Cargo Dragon 2 ‘CRS-22’ acoplada à estação espacial internacional

Acoplagem foi às 06:09 hora de Brasília

A nave de carga SpaceX Dragon acoplou automaticamente no compartimento PMA-3, no sistema adaptador de engate IDA-3 ao lado voltado para o espaço (“zênite”) do módulo Harmony do laboratório orbital (contato e captura suave às 05h09 EDT – 09:09 UTC), hoje, sábado, 5 de junho. Os astronautas da NASA Shane Kimbrough e Megan McArthur monitoraram as operações de acoplamento do Dragon.

Esta 22ª missão de reabastecimento contratada para a SpaceX leva o novo kit ISS Roll-out Solar Arrays (iROSA) para a estação espacial no compattimento aberto de carga da espaçonave. O braço Canadarm2 irá extrair os paineis e os astronautas irão instalá-los durante as atividades extraveiculares programadas para 16 e 20 de junho.

O Dragon foi lançado na 22ª missão comercial de reabastecimento às 13h29 EDT de quinta-feira, 3 de junho, do Complexo de Lançamento 39A no Kennedy Space Center na Flórida. Depois que a Dragon passar cerca de um mês conectada à estação espacial, a espaçonave retornará à Terra com carga e pesquisas.

Entre os experimentos científicos que a Dragon está transportando à estação espacial estão:

Lulas e micróbios simbióticos – O estudo Understanding of Microgravity on Animal-Microbe Interactions (UMAMI) usa lulas bobtail e bactérias para examinar os efeitos do voo espacial nas interações entre micróbios benéficos e seus hospedeiros animais. Esse tipo de relacionamento é conhecido como simbiose. Micróbios benéficos desempenham um papel significativo no desenvolvimento normal dos tecidos animais e na manutenção da saúde humana, mas o papel da gravidade na formação dessas interações não é bem compreendido. Este experimento pode auxiliar o desenvolvimento de medidas para preservar a saúde dos astronautas e identificar maneiras de proteger e melhorar essas relações para aplicações na Terra.

Produzindo algodão mais resistente – O algodão é usado em muitos produtos, mas sua produção usa quantidades significativas de água e produtos químicos agrícolas. O estudo Visando Algodão Melhorado Através do Cultivo em Órbita (TICTOC) concentra-se em melhorar a resiliência do algodão, o uso de água e o armazenamento de carbono. Na Terra, o crescimento da raiz depende da gravidade. O TICTOC pode ajudar a definir quais fatores ambientais e genes controlam o desenvolvimento da raiz na microgravidade. Os cientistas poderiam usar o que aprenderam para desenvolver variedades de algodão que requerem menos água e uso de pesticidas.

Tardígrados no espaço – Tardígrados, também conhecidos como ursos d’água por sua aparência quando vistos sob um microscópio, são criaturas que podem tolerar ambientes extremos. O experimento Cell Science-04 tem como objetivo identificar os genes envolvidos na adaptação e sobrevivência do animal nesses ambientes de alto estresse. Os resultados podem aumentar a compreensão dos cientistas sobre os fatores de estresse que afetam os humanos no espaço.

Ultra-som in loco – O dispositivo comercial de ultra-som Butterfly IQ pode fornecer recursos médicos essenciais para tripulações em voos de longo prazo, onde o suporte terrestre imediato não é uma opção. Este estudo demonstrará o uso de uma unidade de ultrassom ao lado de um dispositivo de computação móvel em microgravidade. Seus resultados têm aplicações potenciais para cuidados médicos em ambientes remotos e isolados na Terra.

Desenvolvendo melhores drivers de robôs – Uma pesquisa da ESA (Agência Espacial Européia), o Pilote, testa a eficácia da operação remota de manipuladores robóticos e veículos espaciais usando realidade virtual e interfaces hápticas. O Pilote estudará as tecnologias existentes e outras novas em microgravidade, comparando as recentemente desenvolvidas para teleoperação com as usadas para pilotar as espaçonaves Soyuz e controlar o Canadarm2. O estudo também comparará o desempenho do astronauta no uso de interfaces no solo e durante voos espaciais. Os resultados podem ajudar a otimizar as estações de trabalho na estação espacial e futuros veículos para missões à Lua e Marte.

Energia solar extra – Os novos painéis solares para a estação são compostos de seções compactas que se abrem como um longo tapete. Os painéis solares extensiveis para a ISS (iROSA) são baseados em uma demonstração anterior de painéis realizada na estação. Espera-se que eles forneçam um aumento na energia para pesquisas e atividades . A NASA planeja um total de seis novos paineis para aumentar o fornecimento de energia com o primeiro par sendo lançado neste vôo. A tripulação da Expedição 65 está programada para iniciar os preparativos para caminhadas espaciais para complementar os painéis rígidos originais na estação neste verão. A mesma tecnologia está programada para alimentar o Gateway da NASA em órbita lunar.

Durante a missão, o arranjo de painel solar extra IROSA irá ser retirado do compartimento de carga da nave e instalado sobre um dos paineis solares originais da estação, iniciando um trabalho de reforço que terá mais cinco desses paineis extras adicionados. Depois, a nave vai desacoplar em modo “drone” e retornar à Terra, amerrissando no Oceano Atlântico com os resultados de experimentos e cargas de retorno.

A nave Cargo Dragon C209, de aproximadamente 11.900 kg, estava em órbita inicial com apogeu de 211,8 km e perigeu de 192,7 km, com 51.64º de inclinação – e depois fez varias manobras de encontro com a Estação Espacial Internacional.

Cubesats a serem lançados – A NASA removeu nove dos dez cubesats da página da web do Projeto ELaNa. Restaram apenas o RamSat e o MIR-SAT1 : Dos dez cubesats como parte da iniciativa ELaNa-36 originalmente listados para este voo, o RamSat da Robertsville Middle School e o primeiro satélite das Ilhas Maurício MIR-SAT1 , foram os único serem incluidos. O RamSat está instalado no dispensador NanoRacks junto com o cubesat SOAR da Universidade de Manchester, independente.

Esta é a 22ª missão de Serviços de Reabastecimento Comercial (CRS) da SpaceX e a segunda missão de carga dessa versão de espaçonave.

Perfil do lançamento – imagem SpaceX

A espaçonave transporta:
Experimentos científicos: 920 kg
Equipamentos logísticos: 345 kg
Suprimentos para a tripulação: 341 kg
Equipamento de atividade extraveicular: 52 kg
Equipamentos e suprimentos de informática: 58 kg
Cargas úteis externas: 1.380 kg

Cargas transportadas pela nave Cargo Dragon 2 SpX-22
Nave Cargo Dragon 2 C209.1 para a missão SpX-22
ISS Roll Out Solar Array

A SpaceX completou 21 das 22 missões de reabastecimento de carga para a estação espacial (uma nave – CRS-7 – foi perdida num lançamento mal-sucedido), transportando mais de 50 toneladas de suprimentos e trazendo aproximadamente 40 t de massa de retorno.

Author: homemdoespacobrasil

Sua referência em Astronáutica na internet