Missão cinema: Foguete Soyuz é instalado na plataforma

Lançamento será dia 5

A locomotiva TEM abandona a plataforma de lançamento rebocando a carreta de transporte TUA, após a colocação do foguete na mesa de lançamento

No cosmódromo de Baikonur, os preparativos continuam para o lançamento do foguete Soyuz-2.1a nº Kh15000-047 com a espaçonave Soyuz MS-19 (espaçonave nº 749) e a tripulação da 66ª expedição de longo prazo à Estação Espacial Internacional. No dia anterior, o foguete espacial foi transportado para o complexo de lançamento da área nº 31 (“Vostok”) do cosmódromo. A equipe conjunta das subsidiárias da estatal Roskosmos executou o trabalho de acordo com o cronograma do primeiro dia de lançamento.
Os preparativos para o lançamento continuarão hoje. De acordo com o cronograma do segundo dia de pré-lançamento, os trabalhos são realizados de acordo com a modalidade “Preparação tecnológica de pré-lançamento “, e o estudo da informação telemétrica enviada pelo sistema de controle de voo Malakhit-3 do foguete. Na segunda metade do dia, serão realizados testes gerais do veículo lançador, durante os quais são simulados o lançamento e seu vôo até a separação da espaçonave na órbita-alvo.
O lançamento do Soyuz-2.1a com a Soyuz MS-19 está programado para 11h55, horário de Moscou, em 5 de outubro (05:55 Brasilia). A tripulação principal inclui o comandante Anton Shkaplerov (Roskosmos) e os participantes do voo espacial russos – a atriz Yulia Peresild e o diretor Klim Shipenko. Seus suplentes são o cosmonauta Oleg Artemyev, Alena Mordovina e Alexey Dudin.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Brasil: motor S50 testado no IAE

Propulsor a ser usado no VLM teve bom desempenho

Teste estático no IAE – foto MCTI

O teste estático do motor de propelente sólido S50 foi realizado com sucesso pelo Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA) da Força Aérea Brasileira numa zona isolada na área do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE) em São José dos Campos – SP . O teste durou 87 segundos.
O S50 é o propulsor previsto para os primeiro e segundo estágios do Veículo Lançador de Microssatélites (VLM), que está sendo desenvolvido pelo Brasil.
Segundo o site da Agencia Espacial Brasileira (AEB), entre as autoridades presentes estavam o Ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações Marcos Pontes, o Presidente da AEB , Carlos Moura, o Diretor do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), Major-Brigadeiro do Ar Hudson Costa Potiguara, o diretor do Instituto de IAE , Coronel O`Donnell, e o Presidente da Associação das Indústrias Aeroespaciais do Brasil (AIAB), Julio Shidara.

O motor S50 para aplicações espaciais tem 1,5 m de diâmetro e 5,5 m de comprimento, possui envelope motor em fibra reforçada de polímero de carbono CFRP (Carbon Fiber Reinforced Polymer), com elevada eficiência estrutural, carregado com 12 toneladas de propelente sólido ‘composite’, capaz de gerar 450 kN (45.8872 kgf) durante 75 segundos de queima.

Motor na bancada de testes – foto MCTI

O envelope cilindrico do motor S50, com 12.000 kg de propelente sólido, foi montado no estande de testes, com um bloco de equipamentos de medição, e seu ignitor for detonado para que o jato de gás quente fosse dirigido na horizontal sobre uma área aberta, ao ar livre.

“Isso é extremamente importante para que nós tenhamos um equipamento qualificado, apto para ser usado para veículo lançador de microssatélite, ou mesmo para veículos suborbitais, que nos permitam fazer experimentos, por exemplo, em condição de microgravidade. O teste do motor S50 é um passo importantíssimo para que possamos ter um veículo lançador de microssatélites capaz de levar nossas cargas espaciais para as órbitas que desejamos”, disse o Moura.

Extremidade oposta à tubeira – foto MCTI

O projeto do VLM-1 tem por objetivo o desenvolvimento de um veículo para lançamento de microssatélite em órbitas baixas equatoriais ou de reentrada, com três estágios. Os três blocos do VLM-1 são movidos a propelente sólido, sendo os dois primeiros estágios equipados com o motor S50, com 12 toneladas de propelente cada um, e um estágio orbitalizador equipado com um propulsor S44, com aproximadamente 800 kg de propelente.

Em novembro de 2018, o IAE e a Avibras realizaram com sucesso os primeiros ensaios de pressurização, aceitação e ruptura do envelope motor do propulsor S50, atingindo resultados superiores aos esperados . Os ensaios foram realizados nas instalações da Avibras e revelaram que o projeto otimizado atende aos requisitos de desempenho e segurança.

Segundo o IAE, o VLM-1 tem por finalidade garantir a autonomia do Brasil no desenvolvimento e lançamento de veículos lançadores de microssatélites e envolve a realização de estudos, projeto e revisão, fabricação, integração, ensaios, análise de conformidade e operação de veículos lançadores. Incluem seus sistemas, subsistemas, peças e componentes, além de dispositivos associados e meios de solo, englobando recuperação, certificação e implementação de laboratórios e plantas industriais relacionadas, cobrindo o ciclo completo desde a concepção e revisão do projeto de veículo até a análise de resultados de voos.

Autoridades no evento – foto MCTI

Medir o empuxo real e a pressão da câmara ao longo da duração da queima do propelente pode fornecer informações valiosas, não apenas sobre o desempenho dos motores, mas também sobre o propelente em si. Apresentados são os meios para derivar Impulso Total, Impulso Específico, C-estrela e Coeficiente de Impulso a partir dos dados de teste. Estes são alguns dos principais parâmetros relacionados ao desempenho de um motor de foguete sólido e propelente.

Projeto do VLM-1

A medição do empuxo de um motor-foguete fornece informações que podem ser usadas para determinar as suas capacidades. Mas muito mais do que isso, os dados de empuxo podem ser usados ​​para calcular o empuxo total e o impulso específico. Conhecer os valores reais desses dois parâmetros-chave do desempenho do motor permite uma comparação com os valores do projeto. Em particular, esses dois parâmetros informam o experimentador sobre o quão bem a combinação do motor e do propelente foi realizada. Por exemplo, se o impulso específico desenvolvido for significativamente menor do que o esperado, a causa pode ser uma deficiência relacionada ao projeto do motor (como uma tubeira ineficiente) ou uma deficiência no propelente (na sua preparação na usina). Medir o impulso total e o impulso específico também permite que o experimentador avalie a necessidade de modificações no motor ou na composição do propelente. Para investigar novas formulações de propelente, o impulso específico fornece uma indicação direta de desempenho.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Soyuz MS-19: Contagem regressiva para a missão Vi’zov

Projeto “Cinema no Espaço”

Por Tony Quine

Há dez meses, temos acompanhado o andamento do projeto russo ‘Cinema no Espaço’ “Desafio”  (Vyzov).  Fomos o primeiro meio de comunicação a revelar vários aspectos da história, incluindo os nomes das atrizes de sucesso, em   abril

Agora essas duas atrizes,  Julia Peresild  e Alyona Mordovina, estão entre os seis tripulantes, no cosmódromo de Baikonur, prontos para o lançamento no dia 5 de outubro. 

Enquanto esta atualização estava sendo preparada, tudo indica que a tripulação principal  Anton Shkaplerov, Klim Shipenko e Julia Peresild farão o vôo e o filme. No entanto, uma decisão final não será anunciada até que a Comissão Estatal se reúna na segunda-feira, 4 de outubro de 2021.

As últimas três semanas foram muito ocupadas para ambas as equipes, à medida que avançavam através da série de marcos cuidadosamente programados que precedem cada lançamento de Soyuz. Nos dias 8 e 9 de setembro, ambas as equipes realizaram os chamados ‘Exames Complexos’ no Centro de Treinamento de Cosmonautas Yuri Gagarin – TsPK. Isso envolve testes de conhecimento das tripulações sobre o segmento russo da ISS e da Soyuz e exige que elas lidem com uma sequência complexa de falhas e malfuncionamentos do sistema, sob o escrutínio de examinadores e instrutores.

Ambas as equipes obtiveram a ‘aprovação’ exigida em ambos os exames, com a equipe reserva obtendo pontuações ligeiramente melhores de 9,56 a 9,50 (em 10). No entanto, alguns dias depois, as designações planejadas da tripulação foram confirmadas pela Comissão Interdepartamental; Principal –  Shkaplerov, Shipenko e Peresild; Reserva: Artemyev, Dudin, Mordovina. 

Imediatamente após essa decisão, uma nova sequência de tradições da cosmonautica começou com uma entrevista coletiva da tripulação, seguida por uma visita à Praça Vermelha, onde flores foram colocadas nos túmulos de Yuri Gagarin e Sergei Korolev. Excepcionalmente, Klim Shipenko não participou da cerimônia na Praça Vermelha, o que causou surpresa entre alguns observadores.
Julia Peresild, que já havia usado suas postagens nas redes sociais para deixar claro que havia achado o treinamento muito difícil, ficou claramente aliviada por ter passado nos exames finais e estava com um humor muito positivo e otimista, pela primeira vez em vários semanas. A sua substituta, Alyona Mordovina, explicou que considerou a experiência de treino agradável e enriquecedora, em vez de difícil, embora tenha ficado nervosa durante a sua audição cinematográfica com Klim Shipenko.

O próximo marco foi a partida para Baikonur, uma ocasião tensa que envolveu as tripulações se despedindo de parentes, que para Peresild incluíam suas duas filhas. No entanto, as duas atrizes incentivaram as equipes a introduzir novas tradições e oportunidades para fotos, como mostrado abaixo. 

Poucas horas depois, as duas tripulações, que haviam voado em aeronaves separadas (dois Tu 202-300 do TsPK), chegaram a Baikonur, que estava muito mais quente do que Moscou. Os procedimentos de chegada incluíram a liberação do controle de fronteira, quando estavam entrando no Cazaquistão.

No dia seguinte, domingo, 19 de setembro, ambas as tripulações passaram o dia inteiro no primeiro estágio de aceitação da espaçonave Soyuz MS-19 e seus trajes de vôo Sokol KV2. Isso envolveu cada tripulação embarcando na aeronave em seus macacões de voo, realizando várias verificações e anotando quaisquer recomendações de refinamentos ou mudanças. No final do dia, as equipes vestiram seus Sokol sob medida e se sentaram na Soyuz pela segunda vez. Essa verificação geralmente é realizada apenas pela equipe principal, mas, nesta ocasião, a equipe reserva também executou o processo.

Os dez dias seguintes viram as tripulações realizando uma agenda lotada de treinamento, exames médicos, preparações vestibulares e outras tradições de longa data, como hasteamento de bandeiras, plantação de mudas de árvores e visitas a vários locais históricos ao redor do complexo de Baikonur.

Alyona Mordovina revelou, em seu Instagram, que as equipes criaram uma nova tradição, assistindo a um filme, da coleção de Klim Shipenko, todas as noites. Ela também escreveu sobre o forte vínculo e a atmosfera de apoio mútuo e diversão que se desenvolveu entre as duas equipes.

Em 29 de setembro, as tripulações revisitaram o Edifício de Montagem e Teste MIK 254 para concluir a aceitação final na Soyuz MS-19, antes de ser acoplada ao foguete, pronta para instalação na plataforma de lançamento, em 3 de outubro.                         

Enquanto isso, a estação de TV participante do projeto começou a aumentar sua cobertura, começando com a retrospectiva da seleção das duas atrizes, em março, e o treinamento para voo que começou em maio. 

Esses programas mostraram que o processo exigente e assustador que Julia Peresild, Alyona Mordovina e Aleksey Dudin realizaram foi exatamente o mesmo usado para selecionar candidatos a cosmonautas profissionais e culminou em uma corrida desafiadora de centrífuga 8-G. Considere que nenhuma candidata do sexo feminino foi bem-sucedida nos grupos de seleção de cosmonautas de 2018 ou 2020, e então o ritmo rápido de seu treinamento, teste e preparação durante o verão, e Peresild e Mordovina devem se sentir muito orgulhosas de si mesmas, por estarem onde são agora. 

Quando finalizamos este Blog, a equipe de reserva tinha acabado de observar outra tradição Baikonur, testemunhando o lançamento do foguete para a plataforma de lançamento, no dia T-4.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Cargo Dragon SpX-23 volta à Terra

Nave estava acoplada à ISS há um mês

A nave espacial Cargo Dragon C208 que estava acoplada à estação espacial internacional retornou à Terra ontem, 30 de setembro de 2021, às 22:57 EDT, ou 02:57 UTC. O tempo de voo desta cápsula foi de 30 dias, 22 horas, 42 minutos. A nave estava acoplada na estação desde 30 de agosto. A nave, lançada em 29 de agosto do Complexo de Lançamento 39A no Centro Espacial Kennedy, na a 23ª missão de Serviços de Reabastecimento Comercial da SpaceX (nesta missão chamada SpX-23 ou CRS-23) para a NASA.

Espaçonave reentrando, fotografada sobre Daytona Beach

O navio de recuperação GO Searcher recuperou a C208/ CRS-23 e a transportou a Port Canaveral. A espaçonave foi vista no céu durante sua reentrada, sobre Daytona Beach.

A Cargo Dragon estava acoplada na porta de engate frontal do módulo Harmony, no compartimento PMA-2/IDA-2

A cápsula da Cargo Dragon foi transportada para a Estação de Processamento da NASA no Centro Espacial Kennedy, que está localizada a uma curta distância do local de amerrissagem. Esta curta distância é importante para esta missão, uma vez que a cápsula carregava experimentos de microgravidade que poderim ser afetados se fossem expostos à gravidade em um ambiente desprotegido por um longo período de tempo.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Japão adia lançamento de hoje

Defeito no sistema de solo causou a falha

O lançamento do foguete Epsilon F5, que estava programado para 1º de outubro de 2021, 09:51 locais (21:51 de 30 de setembro em Brasília) foi adiado devido a “um problema com o sistema de solo”, anunciou a agencia espacial japonesa JAXA. O foguete de 95,7 toneladas e 26 metros de comprimento, na mesa de lançamento do “M Center” de Uchinoura – em Kimotsuki, circunscrição de Kagoshima – teve seu disparo adiado na contagem regressiva final.

A bordo estavam o satélite “principal” RAiSE-2 e mais oito pequenos satélites “acompanhantes” (quatro microssatélites e quatro cubesats), em um projeto conjunto de “carona compartilhada” ao ‘estilo japonês’ de entidades governamentais e comerciais japonesas e vietnamitas Innovative Satellite Technology Demonstrator-2 (ISAT-2).

Sequência planejada de lançamento

Fase de voo de primeiro estágio
Separação de coifa
Fase de voo de segundo estágio
Estabilização por rotação (‘spin’)
Fase de voo de terceiro estágio
Separação do terceiro estágio com o PBS cancelando o giro
Fase de voo do estágio superior PBS – ignições e desativações sucessivas
Adaptador integrado ao PBS com os suportes e dispensadores de cargas úteis
Adaptador integrado ao PBS com os suportes e dispensadores de cargas úteis
Cargas úteis
Cargas úteis
Ejeção do satélite RAISE-2

Os satélites são o demonstrador de carga útil inovadora RApid SatellitE-2 (RApid Innovative payload demonstration SatellitE-2, RAISE-2) “Unidade de demonstração de tecnologia de satélite inovadora 2”, os ASTERISC, ARICA, DRUMS, Hibari, KOSEN-1, NANODRAGON, TeikyoSat-4 e Z-Sat.

Os satélites-acompanhantes:

Microssatélites:
HIBARI do Instituto de Tecnologia de Tóquio
Z-Sat da Mitsubishi Heavy Industries, Ltd./
DRUMS da Kawasaki Heavy Industries, Ltd./
Teikyo Sat-4 da Teikyo College /

‘Cubesats’:
ASTERISC do Instituto de Tecnologia de Chiba
ARICA da Universidade Aoyama Gakuin
Advanced OBC Nanodragon da Meisei Electric Co., Ltd.
KOSEN-1 da Kochi National College of Technology

O Epsilon (Ipushiron roketto, foguete-E, ou Veículo de Lançamento Epsilon) é um foguete de propelente sólido de três estágios desenvolvido com base nos lançadores M-V e H-IIA. O Epsilon 5 é equipado com um estágio superior de propelente líquido, o Post Boost Stage – PBS (estágio pós-impulso, no caso após o impulso dos três primeiros estágios) que é capaz de controle de alta precisão para liberação de cargas – seja em suportes individuais, seja em ‘gavetas’ (dispensadores) para cubesats. O sistema de suporte de montagem dos satélites inclui o Epsilon Satellite Mounting Structure (ESMS) e o Epsilon Small Satellite Orbital Deployer (E-SSOD).

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9