamento de duas horas começando às 04h04 EST. O foguete Atlas V 551 número AV-093, totalmente empilhado com a carga útil, tem 59,74 metros de altura e deveria ser transportado em uma carreta-mesa móvel do prédio VIF para a plataforma de lançamento em 3 de dezembro. O STPSat-6 é uma espaçonave polivalente que transporta nove cargas úteis e experimentos. Ambas as espaçonaves foram construídas pela Northrop Grumman. O conjunto de instrumentos inclui o Space Atmospheric Burst Recording System-3 (SABRS-3), uma missão operacional da National Nuclear Security Administration, e a carga útil do Demonstrador de Retransmissão de Comunicações Laser (LCRD) para testar tecnologias para a próxima geração de satélites de retransmissão de dados, e sete Conselho de Revisão de Experimentos Espaciais do Departamento de Defesa: cargas úteis de consciência situacional e clima espacial. O sistema vem com o Adaptador de Carga Útil Secundária (ESPA) (LDPE) – 1.

Atlas V 551 AV-093

A espaçonave é envolvida em uma carenagem de carga útil curta de 5 metros de diâmetro. AÉ uma estrutura composta em sanduíche feita com um núcleo ventilado de alumínio-favo de mel e folhas frontais de epóxi de grafite. A concha de duas peças encapsula o estágio Centauro e o satélite. O segundo estágio do Centauro tem 3 m de diâmetro e 12,6 m de comprimento. Seus tanques de propelente são estabilizados por pressão e construídos em aço inox resistente à corrosão. O Centauro é um veículo criogênico, alimentado a hidrogênio e oxigênio líquidos, movido por um motor tipo RL10 que produz 101,9 quiloNewtons de empuxo. Os tanques criogênicos são isolados com uma combinação de mantas purgadas de hélio, escudos térmicos e isolamento de espuma spray-on (SOFI). O ‘adaptador dianteiro Centauro’ (CFA) oferece montagens estruturais para o sistema aviônico tolerante a falhas e interfaces estruturais e elétricas com a espaçonave. O primeiro estágio tem 3,8 m de diâmetro e 32.46 metros de comprimento. Os tanques são estruturalmente rígidos e construídos com barris de alumínio ‘isogrid’, cúpulas de alumínio moldadas e saias intertanques. A propulsão é produzida pelo motor RD180 (com duas câmaras de empuxo). O RD180 queima RP1 (Rocket Propelant1 ou querosene altamente purificado) e oxigênio líquido e produz 3,83 megaNewtons de empuxo ao nível do mar. Cinco ‘boosters’ de propelente sólido (SRBs) geram a potência adicional necessária na decolagem, fornecendo 168,532,2 kgf(1,6 megaNewtons) de empuxo. O sistema aviônico do Centauro cumpre as funções de orientação, controle de vôo e sequenciamento de veículos durante as fases de vôo do primeiro estágio e do próprio Centauro.

Após o lançamento, o segundo estágio Centauro do foguete e a espaçonave permanecerão acoplados até 4 minutos, 33 segundos após o lançamento, com a implantação do STPSat-6 programada para cerca de 6 horas e 30 minutos após o lançamento. Este Centauro usará um motor RL10C-1, não a versão RL10C-1-1 mais recente.

Satélite STP-6

O foguete Atlas V estreará vários recursos para reduzir o risco e acumular experiência de voo antes uso no foguete Vulcan da ULA. A coifa de cabeça foi produzida fora da autoclave, um novo método de fabricação para curagem de compósitos de fibra de carbono que mais eficientes no processo de produção, resultando em menor custo e menor massa, mantendo a confiabilidade e qualidade. O sistema de energia em vôo provê eletricidade para as baterias dos satélites durante a duração da subida, garantindo que as baterias da espaçonave estejam totalmente carregadas quando colocada em órbita geossíncrona. Utilizando computadores de vôo existentes, um sistema de GPS aprimorado, a navegação fornece sinais de GPS para melhorar a desempenho do sistema de navegação e precisão orbital. A unidade de giroscópio de taxa de reforço (BoRG) é de baixo custo e inclui um pacote alternativo de giroscópio de taxa. O design utiliza processamento simplificado e unidades de medição inercial (IMUs) comerciais construídas em uma arquitetura de canal triplo para significativamente reduzir custo unitário e peso.

O Demonstrador de Retransmissão de Comunicações Laser teve sua preparação para lançamento encaminhada em 22 de novembro, depois que a equipe de engenheiros prendeu a carenagem de carga contendo o satélite hospedeiro ao foguete Atlas V 551. As equipes de Instalação de Processamento de Carga Útil de Operações Espaciais Astrotech em Titusville, Flórida, passaram várias semanas preparando o satélite antes de movê-lo para a Instalação de Integração Vertical (VIF) da United Launch Alliance na Estação da Força Espacial do Cabo Canaveral (CCSFS) para as operações de elevação e mate. Dentro do VIF, uma equipe de engenheiros prendeu a carenagem de carga útil, que abriga a espaçonave ‘Satellite-6’ do Programa de Teste Espacial (STP- Space Test Project) do Departamento de Defesa dos EUA (DoD).

O Programa de Teste Espacial ( STP ) é o principal fornecedor de voos espaciais para a comunidade científica e tecnológica do Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). o STP é administrado por um grupo dentro da Diretoria de Sistemas Avançados e Desenvolvimento, uma diretoria do Centro de Sistemas Espaciais e de Mísseis da Força Espacial dos Estados Unidos. Provê missões na Estação Espacial Internacional, “caronas” em outras missões, cargas úteis secundárias e serviços de lançamento especialmente dedicados.

O satélite é baseado no chassi modular “high-end” A500 da Northrop Grumman Innovation Systems (NGIS) (anteriormente Orbital ATK), que outra agência do governo dos EUA, a DARPA, comprou para uma missão geossíncrona diferente, mas transferiu para o Programa de Teste Espacial depois de decidir que não precisava disso. O satélite será inserido diretamente em uma órbita ligeiramente acima da órbita geoestacionária. O STPSat-6 levará nove experimentos em uma órbita geossíncrona. A carga útil principal é o SABRS-3 (Sistema de Relatório de Explosão Espacial e Atmosférica), que oferece detecção de detonação nuclear e dados ambientais espaciais, e é projetado para complementar os detectores a bordo da espaçonave GPS atual. O satélite também hospedará sete cargas úteis do Conselho de Revisão de Experimentos Espaciais do Departamento de Defesa (SERB) do escritório do Programa de Teste Espacial. Entre eles está uma carga útil experimental do NNSA chamada SENSER. A carga útil SENSER testará tecnologias no ambiente espacial antes da produção e integração na próxima geração de sistemas para reduzir o risco de desenvolvimento de futuros sensores de detecção de explosão nuclear.

A série ATK A500 possui um chassi modular de última geração (HEMB) que fornece a tecnologia necessária para as missões e permite maior complexidade e tamanho da carga útil, bem como vida útil prolongada. O HEMB foi a plataforma selecionada para a missão DARPA Phoenix para realizar manutenção e reaproveitamento de satélites em órbita.

Uma segunda carga útil é a carga útil LCRD, que foi originalmente planejada para voar como uma carga útil hospedada em um satélite de comunicações comerciais construído com SSL. LCRD está hospedado em STPSat-6.
a carga útil LCRD da NASA é aproximadamente do tamanho de um colchão king-size e visa tornar as comunicações operacionais de laser uma realidade. À medida que as missões espaciais geram e coletam mais dados, tecnologias de comunicação com maior largura de banda são necessárias para trazer os dados para casa, e os sistemas de comunicação a laser oferecem maior largura de banda em um pacote menor que usa menos energia. O LCRD enviará e receberá dados através de lasers infravermelhos a aproximadamente 1,2 gigabits por segundo da órbita geossíncrona para a Terra.

Aceita combinações de cargas úteis hospedadas (6 máx.) Ou separáveis ​​(12 máx.) Em todas as portas de montagem; tem uma carga útil máxima de 1.920 kg (320 kg por porto) e é capaz de uma vida de missão de vários anos. Ele pode transportar um downlink de 1,6 Mbps, compatível com AFSCN, criptografia Tipo 1.

As comunicações a laser, também chamadas de comunicações ópticas porque usam luz para enviar informações, oferecem taxas de dados mais altas do que os sistemas tradicionais de radiofrequência, permitindo que mais dados sejam transmitidos a cada transmissão. O LCRD demonstrará comunicações de laser espaço-solo ligando estações terrestres no Havaí e na Califórnia. Mais tarde na missão, o LCRD receberá e transmitirá dados de um terminal óptico que a NASA colocará na Estação Espacial Internacional. A carga útil tem cerca de 1,9 x 1,20 metros e enviará e receberá dados por meio de lasers infravermelhos a aproximadamente 1,2 gigabits por segundo da órbita geossíncrona até a Terra. Os sistemas de comunicação a laser oferecem maior largura de banda em um pacote menor que usa menos eletricidade. As missões no espaço enviarão seus dados para o LCRD, que então os transmitirá para as estações terrestres designadas na Terra. A NASA tem aproveitado os satélites de retransmissão de comunicações desde 1983, quando o primeiro satélite de dados e rastreamento TDRS foi lançado. Com o retransmissor, as missões não precisam ter linha de visão direta para as antenas na Terra, aumentando a cobertura das comunicações. O LCRD criará um caminho contínuo para o fluxo de dados das espaçonaves até as estações terrestres, formando um sistema completo de ponta a ponta. Além disso, a capacidade do LCRD de enviar e receber dados de missões e das estações terrestres torna o sistema bidirecional. Juntos, esses recursos tornam o LCRD NASA o primeiro retransmissor óptico de ponta a ponta bidirecional.

Emblema da missão na carenagem do foguete

Ao contrário das comunicações de radiofrequência, os sinais ópticos não podem penetrar na cobertura de nuvens; então a NASA deve construir um sistema flexível o suficiente para evitar interrupções devido ao clima. O LCRD transmitirá os dados para duas estações terrestres, localizadas na Table Mountain, Califórnia, e Haleakalā, no Havaí. Esses locais foram escolhidos por sua cobertura mínima de nuvens. O sistema testará diferentes cenários de cobertura de nuvem, reunindo informações valiosas sobre a flexibilidade das comunicações ópticas.

O LCRD é liderado pelo Goddard Space Flight Center da NASA em Greenbelt, Maryland. Os parceiros incluem o Jet Propulsion Laboratory da NASA no sul da Califórnia e o MIT Lincoln Laboratory. É financiado por meio do programa de missões de demonstração de tecnologia da NASA, parte da Diretoria de missão de tecnologia espacial e do programa de Comunicações e Navegação Espacial (SCaN) na sede da NASA.

O lançamento do satélite foi planejado como carga útil principal n STP-3 em 2018, a ser licitado competentemente entre um Atlas-V ou um Falcon-9 v1.2 da SpaceX. Em junho de 2017, o Atlas-5 551 foi selecionado para lançar a missão STP-3, incluindo um Adaptador de Carga Útil Secundária EELV (LDPE 1) com capacidade para seis cargas, em 2019.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Soyuz MS-20 em preparação

Espaçonave levará dois turistas para a estação espacial

Seção da cabeça espacial do foguete Soyuz 2.1a: a carenagem, o compartimento de transição em forma de cone e a espaçonave em seu interior

No cosmódromo de Baikonur, o foguete Soyuz 2.1a e a nave espacial Soyuz MS-20 foi transportado para o prédio de montagem e teste MIK para a integração final. Hoje, 2 de dezembro de 2021, técnicos da RKK Energiya e de empresas subsidiárias da Roskosmos realizaram as operações tecnológicas de carregamento e despacho ferroviário da nave espacial para o edifício de montagem e teste na área nº 31, onde a unidade principal foi preparada para a montagem no foguete-lançador.

Presentes e guloseimas para os cosmonautas

No cosmódromo, foram concluídos os trabalhos de colocação de cargas no Soyuz MS-20. Hoje, no complexo técnico 254 especialistas da Energia concluíram a colocação adicional das cargas no compartimento de utilidades do Soyuz . Em primeiro lugar, pacotes de Ano Novo para os tripulantes russos – Anton Shkaplerov e Peter Dubrov. Os cosmonautas devem receber correspondências de parabéns de familiares e amigos, presentes pessoais e músicas favoritas, bem como guloseimas caseiras para a mesa festiva. No total, está prevista a entrega de cerca de 162 kg de cargas à ISS, entre materiais para pesquisa e experimentos biomédicos, equipamentos de consumo, produtos de higiene, rações alimentares e 13 kg de frutas frescas.

O lançamento do foguete com a espaçonave está programado para 8 de dezembro de 2021. Essa expedição de visita de doze dias à Estação Espacial Internacional será realizada sob contrato com a Space Adventures. O comandante da tripulação principal é o cosmonauta Alexander Misurkin da Roskosmos, enquanto Yusaku Maezawa, tendo como passageiros o presidente da Start Today, Yusaku Maezawa, e Yozo Hirano, seu assistente pessoal. O vôo para a estação acontecerá de acordo com um esquema de quatro orbitas, e a acoplagem ao módulo de pesquisa Poisk está marcada para as 16:41, horário de Moscou (10:41 hora de Brasília).

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9