China: ‘booster’ do CZ-3B testou paraquedas para controlar descida

Paraquedas de velame retangular de 300 m2 controlou um dos boosters na queda

Em 3 de junho, o foguete-lançador Longa Marcha-3B, desenvolvido pela Primeira Academia da China/ Corporação de Ciência e Tecnologia Aeroespacial, lançou com sucesso o satélite Fengyun-4B. Nesta missão, a China realizou com sucesso a verificação em voo do “controle de zona de aterrissagem” de um booster com base num parafoil controlável de 300 metros quadrados.

O parafoil usado nesse teste de controle de zona de pouso também foi o paraquedas de foguetes com mais capacidade de carga mundo, e que retornou com sucesso ao seu destino com controle. Isso prevê uma minimização dos riscos do estágio cair em zonas habitadas.

O sistema de controle de pouso por pára-quedas foi desenvolvido pelo Departamento de Design Geral da Primeira Academia de Ciência e Tecnologia Aeroespacial, e tem a capacidade de reduzir a dispersão (incerteza) da área de pouso em 70%. o sistema de páraquedas foi desenvolvido pelo Instituto 508 do Quinto Grupo da Academia de Ciência e Tecnologia Aeroespacial. Esse páraquedas também é o maior parafoil controlado da China.

O booster usado neste teste está localizado no lado esquerdo da imagem. foto Xinhua

No casco externo, ele tem mais duas calhas e um painel bege no cone de nariz, em comparação com os outros boosters. Durante o teste, o sistema de paraquedas foi ejetado desse painel bege.
Está previsto que em cada missão, os projetistas calcularão a zona de pouso de cada estágio com base na trajetória do foguete e realizará o controle de segurança de acordo. Décadas atrás, ao selecionar locais para vários locais de lançamento importantes na China, eles basicamente garantiram que os estágios do foguete cairiam em áreas escassamente povoadas.

Porém, com o desenvolvimento econômico e social do país, a densidade populacional em vários locais se tornou cada vez mais alta. Às vezes, para garantir que o estágio do foguete caisse em uma área menos povoada, o projetista também modificava a trajetória e o tempo de vôo do foguete, resultando em uma redução na capacidade de carga. Embora a frequência de uso da área de pouso de estágio do foguete não seja alta, como reduzir o escopo da área de pouso tanto quanto possível e reduzir a interferência na produção normal e na vida da área de pouso sempre foi o objetivo científico pesquisadores.

O sistema de controle da zona de pouso por pára-quedas é instalado dentro do cone do nariz do propulsor. Depois que o propulsor é separado do foguete, ele voa ao longo de uma parábola ascendente. Quando atinge uma altitude predeterminada, o sistema de controle do pára-quedas propulsor é ativado, e dois morteiros puxam um paraquedas após o outro: um para controle de atitude e redução de velocidade e, em seguida, o parafoil controlável, e o booster é guiado para uma área predeterminada a fim de obter um controle preciso da queda.

O booster do Longa Marcha CZ-3B – foto Xinhua

A tecnologia de usar parafoil para controlar a zona de pouso foi usada principalmente no campo da aviação no passado. Para o booster, sob a condição de atitude instável após a separação, é bastante difícil conseguir uma separação estrutural segura, uma abertura segura do paraquedas e garantir que o paraquedas não seja danificado após a abertura.

Neste teste, após o booster ser separado do estágio central, o sistema de controle de zona de pouso recebeu seu posicionamento contínuo por satélite GPS e executou várias ações-chave nas altitudes predeterminadas. Finalmente, sob a ação do parafoil, o propulsor desceu até o ponto de manobra alvo de acordo com a estratégia de direção predeterminada, e o teste foi um sucesso completo.

Este teste verificou três tecnologias-chave: o design geral do controle de zona de pouso por paraquedas, o design do parafoil controlável de grande área e a navegação integrada sob GPS. Toda a telemetria do sistema de controle foi obtida, para aperfeiçoar essa tecnologia de controle. Segundo seus projetistasm “as aplicações de engenharia e a melhoria da segurança da área de pouso dos destroços do foguete são um avanço importante.”

Author: homemdoespacobrasil

Sua referência em Astronáutica na internet