Foguete russo Soyuz-2.1b lança mais 34 satélites Onewebs

Lançamento foi às 19:13h de Brasília

Soyuz-2.1b nº N15000-050 OneWeb F9 decola da plataforma 31/6 de Baikonur – foto TsENKI/Roskosmos

O foguete Soyuz-2.1b nº N15000-050 foi lançado do cosmódromo de Baikonur na noite de sábado para domingo, 21-22 de agosto de 2021, às 01: 13: 40.425 horário de Moscou (19:13:40.425 de Brasilia), a Roskosmos lançou o veículo de lançamento Soyuz-2.1b com o estágio superior Fregat-M e 34 satélites OneWeb do cosmódromo de Baikonur. Foi a missão número 35 para o cliente indo-britânico de comunicação por rede de satélite. Após 564 segundos, a “unidade orbital” (estagio Fregat, o adaptador de ejeção e os satélites) foi colocada em uma trajetória suborbital. O veículo, de 46,30 m de comprimento, pesou cerca de 316 toneladas no momento do disparo, desenvolvendo aproximadamente 420.000 kgf de empuxo na decolagem. A carga útil total foi de 5.518 kg.

Sequência de liberação dos satélites (“SC”)

O foguete decolou e seguiu trajetória para atingir a órbita inicial de 45o km inclinada em 87,4º em relação ao equador, controlado pelo sistema de gerenciamento de voo Malakit-7 embutido no terceiro estágio. As fases de primeiro, segundo e terceiro estágios foram suborbitais, enquanto o quarto e último estágio, ou “bloco de aceleração” Fregat 123-03, foi o responsável por colocar os satélites indo-britânicos em suas órbitas iniciais projetadas. A partir da liberação os satélites usam seus motores para atingir a altitude de 1.200 km.

De acordo com a telemetria, o lançamento, a separação dos estagios e a entrada orbital ocorreram normalmente. Depois disso, o estágio superior Fregat continuou em sua ignição para colocar as cargas úteis na órbita circular de 450 km. Em três horas e meia, os satélites OneWeb, de acordo com a sequência de vôo, se separaram gradualmente do estagio russo produzido pela Lavochkin, uma afiliada da agencia espacial Roskosmos.

Satélite OneWeb após liberado em órbita e em configuração de trabalho – imagem OneWeb
Seção de cabeça

A separação sequencial dos satélites (no primeiro grupo, dois, e nos restantes, quatro) ocorreu de acordo com o programa estabelecido pela Lavochkin. Durante o vôo autônomo, foram feitas onze etapas: três ativações do sistema de propulsão (a última com a finalidade de colocar o estágio superior à “órbita de retirada”) e oito ativações do sistema de propulsão para estabilização, orientação e suporte de lançamento necessário para separação segura dos satélites – assegurando que eles não se choquem no decorrer de suas trajetórias individuais.

A seção de cabeça do foguete (estágio superior Lavochkhin Fregat-M e 34 satélites integrados em torno de um ‘dispensador’ RUAG cilíndrico de 1,7 metro de diâmetro e altura de 5,5 m sob a carenagem de carga útil 81KS nº Ya15000-043), o terceiro estágio e o “pacote” (blocos laterais – B,V,G, e D – do primeiro estágio e o corpo central bloco A do segundo estágio) produzidos pela RKTS Progress formaram o veículo de lançamento.

As naves OneWeb são projetadas para criar um sistema de comunicação que fornece acesso de alta velocidade à Internet em qualquer lugar da Terra. O acesso à Internet através dos OneWebs será fornecido por meio de 40 estações terrestres.

Satélites montados no dispensador múltiplo

Os terminais OneWeb serão independentes, autossuficientes e bem protegidos de intempéries. Cada um deles será capaz de dar acesso à Internet de alta velocidade em sua área de cobertura por meio de tecnologias Wi-Fi, LTE ou 5G. Além disso, uma faixa de frequência de rádio licenciada será usada ou, quando possível, as faixa de Wi-Fi, LTE ou 5G disponível ao público.

A OneWeb pretende formar uma constelação de órbita baixa de mais de 600 satélites (com 144,5 kg de massa cada) para de serviços de Internet de alta velocidade na banda Ku, cujos clientes devem ser principalmente Wi-Fi, LTE ou operadores de 5G, bem como provedores de internet.

Dispensador multiposto da RUAG Space AB

O primeiro lote de seis satélites OneWeb de teste e verificação foi lançado em 28 de fevereiro de 2019 do Centro Espacial da Guiana por um foguete Soyuz-ST. Em 7 de fevereiro e 21 de março de 2020, dois foguetes com 34 satélites cada foram lançados do cosmódromo de Baikonur. Em dezembro do ano passado, pela primeira vez, um Soyuz com 36 satélites foi lançado do cosmódromo de Vostochny. Os lançamentos subsequentes do programa OneWeb a partir de Vostochny ocorreram em 25 de março, 26 de abril, 28 de maio e 1 de julho de 2021.

Os lançamentos de Vostochny tornam possível colocar um grande número de satélites em órbita pelo foguete Soyuz-2.1b (36 contra 34 para os lançamentos de Baikonur). Essa diferença se deve às características de maior potência e aproveitamento da trajetória pelo sistema de controle de voo Malakhit do foguete dentro da inclinação desejada e à correspondência das áreas de queda dos estágios. Atualmente, um trabalho está em andamento para otimizar as trajetórias de Baikonur, levando em conta o fato de que o tamanho dos satélites é um pouco maior do que o previsto anteriormente. A pesquisa está sendo realizada para lançar trinta e seis OneWebs de Baikonur, da mesma maneira como ocorre em Vostochny.

Foguete Soyuz-2.1b

O Soyuz-2 foi desenvolvido com base no foguete serial Soyuz-U. Seu principal desenvolvedor é o Fabrica de Foguetes Progress (parte da Roscosmos, na cidade de Samara). Sistemas de propulsão e de controle e telemetria atualizados são usados ​​nos veículos lançadores Soyuz-2, o que aumenta significativamente suas características técnicas e operacionais. Estruturalmente o Soyuz-2, como todos os mísseis da família, é feito de acordo com o esquema de divisão longitudinal-transversal dos estágios. Em combinação com o estágio superior Fregat, destina-se a lançar espaçonaves em órbitas baixas de várias alturas e inclinações, incluindo geotransferência e órbitas geoestacionárias, bem como trajetórias de escape interplanetário.
Os motores-foguete de propelente líquido RD-107A e RD-108A são usados ​​no primeiro e no segundo estágios do veículo lançador e, no terceiro estágio, o RD-0124 de quatro câmaras. Com a ajuda dos RD-107 e RD-108, desenvolvimentos da NPO Energomash V.P. Glushko (de Khimki, também associada da Roscosmos) “garante-se de forma confiável a implementação do programa doméstico de voos tripulados e lançamento de espaçonaves”, diz a Roskosmos, que gerencia todas as empresas da indústria espacial russa. Até hoje, foram realizados trabalhos de modernização dos motores RD-107 básicos do primeiro estágio e motores RD-108 para o segundo num total de dezoito modificações em vários aspectos.

Estágio superior Fregat-M

O contrato entre a Arianespace e a OneWeb, originalmente para 21 lançamentos de foguetes Soyuz de Baikonur, Vostochny e Kuru foi assinado em junho de 2015. A OneWeb deve começar a oferecer comunicações comerciais via satélite no final de 2021 e até o final de 2022 espera ter uma constelação de 648 satélites, que fornecerão acesso a Internet de banda larga para usuários em todo o mundo através de cobertura total.

Author: homemdoespacobrasil

Sua referência em Astronáutica na internet

%d bloggers like this: