SpaceX/Artemis: Documento explica a decisão pela Starship

Nave ainda em testes será usada como táxi interorbital entre a Terra e a Lua, e entre a órbita lunar e superfície

Por Eric Ralph (Teslarati), com correções do Homem do Espaço

Espaçonave Starship como táxi entre a superfície lunar e elementos em órbita

Depois de uma negação muito esperada do GAO aos protestos da Blue Origin and Dynetics sobre a decisão da NASA de conceder à SpaceX o contrato para transformar a Starship em uma nave lunar tripulada, um documento detalhado (e fortemente redigido) explicando essa decisão foi lançado em 10 de agosto. Além de dilacerar impiedosamente os protestos de ambas as empresas, membro por membro, a decisão do US Government Accountability Office também ofereceu uma quantidade surpreendente de pistas sobre a proposta de nave espacial HLS (Human Landing System) da SpaceX. Um desses detalhes em particular parece atingir um nervo irracional na comunidade de voos espaciais online. Especificamente, em sua decisão, o GAO revelou que a SpaceX havia proposto um perfil de missão que exigiria até 16 lançamentos para abastecer totalmente um módulo de pouso e colocar a espaçonave em uma órbita lunar “incomum”.

Após cerca de 24 horas de caos, confusão e pânico , o CEO da SpaceX, Elon Musk, finalmente ponderou sobre a indicação moderadamente surpreendente do documento GAO de que cada pouso da nave espacial na lua exigiria dezesseis lançamentos da SpaceX.

Confirmando muitas expectativas, a solução da SpaceX de enviar uma Starship inteira para a Lua, pousando-a na superfície lunar e devolvendo-a à órbita lunar (e talvez até à Terra) é a seguinte. Primeiro, a SpaceX vai lançar uma variante personalizada de Starship que foi redigida no documento de decisão do GAO, mas confirmada pela NASA como uma nave de armazenamento (ou depósito) de propulsor no ano passado. Em segundo lugar, depois que a Starship do depósito estiver em uma órbita estável, a proposta HLS da NASA da SpaceX afirma que a empresa iniciaria uma série de 14 lançamentos de tanques espalhados por quase seis meses – cada um dos quais acoplaria com o depósito e gradualmente encheria seus tanques.

NASA selecionou Starship para uma demonstração de transferência de propelente. Combinar a rápida reutilização da nave com o reabastecimento orbital é fundamental para transportar economicamente um grande número de tripulantes e cargas para a Lua e Marte

Terceiro, uma vez que a nave-depósito fosse completada, o módulo de pouso da nave espacial seria lançado, acoplado com o depósito e totalmente abastecido. Finalmente, o módulo de pouso abastecido acionaria seus motores Raptor e seguiria para a Lua, onde entraria em uma órbita de halo quase retilínea (near-rectilinear halo orbit NRHO) – uma órbita elíptica de alta altitude insólita, necessária apenas porque a espaçonave Orion da NASA e o foguete SLS também tem potência insuficiente para alcançar uma órbita mais normal e funcional em torno da Lua. Depois de chegar a NRHO, a Starship iria acoplar com a Orion (ou vice-versa), receber seus astronautas da Artemis, pousar na Lua por vários dias e lançar de volta para NRHO para retornar aqueles astronautas para a Orion. Depois que sua missão principal for concluída, resta saber se a nave terá propelente suficiente para retornar a algum tipo de órbita terrestre, onde poderia ser reabastecida e reutilizada em futuras missões à superfície lunar.

“Porém, mesmo que fossem 16 voos com acoplagem, isso não seria um problema. A SpaceX fez mais de 16 voos orbitais na primeira metade de 2021 e atracou com a ISS (muito mais difícil do que acoplar com nossa própria nave) mais de 20 vezes.” – disse Musk, numa comparação indevida, mas que foi aceita pela maioria de seus notórios fãs, que tem pouquíssimo conhecimento de Astronáutica.

Em resposta ao GAO revelando que a SpaceX propôs até 16 lançamentos – incluindo 14 reabastecimentos – com intervalo de aproximadamente 12 dias para cada missão da nave espacial , Musk disse que a necessidade de “16 voos é extremamente improvável”. Em vez disso, presumindo que cada nave-tanque seja capaz de levar 150 toneladas de carga útil (propelente) em órbita após alguns anos de maturação do projeto, Musk acredita que é improvável que sejam necessários mais de oito lançamentos de nave-tanque para reabastecer a nave-depósito – ou um total de dez lançamentos, incluindo o depósito e o módulo de pouso. Mas, como Musk observou, contanto que a Starship chegue perto de seus objetivos de projeto, não seria um problema, mesmo se cada missão de alunissagem da nave exigisse 16 lançamentos. Um passo adiante, assumindo que a SpaceX propôs 16 lançamentos por missão numa abundância de conservadorismo, é justo assumir que um intervalo de 12 dias entre os lançamentos de naves-tanques também seria um cenário de pior caso extremamente conservador. De acordo com Musk e SpaceX, os objetivos de design da Starship exigem várias reutilizações de naves e boosters (1º estágio) por dia . Mesmo que a SpaceX fique muito aquém desses objetivos ambiciosos, as naves-tanque Starship devem ser capazes de voar a cada poucos dias ou talvez semanalmente.

Mas, graças à proposta relativamente conservadora da SpaceX, a empresa agora sabe que a NASA está mais do que feliz com a Starship, mesmo que esta fique 50% abaixo de suas metas de desempenho de carga útil e duas magnitudes abaixo de suas metas de reutilização.

Conheça mais sobre exploração espacial no Curso Introdutório de História e Fundamentos da Astronáutica

Curso de Introdução à Astronáutica

Author: homemdoespacobrasil

Sua referência em Astronáutica na internet

%d bloggers like this: