Módulo russo Nauka é lançado para a ISS

O Nauka levou quase vinte anos em preparação

O foguete Proton-M (veículo 8K82KM nº 5114837973) de três estágios carregando o módulo Nauka (espaçonave 77KML 15901) decolou da Plataforma 89 da Área 200 no Cosmódromo de Baikonur hoje, 21 de julho de 2021 às 17:58:24,938h , horário de Moscou. O veículo colocou a nave em órbita de 195,1 km por 353,9 km, com período orbital de 89,6 minutos e inclinação de 51,62 graus em direção ao Equador. Outras informações dão conta de uma órbita inicial prevista de 196 x 365 quilômetros.

Decolagem da Plataforma 89 da Área 200 de Baikonur

Seção cabeça (coifa, espaçonave e seção adaptadora) na decolagem estava pesando 23.180 kg. A seção de carga útil após a separação da coifa teve massa de 20.980 kg; a massa do Nauka após sua separação do 3º estágio na órbita inicial foi estimada em 20.350 kg.

Cronograma de lançamento

EtapaTempo decorridoAltitudeVelocidade
Decolagem000
Separação do estágio 1123,7 s43,65 km1.669 m/s
Separação do estágio 2331,3 s138,3 km4.427 m/s
 Separação da carenagem de carga útil346,7 s140,2 km5.093 m/s
Separação do estágio 3568,0 s185 km7.551 m/s
Separação da espaçonave580,2 s190 km8.005 m/s

Após uma inserção orbital nominal, a espaçonave se separou do terceiro estágio do veículo de lançamento às 09: 49: 47.20, horário de Moscou.

O Nauka deve acoplar no Zvezda em 29 de julho de 2021, às 16:26, horário de Moscou.
O módulo seguirá um perfil de encontro de oito dias com a ISS usando seu sistema de propulsão para se encontrar com a estação. Cerca de cinco horas após entrar na órbita de estacionamento, o controle de missão comandará dois disparos dos motores para testar o desempenho do SUDN – Sistema de Controle de Movimento e Navegação.

Cerca de 27 horas depois do lançamento, duas correções de órbita devem ser realizadas para entrar na órbita de faseamento, ainda abaixo da ISS, fazendo com que o módulo gradualmente se aproxime da estação. Duas manobras subsequentes, planejadas aos seis dias de vôo, irão aumentar a órbita para proximo à da ISS e colocar o Nauka perto o suficiente da estação para que as antenas do sistema Kurs-A controlem o regime de aproximação. Uma manobra extra no sétimo dia deve refinar a órbita para o encontro a uma altitude de 420 km. A espaçonave usará o sistema Kurs para se aproximar automaticamente da ISS, alinhar-se com a porta nadir no Módulo de Serviço Zvezda e realizar uma acoplagem totalmente automatizado com o segmento russo da ISS.
Em caso de falha da primeira tentativa de encontro, o módulo terá propelente suficiente para uma segunda tentativa, além de reservas para outros imprevistos. A tripulação a bordo da estação também terá a capacidade tomar o controle manual e acoplamento do módulo, usando o console de controle remoto TORU dentro do Zvezda.

Vista lateral do Nauka

O Nauka (“Ciência”), ou Módulo de Laboratório Multiuso Avançado, MLM-U (Mnogofunktsional’niy Laboratorniy Modul’ MLM-U – Usovershenstvovanniy) será o principal módulo funcional do segmento russo. É um laboratório científico multidisciplinar equipado com 12 locais de trabalho. O MLM-U, designação industrial 77KML, pesa 20.350 kg, tem 13,12 m de comprimento e 4,25 m de diâmetro. Oferece 70 m3 de volume pressurizado, incluindo 8m3 para equipamentos científicos.

Nauka acoplado à porta inferior (nadir) do módulo de serviço Zvezda

Foguete Proton-M

De 2001 a 2012, o veículo de lançamento Proton-K foi gradualmente substituído por uma nova versão modernizada, Proton-M. Embora o projeto do Proton-M seja baseado principalmente no Proton-K, mudanças foram feitas no sistema de controle , que foi substituído por um novo sistema de controle avançado baseado num  computador digital integrado (BTsVK). Com o uso do novo sistema de controle no Proton-M as seguintes melhorias foram incorporadas:

Foguete 8K82KM Proton-M
  • esgotamento mais completo do suprimento de propelente a bordo, que aumenta a massa do carga em órbita e reduz os restos de componentes nocivos nos locais onde caem os primeiros estágios descartados do veículo lançador;
  • redução do tamanho das áreas previstas para a queda dos estágios;
  • a possibilidade de manobra espacial na fase ativa do vôo amplia o leque de inclinações possíveis das órbitas de referência ;
  • simplificação do projeto e aumento da confiabilidade de diversos sistemas, cujas funções passaram a ser desempenhadas pelo BTsVK;
  • a possibilidade de instalação de grandes carenagens de cabeça (de até 5 m de diâmetro), o que permitiu mais do que dobrar o volume de carga e a utilização de vários estágios superiores no lançador ;
  • Melhoria nos sistemas elétricos e hidráulicos nas unidades de turbobombas do motor, por meio da utilização de aditivos especiais de materiais poliméricos, poliisobutileno de alto peso molecular (PIB). O uso de combustível com o aditivo PIB aumentou a massa da carga útil lançada na transferência para a órbita geoestacionária em 1,8 tonelada;
  • preparação rápida do foguete.

Essas mudanças, por sua vez, levaram a uma melhoria nas características de massa Proton-M . Além disso, a modernização do com o estágio superior Briz-M foi realizada após a intridução do modelo. A partir de 2001, o foguete e o estágio superior passaram por quatro fases de modernização (Fase I, Fase II, Fase III e Fase IV), cujo objetivo era facilitar o projeto, aumentar a potência do motores de primeiro estágio (substituindo o os RD-275 pelos RD -276), bem como outras melhorias.

Author: homemdoespacobrasil

Sua referência em Astronáutica na internet

%d bloggers like this: