Militares americanos lançam satélite de testes com o Pegasus XL

Northrop Grumman espera por novos cliente para seu foguete alado lançado de avião

Oficiais militares americanos confirmaram que um foguete Pegasus XL da Northrop Grumman foi lançado com sucesso em órbita a partir da costa da Califórnia no domingo, dia 13 de junho, completando um exercício de lançamento rápido com uma unidade secreta de projetos especiais da Força Espacial. Montado na barriga do avião-portador Tristar L-1011 matrícula N140SC, o foguete Pegasus XL de quase 24 toneladas de peso partiu da Base da Força Espacial de Vandenberg, na Costa Central da Califórnia, cerca de uma hora antes do lançamento. A missão, conhecida como TacRL-2, fazia parte do programa “Tactically Responsive Launch” da Força Espacial. A aeronave L-1011 Stargazer, voou para a zona de lançamento do Pegasus. a cerca de 250 quilômetros da costa da Califórnia e se alinhou na trajetória de lançamento rumo ao sul. Dois pilotos, um engenheiro de vôo e dois operadores de console de controle realizaram o lançamento do Pegasus.

O foguete de lançamento aéreo pesa normalmente 23.130 kg, tem um comprimento de 17,6 metros, um diâmetro principal de 1,27 m, envergadura da asa de 6,7 m e com uma capacidade de carga útil de 443 kg (num volume interno da coifa com 1,18 m de diâmetro e 2,13 m de comprimento).

Depois de uma queda livre de cinco segundos, o Pegasus acendeu seu motor de combustível sólido do primeiro estágio Orion 50S XL para a primeira fase propulsada. O primeiro estágio, equipado com asa alta triangular e três aletas de estabilização, produziou cerca de 80.000 kgf de empuxo e funcionou por cerca de um minuto. O veículo então descartou o primeiro estágio e disparou seus motores Orion 50 XL do segundo e Orion 38 do terceiro estágios, para colocar em órbita o satélite, denominado Odyssey.

Este satélite Odyssey foi construído por uma nova organização chamada “Space Safari”, inspirada no programa secreto “Big Safari” da Força Aérea que modifica aeronaves para missões especiais, de acordo com o general Jay Raymond, chefe de operações espaciais da Força Espacial.

A Northrop Grumman e a Força Espacial não fizeram um webcast ao vivo da missão. Um comunicado divulgado pela Space Launch Delta 30, anteriormente a 30ª Asa Espacial, na Base de Vandenberg, menos de uma hora após o lançamento, confirmou que a missão foi bem-sucedida. A Força Espacial estabeleceu o Programa de Lançamento com Responsabilidade Tática para demonstrar que os militares poderiam “convocar” um provedor de lançamento e colocar um pequeno satélite em órbita em 21 dias.

O major Nick Mercurio, porta-voz da Força Espacial, disse que a carga útil era um “satélite de demonstração de tecnologia de consciência de domínio espacial”. O domínio espacial abrange a detecção, rastreamento e caracterização de satélites e detritos em órbita. Oficiais militares não revelaram a órbita-alvo da missão, mas avisos de exclusão de espaço aéreo sugeriram que o Pegasus XL provavelmente se dirigiu para uma órbita sincrona com o sol com uma inclinação de cerca de 98 graus.

A Força Espacial concedeu à Northrop Grumman um contrato de US $ 28,1 milhões para o lançamento do TacRL-2 em julho do ano passado. O Departamento de Defesa concedeu a ordem de tarefa por meio do contrato do Programa de Serviços Orbitais-4, que cobre serviços de lançamento para satélites militares de pequeno e médio porte até 2028.

Um foguete Northrop Grumman Pegasus XL dentro de seu hangar na Base da Força Espacial de Vandenberg, Califórnia. Crédito: NASA / Randy Beaudoin

O satélite Odyssey chegou a Vandenberg nas últimas três semanas. Os técnicos o encapsularam dentro da carenagem de cabeça do Pegasus antes de integra-lo ao foguete. As equipes de solo em Vandenberg montaram o foguete ao L-1011 na quarta-feira.

A NASA pagou US $ 56,3 milhões para lançar um satélite de pesquisa no vôo anterior do Pegasus, antes dessa TacRL-2. A Northrop tem mais um foguete Pegasus XL em estoque e poderia construir outros. Até agora, o foguete não tem um cliente além da missão TacRL-2 hoje. A Força Espacial emitiu um pedido de propostas no início deste ano para duas missões de lançamento adicionais – TacRL-3 e 4 – para voos em 2022 e 2023.

Author: homemdoespacobrasil

Sua referência em Astronáutica na internet