China lança mais um satélite com seu Kuaizhou-1A

Mais um observatório de sensoriamento remoto da série Jilin-Gaofen

Kuaizhou-1A Yao Wu ou KZ-1A número de série nº Y5) decola de Jiuquan

Hoje, 27 de outubro de 2021, às 14:19 horário de Pequim (06:19 UTC), o foguete chinês de propelente sólido Kaizhou-1A (Kuaizhou-1A Yao Wu ou KZ-1A número de série nº Y5) decolou com o satélite comercial de sensoriamento remoto Jilin-1 Gaofen-02F. O foguete foi lançado do Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan, na China central, e o satélite pertence à série de sensoriamento remoto da província de Jilin, desenvolvidos e fabricados pela Changguang Satellite Technology Company (Changguang Weixing Jishu Yuxian Gunsi – 长 光 卫星 技术 有限公司) em Changchun. Seu nome em chinês é 吉林 一号 高分 02F 卫星 (Jilin-1 Gaofen 02D Weixing, JL-1 GF-02F), significando “satélite de alta resolução nº 02F da constelação Jilin-1”. Este foi o 33º satélite lançado na série e o 31º a entrar em órbita com sucesso.

Os veículos de série GF-2 tem uma massa no lançamento de aproximadamente 230 kg e são dimensionados para caber na carenagem de cabeça do lançador comercial leve de propelente sólido KZ-1A e são colocados em órbita sincronizada com o sol (SSO) a uma altitude de 539 km. A carga útil é inclui dois telescópios de espelho coaxiais, cada um com uma matriz CG-FPC-T30K com 4,5 μm pixels de resolução para seu imageador e sendo capaz de registrar uma faixa de 22,8 km de largura com resolução de 0,76 m na faixa pancromática. A duração máxima do imageamento contínuo é de 300 segundos, e as imagens são capturadas com uma precisão de 20 m. Completam a suite de instrumentos em espectrômetro com quatro canais multiespectrais de banda estreita com resolução de cerca de 3,1 m. A largura total da faixa sendo pesquisada em dois canais no eixo “nadir” (voltado para o solo) que excede 40 km; o sistema permite bascular em um ângulo de até 45 ° da vertical. O link de rádio de alta velocidade de dois canais permite uma taxa de 1,8 Gbps.

Seis satélites da série foram fabricados em Changchun, em diversas versões. Os dois primeiros, GF-02A e GF-02B, foram lançados em órbita em 13 de novembro e 7 de dezembro de 2019 operando em pontos opostos na órbita sincrona com o sol em altitude de 537 km, com a passagem pelo nó descendente por volta de 09:40h. Os modelos GF-02E e GF-02C foram perdidos em dois acidentes consecutivos de seus foguetes. O GF-02D foi lançado em 27 de setembro de 2021 em órbita com nó descendente às 12:40h.

O lançamento do 02F foi anunciado originalmente em 19 de outubro com a divulgação das notificações sobre o fechamento das áreas de queda dos estágios (NOTAMs) ao sul de Jiuquan em 15 de outubro. No entanto, em 18 de outubro, vários casos de covid foram relatados nas províncias do noroeste da China. Assim, os trabalhos foram suspensos, e o lançamento foi adiado para 22 de outubro e a equipe de lançamento, liderada por Cha Xiongquan, foi transferida para o modo de isolamento. Seguiu-se um segundo adiamento, em 25 de outubro. Neste dia, a princípio, correu o boato de que o lançamento havia ocorrido, e logo depois que fora cancelado.

Satélite Jiling 1

O satélite lançado está incluído em uma constelação espacial “virtual” chamada Hantyan Xinyun ou “Nebulosa” (航天 星云,) e tem um segundo nome, “Changshu-1” (常熟 一号) em homenagem à cidade de Changshu, localizada à jusante do rio Yang-Tsé, perto de Shangai. Foi anunciado que este é o primeiro dos satélites a receber nomes “honorários” no âmbito do projecto “dez cidades – dez satélites”.

O nome “Nebulosa Espacial” se refere a uma plataforma de compartilhamento de dados para cidades no Delta do Yangtze. Na cidade de Changshu, com a participação da 3ª Academia da Corporação Chinesa para a Ciência e Indústria Espacial, a CASIC, está estabelecido o Centro Conjunto de Inovação para Aplicações de Satélite Haiying – 海鹰, “Águia Marinha” – e uma estação de telemetria, controle e recepção de informações foi construída.

O KZ-1A é um foguete portador de propelente sólido de três estágios com um quarto estágio adicional de combustível líquido, que executa as funções de estágio superior de colocação em órbita-alvo. Foi possivelmente baseado no míssil militar de alcance intermediário DF-21 com dois estágios superiores adicionados. O nome Kuaizhou pode ser traduzido como “barco rápido”. Oficialmente, era um sistema de lançamento orbital que poderia lançar rapidamente satélites para monitoramento de desastres naturais. O foguete completo com a carenagem de cabeça tem 19,4 metros de comprimento, 1,4 metro de diâmetro e uma massa de lançamento de aproximadamente 30.000 kg, O KZ-1Z tem capacidade de colocar até 300 kg em órbita terrestre baixa e 200 kg em órbita síncrona típica com uma altitude de 700 km. O veículo foi projetado para lançamentos de reação rápida. A carga útil do Kuaizhou-1 é integrada ao estágio superior. O primeiro voo ocorreu em 9 de janeiro de 2017. O vôo atual é o 12º na história do KZ-1A e o décimo-primeiro bem-sucedido.

O foguete foi criado pela corporação CASIC, e o operador é a Kegun Space Rocket Engineering Company operando sob a marca ExPace. Os foguetes são produzidos na planta de montagem e testes em Wuhan, que é capaz de produzir 20 exemplares por ano. Uma variante comercial é oferecida sob a designação Fei Tian 1 (FT-1). Esta oferece uma carga útil separável e uma carenagem de cabeça maior. O Kuaizhou-1A é semelhante, também oferecendo cargas úteis separáveis e algumas fontes reportam que esses nomes referem-se ambos à mesma versão.

Foguete Kuaizhou 1 “Barco Veloz”

O Jiuquan Satellite Launch Center (conhecido mundialmente pelo nome em inglês por iniciativa própria dos chineses, JSLC ; em Mandarim :酒泉 卫星 发射 中心; Jiuquan Weixing Fashe Zhongxin, também conhecido como Shuangchengzi Missile Test Center; Launch Complex B2; formalmente Northwestern Missile Testing Facility – 西北 综合 导弹 试验 基地 – Base 20 ou Unidade 63600) é uma instalação de lançamento localizada no Deserto de Gobi, na Mongólia Interior. Faz parte da Dongfeng Aerospace City (Base 10). Embora a instalação esteja geograficamente localizada dentro da Região de Ejin deInner Mongolia de Alxa, tem o nome da cidade mais próxima, Jiuquan, na província de Gansu. O centro de lançamento se estende por ambos as margens do rio Ruo Shui.

As coordenadas do local de lançamento são 100 ° E e 41 ° N, e está a uma altitude de cerca de 1000m acima do nível do mar. O clima de Jiuquan é desértico árido interior. É seco o ano todo, com pouca chuva e dias prolongados, com temperatura média anual de 8,5 ° C e umidade relativa do ar de 35 a 55%, condições ambientais ideais para o lançamento de satélites. Um ramal ferroviário dedicado conecta o JSLC com a ferrovia nacional Lanzhou-Urumqi, oferecendo uma conexão direta com o Centro Técnico e a Área de Lançamento. O Aeroporto de Dingxin está localizado 75 km ao sul do centro e tem uma pista de 4.100m x 80m, que pode acomodar facilmente aeronaves de grande porte, como o Lockheed C-130 e o Boeing 747.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Author: homemdoespacobrasil

Sua referência em Astronáutica na internet

%d bloggers like this: