EUA: empresas lançam o projeto de “recife orbital”

Capitaneado pela Blue Origin, grupo inclui Sierra Space e Boeing

Segundo elas, “um parque empresarial em órbita para o setor privado.”

A estação comercial privada será aberta a clientes de todo o mundo, sendo construída por diversas empresas

A Blue Origin apresentou hoje um projeto ambicioso de uma estação espacial multimodular comercial em cooperação com outras empresas. O projeto deve começar a ser imlementado em 2025. A principal parceira da Blue Origin na estação é a Sierra Space, uma subsidiária da empreiteira aeroespacial Sierra Nevada Corporation; e a equipe também inclui Boeing, Redwire Space e Genesis Engineering.

De acordo com o comunicado oficial das empresas envolvidas, “… a Blue Origin e a Sierra Space anunciaram hoje planos para a Orbital Reef, uma estação espacial própria comercialmente desenvolvida e operada a ser construída em órbita baixa terrestre. A estação abrirá o próximo capítulo da exploração e desenvolvimento humano do espaço , facilitando o crescimento de um ecossistema vibrante e modelo de negócios para o futuro. A Orbital Reef é apoiada por líderes da indústria espacial e companheiros de equipe, incluindo Boeing, Redwire Space, Genesis Engineering Solutions e Arizona State University. Projetada para abrir vários novos mercados no espaço, a Orbital Reef fornecerá a qualquer um a oportunidade de estabelecer seu próprio endereço em órbita. Este destino único oferecerá aos clientes de pesquisa, industrial, internacional e comercial os serviços de ponta a ponta competitivos ao custo que eles precisam, transporte espacial e logística, habitação espacial, acomodação de equipamentos e operações, incluindo tripulações a bordo. A estação começará a operar na segunda metade desta década.”

Casulo de atividade extraveicular para uma pessoa

Será uma estação espacial privada para pesquisa, turismo e uma ampla gama de tarefas, com um volume de 830 m³ (90% do volume da ISS), com um sistema de eletricidade capaz de operar a 100 kW (comparável à ISS); A altitude da órbita deve ser de 500 km (permitindo 32 órbitas por dia), e a estação poderá acomodar simultaneamente até dez tripulantes.

Manipulador robótico para atividades fora da nave

A Orbital Reef terá módulos de habitação e científicos, bem como uma nave monoposto para manutenção da estação e “passeios espaciais turísticos”. A estação será equipada com “equipamentos avançados e robótica”. Os módulos terão blocos espaçosos com grandes janelas. A principal característica da estação é a infraestrutura compartilhada. Uma arquitetura aberta e escalável (afirma-se que pode ser escalada infinitamente) permitirá que módulos e espaçonaves de qualquer país, organização ou empresa sejam acoplados à estação. Um kit-conjunto de módulos também está planejado – o ‘Reef Starter’. Está prevista a locação de espaço para qualquer finalidade, possibilidade de prestação de serviços diversos pela tripulação da estação, e possibilidade de transporte espacial privado. A Orbital Reef foi planejada para ser uma espécie de “arena” para o desenvolvimento comercial e científico.

Módulo habitável inflável em concepção artística

“A estação dará início ao próximo capítulo na exploração do espaço por seres humanos, contribuindo para o desenvolvimento de um ecossistema do modelo de negócios privado do futuro”, disseram os responsáveis em um comunicado à imprensa.

“Por mais de sessenta anos, a NASA e outras agências espaciais desenvolveram voos orbitais e habitações espaciais, preparando-nos para os negócios comerciais decolarem nesta década”, disse Brent Sherwood, vice-presidente sênior de Programas de Desenvolvimento Avançado da Blue Origin. “Vamos expandir o acesso, reduzir os custos e fornecer todos os serviços e comodidades necessários para normalizar os voos espaciais. Um vibrante ecossistema de negócios crescerá na baixa órbita , gerando novas descobertas, novos produtos, novos entretenimentos e consciência global. ”

Módulo habitável da SNC, criado para a NASA

“A Sierra Space [parte do grupo SNC] está entusiasmada com a parceria com a Blue Origin e fornecendo o espaçoplano (lifting body) Dream Chaser, o módulo LIFE e tecnologias adicionais para abrir espaço para pesquisa comercial, manufatura e turismo. Como ex-astronauta da NASA, estou esperando o momento em que trabalhar e viver no espaço seja acessível a mais pessoas em todo o mundo, e esse momento chegou ”, disse a Dra. Janet Kavandi, ex-astronauta em três missões e presidente da Sierra Space. A SNC construiu um protótipo de habitat para o programa NextSTEP da NASA. O habitat foi projetado para ser transportado na carenagem do foguete do Sistema de Lançamento Espacial da NASA ou em um grande foguete comercial como o New Glenn da Blue Origin. Uma vez em órbita, ele inflaria para se tornar um habitat de 8,2 metros de largura, onde os astronautas viveriam e trabalhariam. A SNC projetou o interior desse habitat com três andares. As equipes de astronautas viveriam e trabalhariam principalmente no último ‘andar’. O andar principal seria dedicado à pesquisa com ciência e estações de trabalho robóticas. A cozinha da tripulação e os banheiros seriam alojados no ‘andar’ inferior.
A SNC era uma das seis empresas que trabalharam sob contratos “NextSTEP” governamentais para produzir projetos ou protótipos de habitats. Os outros eram a Bigelow Aerospace, Boeing, Lockheed Martin, NanoRacks e Northrop Grumman. Agora, a Sierra entra em parceria com a Boeing no “recife espacial”.

Concepção artística da estação comercial em órbita

“Isso é empolgante para nós porque este projeto não apenas replica a imensamente bem-sucedida e duradoura ISS, mas dá um passo além para cumprir uma posição única na órbita baixa terrestre, onde pode servir a uma gama diversificada de empresas e hospedar equipes não especializadas ”, disse John Mulholland, VP da Boeing e gerente de programa da Estação Espacial Internacional. “Requer o mesmo tipo de experiência que usamos para projetar e construir a estação e as mesmas habilidades que empregamos para operar, manter e sustentar a ISS.”

“O Recife Orbital representa a próxima evolução do paradigma do uso do espaço comercialmente ao criar a primeira plataforma do setor privado com tripulação em órbita da Terra. O Orbital Reef levará adiante o legado da ISS, apoiando atividades inovadoras de pesquisa, desenvolvimento e manufatura em microgravidade que irão promover campos tão diversos como comunicações e biotecnologia ”, disse Mike Gold, Vice-Presidente Executivo de Espaço Civil e Assuntos Externos da Redwire. “O ambiente de microgravidade apresenta uma arena inteiramente nova para o desenvolvimento comercial e científico, tornando a Orbital Reef a plataforma que lançará novas tecnologias e recursos, melhorando drasticamente a vida na Terra enquanto possibilita a jornada da humanidade até as estrelas.”

O departamento de arte do grupo focalizou em espaços amplos, pouco realistas para uma estação comercial

“A nave espacial monoposto transformará a caminhada no espaço”, disse Brand Griffin, gerente de programa da Genesis Engineering Solutions. “Trabalhadores espaciais e turistas terão acesso seguro, confortável e rápido fora do Recife Orbital. O ambiente em mangas-de-camisa, grande visibilidade, orientação automatizada e manipuladores de precisão avançada tornarão as operações externas econômicas e rotineiras. ”

“A Iniciativa Interplanetária da ASU tem a honra de liderar o consórcio universitário que está apoiando o Orbital Reef”, disse Lindy Elkins-Tanton, Vice-Presidente da Iniciativa Interplanetária da ASU e Investigadora Principal da missão Psiche da NASA. “Reunimos um grupo internacional de mais de uma dúzia de universidades para trabalhar com a ética e as diretrizes da pesquisa – sobre como podemos usar toda a nossa experiência em ciência, pesquisa e fabricação em baixa gravidade, para ajudar nações, empresas e grupos que desejam acessar a Orbital Reef. É sobre acreditar coletivamente em nosso futuro e trazer a ciência e a engenharia para um futuro melhor – extremamente empolgante. ”

Áreas de habitação com janelas de grande tamanho

Atribuições de cada empresa:
Blue Origin – sistemas utilitários, módulos centrais de grande diâmetro e sistema de lançamento New Glenn reutilizável.
Sierra Space – Módulo “Large Integrated Flexible Environment” (LIFE), os módulos de entroncamento e o ‘avião espacial’ Dream Chaser de pouso horizontal para transporte de tripulação e carga, capaz de aterrissar em pistas de todo o mundo.
Boeing – A Boeing construirá módulos científicos da Ocean Reef, realizará operações de estação e engenharia de manutenção. A gigante aeroespacial também planeja usar cápsulas Starliner para transportar tripulação e carga para a estação.
Redwire Space – Pesquisa, desenvolvimento e fabricação de microgravidade; operações de carga útil e estruturas extensíveis.
Genesis Engineering Solutions – A Genesis Engineering contribui para o sistema de “espaçonaves de uma pessoa” que a empresa descreve como uma alternativa aos trajes espaciais inclusive para excursões turísticas.
Arizona State University – Lidera um consórcio global de universidades que fornecem serviços de consultoria em pesquisa e alcance público.

O prazo anunciado para a construção do complexo espacial vai de 2025 a 2030, e a estação custará pelo menos uma ordem de magnitude menor do que o custo comumente citado da ISS, que gira em US$ 100 bilhões.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Publicidade

Autor: homemdoespacobrasil

Sua referência em Astronáutica na internet

%d blogueiros gostam disto: