Cosmonauta fala sobre o Nauka: “Tudo em ordem”

O MLM-U funciona de acordo com o programado

O MLM-U Nauka

O cosmonauta russo Oleg Novitsky disse ao centro de controle da missão TsUP perto de Moscou que tudo está em ordem no novo módulo Nauka e não havia poeira em sua atmosfera, mas um parafuso voou para fora do módulo quando a escotilha foi aberta. O módulo foi lançado do cosmódromo de Baikonur em 21 de julho pelo foguete Proton-M e em 29 de julho acoplou no módulo Zvezda do segmento russo da ISS. No dia seguinte, a equipe abriu a escotilha do módulo.

Oleg Novitsky

“Visualmente, tudo estava em ordem. Não havia poeira. Quando abrimos a escotilha, vimos um parafuso de dois centímetros voando de lá”, disse Novitsky ao especialista do centro, respondendo a uma pergunta sobre o estado do módulo.

China lança mais um satélite de observação terrestre

O TianHui-1 04 entrou em órbita quase circular e fará levantamento estéreo de imagens da Terra

Longa Marcha 2D n º Y62 decola de Jiuquan

Às 04:01 UTC (12:01 hora local) de 29 de julho de 2021, horário de Pequim, a China usou o foguete transportador Longa Marcha 2D n º Y62 a partir do Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan, Província de Gansu, noroeste da China para lançar com sucesso o satélite TianHui-1 04. O satélite entrou com sucesso na órbita programada e a missão foi um sucesso total. Esta missão é o 381º vôo da série Longa Marcha de foguetes.

O TianHui-1 04 (天 绘 一号 04, “Desenho do céu”) é um satélite de observação terrestre estereotopográfico operado pelo Exército de Libertação do Povo. Segundo fontes oficiais, o satélite funciona de forma estável na órbita desejada ( 488,0 x 503,5 km, período de 94,53 min e inclinação de 97,48 °) e será “usado principalmente para a realização de pesquisas experimentais científicas, levantamento geral de terrenos e recursos, mapeamento e outras tarefas”.

TianHui-1 04

A mídia oficial forneceu poucas informações sobre o satélite: apenas que foi desenvolvido pela Hangtian Dongfanghong Weixing Corporation Space Satellite Company como parte da Academia Chinesa de Pesquisa de Tecnologia Espacial – CAST e se destina “a pesquisas científicas e experimentais, o estudo de terras e recursos, cartografia e outros propósitos.”

O nome do dispositivo implica continuidade em relação aos três satélites anteriores “Tianhui-1”, lançados em 24 de agosto de 2010, 6 de maio de 2012 e 26 de outubro de 2015 no mesmo cosmódromo da mesma operadora. O TianHui tem cerca de 1.000 kg sendo construído com base no chassi CAST-2000 e está equipado sensores desenvolvidos pelo Instituto de Óptica, Mecânica Fina e Física Changchun CIOMP, englobando uma câmera CCD de matriz linear cartográfica de três canais com resolução de 5 metros para uma faixa de 60 km de largura, cujos telescópios olham para o nadir e fazem um ângulo de 25 ° para a frente e para trás na direção do vôo; uma câmera de alta resolução para imageamento pancromático com resolução de 2 metros numa faixa de rastreio de 64 km de largura. E uma câmera multiespectral com resolução de 10 metros, operando em quatro bandas espectrais da faixa do visível e infravermelho próximo.
Os preparativos de lançamento ocorreram na estação quente em Jiuquan, que registrou +42 ° C. O veículo teve seu horário de abastecimento mudado das nove para as sete da manhã, e outras medidas foram tomadas para minimizar os efeitos do calor no foguete e nos sistemas de carga útil. Durante a preparação e o lançamento, um novo sistema integrado de telemetria e conexão com o segmento de suporte de solo foi usado para o controle das condições do foguete-portador. Este foi o 54º lançamento do foguete CZ-2D, desenvolvido para colocar uma carga útil de 1.200 kg em uma órbita padrão sincronizada com o Sol a uma altitude de 700 km.

Os desenvolvedores do Longa Marcha 2D dedicaram o lançamento ao sexagésimo aniversário da Shanghai Space Research Academy SAST, cuja história remonta a 1º de agosto de 1961, com a criação da 2ª Diretoria da Indústria Eletromecânica de Shangai (上海市 第二 机电 工业 局) Atualmente, a SAST conta com desessete institutos de pesquisa, 10 empresas e 10 unidades de produção e realiza o desenvolvimento de todo o espectro da tecnologia de foguetes espaciais, desde mísseis de combate e lançadores espaciais e espaçonaves para diversos fins. O lançamento Tianhui já havia sido anunciado em 1º de julho em meio a uma série de comemorações pelo 100º aniversário do Partido Comunista Chinês. O lançamento deveria ocorrer no dia 27 de julho, mas foi adiado para o dia 29.

Ariane VA254 coloca dois satélites em órbita

Eutelsat Quantum e Star One D2, ambos para telecomunicações, foram lançados de Kourou para órbitas geoestacionárias

O foguete foi lançado do espaçoporto do Centre Spatial Guyanais

Esta tarde marcou mais um lançamento do foguete Ariane 5 com sucesso: O “vol 254” foi lançado do espaçoporto europeu de Kourou na Guiana Francesa para realizar uma colocação de dois satélites de telecomunicações, Eutelsat Quantum e Star One D2, em suas órbitas de transferência geoestacionárias planejadas. A duração nominal da missão (da decolagem à separação dos satélites) foi de 36 minutos e 24 segundos.

A decolagem do vôo VA254 ocorreu na sexta-feira, 30 de junho de 2021, às xx h de Brasilia (dentro da ‘janela’ entre 09:00 p.m. and 10:30 p.m. UTC). Incluindo sua carga útil dupla, o Ariane 5 ECA de 50,5 m de altura teve uma massa de decolagem total de 780 toneladas. Sua órbita-alvo tinha perigeu de 250 km, apogeu de 35.726 km e inclinação de 3 graus em relação ao equador. A massa combinada da seção de cabeça do foguete, com a carenagem, os adaptadores de carga útil, a estrutura de suporte SYLDA e os satélites e somou 12.965 kg.

Foguete Ariane 5 ECA

O motor principal Vulcain-2 de propelente líquido criogênico do estágio central EPC foi aceso primeiro. Sete segundos depois, os propulsores de propelente sólido dispararam e o veículo decolou em seguida. Os propulsores foram descartados 2 min 21 s após a ignição do motor principal, e a carenagem de cabeça foi descartada em 3 min 16 s.

Tempos aproximados dos eventos de lançamento

O motor principal do estágio EPC desligou-se aos 8 min 57 s; seis segundos depois, esse estágio criogênico principal separou-se do estágio superior e de sua carga útil.

Quatro segundos após a separação do estágio principal, o motor do estágio superior criogênico ESC-A acendeu-se. A injeção orbital ocorreu em 25 min 25 s, momento em que o veículo estava viajando a 9352 m / s a uma altitude de cerca de 658 km. As condições para injeção de órbita de transferência geoestacionária foram alcançadas.

Altitudes nas etapas do lançamento
Circuito orbital até a inserção em órbita geoestacionária

Satélites lançados

O Star One D2, liberado primeiro, com massa total de 6.190 kg, foi colocado em órbita de transferência geoestacionária e depois seguirá para geoestacionária a 70° W.
A empresa Star One encomendou o novo satélite de comunicações Star One D2 à SS / Loral em outubro de 2017. O Star One D2 está equipado com cargas úteis de banda C, Ku, Ka e X para telecomunicações de alta velocidade (também para uso governamental na região do Atlântico), transmissão de televisão e banda larga rápida na América do Sul, México, América Central e partes do Oceano Atlântico.

Star One D2

Ele foi projetado para fornecer serviço por 15 anos ou mais e é baseado na plataforma SSL 1300, altamente confiável, que tem a capacidade de oferecer suporte a uma ampla gama de aplicativos e avanços tecnológicos. O D2 vai se juntar à frota da Embratel, a maior operadora de satélite do Brasil e da América Latina, e uma unidade de negócios da Claro. Também será utilizado como ‘backhaul’ de rede móvel no Brasil, além de TV paga e Internet para clientes de governos e corporativos. Ele substituirá o C2, que era mais focado em direct-to-home, DTH. Este satélite de alta capacidade, construído no confiável chassi da classe 1300 da Maxar, melhorará o acesso a entretenimento de alta qualidade e serviços de informação para clientes e empresas na América Latina. Hospeda múltiplas cargas úteis, o que permitirá expandir a cobertura de banda larga para novas regiões na América Central e do Sul, fornecer acesso à Internet para populações carentes e adicionar uma carga útil de banda X atualizada para uso governamental na região do Atlântico. Este é o terceiro satélite que a Maxar fabrica para a Embratel. A Maxar construiu anteriormente o Star One C4, que foi lançado em julho de 2015 e faz serviço de televisão DTH no Brasil, e o Star One D1, que foi lançado em dezembro de 2016 e foi o primeiro satélite da família de satélites de quarta geração da Embratel.

O Eutelsat Quantum foi ejetado depois do descarte da SYLDA. Com massa total de 3.461 kg, foi colocado em órbita de transferência geoestacionária, a seguir foi para uma órbita geoestacionária definitiva a 48° E. Foi construído em torno de um chassi SSTL GMP-T, é um satélite de comunicações experimental com uma carga útil reconfigurável por software. É desenvolvido em conjunto pela ESA, Eutelsat e Airbus Defense and Space. O Quantum é o primeiro satélite comercial definido por software totalmente flexível – que será usado para transmissão de dados e comunicações seguras. Como o satélite pode ser reprogramado em órbita, pode responder às demandas variáveis ​​durante sua vida útil.

Eutelsat Quantum

Seus feixes de radiofrequencia podem ser redirecionados para se moverem quase em tempo real para fornecer informações aos passageiros a bordo de navios ou aviões em movimento. Os feixes também podem ser ajustados para mais dados se a demanda aumentar. O Eutelsat Quantum pode detectar e caracterizar quaisquer emissões indesejadas, permitindo que responda dinamicamente a interferência acidental ou bloqueio intencional. O satélite permanecerá no espaço durante sua vida útil de 15 anos, após o qual será retirado de órbita com segurança. O programa Quantum é um abandono da abordagem tradicional, personalizada e única para a construção de satélites, oferecendo um design de carga útil novo e genérico. Pela primeira vez, permitirá aos usuários solicitar o desempenho e a flexibilidade de que precisam em termos de cobertura, largura de banda, potência e frequência.
Os satélites desenvolvidos sob o “guarda-chuva Quantum” serão mais baratos e rápidos de construir em comparação com os métodos atuais, pois usam subsistemas e equipamentos genéricos, permitindo uma produção em maior escala e um controle mais eficiente de estoque de peças.
O Quantum também será capaz de se “transformar” completamente em órbita. Uma vez no espaço, esse satélite “camaleônico” pode se adaptar a novos comandos em cobertura, banda de frequência, uso de energia e até mesmo mudar sua posição orbital. Isso o tornará a primeira geração de satélites universais capaz de atender a qualquer região do mundo e se ajustar a novos negócios sem que o usuário precise comprar e lançar um satélite totalmente novo. A espaçonave usará propulsão de propulsão convencional. A carga útil reconfigurável de todas as comunicações em banda Ku usará 5 kW de potência. A antena phased array foi fornecida pela divisão espanhola CASA da Airbus.

Uma vez colocados nesta órbita de transferência, os próprios propulsores dos satélites gradualmente circularizarão suas órbitas para atingir a órbita geoestacionária – onde eles mantêm o ritmo com a rotação da Terra, fazendo com que permaneçam em pontos fixos no céu.

Missão ‘Desafio’: Tripulação de reserva da ISS-66 foi “lançada” à ISS, pela primeira vez

Treinamento no simulador da Soyuz MS foi bem-sucedido e comandante elogia cinegrafista e atriz do filme “Vyvod”

por Tony Quine

Em nossos dois últimos artigos, mencionamos que concentraríamos nossa atenção na equipe de backup do Soyuz MS-19. A grande mídia tende a cobrir a equipe principal, então queremos restaurar algum equilíbrio.
Esta semana, a tripulação, incluindo o comandante da Soyuz, Oleg Artemyev, participou, pela primeira vez, de um treino conjunto, no simulador Soyuz MS. Vamos ver como essa importante sessão funcionou.

Comandante Artemyev, o cinegrafista Alexey Dudin e a atriz Alena Mordovina – foto TsPK

” Parece que eles são excelentes! “, O cosmonauta Oleg Artemyev compartilhou suas impressões sobre o primeiro treinamento conjunto, da tripulação reserva da missão ISS-66. No dia anterior, ele e seus colegas na próxima expedição da qual faz parte do filme, projeto científico e educacional “Vyvod “, realizaram sua primeira sessão completa no simulador Soyuz MS , no Yuri Gagarin Tsentr Podgotoviki Kosmonavta, centro de treinamento de cosmonautas, vestindo seus escafandros espaciais Sokol KV2 (Falcão).
Durante o treinamento da equipe de Artemyev, o cinegrafista do filme Alexey Dudin e a atriz Alena Mordovina realizaram o programa relacionado a um lançamento de rotina para a ISS. Isso envolveu preparação para o lançamento seguida da subida à órbita do Soyuz MS, inspeção de hermeticidade de compartimentos e sistemas da nave após a separação do foguete , manobra orbital e preparação para acoplagem na Estação Espacial Internacional. Em todas as etapas a tripulação trabalhou com competência e em equipe.

Oleg Artemyev, por estar no assento intermediário do módulo de descida, não tem capacidade de alcançar todos os comandos no painel Neptune-ME, por isso algumas funções são desempenhadas pelos demais tripulantes, mesmo que não sejam cosmonautas profissionais.

A bela Alena no assento Kazbek-UM direito do simulador

Durante a rotina, Alena Mordovina, sentada à direita, tinha de acionar válvulas, incluindo as que fornecem oxigênio ao módulo de descida, e controlar o bombeamento de eventual condensação. Ao verificar a pressurização dos trajes espaciais, Alexey Dudin trabalhou nas válvulas que fornecem oxigênio .
“Não houve estresse só porque eles não eram astronautas profissionais nos assentos adjacentes e, pelo contrário, como comandante, fui capaz de organizar o trabalho da tripulação “, disse Artemyev.
“Foi importante verificar o que eles aprenderam nos últimos dois meses, e descobri que eles sabem tudo, aprendem rápido, podem realizar o trabalho que lhes foi atribuído, de acordo com as minhas instruções”.

Equipe no salão de treinamento, com o simulador ao fundo (o aparelho azul-marinho com a bandeira russa envolvido pelos andaimes)

Ele acrescentou que teve a sorte de ter em sua equipe duas pessoas focadas e que querem aprender.
“Alexey vai me ajudar em caso de situações de emergência” acrescentou Artemyev. “Ele tem a documentação a bordo pronta e será capaz de fazer tudo o que for necessário em um momento. também uma grande responsabilidade e ajuda “.
No total, as tripulações principais e reservas da ISS-66 realizarão seis dessas sessões de treinamento conjuntas no simulador TDK Soyuz MS. Como essas situações em progresso, em modos “fora do nominal” ou de “emergência” serão introduzidas e a tripulação terá que se adaptar para lidar com esses cenários.

Em setembro, pouco antes do início do exame final, será decidido se a tripulação principal, ou reserva, fará o voo, no dia 5 de outubro.

Terceiro foguete Angara-A5 enviado a Plesetsk

O terceiro exemplar do foguete pesado está em trânsito para o “cosmódromo Norte” da Rússia

Funcionários do Centro Estadual de Pesquisa e Produção Espacial em homenagem a M.V.  Khrunichev no contêiner de transporte com os blocos do foguete Angara A5 em uma das oficinas da empresa em Moscou - RIA Novosti, 1920, 30.07.2021
Conteiner de carga superdimensionada com um módulo URM do foguete Angara preparado para transporte. O índice de superdimensionamento Н-1630 impresso no conteiner significa que esse conteiner de grande volume H (“N” de negabaritnosti, sobredimensionado) tem dimensões do piso de tamanho 1; volume lateral nível 6, superdimensionamento de teto de 3º grau e não há volume superdimensionado vertical.

O terceiro veículo de lançamento da classe pesada Angara-A5 foi enviado ao cosmódromo de Plesetsk , disse uma fonte da indústria espacial à RIA Novosti. Em maio, materiais no site de compras públicas anotaram que a entrega de dois foguetes Angara-A5 para Plesetsk estava planejada, respectivamente, no segundo e quarto trimestres de 2021.

Lançamento de foguete Soyuz-2 com 36 satélites de comunicação britânicos do cosmódromo Vostochny - RIA Novosti, 1920, 12.06.2021
Angara A1.2PP , Angara A5 padrão (já testados) e o Angara A5V

Em 12 de junho, a Roskosmos aceitou o projeto técnico do complexo Angara para lançamento de Vostochny.

“Blocos [chamados URM, Universalnaya Raketa Modul, módulo-foguete universal] do foguete Angara-A5 foram enviados por trem de Moscou a Plesetsk”, disse a fonte da agência. Anteriormente, foi relatado que o Centro Khrunichev, sob um contrato com o Ministério da Defesa da Federação Russa, deve produzir seis Angara-A5 para testes de vôo. Dois deles já voaram em 2014 e 2020 com os estágios superiores  Briz-M e simuladores de espaçonaves. O terceiro lançamento do Angara-A5, também com um simulador, mas com novo estágio superior Perseus, está previsto para o terceiro trimestre de 2021.

Rocket Angara-A5 - RIA Novosti, 1920, 29/03/2021

Em 29 de março, o nome “Angara” se tornou uma marca registrada da Roskosmos. Além disso, a empresa, por ordem do departamento militar, estava comprometida a produzir quatro Angara-A5 seriais. Em dezembro de 2020, o diretor geral da Khrunichev, Aleksey Varochko, disse que esses seriam entregues ao cliente em 2022-2024. A Angara é uma família de veículos de lançamento ecológicos de várias classes. Inclui os modelos leves Angara-1.2 (1.2PP) , médio Angara-A3 , pesado Angara-A5, a versão modernizada Angara-A5M , e o modelo com capacidade carga aumentada Angara-A5V.

Diretor de voo: Nauka funciona bem após o engate atribulado

Vladimir Solovyov atribuiu o mau funcionamento do sistema propulsor a um erro de software

Solovyov, Diretor de Voo do Segmento Russo da Estação Espacial Internacional emitiu esta declaração às 14:06 de Moscou (08:46 Brasília)

Configuração da ISS em 30 de julho de 2021

“Em 29 de julho, o módulo de laboratório multifuncional Nauka foi acoplado à Estação Espacial Internacional. Em todos os estágios do vôo do módulo, o sistema de encontro Kurs funcionou de maneira confiável e estável. Na fase mais próxima, ligeiras flutuações foram notadas, as quais, é claro, o sistema de acoplagem suportou. Isso resultou em um acoplamento e toque suaves em velocidades nominais, o que por sua vez resultou em um engate mecânico.

Diretor de Voo Solovyov

A mecânica de encaixe funcionou de forma confiável, sem problemas e levou ao fechamento de ambos os mecanismos de encaixe – entre a estação e o módulo. Devido a uma falha de software de curto prazo, um comando direto foi implementado erroneamente para ligar os motores do módulo, o que implicou em alguma modificação na orientação do complexo como um todo.

Esta situação foi rapidamente combatida pelo sistema de propulsão do módulo Zvezda. No momento, a estação está em orientação normal, todos os sistemas da ISS e o módulo multiuso estão funcionando normalmente. Foi criada uma interface interna confiável de dados e comando, bem como uma conexão de energia, que ligam o módulo à estação.

A tripulação agora está ocupada equilibrando a pressão no módulo. Este é um procedimento bastante demorado, pois o volume total do módulo é de cerca de 70 metros cúbicos. Na segunda metade do dia, a tripulação abrirá as escotilhas, entrará no módulo, ativará os meios necessários para purificar a atmosfera e iniciará o trabalho normal. O principal grupo de controle operacional opera normalmente e gerencia todo o complexo, incluindo o Nauka. “

Vladimir Solovyov, é duas Vezes Herói da União Soviética, piloto-cosmonauta da URSS, e projetista geral da NPO / RKK Energiya.

Fez parte da missão recordista Soyuz T-10 em 1984, quando passou 237 dias no espaço a bordo da estação Salyut 7; e foi um dos dois primeiros tripulantes da estação orbital Mir, quando fez o primeiro e até hoje único voo entre duas estações espaciais (Mir-Salyut 7- Mir), na missão Soyuz T-15 em 1986.

Roskosmos instaura comissão para investigar a falha no módulo Nauka

Quadro técnico terá participação de especialistas americanos

A Rússia vai liderar a investigação da situação com o módulo Nauka da Estação Espacial Internacional, que também envolverá engenheiros americanos, disse o chefe do programa da ISS na NASA, Joel Montalbano. “A Roskosmos vai liderar a investigação sobre o que aconteceu”, disse ele.

Nauka acoplado ao Zvezda

Montalbano lembrou que, como de costume, os países compartilharão informações. “Teremos uma equipe de engenharia padrão para analisar o assunto”, acrescentou.

Além disso, o representante da NASA enfatizou que a ISS não foi danificada em relação com o acoplamento com o módulo russo. “Agora não notamos nenhum dano”, concluiu Montalbano.

O Nauka foi acoplado ao módulo Zvezda ontem, 29 de julho, após um vôo de oito dias. Foi lançado em um foguete Proton-M em 21 de julho, mas no momento do lançamento em órbita uma das estações terrestres não pôde receber informações. Depois de uma acoplagem bem-sucedida com a ISS, quando a tripulação abriu a escotilha do módulo, os motores do Nauka ligaram inesperadamente. Para estabilizar a ISS, os motores da espaçonave russa Progress foram ligados, e não houve ameaça para a tripulação.

O Nauka está em bom estado de funcionamento, exceto pelo sistema de pressurização e controle propulsor, porém é capaz de transferir cargas de propelente vindo de um cargueiro espacial diretamente para os outros módulos do segmento russo da estação, graças a válvulas pirotécnicas que foram adicionadas à sua tubulação durante os vários anos em que a espaçonave ficou presa em terra sendo retrabalhada e modificada devido a contaminação dos tanques por cavacos metalicos. Estas válvulas isolam os dutos de propelente dos tanques contaminados e permitem que sejam usados para transferir fluidos para os outros módulos do segmento russo da estação espacial. Também podem ser usados para receber propelente vindo desses módulos, para acionar os motores MDDK, que ficam quase na extremidade do Nauka e podem operar de modo independente.

Starliner: problemas na ISS adiam voo de teste OFT-2

Espaçonave da Boeing deveria ser lançada amanhã à estação espacial internacional

Espaçonave Boeing CST-100 Starliner

A NASA e a Boeing decidiram adiar a tentativa de lançamento de amanha, sexta-feira, dia 30, da missão OFT-2. Atualmente, as equipes de lançamento estão avaliando a próxima oportunidade disponível. A movimentação permite que a equipe da estação espacial continue a trabalhar nas verificações do recém-chegado módulo Nauka e para garantir que a estação esteja pronta para a chegada do Starliner. O primeiro estágio do foguete Atlas V N22 AV-082 para a missão Orbital Flight Test OFT-2 da Starliner foi instalado em sua plataforma de lançamento na Estação da Força Espacial do Cabo Canaveral.

Foguete-portador Atlas V N22 – AV-082

Os contratos da tripulação comercial da NASA com a Boeing desde 2010 estão avaliados em mais de US $ 5 bilhões. A NASA tem um contrato similar com a SpaceX avaliados em mais de US $ 3 bilhões para o desenvolvimento da nave Crew Dragon. Os contratos para ambas as empresas incluíam um mínimo de seis voos de rotação de tripulação operacional para a Estação Espacial Internacional.
A Boeing parecia no caminho certo para lançar sua primeira missão tripulada do Starliner em 2020, mas o primeiro vôo de teste não-pilotado em dezembro de 2019 terminou prematuramente sem acoplar na estação espacial. Funcionários da Boeing e da NASA atribuíram a falha do voo de teste a problemas de software, incluindo um cronômetro de tempo decorrido de missão que foi ajustado incorretamente antes do lançamento. O problema fez com que o computador da espaçonave ‘pensasse’ que estava em uma fase de vôo diferente após o lançamento do Atlas 5 em órbita, fazendo com que os propulsores da cápsula e queimassem muito propelente. O uso de propelente acima do esperado impediu a Starliner de acoplar na estação.

A Boeing agora está reformando aquela cápsula para o Starliner Crew Flight Test. Mas, primeiro, os gerentes da Boeing e da NASA concordaram em lançar um segundo Orbital Flight Test, na OFT-2, para provar o software da espaçonave e completar as tarefas de demonstração que não foram realizadas pela missão OFT-1 em 2019.
Um segundo módulo da tripulação da Starliner voará na missão OFT-2. Assim que estiver de volta à Terra, a Boeing irá reformar a cápsula para futuras missões. Cada missão de uma Starliner apresentará um novo módulo de serviço, que é descartado durante a reentrada.

No início deste ano, a Boeing concluiu uma simulação de missão completa no Laboratório de Aviônica e Integração de Software da empresa em Houston. O teste combinou o equipamento de vôo e a versão final do software da espaçonave. Um ensaio desses não foi realizado para verificar o código do software antes da missão OFT-1 em 2019.

“Estou extremamente orgulhoso das equipes da NASA e da Boeing Starliner enquanto trabalham metodicamente em direção à missão OFT-2 no próximo mês com verificações finais do módulo da tripulação e do sistema e software do módulo de serviço enquanto nos preparamos para esta importante missão de teste sem tripulantes”, disse Steve Stich, gerente do programa de tripulação comercial da NASA.

“Fechar todas as conclusões da equipe de revisão independente para o software e sistemas de comunicação é um grande marco para o programa da tripulação comercial e incluiu muitas horas de testes e análises por nossas equipes dedicadas da Boeing e da NASA durante esta pandemia Covid-19”, disse Stich. Paralelamente aos testes de software, os técnicos da Boeing na Unidade de Processamento de Tripulação e Carga Comercial do Centro Espacial Kennedy concluíram a maior parte dos preparativos para a missão OFT-2. Em janeiro, a Boeing intergrou (encaixou) o módulo da tripulação e o módulo de serviço dentro da instalação de processamento, um antigo hangar do ônibus espacial. Um porta-voz da Boeing que os módulos foram totalmente carregados com sua mistura de propelentes hipergólicos, que irão alimentar os propulsores para manobras de encontro com a estação espacial e a queima de saída de orbita no final da missão.

A United Launch Alliance, uma joint venture 50/50 entre a Boeing e a Lockheed Martin, é a fornecedora de lançamento para as missões Starliner. Em 17 de junho, a ULA içou o primeiro estágio do Atlas 5 N22 para a OFT-2 em sua plataforma de lançamento dentro da Instalação de Integração Vertical (VIF) perto da plataforma 41 na Estação da Força Espacial do Cabo Canaveral.

Foguete Atlas V na torre de montagem e testes

A ULA planejou instalar dois propulsores de propelente sólido e o estágio superior Centauro de dois motores RL-10 no foguete, preparando para a entrega da espaçonave Starliner ao VIF em meados de julho. Não haverá ensaio de abastecimento de pré-lançamento no foguete Atlas antes da missão OFT-2.
“Nas próximas semanas, as equipes de controle de missão na Flórida e no Texas continuarão realizando ensaios gerais simulados para a OFT-2 e missões tripuladas subsequentes. As equipes de pouso e recuperação da Starliner também farão uma verificação no local de uma das zonas de pouso do veículo “, disse a Boeing. Os técnicos também carregaram a carga no módulo pressurizado do Starliner, que voará com um manequim de teste instrumentado em um de seus assentos. A missão OFT-2 vai entregar cerca de 200 quilos de carga e suprimentos para a tripulação para a estação espacial.

Assumindo que a missão seja lançada em 30 de julho, a espaçonave Starliner está programada para acoplar em 31 de julho com a porta de engate frontal IDA do adaptador PMA do módulo Harmony da estação. No final de julho, antes da chegada do Starliner, quatro dos sete membros da tripulação se abrigarão em sua espaçonave SpaceX Crew Dragon para uma realocação da porta de acoplamento frontal para a porta superior no mesmo módulo Harmony. Isso abrirá o caminho para a acoplagem do Starliner. A Boeing diz que a missão OFT-2 deve durar cerca de cinco a 10 dias antes de ser desacoplada da estação e retornar à Terra. A cápsula terá como alvo uma das cinco zonas de pouso no oeste dos Estados Unidos, incluindo dois locais no polígono de testes de White Sands Missile Range no Novo México e zonas em Utah, Arizona e Califórnia.
O desengate, a reentrada e o pouso da Starliner estão provisoriamente programados para 5 de agosto. Nessa data, o local de pouso principal será em White Sands.
Se a missão OFT-2 atingir todos os seus objetivos, os funcionários da Boeing e da NASA “buscarão oportunidades no final do ano” para lançar o Starliner Crew Flight Test. Essa missão, que também será lançada em um foguete Atlas V N22, levará os astronautas da NASA Barry “Butch” Wilmore, Mike Fincke e Nicole Mann à ISS.

Nauka: como foi a “perda de controle”

Motores do módulo dispararam ‘fora das normas’ após a acoplagem com a estação espacial

O módulo de laboratório mulifuncional MLM-U Nauka acoplou-se ao módulo Zvezda da estação espacial internacional às 13:29:06 UTC (10:29:06 Brasília), e os cosmonautas Oleg Novitski e Pyotr Dubrov começaram as tarefas normais de integração com o resto da estação – nomeadamente, com o módulo de serviço russo Zvezda, ao qual o Nauka se acoplou na porta de encaixe “nadir”. Porém, pouco depois, estouraram na mídia notícias alarmantes de que a estação estava desviando-se da atitude normal, por causa de um mal-funcionamento do novo módulo russo.

O módulo agora se encontra sem estoque de propelente, que vazou ou foi queimado durante o mau funcionamento.

Configuração da ISS com o Nauka acoplado em definitivo ao módulo Zvezda

Estação sofre perda de controle

Após a acoplagem, e durante as operações de abertura da escotilha do compartimento frontal PGO-2 do Nauka (a escotilha da câmara estanque GA do módulo Zvezda já havia sido aberta), o alarme soou no sistema de som da estação. Foi constatado que um ou mais motores de orientação fina ou bruta (DTS – fina ou DPS – bruta) estava sendo acionado de modo inoportuno (ou mesmo que poderia estar vazando tetraóxido de nitrogênio); Os cosmonauas, segundo fontes ligadas ao centro de controle em Houston, Texas, diziam que o novo módulo estava tentando corrigir sua atitude – um possível sinal de que seu sistema de controle SUD não havia reconhecido que a espaçonave estava de fato acoplada à estação. Este sistema já havia reconhecido a nova condição no momento da acoplagem; porém, na hora de se fazer a configuração definitiva dos sistemas tanto no Nauka quanto no Zvezda para o modo “acoplado”, os computadores BTsVK do novo módulo teriam re-interpretado a sua condição como “ainda em vôo livre”, reconhecendo o horizonte terrestre em uma posição não condizente com a que deveria se esperar no caso de voo livre, e teria ordenado que o sistema de controle de reação colocasse a espaçonave de volta na atitude “correta” de voo, ou seja, com o eixo longitudinal apontado para a direção do movimento orbital e o “piso” da nave voltado para a Terra. Ou seja, os indícios apontavam para um problema de programação inserido no computador central do módulo.

Propulsores do Nauka: em vermelho, três dos quatro conjuntos de motores DTS e DPS; em azul, um dos motores principais DKS

Quando e qual teria sido a causa do problema

O problema ocorreu quando houve a tentativa de integrar o MLM ao sistema de controle do Zvezda. Após a acoplagem, às 13h45 (horário de Brasília), os cosmonautas relataram disparos inesperados dos motores do Nauka, que foram neutralizados por ignições dos motores do Módulo de Serviço Zvezda, tentando compensar as mudanças de atitude causadas pelo sistema de propulsão do Nauka. O Zvezda tem um sistema de controle de voo próprio, que funciona em modo automático, e reconhece a todo momento a atitude da estação em relação à Terra. O alarme de “perda de controle de atitude” soou a bordo da estação. O ângulo de desvio da ISS da atitude normal teria atingido 45 graus. A tripulação foi instruída a fechar todas as tampas externas para proteger as janelas, para evitar a contaminação de seus vidros por chamas ou vazamento de propelente. Os astronautas também foram orientados a fechar a porta do módulo, que estava em processo de abertura, depois que a escotilha do Zvezda já havia sido aberta – e também fechar esta última. O controle TsUP Moscou informou à tripulação que a estação seria colocada em “configuração segura”, e que levaria cerca de 20 minutos para restaurar totalmente o controle de atitude colocando a estação em modo de voo livre (sem acionamento de nenhum propulsor) por um curto período de tempo, enquanto trocava o controle de atitude para os motores secundários “DPO” da nave-cargueira Progress MS-17 até que o problema com disparos dos propulsores fosse identificado e resolvido.

De acordo com a telemetria, os foles de membrana metálica de um ou dois dos tanques de baixa pressão BNDO e BNDG no casco externo foram rompidos após o lançamento, quando um erro de programação abriu o sistema de alta pressão dos tanques BVDO e BVDG para os tanques de baixa pressão. Assim, o hélio dos tanques de pressurização vazou através dos foles rachados para os tanques de baixa pressão e ocasionaram bolhas nos propelentes hipergólicos e potencialmente comprometendo a operação dos motores de ajuste de atitude DPS e DTS.

Às 14h14 de Brasília, o TsUP informou à tripulação que demoraria cerca de 20 minutos para restaurar totalmente o controle de atitude, mas a orientação da estação estava melhorando.

Nauka acoplado ao Zvezda

Por volta das 14h30 de Brasília, o controle TsUP informou que os motores do Nauka não estavam mais disparando (ou vazando). A NASA também informou que durante a passagem pelas estações terrestres russas a partir das 15:00 de Brasília, o controle da missão enviaria comandos para evitar novas ignições de seus motores. Ao mesmo tempo, os astronautas da ISS foram aconselhados a reabrir as tampas das janelas e procurar por possíveis partículas e fluidos externamente, no lado direito do complexo espacial.

Electron coloca em órbita satélite da Força Aérea “Monolith”

O satélite testará um sensor extensível

A missão “It’s a Little Chile Up Here” do foguete Electron da empresa Rocketlab decolou em hoje, às 06:00, 29 de julho de 2021 NZT (29 de julho UTC) e colocou em órbita um satélite de demonstração patrocinado pelo Laboratório de Pesquisa da Força Aérea americana chamado “Monolith”. O satélite testará e demonstrará o uso de um sensor extensível, do qual a massa é uma fração substancial da massa total da espaçonave, mudando as suas propriedades dinâmicas e testando a capacidade de manter o controle de atitude.
O satélite entrou em órbita depois que a ignição do “estágio de chute – kick stage” começou e foi nominal; o desligamento do motor Curie desse estágio superior foi confirmado e a espaçonave foi colocada em um perigeu de 600 km com uma inclinação de 33,997 º. A órbita final foi de 597 x 611 km, inclinada em 37,02 ° e a carga útil recebeu a deginação internacional de 2021-068B / 49053.

A análise a partir do uso de um sensor extensivel visa permitir o uso de chassis de satélite menores ao construir futuros sensores , como satélites meteorológicos, reduzindo assim o custo, a complexidade e os prazos de desenvolvimento. O satélite também será uma plataforma para testar as futuras capacidades de defesa do espaço. A janela de lançamento se estendeu por 12 dias, com decolagem programada para UTC das 6h às 8h.

A missão foi adquirida pelo Programa de Testes Espaciais (Space Test Program STP) do Departamento de Defesa (DoD) e pelo Programa de Lançamento de Sistemas de Foguetes (RSLP), ambos baseados na Base Aérea de Kirtland, Novo México.; em parceria com a Defense Innovation Unit (Defense Innovation Unit DIU) como parte da Rapid Agile Launch Initiative (RALI). A missão foi gerenciada pela Divisão de Pequenos Lançamentos e Alvos – Small Launch and Targets Division – da Launch Enterprise, que faz parte da organização escolhida pela USSF. A missão foi chamada de ‘t’s a Little Chile Up Here’ em uma homenagem ao chile verde do Novo México, onde o Programa de Teste Espacial é baseado.

A ‘It’s a Little Chile Up Here’ foi o quarto lançamento da Rocket Lab no ano e o 21º lançamento de Electron da empresa em geral. Originalmente programada para decolar do Complexo de Lançamento 2 (LC-2) no Porto Espacial Regional Mid-Atlantic na Ilha Wallops da NASA, Virgínia, a missão foi transferida para o Complexo de Lançamento 1 (LC-1) na Nova Zelândia enquanto a agência continua a certificação de processos de software de sistema de terminação de vôo autônomo para lançamentos da LC-2.

A missão vem na sequência de um lançamento anterior da Rocket Lab sob o mesmo acordo, a missão STP-27RD lançada em maio de 2019. Essa missão, viu o Electron lançar três satélites de pesquisa e desenvolvimento para o Programa de teste espacial. “Estamos entusiasmados por ter outro Electron na plataforma para o Programa de Teste Espacial”, disse o CEO e fundador da Rocket Lab, Peter Beck. “Estamos orgulhosos de mais uma vez demonstrar o acesso flexível e resiliente ao espaço exigido por nossos parceiros governamentais. O Programa de Teste Espacial tem uma longa história de desenvolvimento de recursos espaciais e de lançamento avançados nos quais todos nós confiamos, desde sistemas de posicionamento global, comunicações por satélite, satélites meteorológicos e capacidades de reconhecimento de domínio espacial. Estamos orgulhosos de apoiar a continuação dessa inovação por meio de um lançamento rápido e ágil no Electron. ”

Módulo Nauka finalmente chega à estação espacial

Espaçonave de 20 toneladas amplia o segmento russo da ISS

O módulo de laboratório mulifuncional MLM-U Nauka acoplou-se ao módulo Zvezda da estação espacial internacional às 10:29 hora de Brasília, concluindo com sucesso a adição de mais um componente ao segmento russo da estação.

O Nauka aproximou-se usando o seu sistema de aproximação (convergência) Kurs-A, e a um determinado momento – a 14 metros da porta de acoplagem híbrida SSVP-M8000 ‘nadir’ – o diretor de voo no centro de controle de Moscou (TsUP), ex-cosmonauta Vladimir Solovyov, disse aos cosmonautas: “Oleg [Novitski, cosmonauta a bordo], vamos para o TORU [sistema de controle remoto].
Novitsky: OK. Eu ligo a fonte PU PBS .
Solovyov: Espere, Oleg, [o Nauka] começou a endireitar-se lentamente.” – e o sistema de controle remoto não precisou ser usado.

Tela do sistema de aproximação Kurs mostrando as leituras de distância, velocidade relativa e alinhamento entre o módulo e a estação espacial
Nauka acoplado ao Zvezda

Sequência de chegada e acoplagem do Nauka à ISS

Fases do lançamento, correção orbital e aproximação final do Nauka com a ISS
Fase de aproximação final, quando o Nauka se alinha com o eixo do sistema de acoplagem “nadir” do módulo de serviço Zvezda, para o encaixe.
Configuração da ISS com o Nauka se aproximando para acoplagem na porta recentemente liberada pelo Pirs
Configuração da ISS com o Nauka acoplado em definitivo ao módulo Zvezda

Ariane 5 colocará dois satélites em órbita no dia 30

Embratel e Eutelsat são os clientes

O próximo Ariane 5 ECA da Arianespace será lançado a partir da plataforma ELA-3 no Centro Espacial da Guiana (Centre Spatial Guyanais – CSG) em Kourou, Guiana Francesa. O lançamento está previsto para a próxima sexta-feira, 30 de julho, durante uma janela de lançamento das 21h às 22h30 UTC. Inicialmente planejada para 27 de julho, a missão foi reprogramada após uma revisão do cronograma de preparação.

Os dois satélites estão sendo lançados para dois clientes de longa data da Arianespace: Embratel, a maior operadora de satélites do Brasil e da América Latina e a Eutelsat, uma das maiores operadoras de satélites do mundo. A Arianespace já lançou onze satélites para a Embratel e trinta e cinco para a Eutelsat.

Os satélites

Eutelsat Quantum (massa total: 3.461 kg; a ser colocado em órbita de transferência geoestacionária, a seguir geoestacionária a 48° E).
O Eutelsat Quantum, construído em torno de um chassi SSTL GMP-T, é um satélite de comunicações experimental com uma carga útil reconfigurável por software. É desenvolvido em conjunto pela ESA, Eutelsat e Airbus Defense and Space. O Quantum é o primeiro satélite comercial definido por software totalmente flexível – que será usado para transmissão de dados e comunicações seguras. Como o satélite pode ser reprogramado em órbita, pode responder às demandas variáveis ​​durante sua vida útil. Seus feixes de radiofrequencia podem ser redirecionados para se moverem quase em tempo real para fornecer informações aos passageiros a bordo de navios ou aviões em movimento. Os feixes também podem ser ajustados para mais dados se a demanda aumentar. O Eutelsat Quantum pode detectar e caracterizar quaisquer emissões indesejadas, permitindo que responda dinamicamente a interferência acidental ou bloqueio intencional. O satélite permanecerá no espaço durante sua vida útil de 15 anos, após o qual será retirado de órbita com segurança.

Eutelsat Quantum

O programa Quantum é um abandono da abordagem tradicional, personalizada e única para a construção de satélites, oferecendo um design de carga útil novo e genérico. Pela primeira vez, permitirá aos usuários solicitar o desempenho e a flexibilidade de que precisam em termos de cobertura, largura de banda, potência e frequência.
Os satélites desenvolvidos sob o “guarda-chuva Quantum” serão mais baratos e rápidos de construir em comparação com os métodos atuais, pois usam subsistemas e equipamentos genéricos, permitindo uma produção em maior escala e um controle mais eficiente de estoque de peças.
O Quantum também será capaz de se “transformar” completamente em órbita. Uma vez no espaço, esse satélite “camaleônico” pode se adaptar a novos comandos em cobertura, banda de frequência, uso de energia e até mesmo mudar sua posição orbital. Isso o tornará a primeira geração de satélites universais capaz de atender a qualquer região do mundo e se ajustar a novos negócios sem que o usuário precise comprar e lançar um satélite totalmente novo. A espaçonave usará propulsão de propulsão convencional. A carga útil reconfigurável de todas as comunicações em banda Ku usará 5 kW de potência. A antena phased array foi fornecida pela divisão espanhola CASA da Airbus.

Star One D2 (massa total: 6,190 kg; a ser colocado em órbita de transferência geoestacionária e finalmente em geoestacionária a 70° W).
A empresa Star One encomendou o novo satélite de comunicações Star One D2 à SS / Loral em outubro de 2017. O Star One D2 está equipado com cargas úteis de banda C, Ku-, Ka e X para telecomunicações de alta velocidade (também para uso governamental na região do Atlântico), transmissão de televisão e banda larga rápida na América do Sul, México, América Central e partes do Oceano Atlântico. Ele foi projetado para fornecer serviço por 15 anos ou mais e é baseado na plataforma SSL 1300, altamente confiável, que tem a capacidade de oferecer suporte a uma ampla gama de aplicativos e avanços tecnológicos. O D2 vai se juntar à frota da Embratel, a maior operadora de satélite do Brasil e da América Latina, e uma unidade de negócios da Claro. Também será utilizado como ‘backhaul’ de rede móvel no Brasil, além de TV paga e Internet para clientes de governos e corporativos. Ele substituirá o C2, que era mais focado em direct-to-home, DTH.

Star One D2

Este satélite de alta capacidade, construído no confiável chassi da classe 1300 da Maxar, melhorará o acesso a entretenimento de alta qualidade e serviços de informação para clientes e empresas na América Latina. Hospeda múltiplas cargas úteis, o que permitirá expandir a cobertura de banda larga para novas regiões na América Central e do Sul, fornecer acesso à Internet para populações carentes e adicionar uma carga útil de banda X atualizada para uso governamental na região do Atlântico.

Este é o terceiro satélite que a Maxar fabrica para a Embratel. A Maxar construiu anteriormente o Star One C4, que foi lançado em julho de 2015 e faz serviço de televisão DTH no Brasil, e o Star One D1, que foi lançado em dezembro de 2016 e foi o primeiro satélite da família de satélites de quarta geração da Embratel.

Nauka segue em trajetória para acoplar com a ISS

A estação espacial é reposicionada para receber o módulo russo

Simulação do Nauka em aproximação com a ISS

O módulo multifuncional MLM-U Nauka esta programado para acoplar com a ISS às 10:26 hora de Brasília no próximo dia 29 de julho; em 26 de julho, a ISS realizou uma guinada de 180 graus, virando o segmento russo voltado para a direção do vôo, ao contrário do orientação de rotina com o segmento americano voltado para “frente” Essa atitude “invertida” permaneceu inalterada após o desengate do compartimento Pirs, há poucos dias. Além disso, para a chegada do Nauka, a estação será comandada a inclinar-se mais 90 graus para que a extremidade posterior (a ODU) do módulo de serviço Zvezda apontar para a Terra. Como resultado, a porta nadir do Zvezda (normalmente voltada para a superfície terrestre) agora estará apontando contra a direção de avanço da ISS. Como resultado, o Nauka se aproximará “por trás” da estação (em relação ao vetor de velocidade) e acoplará na porta SSVP-M G-8000 “nadir” do Zvezda – que não vai estar mais no ‘nadir’ e sim na ‘traseira‘.

Módulo Nauka

Hoje, quarta-feira, 28 de julho, especialistas do grupo de controle de vôo no Centro de Controle de Missão da TsNIIMash realizaram a manobra corretiva final no modo normal. Os motores foram ligados às 16:43:07, horário de Moscou ( 10:43:07 de Brasília). De acordo com as informações de telemetria, o sistema de propulsão funcionou normalmente. Não está planejado realizar novas correções de órbita antes das manobras finais para o acoplamento do Nauka com o segmento russo da Estação Espacial Internacional. A transmissão ao vivo do  acoplamento terá início no site da Roskosmos e nas páginas das redes sociais a partir das 15h40, horário de Moscou, 09:54 de Brasília.

Jeff Bezos e a adulação dos jornalistas

Dono de uma rede de mídia, não admira que o milionário seja defendido por uma grande parcela dos jornais

OPINIÃO ( * )

por Soledad O’Brien

Dias e horas antes de Jeff Bezos se lançar ao espaço no dia 20, assisti a uma discussão animada na TV a cabo sobre se isso era um “voo de fantasia de um homem de US $ 206 bilhões” ou “um momento histórico que poderia mudar tudo”. O que ele disse aos críticos que sugeriram que ele gastasse suas riquezas ajudando o planeta Terra? O que ele quis dizer quando disse que suas tecnologias irão “resolver problemas aqui na Terra” com viagens espaciais? Quando ele diz que ir para o espaço ressaltou “quão pequena e frágil” a Terra é, e como “temos que preservar este planeta” e cuidar dele ainda mais – mais do que o quê?

Todas essas foram perguntas difíceis – perguntas que precisavam ser feitas. Isso mudou após o vôo de 11 minutos. Na ABC, uma manchete dizia: “Jeff Bezos voa alto até a borda do espaço em um vôo histórico.” (A História real foi feita exatamente 52 anos atrás na Apollo 11.) “Jeff Bezos chega ao espaço – um pequeno passo em direção aos sonhos de grandes voos espaciais”, disse a National Geographic. (Eles estão comparando o “pincel” [o autor de refere ao formato do modulo de propulsao New Shepard com sua capsula de tripulação] de Bezos com o espaço com o primeiro passo na Lua de Neil Armstrong, aquele “pequeno passo” para o homem, um salto gigante para o momento da humanidade?)

“Ele é o homem mais rico do mundo e não temos escolha a não ser cobrir [reportar] seus hobbies”, declarou Tucker Carlson na Fox News. “Tínhamos uma escolha, e essa escolha era dar a esta aventura de um bilionário superpoderoso um olhar crítico ou ampliar seu hype. Infelizmente, escolhemos a comoção.”
“Jeff Bezos, você é um astronauta agora! Qual é a sensação ?! “disse Stephanie Rule na MSNBC, literalmente gesticulando e saltitando sobre os calcanhares. Ele é um astronauta? O piloto militar Alan Shepard treinou durante meses antes de se tornar o primeiro astronauta americano de verdade a chegar ao espaço. Este grupo [Bezos e sua equipe], que seguiu no “New Shepard”, havia treinado por 14 horas antes de embarcar nele como passageiros. “Você passou um tempo na fazenda do seu avô brincando de cowboys espaciais”, Ruhle disse a Bezos, que na verdade estava usando um chapéu de cowboy por nenhum motivo em particular, e seu irmão, que se juntou a ele no voo. “Mas isso é muito mais do que meninos que queriam ser astronautas.”

Mas foi isso? “Claramente é um momento de união para vocês dois. Você teve um momento “com vocês dois” lá em cima?” Gayle King em “CBS This Morning” perguntou aos irmãos Bezos. “É uma visão ousada, é uma visão ambiciosa”, disse um repórter da CNBC sobre os planos de construir a infraestrutura para voos contínuos, o que até deixou os irmãos Bezos em gargalhadas ao declarar que também era “muito divertido”. Tom Costello, da NBC, perguntou na entrevista coletiva: “Como você reduzirá os custos para que os voos sejam mais acessível para todos”. No momento, a empresa de Bezos está cobrando cerca de US $ 100 milhões nas passagens para civis ricos, não pessoas comuns. (A primeira pessoa comum real a tentar chegar ao espaço foi a professora Christa McAuliffe, que morreu a bordo do infeliz Challenger.) Os jornalistas sorriam e sorriam como crianças em vez de fazer perguntas difíceis. O voo espacial é importante e fascinante e tem o potencial de nos unir com um propósito comum. Todo o entusiasmo atrapalhou a exploração do que isso realmente significa – e não significa – para o uso crítico do espaço e seu potencial para promover o bem comum.

O que a imprensa deveria ter perguntado
Isso se encaixa perfeitamente na agenda de Jeff Bezos. Ele está rejeitando o prêmio de US $ 2,9 bilhões que a NASA deu à rival SpaceX para pousar astronautas na Lua até 2024. Um pouco de exagero para sua empresa Blue Origin não faz mal. Também o ajuda a avançar sua narrativa por ser tão grato ao público por financiar sua aventura, enquanto ignora que não foram apenas as compras da Amazon que alimentaram sua riqueza. Ele não pagou imposto de renda federal em 2007 ou 2011. Literalmente nem um centavo para o Medicare e Medicaid, Seguro Social ou nossa [os EUA] rede de segurança. Bezos reconheceu isso quando disse: “Quero agradecer a todos os funcionários e clientes da Amazon porque vocês pagaram por tudo isso.” Os jornalistas deveriam ter perguntado por que ele tem dinheiro para passeios emocionantes, mas não sua cota justa de impostos. Os jornalistas também poderiam ter perguntado por que Bezos não decidiu aumentar os salários [de seus funcionários], em vez de estender seu desejo ao espaço. Ou ambos. O lucro líquido da Amazon apenas nos primeiros três meses de 2021 foi de US $ 8,1 bilhões. Mesmo assim, o funcionário mediano ganhava um salário de US $ 29.007 [anual] em 2020, de acordo com a declaração anual de procuração da empresa. Depois, há o fato de Bezos perfurarviajar em um céu que não pertence a ninguém e a todos ao mesmo tempo, declarando que está decidido a lutar contra as mudanças climáticas, chegando a doar US $ 10 bilhões para a causa. Mas só em 2018 a Amazon “emitiu 44,4 milhões de toneladas de dióxido de carbono – maior do que a pegada de carbono da Suíça”, escreveu Dave Murphy, professor associado de estudos ambientais na St. Lawrence University, no USA TODAY.

Os jornalistas precisavam perguntar sobre isso. E eles não o fizeram. E ao não se manifestar, eles mostram por que Bezos, dono do Washington Post, não está apenas inaugurando uma nova era nas viagens espaciais, mas refletindo uma era triste no jornalismo. Este é um momento em que a mídia se entusiasma com bilionários e voos fantásticos e esquece que sua função é desafiar os poderosos e representar os impotentes. A repórter da CNN Business, Rachel Crane, acertou logo antes do lançamento, quando perguntou sobre as críticas de suas escolhas de gastos. “Eles estão amplamente certos”, disse Bezos a ela sobre seus críticos. “Temos que fazer os dois. Temos muitos problemas aqui e agora na Terra e precisamos trabalhar nisso, e sempre precisamos olhar para o futuro. Sempre fizemos isso como espécie, como civilização . “

Quando forçado a responder a perguntas difíceis, Bezos é na verdade forçado a participar de uma conversa sobre o papel dos ricos em causar danos ao nosso planeta e suas idéias sobre como consertá-lo. “Precisamos pegar toda a indústria pesada, toda a indústria poluidora, e movê-la para o espaço e manter a Terra como essa bela joia do planeta que ela é”, disse ele à NBC News. “Isso vai levar décadas e décadas para ser alcançado, mas você tem que começar. Grandes coisas começam com pequenos passos. ” Desta vez, foram pequenos passos para avançar as viagens espaciais bilionárias, mas um salto não tão gigante para a imprensa.

Soledad O’Brien é âncora do programa de política “Matter of Fact”, que ela co-produz com a Hearst Television. Ela é CEO da Soledad O’Brien Productions.

( * ) O Homem do Espaço não endossa uma grande parte dos conceitos emitidos neste texto – apesar de concordar em alguns aspectos.

NASA escolhe SpaceX para lançar a Europa Clipper

Sonda para lua de Júpiter deve ser lançada por foguete comercial

Depois de anos de especulação, a NASA anunciou, em em 23 de julho, que será o foguete Falcon Heavy que lançará a missão de exploração do sistema solar mais importante da agência na década de 2020 – a estação interplanetária joviana Europa Clipper. Com lançamento previsto para outubro de 2024, a missão de US$ 4,25 bilhões passará a maior parte da década restante voando para Júpiter antes de entrar em órbita ao redor do planeta em direção a seu alvo principal, Europa, a lua coberta de gelo de Júpiter; Ela de acordo com os cientistas, esconde um imenso oceano sob a superfície e, talvez, até mesmo alguma forma de vida. Em seguida, a espaçonave fará até 44 sobrevôos perto dela. O valor total do contrato de prestação de serviço para o lançamento é de cerca de US $ 178 milhões, um dado muito importante, pois sua conclusão permite à NASA economizar cerca de US $ 2 bilhões.

Estação interplanetária joviana Europa Clipper

A escolha do foguete para esta missão tem sido objeto de longa controvérsia política e técnica. Inicialmente, a pedido do Congresso, a NASA planejou lançá-lo em seu foguete SLS. Houve duas razões para isso. Primeiro, os legisladores queriam encontrar um uso para o foguete. Em segundo lugar, o SLS poderia entregar a estação automática a Júpiter em cerca de 4 anos. O SLS permitiria um trânsito para Júpiter em “linha reta”, tornando a chegada à esfera joviana mais rápida do que outros foguetes que contam com auxílio do gravidade (a chamada slingshot, estilingue, ou “gravity assist”), adicionando muito tempo para atingir o alvo.

No entanto, muitos na comunidade científica aconselharam por lançar a nave no Falcon Heavy, argumentando a favor do foguete privado. Por exemplo, a SpaceX ofereceu um preço melhor do que o SLS, que o governo estimou que custaria mais de US $ 2 bilhões. Os cientistas também estavam preocupados que o SLS simplesmente não estaria pronto na data de lançamento de 2024, e a escolha acabaria atrasando a missão científica. No entanto, os políticos continuaram a insistir para que a NASA lançasse uma missão em seu foguete. Uma série de eventos importantes os fizeram mudar de ideia:

Foguete Falcon Heavy

Em primeiro lugar, no final de 2018, a NASA concluiu que o Falcon Heavy podia completar uma missão sem uma manobra “slingshot” gravitacional perto de Vênus (em comparação a um outro foguete, o Delta IV Geavy da ULA) e, portanto, não precisaria entrar nas regiões internas do sistema solar. O Falcon Heavy poderia fazer isso com a adição de um estágio adicional de propelente sólido Star 48 ou, como foi decidido, usar o auxílio da gravidade de Marte e da Terra, chegando a Júpiter cinco anos e meio após o lançamento.

(A missão Europa Clipper tem uma janela de lançamento planetário em 2024 que abre em 10 de outubro e fecha no dia 30, com base em uma trajetória calculada pela NASA que pressupõe o lançamento em um foguete comercial. A espaçonave deixaria a Terra em um curso para encontrar Marte em 28 de fevereiro de 2025, em seguida, retornaria à Terra para um segundo sobrevoo assistido por gravidade em 2 de dezembro de 2026, colocando a nave em uma trajetória para entrar em órbita ao redor de Júpiter em 11 de abril de 2030. Existem janelas de lançamento de reserva disponíveis para em 2025 e 2026, com chegada a Júpiter no final dos anos 2030.)

Em segundo lugar, depois de refinar os planos para o programa lunar Artemis, a NASA percebeu que o contratante principal do primeiro estágio do foguete, a Boeing, simplesmente não poderia lidar com a tarefa de construção um foguete adicional para lançar o Europa Clipper a tempo. Todos os foguetes SLS seriam necessários para os esforços de pouso das missões Artemis na Lua.

O Falcon Heavy (FH) é o foguete operacional mais poderoso do mundo por um fator de dois. O primeiro estágio combinado do foguete tem mais de 2.267.970 quilogramas-força de empuxo na decolagem. Esse primeiro estágio é composto por três “cores” de Falcon 9: compreendendo 27 motores Merlin, todos trabalhando em conjunto, e funcionando juntos para criar um só veículo. Mas não é apenas a capacidade de carga que diferencia o Falcon Heavy. Ele também usa a tecnologia de foguete reutilizável. A SpaceX acredita que a reutilização é o avanço fundamental necessário para reduzir o custo das viagens espaciais. O FH utiliza seus ‘cores’ vindos de outros lançamentos. A SpaceX também sempre simplifica seus métodos de produção. Em vez de produzir uma variedade de motores diferentes com especificações diferentes, a empresa tem apenas um – o tipo Merlin 1D. Simplesmente, quanto mais poderoso o foguete deve ser, mais Merlins são ‘amarrados’ em seu primeiro estágio – no caso, o limite é dois ‘cores’ extras, como ‘boosters’. Aparentemente, o Falcon Heavy oferece um custo de cerca de US $ 1.300 por kg de carga útil. Em comparação, o antigo ônibus espacial da NASA custava US $ 60.000 por quilo. O tempo dirá qual será o impacto dessa queda de preço na indústria espacial.

Além disso, a questão do preço de lançamento era importante. A Câmara dos Representantes disse: “A missão Clipper deve usar um foguete reduza os custos gerais e sua complexidade, e acelerar os resultados científicos.” E, finalmente, o que forçou a agência a abandonar o SLS foi o problema com o próprio foguete. O foguete é impulsionado por dois grandes estágios de propelente sólido, os SRBs, que geram vibração significativa durante sua operação. O problema foi a carga de torção do lançamento sobre a nave espacial na ponta do foguete. Depois que a NASA conduziu testes em túnel de vento, o valor real desse estresse dinâmico foi quase o dobro das estimativas anteriores dos engenheiros. A agência anunciou que fundos adicionais, de US $ 1 bilhão, seriam necessários para tornar a espaçonave mais resistente a tais vibrações. Esses custos adicionais levaram a escolher o foguete da SpaceX para lançar a missão.

Rússia entrega último lote de motores RD-180 para os EUA

Última entrega de motores sob contrato atual para o foguete Atlas V da ULA

Em 14 de abril de 2021, a NPO Energomash  V. P. Glushko anunciou que seis motores RD-180 foram entregues a clientes americanos. Representantes das empresas Pratt & Whitney, United Launch Alliance e EP AMROSS assinaram os formulários dos motores. Durante duas semanas antes da transferência dos produtos, representantes dessas empresas, bem como da NASA e da Força Aérea dos Estados Unidos, realizaram um exame externo dos motores, peças de reposição e acessórios, bem como a revisão da documentação que os acompanha. 

Essa aceitação foi a primeira desde o início da pandemia, que obrigou os EUA a fazerem ajustes no cronograma de abastecimento no exterior. Os motores foram preparados preparados para embarque.  A entrega será a última do contrato atual. No total, no âmbito de mais de vinte anos de cooperação, a NPO Energomash forneceu 122 motores comerciais RD-180 para os Estados Unidos.

O motor-foguete que usa oxigênio líquido e querosene é projetado e fabricado pela NPO Energomash para uso como parte dos veículos de lançamento Atlas V da United Launch Alliance. Os lançamentos espaciais usando os RD-180 incluem a missão New Horizons a Plutão (2006), a missão LRO à Lua (2009), as missões Solar Dynamics Observatory (2010) e Solar Orbiter (2020); a missão Júpiter Juno (2011), missões Mars MRO (2005), Mars Science Laboratory (2011), MAVEN (2013), InSight (2018) e Mars-2020 (2020), e a OSIRIS -REx (2016). No final de 2018, um projeto de veículo de lançamento com seis blocos laterais equipados com RD-171 e um “core” central equipado com os RD-180 foi escolhido como configuração básica do novo foguete superpesado russo. A estréia do foguete está prevista para 2027, e o lançamento está previsto para 2028 a partir do cosmódromo de Vostochny.

Ignore Jeff Bezos voando ao espaço. Elon Musk, da Tesla, é o verdadeiro vencedor.

A verdade é que o cultuado Musk ainda está bem a frente dos concorrentes

OPINIÃO ( * )


por Al Root

O pessoal da Blue Origin comemora durante os ensaios de recuperação da cápsula da tripulação. Imagem Blue Origin

Os investidores geralmente querem saber qual é a história mais importante do dia, a coisa responsável por dirigir ações com potencial para se tornar um investimento que impulsiona o retorno por meses ou anos.

Jeff Bezos indo para o espaço não é isso.

Às vezes, essa grande coisa é óbvia. Na segunda-feira, foi a Covid-19 . O S&P 500 caiu 1,6%. O Dow Jones Industrial Average caiu mais de 2%. E por um bom motivo: as variantes do Covid-19 são um grande negócio, mesmo que a queda do mercado se revele outro ponto no caminho para retornos mais elevados.

Às vezes, porém, os investidores também precisam saber com o que não devem se preocupar. Você sabe qual é a história menos significativa de hoje? Jeff Bezos da Amazon.com indo para o espaço 

O voo bem-sucedido foi um pouco anticlímax para os espectadores da transmissão ao vivo. Houve muitos “woohoos” e “incríveis” ditos pela tripulação, até mesmo alguns “espantosos”. Ainda assim, a astronauta Wally Funk , de 82 anos, disse: “Foram apenas cerca de cinco minutos”.

Você não saberia pela cobertura, da qual tenho sido uma grande parte. Sou viciado em histórias sobre bilionários gastando seu dinheiro, um pouco como a revista People é viciada nos Kardashians . A analogia de Kardashian é adequada. A corrida espacial bilionária é entretenimento para investidores e pouco mais. É o equivalente moderno de um enorme jardim barroco ou um zoológico vitoriano completo com animais selvagens da Índia.

(A conferência de imprensa pós-lançamento incluiu uma espécie de zoológico próprio. A tripulação do New Shepard exibiu uma coleção de itens transportados no voo, incluindo um pedaço de um avião dos irmãos Wright, um medalhão de um passeio de balão de ar quente e um par de óculos de proteção de Amelia Earhart.)

Gastar dinheiro sempre foi uma grande coisa e, às vezes, beneficia a todos. As pessoas ainda podem visitar os jardins de Versalhes. Eles são impressionantes, até inspiradores. Todos, inclusive Bezos, sabem que o negócio das empresas de foguetes pessoais está pronto para receber críticas. O fundador da Amazon admite que os críticos do turismo espacial estão amplamente certos . Ainda assim, os defensores do espaço apontam para os benefícios potenciais de ultrapassar os limites tecnológicos. Afinal, o mundo pode acabar com jatos comerciais super rápidos ou carros voadores uma geração ou mais adiante.

Mas o “para ter certeza” da saga do turismo espacial não são os benefícios tecnológicos que podem advir de namoros espaciais bilionários. Os avanços tecnológicos de longo prazo são a razão teórica pela qual qualquer mania pode ser positiva para a sociedade. A era dot.com, por exemplo, nos deixou com a Amazon e acesso mais amplo à Internet.

Porém, nem todas as manias são tão generosas. A crise financeira foi impulsionada pela tecnologia financeira – obrigações de dívida colateralizadas e swaps de inadimplência de crédito. Ninguém está agradecendo às estrelas da sorte por esses produtos. Não há garantia de que as manias resultem em tecnologia útil. Basta olhar para a inovação financeira mais recente das negociações com comissão zero. Isso nos deu estoques de memes .

Mas se a corrida espacial fez alguma coisa, tornou a viagem para as estrelas mais barata do que nunca. O ônibus espacial custou cerca de US $ 450 milhões por missão, de acordo com os números da NASA. O próprio orbitador – a espaçonave na parte de trás dos foguetes – custou cerca de US $ 1,7 bilhão. No final das contas, uma geração que investiu em tecnologia de ônibus espaciais de custo acima da média deixou os Estados Unidos com filmes como Acampamento Espacial , contribuintes dos EUA com um pouco mais de dívidas e a falta de astronautas com capacidade de lançamento espacial doméstico por uma década.

Isso mudou agora, mas tem pouco a ver com Bezos ou Richard Branson da Virgin Galactic. Em vez disso, os amantes do espaço deveriam agradecer a Tesla e o CEO da SpaceX , Musk . Ele, como outros bilionários, expressou objetivos elevados para fazer da humanidade uma espécie multiplaneta. Musk, entretanto, não vai ao espaço em um voo turístico. Ele trouxe de volta as capacidades de lançamento para a América ao ser o pioneiro no uso de foguetes reutilizáveis. Ele está transportando astronautas da NASA para a Estação Espacial Internacional enquanto lança centenas de pequenos satélites que oferecem Wi-Fi baseado no espaço para clientes ao redor do globo. Em parte como resultado dessa decisão, a SpaceX vale cerca de US $ 74 bilhões nos mercados privados.

Compare-se isso com a Virgin Galactic , que vale cerca de US $ 7 bilhões depois de criar o que o analista da Canaccord Ken Herbert descreveu como “a Disney para 1% de 1%. ” Isso parece negativo, mas Herbert avalia as ações da Galactic como Compradas . Ele acredita que os clientes devem colocar o estoque em suas carteiras. E seu preço-alvo de $ 48 avalia o Galactic em cerca de $ 11,5 bilhões. Pode haver apenas um negócio de longo prazo no turismo espacial.

Isso ilustra o verdadeiro “com certeza” de uma história espacial bilionária. Se Bezos, ou Branson, deseja construir uma organização para levá-los ao espaço, que seja. Esses são empregos bem pagos para engenheiros brilhantes. Os bilionários podem fazer o que quiserem com seu dinheiro.

A desvantagem pode ser ter que ouvi-los. O analista do Morgan Stanley, Adam Jonas, escreveu na quarta-feira que os investidores devem “preparar-se para turistas espaciais mais ‘influentes’ para oferecer suas perspectivas de ‘efeito geral'”.

Nem mesmo as ações da Amazon pareciam se importar muito com o voo bem-sucedido de Bezos. As ações fecharam em alta de 0,7% na terça-feira, enquanto as ações da Virgin Galactic caíram 1,3%. As ações da Tesla subiram 2,2%, subindo pelo segundo dia consecutivo na corrida para relatar os números do segundo trimestre em 26 de julho . O S&P 500 ganhou 1,5%, recuperando -se da venda induzida pela Covid-19 de segunda-feira .

Na quarta-feira, um dia após o lançamento bem-sucedido, o estoque da Galactic está se recuperando de 4,1%, enquanto o S&P subiu 0,6%. As ações da Amazon caíram 0,4%.

( * ) – O Homem do Espaço não endossa uma grande parte dos conceitos emitidos neste texto – apesar de concordar em alguns aspectos.

Rússia: Módulo Pirs é desintegrado após 20 anos na ISS

Compartimento de acoplagem e atividade extraveicular partiu da ISS carregado por uma espaçonave cargueira

A Roskosmos informou que: “Na segunda-feira, 26 de julho de 2021, às 13:55:33 horário de Moscou, compartimento de acoplagem Pirs e o veículo de transporte de carga Progress MS-16 foram desencaixados juntos do módulo de serviço Zvezda da Estação Espacial Internacional. Após seu afastamento para uma distância segura da ISS, os especialistas da Equipe Principal de Controle Operacional do Segmento Russo na RKK Energia iniciaram a saída de órbita controlada.

De acordo com o programa inserido no computador de bordo e aos comandos do Centro de Controle de Voo da TsNIIMash, às 17:01 horário de Moscou, o motor principal foi ligado para a frenagem. Depois de funcionar por 17,5 minutos, produziu uma perda de velocidade de 120 m / s. Às 17:42, horário de Moscou, a espaçonave e o módulo entraram nas camadas densas da atmosfera da Terra, após mais 10 minutos, os destroços foram perdidos no cemitério das espaçonaves na parte não navegável do Pacífico Mar, a 3,6 mil km da cidade de Wellington e 5,8 mil km de Santiago.

Localização do compartimento SO-1 (DC-1 em inglês) no segmento russo da estação

O compartimento Pirs foi lançado do cosmódromo de Baikonur para a estação espacial em 15 de setembro de 2001. Foi colocado em órbita usando um foguete Soyuz-U e o módulo de transporte especializado de carga Progress M-SO1. Em 17 de setembro, foi acoplado com sucesso a porta nadir do módulo de serviço Zvezda do segmento russo da ISS.

Características do Pirs

1 – Sistema de acoplagem SSVP-M; 2 – Antena do sistema de televisão “Klyost”; 3 – Telas para proteção de antena de rádio; 4 – Antena direcional 2ASF1M-VKA número 1; 5 – Antena direcional de rastreamento automático 2ASF1M-VKA No 2; 6 – Escotilha de saída; 7 – Vigia; 8 – Corrimãos das escotilhas de saída; 9 – Bloco com conexões hidráulicas para bombeamento de propelente; 10 – O ponto de montagem-base BTS; 11 – Fechaduras magnéticas e mecânicas MMZ; 12 – Unidade de engate passiva SSVP; 13 – Antenas omnidirecionais AR-VKA e 2AR-VKA; 14 – Antena de orientação 4AO-VKA; 15 – Unidade de montagem do bloco BKDO; 16 – Setores não cobertos pela proteção de manta térmica EVTI no lançamento; 17 – Conectores elétricos; 18 – Placa com conectores para equipamento do sistema Kurs-P; 19 – Placa de circuito de vedação; 20 – Suporte para a válvula de drenagem do sistema de controle de temperatura; 21 – Antena omnidirecional AKP-VKA

Por 20 anos de operação, foi usado como uma baia de acoplagem para espaçonaves russas tripuladas e de carga. Até novembro de 2020, os cosmonautas faziam caminhadas espaciais do Pirs e, em novembro de 2020 e junho de 2021, usaram o compartimento gêmei Poisk para esses fins. Anteriormente, os cosmonautas Oleg Novitsky e Pyotr Dubrov prepararam o módulo russo para o desencaixe. O Pirs se tornou o primeiro módulo da estação que foi desacoplado dela. Esta operação possibilitou a liberação da porta de acoplagem do módulo de serviço Zvezda do segmento russo para receber o módulo de laboratório polivalente Nauka, que foi lançado do cosmódromo de Baikonur em 21 de julho. Sua acoplagem está prevista para o dia 29.

Pirs deixando a estação, acoplado ao Progress MS-16

O cargueiro Progress MS-16 foi lançado em 15 de fevereiro deste ano. Em 17 de fevereiro, foi acoplado ao Pirs. O cargueiro espacial levou à ISS cargas com massa superior a 2,5 toneladas, necessárias para manter seu voo em modo tripulado e implementar o programa de pesquisa científica e aplicada a bordo. No final de sua missão, ele completou a tarefa principal – desengatou-se e levou consigo o módulo Pirs.”

Bezos e cia não ganham “asas”

Chegar ao espaço não garante mais as “asas de astronauta”

A Federal Aviation Administration dos EUA estabeleceu novas regras relativas ao Programa “Comercial Wings” e os critérios usados ​​para premiar aqueles que comandam, pilotam ou trabalham em espaçonaves com financiamento privado com o emblema de ‘Astronauta Espacial Comercial Wings’. A ordem foi emitida em 20 de julho, e no mesmo dia, o bilionário e fundador da Amazon, Jeff Bezos, e sua tripulação do foguete Blue Origin fizeram história ao decolar do deserto do oeste do Texas, alcançando o espaço e retornando à Terra.

Mark e Jeff Bezos, Oliver e Wally

A NASA, a Força Aérea, a Federal Aviation Administration e alguns astrofísicos consideram que a fronteira entre a atmosfera e o espaço começa a 80 quilômetros de altitude. Bezos realmente atendeu ao requisito subindo 62 milhas acima do nível do mar.

Para ganhar as “asas”, a FAA agora afirma que os passageiros devem ter “demonstrado atividades durante o vôo que sejam essenciais para a segurança pública, ou contribuído para a segurança do vôo espacial humano“. Dada a automação do Blue Origin, Bezos não atende a esse critério. Os membros da primeira tripulação do vôo espacial Blue Origin foram Mark Bezos, irmão de Jeff Bezos; Jeff Bezos, fundador da Amazon e da Blue Origin; Oliver Daemen, da Holanda; e Wally Funk, pioneira da aviação. O New Shepard, um sistema de foguete e cápsula de 23 metros, foi projetado principalmente para o turismo espacial graças aos sistemas de voo totalmente automatizados, o que significa que ninguém estava pilotando a nave nem contribuindo para a “segurança do voo espacial humano”. Após a decolagem, o módulo de propulsão (o foguete) retornou às instalações para um pouso vertical enquanto a cápsula flutuou brevemente no espaço, então pousou perto do local de lançamento com a ajuda de paraquedas.

Os outros passageiros que se juntaram a Bezos no New Shepard – Oliver Daemen, de 18 anos, o irmão de Bezos, Mark, e a aviadora do grupo “Mercury 13” Wally Funk (enganosamente relatada como pertendente ao programa espacial americano) – também não se qualificaram como membros de tripulação de espaçonave, uma vez que a FAA os define como funcionários ou contratados associados a uma empresa envolvida no lançamento. A Blue Origin tem milhares de empregados em vários estados americanos. A Virgin Galactic do concorrente Richard Branson, que fez seu próprio voo espacial uma semana antes de Bezos , tem mais de 800 funcionários.

Índia vai testar mais protótipos de sua nave tripulada

Segundo a ISRO, mais duas naves serão lançadas em voo de teste

Foguete GSLV Mk-III configurado para lançar a Gaganyaan

A Organização de Pesquisa Espacial Indiana (Indian Space Research Organization ISRO), que originalmente planejava lançar duas espaçonaves em modo não tripulado antes que sua nave Gaganyaan coloque os astronautas indianos em órbita, pode realizar mais lançamentos não tripulados, o que poderia estender o período de preparação para um voo tripulado. O anúncio foi feito pelo chefe da ISRO, Kailasavadiv Sivan em uma entrevista ao jornal Times of India.
“Podemos precisar completar mais de dois voos não tripulados. (…) Com base no desempenho dos sistemas da nave durante o primeiro e segundo voos não tripulados e na avaliação dos dados recebidos, o conselho consultivo decidirá se precisamos de mais missões. antes que os astronautas sejam incluídos “. As palavras de Sivan foram citadas na segunda-feira.
Mais cedo, Sivan disse à imprensa que o primeiro voo não tripulado de uma nave indiana em órbita, previsto para o final deste ano, dificilmente ocorrerá até junho de 2022, já que os trabalhos preparatórios foram atrasados ​​pela pandemia do coronavírus.
O chefe da ISRO também disse ao jornal que os primeiros astronautas indianos poderiam passar menos tempo em órbita do que o planejado originalmente. “A preparação e o desenvolvimento dos sistemas baseiam-se no fato de os astronautas permanecerem no espaço durante uma semana. No entanto, durante a primeira missão, podemos ter um pouco mais de cuidado. Ao mesmo tempo, ainda não foi decidido quanto tempo eles vão passar em órbita “, disse Sivan.

Seção de cabeça do GSLV-Mk III com a espaçonave e o sistema de escape


Ele disse que a ISRO pretende usar pelo menos 40 estações de rastreamento em solo – tanto na Índia quanto em outros países – para monitorar o vôo dos astronautas, e também está previsto o uso de dois satélites.
“Normalmente, precisamos apenas de algumas estações para rastrear nossos satélites. Mas para o vôo tripulado, precisa-se rastrear toda a órbita, então vamos nos conectar a 40 estações ao redor do mundo”, explicou o chefe da agência espacial indiana. Ele esclareceu que as estações cobrirão apenas 40% da órbita de vôo da espaçonave, e os 60% restantes serão rastreados por dois satélites de observação, o primeiro dos quais estará pronto em março/abril do próximo ano, e o segundo no início de o segundo vôo não tripulado.
O interlocutor da imprensa disse ainda que os membros da primeira nave espacial indiana, ao regressarem à Terra, irão amerrissar nas águas do Mar da Arábia ou do Golfo de Bengala. “O Mar da Arábia é menos ‘acidentado’ em comparação com a Baía de Bengala, mas esta tem melhor infraestrutura, já que o pouso será mais próximo de Port Blair. Estamos deixando as duas opções em aberto nesta fase”, disse Sivan.

Perfil de voo da missão tripulada

Em agosto de 2018, o primeiro-ministro indiano Narendra Modi anunciou oficialmente que seu país enviaria a primeira tripulação espacial nacional em órbita até agosto de 2022, quando a Índia celebrará 75 anos de libertação do domínio colonial britânico. O nome do projeto é “Gaganyan” (do sânscrito “gagana” – céu), ou seja, “navio celestial”. Foi planejado originalmente que os três tripulantes passariam de cinco a sete dias em órbita, e que antes disso, haveria dois lançamentos de naves em modo não tripulado para verificar o equipamento. Essas devem ter manequins-robôs especialmente projetados a bordo para testar os sistemas de suporte de vida.
No entanto, como disse o chefe da ISRO Kailasavadiv Sivan em novembro do ano passado, devido à pandemia de coronavírus, que interrompeu a maior parte dos trabalhos do projeto em março de 2020, o envio da missão Gaganyan à órbita foi adiado, e até agora o as datas exatas do primeiro vôo tripulado indiano não foram anunciadas.

Artemis: Em carta-aberta à NASA, Bezos faz jogada no poquer do programa espacial

Carta do chefe da Blue Origin tentando recuperar o papel no programa Artemis da NASA

Jeff Bezos pessoalmente demitiu alguns dos gerentes de alto nível da sua unidade de produção – funcionários da gerência de nível médio no Exploration Park Facility. Os gerentes de nível superior do projeto do motor BE-4 ( encomendado pela ULA para seu foguete Vulcan) também foram recentemente demitidos. A Blue Origin atua como uma típica empresa aeroespacial no antigo estilo, como a Lockheed Martin e a Boeing (vários dos gerentes seniores da Blue vêm dessas mesmas empresas e sabem como “jogar” este pôquer político-corporativo). Espalhar fake news, para fazer a concorrência parecer incompetente, é apenas uma das ferramentas que usam. Quanto mais a SpaceX ficar à frente da concorrência, mais os competidores como Bezos começarão a jogar esse “jogo” injusto. Espalhar mentiras sobre o desenvolvimento do motor Raptor da empresa de Elon Musk é um exemplo disso.

A Blue Origin lidera um time de empresas com sólido embasamento técnico, porém moldado no comportamento corporativo tradicional da indústria de fornecimento de serviços para o setor público amerciano.

Integra da carta (Google Translator)

Caro Administrador Nelson:

A Blue Origin está comprometida em construir um futuro onde milhões de pessoas vivam e trabalhem no espaço para beneficiar a Terra. Estamos convencidos de que, para promover o futuro da América no espaço, a NASA deve agora retornar à Lua com rapidez e segurança. A NASA tem a oportunidade de inspirar novamente uma nova geração de cientistas, engenheiros e exploradores.

É por isso que a Blue Origin atendeu ao chamado urgente da NASA para desenvolver um Sistema de Aterrissagem Humana. Construímos a Seleção Nacional (National Team) – com quatro grandes parceiros e mais de 200 pequenos e médios fornecedores em 47 estados – com o objetivo de projetar, construir e operar um sistema de voo com o qual o país pudesse contar. A NASA investiu mais de meio bilhão de dólares na Seleção Nacional em 2020-21, e tivemos um bom desempenho. A equipe desenvolveu e reduziu o risco de um projeto seguro e eficiente em massa, que poderia atingir um pouso humano em 2024. 

Nossa abordagem é projetada para ser sustentável para repetidas missões lunares e, acima de tudo, para manter nossos astronautas seguros. Criamos um sistema de pouso lunar do século 21 inspirado na bem caracterizada arquitetura Apollo – uma arquitetura com muitos benefícios. Um de seus importantes benefícios é que prioriza a segurança. Como a NASA reconheceu, o projeto da National Team oferece uma “abordagem abrangente para abortos e contingências [que] prioriza a segurança da tripulação em todas as fases da missão.” 

Ao contrário da Apollo, nossa abordagem é projetada para ser sustentável e crescer em operações lunares permanentes e acessíveis. Nosso módulo de pouso usa hidrogênio líquido como combustível. O hidrogênio não é apenas o combustível de foguete de maior desempenho, mas também pode ser extraído na Lua. Esse recurso será essencial para operações futuras sustentadas na Lua e além.

Desde o início, projetamos nosso sistema para voar em vários veículos de lançamento, incluindo o Falcon Heavy, SLS, Vulcan e New Glenn. O valor de poder voar em muitos veículos de lançamento diferentes não pode ser exagerado. A flexibilidade do veículo lançador é uma grande redução de risco geral para as operações iniciais e de manutenção. Ele desacopla quaisquer riscos associados à suspensão do veículo lançador e garante preços de lançamento competitivos em perpetuidade. Mais uma vez, a NASA reconheceu esse recurso valioso quando afirmou que nosso projeto permitia “uma abordagem de lançamento que fornece flexibilidade e minimiza o risco. A missão HLS inicial da Blue Origin requer apenas três lançamentos comerciais. Este número muito baixo … reduz o risco de falha da missão devido a anomalias de lançamento.

No entanto, apesar desses benefícios e no último minuto, o oficial de seleção de fontes desviou-se da estratégia de aquisições frequentemente declarada da Agência. Em vez de investir em duas sondas lunares concorrentes, como originalmente planejado, a Agência escolheu conferir uma vantagem de vários anos e bilhões de dólares para a SpaceX. Essa decisão quebrou o molde dos programas espaciais comerciais bem-sucedidos da NASA, colocando um fim à competição significativa nos próximos anos. Ele também eliminou os benefícios de utilizar a ampla e capaz base de suprimentos da Seleção Nacional (em oposição a financiar a abordagem de SpaceX verticalmente integrada) e bloqueia cada viagem à Lua em mais de 10 lançamentos de foguetes SuperHeavy / Starship apenas para obter um único módulo de pouso à superfície.

Em vez dessa abordagem de fonte única, a NASA deveria abraçar sua estratégia original de competição. A competição impedirá que qualquer fonte única tenha uma influência intransponível sobre a NASA. Sem competição, dentro de pouco tempo do contrato, a NASA se verá com opções limitadas enquanto tenta negociar prazos perdidos, mudanças de projeto e estouros de custo. Sem competição, as ambições lunares de curto e longo prazo da NASA serão adiadas, custarão mais caro e não servirão ao interesse nacional.

Nas últimas semanas, as deficiências dessa seleção de fonte única foram reconhecidas e a NASA começou a solicitar novas propostas de naves lunares. Mas, infelizmente, essa nova abordagem não criará verdadeira concorrência porque é apressada, não tem financiamento e oferece uma vantagem de vários anos para o único fornecedor financiado. As solicitações do Apêndice N e do LETS são apenas substitutos ópticos para a competição real que um segundo desenvolvimento de lander simultâneo diferente proporcionará. A Agência deve agir agora para criar a concorrência real de que necessita e não deve repetir o trabalho já realizado e os investimentos já realizados.

Em abril (antes de sua confirmação como administrador da NASA), apenas um licitante do Human Landing System – HLS, a SpaceX, teve a oportunidade de revisar seu preço e perfil de financiamento, levando à sua seleção. A Blue Origin não teve a mesma oportunidade. Isso foi um erro, foi incomum e foi uma oportunidade perdida. Mas ainda não é tarde para remediar. Estamos prontos para ajudar a NASA a moderar seus riscos técnicos e resolver suas restrições orçamentárias e colocar o Programa Artemis de volta em um caminho mais competitivo, confiável e sustentável. Nosso contrato HLS do Apêndice H ainda está aberto e pode ser alterado. 

Com isso em mente e em nome da Seleção Nacional, oferecemos formalmente o seguinte para sua consideração:

  • A Blue Origin preencherá a lacuna do financiamento orçamentário do HLS renunciando a todos os pagamentos no ano fiscal atual e nos próximos dois anos fiscais de até US $ 2 bilhões para colocar o programa de volta nos trilhos agora. Esta oferta não é um adiamento, mas sim uma renúncia definitiva e permanente a esses pagamentos. Essa oferta dá tempo para que as ações de apropriação do governo se recuperem. 
  • A Blue Origin irá, às suas próprias custas, contribuir com o desenvolvimento e lançamento de uma missão de descoberta para a órbita baixa da Terra do elemento de descida lunar para reduzir ainda mais o desenvolvimento e programar os riscos. Esta missão Pathfinder é oferecida em adição ao plano de base de realização de uma missão de pouso desencontrada de um precursor antes de arriscar qualquer astronauta à Lua. Esta contribuição para o programa está acima e além dos mais de $ 1Bi de contribuição corporativa citada em nossa proposta da Opção A que financia itens como nosso motor de pouso lunar BE-7 desenvolvido de forma privada e armazenamento indefinido de hidrogênio líquido no espaço. Todas essas contribuições são adicionais à isenção de $ 2 bilhões de pagamentos mencionada acima. 
  • Finalmente, a Blue Origin aceitará um contrato firme de preço fixo para este trabalho, cobrirá qualquer excesso de custo de desenvolvimento de sistema e protegerá a NASA de preocupações com o aumento dos custos dos parceiros.

Eu acredito que esta missão é importante. Estou honrado em oferecer essas contribuições e sou grato por estar em uma posição financeira para poder fazê-lo. A NASA mudou sua estratégia original de aquisição de fonte dupla devido a problemas orçamentários de curto prazo percebidos, e esta oferta remove esse obstáculo.

Se a NASA tiver ideias diferentes sobre o que melhor facilitaria o retorno à verdadeira competição agora, estamos prontos e dispostos a discuti-las.

Vimos que há um forte apoio bipartidário do Congresso para uma segunda nave e para o Programa Artemis em geral. Junto com esse apoio, acreditamos que esta oferta fornece uma base sólida, tanto técnica quanto fiscalmente, para o retorno dos americanos à Lua – desta vez para ficar.

A National Team está pronta. Tudo o que a NASA precisa fazer é aproveitar esta oferta e alterar o contrato do Apêndice H que mantemos hoje. 

Sinceramente e com muito respeito,

Jeff Bezos

CEO da Blue Origin

Pirs deixa a ISS

Compartimento de acoplamento encerra sua atividade proveitosa de vinte anos na estação espacial internacional

A nave cargueira Progress MS-16 separou-se do segmento russo da estação carregando com ela o compartimento de acoplagem e serviços extraveiculares com sucesso às 07:56 hora de Brasília. O Pirs (ou SO-1) foi lançado em 2001 e acoplou-se ao módulo de serviço Zvezda, servindo deste então de seção de transbordo entre o segmento russo e naves de carga e de tripulação, além de posto de saída para atividades fora da nave para os cosmonautas. A partida do Pirs abre caminho para a chegada do novo módulo russo Nauka, que ocupará a porta de engate liberada hoje. A combinação Pirs/Progress reentrará na atmosfera por volta das 11:42 sobre o Oceano Pacífico, desintegrando-se.

Pirs/Progress pouco antes do desengate
Configuração da ISS antes da partida da Progress
Configuração da ISS depois da partida da Progress
Pirs/Progress em voo livre
Mecanismos de acoplagem do sistema “pino-cone” envolvidos na operação de hoje:
A – sistema SSVP-M8000 híbrido ativo (na frente do Pirs, acoplado ao híbrido passivo “nadir” do Zvezda) ; B – sistema SSVP-G4000 padrão passivo (na traseira do Pirs, engatado ao SSVP-G4000 ativo do Progress); C – cabeça do mastro de captura
1 – mastro com cabeça; 2 – limitador de movimento angular; 3 – cone receptor; 4 – tomada receptora; 5 – sensor de contato; 6 – trava; 7 – sensor de acoplamento
A combinação Pirs/Progress MS-16 pesa cerca de 10,6 toneladas

Cronograma da partida do Pirs/Progress MS-16

Nave russa removerá o compartimento que serviu por 20 anos na ISS

De acordo com o programa de voo russo da Estação Espacial Internacional, em 26 de julho de 2021, está planejado o desacoplamento do veículo de carga Progress MS-16 e do compartimento de acoplamento Pirs.

Progress MS carregando o Pirs

Dados balísticos nominais sobre o desengate da nave de carga Progress MS-16 com o compartimento Pirs do segmento russo da estação

Operação
 
Tempo estimado *
horário de Moscou )
Tempo estimado *
UTC )
Emissão do comando para desacoplar a espaçonave Progress MS-16/ ​​módulo Pirs da ISS26.07.2021 13:53:0026.07.2021  10:53:00
Separação física da Progress MS-1626.07.2021  13:56:0026.07.2021  10:56:00
Ignição de afastamento26.07.2021  13:59:0026.07.2021  10:59:00
Acionamento do motor da Progress MS-16 para sair da órbita.
Impulso  120,0 m / s
26.07.2021  17:01:2226.07.2021  14:01:22
Desligamento do motor da Progress MS-1626.07.2021  17:18:5926.07.2021  14:18:59
Entrando na atmosfera da Progress MS-16/módulo Pirs26.07.2021  17:42:3026.07.2021  14:42:30
Queda de elementos estruturais não combustíveis no Oceano Pacífico26.07.2021  17:51:4026.07.2021  14:51:40

Local de queda de elementos estruturais no Oceano Pacífico : Entre  3.630 km de Wellington (Australia) e 5.870 km de Santiago (Chile).

Compartimento Pirs deve ser separado da estação espacial, abrindo caminho para o Nauka

Amanhã, nave Progress MS-16 vai carregar o compartimento para longe da ISS

A separação do Pirs faz parte da sequência de chegada e acoplagem do novo módulo Nauka à ISS. Com base nos resultados de uma reunião operacional do grupo de controle no Centro de Controle da Missão em Korolev (TsUP) da TsNIIMash (afiliada à Roskosmos), “com base nos dados obtidos por telemetria e na necessidade de obter condições de órbita ideais, decidiram ajustar os planos para desacoplar e descartar o módulo Pirs”.

Progress MS-16 (espaçonave nª 445) desacopplada carregando o Pirs

Essas operações estão programadas para segunda-feira, 26 de julho de 2021. No sábado, os cosmonautas russos Oleg Novitsky e Pyotr Dubrov fecharam as escotilhas de transferência entre o Pirs e o segmento russo da Estação Espacial Internacional (especificamente do módulo Zvezda) e verificaram se havia vazamentos. A separação física do o veículo de carga Progress MS-16 acoplada ao Pirs está provisoriamente programada para 13:56, horário de Moscou (07:56 de Brasília), em 26 de julho, e a queda dos elementos do módulo e da espaçonave no Oceano Pacífico – às 17:51, de Moscou (11:51 Brasilia), no mesmo dia.
Agora, o compartimento de acoplamento Pirs está engatado à porta nadir do módulo Zvezda do segmento russo. Está previsto que após o desencaixe o seu lugar será ocupado pelo módulo de laboratório polivalente Nauka, lançado quarta-feira passada do cosmódromo de Baikonur e está em voo automático. O novo módulo está em voo independente em órbita de 334 x 409 km.

Configuração da ISS antes do lançamento do Nauka; a nave Progress MS-16 está acoplada ao compartimento Pirs, que por sua vez está conectado ao módulo Zvezda
Configuração da ISS com a confirmação da aproximação bem-sucedida do Nauka; a nave Progress MS-16 parte levando com ela o Pirs
Configuração da ISS com o Nauka se aproximando para acoplagem na porta recentemente liberada pelo Pirs
Configuração da ISS com o Nauka acoplado em definitivo ao módulo Zvezda

O módulo de acoplamento Pirs (Stykovochnyy Otsek SO-1 ou ‘aparelho 240GK’, número de série 1) é um compartimento do segmento russo da estação, acoplado na porta “nadir” do Zvezda. Destinava-se a ser usado como um ponto de acoplagem adicional para espaçonaves tripuladas e de carga do tipo Soyuz e Progress e para garantir a saída de cosmonautas e astronautas para o espaço aberto. Lançado em 15 de setembro de 2001, como parte de uma nave Progress modificada, acoplou-se ao Zvezda e iniciou suas atividades. O conjunto do Pirs com a Progress MS-16 tem uma massa de cerca de 10.600 kg. A Progress fará as manobras normais de frenagem e reentrada, usuais para todas as naves da série após concluída a sua missão.

Saiba mais sobre o Pirs no livro Estações Espaciais Vol II- Estação Espacial Internacional

Estação espacial da China deve hospedar mil experimentos científicos

Pesquisadores de todo o mundo aguardam a conclusão da estação Tiangong

Pesquisas vão da matéria escura e ondas gravitacionais à biotecnologia.

O astronauta chinês Nie Haisheng trabalha dentro do módulo Tianhe. – foto Jin Liwang / Xinhua / eyevine

A China lançou o núcleo de sua estação espacial em abril e enviou para ela três astronautas, ou “taikonautas’, em junho. Mas embora provavelmente não esteja concluída até o final de 2022, já existe uma longa fila de experimentos de todo o mundo esperando para começar. Cientistas na China disseram à revista Nature que a China Manned Space Agency (CMSA) aprovou provisoriamente mais de 1.000 experimentos, vários dos quais já foram lançados. Antes de abril, a Estação Espacial Internacional (ISS) era o único laboratório em órbita, e muitos pesquisadores dizem que o Complexo Tiangong (‘palácio celestial’ ou CSS Chinese Space Station) é uma adição bem-vinda para a observação astronômica e terrestre e para estudar como a microgravidade e a radiação cósmica afetam os fenômenos como crescimento bacteriano e a mistura de fluidos. No entanto, outros argumentam que as estações espaciais com tripulação são caras e servem mais a um propósito político do que científico. “O aumento do acesso científico ao espaço traz benefícios científicos em todo o mundo, não importa quem constrói e opera essas plataformas”, diz Julie Robinson, cientista-chefe para exploração e operações tripuladas na sede da NASA, em Washington DC.

Configuração atual da estação espacial chinesa – Os parâmetros orbitais em 22 de julho de 2021, 08:00:00 am (UTC / GMT + 08: 00); Apogeu, 394,9 km; perigeu: 384 km; Inclinação: 41,581 °; Altitude média: 389,47 km; Velocidade: 7,68 km / s

“Precisamos de mais estações espaciais, porque uma estação definitivamente não é suficiente”, acrescenta Agnieszka Pollo, astrofísica do Centro Nacional de Pesquisa Nuclear de Varsóvia, que faz parte de uma equipe que envia um experimento para estudar explosões de raios gama.

Aberta para o mundo – A ISS foi lançada em 1998, como uma parceria entre agências espaciais dos Estados Unidos, Rússia, Europa, Japão e Canadá. Ela já abrigou mais de 3.000 experimentos desde então, mas a China está impedida por causa das regras dos EUA que proíbem a NASA de usar seus fundos para colaboração com os chineses. Embora a maioria dos experimentos programados para a Tiangong envolvam pesquisadores chineses, a China diz que sua estação estará aberta à colaboração de todos os países, incluindo os Estados Unidos. Em junho de 2019, a CMSA e o Escritório das Nações Unidas para Assuntos Espaciais (UNOOSA), que promove a colaboração no espaço, selecionou nove experimentos – além dos mil que a China aprovou provisoriamente – para seguirem assim que a estação espacial estiver concluída. Simonetta Di Pippo, diretora do UNOOSA em Viena, diz que eles envolvem 23 instituições em 17 nações.

Estação espacial chinesa em sua configuração completa

A China já havia lançado dois pequenos laboratórios espaciais – os “veículos-alvo” Tiangong-1 e Tiangong-2. Eles hospedaram mais de cem experimentos, circulando a Terra por vários anos, mas não estão mais em órbita . A estação espacial oferece novas instalações, e a China está encorajando experimentos “nunca antes tentados no espaço”, diz Tricia Larose, pesquisadora médica da Universidade de Oslo, que está liderando um projeto planejado para 2026. “Eles estão dizendo, sim, construa seu equipamento, projete algo totalmente novo, faça algo que nunca foi feito antes e envie-o para nós. ” Embora a maioria dos projetos aprovados até agora sejam liderados por pesquisadores chineses, muitos têm colaboradores internacionais, diz Zhang Shuang-Nan, astrofísico do Instituto de Física de Altas Energias da Academia Chinesa de Ciências (CAS) em Pequim, que assessora a CMSA.

‘As salas de jogos dos cientistas’ – A primeira seção do Tiangong a chegar foi o módulo central conhecido Tianhe (‘harmonia dos céus’). No final de maio, um cargueiro Tianzhou-2 (‘navio celestial’) foi enviado e acoplado, entregando combustível, trajes espaciais e equipamentos. Em junho, três astronautas chineses – ou ‘taikonautas’ – a bordo do Shenzhou-12 (‘navio divino’) também acoplaram, entrando na cabine de 16 metros de comprimento que será sua casa por três meses. Durante o próximo ano e além, a CMSA enviará outras oito missões para Tiangong. Duas vão levar os módulos Wentian (‘busca pelos céus’) e Mengtian (‘sonho com os céus’), que irão abrigar principalmente experimentos científicos.

Essas serão “as salas de jogos dos cientistas”, diz Paulo de Souza, físico da Griffith University em Brisbane, Austrália, que desenvolve sensores usados ​​no espaço. A estação espacial terá mais de 20 racks experimentais, que são mini-laboratórios com ambientes fechados e pressurizados, diz Yang Yang, diretor de cooperação internacional do Centro de Tecnologia e Engenharia CAS para Utilização do Espaço em Pequim. Lá fora, haverá 67 pontos de conexão para equipamentos de pesquisa voltados para a Terra ou para o céu, diz Yang, e um computador central processará os dados dos experimentos antes de enviá-los de volta à Terra.

Organoides e matéria escura – Os experimentos enviados para a nova estação espacial abrangem vários campos. Zhang é o investigador principal do HERD (Instalação de Detecção de Radiação Cósmica de Alta Energia), que é uma parceria envolvendo Itália, Suíça, Espanha e Alemanha, prevista para 2027. Este detector de partículas estudará matéria escura e raios cósmicos e custará cerca de 1 bilhões a 2 bilhões de yuans (US $ 155 milhões a US $ 310 milhões), diz Zhang.

Zhang e Pollo também estão envolvidos no POLAR-2, que estudará a polarização dos raios gama emitidos por grandes e distantes explosões, com o objetivo de esclarecer as propriedades dessas explosões de raios e possivelmente até das ondas gravitacionais. Larose planeja enviar bolhas 3D de tecido intestinal saudável e canceroso, conhecidas como organoides. Ela quer descobrir se o ambiente de gravidade muito baixa vai desacelerar ou parar o crescimento das células cancerosas, o que pode levar a novas terapias.

Taikonauta Liu Boming realiza a segunda caminhada espacial chinesa depois de chegar a Tiangong em junho. – foto Jin Liwang / Xinhua / eyevine

Outros projetos de cientistas da Índia e do México estudarão as emissões ultravioleta de nebulosas e dados infravermelhos terrestres para estudar as condições meteorológicas e o que causa tempestades. Apesar de muitos dos projetos serem parcerias entre cientistas chineses e ocidentais, as tensões geopolíticas tornaram certas colaborações mais difíceis, observa Larose. Ela diz que a Noruega ainda não assinou um acordo bilateral com a China que daria luz verde a seu projeto. Merlin Kole, astrofísico da Universidade de Genebra, na Suíça, que também está trabalhando no POLAR-2, acrescenta que a adesão mais rígida às regulamentações de exportação significa que há burocracia adicional em torno do envio de equipamento eletrônico para a China. Mas Di Pippo diz que as tensões até agora não tiveram impacto no andamento dos projetos selecionados pelo UNOOSA, acrescentando que a agência está discutindo com a CMSA o envio de mais experimentos para a Tiangong até o final do próximo ano.

“Golpe científico por dinheiro” – Alguns cientistas argumentaram que estações espaciais com tripulação são um desperdício de dinheiro – o custo da Tiangong não foi divulgado, mas a ISS custou cerca de US $ 118 bilhões para construir e manter durante sua primeira década. “Você obteria um retorno científico muito maior com as missões robóticas”, diz Gregory Kulacki, analista de questões de segurança da China para a Union of Concerned Scientists, um grupo com sede em Cambridge, Massachusetts. “Na China, assim como nos Estados Unidos, tem havido uma tensão entre os cientistas que querem fazer a melhor ciência possível, e que preferem missões robóticas, e governos que querem usar programas tripulados principalmente para fins políticos. ”

Mas outros pesquisadores apontam que, embora os satélites ofereçam uma alternativa para algumas observações, para muitos experimentos, especialmente aqueles que requerem microgravidade, as estações espaciais tripuladas são essenciais. Elas fornecem um lar para observações de longo prazo, capacidade de processamento de dados e acesso para astronautas que podem realizar tarefas de manutenção e experimentos. Além disso, além de experiências de hospedagem de pesquisadores, o complexo Tiangong pretende testar tecnologias de viagens espaciais para apoiar os objetivos de exploração espacial da China, diz Zhang. Com o financiamento atual da ISS funcionando apenas entre 2024 e 2028, também é possível que a Tiangong eventualmente se torne a única estação espacial em operação. Projeta-se que a CSS chinesa operará por pelo menos uma década, e o país já tem planos de lançar outras espaçonaves para trabalhar em conjunto com ela. O China Survey Space Telescope, ou Xuntian (‘pesquisa os céus’), será um telescópio óptico de dois metros que vai rivalizar com o Hubble Space Telescope da NASA e periodicamente se acoplará ao Tiangong para reabastecimento e manutenção. Com lançamento previsto para 2023, ele terá um campo de visão maior do que o do Hubble para perscrutar o universo profundo.

Rússia: minissatélite militar não decola hoje

Foguete Soyuz 2.1v lançaria um “Razbeg”

A Rússia deixou de lançar hoje um satélite experimental para monitorar a superfície terrestre Razbeg (“decolagem”). Os avisos ‘NOTAM’s de exclusão terrestre e aérea emitidos anteriormente foram suspensos. A massa do satélite chega a 250 kg, várias vezes menor em comparação com os satélites existentes de finalidade semelhante. O Razbeg foi desenvolvido pela empresa VNIIEM para o Ministério da Defesa da Federação Russa. “O Ministério da Defesa russo confirmou a informação sobre o desenvolvimento de tal espaçonave, mas se recusou a comentar mais. A VNIIEM ainda não comentou sobre o estado do trabalho no novo satélite”, disse o jornal Ivestiya. De acordo com outra fonte da indústria o lançamento deve ser realizado a partir do cosmódromo militar de Plesetsk (região de Arkhangelsk) usando o veículo de lançamento leve Soyuz-2.1v.

Minissatélite Razberg


De acordo com o jornal, a vantagem do novo satélite é a sua compactação e baixo peso. “As tecnologias modernas permitem confiar a tais dispositivos o levantamento de recursos naturais, mesmo em resolução submétrica. O veículo está sendo para os militares russos que poderão, assim, estabelecer uma frota de satélites controlando todo o planeta por meio de apenas alguns lançamentos”, diz a publicação.

Sobre a VNIIEM
A VNIIEM Korporatisya é especializada na criação de satélites de observação óptica. Um satélite deste fabricante em particular foi perdido em um acidente espacial há anos. Devido ao acidente, o lançamento de mais dois satélites ERS produzidos pela empresa – os “Kanopus-V” nº 3 e nº 4, tiveram de ser adiados para os anos seguintes. Segundo o escritor de cosmonáutica Vitaly Egorov, as pequenas e modernas espaçonaves em breve serão capazes de competir com veículos pesados, já que seu equipamento óptico é aplicável à inteligência militar.

Satélites para levantamento da superfície terrestre com massa de cerca de 100 kg hoje em dia são capazes de obter imagens com resolução de até 0,7 m. Isso é de grande interesse para os militares, pois permite determinar os movimentos de equipamentos, veículos, pequenas formações de infantaria e a construção de fortificações de terra. Recentemente, a Progress RKTs conduziu testes de vôo do satélite leve Aist-2D e afirma desenvolver a tecnologia sob a ordem do estado. Portanto, a VNIIEM se esforça para acompanhar e desenvolver seu próprio sistema. Segundo dados abertos, o crescimento ativo no número de lançamentos de nano- (menos de 10 kg) e microssatélites (menos de 100 kg) teve início em 2013, quando quase 100 deles foram lançados em órbita. Depois disso, mais de 200 desses satélites foram lançados. Só a empresa americana Planet Labs tem uma constelação de 150 satélites de sensoriamento remoto. Este número de aparelhos possibilita o levantamento da mesma área com frequência de uma vez ao dia.

As informações sobre o desenvolvimento do EMKA estão contidas no relatório anual da corporação VNIIEM de 2016. Os planos da empresa para 2017 incluem o “lançamento de uma pequena nave experimental”. É indicado que este é um satélite tipo ERS. Outra confirmação do trabalho na EMKA é uma minuta de contrato entre a VNIIEM e a Volga-Dnepr Corporation (uma companhia aérea de carga que entrega espaçonaves e outras cargas superdimensionadas). O acordo (o jornal Izvestia obtece um documento preliminar) prevê o transporte do EMKA de Moscou para o cosmódromo de Plesetsk.

Soyuz 2.1v: Foguete convertido para cargas menores

Soyuz 2.1v

O Soyuz-2 estágio 1v é um veículo de lançamento de classe leve de dois estágios projetado para lançar espaçonaves pequenas. O veículo lançador Soyuz-2 do tipo 1v foi desenvolvido com base no Soyuz-2. 1b, com a retirada dos blocos (‘boosters’) laterais. O sistema de propulsão do primeiro estágio foi criado com base no motor de propelente líquido de câmara única desenvolvido pela SNTK Kuznetsov, usado no foguete lunar N-1 e no motor de direção RD-0110R da KB Khimavtomatika de Voronezh. O motor principal RD-0124 do segundo estágio (o “Bloco ‘I’, também herdado do Soyuz 2.1b) é também um desenvolvimento do Khimavtomatika. Para lançar uma espaçonave em uma determinada órbita especial, o Soyuz-2 .1v pode ser equipado com um estágio superior Volga.

O desenvolvimento desse foguete leve deveu-se à tendência atual de aumento da necessidade de lançamento de pequenas espaçonaves. A criação do Soyuz-2.1v utilizando a infraestrutura do Soyuz 2.1, os complexos técnicos e de lançamento existentes permitem reduzir drasticamente os custos de desenvolvimento, operação e lançamento. Para garantir a estabilidade e controlabilidade e operação dos sistemas de controle do foguete, um sistema de controle da versão 2.1b é usado com o refinamento do software e suporte matemático e uma mudança na instrumentação.

No Soyuz-2.1v, modificações foram feitas para fazer a interface com a plataforma de lançamento padrão dos Soyuz:
· Na seção superior do 1º estágio, são instalados quatro soquetes para as “lanças” de suporte da estrutura de lançamento;
· Na baia de motores, outros quatro suportes são instalados para os dispositivos de fixação da estrutura de lançamento.

Módulo Nauka: é tempo de testar o sistema de aproximação

A suíte Kurs precisava ser testada antes da manobra final de encontro com a estação espacial internacional

Módulo Nauka em órbita

A espaçonave está em órbita adequada, segundo as informações da mídia oficial russa. No Twitter, logo após o almoço em Moscou, hoje, o chefe da Roskosmos, Dmitry Rogozin, informou no Twitter que o teste programado do sistema Kurs-A tinha tido êxito e que o acoplamento do módulo com a estação espacial internacional deveria ocorrer na sexagésima-segunda órbita. Na manhã de ontem, 24 de julho, a agência espacial russa confirmou que duas correções de trajetória foram feiras no dia anterior e outras ignições seriam necessárias. Rogozin anunciou novamente via Twitter que a espaçonave acionou um de seus motores principais, DKS-1, às 17:20 e 17:54 hora Moscou (11:20 e 11:54 Brasilia, adicionando que a trajetória estava seguindo o planejado; Outras manobras devem ser feitas no dia 27.

Enquanto isso, os cosmonautas Oleg Novitski e Pyotr Dubrov, que estão a bordo do segumento russo da estação espacial configuraram o compartimento de acoplagem e atividade extraveicular Pirs para ser descartado junto com o cargueiro espacial Progress MS-16 – liberando a porta de acoplagem inferior do módulo Zvezda para a chegada do novo veículo. Eles fecharam a escotilha para o compartimento , para em seguinda fazer a despressurização do vestíbulo entre o colar de encaixe do Pirs e o do Zvezda. Ao fim da tarde em Moscou esse vestíbulo já estava vacuificado, de modo que quando ocorresse o desacoplamento, nenhum gás remanescente empurraria o Pirs de modo indesejado. Sistemas de pistão movidos a mola fazem essa separação, por padrão. Mas logo depois fontes da NASA emitiram um comunicado informando que a partida do Pirs/Progress foi adiada do dia 25 para 26 , sem maiores justificativas – possivelmente devido ao fato de que o sistema de convergência e aproximação final Kurs-A (Kurs “Ativo”) não havia sido testado na hora esperada, no sábado, dia 24. Em seguida, a agência espacial russa novamente soltou um anúncio na rede social que o sistema seria checado hoje, domingo dia 25, fato que foi confirmado no Twitter por Rogozin conforme dito acima.

Rússia vai lançar pequeno satélite para fotografar a Terra

Esperava-se que o Soyuz 2.1v decolasse hoje com um “Razbeg”

A Rússia pretende colocar em órbita uma espaçonave experimental projetada para monitorar a superfície da Terra. Segundo diversas fontes, a carga útil seria um minissatelite de testes EMKA ou um modelo operacional Razbeg (“decolagem”). A notícia é do jornal Izvestia, referindo-se a informações recebidas de fontes da indústria espacial. As principais características do satélite são dimensões e peso relativamente pequenos. A massa do satélite chega a 250 kg, várias vezes menor em comparação com os satélites existentes de finalidade semelhante. O projeto parece ser um EMKA (eksperimental’nyy malyy kosmicheskiy apparat) “pequena espaçonave experimental”. O satélite foi desenvolvido pela empresa VNIIEM no interesse do Ministério da Defesa da Federação Russa. “O Ministério da Defesa russo confirmou a informação sobre o desenvolvimento de tal espaçonave, mas se recusou a comentar mais. A VNIIEM ainda não comentou sobre o estado do trabalho no novo satélite”, disse o jornal Ivestiya. De acordo com outra fonte da indústria o lançamento deve ser realizado a partir do cosmódromo militar de Plesetsk (região de Arkhangelsk) usando o veículo de lançamento leve Soyuz-2.1v.

Minissatélite Razberg


De acordo com o jornal, a vantagem do novo satélite é a sua compactação e baixo peso. “As tecnologias modernas permitem confiar a tais dispositivos o levantamento de recursos naturais, mesmo em resolução submétrica. O veículo está sendo para os militares russos que poderão, assim, estabelecer uma frota de satélites controlando todo o planeta por meio de apenas alguns lançamentos”, diz a publicação.
A janela de lançamento de hoje foi fechada sem confirmação de lançamento. Outras informações, de fontes não-oficiais, dão conta de que a carga útil para este lançamento não é o EMKA, mas seu sucessor operacional Razbeg. Ambos são produtos do Instituto de Pesquisa Eletromecânica de toda a Rússia (Vserossiyskim nauchno-issledovatel’skim institutom elektromekhaniki VNIIEM) em Moscou. O primeiro EMKA foi lançado como Kosmos-2525 em março de 2018 e desintegrado em abril passado. As indicações são de que ele foi foi um demonstrador de tecnologia para o Razbeg. A julgar por seus parâmetros orbitais, o EMKA foi uma missão bem-sucedida e não haveria necessidade de uma segunda missão de demonstração. O Razbeg é provavelmente o primeiro de uma série de pequenos satélites de reconhecimento óptico que complementarão as observações feitas pelos satélites espiões Persona, maiores e mais capazes. Os dois Persona existentes estão provavelmente chegando ao fim de sua vida útil ou podem já tê-la excedido. Se eles falharem antes do lançamento dos satélites de próxima geração Razdan, os Razbeg terão como preencher a lacuna. O Razbeg pode ser semelhante a um satélite que foi identificado em uma publicação do VNIIEM como MKA-V; O Projeto 505, mencionado em algumas publicações mais tarde, acabou sendo um satélite que o VNIIEM construiu para o Irã. É possível que o Razbeg e o satélite do Projeto 505 usem o mesmo chassi.
A confirmação indireta de que Razbeg está sendo preparado para o lançamento vem de um contrato assinado em junho passado pela NPO Novator, empresa sediada no cosmódromo de Plesetsk e que pertence à VNIIEM. Segundo seu site, a NPO Novator participa da preparação de satélites para lançamento nesse cosmódromo. A documentação não menciona o Razbeg especificamente, mas refere-se ao contrato governamental (n º 6Ts-2016) entre o Ministério da Defesa e o VNIIEM que iniciou o projeto Razbeg em novembro de 2016 (cerca de um ano após a assinatura de um contrato semelhante para o EMKA). O contrato era para a entrega de máscaras de gás, provavelmente para proteger o pessoal da NPO Novator durante o abastecimento do satélite com propelente tóxico hipergólico. Provavelmente não por coincidência, a NPO Novator fez um pedido de um “analisador de gás hidrazina” apenas alguns dias depois. A escassa documentação sobre este pedido não o vincula especificamente ao Razbeg, mas provavelmente está relacionado, pois ele é conhecido por ter um sistema de propulsão desenvolvido pelo OKB Fakel. Ele provavelmente usa os mesmos propulsores de hidrazina monopropelente K50-10.5 que parecem ter sido usados pelo EMKA / Kosmos-2525. Há razões para acreditar que esses pedidos foram feitos em preparação para o lançamento iminente do Razbeg.

Sobre a VNIIEM
A VNIIEM Korporatisya é especializada na criação de satélites de observação óptica. Um satélite deste fabricante em particular foi perdido em um acidente espacial há anos. Devido ao acidente, o lançamento de mais dois satélites ERS produzidos pela empresa – os “Kanopus-V” nº 3 e nº 4, tiveram de ser adiados para os anos seguintes. Segundo o escritor de cosmonáutica Vitaly Egorov, as pequenas e modernas espaçonaves em breve serão capazes de competir com veículos pesados, já que seu equipamento óptico é aplicável à inteligência militar.

Satélites para levantamento da superfície terrestre com massa de cerca de 100 kg hoje em dia são capazes de obter imagens com resolução de até 0,7 m. Isso é de grande interesse para os militares, pois permite determinar os movimentos de equipamentos, veículos, pequenas formações de infantaria e a construção de fortificações de terra. Recentemente, a Progress RKTs conduziu testes de vôo do satélite leve Aist-2D e afirma desenvolver a tecnologia sob a ordem do estado. Portanto, a VNIIEM se esforça para acompanhar e desenvolver seu próprio sistema. Segundo dados abertos, o crescimento ativo no número de lançamentos de nano- (menos de 10 kg) e microssatélites (menos de 100 kg) teve início em 2013, quando quase 100 deles foram lançados em órbita. Depois disso, mais de 200 desses satélites foram lançados. Só a empresa americana Planet Labs tem uma constelação de 150 satélites de sensoriamento remoto. Este número de aparelhos possibilita o levantamento da mesma área com frequência de uma vez ao dia.

As informações sobre o desenvolvimento do EMKA estão contidas no relatório anual da corporação VNIIEM de 2016. Os planos da empresa para 2017 incluem o “lançamento de uma pequena nave experimental”. É indicado que este é um satélite tipo ERS. Outra confirmação do trabalho na EMKA é uma minuta de contrato entre a VNIIEM e a Volga-Dnepr Corporation (uma companhia aérea de carga que entrega espaçonaves e outras cargas superdimensionadas). O acordo (o jornal Izvestia obtece um documento preliminar) prevê o transporte do EMKA de Moscou para o cosmódromo de Plesetsk.

Soyuz 2.1v: Um Soyuz “simplificado” para cargas menores

Soyuz 2.1v

O Soyuz-2 estágio 1v é um veículo de lançamento de classe leve de dois estágios projetado para lançar espaçonaves pequenas. O veículo lançador Soyuz-2 do tipo 1v foi desenvolvido com base no Soyuz-2. 1b, com a retirada dos blocos (‘boosters’) laterais. O sistema de propulsão do primeiro estágio foi criado com base no motor de propelente líquido de câmara única desenvolvido pela SNTK Kuznetsov, usado no foguete lunar N-1 e no motor de direção RD-0110R da KB Khimavtomatika de Voronezh. O motor principal RD-0124 do segundo estágio (o “Bloco ‘I’, também herdado do Soyuz 2.1b) é também um desenvolvimento do Khimavtomatika. Para lançar uma espaçonave em uma determinada órbita especial, o Soyuz-2 .1v pode ser equipado com um estágio superior Volga.

O desenvolvimento desse veículo de lançamento leve deveu-se à tendência atual de aumento da necessidade de lançamento de pequenas espaçonaves. A criação do Soyuz-2.1v utilizando a infraestrutura do Soyuz 2.1, os complexos técnicos e de lançamento existentes permitem reduzir drasticamente os custos de desenvolvimento, operação e lançamento. Para garantir a estabilidade e controlabilidade e operação dos sistemas de controle do foguete, um sistema de controle da versão 2.1b é usado com o refinamento do software e suporte matemático e uma mudança na instrumentação.

No Soyuz-2.1v, as seguintes modificações foram feitas para fazer a interface com a plataforma de lançamento padrão dos Soyuz:
· No bloco superior do 1º estágio, são instalados quatro soquetes para as “lanças” de suporte da estrutura de lançamento;
· Na baia de motores o do 1º estágio, outros quatro suportes são instalados para os dispositivos de fixação da estrutura de lançamento.

SpaceX: Booster 4 fará o voo orbital de teste

Veículo será composto por um primeiro estágio SuperHeavy B4 e uma segunda etapa Starship (SN16 ainda não confirmada)

O Booster 3 em fase de testes e checagens no polígono de construção e testes da SpaceX em Boca Chica, no Texas, será mantido em terra, enquanto trabalhos seguem no Booster 4, que deverá ser lançado com uma espaçonave descartável Starship – possivelmente a serial SN-16. O Booster (SuperHeavy) impulsionará o segundo estágio SN até uma órbita fracionada, com reentrada dos dois componentes sobre o Oceano Pacífico, em data ainda a ser confirmada.

TsUP realiza duas correções na órbita do módulo MLM-U Nauka

Módulo russo segue aparentemente em rota para encontrar a estação espacial internacional

O módulo pesa 20 toneladas

Na sexta-feira, 23 de julho de 2021, especialistas do grupo de controle de vôo do módulo polivalente Nauka no Centro de Controle da Missão (TsUP) da TsNIIMash em moscou realizaram duas manobras corretivas; Os próximos pulsos para maior alinhamento orbital estão programados para hoje, 24 de julho. O encaixe do módulo na ISS está previsto para 29 de julho.
O novo conjunto de elementos orbitais para 07:55 h de Moscou confirma outra subida orbital como resultado do teste do motor DKS realizado na noite de 23 de julho. Segue a tabela de órbitas do MLM de acordo com os TLEs (two-line elements) e o modelo computacional americano:

Hora de Moscou
data – hora – inclinação – perigeu km x apogeu km x período orbital minutos
dia 2021-Jul-22 12:17:07 51,62º 189,8 x 344,4 89,85 min
dia 2021-Jul-22 22:34:14 51,62º 224,6 x 347,2 90,23 min
dia 2021 -Jul-23 18: 30:57 51,58º 224,9 x 362,9 90,39 min (impreciso)
dia 2021-Jul-24 07:55:20 51,61º 238,5 x 370,4 90,61 min

Segundo informou a agência TASS
51,61º, 244,2 x 387,8 90,55 min

Logo depois, Dmitry Rogozin informou no twitter
“Às 17.20.47 e 17.54.20, horário de Moscou, uma correção de dois pulsos da órbita do MLM “Nauka” foi realizada com correção principal pelo motor de encontro nº 1″

Nauka: Módulo foi capaz de acionar motores principais

Acionamento dos propulsores anima os técnicos da Roskosmos

Visão artística dos motores DKS acionados

O módulo russo Nauka, lançado no dia 21, e que encontrou avarias no sistema de combustível, conseguiu ligar os motores principais – DKS (motores de correção e estabilização), que devem garantir o voo autônomo para a Estação Espacial Internacional. Anatoly Zak, criador do site RussianSpaceWeb, relatou sobre a ativação de teste bem – sucedida do DKS com referência às suas fontes, esta informação foi confirmada pela mídia russa na indústria. A Roskosmos ainda não confirmou os dados sobre a igniçao dos motores. Porém, ainda são necessários testes do sistema de aproximação Kurs-A, enquanto que o sistema de controle-remoto TORU demonstrou estar funcionando. Como resultado dessa necessidade de testes extras, o desacoplamento do compartimento Pirs do segmento russo da estação espacial foi adiado para o próximo dia 25.

Segundo observadores ocidentais, a mudança de órbita foi de 224,0 x 346,3 km e período de 90,1613 min para para 224,6 x 362,6 km, 90,3319 min.

O MLM-U Nauka foi lançado em 21 de julho, mas logo após o lançamento, começou a apresentar problemas com o sistema de abastecimento de combustível dos motores principais. Na noite de 22 de julho, a Roskosmos informou que Nauka conseguiu ligar os motores, o que permitiu aumentar o perigeu da órbita de 190 para 224 quilômetros. No entanto, pela natureza do funcionamento dos motores, ficou claro que a correção de órbita foi realizada em motores auxiliares para acoplagem e estabilização DPS.

No entanto, na noite de 23 de julho, os motores principais foram ligados pela primeira vez a bordo do Nauka. Não há dados sobre a hora exata da ignição dos motores e por quanto tempo eles operaram, mas fontes independentes informaram que o incremento na velocidade do módulo foi de aproximadamente 7 metros por segundo.

Pouco antes, outra fonte disse que os especialistas conseguiram colocar em funcionamento todos os seis tanques a bordo, onde ficam armazenados o combustível e o oxidante do sistema de propulsão. Ao mesmo tempo, os motores DPS foram reiniciados, o que possibilitou elevar o perigeu e o apogeu da órbita.

A situaçao do módulo Nauka

O que se sabe sobre as manobras do módulo russo em órbita

A viagem do novo módulo MLM-U Nauka à Estação Espacial Internacional não parece fácil, como admitiu ontem o chefe da Roskosmos, Dmitry Rogozin. Fontes da indústria falaram primeiro sobre problemas com a extensão das antenas do sistema de aproximação Kurs-A, depois, quando esse problema foi resolvido, sobre falhas no sistema de combustível. Na noite de 22 de julho, os especialistas do TsUP (centro de controle de voo, em Moscou) puderam ligar os motores pela primeira vez e elevar a órbita da espaçonave. Mas, aparentemente, os problemas ainda não terminaram.

O módulo Nauka acionando seus motores DPS

Após o sucesso do lançamento do módulo no dia 21, quase um dia inteiro se passou sem nenhum dado oficial sobre seu status. Somente à noite, em 22 de julho, a Roskosmos informou que o módulo havia ligado os motores pela primeira vez e realizado com sucesso a primeira correção da órbita. A altitude do perigeu aumentou cerca de 40 quilômetros – de 190 para 230 quilômetros, o apogeu quase 20 quilômetros – de 345 para 364,9 km.
Porém, os problemas no sistema de combustível do módulo, de que a fonte falou ontem, aparentemente não foram confirmados. Segundo a mesma fonte, a correção de ontem foi feita não com o auxílio dos motores principais, mas com motores auxiliares de acoplagem e estabilização. “Os motores principais nunca foram ligados”, disse ele, acrescentando que dois tanques do sistema de combustível ainda não estão funcionando. Os motivos dos defeitos, segundo ele, não são claros: é possível que os foles (cilindros corrugados dos tanques que separam o gás pressurizador do propelente) estejam danificados, é possível que as válvulas não tenham aberto. Por sua vez, Anatoly Zak, criador do site RussianSpaceWeb, contando com suas fontes, afirma que não há evidências de danos às membranas dos tanques.
Para entender o que exatamente está acontecendo a bordo do módulo, é necessário entender seus sistemas de propulsão e combustível.

Assim seria a ignição do motor principal DKS

Tanques e motores
Três tipos de motores são instalados no FGB (ou seja, o chassi básico usado no Nauka e em seu ‘irmão’ Zarya): os motores principais são os proulsores de correção e encontro (DKS), auxiliares por motores de acoplagem e estabilização (DPS) e motores de estabilização de precisão (DTS). Todos eles operam com um par de propelentes tradicional para a tecnologia russa – dimetilhidrazina assimétrica (combustível) e tetróxido de nitrogênio (oxidante).
O DKS é composto por dois motores KRD-442 (índice 11D442) desenvolvidos pela KBkhM Isaev com um empuxo nominal de 417 quilogramas-força (4,09 quilonewtons) cada. O combustível e o oxidante vem de quatro tanques de baixa pressão com turbobombas. As mesmas turbobombas fornecem transferência de propelente de tanques de baixa pressão para tanques de alta pressão. É esse par de DKS que faz a correção da órbita do FGB na fase de vôo autônomo.

Os motores de aproximação e estabilização (DPS) são 24 propulsores tipo 11D458 com um empuxo de 40 kgf (392 Newtons). Outros 16 motores DTS (tipo 17D58E) com uma força de 1,36 kgf (13,3 Newtons) são necessários para uma estabilização precisa durante o acoplamento.

Nauka em órbita

Esses dois grupos de motores recebem combustível e oxidante de tanques de alta pressão pelo método de deslocamento positivo, ou seja, de outra parte do sistema de propelente, relativamente independente daqueles tanques dos quais o compressor auxiliar recebe propelente.
Segundo as fontes extra-oficiais, os motores DPS foram usados ​​ontem à noite para corrigir a órbita do Nauka, o que é consistente com a versão sobre avarias no sistema de propelente – se ocorreram exatamente naquela parte dele, de onde os motores principais do DKS recebe combustível e oxidante.

Performance
É possível verificar quais motores foram usados ​​para elevar a órbita do MLM comparando os dados sobre os resultados de seu trabalho. Para fazer isso, precisa-se lembrar como o “irmão” do MLM, o “Zarya”, elevou sua órbita, cuja massa após o lançamento foi quase exatamente igual à massa do “Nauka”: 20.302 kg para o MLM contra 20.265 para o “Zarya ”.

A viagem do Zarya à órbita da ISS foi descrita em detalhes na revista Novosti Kosmonavtiki, edição 1 de 1999. A revista escreveu que apenas um dos motores DKS foi usado para elevar a órbita. O primeiro teste de disparo do motor DKS nº 37 na 16ª órbita durou 10 segundos, enquanto um incremento de velocidade de 2,05 metros por segundo foi alcançado.
A segunda ativação ocorreu na 17ª órbita. Em seguida, o motor funcionou por 100,9 segundos e proporcionou um aumento na velocidade 10 vezes mais – 20,5 metros por segundo. A terceira vez durou 31,58 segundos (com incremento de velocidade de 6,5 metros por segundo), e a quarta ignição de 116,44 segundos com aumento de 24,03 m/s). Assim, um segundo da operação do DKS deu ao FGB um incremento de velocidade de cerca de 0,205 metros por segundo.

Segundo a Roskosmos, na noite do dia 22 de julho, os motores do MLM seriam ligados duas vezes: às 18h07 e às 20h19. O primeiro impulso durou 17,23 segundos, enquanto a velocidade aumentou 1 metro por segundo. O segundo acionamento dos motores durou 250,04 segundos, e o aumento de velocidade foi de 14,59 metros por segundo.

Ou seja, um segundo de operação desses motores não-identificados ao Nauka um aumento de velocidade de 0,05 metros por segundo. Um segundo de operação do motor principal, como visto acima, dá um aumento significativamente maior na velocidade – 0,2 m/s. A partir disso, pode-se concluir que outros motores menos potentes estavam operando a bordo do MLM. Provavelmente eram motores DPS.

Leituras orbitais desencontradas
Logo após o lançamento, a Roskosmos relatou que o foguete Proton-M havia colocado o Nauka em órbita com apogeu de 375,5 quilômetros, perigeu de 199 km e inclinação de 51,6 graus. Após a primeira correção da órbita, ocorrida na noite de quinta-feira, 22 de julho, o perigeu, segundo dados da Roskosmos, aumentou para 230,43 km, enquanto o apogeu, ao contrário, caiu para 364,86 km. A inclinação orbital permaneceu quase inalterada e atingiu 51,64 graus.

Dados do Comando de Defesa Aeroespacial da América do Norte (NORAD), publicados no site especializado Space-track.org, forneceram outros parâmetros, ligeiramente diferentes. Segundo dados americanos, o MLM foi inicialmente lançado em órbita com apogeu de 346 e perigeu de 190 km, ou seja, menos do que os dados da Roskosmos. Os dados sobre os resultados da primeira correção também são diferentes: os parâmetros da nova órbita seriam 347 por 224 quilômetros.

Além do empuxo por si só ser menor, quando a órbita é elevada, é possível acionar não todos, mas apenas aqueles motores localizados ao longo do eixo longitudinal da espaçonave. Além disso, as tubeiras de alguns deles são direcionados não diretamente para trás, mas em um ângulo de 60 graus – portanto, consomem propelente de forma muito menos eficiente do que o motor principal.
Pode-se presumir que os motores DKS ainda estavam ligados, mas com um empuxo reduzido em quase uma ordem de magnitude, no entanto, não foi possível encontrar dados de que esses motores pudessem ser regulados dessa forma. Além disso, não está muito claro qual foi o objetivo de tal redução no empuxo. De acordo com a fonte, a ameaça de que o MLM não alcance a ISS existe o propelente disponível na parte do sistema que não foi danificado pode não ser suficiente. De acordo com alguns relatos, cerca de 1,5 toneladas de propelente estão disponíveis para os motores (deveria haver cerca de 2,4 toneladas de propelente a bordo), mas a precisão dessa informação é desconhecida.

“Certamente podemos fazer melhor do que Elon Musk”

Superando o culto ao gênio e a desolação do “futurismo capitalista”

OPINIÃO ( * )


Nathan J. Robinson

Existem dois fatos que às vezes tenho dificuldade em conciliar. A primeira é que a Tesla, Inc. fabrica veículos elétricos inovadores e genuinamente impressionantes que podem se comparar aos carros de melhor desempenho do mundo. A segunda é que o CEO da Tesla, o célebre gênio empreendedor Elon Musk, é um mentiroso, vendedor ambulante e idiota, que regularmente diz coisas tão ignorantes que não consigo entender como podem vir de um adulto, muito menos de um tratado por seus fãs como um supergênio. Um desses fatos é falso? Os carros da Tesla são realmente ruins, suas deficiências cuidadosamente cobertas e suas qualidades superestimadas? Elon Musk não é realmente um mentiroso, vendedor ambulante ou idiota? Se você olhar mais de perto, as coisas que parecem fraude e estupidez para mim são realmente sinais de brilho? Ou existe uma maneira de os dois fatos serem verdadeiros?

Acontece que é tudo verdade. Os carros são impressionantes e suas falhas são encobertas. Musk é um vigarista mentiroso e ignorante que inspirou inovações na indústria de carros elétricos. Entender que essas coisas aparentemente contraditórias podem ser verdadeiras simultaneamente é importante, porque sociedades que não podem manter essas duas ideias ao mesmo tempo podem acabar seguindo golpistas e falsos profetas ao penhasco e para o abismo.

O mandato de Musk como CEO fez com que a Tesla se tornasse a montadora mais valiosa do mundo e fez dele uma das pessoas mais ricas da Terra, se não a mais rica. Ele é tratado na imprensa como um visionário da tecnologia que sonha grande. A cada poucos meses, ele anuncia algum esquema aparentemente estúpido e os especialistas cantam seus elogios sem muito escrutínio sobre se aquilo pode mesmo funcionar. Os Simpsons, em um sinal do declínio da mordida satírica do programa, retratou-o não como a segunda vinda do vendedor de monotrilhos Lyle Lanley, mas um brilhante cientista de foguetes, “um ser com inteligência muito além da nossa”, “possivelmente o maior inventor vivo”.

Agora que o presidente dos Estados Unidos não é mais um negador da mudança climática e pode haver algum tipo de amplo esforço nacional para eletrificar o trânsito americano, Musk pode assumir um papel ainda mais importante na definição de nossa visão nacional para trânsito, poder, e o futuro humano no espaço. Portanto, é de vital importância ver através dos mitos ao seu redor, entender a tristeza de sua visão para o futuro e apresentar algo melhor.

Vamos admitir: a Tesla fabrica carros muito legais. A aceleração do Modelo 3 combina com alguns dos carros esportivos mais rápidos do mundo. Quando a Consumer Reports testou o Modelo S, o carro “teve um desempenho melhor em nossos testes do que qualquer outro carro”. Isso tornou a Tesla útil para acelerar a transição global para veículos com energia renovável e emissões zero. Era uma vez, os carros elétricos eram vistos como desengonçados e sem graça. Tesla tornou a eletricidade sexy, futurista e desejável. Um SUV Tesla pode vencer um muscle car em uma corrida de arrancada. Eles ajudaram a fazer carros elétricos que uma pessoa que não se interessa por carros elétricos poderia comprar e contribuíram para o consenso emergente de que é apenas uma questão de tempo até que os motores de combustão interna fiquem totalmente obsoletos. (É um bom sinal quando YouTube Car Guy Jay Leno – dificilmente um ambientalista – está dizendo a seus milhões de espectadores que é melhor eles se conformarem com o fato de que estarão dirigindo elétricos em breve, mas que estará tudo bem, porque eles estarão dirigindo Teslas.) Agora, como veremos, a Tesla também é freqüentemente enganosa e inepta em muitos aspectos. No entanto, é fato que a empresa revolucionou os carros elétricos e as montadoras estabelecidas estão apenas começando a alcançá-la.

Mas também temos o próprio Elon Musk, que está constantemente dizendo coisas incrivelmente idiotas. Cada vez que o ouço falar, fico impressionado com o quão pouco impressionado fico. A primeira vez foi quando li seus comentários sobre por que os Estados Unidos foram “a maior força para o bem entre todos os países que já existiram”, citando nossa participação na Primeira e na Segunda Guerra Mundial como exemplos de os EUA “salvando a democracia. ” Nem todo mundo pode esperar que tenha lido Chomsky, mas pode-se pelo menos esperar que alguém que vai expressar publicamente opiniões sobre eventos históricos compreenda as causas da Primeira Guerra Mundial. Na escala dos comentários ignorantes de Musk, no entanto, este acaba se revelando mal mesmo classificado. Suas abordagens sobre a pandemia COVID-19 fazem Donald Trump parecer o reitor da Harvard Medical School. “O pânico do coronavírus é burro”, ele tuitou no início da pandemia, e “o perigo de pânico ainda excede em muito o perigo do corona … Se alocarmos demais recursos médicos para o corona, isso custará o tratamento de outras doenças.” Musk previu que em abril de 2020 haveria zero casos diários e disse que “as crianças são essencialmente imunes à doença”. Mais de 600.000 mortes (somente nos EUA) depois, isso parece muito, muito tolo.

No Twitter, Musk se tornou famoso por comentários juvenis (“69 dias após 420 novamente haha”), ofensivos (“eu absolutamente apoio trans, mas todos esses pronomes são um pesadelo estético”) e totalmente errados (COVID é uma “forma específica de resfriado comum.”) Um ex-executivo da Tesla disse à Vanity Fair que “havia momentos em que Musk dizia ou tuitava algo que era embaraçoso demais para tentar defender”. A certa altura, “o Twitter fechou sua conta, presumindo que tivesse sido hackeada”, quando Musk começou a postar “fotos de mulheres de mangás com legendas como ‘na verdade sou catgirl aqui está a selfie’ e solicitações para comprar bitcoin.” A conta de Musk foi restaurada quando ele confirmou que as postagens eram autênticas.

A coceira do dedo no Twitter de Musk teve algumas consequências infelizes para sua empresa, como quando ele tuitou infame e falsamente que havia garantido financiamento para tornar a Tesla privada, o que lhe rendeu uma multa de US$ 20 milhões da Securities & Exchange Commission, e quando ele tuitou que na Tesla o preço das ações estava muito alto, o que instantaneamente eliminou US US$ 15 bilhões do valor da empresa. Quando um grupo de alunos tailandeses ficou preso em uma caverna, Musk não apenas fingiu que iria salvar pessoalmente as crianças com um minissubmarino especial – ele não o fez – mas acusou um dos salvadores da caverna de pedófilo.

Relatórios de dentro da Tesla confirmam o que podemos esperar, que Musk é um chefe verdadeiramente horrível, que dá ataques e trata as pessoas de forma abominável. Um relatório da WIRED baseado em conversas com pessoas próximas a Musk descreve o que é educadamente rotulado de “um alto nível de comportamento degenerado” e que uma pessoa do círculo de Musk descreve como “sociopatia patológica total e completa”. Um executivo de engenharia disse: “Se você dissesse algo errado, cometesse um erro ou o irritasse, ele decidiria que você é um idiota e não havia nada que pudesse fazer com que ele mudasse de ideia”. Durante um problema temporário de produção, Musk apareceu no chão da fábrica, “com o rosto vermelho e afoito, interrogando os trabalhadores que encontrou, dizendo-lhes que na Tesla a excelência era uma nota para passar e eles estavam se reprovando; que eles não eram inteligentes o suficiente para trabalhar naqueles problemas; e que eles estavam colocando a empresa em perigo”. A WIRED relata que ele implicou com um jovem engenheiro, fazendo perguntas vagas e, quando o trabalhador pareceu confuso, gritou: “Você é um idiota do caralho! Dê o fora e não volte! ” Aparentemente, disparos aleatórios como este não são incomuns – ele era “tão propenso a disparar em frenesi que os funcionários da Tesla eram instruídos a não passar por sua mesa caso isso prejudicasse sua carreira”. Um ex-executivo da empresa diz que Musk é conhecido por chegar ao trabalho dizendo: “Eu tenho que demitir alguém hoje”, resistindo àqueles que educadamente apontam que não há necessidade de demitir pessoas por causa disso.”

Os relatórios transbordam com o tipo de comportamento infantil mimado do qual apenas os super-ricos conseguem se safar, porque apenas os super-ricos estão cercados por lacaios que não ousam reagir. Às vezes, parece genuinamente que Musk é o protagonista de um filme sobre um estudante do ensino médio que é encarregado de uma empresa automobilística. Em uma teleconferência de resultados, Musk se recusou a responder a “perguntas enfadonhas e estúpidas” sobre questões como as futuras necessidades de capital da empresa, mais uma vez fazendo com que as ações caíssem. Sua insistência em que o Tesla Model X tivesse “portas em forma de asa de falcão” se transformou em um pesadelo de engenharia.

Musk concorda com a teoria da administração de que a Visão é muito mais importante do que trivialidades como horários razoáveis ​​e condições de trabalho seguras. Os trabalhadores chamaram a Tesla de “uma fábrica exploradora dos dias modernos”. Musk tinha pouco interesse em tentar mantê-los protegidos do COVID-19, forçando-os a continuar trabalhando, resultando em 450 casos de coronavírus. Condições perigosas não começaram com o coronavírus; em 2019, a Forbes relatou que a Tesla ultrapassou as montadoras rivais no levantamento de investigações e violações de segurança no local de trabalho, com 24 investigações e 54 violações da Administração de Saúde e Segurança Ocupacional da Califórnia em um período de quatro anos. Mesmo quando as taxas excepcionalmente altas de acidentes de trabalho da Tesla melhoraram, uma investigação da Reveal News mostrou que a empresa estava engordando, “Deixando de relatar alguns de seus ferimentos graves em relatórios exigidos por lei, fazendo com que os números de ferimentos da empresa pareçam melhores do que realmente são”. Uma ex-gerente de conformidade ambiental ficou chocado com as condições e escreveu uma carta “alarmada” ao RH dizendo que “o risco de lesões é muito alto … as pessoas se machucam todos os dias e quase acontecem incidentes em que as pessoas quase são esmagadas ou atingidas por carros é inaceitável. ” Incrivelmente, a equipe de segurança disse a ela que “Elon não gosta da cor amarela” como uma explicação para a falha em colocar avisos coloridos. Ele também não gostava de “muitos sinais” ou “os bipes de alerta que as empilhadeiras fazem ao dar ré” e essas “preferências … levaram a reduzir os sinais de segurança padrão”.

Naturalmente, Musk sufocou agressivamente a organização sindical na Tesla. Ele acusou falsamente um trabalhador de ser um agitador sindical pago, e os trabalhadores relatam que “qualquer coisa pró-sindicato era encerrada rapidamente”. Em março, o National Labor Relations Board (NLRB) determinou que a Tesla se envolveu em práticas trabalhistas injustas, disciplinando ou mesmo demitindo trabalhadores por organização sindical, em violação direta das leis trabalhistas federais. Musk também enviou um tweet sugerindo que, se os trabalhadores se sindicalizassem, a Tesla retiraria suas opções de ações, que o NLRB exigiu que fossem excluídas. Musk já havia criticado sindicatos em correspondência com os trabalhadores, prometendo-lhes iogurte gelado grátis.

Tudo isso seria apenas mais uma história de como os gênios do Vale do Silício são cruéis e estúpidos em particular – e como as empresas que se apresentam como transformadoras éticas do mundo são ditadures no particular. Mas Musk é mais do que um CEO, ele é um visionário público extremamente influente. A revista Essential diz que, “Em uma época em que precisamos desesperadamente de visionários para liderar o caminho, Elon Musk é um engenheiro, inventor, empresário e futurista multidisciplinar com o ímpeto de fazer o que os políticos de hoje não podem – mudar o mundo para melhor. ” Quando Musk emite um pronunciamento ou profecia – por exemplo, “Um milhão de humanos poderia viver em Marte na década de 2060”, “A inteligência artificial será superior aos humanos em cinco anos” – é frequentemente relatado sem crítica na imprensa, como se fosse o próprio fato de acreditar em algo o torna digno de nota. O Washington Post disse que ele é “indiscutivelmente o empresário mais importante do mundo”, e o Guardian o descreveu como um homem com um “desejo de ultrapassar os limites do que era possível para a empresa privada … o arquetípico empreendedor em série”. Musk inspirou a interpretação de Robert Downey Jr. do super-herói bilionário Tony Stark em Homem de Ferro. O biógrafo de Musk, Ashlee Vance, escreve que ele é “o gênio possuído pelo maior senso de busca que alguém já sonhou” (o livro de Vance se chama “ELON MUSK – Como o CEO bilionário da SpaceX e da Tesla está moldando nosso futuro”[em sua edição brasileira]). Quatro livros infantis diferentes visam inspirar os jovens a serem mais semelhante a Musk, incluindo Elon Musk: O que VOCÊ pode aprender com sua vida INCRÍVEL. O New York Times diz que a leitura da vida de Musk deve nos dar “um sentimento de legítimo admiração sobre o que os humanos podem realizar quando almejam alto e almejam de forma estranha“.

Musk não é admirado apenas por melhorar os carros elétricos e privatizar o trabalho da NASA, mas por sua filosofia voltada para o futuro que ousa sonhar com novas conquistas humanas transformadoras. Como disse a Essential, “precisamos desesperadamente” de visões e, bem, pelo menos ele tem uma. Infelizmente, é desolador. Muito disso parece se concentrar na colonização de Marte, para onde Musk prometeu enviar milhões de pessoas. Como Jeff Bezos, ele parece acreditar em um futuro de colônias corporativas privatizadas. Ele disse que, em Marte, a SpaceX estará sujeita às suas próprias leis e livre de jurisdição internacional (os especialistas jurídicos chamam isso de “tagarelice”). Ele até sugeriu um tipo de programa de servidão contratada, por meio do qual as pessoas contraem dívidas indo a Marte e depois trabalham para pagá-las.

É provável que nada disso aconteça. Mas Musk provavelmente moldará a visão das pessoas sobre como os possíveis futuros humanos podem e devem ser. E o que ele imagina é distópico. Na verdade, a própria razão de ele querer ir a Marte é que ele acredita que é importante para a “continuidade da consciência” quando os seres humanos se destruírem na Terceira Guerra Mundial. Agora, eu certamente compartilho do medo da autoaniquilação humana, mas Musk (como muitos outros bilionários) parece tratar algum tipo de apocalipse como quase inevitável e acha que seria melhor gastarmos tempo planejando rotas de fuga para os ricos, em vez de trabalhar para a paz mundial, parando as mudanças climáticas e eliminando o nacionalismo.

Você pode ver o distopianismo de Musk no design do tão ridicularizado Cybertruck da Tesla, que me parece o meio de transporte preferido dos esquadrões da morte ciborgues do século 22. O lendário designer de automóveis Frank Stephenson (da BMW, McLaren, Ferrari) disse em uma crítica contundente do Cybertruck que ele mostra brutalidade e paranóia. (Musk enfatizou como o caminhão é resistente a balas, como se estivéssemos resignados com um futuro de atirar uns nos outros na rodovia.) Stephenson ressalta que o Cybertruck mostra o tipo ruim de futurismo, o tipo que acredita que o futuro é alguma coisa isso acontece conosco, ao invés de sonharmos e então criarmos a nós mesmos – o que significa que um design “futurista” é aquele que se parece com “o que pensamos que o futuro será” em vez do que queremos que o futuro seja. Musk disse que “você quer acordar de manhã e acha que o futuro será ótimo”. Mas para Musk, isso parece significar manter as mesmas relações sociais neo-feudais, mas com a ciberpolícia conduzindo celulares elétricos da morte sustentáveis.

Fico profundamente triste que Musk seja visto por muitos como nosso maior Sonhador, porque seus sonhos são tão lamentáveis. Como ele age como um garoto de 12 anos, muitas vezes isso envolve apenas ter a mesma merda, mas maior e mais rápido, ao invés de realmente fazer o trabalho difícil de imaginar como resolver nossos problemas sociais mais difíceis. Considere a abordagem de Musk para o trânsito. Sua empresa aprimorou os carros elétricos, mas ele não tem ideia de como lidar com os problemas decorrentes da cultura automotiva. Musk tem insistido repetidamente que a solução para os problemas de tráfego, da Califórnia a Miami, é simplesmente cavar túnel após túnel após túnel. Ele até abriu uma empresa de construção de túneis que se propõe a resolver problemas de transporte urbano, que recebeu um contrato de quase US $ 50 milhões da cidade de Las Vegas para construir um túnel curto (menos de uma milha) ao redor do centro de convenções da cidade. Está sendo anunciado como um “transportador subterrâneo de pessoas”, mas a Curbed observa que “o que está sendo construído parece ser mais um mecanismo para dar passeios de teste de um minuto em Teslas” (com o dinheiro da cidade, é claro). Outros planos de construção de túneis já foram reduzidos ou abandonados.

Existem duas coisas interessantes sobre os esquemas de túneis de Musk. A primeira é que eles não podem funcionar e a segunda é que há algo mais que pode. O YouTuber Justin Roczniak, também conhecido como “donoteat01”, tem um excelente vídeo explicativo que mostra as falhas do plano de Musk para aliviar o congestionamento urbano por meio de túneis. Musk propõe atirar veículos elétricos em trilhos em velocidades muito altas através de espaços extremamente estreitos, mas há enormes problemas de segurança e logísticos, e os túneis, mesmo se construídos, provavelmente apenas moveriam os engarrafamentos para as entradas dos túneis. No entanto, algumas pessoas estão realmente contando com Musk – o prefeito de Miami parece acreditar na promessa de que ele pode construir o túnel sob a cidade por cerca de 5% do custo inicialmente estimado pelas autoridades locais de trânsito.

Todo mundo quer uma solução fácil e barata para problemas extremamente difíceis. Roczniak usa a distinção entre “AM” e “FM”, que neste caso significa Actual Machines “Máquinas reais” e Fucking Magic “Magia do c*ralho”. No mundo das máquinas reais, a engenharia é lenta, difícil, cara e muitas vezes entediante. No mundo do Fucking Magic, tudo que você precisa é um conceito e uma renderização de aparência legal. Veja, por exemplo, “Hyperloop” de Musk, que foi proposto com grande alarde em 2013 como uma alternativa para construir um trilho de alta velocidade (ele lançaria em pessoas em um tubo fechado a mais de 650 milhas por hora). Desde então, a conversa sobre o hiperloop se dissipou e agora parece ter sido reconcebida como o plano de dirigir bondes comuns em um túnel. O Daily Beast relata que a empolgação com o loop parece ter fracassado enquanto os planos “se chocaram com a dura realidade ”E quando Musk convidou a imprensa para uma demonstração,“ em vez de um pod lançando passageiros em alta velocidade, os repórteres subiram em carros elétricos feitos pelo Tesla de Musk e foram conduzidos a uma viagem de 40 milhas por hora ao longo de um caminho acidentado. ” (Ecos fortes de Lyle Lanley dos Simpsons aqui.)

Hyperloop: O que é frustrante é que já existem maneiras conhecidas de melhorar a infraestrutura de trânsito, por exemplo através de metrôs, ônibus e trens. Mas Musk odeia o transporte público e nunca disfarçou seus sentimentos:

“Eu acho que o transporte público é doloroso. É uma merda. Por que você quer fazer algo com muitas outras pessoas, que não saia de onde [sic] você quer que saia, não comece onde você quer que comece, não termine onde você quer que termine? E isso não acontece o tempo todo. […] É um pé no saco. É por isso que nem todo mundo gosta. E há um bando de estranhos aleatórios, um dos quais pode ser um serial killer, OK, ótimo. E é por isso que as pessoas gostam de transporte individualizado, você vai onde você quiser, quando quiser.”

Claro, existem muitos motivos pelos quais as pessoas gostam do transporte público. Se a rede for boa, ela vai aonde você deseja, vai regularmente e você não precisa procurar estacionamento quando chegar lá. E é muito melhor do que ficar preso no trânsito. Musk, que diz que quer tirar a economia dos combustíveis fósseis e acabar com o congestionamento do tráfego, só está disposto a pensar em soluções que não exijam que caras ricos fiquem cara a cara com plebeus – que, afinal, podem ser assassinos em série. Além disso, como Musk tem 12 anos, o mundo cotidiano dos departamentos de planejamento, autoridades de trânsito e engenheiros de trânsito da cidade o entedia. Tem portas em forma de asa de falcão? Não? ‘Booooooring’.

A preferência de Musk por hype e exagero em vez de persistência e diligência criou uma grande disfunção dentro da Tesla, como relata o jornalista Edward Niedermeyer em Ludicrous: The Unvarnished Story of Tesla Motors. Poucas coisas que Musk diz podem ser confiáveis. Ele prometeu preencher o espaço com seus satélites para fornecer uma nova e poderosa infraestrutura alternativa de internet – mas isso não vai acontecer, embora possa inibir maciçamente a capacidade de cientistas reais de fazer seu trabalho e arruinar o céu noturno. Sua empresa Neuralink fala em enviar cérebros para computadores e implantar chips que serão “como um encaixe em seu crânio”, mas é improvável que isso aconteça também, e o MIT Technology Review diz que o que foi revelado até agora é “teatro de neurociência” com poucas evidências para apoiar as promessas surpreendentes de Musk. Desde o anúncio de que a Tesla mudaria para a construção de ventiladores para ajudar os pacientes de COVID para o “mini-submarino” que provou ser inferior à habilidade de mergulho antiquada no resgate de cavernas, Musk surge com esquemas chamativos para salvar o mundo um após o outro e raramente entrega . (Alguns dos esquemas não mudam o mundo, como quando ele tentou lançar um concorrente para o Onion chamado Thud.) Niedermeyer observa que, “Cada um desses anúncios lutou para resistir a um exame mais detalhado, variando do mero exagero à fantasia quase delirante ”, mas “muitos veículos relataram esses desenvolvimentos sem questionar”, contribuindo para a “lenda de Musk como um homem da Renascença do século XXI”. Muitos desses planos são do mundo “FM”, e quando você lê as análises de escritores de ciência e tecnologia do mundo “AM”, você percebe que a linha entre Elon Musk e Elizabeth Holmes é mais tênue do que você possa imaginar. (Como em uma demonstração ao vivo, quando as janelas de “vidro de armadura” no Cybertruck foram facilmente quebradas.)

Niedermeyer documenta o modo como as alegações de Musk às vezes beiram a fraude total. Ele acredita que a Tesla pode muito bem ter fingido que poderia vender carros mais rápido do que poderia para se qualificar para um esquema de incentivo fiscal estadual, e como ele relatou, começou a ver que “lacunas potencialmente enormes existiam entre a imagem cuidadosamente cultivada da Tesla e a realidade – ainda que a empresa fosse capaz de dizer e fazer tudo o que achasse necessário para manter sua reputação. ” A Tesla até exigiu que alguns proprietários assinassem acordos de sigilo quando concordou em consertar problemas com seus carros, o que criou um pequeno escândalo quando ficou claro que o texto do acordo impediria as pessoas de dizer aos reguladores do governo se havia um problema de segurança . Niedermeyer também relata um incidente chocante em que Musk ligou pessoalmente para o empregador de um blogueiro que havia desmentido as afirmações de Musk online (o blogueiro era anônimo, mas tinha sido maltratado pelos fãs de Musk). Musk ameaçou uma ação legal, e o empregador pediu ao blogueiro que parasse de comentar sobre Tesla, o que ele fez. (Niedermeyer diz que a empresa também se envolveu repetidamente em “difamação flagrante [s]” de jornalistas que fazem reportagens críticas sobre ela.)

Às vezes, as declarações falsas são extremamente perigosas. Musk há muito tempo é obcecado por carros autônomos e tem a missão de vencer o Google no desenvolvimento da tecnologia. Nas palavras de Niedermeyer, para fazer isso a Tesla tentou “desenvolver um produto que criaria a impressão de um carro autônomo o mais rápido possível, sem enfrentar os desafios de segurança mais difíceis …” A Tesla até vendeu aos motoristas a ideia de que seus carros existentes têm um “modo de condução totalmente autônomo” real, e Musk deu uma forte implicação de que os carros não precisavam de motoristas. Isso acabou sendo um grande exagero – há um mundo de diferença entre o tipo de controle de cruzeiro aprimorado que existe hoje e um carro totalmente autônomo. Mas Musk, querendo mostrar que Tesla havia derrotado o sistema Super Cruise da Cadillac, fez afirmações grandiosas. Ele teve que fazer “o sistema parecer mais avançado e autônomo do que qualquer outra coisa no mercado” porque, caso contrário, “o piloto automático seria quase impossível de distinguir de qualquer outro ADAS [sistema avançado de assistência ao motorista] e a suposta vantagem da Tesla em tecnologia de acionamento autônomo ( e os bilhões em valor de mercado que isso traz) desapareceriam. ” Houve divergência interna entre os engenheiros sobre a insistência de Musk em rotular o sistema como “autônomo”, com alguns demitindo-se e outro criticando “a tomada de decisão imprudente que potencialmente colocaria a vida do cliente em risco”. E a suposta vantagem da Tesla em tecnologia de acionamento autônomo (e os bilhões em valor de mercado que ela traz) desapareceria.”

Na verdade, as vidas dos clientes corriam muito risco. Os motoristas da Tesla levaram a sério a afirmação de Musk de um carro “autônomo”, e alguns confiaram demais no sistema e morreram. Agora, jornalistas automotivos sensatos estão até mesmo se recusando a usar o termo “Full Self Driving Mode” da Tesla, acreditando que é falso e perigoso. No entanto, Musk cobrou US $ 10.000 de cada cliente pela promessa de um recurso de “direção totalmente autônomo” em seus carros. O fato de que tal carro não existe, e nenhum parece provável que esteja aqui em breve, significa que já se fala de ações judiciais coletivas entre aqueles que desembolsaram grandes somas na suposição de que quando Musk disse que os carros iriam se dirigir, ele falava sério. Como Jalopnik pergunta: “É [o totalmente autônomo] um projeto genuinamente sério com objetivos e resultados reais, ou um golpe elaborado para conseguir muito dinheiro sem entregar nada? ” Nesse último caso, é o tipo de engano que se poderia esperar que resultasse em um julgamento criminal – Elizabeth Holmes está enfrentando atualmente acusações de crime por enganar as pessoas sobre o que seus exames de sangue poderiam fazer. Mas Musk parece patinar em todos os escândalos.

Claro, um dos maiores mitos de Musk é que ele é um empresário que se fez sozinho, cujo trabalho mostra o que a “empresa privada” pode realizar. Apesar do desprezo de Musk pelas regulamentações, Niedermeyer mostra que a Tesla não conseguiu sobreviver no mercado livre e só existe hoje graças a um empréstimo de US $ 350 milhões do Departamento de Energia que veio em um momento crucial. Uma investigação do Los Angeles Times em 2015 revelou que o império de Musk foi construído com US $ 4,9 bilhões em apoio governamental. As pessoas podiam comprar Teslas caros, por exemplo, em parte porque o governo as pagava para comprar carros elétricos na forma de créditos fiscais. Travis County, no Texas, “ofereceu US $ 14,7 milhões (no mínimo) de redução de impostos para a construção de uma fábrica da Tesla” e “[uma] fábrica de Nevada foi construída com a promessa de até US $ 1,3 bilhão em benefícios fiscais ao longo de duas décadas”.

É bom que o governo interveio para tornar os carros elétricos mais atraentes. Apoiar inovações que o mercado não considera lucrativas faz parte da função do Estado. Mas o fato de Musk receber dinheiro público enquanto se apresenta como o heróico opositor libertário da enfadonha burocracia governamental é enlouquecedor. O mesmo ocorre com o fato de que ele, e não o público, é quem acaba enriquecendo. (Ah, mas ele disse a Bernie Sanders que está apenas “acumulando recursos para ajudar a tornar a vida multiplanetária e estender a luz da consciência às estrelas”.) E se as tendências atuais continuarem, as cidades podem acabar dando a Musk gigantescas somas de dinheiro com base em promessas ele não tem intenção de cumprir.

É fácil ver como o mito de Musk como um visionário planetário sobreviveu. Em primeiro lugar, ao contrário de Elizabeth Holmes, Musk realmente cumpriu parte do que prometeu, e muitas vezes apesar das grandes chances de fracassar. Niedermeyer observa que ter sucesso como uma startup na indústria automobilística é terrivelmente difícil, por causa dos imensos investimentos de capital necessários. Não é como produzir um software, quando uma vez feito, ele pode ser copiado infinitamente. Depois de fazer um protótipo brilhante de carro, começa a parte difícil, que é descobrir como produzi-lo em massa. A Tesla pode ter falhado as metas de produção e teve problemas de controle de qualidade, mas ela tem competido com fabricantes de automóveis centenários que tiveram muitas gerações para resolver os problemas no processo de produção. Verdadeiro, Niedermeyer relata que Musk parecia desinteressado em adotar as melhores práticas da indústria e medidas de controle de qualidade comprovadas. Mas nem tudo é fumaça e espelhos, e se a Tesla começar a difundir seus caminhões elétricos, ela fará algo para reduzir as emissões. Eu quero que a maldita empresa tenha sucesso.

Mas há claramente um problema sério com a noção de Musk como um Gênio Visionário. Em primeiro lugar, não está claro o quanto aqueles que ele emprega são bem-sucedidos por causa dele, e não apesar dele. Claramente, parte disso é apenas uma administração horrível – uma série de rompantes sem base em nada, exceto o desejo de exercer poder, não fazem nada para ajudar uma empresa a florescer. O CEO de uma empresa freqüentemente recebe crédito indevido pelo trabalho dos trabalhadores diligentes, mas que não buscam publicidade, que são os principais responsáveis ​​pelas realizações da instituição. (Musk começou ativamente a tentar diminuir o grau de crédito que outros obtinham pelo trabalho da Tesla no início, de acordo com Niedermeyer, e ele lutou para ser listado como um cofundador da empresa, embora não fosse.) Um executivo de engenharia disse que “quando as pessoas foram protegidas de Elon, Tesla foi incrível”e fez “coisas incríveis ”. Eu acredito, embora também possa acreditar aqueles que dizem que foram inspirados pela insistência de Musk em coisas objetivamente impossíveis. Pode haver algumas consequências positivas em ter uma instituição governada por uma criança-imperador demente. Às vezes, a criança exige o impossível, mas então as pessoas inteligentes precisam descobrir como fazer algo que se aproxime do impossível e apaziguar a criança. Em última análise, acho que a democracia é uma forma de governo muito mais estável e justa, e não acho que os benefícios de ser governado por um louco tirânico superem os custos consideráveis.

A ideia de “gênio”, mesmo de ser “inteligente” em si, também precisa ser descartada, porque implica que se alguém impressiona em alguma tarefa restrita, é inteligente e, portanto, vale a pena ser ouvido em assuntos que vão além de sua minúscula área de perícia. Timothy L. O’Brien, da Bloomberg, lamenta a maneira como as observações dos techno-reis do Vale do Silício “sobre a ordem social e o bem-estar social recebem mais atenção e ganham mais seriedade do que merecem, impulsionadas e apressadas pela ideia de que grande riqueza confere grande sabedoria.” No caso de Musk, uma certeza sobre seu gênio resulta em uma indulgência para com sua crueldade e uma falta de escrutínio de seus esquemas delirantes (às vezes até perigosos). Eu li relatos daqueles que trabalharam com Musk chamando-o de “o cara mais inteligente da sala” e, embora eu acredite que eles acreditam nisso, é importante observar que o cara que ninguém tem permissão para questionar por medo de perder o emprego muitas vezes parecerá o cara mais inteligente da sala, quando ele é apenas o mais poderoso. Um dos motivos pelos quais Elon Musk teve sucesso é que, de muitas maneiras, nossa economia recompensa aqueles que criam a aparência de valor, em vez do valor real. O preço das ações da Tesla confunde os analistas – sua “avaliação não faz sentido por nenhuma medida tradicional”. Em parte, ela prospera, e Musk continua a construir sua riqueza, porque ele conseguiu convencer as pessoas a depositarem suas esperanças nele, porque ele é um gênio para quem tudo dará certo no final. Os seguidores de Musk são de natureza quase religiosa, como qualquer pessoa que tenha causado o desagrado de seus fãs online sabe muito bem. Mas vivemos na era quando é fácil vender a aparência holográfica de uma coisa em vez da própria coisa. Musk está vendendo ilusões sobre um futuro que só parece legal porque as alternativas oferecidas são tão sombrias.

Mas nós podemos fazer melhor. Shannon Stirone, da Atlantic, contrasta o futurismo de Elon Musk com o de Carl Sagan, o grande astrônomo humanista, que tinha uma visão muito mais socialista, que enfatizava a beleza e o mistério do universo, e a loucura de nossas lutas pelo poder terrestre:

Sagan inspirou gerações de escritores, cientistas e engenheiros que se sentiram compelidos a perseguir o temor que ele desencavou do fundo de seus corações. Todo mundo que cita Sagan como uma razão pela qual eles estão em seu campo se conecta com a maravilha de ser humano e se maravilha com a sorte de ter crescido e evoluído em um planeta tão lindo e raro. A influência que Musk está exercendo sobre uma geração de pessoas não poderia ser mais diferente. Musk usou o meio do sonho e da exploração para embrulhar um pacote de direitos, ganância e ego. Ele não anseia por descobertas científicas, não deseja compreender o que torna a Terra tão diferente de Marte, como todos nós nos encaixamos e nos relacionamos. Musk não é um explorador; ele é um plantador de bandeiras.

É natural desejar um “futuro fantástico”. Pessoalmente, estou triste por não termos mais Feiras Mundiais exibindo o que pensamos que a humanidade pode realizar nas próximas décadas. O fandom de Musk surge em parte porque ele está oferecendo algo que se assemelha a um caminho para a energia limpa e a exploração espacial, ambas interessantes e importantes. Mas é uma miragem, e segui-la nos levará ainda mais na direção da distopia. Em vez disso, precisamos de uma visão humanística de um futuro de alta tecnologia, que rejeite os tiranos de locais de trabalho, viagens espaciais privatizadas e autoestradas subterrâneas que se multiplicam em favor da governança democrática, instituições públicas fortes e trânsito para o povo. Isso pode ser feito, mesmo no mundo das máquinas atuais. E pode ser mais inspirador do que qualquer coisa que Elon Musk jamais sonhou.

( * ) – O Homem do Espaço não endossa uma grande parte dos conceitos emitidos neste texto – apesar de concordar em alguns aspectos.

Módulo russo corrige órbita e Roskosmos mostra cauteloso otimismo

Duas correções de trajetória foram feitas

Os especialistas do Centro de Controle (TsUP) em Moscou realizaram duas manobras corretivas do módulo Nauka: A primeira às 18h07, hora de Moscou, quando os motores foram ligados por 17,23 segundos. O impulso foi de 1 m/s. O segundo acionamento ocorreu às 20:19 de Moscou, e durou 250,04 segundos. O impulso foi de 14,59 m/s. Parâmetros orbitais após os dois impulsos: Período orbital: 90,17 min; Inclinação 51,64 graus; perigeu 230,43 km, apogeu 364,86 km.
Assim, os dados de telemetria confirmaram a operabilidade do sistema de propulsão do módulo. Os próximos pulsos para novas correções orbitais estão programados para 23 de julho.

Fontes da NASA, que desejaram permanecer anônimas, relataram alguns problemas com o módulo já em órbita. Inicialmente, a comunicação com o terceiro estágio do foguete foi perdida durante o lançamento, mas posteriormente restaurada (e informações truncadas sobre a perde de telemetria com a nave). O centro de controle de vôo não recebeu a confirmação de telemetria da abertura da antena nº 1 do sistema Kurs-A (2ASF1-M-VKA). Além disso, nenhuma confirmação de telemetria da extensao do alvo de acoplagem da porta “nadir” foi recebida. Ambos os sensores infravermelhos de horizonte (IKV) relataram uma mensagem de falha. Vários motores de rendezvous e acoplagem também teriam apresentado uma “condição de travamento” durante o teste de orientação.

O Nauka está equipado com quatro tipo de motores; São os DKS, os DPS, os DTS e os MDDK:
Os DKS (dvigateli korrektsii i sblizheniya, motores de correção e encontro) são os dois motores principais de maior empuxo – cerca de 417 kgf, responsaveis por mudar a órbita da nave;
Os DPS, dvigateley prichalivaniya i sblizheniya (motores de encontro e amarração) com 40 kgf de empuxo
Os DTS dvigateli tochnoy stabilizatsii – motores de estabilização precisa fazem os ajustes finos de posição, e que produzem 1.36 kgf de empuxo.
Estes motores fazem as manobras até a acoplagem com a estação espacial.

Localização dos motores do módulo

O quarto grupo de motores, desenvolvidos especialmente para o Nauka, são os MDDK. São dois grupos de seis tubeiras de cerca de 40 kgf de força destinadas a funcionar apenas quando o módulo estiver engatado na estação, para fazer controle de atitude (“rolagem”) do complexo orbital.

Por causa desses problemas, a primeira manobra para corrigir a órbita do módulo teve que ser cancelada para que os engenheiros tivessem mais tempo para lidar com os motores. Há informações de que o Naua está em vôo estável, tem um consumo de energia normal de seus painéis solares, e o suporte de vida está funcionando normalmente. A Roskosmos ainda não comentou sobre o assunto.

Mir

Primeira estação multimodular de longa duração

Noite de 19 para 20 de fevereiro de 1986: O módulo principal (BB, Bazoniy Blok, Bloco Base) da estação espacial Mir (DOS-7 17КS №12701) – Dolgovremennaya Orbitalnaya Stantsiya – foi lançado da plataforma 200/39 do Cosmodromo Baikonur a bordo de um foguete Proton 8K82K №33701. Esta foi a primeira seção da estação espacial. Consistia em alojamentos e sistemas ambientais, motores e quatro portas de encaixe nas quais módulos adicionais seriam conectados. A Mir não estava tripulada quando foi colocada em órbita baixa da Terra. A primeira tripulação de dois homens chegou em 15 de março de 1986 e começou a colocar online os sistemas. A primeira expedição ficou a bordo por 51 dias. O bloco-base da Mir tinha 13,13 metros de comprimento e 4,15 metros de diâmetro. O volume habitável do módulo era de 90 metros cúbicos. No lançamento, tinha uma massa de 20.400 kg. O Proton 8K82K poderia colocar uma carga útil de mais de 20.000 kg em baixa órbita terrestre. O foguete foi atualizado a pedido da NPO Energiya para desenvolver um impulso extra para o lançamento do Bloco Base com 20.900 kg.
A unidade base foi o primeiro elemento principal do complexo. Foi desenvolvido na NPO Energiya com base no DOS “Salyut-7”. Os objetivos da unidade base eram: – fornecer as condições necessárias para a tripulação realizar o trabalho planejado e descansar; – garantir o fornecimento de eletricidade ao complexo; – gerenciamento de processos de orientação e correção de órbita; – garantir processos de encontro e acoplagem de naves espaciais; – manter o modo de vida necessário dentro do bloco; – fornecer uma porta de acesso ao exterior para atividade fora da nave; – realização de pesquisas e experimentos científicos ; – garantir a interação com o controle da missão. Para fornecer essas funções , além do equipamento principal, havia vários sistemas de suporte à vida da tripulação e equipamentos científicos, além de locais para relaxamento. Pelo projeto, o esquema e as dimensões da unidade base eram semelhantes ao DOS “Salyut-7” e consistiam em um compartimento de transição hermético com cinco unidades de acoplamento passivas (uma axial e quatro laterais) do tipo cone e pino (SSVP-P), compartimento de trabalho hermético e compartimento agregado (ou seja, de motores e tanques) não pressurizado com uma unidade de acoplamento passiva. Nos sistemas de acoplagem axial e um lateral havia cones de recepção e nos outros três agregados laterais, portas planas. Os veiculos de transporte (Soyuz tripulado e Progress não-tripulado) e os módulos deviam acoplar na unidade de acoplamento axial. O compartimento de transição PkhO, além de fornecer funções de acoplamento, deveria atuar como uma câmara ar na preparação para atividades extraveiculares. Na superfície externa do PkhO, que era protegida por um isolamento térmico de tela a vácuo (EVTI em russo), foram instalados suportes nos quais foram montados corrimãos, antenas do sistema de aproximação “Kurs-P”, alvos de acoplamento, câmera e luzes laterais. O compartimento de transição foi equipado com quatro vigias. A unidade base era um compartimento de trabalho exíguo com o posto de controle central “Pluton” em uma zona de pequeno diâmetro, equipada com aparelhos diversos e nove janelas, uma das quais (a nº 9) tinha um diâmetro de 50 cm. Duas vigias estavam localizadas em cabines individuais (duas cabines pessoais (com um volume de 1,2 m3 cada),) nos lados direito e esquerdo. O comprimento do compartimento de trabalho era de 7,67 m, e seu maior diâmetro era de 4,15 m, o volume selado era de 75 m3. Na área do compartimento de grande diâmetro, havia um compartimento sanitário (com um volume de 1,2 m3) com um lavatório e um dispositivo sanitário, uma cozinha com um freezer, uma mesa de trabalho com meios de fixação e aquecimento, tanque de armazenamento de água (volume 50 l) e sua unidade de distribuição, equipamentos, simuladores para exercícios físicos (bicicleta ergométrica e esteira de corrida) e um dispositivo para medir o peso corporal em gravidade zero. Havia uma câmara de ar no piso para ejetar recipientes de lixo e mesmo pequenas naves espaciais. Havia três nichos nas laterais e na parte superior do pequeno diâmetro do compartimento, no qual painéis solares foram instalados. Nos lados, dois painéis solares principais rotativos com uma envergadura de 29,73 m e uma área total de 76 m2. Montado na unidade superior, foi fixado um terceiro painel solar desdobrável de 10,6 m que foi erguido durante o vôo do complexo. Potência máxima de dois painéis solares principais e do extra – 12,2 kW.
A estação espacial Mir foi continuamente expandida. Foi ocupada por 4.592 dias consecutivos. Permaneceu em órbita até 23 de março de 2001.

Módulo russo segue ‘estável’ após lançamento com falhas técnicas

Espaçonave segue com sistema elétricos e ambientais funcionando

Proton-M com o Nauka foi lançado do Cosmódromo de Baikonur

O foguete Proton-M com o módulo de laboratório multiuso Nauka (MLM-U) foi lançado da plataforma de lançamento PU nº 39 na Área 200 do Cosmódromo de Baikonur às 17: 58: 24.938, horário de Moscou em 21 de julho de 2021. De acordo as fontes oficiais, com as informações de telemetria recebidas, todas as fases do lançamento (separação dos estágios e alijamento das metades da carenagem de cabeça) transcorreram em modo nominal. Porém, um relatório posterior da Roskosmos citou: “O lançamento do MLM ocorreu no horário GMT 14: 58: 24.958. A decolagem foi nominal. O funcionamento não não pôde ser confirmado para a antena [do sistema] Kurs-A, 2АSF1-М-VКА №1, e para o alvo visual da porta nadir do MLM devido à telemetria insuficiente. Ambos os sensores infravermelhos de horizonte IKV e vários propulsores DPS acusaram falhas durante o teste do sistema de controle de empuxo na órbita 1; todos estavam desativados por algum tempo. O TsUP – Centro de Controle de Voo – está solucionando esses problemas. Detalhes adicionais serão divulgados no final do dia sobre o Nauka.”

Detalhes externos no módulo

Tais problemas não foram porém, relatados em anúncios posteriores, apenas uma menção de que uma das estações de telemetria de solo, a NIP-7 na localidade de Barnaul, não havia conseguido contato com a espaçonave. Isso indica que os eventuais problemas podem não ser determinantes para impedir que a espaçonave se acople à estação espacial internacional. Outras naves semelhantes ao Nauka (também baseadas no desenho 77K, herdado dos antigos transportadores TKS da era soviética) tiveram problemas após o lançamento mas conseguiram prosseguir no voo e acoplar-se à estação orbital (no caso, a Mir). Os painéis solares foram estendidos e o sistema de controle de suporte de vida na cabine pressurizada funciona bem.

Antena 2АSF1-М-VКА № 1

O foguete Proton-M injetou o módulo multiuso de laboratório Nauka em uma órbita baixa com os parâmetros: Apogeu: 375,5 km; perigeu 199,0 quilômetros; inclinação – 51,6 graus; período orbital 89,96 min.

De acordo com o ciclograma da missão, 580,3 segundos após o lançamento, a carga útil se separou do terceiro estágio do veículo lançador. A duração da inserção do módulo na zona de aproximação com a estação espacial internacional é de 8 dias. A acoplagem no módulo Zvezda está prevista para 29 de julho de 2021 às 16:26, horário de Moscou.

O foguete Proton-M é produzido no Khrunichev Center (afiliada da Roskosmos) e é usado para lançar cargas em órbitas específicas e trajetórias de voo em programas federais e comerciais desde 2001. Ao longo dos anos, o Proton-M passou por quatro fases de modernizações, que melhoraram significativamente sua carga e características ambientais para o lançamento de cargas pesadas individuais e conjuntas. O lançamento de hoje foi o 425º para a família de foguetes Proton e o 111º para a versão modernizada M.

O Nauka é o módulo de laboratório polivalente do segmento russo da ISS. Foi criado por uma cooperação de empresas com o objetivo de implementar um programa de experimentos científicos e expandir a funcionalidade do segmento russo. Após o comissionamento, o segmento russo receberá volumes adicionais para trabalho e armazenamento de cargas, acomodação de equipamentos para regeneração de água e oxigênio.

Funções do módulo:

  • Porta de encaixe para espaçonaves de transporte de carga Progress MS, espaçonaves tripulada Soyuz MS e o módulo de multiacoplagem Prichal;
  • controle de ‘rolagem’ da Estação ;
  • recebimento de combustível de espaçonave de carga Progress MS, seu armazenamento e transferência para os tanques do módulo Zvezda para realizar operações de correção de órbita, orientação e estabilização da ISS;
  • armazenamento de cargas no interesse do segmento russo da ISS;
  • assegurar o funcionamento do manipulador europeu ERA;
  • operação do complexo de cargas úteis para pesquisa científica e aplicada em condições de conforto da tripulação;
  • produção de oxigênio para atender às necessidades da tripulação de até seis pessoas;
  • operação da câmara de ar ShK para trabalho com cargas científicas, incluindo o uso do braço robótico europeu ERA;
  • funcionamento de uma oficina de bordo e de cabine para um terceiro tripulante do segmento russo da ISS, bem como garantir o funcionamento da unidade sanitária com sistema de regeneração de água a partir da urina.

Módulo russo Nauka é lançado para a ISS

O Nauka levou quase vinte anos em preparação

O foguete Proton-M (veículo 8K82KM nº 5114837973) de três estágios carregando o módulo Nauka (espaçonave 77KML 15901) decolou da Plataforma 89 da Área 200 no Cosmódromo de Baikonur hoje, 21 de julho de 2021 às 17:58:24,938h , horário de Moscou. O veículo colocou a nave em órbita de 195,1 km por 353,9 km, com período orbital de 89,6 minutos e inclinação de 51,62 graus em direção ao Equador. Outras informações dão conta de uma órbita inicial prevista de 196 x 365 quilômetros.

Decolagem da Plataforma 89 da Área 200 de Baikonur

Seção cabeça (coifa, espaçonave e seção adaptadora) na decolagem estava pesando 23.180 kg. A seção de carga útil após a separação da coifa teve massa de 20.980 kg; a massa do Nauka após sua separação do 3º estágio na órbita inicial foi estimada em 20.350 kg.

Cronograma de lançamento

EtapaTempo decorridoAltitudeVelocidade
Decolagem000
Separação do estágio 1123,7 s43,65 km1.669 m/s
Separação do estágio 2331,3 s138,3 km4.427 m/s
 Separação da carenagem de carga útil346,7 s140,2 km5.093 m/s
Separação do estágio 3568,0 s185 km7.551 m/s
Separação da espaçonave580,2 s190 km8.005 m/s

Após uma inserção orbital nominal, a espaçonave se separou do terceiro estágio do veículo de lançamento às 09: 49: 47.20, horário de Moscou.

O Nauka deve acoplar no Zvezda em 29 de julho de 2021, às 16:26, horário de Moscou.
O módulo seguirá um perfil de encontro de oito dias com a ISS usando seu sistema de propulsão para se encontrar com a estação. Cerca de cinco horas após entrar na órbita de estacionamento, o controle de missão comandará dois disparos dos motores para testar o desempenho do SUDN – Sistema de Controle de Movimento e Navegação.

Cerca de 27 horas depois do lançamento, duas correções de órbita devem ser realizadas para entrar na órbita de faseamento, ainda abaixo da ISS, fazendo com que o módulo gradualmente se aproxime da estação. Duas manobras subsequentes, planejadas aos seis dias de vôo, irão aumentar a órbita para proximo à da ISS e colocar o Nauka perto o suficiente da estação para que as antenas do sistema Kurs-A controlem o regime de aproximação. Uma manobra extra no sétimo dia deve refinar a órbita para o encontro a uma altitude de 420 km. A espaçonave usará o sistema Kurs para se aproximar automaticamente da ISS, alinhar-se com a porta nadir no Módulo de Serviço Zvezda e realizar uma acoplagem totalmente automatizado com o segmento russo da ISS.
Em caso de falha da primeira tentativa de encontro, o módulo terá propelente suficiente para uma segunda tentativa, além de reservas para outros imprevistos. A tripulação a bordo da estação também terá a capacidade tomar o controle manual e acoplamento do módulo, usando o console de controle remoto TORU dentro do Zvezda.

Vista lateral do Nauka

O Nauka (“Ciência”), ou Módulo de Laboratório Multiuso Avançado, MLM-U (Mnogofunktsional’niy Laboratorniy Modul’ MLM-U – Usovershenstvovanniy) será o principal módulo funcional do segmento russo. É um laboratório científico multidisciplinar equipado com 12 locais de trabalho. O MLM-U, designação industrial 77KML, pesa 20.350 kg, tem 13,12 m de comprimento e 4,25 m de diâmetro. Oferece 70 m3 de volume pressurizado, incluindo 8m3 para equipamentos científicos.

Nauka acoplado à porta inferior (nadir) do módulo de serviço Zvezda

Foguete Proton-M

De 2001 a 2012, o veículo de lançamento Proton-K foi gradualmente substituído por uma nova versão modernizada, Proton-M. Embora o projeto do Proton-M seja baseado principalmente no Proton-K, mudanças foram feitas no sistema de controle , que foi substituído por um novo sistema de controle avançado baseado num  computador digital integrado (BTsVK). Com o uso do novo sistema de controle no Proton-M as seguintes melhorias foram incorporadas:

Foguete 8K82KM Proton-M
  • esgotamento mais completo do suprimento de propelente a bordo, que aumenta a massa do carga em órbita e reduz os restos de componentes nocivos nos locais onde caem os primeiros estágios descartados do veículo lançador;
  • redução do tamanho das áreas previstas para a queda dos estágios;
  • a possibilidade de manobra espacial na fase ativa do vôo amplia o leque de inclinações possíveis das órbitas de referência ;
  • simplificação do projeto e aumento da confiabilidade de diversos sistemas, cujas funções passaram a ser desempenhadas pelo BTsVK;
  • a possibilidade de instalação de grandes carenagens de cabeça (de até 5 m de diâmetro), o que permitiu mais do que dobrar o volume de carga e a utilização de vários estágios superiores no lançador ;
  • Melhoria nos sistemas elétricos e hidráulicos nas unidades de turbobombas do motor, por meio da utilização de aditivos especiais de materiais poliméricos, poliisobutileno de alto peso molecular (PIB). O uso de combustível com o aditivo PIB aumentou a massa da carga útil lançada na transferência para a órbita geoestacionária em 1,8 tonelada;
  • preparação rápida do foguete.

Essas mudanças, por sua vez, levaram a uma melhoria nas características de massa Proton-M . Além disso, a modernização do com o estágio superior Briz-M foi realizada após a intridução do modelo. A partir de 2001, o foguete e o estágio superior passaram por quatro fases de modernização (Fase I, Fase II, Fase III e Fase IV), cujo objetivo era facilitar o projeto, aumentar a potência do motores de primeiro estágio (substituindo o os RD-275 pelos RD -276), bem como outras melhorias.

Crew Dragon muda de posição para dar lugar à nave da Boeing na ISS

Astronautas da nave C206 Endeavour saíram da porta frontal para a porta “zênite” do módulo Harmony por volta das 07:30 de Brasília

Os astronautas da missão SpaceX Crew-2 da NASA na Estação Espacial Internacional realocaram sua nave Crew Dragon Endeavor C206 hoje, quarta-feira, 21 de julho, estabelecendo a condição para que duas espaçonaves tripuladas comerciais americanas diferentes serão acopladas à estação ao mesmo tempo.

C206 Endeavour em voo livre aproximando-se para re-docagem

A cobertura ao vivo começou às 06h30 EDT (06:30 Brasilia) na televisão da NASA, no aplicativo e no site da agência.

Os astronautas da NASA Shane Kimbrough e Megan McArthur, o astronauta da JAXA japonesa Akihiko Hoshide e o astronauta da ESA europeia, francês Thomas Pesquet embarcaram na Crew Dragon por volta das 4h30 EDT e se desacoplaram da porta frontal do módulo Harmony da estação às 06h45 EDT. A espaçonave acoplou-se novamente na porta “zênite” da estação às 7h32 EDT.

Crew Dragon C206 engata-se firmemente ao colar de encaixe IDA-3 que está instalado no colar APAS-95 do compartimento pressurizado PMA-3, que forma a extensão de volume para o módulo multiporta Harmony da ISS

A realocação liberou a porta da frente de Harmony para o acoplamento da espaçonave CST-100 Starliner da Boeing, com lançamento previsto para sexta-feira, 30 de julho, como parte do Boeing Orbital Flight Test-2 (OFT-2) para a NASA. O vôo testará as capacidades completas da Starliner do lançamento ao acoplamento, reentrada atmosférica e pouso no deserto no oeste dos Estados Unidos. A missão não tripulada trará dados sobre o sistema de transporte de tripulação da Boeing e ajudará a NASA a certificar a nave e o foguete tipo Atlas V N22 da United Launch Alliance para voos regulares com astronautas para a estação espacial.

Esta será a segunda mudança de porta de uma espaçonave Crew Dragon. A missão SpaceX Crew-2 decolou em 23 de abril do Kennedy Space Center na Flórida e foi acoplada à estação espacial em 24 de abril. A Crew-2, que deve retornar no início a meados de novembro, é a segunda das seis missões de tripulação certificadas para a NASA que a SpaceX planejou como parte do Programa de Tripulação Comercial da agência.

Saiba mais sobre a estação espacial internacional do Livro Estações Espaciais Volume II – ISS, da Biblioteca Espacial Brasileira do Homem do Espaço

Módulo russo Nauka deve ser lançado hoje para a ISS

Depois de anos de adiamentos, o MLM-U decola de Baikonur às 11:58 da manhã

Foguete Proton-M na plataforma de lançamento 39 da área 200 de Baikonur

Hoje, quarta-feira, 21 de julho de 2021, no cosmódromo de Baikonur, a Comissão Estatal de Testes de Voo de Complexos Espaciais Tripulados considerou os resultados das checagens e as conclusões técnicas sobre o veículo lançador Proton-M com o módulo de laboratório multiuso Nauka na Área nº 200. De acordo com os resultados da reunião a Comissão tomou uma decisão sobre a preparação do foguete espacial Proton-M para abastecimento de propelente. De acordo com o cronograma de pré-lançamento, às 12h00, horário de Moscou, o foguete será abastecido com oxidante (tetraóxido de nitrogênio) e, em seguida, às 13h35, com combustível dimetil hidrazina assimétrica. Às 15h20, começarão as operações finais do foguete e da unidade de serviço.

Descrição meramente ilustrativa das fases do lançamento
Descrição meramente ilustrativa das fases de órbita da espaçonave desde o lançamento até a acoplagem com a estação espacial internacional
Proton-M na torre de serviço 8T185 para checagem e abastecimento

O lançamento do foguete Proton-M com o Nauka está programado para às 17:58:25, horário de Moscou (11:58:25 de Brasília), do complexo de lançamento 200 de Baikonur. A duração da fase ativa do voo do veículo lançador (até a separação do módulo) será de 580 segundos (9,67 minutos).
A transmissão ao vivo das operações de pré-lançamento com comentários de especialistas da indústria espacial e de foguetes começará às 16h30, horário de Moscou (10:30 Brasília), na seção ‘Transmissão Online’ do site e nas redes sociais da Roskosmos. A transmissão em português será no canal Ned Oliveira Astronomia com comentários técnicos do Homem do Espaço.

O foguete Proton-M tem sistemas de controle digitais, construção mais leve e motorização avançada; tem 60,32 metros de comprimento e cerca de 725.000 kg de massa na decolagem.

O novo módulo russo foi projetado para aumentar as capacidades técnicas e operacionais do segmento russo da Estação Espacial Internacional. Isso garantirá a possibilidade de implementar um programa de pesquisa científica no interesse da ciência, incluindo o desenvolvimento e aumento dos recursos do segmento russo da ISS. Com o Nauka, os cosmonautas russos ganham um segundo banheiro, uma cabine para um terceiro tripulante e o manipulador robótico europeu ERA, que lhes permitirá realizar trabalhos sem sair para o espaço exterior.

O módulo foi criado pela cooperação da Rocket and Space Corporation Energia (parte Roskosmos), como desenvolvedora do módulo. A estrutura do módulo foi fabricada pelo Centro de Produção e Pesquisa Espacial do Estatal Khrunichev, também filiada à Roskosmos.

Módulo Nauka

O Nauka consiste em um compartimento de instrumentos hermético e um adaptador esférico pressurizado, separados por uma antepara selada com uma escotilha.

Experimentos – O cosmonauta Oleg Novitsky expressou esperança de que o trabalho na ISS após a acoplagem do MLM Nauka se torne”mais interessante”. O módulo está equipado com desesseis estações de trabalho para experimentos externos e 14 internos. O Nauka transporta contêineres de água, corrimãos, ventiladores, cabos e outras cargas para a ISS. Após a acoplagem, a Roskosmos planeja conduzir treze novos experimentos em várias disciplinas, incluindo Kaplya-2 (tecnologias espaciais), Aseptic e Vitasys -T (biologia espacial e fisiologia), Mirage, Vampir e Fulleren (todos os três em ciência de materiais espaciais), Rakurs (observação da Terra a partir do espaço) e outros.

Mentiras e verdades sobre o primeiro homem na Lua

Mentiras sobre a razão da escolha de Neil Armstrong como primeiro na Lua, UFOs, piadas e outras falácias repetidas por décadas

Mentira : Armstrong foi escolhido para a Apollo 11 porque ele era civil, e a Casa Branca queria que o primeiro homem na Lua fosse civil, não um piloto militar.

Verdade : Armstrong acabou como comandante da Apollo 11 por meio de sua progressão metódica de atribuições de tripulação primária e reserva em todo o programa Gemini e no início da Apollo. Ninguém sabia, quando ele entrou naquele fluxo, quantas missões Apollo seriam necessárias antes da primeira tentativa de pouso real. Alguns especularam que foi sua ação heróica na Gemini 8 que levou a NASA a escolhe-lo para comandar o primeiro pouso na Lua. Armstrong foi escolhido para comandar a Apollo 11 muito antes de se saber que a Apollo 11 seria a primeira missão de pouso lunar. As missões Apollo eram para realizar missões classificadas com letras, cada uma para cumprir um objetivo específico – por exemplo, a missão tipo A era um vôo não tripulado do Saturno V. A missão tipo B referia-se a um teste não tripulado do módulo lunar. A tipo C era um vôo tripulado da combinação módulo de comando/módulo de serviço da Apollo. E assim por diante. A missão tipo G seria o primeiro pouso na Lua. Se qualquer uma das missões Apollo falhasse, a próxima missão assumiria suas atribuições. No momento em que as tripulações foram selecionadas para as missões, não se sabia quantas missões falhariam. A Apollo 11 poderia ter acabado realizando uma missão tipo F, testando o módulo lunar na órbita terrestre. Ou poderia ter sido uma missão H, após o sucesso de um primeiro pouso na Lua bem-sucedido. Foi o sucesso das missões Apollo anteriores que colocou Neil Armstrong no comando do primeiro pouso na Lua com sucesso.

Mentira : Armstrong “usou sua influência” e teve prioridade sobre seu companheiro de bordo, Buzz Aldrin, que originalmente havia sido escalado para ser o primeiro homem a pisar na Lua.

Verdade : nas missões Gemini, o co-piloto fazia as atividades extraveiculares, enquanto o comandante (piloto-comandante) permanecia na espaçonave nos controles. Mas o fator decisivo na Apollo foi que a dobradiça da escotilha do módulo lunar de abertura interna abria para a direita, o que significava que quando a fosse aberta pela primeira vez, o comandante tinha o caminho livre para rastejar para trás através da porta baixa. O segundo astronauta poderia então mover-se facilmente para o espaço desocupado pelo comandante e repetir a manobra. Fazer o segundo piloto sair primeiro, enquanto o comandante ainda estivesse em seu posto, teria sido complicado na apertada cabine.

Mentira : o “um pequeno passo” de Armstrong na superfície foi, na verdade, um salto de 1 metro da escada do módulo lunar até o solo.

Verdade : o jornalista Walter Cronkite, que estava narrando o início da caminhada na Lua e realmente falou sobre a maior parte do comentário original de Armstrong (“O que ele disse?”, Ele perguntou ao astronauta Walter Schirra) e parece ter publicado essa versão errônea pela primeira vez. Cronkite, e legiões de autores que seguiram seu exemplo, negligenciaram o fato de que Armstrong já havia descido da escada e estava de pé sobre a sapata do trem de pouso. O astronauta então moveu seu pé esquerdo suavemente sobre a borda e para a poeira lunar, um verdadeiro “pequeno passo” como ele descreveu. No entanto, numerosos replays de vídeo da caminhada na Lua, incluindo alguns da própria NASA, sincronizaram a trilha de áudio para fazer incorretamente o comentário do “pequeno passo” seguir o primeiro salto da escada.

Mentira : Armstrong errou em sua famosa frase sobre “one small step for A man” (“um pequeno passo para um homem”) ao se esquecer de pronunciar o “a”:

Verdade : o próprio Armstrong se lembra de ter dito isso, mas o link de rádio intermitente pode ter suprimido a sílaba.

Mentira : após o vôo, Armstrong se retirou totalmente do contato público.

Verdade : Armstrong certamente não capitalizou sua fama mas ele serviu em comitês da NASA e falava regularmente com repórteres, historiadores e especialmente com outros pilotos, em reuniões como no salão de Oshkosh.

Mentira : Durante a caminhada na Lua, Armstrong fez um comentário enigmático, “Boa sorte, Sr. Gorsky,” em homenagem a um vizinho de infância dele em Ohio, cuja esposa indignada gritou que realizaria um ato sexual solicitado por seu marido somente ” quando o filho do vizinho caminhasse na Lua. “

Verdade: O comentário não está em nenhuma gravação ou transcrição, nem foi ouvido por ninguém em tempo real. Parece ter se originado de uma piada do comediante Buddy Hackett.

Mentira : Armstrong observou OVNIs no voo para a Lua, e novamente quando ele estava na superfície.

Verdade : a maioria das tripulações das Apollos na fase translunar notou luzes piscando “acompanhando” suas naves, que acabaram por ser partes de seu veículo de lançamento Saturno 5, e especialmente os quatro painéis do SLA spacecraft adapter, que eram descartados após o lançamento. “Transcrições secretas da Lua” do escritor de ficção científica Otto Binder e outras presentes nos tablóides da época parecem ter sido inteiramente fabricadas, já que os radioamadores na Terra monitoraram independentemente muitas das transmissões reais e ouviram as mesmas coisas que a NASA oficialmente divulgou ao vivo.

Apollo 11: Aniversário da missão histórica

20 de julho marca o 52º aniversário do voo histórico

O vôo histórico da Apollo 11 completa 52 anos neste mês de julho. Ainda hoje considerada a missão espacial mais importante da História, o voo dos astronautas da Apollo marcou uma geração e inspirou muitos jovens a seguirem carreiras relacionadas à exploração espacial.

Em 20 de julho de 1969 às 20:17:39 UTC, o comandante da tripulação Neil Armstrong e o piloto Edwin ‘Buzz’ Aldrin pousaram o módulo lunar da espaçonave Apollo 11 na região sudoeste do Mar da Tranquilidade. Eles permaneceram na superfície lunar por 21 horas 36 minutos e 21 segundos. Todo esse tempo, o piloto do módulo de comando Michael Collins estava esperando por eles em órbita circunlunar. Os astronautas fizeram uma saída para a superfície, que durou 2 horas 31 minutos e 40 segundos. A primeira pessoa a pisar na Lua foi Neil Armstrong. Isso aconteceu em 21 de julho às 02:56:15 UTC. Aldrin juntou-se a ele 15 minutos depois. Como parte deste primeiro pouso lunar, três pacotes básicos de experimentos foram instalados, amostras de material lunar foram coletadas, e fotografias da superfície foram tiradas.

Antigo desenho dos componentes do sistema Apollo: O CSM (módulos de comando e serviço) e o LM, ou módulo lunar

A conclusão bem sucedida do programa de vôo da Apollo 11 significou a realização da meta nacional estabelecida pelo presidente dos EUA, John F. Kennedy em maio 1961 – a pousar na Lua até o final da década, e marcou a vitória na corrida lunar sobre a União Soviética.

Apollo CSM: 1 – coifa de proteção do nariz; 2- pontos de fixação da torre de escape; 3- sistema ejetor dos paraquedas; 4- estruturas de amortecimento dos assentos; 5- motores de arfagem do módulo de comando; 6- antena; 7- radiadores do sistema de controle térmico ambiental; 8- tubeira do motor de propulsão de serviço (SPS) do módulo de serviço; 9- tanques de propelente; 10- células de combustível; 11- tanque de hélio; 12- quadrante com motores de controle de atitude; 13- motores do sistema de controle de reação; 14- motores de rolagem ; 15- motores de guinada; 16- coifa de proteção inferior do cone do módulo de comando; 17- cabine pressurizda; 18- paraquedas; 19- Túnel de acoplamento com o módulo lunar
Foguete Saturno V

A missão

O veículo espacial Apollo 11 foi lançado em 16 de julho de 1969, em 8:32 am EST, conforme planejado. A espaçonave e estágio S-IVB foram inseridos em uma órbita de estacionamento terrestre de 162.06 por 159.64 km. Depois de 2-1/2 horas de período de verificação, a combinação nave espacial/S-IVB foi injetada na fase translunar da missão. Os parâmetros de trajetória após o os disparos de injeção translunar foram quase perfeitos, com a velocidade dentro 0,48 metros por segundo do planejado. Apenas uma das quatro opções para o meio do curso correções durante a fase translunar. Esta correção foi feito com o sistema de propulsão de serviço em aproximadamente 26-1/2 horas e produziu uma mudança de velocidade de 6,37 m/s.

Trajetória de ascenção do Saturno V/Apollo
Espaçonave ainda ligada ao terceiro estágio do foguete, em órbita terrestre, antes da injeção translunar

Durante os demais períodos de vôo de atitude livre, o controle térmico passivo foi usado para manter temperaturas da nave espacial dentro dos limites desejados. O comandante e Lunar Módulo piloto transferido para o módulo lunar durante a fase translunar para fazer uma inspeção inicial e preparações para verificações de sistemas em breve após a inserção na órbita lunar.

A espaçonave foi inserida em uma órbita lunar de 96.56 por 273.10 km em aproximadamente 76 horas. Quatro horas depois, a circularização da órbita lunar manobra foi realizada para colocar a espaçonave em órbita de 86.58 km. O piloto do módulo lunar entrou no módulo em cerca de 81 horas para a inicialização e verificações dos sistemas.
Depois do planejado período de sono foi concluído em 93-1/2 horas, a tripulação vestiu seu trajes, transferidos para o módulo lunar e feitos os preparativos finais para descida à superfície lunar.
O módulo lunar foi desacoplado a tempo às cerca de 100 horas. Depois que o exterior do módulo lunar foi inspecionado pelo piloto do Módulo de Comando, uma manobra de separação foi realizada com o sistema de controle de reação do módulo de serviço.
A manobra de inserção da órbita de descida foi realizada com a descida sistema de propulsão em 101-1/2 horas. Parâmetros de trajetória seguindo este manobra foi planejada, e a iniciação da descida motorizada foi pontual em 102-1/2 horas.

A manobra durou aproximadamente 12 minutos, com desligamento do motor ocorrendo quase simultaneamente com a alunissagem lunar no Mar da Tranquilidade. As coordenadas do ponto de pouso real eram 0 grau 41 minutos 15 segundos de latitude norte e 23 graus 26 minutos longitude leste, em comparação com o ponto de pouso planejado de 0 grau 43 minutos 53 segundos de latitude norte e 23 graus 38 minutos 51 segundos longitude leste.
Essas coordenadas foram referenciadas ao Mapa Lunar ORB-II-6-100, primeira edição, datada de dezembro de 1967. Uma verificação pós-pouso de 2 horas foi concluída, seguida por uma parcial desligamento da espaçonave. Um período de descanso da tripulação foi planejado para preceder a atividade extraveicular para explorar a superfície lunar.

No entanto, o tripulação eleita para realizar a porção extraveicular da missão anterior para o período de sono porque eles não estavam excessivamente cansados e estavam se ajustando facilmente para a gravidade de 1/6 g.
Depois que a tripulação vestiu seu suporte portátil de vida e completou as verificações necessárias, o comandante saiu em cerca de 109 horas.
A câmera de televisão localizada no módulo operou de forma satisfatória e produziu cobertura de televisão ao vivo da descida do comandante à superfície lunar. O comandante coletou amostras de material lunar de contingência, e aproximadamente 20 minutos mais tarde, o piloto do Módulo Lunar saiu e a exploração da dupla na superfície lunar começou. Durante este período de exploração, uma câmera de televisão foi instalada e a bandeira americana hasteada na superfície lunar.

Astronauta junto ao módulo lunar

O experimento de vento solar também foi instalado para possível recuperação posterior. Ambos os tripulantes avaliaram sua mobilidade na superfície lunar, instalaram o experimento de sísmica passiva e o retro-refletor a laser; e coletaram cerca de 21.32 kg de material, obtiveram documentação fotográfica de suas atividades e as condições ao seu redor. Os tripulantes reentraram no módulo após cerca de 2 horas e 14 minutos de exploração. Após um período de descanso de 8 horas, a tripulação iniciou os preparativos para a subida. A decolagem do estagio de subida da superfície lunar ocorreu pontualmente às 124: 22: 00.8.

Aldrin saudando a bandeira

O estágio de subida foi inserida em uma órbita de 77.24 por 15.12 km a partir da qual um ponto de encontro em sequência semelhante ao ensaiado antes na missão Apollo 10 foi executado com sucesso. Aproximadamente 4-1/2 horas após a subida do módulo lunar, o módulo de comando realizou a manobra de aproximação, e as duas espaçonaves foram acopladas.

O estágio de ascensão foi alijado na órbita lunar e a nave-mãe (CSM- Command and Service Module) foi preparada para a injeção trans-terra em 135-1/2 horas. As atividades durante a travessia ate a Terra foram semelhantes àquelas durante o voo translunar.

O módulo de serviço foi separado do módulo de comando 15 minutos antes de alcançar a interface de entrada na atmosfera terrestre a 121.92 km de altitude. Após uma sequência de entrada automática e abertura do sistema de pouso por paraquedas, o módulo de comando amerrissou no Oceano Pacífico em 195-1/2 horas.

Sequência de pouso da Apollo no mar

Os procedimentos de pós-pouso envolvendo o navio de recuperação principal, o USS Hornet, incluiu precauções para evitar a contaminação de volta por eventuais organismos lunares, e a equipe e as amostras foram colocadas em quarentena. Depois de chegar ao Manned Spacecraft Center, a nave, a tripulação e as amostras entraram na área de quarentena do Laboratório Receptor Lunar para a continuação da observação e análises pós-aterrissagem. A tripulação e espaçonave foram liberadas da quarentena em 10 de agosto de 1969, após o que não foram observadas evidências de reações médicas anormais.

Histórias da Apollo-11

O Computador de Orientação Apollo AGC, no módulo de comando, tinha dois trabalhos principais. Primeiro, ele computava o curso necessário para a Lua, calibrado por medições astronômicas que os astronautas faziam em voo, com um sextante não muito diferente do usado pelos navegadores oceânicos. Eles alinhavam a Lua, a Terra ou o Sol em uma visão e fixavam a localização de uma estrela com a outra. O computador media com precisão esses ângulos e recalculava sua posição. Segundo, controlava os muitos componentes físicos da espaçonave. O AGC poderia se comunicar com 150 dispositivos diferentes dentro da espaçonave – uma tarefa extremamente complicada. Ele tinha dezenas de subsistemas e todos os tipos de interfaces com uma plataforma de orientação e o sextante.

AGC

Fresado a partir de um bloco sólido de titânio, e depois equipado com doze travas de engate e selos de pressurização, o colar de acoplagem da nave Apollo fazia a ligação hermética entre o módulo de comando ao módulo lunar.

colar de acoplagem

A montagem dianteira do escudo térmico da cápsula (módulo de comando) da nave Apollo consistia em quatro painéis de favo de mel em forma cônica, um anel traseiro usinado, uma antepara dianteira e quatro acessórios para as pernas da torre de escape. A seção era montada na seqüência: Os acessórios das pernas da torre eram instalados, aparados e soldados a cada um dos quatro painéis em forma de colmeia. Os painéis eram instalados em um dispositivo que acomodava todos os quatro; os painéis eram aparados longitudinalmente e depois soldados por fusão.

Montagem dianteira do escudo térmico do módulo de comando

O sistema de proteção térmica nave Apollo foi fabricado a partir de um favo de mel de fibra de vidro preenchido com o ablator AVCOAT 5026-39G, uma resina epóxi-novalac reforçada com fibras de quartzo e micropelotas fenólicas. O TPS -thermal protection system – continha várias lacunas e penetrações que exigiam selos térmicos para impedir a ingestão de gases de reentrada com alta entalpia. O escudo térmico do compartimento da tripulação protegia a carcaça pressurizada e a cabine da tripulação do ambiente térmico de reentrada. O escudo térmico dianteiro protegia os pára-quedas, balões de flutuação e outros equipamentos localizados na parte superior do veículo e foi descartado no final da missão para permitir a abertura dos pára-quedas. Todas as três seções do escudo térmico (painel traseiro, compartimento da tripulação e escudo térmico dianteiro) foram fabricadas em do “favo de mel” de fibra de vidro a uma subestrutura de aço inoxidável com fita adesiva HT-424. A linha de ligação foi inspecionada para garantir que uma boa colagem foi alcançada, após o que a montagem foi curada em autoclave. Após a cura, cada uma das aproximadamente 370.000 células de favo de mel foi preenchida manualmente com o ablator AVCOAT usando um dispositivo semelhante a uma pistola de calafetagem de alta pressão. O favo de mel preenchido foi curado em forno, após o qual foi usinado com acabamento em um torno controlado numericamente. O escudo térmico foi inspecionado por raios-x e todos os vazios detectados foram perfurados e recarregados com AVCOAT. O escudo térmico completo e uma camada isolante subjacente foram fixados ao casco de pressão do módulo de comando usando prendedores mecânicos para o escudo térmico traseiro e longarinas de fibra de vidro para o escudo do compartimento da tripulação. As longarinas de deslizamento permitiram um movimento relativo da proteção térmica do compartimento da tripulação e cargas minimizadas nas vedações e materiais do TPS entre a proteção térmica posterior e a proteção do compartimento da tripulação.

favo de mel de fibra de vidro preenchido com o ablator AVCOAT 5026-39G

O material ablativo era aplicado a toda a superfície da estrutura de aço inoxidável, exceto nas janelas e nas portas de exaustão. A espessura do material ablativo variava de aproximadamente 3 polegadas na seção traseira a menos de 1/2 polegada em um lado, variando as espessuras para atender às cargas de aquecimento de reentrada calculadas sobre as várias seções do módulo de comando

A espessura do material ablativo variava

Tanques do módulo lunar da Apollo. A assimetria existia justamente para manter o centro de massa sobre o motor. A densidade dos propulsores era diferente; portanto, o mais leve precisava ser colocado um pouco mais longe do centro de massa para compensar. O calor era gerado totalmente abaixo do conjunto da placa do injetor do motor. Não havia necessidade de isolar o motor da cabine.

A assimetria existia para manter o centro de massa sobre o motor
Tanques de propelente e pressurização, e linhas auxiliares, do módulo lunar
Os astronautas não tinham cadeiras a bordo do modulo lunar, e sim, correias (harnesses) de segurança para estabilizá-los
Sequencia de descida do modulo lunar a partir da órbita até a alunissagem

As câmeras e os filmes usados nas missões Apollo à Lua. A Apollo 11 carregava uma câmera elétrica Hasselblad de 70 mm, duas câmeras de ângulo super-amplo de superfície lunar de 70 mm, uma câmera de dados Hasselblad El, duas câmeras de aquisição de dados Maurer de 16 mm, uma câmera estereoscópica de close-up de 35 mm de superfície e uma câmera de televisão.
Durante a missão, nove cartuchos de filme de 70 milímetros e 13 cartuchos de filme de 16 milímetros foram expostos. O filme de 16 mm foi usado durante a descida do módulo lunar para conhecimento preciso do ponto de aterrissagem exato da superfície . As fotografias de 70 mm tiradas na superfície lunar deram vistas panorâmicas da superfície perto do módulo lunar (LM) pousado e permitiram mapeamento topográfico detalhado da superfície perto do ponto de aterrissagem.

Maurer 16 mm

Câmera elétrica Hasselblad de 70 mm. Essa câmera, que era carregada no módulo de comando, contava com um mecanismo acionado por motor, alimentado por duas baterias de níquel-cádmio, que avançava o filme e disparava o obturador sempre que a câmera era acionada.
Câmera de dados Hasselblad EL de 70 mm. Eletricamente alimentada, conduzida no módulo lunar, apresentava operação semiautomática. Usava lentes Biogon de 60 mm A sequência de operação era iniciada apertando um gatilho montado na alça da câmera. Uma grade ‘reseau’ foi colocada na frente do plano da imagem para fornecer informações fotogramétricas para análise da fotografia.

cartucho de filme

O filme usado durante a missão Apollo 11 foi especialmente projetado pela Kodak. O filme de 70 mm, de emulsão fina e fina, com dupla perfuração, permitiu aos astronautas tirar 160 fotos em cores ou 200 em preto e branco em cada carregamento. As câmeras foram modificadas para que o filme funcionasse na superfície lunar. Um filme padrão era usado. A eletricidade estática gerada na superfície do filme era dispersa por aros e rolos de metal ou pela atmosfera na Terra, mas na Lua com a folha de vidro transparente ou placa de plástico no lugar e a ausência de ambiente de ar circundante, a carga poderia se acumular e criar faíscas entre a placa e o filme.
A NASA revestiu o lado da placa de frente para o filme com uma fina camada condutora transparente com prata depositada nas bordas, e a carga elétrica era então levada às partes metálicas do corpo da câmera por molas de contato. Botões e controles foram feitos maiores para permitir que os astronautas que usavam luvas grossas pudessem usar a câmera. Muitas câmeras foram deixadas para trás na superfície lunar, para economizar peso. No entanto, depois que Neil Armstrong faleceu, veio à luz em 2012 que ele havia secretamente trazido de volta a câmera de aquisição de dados de 16 mm, que registrara pouso e seus primeiros passos na Lua pela janela do módulo Eagle. Foi doada pela sua família ao Smithsonian National Air and Space Museum, onde está em exibição.

Stan Lebar, o gerente de projetos da Apollo Television Cameras da Westinghouse, mostra a câmera Colorida Sequencial em Campo à esquerda e a câmera Monocromática Lunar à direita. A câmera colorida foi usada em todos os voos, começando pela Apollo 10, enquanto a câmera monocromática foi usada na Apollo 11 e capturou os primeiros passos de Neil Armstrong na Lua. Essa foi sua última missão, e foi substituída por uma versão modificada da câmera colorida em missões subseqüentes.

Depois que o LM retornava da superfície lunar e acoplava com o módulo de comando, a sonda de engate e o ‘drogue’ (cone receptor) não eram mais necessários. Eles eram deixados no LM quando este era descartado. Apenas a sonda da Apollo 14 foi trazida à Terra, para avaliação. Ela apresentou problemas durante o vôo.

Mecanismo ativo de engate da Apollo

A história do emblema da Apollo-11:
.. “Havia também uma variedade de tarefas não-técnicas, como pensar em nomes para nossa espaçonave e projetar um emblema de missão. Sentimos que a Apollo-11 não era um voo comum, e não queríamos nenhum projeto comum, mas não éramos profissionais A NASA não nos ofereceu essa ajuda (sabiamente) Em Gemini-10, que na minha opinião tem a melhor insígnia da série Gemini, a artísta Barbara Young desenvolveu uma das idéias de John e criou um gracioso design, um aerodinâmico X desprovido de nomes e máquinas.Essa era a abordagem que queríamos adotar na Apollo-11.
Queríamos evitar os nossos três nomes porque queríamos que o design fosse representativo de todos que haviam trabalhado em direção a um pouso lunar, e havia milhares que poderiam se interessar por ele, mas que nunca veriam seus nomes entrelaçados no tecido de um emblema. Além disso, queríamos que o design fosse simbólico e não explícito. No Apollo-7, o emblema de Wally (Walter Schirra, comandante) mostrava a terra e um acendimento orbital do CSM. No Apollo 9, (James) McDivitt produziu um Saturn V, um CSM e um LM. Apollo 10 era ainda mais movimentado. A Apollo 8 estava mais próxima do nosso modo de pensar, mostrando uma figura de oito ao redor da Terra e da Lua, em um emblema em forma de módulo de comando, mas tinha, como todo o resto, três nomes impressos nela. Nós precisávamos de algo mais simples, mas algo que, sem dúvida, mostrasse um pouso pacífico pelos Estados Unidos.
Jim Lovell, o back-up de Neil, introduziu uma águia americana na conversa. Claro! Que melhor símbolo não é? Em casa, passei por minha biblioteca e finalmente encontrei o que queria em um livro da National Geographic sobre pássaros: uma águia careca, patas estendidas, asas parcialmente dobradas, chegando para pousar. Eu tracei em um pedaço de papel de seda e desenhei em uma visão oblíqua de uma superfície lunar cheia de marcas.
Assim, o emblema da Apollo-11 nasceu, apesar de ter um longo caminho a percorrer antes da aprovação final. Eu adicionei uma pequena terra ao fundo e desenhei a luz do sol vindo da direção errada, então até hoje a nossa insígnia oficial mostra a terra sobre o horizonte lunar da maneira errada. Eu também desenhei um APOLLO no topo do meu design circular e ELEVEN (onze) em torno do fundo. Neil não gostou do ELEVEN porque não seria compreensível para os estrangeiros, então depois de tentar XI e 11, nós decidimos sobre o último e colocamos o APOLLO 11 no topo.


Um dia, fora do simulador, descrevi meus esforços para Jim Lovell, e ele e eu concordamos que a águia por si só não transmitia toda a mensagem que queríamos. Os americanos estavam prestes a pousar, mas e daí? Tom Wilson, nosso especialista em computação e instrutor de simuladores, nos ouviu e nos ligou, Por que não um ramo de oliveira como símbolo de nossa expedição pacífica? Lindo! Onde as águias carregam ramos de oliveira? Em seus bicos, naturalmente. Então eu esbocei um, e depois de algumas discussões com Neil e Buzz sobre os esquemas de cores, estávamos prontos para ir para a impressão.

O céu seria preto não azul, mas preto absoluto, como no caso real. A águia teria a cor da águia, a lua da cor da lua, como descrito por Apolo-8, e a terra também, então tudo o que tínhamos para brincar eram, na verdade, as cores da borda e das letras. Nós escolhemos azul e ouro, e então tivemos um ilustrador no MCC fazendo a arte para nós. Fotografamos o design final dele e enviamos uma cópia pelos canais para Washington, para aprovação. Washington costumava aprovar tudo. Só que desta vez não, e nosso design voltou reprovado.
O motivo? As patas da águia, garras poderosas estendidas rigidamente abaixo dela, era inaceitável. Era hostil, muito guerreiro; Isso fez com que a águia parecesse estar descendo a lua de uma maneira muito ameaçadora, de acordo com Bob Gilruth. O que fazer? Talvez as garras pudessem ficar relaxadas e suavizadas um pouco, tornadas suaves como um aperto de mão de linha de recepção. Então alguém teve um brainstorming: bastava transferir o ramo de oliveira do bico para garra e todas as ameaças desapareceram.
A águia parecia um pouco desconfortável na nova versão, segurando firmemente seus galhos com os dois pés, mas nós a reapresentamos de qualquer maneira, e ela ganhou a aprovação final “…

Para a Apollo 11, havia duas caixas para pedras (Sample Return Containers ou SRCs) que foram levadas para a Lua no estágio de descida do módulo lunar (LM). Após o caminhada lunar eles eram levados para a cabine do LM e então transferidos fechados para o módulo de comando e armazenados nos armários B5 e B6 – armários que tinham, até aquele ponto, transportado os cilindros de hidróxido de lítio que tiravam CO2 do ar. Os ‘canisters’ (cartuchos) usados eram despejados no LM para serem descartados.

Sample Return Containers

Somente quatro engenheiros qualificados se ofereceram para se expor a qualquer contaminação potencial encontrada na superfície lunar, e John K. Hirasaki (Lamar BS Mechanical Engineering 1964) foi o escolhido. Na época da missão Apollo 11, Hirasaki trabalhou para a Divisão de Aterrissagem e Recuperação da NASA. Ele e seus colegas desenvolveram procedimentos para recuperar a espaçonave depois que ela caiu no Pacífico e, de forma muito mais dramática, proteger toda a vida na Terra da possibilidade de bactérias extraterrestres ou outros perigos em potencial.

Hirasaki passou vinte e um dias em quarentena com a tripulação da Apollo 11

A partir de julho de 1969, Hirasaki passou vinte e um dias em quarentena com a tripulação de voo da Apollo 11. Durante este tempo, ele foi encarregado de processar e descontaminar a cápsula, e se tornou a primeira pessoa a lidar com o material lunar quando exposto à atmosfera da Terra. “Quando abri a espaçonave”, ele lembrou em uma entrevista de 2009, “o cheiro era como 4 de julho depois dos fogos de artifício, aquele cheiro de pólvora negra depois que fogos de artifício explodem. É também o cheiro se você bater dois pedaços de sílex juntos … Eu suspeito que o que eu estava cheirando foi alguma oxidação lenta ou reação do material da superfície lunar com nossa atmosfera e umidade em na cabine. ”

A equipe branca (White Team) se formou para o pouso lunar da Apollo 11. Da esquerda para a direita (fila da frente) Don Puddy, Bob Carlton, Gene Kranz, Duque Charlie, John Zieglschmid, Capitão George Ojalehto, Spencer Gardner, Frank Edelin, Arnie Aldrich e Buck Willoughby; (fileira de trás) John Aaron, Dick Brown, Chuck Lewis, Larry Armstrong, Bill Blair, Ed Fendell, Jim Hannigan, Jerry Bostick, Jay Greene, Gran Paules, Steve Bales, Chuck Deiterich e Doug Wilson.

White Team

O foguete Saturno-V

Embora não oficialmente, a NASA começou a pensar na Lua em 1960, antes mesmo do discurso de Kennedy. O nome Saturno 5 significava que o foguete seria o quinto modelo da família. Havia outras opções, ainda mais pesadas que o Saturno-5. A série de foguetes Nova poderia ter colocado 300 toneladas ou mais na órbita baixa, mas eles permaneceriam para sempre nas pranchetas. Em 1962, o programa de desenvolvimento do Nova foi interrompido devido à escolha de um esquema de vôo com um módulo lunar separado, o que reduziu os requisitos para a massa da nave.

O foguete era de uma complexidade sem precedentes. A questão era quem o construiria. Von Braun escolheu a divisão do trabalho. Isso permitiu que ele escolhesse o melhor dos melhores em todo o setor. Ele poderia empregar as pessoas mais experientes de cada uma das empresas. A velocidade de desenvolvimento realmente acabou sendo alta. Para os empreiteiros, a decisão significava grandes pedidos, não um grande pedido para um ou outro. Como resultado, a principal participação foi distribuída entre três empresas: Boeing, North American Aviation e Douglas. Eles produziram três estágios que compunham o Saturno-5.

O S-IC era movido por cinco motores Rocketdyne F-1 que funcionavam com oxigênio líquido e querosene. O primeiro estágio foi fabricado pela Boeing na Michoud Assembly Facility em New Orleans, Louisiana. Os testes no túnel de vento aconteceram em Seattle. O estágio foi criado por designers do Centro Espacial Marshall, o principal centro da NASA.

A North American Aviation estava a cargo do segundo estágio, S-II. O estágio era propuilsionado por cinco motores Rocketdyne J-2 funcionando com hidrogênio líquido e oxigênio. A montagem acontecia em Seal Beach, Califórnia. A Douglas Aircraft Company estava construindo o terceiro estágio , chamado S-IVB em Huntington Beach, Califórnia. Estava equipado com apenas um motor J-2, trabalhando com os mesmos hidrogênio e oxigênio. O terceiro estágio cabia no avião Pregnant Guppy , enquanto os outros dois deveriam ser entregues ao Cabo Canaveral por via aquática. Às vezes, eles passavam 70 dias navegando.

O vôo dos três estágios era controlado pela montagem da IBM no módulo de instrumentação, no tipo do terceiro estágio. Os projetistas decidiram separar os sistemas de navegação da nave e do foguete por uma série de razões. Entre eles estava a confiabilidade. A decisão salvou vidas: durante o vôo da Apollo 12, um raio atingiu o foguete. O computador da Apollo desligou, mas o Saturno 5 não.

A divisão do trabalho acabou sendo uma faca de dois gumes. No total, mais de 20 mil empreiteiros e subempreiteiros estiveram envolvidos na produção do foguete. Nem todos eles existem nos dias atuais. Hoje, a North American Aviation é coisa do passado – a empresa foi vendida para a Boeing em 1996. A Boeing também era dona da Rocketdyne, mas depois a vendeu para a United Technologies Corporation, que a entregou à Aerojet. Muitas das empresas que participaram da criação do foguete não sobreviveram até hoje. Algumas das demais mudaram sua estrutura e várias gerações de funcionários. Isso levou ao fato de que muita da documentação técnica referente à construção do foguete foi dispersa em arquivos corporativos ou mesmo em bibliotecas pessoais dos empregados. À NASA coube manter a documentação dos produtos finalizados que foram efetivamente usados em testes de solo e em voo no espaço.

A decisão sobre quem seria o primeiro homem na Lua

Assim que ficou claro que a Apollo 11 faria o primeiro pouso na Lua, jornalistas e alguns funcionários da NASA começaram a especular que Edwin Aldrin seria a primeira pessoa na Lua. A lógica era que durante os voos do programa Gemini, a atividade extraveicular (EVA) no espaço era sempre realizada pelo piloto, não pelo comandante. Nos primeiros esboços dos planos para o primeiro pouso lunar, especialistas de nível médio do Manned Space Flight Center em Houston até escreveram que o piloto do módulo lunar era o primeiro a sair. Ao mesmo tempo, não foi levado em consideração que na apertada cabine da nave lunar, o piloto em um traje espacial e com a mochila de um sistema de suporte de vida portátil nas costas, seria literalmente necessário passar por cima do comandante, pois a escotilha principal se abria para o interior à esquerda, e o lugar do comandante ficava à esquerda e o do piloto à direita. Quando essa manobra foi tentada em ensaios, o resultado foram pequenos danos à cabine do modelo do módulo. O líder do esquadrão de astronautas Donald Slayton lembrou posteriormente que, em sua opinião, mesmo com base nas regras usuais de protocolo, o comandante deveria ter sido o primeiro. Slayton deu ordem para mudar o esboço dos planos e a liderança o apoiou. Todas as suposições de que Armstrong usou sua posição oficial para ser o primeiro na Lua, Slayton as negou veementemente. Armstrong, por sua vez, insistiu que ninguém pediu sua opinião. E Aldrin escreveu, de acordo com especialistas, de forma não muito convincente, o que estava bom para ele se o primeiro fosse Neil.

Diretor do programa da espaçonave Apollo George Low mais tarde, em uma de suas cartas, explicou como fora tomada a decisão. Segundo ele, em 27 de junho de 1969, no meio da noite, foi acordado por uma ligação da Associated Press, que pediu para esclarecer a informação de que Armstrong usou sua influência, e para contar como a decisão foi tomada, sobre quem seria o primeiro a deixar o módulo lunar. Low respondeu que nos últimos anos, várias opções foram consideradas: a saída de um astronauta, a saída de ambos, quem sai primeiro, etc. Mas houve apenas um plano aprovado, que foi adotado duas a quatro semanas antes de ser anunciado publicamente; Era abril de 1969. A decisão foi tomada com base em uma recomendação da Diretoria de Operações de Voo. De acordo com Low, ele tinha certeza de que Armstrong teve uma participação nessa recomendação, mas a última palavra não foi de forma alguma dele.

A seguir, vídeos do Homem do Espaço descrevendo a missão Apollo com detalhes técnicos e contextualização histórica:

Missão Apollo 11

Perfil da missão Apollo

Descrição do funcionamento dos sistemas da cabine de pilotagem do módulo lunar (LM) da espaçonave Apollo

Manual do Módulo Lunar (LM) Apollo

História dos foguetes da família Saturno

Saiba mais sobre a nave Apollo no livro Naves Espaciais Tripuladas, da Biblioteca Espacial do Homem do Espaço

Voo do New Shepard com passageiros é um sucesso

Os passageiros fizeram um voo a 107 km de altitude

O primeiro voo com passageiros da Blue Origin com seu sistema New Shepard foi um sucesso total, com a sua espaçonave atingindo 107.048,808 metros (acima do nível do mar, e 105.937,202 metros acima do solo local) com quatro pessoas a bordo. A missão NS-17 usou a Cápsula CC2.0-2 F1 e o foguete Propulsion Module NS4 ‘RSS First Step’. Os passageiros foram Jeff Bezos, dono da Blue Origin, seu irmão Mark Bezos, Mary Wallace ‘Wally’ Funk, uma aviadora pioneira e Oliver Daemon, estudante de física da Universidade de Utrecht, na Holanda.

 A decolagem ocorreu às 09:12h EDT (13:12 GMT, 10:12 de Brasília), e o estágio propulsor pousou com sucesso na pista concretada da empresa no deserto do Texas, depois de 7 minutos e 30 segundos de voo. A cápsula aterrissou com paraquedas aos 10 minutos e 18 segundos. Uma equipe de resgate em carros SUVs chegou logo depois, e depois de desativar os sistemas e neutralizar a cápsula, abriu a escotilha e saudou os passageiros após o voo exitoso.

Emblema da missão

Dados oficiais da Blue Origin:

  • Apogeu da cápsula da tripulação: 347.563 pés AGL (acima do nível de solo) / 351.210 pés MSL (acima do nível do mar) (105 km AGL / 107 km MSL)
  • Apogeu do módulo de propulsão: 347.188 pés AGL / 350.835 pés MSL (105 km AGL / 106 km MSL)
  • Tempo decorrido da missão: 10 minutos e 10 segundos
  • Velocidade máxima de subida: 2.233 mph (3.595 km / h)
Teste de superficies aerodinamicas e basculamento do motor BE-3
Lançamento
Apogeu da cápsula
Diagrama da trajetória
Pouso da cápsula
Capsula inerte no solo
Pouso do estágio propulsor
Passageiros: Mark e Jeff Bezos, Oliver Daemon e Wally Funk

Blue Origin estréia seu foguete New Shepard em voo tripulado amanhã

O chefe Jeff Bezos, seu irmão Mark, uma aviadora e um estudante estão na tripulação

Mark e Jeff Bezos, Oliver Daemon e Wally Funk

O lançamento do primeiro vôo tripulado do sistema New Shepard da Blue Origin será transmitido amanhã, terça-feira, 20 de julho, começando às 7h30 EDT (11:30 GMT, 09:30 de Brasília) no site blueorigin.com. A decolagem está prevista para as 9h EDT (13:00 GMT, 10:00 de Brasília) – mas pode mudar dependendo do clima ou questões técnicas. Será a primeira missão tripulada da Blue Origin, embora o foguete New Shepard tenha sido testado quinze vezes desde abril de 2015. A tripulação ocupará a cápsula espacial “CC2.0-2 F2” presa ao topo do foguete reutilizável, de estágio único, projetado para voos parabólicos curtos no espaço. O foguete a ser usado é o Propulsion Module NS4 “RSS First Step”.
O ‘propulsion module’ – módulo de propulsão – tem um motor BE-3 regulável com empuxo máximo de 49.864 kgf e mínimo de 9.177 kgf. O propelente usado é o hidrolox (hidrogênio e oxigênio líquidos).

Perfil de voo do NS-16

O vôo “New Shepard Flight NS-16” levará quatro passageiros, mas nenhum piloto, pois a cápsula é um sistema automatizado. A tripulação inclui:

Jeff Bezos, 57 anos, que fundou a Blue Origin em 2000 e ganhou bilhões como fundador da Amazon.com.

Mark Bezos, 53, irmão mais novo de Bezos e também milionário. Ele é um ex-executivo de publicidade e está no conselho de liderança da organização sem fins lucrativos Robin Hood, que “luta contra a pobreza”, de acordo com o Business Insider.

Wally Funk, 82, uma aviadora pioneira que foi uma das famosas “Mercury 13”, mulheres testadas pela clínica Lovelace como astronautas em potencial durante os primeiros dias do programa espacial dos EUA. Funk se tornará a pessoa mais velha a voar no espaço com este lançamento, superando o recorde do falecido astronauta da Mercury, John Glenn, que tinha 77 anos quando voou em sua segunda missão no ônibus espacial Discovery da NASA em 1998. Glenn continua, contudo, como a pessoa mais velha em órbita.

Oliver Daemon, 18, estudante de física da Universidade de Utrecht, na Holanda. Deaemon será a pessoa mais jovem no espaço, recorde anterior do cosmonauta russo Gherman Titov, que tinha 25 anos quando voou na Vostok 2 da União Soviética em 1961. (Porém, Titov ainda é a pessoa mais jovem em órbita); Daemon foi incluído por último na tripulação, substituindo o vencedor anônimo do leilão de 28 milhões de dólares para o primeiro assento pago no New Shepard. A Blue Origin anunciou a adição de Daemon à equipe em 15 de julho. O vencedor do leilão “optou por voar em uma futura missão do New Shepard devido a conflitos de programação”, disseram funcionários da empresa. O pai de Daemon, Joes Daemon, deu o segundo lance mais alto no leilão (um valor não divulgado) e foi selecionado para voar neste vôo. Joes Daemon, CEO de uma empresa de private equity, deu de presente a passagem a seu filho Oliver.

Cápsula de tripulação do New Shepard

O foguete será lançado a partir do centro de lançamento Blue Origin One, localizado em uma área remota do deserto nas montanhas de Guadalupe, no oeste do Texas a cerca de 40 km da cidade de Van Horn. A área é de vegetação desértica arbustos baixos e clima seco, permitindo uma vista da área de lançamento horas antes do lançamento. A área é geralmente fechada para visitas. A empresa diz que não haverá áreas de visualização pública nas proximidades para quem desejar ver o lançamento pessoalmente. A rodovia estadual 54, nas proximidades, será fechada pelas autoridades de transito durante a missão.

Foguete New Shepard: o módulo de propulsão com um motor e trem de aterragem, e a cápsula destacável

Uma vez lançado, o voo durará apenas 11 minutos enquanto o foguete atinge o apogeu e libera a cápsula no espaço. Esta continuará em voo parabólico, atingindo ium apogeu de cerca de 100 km. O estágio do New Shepard mergulhará de volta para a Terra e usará aletas e freios aerodinâmicos para reduzir e controlar sua descida.

Uma vez perto do solo, o foguete disparará seu motor BE-3 para diminuir a velocidade para cerca de 8 km/h para um pouso vertical. A cápsula também cairá de volta à Terra e descida será retardada por três pára-quedas com o objetivo de fazer um pouso nas areais do deserto do oeste do Texas. Pouco antes de tocar o solo, a cápsula disparará retrofoguetes que a farão tocar o solo a uma velocidade de cerca de 1,6 km por hora. Os assentos foram projetados para absorver as forças de impacto caso a cápsula toque com muita força. O casco inferior também é projetado em camadas deformáveis para ajudar na atenuação do impacto.

O lançamento ocorre depois que a concorrente empresa de turismo espacial Virgin Galactic lançou com sucesso seu próprio fundador, Richard Branson, em um vôo espacial no domingo, dia 11.

Qual é o limite do espaço?

80 ou 100 km – uma discussão que se prolonga

Neste gráfico a Linha de Kármán se situa entre 0 e 100 km

A discussão sobre onde termina a atmosfera e começa o espaço é anterior ao lançamento do primeiro Sputnik. O limite mais amplamente aceito, mas não universalmente, é a chamada Linha Karman, hoje em dia geralmente definida como 100 km de altitude – mas foram sugeridos limites que variam de 30 km a 1,5 milhão de km, conforme resumido em um livro de 1996 de Robert Goedhart. Embora o tema não tenha sido muito abordado na literatura de Física, existe uma extensa literatura sobre leis / políticas sobre o assunto. O COPUOS – Comitê de Usos Pacíficos do Espaço Exterior – tem lutado com o problema continuamente desde 1966 sem uma conclusão. O COPUOS é o órgão da ONU que trata da astronáutica. Nele, a URSS propôs repetidamente 100 ou 110 km, mas os EUA rejeitaram qualquer definição. Já em 1957, Robert Jastrow sugeriu que o limite do espaço aéreo deveria ser de 100 km. Goedhart lista quase 30 propostas diferentes do período 1951-1962, para um limite de altitude variando de 20 a 400 km; a maioria dos valores estava na faixa de 75-100 km.

Altitudes de voo de aeronaves, balões e satélites

Vários desses autores sugerem que as grandes variações das propriedades atmosféricas tornam fútil localizar uma verdadeira fronteira do espaço com base em argumentos físicos. Algumas pessoas argumentam o contrário: há uma fronteira de espaço moderadamente bem definida, ela coincide com a linha de Karman como originalmente definida, e essa linha está perto de 80 km, não 100 km.

As objeções ‘funcionalistas’

Tem havido objeções (principalmente nos Estados Unidos) à definição de qualquer limite legal do espaço com base no fato de que isso poderia causar disputas sobre violações do espaço aéreo abaixo desse limite, ou que um limite muito alto poderia inibir atividades espaciais futuras. Aqueles que defendem essa posição, começando com McDougal e Lipson, às vezes são chamados de “funcionalistas”. A abordagem funcionalista garantiria que os mísseis balísticos de longo alcance não ficassem sujeitos a acordos internacionais sobre “objetos espaciais”, o que pode explicar parte de seu apelo para os americanos.

O teor geral dessas objeções, no entanto, parece aplicável a qualquer lei sobre qualquer coisa. Os funcionalistas também sugerem que as leis espaciais se aplicariam a um foguete orbital mesmo quando ele estivesse na atmosfera, ou possivelmente no solo. Isso parece desnecessário, uma vez que a legislação nacional e internacional já seria aplicável. Sugestões de que a finalidade de um veículo, e não sua localização, deve determinar o regime jurídico, e podem ser adequadas para questões de licenciamento, mas de nada adiantarão se um veículo classificado como pertencente a um regime colidir ou interferir em outro regime.

A necessidade especial de leis distintas, especificamente para o espaço (e, portanto, a necessidade de definição legal de espaço) surge de:

  • A falta de fronteiras nacionais no espaço (análoga às águas internacionais)
  • Objetos no espaço podem permanecer em movimento em relação à Terra por longos períodos de tempo (dependendo da órbita, de dias a milênios) sem a necessidade de reabastecimento ou aterrissagem.
  • A grande área varrida por um objeto espacial em um determinado tempo devido às grandes energias cinéticas envolvidas na viagem espacial, o que significa que uma determinada atividade espacial se estenderá por uma ampla área ao invés de ser espacialmente localizada como a maioria das atividades baseadas na Terra.
  • O alto potencial destrutivo das colisões, já que seus efeitos também são sentidos em uma ampla área.

As duas últimas considerações em particular são específicas para a região acima da atmosfera onde a dinâmica orbital domina, embora não se apliquem a atividades nas superfícies ou nas atmosferas de outros mundos, como a Lua ou Marte.

Em qualquer caso, o principal interesse aqui é definir uma fronteira de espaço para o uso dos historiadores do voo espacial, ao invés de definir um regime jurídico, portanto, não se dará consideração à visão funcionalista. Para responder a perguntas como ‘quantos astronautas estiveram no espaço?’ ou ‘quantos foguetes atingiram o espaço?’, existe a necessidade de se adotar uma definição de espaço, mesmo que não seja legal.

Não há como argumentar que deve haver uma definição única de ‘espaço’ que se aplica a todos os contextos. Físicos, advogados e historiadores podem precisar de um limite de espaço para diferentes propósitos e para abordar diferentes questões; a ‘borda do espaço’ pode ser definida de forma diferente em diferentes fóruns internacionais. No entanto, é útil que essas definições sejam baseadas em um entendimento comum e preciso das condições físicas na fronteira do espaço aéreo.

Alguns pesquisadores concluíram que a escolha correta para a borda era 80 km, não 100 km. No final da década de 1950, a USAF decidiu conceder ‘asas de astronauta’ a pilotos que voassem acima de 50 milhas (80.467 metros). Este limite foi escolhido como um bom número redondo, mas há quem argumente que também é a escolha certa do ponto de vista físico, e parece natural escolher o limite mais externo, a mesopausa, como o limite físico que marca a borda do espaço. Acontece que o valor tradicional para a altura da mesopausa, 80 km, também está próxima do limite de 50 milhas das ‘asas de astronauta’ historicamente usado pela USAF. Os pesquisadores, portanto, sugerem que se adote como limite formal do espaço uma altitude de exatamente 80 km, representando a localização típica da mesopausa.

Camadas da atmosfera terrestre. A atmosfera é mais densa na superfície, onde a troposfera começa, e atinge a fina exosfera, cujas moléculas de ar são gravitacionalmente
ligadas ao planeta, mas cuja densidade é tão baixa que raramente colidem. As alturas dos limites entre essas camadas finais variam com o tempo e a latitude.

Argumentos culturais: definições históricas da borda do espaço. Nas últimas décadas, a linha Karman de 100 km ganhou ascendência como a fronteira mais comumente usada, principalmente para o Ansari X-Prize ganho pela equipe do Spaceship One. O status “oficial” da linha von Karman, tal como é, vem do artigo não datado “100 km Altitude Boundary For Astronautics” no site da Astronautics Records Commission (ICARE) da Federation Aeronautique Internationale (FAI), que certifica recordes mundiais de aeronáutica e astronáutica. É lamentável que a discussão neste documento oficial na seção ‘demonstração da utilidade da linha Karman’ pareça ser mal pesquisada: No início dos anos 1960, o avião-foguete X-15 tinha subia até 108 km. Nessa parte do vôo era realmente um foguete em queda livre, sem controle aerodinâmico possível. Na verdade, era considerado um vôo astronáutico, e seu piloto obtinha, como consequência, suas asas astronáuticas, ou seja, o reconhecimento como astronauta. Mesmo havendo controvérsias a USAF considerou todos os voos do X-15 acima de 80 km como voos astronáuticos e deu asas de astronauta a esses pilotos. Portanto, este parágrafo argumentaria para 80 km, não 100 km.

X-15

O primeiro piloto não pertencente à NASA a receber asas de astronauta foi R. White com o X-15, conforme descrito na Life Magazine (3 de agosto de 1962): “O Major Bob White da Força Aérea dos Estados Unidos é o mais novo herói espacial do país. Ele tem um novo prêmio em seu peito que o torna um membro do clube mais exclusivo do país. Era um conjunto especial de asas de piloto que significava que ele possuía mais de 50 milhas acima da terra e, portanto, qualificou-se como um viajante espacial. White voou a 95 km em 17 de julho de 1962”. Se um limite de 100 km em vez de 80 km for usado, White, Robert Rushworth, Jack McKay, Bill Dana e Mike Adams perderiam seus status de viajante espacial (Joe Engle mantém o seu porque mais tarde ele voou no ônibus espacial e Joe Walker ultrapassou a linha de Karman em outros seus voos no X-15). Nos últimos anos, valores ainda mais baixos foram propostos. O proeminente astrofísico Alan Stern defendeu altitudes de balão na faixa de 30-35 km como sendo ‘espaço’ ou ‘espaço próximo’; Stern está envolvido no empreendimento de turismo de balão de alta altitude World View.

Limites físicos na atmosfera

Camadas atmosféricas: a mesopausa como um limite. À medida que alguém deixa a superfície da Terra e sobe para a atmosfera, fica mais frio – até que se ultrapassa um limite no qual a temperatura começa a aumentar novamente.

Existem várias reversões no gradiente de temperatura e a definição tradicional de camadas atmosféricas as usa para definir as camadas da atmosfera como esferas com limites chamados “pausas”:

Troposfera, estratosfera, mesosfera e ionosfera; a termosfera não está mostrada nesta figura; a exosfera está fora do limite
  • A troposfera, entre o solo e a tropopausa
  • A estratosfera, entre a tropopausa e a estratopausa (cerca de 50 km)
  • A mesosfera, entre a estratopausa e a mesopausa (cerca de 85-90 km). Aqui, o resfriamento por CO2 domina o aquecimento solar.
  • A termosfera, entre a mesopausa e a exobase (cerca de 85 a 500 km, variável). Na termosfera, o estado físico é dominado pela absorção da radiação solar; os átomos ionizados resultantes têm seu próprio comportamento e a composição da atmosfera diverge da mistura N2 / O2 das camadas inferiores. A região da termosfera se sobrepõe à (mas tem uma definição que não é exatamente a mesma que) ionosfera, a região onde as partículas ionizadas dominam a física. Inclui a região da órbita terrestre baixa onde orbita a ISS.
  • A exosfera, além da exobase. Aqui, a densidade é tão baixa que os átomos não agem como um gás. Outra fronteira relevante é a turbopausa, abaixo da qual todas as diferentes moléculas têm a mesma temperatura e acima da qual se comportam de forma independente; abaixo da turbopausa se está na ‘homosfera’ onde tudo se mistura; acima está a ‘heterosfera’ onde tudo age independentemente.

A turbopausa está em cerca de 100-120 km. Em 2009, press releases referenciando um artigo de Sangalli sobre a missão do foguete Joule II alardeava uma medição da ‘borda do espaço’ a 118 km. Esta foi realmente a altura em que o movimento de átomos carregados (íons) tornavam-se dominado pelo campo eletromagnético em vez de pelos ventos na atmosfera neutra; é provavelmente uma função de tempo e localização e, portanto, seu valor para o Alasca de 2007 (local e época do voo) não deve ser considerado um resultado genérico. A composição química da atmosfera é amplamente constante até a mesopausa.

De um ponto de vista físico, é, portanto, razoável pensar na atmosfera propriamente dita incluindo a troposfera e a estratosfera e (com alguma qualificação) a mesosfera, e identificando a termosfera e a exosfera com a ideia comum de ‘espaço exterior’. Tanto a mesopausa quanto a turbopausa são escolhas razoáveis ​​para um limite, como os limites atmosféricos físicos mais externos abaixo da região onde a maioria dos satélites orbita. É verdade que cada uma dessas definições varia em altura em 10 km ou mais dependendo da atividade solar, à dinâmica da atmosfera superior e outros fatores.

O valor da atmosfera padrão dos EUA de 1976 para a mesopausa é uma constante de 86 km; O cientista chinês Xu usou observações com o radiômetro SABRE no satélite TIMED para estudar variações na altitude da mesosfera. Seus dados sugerem uma altitude da mesosfera de 97,2 km para as regiões equatoriais e polares de inverno e 86,2 km para as regiões polares de verão.

Uma alternativa razoável de limite ar / espaço seria a base da mesosfera em vez de seu teto; ou, pode-se considerar a mesosfera como nem ar nem espaço. Em 1976, Reijnen e Jager introduziram a ideia de ‘mesoespaço’ como um regime jurídico intermediário entre o espaço aéreo e o espaço sideral; a mesosfera seria um candidato natural para o mesoespaço. Oduntan sugeriu uma zona tampão de 55 a 100 milhas (88 a 160 km), aparentemente em parte com base nas estimativas incorretas existentes então de 150 km como o perigeu orbital mais baixo possível. Na verdade, 55 a 100 km seriam uma escolha mais adequada. Pelton cunhou o termo ‘protoespaço’ ou ‘protozona’ para a região intermediária, que ele define como a faixa de 21 a 160 km. Em geral, entretanto, a ideia de mesoespaço ainda não ganhou aceitação geral.

Limites externos da atmosfera e fronteiras no espaço profundo

A verdadeira borda externa da atmosfera terrestre, ou um candidato razoável a ela, é a frente de choque magnético com o vento solar. O limite da magnetopausa forma uma região em forma de cometa, normalmente em torno da altura da órbita geoestacionária no lado da Terra voltado para o Sol e se estendendo além do ponto lagrangiano L2 Terra-Sol. Pode-se também considerar a fronteira gravitacional do sistema Terra-Lua em relação ao Sol, convencionalmente escolhida para ser a esfera de Hill com raio de 1,5 milhão de km marcada pelos pontos Lagrange Terra-Sol L1 e L2. Embora o material dentro da magnetosfera e / ou da esfera de Hill possa ser considerado parte da atmosfera externa da Terra, poucos argumentariam que esta região não é ‘espaço’.

Em vez disso, esses limites podem ser usados ​​para distinguir o espaço no sistema Terra-Lua do espaço interplanetário. Na verdade, pode-se identificar com utilidade uma série de diferentes regiões convencionais na região do espaço que os humanos e seus robôs exploraram, listadas aqui para conveniência de referência.

  • O limite entre a Órbita Terrestre Baixa (LEO) e a Órbita Terrestre Média (MEO), às vezes é considerado um período orbital de 2 horas, o que corresponde a uma altitude de 1.682 km para órbitas equatoriais, mas hoje em dia um valor redondo de 2.000 km é relativamente o padrão.
  • A altitude geossíncrona, 35.786 km acima do equador.
  • A altitude Terra-Lua, 145.688 km. Algumas pessoas introduzem esta fronteira como ‘espaço próximo da Terra’, onde os efeitos das perturbações luni-solares são menores e uma órbita de satélite elíptica Kepleriana simples é uma aproximação razoável e ‘espaço profundo’, que inclui ambas as órbitas de satélites distantes da Terra (como a do satélite TESS lançado em 2018) e missões lunares e planetárias.

Para as órbitas dos satélites artificiais no ‘espaço profundo’, as perturbações lunares são grandes o suficiente para fazer grandes mudanças nos elementos orbitais em escalas de tempo de um mês. Na prática, o NORAD / JFSCC – North American Aerospace Defense Command/ Joint Force Space Component Commander – monitora sistematicamente as órbitas de espaçonaves próximas à Terra, mas não tenta monitorar as órbitas dos satélites terrestres no espaço profundo de uma forma abrangente – isso é deixado para os astrônomos que acidentalmente pegam satélites em tais órbitas enquanto procuram por asteróides. Assim como todos esses limites, pode-se razoavelmente fazer uma escolha diferente – uma altitude redonda de 100.000 km).

Aspectos tecnológicos do limite do espaço

As aeronaves de voo mais alto usam sustentação aerodinâmica. Em 25 de julho de 1973, um Mig-25 modificado designado Ye-266 atingiu 36,2 km, e em 31 de agosto de 1977, um Ye-266M atingiu 37,65 km. Esses recordes de altitude para aviões não equipados com foguetes foram estabelecidos no centro de testes de voo soviético LII Gromov pelo piloto de testes Aleksandr Fedotov; eles envolveram voos breves para grandes altitudes. O avião não-foguete mais alto em vôo constante foi o Helios pilotado remotamente, que atingiu 29 km em 14 de agosto de 2001. O balão tripulado mais alto atingiu 34,6 km em 1961. No entanto, balões de pesquisa científica não tripulados alcançam mais de 40 km rotineiramente. Um recorde de 51,8 km em 1972 foi superado em 2002 pelo balão BU60-1 de 54 metros de diâmetro da equipe japonesa do ISAS, que atingiu uma altitude de 53 km.

Ye-266
Ye-266M

Apesar da intenção então declarada da equipe do ISAS de atingir 60 km, parece que o teto-limite tecnológico dos veículos que requerem a atmosfera para elevação está próximo da estratopausa, a 50 km. Isso definiria um limite inferior razoável para a fronteira do espaço.

As órbitas quase circulares mais baixas

O artigo da FAI sobre a linha Karman escreve: “…mais tarde na mesma década (ou no início da próxima; as informações soviéticas na época eram muito escassas), a União Soviética colocou em órbita um satélite não tripulado [Kosmos-149, que carregava uma estrutura extensível usado para estabilizá-lo ao longo do vetor velocidade], em órbita muito baixa, cuja atitude era controlada por forças aerodinâmicas. A verdadeira razão de tal experimento ainda não é conhecida. Sabe-se, entretanto, que descreveu com sucesso algumas órbitas logo acima da linha de 100 km – quanto mais alto não é conhecido, mas decaiu rapidamente logo após cruzar, ou se aproximar demais, da linha de 100 km de Karman.” As informações soviéticas não eram tão escassas nem na época; Este satélite, cujo nome então secreto era DS-MO No. 1, foi lançado em uma órbita de 245 x 285 km, baixo o suficiente para que a estabilização de arrasto funcione, mas muito mais alto do que o necessário para evitar decomposição catastrófica. Permaneceu em órbita de 21 de março de 1967 a 7 de abril. Os últimos dados orbitais foram coligidos em 5 de abril, momento em que estava em uma órbita circular de 201 km.

Mas existem muitos casos bem documentados de satélites de altitude ainda mais baixa. Como a ideia de que 200 km é o limite inferior das órbitas dos satélites é tão difundida, alguns pesquisadores consideram uma série de contra-exemplos. Em maio de 1976, o satélite GAMBIT Mission 4346 foi rastreado em uma órbita com um perigeu entre 125 e 135 km por um mês inteiro; isso não é incomum para este tipo de satélite, que executa freqüentes queima de foguetes para neutralizar a decadência. Seu apogeu foi de cerca de 350 km. Estágios de foguetes vazios são freqüentemente deixados em órbitas baixas de menos de 200 km e reentram depois de vários dias.

De 16 a 19 de agosto de 2016, o satélite chinês Lixing-1 operou em uma órbita quase circular de 124 x 133 km por três dias antes da reentrada; esta é a órbita circular mais baixa já sustentada por vários dias. Em contraste, quando o ônibus espacial abaixava seu perigeu para 50 km como parte da ignição de saída de órbita, ele voltava a entrar na atmosfera. Os tanques externos do shuttle, descartados na inserção orbital, freqüentemente tinham perigeus em torno de 70-75 km e em todos os casos não completavam uma primeira órbita. Com base em dados de órbita circular, 125 km seria um limite superior conservador para o início do espaço.

Os perigeus mais baixos para órbitas elípticas

Um satélite em órbita elíptica pode sobreviver a uma breve passagem do perigeu em altitudes mais baixas do que permitiria a permanência estendida em uma órbita circular. A densidade do ar aumenta rapidamente e, portanto, há um limite abaixo do qual até mesmo um satélite em órbita altamente elíptica será rapidamente destruído. Esse limite acaba ficando na faixa de 80 a 90 km, exceto em casos muito especiais.

Considere-se um satélite em uma órbita elíptica cujo perigeu é de cerca de 80 km. Devemos dizer que ele está no espaço apenas nas partes superiores de sua órbita e que, por exemplo, a lei do espaço deixa de se aplicar a ele a cada passagem no perigeu? A natureza repetitiva de uma órbita torna este caso diferente da transição única do espaço para o ambiente de aviação durante o lançamento ou reentrada. Portanto, conclui-se que as tentativas de usar uma ‘órbita circular inferior’ para definir a fronteira do espaço são fundamentalmente equivocadas, e o ‘menor perigeu sustentável’ (por mais de duas revoluções, digamos, de uma órbita elíptica) é um critério mais apropriado. Antes de considerar exemplos específicos, uma discussão detalhada das armadilhas no cálculo da altura do perigeu do satélite é necessária. O catálogo de satélites da Terra amplamente utilizado é o atualmente mantido pelos militares dos Estados Unidos, uma vez que o catálogo russo correspondente não está disponível ao público e outras fontes (por exemplo, de amadores) são relativamente incompletas. O catálogo foi iniciado em 1957 pelo Observatório Astrofísico Smithsonian – SAO. O Comando de Defesa Aérea da América do Norte (NORAD) colaborou com SAO e finalmente assumiu esse catálogo. Os dados orbitais são obtidos dos Elementos Orbitais de Duas Linhas (Two-Line Elements – TLE) emitidos pelo Comando do Componente da Força Espacial Conjunta dos EUA, o atual herdeiro das responsabilidades de rastreamento espacial do NORAD. Para cada satélite, pode haver várias determinações de órbita (‘conjuntos de elementos’,’conjuntos TLE’ ou simplesmente TLEs) por dia. Esses dados foram associados às informações históricas das espaçonaves do catálogo de satélites de vários observadores independentes. Os TLEs fornecem movimento médio e excentricidade de uma órbita com média de tempo ajustada, os “elementos médios SGP4”. É uma prática comum (principalmente no catálogo oficial de satélites públicos no space-track.org, ou historicamente na Tabela RAE – Royal Aircraft Establishment do Reino Unido) de satélites terrestres e relatórios derivados dela – para descrever uma órbita de satélite citando o perigeu e a altura do apogeu dos elementos médios SGP4 relativos a uma Terra esférica imaginária de 6.378 km. Para encontrar a altura real do perigeu de um satélite acima da verdadeira superfície terrestre, deve-se primeiro aplicar a teoria SGP4 para derivar os elementos osculantes (ou, equivalentemente, o vetor de estado) no perigeu.

Para uma órbita com excentricidade significativa, este perigeu pode ser diferente do valor médio SGP4 da ordem de dez quilômetros. Em seguida, a correção da altura acima do elipsóide terrestre, em vez do modelo esférico da Terra, varia até 22 km nos pólos. Diversos especialistas usam o elipsóide WGS-84 para cálculos. Os TLEs de baixo perigeu são comuns para o elemento final definido para um satélite, mas em alguns casos isso pode representar apenas a órbita final onde o perigeu não sobrevive. Conjuntos de elemento único são suspeitos; por exemplo, o Kosmos-168 foi rastreado em uma órbita de 52 x 386 km em 4 de julho de 1967, mas os dados dos tempos circundantes deixam claro que essa era uma solução errada com o período orbital certo, mas com excentricidade errada.

Para resumir, as órbitas circulares sustentadas mais baixas possíveis estão na ordem de 125 km de altitude, mas órbitas elípticas com perigeu a 100 km podem sobreviver por longos períodos. Em contraste, os satélites com perigeus abaixo de 80 km são altamente improváveis ​​de completar sua próxima órbita. Vale ressaltar que meteoros (viajando muito mais rapidamente) costumam se desintegrar na faixa de altitude de 70 a 100 km, acrescentando à evidência que esta é a região onde a atmosfera se torna importante.

Veículos espaciais

Goedhart observa corretamente que, durante a subida, um veículo espacial atinge altitudes de 100 km em uma distância bastante curta de downrange (alcance), de modo que normalmente cruzar o território de outro país enquanto na atmosfera não é um problema, e pousos de espaçonaves normais são semelhantes a este respeito, mas na reentrada um avião espacial pode estar a altitudes de 60 km ou menos ao percorrer longas distâncias terrestres. A questão das violações de espaço aéreo durante a reentrada de aviões espaciais é, portanto, algo com que se preocupar.

Goedhart afirma corretamente que o limite da ‘aviação’ e dos fenômenos aerodinâmicos ao invés dos balísticos é de 50 km (e infere que as convenções de Paris e Chicago se aplicam até este limite). Ele imediatamente se contradiz ao afirmar que ‘aviões já são capazes de voar acima do limite de 50 km’, o que se suspeito ser uma confusão entre um verdadeiro avião e aviões-foguetes como o X-15. Vários autores exibem essa confusão: como o posterior Shuttle, o X-15 funciona como um avião (na verdade, um planador) durante a descida pela baixa atmosfera e, portanto, atua como um avião.

Mas quando está acima da baixa atmosfera, ele usa propulsores para manobrar – ele então está operando como uma espaçonave, apesar de sua aparência externa, e não faz uso de suas superfícies aerodinâmicas. Usá-lo como exemplo de aeronave de alta altitude é errar o conceito.

Outras considerações tecnológicas

Goedhart também discute o que ele chama de ‘teoria biológica’, de que em cerca de 20 km os humanos não podem sobreviver desprotegidos devido à baixa pressão do ar, mas observa que claramente os veículos aéreos acima desta linha não são considerados como estando no espaço. Oliveira Bittencourt Neto discute a ideia de ‘controle efetivo’ (o espaço aéreo em que o piloto pode controlar seu veículo) e aponta que é uma ideia realmente ruim, pois leva a diferentes limites do espaço acima de diferentes países. Os satélites cruzariam essas fronteiras a cada poucos minutos. É claro que para uma definição de espaço ser útil e consistente com o significado geral do termo, ela deve estar bem acima das altitudes de aeronaves típicas e deve ser globalmente uniforme.

A efetiva Linha de Karman

A ‘linha de von Karman’ parece ser o que os matemáticos chamam de ‘teorema popular’, surgindo de uma discussão em uma conferência, mas nunca formalmente publicada por ele. Ela foi esmiuçada em publicações posteriores, especialmente no livro influente de Haley, e há alguma justificativa para chamá-la de ‘linha von Karman-Haley’.

O argumento de von Karman era que a fronteira do espaço deveria ser definida onde as forças devidas à dinâmica orbital excedessem as forças aerodinâmicas. Um argumento grosseiro de ordem de magnitude foi usado para mostrar que esta era da ordem de 100 km (em oposição a 10 km ou 1.000 km), mas na realidade o critério de von Karman define uma linha cuja altitude varia com a posição e o tempo (por causa das variações na densidade atmosférica devido à atividade solar) e com o coeficiente de sustentação da espaçonave. Haley estendeu o argumento para o arrasto do satélite e colocou a linha em 84 km. A forte associação do termo “(von) Karman line” com um valor definido de 100 km é um conceito mais recente. Os veículos lançadores de satélites atingem 100 km de altitude nos primeiros minutos de vôo, bem antes de terem acelerado para a velocidade orbital; assim, o valor apropriado do parâmetro é menor que um, e o arrasto é menor e a relação gravidade/força de arrasto correspondentemente maior em uma dada altitude; portanto, a linha efetiva de Karman é ainda mais baixa nesta fase ou para missões suborbitais.

Pode-se resumir os resultados dizendo que, para um veículo de coeficiente balístico típico, a linha representa a altitude na qual a gravidade excederá as forças aerodinâmicas para qualquer objeto em vôo constante nessa altitude (uma vez que tal vôo deve ser sempre igual ou inferior à velocidade circular Kepleriana para essa altitude). Essa altitude fica na faixa de 70 a 90 km.

Extensão do argumento de Karman para órbitas elípticas

Os satélites de órbita elíptica podem sobreviver a altitudes mais baixas do que os de órbita circular. Agora deduz-se a razão entre a força gravitacional e a aerodinâmica no perigeu de uma órbita elíptica. O satélite de baixo perigeu é de fato dominado pelo arrasto próximo ao perigeu, causando rápida redução do apogeu e consequentemente redução da excentricidade, de modo que próximo à reentrada a razão de Karman tende para o valor circular. Foi mostrado que para um coeficiente balístico típico de satélite, a linha efetiva de Karman está próxima a 80 km (com tolerância de 10 km), independente das condições solares e atmosféricas, ao invés do valor atualmente popular de 100 km; e que os dados orbitais históricos para satélites artificiais reais confirma que os objetos orbitais podem sobreviver a múltiplos perigeus em altitudes em torno de 80 a 90 km. Esta faixa de altitude é consistente com o limite físico mais alto na atmosfera, ou seja, a mesopausa, e com o limite de 80 quilômetros das “asas de astronauta” sugerido pelos Estados Unidos durante os primeiros anos da Era Espacial.

Referências

  • Jonathan C.McDowell – The Edge of Space: Revisiting the Karman Linehttps://doi.org/10.1016/j.actaastro.2018.07.003
  • R. Jastrow Definition of air space Proc. 1st Coll on Law of Outer Space (IISL, the Hague) (1957)
  • R. Goedhart The Never Ending Dispute: Delimitation of Air Space and Outer Space. Editions Frontieres (1996)
  • A.G. HaleySpace Law and Government Appleton-Century-Crofts, New York (1963)
  • A. Harris, R. Harris The need for air space and outer space demarcationSpace Pol., 22 (2006), p. 3
  • R. Monahan The Sky’s the Limit? PhD thesis Durham University (2008)
  • O. de Oliveira Bittencourt Neto Defining the Limits of Outer Space for Regulatory Purposes Springer/ISU (2015)
  • R. Hansen An Inductive Approach to the Air-space Boundary Question. Working Paper No. 148, KU Leuven Center for Global Governances Studies (2015)
  • COPUOS (UN GA Committee on the Peaceful Uses of Outer Space) Historical summary on the consideration of the question of the definition and delimitation of outer space. Technical Report A/AC.105/769, United Nations (2002)
  • M.S. McDougal, L. Lipson Perspectives for a Law of Outer Space. Faculty Scholarship Series Paper 2618, Yale Law School (1958)
  • M.O. Thompson At the Edge of Space: the X-15 Flight Program Smithsonian Institution Press, Washington, D.C. (1992)
  • J.C. McDowellThe X-15 spaceplaneQuest Spring, 3 (1) (1994), pp. 4-7
  • S. Sanz Fernadez de Cordoba 100 km Altitude Boundary for Astronautics (1994)
  • A.S. Jursa Handbook of Geophysics and the Space Environment. Air Force Geophysics Laboratory, United States Air Force (1985)
  • L. Sangalli, D.J. Knudsen, M.F. Larsen, T. Zhan, R.F. Pfaff, D. Rowland Rocket-based measurements of ion velocity, neutral wind, and electric field in the collisional transition region of the auroral ionosphere J. Geophys. Res. B, 114 (April 2009), p. A04306, J. Xu, A.K. Smith, W. Yuan, H.-L. Liu, Q. Wu, M.G. Mlynczak, J.M. Russell Global structure and long-term variations of zonal mean temperature observed by TIMED/SABER J. Geophys. Res. B, 112 (D11) (December 2007), p. D24106,G.C.M. Reijnen Legal Aspects of Outer Space PhD thesisUniv. of Utrecht (1976)
  • C. Jager, G.C.M. Reijnen Mesospace Proc. 18th Coll. IISL/IAF (1976)
  • G. Oduntan The Never Ending Dispute: legal theories on the spatial demarcation boundary plane between airspace and outer space Hertfordshire Law Journal, 1 (2003), pp. 64-84
  • A.C. Clarke Extra-terrestrial relays Wireless World (October 1945), pp. 305-308
  • G.W. Hill Researches in the lunar theory Am. J. Math., 1 (1) (1878), pp. 5-26,
  • P.-S. Laplace Des perturbations que les comètes éprouvent lorsqu’elles approchent très-près des planètes. In Traité de mécanique céleste, Tome IV, Livre IX, Ch. II. A Paris : Chez Courcier(1804)
  • M. Valtonen, H. Karttunen The Three-body Problem Cambridge University Press, Cambridge, UK (2006)
  • R.A.N. Araujo, O.C. Winter, A.F.B.A. Prado, R. Vieira Martins Sphere of influence and gravitational capture radius: a dynamical approach Mon. Not. Roy. Astron. Soc., 391 (December 2008), pp. 675-684
  • F. Tisserand Memoire sur les mouvements seculaires des plans des orbites de trois planètes. Annales de l’Observatoire de Paris (1882)16:E.1–E.57
  • A.A. Vakhidov Asteroid orbits near the 4:1 resonance with Jupiter Balt. Astron., 8 (1999), pp. 425-441
  • .B. McDonald Recent Voyager 1 data indicate that on 25 August 2012 at a distance of 121.7 AU from the Sun, sudden and unprecedented intensity changes were observed in anomalous and galactic cosmic rays Geophysics Research Letters, 40 (1665), 1668, May 2013
  • R. Smoluchowski, M. Torbett The boundary of the solar system Nature, 311 (September 1984), p. 38, Federation Aeronautique Internationale Records (2018)
  • G.F. Schilling, T.E. SternePreliminary orbit information for U.S.S.R. Satellites 1957 α1 and α2 SAO Spec. Rep., 1 (October 1957)
  • Joint Force Space Component Command (JFSCC) Space-Track.Org (2018), Accessed 1st May 2018Web site developed under contract by SAIC
  • J.C. McDowell General Catalog of Space Objects(2018) disponível em: https://planet4589.org/space/log/satcat.txt
  • F.R. Hoots, R.L. Roehrich SPACETRACK REPORT No. 3, Modelss for Propagation of NORAD Element Sets. Technical Report, US Air Force Aerospace Defense Command, ColoradoSprings, Colorado (1980)
  • D. Vallado, P. Crawford, R. Hujsak, T.S. KelsoRevisiting spacetrack report #3, paper AIAA 2006-6753AIAA Astrodynamics Specialist Conference (2006)
  • B. Bowman True satellite ballistic coefficient determination for HASDM AIAA/AAS Astrodynamics Specialist Conference and Exhibit (2002)
  • A. Saunders, G.G. Swinerd, H.G. Lewis Deriving accurate satellite ballistic coefficients from two-line element dataJ. Spacecraft Rockets, 49 (January 2012), pp. 175-184, 
  • C. Foster, H. Hallam, J. Mason Orbit Determination and Differential-drag Control of Planet Labs Cubesat Constellations; AAS Paper 15-524ArXiv e-prints (September 2015)
  • National Oceanic and Atmospheric AdministrationU.S. Standard Atmosphere 1976 U.S. Govt. Print. Off, Washington, D.C (1976)
  • J.M. Picone, A.E. Hedin, D.P. Drob, A.C. Aikin NRLMSISE-00 empirical model of the atmosphere: statistical comparisons and scientific issuesJ. Geophys. Res. B, 107 (December 2002), p. 1468, 
  • T.S. Kelso Celestrak, Space Weather data (2018) https://celestrak.com/SpaceData/sw19571001.txt
  • D.A. Vallado, T.S. Kelso Earth orientation parameter and space weather data for flight operations 23rd AAS/AIAA Space Flight Mechanics Meeting, Kauai, HI (2013)
  • T. Gangale The non karman line: an urban legend of the space age J. Space Law, 41 (2) (2017)

China lança com sucesso novos satélites de sensoriamento remoto

Primeira fase do sistema Yaogan está concluída

A China lançou com sucesso um novo grupo de satélites do Centro de Lançamento de Satélites de Xichang, na província de Sichuan, sudoeste da China, às 8:19 da manhã de segunda-feira (horário de Pequim). O foguete Chengzheng Longa Marcha CZ-2C nº Y49 com três satélites Yaogan-30-10 (satélites A, B e C) e o Tianji 15 foi lançado do espaçoporto na província de Sichuan no sudoeste da China.

CZ-2C nº Y49

Nesta missão, o foguete CZ-2C foi equipado com um sistema de paraquedas para a sua carenagem, para verificar a tecnologia de controle da sua zona de queda. Com base nos resultados de estágio inicial do sistema, a equipe de teste de foguetes reforçou a estrutura da carenagem e instalou nela um sistema elétrico aprimorado; Assim, adotou o programa de abertura de paraquedas de alta altitude, e continuou os testes para aperfeiçoar a tecnologia de controle da área de pouso.

Yaogan-30

Este foi o 10º grupo da família Yaogan-30 (YG-30), para pesquisa do ambiente eletromagnético e verificará tecnologias de intercomunicação em rede de multissatélites a 600 quilômetros de altitude. Também a bordo estava o “micro-nano” satélite Tianqi-15, um satélite pertencente à constelação Tianqi, que servirá para a coleta de dados da Internet das Coisas.

Os lançamentos triplos de Yaogan começaram com a missão Yaogan 9 em março de 2010, seguidos por mais quatro até 2014, similares ao Sistema de Vigilância Oceânica Naval em formação operado pelos Estados Unidos da década de 1970 até a virada do século, quando o sistema mudou para satélites em pares. Manter os satélites em formação próxima permite que eles triangulem as posições de navios estrangeiros por meio de seus sinais de rádio, também fornecendo caracterização adicional de emissores de rádio no mar e em terra para inteligência eletrônica.

Tianqi 15

A Tianqi é uma série de pequenos satélites de comunicação experimentais chineses da Guodian Gaoke para internet das coisas, que também carregam uma câmera para fins educacionais.
A Guodian Gaoke planeja operar a constelação de IoT que oferece aos usuários serviços de coleta e transmissão de dados necessários para áreas ‘cegas’ de cobertura de rede terrestre, que são utilizadas nas indústrias marinha, de proteção ambiental, meteorológica, florestal, geológica, de emergência, resgate e de ‘cidades inteligentes’ para aprimorar a a cobertura da rede de dados e os recursos de aplicativos de importância estratégica.

CZ-2C

O foguete Longa Marcha-2C, desenvolvido pela Academia Chinesa de Tecnologia de Veículos de Lançamento, mediu 43 metros de comprimento e teve uma massa de decolagem de 242 toneladas.
O foguete é capaz de enviar duas toneladas de cargas úteis para a órbita solar síncrona a uma altitude de 500 km. O lançamento de segunda-feira foi o 380º da série Longa Marcha, que também marcou a conclusão do lançamento da família Yaogan-30.
O CZ-2C é um foguete de dois estágios com 43 metros de altura, 3,35 metros de diâmetro e pesando cerca de 242 toneladas na decolagem, capaz de colocar 3.800 quilogramas na órbita terrestre baixa. Ambos os estágios da Longa Marcha 2C usam tetróxido de nitrogênio e dimetilhidrazina assimétrica como propelentes, enquanto um terceiro estágio opcional nas versões SMA e SM do lançador usa propelente sólido.
O primeiro estágio tem 25,7 metros de comprimento e 3,35 metros de diâmetro, com massa de lançamento de 171,3 toneladas, incluindo cerca de 162,7 toneladas de propelentes. Ele tem um motor YF-21B, formado por quatro motores YF-20A, cada um produzindo 750 quilonewtons de empuxo a vácuo e disparando por 122 segundos.

O segundo estágio tem 7,58 metros de comprimento e compartilha o diâmetro de 3,35 metros do primeiro estágio, com massa de decolagem de 58.000 kg, contendo 54.700 kg de propelentes para um único motor principal YF-22 e sistema de controle de atitude de quatro câmaras para controle de atitude. O YF-22 produz um impulso no vácuo de 742 kN e cada ‘vernier’ YF-23 tem um impulso de 10,2 kN. O segundo estágio tem um tempo de queima de 130 segundos para o motor principal e até 287 segundos para os verniers realizarem uma inserção em órbita circular quando necessário.

O estágio superior SMA opcional tem 2,7 metros de diâmetro e 1,5 metros de comprimento, gerando um empuxo de 10,78 quilonewtons ao queimar 150 kg de propelente sólido. Em sua configuração de dois estágios, Longa Marcha 2C pode levar 1.400 kg em uma órbita síncrona do Sol, aumentada para 1.900 kg ao contar com a ajuda do terceiro estágio opcional. O Longa Marcha 2C também pode ser em missões em órbita altamente elíptica, incluindo lançamentos de transferência geoestacionária com uma capacidade de carga útil de até 1.250 kg.

O Longa Marcha-2C colocou todos os dez grupos de satélites Yaogan-30 em órbita com precisão desde setembro de 2017, com uma taxa de sucesso de 100 por cento.

Módulo russo Nauka e seu foguete Proton-M instalados na plataforma em Baikonur

Foguete de 700 toneladas colocará em órbita o novo módulo da Rússia para a estação espacial internacional no dia 21

O foguete-portador Proton-M com o módulo MLM-U Nauka foi transportado do edifício de montagem e testes MIK 92A-50 da Zona 92 do Cosmódromo de Baikonur pela carreta TUA 8T184K, acoplado ao sistema de elevação 8U260M e instalado na plataforma de lançamento 8U219 da Zona 200. Depois, foi envolvido pela torre de serviço 8T185 para preparação de seu lançamento à ISS no próximo dia 21.

De acordo com o cronograma, hoje, 17 de julho de 2021, o foguete foi entregue ao complexo de lançamento do local nº 200 e instalado em posição vertical. Depois de abastecer a unidade de serviço e conectar as comunicações necessárias, os especialistas da Roscosmos iniciarão os trabalhos de acordo com a programação do primeiro dia de lançamento. Para hoje, estão previstas: operações de proteção do sistema de controle telemétrico e instrumentos de telemetria, controle dos parâmetros de medição, verificações do veículo lançador, retirada dos elementos de proteção e segurança dos pistões giratórios das metades da carenagem de cabeça e dos suportes pneumáticos dos pistões, bem como das operações de checagem do sistema de controle.

De acordo com o programa russo de voos para a Estação Espacial Internacional, o lançamento do Proton-M com o Nauka está previsto para 21 de julho de 2021 às 17:58:21, horário de Moscou (11:58:21 Brasília).

Início da transmissão ao vivo: 21 de julho de 2021, 16:30, horário de Moscou (10:30 Brasília). A duração da fase ativa de voo do veículo lançador (até a separação do módulo) será de 580 segundos (9,67 minutos). O veículo lançador Proton-M fará a inserção do módulo de laboratório multiuso em órbita baixa com os seguintes parâmetros: apogeu 350,1 km; perigeu 190,0 km; inclinação de 51,6 graus.

O posterior encontro com a Estação Espacial Internacional será realizado pelos motores do módulo Nauka. A duração da inserção do módulo na área de aproximação com a ISS será de 8 dias. A acoplagem está programada para 29 de julho de 2021 às 16:26, horário de Moscou, 10:26 Brasília.

Starliner finalmente se aproxima de seu novo voo de teste

Espaçonave da Boeing deverá fazer missão de até 10 dias acoplada à estação espacial internacional

Espaçonave para o OFT-2

O primeiro estágio do foguete Atlas V N22 número de série AV-082 para a missão Orbital Flight Test OFT-2 da espaçonave Starliner foi instalado em sua plataforma de lançamento hoje, 17 de junho, na Estação da Força Espacial do Cabo Canaveral.

Espaçonave Boeing CST-100 Starliner

A Boeing terminou de carregar os propelentes hidrazina e tetróxido de nitrogênio do sistema de manobra e atitude no fim de semana na segunda cápsula Starliner da empresa no Centro Espacial Kennedy, dias após o ’empilhamento’ de seu lançador Atlas V começar a poucos quilômetros de distância, na Estação da Força Espacial do Cabo Canaveral.
A espaçonave está programada para lançamento em 30 de julho às 1853 GMT em um vôo de teste para a estação espacial ISS. Se tudo correr conforme o planejado, abrirá caminho para a Boeing transportar os astronautas para a estação, possivelmente antes do final deste ano.
Essa será uma boa notícia para a NASA, que financiou o desenvolvimento da espaçonave por meio de seu programa de tripulação comercial em um acordo de compartilhamento de custos com a Boeing. Os contratos da tripulação comercial da NASA com a Boeing desde 2010 estão avaliados em mais de US $ 5 bilhões. A NASA tem um contrato similar com a SpaceX avaliados em mais de US $ 3 bilhões para o desenvolvimento da nave Crew Dragon. Os contratos para ambas as empresas incluíam um mínimo de seis voos de rotação de tripulação operacional para a Estação Espacial Internacional.
A Boeing parecia no caminho certo para lançar sua primeira missão tripulada do Starliner em 2020, mas o primeiro vôo de teste não-pilotado em dezembro de 2019 terminou prematuramente sem acoplar na estação espacial. Funcionários da Boeing e da NASA atribuíram a falha do voo de teste a problemas de software, incluindo um cronômetro de tempo decorrido de missão que foi ajustado incorretamente antes do lançamento. O problema fez com que o computador da espaçonave ‘pensasse’ que estava em uma fase de vôo diferente após o lançamento do Atlas 5 em órbita, fazendo com que os propulsores da cápsula e queimassem muito propelente. O uso de propelente acima do esperado impediu a Starliner de acoplar na estação.
As equipes de terra descobriram outro erro na codificação de software, que poderia ter causado a colisão do módulo de serviço da nave espacial com o módulo da tripulação depois que os dois elementos se separassem pouco antes da reentrada. Durante certas partes da missão encurtada de dois dias, também houve dificuldades em estabelecer um link de comunicação estável entre a espaçonave e a rede de satélites de rastreamento e retransmissão de dados TDRS da NASA.
Apesar dos problemas, a cápsula retornou à Terra para um pouso com pára-quedas e airbags no Porto Espacial White Sands, Novo México.
A Boeing agora está reformando aquela cápsula para o Starliner Crew Flight Test. Mas, primeiro, os gerentes da Boeing e da NASA concordaram em lançar um segundo Orbital Flight Test, na OFT-2, para provar o software da espaçonave e completar as tarefas de demonstração que não foram realizadas pela missão OFT-1 em 2019.
Um segundo módulo da tripulação da Starliner voará na missão OFT-2. Assim que estiver de volta à Terra, a Boeing irá reformar a cápsula para futuras missões. Cada missão de uma Starliner apresentará um novo módulo de serviço, que é descartado durante a reentrada.

Foguete-portador Atlas V N22 – AV-082

A Boeing disse na semana passada que os engenheiros fecharam todas as recomendações de uma equipe de revisão independente conjunta NASA-Boeing criada para investigar os problemas na missão OFT-1. A equipe de revisão emitiu 80 recomendações, incluindo testes de software integrados mais completos e simulações, melhorias de processo, no sistema de comunicação do módulo da tripulação e mudanças organizacionais. “A Boeing implementou todas as recomendações, mesmo aquelas que não eram obrigatórias, antes do próximo vôo da Starliner”, disse a empresa em um comunicado.

No início deste ano, a Boeing concluiu uma simulação de missão completa no Laboratório de Aviônica e Integração de Software da empresa em Houston. O teste combinou o equipamento de vôo e a versão final do software da espaçonave. Um ensaio desses não foi realizado para verificar o código do software antes da missão OFT-1 em 2019.

“Estou extremamente orgulhoso das equipes da NASA e da Boeing Starliner enquanto trabalham metodicamente em direção à missão OFT-2 no próximo mês com verificações finais do módulo da tripulação e do sistema e software do módulo de serviço enquanto nos preparamos para esta importante missão de teste sem tripulantes”, disse Steve Stich, gerente do programa de tripulação comercial da NASA.

Visão da cabine do módulo de tripulação da Starliner

“Fechar todas as conclusões da equipe de revisão independente para o software e sistemas de comunicação é um grande marco para o programa da tripulação comercial e incluiu muitas horas de testes e análises por nossas equipes dedicadas da Boeing e da NASA durante esta pandemia Covid-19”, disse Stich. Paralelamente aos testes de software, os técnicos da Boeing na Unidade de Processamento de Tripulação e Carga Comercial do Centro Espacial Kennedy concluíram a maior parte dos preparativos para a missão OFT-2. Em janeiro, a Boeing intergrou (encaixou) o módulo da tripulação e o módulo de serviço dentro da instalação de processamento, um antigo hangar do ônibus espacial. Um porta-voz da Boeing que os módulos foram totalmente carregados com sua mistura de propelentes hipergólicos, que irão alimentar os propulsores para manobras de encontro com a estação espacial e a queima de saída de orbita no final da missão.

A United Launch Alliance, uma joint venture 50/50 entre a Boeing e a Lockheed Martin, é a fornecedora de lançamento para as missões Starliner. Em 17 de junho, a ULA içou o primeiro estágio do Atlas 5 N22 para a OFT-2 em sua plataforma de lançamento dentro da Instalação de Integração Vertical (VIF) perto da plataforma 41 na Estação da Força Espacial do Cabo Canaveral.

Common Core Booster (1º estágio) do foguete Atlas V sendo içado para empilhamento na torre de montagem e testes

A ULA planejou instalar dois propulsores de propelente sólido e o estágio superior Centauro de dois motores RL-10 no foguete, preparando para a entrega da espaçonave Starliner ao VIF em meados de julho. Não haverá ensaio de abastecimento de pré-lançamento no foguete Atlas antes da missão OFT-2.
“Nas próximas semanas, as equipes de controle de missão na Flórida e no Texas continuarão realizando ensaios gerais simulados para a OFT-2 e missões tripuladas subsequentes. As equipes de pouso e recuperação da Starliner também farão uma verificação no local de uma das zonas de pouso do veículo “, disse a Boeing. Os técnicos também carregaram a carga no módulo pressurizado do Starliner, que voará com um manequim de teste instrumentado em um de seus assentos. A missão OFT-2 vai entregar cerca de 200 quilos de carga e suprimentos para a tripulação para a estação espacial.

Assumindo que a missão seja lançada em 30 de julho, a espaçonave Starliner está programada para acoplar em 31 de julho com a porta de engate frontal IDA do adaptador PMA do módulo Harmony da estação. No final de julho, antes da chegada do Starliner, quatro dos sete membros da tripulação se abrigarão em sua espaçonave SpaceX Crew Dragon para uma realocação da porta de acoplamento frontal para a porta superior no mesmo módulo Harmony. Isso abrirá o caminho para a acoplagem do Starliner. A Boeing diz que a missão OFT-2 deve durar cerca de cinco a 10 dias antes de ser desacoplada da estação e retornar à Terra. A cápsula terá como alvo uma das cinco zonas de pouso no oeste dos Estados Unidos, incluindo dois locais no polígono de testes de White Sands Missile Range no Novo México e zonas em Utah, Arizona e Califórnia.
O desengate, a reentrada e o pouso da Starliner estão provisoriamente programados para 5 de agosto. Nessa data, o local de pouso principal será em White Sands.
Se a missão OFT-2 atingir todos os seus objetivos, os funcionários da Boeing e da NASA “buscarão oportunidades no final do ano” para lançar o Starliner Crew Flight Test. Essa missão, que também será lançada em um foguete Atlas V N22, levará os astronautas da NASA Barry “Butch” Wilmore, Mike Fincke e Nicole Mann à ISS.

Hubble: NASA completa a ativação do computador reserva

Com o procedimento realizado esta semana, o telescópio vai voltar a ativida

A NASA transferiu com sucesso o Telescópio Espacial Hubble para o sistema reserva , incluindo o computador de carga útil de backup, em 15 de julho. A troca foi realizada para compensar o problema com o computador original que ocorreu em 13 de junho, quando o este parou, suspendendo coleta de dados científicos. A mudança incluiu colocar online a Unidade de Controle de Energia (PCU) de backup e a Unidade de Comando / Formatador de Dados Científicos (CU / SDF) de backup do outro lado da unidade de Instrumento Científico e Manuseio de Comando e Dados (SI C&DH). A PCU distribui energia para os componentes SI C&DH e a CU / SDF envia e formata comandos e dados. Além disso, outras peças de hardware a bordo do Hubble foram trocadas para suas interfaces alternativas para se conectar a este lado de backup do SI C&DH. Uma vez que essas etapas foram concluídas, o computador de carga útil reserva nesta mesma unidade foi ligado e carregado com o software de vôo e colocado no modo de operação normal.

A equipe do Hubble agora está monitorando o sistema para garantir que tudo esteja funcionando corretamente. A equipe também iniciou o processo de recuperação dos instrumentos científicos fora de sua anterior configuração de modo de segurança. Espera-se que esta atividade leve mais de um dia, pois a equipe executa vários procedimentos e garante que os instrumentos estejam em temperaturas estáveis. A equipe irá então realizar algumas calibrações iniciais dos instrumentos antes de retomar as operações científicas normais. A NASA identificou a possível causa do problema do computador de carga útil em 13 de junho. O telescópio e os instrumentos científicos permanecem saudáveis ​​e em uma configuração segura. O computador de carga útil está instalado na unidade Science Instrument Command and Data Handling (SI C&DH). Ele controla, coordena e monitora os instrumentos científicos do Hubble. Quando o computador de carga útil parou, os instrumentos científicos foram colocados automaticamente em uma configuração segura. Uma série de testes de vários dias, que incluíram tentativas de reiniciar e reconfigurar o computador principal e o de backup, não foram bem-sucedidos, mas as informações coletadas dessas atividades levaram a equipe a determinar que a possível causa do problema estava na Unidade de controle de energia (PCU).

A PCU também está montada na unidade SI C&DH. Ele garante a voltagem constante para o do computador de carga útil. A PCU contém um regulador de energia que fornece cinco volts constantes de eletricidade para o computador de carga útil e sua memória. Um circuito de proteção secundário detecta os níveis de tensão que saem desse regulador de energia. Se a tensão cair abaixo ou ultrapassar os níveis permitidos, este circuito secundário informa ao computador de carga útil que ele deve interromper as operações. A análise da equipe sugeriu que ou o nível de tensão do regulador estava fora dos níveis aceitáveis ​​(desarmando o circuito de proteção secundário), ou o circuito de proteção secundário degradou ao longo do tempo e estava preso neste estado de inibição. Como nenhum comando de solo foi capaz de redefinir a PCU, a equipe do Hubble mudou para o sistema backup da unidade SI C&DH que contém a PCU reserva. Todos os testes de procedimentos para a troca e as análises associadas foram concluídos e a administração da NASA deu a aprovação para prosseguir. A troca começou na quinta-feira, 15 de julho.

A equipe realizou uma mudança semelhante em 2008, que permitiu ao Hubble continuar as operações científicas normais depois que um módulo de Unidade de Comando / Formatador de Dados Científicos , outra parte do SI C&DH, falhou. Uma missão de serviço em 2009 substituiu toda a unidade SI C&DH, incluindo o módulo CU / SDF defeituoso, pela unidade SI C&DH atualmente em uso.

Lançado em 1990, o Hubble observa o universo há mais de 31 anos. Fez mais de 1,5 milhão de observações do universo e produziu material para mais de 18.000 artigos científicos publicados com seus dados. Contribuiu para algumas das descobertas mais significativas do nosso cosmos, incluindo a expansão acelerada do universo, a evolução das galáxias ao longo do tempo e os primeiros estudos atmosféricos de planetas além do nosso sistema solar.

Telescópio Hubble

China testa espaçoplano mais uma vez

Protótipo de espaçonave reutilizável fez voo bem-sucedido e pousou em pista

Hoje, 16 de julho de 2021, um veículo protótipo reutilizável sub-orbital (Chongfu Shiyong Shiyan Hangtian Qi) desenvolvido pela CASC (China Aerospace Science and Technology Corporation) foi lançado do Centro de Lançamento de Jiuquan. Depois de completar o vôo conforme planejado, pousou na pista do aeroporto de Youqi em Ala Shan, a cerca de 200 km do local de lançamento. Anteriormente, um veículo orbital reutilizável foi testado pela CASC em setembro de 2020.

Veículo suborbital Chongfu Shiyong Shiyan Hangtian Qi CSSHQ

“O desenvolvimento da tecnologia de transporte espacial reutilizável é um símbolo importante da transição da China de uma potência industrial para uma potência espacial. O transportador reutilizável suborbital pode ser usado como estágio superior de um sistema de transporte espacial reutilizável maior , e representa a fusão de tecnologias aeronautica e espacial. O sucesso total deste projeto estabeleceu uma base sólida para o desenvolvimento do uso repetido do espaço e da tecnologia de transporte espacial terrestre da China, e deu um primeiro passo sólido para alcançar um desenvolvimento inovador e independente no campo.”

Live sobre energia nuclear no espaço no Brazilianspace

Propulsão e Energia Nuclear na Exploração Espacial: Esse é o tema da próxima live do BS

Hoje o Homem do Espaço vai participar da live do portal Brazilianspace, dirigido pelo professor Rui Botelho: O Brazilian Space realizará sua live hoje, 15/07/2021 (21:30h) para tratar da história, da tecnologia, do emprego e da importância da propulsão e da energia nuclear para a exploração espacial.