Cinema no Espaço: Soyuz MS 19 segue para integração ao foguete

A nave já está montada na cabeça espacial do foguete

Seção de cabeça pronta para transporte ao prédio da área 31

No cosmódromo de Baikonur, o veículo de transporte tripulado Soyuz MS-19 encapsulado na cabeça espacial foi enviado para montagem geral com o foguete Soyuz 2.1a. Hoje, no predio de montagem e teste MIK 254, os especialistas da RKK Energia e as empresas da Roskosmos realizaram o conjunto de operações para o transporte da espaçonave até o prédio de montagem e teste MIK do local 31, onde prepararam a unidade principal para a montagem do foguete espacial Soyuz-2.1a.

Poster da tripulação principal divulgado pela Roskosmos

A ‘cabeça espacial’ se compõe neste momento da coifa protetora, a espaçonave em seu interior e o adaptador de encaixe com o terceiro estágio do foguete-lançador. No MIK da área 31, será encaixada na ponta a torre de escape do sistema SAS e a combinação será aparafusada ao segundo estágio do foguete Soyuz 2.1a.

Tirpulações principal e reserva da Soyuz MS-19 – Klim Shipenko, Yulia Peresild, Anton Schkaplerov, Alyona Mordovina, Oleg Artemeev e Alexei Dudin

O lançamento da Soyuz MS-19 na 66ª expedição principal à Estação Espacial Internacional está programado para 5 de outubro de 2021. A tripulação principal da nave inclui: Comandante Anton Shkaplerov (Roscosmos) e os participantes do voo espacial russos – a atriz Yulia Peresild e o diretor Klim Shipenko. Seus suplentes são o cosmonauta da Roscosmos Oleg Artemyev, os participantes Alena Mordovina e Alexey Dudin.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

China: Satélite lançado ontem não responde

Mídia oficial anuncia perda do Shiyan-10

O lançamento de um satélite ShiYan-10 no último dia 27 parece ter resultado em falha do foguete ou da carga útil. Segundo a mídia oficial chinesa, o vôo foi normal até a separação da espaçonave, entretanto “houve uma situação anormal com o satélite durante o processo de lançamento” e “a causa está sob investigação”. Dois objetos foram colocados em órbita e associados a este lançamento: um a 177 x 40104 km com 51,06 ° de inclinação e outro em 216 x 39593 km com 51,40 °.

Inicialmente, observações do 18º Esquadrão da Força Espacial dos EUA registraram a separação de um objeto em órbita de 177 km por 40 105 km com uma inclinação de 51 graus. Esta órbita pode ser transitória pois a colocação na órbita final deveria acontecer às custas dos próprios motores do satélite.

Quando um satélite é denominado ShiYan (Shiyan Weixing) significa que é um veículo de teste de aplicações, construidos por diferentes fornecedores. Serve para testar novas tecnologias ou emprego de novos materiais.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Rússia: Soyuz MS-18 muda de posição para dar lugar à próxima missão espacial

Nave russa trocou de “ancoradouro” em operação que durou 42 minutos

Soyuz MS-18 em voo livre

Hoje, terça-feira, 28 de setembro de 2021, de acordo com o programa de voo russo da ISS, a nave “Yu.A. Gagarin” (Soyuz MS-18, espaçonave 748) foi re-acoplada do módulo de pesquisa MIM-1 Rassvet para o módulo de laboratório multifuncional MLM-U Nauka para garantir a chegada da próxima expedição. As operações de desacoplamento, vôo autônomo e acolagem foram realizadas no modo normal usando um sistema de controle manual.

Configuração anterior à realocação

Poucas horas antes do desacoplamento, às 12h37, horário de Moscou (06:37 Brasilia), a tripulação, composta pelos cosmonautas Oleg Novitsky (comandante), Pyotr Dubrov (engenheiro de vôo-1) e astronauta Mark Vande Hei (engenheiro de vôo-2), transferiram-se para a espaçonave e fecharam as escotilhas de transição entre o Rassvet e o compartimento habitacional (BO – ‘Bitovoy Otsek’) da Soyuz. Após as verificações de hermeticidade e da realização das operações preparatórias, a tripulação se preparou para o desencaixe.

Esquema de voo de transferência da MS-18 (NASA)

Às 15:21:36 de Moscou (09:21:36 Brasilia), o Yu.A. Gagarin Soyuz MS-18 separou-se da estação e, na primeira fase, afastou-se a uma distância de cerca de 45 metros. Na segunda etapa, quando a espaçonave estava a aproximadamente 120 metros, o cosmonauta Dubrov, olhando pela janela da “bolha” do compartimento de habitação da Soyuz, fez imagens detalhadas e de alta qualidade de toda a estação e, em particular, do novo módulo Nauka. Tendo voado ao redor da ISS, às 16h04min15s de Moscou (10:04:15 Brasilia), a espaçonave encaixou na porta “nadir” do módulo Nauka. Assim, o “Yu.A. Gagarin” se tornou o primeiro veiculo espacial a acoplar no sistema de engate combinado SSPA-GM/SSVP-G4000 do Nauka, compativel com naves mais pesadas; A combinação é formada pelo adaptador passivo de sistema padrão SSVP-4000 para naves “leves” na frente do SSPA-GM; Este SSVP-G4000 será descartado antes da chegada do próximo módulo russo, o Prichal, no fim deste ano. O Prichal é compatível com o SSPA-GM.

Configuração após a realocação

Essa realocação foi necessária para liberar a porta do módulo Rassvet para a Soyuz MS-19, que deve chegar à estação em 5 de outubro com o cosmonauta Anton Shkaplerov, o diretor de cinema Klim Shipenko e a atriz Yulia Peresild no projeto científico e educacional Vy’zov – “Desafio”. O re-acoplamento tem como objetivo também verificar o funcionamento do equipamento de engate SSVP-4000 do módulo-laboratório. A nave de carga Progress MS-17, que deverá ser re-acoplada em 21 de outubro, o levará consigo no desencaixe final. Após essa verificação em etapas, o módulo Prichal será encaixado no SSPA-GM, e seu lançamento está previsto para o final de novembro deste ano.

As operações de desencaixe da Soyuz MS-18, seu sobrevôo e posterior acoplamento foram realizadas por Novitsky usando um sistema de controle manual. O tempo gasto em vôo autônomo foi de 42 minutos. Depois de equalizar a pressão, a tripulação testou o sistema de controle da junta circular do colar de engate (SKGS, sistema kontrolya germetichnosti styka) em busca de vazamentos, e abriu a escotilha nadir pela primeira vez e retornou à estação.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

ISS: Nave russa vai se transferir de ponto de acoplagem

Soyuz MS-18 vai passar do MIM-1 para o Nauka para dar lugar à Soyuz MS-19

De acordo com o programa de voo russo da Estação Espacial Internacional, hoje, 28 de setembro de 2021, está planejado re-acoplar a nave espacial Soyuz MS-18 do módulo de pesquisa Rassvet MIM-1 para o recém-chegado módulo de laboratório multifuncional Nauka. De acordo com dados preliminares do Grupo de Controle Operacional Principal do Segmento Russo da ISS na RKK Energiya, o tempo estimado para a separação da espaçonave é 09:21:30 horário de Brasilia, e o voo autônomo terá duração de 40 minutos. A transmissão começa às 09:00 horário de Brasilia no site da Roskosmos.

O trabalho de desacoplagem do Rassvet, afastamento e reaproximação e encaixe com o colar de acoplagem do Nauka será feito, como sempre, de modo manual. A porta de encaixe híbrida passiva SSPA-GM do Nauka, compativel com naves pesadas, está equipada o adaptador passivo com o sistema padrão SSVP-4000 (para naves leves); Este SSVP-4000 será descartado antes da chegada do próximo módulo russo, o Prichal, no fim deste ano. O Prichal é compatível com o SSPA-GM.

Sequência da manobra

Soyuz MS-18 separa-se da porta SSVP-4000 passiva do módulo Rassvet
Soyuz MS-18 afasta-se
Soyuz MS-18 reposiciona-se para mirar no colar de engate passivo híbrido do Nauka
A nave se acopla à porta do Nauka

Os cosmonautas Oleg Novitsky e Pyotr Dubrov da Roscosmos, assim como o astronauta da NASA Mark Vande Hei foram para a ISS na Soyuz MS-18 em 9 de abril. Anteriormente, o chefe do Centro de Treinamento de Cosmonautas, Pavel Vlasov, disse que dois membros da tripulação permanecerão mais tempo na ISS devido às gravações do filme Vy’zov – “Desafio”. Segundo ele, o comandante Oleg Novitsky retornará à Terra em outubro no veículo de descida da Soyuz MS-18 junto com os participantes do voo Soyuz MS-19 (a atriz Yulia Peresild e diretor Klim Shipenko que estarão envolvidos nas filmagens do filme na ISS). Dois membros da tripulação – o Dubrov e Vande Hei – permanecerão em órbita e retornarão na Soyuz MS-19.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

EUA lançam satélite de sensoriamento remoto

Landsat 9 foi colocado em órbita por um Atlas V 401

O Atlas V 401 decola do Complexo de Lançamento Espacial SLC 3 na Base de Vandenberg

O satélite Landsat 9 foi lançado às 14:11 EDT (15:11 Brasilia) na segunda-feira, 27 de setembro de 2021, em um foguete Atlas V 401 número AV-092 da United Launch Alliance (ULA) do Complexo de Lançamento Espacial SLC 3 na Base da Força Espacial de Vandenberg em Califórnia. O satélite foi colocado em uma órbita sincronizada com o sol de 705 km × 705 km, com inclinação de 98,2°.
O Atlas V tinha 59,1 metros e pesou 339.958 kg na decolagem.

O Landsat 9 é um satelite civil de sensoriamento remoto da NASA e o US Geological Survey. O dois instrumentos da espaçonave, o Operational Land Imager-2 (OLI-2) para dados de banda reflexiva e o Thermal Infrared Sensor-2 (TIRS-2) para bandas de infravermelho térmico., estudarão desmatamento tropical, expansão urbana, desastres naturais, recuo glacial e recursos de água doce para a agricultura. O programa Landsat tem funcionado desde 1972. O satélite se juntará ao Landsat 8 para coletar imagens de todo o planeta a cada oito dias. Imagens do Landsat 9 serão adicionadas a quase 50 anos de dados publicamente disponíveis – o mais longo registro de dados de paisagens da Terra do espaço. Os recursos de imagem de resolução média do Landsat permitem que os pesquisadores detectem a pegada das atividades humanas e seu impacto em nosso planeta natal ao longo das décadas.

Esquema de trabalho do Landsat 9

O Landsat-9 foi construído na Northrop Grumman Innovation Systems (anteriormente Orbital ATK em Gilbert, AZ – a NASA celebrou o contrato em outubro de 2016). O satélite é baseado na plataforma LEOStarTM-3/ SA-200HP, mesmo chassi usado no Landsat-8 e observatórios astrofísicos Fermi e Swift Gamma-ray. Foi projetado, fabricado e testado pelo Grupo de Sistemas Espaciais da Northrop Grumman. A Northrop também apoiará o lançamento, operações orbitais iniciais e check-out em órbita do observatório.

O coronel Rob Long será a autoridade na decisão de disparo neste histórico 2000º lançamento da Cordilheira Ocidental a Base da Força Espacial de Vandenberg. “O 2000º lançamento nos dá a oportunidade de celebrar as dezenas de milhares de sucessos do Team Vandenberg, no passado e no presente, que compartilham uma herança orgulhosa desde o primeiro lançamento em 1958”, disse Long. “O espaço – e o lançamento – são difícieis. Nosso histórico de sucesso é uma prova de excelência em missões de longa data.” A localização geográfica de Vandenberg torna este centro de lançamento e base de instalação de teste um ambiente seguro e ideal para testes de lançamento de mísseis balísticos intercontinentais, mísseis de alcance intermediário e para colocar cargas úteis em órbita polar.

Vídeo da NASA sobre o programa Landsat

Cubesats

Os quatro CubeSats para a missão do 37º Lançamento Educacional de Nanossatélites da NASA (ELaNa 37) e o Escritório de Manifesto da Missão no Comando de Sistemas Espaciais da Força Espacial dos EUA acompanharão o Landsat. Os CubeSats foram carregados no Sistema de Voo do Adaptador de Carga Secundária do Veículo de Lançamento Evolvido (ESPA), ou EFS. É um anel posicionado abaixo do Landsat e acima do topo do estágio Centauro carregando os quatro subsatélites. Desenvolvido pela Força Espacial dos EUA, o Sistema de Voo do Adaptador Secundário de Carga Útil para Veículo de Lançamento Descartável (Expendable Launch Vehicle Secondary Payload Adapter – ESPA), ou EFS, foi testado neste Atlas V como prova de conceito para com conteineres-ejetores para lançar pequenos satélites e cubesats ao espaço. Esta e as futuras missões EFS maximizarão o valor dos lançamentos usando todo o espaço disponível em um foguete.

CUTE

Dois CubeSat de universidades foram lançados: o CUTE (Colorado Ultraviolet Transit Experiment) – da Universidade do Colorado em Boulder, Boulder, Colorado. É um CubeSat de tamanho 6U configurado para usar espectroscopia de transmissão quase ultravioleta (NUV) de 255 a 330 nanômetros para caracterizar a composição e as taxas de perda de massa de atmosferas de exoplanetas. É um projeto de quatro anos financiado pela NASA para projetar, construir, integrar, testar e operar um CubeSat de 6 unidades (30 cm x 20 cm x 10 cm). O CUTE usa espectroscopia de transmissão quase ultravioleta (NUV) de 255 a 330 nanômetros (nm); o satélite irá caracterizar a composição e as taxas de perda de massa de Atmosferas de exoplanetas medindo como a luz NUV da estrela hospedeira é alterada conforme o exoplaneta transita na frente da estrela e passa através da atmosfera do planeta. Curvas de luz de trânsito criadas a partir de observações do CUTE fornecerão restrições na composição e taxas de escape dessas atmosferas, e podem fornecer a primeira evidência concreta de campos magnéticos em planetas extrasolares.

CUPID

O CuPID, da Universidade de Boston, Boston Massachusetts, (Cusp Plasma Imaging Detector) é um cubesat 6U projetado para testar modelos concorrentes de interação de vento solar e magnetosfera. Ele carrega um telescópio de raio-X flexível de amplo campo de visão, o primeiro de seu tipo a ser colocado em órbita. A espaçonave medirá os raios X suaves emitidos pelo processo de troca de carga quando o plasma do vento solar colide com átomos neutros na atmosfera da Terra.

Cesium

Cubasats Cesium CM1 – Os Cesium Satellite 1 e 2 são 6U CubeSats com um arranjo de fase (phased array) Cesium Nightingale 1 ativo e cargas úteis de link entre satélites. As espaçonaves têm um sistema de atitude de alta precisão com um rastreador de estrelas e um sistema de propulsão elétrica de última geração. O CM1 permite que os clientes comerciais e de defesa executem experimentos usando suas comunicações ativas de matriz orientável eletronicamente (AESA) e cargas úteis de comunicações de link cruzado. É a primeira de várias missões de tecnologia planejadas que demonstram as cargas úteis de comunicações avançadas da CesiumAstro.

A Iniciativa de Lançamento CubeSat da NASA (CSLI) selecionou os cubesats da missão ELaNa 34 pelo Programa de Serviços de Lançamento (LSP) com base no Centro Espacial Kennedy . O LSP gerencia o manifesto ELaNa e o CSLI oferece oportunidades de lançamento para pequenas cargas úteis de satélites construídas por universidades, escolas, centros da NASA e organizações sem fins lucrativos.

Até o momento, a NASA selecionou 202 missões cubesats, 122 das quais foram lançadas ao espaço, com mais 43 missões programadas para lançamento nos próximos 12 meses. Os CubeSats selecionados representam participantes de 42 estados, Distrito de Columbia, Porto Rico e 102 organizações exclusivas. O anúncio de oportunidade de parceria de 2021 da CSLI está aberto para propostas CubeSat até 19 de novembro de 2021.

Sequência de lançamento

Fase de primeiro estágio
Oito motores de propelente solido retardam o primeiro estágio CCB que se separa
Ignição do motor RL10 do Centauro
Descarte da coifa de cabeça
Voo do estágio Centauro
separação do Landsat 9
Orientação do Centauro
Re-ignição do Centauro
Posicionamento
Ejeção dos satélites das gavetas dos dispensadores
Sequencia de ejeção
Queima de ajuste orbital para descarte do Centauro
Última ignição do Centauro

O foguete Atlas V 401 AV-092

Atlas V 401 AV-092

O foguete Atlas V 401 faz parte da família Atlas V 400/500 operada pela United Launch Alliance. Os foguetes Atlas V são lançados desde 2002 e têm uma taxa de sucesso quase perfeita (um voo foi uma falha parcial, no entanto, a missão foi catalogada como um sucesso). O veículo é operado a partir do Complexo de Lançamento 41 na Estação da Força Aérea de Cabo Canaveral, Flórida e do Complexo de Lançamento 3-E na Base de Vandenberg, Califórnia. O veículo é montado em Decatur, Alabama; Harlingen, Texas; San Diego, Califórnia; e na sede da United Launch Alliance perto de Denver, Colorado. O Atlas V 401 é o menor da família de lançadores Atlas V, sem motores de ropelente sólido e a carenagem de carga útil de 4,2 metros. A configuração do 401 tem dois estágios, um Common Core Booster e um Centaur Upper Stage. O Centauro pode fazer ignições múltiplas para entregar cargas úteis a uma variedade de órbitas, incluindo órbita baixa, transferência geoestacionária e geoestacionária. O primeiro estágio é movido a querosene e oxigênio líquidos e um motor russo RD-180 enquanto o segundo estágio é um Centauro equipado com um motor RL-10C alimentado a hidrogênio e oxigênio líquidos. A carenagem de cabeça feita em aluminio de quatro metros de diâmetro da ULA, construída nas instalações da empresa em Harlingen, Texas, protegerá o Landsat 9 e o CubeSats durante a ascensão pela atmosfera. É a mais longa carenagem de quatro metros disponível, conhecida como Extra Extended Payload Fairing (XEPF). O lançamento, que foi o primeiro vôo de quatro ignições de um Centauro em missões do Atlas V, foi o 300º lançamento do Atlas de Vandenberg e o 16º para um foguete Atlas V. Esta foi a 145ª missão geral da ULA e a 36ª do Programa de Serviços de Lançamento da NASA.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

China lança mais um satélite

Possivelmente um veículo de testes

Hoje, 27 de setembro de 2021, por volta das 08:20 UTC um foguete CZ-3B G2 foi lançado do centro espacial Xichang, e colocou o satélite ShiYan-10 em órbita de 55 graus de inclinação . ShiYan significa ‘Satélite Experimental’, sendo que serve para testar tecnologias. O primeiro tinha uma massa de 204 kg, foi o primeiro pequeno satélite chinês capaz de mapeamento estéreo. Foi o segundo satélite chinês lançado hoje.

Especula-se que seja um satélite geossíncrono inclinado em 55º ou um órbita extremamente alongada tipo Molniya com uma queima de correção de apogeu, sendo a sequencia completa de colocação em órbita em 5 horas.

Sequência de lançamento

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

China lança mais um satélite de sensoriamento

Jilin-1 Gaofen 02D

Decolagem de Jiuquan

Às 14h19 de 27 de setembro de 2021, horário de Pequim, a China usou o foguete portador Kuaizhou-1 Jiayao IV (Y4) no Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan para colocar com sucesso o satélite Jilin-1 Gaofen 02D (Jilin-1 GF-02D) em órbita. O satélite entrou com sucesso na órbita programada e a missão foi um sucesso total. Esta missão é o 11º vôo do foguete Kuaizhou-1A.

Jilin-1 Gaofen 02D próximo à carenagem de cabeça do foguete

Os satélites Jilin 1, de 42 kg, são uma série comercial chinesa de sensoriamento remoto para vídeo de alta definição dentro da constelação Jilin-1, projetados e de propriedade da Chang Guang Satellite Technology Co. Denominados “Gaofen” ou “alta resolução”, pertencem ao programa estatal China High-resolution Earth Observation System (CHEOS)

KZ-1A

O Centro de Montagem Final de Foguetes Kuaizhou (Fase I) localizado na Base da Indústria Aeroespacial Nacional de Wuhan foi colocado em uso, para testes de montagem final , e agora tem capacidade de teste de produzindo 20 unidades de veículos lançadores de propelentes sólidos por ano. O KZ-1A tem três estágios de propelente sólido e um estágio superior alimentado a propelentes hipergólicos.

O foguete na Base da Indústria Aeroespacial Nacional de Wuhan

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

SpaceX e NASA: Duas filosofias diferentes – e não poderia ser de outro jeito

Garrett Reisman, que ajudou a desenvolver a nave da SpaceX, compara a experiência de trabalho na empresa privada com a NASA

Garret Reisman

Em entrevista ao The Inverse, o ex-astronauta Garret Reisman (*) falou sobre suas impressões cobre como a NASA e a SpaceX tem visões diferentes para resolver problemas semelhantes. O texto do Inverse faz um malabarismo retórico ao desviar o objetivo central de Reisman – atentar para uma necessidade de maior flexibilidade da agência governamental – para o perigoso e incorreto lado da comparação de uma entidade pública e outra privada. A NASA e a SpaceX são óbviamente diferentes – pois são distintas em sua essência: A NASA deve prestar contas ao contribuinte americano, e participa de um projeto de Estado (ainda que muitas vezes estragado pelo governo da vez), com uma empresa privada que deve explicações somente a seus clientes e eventuais acionistas. Também comete o erro infantil de comparar a Crew Dragon com o space shuttle, duas espaçonaves totalmente diferentes e projetadas em épocas diferentes, contextos diferentes e com qualidades – e defeitos – diferentes. Vamos, porém, às palavras do astronauta.

Garrett Reisman tem experiência em duas organizações espaciais radicalmente diferentes. Selecionado pela NASA como especialista em missão em junho de 1998, o Dr. Reisman reportou-se a treinamento em agosto. O Treinamento de Candidato a Astronauta incluiu briefings de orientação, numerosos briefings científicos e técnicos, instrução intensiva em sistemas do ônibus espacial e da Estação Espacial, treinamentos fisiológicos e escola de solo para se preparar para vôos do T-38, bem técnicas de sobrevivência na água e na selva. Após completar este treinamento, Reisman foi designado para o Astronaut Office Robotics Branch, onde trabalhou no braço robótico da Estação Espacial.

Crew Dragon em missão à estação espacial

Em 2011 ele se juntou à SpaceX, onde ajudou a desenvolver o seu transporte tripulado. A cápsula Crew Dragon que voou na missão Inspiration4 é um exemplo. Em entrevista, Reisman explica que as duas organizações estão em mundos diferentes quando se trata de fazer as coisas – onde a SpaceX gosta de se mover rápido e se ajustar em movimento, a NASA é muito mais cautelosa em suas tomadas de decisão.

“[Na SpaceX] tomaríamos uma decisão em uma única reunião, que levaria anos para chegar ao mesmo ponto de decisão na NASA”, diz ele.

Essa diferença cultural talvez seja melhor exemplificada pela experiência de Reisman ao tentar fazer uma mudança no space shuttle. A NASA tinha um programa de atualização dos aviônicos da cabine para ajustar as exibições de informações do veículo – mas mesmo assim, a equipe era extremamente limitada. O trabalho de Reisman era desenvolver uma nova maneira de fazer procedimentos em caso de, or exemplo, falha do motor. Esses procedimentos usavam um guia de papel físico, de modo que os astronautas precisavam ir até a página correta, identificar a falha e seguir as instruções.

Starship lunar, escolhido pela NASA como módulo de pouso na Lua (e sem habilidade para retornar à Terra com astronautas, tarefa que a agencia delegou à sua cápsula Orion)

Seu método aprimorado usaria um computador tablet conectado à cablagem de telemetria do veículo. Dessa forma, em vez de identificar a falha e ir para a página correta, o tablet pode localizar o problema relevante e exibir as instruções adequadas.

“Aquilo foi imediatamente recusado”, diz ele. “Não havia orçamento para fazer todos os testes, não podemos fazer nada tão complicado!” disseram. Reisman teve outra ideia. A NASA imprimiu o guia de procedimento em preto e branco. Ele questionou: A NASA poderia imprimir o manual em cores para melhorar a usabilidade.? Ele admitiu que a NASA talvez tivesse que comprar impressoras coloridas, mas não valeria a pena? “[Eles disseram] ‘e se as pessoas forem daltônicas?’”, diz Reisman. “Eu fico tipo, ‘bem, você testa todos nós para ter certeza de que não somos daltônicos como parte dos critérios de seleção. ‘ Eles ficam tipo, ‘bem, ainda assim, não podemos fazer isso’ ”.

Trabalho da SpaceX – ao ar livre, exposto ao tempo e à salinidade de Boca Chica

Reisman finalmente conseguiu introduzir uma mudança no sistema de procedimento. Muitas instruções tinham etapas dispostas com travessões para delinear o valor desejado. Isso poderia causar problemas quando a instrução fosse “definir temperatura – 20”, pois poderia ser ‘igual a 20’ e ‘menos 20′. “Então eu disse, ’em vez de usar um corte tracejado, usamos uma flecha’”, diz ele. “E eles disseram, ‘tudo bem!’ Essa foi a única coisa que eu mudei! ”

Reisman uma vez contou a história para Chuck Yeager, o primeiro piloto a voar mais rápido que a velocidade do som. Yeager lamentou o fato de os astronautas não estarem envolvidos o suficiente no projeto e operação do equipamento. “Eu contei a ele toda essa história, e ele apenas olhou para mim e disse, ‘que desgraçados!’”, Diz ele. “Foram frustrações como essa que ajudaram a precipitar a decisão de ir para a SpaceX. ”É importante observar, explica Reisman, que a NASA não funciona assim porque não quer se mover rápido.

E por dois motivos principais:

Cadeias de suprimentos complicadas: a NASA tem vários contratos, fornecedores com subcontratados e cadeias de suprimentos complexas. A SpaceX produz a maioria de seus componentes internamente, o que significa que pode fazer mais alterações sem atrair problemas com fornecedores terceirizados.
Aversão ao risco: a SpaceX hospedou uma série de voos não tripulados [errado: apenas uma missão não-tripulada e um teste de aborto em voo, que não é uma missão orbital completa – nota do Homem do Espaço] antes de passar para o estágio com tripulação. Isso significava que ela poderia testar ideias como pousar um booster Falcon 9 em uma balsa drone ou retornar uma Starship à Terra antes de colocar pessoas a bordo. A NASA não teve o mesmo luxo – o primeiro lançamento de space shuttle ao espaço em 1981 enviou dois astronautas. Enquanto a NASA conduzia uma série de testes de lançamento de ônibus espaciais antes da primeira missão tripulada, eles não foram tão longe quanto o espaço. [Errado, o shuttle foi lançado com dois tripulantes porque à época a tecnologia disponivel, em termos de custo x benefício, favorecia um teste com tripulantes – que tinham assentos ejetores em caso de avaria na decolagem; e a “a série de testes de lançamento” a que o repórter se refere eram os ALT, Approach and Landing Tests, voos atmosféricos usados apenas para testar o sistema e procedimentos de pouso].

O estágio propulsor B4 sendo testado, enquanto o canteiro de obras segue em trabalho

A SpaceX não começou com esses benefícios, explica Reisman. Em vez disso, o CEO Elon Musk começou visitando os fornecedores aeroespaciais tradicionais de componentes. Musk adotou uma abordagem de “primeiros princípios” e perguntou por que os fornecedores cobravam tanto por algo que os profissionais da sua empresa podiam fazer internamente por uma fração do custo. Essas economias acabaram por desenvolver a abordagem interna da SpaceX, fomentando uma cultura de rápida mudança ao estilo do Vale do Silício para a prototipagem.

Starship – sem sistema de escape da tripulação, ao contrário do shuttle da NASA

Essa nova abordagem acabou beneficiando a NASA. A agência contratou a SpaceX para construir a Crew Dragon para enviar astronautas para a ISS. Em abril de 2021, também anunciou que usaria a Starship em desenvolvimento como um módulo de pouso para as missões lunares tripuladas do Artemis. À medida que a nova era das viagens espaciais traz novas empresas com novas ideias, ela pode, em última análise, beneficiar toda a indústria.

(*)Um veterano da NASA que voou em todos os três ônibus espaciais, Reisman foi selecionado pela NASA como astronauta especialista em missões em 1998. Sua primeira missão em 2008 foi a bordo do ônibus espacial Endeavour, que o deixou para uma estadia de 95 dias a bordo da Estação Espacial Internacional depois disso, ele retornou à Terra a bordo do shuttle Discovery. Sua segunda missão em 2010 foi a bordo do shuttle Atlantis. Durante essas missões, Garrett realizou três caminhadas espaciais, operou o braço robótico da estação espacial e foi engenheiro de vôo a bordo do shuttle. Ele não é apenas astronauta, mas também um aquanauta servindo como membro da tripulação no NEEMO V, vivendo no fundo do mar no habitat subaquático profundo Aquarius por duas semanas. Depois de deixar a NASA no início de 2011, ele se juntou a Elon Musk na SpaceX, onde atuou em várias funções, mais recentemente, como Diretor de Operações Espaciais. Garrett deixou seu cargo de tempo integral na SpaceX em maio de 2018 e em junho se tornou Professor de Engenharia Astronáutica na Escola Viterbi da USC. Ele também continua apoiando a SpaceX como Consultor Sênior.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Missão cinema do espaço na reta final

Nave espacial Soyuz MS-19 é integrada no compartimento de transferência

Foguete-portador 14A141A Soyuz 2.1a em seus componentes principais

Em Baikonur, a preparação pré-lançamento do veículo de transporte tripulado Soyuz MS-19 (transportnogo pilotiruyemogo korablya – TPK) continua sob o programa da 66ª expedição principal à Estação Espacial Internacional ISS.
De acordo com o cronograma, especialistas da RKK Energia e empresas especializadas da Roscosmos realizaram o conjunto de operações tecnológicas para encaixar a Soyuz MS-19 com o compartimento de transição (perekhodniy otsek – PkhO) do terceiro estágio do veículo lançador. O PkhO é a parte da “cabeça espacial” que faz a conexão mecânica da espaçonave com a carenagem de cabeça, bem como a integração das cablagens da Soyuz MS-19 no sistema de controle de bordo do foguete Soyuz-2.1a.

Um técnico da RKK Energiya verifica a base do compartimento de instrumentos e propulsão da Soyuz antes do encaixe com a seção de transferência

A cabeça espacial do Soyuz é composta pelo compartimento de transferencia (que faz a adaptação entre a base da espaçonave e o topo de terceiro estágio do foguete), a nave espacial em si, a coifa de proteção e a torre de escape. Deste conjunto, a torre de escape SAS é alijada a 2 minutos depois da decolagem e a coifa se separa em duas metades a aproximadamente 2,5 minutos de voo; o compartimento de transferencia PkhO fica preso ao terceiro estágio após liberar a espaçonave em órbita.

Nave sendo acoplada ao PkhO

O lançamento do Soyuz-2.1a com a Soyuz MS-19 para a estação está programado para 5 de outubro de 2021. No cosmódromo, a tripulação principal formada pelo comandante Anton Shkaplerov (Roscosmos) e participantes de vôo espacial russos – a atriz Yulia Peresild e o diretor Klim Shipenko está sendo preparada para o vôo,. Seus suplentes são o cosmonauta Oleg Artemyev, a atriz Alyona Mordovina e o diretor de fotografia Alexey Dudin.
De acordo com o plano de trabalho, os especialistas realizaram as operações para encaixar a espaçonave com o compartimento de transição do terceiro estágio.

Soyuz MS-19 sendo instalada na montagem de andaimes 11T366 onde serão feitas as verificações e ajustes finais antes de ser colocada na horizontal e integrada ao terceiro estágio do foguete

O lançamento do foguete Soyuz-2.1a com a Soyuz está planejado a partir da plataforma de lançamento Nº 31/6 do cosmódromo de Baikonur. Durante o voo para a ISS, será implementado o projeto científico e educacional “Vy’vod” – “Desafio”.
O foguete carregará os símbolos do projeto. Em particular, os blocos laterais (boosters em forma de cone – as “cenouras”) e o estágio central terão os emblemas da Corporação Estatal Roskosmos, da sua empresa afiliada de agendamento de missões comerciais Glavkosmos, do Canal Um (Perviy Kanal), e listras vermelhas e azuis vão adornar toda a fuselagem e a carenagem da cabeça. Além disso, o logotipo do projeto Vy’vod será aplicado no terceiro estágio.

A altitude média da Estação Espacial Internacional foi ajustada em preparação para a chegada da nova Soyuz e o retorno da Soyuz MS-18 que está acoplada, trazendo Peresild, Shipenko e Oleg Novitsky – Shkaplerov ficará a bordo da ISS. De acordo com dados preliminares, após a manobra corretiva, a altitude da estação diminuiu 1,2 km.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Inspiration4: Elon Musk deve estar bastante aliviado

Quais os riscos que os passageiros da missão correram

A missão Inspiration4 foi o primeiro vôo espacial de uma tripulação composta inteiramente por astronautas não profissionais. A tripulação – o empresário Jared Isaacman, a professora de geociências Sian Proctor, a médica assistente Hayley Arceneaux e o engenheiro de dados Chris Sembroski – passaram o tempo em órbita fazendo alguns experimentos científicos e aproveirando a microgravidade. O bilionário de tecnologia Isaacman, que fretou a viagem para ele e os outros três, pagou “menos de $ 200 milhões” – e por essa quantia, a SpaceX o deixou personalizar a experiência, desde o menu de comida até o plano de vôo.

Os astronautas-turistas da Inspiration4

Os primeiros astronautas privados da SpaceX voltaram à Terra de uma estadia de três dias em órbita. Na noite de sábado, os astronautas particulares desceram pela atmosfera da Terra, pousando de paraquedas na costa da Flórida. Quando a cápsula tocou as ondas, eles podem ter ouvido uma voz do rádio de controle da missão dizendo: “Obrigado por voar na SpaceX.” Como se os passageiros tivessem acabado de pousar em uma pista de aeroporto, em vez de sobreviver a uma reentrada vindos do espaço, como se não tivessem acabado de passar três dias viajando mais alto que a Estação Espacial Internacional.

Decolagem em 15 de setembro

Quando tripulação da Inspiration 4 voltou à Terra, a imprensa leiga unanimemente escreveu: “um grande e brilhante sucesso de uma ambiciosa empresa espacial. Sem um único astronauta profissional, a nave voou acima da ISS”. Isso tudo é verdade. Mas outra coisa também é verdade: o próprio CEO da SpaceX Elon Musk e todos que têm uma boa ideia de voos espaciais tripulados estiveram em tensão durante os três dias, enquanto os quatro corajosos triulantes da Inspiration4 estiveram no espaço. E é seguro dizer que a SpaceX parece ter voos ainda mais arriscados pela frente. Vamos tentar descobrir por quê.

Por que uma nave precisa de pilotos?
Algumas pessoas que não estão particularmente interessados na história e na realidade das viagens espaciais acreditam que uma pessoa a bordo de uma espaçonave é um exagero. Dizem que tudo lá voa “de acordo com o programa”, automaticamente, e uma pessoa a bordo é necessária apenas “para ter prestígio”. Não há nada mais longe da verdade.
Desde o primeiro voo espacial (o de Gagarin), nem sempre tudo ocorre de forma automática e suave no espaço. Devido a problemas na operação de automação, a espaçonave Vostok foi elevada 100 quilômetros acima da órbita calculada. Era um risco enorme: na órbita prevista, o Vostok, se o motor de freio TDU-1 falhasse, sairia de órbita sozinho, devido à desaceleração nas camadas superiores da atmosfera. Na órbita mais alta, ele teria permanecido no espaço por semanas, durante as quais teria morrido de sede ou fome (ou sufocado). Durante a descida, um defeito nos sistemas impediu a separação padrão dos compartimentos, o que fez Gagarin dar cambalhotas junto com o espaçonave por dez minutos antes do calor detonar a conexão das cablagens entre a cápsula e o compartimento de propulsão.
Os projetistas do espaçonave entenderam que a automação não era suficiente em condições difíceis, então o Vostok tinha controle manual. Os problemas de automação, felizmente, não eram tão fundamentais para isso, mas, mesmo assim, os designers Serguei Korolev e Vassili Mishin nunca tiveram a opinião de parte do público moderno de que “um astronauta no espaço é uma decoração”.
Além disso, não havia tal opinião nos Estados Unidos. Em 1966, durante um vôo orbital, o sistema automático, juntamente com um curto-circuito, girou a espaçonave Gemini VIII em torno de seu eixo, pondo em perigo a tripulação. O comandante, Neil Armstrong, rapidamente assumiu o controle manual e cancelou a rotação. Em 1969, ele também compensou outro erro automático. Naquela época, a bordo do módulo lunar da Apollo 11, os sistema automático “errou” o local de alunissagem e estava indo pousar sobre enormes pedras. Isso danificaria o módulo e mataria os astronautas.
Tudo isso significa a mesma coisa: os voos para o espaço não estão, de forma alguma, no estágio em que uma pessoa pode ser apenas passageira. Falando francamente, mesmo aqui na Terra – lembre-se dos famosos vídeos “engraçados” sobre o piloto automático do carro Tesla – ainda não se está nesse nível. O ambiente espacial é muito mais complicado – os autômatos, em princípio, não podem substituir totalmente uma pessoa ali em um futuro previsível. Portanto, profissionais no comando são necessários lá muito mais do que um motorista ao volante de um Tesla.

A espaçonave Crew Dragon C206 resilience modificada com uma cúpula de plexiglass no nariz

Talvez fosse assim na década de 1960, mas agora está tudo diferente, a automação melhorou e o piloto ainda não é tão importante? De forma alguma: o acidente do space shuttle Columbia, que matou sete pessoas em 2003, poderia ter sido evitado se a liderança da NASA tivesse um plano para uma missão de resgate tripulada de prontidão – enviando um ônibus espacial de resgate para a órbita. Claro, tal ação exigiria muito controle manual, mas era possível. A Comissão de Inquérito de Columbia concluiu mais tarde:
“Essa operação de resgate seria um desafio, mas seria perfeitamente possível.”
E aconteceu o que se sabe: ao tentar retornar à Terra, sete pessoas foram queimadas vivas após entrarem na atmosfera. Tudo isso mostra que no século 21 é útil ter astronautas profissionais a bordo de uma espaçonave, que são capazes de avaliar o risco e responder a ele a tempo.

Não havia astronautas profissionais na tripulação da Inspiration 4. Ninguém. Eram quatro pessoas que foram treinadas de alguma forma pela SpaceX – em questão de meses. Profissionais externos criticaram seriamente esses processos – e é no caso de um acidente que a qualidade de tais sistemas se torna especialmente importante.
Mas embora o dinheiro possa comprar uma viagem selvagem para a órbita, ele não pode protegê-lo das forças da natureza, nem garantir que você chegará em casa com segurança. No ano passado, quando a SpaceX começou a lançar astronautas profissionais para a estação espacial para a NASA a empresa se tornou responsável pela segurança dos tripulantes em um grau que nenhuma empresa privada jamais experimentou. O mesmo agora é verdadeiro para todos que reservam sua própria vaga. Por mais fácil ou segura que esta missão possa parecer, o vôo espacial é perigoso. Ao longo dos anos, pessoas que trabalharam no programa americano de ônibus espaciais, incluindo os astronautas que voaram nos veículos, todos eles dizem a mesma coisa sobre as viagens espaciais: que sempre haverá um dia ruim. Que pessoas vão morrer. Quando se entrevistavam astronautas aposentados antes do lançamento da Inspiration4, eles se mostraram entusiasmados com a missão e emocionados por sua tripulação ver a Terra. Mas sua postura sobre os perigos não mudou. Por baixo do verniz brilhante da viagem espacial privada, com seus trajes espaciais futuristas e telas touchscreen, está a dura realidade do risco. Uma série de missões bem-sucedidas somam-se apenas a isso. Os astronautas da era dos ônibus espaciais sabem melhor do que ninguém que cada novo lançamento apresenta uma nova oportunidade para um desastre.

Jared Isaacman na cúpula

O que poderia ter acontecido com a Inspiration 4 em órbita?
Vamos deixar de lado o lançamento em uma órbita fora do projeto ou problemas com o foguete-lançador, como aqueles que Gagarin ou os ônibus espaciais tiveram. Vejamos a história recente do própria Crew Dragon, ou melhor, a nave específica Crew Dragon C204. Foi ela que fez o primeiro voo deste tipo de espaçonave em 2019 e acoplou na ISS. E depois que a cápsula retornou à Terra, os técnicos foram realizar uma série de testes na plataforma de lançamento – e em 20 de abril de 2019, ela explodiu. Além disso, durante o teste dos motores do sistema de resgate de emergência. O teste inicial dos propulsores de controle de posição ‘Draco’ foi bem-sucedido, com o acidente ocorrendo durante o teste do sistema de abortamento ‘SuperDraco’. Telemetria, imagens de câmera de alta velocidade e análise de detritos recuperados indicam que o problema ocorreu quando uma pequena quantidade de tetróxido de nitrogênio vazou em uma linha de circulação de hélio usada para pressurizar os tanques de propelente. O vazamento aparentemente ocorreu durante o processamento do pré-teste. Como resultado, a pressurização do sistema 100 milissegundos antes do disparo danificou uma válvula de retenção e resultou na explosão. Uma vez que a cápsula destruída estava programada para uso no próximo teste de aborto em vôo, a explosão e a investigação atrasaram esse teste e o subseqüente teste orbital tripulado. A fumaça pode ser vista por quilômetros, mas a SpaceX permaneceu quieta sobre o incidente, até mesmo se recusando a comentar sobre algumas imagens de vídeo, compartilhadas amplamente, que mostravam a cápsula envolta em chamas.

O que pode ser aprendido desse incidente? Uma coisa já conhecida: o projeto de uma espaçonave absolutamente nova não pode ser isento de falhas. Isso é, em princípio, impossível: qualquer nova técnica possui pontos fracos. E quanto mais complicado, mais perigosas são essas deficiências. No caso da Crew Dragon, alguns problemas não foram apenas com essa explosão, mas também com o sistema de pára-quedas. O problema com a Inspiration 4 não era que sua Crew Dragon Resilience pudesse explodir em órbita – isso era improvável, e os motores do sistema de resgate de emergência ficam neutralizados em órbita.
Na Inspiration 4, sobre o sistema de acoplagem, instalou-se uma uma cúpula transparente. Para não representar uma ameaça aos passageiros caso os motores Draco fossem acionados (o espaçonave os usa para orientação e manobra), a cupula foi parcialmente coberta nas laterais com quatro placas adicionais de proteção contra o calor.

A amerrissagem no oceano Altântico


Deve ser entendido: esta modificação da nave nunca esteve no espaço. Em princípio, não havou voos de teste não tripulados com ela. Era impossível ter certeza de que não haveria vazamentos de ar por três dias através de algum microfuro discreto em conexão com a instalação da cúpula. Ninguém na NASA jamais enviaria pessoas ao espaço em uma nave com modificações tão sérias sem primeiro testá-la por completo. A SpaceX sim.
Não estamos criticando a empresa. Este é o estilo deles: Musk a criou por uma causa que, em princípio, não é viável sem sacrifício humano – a colonização de Marte. Se ele testar completamente cada modificação todas as vezes após substituir algo na espaçonave, ele não terá tempo de criar uma base no Planeta Vermelho com essa abordagem. E há grandes dúvidas de que depois de sua morte alguém será capaz de se mover com a mesma energia em direção à conquista de Marte, então sua tolerância ao risco é mais do que compreensível. Ele simplesmente não pode se dar ao luxo de testar previamente a Crew Dragon após cada modificação importante. Os testes são feitos em terra usando computadores e simuladores de última geração, garantindo uma confiabilidade razoável. Assim se apresenta para o mundo a “Dragon Tripulada”, como o nome do espaçonave é traduzido – a nave mais avançada disponível. Dos quatro membros da tripulação, dois (Isaacman e Proctor) tinham experiência de vôo decente – mas apenas em aviões. Somente a SpaceX sabe o quanto eles poderiam lidar com o controle manual de emergência em caso de uma situação imprevista. Mas a empresa não divulga qual programa e com que intensidade treinou os astronautas amadores.
Para o próprio Elon Musk, isso é passado. Agora, quase toda a sua atenção no espaço está voltada para a Starship, um projeto incomparavelmente maior e mais ambicioso, contra o qual a Crew Dragon é uma bagatela. Musk a envia em voos privados em grande parte porque a NASA até recentemente não queria comprar lançamentos de espaçonaves reutilizadas da SpaceX e exigia que a empresa construísse uma nova para cada novo voo de governamental.
Mas temos que admitir que tal abordagem, mais cedo ou mais tarde, levará a consequências desagradáveis. E, por mais que não gostemos, talvez ao sacrifício humano. Musk e SpaceX têm uma cultura da síndrome de risco. O que é e a que pode levar?

A espaçonave desce de paraquedas, um dos quais é usado como reserva

O transporte aéreo é o mais seguro do mundo hoje. Ciclistas, pedestres e motoristas morrem mais por quilômetro. Mas não foi sempre assim. Em 1941-1945, a aeronave de ataque soviética no Ilyushin il-2 perdeu cerca de dez mil pilotos – menos do que as perdas americanas. E isso apesar do fato de ter sido o Il-2 a aeronave mais rápida da Força Aérea Soviética (cinquenta surtidas para uma perda oficial). Ou seja, o ramo mais perigoso da aviação na Frente Oriental custou menos vidas à URSS do que os Estados Unidos nos os voos de sua Força Aérea e nos voos em casa, onde não havia inimigo algum. Naquele período, 276.000 aeronaves fabricadas nos EUA. 43.000 aviões perdidos no exterior, incluindo 23.000 em combate; 14.000 perdidos no território continental americano.

Visão da câmera externa

Cultura de risco

Por que isso aconteceu? Há duas respostas para essa pergunta: em primeiro lugar, os Estados Unidos tinham a maior frota aeronáutica do mundo, para a qual era necessário treinar 600 mil tripulantes. Em segundo lugar, eles os treinaram generosamente – deram centenas de horas de vôo. Em uma surtida, as perdas foram pequenas, mas, no total, 1 em cada 24 tripulantes morreu dessa forma. Essas baixas superaram seriamente as perdas de pilotos americanos em, por exemplo, batalhas com os japoneses. Há outra razão muito importante para essas perdas: os historiadores americanos chamam isso de “cultura de risco”. A Força Aérea dos Estados Unidos assumiu riscos de forma clara e consciente durante o treinamento, acreditando que os homens adultos não apenas têm direito a isso, mas que o risco é uma parte normal de suas vidas.

Abordagem ” de risco” ao ar livre na SpaceX

A diferença de abordagem – outra parte da “cultura de risco” – fica evidente até na infraestrutura de inspeção e inspeção de espaçonaves e foguetes. Em Starbase no Texas, pessoas levantadas por um guindaste inspecionam a integridade e a exatidão da instalação de placas de isolamento térmico na barriga da Starship SN20. Os ladrilhos inadequados, presumivelmente, são marcados por adesivos colados.
Como observam os historiadores ocidentais: “Sem risco – sem voos” – ao mesmo tempo era a posição da Força Aérea e uma filosofia em algo razoável. Mas não em tudo: a glorificação dos riscos, dando-lhes um rasto glamoroso, impedia os aviadores de levarem a sério as medidas de segurança durante os voos fora de combate. Isso levou a perdas impensáveis, mesmo para os padrões das batalhas aéreas na Frente Oriental, sem qualquer influência do inimigo. As medidas para combater essa “cultura de risco” até o final da guerra ainda conseguiram reduzir as perdas específicas fora de combates em 25-40% – embora não em todos os lugares.
Infelizmente, a missão Inspiration 4 mostra que a SpaceX hoje é uma empresa com uma “cultura de risco” similar ao dos aviadores americanos da guerra. Portanto, com grande probabilidade, alguém pode morrer a caminho de Marte. Eles estão muito focados no principal – colonizar outro planeta – e dão pouca atenção às formalidades e detalhes, como a NASA.
Isso é um sinal negativo, mas, ao mesmo tempo, positivo. Voltemos à “cultura do risco” na Força Aérea americana durante a Segunda Guerra. Um piloto de combate que viu os primeiros dias dessa cultura após a guerra observou: “Na minha opinião, a Força Aérea… impedia o crescimento [com promoções] de lideranças realmente destacadas, em troca de promover aqueles que davam mais atenção à segurança de vôo.” Se olharmos para a NASA, é fácil entender que a agência tem sido um exemplo nos últimos anos. Sim, eles ainda não estão prontos para aceitar voos exóticos reutilizáveis em espaçonaves da SpaceX. Portanto, quando uma empresa voa para a NASA, não é preciso se preocupar muito. Mas o que a NASA exige dos desenvolvedores de tecnologia espacial parece bastante medíocre no contexto das realizações da empresa de Elon Musk.

Locais de resgate de emergência durante a decolagem

Aprendendo que “o espaço não é fácil”
No passado, quando novos engenheiros se juntaram ao programa de voo espacial tripulado da SpaceX, eles visitaram uma sala especial da NASA, fechada ao público, onde a agência mantém os destroços dos desastres do Columbia que tirou a vida de 14 pessoas. Benji Reed, o diretor sênior dos programas de voos tripulados da empresa, uma vez disse que costuma visitar um memorial no Centro Espacial Kennedy quando está na cidade. Sete carvalhos formam um círculo, um para cada astronauta que morreu no Challenger em 1986, a missão que incluiu o primeiro cidadão “comum”, a professora Christa McAuliffe.

A cápsula da SpaceX, pequena e em forma cone, é considerada mais segura do que os espaçosos ônibus espaciais. Se a SpaceX detectar um mau funcionamento logo após a decolagem, a cápsula pode se afastar do foguete Falcon 9 para um pouso no água com paraquedas. Os shuttle não tinham esse sistema de escape; eles eram muito mais tecnicamente complexos, com painéis de controle cheios de comandos. “Você tinha interruptores literalmente próximos um do outro e, se acionasse o errado, poderia tornar o seu dia muito pior do que muito melhor”, disse Douglas Hurley, astronauta da NASA, enquanto treinava para voar na nave da SpaceX. A cápsula, ele estimou, tinha apenas cerca de 30 interruptores manuais e disjuntores, em comparação com cerca de 2.000 nos shuttles.

Diversão a bordo

O primeiro teste de vôo, que Hurley e seu colega Bob Behnken realizaram no ano passado, foi rapidamente declarado um sucesso. A avaliação real veio bem depois que os astronautas saíram da água, quando os engenheiros examinaram os dados e inspecionaram os sistemas. Descobriu-se que durante a descida de Hurley e Behnken pela atmosfera, o escudo térmico, que protege a cápsula das condições de reentrada, degradou-se mais do que a SpaceX esperava.
Funcionários da empresa disseram que não havia “nada para se preocupar”, mas decidiu-se redesenhar parte do escudo térmico e também fazer uma mudança nos paraquedas da cápsula, que foram abertos mais perto da água do que o previsto. Não é incomum que engenheiros descubram algumas verdades desconfortáveis após o vôo, mesmo algumas que realmente os fazem estremecer. “Não importa o quão perto você chegue do fracasso, contanto que não ultrapasse a linha”- George “Pinky” Nelson, um astronauta americano aposentado disse uma vez. Nelson voou na última missão do ônibus espacial antes do desastre do Challenger e na missão que retomou o programa dois anos depois. A história do programa Dragon não foi isenta de incidentes, como vimos acima. Cerca de um ano antes do lançamento de Hurley e Behnken, a cápsula C204 foi destruída em uma explosão. A cápsula Dragon que a tripulação da Inspiration4 usou transportou quatro astronautas profissionais para a estação espacial no ano passado. A SpaceX não mudou muito além de instalar a grande janela de vidro em forma de bolha para que seus primeiros clientes particulares pudessem ter uma boa visão. Isaacman disse a repórteres antes do lançamento que a tripulação tinha acabado de falar com Musk, que garantiu mais uma vez que toda a equipe de liderança estava exclusivamente focada nesta missão e muito confiante.
Sandra Magnus, uma astronauta aposentada que voou na missão final do programa do shuttle, em 2011, disse que não estava preocupada com a tripulação da Inspiration4 por esse motivo. É claro que a SpaceX estaria em alerta máximo para seu primeiro vôo de astronautas particulares. Reed disse a repórteres que a SpaceX quer voar para clientes pagantes “três, quatro, cinco, seis vezes por ano, pelo menos”. Mas outra missão bem-sucedida, outra bela amerrissagem, não garante a próxima – essa é a lição que o pessoal da NASA tentou transmitir no SpaceX, em briefings, reuniões e palestras. A complacência mata. “Dez voos abaixo da linha, quando se torna rotina, é quando você realmente tem que ter cuidado”, disse Magnus. O desastre do Challenger ocorreu quando altos funcionários ignoraram os avisos dos engenheiros sobre uma peça que poderia falhar em temperaturas muito baixas e, embora não tivesse acontecido antes, o ônibus espacial estava prestes a ser lançado em um clima excepcionalmente frio. Anos depois, em um voo do shuttle, os engenheiros notaram que parte do isolamento de espuma do tanque externo se soltou durante o lançamento, mas a situação parecia não ter maiores consequências – até que parte dessa espuma danificou o escudo térmico do Columbia em 2003, fazendo com que a nave se desintegrasse durante a reentrada.

Astronautas na cabine durante a decolagem

Qual será a consequência para as viagens espaciais privadas se o pior ocorrer? Se acontecer um desastre enquanto a SpaceX estiver transportando astronautas da NASA, a agência pode decidir dar à SpaceX outra chance após alguns anos de investigação e avaliação cuidadosas. Mas e se os astronautas perdidos forem pessoas comuns, atraídas a bordo por alguém rico o suficiente para convidá-los? Isso caberia à SpaceX e Elon Musk. Musk há muito diz que imagina um futuro em que as viagens espaciais se assemelhem às viagens aéreas. Franklin Chang-Díaz, astronauta aposentado que voou no shuttle sete vezes disse que acredita que a indústria está se movendo nessa direção. Os erros mortais das primeiras viagens aéreas levaram a melhorias na segurança, mas agora “a maioria das pessoas não presta atenção ao fato de que você estará voando em um veículo pressurizado, e você estará voando a 30.000, 40.000 pés sobre a Terra, e indo a 800 km por hora ”, disse Chang-Díaz. “Tudo o que você quer é apenas ter sua internet e talvez algo para beber.”
A viagem espacial não é assim agora, e não será por algum tempo. É mais como escalar o Monte Everest, ou alguma outra aventura extrema similar – uma das férias mais arriscadas que se pode oferecer. Neste novo capítulo do voo espacial, os clientes pagantes, impulsionados não por um senso de dever nacional, como os primeiros astronautas foram, mas por algo pessoal, terá seus próprios cálculos de risco – para os próprios passageiros e para as famílias que podem estar deixando na Terra. Porque, como qualquer astronauta diria, o vôo espacial é sempre mais difícil para as famílias.
Pinky Nelson disse que os oficiais da NASA mantiveram sua família mais informada enquanto ele treinava para sua missão pós-Challenger do que antes das missões anteriores, em um esforço para tranquilizá-los, e a SpaceX tomou medidas semelhantes até agora. Arceneaux, o astronauta mais jovem da Inspiration4, disse que numa reunião com os engenheiros da SpaceX, a que ela compareceu com sua mãe, deu a ela o que ela precisava para sentir que confiava na empresa. Ela entendia o risco, mas se sentia tão confiante quanto podia. O grande público não está mentalmente preparado para o desastre da mesma forma. “Acho que o público, no fundo, sabe que astronautas já foram mortos antes”, disse Nelson. Mas é sempre um choque. “O público nunca espera que as pessoas morram”, disse ele.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Compre os e-books da Biblioteca Espacial Brasileira:

CONTRIBUA ATRAVÉS DO PIX DO HOMEM DO ESPAÇO: homemdoespacobr@gmail.com

BIBLIOTECA ESPACIAL

E-book Estações Espaciais Volume I

E-book Estações Espaciais Volume II

E-book Naves Espaciais Tripuladas

E-book Compêndio da missão EMM-1 dos Emirados a Marte

E-book Compêndio Satélites Militares

E-book Compêndio da missão Soyuz 9

Landsat 9 será lançado dia 27

Satélite segue longa tradição de sensoriamento remoto

O satélite Landsat 9 está programado para lançamento às 14:12 EDT (15:12 Brasilia) na segunda-feira, 27 de setembro de 2021, em um foguete Atlas V 401 número AV-092. da United Launch Alliance (ULA) do Complexo de Lançamento Espacial SLC 3 na Base da Força Espacial de Vandenberg em Califórnia. O satélite será colocado em uma órbita sincronizada com o sol de 705 km × 705 km, com inclinação de 98,2°.

Landsat 9

O Landsat 9 é um satelite civil de sensoriamento remoto em uma colaboração entre a NASA e o US Geological Survey. O dois instrumentos da espaçonave, o Operational Land Imager-2 e o Thermal Infrared Sensor-2, estudarão desmatamento tropical, expansão urbana, desastres naturais, recuo glacial e recursos de água doce para a agricultura.
O Landsat 9 se juntará ao Landsat 8 para coletar imagens de todo o planeta a cada oito dias. Esses dados continuarão a função do programa Landsat em monitorar a Terra e ajudar a administrar recursoscomo plantações, água e florestas. Imagens do Landsat 9 serão adicionadas a quase 50 anos de dados publicamente disponíveis – o mais longo registro de dados de paisagens da Terra do espaço. Os recursos de imagem de resolução média do Landsat permitem que os pesquisadores detectem a pegada das atividades humanas e seu impacto em nosso planeta natal ao longo das décadas. O programa Landsat tem funcionado continuamente desde 1972.

O Landsat-9 foi construído na Northrop Grumman Innovation Systems (anteriormente Orbital ATK em Gilbert, AZ – a NASA celebrou o contrato em outubro de 2016). O satélite é baseado na plataforma LEOStarTM-3/ SA-200HP, mesmo chassi usado no Landsat-8 e observatórios astrofísicos Fermi e Swift Gamma-ray . O Landsat-9 foi projetado, fabricado e testado pelo Grupo de Sistemas Espaciais da Northrop Grumman em suas instalações em Gilbert,, o mesmo local e equipe de produção que executou o Landsat-8. A Northrop também apoiará o lançamento, operações orbitais iniciais e check-out em órbita do observatório.

Satélite na carenagem de cabeça. O suporte ESPA com os cubesats está embaixo do Landsat 9, com os ejetores dispostos radialmente

O chassi SA-200HP (High Performance) da Spectrum Astro é uma adaptação para órbita baixa do chassi da sonda New Millennium Deep Space 1 da NASA. Este chassi flexível é projetado para uma vida de missão de até seis anos, estabilizada em 3 eixos em uma variedade de modos que incluem apontamento inercial, solar e nadir, além dos modos rotacional e manobrável.
A eletricidade é gerada por um painel solar extensível e baterias recarregáveis; a vida operacional estimada é de 5 a 7 anos; sua massa é 2864 kg;

O Landsat 9 tem dois instrumentos: Operational Land Imager 2 (OLI-2) para dados de banda reflexiva e o Sensor infravermelho térmico 2 (TIRS-2) para bandas de infravermelho térmico.

OLI-2
O OLI-2 é um “sensor de vassoura” ou sensor de varredura. Seu plano focal tem uma longa série de detectores fotossensíveis A radiação incidente é direcionada no plano focal por um telescópio anastigmático de quatro espelhos. O OLI-2 tem um campo de visão de 15 graus cobrindo uma faixa de terreno de 185 km. Os detectores do Landsat 9 são divididos em 14 módulos. Existem cerca de 7000 detectores através da trilha para cada banda espectral, exceto a banda pancromática de 15 m que tem 13.000 detectores. Cada banda espectral possui um filtro específico; Juntos, os filtros são organizados sobre a matriz de detectores de cada módulo. Os detectores de luz visível e infravermelho próximo são feitos de PIN de silicone (SiPIN). Os detectores infravermelhos de ondas curtas são feitos de Mercúrio-Cádmio-Telureto (MgCdTe).
O telescópio visualizará a Terra através de seu defletor de visualização . Há um conjunto de roda de obturador entre o defletor e o batente de abertura. A luz entra no telescópio por meio de um orifício na roda do obturador durante as observações nominais. Já o defletor de visão solar é ocasionalmente apontado para o sol para que um painel difusor possa refletir a iluminação no telescópio para fins de calibração. Dois conjuntos de seis pequenas lâmpadas cada dentro de um hemisfério integrado podem iluminar todo o plano focal do OLI-2 através do telescópio com o obturador fechado como outro componente do subsistema de calibração .

TIRS-2
O instrumento TIRS-2 é um sensor de imagem térmica de duas bandas com um sensor de varredura (como o OLI-2). Seu plano focal possui longas matrizes de detectores fotossensíveis. Tem um telescópio refrativo de quatro elementos que focaliza um feixe de radiação térmica f / 1.64 em um plano focal que é resfriado criogenicamente. O TIRS-2 tem um campo de visão de 15 graus para coincidir com a faixa de 185 km através da faixa de OLI-2. O plano focal contém três módulos com matrizes de fotodetector infravermelho de poço quântico (QWIP) dispostos em um padrão alternado ao longo da linha central do plano focal.
Filtros espectrais cobrem cada módulo de plano focal para criar as duas larguras de banda especificadas . Cada matriz QWIP tem 640 detectores de trajetória cruzada longa, permitindo a sobreposição entre as matrizes para produzir uma matriz linear efetiva de 1850 pixels abrangendo a faixa de solo de 185 km . O campo de visão é alternado entre o nadir (Terra) e um corpo negro interno e uma visão do espaço profundo usada para calibração radiométrica em órbita usando um espelho controlado por um mecanismo de seleção de cena. Isso permite que a visão seja alterada sem alterar a atitude nominal de visão da Terra da espaçonave . Um resfriador mecânico de dois estágios resfria o plano focal do TIRS-2. Isso permite que os detectores QWIP funcionem em sua temperatura exigida de 43 K (-382 ° F / -230 ° C). Há dois radiadores montados na lateral da estrutura do instrumento .

Cubesats

Os quatro CubeSats para a missão do 37º Lançamento Educacional de Nanossatélites da NASA (ELaNa 37) e o Escritório de Manifesto da Missão no Comando de Sistemas Espaciais da Força Espacial dos EUA acompanharão o Landsat. Os CubeSats serão carregados no Sistema de Voo do Adaptador de Carga Secundária do Veículo de Lançamento Evolvido (ESPA), ou EFS. É um anel posicionado abaixo do Landsat 9 e acima do topo do Centauro carregando os quatro subsatélites.

Coifa sendo içada para o topo do foguete

Duas missões CubeSat de universidades programadas para serem realizadas: o CUTE (Colorado Ultraviolet Transit Experiment) – da Universidade do Colorado em Boulder, Boulder, Colorado. É um CubeSat de tamanho 6U configurado para usar espectroscopia de transmissão quase ultravioleta (NUV) de 255 a 330 nanômetros para caracterizar a composição e as taxas de perda de massa de atmosferas de exoplanetas.

O CuPID, da Universidade de Boston, Boston Massachusetts, (Cusp Plasma Imaging Detector) é um cubesat 6U projetado para testar modelos concorrentes de interação de vento solar e magnetosfera. Ele carrega um telescópio de raio-X flexível de amplo campo de visão, o primeiro de seu tipo a ser colocado em órbita. A espaçonave medirá os raios X suaves emitidos pelo processo de troca de carga quando o plasma do vento solar colide com átomos neutros na atmosfera da Terra. Do seu ponto de vista na órbita baixa a 550 quilômetros, o CUPID estudará a troca de carga entre o vento solar carregado e os átomos neutros na atmosfera superior, um processo que ainda é pouco compreendido. Durante os períodos de alta atividade solar, os campos magnéticos do Sol e da Terra podem se fundir em um processo conhecido como reconexão magnética, permitindo que partículas solares carregadas vazem em direção à atmosfera terrestre. O CUPID usa um novo tipo de elemento de focagem chamado ‘óptica olho-de-lagosta’ . Essas ópticas permitem que o CUPID crie imagens com um amplo campo de visão .

Cesium CM1 – Os Cesium Satellite 1 e 2 são 6U CubeSats com um arranjo de fase (phased array) Cesium Nightingale 1 ativo e cargas úteis de link entre satélites. As espaçonaves têm um sistema de atitude de alta precisão com um rastreador de estrelas e um sistema de propulsão elétrica de última geração. O CM1 permite que os clientes comerciais e de defesa executem experimentos usando suas comunicações ativas de matriz orientável eletronicamente (AESA) e cargas úteis de comunicações de link cruzado. É a primeira de várias missões de tecnologia planejadas que demonstram as cargas úteis de comunicações avançadas da CesiumAstro. . É a primeira missão da CésioAstro a lançar e operar seu próprio equipamento no espaço.
Os satélites realizarão diversas manobras orbitais utilizando seu sistema de propulsão elétrica. No final da missão, eles também sairão de órbita ativamente com o mesmo sistema de propulsão.

Um contrato assinado há muito tempo

Em 19 de outubro de 2017, a NASA selecionou United Launch Services of Centennial, Colorado, para dar serviços de lançamento para a missão Landsat 9. O custo total para lançar o Landsat 9 foi de aproximadamente US $ 153,8 milhões, que inclui o serviço de lançamento e outros custos relacionados à missão. O Programa de Serviços de Lançamento da NASA no Centro Espacial Kennedy na Flórida gerenciará o lançamento . O escritório do Landsat 9 Flight Project está localizado no Goddard Space Flight Center da NASA em Greenbelt, Maryland, e gerencia o desenvolvimento de espaçonaves para o Science Mission Directorate da agência em parceria com o USGS em Washington.

Haverá também alguns pequenos satélites para o Departamento de Defesa.

Perfil de lançamento

O foguete de dois estágios alcançará a desejada órbita quase polar e sincronizada com o sol para o Landsat 9 com pouco mais de 16 minutos de voo, e então se deslocará até o outro lado do globo para liberar a espaçonave enquanto emerge da sombra da Terra em T + 1 hora e 20 minutos. O segundo e o terceiro disparos do estágio superior Centauro servirão para baixar a altitude e alterar ligeiramente a inclinação orbital. Os quatro CubeSats começarão a se separar do Centauro em aproximadamente T + mais 2 horas e 14 minutos.

Configuração do Atlas V 401

O foguete

O foguete Atlas V 401 tem dois estágios, sendo o primeiro movido a querosene e oxigênio líquidos e um motor russo RD-180 enquanto o segundo estágio é um Centauro equipado com um motor RL-10C alimentado a hidrogênio e oxigênio líquidos. A carenagem de cabeça feita em aluminio de quatro metros de diâmetro da ULA, construída nas instalações da empresa em Harlingen, Texas, protegerá o Landsat 9 e o CubeSats durante a ascensão pela atmosfera . Será usada a mais longa carenagem de quatro metros disponível, conhecida como Extra Extended Payload Fairing (XEPF). O Atlas V terá 59,1 metros e pesará 339.958 kg na decolagem. O lançamento, que será o primeiro vôo de quatro ignições de um Centauro em missões do Atlas V, será o 300º lançamento do Atlas de Vandenberg e o 16º para um foguete Atlas V. Esta será a 145ª missão geral da ULA e a 36ª do Programa de Serviços de Lançamento da NASA.

Desenvolvido pela Força Espacial dos EUA, o Sistema de Voo do Adaptador Secundário de Carga Útil para Veículo de Lançamento Descartável (Expendable Launch Vehicle Secondary Payload Adapter – ESPA), ou EFS, está voando neste foguete Atlas V como uma demonstração de prova de conceito para entregar pequenos satélites e CubeSats ao espaço. Esta e as futuras missões EFS maximizarão o valor dos lançamentos usando todo o espaço disponível em um foguete.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

China: Próxima missão tripulada durará 6 meses

E a bordo estará uma mulher fazendo seu segundo voo espacial

Por ocasião do Festival do Meio Outono, os três astronautas que estiveram em missão de 90 dias no espaço voltaram à Terra na espaçonave Shenzhou 12 para passar as festividades junto com amigos e familiares.

Quando os três astronautas da Shenzhou 12 retornaram de uma missão de três meses na estação espacial Tiangong, outros três astronautas chineses já estavam prontos para a próxima rodada de viagens espaciais da China.

O lançamento da nave espacial Shenzhou 13 será o último neste ano no programa da estação orbital Tiangong. Para concluir a construção da estação até o final do ano que vem, serão necessários mais seis lançamentos: dois cargueiros, dois veículos tripulados e dois módulos científicos. Após a conclusão da montagem, a estação chinesa terá massa de cerca de 100 toneladas, ou 25% da massa média da ISS. Mas a ISS foi construída por 16 países e a China faz tudo sozinha.

No momento, a estação é composta ainda pelo módulo-base TianHe, acoplado a duas naves de carga. A Shenzhou 13 (SZ-13) vai acoplar-se na porta de engate inferior (“nadir”) do TianHe, demonstrando uma habilidade que os russos desenvolveram em 1993 e os americanos em 1995.

Foguete CZ-2F/G

Assim ficará a estação chinesa, após a acoplagem dos módulos Wentian e Mengtian, nas portas radiais laterais

De acordo com informações divulgadas por departamentos aeroespaciais relevantes, desta vez a “equipe de viagem espacial” será composta por três astronautas, dois homens e uma mulher, que decolarão em 3 de outubro no foguete CZ-2FG Y13 transportando a nave Shenzhou 13.

Muitas pessoas podem estar se perguntando que o trio espacial composto por Nie Haisheng, Liu Boming e Tang Hongbo é notável por evitar o perigo. Por que você escolheu mudar um grupo de astronautas para ir ao espaço desta vez?

Foguete CZ-2F/G

Na verdade, esse arranjo é baseado em muitas considerações. Em primeiro lugar, o motivo mais importante é considerar o corpo do astronauta. Como o ambiente no espaço é bastante diferente do ambiente terrestre, trabalhar no espaço afeta os astronautas, com degeneração muscular, alterações endócrinas e pressão arterial anormal. Os efeitos do trabalho espacial de curto prazo no corpo dos astronautas podem ser recuperados por meio de exercicios e descanso. Se alguém trabalhar no espaço por muito tempo, isso pode causar danos irreversíveis ao seu corpo.

Astronautas chineses numa das duas atividades extraveículares da missão Shenhou-12

Além disso, devido à diferença ambiental grande entre o espaço e a terra, é muito difícil para o corpo humano alternar entre os dois lugares e se adaptar ao ambiente. Portanto, os cientistas chineses acharam apropriado que os astronautas que acabaram de retornar à Terra descansem um pouco e depois lhes sejam atribuídas novas tarefas com base em sua recuperação física e mental.

Como a estação espacial está agora: duas naves de carga acopladas

Além de motivos físicos, também existem arranjos de trabalho. Desta vez, a missão espacial vai ser diferente da anterior. Devido às características dos astronautas, os oficiais selecionaram um novo esquema de trabalho a bordo. Além disso, o novo trio recebeu treinamento direcionado, mais eficiente na operação, portanto, a reorganização da equipe também para garantirá a eficiência do trabalho.

Como ficará o complexo orbital após a chegada da SZ-13

A equipe da Shenzhou-13

A missão será comandada por Zhai Zhigang, terá como piloto Wang Yaping e como engenheiro operador Ye Guangfu.

Zhigang, nascido em 1966, em seu serviço como piloto de caça da PLAAF, acumulou 1000 horas de vôo. Foi selecionado em 2008 como integrande tripulação principal da Shenzhou 7 onde fez a primeira caminhada espacial chinesa.

Guangfu nasceu em 1980 na província de Sichuan, na China. Ele é piloto da Força Aérea e passou quatro anos como instrutor e quatro anos como piloto de caça, acumulando 1100 horas de vôo. Ye foi recrutado como astronauta em treinamento para o Astronaut Center da China em 2010 e se qualificou em 2014.

A combinação da equipe desta vez é muito particular. Primeiramente é um arranjo de dois veteranos e de um novato. Como recém-chegado, Ye Guangfu não tem experiência anterior de trabalho no espaço. Com a orientação e a ajuda de seus colegas, ele “pode evoluir e progredir, o que pode ajudá-lo rapidamente se tornou um pilar da indústria aeroespacial nacional”, dizem autoridades chinesas.

Wang Yaping

E desta vez, Wang Yaping (nascida em 1980), uma das duas cosmonautas chinesas, será a piloto da missão . Ela fazia parte da tripulação reserva da Shenzhou-12 e foi sempre considerada a candidata mais provável a ser enviada na Shenzhou-13. Mesmo levando em consideração os seis meses de duração do voo, ela não se tornará a recordista do tempo de permanência de uma mulher no espaço (o recorde pertence à americana Christina Koch, que passou 328 dias na Estação Espacial Internacional, estabelecendo o recorde de voos espaciais para astronautas mulheres); Mas 180 dias em órbita aproximarão a chinesa desse recorde. Ou seja, os chineses vão superar a defasagem na área de voos espaciais de longa duração (seis meses é a média de uma missão orbital hoje em dia) de uma só vez. E em poucos anos existe a chance de se tornarem o único país com uma estação espacial operacional permanentemente habitada.

Wang disse em uma entrevista que se tivesse a chance de pousar na Lua, ela gostaria de se vestir como Chang’e, a deusa da Lua em um conto de fadas chinês, com um coelho de estimação nos braços. Ela foi eleita pelas forças armadas do país como uma das 2.980 deputadas do 13º Congresso Nacional do Povo (NPC) da República Popular da China. Antes disso, a primeira astronauta da China no espaço, Liu Yang, já servira por um mandato de cinco anos como deputada do 12º NPC. Durante a primeira sessão do 13º NPC, Wang, junto com outros deputados irá elegeu funcionários do estado, revisou relatórios de trabalho do governo e discutiu a revisão da Constituição

O acordo oficial é começar a treinar o próximo grupo de “talentos aeroespaciais de destaque” – ou seja, os astronautas mais novos. Afinal, a geração mais velha terá um dia para se aposentar e dar aos jovens mais oportunidades ajudará muito no desenvolvimento da indústria aeroespacial do país. Juntamente com o ajuda e orientação de dois veteranos, Guangfu ganhará experiência e poderá comandar futuras missões.

Tang Hongbo, Nie Haisheng e Liu Boming a bordo do módulo TianHe

Além de “juntar o antigo e do novo”, também há a presença feminina. Embora tenha havido mulheres astronautas durante os vôos espaciais chineses antes, desta vez a missão é trabalhar na estação espacial. “Como a primeira mulher a entrar na estação, Wang Yaping tornar-se-á um novo marco na história dos voos espaciais. Este é um grande feito digno de orgulho e comemoração” anunciou a agência espacial chinesa.

Yaping no retorno da Shenzhou 10 após seu pouso bem-sucedido na Região Autônoma da Mongólia Interior, no norte da China, em 26 de junho de 2013

Na verdade, além de fazer história, esse arranjo de pessoal tem suas próprias considerações. Astronautas mulheres têm muitas vantagens que astronautas homens não têm. A escolha de enviar Wang Yaping para a expedição foi devido à experiência que ela tem no trabalho espacial. No vôo anterior dela, na Shenzhou 10, “a habilidade e o profissionalismo de Wang Yaping foram excelentes”. A Shenzhou 10 se acoplou à mini-estação espacial Tiangong-1.

Portanto, a operação da estação espacial desta vez não deve ser muito difícil para Wang Yaping, e os oficiais chineses estão confiantes em seu desempenho.

Desta vez, os astronautas trabalharão na estação espacial por 183 dias, o que será um desafio muito grande para os três. Em primeiro lugar, existem os desafios físicos. Devido ao voo relativamente longo, o ambiente espacial terá um impacto maior no corpo dos astronautas. É muito difícil para os astronautas superar esse desconforto físico.

Shenzhou 12 pousada

Em segundo lugar, além do desconforto físico, mais importante, da solidão espiritual, ficar longe da terra, longe de parentes e amigos por seis meses, é difícil para muita gente. E devido às expectativas do país e das pessoas, “os astronautas optam por embarcar nesta viagem sem hesitação, o que exige uma coragem diferente das pessoas comuns, o seu espírito destemido é digno do respeito da população”. A CNSA/CMS acredita que, com os esforços nacionais e o trabalho dos astronautas das novas gerações, a indústria aeroespacial da China ficará cada vez melhor.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

NASA cria mais dois grupos de trabalho

Bill Nelson divide a Diretoria de Missões em duas diretorias “para melhor gerenciar os próximos projetos”

O administrador da NASA, Bill Nelson, anunciou na terça-feira, 21 de setembro de 2021, que está criando duas novas diretorias de missão que melhor posicionarão a agência nos próximos 20 anos. A mudança separa a atual Diretoria de Missão de Exploração Humana e Operações nas novas Diretoria de Missão de Desenvolvimento de Sistemas de Exploração (Exploration Systems Development Mission Directorate – ESDMD) e Diretoria de Missão de Operações Espaciais (Space Operations Mission Directorate – SMOD).

Como parte da reorganização, a atual líder da agência em todas as atividades dos voos espaciais tripulados, Kathy Lueders, terá suas funções reduzidas. A NASA também trouxe de volta um ex-gerente sênior, Jim Free, para servir como líder do programa. Lueders vai liderar um segmento da Diretoria de Missão de Operações Espaciais, e supervisionar os programas operacionais, como a Estação Espacial Internacional e os programas de tripulação comercial. A outra parte do escritório reorganizado,o Exploration Systems Development Mission Directorate, gerenciará o desenvolvimento do programa lunar Artemis, incluindo a espaçonave Orion, o foguete Sistema de Lançamento Espacial e o Sistema de Aterrissagem Humana. Free servirá como seu chefe.

“A NASA está fazendo as mudanças devido ao aumento das operações na órbita baixa da Terra e aos programas de desenvolvimento encaminhados para a exploração do espaço profundo, incluindo as missões Artemis.” A liderança discutiu as mudanças e o futuro durante uma transmissão ao vivo da reunião com os funcionários na NASA Television, no aplicativo e no site da agência ao meio-dia EDT de hoje.

Free serviu como representante para o mais antigo desses chefes de voos espaciais tripulados, William Gerstenmaier, de 2016 a 2017. Ele foi visto como uma eventual substituição por alguns dentro da NASA, mas Free deixou para trabalhar para a Peerless Technologies em 2017 e, mais recentemente, trabalhou como consultor. Uma funcionário da agência que conhece os bastidores da mudança disse que o retorno de Free representa um esforço para lidar com um banco de liderança bastante “magro” na agência espacial. É uma oportunidade de trazer de volta alguém com experiência no desenvolvimento de equipamentos para missões no espaço profundo.

No entanto, um empresário que trabalha na indústria aeroespacial foi cético em relação à mudança, dizendo que isso pode ser um revés para o programa de exploração comercial do espaço. “Isso apenas adicionará uma camada de burocracia e enviará mensagens contraditórias ao Capitólio, à indústria e aos parceiros internacionais”, disse.

Segundo a agência, ambas as direções da missão estão planejando o futuro da abordagem de exploração da Lua a Marte a partir de diferentes extremos dos voos espaciais. “A NASA há muito definiu a visão para a exploração do espaço, não apenas para nossa nação, mas também para o mundo. Essa reorganização posiciona a NASA e os Estados Unidos para o sucesso à medida que nos aventuramos mais longe no cosmos do que nunca, ao mesmo tempo em que apoiamos a continuidade comercialização do espaço e pesquisa na Estação Espacial Internacional “, disse Nelson.” Isso também permitirá que os Estados Unidos mantenham sua liderança no espaço nas próximas décadas. “

Jim Free retornará definirá e gerenciará o desenvolvimento de sistemas para programas críticos para a Artemis e planejará a abordagem de exploração da Lua a Marte de uma maneira integrada. “Estou animado por estar de volta à NASA. Trabalhando lado a lado com nossos colegas de Operações Espaciais, vamos nos concentrar em garantir o sucesso das missões Artemis no curto prazo, enquanto traçamos um caminho claramente definido para a exploração humana de Marte como nosso objetivo no horizonte ”, disse Free.

Kathy Lueders se concentrará no lançamento e nas operações espaciais, incluindo a ISS, a comercialização da órbita baixa da Terra e, eventualmente, operações de sustentação na e ao redor da Lua.

“A estação espacial é a pedra angular de nossos esforços de voo espacial tripulado, e as tripulações comerciais e os sistemas abastecimento que suportam o laboratório são os blocos de construção para nosso sucesso contínuo”, disse Lueders. “Trabalharemos em conjunto com as diretorias de missão para alcançar sucessos ainda maiores, incluindo a expansão da economia da órbita terrestre, o lançamento de nossas missões científicas de última geração e a preparação para futuras operações na Lua e em Marte. ”

A criação de duas diretorias de missão separadas garantirá que essas áreas críticas tenham equipes de supervisão focadas no local para apoiar e executar para o sucesso da missão. Esta abordagem com duas áreas focadas em voos espaciais tripulados permite que uma diretoria de missão opere no espaço enquanto a outra constrói sistemas espaciais futuros, portanto, há um ciclo constante de desenvolvimento e operações para avançar os objetivos da NASA na exploração espacial. “Kathy demonstrou liderança excepcional e supervisionou um tremendo progresso em seu papel como administradora associada para voos espaciais tripulados. E estamos entusiasmados em receber Jim de volta à agência. Juntos, esta dupla dinâmica ajudará a forjar o futuro da exploração humana”, disse Nelson.

Nos próximos meses, a NASA implementará essas novas diretorias de missão enquanto permanece focada na segurança das operações em andamento para a tripulação comercial e nas próximas missões Artemis. Não há mudanças nas funções e missões centrais da NASA como parte dessa reorganização. A administradora adjunta da NASA, Pam Melroy, e o administrador associado Bob Cabana, se juntarão a Nelson, Free e Lueders durante a teleconferência da prefeitura e da mídia.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

China: Mais um sucesso espacial

Nave de carga automática se acopla ao módulo-base da estação orbital

A espaçonave de carga Tianzhou-3, lançada hoje de madrugada, completou com sucesso a acoplagem com o módulo-base TianHe da estação espacial chinesa às 22:00 de hoje, 20 de setembro de 2021 (11:00 hora de Brasília). O modo de encontro autônomo rápido e acoplagem foi adotado para que a TZ-3 se encaixasse na porta traseira do módulo central da estação. Todo o processo durou cerca de 6,5 horas. A Tianzhou-3 transporta suprimentos para astronautas, trajes espaciais extraveiculares e consumíveis , materiais de construção, cargas e propelentes, etc. Depois de completar o encontro e acoplar com o módulo central Tianhe ao qual também está engatado o Tianzhou-2, o status da combinação de três naves será testado.

Espaço para cargas ampliado

A nave trouxe mais de 200 pacotes, quase 6 toneladas de carga. As cargas no Tianzhou-3 são quase as mesmas que na Tianzhou-2. Isso inclui comida, água, roupas e equipamentos para a tripulação. De acordo com os planos, há diferenças nos números: a tripulação do Shenzhou 13 deve ficar no espaço por cerca de seis meses. Portanto, comida, água e necessidades básicas transportadas pela Tianzhou-3 são três vezes mais do que na Tianzhou-2. A massa de carga para os astronautas ultrapassa 3 toneladas.
Além disso, a Tianzhou-3 também trouxe presentes para os astronautas para o Festival da Primavera (Ano Novo Chinês).
O número de cargas entregues incluiu roupas femininas, produtos de higiene, cosméticos etc. especialmente preparados para uma astronauta do sexo feminino. Além disso, centenas de quilos de água de emergência foram transportados. Cilindros de gás de alta pressão também foram entregues. A Tianzhou 2 já trouxe gás suficiente para manter a pressão no módulo Tianhe. Já a Tianzhou 3 entregou gás que será usado principalmente para reabastecer a atmosfera da estação usando a câmara de ar no primeiro módulo experimental, que deve ser lançado no próximo ano. Os cientistas chineses decidiram entregar o gás com antecedência.
Depois de consultar a tripulação da Shenzhou 12, as malas de transporte da Tianzhou 3 foram marcadas com etiquetas coloridas para uma rápida identificação do tipo de carga embalada nelas. Por exemplo, etiquetas de cor verde representam sacolas com comida; azul escuro, o equipamento para a estação, e azul claro os pertences dos astronautas.

A fim de trazer mais cargas para a tripulação da Shenzhou-13 que estão prestes a decolar, a Tianzhou 3 teve removidos quatro tanques de propelente, correspondentemente reduziu suas reservas, e o propelente transportado foi usado principalmente para o acoplamento. Os requisitos durante a operação da combinação com o TianHe ditaram a necessidade de ampliação o espaço de carga.

A TianZhou 2 está acoplada na frente do módulo TianHe, e a TianZhou-3 encaixou-se na seção traseira

De acordo com os procedimentos de encontro e acoplamento, o TZ-3 atingiu 52 km atrás da estação espacial, um pouco abaixo da sua altura orbital . Em seguida, ele entrou na fase de controle autônomo de curto alcance, e parou em pontos de espera a 5km, 400m, 200m e 19m no meio do caminho. Os sensores de navegação que foram utilizados nestas etapas foram o GNSS (longo alcance), radar de microondas (navegação e comunicação), LiDAR – um telêmetro a laser para alcance relativo longo e alcance curto – , um CRDS (de alcance relativamente próximo a proximidade de contato). O contato foi feito através do colar extensivel de atenuação de impacto, cujas tres pétalas se encaixaram nas três similares do sistema de acoplagem andrógino periférico tipo APAS. Uma vez travados os dois colares de atenuação, o colar da nave espacial fez a retração por meio de pistoes hidraulicos e trouxe as duas coroas de encaixe firme, cujas garras ativas e ganchos passivos se encaixaram, pressionando os selos de elastômeros que formaram um selo hermético entre a TZ-3 e o TianHe.

A tecnologia chave para todos os encaixes chineses bem-sucedidos no espaço são os sistemas de medição e navegação usados ​​durante a aproximação e o acoplamento. O TianZhou utiliza três tipos de sistemas de medição para fornecer medição de alcance em distâncias diferentes. O radar de microondas opera a 150 km de distância do alvo de acoplamento. O radar laser é usado a uma distância de 20 km. E os sensores CCD operam durante a fase final de abordagem (dentro de 100 m). O sistema chinês incorporou tecnologias semelhantes do Soyuz / Progress russo (radar de micro-ondas) e do ATV europeu (telêmetro a laser), mas está tendo uma precisão maior do que o sistema russo.

Sistema APAS chinês – à esquerda, o ativo e à direita o sistema passivo

Para o próprio acoplamento, o dispositivo de acoplamento APAS chinês foi declarado compatível com a porta de acoplamento ISS, mas ele precisa de pequenas modificações antes de qualquer acoplamento real com a ISS. Semelhante ao sistema russo APAS89 / 95 utilizado na ISS, o APAS chinês possui um túnel com diâmetro de 0,8 m, as três pétalas de alinhamento interno no colar de encaixe e doze travas para vedação hermética e 4 molas de separação.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Nave cargueira chinesa parte para a estação espacial

O foguete Longa Marcha 7 colocou a TianZhou-3 em órbita

Longa Marcha-7 Y4 lança a TianZhou-2

O foguete Longa Marcha-7 Y4 lançou a nave de carga TianZhou-3 para estação espacial chinesa, hoje, 20 de setembro de 2021. O foguete de 53 metros e 597 toneladas decolou da plataforma 201 do Centro Espacial de Wenchang por volta de 07h10 UTC (04:10 de Brasília, 15:10 de Pequim).

Cerca de 9 minutos após a decolagem, a espaçonave foi colocada em órbita inicial de 220 x 332 km , inclinada em 41,6 graus em relação ao equador. “Na véspera do tradicional Festival do Meio Outono chinês, o foguete transportador Longa Marcha 7 subiu ao céu e carregando com sucesso a espaçonave de carga Tianzhou-3 levando o “Pacote de Presente do Meio Outono” da pátria mãe para o céu.” – anunciou a imprensa oficial chinesa. A nave transporta cerca de 5,6 toneladas de carga – incluindo um traje extraveicular Feitian, propelente, outros equipamentos, consumíveis regulares (para três tripulantes por 180 dias) e consumíveis de emergência (para os mesmo três, por 10 dias).

Nave espacial TZ-3 em configuração de voo

A nave se acoplará na porta de engate traseira do módulo TianHe (enquanto a nave TianZhou-2 já está acoplada na porta dianteira) por volta de 14:16 UTC (11:16 hora de Brasilia). A espaçonave Tianzhou é uma parte importante do projeto da estação espacial da China. Foi desenvolvida pela Quinta Academia da Corporação de Ciência e Tecnologia Aeroespacial da China. Sua função é transportar materiais , reabastecer e carregar resíduos da estação espacial. Carregando suprimentos incluindo água e propelente para sustentar a próxima missão Shenzhou-13 por seis meses, a Tianzhou-3 deve fazer um encontro automático rápido e acoplar com o módulo central, como o Tianzhou-2 fez durante a missão anterior.

A Tianzhou-2 foi desacoplada da porta traseira do Tianhe em 18 de setembro, e se encaixou na porta frontal do compartimento multi-acoplagem cerca de quatro horas depois.

A estação espacial como se apresenta desde sábado…
…e com a acoplagem da TZ-3 na porta traseira, hoje
… e após a chegada da nave tripulada Shenzhou 13 o complexo espacial terá esta configuração, em outubro

A palavra Tianzhou ( chinês :天 舟; pinyin : Tiān Zhōu ; ‘Barco Celestial’), combina os nomes chineses do laboratório espacial Tiangong (Chinês :天宫 ) e da espaçonave Shenzhou ( chinês :神舟 ) . Também usam para ela a identificação de duas letras “TZ” .

Emblema da equipe técnica que preparou o foguete Longa Marcha 7

A nave tem um tempo de voo acoplado de 180 dias -sendo que a autonomia em voo livre é de 90 dias. A capacidade de propelente no módulo de propulsão (monometil-hidrazina e tetraóxido de azoto) é de duas toneladas, incluindo propelente de transferência para a estação espacial. A TZ usa um sistema de propulsão combinado, permitindo que todo o propelente não necessário para a missão seja transferido para a estação espacial, permitindo um uso mais eficiente dos recursos.

Emblema da missão de lançamento da nave

Já a nave e o foguete para a missão espacial Shenzhou-13, que levará três astronautas para a estação, também estão passando por preparações no Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan, no noroeste da China. As instalações e equipamentos em ambos os locais de lançamento estão em boas condições.

O foguete-portador CZ-7

Foguete Longa Marcha 7 (CZ-7)

A variante básica do ‘Chengzeng’ CZ-7 tem uma configuração de dois estágios com quatro boosters de propelentes líquidos, todos queimando querosene como combustível e oxigênio líquido (LOX) como oxidante. O foguete tem 53,3 m de comprimento, com uma massa total de lançamento de cerca de 594 toneladas e um empuxo de decolagem de 7.200 kN (734 toneladas-força). O lançador é capaz de colocar 13.500 kg de carga útil em órbita de 200 x 400 km (inclinação de 42 °) ou 5.500 kg para uma órbita sincrona com o sol de 700 km.

O CZ-7 padrão consiste em dois estágios conectados por uma estrutura interestágio, todos com 3,35 m em diâmetro. Cada estágio tem um tanque de oxidante à frente e um tanque de combustível na parte traseira, conectado por uma seção de anel intertanque. O oxidante é bombeado para os motores por meio de um duto que passa através no centro do tanque de combustível. Os dois tanques de propelente e a seção do anel intertanques fazem parte da estrutura de suporte de carga. Os boosters tem estrutura semelhante.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

China lança nave de carga hoje de madrugada

TianZhou 3 decola de Wenchang para a estação espacial CSS Tiangong

O foguete Longa Marcha-7 Y4 da China, que lançará a nave de carga TianZhou-3 para estação espacial chinesa, decola hoje da plataforma 201 do Centro Espacial de Wenchang por volta de 07h10 UTC (04:10 de Brasília). A nave se acoplará com a estação espacial chinesa CSS, ou complexo espacial Tiangong – formado atualmente apenas pelo módulo TianHe e uma nave espacial TianZhou-2 acoplada na porta dianteira. A Polícia Rodoviária de Wenchang anunciou restrições de tráfego em 20 de setembro das 0h às 24h.

Foguete ainda dentro da torre de serviço
Emblema da equipe técnica que preparou o foguete Longa Marcha 7

O CZ-7 número de série Y4 chegou na segunda-feira ao seu local de lançamento na província de Hainan, no sul da China. O foguete, junto com a nave de carga Tianzhou-3 está na plataforma, montado e testado, disse o Escritório de Engenharia Espacial Tripulada da China (CMSEO). Carregando suprimentos incluindo água e propelente para sustentar a próxima missão Shenzhou-13 por seis meses, a Tianzhou-3 deve fazer um encontro automático rápido e acoplaar com o módulo central, como o Tianzhou-2 fez durante a missão anterior.

Nave espacial em configuração de voo
TZ-3 na montagem

De acordo com a agência espacial chinesa CNSA, a espaçonave de carga Tianzhou-2 foi desacoplada autonomamente da porta traseiro do Tianhe em 18 de setembro de 2021, às 02:25 UTC (10:25 Horário padrão da China), e encaixado com sucesso na porta frontal do compartimento multi-acoplagem cerca de quatro horas depois.

Trajetória de lançamento a partir de Hainan, sobre o Mar da China, com o local de queda dos boosters e da carenagem de cabeça do foguete
Emblema da missão de lançamento da nave

Tianzhou ( chinês :天 舟; pinyin : Tiān Zhōu ; ‘Barco Celestial’), combina os nomes chineses do Tiangong (Chinês :天宫 ) e a espaçonave Shenzhou ( chinês :神舟 ) . Também usam para ela a identificação de duas letras “TZ” .

Foguete CZ-7 Y4 deixando o prédio de integração e montagem para ser transferido com sua mesa de lançamento via ferrovia para a plataforma 201 de Wenchang

A nave tem um tempo de voo acoplado de 180 dias -sendo que a autonomia de voo livre é de 90 dias. A capacidade de propelente no módulo de propulsão (MMH+N2O4) é de duas toneladas, incluindo propelente de transferência para a estação espacial. A TZ usa um sistema de propulsão combinado, permitindo que todo o propelente não necessário para a missão seja transferido para a estação espacial, permitindo um uso mais eficiente dos recursos.

Já a espaçonave tripulada e o foguete para a missão espacial Shenzhou-13, que levará três astronautas para a estação, também estão passando por preparações conforme programado no Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan, no noroeste da China, de acordo com o CMSEO. O CMSEO disse que as instalações e equipamentos em ambos os locais de lançamento estão em boas condições e todos os sistemas que estarão envolvidos na missão estão sendo preparados de forma nominal.

A estação espacial como se apresenta desde sábado…
…e com a acoplagem da TZ-3 na porta traseira
… e após a chegada da nave tripulada Shenzhou 3 o complexo espacial terá esta configuração

O foguete-portador CZ-7

A variante básica do CZ-7 tem uma configuração de dois estágios com quatro boosters de propelentes líquidos, todos queimando querosene como combustível e oxigênio líquido (LOX) como oxidante. O foguete tem 53,1 m de comprimento, com uma massa total de lançamento de 594 toneladas e um empuxo de decolagem de 7.200 kN (734 toneladas-força). O lançador é capaz de colocar 13.500 kg de carga útil em órbita de 200 x 400 km (inclinação de 42 °) ou 5.500 kg para uma órbita sincrona com o sol de 700 km.

Foguete Longa Marcha 7 (CZ-7)

O CZ-7 padrão consiste em dois estágios conectados por uma estrutura interestágio, todos com 3,35 m em diâmetro. Cada estágio tem um tanque de oxidante à frente e um tanque de combustível na parte traseira, conectado por uma seção de anel intertanque. O oxidante é bombeado para os motores por meio de um duto que passa através no centro do tanque de combustível. Os dois tanques de propelente e a seção do anel intertanques fazem parte da estrutura de suporte de carga. Os boosters tem estrutura semelhante.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Vivemos uma nova era ou num retrocesso aprimorado?

Tecnologia espacial avança com pequenas naves reutilizáveis e numa grande nave com poucas opções de redundância

OPINIÃO

por Homem do Espaço (Jr Miranda)

Muitos dizem que estamos vivendo uma nova etapa, mais moderna, dos voos espaciais. Se por um lado é indubitável que o avanço iniciado pela SpaceX nos foguetes de propelente líquido e módulos de tripulação reutilizáveis (ou mais precisamente parcialmente reutilizáveis, já que o foguete Falcon 9 só reutiliza o seu “core” – o primeiro estágio – descartando o segundo estágio, enquanto a nave espacial Crew/Cargo Dragon reutiliza apenas a cápsula da tripulação, descartando a seção de radiadores e painéis solares) realmente inovou o acesso privado ao espaço, por outro lado isso se deveu principalmente ao preço por lançamento e à disponibilidade de vários desses “cores” disponíveis para reutilização (~10 vezes para o foguete, ~5 vezes para a cápsula). A realidade é que o grande ponto pivotal da astronáutica foi o space shuttle, que representava a espaçonave mais próxima do ideal.

Space shuttle pousando – como um avião

O space shuttle como nave ideal:

Uma nave como o shuttle era:

  • Grande= podia levar até 8 tripulantes na decolagem (o que só foi feito uma vez), mas poderia ser configurado para uma missão de resgate com 10 pessoas, e com espaço de sobra.
  • Capaz de transportar carga = podia carregar módulos, satélites, sondas espaciais
  • Reutilizável= podia suportar teoricamente 100 missões espaciais
  • Planadora = em vez de descer de paraquedas, que por definição devem ser infalíveis (esta infalibilidade se busca atingir com um paraquedas reserva), o shuttle planava de volta à Terra, aterrissando como um avião.
Space Shuttle na configuração de lançamento.
Foguete Falcon 9 BL5 em voo na alta atmosfera

Nesta parte, vemos a única grande deficiência do shuttle – a falta de capacidade de alternar para uma pista de pouso diferente em caso de erro na trajetória de descida, seja um desvio lateral, seja na “rampa de descida”; a nave não tinha meios de, como um avião, produzir empuxo e arremeter, por exemplo, para tentar uma segunda aproximação com a pista.
Outra grande desvantagem do shuttle era a impossibilidade virtual de escape em caso de emergência na decolagem, já que uma manobra de evasão da nave espacial em caso de explosão dos foguetes era impossivel, devido às caracteristicas dinâmicas do conjunto. Mas os primeiros voos tinham provisão de assentos ejetores, o que aumentava grandemente as chances de salvamento – ainda que só coubessem dois assentos ejetaveis na cabine. A nave foi simplesmente feita levando-se em conta a capacidade da tecnologia da época (os anos 70) de lidar com os riscos inerentes ao design, e havia uma serie de redundancias para mitigar estes riscos, fazendo-se um ‘trade-off‘, uma troca ponderada sobre risco x beneficio. Esta filosofia funcionou por 133 vezes, contra duas perdas catastróficas (e nessas duas perdas o fator humano foi prepoderante, pois o projeto poderia ser melhorado a ponto de evitá-las. Mas a tecnologia muitas vezes avança por causa dos erros).

Opções de abortamento do Crew Dragon
Nave Crew Dragon padrão para missões de transporte

Houvesse mais tempo e recursos para desenvolver ‘boosters’ de propelentes líquidos (mais ‘controláveis’ do que os sólidos efetivamente usados, pelo preço); houvesse condição de se instalar meios de propulsao na fase de retorno à pista (motores a jato); e havendo provisão de pelo menos quatro saídas de assentos ejetores, o shuttle seria a espaçonave perfeita, como recursos razoáveis de segurança no lançamento e opções de corrigir uma aproximação final fora do previsto.
Neste ponto, a filosofia soviética que produziu a nave Buran era a que mais se aproximava deste ideal: Os russos trabalharam o conceito americano e decidiram-se por um foguete todo de propelentes líquidos e uma espaçonave que poderia ejetar de 4 a 8 assentos (sendo que dois assentos usariam o mesmo sistema de trilhos, ejetando primeiro o assento de cima para depois acionar o de baixo); e usar motores turbojato para garantir a arremetida no pouso. Os motores Lyulka AL31 eram ítem original do projeto, mas não foram usados no primeiro voo devido à pressa no cronograma. A idéia era que as naves futuramente tivessem estes motores para assegurar manobrabilidade na atmosfera.

Shuttle soviético Buran com os motores originalmente desenhados na base da deriva
Crew Dragon: cápsula que só pode descer no mar

Assim, o Buran, se entrasse em operação, seria o transporte espacial ideal, em termos de capacidade de carga, número de tripulantes e segurança. Questionamo-nos se os custos seriam os mesmos que os provedores privados de hoje conseguem atingir, mas isso seria comparar máquinas diferentes com capacidades diferentes.
Cápsulas reutilizáveis como a Crew Dragon, a Starliner, a Aryol e a Orion são ainda veículos de concepção tradicional, pequenos e com nenhuma capacidade de carga relevante, e dependentes de paraquedas na descida (Crew Dragon e Orion sequer podem aguentar um pouso em terra sem levar à inutilização de suas carcaças, embora garantam a sobrevivência da tripulação). A Aryol dependerá de seu sistema de trem de pouso para permitir o toque suave com o solo pendurada no paraquedas (uma falha desse trem levará à destruição da base da cápsula, ainda protegendo a tripulação mas obrigando a não mais usar sua estrutura novamente).

Starship
Com a Starship, a SpaceX abandonou as opções de segurança ao projetar uma nave com zero capacidade de escape na decolagem (não há assentos ejetores, sistema de escape de salvamento, não há capacidade de planeio em caso de falha no foguete SuperHeavy); toda a confiança da empresa californiana está centrada no perfeito funcionamento dos motores Raptor ‘boost’ – por isso foram instalados três deles (ao lado de três Raptor ‘vacuo’, para uso somente no espaço). São justamente este três motores ‘boost’ que sustentam toda a capacidade de redundância da Starship, uma vez que a ela não tem nenhuma sustentação aerodinâmica – a nave não plana – e uma falha nos motores significa uma perda certa e inescapável para a nave e a tripulação. Por mais que os Raptors sejam confiáveis, sempre pesará sobre o desenho da SpaceX a sombra de que não há alternativas em caso de um defeito que leve aos 3 motores a falharem.

Astronautas-turistas a bordo da nave da SpaceX
Starship/SuperHeavy

Elon Musk quer que os voos orbitais e suborbitais sejam rotineiros como os voos de aviação comercial. Mas ele não menciona – assim como nenhum dos jornalistas e especialistas de internet, seja os pagos diretamente por ele para bajulá-lo ou os que fazem por conveniência, já que os feitos da empresa californiana atraem atenção garantida e visualizações nas redes sociais (o que acaba resultando em lucro).
Num avião, há níveis absurdos de redundância, o que significa que os engenheiros aeronauticos de Boeing, Airbus e Embraer passam anos planejando sistemas que possam lidar com uma série de falhas, criando alternativas (redundancia em eletricidade, distribuição de combustivel, capacidade de planeio) para garantir que o voo comercial seja o meio de transporte mais seguro do mundo. A redundância numa aeronave está espalhada em várias frentes, e a própria natureza está do lado deles – afinal, um avião plana, e num último caso, após todas as redendâncias falharem, ainda há a chance de um pouso suave desde que o terreno seja amplo e nivelado.
Para atingir este nivel de segurança, a Starship é um conceito fora de questão. Mais certo seria um veículo com asas e motores, colocado no topo do SuperHeavy e sendo capaz de tudo o que foi descrito acima para os shuttles e Buran. Mas isso implicaria numa penalidade – a carga útil.

Starship: design promissor para Marte

A filosofia por trás do design de Elon Musk é o fato de que a nave foi projetada para ‘colonizar Marte’. E em Marte uma nave como o shuttle não seria de grande valia, já que sua tênue atmosfera não favorece o planeio. Qualquer nave destinada a pousar lá deve confiar em motores para desacelerar e controlar a descida.
Em Marte, o jogo tem regras mais duras, e essas regras significam uma penalidade mortal para os erros de projeto e de operação. Lá, o risco de confiar apenas em motores é aceitável por que é inexorável.

Mas a Terra não é Marte.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Soyuz MS-19: está chegando a hora do cinema no espaço

Equipes principal e reserva da missão Vi’zov chegam a Baikonur

Após a despedida cerimonial em Zvezdniy Gorodok, a Cidade das Estrelas (Centro de Treinamento de Cosmonautas), que ocorreu esta manhã, as tripulações da ISS-66 e seus acompanhantes foram para o campo de aviação de Chkalovsky, perto de Moscou, de onde voaram para o Cazaquistão em dois voos especiais para receber treinamento pré-lançamento no cosmódromo de Baikonur Os aviões pousaram no campo de aviação Krainy. Ambas as equipes são compostas por um comandante russo e dois artistas de cinema, no projeto Vi’zov (Desafio), o primeiro filme a ter cenas filmadas no espaço.

Equipe principal chega a Baikonur no Tupolev Tu-204-300 ‘Yuri Gagarin’, matrícula RA-64044, do Centro de Treinamento de Cosmonautas

“É assim que deve ser, sem humor é impossível nem na Terra nem no espaço. Acho que o bom humor só vai beneficiar a todos nós ”, disse o comandante da tripulação principal da ISS-66, Anton Shkaplerov .

Peresild, Sskaplerov e Shipenko chegam a Baikonur 
As equipes chegam à sala de entrevistas. As bandeiras de todos os países que já tiveram seus cosmonauas lançados em naves espaciais russas estão penduradas sobre vidro isolante.

No cosmódromo de Baikonur, a preparação do foguete Soyuz-2.1a para o lançamento continua. Na quinta-feira, dia 16 , o “pacote” (primeiro e segundo estágios) foi transferido ao local de montagem para testes pneumáticos dos blocos “B” e “D” (dois dos ‘boosters’ cônicos, “cenouras”, que fazem parte do primeiro estágio) do veículo lançador. Todas as operações tecnológicas são realizadas por especialistas do Yuzhny filial do Centro de Operação de Instalações de Infraestrutura Espacial Terrestre – TsENKI) e do Centro Espacial e Foguetes RKTs Progress no edifício de montagem e teste da área 31. A seguir, o teste pneumático dos blocos “A” ( o bloco central, ou segundo estágio), “B”, “D” (outros elementos do primeiro estágio) e o terceiro estágio do foguete (o Bloco “I”, ou aparelho 14S54).

Alyona e Alexei

O lançamento do foguete Soyuz-2.1a com o veículo de transporte Soyuz MS-19 está programado para 5 de outubro de 2021 a partir do complexo de lançamento Vostok do cosmódromo de Baikonur.

As tripulações realizaram a primeira “adaptação” na Soyuz MS-19. A tripulação principal da ISS-66 inclui o cosmonauta Anton Shkaplerov da Roskosmos , os participantes do vôo espacial Klim Shipenko, diretor de cinema e a atriz premiada Yulia Peresild. Seus substitutos são o cosmonauta Oleg Artemyev da Roskosmos , os participantes do vôo espacial cinegrafista Alexei Dudin e a atriz Alyona Mordovina. Em primeiro lugar, sem os trajes de vôo Sokol KV-2, os cosmonautas da equipe principal se familiarizaram com a espaçonave, a colocação da carga no compartimento de utilidades e o estado dos sistemas. Após vestir os escafandros Sokol e realizar testes de hermeticidade, as tripulações testaram o sistema de comunicação e o funcionamento do sistema de armação dos assentos Kazbek-UM da cabine, que serve para atenuar o impacto durante o pouso. Esta atividade ocorre no prédio de montagem e teste (Montazhno Ispitatelniy Korpus) da área nº 254.

Tripulação principal veste seus trajes Sokol KV2 diante dos técnicos da fábrica Zvezda
Yulia testa seu assento Kazbek-UM, que inclui uma armação de aluminío universal e um forro de espuma de poliuretano expandido moldado individualmente
Shkaplerov testa o regulador RDSP-3M-01
Traje pressurizado

Os cosmonautas testaram seus trajes espaciais Sokol KV-2, experimentaram o ajuste de seus gorros ChL-10 à cabeça, testaram o sistema de controle de pressuzição acionando a válvula RDSP-3M-01, e checando a marcação do manômetro UDiS-K em cada manga esquerda do traje. Em seguida os técnicos de Baikonur checaram os cabos Ch9 de transmissão de dados fisiológicos e o cabo Kh3 para radiocomunicação (este cabo é ligado aos fones de ouvido e microfones que estão costurados no gorro); cada um testou o ajuste de suas luvas GP-7A (cada uma marcada com uma tarjeta de nylon branco com suas iniciais impressas em silk-screen com tinta acrílica azul).

Praticando a entrada no compartimento habitacional da Soyuz, pela escotilha de 66 cm de diâmetro

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Pouso bem-sucedido encerra a missão dos astronautas-turistas da Inspiration4

Cápsula Resilience da SpaceX desceu no oceano Atlântico depois de três dias em órbita

A cápsula pousa na costa da Flórida de paraquedas

A espaçonave tripulada americana Crew Dragon (missão Inspiration4) fez um pouso bem-sucedido no mar hoje, sábado 18 de setembro de 2021, após três dias numa viagem espacial inédita, totalmente financiada e tripulada por astronautas não-profissionais. A cápsula C207.2 ‘Resilience’ da SpaceX pousou no Atlântico com os astronautas Jared Isaacman, Hayley Arceneaux, Sian Proctor e Christopher Sembroski, que fizeram um voo espacial comercial histórico de 2 dias, 23 horas e 4 minutos.

Astronautas logo após a abertura da escotilha

As Restrições Temporárias de Voo (Temporary Flight Restrictions  – TFRs) foram apresentadas para sete áreas ao largo das costas do Atlântico e do Golfo da Flórida para a noite de sábado e uma oportunidade reserva na manhã de domingo, mas as condições meteorológicas e do mar permitiram que o pouso fosse feito na área primária na primeira oportunidade .

O patrocinador e comandante Isaacman

Foi a primeira missão espacial exclusivamente particular, beneficente, patrocinada por um indivíduo e sem iniciativa governamental. A nave foi lançada na quarta-feira à noite e colocada numa órbita inicial de 190 x 575 km, circularizada a 575 km posteriormente. Durante estes três dias a tripulação de turistas espaciais, nenhum deles astronauta profissional, fez diversos experimentos biomedicos e participou de uma série de eventos beneficentes em prol do St Jude Hospital, especializado em tratamento infantil. Após a abertura dos quatro paraquedas principais, a Resilience, amerrissou às 19:06 horário da Costa Leste dos EUA (21:06, horário de Brasilia) no Oceano Atlântico ao 48 km a nordeste da costa da Flórida. A missão durou três dias.

Hayley, Jared, Sian e Sembroski após a missão
Espaçonave C207 configurada para esta missão com a cúpula de plexiglass

A embarcação de busca e resgate GO Searcher estava localizada na área de pouso, e içou a cápsula da água para seu deck de serviço usando um dispositivo de içamento hidráulico, após o qual a Dragon foi deslizada em sua “almofada” de suporte até o pórtico onde a equipe técnica fez a lavagem inicial da nave, procederam a neutralização dos circuitos elétricos e pirotécnicos e em seguida ajudaram a tripulação a sair da cabine. A área de pouso também era protegida por barcos de patrulha da Guarda Costeira dos EUA. Depois disso, os quatro membros da tripulação embarcaram em um helicóptero para o curto vôo de volta à pista de pouso do Centro Espacial Kennedy para reuniões e uma celebração pós-vôo. “A prioridade é ter certeza de que eles estão saudáveis”, disse a SpaceX. Foi feita uma avaliação médica. Eles depois tomaram banho, se trocaram e embarcaram no helicóptero para o vôo de volta. Esperava-se um vôo de cerca de 25 minutos e então “as famílias estarão presentes para recebê-los em casa”.

A cápsula C207.3 é içada para bordo do navio de resgate GO Searcher.
A Crew Dragon em órbita, com a janela em forma de cúpula adaptada ao colar de acoplagem

A cápsula já voou antes – daí a denominação “C207.2” e transportou os astronautas da missão Crew-1 em novembro de 2020 para a estação espacial internacional. O ‘core’ de primeiro estágio do foguete-lançador fez seu terceiro voo (daí “B1062.3”), tendo anteriormente lançado dois satélites GPS em voos diferentes para a Força Espacial dos EUA.

Segundo se estima, a nave pesou 12.519 kg na decolagem e 9.616 kg na amerrissagem.

A missão pretendia apoiar o St. Jude Children’s Research Hospital em uma campanha de arrecadação de fundos com meta de US$ 200 milhões para a entidade; no entanto, ao fim do voo somente US$ 60 milhões haviam sido arrecadados, e horas após o pouso o CEO da SpaceX, Elon Musk, convenientemente contribuiu com mais 50 milhões.

Cúpula de plexiglass

As naves Crew Dragon em atividade atualmente foram recentemente modificadas nas oficinas da SpaceX com reforços estruturais na caixa hermética pressurizada da cabine e nos suportes periféricos, para resistir melhos às cargas mecânicas do impacto com a água no pouso, no caso da cápsula ricochetar no contato com o oceano. Os motores de emergência SuperDraco foram modificados com a substituição de algumas peças de titânio por correspondentes em aço, enquanto que os tanques foram modificados para carregar uma quantidade maior de propelente, para aumentar a estabilidade da cápsula contra os ventos horizontais em caso de ejeção, com um aumento de 10% no desempenho que dobrou as velocidades do vento de solo aos quais ela pode resistir com segurança.

Imagem do circuito de TV a bordo no momento da amerrisagem

AS ETAPAS DO REGRESSO DA ESPAÇONAVE

Pré-saída de órbita (1 a 2 dias antes da data aproximada)

A SpaceX toma a decisão de partir 48 horas antes da aterrissagem com base no status dos locais de aterrissagem principal e alternativo. Além disso, um local de pouso sem suporte de backup com condições climáticas que atendam aos critérios de amerrissagem será identificado antes da partida para mitigar o risco de mudanças climáticas e garantir que um mínimo de dois locais de pouso adequados sejam identificados em todos os momentos. Um local de pouso sem suporte é qualquer local fora dos sete locais com suporte pré-determinados, e o Departamento de Defesa dos EUA (DoD) conduz as operações de resgate da tripulação neste cenário improvável, que é a última opção.

A Dragon deve prosseguir com as ignições de manobra conforme planejado, mesmo se as condições forem marginais ou NO-GO (proibidas) em qualquer local de pouso próximo com suporte e exceder os critérios aceitos. Dado que o local de pouso pode estar a mais de 24 horas de distância e o clima pode mudar, a Crew Dragon deve sempre prosseguir com as ignições de manobra para preservar a oportunidade de pouso com suporte.

“Wave-off”
Se as condições permanecerem NO-GO no local de pouso com suporte, a SpaceX toma a decisão conjunta de “evitar” um cenário sem ondas, a Crew Dragon permanece em órbita para a próxima tentativa de pouso 24-48 horas depois.

5 horas antes da saída de órbita (6 horas antes da amerrissagem)
Se as condições no próximo local de pouso forem marginais e excederem os critérios aceitos, a SpaceX e a NASA tomam uma decisão conjunta sobre se continuar com a saída de órbita.

Separação do umbilical (“claw” – ‘garra’) da Crew Dragon (1 hora 20 minutos antes da amerrissagem)
A SpaceX monitora as mudanças nas condições por meio da decisão de prosseguir com a queima de saída de órbita (30 minutos antes da preparação da separação das garras), quando uma determinação final para prosseguir com a saída de órbita [e feita. O umbilical está localizado no tronco da nave, conectando o controle térmico, energia e componentes do sistema aviônico localizados no tronco à cápsula. Em seguida, a cápsula é separada de seção de tronco e passa ao controle térmico próprio e usa suas baterias de ion-lítio para gerar eletricidade.

Retração do umbilical e separação da cápsula da seção de troco (1 hora 20 minutos antes da amerrissagem

Requisitos operacionais de retorno

As seguintes condições meteorológicas são monitoradas para os locais de amerrissagem da tripulação e são usadas para tomar a decisão antes da saída de órbita.

Uma serie de parafusos explosivos existe para descartar o cone do nariz (em órbita), caso ele não feche. O cone do nariz não é necessário para proteger o conjunto de acoplamento na descida, mas se ele emperrar na posição aberta, impedirá a reentrada. Daí a capacidade de ejetar manualmente o cone do nariz. Também existem parafusos pirotécnicos nos sistemas de paraquedas. Um conjunto deles detona os paraquedas de estabilização e os extratores (“drogues”), e outro conjunto serve para cortar os cordames dos quatro paraquedas principais. Esses são usados no caso de o computador de vôo deixar de desconectar automaticamente os paraquedas após a queda na água. A falha em descartar os páraquedas após o pouso pode levar a cápsula a ser arrastada no mar por centenas de metros se um deles for soprado pelo vento.

A nave desce suspensa em quatro paraquedas principais, cada um com 24,95 metros de diametro e 489,30 m2

Critérios de meteorologia para o retorno da tripulação da SpaceX

  • Velocidade do vento: não superior a 10,5 nós (5,39 m/s)
  • Período de onda e altura de onda significativa: verificado pela altura da onda e relação do período de onda; em geral, quando a altura e o período da onda são iguais, a condição é proibida. Inclinação de ondas não superior a 7 graus.
  • Raios: não menos do que 10 milhas e não mais do que 25% de probabilidade de raios no limite protegido
  • Chuva: > 25% de probabilidade de 25 dBz em limite protegido
  • Partida do helicóptero e teste de flutuação: teste para confirmar a capacidade operacional
  • Limites operacionais do helicóptero: os limites serão aplicados no movimento (inclinação, rotação), visibilidade de nuvem, teto de nuvens e relâmpagos
  • Inclinação da embarcação, rotação: não superior a 4 graus
  • Teto: não menos que 150 metros
  • Visibilidade: não menos do que 800m durante o dia e 1600 metros à noite
  • Relâmpagos: a não menos que 116 km
Hayley Arceneaux na cúpula de observação

Imediatamente após a amerrissagem, dois barcos rápidos da SpaceX com pessoal técnico saem do navio de recuperação principal GO Searcher. O primeiro barco verifica a integridade da cápsula e testa a área ao redor da Crew Dragon para a presença de quaisquer vapores propelentes hipergólicos. Depois de liberado, o pessoal dos barcos começa a preparar a nave para ser recuperada pelo navio. A segunda lancha é responsável por proteger e recuperar os paraquedas do Dragon, que neste ponto se desprenderam da cápsula e estão na água.

A decolagem de Cabo Canaveral na quarta-feira à noite, 15 de setembro, no foguete Falcon 9 FT v1.2 B1062.3

Uma vez que o navio de recuperação principal se encontra com a nave, ele iça a Dragon para o convés principal, onde é ela rapidamente movida para um local estável para que a escotilha seja aberta. Profissionais médicos estão disponíveis para conduzir as verificações iniciais e auxiliar a tripulação. Todo esse processo leva cerca de 45 a 60 minutos, dependendo das condições da nave e do estado do mar.

Equipe da Inspiration4 durante transmissão de TV

O silêncio nos primeiro dia de voo

Na série da Netflix Countdown: Inspiration4 Mission to Space, os assinantes puderam acompanhar a tripulação enquanto eles se preparavam para o lançamento. A série co-produzida com o Time Studios acompanhou a equipe e mostrou sua “transformação em tempo real de pessoas normais em astronautas completos” (nas palavras da Time). No reddit, escreveu-se que sob o contrato com a Netflix ninguém tem direito de publicar fotos e vídeos em órbita até 30 de setembro. Isso para tornar tudo exclusivo para a Netflix. É verdade que o contrato não é público e ninguém pode confirmar isso oficialmente.

Durante o dia 16, a SpaceX e a equipe de mídia da Inspiration4 soltaram posts lacônicos que – pela cortina de silêncio imposta – deram oportunidade a especulações de que haveria algo errado com um ou mais dos tripulantes. As mensagens anunciavam que “a tripulação do Inspiration4 está saudável, feliz e descansando confortavelmente”. “A Dragon continua a permanecer em sua órbita alvo, com altitudes de até 590 km acima da superfície da Terra.” Não foram dadas mais informações sobre os experimentos biomédicos realizados, que certamente tomam uma boa parte do tempo dos astronautas e podem contribuir para a ausência de registros. De qualquer modo, um ‘diário de bordo’, feito por uma acessoria de imprensa de Isaacman ou da própria SpaceX, indicando quais testes estão sendo feitos, seria bem-vindo aos seguidores (e fãs) da missão em terra.

Foto da equipe mostrando a escotilha superior que leva ao nariz da nave, onde estava instalada a cúpula de plexiglass adaptada ao sistema de acoplamento

Na sexta feira, finalmente, a tripulação fez uma apresentação pública via transmissão de TV por satélite no canal da SpaceX no youtube. Isaacman foi o mestre de cerimonias da transmissão, e Sembroski, Proctor e Arceneaux, cada um por sua vez, fizeram declarações sobre como estavam se sentindo. Em seguida abriram a escotilha do nariz da nave para mostrar o domo de plexiglass instalado dentro do sistema de acoplagem). Hayley e Sian e mostraram o espaço exterior através da cupula, com o sol refletindo no interior do cone de nariz. Por causa da posição da nave no espaço, não foi possível mostrar a superfície terrestre.

RESUMO

Tripulantes:

  • Comandante da nave: Jared Isaacman
  • Piloto: Dra. Sian Proctor
  • Médica-chefe: Hayley Arceneaux
  • Especialista de missão: Christopher Sembroski
Jared Isaacman (atrás), Hayley Arceneaux (direita), Sian Proctor (à esquerda) e Christopher Sembroski (na frente)

Cada um dos tripulantes recebeu um simbolismo, um “mote”, referente a cada uma das referências que Isaacman atribuiu à missão:

Simbolizando a “liderança”, Isaacman, fundador e CEO da Shift4 Payments, foi o comandante. Isaacman começou a Shift4 quando tinha 16 anos. Em 2004, aos 21 anos, fez aulas de vôo e tornou-se piloto; após anos de treinamento, ele é certificado para pilotar aeronaves comerciais e militares. Estabeleceu vários recordes mundiais e conduziu mais de 100 shows aéreos.

Simbolizando a “esperança”, Hayley Arceneaux, médica assistente do St. Jude Children’s Research Hospital, foi a diretora médica. Nascida na Louisiana, ela foi diagnosticada com osteossarcoma, um câncer ósseo, aos 10 anos de idade e foi tratada em St. Jude. Ela agora trabalha no hospital com pacientes com leucemia e linfoma. Aos 29 anos, ela se tornzou a mais jovem americana em órbita.

Simbolizando a “prosperidade”, a Dr. Sian Proctor é geocientista, exploradora e especialista em comunicação científica. Ela foi a piloto da missão. Nascida em Hagåtña, Guam, Proctor recebeu o diploma de bacharel em Ciências Ambientais pela Edinboro University, na Pensilvânia. Mais tarde, ela frequentou a Arizona State University, obtendo mestrado em geologia e um doutorado em educação científica. A Dra. Proctor é professora de geologia no South Mountain Community College, onde também atua como oficial de educação aeroespacial para a Civil Air Patrol’s Arizona Wing.

Simbolizando a “generosidade”, Christopher Sembroski, engenheiro de dados e veterano da Força Aérea dos EUA, servirá como especialista da missão. Sembroski serviu anteriormente como conselheiro no Space Camp e foi voluntário para o ProSpace, uma organização sem fins lucrativos que promovia a iniciativa de voos espaciais privados. Depois de se formar na Embry-Riddle Aeronautical University com o título de Bacharel em Ciências, ele ingressou na Força Aérea dos Estados Unidos como Técnico Eletromecânico e agora trabalha na Lockheed Martin.

Posição dos tripulantes na cabine

OBJETIVOS CIENTÍFICOS

A tripulação do Inspiration4, sendo a primeira missão espacial comercial tripulada exclusivamente patrocinada por um cidadão particular, foi uma iniciativa de pesquisa em medicina sobre o impacto do voo espacial no corpo humano. Uma vez em órbita, a tripulação realizou experimentos sobre saúde e desempenho, que terão aplicações potenciais para a Medicina e em futuros voos espaciais. Além disso, a SpaceX, o Instituto de Pesquisa Translacional para Saúde Espacial (TRISH) do Baylor College of Medicine e a Weill Cornell Medicine coletarão dados ambientais, biomédicos e amostras biológicas dos quatro tripulantes antes, durante e depois do voo espacial.

Sembroski fotografando através da cúpula, em imagem gravada pela câmera externa no casco da nave

A SpaceX, a TRISH e os cientistas da Weill Cornell Medicine pretendem continuar a ampliar o acesso à pesquisa da medicina espacial, tornando os dados biomédicos da missão acessíveis por meio de um repositório aberto financiado e supervisionado pela TRISH que poderá ser acessado para fins de pesquisa. Capacitado pelo Programa de Pesquisa Humana da NASA, o TRISH é um instituto virtual que “encontra e financia ciência e tecnologia médica disruptiva para reduzir os riscos à saúde e ao desempenho dos exploradores espaciais”.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Inspiration4: Cápsula pousa hoje

Missão pioneira de astronautas-turistas segue conforme o planejado

O Canal do Homem do Espaço transmitirá ao vivo o retorno à Terra da espaçonave

A cápsula descerá sob quatro paraquedas de 25 metros de diâmetro

A espaçonave tripulada americana Crew Dragon (missão Inspiration4) deve pousar hoje após um voo espacial pioneiro de três dias de astronautas-turistas com financiamento totalmente privado. A cápsula C207 Resilience da SpaceX pousará no mar com os Jared Isaacman, Hayley Arceneaux,, Sian Proctor e Christopher Sembroski, que fizeram um voo espacial comercial histórico de três dias. Foi a primeira missão espacial exclusivamente patrocinada por um indivíduo, sem incentivo governamental. O lançamento da nave num foguete Falcon 9 FT Block 5 foi feito na quarta-feira passada.

Sembroski, Isaacman, Proctor e Arceneaux durante transmissão ontem à tarde

A espaçonave corrigiu sua órbita para 360 x 369 km x 51.6º de incinação após o os acionamentos dos motores de correção de trajetória ocorridos ontem à noite.

Já a ignição final, para saída de órbita, começa às 18:06 -18:16 ET (20:06 -20:16 UTC, 17:06-17:16 de Brasília) e o a amerrissagem próximo à costa do Cabo Canaveral ocorrerá 50 minutos depois. Esta será a terceira vez que esta cápsula Crew Dragon pousa com pessoas a bordo.

Todos os horários são aproximados (hora de Brasília) para amerrissagem hoje sábado, 18 de setembro
Horário – Evento
06h32 – Fechamento da escotilha dianteira entre a cabine e o túnel de engate
19h11 – Alijamento da seção de tronco
19h16 – Início da ignição dos motores Draco frontais de saída de órbita
19h31 – Fim da ignição de saída de órbita
19h35 – Cone de nariz retraído e travado na posição fechada
20h02 – Os pára-quedas de estabilização e frenagem são lançados pelos morteiros
20h03 – Paraquedas principais são liberados, puxados pelos paraquedas de frenagem
20h06 – Amerrissagem da Crew Dragon

Local previsto de amerrissagem

Critérios de meteorologia para o retorno da tripulação da SpaceX

Velocidade do vento: não superior a 10,5 nós (5,39 m/s)
Período de onda e altura de onda significativa: verificado pela altura da onda e relação do período de onda; em geral, quando a altura e o período da onda são iguais, a condição é proibida. Inclinação da onda não superior a 7 graus.
Raios: não menos do que 10 milhas e não mais do que 25% de probabilidade de raios no limite protegido
Chuva: > 25% de probabilidade de 25 dBz em limite protegido
Partida do helicóptero e teste de flutuação: teste para confirmar a capacidade operacional
Limites operacionais do helicóptero: os limites serão aplicados no movimento (inclinação, rotação), visibilidade de nuvem, teto de nuvens e relâmpagos
Inclinação da embarcação, rotação: não superior a 4 graus
Teto: não menos que 150 metros
Visibilidade: não menos do que 800m durante o dia e 1600 metros à noite
Relâmpagos: a não menos que 116 km

As astronautas serão submetidos a exames médicos rotineiro, tomarão um banho e serão transportados de helicóptero ao Centro Espacial Kennedy para encontrarem-se com a equipe da SpaceX, amigos e familiares.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

China testa manobra automática na estação espacial

Nave-cargueira TianZhou-2 moveu-se da porta traseira para a dianteira do módulo-base

Em mais uma demonstração de competência técnica, a China demonstrou a capacidade de sua grande nave espacial de carga TianZhou (TZ), fazendo a TianZhou-2 mudar de posição na estação espacial TianHe. A transferência do colar de engate traseiro para o dianteiro marcou uma proeza somente realizada antes pela União Soviética/Rússia, nos anos 90 do século passado.

A TV chinesa mostrou a manobra de relocação da nave automática
Compartimento traseiro do módulo-base TianHe visto pela câmera de TV do Tianzhou-2 enquanto este se afastava para iniciar a manobra de relocação
TZ-2 acoplada orginalmente na porta traseira

De acordo com a Administração Espacial Tripulada da China, às 10h25 de hoje, 18 de setembro de 2021, horário de Pequim, a espaçonave Tianzhou-2 (de 13 toneladas) se separou da porta traseira da estação espacial TianHe, circulou o módulo e acoplou-se no colar de engate do compartimento frontal de modo automático. Todo o processo levou cerca de 4 horas. Atualmente, a cabine principal da estação espacial (o Tianhe) e a espaçonave Tianzhou-2 estão em boas condições. Nesta semana, a primeira tripulação da estação completou um voo de 92 dias, pousando com sucesso na Mongólia Interior, encerrando uma missão impressionante e que inaugurou a disponibilidade do complexo orbital chinês de realizar experimentos nacionais e de outros países. Nas próximas semanas, o TianHe receberá a nave tripulada Shenzhou 13 com tres astronautas e e também visita da nave de carga Tianzhou-3.

TZ-2 circula o módulo-base

Em outubro, a Shenzhou-13 irá se acoplar na porta ‘nadir’ – voltada para a Terra – do compartimento frontal de transferência do módulo-base, já que a TianZhou-2 está ocupando a porta frontal e a TianZhou-3 estará docada na traseira. A capacidade de acoplagem em ângulo reto foi demonstrada pela primeira vez no voo da Soyuz TM-16 em 1993 com a estação espacial russa Mir.

TZ-2 aproxima-se pela frente

Somente as naves russas Progress haviam demonstrado a capacidade automática (ou pilotada remotamente) de realocação entre portas de acoplagem, e a TianZhou tem o dobro do tamanho das naves russas. Na verdade o Tianzhou é a maior espaçonave automática de carga, em volume e capacidade de manobra, em uso atualmente, enquanto o HTV-X japonês não entrar em operação para voos à estação espacial internacional. Anteriormente, esteve em atividade o cargueiro ATV – Automated Transfer Vehicle – da Agência Espacial Européia, com 19,360 kg e que era capaz de transportar 4.600 kg de materiais e propelentes.

Acoplagem à seção frontal do TianHe

A TianZhou tem um comprimento de 10,6 m, um diâmetro maximo de 3,35 m e massa de lançamento nominal de 12.910 kg; A carga seca transportada é de 6.500 kg, enquanto o volume do compartimento de carga vazio é de 15 m³; A relação de carga da Tianzhou , ou seja, a proporção entre a carga transportada e o peso da própria espaçonave chega a 48%, sendo maior do que as relações dos HTV do japonês e do ATV europeu.

Espaçonave tripulada Shenzhou 13 acoplada à porta ‘nadir’ do TianHe, com o complexo espacial dispondo de duas espaçonaves de carga simultaneamente

Outra grande espaçonave de carga já lançada foi a Kosmos 1443, um veículo militar TKS adaptado para ressuprimento da estação espacial soviética Salyut-7 em 1983, pesando cerca de 20 toneladas e equipada com um módulo de retorno.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Inspiration4: Turistas-astronautas fazem transmissão ao vivo

Evento online da SpaceX mostrou a milhares de espectadores parte da rotina dos tripulantes

Hoje, finalmente, a tripulação da missão espacial turística Inspiration4 (lançada na quarta-feira passada, dia 15) fez uma apresentação pública via transmissão de TV por satélite no canal da SpaceX no youtube. Jared Isaacman, que alugou a nave Crew Dragon C207 Resilience para um voo de três dias junto com os convidados Chris Sembroski, Dra. Sian Proctor e Hayley Arceneaux, foi o mestre de cerimonias da transmissão. A missão tem um propósito beneficente de arrecadar fundos para o St Jude Hospital com promoções, leilões e doações.

A tripulação do Inspiration4 é a primeira missão espacial comercial tripulada exclusivamente patrocinada por um cidadão particular, e é uma iniciativa de pesquisa em medicina sobre o impacto do voo espacial no corpo humano.

O comandante e patrocinador Isaacman apresentou a equipe dizendo que todos a bordo estão bem, comentou que a nave está a 580 km de altitude e viajando a 7,6 km/s e agradecendo a atenção de todos na Terra, e lembrou do hospital St Jude, e a resposabilidade de todos em terra. Passou o microfone a Sembroski, que falou das muitas pesquisas que a tripulação está realizando. A piloto Proctor disse que todos estão trabalhando bastante a bordo; em seguida, a oficial médica Hailey disse estar excitada com a quantidade de pesquisa feita em órbita, e sobre como é divertido estar em microgravidade

Em seguida eles abriram a escotilha interna do nariz da nave para mostrar a maior janela já instalada numa espaçonave (o domo de plexiglass instalado dentro do sistema de acoplagem). Isaacman passou a camara a Hayley, que se posicionara no tunel de acoplamento que leva ao nariz da cápsula. Hayley e Sian e mostraram o espaço exterior através da cupula, com o sol refletindo no interior do cone de nariz. Por causa da posição da nave no espaço, não foi possível mostrar a superfície terrestre. “A visao é completa ao redor”, disseram.

Em seguida, falaram sobre os experimentos com o sensor de ultrasom, mencionaram que estudam o corpo humano, como por exemplo a veia jugular, as córneas e o nervo óptico e sobre como os fluidos corporais se comportam em microgravidade.

A Dra Sian mostrou alguns desenhos que fez, reunidos num álbum, com canetas. Em seguida, Sembroski disse estar feliz por abrir a fronteira do espaço para pessoas, falou de musica, e fez uma breve apresentação tocando um violão ‘ukelele’; a seguir, Arceneaux demonstrou cambalhotas em microgravidade, executadas sem problemas. O indicador de zero-g, um cachorro de pelúcia, foi mostrado por Jared e Hayley. Cópias do boneco serão vendidas em lojas e a renda será revertida para o St Jude.
A Dra Sian mostrou como a água se comporta dentro de uma garrafa, para em seguida Isaacman encerrar a transmissão declarando que todos estão orgulhos de dividir esta experiencia única.

Antes, os tripulantes já havia feito uma transmissão privada com crianças em tratamento no Hospital St Jude, cujas imagens foram somente reveladas mais tarde.

A amerrissagem da Crew Dragon está programada para amanhã, sábado, às 19h06 ET (20h06 de Brasília). A espaçonave fará duas ignições de seus motores esta noite para reduzir a altitude da espaçonave para cerca de 365 km e alinhar a trajetória no solo com o local de pouso previsto.
O navio de recuperação GO Searcher partiu de Port Canaveral ontem e está atualmente estacionado próximo à praia de Daytona Beach para a amerrissagem da missão Inspiration4.
Áreas de exclusão aérea e marítima foram determinadas para as zonas de amerrissagem no Oceano Atlântico próximos às localidades de Jax, Daytona Beach, Cabo Canaveral e no Golfo do México.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Inspiration4: Vídeos mostram o cotidiano a bordo

Asttronauta se entusiasma com a vista

A astronauta-turista Hayley Arceneaux, oficial médica da missão Inspiration4 a bordo da nave espacial Crew Dragon C207 Resilience, mostra em vídeo a vista proporcionada pela janela hemisférica de polimetacrilato de metila ( PMMA ) instalada no topo da cápsula. A equipe (Arceneaux e Jared Isaacman com a SpaceX, para que ele e seus companheiros (Hayley Arceneaux, a Dra Sian Proctor, Christopher Sembroski e o comandante e patrocinador Jared Isaacman) está há um dia e meio no espaço.

A cabine (cockpit) tem 9,3m3 de espaço interno, sendo equipada com quatro assentos anatômicos feitos de aluminio e fibra de carbono suspensos em amortecedores. Embaixo dos assentos estão suportes para fixação de cargas. 

Hoje às 18:00 o Homem do Espaço vai transmitir a comunicação ao vivo entre a tripulação da nave com o centro de controle.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Inspiration4: véu de silêncio é quebrado com fotos

Depois de um início espetaculoso, missão deixa os ‘fans’ da SpaceX decepcionados com a ausência de detalhes

Isaacman, Arceneaux, Sembroski e Proctor

O segredo em torno da missão Inspiration 4 foi quebrado nas últimas horas quando finalmente algumas fotografias da tripulação de turistas espaciais da SpaceX – o bilionário Jared Isaacman, que pagou pelo voo da nave espacial Crew Dragon ‘Resilience’, e seus convidados Hayley Arceneaux, Sian Proctor e Chris Sembroski – apareceram nas redes sociais. Também houve informações sobre sessões de vídeo com famílias e crianças do hospital para as quais eles arrecadaram dinheiro. Um dos astronautas até fez uma aposta em um cassino de Las Vegas à distância para uma doação de US$ 20.000 para o St Jude hospital. Coincidentemente, o estranho silêncio da missão foi quebrado no mesmo dia em que os chineses voltaram da missão espacial da Shenzhou 12 – a mais significante do ano, em termos técnicos e históricos.

Hayley Arceneaux promovendo o St Jude Hospital

Uma foto de Hayley dentro da cúpula, com a Terra ao fundo apareceu numa rede social à tarde do dia 16, quinta-feira, e foi imediatamente removida. Usuários em outra rede social vazaram um print, enquanto estranhamente um post que divulgava um link para a foto foi apagado mesmo num fórum de discussão de um conhecido site americano (que tem demonstrado uma concentração um tanto enfática na SpaceX nos últimos meses).

Sembroski filmado pela câmera externa no nariz da Crew Dragon, enquanto faz uma foto

Na série da Netflix Countdown: Inspiration4 Mission to Space, os assinantes puderam acompanhar a tripulação da Inspiration4 enquanto eles se prepararam para o lançamento. A série co-produzida com o Time Studios acompanhou a equipe ao longo de seu treinamento e mostrou sua “transformação em tempo real de pessoas normais em astronautas completos” (nas palavras da Time) enquanto se preparavam para o lançamento no último dia 15. No reddit, escreveu-se que sob o contrato com a Netflix ninguém tem direito de publicar fotos e vídeos em órbita até 30 de setembro. Isso para tornar tudo exclusivo para a Netflix. É verdade que o contrato não é público e ninguém pode confirmar isso oficialmente.

Nave espacial Crew Dragon C207

Durante o dia, a SpaceX e a equipe da Inspiration4 revelaram posts lacônicos que – pela cortina de silêncio imposta – deram oportunidade a especulações, especialmente entre observadores espaciais russos e chineses, de que haveria algo errado com um ou mais dos tripulantes. As mensagens anunciavam que “a tripulação do Inspiration4 está saudável, feliz e descansando confortavelmente. Antes de ir para a cama, a tripulação viajou 5,5 vezes ao redor da Terra, completou sua primeira rodada de pesquisas científicas e desfrutou de algumas refeições”. “Depois que a tripulação acordar hoje, eles irão conduzir pesquisas adicionais e dar uma olhada pela primeira vez na cúpula da Dragon!”; “A Dragon continua a permanecer em sua órbita alvo, com altitudes de até 590 km acima da superfície da Terra.”

Isaacman na cúpula

Até o presente momento parece que tudo corre bem a bordo, e segundo as imagens, a tripulação está em bom estado de espírito e aproveitando a viagem. Não foram dadas mais informações sobre os experimentos biomédicos realizados, que certamente tomam uma boa parte do tempo dos astronautas e podem contribuir para a ausência de registros. De qualquer modo, um ‘diário de bordo’, feito por uma acessoria de imprensa de Isaacman ou da própria SpaceX, indicando quais testes estão sendo feitos, seria bem-vindo aos seguidores (e fãs) da missão em terra.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

China completa com sucesso sua mais longa missão espacial tripulada

Três astronautas, na Shenzhou-12, pousaram com sucesso após três meses no espaço

Taikonautas são recepcionados pela equipe de resgate após o pouso perfeito

Os taikonautas Nie Haisheng (comandante), Liu Boming (engenheiro de voo 1) e Tang Hongbo, engenheiro de voo 2, voltaram à Terra a bordo do veículo de retorno de sua nave espacial Shenzhou 12 hoje, encerrando uma missão bem-sucedida de três meses na estação espacial chinesa. A mídia oficial anunciou que a missão durou 92 dias 04 horas 11 minutos 37 segundos.

Módulo de pouso no solo da região de Dong Feng

A Shenzhou 12 foi lançada em junho e acoplou-se com a estação espacial chinesa TianHe (módulo-base do complexo espacial Tiangong que está sendo construído em órbita), acoplada também a uma nave de carga TianZhou-2. Ali, começaram um extenso programa científico que incluiu duas atividades fora da nave para instalação de equipamentos.

Nie Haisheng

A missão demonstrou um enorme sucesso para a China, que se firma como segunda potência espacial do mundo, dividindo lugar com a Rússia, ao mesmo tempo que se equipara aos Estados Unidos em termos de capacidade tecnólogica de voo espacial tripulado, e mesmo os superando. Os 92 dias no espaço dos taikonautas fizeram a China o 2º país a conseguir ultrapassar 3 meses em órbita com meios próprios, deixando os americanos (do Skylab 4, 84 dias) para trás – desde 1974 os EUA não conseguem ultrapassar 14 dias em uma missão tripulada lançada por meios governamentais próprios. Hoje em dia, voos de vários meses por parte dos Estados Unidos são atribuição de empresas privadas, enquanto a NASA não consegue colocar sua nave Orion em operação há quase 15 anos.

Tang Hongbo

Às 8h56 do dia 16 de setembro de 2021, a Shenzhou 12 se separou com sucesso do módulo principal Tianhe. Posteriormente, a Shenzhou começou a voar ao redor do módulo fez um teste de encontro radial, que foi concluído às 13:38 do mesmo dia.

Liu Boming

Hoje , 17 de setembro de 2021, às 12:43:23 horário de Pequim, o compartimento de habitação foi separado. Às 13:08:18 ocorreu a separação de da cápsula da tripulação e o compartimento de propulsão, para que em seguida a cápsula entrasse nas camadas superiores da atmosfera.

Às 13:35:51 de Pequim, ou 05:35:51 UTC (outras fontes citam 05:34:09 UTC), a cápsula de retorno pousou de paraquedas na região de Dong Feng, no norte da Mongólia Interior, em 41° 37’42 .7″N, 100° 04’27,9″ E, a 76,7 km do local de onde foi lançada ( o centro espacial de Jiuquan) em 17 de junho. Esta foi a primeira vez que a espaçonave Shenzhou pousou na região de Dongfeng.

Estação Tiangong, formada pelo módulo-base TianHe e a nave de carga Tianzhou-2, com a Shenzhou 12 acoplada à esquerda

A próxima expedição espacial chinesa deve decolar nas próximas semanas, com outros três astronautas, para um voo de seis meses a bordo do TianHe.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Inspiration4: Muito barulho e agora silêncio

Segredo em torno da missão da SpaceX levanda dúvidas sobre o estado da tripulação

Crew Dragon em órbita com a cúpula de plexiglass para que seus tripulantes observem a Terra e o espaço e façam fotos e vídeos que ao que parece ficarão restritos a clientes de pay-per-view
“Parece que temos nossa primeira foto de @ArceneauxHayley na Cúpula do Dragon! Que vista incrível!” – em foto postada e apagada logo depois

Para um vôo que se autodenomina “Inspiração”, cobrir com véu de segredo as atividades da equipe em órbita, durante o período mais ‘inspirador’ do vôo, é uma ideia ruim. Se o acordo com a entre o patrocinador e chefe da missão Jared Isaacman com a Netflix / Time tem este tipo de exclusividade, foi um péssimo negócio. Já se observa um decréscimo na arrecadação de dinheiro para St. Jude Hospital com esse mínimo de notícias e imagens sobre o voo. Especialmente para St. Jude Hospital. Um pouco de relações públicas durante este evento de três dias poderia realmente preparar o terreno para maior atratividade para a série da Netflix. Mais público se sentiria interessado na série, em seu conteúdo.
Isaacman alugou a nave espacial Crew Dragon C207 Resilience para que ele e mais três colegas – Chris Sembroski, Dra. Sian Proctor e Hayley Arceneaux – para um voo de três dias com propósito beneficente – arrecadar fundos para o St Jude Hospital com promoções, leilões e doações ao vivo durante o voo. Foi feita uma enorme tempestade nas mídias sociais pelos fans da SpaceX e os interessados no espaço em geral – e logo após a entrada em órbita a missão se cercou, de fato, em segredo.

Imagens, apenas no lançamento

Não está fora de questão que um ou mais tripulantes esteja com problemas de adaptação à ‘gravidade zero’, pois normalmente os primeiros dias de um voo espacial causa reações fisiológicas adversas em uma parcela significante dos viajantes espaciais. A nave está numa órbita circular de 575 km, para um voo de apenas 3 dias, dos quais o primeiro já se passou com apenas comentários inócuos sobre o seu progresso.

Mas do jeito que está agora, toda aquele “hype” que a SpaceX espertamente criou, valendo-se de seus jornalistas adestrados e seus youtubers ‘especialistas em astronáutica’ que choram ao ver um foguete decolando, está esfriando – porque os espectadores que foram tão instigados com a (realmente interessante) história do milionário que comprou uma missão espacial e chamou pessoas comuns para um voo espacial inédito foram jogados simbolicamente “no vácuo”.

Uma das raras imagens do voo, após a entrada em órbita. Algumas fotos foram postadas em rede social e depois apagadas.

“Várias perguntas sobre porque não há fotos do Inspiration4 em órbita. É uma missão privada e [isso] é escolha deles. As famílias estão em contato regular e tudo está bem. O vídeo acabará por aparecer na Netflix. isso não é a NASA, pessoal” – escreveu no twitter Eric Berger, um jornalista-adestrado e uma espécie de porta-voz de Elon Musk, em face da enxurrada de manifestações indignadas dos seguidores que foram inebriados por fotos e uma cobertura intensa da preparação da missão e o lançamento e que depois ficaram no escuro.

Se Isaacman e a Netflix realmente acham que as pessoas vão gastar qualquer coisa pelo conteúdo gravado, talvez estejam estejam superestimando seu público – afinal nos dias de hoje, as imagens liberadas somente após o regresso à Terra serão “noticia velha”. Hoje em dia, qualquer coisa com mais de 24 horas de duração, que não seja um escândalo ou uma tragédia de guerra, pertence ao passado. O documentário que a Netflix fará atrairá apenas os mais aficionados – os nerds – dos quais talvez apenas uma parte poderá arcar com preço do filme, especialmente se houver outra ‘sensação’ espacial, como um dos espetáculos que a SpaceX encena em sua base no Texas.

Talvez a Inspiration4 poderia se sair melhor vendendo streaming ao vivo como um evento pay-per-view. Todo esse barulho sobre “mudar suas vidas para sempre” pode realmente ‘mudar as vidas’ dos tripulantes, mas talvez não como eles esperam. É decepcionante ver os profissionais de mídia explodirem quando se trata de missões espaciais. Eles não entendem de onde realmente vem o drama e a emoção. Acontece isso com a NASA TV o tempo todo. Agora vendem com antecedência um evento espacial dramático ‘para-horário-nobre’ feito para a TV, e o cercam de segredo.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Cinema no espaço: Rússia confirma tripulações em Baikonur

Comissão permite que as tripulações se preparem para o pré-lançamento

Yulya, Anton e Klim

No TsPK (Centro de Treinamento de Cosmonautas) Yu.A. Gagarin, ocorreu a reunião da Comissão Interdepartamental que certificou a prontidão para vôo espacial das tripulações principal e reserva da ISS-66. A comissão incluiu representantes da Roskosmos, o Centro de Treinamento, a RKK Energia. As equipes principal e reserva da nave Soyuz MS-19 relataram sua prontidão para o programa de vôo, agradeceram os especialistas do CTC e outras organizações que os prepararam para a expedição em órbita. De acordo com a conclusão da comissão, as tripulações da 66ª expedição à Estação Espacial para voo na espaçonave Soyuz MS-19 e no segmento russo da ISS foram preparadas e recomendadas para o cosmódromo de Baikonur.

Tripulação principal da Soyuz MS-19:

Herói da Federação Russa, comandante da espaçonave Soyuz MS-19, comandante da ISS-66 Anton Shkaplerov, Roskosmos (Rússia);
Participante de voo espacial diretor de cinema Klim Shipenko, Rússia;
Participante de voo espacial atriz Yulia Peresild, Rússia.

Tripulação reserva:
Herói da Federação Russa, comandante da espaçonave engenheiro de vôo da ISS Oleg Artemyev, Roskosmos (Rússia);
Participante de voo espacial cameraman Alexey Dudin, Rússia;
Participante de voo espacial atriz Alena Mordovina, Rússia.

Soyuz MS-19 – espaçonave nº 749, na oficina de checagem de Baikonur

O lançamento do veículo de transporte Soyuz MS-19 está programado para 5 de outubro de 2021 do cosmódromo de Baikonur. A duração planejada da tripulação da ISS-66 (Shkaplerov e Pyotr Dubrov, que já está em órbita) é de 174 dias. A duração estimada do voo dos participantes de voos espaciais, Yulia e Klim, é de pelo menos 12 dias (retornarão na Soyuz MS-18, com o comandante Oleg Novitskiy, que está a bordo da estação).

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

China: Shenzhou 12 separa-se da estação espacial para retornar à Terra

Taikonautas estão há 90 dias no espaço

A SZ-12 estava acoplada na porta de engate frontal do compartimento de transferência do módulo-base TianHe

A nave Shenzhou 12 com Nie Haisheng, Liu Boming e Tang Hongbo a bordo separou-se hoje quinta-feira 16 de setembro, da estação orbital chinesa para retornar à Terra. O relato oficial do Programa de Voo Tripulado da Administração Espacial Nacional da China (CNSA) foi publicado na conta oficial da rede social WeChat. A reentrada e o pouso são esperados para as 05h30 de Pequim na sexta-feira.

Tang Hongbo, Nie Haisheng e Liu Boming

“Em 16 de setembro de 2021, às 08:56 horário de Pequim [ 00:56 UTC], a espaçonave tripulada Shenzhou-12 se separou com sucesso do módulo base da estação”. “Até o momento, os membros da tripulação da Shenzhou-12 viveram na estação espacial em construção por 90 dias e atualizaram o recorde da duração de um único voo espacial para taikonautas chineses”, disse o ministério em um comunicado.

Antes de entrar na Shenzhou-12, os taikonautas, sob a orientação de especialistas da Terra, prepararam o complexo orbital para vôo não tripulado, baixaram dados de experimentos feitos em órbita do computador de bordo e realizaram outros trabalhos. Como o comandante da tripulação, Nie Haisheng, disse anteriormente em uma entrevista à China Central Television, uma das principais tarefas antes de retornar à Terra era o treinamento físico dos taikonautas. “Precisávamos aumentar nossa atividade física, treinar músculos, pulmões e sistema cardiovascular para nos prepararmos para a reentrada na atmosfera, assim como o impacto na superfície terrestre”, explicou.

Manobra de teste de ‘fly-around’, ou circunavegação, em torno da estação, para testes técnicos.

Uma vez desacoplada do colar de engate frontal, a Shenzhou-12 completou uma circunavegação em torno da estação e testou uma aproximação com a ‘R-Bar’ (linha imaginária que liga o piso da estação, ou seu eixo vertical, com o centro da Terra) com o módulo Tianhe às 0538 UTC de hoje. Este foi um teste para provar a capacidade dos astronautas de fazer um encontro e acoplagem em ângulo reto, no caso da porta dianteira do módulo-base estar ocupado.

Durante três meses, os tres astronautas trabalharam a bordo do complexo espacial de 43 toneladas formado pelo módulo TianHe, a nave de carga TianZhou-2 e sua nave de transporte Shenzhou-12

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Lançada a Inspiration4, primeira missão espacial privada

SpaceX lança nave com 4 tripulantes financiada por um milionário

Crew Dragon C207.2 lançada com o foguete Falcon 9 FT v1.2 Bl5 B1062.3

A espaçonave Crew Dragon C207.2 decolou hoje para a primeira missão espacial tripulada exclusivamente particular da História. A nave foi lançada usando um foguete Falcon 9 FT v1.2 Bl5 número de série B1062.3 às 00:02 UTC (21:02, horário de Brasília), do Complexo de Lançamento 39A do Kennedy Space Center, na Flórida.
O lançamento da Crew Dragon foi realizado como parte do contrato de Jared Isaacman com a SpaceX, para que ele e seus companheiros (Hayley Arceneaux, assistente médica do St. Jude Hospital; a Dra Sian Proctor, professora de geologia e Christopher Sembroski, engenheiro de dados da Lockheed Martin) façam o voo espacial comercial de três dias. A nave foi colocada numa órbita inicial de 190 x 575 km, a ser circularizada nos 575 km posteriormente.

Visão da cabine durante o lançamento

A equipe escolheu os nomes de chamada (callsigns, ou nome-de-guerra) Rook para o comandante Isaacman, Leo, Hanks e Nova. Sembroski é “Hanks“, Proctor será “Leo” e Arceneaux , “Nova“.

A tripulação:

A massa de lançamento da nave C207 Crew Dragon ‘Resilience’ foi de cerca de 12.519 kg; e a massa de pouso é estimada em 9.616 kg. O apogeu será de 575 km, com período de 96 minutos e inclinação orbital de 51,6 °. O adaptador de acolagem tipo NDS, que normalmente é usado para acoplar com a Estação Espacial Internacional, foi adaptado para esta missão com um colar adaptador integrado ao sistema de engate, com uma abóboda descrita na mídia como de policarbonato (a SpaceX citou o material como três camadas acrílico PMMA) que permite vistas de 360 graus.
Após três dias em órbita, a espaçonave retornará à Terra pousando no Oceano Atlântico, sendo resgatada pelo navio de resgate GO Navigator.

Momento em que a nave se separou do segundo estágio do foguete

A massa total do foguete no momento da ignição foi estimada em 576.209 kg. A aterrissagem do estágio B1062.3 ocorreu 8 minutos 55 segundos após o lançamento, no Oceano Atlântico, a 542 km de distância de Cabo Canaveral, na balsa-drone ‘ Just Read the Instructions‘, que foi rebocada pelo navio Finn Falgout e escoltada pelo barco de suporte GO Quest. O segundo estágio deveria reentrar na atmosfera ao sul da Austrália na primeira órbita.

Visão artística da nave em órbita

Outras tripulações formadas exclusivamente por astronautas civis já foram lançadas ao espaço, diversas vezes. Algumas incluíam ex-militares não mais na ativa e, portanto, civis; outras, por técnicos, engenheiros e cientistas sem formação militar. A missão de Jared Isaacman tem muitos predicados interessantes do ponto de vista técnico e também sob olhar histórico. Será a primeira missão espacial tripulada totalmente patrocinada por iniciativa particular individual; a primeira em que todos os tripulantes não são astronautas ou cientistas espaciais profissionais e diretamente ligados à indústria espacial no momento do voo. E será a primeira realizada em caráter beneficente.

Muitos especialistas e analistas, no entanto, ponderam de que a tripulação desta nave deveria incluir um astronauta profissional. A Crew Dragon está apenas no início de sua operação, portanto, arriscar civis mesmo em um vôo de uma única órbita é, para alguns, inaceitável.

Anteriormente, a SpaceX teve o cuidado de dizer que sua órbita de 575 km estará acima de onde o Telescópio Espacial Hubble está agora (a cerca de 540 km), mas no webcast eles afirmaram incorretamente que estarão mais alto do que qualquer nave tripulada desde as Apollo. Os apogeus de lançamento e das cinco missões de manutenção do Hubble foram: STS-31: 615 km , STS-61: 576 km, STS-82: 574 km; STS-103: 609 km; STS-109: 578 km; STS-125: 578 km; e ainda houve a STS-48 (usada para lançar o satélite UARS): 576 km.

Detalhes gerais:

A cápsula já voou antes – daí a denominação “C207.2” e transportou os astronautas da missão Crew-1 em novembro de 2020 para a estação espacial internacional. O ‘core’ de primeiro estágio fez seu terceiro voo (daí “B1062.3”), tendo anteriormente lançado dois satélites GPS em voos diferentes para a Força Espacial dos EUA.

Anteontem, durante uma coletiva de imprensa com a tripulação no hangar SPH da LC-39A, Benji Reed (Diretor de Gerenciamento da Missão da Tripulação na SpaceX), respondendo a uma pergunta adicional específica sobre a duração permitida do voo, disse que esta Dragon em particular foi configurada para um voo de sete dias. A espaçonave carrega no piso da cabine um conteiner de carga ‘Single Stowage Locker’ (SSL) dos participantes do programa NASA HUNCH (High School Students United with NASA to Create Hardware). Cada conteiner é composto por aproximadamente 280 componentes, incluindo 41 peças usinadas pelos alunos e mais de 200 rebites, fixadores e rolamentos. As peças são fabricadas com alta precisão para as tolerâncias restritas exigidas de qualquer peça de equipamento certificada pela NASA para acomodar cargas.

As naves Crew Dragon em atividade atualmente foram recentemente modificadas nas oficinas da SpaceX com reforços estruturais na caixa hermética pressurizada da cabine e nos suportes periféricos, para resistir melhos às cargas mecânicas do impacto com a água no pouso, no caso da cápsula ricochetar no contato com o oceano. Os motores de emergência SuperDraco foram modificados com a substituição de algumas peças de titânio por correspondentes em aço, enquanto que os tanques foram modificados para carregar uma quantidade maior de propelente, para aumentar a estabilidade da cápsula contra os ventos horizontais em caso de ejeção, com um aumento de 10% no desempenho que dobrou as velocidades do vento de solo aos quais ela pode resistir com segurança.

O papel da NASA na missão

O suporte da NASA, estimado em US$ 1 milhão (certamente incluídos no preço pago por Isaacman) para a Inpiration4 é totalmente reembolsável e sem interferência, usando Space Act Agreements (SAA) e Commercial Space Launch Agreement (CSLA):

  • Suporte de comunicação integrada entre locais de controle de solo e entre o solo e o espaço através do Near Space Network (NSN), incluindo serviços de retransmissão espacial usando o Tracking and Data Relay Satellite System (TDRSS) (RSAA entre o Centro Espacial Goddard e a SpaceX)
  • Serviços de comunicação e transferência de dados de operações de voo entre a espaçonave Dragon e o Centro de Controle SpaceX (MCC-X) via TDRSS, incluindo o uso de código sobressalente de pseudo-ruído (pseudo-noise PN) da NASA (através de RSAA do Johnson Space Center)
  • NASA Standard Initiators and Detonators (NSIs / NSDs) vendidos para a SpaceX pelo valor de mercado sob o HQ Commercial Space Launch Act (no CSLA)
  • Oferecer oportunidade para a tripulação do Inspiration4 observar os simuladores da tripulação comercial e fornecer WB-57 para imagens de paraquedas em troca por inspeção pré-voo / pós-voo da NASA de paraquedas (sob o contrato CCP)
  • Por meio da Commercial Space Launch Act, fornecendo suporte no Centro Espacial Kennedy, incluindo:
  • Suporte de equipe de resgate de plataforma, transporte de equipamentos de voo, busca com cães e suporte de segurança de bloqueio de estrada
  • Propelentes, pressurizantes e combustíveis / oxidantes hipergólicos, equipamentos e serviços auxiliares de suporte laboratorial relacionados
  • Equipamento de suporte de vida
  • Serviços de Saúde Ambiental
  • Serviço de imagens de sistemas de aeronaves não tripuladas (Unmanned Aircraft Systems – UAS)
  • Suporte de vigilância de helicópteros no dia do lançamento,
  • Prontidão de contingência para operações de emergência e suporte de resgate de incêndio
  • Operações para convidados (suporte em sites de visualização de lançamento como OSBII, NASA Causeway, Banana Creek, etc.), incluindo crachás e transporte.

RESUMO

Tripulantes:

Comandante da nave Jared Isaacman
Piloto Dra. Sian Proctor
Médica-chefe Hayley Arceneaux
Especialista de missão Christopher Sembroski

Tripulação no cockpit da espaçonave, durante ensaios

Cada um dos tripulantes recebeu um simbolismo, um “mote”, referente a cada uma das referências que Isaacman atribuiu à missão:

Jared Isaacman

Simbolizando a “liderança”, Isaacman, fundador e CEO da Shift4 Payments, é o comandante. Isaacman começou a Shift4 quando tinha 16 anos. Em 2004, aos 21 anos, fez aulas de vôo e tornou-se piloto; após anos de treinamento, ele é certificado para pilotar aeronaves comerciais e militares. Estabeleceu vários recordes mundiais e conduziu mais de 100 shows aéreos.

Hayley Arceneaux

Simbolizando a “esperança”, Hayley Arceneaux, médica assistente do St. Jude Children’s Research Hospital, será a diretora médica. Nascida na Louisiana, ela foi diagnosticada com osteossarcoma, um câncer ósseo, aos 10 anos de idade e foi tratada em St. Jude. Ela agora trabalha no hospital com pacientes com leucemia e linfoma. Aos 29 anos, ela se tornará a mais jovem americana em órbita.

Dra. Sian Proctor

Simbolizando a “prosperidade”, a Dr. Sian Proctor é geocientista, exploradora e especialista em comunicação científica. Ela será a piloto da missão. Nascida em Hagåtña, Guam, Proctor recebeu o diploma de bacharel em Ciências Ambientais pela Edinboro University, na Pensilvânia. Mais tarde, ela frequentou a Arizona State University, obtendo mestrado em geologia e um doutorado em educação científica. A Dra. Proctor é professora de geologia no South Mountain Community College, onde também atua como oficial de educação aeroespacial para a Civil Air Patrol’s Arizona Wing.

Christopher Sembroski

Simbolizando a “generosidade”, Christopher Sembroski, engenheiro de dados e veterano da Força Aérea dos EUA, servirá como especialista da missão. Sembroski serviu anteriormente como conselheiro no Space Camp e foi voluntário para o ProSpace, uma organização sem fins lucrativos que promovia a iniciativa de voos espaciais privados. Depois de se formar na Embry-Riddle Aeronautical University com o título de Bacharel em Ciências, ele ingressou na Força Aérea dos Estados Unidos como Técnico Eletromecânico e agora trabalha na Lockheed Martin.

Postos da tripulação no cockpit – ilustração G. de Chiara

Etapas da Missão

CONTAGEM REGRESSIVA

h : min : s – EVENTO
00:45:00 – O diretor de lançamento da SpaceX verifica o abastecimento do propelente
00:42:00 – O braço de acesso da tripulação (crew access arm) é retraido
00:37:00 – O sistema de escape de lançamento do Dragon é armado
00:35:00 – Abastecimento de RP-1 (Rocket Propelant 1, querosene de grau de foguete) começa
00:35:00 – O abastecimento de LOX (oxigênio líquido) do primeiro estágio é iniciado
00:16:00 – O abastecimento da LOX do segundo estágio começa
00:07:00 – O Falcon 9 inicia o resfriamento do circuito dos motores Merlin 1D antes do lançamento
00:05:00 – Transição da nave para energia elétrica das baterias internas
00:01:00 – Comando do computador de vôo para iniciar as verificações finais de pré-lançamento
00:01:00 – A pressurização do tanque propelente para a pressão de vôo começa
00:00:45 – O diretor de lançamento da SpaceX verifica o lançamento
00:00:03 – O controlador do motor comanda a sequência de ignição do motor
00:00:00 – Decolagem do foguete

Perfil de lançamento da Crew Dragon C207.2 Resilience
Trajetória de lançamento e zona de pouso do ‘core’ de primeiro estágio no Atlântico
Zona de reentrada do segundo estágio, no Oceano Pacífico

LANÇAMENTO, ATERRISSAGEM E COLOCAÇÃO EM ÓRBITA DA NAVE
Todos os tempos aproximados

h: min: s – EVENTO
00:01:02 Zona de Max Q (momento de pico de estresse mecânico no foguete)
00:02:37 Corte do motor principal do 1º estágio (Main Engine Cut-Off -MECO)
00:02:40 Separação dos 1º e 2º estágios
00:02:41 Motor Merlin 1D Vac do segundo estágio é ligado
00:07:30 Queima de reentrada atmosférica do ‘core’ do 1º estágio
00:08:51 Desligamento do motor do 2º estágio (Second Engine Cut-Off SECO-1)
00:09:04 Ignição de pouso do 1º estágio
00:09:31 Pouso do 1º estágio na balsa-drone Just Read the Instructions
00:12:09 Espaçonave Crew Dragon se separa do 2º estágio
00:13:02 Sequência de abertura do cone do nariz do Crew Dragon inicia-se

Fases de abortamento da missão (‘stages’)A Crew Dragon tem várias opções de cancelamento durante o lançamento, separadas em etapas:
As etapas ‘1a’ e ‘1b’ são relacionadas à fase de voo do 1º estágio.
As etapas ‘2a’-‘2e’ são semelhantes, sendo relacionadas ao segundo estágio.
O segundo estágio do Falcon 9 será desativado (Second Stage Cut-off – SECO) a 8 minutos e 44 segundos em voo, colocando a nave numa órbita inicial de aproximadamente 190 x 205 km.
O cancelamento no ‘estágio 1a’ começa no momento da decolagem e resultaria em uma queda na água que se estenderia da Flórida até a costa da Carolina do Norte, com as equipes de recuperação estacionadas na Flórida e na própria Carolina do Norte, a busca e resgate chegarão à Dragon dentro de uma hora, caso ocorra um aborto nessa região.
Para as interrupções dos estágios ‘1a’ e ‘1b’, a Crew Dragon usaria seus motores SuperDraco para se impulsionar longe do Falcon 9 antes que seus propulsores Draco regulares a reorientem e estabilizem antes da abertura dos pára-quedas.
Começando com o desligamento do primeiro estágio, o mais longo dos modos de cancelamento começa na etapa ‘2a’.
Isso se estende de T + 2 minutos 32 segundos a T + 8 minutos 05 segundos e resultaria em uma aterrissagem no Oceano Atlântico em qualquer lugar da costa de Delaware, estendendo-se para o norte até as Províncias Marítimas do Canadá.
Durante um abortamento do ‘estágio 2a’, a Dragon se separaria do segundo estágio do Falcon 9, seguido por uma série de queimas progressivas dos motores de abortamento SuperDraco e dos propulsores Draco para permitir que ela chegasse a um local de aterrissagem específico no Atlântico Norte.
O ‘estágio 2b’ vem a seguir, numa janela curta que resultaria em uma queima retrógrada dos motores SuperDraco depois de se separar do segundo estágio para alcançar um local específico depois da província da Nova Escócia.
O modo seguinte de abortamento é o ‘estágio 2c’, que ultrapassa todo o caminho através do Atlântico até a costa oeste da Irlanda. Isso exigiria uma queima progressiva dos motores SuperDraco para permitir que a Crew Dragon atingisse seu alvo de pouso na água.
Abortar no ‘estágio 2d’ prevê a Crew Dragon pousando no Atlântico na costa oeste da Irlanda, mas exigiria uma queima retrógrada dos motores SuperDraco para colocar a nave nesta zona.
A interrupção final no ‘estágio 2e’ é reservada para problemas menores de desempenho no último segundo da subida orbital.
Esta é essencialmente um “abortamento para a órbita” Abort To Orbit (conhecida como manobra ATO), onde a nave dispararia seus propulsores Draco normais para alcançar a órbita ou estaria no que é conhecido como “uma órbita abaixo do planejado”, mas segura, onde poderia simplesmente continuar sua missão. Os vários modos de cancelamento serão declarados pelo controle da missão à tripulação durante o lançamento, à medida que cada novo estágio de cancelamento for atingido
Zonas de amerrissagem de emergência para um lançamento a 51,6 graus de inclinação

OBJETIVOS CIENTÍFICOS

A tripulação do Inspiration4 é a primeira missão espacial comercial tripulada exclusivamente patrocinada por um cidadão particular, e é uma iniciativa de pesquisa em medicina sobre o impacto do voo espacial no corpo humano. Uma vez em órbita, a tripulação realizará experimentos de selecionados sobre saúde e desempenho, que terão aplicações potenciais para a Medicina e durante futuros voos espaciais. Além disso, a SpaceX, o Instituto de Pesquisa Translacional para Saúde Espacial (TRISH) do Baylor College of Medicine e os pesquisadores da Weill Cornell Medicine coletarão dados ambientais, biomédicos e amostras biológicas dos quatro tripulantes antes, durante e depois do voo espacial.

A SpaceX, a TRISH e os cientistas da Weill Cornell Medicine pretendem continuar a ampliar o acesso à pesquisa da medicina espacial, tornando os dados biomédicos coletados para a missão Inspiration4 acessíveis por meio de um repositório aberto financiado e supervisionado pela TRISH que poderá ser acessado para fins de pesquisa. Capacitado pelo Programa de Pesquisa Humana da NASA, o TRISH é um instituto virtual que “encontra e financia ciência e tecnologia médica disruptiva para reduzir os riscos à saúde e ao desempenho dos exploradores espaciais”.

EXPERIMENTOS

A equipe do Inspiration4 conduzirá a seguinte pesquisa patrocinada pela TRISH:

Coleta de atividade de ECG de nível de pesquisa, movimento, sono, frequência e ritmo cardíaco, saturação de oxigênio no sangue, ruído de cabine e intensidade de luz.
Execução de uma série de testes no aplicativo Cognition para avaliar as mudanças no desempenho comportamental e cognitivo. Este aplicativo é usado atualmente por astronautas em pesquisas da NASA.
Varredura de órgãos por meio de dispositivo ultrassom Butterfly IQ +, projetado com inteligência artificial para uso por “especialistas não médicos”. Os dados coletados determinarão se leigos podem auto-adquirir imagens de grau clínico sem orientação de suporte terrestre e fornecerão uma linha do tempo das mudanças biológicas antes e durante o vôo. Este dispositivo também é usado na Estação Espacial Internacional.
Coleta e teste gotas de sangue durante o vôo para marcadores de função imunológica e inflamação, usando um dispositivo miniaturizado denominado Imunoensaio de Fluxo Vertical (Vertical Flow Immunoassay VFI).
Testes de equilíbrio e percepção pré- e imediatamente pós-vôo para medir a adaptação sensório-motora durante as mudanças de gravidade. Esses testes são realizados por astronautas no retorno de seus voos espaciais.
Arquivar, analisar totalmente e compartilhar amostras biomédicas e dados em colaboração com os investigadores da Weill Cornell Medicine e comilação de um banco de dados aberto para permitir uma maior pesquisa colaborativa.
Além disso, a SpaceX está colaborando com investigadores da Weill Cornell Medicine para realizar uma análise longitudinal e multi-omicas da tripulação, incluindo genoma, epigenoma, transcriptoma, proteoma, microbioma, metaboloma, exossomo, telômero, imunofenotipagem de célula única V (D) J e mapas de epítopos e análise de transcriptoma espacial. Essas amostras e dados serão adicionados a um ‘Biobanco’ que conterá amostras congeladas e dados da missão.

Os investigadores da Weill Cornell Medicine trabalharam em colaboração com a equipe médica da SpaceX na coleta de amostras do Inspiration4 e visam replicar muitos dos protocolos e experimentos que foram feitos no estudo de gêmeos da NASA (NASA Twins Study) e nas missões de sequenciador biomolecular. A WorldQuant está fornecendo apoio financeiro para o trabalho na Weill Cornell Medicine. O biobanco conterá alíquotas de espécimes tripulados, microbianos e ambientais coletados antes, durante e depois das missões e permitirá a pesquisa de longo prazo e o monitoramento da saúde dos astronautas.

CARGAS COMEMORATIVAS E ÍTENS PARA LEILÃO

As cargas comemorativas incluirão a primeira música NFT a ser tocada em órbita, criada pela banda de rock Kings of Leon. Um NFT ( Non-Fungible Token) é um ativo digital armazenado em blockchain. O NFT, uma performance nunca antes lançada de “Time in Disguise” do álbum mais recente da banda, está entre os itens que entrarão em órbita e depois sserão leiloados no YellowHeart para apoiar o St. Jude Children’s Research Hospital e sua campanha de arrecadação de fundos de US$ 200 milhões. ” Hayley Arceneaux, oficial médica da missão, jogará o NFT a bordo do veículo SpaceX Dragon.

Os itens do leilão de carga útil do Inspiration4 também incluirão uma variedade de itens “culturalmente significativos” doados à St. Jude, incluindo:

Jaquetas da missão com obras de arte de pacientes de St. Jude e obras originais dos membros da equipe da Inspiration4, criadas pelo artista co-fundador da Space for Art Foundation Ian Cion e pela astronauta aposentada Nicole Stott, e feitas à mão pelo produtor de réplicas Ryan Nagata. Também 33 quilos de lúpulo que, na volta, serão usadas para fazer uma cerveja por cervejeiros da Samuel Adams. Como parceiro da Inspiration4, Adams comprometeu uma doação $ 100.000 para o St. Jude. Um conjunto de caneta Fisher e moeda espacial do 50º aniversário da Apollo 11 contendo um pedaço de material da Apollo.

Um ‘ukulele’ da Martin Guitar que Chris Sembroski vai tocar no espaço. Cinquenta NFTs de arte de 50 artistas serão leiloados na plataforma Origin Protocol em colaboração com a Subtractive, incluindo um NFT que a Dra. Sian Proctor trará ao espaço que também já havia viajado para as Fossas Marianas, tornando-se a primeira obra de arte esteve nas profundezas do oceano e, em seguida, entrou em órbita. Um conjunto de brinquedos STEM de plástico e pelúcia baseados nos cinco personagens da série de animação “Space Racers”. Um mini-astronauta de pelúcia que será entregue ao licitante vencedor com uma coleira original desenhada pelo artista Romero Britto. A recente revista TIME com capa dos quatro membros da tripulação que eles autografarão após o retorno à Terra.

A IWC Schaffhausen projetou e doou quatro relógios com temas espaciais exclusivos que representam os valores de Liderança, Esperança, Generosidade e Prosperidade. Os relógios “Pilot’s Watch Chronograph Edition Inspiration4” serão usados ​​pelos quatro tripulantes, antes de serem leiloados. Instrumentos de escrita StarWalker da Montblanc e artigos de papelaria para a tripulação escrever.

O leilão começa na quinta-feira, 9 de setembro, e vai até novembro, com diferentes itens disponíveis. Todos os itens podem ser licitados visitando stjude.org/inspiration4.

ESPAÇONAVE C207 ‘RESILIENCE’

Crew Dragon C207

A Crew Dragon foi projetada para voar de forma autônoma, mas a tripulação podem monitorar o desempenho das manobras, como a aproximação e acoplagem com uma estação espacial, por exemplo.

Seu peso fica em torno de 9.500 a 12.500 kg. A massa total nave C207 deve estar em cerca de 12.300 kg. O foguete inteiro deve pesar 595.000 kg. A nave leva mais de 200 kg de carga e pode trazer cerca de 150 kg, embora esse valor esteja sujeito a alterações. A cápsula  é equipada com uma seção de tronco com painéis solares atualizados com o objetivo de estender a limitação de cerca de 120 dias em órbita. Os painéis atualizados devem mitigar a degradação das células solares, permitindo permanecer em órbita por até seis meses atendendo aos requisitos de missão da NASA.

COMPOSIÇÃO DA NAVE

A Dragon é composta de dois elementos principais: a cápsula, projetada para transportar tripulação e carga crítica pressurizada, e o compartimento de carga (“trunk”-tronco), que é um “módulo de serviço” não pressurizado. A cápsula é subdividida em seção pressurizada, seção de serviço e cone do nariz, que é aberto uma vez em órbita e fechado antes da reentrada. Perto da base da cápsula, mas fora da estrutura pressurizada, estão os propulsores Draco, que permitem manobras orbitais. Propulsores Draco adicionais estão alojados sob o cone do nariz, junto com os sensores de navegação e controle de orientação (GNC) da nave.

CÁPSULA

A cápsula é construída em aluminio-litio com aço, inconel, fibra de carbono e materiais plásticos. A Crew Dragon, projetada desde o início para ser um dos veículos espaciais mais seguros já construídos, se beneficia da herança de voo da versão atual de carga (Cargo Dragon), usada para reabastecer a estação espacial. A nave tem 8,10 metros de comprimento e um diâmetro maximo de 3,88 metros na cápsula (3,66 metros no tronco). A cabine foi projetada com duas janelas para que os passageiros possam ver o exterior diretamente de seus assentos. A nave possui um Sistema de Controle Ambiental e Suporte à Vida (ECLSS) que garante um ambiente confortável e seguro para os membros da tripulação.

Durante a viagem, os astronautas a bordo podem definir a temperatura interior da cabine entre 18 e 27 graus C.

O sistema de suporte vital armazena oxigênio gasoso para consumo metabólico e para o traje espacial durante uma emergência envolvendo uma cabine despressurizada. Este usa nitrox, uma mistura de 23% de oxigênio e 77% de nitrogênio, para uma variedade de aplicações, incluindo verificações de vazamentos de traje, compensar vazamentos de ar etc. Um outro uso do nitrox é também resfriar o ar da cabine e do traje durante a reentrada, já que o sistema de controle térmico da cápsula é limitado durante esta fase de vôo. Sob o piso, o oxigênio e o nitrox são armazenados em dois pacotes de três recipientes de pressão. Os tanques são baseados nos tanques de oxigênio do veículo de retorno de tripulação da NASA X-38 e são projetados e qualificados para os padrões da NASA.

O sistema de controle de pressão incorpora três elementos principais para manter a pressão da cabine dentro dos requisitos. Estas são as válvulas de ventilação ativa, a válvula de alívio de pressão positiva e a válvula de alívio de pressão negativa. Além disso, a espaçonave tem um plugue de equalização de pressão manual em cada escotilha para permitir que indivíduos fora da cápsula equalizem manualmente a pressão. Todas as válvulas e plugues normalmente permanecem destampados durante a missão, incluindo o tempo na estação, mas as tampas são fechadas caso haja suspeita de vazamento.

Esquema do sistema de suporte ambienal da Crew Dragon

Em uma contingência envolvendo uma despressurização, as duas válvulas de repressurização de cabine são abertas para compensar o vazamento e tentar manter a pressão acima de 8 psia.
Outra contingência em que os AVVs são utilizados é numa atmosfera interna contaminada resultante de um incêndio. Se os níveis de produtos de combustão tóxicos estiverem acima de um limite definido, a cabine é purgada com nitrox usando as válvulas primárias enquanto os AVVs mantêm uma pressão da cabine de 8,0-8,5 psia. Se a atmosfera estiver ainda mais contaminada, ela pode ser ventilada para quase vácuo e substituída por nitrox limpo usando os conjuntos de válvula de repressurização.

A sua proteção térmica é formada pelo material “phenolic impregnated carbon ablator” – ablator de carbono impregnado fenólico ( PICA-X) que é usado para o escudo principal. Cerca de 45 peças quadradas são usadas. Eles têm 8 centímetros de espessura e cada um pesa cerca de um quilo. Aproximadamente 1 centímetro é uma camada de carbono, 1 centímetro adicional é de material pirolizado e os seis centímetros restantes são efetivamente material virgem.

Banheiro da espaçonave

A camada extra virgem é necessária para isolar a estrutura e o adesivo usado para colar os “ladrilhos” do calor da reentrada. Mantas de isolamento de tensão separam as peças do casco principal da cápsula. Essa estrutura de apoio é de material “composite”. É provável que os ladrilhos em si não sejam reutilizáveis após a submersão em água, mas fontes ligadas à fima fornecedora Fiber Materials Inc disse que nunca havia testado uma reutlização após exposição à agua salgada. O SPAM-Lite ( SpaceX Proprietary Ablator Material Lite – Material Ablativo Leve Proprietário da SpaceX) é usado na maior parte do escudo lateral. É uma espuma sintética de polímero de silicone com pequenas esferas de sílica com cerca de 5 centímetros de espessura. Esta camada externa é degradada pela exposição ao oxigênio atômico em órbita, já que a atmosfera tênue no regime orbital acima de 90% de oxigênio atômico.

Espaçonave com o cone de nariz fechado para lançamento

Grande parte da descoloração do SPAM observada nas fotos pós-reentrada parece ser por esta erosão, e não tanto pelo aquecimento da reentrada. O XIRCA (material ablativo de cerâmica refratária impregnada com silicone SpaceX), de forma flexível, é usado como preenchimento de lacunas. Um material resinoso é usado para revestir o XIRCA. Parece ser o mesmo material usado para preencher os orifícios dos parafusos nos painéis dos SPAM. Já um material prateado é usado na borda externa do escudo principal, sendo um tipo de resina impermeabilizante.

Espaçonave com o cone de nariz aberto em configuração de voo orbital

No topo da capsula está um sistema de acoplagem NDS andrógino, sobre o qual para esta missão foi adaptada a cúpula de observação, cujo acesso é feito através da escotilha superior, que tem um diâmetro de 800 milímetros. A SpaceX diz que a cúpula é de “vidro”, mas Elon Musk confirmou que na verdade é de poli metacrilato de metila ( PMMA ), também conhecido como acrílico, perspex ou plexiglass. É um termoplástico transparente frequentemente usado em forma de folha como uma alternativa leve ou resistente a estilhaços ao vidro.

A cabine (cockpit) tem 9,3m3 de espaço interno, sendo equipada com quatro assentos anatômicos feitos de aluminio e fibra de carbono suspensos em amortecedores. Embaixo dos assentos estão suportes para fixação de cargas. A porta de acesso lateral (para entrada e saída da tripulação) abre para fora, sustentada por dois braços hidráulicos que giram para cima. Uma fechadura de abertura externa fica à direita, num rebaixo quadrado de 12 cm de profundidade, equipado com uma alavanca de acionamento.

Cúpula de observação em três camadas

Uma serie de parafusos explosivos existe para descartar o cone do nariz (em órbita), caso ele não feche ao comando. O cone do nariz não é necessário para proteger o conjunto frontal na reentrada, mas se ele emperrar na posição aberta, impedirá o retorno. Daí a capacidade de ejetar manualmente o cone do nariz. Também existem parafusos pirotécnicos nos sistemas de paraquedas. Um conjunto deles detona os paraquedas de estabilização e os extratores (“drogues”), e outro conjunto serve para cortar os cordames dos paraquedas principais . Esses são usados no caso de o computador de vôo deixar de desconectar automaticamente os paraquedas após a queda na água. A falha em descartar os pára-quedas após o pouso pode levar a cápsula a ser arrastada no mar por centenas de metros se um deles for soprado pelo vento.

Painel de comando com telas touchscreen e comandos mecânicos na parte inferior

Motores

Os motores da nave estão todos instalados na cápsula da tripulação. São os “Draco” para manobra e controle geral e os “SuperDraco” para escape de emergência. Os Dracos (ou propulsores ‘reaction control system’ RCS – sistema de controle a reação) na parede lateral da cápsula são cobertos com uma cobertura do tipo “rip-off”. Servem para evitar danos às tubeiras antes do lançamento. As instalações sanitárias, rudimentares, estão localizadas atrás de um painel privativo.

As coberturas dos Dracos são geralmente arrancadas pela corrente de ar em algum momento durante a subida através da densa atmosfera inferior. Os desesseis Dracos, cada um queimando ~ 0,13 kg / s, geram 400 newtons de empuxo usando uma mistura hipergólica de monometil-hidrazina e tetróxido de nitrogênio. Os SuperDracos (como propulsores de emergência) são cobertos com plugues de descarga projetados para permanecer no local durante toda a fase de lançamento, operações no espaço, reentrada e aterrissagem. Sua função é proteger os motores contra a intrusão de água do mar nas operações de recuperação e subseqüentes.

Os SuperDraco são  agrupados em quatro pares , com cada motor capaz de produzir 71 quilonewtons de empuxo, sendo alimentados pelo mesmo propelente dos Draco. Num evento de emergência, os SuperDraco queimam propelente 200 vezes mais rápido que os Draco. A câmara de combustão é impressa em Inconel, uma liga de níquel e ferro, usando um processo de sinterização direta de metal a laser. Os plugues de proteção dos SuperDracos contra a invasão da água do mar são importantes, pois os motores são peças caras e, portanto, serão reutilizados em outras Crew Dragons. Prevenir sua exposição desnecessária ao reentrar na atmosfera e na água do mar ajuda significativamente a sua reutilização. Eles só são literalmente explodidos na eventualidade de os SuperDracos serem realmente usados – num aborto no lançamento.

 Já os motores Dracos comuns são muito mais baratos e só são reutilizados quando não sofreram muitos danos devido ao uso no espaço, ao reentrar no aquecimento e à exposição à água do mar. Em naves Cargo Dragons reutilizadas, um número significativo desses motores foi substituído por novos. Como tal, o termo “reutilizado” para as Cargo Dragons é incorreto. “Reconstruído” está mais de acordo com a realidade. A nave opera apenas em órbita baixa. Isso significa que fica sob a luz do sol por apenas 45 minutos, seguido por 45 minutos sem luz solar. O sistema de radiadores é usado para trocar calor e manter os sistemas em temperatura apropriada sem dificuldades.

A nave possui o sistema de propulsão e uma série de paraquedas que podem ser ativados instantaneamente a partir do momento em que são armados na plataforma de lançamento até a inserção orbital. A nave é altamente automatizada. Durante a fase de subida, a tripulação apenas assiste os sistemas. Toda a subida à órbita é totalmente automatica, incluindo todos os modos de cancelamento. Não há interruptores ou joysticks, à exceção de uma alça em forma de “T” para detonação do sistema de escape manual. Mas a desativação manual do modo de emergência automático é aplicável apenas antes de um comando automatico de aborto da missão ser acionado. Não pode ser usado para finalizar uma opção de cancelamento que está em processo de execução.

A única coisa que a equipe pode fazer para intervir na subida controlada por computador é usar o recurso de abortamento manual. Os sistemas são tão sofisticados que, no momento em que o cérebro humano pode processar os alarmes que está ouvindo e decidir executar um abortamento manual, os aviônicos já identificaram a falha, decidiram que um abortamento é necessário, acionaram os parafusos de retenção e acenderam os motores de emergência.

A Crew Dragon já estará longe do Falcon 9 e antes que o comandante possa falar a palavra “abortar”. Os modos de intervenção manual em órbita são, por exemplo, controlar manualmente a aproximação com a ISS ou intervir manualmente nas fases finais do engate. Há também uma opção para fazer a manobra de sair de órbita em modo manual. Mas a própria fase de descida, incluindo os estágios de entrada na atmosfera e abertura dos pára-quedas, é totalmente autônoma.

TRONCO – ‘TRUNK’

O tronco da Dragon faz a ligação da cápsula com o Falcon 9 em sua ascensão ao espaço. Em órbita, metade do tronco contém um painel solar e a outra metade um radiador que rejeita o calor. Tanto o radiador quanto o painel solar são portanto montados no exterior, que permanece preso à Dragon até pouco antes da reentrada, quando o tronco é descartado.

Falcon 9 B1062.3

Foguete

Foguete F9 v1.2 BL5 B1062.3

O primeiro estágio do Falcon 9 incorpora nove motores Merlin e tanques de liga de alumínio-lítio contendo como propelente oxigênio líquido e o chamado querosene “de grau de foguete” (RP-1) resfriado para ficar mais denso. Após a ignição, um sistema de retenção na plataforma garante que todos os motores sejam verificados quanto ao desempenho de empuxo antes que o foguete seja liberado para o vôo. O Falcon 9 gera mais de 750 toneladas de empuxo no nível do mar, mas produz mais de 890 t no vácuo. Os motores são acelerados gradualmente perto do final do voo do primeiro estágio para limitar a aceleração do veículo à medida que a massa do foguete diminui com a queima de combustível. O interestagio é uma estrutura de material „composite‟ que conecta o primeiro e o segundo estágio e contem o sistema de liberação e separação.

O Falcon 9 usa um sistema de separação de estágios totalmente pneumático para um afastamento altamente confiável e com baixo choque que pode ser testado no solo, diferentemente dos sistemas pirotécnicos usados na maioria dos veículos lançadores. O Falcon 9 está equipado com um Sistema de Terminação de Vôo Autônomo para ser usado no caso improvável de o foguete sair do curso ou deixar de responder. As pernas de aterrissagem em fibra de carbono e as aletas de grade (grid fins) hipersônicas, fechadas durante a subida, são dois dos elementos críticos essenciais para garantir uma aterrissagem segura e bem-sucedida do primeiro estágio do foguete.

Foguete F9 v1.2 BL5 B1062.3 com seus componentes separados

 O segundo estágio tem um motor Merlin D Vac com 95tf de empuxo funcionando com oxigenio liquido e querosene. Uma pequena seção de 70 cm de altura conecta o topo do segundo estágio com a borda inferior do tronco da nave espacial.

O foguete tem uma altura de 65,74 metros, uma massa média no lançamento de 59o.000 kg , capacidade de carga util em órbita baixa de 22.800 kg e um diâmetro médio de 3,66 metros.

Traje pressurizado da SpaceX

Traje espacial

A SpaceX projetou seu traje espacial para os astronautas usarem dentro da espaçonave enquanto voam de e para a estação espacial e para garantir sua segurança enquanto operam em órbita baixa da Terra. O traje é feito sob medida e foi projetado para ser funcional, leve (cerca de 9,1 kg) e oferecer proteção contra despressurização em potencial. Um único ponto de conexão, na coxa do traje, conecta sistemas de suporte à vida, incluindo conexões de ar e energia. O capacete é fabricado de forma personalizada usando a tecnologia de impressão 3D e inclui válvulas integradas, mecanismos para retração e travamento da viseira e microfones dentro da estrutura. O traje visa proporcionar um ambiente pressurizado para o astronauta a bordo em situações atípicas, como a despressurização da cabine.

Traje pressurizado

O traje é vestido por uma abertura com ziper, do tipo de roupa de mergulho, na parte da virilha, abrindo em todo o comprimento do lado interior das “calças”. O fecho funciona com duas “franjas” de borracha, forçadas juntas pelos dentes do zíper. A extremidade do zíper onde a aba de puxar termina usa as superfícies internas de duas flanges, nas superfícies interna e externa, para comprimir a borracha ao redor da abertura, para garantir o selo hermético.

Esse traje também contem os sistemas de comunicação e refrigeração a bordo durante o voo regular. Recursos adicionais incluem : Capacete rígido com viseira móvel impresso em 3D, luvas compatíveis com tela sensível ao toque , camada externa resistente a chamas, proteção auditiva durante subida e reentrada. O traje tem um ponto de conexão único entre a roupa e o sistema de suporte vital. O umbilical é conectado no assento e fica ligado na placa de conexão na coxa do lado direito do traje. Ganchos no calcanhar da bota que prendem os pés ao apoio (pedal) do assento. Os trajes de pressão a serem usados por esta tripulação apresentam modificações em relação aos primeiros trajes da SpaceX: as botas tem capas externas mais altas e o design diferente; há diferentes pregas nos joelhos, e diferentes padrões de costuras ao redor. A bandeira dos EUA está no ombro esquerdo enquanto o emblema da missão no direito.

Inspiration4 decola hoje à noite

Primeira missão privada durará 3 dias

Falcon 9 B1062.3 na plataforma LC-39A em Cabo Canaveral

O primeiro vôo espacial totalmente civil, contratado por particulares, decola hoje a partir das 21:00 (hora de Brasília). A nave Crew Dragon Resilience transportará o empresário Jared Isaacman e mais três colegas – Chris Sembroski, Dra. Sian Proctor e Hayley Arceneaux – para um voo de três dias. Isaacman pagou, segundo algumas fontes, US$ 200 milhões pela viagem. 

Cronograma do lançamento

00:00: Decolagem
02:37: Corte dos motores principais do primeiro estágio (MECO)
02:40: Separação de primeiro estágio
02:41: Ignição do 2º estágio
08:51: Corte do motor do 2º estágio (SECO)
09:31: Aterrissagem do ‘core’ de primeiro estágio
12:09: Separação da Crew Dragon do 2º estágio
13:02: Abertura da capota do nariz da espaçonave

O Canal do Homem do Espaço no Youtube transmitirá o lançamento a partir das 20:35 h

Como sempre, a SpaceX se recusou a fornecer dados exatos sobre o foguete Falcon 9 FT BL5 B1062.3 e a espaçonave.
A meteorologia prevê 70% de tempo favorável para o lançamento. O clima pode afetar o cronograma uma vez que ventos podem sujeitar o foguete estresses não-desejáveis na plataforma e na fase de voo atmosférico.

Tripulação da nave: Isaacman, Arceneaux , Proctor e Sembroski

Anteriormente foi indicado que a missão duraria de três a cinco dias (sendo que a nave tem uma autonomia de sete dias), e uma reentrada não antes de 18 de setembro. As oportunidades de reentrada dependerão do horário de decolagem e com base no horário de recuperação esperado 3 a 5 dias após.

O navio de apoio da Spacex, ‘Doug‘, zarpou de Port Canaveral em sua missão de estreia em suporte ao voo particular.

Os tripulantes

Jared Isaacman, 38, fez fortuna como fundador e CEO da Shift4 Payments e tornou-se proprietário da empresa de treinamento de pilotos de jato Draken International. Ele tem cerca de 6.000 horas em várias aeronaves, o que ele disse pode ser útil para qualquer “contingência” de vôo espacial, porque ele enfrentou emergências durante vôos. Ele é o comandante e patrocinador da missão.

Sian Proctor, 51, é professora de geociências no South Mountain Community College em Phoenix, Arizona, e será a primeira pessoa de Guam a voar no espaço e completou quatro treinamentos, incluindo a missão feminina Sensoria Mars 2020 no Habitat de exploração espacial do Havaí (HI-SEAS).

Hayley Arceneaux, 29, é médica assistente no St. Jude Children’s Research Hospital. Ela foi escolhida como embaixadora da missão e é uma sobrevivente de câncer ósseo infantil. O irmão e a cunhada de Arceneaux são engenheiros aeroespaciais, então, assim que ela recebeu uma instrução informal de segurança deles e o sinal de positivo de sua mãe, decidiu-se a participar.

Chris Sembroski, 41, é engenheiro de dados, ex-conselheiro do US Space Camp e ex-voluntário do ProSpace, um grupo de lobby espacial focado em permitir que empresas espaciais comerciais conduzam seus negócios. Sembroski também serviu na Força Aérea dos Estados Unidos, mantendo os mísseis balísticos intercontinentais Minuteman III e servindo no Iraque. Ele agora trabalha na Lockheed Martin.

A equipe escolheu os nomes de chamada (callsigns, ou nome-de-guerra) diferentes para cada um da equipe (uma prática fora do usual) “Rook” para o comandante Isaacman, “Leo”, “Hanks” e “Nova”. Sembroski é “Hanks”, Proctor é “Leo” e Arceneaux é “Nova”.
O normal em missões espaciais russas é que seja escolhido um nome seguido do número 1 para o comandante e os demais repitam a mesma designação, com o algarismo 2 ou 3, segundo sua posição na equipe. Por exemplo, na Soyuz T-5, “Elbrus-1” (Berezovoy) e “Elbrus-2” (Lebedev); se o comandante faz novo voo, repete-se o mesmo nome. (À exceção da Soyuz-19, “Soyuz”, apenas)
Nas missões americanas, usa-se o nome da nave (no caso das Mercury, os nomes dados pelos astronautas – ex. ‘Freedom 7’; ou o nome da missão (ex. Gemini 7), e todos os tripulantes atendem e se identificam por seus nomes ou apelidos. Nas Apollo, quando havia módulo lunar, o módulo de comando ganhava um nome de guerra e o módulo lunar, outro. Exceção para o pouso na Lua da Apollo 11, quando se adotou Tranquility Base para o módulo lunar pousado. Nas missões do shuttle usava-se o nome da nave, ex. “Discovery”; nas Crew Dragon, o nome de batismo da cápsula (ex. “Endeavour”).

Início arriscado do turismo espacial orbital americano

Muitos especialistas e analistas ponderam de que a tripulação desta nave deveria incluir um astronauta profissional. A Crew Dragon está apenas no início de sua operação, portanto, arriscar civis mesmo em um vôo de uma única órbita é, para alguns, inaceitável.

Nave espacial Crew Dragon C207 Resilience

A Blue Origin e a Virgin Galactic já levaram seus passageiros em lançamentos suborbitais – seus veículos só alcançam o limite do espaço antes de retornar ao solo alguns minutos depois. O foguete Falcon 9 e a Crew Dragon, no entanto, vão levar a tripulação do Inspiration4 até a órbita por três dias. A tripulação de quatro pessoas também é bastante diferente dos outros lançamentos. Liderada por Isaacman, a missão apresenta um grupo diversificado. Um membro da equipe, a geologista Sian Proctor, ganhou um concurso entre as pessoas que usam a empresa de pagamento online de Isaacman. Outro aspecto único é que um de seus objetivos é aumentar a conscientização e os fundos para o St. Jude Children’s Research Hospital. Como tal, Isaacman escolheu Hayley Arceneaux, uma médica assistente em St. Jude e sobrevivente de câncer infantil, para participar. O último membro, Chris Sembroski, ganhou seu lugar quando seu amigo foi escolhido em um sorteio de caridade para São Judas e ofereceu seu lugar a ele.

Como nenhum dos quatro participantes teve qualquer treinamento formal anterior de astronauta, o vôo foi considerado a primeira missão espacial “totalmente civil”. Embora o foguete e a cápsula sejam totalmente automatizados – ninguém a bordo precisará controlar qualquer parte do voo – os quatro membros ainda precisaram passar por muito mais treinamentos do que as pessoas nos voos suborbitais. Em menos de seis meses, a tripulação passou por horas de treino em simulador, aulas de pilotagem de aeronaves a jato e passou um tempo em uma centrífuga para prepará-los para as forças G de lançamento.

O alcance social também tem sido um aspecto importante da missão. Enquanto os voos de Bezos e Branson causaram críticas aos “playboys bilionários no espaço”, a Inspiration4 tentou – com resultados mistos – tornar o turismo espacial mais identificável. A equipe apareceu recentemente na capa da revista Time e foi tema de um documentário da Netflix em andamento. Também houve outros eventos de arrecadação de fundos para a St. Jude, incluindo uma corrida virtual de 6 km e um leilão de lúpulo de cerveja que será transportado na missão.

Enviar uma tripulação de astronautas amadores para a órbita é um passo significativo no desenvolvimento do turismo espacial. No entanto, apesar da sensação mais “inclusiva” da missão, ainda existem sérias barreiras a serem superadas antes que as pessoas comuns possam ir para o espaço. Por um lado, o custo continua muito alto. Embora três dos quatro não sejam ricos, Isaacman é um bilionário e pagou cerca de US $ 200 milhões para financiar a viagem. A necessidade de treinar para uma missão como essa também significa que os passageiros em potencial devem ser capazes de dedicar uma quantidade significativa de tempo para se preparar – tempo que muitas pessoas comuns não têm.

Finalmente, o espaço continua sendo um lugar perigoso e nunca haverá uma maneira de remover totalmente o perigo de lançar pessoas – sejam civis não treinados ou astronautas profissionais experientes. Apesar dessas limitações, o turismo espacial está chegando. Para a SpaceX, a Inspiration4 é uma importante prova de conceito que eles esperam que demonstre a segurança e a confiabilidade de seus sistemas autônomos de foguetes e naves. Na verdade, a SpaceX tem várias missões turísticas planejadas nos próximos meses, embora a empresa não esteja focada no turismo espacial. Alguns até incluirão estadias na Estação Espacial Internacional. Mesmo que o espaço permaneça fora do alcance da maioria das pessoas na Terra, a Inspiration4 é um exemplo de como os esforços dos barões espaciais bilionários para incluir mais pessoas em suas viagens podem dar a uma atividade de outra forma exclusiva um apelo público mais amplo.

Fases de lançamento

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Artemis: NASA e seu diretor se contradizem

Num sinal da situação, Bill Nelson se atrapalha sobre o prazo das missões

Artemis III prevê a acoplagem do módulo lunar da SpaceX com a nave Orion
Módulo de alunissagem da Artemis III pousado na Lua

Numa conferência no evento Humans To Mars, o administrador da NASA, Bill Nelson, ainda insiste, ou pelo menos quer fazer parecer que acredita, que a Artemis será lançada no final deste ano de 2021. “Isso é o quão perto estamos [de um lançamento]”. Segundo Nelson, a missão Artemis II acontecerá cerca de um ano e meio após a Artemis I – no final de 2023 ou início de 2024.

A Artemis I prevê um voo não-tripulado em torno da Lua; Artemis II, um voo circunlunar com quatro astronautas. A Artemis III será o evento principal, com o objetivo midiático e politicamente correto de “colocar a primeira mulher na Lua”; Em seguida a Artemis IV, uma missão de estabelecimento de uma estação orbital em torno da Lua – a Gateway.

Em seguida, será a vez da Artemis III (sem data definida), onde o módulo de alunissagem HLS irá acoplar com uma espaçonave Orion na órbita lunar para a tão esperada descida à superfície.

Artemis IV acoplada à estação lunar Gateway

Em seguida, a Artemis IV (sem data), onde uma Orion se acoplará à estação orbital lunar Gateway para fazer o transbordo entre a órbita e a Lua. Foi pedido à NASA que esclarecesse o que Nelson queria dizer, já que se a Artemis I fosse realizada no final deste ano, um ano e meio depois seria meados de 2023. Um porta-voz da NASA diz que na verdade haverá um intervalo de dois anos entre a Artemis I e a Artemis II.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Rússia: Soyuz-2.1b lança mais 34 satélites Onewebs

Lançamento foi às 15:07h de Brasília

Soyuz-2.1b nº N15000-051 OneWeb F10 decola da plataforma 31/6 de Baikonur – foto TsENKI/Roskosmos

O foguete Soyuz-2.1b nº N15000-051 foi lançado da plataforma “Vostok” 31/6 do cosmódromo de Baikonur na terça-feira, 14 de setembro 2021, às 21:07:19.121 horário de Moscou (15:07:19.121 de Brasilia). A Roskosmos lançou Soyuz-2.1b com o estágio superior Fregat-M e 34 satélites OneWeb .

Foi a missão número 36 para o cliente indo-britânico de comunicação por rede de satélite. Após 563.8 segundos, a “unidade orbital” (composta pelo estagio Fregat, o adaptador de ejeção da RUAG e os satélites) foi colocada em uma trajetória suborbital. O veículo, de 46,30 m de comprimento, pesou cerca de 316 toneladas no momento do disparo, desenvolvendo aproximadamente 420.000 kgf de empuxo na decolagem. A carga útil total foi de 5.510 kg.

De acordo com informações de telemetria recebidas no Centro de Informações, o contato de decolagem, o vôo do foguete, a separação dos estágios e do bloco orbital foram concluídos em modo normal. Depois disso, o estágio superior Fregat continuou a liberar os trinta e quatro veículos na órbita circular predeterminada. Dentro de 3,5 horas, os satélites OneWeb, de acordo com o ciclograma, se separarão alternadamente do estágio superior russo, que foi desenvolvido na S.A. Lavochkin. Os motores do veículo lançador RD-107/108 de primeiro e segundo estágios, desenvolvidos na Associação Científica e de Produção Energomash e e o motor RD-0124 do terceiro estágio, criado no centro de construção de motores de foguete de Voronezh (parte da NPO Energomash ) funcionaram normalmente.

Foguete decola da plataforma 31/6
Sequência de liberação dos satélites (“SC”)

O foguete decolou e seguiu trajetória para atingir a órbita inicial de 45o km inclinada em 87,4º em relação ao equador, controlado pelo sistema de gerenciamento de voo Malakit-7 embutido no terceiro estágio. As fases de primeiro, segundo e terceiro estágios foram suborbitais, enquanto o quarto e último estágio, ou “bloco de aceleração” Fregat 123-05, foi o responsável por colocar os satélites indo-britânicos em suas órbitas iniciais projetadas de 140 x 425 km, inclinada em 87.4º. A partir da liberação, os satélites usam seus motores para atingir a altitude de 1.200 km.

Satélite OneWeb após liberado em órbita e em configuração de trabalho – imagem OneWeb

Um minuto após a separação do terceiro estágio Blok I, o Fregat dispararou seu motor principal S-5.92 por 251 segundos para entrar em na órbita de transferência com perigeu de 140 e o apogeu 425 km. Após sua primeira manobra, o Fregat ficará inerte por quase uma hora. Ao atingir o apogeu da elipse de transferência, o estágio deve reacender seu motor por 34 segundos, tornando sua órbita circular a 450 quilômetros. Então, 1 hora, 11 min 40 s após o lançamento, o primeiro par de satélites deve ser ejetado em direções opostas de seu adaptador/dispensador. Nos 15 minutos seguintes, o Fregat fará uma ignição de 15 segundos com seus propulsores de controle de atitude para se posicionar para outra liberação três minutos depois, de quatro satélites. O Fregat deve então repetir os disparos e liberação em mais sete ocasiões, distribuindo os quartetos de satélites ao longo de sua órbita. Os quatro últimos estão programados para serem ejetados 3 horas e 45 minutos após a decolagem. A 1 hora e 20 minutos após o lançamento do último satélite, o Fregat vai iniciar uma manobra de frenagem tirá-lo de órbita, desintegrando-se na atmosfera.

Seção de cabeça

A seção de cabeça do foguete (estágio superior Lavochkhin Fregat-M e 34 satélites integrados em torno de um ‘dispensador’ RUAG cilíndrico de 1,7 metro de diâmetro e altura de 5,5 m sob a carenagem de carga útil 81KS nº Ya15000-042), o terceiro estágio e o “pacote” (blocos laterais – B,V,G, e D – do primeiro estágio e o corpo central bloco A do segundo estágio) produzidos pela RKTS Progress formaram o veículo de lançamento.

Com este lançamento, a constelação de órbita baixa OneWeb aumentará em 34 satélites e alcançará 322. Este lançamento se tornou o décimo dentro do programa, o segundo de Baikonur em 2021 e o quarto deste cosmódromo como um todo. O trabalho está sendo realizado sob um contrato entre a Glavkosmos (afiliada da Roskosmos) e as empresas esuropeias Arianespace e a Starsem.

As naves OneWeb são projetadas para criar um sistema de comunicação que fornece acesso de alta velocidade à Internet em qualquer lugar da Terra. O acesso à Internet através dos OneWebs será fornecido por meio de 40 estações terrestres.

Os terminais OneWeb serão independentes, autossuficientes e bem protegidos de intempéries. Cada um deles será capaz de dar acesso à Internet de alta velocidade em sua área de cobertura por meio de tecnologias Wi-Fi, LTE ou 5G. Além disso, uma faixa de frequência de rádio licenciada será usada ou, quando possível, as faixa de Wi-Fi, LTE ou 5G disponível ao público.

Satélites montados no dispensador múltiplo

A OneWeb pretende formar uma constelação de órbita baixa de mais de 600 satélites (com 144,5 kg de massa cada) para de serviços de Internet de alta velocidade na banda Ku, cujos clientes devem ser principalmente Wi-Fi, LTE ou operadores de 5G, bem como provedores de internet.

O primeiro lote de seis satélites OneWeb de teste e verificação foi lançado em 28 de fevereiro de 2019 do Centro Espacial da Guiana por um foguete Soyuz-ST. Em 7 de fevereiro e 21 de março de 2020, dois foguetes com 34 satélites cada foram lançados do cosmódromo de Baikonur. Em dezembro do ano passado, pela primeira vez, um Soyuz com 36 satélites foi lançado do cosmódromo de Vostochny. Os lançamentos subsequentes do programa OneWeb a partir de Vostochny ocorreram em 25 de março, 26 de abril, 28 de maio e 1 de julho de 2021.

O Soyuz-2 foi desenvolvido com base no foguete serial Soyuz-U. Seu principal desenvolvedor é o Fabrica de Foguetes Progress (parte da Roscosmos, na cidade de Samara). Sistemas de propulsão e de controle e telemetria atualizados são usados ​​nos Soyuz-2, o que aumenta significativamente suas características técnicas e operacionais. Estruturalmente o Soyuz-2, como todos os mísseis da família, é feito de acordo com o esquema de divisão longitudinal-transversal dos estágios. Em combinação com o estágio superior Fregat, destina-se a lançar espaçonaves em órbitas baixas de várias alturas e inclinações, incluindo geotransferência e órbitas geoestacionárias, bem como trajetórias de escape interplanetário.
Os motores-foguete de propelente líquido RD-107A e RD-108A (queimando querosene T-1 e oxigênio líquido) são usados ​​no primeiro e no segundo estágios do veículo lançador e, no terceiro estágio o RD-0124 de quatro câmaras, queimando naftil e oxigênio líquido. Com os RD-107 e RD-108, desenvolvimentos da NPO Energomash V.P. Glushko (de Khimki, também associada da Roscosmos) “garante-se de forma confiável a implementação do programa doméstico de voos tripulados e lançamento de espaçonaves”, diz a Roskosmos, que gerencia todas as empresas da indústria espacial russa. Até hoje, foram realizados trabalhos de modernização dos motores RD-107 básicos do primeiro estágio e motores RD-108 para o segundo num total de dezoito modificações em vários aspectos.

Foguete Soyuz-2.1b

O contrato entre a Arianespace e a OneWeb, originalmente para 21 lançamentos de foguetes Soyuz de Baikonur, Vostochny e Kuru foi assinado em junho de 2015. A OneWeb deve começar a oferecer comunicações comerciais via satélite no final de 2021 e até o final de 2022 espera ter uma constelação de 648 satélites, que fornecerão acesso a Internet de banda larga para usuários em todo o mundo através de cobertura total.

Lançamento dos satélites OneWeb de Baikonur hoje

Foguete Soyuz 2.1b decola às 15:07 Brasília

Foguete na plataforma 31/6

Em 14 de setembro de 2021, o veículo de lançamento Soyuz-2.1b com o estágio superior Fregat e 34 espaçonaves OneWeb a bordo deve ser lançado a partir do cosmódromo de Baikonur.

Na terça-feira 14 de setembro de 2021 foi realizada a reunião da Comissão Estatal, após a qual foram tomadas as decisões sobre o abastecimento do foguete e o lançamento no horário determinado. O lançamento do Soyuz-2.1b com o estágio superior Fregat-M e 34 satélites OneWeb está programado às 21:07, horário de Moscou (15:07 hora de Brasília).

Baia de motores do pacote de primeiro e segundo estágios vistos da cabine deslizante de serviço na base da mesa de lançamento

Será a missão número 36, na campanha ST35. os satélites serão lançados em uma órbita de 450 km, após o qual serão ejetados independentemente em doze planos predefinidos.

Satélites Oneweb unidos no dispensador/adaptador de lançamento

O primeiro lote de seis OneWeb para teste técnico e verificação funcional foi lançado em 28 de fevereiro de 2019 do local de lançamento do Centro Espacial da Guiana pelo veículo de lançamento Soyuz-ST. Em 7 de fevereiro e 21 de março de 2020, dois foguetes com 34 satélites cada foram lançados do cosmódromo de Baikonur. Em dezembro do ano passado, pela primeira vez, um veículo de lançamento com 36 unidades foi lançado do cosmódromo de Vostochny. Os lançamentos subsequentes no programa OneWeb da Vostochny ocorreram em 25 de março, 26 de abril, 28 de maio e 1 de julho, bem como em Baikonur em 22 de agosto de 2021.
Os lançamentos do cosmódromo de Vostochny tornam possível lançar um grande número de satélites em órbita pelo foguete Soyuz-2.1b – 36 contra 34 para os lançamentos de Baikonur. Essa diferença se deve às características de maior potência do foguete dentro da inclinação dada e a disponibilidade das regiões de queda dos estágios do portador. Atualmente, o trabalho está em andamento para otimizar as trajetórias de vôo de Baikonur, levando em conta o fato de que o tamanho dos satélites é um pouco maior do que o previsto. A pesquisa está sendo realizada para lançar 36 espaçonaves OneWeb de Baikonur, bem como de Vostochny.

Foguete Soyuz 2.1b

Projetista e fabricante dos satélites
Os OneWeb são desenvolvidos pela AIRBUS Defense and Space. Eles são fabricados pela OneWeb Satellites (50% de propriedade da AIRBUS Defense and Space e 50% da OneWeb) em uma fábrica na Flórida.
A partir de 2020, o projeto OneWeb está sendo implementado pela Bharti Global ( da Índia) e pelo governo do Reino Unido (cada um possui 42,2% das ações da OneWeb, as ações restantes são distribuídas entre o Softbank (Japão) com 12,3% e Hughes Network Systems (EUA ) com 2,6%). O acionista majoritário é o governo do Reino Unido.
No segundo semestre de 2021, a Eutelsat planeja concluir um investimento de $ 550 milhões na OneWeb (sujeito à aprovação regulatória), o que resultará na aquisição e co-propriedade de aproximadamente 24% das ações. Além disso, em julho de 2021, foi noticiado na imprensa que a Bharti Global estava investindo outros $ 500 milhões na OneWeb, aumentando assim sua participação na empresa.
Além disso, em agosto de 2021, o conglomerado sul-coreano Hanwha anunciou um investimento de US $ 300 milhões por meio de sua subsidiária Hanwha Systems (tecnologia de defesa e serviços de TI), pelo qual receberá uma participação de cerca de 8,8%. A transação deve ser aprovada pelo regulador no primeiro semestre de 2022.

Logomarca da missão atual

Nomes, índices, e número de série
O nome dos satélites é OneWeb, também usado como OneWeb Gen1, que significa satélite de primeira geração.
Números / índices para o lançamento em 14 de setembro : OneWeb L9 1 e OneWeb L9 34, onde L é o número de série do lançamento e o dígito é o número do satélite na ordem de separação.

Finalidade, período de garantia ativa, características táticas e técnicas dos equipamentos de bordo
As naves espaciais OneWeb são projetadas para criar um sistema de comunicação espacial que fornece acesso à Internet de alta velocidade em qualquer lugar da Terra.
O acesso à Internet através do sistema OneWeb será fornecido por meio de 40 estações terrestres. Os terminais OneWeb serão independentes, autossuficientes e protegidos de fatores ambientais adversos. Cada um dos terminais será capaz de fornecer acesso à Internet de alta velocidade em sua área de cobertura por meio de tecnologias Wi-Fi, LTE ou 5G. A faixa de frequência de rádio licenciada será usada ou, quando disponível, a faixa de frequência de rádio Wi-Fi, LTE ou 5G disponível ao público.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

SpaceX lança mais 51 satélites Starlink

Foguete decolou de Vandenberg

Lançamento da base de Vandenberg

O foguete Falcon 9 v1.2 FT BL5 nºB1049.10 foi lançado na terça-feira, 14 de setembro de 2021 às 03:55:50 UTC, com um lote de 51 minissatélites para aumentar a constelação da rede de cobertura de Internet “Starlink” da SpaceX. O lançamento do “Group 2.1” foi realizado a partir da plataforma SLC-4E da base da Força Espacial dos EUA em Vandenberg, Califórnia e o seu primeiro estágio foi o segundo da frota da SpaceX a atingir a marca de dez reutilizações.
Estes são Starlinks versão V1.5 com links inter-satélite , que são necessários para altas latitudes e cobertura sobre o oceano.

Satélites na coifa de cabeça do foguete
Falcon 9 v1.2 FT BL5

Este já é o 31º lançamento de um grupo de satélites de Internet desde maio de 2019 como parte do projeto Starlink. Estes satélites são uma variante equipada com intercomunicação a laser (satélite-a-satélite) supostamente um pouco mais pesada do que o design V1.0, pesando cerca de 270 kg. O grupo orbital da SpaceX já consiste em 1.738 espaçonaves. A empresa é atualmente a maior operadora de satélites do mundo. O primeiro estágio (‘core’) reutilizável B1049.10 do veículo lançador, que foi usado pela décima vez, fez uma aterrissagem guiada na plataforma flutuante Of Course I Still Love You, que fora rebocada pelo navio Adele Elise, no Oceano Pacífico.

Perfil da missão

O ‘core’ desta missão lançou anteriormente os Telstar 18 VANTAGE, Iridium-8 e sete Starlink. Após a separação do estágio, a SpaceX. As metades da carenagem anteriormente suportaram outros lançamentos: uma, o NROL-108 e a outra anteriormente foi usada nos GPS III-3 e Turksat-5A – e foram ambas recuperadas no oceano Pacífico pelo navio NRC Quest.

O ‘core’ reutilizável B1049.10 fez uma aterrissagem na plataforma Of Course I Still Love You

Quando o segundo estágio passou sobre uma estação terrestre no Chile, a SpaceX confirmou que todos os 51 satélites foram liberados com sucesso em órbita. Isso concluiu o 22º lançamento do foguete Falcon 9 da empresa neste ano.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Cinema no espaço: Soyuz MS-20 perto do lançamento

O que há de positivo e negativo no primeiro filme a ser rodado no espaço

Parte da imprensa russa, analistas e do público aficionado – não vêem o voo cinematográfico ‘Vyzov’ com bons olhos. Por outro lado, o público russo vem acompanhando os preparativos da missão com um interesse que era inexistente no cenário do país

No cosmódromo de Baikonur, a preparação pré-voo da nave espacial Soyuz MS-19 continua. Especialistas da RKK Energia e do centro espacial Yuzhny concluíram os testes de estanqueidade da espaçonave na câmara de vácuo do prédio de montagem e teste MIK da área 254. O ciclo de testes de vácuo pneumático gas hélio e ar nos volumes verificados foi realizado para controle da hermeticidade dos compartimentos e sistemas de bordo condições de solo.
O lançamento do foguete Soyuz-2.1a com a Soyuz MS sob o programa da 66ª expedição principal à Estação Espacial Internacional ISS está programado para 5 de outubro de 2021.

Nave Soyuz MS-19 sendo preparada no MIK 254 em Baikonur

Todo o projeto será coberto pelo Canal Um da TV estatal russa. Os co-produtores do filme Vyzov (‘Desafio’) são o diretor-chefe da Roskosmos, Dmitry Rogozin, e o diretor do Channel One, Konstantin Ernst. Ernst disse que o filme faz parte de um grande projeto – que incluiu a produção de documentários e reality-shows – para ajudar os russos a ‘redescobrir o amor e a paixão” pelo programa de voos espaciais tripulados. “Se as pessoas amam um determinado setor, essa energia será canalizada para ele”, disse Ernst em comentários na televisão. E funcionou: houve milhares de candidatas e Peresild venceu dezenove rivais femininas para o papel principal.

Peresild, Shkaplerov e Shipenko

Enquanto isso, enquanto o Ocidente se debate sobre se os turistas espaciais suborbitais de Richard Branson ou de Jeff Bezos tem o direito ou não de serem chamados de “astronautas”, e a SpaceX alardeia a milionária missão Inspiration4 como um duvidoso exemplo de “democratização do espaço”, a Rússia já tem uma tradição de turismo espacial desde 2001, quando Dennis Tito comprou uma passagem via Space Adventures para o voo da Soyuz TM-32 para a ISS, seguido por outros milionários, numa série de missões controversas e lucrativas. A Rússia enviou pela última vez um turista espacial à ISS em 2009.

Mordovina, Artemyev e Dudin

Como se não bastasse, a estatal russa também anunciou que o magnata japonês da moda online Yusaku Maezawa, 45, fará uma viagem de doze dias para a ISS em dezembro em outra Soyuz. O bilionário estará acompanhado pelo seu cinegrafista Yozo Hirano e pelo cosmonauta russo Alexander Misurkin. De acordo com a revista Forbes, os turistas espaciais podem pagar entre US $ 20 milhões e US $ 35 milhões por pessoa por 8 a 12 dias no espaço. O custo do vôo de Maezawa não foi divulgado. A indústria espacial russa sofreu uma série de contratempos nos últimos anos, desde escândalos de corrupção até a perda de espaçonaves e uma decolagem abortada durante a missão tripulada Soyuz MS-10 em 2018. Os foguetes Soyuz são, no entanto, os mais confiáveis do mundo ​​e permitem que Moscou permaneça relevante na indústria espacial moderna, mas o país está lutando para inovar e acompanhar outras empresas importantes.

As críticas

Yulia Peresild é uma das atrizes mais famosas da Rússia

Mesmo que a Roskosmos receba uma compensação financeira dos produtores de cinema pelo vôo da atriz Yulia Peresild e o diretor Klim Shipenko para a “heroização mítica” da profissão de cosmonauta, o resultado final será o seguinte: dois jovens cosmonautas russos que aguardavam seu vôo há mais de oito anos não irão para o espaço em 2021 (um na Soyuz MS-18, o outro na Soyuz MS-19 ). Cientistas que realizam experimentos a bordo do segmento russo da estação espacial internacional receberão menos dois ajudantes e perderão trabalhadores adicionais na estação. A má notícia é que os cosmonautas profissionais Oleg Novitsky e Pyotr Dubrov, que chegaram à estação em abril, ficarão sem assistentes por causa do filme, que seriam muito úteis no trabalho de integração do módulo MLM-U Nauka à ISS. No outono de 2021, um grande número de caminhadas espaciais está planejado – para conectar cabos, dutos, transferir e configurar a câmara de descompressão científica do MLM-U, etc. Cada “saída” leva vários dias para ser preparada. Sem dúvida, os astronautas americanos os russos em caso de necessidade – ninguém cancelou a assistência mútua e a cooperação apenas porque as tripulações agora voarão em naves diferentes. Mas por causa da carga pesada no módulo Nauka, a atividade no segmento russo será prejudicada e haverá pouco tempo para isso.

Emblema da missão

Mas o pior de tudo, a Roskosmos vai quebrar sua promessa de 2016. A empresa estatal anunciou que a redução da tripulação russa de três para duas pessoas se devia exclusivamente ao fato de que o módulo Nauka ainda não estava na ISS, também foi dito que ao chegar o Nauka, a tripulação russa voltaria a em três pessoas. As perdas de reputação de uma promessa não cumprida (registradas nos documentos oficiais da Roskosmos) podem muitas vezes exceder os dividendos de um filme, chamado por alguns de “medíocre“. Alguns especialistas ponderam que, para glorificar a profissão, bastaria dar aos cosmonautas uma condição de trabalho completa com novas tarefas interessantes s e com um extenso programa científico em vários campos do conhecimento. E também ensinar a assessoria de imprensa da Roskosmos a falar sobre o assunto de uma forma interessante, verdadeira e viva com o público. A prática existente, segundo os críticos, atesta o oposto. Um exemplo vívido que os russos aprenderam é o destino do jovem cosmonauta Nikolai Tikhonov, que se juntou ao esquadrão em 2006. Ele foi incluído duas vezes na tripulação principal da ISS e passou por treinamento completo, mas todas as vezes foi excluído por razões além de seu controle. Como mencionado acima, a Roskosmos anunciou que sua retirada inicial das tripulações foi devido à indisponibilidade do MLM-U Nauka. E em 2020, Tikhonov deixou a tripulação por motivos de saúde após 14 anos de carreira como astronauta.

O outro lado

Comandante Shkaplerov: “200% preparado para este vôo”

O que muitos desses críticos não levam em conta, por outro lado, é que o cidadão comum russo não se interessa em se tornar cosmonauta por dois motivos: Primeiro, o salário é medíocre em relação a outras profissões; em segundo lugar, para o cidadão comum (tanto russo quanto de qualquer país) pouco importa a quantidade de experimentos científicos realizados numa missão espacial tripulada. Isso não “enche os olhos” do público – em especial dos jovens, que são a fonte de futuros profissionais. A ficção serve para despertar o interesse do jovem para a aventura do conhecimento que resume a Astronáutica. Neste aspecto, a velha política soviética dos anos 60 e 70, com a glamurização da profissão de cosmonauta era muito mais efetiva: Milhares de jovens soviéticos sonhavam em ser viajantes espaciais. Mesmo sendo um instrumento de propaganda do falido socialismo, tais voos tinham um lado positivo à revelia dos propagandistas comunistas. Uma enxurrada de candidatos se apresentava de todos os cantos da então União Soviética, vindos de fábricas, universidades, distritos militares remotos; Mesmo que não se adequassem aos rígidos requisitos do esquadrão de cosmonautas, o interesse despertado permanecia em suas mentes, e havia uma cultura entranhada na sociedade, que via na exploração do espaço uma aventura excitante e interessante.

O fim da URSS trouxe liberdade e capitalismo, e com ele um novo status quo – os oligarcas que, vindos da ‘elite’ comunista e dos praticantes dos mercado negro, se apossaram dos bens do Estado. Este novo modo de viver mudou culturalmente as raízes do povo, que passou a ver as atividades no espaço como investimento sem retorno prático. Ao cidadão ao qual faltava emprego era irrelevante qualquer novo resultado de um experimento científico do qual ele pouco sabia da utilizade prática. Foi somente com a ascensão de Vladimir Putin ao poder é que, de modo bastante enfatico – para dizer o mínimo – que limites foram impostos e a Rússia recuperou o seu orgulho como nação.

Vladimir Putin: O controverso presidente que – gostem ou não – reergueu a Rússia

Na época em que Putin assumiu, as atitudes russas em relação ao passado soviético eram ambivalentes e confusas. Em 1991, multidões em Moscou derrubaram o monumento a Felix Dzerzhinsky, fundador da Cheka (a polícia secreta bolchevique que mais tarde seria chamada de NKVD e depois KGB), que ficava fora de Lubyanka, no centro de Moscou. Leningrado voltou ao nome imperial, São Petersburgo. Mas depois dessa agitação inicial, o descarte da iconografia do passado soviético foi interrompido. A maioria das cidades ainda tinha um Lenin fazendo pose em suas praças principais; muitas ruas mantiveram seus nomes soviéticos. Havia Lenin, Marx, Komsomol, Red Partisan e as ruas da Ditadura do Proletariado em todo o país. A Rússia era como um anfitrião de uma festa que acordou na manhã seguinte. A Moscou do início dos anos 2000 era um palimpsesto; os edifícios monumentais e os arquétipos heróicos do passado soviético ainda eram visíveis sob o verniz cafona da construção moderna e os exagerados painéis capitalistas anunciando cassinos, empréstimos e hambúrgueres.

Espaçonave Soyuz MS

Em 2012, Putin ordenou formalmente a criação uma Diretoria de Projetos Sociais com a tarefa de “fortalecer as bases espirituais e morais da sociedade russa” e melhorar “as políticas governamentais no campo da educação patriótica”. “Hoje, há um enorme déficit de ideias que poderiam unir as pessoas”, diz Valerya Kasamara, do Laboratório de Pesquisa Política da Escola Superior de Economia de Moscou. “O patriotismo pode ser muito eficaz para superar a desunião que permeava tudo, o distanciamento dos eventos coletivos. As autoridades estão fazendo o que deveriam ter feito há muito tempo. Mas se – em vez de esforços para inspirar emoções positivas – tivermos propaganda desajeitada , terá o efeito inverso. Portanto, é tudo uma questão de como isso será implementado.”

Uma iniciativa como a de Rogozin e do Canal Um tem obtido muito mais visibilidade para o programa espacial russo do que as dezenas de voos das Soyuz que serviram para manter a estação espacial internacional permanentemente tripulada nos últimos vinte anos (algo que seria impossível se ficasse a cargo dos americanos, que simplesmente não conseguiram produzir, desde 1980, uma única espaçonave capaz de um voo de mais de 14 dias de duração); A Rússia. mediante pagamento de passagem, serviu de táxi para a NASA – um serviço regiamente pago, é verdade. No balanço, ambos os lados se beneficiaram das qualidades de um suprindo as deficiências do outro.

Foguete Soyuz 2.1a

A tarefa de construção nacional do novo presidente foi espinhosa, pois ele herdou um estado multiétnico pós-imperial com uma história recente que foi tão desconcertante quanto dolorosa. Putin fez uma abordagem seletiva do passado soviético, escolhendo elementos individuais que poderiam ajudar a fornecer uma sensação de continuidade, começando com o antigo hino nacional soviético, que foi restaurado em 2001, embora com novas letras. Mas simplesmente criar uma “União Soviética 2.0” não funcionaria. Embora houvesse muita nostalgia do período soviético, pedir seu retorno alienaria a comunidade empresarial e os russos mais jovens, que aproveitaram as oportunidades que o capitalismo e a riqueza do petróleo de Putin lhes trouxeram. Putin explorou o senso de injustiça entre muitos russos, É famosa a sua denominação do colapso soviético como a “maior tragédia geopolítica do século XX”. Mas ele também contemporizou, dizendo que enquanto apenas uma pessoa sem coração poderia deixar de sentir falta da União Soviética, apenas somente alguém sem cérebro iria querer restaurá-la.

Putin gosta de ler livros de história e se deparou com muitas figuras do passado czarista que admirava, principalmente aquelas que fortaleceram o Estado garantindo a continuidade política. Em diferentes ocasiões, ele inspirava-se nos períodos czarista e soviético. Mas em toda a longa história da Rússia, houve apenas um evento que teve o potencial de unir o país e servir como pedra fundamental para a nova nação, algo que poderia ajudar a fomentar um orgulho nacional, assim como o as receitas do petróleo levaram a melhores indicadores econômicos. Essa foi a vitória na Segunda Guerra Mundial, ou na linguagem soviética que ainda é usada na Rússia moderna, a “Grande Guerra Patriótica”. O orgulho pela derrota do nazismo transcendeu política, geração ou status econômico, e foi usado pelos últimos líderes soviéticos para consolidar a legitimidade do regime. Putin mais uma vez tiraria proveito da vitória na guerra como a chave para a criação de um país patriótico consolidado. Apenas com isso poderia a Rússia reconquistar seu lugar de direito como nação de primeira linha. Putin sentia, e conforme os anos de seu governo sobre a Rússia continuavam, seu papel na retórica oficial crescia constantemente.

“Eles estão 200% preparados para este vôo, que está por vir”, observou o piloto-cosmonauta da Federação Russa Oleg Artemyev, sobre Peresild, Shipenko, o comandante Anton Shkaplerov e sua tripulação reserva, a atriz Alena Mordovina, o cinegrafista Alexei Dudin e o comandante Oleg Artemyev.

Tripulação reserva também teve boas notas no treinamento

Nunca houve nada parecido na televisão russa. O desafio deve ser mais do que apenas o primeiro filme filmado em órbita. Esta é uma experiência única de treinamento expresso de astronautas não profissionais para uma expedição, que será útil durante voos comerciais e durante um envio de emergência de cientistas ou médicos à ISS. A prontidão para o lançamento foi discutida pela comissão estatal para a realização de testes de voo de complexos espaciais tripulados. “O vôo será feito em esquema ultracurto, ou seja, de duas órbitas: três horas. Esta é uma conquista da indústria espacial russa há um ano e meio, para não perder muito tempo na adaptação da tripulação às novas condições ao trabalhar em gravidade zero. Tanto a tripulação principal quanto a de reserva estão saudáveis, passaram em todos os exames, o que significa que podem voar“, disse Rogozin.

“Elaboramos uma metodologia para o treinamento acelerado dos ‘participantes de voos espaciais’ – como os russos chamam os astronautas turistas ou profissionais cuja passagem é paga por governos ou empresas. Em pouco tempo, foi realizada a seleção dos candidatos que entrarão em órbita para a implementação do projeto “Desafio”, e a preparação para o vôo propriamente dito foi realizada de forma acelerada. Familiarizar-se com o sistema de suporte de vida para para servir a si mesmo ”, explicou Oleg Kononenko, vice-chefe do Centro de Treinamento de Cosmonautas e comandante do Esquadrão de Cosmonautas da Roskosmos.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

SpaceX programa lançamento de mais Starlinks

Foguete deve decolar de Vandenberg

O lançamento dos Starlink Group 2-1, a primeira missão Starlink da SpaceX a ser lançada do Complexo de Lançamento Espacial 4E (SLC-4E) na Base da Força Espacial de Vandenberg na Califórnia, está programada para as próximas horas. A janela instantânea abre em 14 de setembro às 03:55 UTC (00:55 Brasília), e uma oportunidade de reserva está disponível na terça-feira, 15 de setembro às 03:56 UTC (00:56 Brasília). Os satélites serão colocados numa baixa órbita terrestre circular de 570 km, inclinada em 70°.

Configuração do foguete B1049-10 com os satélites na coifa de cabeça. O veículo completo deve pesar 577,31 toneladas no lançamento

O ‘core’ (primeiro estágio reutilizável) Falcon 9 v1.2 FT Block 5 B1049-10 que será usado esta missão lançou anteriormente as missões Telstar 18 VANTAGE, Iridium-8 e sete outros Starlink. Após a separação do estágio, a SpaceX pousará no navio drone estacionado no Pacífico. Uma concha da carenagem do Falcon 9 anteriormente foi empregada no NROL-108 e a outra anteriormente foi usada nos GPS III-3 e Turksat-5A. Ambas serão recuperadas no mar a 688 km da costa pelo navio NRC Quest.

Lançamento e zona de pouso na barca-drone
Área de queda do segundo estágio

O navio-drone Of Course I Still Love You partiu do Porto de Long Beach. A OCISLY ficará estacionada a aproximadamente a 639 km do local de lançamento. Estes são 51 satélites Starlinks versão V1.5 (de cerca de 260 kg cada, totalizando 13.260 kg) com links inter-satélites a laser, que são necessários para altas latitudes e cobertura sobre o meio do oceano.

Perfil de lançamento

CONTAGEM REGRESSIVA
EVENTO HR / MIN / S
00:38:00 diretor de lançamento da SpaceX verifica o abastecimento de propelente
00:35:00 Carregamento de RP-1 (querosene de grau de foguete) em andamento
00:35:00 Carregamento de LOX (oxigênio líquido) de 1º estágio em andamento
00:16:00 Carregamento de LOX de 2º estágio em andamento
00:07:00 O Falcon 9 inicia o resfriamento (chill down) dos motores antes do lançamento
00:01:00 Comandar o computador de vôo para iniciar as verificações finais de pré-lançamento
00:01:00 A pressurização do tanque propelente para a pressão de vôo começa
00:00:45 diretor de lançamento da SpaceX verifica o lançamento
00:00:03 O controlador do motor comanda a sequência de ignição do motor para iniciar
00:00:00 Decolagem do Falcon 9 v1.2 FT Block 5 B1049-10

LANÇAMENTO, ATERRISSAGEM E EJEÇÃO DA CARGA ÚTIL
Todos os horários aproximados

EVENTO HR / MIN / S
00:01:12 Max Q (momento de máximo de estresse mecânico no foguete)
00:02:32 Corte do motor principal do 1º estágio B1049-10 (MECO)
00:02:35 1º e 2ª estágios separam-se
00:02:43 O motor do primeiro estágio é acionado
00:02:59 abertura da carenagem
00:06:46 Início da ignição de reentrada do primeiro estágio
00:07:07 ignição de entrada do primeiro estágio completa
00:08:24 Início da ignição de pouso do primeiro estágio
00:08:46 ignição de pouso do primeiro estágio termina
00:08:51 Corte do motor do 2º estágio (SECO-1)
00:15:32 Satélites Starlink liberados em órbita

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Virgin Galactic adia mais uma vez o lançamento de sua próxima missão

O atraso se deve a uma peça com potencial defeito

A Virgin Galactic está adiando ainda mais seu próximo voo suborbital de sua nave SpaceShipTwo para “verificar um problema potencial” que a empresa diz não estar relacionado à investigação em andamento da FAA – Federal Aviation Administration. Em um comunicado divulgado no final de 10 de setembro, a Virgin disse que um fornecedor terceirizado, não identificado, notificou a empresa sobre um defeito potencial de fabricação em um componente do sistema de acionamento de controle de vôo. A Virgin está conduzindo inspeções com o fornecedor para determinar se o componente suspeito precisa ser reparado ou substituído. Por causa dessas inspeções, a Virgin disse que o mais cedo que executaria a próxima missão da nave, chamada Unity 23, seria em meados de outubro. A empresa já havia declarado que a missão aconteceria no final de setembro ou início de outubro.

A questão, a empresa acrescentou, não está relacionada com o incidente no voo SpaceShipTwo anterior em julho. Depois de um relatório que o veículo tinha voado fora do seu espaço aéreo planejado durante fase de volta para a pista no Spaceport America, no Novo México, a FAA disse em 2 de setembro que não permitiria que a SpaceShipTwo voasse novamente até que concluísse sua investigação sobre o incidente. A FAA não ofereceu nenhum cronograma para essa revisão. “Temos uma abordagem robusta de prontidão de pré-voo que está enraizada em nossa cultura completa, proativa e com prioridade na segurança. Não há nada mais importante para nós do que a integridade de nossos veículos ”, disse Michael Colglazier, presidente-executivo da Virgin, em um comunicado sobre o atraso. “Nossos processos e procedimentos de voo de teste são rigorosos e estruturados para identificar e resolver esses tipos de problemas. Estamos ansiosos para voltar aos céus em breve. ”

A empresa disse pouco mais sobre a investigação da FAA ou sobre esse assunto. O fundador Richard Branson, aparecendo por vídeo durante uma breve sessão da conferência Satellite 2021 em 8 de setembro, não mencionou a investigação da FAA nem foi questionado sobre ela pelo moderador. Branson estava no vôo de julho, que pousou com segurança apesar da saída do espaço aéreo. “Eu adoraria ir [ao espaço em sua nave] de novo”, disse ele na única discussão sobre a Virgin Galactic durante a sessão, que se concentrou principalmente na Virgin Orbit. “Foi mais extraordinário do que jamais imaginei que seria. O dia foi simplesmente mágico. ” “Com base na lista de espera que temos na Virgin Galactic, suspeito que estarei na casa dos 90 antes de ter a chance de voar novamente”, disse Branson, de 71 anos. A empresa tinha cerca de 600 clientes cadastrados antes de anunciar planos em agosto para reabrir a venda de ingressos. “Estou dizendo a eles para se apressarem e construirem o máximo de foguetes que puderem. Há muitas pessoas que adorariam ir para o espaço. ”

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Inspiration4: Missão deve decolar dia 15

Missão beneficente privada durará 3 dias

Teste de ignição estática

O teste de ignição estática do Falcon 9 B1062.3 da missão Inspiration4 foi realizado ontem em Cabo Canaveral, na Plataforma 39A, em preparação para o lançamento de quarta-feira, 15 de setembro. A janela de lançamento de 5 horas abre às 20h02 EDT. Será o primeiro vôo espacial totalmente civil, contratado por particulares, da Crew Dragon. Este ‘core’ de primeiro estágio do Falcon 9 anteriormente fez dois lançamentos de satélites GPS-III para o governo americano.
A meteorologia prevê 70% de tempo favorável para o lançamento de quarta-feira. O clima pode afetar o cronograma de lançamento uma vez que ventos podem sujeitar o foguete estresses não-desejáveis na plataforma e, possivelmente, impacto de detritos.

Fases de lançamento
Tripulação da nave: Sembroski, Proctor, Isaacman e Arceneaux

O navio de apoio da Spacex, ‘Doug‘, zarpou de Port Canaveral em sua missão de estreia em suporte ao voo particular.

Equipe durante o ensaio de transferência até a plataforma
Tripulação em um teste de cabine. O Single Stowage Locker da NASA HUNCH está embaixo dos assentos centrais

A espaçonave carrega entre sua carga útil no piso da cabine um conteiner ‘Single Stowage Locker’ (SSL) dos participantes do programa NASA HUNCH (High School Students United with NASA to Create Hardware). Cada conteimer é composto por aproximadamente 280 componentes, incluindo 41 peças usinadas pelos alunos e mais de 200 rebites, fixadores e rolamentos. As peças são fabricadas com alta precisão para as tolerâncias restritas exigidas de qualquer peça de equipamento certificada pela NASA para acomodar cargas. Exemplares já foram enviados à estação espacial internacional, inclusive na missão Crew Dragon tripulada DM-2.

Foguete na plataforma 39A com o Crew Access Arm – braço de acesso da tripulação

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Drones chineses para Marte

Detalhes revelados

Protótipo do UAV chinês para Marte

Um drone marciano está sendo considerado atualmente pelos chineses. Recentemente, um repórter soube no Centro Nacional de Ciências Espaciais da Academia Chinesa de Ciências que, já em 2019, uma equipe da Academia Chinesa de Ciências realizou uma pré-pesquisa de drones para Marte. Após dois anos de desenvolvimento, o projeto do protótipo do UAV, autodesenhado e desenvolvido, passou na aceitação. Em 11 de janeiro de 2016, a missão de exploração de Marte na China foi formalmente estabelecida e foi planejada a exploração conjunta de Marte por meio de satélite, módulo de aterrissagem e rover por volta de 2020. Essa notícia deu a Bian Chunjiang, pesquisador do Laboratório Chave de Tecnologia da Informação Eletrônica para Sistemas Aeroespaciais Complexos da Academia Chinesa de Ciências, uma nova ideia.

Ele analisou que quando o rover viajasse na complexa superfície de Marte, poderia haver problemas como trechos intransitáveis, velocidade lenta de avanço e pequeno alcance de detecção. “É possível projetar um sistema de detecção multiespectral que possa navegar ao redor de Marte e servir como um guia para o rover?” Ele pensou. Em março de 2019, com base na base técnica do laboratório em aeronaves, comunicações eletrônicas e inteligência artificial, Bian planejou o conceito de “Mars UAV” e se inscreveu para o Projeto de Fomento do Laboratório Nacional de Ciência Espacial da Comissão Municipal de Ciência e Tecnologia de Pequim. Em dezembro, o projeto foi formalmente estabelecido, denominado “Pesquisa sobre as principais tecnologias da exploração do espectro de cruzeiro da superfície de Marte”.

“Este helicóptero é essencialmente um drone de cruzeiro com um sistema de detecção e imagem multiespectral em miniatura, que pode atuar como o navegador do rover e dobrar a eficiência da detecção científica do rover”, disse Bian. De acordo com ele, as capacidades de design do Mars UAV podem obter a imagens da superfície de Marte com um raio de várias centenas de metros em vôo e reconhecer com rapidez e precisão o terreno circundante e objetos de superfície relacionados ao rover.

“Usando um espectrômetro em miniatura, os drones podem detectar rochas e outros objetos da superfície para ver se pode haver substâncias que representam sinais de vida, como água, compostos orgânicos à base de carbono e nitretos. Se forem encontrados alvos de alto valor, o drone pode guiar o rover para atingir o alvo com rapidez e precisão. Ao mesmo tempo, o drone pode captar rapidamente a topografia e as formas de relevo ao redor do rover e ajudar a evitar obstáculos. ”Bian Chunjiang disse: “ Desta forma, sob a orientação de o drone, o rover pode não apenas completar missões de exploração científica com eficiência, mas também evitar com precisão áreas perigosas em movimento. “
No Laboratório-chave de Tecnologia da Informação Eletrônica para Sistemas Aeroespaciais Complexos da Academia Chinesa de Ciências, localizado no centro espacial, o repórter viu o protótipo do UAV de Marte.

O drone marciano tem na “cabeça” duas hélices paralelas cada uma com 1,4 metro de comprimento, quatro “pernas” mecânicas sob as hélices e uma “barriga” quadrada a ser embalada em proteção térmica. A “barriga” pode ser instalada com uma um computador e unidades de bateria. Bian Chunjiang disse que este drone está equipado com um espectrômetro em miniatura, e o peso total é de 2,1 kg.

Em termos de desempenho de projeto, a altitude de vôo do UAV está inicialmente posicionada em 5 a 10 metros. Ele pode voar por 3 minutos por vez e cerca de 300 metros em 1 minuto. Ele pode obter eletricidade do rover por meio de carregamento sem fio. “A baixa altitude de vôo é para permitir que o espectrômetro veja claramente e garanta a segurança do vôo. Ele só pode voar por 3 minutos por vez, principalmente devido às limitações de energia a bordo e controle de temperatura”, disse Bian.

Em 19 de abril deste ano, o helicóptero não tripulado Ingenuity dos EUA fez seu primeiro voo em Marte, usando uma estrutura semelhante à do UAV marciano chinês. “Esta estrutura é determinada pelo ambiente de voo marciano e pelas tarefas técnicas existentes”, disse Bian Chunjiang. No início do projeto, os membros da equipe primeiro esclareceram os objetivos do projeto – potência, peso leve, estrutura compacta, facilidade de transportar. “Marte tem uma atmosfera fina, que equivale ao ambiente atmosférico da Terra a uma altura de 35 quilômetros. Portanto, os drones devem gerar sustentação suficiente para voar. Devido à distância entre Marte e a Terra, considerando a capacidade de carga do futuro rover, deve ser leve, compacto e fácil de transportar “, disse Bian. A partir desse objetivo, eles começaram a encontrar a solução mais adequada. Atualmente, existem duas aeronaves comuns: as de asa fixa e o helicóptero. Tendo em vista as características da exploração de Marte e seu ambiente de superfície, é impossível construir uma pista em Marte. Portanto, foi inevitável escolher um projeto de helicóptero vertical.

“Existem três métodos de projeto principais para UAVs de decolagem e aterrissagem verticais. Um é um rotor único com rotor de cauda ; o outro é um tipo comum de quatro rotores; e o outro é o de dois rotores em tandem, ou seja no mesmo eixo. É um desenho de rotor duplo coaxial no qual dois rotores giram em direções opostas “.

Para que os drones tenham uma sustentação mais forte, eles devem ter uma área de pá maior. Se um UAV de rotor de cauda de rotor único fosse usado, o UAV teria uma “cauda”. Sob a condição de garantir a mesma sustentação, o diâmetro da pá será grande e a estrutura não seria compacta o suficiente, o que não seria propício para transportar. Se um UAV multi-rotor fosse usado, o tamanho do drone provavelmente seria muito grande. O UAV de rotor duplo coaxial pode ter a maior área sob o menor contorno, o que é propício para obter sustentação suficiente na atmosfera tênue. Portanto, os membros da equipe finalmente escolheram a rota técnica do rotor duplo coaxial. Em relação a como projetar as “pernas” do drone, a equipe também fez muitas tentativas. “Quatro pernas são as mais adequadas quando o peso é limitado, e o drone pode pousar suavemente.” Bian Chunjiang. Não muito tempo atrás, o projeto de pesquisa do UAV da Mars passou na aceitação, e o projeto de pré-pesquisa foi avaliado como “fornecendo um meio possível para a exploração subsequente de Marte pela China”. “O objetivo do projeto é desenvolver as principais tecnologias do sistema de detecção de cruzeiro na superfície de Marte, verificar a viabilidade técnica e estabelecer a base técnica para a futura detecção espectroscópica de cruzeiro na área de superfície de Marte”, disse Bian, por meio de um sistema de detecção espectroscópica de cruzeiro na superfície. Os pesquisadores verificaram a viabilidade da tecnologia relacionada por meio do desenvolvimento do protótipo principal e do teste de simulação ambiental.

No entanto, Bian Chunjiang também disse sem rodeios que os drones de Marte “têm muito trabalho a ser feito no acompanhamento.” “Por exemplo, a vida útil do projeto dos drones deve ser de pelo menos alguns meses ou até mais de um ano. Ele precisa superar a temperatura extremamente baixa em Marte. A equipe de acompanhamento se concentrará na sobrevivência a longo prazo dos drones no ambiente complexo da superfície e realizará pesquisas técnicas relacionadas e trabalho de verificação. ” Além disso, Bian Chunjiang disse que o desenvolvimento subsequente do UAV marciano requer condições de teste de simulação ambiental de baixa pressão, baixa temperatura e em grande escala, mas atualmente não há nenhuma cabine de teste que possa atender a essas condições ao mesmo tempo. Para permitir que o trabalho de pesquisa continue avançando, eles buscam formas de obter novos apoios. “Os próximos 5 a 6 anos serão uma janela de pesquisa.” Chunjiang Bian disse: “Esperamos superar esses problemas técnicos e permitir que os UAVs estejam presentes na próxima missão de exploração de Marte.”

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

ISS: astronautas fazem mais uma caminhada espacial

Na EVA-77, japonês e francês instalaram equipamentos para ampliar a eletricidade e trocaram sensor

Astronautas trabalhando na unidade P4

Os astronautas Akihiko Hoshide da Agência de Exploração Aeroespacial do Japão (JAXA) e Thomas Pesquet da Agência Espacial Europeia fizeram uma caminhada no espaço (atividade extraveicular, ou EVA) de seis horas e cinquenta e quatro minutos hoje, domingo, 12 de setembro de 2021. Thomas e Akihiko começaram a preparação às 06:45 GMT respirando oxigênio puro e realizando exercícios leves para purgar seus corpos de nitrogênio que poderia ser prejudicial ao ir do ambiente de pressão normal, da estação espacial para o ambiente de baixa pressão dos trajes espaciais. Seus colegas Megan McCarthur e Mark van de Hei ajudaram-nos a vestir os trajes espaciais e colocar os sistemas propulsores SAFER “Simplified Aid for EVA Rescue” que podem impulsioná-los de volta à Estação Espacial no caso improvável de perderem o contato com o casco e não estarem amarrados. Uma vez vestidos, eles entraram na câmara de descompressão.

Este vídeo da NASA descreve as etapas da EVA-77:

Eles ligaram seus trajes espaciais EMU para as bateria internas e às 08 : 30h EDT (09:30 horário de Brasília, 12:30 GMT), saíram da câmara de ar Quest da estação, em seguida, transferiram-se para a estrutura de treliça “Port-4” (P4) para instalação de um kit de modificação. Isso preparará a “P4” para um novo grupo de “International Space Station Roll-Out Solar Arrays” (iROSAs) a ser entregue em uma espaçonave SpaceX Cargo Dragon no próximo ano. A caminhada no espaço fez parte das atualizações dos painéis solares da Estação Espacial, instalando a nova geração de painéis solares “roll-out” em frente aos painéis antigos atuais, que estão chegando ao fim de sua vida útil. Um segundo objetivo para Thomas e Aki foi substituir uma unidade de medição de potencial que está com defeito. Esta unidade mede a diferença entre as estruturas condutoras da Estação Espacial e o plasma atmosférico.

Suportes a serem montados no Beta Gimbal Assembly original dos paineis antigos

A caminhada no espaço começou quando a dupla deixou a câmara de descompressão. Thomas é um ‘caminhante espacial’ experiente já conduzindo três atividades extraveiculares nesta missão para instalar os dois primeiros novos painéis “roll-up” e duas caminhadas durante sua primeira missão, ‘Proxima’ , em 2017. Akihiko também conduziu três caminhadas em 2012 a partir da ISS. Ele é atualmente o comandante da Estação Espacial, função que passará para Thomas ainda este ano.

Hoshide foi o membro da tripulação extraveicular 1 (EV 1), vestindo um traje espacial EMU com listras vermelhas e usando a câmera de capacete número 22. Pesquet foi o EV 2 , vestindo um traje sem listras e uma câmera de capacete nº 20. Os astronautas começaram trabalhando juntos para montar o suporte superior do kit de modificação, em seguida, instalando primeiro o suporte esquerdo depois o suporte direito na caixa do mastro, a base de um dos painéis solares no lado esquerdo da estrutura de treliça que é a “espinha dorsal” da estação.

Suporte já montado sobre o BGA

Quando se posicionaram no painel solar antigo, eles começaram a montar uma peça triangular de modificação para permitir que o IROSA seja colocado na base do painel – o Beta Gimbal Assembly (BGA). Uma vez montado, Aki foi para o outro lado, pegou o triângulo de Thomas, instalou-o no lugar e aparafusou-o na estrutura.

Quando o novo par de paineis solares for trazido, será instalado no suporte montado hoje ; a parte não sombreada do painel original permanecerá ativa

O suporte irá permitir a instalação futura do terceiro dos seis novos iROSAs para atualizar um dos oito canais de eletricidade da estação. Conhecido como “4A”, este canal fornece energia parcial para o laboratório americano Destiny, o módulo Harmony e o módulo europeu Columbus.

Uma haste de suporte foi então instalada, com Thomas aparafusando-a na parte inferior, primeiro com a ferramenta aparafusadora “pistol grip” e então apertando com o torque correto com as mãos. Quando terminou, Aki fez o mesmo no topo do triângulo de suporte. Uma segunda haste de suporte foi a próxima a ser montada, num processo semelhante. Um conjunto de manobras, com reposicionamento de apoios para os pés e transporte de equipamentos permitiram à dupla iniciar a instalação de uma terceira haste do outro lado, conferindo rigidez à estrutura. Eles então cobriram os suportes com isolamento multicamada para proteção contra o ambiente hostil.

Ferramenta aparafusadora

Aki limpou o local de trabalho e, em seguida, retornou à câmara de descompressão com sacos de equipamento para pegar a unidade sobressalente de medição de potencial . Thomas se moveu para a treliça P1, onde passou a segunda parte do trabalho. Primeiro, Thomas isolou eletricamente o local de trabalho, girando um botão para desligar a corrente.

Unidade de medição de potencial substituída
Apoio para os pés AFPR- Articulated Portable Foot Restraint

Ele então instalou o apoio para os pés para depois começar a montar uma ferramenta auxiliar de manuseio denominada shell, ‘concha’, para manusear mais facilmente a unidade que estava sendo substituída. A unidade antiga precisou ser destravada e entregue a Aki, e foi substituída pela nova que foi aparafusada no lugar. Uma vez feito isso, Aki pegou a unidade antiga e a levou para a câmara de descompressão. Thomas ficou no local e recuperou o apoio para os pés, ligou o disjuntor de eletricidade no caminho de volta e se juntou a Hoshide na câmara de descompressão.

Os astronautas perto da Unidade de Medição de Potencial Flutuante (FPMU) e do Conjunto Estrutural de Antena Banda S (SASA) no segmento de treliça P1.
Unidade de Medição de Potencial Flutuante FPMU

Cronograma da atividade extraveicular

Hora GMT – Evento
12:30 – Aki e Thomas saem da câmara de descompressão
12h45 – Preparam do local de trabalho
13h10 – Começam a trabalhar no triângulo
13h35 – Instalam o primeiro suporte
14:00 – Instalam o segundo suporte
14h55 – Instalam a haste de suporte no outro lado e isolamento multicamada
17:05 – Limpam o local de trabalho 4A
17:15 – Substituem a unidade de medição de potencial flutuante
18h35 – Voltam para a câmara de ar
18h50 – Repressurizam a câmara

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Missão Inspiration4: Fotos da nave e do foguete

Lançamento está previsto para a noite de terça

A espaçonave Crew Dragon C207 Resilience para a primeira missão espacial tripulada particular da História está sendo preparada para lançamento no Cabo Canaveral. A decolagem deve acontecer na terça-feira, com o empresário Jared Isaacman e mais três colegas, para um voo de três dias. Como sempre, a SpaceX se recusa a fornecer dados exatos sobre o foguete Falcon 9 FT BL5 B1062.3 e a espaçonave.

A C207 foi apresentada com o escudo térmico de SPAM remanufaturado após seu voo anterior, grafismos modificados e aparentemente ausência de emblemas da SpaceX sobre a escotilha de acesso principal à cabine.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Boca Chica: Moradores de South Padre intrigados por ‘inspetor de janelas’

Declarações ligam “pesquisadores” à SpaceX

Alguns empresários da Ilha South Padre estão intrigados com a visita de 23 de agosto de um indivíduo com uma prancheta que afirmava estar conduzindo uma pesquisa em seus prédios para “determinar se suas janelas são classificadas como resistentes a furacões”.

Região de South Padre

Em alguns casos, a pessoa ou pessoas não ofereceram informações adicionais, embora em outros casos tenham mencionado que estavam fazendo a pesquisa para uma seguradora anônima em nome da SpaceX. As visitas geraram um burburinho substancial na página do grupo South Padre Island Concierge no Facebook depois que o proprietário do Cafe Karma, Will Everett, postou isto:

“Hoje um sujeito estava na frente da nossa loja tirando fotos das vitrines. Quando perguntamos o que ele queria, ele disse que era da SpaceX e estava verificando as empresas da área para ver se suas janelas eram à prova de furacões (ou seja, elas resistiriam a um grande lançamento de foguete). Alguém mais recebeu a visita desse cara? Fale sobre algo estranho. ”

A SpaceX está preparando seu primeiro lançamento orbital de um protótipo de Starship, desta vez acoplado a um ‘ booster’ Super Heavy, atualmente equipado com 29 motores Raptor no local de lançamento da empresa em Boca Chica. Um motor Raptor é capaz de produzir 230 toneladas métricas de força. Até agora, os voos de teste da SpaceX em Boca Chica envolveram naves equipadas com três motores Raptor, e esses testes supostamente sacudiram as janelas da Ilha, cuja ponta mais ao sul fica a cerca de oito quilometros do local de lançamento. É difícil estimar o efeito de acender 29 Raptors simultaneamente, se esse for de fato o plano, na Ilha e nas comunidades próximas – muito menos em suas janelas não classificadas para furacão – se e quando o conjunto Starship-Super Heavy eventualmente for lançado.

Falando por telefone na terça-feira, Everett disse que não estava em sua loja, localizada na zona norte da cidade, quando o homem com a prancheta apareceu, embora seu sócio estivesse, e ninguém viu credenciais.

Chapel by the Sea

“Isso é tudo que eu realmente sei”, disse Everett. “Ele tirou fotos. Ele está fazendo isso em empresas diferentes que têm muitas janelas. Eu não sei. É como se eles estivessem se preparando para algo. ( … ) Não queremos dar muita importância a isso. Não estamos com raiva. É apenas, tipo, curioso. ” Julie Boughter, que dirige a “Chapel by the Sea” com seu marido, o capelão David Boughter, disse que também foi visitada por um homem de cerca de 20 anos com uma prancheta e vestindo uma camisa pólo branca.

“Saí para o pátio porque o vi olhando bem de perto para as janelas”, disse ela. “A primeira impressão que tive foi de que alguém estava tentando ver o que havia dentro.” Boughter disse que saiu para o pátio para perguntar se ele precisava de ajuda.

“Ele disse que estava apenas fazendo uma pesquisa de janelas, se estivesse tudo bem”, disse ela. “Ele disse que não ia incomodar-me e não ia atrapalhar o meu trabalho. O estranho é que nossa casa está ligada à igreja. Eu não acho que ele percebeu isso. Depois de ver as janelas da igreja, ele literalmente foi espiar em nossa casa, porque ele deu a volta pelos lados olhando em todas as janelas. E tenho certeza que ele apenas pensou que fosse a igreja, mas ainda é nossa casa. Tipo, ele estava espiando pela janela do nosso quarto. Foi muito estranho. ” Boughter especulou que Chapel by the Sea foi a primeira propriedade pesquisada naquele dia, já que é a mais próxima do Parque Isla Blanca, no extremo sul da ilha, e portanto mais próxima do local de lançamento.

“Somos o negócio mais próximo tecnicamente, além da Guarda Costeira, da SpaceX, então talvez ele tenha visto quando desceu até o Café Karma para se identificar”, disse ela. “Ele não disse que era da SpaceX. Ele não disse nada, exceto que estava fazendo uma pesquisa de janela e não iria incomodar. ”

Um despachante que atendeu o telefone no Departamento de Polícia de South Padre Island disse não ter recebido ligações sobre um inspetor de janelas ou topógrafos. Algumas postagens do Facebook relataram uma jovem com uma prancheta também. O escritório de relações com a mídia da SpaceX não respondeu a um pedido de comentário. “Não tenho certeza se nosso vidro é à prova de furacões ou não”, disse Boughter. “Acabamos de nos mudar para esta casa em junho.”

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Inspiration4: Uma missão pioneira ou uma aventura arriscada?

Missão levará astronautas não-profissionais que tiveram treinamento de quatro meses

Durante o voo da Inspiration4, alguns comentários podem ser feitos sobre os riscos inerentes a utilizar uma nave espacial – a Crew Dragon – ainda nos estágios iniciais de operação para uma missão com quatro pessoas que não são astronautas profissionais, ainda que sejam bem-treinadas. Detalhe: a tripulação de Jared Isaacman não foi treinada da mesma maneira que astronautas profissionais – e somente o próprio Isaacman e sua piloto Dra Sian Proctor é que tem a incumbência de supervisionar os comandos da cápsula; a nave seguirá um voo eminentemente automático, e espera-se que os astronautas, na verdade passageiros com pouca influência em seu destino, façam o mínimo possível de interferências nas tarefas técnicas.

Isaacman, Arceneaux, Proctor e Sembroski

Isaacman é piloto-aviador experiente, mas isso não basta para classificá-lo da mesma maneira que um astronauta da NASA treinado para o space shuttle e com noções do Soyuz, como Douglas Hurley ou Robert Behnken, por exemplo; Nem à Dra Sian, uma geóloga, professora de Geologia por profissão, parecem ser atribuídas capacidades de resposta em situações de complexidade técnica da mema maneira que por exemplo uma piloto como Eileen Collins, que foi comandante de ônibus espacial treinada para fazer pousos sem motor com a espaçonave. Neste caso, o mais lógico seria dar o posto de piloto ao engenheiro de vôo Sembroski, que é funcionário da Lockheed Martin Corporation, e ex-piloto da Força Aérea dos Estados Unidos.

Espaçonave Resilience C207

Alguns aspectos da missão Inspiration4

1 – A Crew Dragon foi utilizada em apenas dois voos de demonstração (um não tripulado e outro de teste com dois tripulantes) e mais um voo com quatro assentos ocupados por astronautas profissionais. O terceiro vôo tripulado, com uma tripulação de quatro astronautas, ainda está em andamento.
2 – A tripulação não tem um astronauta profissional com experiencia prévia que, se necessário, poderia mudar os sistemas para o modo de controle manual, incluindo a fase de descida (supõe-se que Isaacman e Proctor tenham sido treinados neste cenário, mas eles nao tem experiência em pilotagem espacial e não se sabe se estarão influenciados por síndrome de adaptação ao espaço); tais manobras deverão ser primariamente executadas de terra, com auxílio dos computadores de bordo.

Disposição dos astronautas na cabine
Foguete Falcon 9 v 1.2 FT BL 5

3 – No caso de uma falha na abertura do cone de nariz ( a ‘tampa superior’ da cápsula) após entrar em órbita, a espaçonave ficaria sem acesso aos sensores estelares e de horizonte; o centro de controle em terra deverá verificar as atividades redundantes dos computadores de bordo para que estes, usando apenas os dados balísticos de lançamento, possam tentar colocar a espaçonave em atitude nominal para a reentrada (isso pode ser feito com a ajuda dos painéis solares, buscando a melhor iluminação do Sol com base na energia gerada para determinar em que atitude a nave está em relação ao eixo do centro da Terra e em relação à sua trajetória orbital. É bom lembrar que a Crew Dragon não tem sensores de íons que podem determinar em que atitude o veículo se encontra em relação ao vetor de velocidade em órbita, como é o caso das Soyuz, por exemplo.
4 – Ainda no caso de uma falha do cone de nariz os motores Draco usados normalmente para tirar a nave de órbita ficam inúteis, uma vez que são fechados dentro do cone.
5 – Na hipótese de ser impossivel descartar o cone, (ou em caso de mau funcionamento dos motores principais de frenagem) haverá que se mudar a programação de saída-de-órbita , trocando o acionamento dos motores frontais por uma sequência (ainda nao testada em voo real) de acendimentos de alguns dos doze motores Draco periféricos (distribuídos pelo casco cônico da cápsula), levando em conta a assimetria do empuxo em relação à atitude ideal e à massa extra do cone emperrado. Este cenário de desorbitar não foi praticado nos voos anteriores desta nave.

6 – Os itens acima, se concatenados com uma possível falha dos propulsores de controle de atitude, obrigariam a uma ejeção do cone, para expor os propulsores principais de saída de órbita (que deveriam estar funcionando); Esta ejeção é feita por dispositivos pirotécnicos que destravam pistões pneumáticos de acionamento redundante com molas; há ainda a (remota) possibilidade da fuligem dos pirotécnicos sujar os sensores.

Um dos motores de baixo impulso Draco funcionando

5 – No caso da tampa superior emperrar na posição aberta; vôo normal; o cone de nariz não se retrai para fechar sobre o nariz; O procedimento padrão é ejetar o cone e prosseguir para uma ignição de saída de órbita, desta vez calculada com a massa ausente do cone. Isso requer que o sistema de disparo e descarte do cone seja executado de modo perfeito, ou a cápsula terá de reentrar com a tampa de cone aberta, na esperança de que o atrito com a atmosfera na interface de reentrada acabe por destruir o cone de nariz em si, ou a sua dobradiça ou acionar de modo forçado os seus pirotécnicos a explodirem, separando-a da cápsula.

6 – A órbita escolhida (cerca de 575 km) impede que a espaçonave reentre na atmosfera pelo atrito com as camadas rarefeitas de ar (um recursos utilizado como medida de segurança nos primeiros voos espaciais tripulados) antes que os estoques de ar e alimentos se esgotem.

7 – Num cenário em que a tampa superior emperrar na posição fechada, e a nave conseguir um pouso bem-sucedido no mar, a tripulação ficará sem a opção de saída em caso de emergência pela escotilha do nariz.

Espaçonave com o cone de nariz fechado

Uma missão diferente – e arriscada

Aqui entram algumas palavras de Isaacman, que evidenciam que a missão tem um ‘envelope’ de segurança diferente das missões que a SpaceX presta à NASA : “Eu imaginei que seria assim: treinar por algumas horas, e então eu teria tempo para trabalhar com e-mails e negociações, e talvez mais algumas horas de treinamento … Mas não foi assim. Chegamos à SpaceX às 7h e saímos às 19h. E então voltamos para o hotel e continuamos nosso treinamento teórico isso já ha alguns meses. O perfil de vôo que vamos usar tem muitas possibilidades de coisas darem errado. Portanto, o número de coisas que precisamos treinar com o automatismo é bastante extenso. Se você olhar as missões da NASA à ISS, verá que elas podem esperar o mau tempo em órbita e apenas demorar um pouco antes de retornar à Terra. Mas após o lançamento, devemos voltar definitivamente dentro de cinco dias.” Ou seja, ao contrário do que acontece nas missões das Crew Dragon para a estação espacial, o limite máximo de duração do voo é de cinco dias, após os quais a nave deverá obrigatoriamente pousar em quaisquer dos locais de amerrissagem (principais ou reservas) determinados.

Espaçonave em órbita com a tampa do cone aberta com a cupula exposta

A ideia de Isaacman, o CEO bilionário da empresa de pagamento online Shift4 Payments, a missão é um ato de caridade (um esforço para a conscientização e fundos para o Hospital St. Jude Children’s Research em Memphis, Tenn) e de ousadia ( uma tentativa de “democratizar” o espaço, de provar que deixar o planeta é uma experiência que deve e pode estar disponível para mais do que astronautas profissionais). Isaacman comprou os quatro assentos a bordo da Crew Dragon por uma quantia não revelada, e escolheu seus três companheiros de tripulação, que além de Sembroski, 41, engenheiro aeroespacial da Lockheed Martin em Everett, Washington, também incluem Sian Proctor, 51, uma professor de geociências no South Mountain Community College em Phoenix, Arizona e Hayley Arceneaux, 30, uma sobrevivente de câncer infantil e médica assistente em St. Jude.

Desde o início, o treinamento do grupo diferia radicalmente do de qualquer tripulação anterior , e não apenas porque eles são um grupo eclético de astronautas civis. Também contou o curto período de treinamento. A NASA normalmente leva dois anos ou mais para treinar uma tripulação para uma missão específica – sem mencionar os anos anteriores que os astronautas passam em treinamento básico antes de se qualificarem para uma determinada missão. A tripulação do Inspiration4, por outro lado, ficou sabendo de sua escolha em fevereiro, começou a treinar no início de abril e deve voar agora em setembro. “Estou aprendendo a ser uma engenheira de sistema em quatro meses”, diz Proctor. “E eu não sou uma engenheira.”

Nave C207 montada no foguete B.1062.3

Outras partes do regime de treinamento da tripulação incluiram 60 horas de sessões semanais na sede da SpaceX em Hawthorne, Califórnia, onde eles alternaram seu tempo entre o treinamento em simulador e o trabalho em sala de aula. Uma sessão matinal começou com aprender como abrir e fechar a escotilha dianteira da nave enquanto tomava cuidado para proteger as vedações de borracha que circundam a escotilha e mantê-la hermética de danos por poeira ou areia.
A tripulação também treinou com a cúpula – abobada projetada especificamente para a missão e está foi adaptada ao nariz da espaçonave, para maximizar as oportunidades de visualização e fotografia que os astronautas terão durante os três dias em órbita. A sessão parecia aparentemente simples no início , mas esta é uma janela de três camadas, hermética, que separa a tripulação do vácuo do espaço externo e que pode, em caso de anomalia, sofrer falha estrutural. Isso exigiu que a tripulação praticasse a vedação da escotilha que separa a cabine da da cúpula em 30 segundos. Esse acidente é tido como altamente improvável: A SpaceX testou a cúpula com o dobro da pressão do ar que experimentará no espaço e em temperaturas extremas que imitam o calor extremo do lado diurno da Terra e o frio extremo do lado escuro. Mesmo assim, a tripulação treinou para o caso de falhar mesmo assim. O treinamento incluiu também instruções detalhadas sobre amerrissagem e resgate – incluindo como lidar com emergências improváveis ​​como a espaçonave perdendo um cabo de amarração e começando a afundar, ou o escapamento tóxico de propelente penetrando a cabine do piloto.

Aulas “em casa”

Os membros da tripulação passam 60 horas por semanas treinando longe da SpaceX, também, em livros de instruções e aprendendo suas atribuições particulares a bordo da espaçonave. Como comandante, Isaacman será responsável por todas as comunicações com os controladores de solo e pela supervisão da operação geral da espaçonave. Proctor, como piloto, executará os comandos que Isaacman emitir e assumirá as responsabilidades do comandante se ele estiver ocupado com uma emergência ou outro acontecimento imprevisto. Sembroski, como Especialista em Carga Útil, cuidará da realização de experimentos, bem como da arrumação e colocação de equipamentos essenciais – uma vez que a espaçonave deve ser mantida perfeitamente equilibrada, especialmente para a reentrada . Arceneaux servirá como Diretora Médica, cuidando das necessidades físicas da tripulação e executando alguns dos experimentos que eles levarão para o alto. Uma única tarefa de casa que Isaacman enviou à equipe tinha mais de seis páginas e mais de 2.000 palavras.

Aqui um trecho em que Jared parece não ter noção da importância que seu voo tem – e isso no que se refere à sua segurança e de sua tripulação em si: “Falei com Elon Musk em vários estágios do processo de aprovação da missão. Ele me apóia muito. Ele é um grande cérebro, um cara muito decidido. Tento não tomar muito do seu tempo, porque sinto que o distraio, impedindo-o de resolver problemas realmente importantes.” – Alguém poderia supor que, para Isaacman, a sua missão deveria ser um problema muito importante, e merecedor de todas as conversas com seu contratado.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Soyuz 2.1b para o lançamento de mais um lote de Oneweb já está na plataforma

Foguete de 313 toneladas colocará 34 satélites em órbita

Foguete sendo rebocado pela locomotiva na carreta

O foguete de Soyuz-2.1b número N15000-051 foi instalado no complexo de lançamento 31/6 ‘Vostok’ do Cosmodromo de Baikonur e está sendo preparado para lançamento em 14 de setembro, de acordo com o site da Roskosmos. No sábado, 11 de setembro de 2021, o foguete de soyuz-2.1b com o estágio superior Fregat-M e 34 espaçonaves Oneweb foram transportados pela locomotiva diesel-elétrica TEM2UM-201 rebocando a carreta transportadora-eretora TUA 11U219 do edificio de montagem e construção de testes MIK para o complexo 17P32 da Area 31, Plataforma 6. Atualmente, o foguete está instalado na mesa do complexo Vostok .

Foguete instalado na mesa do complexo Vostok, envolvido pelas torres de serviço 11T11P1

Os especialistas da Roskosmos estão agora realizando operações tecnológicas de acordo com o programa do primeiro dia de lançamento. Em particular, a montagem de circuitos e testes autônomos de sistemas de espaçonaves, o estágio superior e o veículo de lançamento são realizados, bem como a interação de equipamentos de terra e a bordo estão sendo verificados.

O trabalho de pré-lançamento está sendo realizado conforme o contrato da empresa Glavkosmos com o fornecedor europeu de serviços de lançamento Arianespace e a empresa Starsem. Essas obras são realizadas conjuntamente por representantes de clientes estrangeiros e subsidiárias da Roskosmos: o RKTs Progress , o NPO Lavochkin , o TsENKI e a Glavkosmos.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

SpaceX: Prosseguem os preparativos da missão Inspiration4

Mas a missão é cercada de informações desnecessariamente falsas sobre suas primazias

A missão Inspiration4 vem sendo propagandeada como a “primeira missão totalmente civil” no espaço. Uma mentira que não parece incomodar os realizadores do voo – ou, o que é mais provável, não lhes ocorreu por puro desconhecimento de história da Astronáutica. Mas, a bem da exatidão técnica e histórica, deve-se colocar os fatos em uma perspectiva correta: Outras tripulações formadas exclusivamente por astronautas civis já foram lançadas ao espaço, diversas vezes. Algumas incluíam ex-militares não mais na ativa e piortanto, civis; outras, por técnicos, engenheiros e cientistas sem formação militar. A missão de Jared Isaacman tem muitos predicados que a tornar interessante do ponto de vista técnico e também sob o olhar histórico. Será a primeira missão espacial tripulada totalmente patrocinada pela iniciativa particular individual; a primeira em que todos os tripulantes não são astronautas ou cientistas espaciais profissionais e diretamente ligados à indústria espacial no momento do voo. E será a primeira realizada em caráter beneficente.

A primeira tripulação civil particular já enviada ao espaço

Como disse o historiador espacial Jowel McDowell:
“Nesse espírito, oponho-me à alteração proposta ao significado do dicionário da palavra ‘civil’ e à frase ‘astronauta civil’ proposta pela SpaceX e a equipe da Inspiration 4. ‘Astronauta civil’ significa ‘militar não ativo’; a primeira tripulação espacial orbital totalmente civil foi a da Soyuz TMA-3 em 2003, com Aleksandr Kaleri, Mike Foale e Pedro Duque. O primeiro civil no espaço foi Joe Walker da NASA (no avião-foguete X-15, em 1963); o primeiro em órbita foi o Dr. Konstantin Feoktistov (na Voskhod 1, 1964); e o primeiro civil americano em órbita foi Neil Armstrong (Gemini 8, 1966). Na época da Apollo 11, a imprensa americana deu muita importância ao fato de que a primeira missão lunar foi comandada por um civil, então o termo ‘astronauta civil’ tem uma história importante na política da astronáutica.”

“Um termo correto para um viajante espacial que não é funcionário do governo é ‘astronauta particular’. Outros termos, por exemplo, “astronauta cidadão”, também estão corretos. ‘Astronauta civil’ não é correto quando usado como um termo que exclui os astronautas da NASA ou outros astronautas do governo. Funcionários não-militares do governo também são civis, e tentar mudar a linguagem para dizer que não são é pernicioso e estúpido. Eu convoco jornalistas, editores, mantenedores de guias de estilo e todos os usuários da língua inglesa para considerar este novo uso proposto incorreto e para evitar rigorosamente usá-lo eles próprios.”

“A tripulação do Inspiration 4, se for lançada conforme planejado, será a primeira tripulação orbital composta apenas por cidadãos particulares. Também será uma tripulação totalmente civil, mas não a primeira tripulação espacial orbital totalmente civil.”

“Houve 15 voos orbitais totalmente civis:

  • Soyuz TMA-3,
  • Soyuz TMA-3M,
  • Soyuz TMA-7M,
  • Soyuz TMA-11M,
  • Soyuz TMA-17M,
  • Soyuz TMA-20M,
  • Soyuz MS-01,
  • Soyuz MS-03,
  • Soyuz MS-05,
  • Soyuz MS-06,
  • Soyuz MS-08,
  • Soyuz MS-09,
  • Soyuz MS-17,
  • Soyuz MS-18 e
  • SpaceX Crew-2.
  • Bem como treze voos espaciais suborbitais totalmente civis.”

“Em suma, 587 pessoas voaram ao espaço (acima de 80 km) em 348 lançamentos, com um total de 1.331 viagens espaciais, das quais 694 foram por militares ativos, 583 por funcionários civis de governos e 54 por cidadãos particulares.
Dos 54 “passeios” de cidadãos particulares, 20 foram patrocinados pelo governo (por exemplo, especialistas em carga útil do Spacelab que não eram [necessariamente] funcionários do governo), desessete eram funcionários da empresa operadora da carga útil da nave espacial, seis foram patrocinados por seu empregador em um voo operado pelo governo e 11 eram puramente turistas.”
Há quem inclua Valentina Tereshkova (primeira mulher no espaço que voou na Vostok-6 em 1963) como a primeira missão totalmente civil, já que seu posto de “Tenente Júnior” (mladshiy leitenant) era honorário e lhe foi atribuído durante o treinamento.”[*]

Atualizações sobre a missão

A missão SpaceX Inspiration4 prevê o lançamento em 15 de setembro de 2021 de Cabo Canaveral em uma missão de três a cinco dias, e uma reentrada não antes de 18 de setembro. As oportunidades de reentrada dependerão do horário de lançamento e com base no horário de recuperação esperado 3 a 5 dias após o lançamento. O foguete Falcon 9 FT Block 5 B1062-3 com a Crew Dragon C207 Resilience serão instalados na na plataforma 39A no Centro Espacial Kennedy no próximo domingo dia 12, para se preparar para o lançamento na noite de terça para quarta-feira, 14/15, se a meteorologia permitir.

Espaçonave Crew Dragon C207 Resilience

Cargas úteis da missão incluem ítens para leilão

A carga útil (ou melhor, as cargas comemorativas) incluirão a primeira música NFT a ser tocada em órbita, criada pela banda de rock ganhadora do Grammy Kings of Leon. Um NFT ( Non-Fungible Token) é um ativo digital exclusivo armazenado no blockchain.É um arquivo digital – seja uma música, uma obra de arte, um cartão de troca ou qualquer outra coisa – pode ser mantido no blockchain como um item colecionável único. NFTs não podem ser falsificados, copiados ou excluídos. O NFT, uma performance nunca antes lançada de “Time in Disguise” do álbum mais recente da banda, está entre os itens exclusivos que entrarão em órbita e serão leiloados no YellowHeart para apoiar o St. Jude Children’s Research Hospital e sua campanha de arrecadação de fundos Inspiration4 de US$ 200 milhões para acelerar os avanços da pesquisa. “Estamos orgulhosos de apoiar a St. Jude e sua iniciativa Music Gives”, disse o Kings of Leon em um comunicado, explicando que Music Gives to St. Jude Kids é uma forma de bandas, fãs e todos os outros ajudarem a facilitar o fardo para as famílias de St. Jude enquanto geram fundos para apoiar a missão de salvar vidas de St. Jude: “Encontrar curas. Salvando crianças.” “Estamos honrados em participar desta jornada histórica em um esforço para arrecadar dinheiro para St. Jude, e estamos enviando nosso melhor para a equipe do Inspiration4.” Hayley Arceneaux, oficial médica da missão, jogará o NFT a bordo do veículo SpaceX Dragon. Ela é uma médica assistente de St. Jude e sobrevivente de câncer que será a mais jovem americana, a primeira sobrevivente de câncer pediátrico e a primeira pessoa com uma prótese a viajar para o espaço.

Os itens do leilão de carga útil do Inspiration4 também incluirão uma variedade de itens “culturalmente significativos” doados à St. Jude, incluindo:

Jaquetas da Inspiration4 com obras de arte exclusivas de pacientes de St. Jude e obras originais dos membros da equipe da Inspiration4, criadas pelo artista co-fundador da Space for Art Foundation Ian Cion e pela astronauta aposentada da NASA Nicole Stott, e feitas à mão pelo produtor de réplicas Ryan Nagata. Também 33 quilos de lúpulo que, na volta, serão usadas para fazer uma cerveja “de outro mundo” pelos cervejeiros de Samuel Adams. Como a cerveja oficial da Inspiration4, Adams comprometeu uma doação máxima de $ 100.000 para a St. Jude. Um conjunto de caneta e moeda espacial do 50º aniversário da Fisher Apollo 11 contendo um pedaço de material da Apollo 11.

Um ‘ukulele’ da Martin Guitar que o membro da equipe Chris Sembroski vai tocar no espaço. Cinquenta NFTs de arte de 50 artistas diferentes serão leiloados na plataforma NFT do Origin Protocol em colaboração com a Subtractive, incluindo um NFT que a Dra. Sian Proctor trará ao espaço que também já havia viajado para as Fossas Marianas, tornando-se a primeira obra de arte que foi para as profundezas do oceano e, em seguida, entrou em órbita. Um punhado de brinquedos STEM de plástico e pelúcia baseados nos cinco personagens da popular série de animação “Space Racers”. Um mini-astronauta de pelúcia que será entregue ao licitante vencedor com uma coleira original desenhada pelo renomado artista Romero Britto. A recente revista TIME com capa dos quatro membros da tripulação que eles autografarão após o retorno da cápsula Crew Dragon.

A IWC Schaffhausen projetou e doou quatro relógios com tema espacial exclusivos que representam os valores da missão de Liderança, Esperança, Generosidade e Prosperidade. Os relógios “Pilot’s Watch Chronograph Edition Inspiration4” serão usados ​​pelos quatro membros da tripulação, antes de serem leiloados para beneficiar St. Jude. Instrumentos de escrita StarWalker personalizados da Montblanc e artigos de papelaria para a tripulação escrever sobre sua jornada no espaço.

O leilão começa na quinta-feira, 9 de setembro, e vai até novembro, com diferentes itens disponíveis. Todos os itens podem ser licitados visitando stjude.org/inspiration4.

“Uma das coisas principais em que nos concentramos desde que a Inspiration4 foi anunciada pela primeira vez foi como seríamos capazes de fazer uma contribuição significativa para ajudar St. Jude a curar o câncer infantil aqui na Terra”, disse Jared Isaacman, CEO da Shift4 Payments e comandante da missão. “Cada item que estamos trazendo vai nos ajudar a alcançar nosso objetivo e nos permitir compartilhar essa experiência com tantas outras pessoas que desejam oferecer suporte.” Os fundos arrecadados pelo leilão contribuirão com os mais de $ 128 milhões já comprometidos com a campanha de arrecadação de fundos de $ 200 milhões, de acordo com Richard C. Shadyac Jr., presidente e CEO da ALSAC, a organização de arrecadação de fundos e conscientização para a St. Jude Children’s Research Hospital. “O impacto da missão tem sido incomensurável, servindo como uma plataforma incrível para educar e envolver milhões no movimento para encontrar curas e fornecer cuidados para o câncer infantil e outras doenças por meio de pesquisa e tratamento acelerados”, disse Shadyac. “O leilão é um componente crítico da campanha geral, pois nos permitirá alcançar novos públicos e apoiadores enquanto trabalhamos para cumprir nossa missão. ”
Além dos itens citados e outros que serão leiloados em benefício ao St. Jude, cada membro da tripulação estará levando uma miríade de lembranças pessoais, incluindo itens de família e recordações da escola.

[*] – Na década de 1960, nas Forças Armadas da URSS , devido à escassez de oficiais subalternos para cargos primários (anteriormente transferidos para a reserva durante as reformas de Khrushchev ), foram criados cursos de formação de tenentes juniores nas escolas militares . Ao fazer esses cursos, que duravam 10 meses, ocorria o desejo de recrutar soldados que serviram mais de um ano e alistados . Também para os licenciados destes cursos, que recebiam a patente de tenente júnior, foram criados cursos complementares com a duração de três meses, denominados ” estudos externos “, após os quais foram atribuídos a subsequente patente militar de tenente.

A patente militar de tenente júnior nas Forças Armadas da Federação Russa hoje é concedida:
a) um militar formado em cursos de formação de oficiais subalternos (extinto em 2006-2009), com ensino médio geral – após a formatura na instituição de ensino especificada;
b) o cidadão (militar) que não possua o posto militar de oficial, que possua o ensino secundário profissional relacionado com a especialidade do registo militar correspondente e que tenha ingressado no serviço militar ao abrigo do contrato de posto militar que o Estado prevê a patente militar de um oficial – após a nomeação para a posição militar correspondente ;
c) um militar que não tenha a patente militar de oficial, que esteja prestando serviço militar mediante contrato, que tenha o ensino médio profissionalizante relacionado à especialidade militar correspondente, e que seja nomeado para um cargo militar que o Estado preveja para a patente militar de um oficial – após a nomeação para a posição militar correspondente;

d) cidadão que se encontre na reserva, não possua o posto militar de oficial, possua o ensino secundário profissional – no final da formação militar e após aprovação nos respectivos exames ;
e) um militar que não tenha o posto militar de um oficial que esteja prestando serviço sob um contrato com o Serviço de Inteligência Estrangeira da Federação Russa , o Serviço Federal de Segurança da Federação Russa , ou o Serviço de Objetos Especiais sob o Presidente da Federação Russa , na forma determinada pelos chefes desses órgãos, após a conclusão do treinamento no programa de treinamento como parte de um grupo de treinamento ou simultaneamente com o ingresso no serviço militar, sujeito a treinamento adicional durante o primeiro ano de serviço.
f) militar titular do posto de tenente, após ordem (decisão judicial) de rebaixamento.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

NASA lança foguete de sondagem

Objetivo foi calibrar os sistemas do satélite SDO

O Extreme Ultraviolet Variability Experiment (Experimento de Variabilidade Ultravioleta Extrema) foi lançado em um foguete Black Brant IX às 11h25 MDT (13h25 EDT, 14:25  Brasilia) de 9 de setembro de 2021 do White Sands Missile Range no Novo México. A carga voou a uma altitude de 292,901 km antes de descer de paraquedas e pousar em White Sands. As indicações preliminares são de que bons dados foram recebidos.

A exposição ao Sol degrada sensores de todos os tipos, como os instrumentos a bordo do satélite Solar Dynamics Observatory, ou SDO, da NASA. Com calibrações periódicas, o satélite pode continuar transmitindo dados de alta qualidade para os pesquisadores. O Experimento de Variabilidade Ultravioleta Extrema do SDO, ou EVE, usa foguetes de sondagem para calibração. Durante voos de cerca de 15 minutos, esses foguetes suborbitais carregam uma duplicata do instrumento EVE cerca de 250 km acima da Terra, onde ele registra medições para manter seu instrumento gêmeo a bordo do SDO calibrado.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Russos fazem atividade extraveicular

Novitsky e Dubrov trabalharam sete horas fora da nave

A segunda atividade extraveicular russa (VKD-50), dos cosmonautas Oleg Novitsky e Pyotr Dubrov foi dedicada à conclusão das tarefas iniciais de configuração de equipamento externo para o módulo Nauka MLM-U, e durou 7 horas e 25 minutos. O trabalho foi concentrado na configuração do módulo Nauka, que foi recém-acoplado, em particular a finalização da disposição dos cabos de alimentação e dados entre ele e o módulo de serviço Zvezda. Os cosmonautas Novitskiy e Dubrov completaram suas revisões para a caminhada no espaço e verificações dos trajes espaciais Orlan pouco antes da hora do almoço na quarta-feira.

Várias horas antes da caminhada espacial a tripulação da ISS relatou fumaça a bordo do Módulo de Serviço Zvezda da estação, que disparou a ativação de alarmes e detectores de fumaça. De acordo com a Roskosmos, o incidente aconteceu durante o carregamento automático das baterias do Zvezda e exigiu que a tripulação ativasse o filtro de purificação de ar. No entanto, os preparativos para a caminhada espacial continuaram conforme planejado.

Local de trabalho dos cosmonautas


Os russos começaram a caminhada espacial às 11 horas EDT, quando abriram a escotilha do compartimento Poisk para o vácuo do espaço. Eles passaram cerca de seis horas e meia continuando as conexões de energia e cabos Ethernet e instalando corrimãos no módulo de laboratório Nauka. Os cosmonautas também concluíram tarefas adiadas da caminhada no espaço de 3 de setembro, incluindo mais conexões de ethernet, alijamento de cabos e instalações de experimentos de biologia.

Posto de trabalho entre o compartimento de acoplagem do Zvezda e o compartimento frontal do Nauka

As tarefas incluíram: conectar o cabo ethernet do segmento americano da ISS ao Nauka; instalar um corrimão ao longo do Plano III da seção PGO-2 do Nauka ( trabalhos que não foram concluídos na EVA-49 ); conectar varios plugues entre o Nauka e o Zvezda, incluindo o cabo de ethernet; dois cabos de alta frequência entre os sistemas de TV dos módulos, um cabo extra entre as antenas do sistema de aproximação Kurs-P entre o Zvezda e o Nauka, alterar a orientação do instrumento BKDO; e instalação de três grades de transferência do PGO-2 para o PGO-1 do Nauka; instalar uma plataforma adaptadora na interface BTP-2 do módulo Poisk; instalar uma plataforma com três containers do experimento Biorisk-MSK no Poisk; e fotografar a superfície externa do segmento russo da estação.

Cosmonautas próximos ao compartimento Poisk

Novitskiy, chamado “EV-1”, vestiu o traje Orlan nº 5 com listras vermelhas e usava a câmera 22 no capacete; Dubrov, o “EV-2”, estava usando o escafandro nº 4 com listras azuis e a câmera 20 no capacete; ambos os homens tinham câmeras tipo HECA de alta definição.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Starbase: Booster B4 de volta à mesa de lançamento

Foguete deve ser novamente verificado com motores

Pela segunda vez em cinco semanas, a SpaceX transportou o primeiro estágio Super Pesado de classe orbital do sistema SuperHeavy/ Starship de sua fábrica em Starbase para a plataforma de lançamento antes de mais uma campanha de teste.

Foguete B4

Como parte dos últimos trabalhos no local de lançamento da empresa em Starbase, a torre de integração foi montada em sua altura total, sendo que a primeira seção de desconexão rápida (QD) foi instalada, e a segunda seção de QD e braços de captura estão em construção. Na mesa de lançamento, o Booster Quick Disconnect foi instalado; Na área de tanques, o tanque 6 foi movido para o local de lançamento em 3 de setembro, três conchas foram concluídas atualmente no local de Sanchez, o ground support equipment (sistema de suporte de solo) GSE 7 foi movido para local de lançamento e instalado em 31 de agosto, e o GSE 8 esteve em construção no prédio de montagem médio – ‘midbay’.

Booster próximo à mesa de lançamento, com o protótipo ao fundo

Chamado Super Heavy Booster 4 ou B4, o foguete de 69 m de altura foi levado pela primeira vez para a plataforma de lançamento por volta de 3 de agosto, depois que os técnicos da SpaceX o equiparam com 29 motores Raptor em uma única noite. Seguido pelo protótipo Starship de classe orbital S20 alguns dias depois, os dois estágios foram empilhados em 6 de agosto, criando brevemente o maior foguete inerte já montado. O protótipo 20 foi então rapidamente devolvido ao local de montagem, onde os técnicos da SpaceX completaram cerca de 10 dias adicionais de ajustes finais – principalmente focados na cablagem dos aviônicos e dutos secundários.

Tanques de carbono em camadas enroladas COPV e auxiliares, associados aos sistemas de pressurização.

Uma semana depois, o Booster 4 seguiu a Starship 20 de volta à ‘baia alta’ da Starbase, onde as equipes finalmente removeram todos os 29 motores Raptor e passaram as quatro semanas seguintes realizando o trabalho de integração. Agora, depois de instalar mais fiação, linhas adicionais de gás e fluido, tanques de gás comprimido, e elementos hidráulicos, o primeiro Super Pesado em condições de voo da SpaceX voltou mais uma vez ao local de lançamento

Um pouco menos de duas semanas atrás, a SpaceX mais uma vez instalou 29 Raptors no Booster 4. Desta vez, porém, acredita-se que todos esses motores estejam prontos para o vôo – ou, no mínimo, um teste estático de ignição – após a conclusão do teste de qualificação em Instalações de desenvolvimento da SpaceX na região central do Texas. Cada um dos anéis externos do Super Heavy com 20 motores ‘Raptor Boost’ também deve ter seu próprio painel umbilical que se conectará aos sistemas terrestres da mesa da plataforma de lançamento orbital.

Guidastes dão acesso à baia de motores do foguete

Quando o Booster 4 foi instalado na nova montagem de lançamento, a maioria dos conectores individuais dos motores ainda não tinha sido instalada e não estava claro se a SpaceX foi realmente capaz de testar os mecanismos antes do Super Heavy retornar ao local de montagem. Desta vez, todos os 20 atuadores umbilicais foram instalados no suporte de lançamento e pode-se presumir que esses mecanismos serão testados extensivamente nas próximas semanas. Esse teste fará parte de uma campanha de teste mais extensa. Ou seja, se a SpaceX pretende testar o Super Heavy Booster 4 no local de lançamento orbital, qualquer teste exigirá simultaneamente a configuração da área de tanques construída em torno da plataforma orbital e outras infraestruturas terrestres que simplesmente não existiam no início de 2021. A qualificação do Booster 4 é trabalhosa, já que nenhum Super Pesado foi totalmente testado. Agora, sendo descartado nas instalações de teste suborbital da SpaceX, o Super Heavy Booster 3 completou um teste de prova criogênico parcial e um teste estático com três motores Raptor, mas a SpaceX não abasteceu totalmente um Super Heavy com mais de 3000 toneladas de propelente e nunca disparou estáticamente mais do que três motores Raptor simultaneamente. Talvez a parte mais incerta da qualificação do Super Heavy Booster 4 seja sua campanha de teste estático. Não importa como a SpaceX chegue lá, o desafio final provavelmente será acender todos os 29 motores Raptor do B4 – potencialmente produzindo até cerca de 5400 toneladas de empuxo, tornando assim o Super Heavy o mais poderoso estágio de foguete já testado.

Mesa de lançamento

Simultaneamente, a SpaceX também começou a reinstalar os Raptors na Starship 20 – atualmente montada na Plataforma Suborbital B – antes dos primeiros testes de prova e ignição estática.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Rússia lança satélite militar

Espaçonave EMKA decolou de Plesetsk num foguete Soyuz 2.1v

O foguete Soyuz-2.1v, lançado do cosmódromo Plesetsk, lançou com sucesso a espaçonave do Ministério da Defesa russo. O departamento militar esclareceu que, após ser confirmada em óbita de 295 x 307 km e inclinação de 96.34°, a espaçonave recebeu o número de série Cosmos-2551.

As Forças Aeroespaciais Russas lançaram com sucesso o foguete Soyuz-2.1v do cosmódromo de Plesetsk, disse o Departamento de Informação e Comunicações do Ministério da Defesa. O Soyuz 2.1v foi lançado às 22:59:47,491 hora de Moscou (19:59 UT), decolando da plataforma 43/4.

Foguete Soyuz 2.1v

“Na quinta-feira, 9 de setembro, às 22 horas e 59 minutos, horário de Moscou, da plataforma número 4 da área número 43 do cosmódromo de teste estatal do Ministério da Defesa da Federação Russa ( Plesetsk) na região de Arkhangelsk, a equipe de combate das Forças Aeroespaciais lançou um veículo de lançamento de classe leve Soyuz-2.1v com uma espaçonave no interesse do Ministério da Defesa da Rússia “, disse o departamento.

Nos relatórios, EMKA significa eksperimental’nyy malyy sputnik – “pequeno satélite experimental”, e servirá de base para o “complexo espacial de sensoriamento remoto da Terra”, usado como um termo abrangente para reconhecimento fotográfico militar. O EMKA é provavelmente o mesmo satélite mencionado em vários artigos do VNIIEM em 2014–2015. Um deles o descreveu como um predecessor experimental de 150 kg do satélite ligeiramente maior de 250 kg (MKA-B), que pode captar imagens de alta resolução para fins civis e militares.

Foguete Soyuz 2.1v em Plesetsk

Eles esclareceram que todas as operações de pré-lançamento e o lançamento do foguete ocorreram no modo normal. As equipes terrestres das Forças Aeroespaciais monitoraram o lançamento e o voo do veículo lançador. Foi a sétima vez que foi lançado um Soyuz-2.1v, cujos testes de vôo começaram em Plesetsk em 2013, realizados pelas Forças Espaciais.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Rússia mostra frota de espaçonaves preparadas para voo à estação espacial

Uma Soyuz (à esquerda) e duas Progress no prédio de montagem e testes

Sete naves espaciais servirão à montagem e manutenção da ISS

No início do outono, no complexo técnico (MIK- Montazhno Ispitatelniy Korpus, prédio de montagem e testes) da área 254 do cosmódromo de Baikonur se reúne da frota espacial da RKK Energia. Neste momento, um lote de sete naves de transporte está reunido no edifício de montagem e teste, no âmbito do programa de construção, abastecimento e manutenção da Estação Espacial Internacional. Entre eles, as quatro primeiras máquinas passam por treinamento pré-vôo direto nos centros de trabalho e em câmara de vácuo:
• Progress TGKM-UM 11F615A80 No. 303
• ​​Soyuz MS-19 11 F732A48 No. 749
• Progress TGK MS-18 11F615A61 No. 447
• ​​Soyuz MS-20 11F732A48 No. 752
Mais três veículos para missões orbitais em 2022 ainda estão em modo de armazenamento:
• ​​Soyuz MS-21 11F732A48 No. 750
• Progress MS-19 11F615A61 No. 449
• Progress MS-20 11F615A61 No. 450
E na estação de controle e teste da Energia, testes de fábrica dos lotes estão sendo concluídos.

Soyuz

O plano de trabalho para a próxima semana prevê o ciclo de testes elétricos do Progress MS-18, incluindo a verificação do funcionamento dos equipamentos dos sistemas de bordo e telemetria , sistemas de comando unificado-telemetria e de televisão, além de testar a automação do sistema de energia, as unidades do computador de bordo e controle e sistemas de navegação.

Progress

O lançamento do foguete Soyuz-2.1a com a espaçonave Progress MS-18 sob o programa da 79ª missão de abastecimento à Estação Espacial Internacional está programado para outubro de 2021 do cosmódromo de Baikonur.

Simultaneamente com a preparação do Progress MS-18 do local 254, os testes elétricos autônomos do módulo Prichal UM do segmento russo da ISS continuam, e na câmara de vácuo do prédio 103, os testes pneumáticos e de vácuo do Soyuz MS -19 , destinado à próxima expedição principal à estação em outubro de 2021.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica