‘Moonikin’ voará no Artemis da NASA batizado em homenagem a engenheiro da Apollo 13

‘Moonikin’ é mais um dos insólitos nomes inventados pela agência para ítens padrão – “manequim”

O público votou para homenagear um engenheiro, Arturo Campos, da Apollo 13, a bordo da primeira missão da NASA para a Lua em mais de 50 anos. Mais de 300.000 pessoas participaram do concurso online, que selecionou o nome oficial do manequim da missão Artemis I. O nome vencedor homenageia uma das figuras cujas contribuições foram fundamentais para trazer para casa a tripulação da Apollo 13 depois que eles sofreram uma pane no caminho para a Lua. Não se sabe se a escolha do nome teve algum tipo de influência da atual atitude “politicamente correta” da agência espacial americana, preocupada em enfatizar o caráter “inclusivo” de suas atividades, na verdade uma medida de relações-públicas e de nenhum impacto tecnológico.

Arturo Campos

“Este concurso, que está ajudando a pavimentar o caminho para um retorno à Lua, também homenageia um indivíduo importante em na família da NASA – Arturo Campos”, disse Brian Odom, historiador-chefe interino do Marshall Space Flight Center em Huntsville, Alabama. “É uma homenagem adequada que os dados obtidos da Artemis I nos ajudarão a nos preparar para levar astronautas – incluindo a primeira mulher e a primeira “pessoa de cor” – à Lua, onde nos prepararemos para Marte.” O “Comandante Moonikin Campos” voará a bordo da cápsula Orion Artemis I da NASA no primeiro foguete Sistema de Lançamento Espacial (SLS). “Campos” será amarrado ao assento do comandante e usará um traje Orion Crew Survival System – a mesma roupa de pressão laranja que os astronautas da Artemis usarão durante o lançamento,

‘Campos’ também será equipado com dois sensores de radiação e terá instrumentação adicional sob seu encosto de cabeça e atrás de seu assento para registrar dados de aceleração e vibração ao longo da missão. A experiência do manequim ajudará a NASA a proteger melhor os astronautas durante a Artemis II, a primeira missão que enviará uma tripulação ao redor da Lua desde o fim das missões lunares Apollo em 1972.

O verdadeiro Campos, que em 2004 morreu de ataque cardíaco com a idade de 66, escreveu os procedimentos para transferir energia das baterias do módulo lunar da Apollo para o módulo de comando, permitindo que os astronautas da Apollo 13 Jim Lovell, Fred Haise e Jack Swigert voltassem à Terra. A lista de verificação de emergência de Campos foi necessária depois que um tanque de oxigênio explodiu no meio do caminho para a Lua, mudando a missão de 1970 de uma tentativa de pouso lunar para uma de sobrevivência. “Quando eles me chamaram, eu reescrevi o plano na hora”, disse Campos citando a NASA. “Eu havia escrito procedimentos para essa eventualidade um ano antes.” Campos, que era o gerente do subsistema de energia elétrica para o módulo lunar, e seus colegas na Sala de Avaliação da Missão e na Sala de Controle de Operações da Missão no Centro de Naves Espaciais Tripuladas (hoje, Centro Espacial Johnson) em Houston, receberam a Medalha Presidencial da Liberdade por seus esforços. Na época, Campos era um dos poucos funcionários mexicano-americanos no centro da NASA. Orgulhoso de sua herança, ele serviu como o primeiro presidente da Liga do Conselho de Cidadãos da América Latina 660, uma divisão composta por engenheiros mexicanos-americanos da NASA que concedeu bolsas de estudo a estudantes hispânicos para cursar o ensino superior. O último desafio de Campos no concurso de nomes foi “Delos”, uma referência à ilha onde nasceram os gêmeos Apolo e Ártemis, segundo a mitologia grega. Os outros seis nomes que disputaram os votos incluíram: “ACE” (Artemis Crew Explorer); “Duhart” (para Irene Duhart Long, médica chefe do Kennedy Space Center, na Flórida); “Montgomery” (para Julius Montgomery, o primeiro afro-americano a trabalhar como profissional técnico na Estação da Força Aérea de Cabo Canaveral – hoje, Estação da Força Espacial); “Rigel” (uma estrela na constelação de Orion); “Shackleton” (uma cratera no Pólo Sul da Lua, em homenagem ao explorador da Antártica Ernest Shackleton); e “Wargo” (para Michael Wargo, o primeiro cientista-chefe de exploração da NASA).

A “tripulação” do ‘comandante Moonikin Campos’ no Artemis Iincluirá “Zohar” e “Helga”, dois modelos de torsos humanos com corpo feminino, chamados de “fantasmas”. Produzidos pela Agência Espacial de Israel (ISA) e pelo Centro Aeroespacial Alemão (DLR), respectivamente, eles se juntarão o Matroshka AstroRad Radiation Experiment, um estudo que coleta dados sobre os níveis de radiação durante voos para a Lua. A Artemis I, que deve ser lançada não antes do final de novembro, será o primeiro teste integrado dos sistemas de exploração de espaço profundo da agência. A espaçonave Orion irá voar mais longe do que qualquer espaçonave tripulada já voou – excedendo a distância recorde estabelecida pela Apollo 13 de 400.171 km além da Terra em cerca de 48.000 km.

Plano de resgate Skylab

NASA tinha plano de resgate para o Skylab

Se os astronautas ficassem presos no ‘Skylab Orbital Workshop’ Oficina Orbital, a NASA tinha um plano e, em julho de 1973, esteve muito perto de lançar esse plano. O historiador David S.F. Portree descreve os problemas a bordo do ‘Apollo Command and Service Module’ (CSM) da Skylab 3 e o plano da NASA para resgatar sua tripulação.

A imagem pode conter Universe Space Astronomy e Outer Space
Sequência de lançamento da estação espacial e a primeira nave de tripulação – imagem NASA

Em 28 de julho 1973, a tripulação do Skylab 3 (nome da missão para a “oficina” Skylab , ou workshop, como era informalmente conhecida a estação orbital) composta por Alan Bean, Jack Lousma e Owen Garriott decolou da plataforma de lançamento 39B no Kennedy Space Center, Flórida, com destino à estação em órbita terrestre. Apesar da designação numérica de sua missão, eles foram a segunda tripulação a visitar o Skylab; em um costume que geraria confusão nas décadas seguintes, a NASA designou como “Skylab 1” o Workshop não tripulado lançado em 14 de maio de 1973, e apelidou a primeira missão de tripulação de “Skylab 2”. As tripulações eram lançadas nos Apollo Command and Service Module (CSM, acrônimo que significa em inglês módulos de comando e serviço, da espaçonave, vistos em conjunto).

A segunda missão, Skylab 3, se separou do segundo estágio de seu veículo de lançamento Saturn IB e começou a manobrar para alcançar o Skylab. Durante a abordagem final da Oficina, um dos ‘quads’ (quadrante, nome dado ao conjunto de motores de atitude, quatro conjuntos com quatro propulsores no total) no CSM começou a vazar oxidante – tetróxido de nitrogênio. A tripulação obedientemente desligou o quadrante e usou os três restantes para completar a acoplagem sem mais incidentes.

Em 2 de agosto, um segundo quadrante começou a vazar, levantando temores de que o tetróxido de nitrogênio contaminado tivesse danificado os dois quadrantes. Se isso fosse verdade, então os dois quadrantes restantes e o motor principal do Sistema de Propulsão de Serviço (SPS) do CSM também poderiam estar comprometidos; embora os quadrantes individuais e o SPS tivessem sistemas de propelente independentes, todos continham oxidante do mesmo lote. Além disso, se os vazamentos persistissem, o tetróxido de nitrogênio poderia contaminar o interior do Módulo de Serviço do CSM, danificando outros sistemas. Em poucas horas, a NASA colocou em movimento uma variante de um plano que Kenneth Kleinknecht, Gerente do Programa Skylab, e Lawrence Williams do Apollo Spacecraft Program Office haviam descrito menos de um ano antes no Quinto Simpósio Anual de Resgate Espacial em Viena, Áustria.

A imagem pode conter a estação espacial
A Skylab tinha 76,540 kg de massa, com 25.1 metros de comprimento sem uma nave Apollo acoplada. Seu maior elemento era a Oficina Orbital (orbital workshop, OWS), um contêiner cilíndrico de 14.63 m de comprimento e 6.70 m de diâmetro, pesando 35.380 kg. A estrutura básica do OWS foi aproveitada de um estágio superior, ou estágio S-IVB, dos foguetes Saturn-IB e Saturn-V que serviram como veículos de lançamento do programa Apollo. O OWS não tinha motores, exceto propulsores de controle de atitude, e foi modificado internamente para abrigar um grande laboratório espacial orbital e alojamentos para a tripulação. O veículo espacial Skylab 1 (SL-1) era a estação espacial em si, que consistia em quatro unidades principais (o OWS, o Airlock Module (AM, módulo de descompressão), o Multiple Docking Adapter (MDA, adaptador de acoplagem múltipla), e o Apollo Telescope Mount (ATM, montagem de telescópio “Apollo”). Para dar proteção contra meteoróides e controle térmico, um escudo meteoróide externo (meteoroid shield – MS) foi adicionado para cobrir o casco externo do OWS. Um sistema de dois paineis solares (solar array system – SAS) foi conectado ao OWS para fornecer energia elétrica. O Skylab era frequentemente chamado apenas de ‘orbital workshop’. Imagem NASA

Em seu artigo, Kleinknecht e Williams explicaram que o Skylab proporcionaria a primeira oportunidade de resgate no programa espacial dos EUA. As espaçonaves Mercury de um assento e Gemini de dois lugares eram muito pequenas e limitadas em capacidade para servir como espaçonaves de resgate. Os CSMs lunares da Apollo eram muito mais capazes; mesmo assim, cada um deles carregava apenas um pouco mais de oxigênio para respirar, reagentes de células de combustível e alimentos do que o necessário para sustentar uma tripulação de três homens durante uma missão lunar (cerca de duas semanas). Se uma Apollo CSM tivesse ficado presa na órbita lunar – por exemplo, por uma falha de motor principal – então sua tripulação quase certamente teria morrido muito antes que a NASA pudesse tentar um resgate.

Interior da Oficina Orbital OWS – imagem NASA

Se os astronautas precisassem evacuar a Oficina Orbital Skylab, eles poderiam embarcar em seu CSM, desacoplar da Oficina e voltar à Terra em menos de um dia. Se, por outro lado, o CSM de uma tripulação se tornasse inutilizável enquanto estivesse acoplado na porta frontal do Skylab, os astronautas poderiam esperar a bordo da estação pelo resgate. As reservas de suporte de vida a bordo do Workshop seriam suficientes para sustentar a tripulação, mesmo que a última das três missões planejadas precisasse ser estendida para permitir um resgate. Isso ocorreu porque o Workshop foi lançado com oxigênio, comida, água e outros suprimentos suficientes para sustentar três homens por oito meses, mas as três visitas do Skylab foram planejadas para durar um total de apenas cinco meses no momento em que Kleinknecht e Williams apresentaram seus planos.

Nave Apollo – CSM

A NASA, por sua vez, prepararia e lançaria um CSM de resgate com uma tripulação de dois astronautas. Ele seria acoplado na porta de encaixe radial (voltada para ‘baixo’) do adaptador de encaixe múltiplo do Skylab. Kleinknecht e Williams propuseram que o CSM pretendido para a próxima tripulação do Skylab fosse convertido em CSM de resgate. Isso, presumivelmente, teria reduzido em um o número de missões Skylab de longa duração. Um quarto CSM, que serviria em todo o programa Skylab como CSM de reserva, se tornaria o veículo de resgate para os astronautas do Skylab 4, a terceira e última tripulação a viver a bordo do Workshop.

A imagem pode conter ao ar livre
Disposição dos assentos para o CSM de resgate do Skylab. Imagem – NASA

Kleinknecht e Williams estimaram que a remoção dos armários das anteparas traseiras do CSM para dar lugar a um “kit de resgate” levaria cerca de um dia. O kit de resgate incluiria um par de assentos especiais para astronautas, conectores e mangueiras para conectar dois astronautas com trajes espaciais adicionais ao sistema de suporte de vida do CSM de resgate e um palete de retorno de experimento. A tripulação de dois homens do CSM de resgate se reclinaria nos assentos esquerdo e direito; os três tripulantes resgatados do Skylab voltariam à Terra no assento central e nos dois assentos especiais, que seriam montados abaixo dos outros no lugar dos armários.

O kit de resgate também incluiria uma unidade especial de acoplamento de sonda e ‘drogue’ (cone receptor) padrão Apollo que permitiria à tripulação dentro do Skylab desencaixar manualmente o CSM danificado. Isso liberaria a porta frontal da oficina para quaisquer acoplagens de futuros CSMs. Kleinknecht e Williams não foram específicos sobre o que aconteceria com o CSM não tripulado depois que ele fosse descartado.

Embora o tempo necessário para instalar o kit de resgate no CSM fosse mínimo, o tempo necessário para reformar o a plataforma de lançamento (“Pad”) 39B e preparar o CSM de resgate e o foguete Saturn IB para o voo teria sido mais longo e teria variado consideravelmente dependendo de quando a tripulação se visse à deriva. Após cada lançamento do Saturn IB, as equipes de terra precisariam de cerca de 48 dias para reformar a Pad 39B e preparar os próximos Skylab CSM e Saturn IB. Se um resgate fosse considerado necessário no início da primeira missão tripulada de 28 dias (Skylab 2), a tripulação teria sua missão estendida por 20 dias. Por outro lado, se um resgate fosse declarado necessário no final da primeira missão, os preparativos para o próximo lançamento do Skylab CSM estariam mais adiantados, mas teriam começado mais tarde. O CSM de resgate e seu Saturn IB seria, assim, precisam de 28 dias de preparação antes do lançamento. Em ambos os casos, a tripulação permaneceria a bordo da Oficina por cerca de duas vezes mais do que o planejado originalmente.

A segunda e a terceira missões do Skylab (Skylab 3 e Skylab 4) foram planejadas para durar 56 dias no momento em que Kleinknecht e Williams apresentaram seu artigo. A ativação da capacidade de resgate no início dessas missões teria permitido um resgate antes do tempo de retorno planejado quando a tripulação deixasse a Terra. Uma falha perto do final da missão Skylab 3 ou Skylab 4 resultaria em um CSM de resgate lançado apenas 10 dias após o plano ter sido ativado.

A imagem pode conter o astronauta da pessoa humana Don L. Lind e Vance D. Brand
Tripulantes da missão de resgate Skylab, Vance Brand (à esquerda) e Don Lind. Imagem – NASA

A falha do segundo propulsor no CSM da Skylab 3 em 2 de agosto desencadeou uma tempestade de atividades. A NASA decidiu preparar o Skylab CSM de reserva, não o CSM reservado para a missão Skylab 4 , como seu veículo de resgate, e convocou os tripulantes de reserva do Skylab 3, Vance Brand e Don Lind, para pilotá-lo.

Quase assim que o plano de resgate foi ativado, no entanto, a análise mostrou que o tetróxido de nitrogênio no sistema de propulsão do Skylab 3 CSM não estava contaminado e que as duas falhas do quadrante careciam de uma causa comum detectável. Os testes também mostraram que a tripulação do Skylab 3 poderia manobrar seu CSM com um único quadrante propulsor em funcionamento. Embora os preparativos de resgate continuassem, em 10 de agosto a NASA liberou a tripulação do Skylab 3 para uma missão de 59 dias a bordo do Workshop. Os astronautas voltaram à Terra no Skylab 3 CSM conforme planejado em 25 de setembro de 1973.

Progress MS-17, Starlink e ‘fragmento’ em trajetórias próximas

Dados orbitais mostram possibilidade de passagem “próxima”a 1,5 km – 0,5 km no dia 2

De acordo com o Centro de Informação Principal de Alerta de situações perigosas no espaço próximo à Terra TsNIImash em 2 de julho a espaçonave Progress MS-17 deve passar próxima a um satélite Starlink e a um ‘objeto’ do veículo de lançamento Falcon 9 da SpaceX.
De acordo com dados preliminares, a espaçonave Progress MS-17 se aproximará do satélite Starlink 1691 às 00h32, horário de Moscou, aproximadamente a uma distância de cerca de 1,5 km. Após três minutos, o objeto lançado do Falcon 9 em 2020 se aproximará da nave russa a uma distância de cerca de 500 metros. O encontro acontecerá 3,5 horas antes da acoplagem do veículo de carga com a Estação Espacial Internacional, prevista para 04h02, horário de Moscou, em 2 de julho. O Starlink 1691 se encontra em órbita de 386.48 km, com período de 92.3 min. Os controles russos monitoram a situação continuamente.

Progress MS-17 ao entrar em órbita

Virgin Orbit lança satélites com seu foguete disparado de avião

Na missão Tubular Bells, Part One sete satélites foram colocados em órbita

Boeing 747-400 decola com o foguete LauncherOne

A empresa americana Virgin Orbit lançou ao espaço sete satélites usando seu foguete de lançamento aéreo LauncherOne. O avião-transportador Boeing 747-400 Cosmic Girl decolou do Mojave Air and Space Port – Porto Aéreo e Espacial em Mojave, na Califórnia. Desses satélites, três pertencem ao Pentágono, um ao Ministério da Defesa holandês e os dois restantes à empresa polonesa SatRevolution. Os satélites entraram em uma órbita circular de 500 km, com inclinação de 60 graus. Segundo informou a Virgin, a análise preliminar dos dados mostra o acerto na órbita-alvo e as cargas úteis foram ejetadas.

Foguete LauncherOne no avião-portador

O Departamento de Defesa dos EUA, lançou três conjuntos de CubeSats como parte da Iniciativa Rapid Agile Launch (RALI) do DoD Space Test Program (STP). Este lançamento, também conhecido como STP-VP27A, foi concedido à subsidiária da Virgin Orbit, VOX Space, pela Defense Innovation Unit (DIU) do DoD, uma organização que trabalha para acelerar a adoção de tecnologia comercial nas forças armadas dos EUA para segurança nacional.
A Força Aérea Real da Holanda lançou o primeiro satélite militar do país, um CubeSat chamado BRIK II, construído e integrado pela Innovative Solutions in Space.
A SatRevolution lançou seus dois primeiros satélites ópticos, STORK-4 e STORK-5 (também conhecido como MARTA), da constelação STORK de quatorze satélites da empresa.

Cone de nariz do foguete
Preparação pré-lançamento e fases iniciais de voo
Sequência de lançamento do LauncherOne
Etapas do lançamento do LauncherOne a partir do avião

Cargas úteis

Cargas do Depto de Defesa dos EUA – DoD

O Departamento de Defesa dos EUA lançará três conjuntos de cubesat como parte da Iniciativa Rapid Agile Launch (RALI) do DoD Space Test Program (STP). A missão contratada tem o nome de STP-VP27A, foi concedida à subsidiária da Virgin Orbit, VOX Space, pela Defense Innovation Unit (DIU) do DoD, uma organização que trabalha convertendo tecnologia comercial para as forças armadas dos EUA.

Banner promocional da missão – Virgin

BRIK II da Força Aérea da Holanda

BRIK II – Royal Netherlands Aerospace Centre

A Força Aérea Real da Holanda estará lançando o primeiro satélite militar holandês, o CubeSat padrão 6U de 10 kg denominado BRIK II, construído e integrado pela Innovative Solutions in Space (ISISPACE) localizada em Delft , com contribuições da Universidade de Oslo, da Delft University of Technology e da Royal Netherlands Aerospace Center. O Royal Netherlands Aerospace Centre (NLR) desenvolveu uma suite de instrumentos usando novas tecnologias: um receptor de radiofrequências militares, um transceptor UHF e uma sonda Langmuir para medir a densidade de elétrons na ionosfera. O nome do satélite simboliza o desenvolvimento da indústria aeroespacial holandesa. Em 1913, Marinus van Meel construiu “The BRIK”, que foi a primeira aeronave para a ‘Luchtvaartafdeeling’ (hoje conhecida como Royal Netherlands Air Force) em Soesterberg. Este avião foi usado pelas Forças Armadas Holandesas para explorar as capacidades militares dos aviões.

STORK-4 e STORK-5 da SatRevolution

A SatRevolution polonesa lançará dois satélites ópticos, STORK-4 e STORK-5 (também conhecido como MARTAs), como parte de uma constelação de quatorze satélites. Os satélites tem um imageador tipo Vision-300 com resolução de até 5 m. O aparelho, de cerca de 4 kg, usa uma lente 300SR, com comprimento focal de 300 mm, uma abertura: f / 15.6, com capacidade de processamento de 8, 10, 12 bits e formato de imagem de 2456 x 2054 pixels. O aparelho tem um sensor GSD com resolução de menos de 5,8m a 500 km de altitude. O conjunto imageador usa uma matriz de cor RGB, um ângulo de visão (AoV) de 1,62 ° x 1,35 ° e um campo de visão (Field of View, FoV) de 14,2 x 11,8 km a 500 km de altitude. A 300SR foi projetada com a cooperação do European Irix R&D Centre localizado em Cracóvia (Polônia), que usa materiais e tecnologias a serem usados nas futuras lentes tipo Space Ready Irix. Essas lentes são feitas inteiramente com base nas diretrizes da NASA para espaçonaves e suas cargas úteis.

STORK – SatRevolution

Os satélites STORK possuem uma estrutura NanoBus, fabricada em CNC com ligas de Alumínio 6061, 5083, 6082, anodizado duro e oxidado; seu equipamento inclui até duas chaves de segurança de desdobramento e um pino RBF. Possui duas molas de separação. A central de energia pode lidar com picos de 75 W, com redundância no sistema, tratamento e recuperação de falhas autônomo; Possui circuito controlador de bateria, com proteção de  contra descarga excessiva; o sistema é programável com até 6 A de corrente máxima de carga da bateria e a fonte de alimentação disponível é de 1,8 V, 3,3 V, 5 V, 12 V e tensão não regulada da bateria. O módulo de comunicação de baixa frequência redundante tem dois transceptores de rádio independentes, com faixa de frequência de 400-440 MHz (opcionalmente 120-500 MHz), taxa de transmissão de dados 9,6 kb / s. Potência de saída RF é de 30 dBm; A memória de programa externa tem até 1 MB com correção de erro de encaminhamento de hardware; A sensibilidade de rádio é de -120 dBm. O módulo de comunicação banda S opera em frequência da banda S (2200-2290 MHz ou 2400-2450 MHz), com fotência de saída de RF de 30 dBm, numa taxa de transmissão da banda S de 3,5 – 10,5 Mb / s, com memória de programa externa de até 1 MB com correção de erro de encaminhamento de hardware. É equipado com um computador com processador principal 2 MB FLASH de até 216 MHz, com memória de armazenamento de 1 GB a 16 GB NAND FLASH, memória de programa externa de até 3 MB com correção de erro de encaminhamento de hardware; suas interfaces de carga útil são tipo I2C, SPI, UART, RS485, RS422, CAN, USB, Ethernet, DAC / ADC, e usa como fonte de alimentação um conversor DC / DC independente. O STORK tem três magnetorquers, três rodas de reação, um sensor solar de baixa precisão, outro sensor solar de alta precisão, magnetômetro de 3 eixos, um receptor GPS e um giroscópio de três eixos. O satélite tem precisão de posicionamento e de apontamento menores que 1 grau.

Os satélites terão emprego na agricultura, levantamento de terras, infraestrutura rodoviária, gestão de água, silvicultura, proteção ambiental e gestão de crise na Polônia. Fundada em 2016, a SatRevolution foi a primeira empresa na Polônia a colocar satélites em órbita: ŚWIATOWID, KRAKsat e AMICal Sat. Coopera com entidades científicas como o CalTech, o MIT, o EIT + Wroclawski Park Technologiczny, Universidade AGH de Ciência e Tecnologia de Cracóvia, Université Grenoble Alpes. A SatRevolution também tem parceria com a Virgin Orbit desde 2019.

O nome da missão – Tubular Bells, Part One – foi uma referência ao primeiro produto fonográfico da Virgin Records, atuando no mercado musical. Tubular Bells foi o primeiro álbum de estúdio do multi-instrumentista, compositor e compositor inglês Mike Oldfield, lançado em 25 de maio de 1973. Oldfield, que tinha 19 anos quando foi gravado, tocou quase todos os instrumentos do álbum, em sua maioria instrumental.

O sistema Virgin Orbit B747/LauncherOne

O foguete LauncherOne é um veículo de lançamento simples, descartável, projetado para colocar satélites de até 500 kg em uma ampla faixa de órbitas baixas a um preço acessível. Em vez de se lançar do solo, o LauncherOne é carregado e lançado a uma altitude de aproximadamente 10.668 metros pelo avião-portador Boeing 747-400, o Cosmic Girl.

Conjunto Cosmic Girl/LauncherOne – imagem Virgin Orbit

O foguete de dois estágios funciona com querosene RP-1 e oxigênio líquido. O primeiro estágio tem um único motor Newton Three – N3 – com 327 kN (33.344 kgf) de empuxo, alimentado por pressurização dos tanques (não usa turbomaquinaria). Com 1,8 m de diâmetro, é construído em material composto de fibra de carbono composite; o segundo estágio, tambem feito com composite, com 1,5 metro de diâmetro, tem um motor Newton Four ou N4, de 22 kN (2.243 kgf) de empuxo no vácuo, também alimentado pela pressurização dos tanques. O motor N4 tem capacidade de religamento para inserção precisa em órbita. Sua coifa de cabeça tem cerca de 1,5 metro de diâmetro, com uma forma cilíndrica de primeiros 77 cm e um nariz ogival. O foguete tem 21,3 m de comprimento e cerca de 30.000 kg de massa no lançamento. A empresa acredita que seu método de transporte de carga em órbita proporciona maior mobilidade – o 747 ‘Cosmic Girl’ pode decolar de aeroportos de qualquer país – e é mais barato que os concorrentes. O foguete já foi lançado duas vezes – a primeira num voo de teste mal-sucedido e a segunda quando colocou em órbita dez pequenos satélites para a NASA.

Tripulação do avião-portador Cosmic Girl
LauncherOne
LauncherOne e avião transportador Cosmic Girl – render Homem do Espaço

50 anos da tragédia espacial soviética da Soyuz-11

Descrição técnica e histórica do que aconteceu com a primeira missão de ocupação de uma estação orbital

A missão da Soyuz 11 foi a primeira ocupação de uma estação espacial na História. A tripulação era composta pelo comandante Tenente Coronel Georgy Dobrovolsky, engenheiro de vôo Vladislav Volkov e o engenheiro de Pesquisa Victor Patsaev. A espaçonave decolou em 6 de junho de 1971 da plataforma 1/5 do cosmódromo de Baikonur. A espaçonave era a 7К-Т №32, e seu foguete, o 11A511 nº Kh15000-24. A Soyuz pesou 6.790 kg no lançamento.

Foto atribuída ao lançamento da Soyuz 11 – Roskosmos
Foguete 11A511 “Soyuz” usado para lançar a Soyuz-11

Como foi a missão

O lançamento em órbita, encontro e acoplamento da nave Soyuz 11 com a estação Salyut-1 ocorreram no modo normal, em 7 de junho de 1971, a tripulação começou a ativar a estação e trabalhar em órbita. Durante a entrada na estação, a tripulação descobriu que o ar estava fortemente nublado. Depois de consertar o sistema de ventilação, os cosmonautas passaram o dia seguinte no veículo de descida da Soyuz, esperando que o ar se regenerasse. Depois disso, a tripulação procedeu ao trabalho planejado. A estada na estação foi produtiva e incluiu varias sessões de TV para a Terra. Porém, no 11º dia, ocorreu um incêndio e foi decidido interromper o vôo e deixar a estação. Por isso, a observação em órbita da decolagem de teste do foguete lunar N-1 nº 6L foi cancelada. A decisão de interromper a missão foi revogada, quando se constatou que o defeito podia ser reparado.

Espaçonave Soyuz-11

Ao final da missão, em 29 de junho de 1971, a Soyuz-11 começou a se preparar para deixar a Salyut. Quando a escotilha foi fechada, o sinal de alerta de abertura continuou a brilhar. O TsUP (centro de controle da missão) presumiu que o sensor estava quebrado na borda da escotilha, instruindo a equipe a bloquea-lo e verificou a estanqueidade liberando a pressão no compartimento de habitação da espaçonave.

Soyuz 11 acoplada à estação Salyut

No dia 29 de junho, às 21:25:15 hora de Moscou, a Soyuz-11 separou-se da estação. O comandante relatou isso ao centro de controle. No dia 30 de junho, às 01h35:24, o motor da nave foi ligado para frenagem e funcionou pelo tempo especificado. Às 01:47:28, ocorreu a separação dos compartimentos da nave, e a comunicação com a tripulação foi interrompida.
01:54 Estações de rastreamento de defesa aérea detectaram o veículo de descida a 2.200 km do local de pouso estimado.
02:02:54, a uma altitude de cerca de 7 km abriu o paraquedas principal, e a cápsula logo foi avistada pelos helicópteros de resgate, mas a tripulação não entrou em contato.
02:16:52 os motores de pouso suave dispararam, e a nave pousou na área especificada. A equipe de busca encontrou a tripulação sem sinais de vida. Foram realizadas medidas de reanimação, que não tiveram sucesso: o dano devido à doença descompressiva revelou-se irreversível. A autópsia subsequente revelou a presença de bolhas de ar no sistema circulatório dos cosmonautas, ar nas câmaras do coração e tímpanos estourados.

Volkov, Patsayev e Dobrovolski

Todos os transmissores e receptores estavam ligados na cabine da Soyuz 11. As alças de todos os três membros da tripulação foram desamarradas e os cintos de Dobrovolsky apenas com a fivela superior fechada. Uma das duas válvulas de ventilação estava aberta. Esta válvula normalmente abre durante a descida em paraquedas para equalizar a pressão atmosférica externa com a pressão no veículo de descida. Os especialistas não encontraram quaisquer outros desvios das normas de voo.

Parte das transcrições das comunicações entre a Soyuz-11 e o controle de terra

Investigação do acidente

Para investigar as causas do desastre, uma Comissão Governamental foi criada sob a presidência do Acadêmico Mstislav Keldysh. A análise dos registros do gravador autônomo a bordo “Mir” mostrou que a partir do momento em que os compartimentos foram separados a uma altitude de mais de 150 km, a pressão no veículo de descida começou a cair drasticamente e em 115 segundos caiu para 50 mm Hg. Arte. A taxa de queda de pressão correspondeu a uma válvula de ventilação aberta. A comissão chegou a conclusão inequívoca: durante a divisão dos compartimentos, a válvula de ventilação abriu prematuramente. Como resultado, o veículo de descida foi despressurizado, o que levou à morte dos astronautas.

Cosmonautas na cabine de treinamento

Esta válvula de ventilação era normalmente aberta em uma altura baixa pela detonação do de um sistema pirotécnico. De acordo com as memórias do designer Boris Chertok, a suposta razão para a prematura abertura da válvula foi a onda de choque se propagando sobre o casco do veículo em descida. Essa onda de choque foi gerada pela detonação dos parafusos explosivos que separam os compartimentos da Soyuz. No entanto, durante os testes de solo subsequentes, não foi possível reproduzir esta versão. Numerosas explosões de pirotécnicos não detonaram os parafusos abrindo as válvulas de ventilação. Portanto, foi sugerido que este incidente fosse considerado um evento difícil e improvável. No entanto, o design das válvulas de ventilação foi posteriormente refinado.

A posição dos corpos dos tripulantes indicava que tentaram eliminar o vazamento de ar, porém, nas condições extremas de neblina que encheu a cabine após a despressurização, com fortes dores por todo o corpo devido ao mal de descompressão aguda e perda rápida da audição devido a tímpanos estourando, os astronautas fecharam a válvula errada e perderam tempo. Quando Georgy Dobrovolsky (segundo outras fontes, Viktor Patsaev) descobriu a verdadeira causa da despressurização, não teve tempo de eliminá-la. Além disso, a posição da válvula e das alavancas de controle era tal que era necessário sair do assento para alcançá-las. Esta deficiência foi apontada como era inaceitável.

Veículo de descida da Soyuz 11 pousado, com os corpos dos cosmonautas cobertos por panos brancos – foto Roskosmos

Memórias do voo da Soyuz-11

por Alexei Borisenko (*)

Em 6 de junho de 1971, testemunhamos o décimo oitavo lançamento de uma espaçonave tripulada, a Soyuz-11. Isso aconteceu às 7 horas e 55 minutos no cosmódromo de Baikonur.
Para a tripulação da espaçonave, composta pelo comandante G. T. Dobrovolsky, o engenheiro de vôo V. N. Volkov e o engenheiro de teste V. I. Patsaev, a Comissão Estatal definiu uma tarefa grande e responsável – acoplar na estação científica orbital Salyut, usar suas instalações e realizar as pesquisas e experimentos científicos e técnicos planejados por muitos dias.
Tive que observar como a estação Salyut e o foguete, bem como as espaçonaves Soyuz-10 e Soyuz-11, estavam sendo preparados para voar para o espaço sideral no cosmódromo, no edifício de montagem e teste, muito antes do lançamento. Cientistas, engenheiros, técnicos, trabalhadores trabalharam dia e noite próximos a esses dispositivos únicos, preparando-os para os importantes trabalhos em órbita.

Pela primeira vez na história da exploração do espaço, nossos cientistas conseguiram resolver um problema científico e técnico complexo – criar uma estação tripulada orbital. Isso levou anos de trabalho árduo e persistente de muitas equipes. Em janeiro de 1969, como resultado da acoplagem de duas naves tripuladas de múltiplos assentos Soyuz-4 e Soyuz-5, uma estação espacial experimental foi criada pela primeira vez no mundo.
O sucesso do voo dos Soyuz-4 e Soyuz-5 tornou possível resolver muitos problemas científicos e técnicos de importância prática para a criação de futuras estações orbitais.
Sabemos que muitos fatores atuam sobre o corpo humano em voos espaciais: sobrecargas, vibrações, ruídos e, claro, falta de peso.
A falta de peso é um grande problema para cientistas. Já dissemos que os cosmonautas que voaram para o espaço e experimentaram essa condição incomum se sentiram de maneira diferente. Alguns sentiam uma leveza agradável, outros experimentavam a ilusão de cair, virar de cabeça para baixo, perda de orientação, e para alguns, a falta de peso causava fortes crises de enjôo . Portanto, não foi por acaso que uma série de experimentos foram realizados na União Soviética e nos Estados Unidos, relacionados com a permanência prolongada de homens e animais em estado de imponderabilidade.

Cosmonautas a bordo da Salyut – Roskosmos

Muito antes do vôo do homem para o espaço, diferentes opiniões foram expressas sobre a influência da ausência de peso no estado do corpo humano e em sua atividade mental. Nos primeiros voos, os cosmonautas confirmaram que este fenômeno realmente trouxe para alguns deles muitas sensações desagradáveis.
Nos voos espaciais, cada cosmonauta suportou o estado de ausência de peso de maneiras diferentes. Mas basicamente todos os cosmonautas que voaram passaram por isso sem qualquer deterioração perceptível na saúde. É verdade que AG Nikolaev e VI Sevastyanov, após completar seu vôo de 18 dias na espaçonave Soyuz-9, lentamente se adaptaram às condições terrestres. Demorou um certo tempo para fazer a transição para as condições normais de vida terrena.
Assim, podemos concluir que o processo de adaptação à gravidade zero durante o vôo no espaço, assim como a readaptação na Terra, ocorreu nos astronautas de forma gradual, em várias etapas, dependendo das características individuais.
Como resultado dos voos espaciais, os cosmonautas soviéticos e americanos acumularam uma grande quantidade de material científico sobre a influência da gravidade zero nas funções psicofisiológicas do homem. No entanto, é muito cedo para dizer que o problema foi resolvido.

Cosmonautas trabalhando na Salyut

Mas vamos voltar ao vôo da espaçonave Soyuz-11. Em 7 de junho, os cosmonautas tiveram que realizar a etapa mais crucial do vôo – a acoplagem. Pela manhã, a tripulação ligou um programa especial no painel de controle do Soyuz-11, com a ajuda do qual realizaria o encontro com a estação Salyut. Às 7 horas e 27 minutos e 47 segundos, quando a distância entre a espaçonave e a estação era de 6 quilômetros, o motor foi ligado por 20 segundos e os veículos se aproximaram automaticamente até 100 metros. Depois disso, a tripulação realizou todo o controle de aproximação e acoplagem manualmente. Às 08:58 horas, a acoplagem da Soyuz-11 com a Salyut foi concluída. A tripulação verificou a hermeticidade da conexão entre a nave e a estação. Depois disso, a pressão em seus compartimentos foi equalizada. Certificando-se de que estava tudo bem o engenheiro de testes Viktor Patsaev foi o primeiro a entrar na Salyut, seguido pelo resto da tripulação. Isso aconteceu em 7 de junho às 10 horas e 45 minutos.
Pela primeira vez, uma tripulação foi entregue a bordo de uma estação orbital científica por uma nave de transporte. Desde então, a primeira estação começou a funcionar no espaço. O comandante da estação, Georgy Dobrovolsky, relatou à Terra o início do trabalho a bordo da Salyut.
No primeiro dia de permanência na estação, a tripulação inspecionou todas as instalações e efetuou a ativação dos sistemas e, em seguida, verificou o equipamento científico. Uma estação orbital tripulada é um laboratório científico completo. Seu comprimento era de cerca de 20 metros, contando com a Soyuz. O volume de todos os compartimentos era superior a 100 metros cúbicos. O peso junto com a espaçonave Soyuz-11 era de cerca de 25 toneladas. Estruturalmente, a estação era feita para que a tripulação pudesse realizar pesquisas e experimentos científicos, técnicos, médicos e biológicos por muito tempo. Para corrigir a órbita, existiam sistemas de propulsão.
Às 11 horas e 02 minutos do dia 8 de junho, a tripulação fez a primeira correção, como resultado a altitude aumentou 22 quilômetros no apogeu e 29 quilômetros no perigeu. No dia seguinte, os cosmonautas ajustaram o equipamento científico a bordo e desativaram alguns sistemas da espaçonave Soyuz-11. O VShK (visor de grande angular), projetado para orientação do Sol e dos planetas, foi testado com sucesso. Além disso, a tripulação realizou medições do nível de radiação a bordo da estação. Cada um dos cosmonautas veste uma roupa especial Penguin, que criava uma certa carga nos órgãos musculoesqueléticos da pessoa em estado de imponderabilidade.

Assim, a cada órbita, a estação orbital continuou seu vôo no espaço. A comunicação da estação com o Centro de Controle da Missão era estável. Os astronautas estavam indo bem. Em 10 de junho, a tripulação realizou estudos do sistema cardiovascular em gravidade zero. Com a ajuda de um dispositivo de conversão de amplificador multicanal especial, os cosmonautas realizaram testes funcionais para determinar a densidade dos tecidos ósseos e a composição do sangue.

Os sistemas de bordo e o equipamento científico da estação funcionaram normalmente. De acordo com o cronograma estabelecido, os cosmonautas faziam regularmente reportagens televisivas. O engenheiro de vôo Vladislav Volkov e o engenheiro de teste Viktor Patsaev realizaram repetidamente medições de navegação, cujos resultados foram usados ​​para determinar os parâmetros da órbita da estação usando um computador digital de bordo.

Às 7 horas e 55 minutos do dia 24 de junho, os cosmonautas superaram o recorde de duração de vôo espacial, alcando os 18 dias de vôo por A.G. Nikolaev e V.I. I. Sevastyanov na Soyuz-9.

Exatamente dois dias depois, ou seja, Em 26 de junho, quando completaram 20 dias de vôo, a tripulação da estação tornou-se a dona do recorde mundial de duração e alcance do vôo espacial. Os cosmonautas a bordo da espaçonave Soyuz-11 e da estação Salyut já haviam somado cerca de 340 órbitas ao redor de nosso planeta, permaneceram no espaço por mais de 480 horas e cobriram uma distância de 13.440.000 quilômetros. Restavam menos de quatro dias para o término do programa de vôo. Em 27 e 28 de junho, os cosmonautas mais uma vez verificaram todos os sistemas a bordo da estação e da espaçonave, e realizaram uma série de experimentos biomédicos. De acordo com o relatório dos cosmonautas, todos os sistemas de bordo da espaçonave e da estação estavam operando normalmente.

29 de junho de 1971 – o último dia do vôo. A bordo da estação, foi recebida a ordem para completar o vôo e preparar o pouso. Os astronautas, tendo se assegurado do funcionamento normal de todos os sistemas da espaçonave e da estação, prepararam-se para o retorno. G.T.Dobrovolsky, V.N.Volkov e V.I. Patsaev transferiram os diários de bordo e outros materiais de pesquisa científica da estação Salyut para a Soyuz-11. Os cosmonautas pegaram seus pertences, amarraram-se aos assentos e verificaram o funcionamento dos sistemas de bordo da espaçonave. A pressão e a temperatura nos compartimentos do Soyuz-11 estavam normais. Todo o equipamento funcionava bem. A comunicação de rádio com a Terra era estável.
Às 21:28, a Soyuz-11 se desacoplou da estação Salyut, o que a tripulação relatou à Terra. A espaçonave Soyuz-11 começou seu vôo independente. Todos os sistemas da Soyuz-11 funcionavam normalmente. O vôo da Soyuz-11 no espaço durou cerca de 4 horas até que o sistema de controle automático de atitude foi ativado. Por volta de 1 hora e 10 minutos em 30 de junho de 1971, o sistema de controle de atitude foi ligado e, 25 minutos depois, o sistema de propulsão de frenagem, que funcionou pelo tempo estimado. Chegou o momento de o veículo de descida se separar dos compartimentos de instrumentos e orbitail. Desde então, a comunicação com a tripulação da espaçonave cessou. Veículo de descida, em que os cosmonautas Dobrovolsky, Volkov e Patsaev estavam, entrou nas camadas densas da atmosfera. Depois o sistema de pára-quedas foi colocado em operação. A uma altitude de 9.000 metros, o paraquedas principal se abriu.
Não houve contato com os astronautas. Um grupo de helicópteros de busca se aproximou do local de pouso do navio. Aviões circulavam no ar. Do helicóptero Mi-6, em que estávamos, era claramente visível como a cabine do Soyuz-11 desceu suavemente, balançando lentamente sob a cobertura do grande paraquedas. Perto do solo, motores de pouso suave dispararam. A cabine do Soyuz 11 pairou por um momento e lentamente afundou no chão.
Escrevi: Às 2 horas e 15 minutos, horário de Moscou, o veículo de descida Soyuz-11 pousou com os cosmonautas G.T.Dobrovolsky, V.N.Volkov e V.I.Patsaev. Corremos para o local de pouso. A equipe de suporte técnico abriu a escotilha. Vimos Dobrovolsky, Volkov e Patsaev da cabine da espaçonave, sem sinais de vida. Os médicos fizeram tudo o que dependia deles, mas era tarde demais.
De acordo com a conclusão preliminar do médico Anatoly Lebedev, foi apurado no local de pouso que a tripulação morreu devido a uma queda brusca de pressão na cabine. Como ficou claro mais tarde, a tripulação do Soyuz-11 morreu como resultado do vazamento do ar. Os cosmonautas completaram totalmente o programa de pesquisa científica. Eles deram uma enorme contribuição para o desenvolvimento de voos orbitais tripulados.
Os registros feitos pelos astronautas nos diários de bordo, relatos pessoais gravados em fita magnética, um grande número de imagens filmadas no espaço foram estudados por cientistas.
Durante os 24 dias de vôo, os cosmonautas realizaram uma extensa gama de trabalhos de grande significado científico, técnico e prático para a economia nacional. Eles realizaram testes de vôo do complexo sistema Salyut-Soyuz, que foram de importância promissora para outros naves e estações, que, após a Soyuz-11, viajariam para a vastidão do Universo.

Monumento erguido à memória dos cosmonautas, no local de aterrissagem – foto Roskosmos

(*) – A. Borisenko foi o organizador e esteve diretamente envolvido na organização da produção e desenvolvimento de tecnologias para a fabricação dos primeiros mísseis balísticos intercontinentais soviéticos e veículos de lançamento, bem como nos primeiros satélites automáticos e estações, participou na produção de sistemas sob os programas das espaçonaves Vostok e Voskhod, Soyuz, espaçonaves destinadas a voos tripulados programas lunares, programas de estações científicas orbitais Salyut e Mir, em espaçonaves de carga não tripuladas de transporte Progress, estágios superiores espaciais D e DM, e no sistema espacial de transporte reutilizável Energia – Buran.

Progress MS-17 em rota para acoplar-se à ISS

Nave russa se acoplará em modo automático

A nave cargueira Progress MS-17 foi lançada com sucesso ontem do cosmódromo de Baikonur numa órbita de período de 88,54 minutos; inclinação de 51,67 graus; perigeu de 193,06 km; e apogeu de 240,87 km. Vai se acoplar a Estação Espacial Internacional no módulo Poisk em 2 de julho 04: 02, hora de Moscou. A acoplagem será realizada em modo automático sob o controle do Centro de Controle da Missão de TsNIIMash e os cosmonautas Oleg Novitsky e Peter Dubrov. A nave leva à ISS 470 kg de combustível de reabastecimento, 420 litros de água potável nos tanques do sistema Rodnik, 40 kg de ar e oxigênio, 1.509 kg de equipamentos e materiais experimentos espaciais, suprimentos sanitários e higiênicos, roupas, e alimentos frescos para a tripulação, e cargas científicas e experimentos.

Além disso, o foguete Soyuz-2.1a foi lançado com os símbolos da Chuvashia e a imagem do cosmonauta da URSS Andriyan Grigorievich Nikolaev um chuvash. Nikolaev foi o terceiro cosmonauta soviético. Duas vezes Herói da União Soviética. Major General de Aviação. Ele fez dois voos espaciais – um em 1962 com duração de 4 dias (Vostok-3), e outro em 1970 com Vitaly Sevastyanov, durante 18 dias (Soyuz-9).

Nave espacial Progress MS

A Progress MS é uma nave espacial automática. Faz parte da família Progress de naves de carga, que foram criadas especificamente para atender a estações orbitais. Usado para levar cargas à Estação Espacial Internacional, bem como para corrigir sua órbita. O desenvolvedor e fabricante da modificação Progress MS é a RKK Energia. Uma série de alterações foram feitas no design da Progress para a versão MS, o que aumenta sua funcionalidade e confiabilidade. É equipado com proteção adicional contra detritos espaciais e micrometeoritos, e motores elétricos duplicados como parte do mecanismo de acoplamento SSVP-A. O sistema de comando de rádio Kvant-V da antiga Progress M-zero-M foi substituído pelo sistema de telemetria unificado interligado aos satélites Luch-5, que mantem a comunicação em qualquer ponto do órbita, e não apenas sobre o território da Rússia. O sistema de encontro e acoplagem foi aprimorado. O Instituto de Pesquisa de Instrumentos de Precisão (parte da holding de Sistemas Espaciais Russos Roskosmos) substituiu o sistema Kurs-A ucraniano pelo Kurs-NA modernizado, fabricado na Rússia e que usa métodos modernos de processamento de sinal digital. Além disso, tem metade do peso e três vezes mais eficiência elétrica do que a geração anterior.

Esquema da Progress: 1 – compartimento de carga seca; 2-compartimento de propelentes de abastecimento; 3- compartimento de propulsão e serviço; 4- motores de controle de atitude; 5- equipamento eletrônico e sistema acessórios; 6 – tanques de propelentes; 7 – suporte de cargas no compartimento pressurizado; 8- colar de acoplamento. (o desenho mostra o modelo anterior, mas a estrutura é similar, nos pontos nomeados)
Configuração da ISS antes da chegada da Progress MS-17

Cygnus NG-15 deixa a estação espacial

Nave cargueira da Northrop Grumman fará vôo autônomo para testes e lançar satélites

Espaçonave Cygnus deixa a estação espacial

Às 12h32 EDT (13:32 Brasília), controladores de vôo no solo enviaram comandos para liberar a espaçonave Northrop Grumman Cygnus NG-15 do braço robótico Canadarm2 depois de separar a nave da porta voltada para a Terra do módulo Unity da Estação Espacial Internacional. No momento da liberação, a estação sobrevoava o sul do estado do Wyoming, nos EUA. A espaçonave partiu com sucesso da Estação Espacial quatro meses depois de chegar transportando cerca de 4.000 kg de experimentos científicos e suprimentos. Após a partida, a Cygnus permanecerá em órbita para ejetar cinco satélites, incluindo o Ionosphere Thermosphere Scanning Photometer for Ion-Neutral Studies Fotômetro de Varredura da Ionosfera Thermosfera para Estudos Ion-Neutros (IT-SPINS), que dará dados aos pesquisadores americanos, e o Khalifa University Students Satellite-2 (MYSat-2), que formará alunos de pós-graduação da Universidade Khalifa em Abu Dhabi no desenvolvimento e avaliação de seu software.

Quinta-feira à noite, Cygnus executará um acionamento de motor para fazer uma reentrada destrutiva na qual a espaçonave, carregada de resíduos que a tripulação da estação espacial embalou, queimará na atmosfera da Terra.

Na segunda-feira, a escotilha da Cygnus foi fechada normalmente e as equipes configuraram Mecanismo de Acoplagem Comum (Common Berthing Mechanism CBM) e o vestíbulo da nave, na preparação da partida da NG-15 de hoje, terça-feira. O conjunto do painel do controlador (Controller Panel Assembly – CPA) foi instalado normalmente. O CBM Center Disk Cover (CDC), placa de cobertura para a porta, foi instalado com sucesso, porém um anel se separou da cabeça do êmbolo na fivela quando a equipe o estava apertando. As equipes de solo avaliaram a configuração e consideraram que esta era uma configuração aceitável para o CDC para a partida, contanto que o alojamento estivesse firmemente protegido, o que a tripulação confirmou que estava. O CDC provavelmente exigirá trabalhos no futuro para corrigir o problema. Há peças sobressalentes a bordo. Além disso, o dispositivo de gerenciamento de pressão (PMD) foi instalado em preparação para a depressão do vestíbulo ainda hoje. Inicialmente, o PMD foi instalado em uma configuração não aprovada e a tripulação foi solicitada a movê-lo para que as amarrações adequadas pudessem ser implementadas. O Depress estava um pouco atrasado, mas foi concluído a tempo para o lançamento do Cygnus hoje.

Progress MS-17 lançado de Baikonur para a ISS

Nave transporta carga logística e científica

Lançamento a patir de Baikonur – Imagem NASA/Roskosmos

O foguete Soyuz-2.1a com a nave espacial cargueira Progress MS-17 foi lançado hoje do cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão, às 20:27 hora da Brasília, 02:27:20.324 hora de Moscou (23:27 UTC). A acoplagem ao módulo Poisk da a Estação Espacial Internacional A acoplagem ao módulo Poisk da a Estação Espacial Internacional está prevista para 2 de julho, por volta das 01:02: 16 UTC .

Parâmetros da órbita da Progress MS-17: Período orbital, 88,54 minutos; inclinação orbital, 51,67 graus; perigeu, 193 km e apogeu de 240 km.

O vôo autônomo do veículo de carga Progress MS-17 até a ISS ocorrerá de acordo com o esquema de dois dias. A acoplagem está planejada para ser realizada em modo automático sob o controle de especialistas do Centro de Controle da Missão de TsNIIMash da Roskosmos e os membros da tripulação russa da Expedição ISS-65, cosmonautas de Oleg Novitsky e Pyotr Dubrov.

A bordo da estação espacial estão os tripulantes Akihiko Hoshide, Thomas Pesquet, Shane Kimbrough, Megan McArthur, Oleg Novitsky, Pyotr Dubrov e Mark Vande Hei.

A Progress MS-17 pesa aproximadamente 7.200 kg e tem 7,48m de comprimento e 2,72 m de diâmetro máximo. É baseada no desenho da nave tripulada Soyuz. O primeiro Progress, do modelo original, foi lançado em 1978 para a a estação orbital Salyut 6, da URSS

O Soyuz-2.1a utilizado foi o V15000-043 com a nave espacial 11F615A61 número de série 446. A espaçonave leva à ISS 470 kg de propelentes de reabastecimento, 420 litros de água potável nos tanques do sistema Rodnik, 40 kg de ar e oxigênio em cilindros, além de 1.509 kg de equipamentos e materiais diversos no compartimento seco de carga, incluindo recursos e equipamentos de manutenção sistemas de bordo, materiais médicos e de saneamento, roupas, rações padrão e alimentos frescos para a tripulação da 65ª Expedição Principal. Além disso, materiais como parte do programa russo de pesquisa científica nos experimentos:

  • Os ‘pacotes’ “Neyrolab” destinam-se à realização de uma série de experiências médicas “Pilot-T” para estudar a influência dos fatores de voo espacial a longo prazo na atividade profissional dos cosmonautas;
  • os materiais do experimento “Korrektsiya” serão usados ​​para desenvolver meios eficazes de prevenir mudanças no tecido ósseo dos cosmonautas em gravidade zero;
  • as embalagens “Biorisk” e “Konstanta-2” servirão como um laboratório para estudar a influência dos fatores de voo espacial nos compostos proteicos complexos e na sobrevivência de microrganismos;
  • a experiência “Probiovit” visa o desenvolvimento de uma tecnologia para a produção de produtos farmacológicos com propriedades imunomoduladoras em condições de microgravidade;
  • o equipamento “UF atmosfera” fará um mapeamento detalhado da estrutura global do brilho noturno da atmosfera terrestre para o estudo dos processos meteorológicos e do “clima espacial”.
Imagem da câmera remota montada no compartimento de motores da Progress MS-17 durante a entrada em órbita. – Imagem NASA/Roskosmos
Terceiro estágio do foguete é descartado. A névoa é provenienente da válvula de alívio de pressão do tanque de oxigênio líquido, que é usada como propulsor de afastamento – Imagem NASA/Roskosmos
Soyuz 2.1a para a Progress MS-17, com os símbolos da República de Chuvash e a imagem do cosmonauta-piloto da URSS, duas vezes Herói do União Soviética, cidadão chuvash, Andriyan G Nikolaev.
Configuração da ISS antes da chegada da Progress MS-17

Lançamento do Falcon 9 adiado por helicóptero invadindo na zona de segurança

Voo do SmallSat Rideshare Program foi cancelado por causa de aeronave não autorizada

Falcon 9 v1.2 B1060.8 na SLC-40

O foguete Falcon 9 v1.2 FT Block 5 B1060.8 da SpaceX teve seu lançamento adiado devido a um helicóptero violar a zona de exclusão (segundo o documento TFR emitido sempre antes de cada lançamento) sob a trajetória (‘ground track’) do foguete. A SpaceX confirmou que está se preparando para outra tentativa amanhã.

As Restrições Temporárias de Voo (Temporary Flight Restrictions – TFR) são ferramentas usadas pela Federal Aviation Administration (FAA) para restringir as operações de aeronaves dentro de áreas designadas. Dependendo do tipo de violação de TFR, o infrator pode ser punido de três maneiras diferentes: penalizado criminalmente até um máximo de 1 ano na prisão federal e uma multa de US$ 100.000; ter a licença de piloto suspensa ou revogada e / ou receber uma penalidade além da multa de US$ 100.000.

“Infelizmente, o lançamento está cancelado por hoje, pois uma aeronave entrou na “zona de impedimento”, que é absurdamente gigantesca. Simplesmente não há como a humanidade se tornar uma civilização espacial sem uma grande reforma regulatória. O sistema regulatório atual está quebrado.” – disse Elon Musk, CEO da SpaceX, no Twitter.

A SpaceX tinha uma janela de lançamento de uma hora, mas o seu oxidante (oxigênio líquido supergelado) permanece adequado nos tanques apenas por alguns minutos e essa janela de uma hora seria insuficiente para esvaziar e reabastece-lo. O relógio voltaria para T-15 minutos, mas a recarga e regulagem de pressurização dos tanques de propelente densificado exigiria atividades que levariam mais tempo.

O foguete seria lançado na missão Transporter-2 / SXRS-5 da plataforma SLC-40 da Estação da Força Espacial de Cape Canaveral, CCSFS às 18:56 horas UTC (15:56 de Brasília). Clique aqui para ter uma descrição desta missão.

SpaceX lança hoje Falcon 9 B1060.8 com 88 satélites

Mais um voo de ‘carona compartilhada’ do SmallSat Rideshare Program

Falcon 9 v1.2 B1060.8 na SLC-40

O foguete Falcon 9 v1.2 FT Block 5 B1060.8 da SpaceX deve lançar a missão Transporter-2 / SXRS-5. O foguete será lançado da plataforma SLC-40 da Estação da Força Espacial de Cape Canaveral, CCSFS às 18:56 horas UTC (15:56 de Brasília). O “core” de primeiro estágio descerá para a Zona de Pouso 1, LZ1, na Flórida. Na carenagem principal estão 85 espaçonaves comerciais e governamentais (incluindo cubeSats, microsatélites e veículos de transferência orbital) e três satélites Starlink. Embora haja menos espaçonaves a bordo em comparação com a Transporter-1, esta missão é a que lançará mais massa para os clientes da SpaceX: Três satélites Starlinks da própria SpaceX, 75 satélites de clientes e três ejetores de carga de vôo-livre. A SpaceX se manifestou, oficialmente, apenas a duas horas antes do lançamento, sobre a presença dos três Starlinks. Também se recusou a informar o peso total estimado do foguete (calculado pelo Homem do Espaço em 565.470 kg). O lançamento já havia sido adiado no dia 24 para “checagens extras” (circularam informações de que um dos clientes disse que o motivo foi uma reinspeção da carenagem).

Logo da missão

A documentação declara a data principal como 29 de junho e reserva no dia 30 de junho. O segundo estágio do foguete fará a manobra perna de cachorro “dogleg” para alterar o azimute de voo para oeste, sobrevoando West Palm Beach e mantendo curso sobre a costa para atingir a inclinação orbital de 97,6 graus. O foguete colocará suas cargas em uma órbita de altitude média de 525 km, sincronizada com o sol.

Manobra para alterar o azimute de voo para oeste

Há uma área de queda extra para o foguete “core”, na região de Nassau em caso de falha de “boostback” (acendimento dos motores Merlin 1D do ‘core’ para frenagem de retorno à Terra) ou separação do segundo estágio ou falha de sua ignição. A estimativa de recuperação da carenagem, em suas duas metades, está a 605 km do local de lançamento, na área norte de Cuba. A reentrada do segundo estágio deve ocorrer durante a segunda órbita ao norte das Ilhas Kerguelen.

O barco de recuperação de carenagens HOS Briarwood partiu de Miami e já está na zona de pouso das coifas. Semelhante em tamanho ao Shelia Bordelon, o HOS Briarwood exerce também a função de “flotel” e possui guindaste, juntamente a área de convés suficiente para abrigar duas metades de carenagem recuperadas.

A Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral (CCSFS) é uma instalação da Força Espacial dos Estados Unidos “Delta 45”, localizada no cabo, no Condado de Brevard, Flórida. Com sede na Base da Força Espacial de Patrick, a estação é o local de lançamento principal para a Faixa Leste da Força Espacial com três plataformas atualmente ativas (Complexos de Lançamento 37B, 40 e 41). A instalação fica ao sul-sudeste do Centro Espacial Kennedy da NASA, na Ilha Merritt, com as duas interligadas por pontes e estradas. A “Skid Strip” da Estação tem uma pista de aeroporto de 3.000 m perto dos complexos de lançamento para aeronaves militares que transportam cargas pesadas para o Cabo.

Trajetória do lançamento, com o ‘core’ de primeiro estágio pousando em terra
Falcon 9 v1.2 FT Block 5 B1060.8
Seção interestágio e aletas de controle de retorno do B1060.8
Baia de motores Octaweb e conjunto de trem de aterrissagem do do B1060.8

Cronologia de Lançamento divulgada na internet

Tempos aproximados

Evento – hora – minuto – segundo
00:01:12 Max Q (momento máximo de estresse dinâmico no foguete)
00:02:15 Corte dos motores Merlin 1D do 1º estágio (MECO)
00:02:18 separação de 1ª e 2ª estágios
00:02:26 ignição do motor Merlin 1D Vac do segundo estágio
00:02:32 “Boostback” é iniciado para retorno do “core”
00:03:42 descarte da carenagem de cabeça
00:06:34 Queima de entrada atmosférica do primeiro estágio iniciada
00:08:24 Corte do motor do 2º estágio (SECO)
00:08:24 Pouso do primeiro estágio em terra (Landing Zone-1)
00:54:13 Motor do segundo estágio é religado
00:54:15 2º Corte do motor do 2º estágio (SECO-2)
00:57:50 Ejeção do PACE-1 da NASA
00:57:57 NewSat-19 da Satellogic é ejetado
00:58:04 O primeiro satélite ICEYE é ejetado a partir do EXOPort-5
00:58:32 TROPICS Pathfinder da NASA é ejetado
00:58:37 GNOMES-2 da PlanetiQ é ejetado
00:58:44 Tyvak-0173 é ejetado
00:59:47 O segundo satélite ICEYE é ejetado a partir do EXOPort-3
01:00:00 Tyvak-0211 (Centauri-4) é ejetado
01:00:08 O YAM-3 do Loft Orbital é ejetado a partir do EXOPort-5
01:00:18 TUBIN da TU Berlin é ejetado a partir do EXOPort-4
01:00:23 Ejeção do UmbraSAR
01:00:33 ION da D-Orbit é ejetado
01:01:50 Ejeção do LINCS-2 da Peraton/ Agência de Desenvolvimento Espacial/General Atomics
01:02:16 Ejeção do NewSat-20 da Satellogic
01:02:30 Ejeção do NewSat-21 da Satellogic
01:02:40 Satélite Capella SAR ejetado
01:02:46 O terceiro satélite ICEYE é ejetado a partir do EXOPort-4
01:04:12 Ejeção do LINCS-1 da Peraton /Agência de Desenvolvimento Espacial/General Atomics
01:04:29 Mandrake-2 Able (DARPA/Agência de Desenvolvimento Espacial/Laboratório de Pesquisa da Força Aérea) é ejetado
01:05:33 O 4º satélite ICEYE é ejetado a partir do EXOPort-3
01:06:48 O primeiro grupo de SpaceBEE Swarm é ejetado a partir do EXOPort-4
01:07:10 O segundo grupo SpaceBEE Swarm é ejetado a partir do EXOPort-4
01:07:17 AtlaCom-1 da NanoAvionics ‘D2 ejetado do EXOPort-3
01:07:24 O LEMUR número 1 da Spire é ejetado a partir do EXOPort-3
01:07:47 Ejeção do NewSat-22 da Satellogic
01:07:56 Ejeção do YAM-2 da Loft Orbital
01:09:51 LEMUR número 2 da Spires ejetado do EXOPort-3
01:09:58 Mandrake-2 Baker da DARPA/Agência de Desenvolvimento Espacial/Laboratório de Pesquisa da Força Aérea é ejetado
01:21:10 Sherpa-FX2 da Spaceflight Inc. ejetado
01:21:14 Sherpa-LTE1 da Spaceflight Inc. ejetado
01:27:35 Satélites Starlink ejetados

Este cronograma inclui satélites não relacionados nas fontes de informação

Perfil da missão – SpaceX
Perfil da missão – ElonX
O foguete Falcon 9 tem 69.97 metros de comprimento, 5,14 metros de largura na carenagem de cabeça e 3,66 metros de diâmetro no cilindro principal, e massa estimada em 565.470 kg neste lançamento

Carona compartilhada

O site nasaspaceflight.com tentou fazer uma relação das cargas a bordo – já que os provedores e a SpaceX se recusaram a fazê-lo
Outra relação de cargas compilada por outras fontes nas redes sociais

A empresa Spaceflight Inc. terá um total de 36 satélites a bordo do foguete. Este gerente internacional para intermediar com clientes que desejam lançar seus satélites em missões agrupadas de baixo custo instalou três placas de montagem no seu adaptador de lançamento para ejetar 36 espaçonaves – compostas por seis microssatélites, 29 cubesats e uma “carga hospedada” fixa – de 14 organizações em sete países. A Spaceflight Inc. enviou a papelada da FCC constando têm dois ejetores de satélite “Sherpas”, Sherpa-FX2 e Sherpa-LTE1. Ambos irão ejetar as cargas úteis de seus clientes logo após se separarem do segundo estágio. O LTE-1 então testará o novo controle de atitude, comunicações UHF, eletricidade e sistemas de propulsão elétrica ao longo dos próximos meses, enquanto reduz sua órbita para 350 km.

Adaptador multi-lançamento

Para o Transporter-2, os “rebocadores espaciais” carregarão seis microssatélites, 29 nanosatélites ainda menores e a carga hospedada que permanecerá acoplada ao SHERPA em órbita.
A missão também representa a primeira vez que a empresa lançará dois veículos de transferência orbital (orbital transfer vehicles, ou OTVs) diferentes e o lançamento do primeiro veículo de propulsão elétrica da empresa, o SHERPA-LTE1.
O SHERPA é uma plataforma estabilizada de três eixos capaz de manobras em órbita destinadas a implantar pequenos satélites transportados como cargas úteis secundárias em lançamentos orbitais de rideshare. É integrado ao foguete como um adaptador padrão projetado para se encaixar nos foguetes da SpaceX Falcon 9, o Antares da Orbital Sciences Corp. e os Atlas V e Delta da United Launch Alliance. O dispositivo é separado do veículo de lançamento antes de qualquer ejeção de satélite. O SHERPA é um derivado comercial do “ESPA Grande Ring” e foi desenvolvido e fabricado pela Andrews Space, uma subsidiária da Spaceflight Industries desde 2010, que foi apresentado à mídia em maio de 2012. A Spaceflight Industries fabrica o SHERPA em suas instalações em Tukwila, Washington.

“Dispensa” dos satelites em órbita

No topo do estágio final do foguete, o SHERPA deve ser separado do veículo de lançamento antes de qualquer ejeção ou “distribuição” de minissatélites, microssatélites, nanossatélites e cubesats. O SHERPA possui um sistema de propulsão especializado para colocar suas cargas em uma órbita diferente da órbita do satélite principal (se houver satélite principal) dentro da carenagem de cabeça do foguete. As variantes motorizadas são capazes de uma ampla capacidade de mudança orbital.

Sherpas LTE e FX2

No OTV Sherpa-LTE1, está instalado um motor de propulsão elétrica usando propelente de xenônio da Apollo Fusion com um alto impulso específico para facilitar uma manobra eficiente necessária para mudanças orbitais de altitude e inclinação. O veículo oferece uma alternativa de baixo custo à compra de veículos lançadores de “injeção direta” e amplia a capacidade dos veículos lançadores de pequeno porte que estão atualmente em desenvolvimento para lançamentos em órbita baixa da Terra.

Sherpa-LTE
OTV

A Spaceflight Inc. está gerenciando o lançamento de espaçonaves de 14 organizações de sete países, incluindo:

A Spaceflight Inc., de Seattle, Washington, tem três ejetores para sua SXRS-5, com dois de seus ejetores Sherpa e os respectivos 7 microssatélites e 29 cubesats de seus clientes, junto com uma “carga hospedada”. Uma porta hospedará o ejetores de voo livre Sherpa-FX2 com 21 cubesats, três microsats e a carga útil fixa TagSat-2. Outro ejetor lançará o satélite YAM-2 da Loft Orbital. O outro ejetor da Spaceflight Inc. carrega seu primeiro OTV (veículo de transferência orbital), Sherpa-LTE1, com um sistema de propulsão elétrica que permite mudanças de órbita. As variantes Sherpa-LTE e Sherpa-LTC são equipadas com painéis solares, um sistema de propulsão e um sistema de aviônica adicionado ao Sherpa-FX, um suporte de lançamento inerte. A empresa ejetará as cargas úteis do Sherpa-LTE para só depois testar os sistemas de propulsão, geração de eletricidade, comunicações e controle de atitude. No final do ano, a empresa planeja para lançar seu primeiro Sherpa-LTC1 com propelente líquido.

Cargas úteis para Spaceflight Inc. : SXRS-5 com ejetor SHERPA-FX2 com 25 satélites: Astrocast (5 satélites), LEMUR (3 satélites), Hawk (3 satélites), Lynk-06, SpaceBee (12 satélites), PAINANI-2 e TagSat- 2 (aparafusado na estrutura SHERPA); com o SHERPA-LTE1 (até quatorze satélites): Shasta, Faraday Phoenix, Tiger-2, ARTHUR-1, LEMUR, Polar Vigilance KSF1 (quatro satélites), Tenzing, ICEYE (quatro satélites) e YAM-2

Segunda missão de ‘rideshare’ da Exolaunch

Exolaunch – Esta é a segunda missão de rideshare (carona compartilhada) dedicada do Programa SmallSat Rideshare e também a segunda de uma série de rideshares que a Exolaunch está usando o Falcon 9 como parte de um Acordo de Multi-lançamento que a empresa assinou com a SpaceX em 2020. A Exolaunch tem quatro ejetores com dez microssatélites e 19 cubesats para sua missão Fingerspitzengefühl, totalizando cerca de 1.000kg. “Fingerspitzengefühl” em alemão significa “tato sensível”, ou ‘talento intuitivo’. A empresa não divulgou o manifesto completo das cargas, mas alguns satélites foram identificados.

A Exolaunch é um dos principais fornecedores de serviços de lançamento e transporte espacial no setor NewSpace, e hoje está integrando 29 pequenos satélites do EUA, Europa e América do Sul a bordo. A empresa dobra sua capacidade de massa agrupada anterior da SpaceX para pequenos satélites, tornando a ‘Fingerspitzengefühl’ sua maior missão em termos de massa da carga útil até o momento. Esta também será uma das mais diversas missões de rideshare para a empresa elevando o número total de satélites lançados pelo Exolaunch para 170. No primeiro lançamento dedicado da SpaceX em missão rideshare Transporter-1 no início deste ano, a Exolaunch lançou trinta satélites contratados. Para cada lançamento do Falcon 9 reservado por meio do acordo de múltiplos lançamentos com a SpaceX, a Exolaunch garante um gerenciamento abrangente de missões compartilhadas, integração de satélites e serviços de implantação para seus clientes. O grupo de carona compartilhada “rideshare” da Exolaunch inclui cargas úteis com tecnologias avançadas para internet das coisas (IoT), Observação da Terra e aplicações científicas, e satélites de seus clientes internacionais, como Loft Orbital, NanoAvionics, ICEYE e TU Berlin. A Exolaunch também está fornecendo equipamentos de vôo, sistemas de separação e serviços de integração para ajudar os quatro microssatélites da Satellogic nesta missão. Esta tem sido a missão mais exigente e tecnicamente sofisticada da Exolaunch. Para esta missão, a Spaceflight Inc. está usando toda a sua linha de produtos: quatro adaptadores EXOport, dez CarboNIX, sistemas de separação e dois ejetores de cubesats tipo EXOpod. A Spaceflight Inc. trabalhou com toda a capacidade do ESPA Ring para colocar uma tonelada de cargas úteis usando apenas a tecnologia Exolaunch.
Para maximizar a capacidade de carga útil e o custo-benefício para seus clientes desta missão, o Exolaunch usará sua recente tecnologia, EXOport, um adaptador multissatélites flexível projetado “para acomodar de maneira ideal microssatélites e cubesats em uma única porta Falcon 9 ESPA”. A empresa também utilizará seus sistemas de separação comprovados em voo – CarboNIX, o sistema de separação sem choque de próxima geração para microssatélites, e o EXOpod, ejetor de cubesats avançado da Exolaunch com meia década de herança de voo, para ejetar os satélites de seus clientes na órbita-alvo.

A Exolaunch Fingerspitzengefühl carrega 29 “smallsats” (pequenos satélites): dez microssatélites e dezenove cubesats; as cargas contratadas pela Exolaunch incluem dez ejetores tipo CarboNIX, quatro ejetores tipo EXOport e dois outros tipo EXOpod para ejeção de cargas: YAM-3, TUBIN, D-2 / AtlaCom-1 (“vários satélites”), XR-2 e ICEYEs

Descrição de algumas cargas a serem lançadas:
Arthur da Aerospacelab
HawkEye Cluster 3’s da HawkEye 360 ​​Inc.
Faraday Phoenix da In-Space Missions Limited
Conjunto da Missão de Vigilância Polar de quatro satélites para o Espaço Kleos
YAM-2 para Loft Orbital
Shannon da Lynk Global Inc.
TagSat-2 para NearSpace Launch Inc.
TIGER-2 5G IoT da OQ Technology
Tanker-001 Tenzing para Orbit Fab
Aurora da Orbital Sidekick Inc.
LEMUR-2’s para Spire Global
SpaceBEEs da Swarm Technologies
Nanosatélites IoT da Astrocast

TUBIN , satélite de tecnologia da Universidade Tecnica de Berlin

O objetivo da missão Arthur da Aerospacelab Risk Reduction Flight é colocar em serviço uma carga ótica de alta resolução, obter herança de voo para o equipamento desenvolvido internamente e verificar a capacidade de manobrar a espaçonave graças ao Sistema de Micropropulsão da ExoTrail.

TUBIN
Dispensador da EXO Launch

HawkEye 360 Cluster 3: O lançamento do Cluster 3 expande a constelação de satélites de próxima geração do HawkEye 360, que detecta e faz geolocalização os sinais de radiofrequência. Os satélites Cluster 3 são capazes de coletar uma quantidade maior de dados em uma porção mais ampla do espectro de RF, criando percepções valiosas e acionáveis ​​para a conscientização do domínio marítimo, segurança nacional, proteção ambiental e muito mais. O chamado “Cluster 3” terá a designação “Aquela época do ano”, e a órbita do alvo é de 500-600 km, órbita síncrona do sol.

HawkEye 360
HawkEye 360

Faraday Phoenix: da In-Space Missions Limited são especialistas de classe mundial que projetam, constroem e operam missões físicas e digitais personalizadas a partir de seus escritórios no Reino Unido.

Faraday Phoenix

Conjunto de quatro satélites da Missão de Vigilância Polar do Espaço Kleos: Os quatro satélites da Missão de Vigilância Polar transmitirão dados de observação da Terra por radiofrequência.

Kleos

YAM-2 da Loft Orbital: O satélite da Loft Orbital está equipado para várias atividades para clientes comerciais e governamentais.

O YAM-3, outro satélite de teste da Loft Orbital de 83 kg de massa, sem sistemas de propulsão

YAM-3

Shannon: A missão de Lynk, da Lynk Global Inc., é oferecer conectividade global onipresente para telefones e dispositivos celulares não modificados. O satélite também conhecido como Lynk 06.

Satélite TagSat-2: O TagSat-2 da NearSpace Launch Inc. é construído pela NearSpace para fornecer telemetria ininterrupta enquanto hospeda cargas úteis para testes experimentais.

TagSat-2

TIGER-2 5G IoT da OQ Technology: A missão TIGER-2 é a segunda missão da OQ Technology que visa iniciar o serviço comercial fornecendo conectividade 5G IoT global para clientes que usam um satélite 6U de alta potência e para garantir frequências estratégicas. A missão carrega duas cargas úteis de telecomunicações: a carga útil primária fornecerá serviços IoT e M2M baseados em satélite usando baixas frequências, e a carga útil secundária demonstrará a viabilidade de usar altas frequências para links de rádio 5G.

TIGER-2

Tanker-001 Tenzing da Orbit Fab: o primeiro depósito de combustível operacional da Orbit Fab testará armazenamento de propelente para esta empresa de manutenção em órbita em rápido crescimento. O Tenzing armazenará um propelente verde para reabastecer outras espaçonaves, segundo disse o CEO da Orbit Fab, Daniel Faber. A Orbit Fab, uma startup de capital de risco fundada em 2018, é focada em propelente armazenável e em tecnologias associadas para permitir que os clientes tenham acesso a esse propelente. A Orbit Fab trabalhou com dezenas de empresas e agências governamentais para desenvolver uma dessas tecnologias, a Rapidly Attachable Fluid Transfer Interface (RAFTI), também conhecida como Satellite Gas Cap.
“Estamos construindo o primeiro depósito de combustível por satélite operacional do mundo”, disse Faber. Isso , segundo a empresa, ajuda a resolver esse problema do ‘ovo e da galinha‘. “Ninguém está comprando combustível em órbita porque ninguém o está vendendo. Nós construímos um ovo. ” A Orbit Fab ainda não disse que tipo de propelente oferecerá ou quanto será armazenado, considera o Tanker-001 Tenzing um produto mínimo viável. Está colocando o estoque em órbita como uma demonstração e um sinal do compromisso em levar diferentes propelentes para diferentes órbitas. A manutenção em órbita está ganhando força rapidamente à medida que startups e gigantes da indústria desenvolvem e demonstram a tecnologia.

Tanker-001 Tenzing

Aurora da Orbital Sidekick Inc.: Tecnologias comerciais usando imagens hiperespectrais baseadas no espaço. A Astro Digital construiu e está operando o satélite para a Orbital Sidekick. Esse Orbital Sidekick Aurora Satellite é um aparelho de teste de 22,5 kg dos futuros seis satélites GHOSt classe ESPA de 100 kg com lançamento previsto para 2022. É um provedor de serviços de lançamento com sede em Seattle.

Aurora da Orbital Sidekick Inc.

LEMUR-2 da Spire Global Inc.: Os satélites LEMUR-2 coletam dados da Terra para fornecer alguns dos mais avançados rastreamento marítimo, aéreo e meteorológico do mundo. O LEMUR – 2 também oferece suporte a software hospedado e cargas úteis por meio do Spire Space Services.

LEMUR-2

SpaceBEES da Swarm Technologies: os satélites 1 / 4U da Swarm são os menores satélites de comunicações comerciais bidirecionais do mundo e são usados ​​para fornecer conectividade global de baixo custo para dispositivos IoT remotos.

SpaceBEES

Astrocast – A Astrocast Network planeja “constelações de nanosatélites abrangentes”, para empresas de IoT que procuram monitorar ativos remotos. Desde o lançamento bem-sucedido de dois satélites-piloto em 2018 e 2019, a empresa aumentou significativamente a potência e o desempenho de seus nanossatélites. Os nanossatélites Astrocast de hoje têm 100 vezes mais velocidade de comunicação e armazenamento a bordo. A Astrocast Network também oferece: comunicações de baixa latência do ativo até a sede; espectro global da banda L; terminais de ultra-baixa potência com antenas patch de baixo perfil; comunicações bidirecionais; propulsão de satélite para evitar detritos no espaço; Além disso, sua tecnologia Astronode S é duas a três vezes mais barato do que os terminais IoT de satélite bidirecionais convencionais. A Astrocast continuará a aumentar esta constelação com quinze satélites adicionais em dois lançamentos ainda este ano.

Astrocast
Astrocast sendo instalado no dispensador

A Tecnology University of Berlin está focada em Educação e Pesquisa na área de pequenos satélites, rovers, e foguetes de sondagem vai lançar seus microssatélites TUBIN (TUBiX-20 e TUBSAT-27) nesta missão.

Quatro satélites ICEYE do tipo radar de abertura sintética (SAR) são do tipo 6U foram integrados junto com os Kleos também estarão a bordo do foguete.

ICEYE

Payload Accelerator for CubeSat Endeavors Initiative – Baseado na plataforma da ADP tem arquitetura aviônica modular de baixo custo usando componentes de cubesats comerciais. A segunda missão de voo orbital deste tipo, PACE-1, realizará experimentos para demonstrar essa tecnologia ADP. Além de demonstrar a arquitetura ADP, o PACE-1 também transporta quatro cargas úteis de tecnologia. O PACE-1 tem padrão CubeSat 6U – de seis unidades, mas pode se adaptar a outros padrões. O núcleo tem os sistemas de suporte para operar a espaçonave e as cargas úteis. O satélite tem aproximadamente 30 cm de largura. O núcleo de aviônica ocupa um terço do interior da espaçonave, deixando espaço para integrar várias cargas úteis. Esse primeiro vôo da ADP demonstrará a capacidade de comutação que permite que vários sistemas de GPS e de rádio “se revezem” para receber sinais. Esses sistemas usam uma única antena em vez de usar várias antenas dedicadas, como usualmente é feito. Para a PACE-1, isso significa que a quantidade de espaço para antenas é reduzida pela metade, liberando espaço para cargas úteis.

Payload Accelerator for CubeSat Endeavors Initiative – PACE-1

Starlinks

Três satélites Starlink serão lançados neste voo. O gráfico divulgado pela Spaceflight Inc. mostrava uma pilha de dez satélites de comunicação por internet Starlink da SpaceX, apesar de não haver confirmação da presença deles por parte da empresa de Elon Musk. O gráfico mostrava uma configuração padrão, não necessariamente a usada nesta missão, mas a contagem dos satélites deu margem a confusões.

Starlink

D-Orbit

A D-Orbit, empresa italiana de serviços de lançamento, chama sua missão de “Wild Ride”. Eles estão lançando seu terceiro OTV, o ION SCV-003 “Dauntless David”. O veículo carrega seis cubesats e três cargas fixas. Várias das cargas estão em um ejetor de outro provedor de lançamento, o ISILaunch, com da Holanda. Depois de ejetar os satélites, a D-Orbit testará cargas úteis de comunicações ópticas (LaserCube), computação em órbita para inteligência artificial e aplicativos de ‘machine learning’ (Nebula) e usando ‘machine learning’ para detecção de inundações (Worldfloods). No final da missão, será testada uma pequena vela solar/ de frenagem aerodinâmica num cubesat de tamanho 1U.

ION SCV-003 “Dauntless David”

Maverick Space Systems

A Maverick Space Systems instalou um ejetor, com satélites não revelados, na baia de motores do segundo estágio do Falcon 9, a exemplo da Transporter 1.

Hubble: continuam os trabalhos para consertar o telescópio espacial

Instrumentos científicos permanecem em boas condições, apesar de falha no computador

A NASA continua a diagnosticar o problema com o computador de carga útil do Telescópio Espacial Hubble depois de completar mais um conjunto de testes nos dias 23 e 24 passados. O computador parou em 13 de junho e o telescópio parou de coletar dados científicos. O próprio telescópio e seus instrumentos científicos permanecem em boas condições e segue atualmente em uma “configuração segura”. A espaçonave tem dois computadores de carga útil, um dos quais serve como backup, que estão localizados na unidade Science Instrument and Command and Data Handling (SI C&DH – unidade de comando de instrumento científico e manipulação de dados). Existem várias peças de equipamento que compõem ambos os computadores de carga útil, incluindo : um Módulo de Processamento Central (Central Processing Module, CPM), que processa os comandos que coordenam e controlam os instrumentos científicos; uma Interface Padrão (Standard Interface – STINT), que conecta as comunicações entre o CPM do computador e outros componentes; um barramento de comunicação, que contém linhas pelas quais passam sinais e dados entre o equipamento, e um módulo de memória ativa, que armazena comandos operacionais para os instrumentos. Existem três módulos adicionais que servem como reservas.

Testes adicionais realizados em 23 e 24 de junho incluíram ligar o computador de reserva pela primeira vez no espaço. Os testes mostraram que várias combinações dessas peças do computador de carga útil principal e de backup apresentaram o mesmo erro – os comandos para gravar ou ler da memória não foram bem-sucedidos. Como é altamente improvável que todos os elementos de equipamento individuais tenham um problema, a equipe agora está investigando outro equipamento como o possível culpado, incluindo a Unidade de Comando / Formatador de Dados Científicos (CU / SDF, unidade de comando / formatador de dados científicos), outro módulo no SI C&DH. O CU formata e envia comandos e dados para destinos específicos, incluindo os instrumentos científicos. O SDF formata os dados dos instrumentos científicos para transmissão ao solo. A equipe também está analisando o regulador de potência para ver se as tensões fornecidas ao equipamento não são as devidas. Um regulador de energia garante um fornecimento de tensão constante e estável. Se a tensão estiver fora dos limites, isso pode causar os problemas observados.

Ao longo desta semana, a equipe continuará avaliando o equipamento na unidade SI C&DH para identificar se algo mais pode estar causando o problema. Se a equipe determinar que o CU / SDF ou o regulador de energia é a causa provável, eles recomendarão a troca para os módulos CU / SDF e o regulador de energia de reserva. O Hubble , que em 2020 marcou seu 30º ano em órbita, interrompeu as operações em 13 de junho, logo após as 20:00 GMT , após o surgimento de problemas com um dos computadores do telescópio.

Telescópio Hubble

Módulo Nauka tem seu lançamento adiado

“Problemas técnicos” forçaram a retornar o módulo ao edificio de checagem e teste

A preparação do módulo-laboratório polivalente MLM-U Nauka sofreu um atraso, requerendo que ele seja retornado ao predio de montagem e teste n.º 254 do cosmódromo de Baikonur. A data de lançamento do veículo MLM-U (Mnogofunktsionalnyy Laboratornyy Modul – Usovershenstvovannyy, Módulo de Laboratório Multifuncional – Aprimorado, ou espaçonave 77KML nº 17901) teve seu lançamento adiado sem previsão de data.

No período de 23 a 25 de junho, durante a preparação Nauka no Complexo Técnico da RKK Energia em Baikonur foi feita a instalação final das telas de isolamento térmico a vácuo (EVTI) e das proteções contra micrometeorito (MMZ); verificação de folgas, ajustes da carenagem da cabeça, e instalação ambas as metades da carenagem. Entre os dias 25 e 28 foi feita a montagem e preparação do conjunto da coifa, o módulo em seu interior e o adaptador cilindrico que faz a ligação com do foguete-lançador, incluindo verificações elétricas, abastecimento e verificação da estanqueidade dos pistões pneumáticos, as conexões pirotécnicas para liberação da carenagem, checagem do módulo após a encapsulação e verificação das antenas. A carenagem terá que ser desmontada para fazer trabalhos no Nauka.

O principal contratante é a Energia, responsável pela preparação da espaçonave para o lançamento e o Centro de Pesquisa Espacial e Produção Estatal Khrunichev, prepara o foguete-lançador Proton-M.

Seção de cabeça do foguete
MLM-U Nauka

O Nauka é o novo módulo de pesquisa do segmento russo da Estação Espacial Internacional, desenvolvido pela RKK Energia juntamente com a M.V. Khrunichev, a fim de expandir a funcionalidade do segmento russo da ISS.

Foguete Proton-M configurado para lançamento do Nauka

SpaceX deve lançar hoje Falcon 9 B1060.8 com 88 satélites

Mais um voo de ‘carona compartilhada’ do SmallSat Rideshare Program

O foguete Falcon 9 v1.2 FT Block 5 B1060.8 da SpaceX deve lançar a missão Transporter 2 / SXRS-5. O foguete será lançado da plataforma de lançamento SLC-40 da Estação da Força Espacial de Cape Canaveral, CCSFS às 18:56 horas UTC (15:56 de Brasília). O “core” de primeiro estágio descerá para a Zona de Pouso 1, LZ1, na Flórida. Um total de 88 cargas estão sendo transportadas neste lançamento, se acordo com um infográfico divulgado pela empresa que intermediou os satélites comerciais: Dez satélites Starlinks da própria SpaceX (*), 75 satélites de clientes e três ejetores de carga de vôo-livre. A SpaceX não se manifestou, contudo, sobre a presença dos Starlinks. Também se recusa a informar o peso total estimado do foguete.

O foguete colocará suas cargas em uma órbita de altitude média de 500-600 km, sincronizadas com o sol.

Há uma área de queda extra para o foguete “core”, na região de Nassau em caso de falha de “boostback” (frenagem para retorno à Terra) ou separação do segundo estágio ou falha de sua ignição. A estimativa de recuperação da carenagem, em suas duas metades, está a 605 km do local de lançamento, na área norte de Cuba (Havana / ACC). A reentrada do segundo estágio deve ocorrer durante a segunda órbita ao norte das Ilhas Kerguelen.

O barco de recuperação de carenagens HOS Briarwood partiu de Miami e já está na zona de pouso das coifas. Semelhante em tamanho ao Shelia Bordelon, o HOS Briarwood exerce também a função de “flotel” e possui guindaste, juntamente a área de convés suficiente para abrigar duas metades de carenagem recuperadas.

A Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral (CCSFS) é uma instalação da Força Espacial dos Estados Unidos “Delta 45”, localizada no cabo, no Condado de Brevard, Flórida. Com sede na Base da Força Espacial de Patrick, a estação é o local de lançamento principal para a Faixa Leste da Força Espacial com três plataformas atualmente ativas (Complexos de Lançamento 37B, 40 e 41). A instalação fica ao sul-sudeste do Centro Espacial Kennedy da NASA, na Ilha Merritt, com as duas interligadas por pontes e estradas. A “Skid Strip” da Estação tem uma pista de aeroporto de 3.000 m perto dos complexos de lançamento para aeronaves militares que transportam cargas pesadas para o Cabo.

Falcon 9 v1.2 FT Block 5 B1060.8
Trajetória do lançamento, com o ‘core’ de primeiro estágio pousando em terra

Carona compartilhada

A empresa Spaceflight Inc. coordenará o lançamento, com um total de 36 satélites a bordo do foguete. Este gerente internacional para intermediar com clientes que desejam lançar seus satélites em missões agrupadas de baixo custo instalou três placas de montagem no seu adaptador de lançamento para ejetar 36 espaçonaves – compostas por seis microssatélites, 29 cubesats e uma “carga hospedada” fixa – de 14 organizações em sete países. A Spaceflight Inc. enviou a papelada da FCC constando têm dois ejetores de satélite “Sherpas”, Sherpa-FX2 e Sherpa-LTE1. Ambos irão ejetar as cargas úteis de seus clientes logo após se separarem do segundo estágio. O LTE-1 então testará o novo controle de atitude, comunicações UHF, eletricidade e sistemas de propulsão elétrica ao longo dos próximos meses, enquanto reduz sua órbita para 350 km.

Adaptador multi-lançamento

Para o Transporter-2, os “rebocadores espaciais” carregarão seis microssatélites, 29 nanosatélites ainda menores e a carga hospedada que permanecerá acoplada ao SHERPA em órbita.
A missão também representa a primeira vez que a empresa lançará dois veículos de transporte orbital (OTVs) diferentes e o lançamento do primeiro veículo de propulsão elétrica da empresa, o “SHERPA-LTE1”.
SHERPA é uma plataforma estabilizada de três eixos capaz de manobras em órbita destinadas a implantar pequenos satélites transportados como cargas úteis secundárias em lançamentos orbitais de rideshare. O SHERPA é integrado ao foguete como um adaptador padrão projetado para se encaixar nos foguetes da SpaceX Falcon 9, o Antares da Orbital Sciences Corp. e os Atlas V e Delta da United Launch Alliance. O dispositivo é separado do veículo de lançamento antes de qualquer ejeção de satélite. O SHERPA é um derivado comercial do “ESPA Grande ring” e foi desenvolvido e fabricado pela Andrews Space, uma subsidiária da Spaceflight Industries desde 2010, que foi apresentado à mídia em maio de 2012. A Spaceflight Industries fabrica o SHERPA em suas instalações em Tukwila, Washington.

“Dispensa” dos satelites em órbita

No topo do estágio final do foguete, o SHERPA deve ser separado do veículo de lançamento antes de qualquer ejeção ou “distribuição” de minissatélites, microssatélites, nanossatélites e cubesats. O SHERPA possui um sistema de propulsão especializado para colocar suas cargas em uma órbita diferente da órbita do satélite principal (se houver satélite principal) dentro da carenagem de cabeça do foguete. As variantes motorizadas são capazes de uma ampla capacidade de mudança orbital.

Sherpas LTE e FX2

No Sherpa-LTE1, está instalado um motor de propulsão elétrica usando propelente de xenônio da Apollo Fusion com um alto impulso específico para facilitar uma manobra eficiente necessária para mudanças orbitais de altitude e inclinação. O veículo oferece uma alternativa de baixo custo à compra de veículos lançadores de “injeção direta” e amplia a capacidade dos veículos lançadores de pequeno porte que estão atualmente em desenvolvimento para lançamentos em órbita baixa da Terra.

A Spaceflight Inc. está gerenciando o lançamento de espaçonaves de 14 organizações de sete países, incluindo:

Cargas úteis para Spaceflight Inc. : SXRS-5 com ejetor SHERPA-FX2 com 25 satélites: Astrocast (5 satélites), LEMUR (3 satélites), Hawk (3 satélites), Lynk-06, SpaceBee (12 satélites), PAINANI-2 e TagSat- 2 (aparafusado na estrutura SHERPA); com o SHERPA-LTE1 (até quatorze satélites): Shasta, Faraday Phoenix, Tiger-2, ARTHUR-1, LEMUR, Polar Vigilance KSF1 (quatro satélites), Tenzing, ICEYE (quatro satélites) e YAM-2

Segunda missão de ‘rideshare’ da Exolaunch

Exolaunch – Esta é a segunda missão de rideshare (carona compartilhada) dedicada do Programa SmallSat Rideshare e também a segunda de uma série de rideshares que a Exolaunch está usando o Falcon 9 como parte de um Acordo de Multi-lançamento que a empresa assinou com a SpaceX em 2020. A Exolaunch é um dos principais fornecedores de serviços de lançamento e transporte espacial no setor NewSpace, denominou sua campanha de lançamento “Fingerspitzengefühl” integrando 29 pequenos satélites do EUA, Europa e América do Sul a bordo da missão. Com uma massa combinada de quase uma tonelada, a empresa dobra sua capacidade de massa agrupada anterior da SpaceX para pequenos satélites, tornando a ‘Fingerspitzengefühl’ sua maior missão em termos de massa da carga útil até o momento. Esta também será uma das mais diversas missões de rideshare para a empresa elevando o número total de satélites lançados pelo Exolaunch para 170. No primeiro lançamento dedicado da SpaceX em missão rideshare Transporter-1 no início deste ano, a Exolaunch lançou trinta satélites contratados. Para cada lançamento do Falcon 9 reservado por meio do acordo de múltiplos lançamentos com a SpaceX, a Exolaunch garante um gerenciamento abrangente de missões compartilhadas, integração de satélites e serviços de implantação para seus clientes. O grupo de carona compartilhada “rideshare” da Exolaunch inclui cargas úteis com tecnologias avançadas para internet das coisas (IoT), Observação da Terra e aplicações científicas, e satélites de seus clientes internacionais, como Loft Orbital, NanoAvionics, ICEYE e TU Berlin. A Exolaunch também está fornecendo equipamentos de vôo, sistemas de separação e serviços de integração para ajudar os quatro microssatélites da Satellogic nesta missão. Esta tem sido a missão mais exigente e tecnicamente sofisticada da Exolaunch. Para esta missão, a Spaceflight Inc. está usando toda a sua linha de produtos: quatro adaptadores EXOport, dez CarboNIX, sistemas de separação e dois ejetores de cubesats tipo EXOpod. A Spaceflight Inc. trabalhou com toda a capacidade do ESPA Ring para colocar uma tonelada de cargas úteis usando apenas a tecnologia Exolaunch.
Para maximizar a capacidade de carga útil e o custo-benefício para seus clientes desta missão, o Exolaunch usará sua recente tecnologia, EXOport, um adaptador multissatélites flexível projetado “para acomodar de maneira ideal microssatélites e cubesats em uma única porta Falcon 9 ESPA”. A empresa também utilizará seus sistemas de separação comprovados em voo – CarboNIX, o sistema de separação sem choque de próxima geração para microssatélites, e o EXOpod, ejetor de cubesats avançado da Exolaunch com meia década de herança de voo, para ejetar os satélites de seus clientes na órbita-alvo.

A Exolaunch Fingerspitzengefühl carrega 29 “smallsats” (pequenos satélites): dez microssatélites e dezenove cubesats; as cargas contratadas pela Exolaunch incluem dez ejetores tipo CarboNIX, quatro ejetores tipo EXOport e dois outros tipo EXOpod para ejeção de cargas: YAM-3, TUBIN, D-2 / AtlaCom-1 (“vários satélites”), XR-2 e ICEYE

Descrição de algumas cargas a serem lançadas:
Arthur da Aerospacelab
HawkEye Cluster 3’s da HawkEye 360 ​​Inc.
Faraday Phoenix da In-Space Missions Limited
Conjunto da Missão de Vigilância Polar de quatro satélites para o Espaço Kleos
YAM-2 para Loft Orbital
Shannon da Lynk Global Inc.
TagSat-2 para NearSpace Launch Inc.
TIGER-2 5G IoT da OQ Technology
Tanker-001 Tenzing para Orbit Fab
Aurora da Orbital Sidekick Inc.
LEMUR-2’s para Spire Global
SpaceBEEs da Swarm Technologies
Nanosatélites IoT da Astrocast

TUBIN , satélite de tecnologia da Universidade Tecnica de Berlin

O objetivo da missão Arthur da Aerospacelab Risk Reduction Flight é colocar em serviço uma carga ótica de alta resolução, obter herança de voo para o equipamento desenvolvido internamente e verificar a capacidade de manobrar a espaçonave graças ao Sistema de Micropropulsão da ExoTrail.

Dispensador da EXO Launch

HawkEye 360 Cluster 3: O lançamento do Cluster 3 expande a constelação de satélites de próxima geração do HawkEye 360, que detecta e faz geolocalização os sinais de radiofrequência. Os satélites Cluster 3 são capazes de coletar uma quantidade maior de dados em uma porção mais ampla do espectro de RF, criando percepções valiosas e acionáveis ​​para a conscientização do domínio marítimo, segurança nacional, proteção ambiental e muito mais. O chamado “Cluster 3” terá a designação “Aquela época do ano”, e a órbita do alvo é de 500-600 km, órbita síncrona do sol.

HawkEye 360
HawkEye 360

Faraday Phoenix: da In-Space Missions Limited são especialistas de classe mundial que projetam, constroem e operam missões físicas e digitais personalizadas a partir de seus escritórios no Reino Unido.

Faraday Phoenix

Conjunto de quatro satélites da Missão de Vigilância Polar do Espaço Kleos: Os quatro satélites da Missão de Vigilância Polar transmitirão dados de observação da Terra por radiofrequência.

Kleos

YAM-2 da Loft Orbital: O satélite da Loft Orbital está equipado para várias atividades para clientes comerciais e governamentais.

O YAM-3, outro satélite de teste da Loft Orbital de 83 kg de massa, sem sistemas de propulsão

YAM-3

Shannon: A missão de Lynk, da Lynk Global Inc., é oferecer conectividade global onipresente para telefones e dispositivos celulares não modificados. O satélite também conhecido como Lynk 06.

Satélite TagSat-2: O TagSat-2 da NearSpace Launch Inc. é construído pela NearSpace para fornecer telemetria ininterrupta enquanto hospeda cargas úteis para testes experimentais.

TagSat-2

TIGER-2 5G IoT da OQ Technology: A missão TIGER-2 é a segunda missão da OQ Technology que visa iniciar o serviço comercial fornecendo conectividade 5G IoT global para clientes que usam um satélite 6U de alta potência e para garantir frequências estratégicas. A missão carrega duas cargas úteis de telecomunicações: a carga útil primária fornecerá serviços IoT e M2M baseados em satélite usando baixas frequências, e a carga útil secundária demonstrará a viabilidade de usar altas frequências para links de rádio 5G.

TIGER-2

Tanker-001 Tenzing da Orbit Fab: o primeiro depósito de combustível operacional da Orbit Fab fornecerá propelente para a empresa de manutenção em órbita em rápido crescimento.

Tanker-001 Tenzing

Aurora da Orbital Sidekick Inc.: Tecnologias comerciais usando imagens hiperespectrais baseadas no espaço. A Astro Digital construiu e está operando o satélite para a Orbital Sidekick. Esse Orbital Sidekick Aurora Satellite é um aparelho de teste de 22,5 kg dos futuros seis satélites GHOSt classe ESPA de 100 kg com lançamento previsto para 2022. É um provedor de serviços de lançamento com sede em Seattle.

Aurora da Orbital Sidekick Inc.

LEMUR-2 da Spire Global Inc.: Os satélites LEMUR-2 coletam dados da Terra para fornecer alguns dos mais avançados rastreamento marítimo, aéreo e meteorológico do mundo. O LEMUR – 2 também oferece suporte a software hospedado e cargas úteis por meio do Spire Space Services.

LEMUR-2

SpaceBEES da Swarm Technologies: os satélites 1 / 4U da Swarm são os menores satélites de comunicações comerciais bidirecionais do mundo e são usados ​​para fornecer conectividade global de baixo custo para dispositivos IoT remotos.

SpaceBEES

Astrocast – A Astrocast Network planeja “constelações de nanosatélites abrangentes”, para empresas de IoT que procuram monitorar ativos remotos. Desde o lançamento bem-sucedido de dois satélites-piloto em 2018 e 2019, a empresa aumentou significativamente a potência e o desempenho de seus nanossatélites. Os nanossatélites Astrocast de hoje têm 100 vezes mais velocidade de comunicação e armazenamento a bordo. A Astrocast Network também oferece: comunicações de baixa latência do ativo até a sede; espectro global da banda L; terminais de ultra-baixa potência com antenas patch de baixo perfil; comunicações bidirecionais; propulsão de satélite para evitar detritos no espaço; Além disso, sua tecnologia Astronode S é duas a três vezes mais barato do que os terminais IoT de satélite bidirecionais convencionais. A Astrocast continuará a aumentar esta constelação com quinze satélites adicionais em dois lançamentos ainda este ano.

Astrocast
Astrocast sendo instalado no dispensador

A Tecnology University of Berlin está focada em Educação e Pesquisa na área de pequenos satélites, rovers, e foguetes de sondagem vai lançar seus microssatélites TUBIN (TUBiX-20 e TUBSAT-27) nesta missão.

Quatro satélites ICEYE do tipo radar de abertura sintética (SAR) são do tipo 6U foram integrados junto com os Kleos também estarão a bordo do foguete.

(*) Starlinks

O gráfico divulgado pela Spaceflight Inc., intermediária do contrato de alguns dos satélite comerciais, mostra uma pilha de dez satélites de comunicação por internet Starlink da SpaceX, apesar de não haver confirmação da presença deles por parte da empresa de Elon Musk. O gráfico mostra uma configuração padrão, não necessariamente a usada nesta missão, mas a contagem dos satélites dá margem a confusões.

Foguete da Progress MS-17 instalado na plataforma de lançamento em Baikonur

Nave deve partir em 29 de junho para a estação espacial internacional

No cosmódromo de Baikonur, as operações finais de pré-lançamento estão em andamento com o foguete Soyuz-2.1a e o cargueiro espacial Progress MS-17. De acordo com a decisão da Comissão Estatal, ontem, 27 de junho de 2021, o foguete foi levado ao complexo de lançamento da área nº 31, plataforma 31/6 “Vostok”.
O transporte do foguete do edifício de montagem e teste (MIK- Montazhno-Ispitatelny Korpus) nº 254 começou às 05:30, horário de Moscou. Após as operações de verticalização do foguete na mesa de lançamento e o fechamento das duas torres de serviço 11P11T1 em torno do foguete, especialistas das subsidiárias da Roskosmos começaram a trabalhar de acordo com a programação. Após a conexão do foguete com os equipamentos de suporte solo, deverão ser realizados testes dos sistemas e do cargueiro, do veículo lançador e do complexo de lançamento, para posteriormente a análise das informações telemétricas recebidas.

O lançamento do foguete Soyuz-2.1a número de série V15000-043 com o Progress MS-17 (veículo tipo 11F615A61 número de série 446) está previsto para 29 de junho (dia 30 na hora de Moscou) de Baikonur, no Cazaquistão. A acoplagem ao módulo Poisk da a Estação Espacial Internacional está prevista para 2 de julho, por volta das 01:02: 16 UTC. A espaçonave deve levar à ISS 470 kg de propelentes de reabastecimento, 420 litros de água potável nos tanques do sistema Rodnik, 40 kg de ar e oxigênio em cilindros, além de 1.509 kg de equipamentos e materiais diversos no compartimento seco de carga, incluindo recursos e equipamentos de manutenção sistemas de bordo, materiais médicos e de saneamento, roupas, rações padrão e alimentos frescos para a tripulação da 65ª Expedição Principal. Além disso, materiais como parte do programa russo de pesquisa científica nos experimentos:

  • Os ‘pacotes’ “Neyrolab” destinam-se à realização de uma série de experiências médicas “Pilot-T” para estudar a influência dos fatores de voo espacial a longo prazo na atividade profissional dos cosmonautas;
  • os materiais do experimento “Korrektsiya” serão usados ​​para desenvolver meios eficazes de prevenir mudanças no tecido ósseo dos cosmonautas em gravidade zero;
  • as embalagens “Biorisk” e “Konstanta-2” servirão como um laboratório para estudar a influência dos fatores de voo espacial nos compostos proteicos complexos e na sobrevivência de microrganismos;
  • a experiência “Probiovit” visa o desenvolvimento de uma tecnologia para a produção de produtos farmacológicos com propriedades imunomoduladoras em condições de microgravidade;
  • o equipamento “UF atmosfera” fará um mapeamento detalhado da estrutura global do brilho noturno da atmosfera terrestre para o estudo dos processos meteorológicos e do “clima espacial”.
Soyuz 2.1a para a Progress MS-17, com os símbolos da República de Chuvash e a imagem do cosmonauta-piloto da URSS, duas vezes Herói do União Soviética, cidadão chuvash, Andriyan G Nikolaev.

O trabalho foi realizado por especialistas de subsidiárias da estatal Roscosmos – o Centro Espacial Yuzhny (filial do Centro de Operação de Instalações de Infraestrutura Espacial Terrestre, TsENKI) e centro de foguetes espaciais Progress. A preparação agora conduz testes elétricos, hidráulicos e pneumáticos dos sistemas do foguete.

Torres de serviço sendo erguidas para envolver o foguete Soyuz-2.1a número de série V15000-043 em Baikonur

Preparação final do Soyuz-2.1b para a OneWeb F8 em Vostochny

O lançamento está programado para 1º de julho às 15:48, horário de Moscou – 09:48 de Brasília

O foguete é montado vazio, eletricamente neutralizado, sem propelentes nem gases e fluidos associados. As tubeiras dos motores são vedadas com tampas de metal e fibra plástica vermelhas e aparelhos de remoção de umidade são instalados nos dutos de ventilação de cada baia de motores.

No cosmódromo de Vostochny, uma reunião da Comissão Estatal para testes de foguetes sobre a prontidão para o transporte para a plataforma e preparação para o lançamento do foguete-portador Soyuz-2.1b (número de série Kh15000-009 ) sob o programa OneWeb (missão No. 48, ou F8) foi realizada. O lançamento desses novos trinta e seis satélites europeus para internet está programado para 1º de julho de 2021 às 15:48, horário de Moscou. Este será o quinto lançamento totalmente comercial de Vostochny, implementado sob contratos entre a Glavkosmos com as Arianespace e Starsem para a OneWeb deste cosmódromo.

No edifício de montagem e teste (MIK – Montazhno-Ispitatelni’ Korpus) do cosmódromo Vostochny, uma equipe de especialistas da Roskosmos – o Centro Espacial Vostochny (uma filial do Centro de Operação de Infraestrutura Espacial Terrestre – TsENKI) e o Centro de Foguetes Espaciais RKTs Progress – concluiu a montagem do Soyuz-2.1b / Fregat em 25 de junho com os satélites como parte da missão 48.

O emblema da missão F8

De acordo com o cronograma de trabalho, a “seção de cabeça” (composta pelo estágio superior Fregat 112-15 e os satélites sob a carenagem tipo 81КS número V15000-051, junto com o adaptador nº 123-12 aparafusado ao terceiro estágio) foi integrada com o primeiro e segundo estágios (o “pacote”, como eles os chamam). No final da integração, foram montadas as ligações elétricas e instalados os dutos para controle de temperatura. Neste momento, o foguete é instalado na unidade de transporte e instalação TUA (transport aggregatny ustanovka) antes de ser transportado para a plataforma de lançamento.

O lançamento do Soyuz-2.1b com os OneWeb está previsto para o próximo dia 1º de julho, e se tornará o quinto tiro comercial do cosmódromo “oriental”. O lançamento ocorrerá como parte dos contratos entre a Glavkosmos (uma subsidiária da empresa estatal Roscosmos) com o provedor europeu de serviços de lançamento Arianespace (operadora de lançamentos para a OneWeb usando o Soyuz) e a Starsem, que gerencia o uso do Soyuz em missões comerciais.

Na sequência, com base nos resultados dos relatórios, a Comissão Estatal decidiu rebocar o foguete do MIK e instalá-lo na posição vertical na mesa de lançamento em 28 de junho. O início do transporte para o complexo de lançamento foi agendado para a 01:00 hora de Moscou (07:00 hora local), após o que os especialistas da Roscosmos começarão a trabalhar de acordo com o cronograma do dia de lançamento. No sábado, e hoje, domingo, houve preparativos ativos para o recebimento do foguete espacial.

Foguete Soyuz 2.1b (‘máquina’ 14A14 2.1b) em configuração usada para os OneWeb, com a coifa tipo 81KS, similar em desenho à antiga carenagem dos lançadores Ariane 4 da Arianespace.

O contrato entre a Arianespace e a OneWeb, originalmente para 21 lançamentos de foguetes Soyuz de Baikonur, Vostochny e Kuru (na Guiana Francesa) foi assinado em junho de 2015. Em setembro de 2020, a OneWeb anunciou que o número foguetes russos contratados havia sido reduzido para dezenove. Seis já foram realizados: dois de Baikonur, quatro de Vostochny e um de Kuru, e 218 satélites foram colocados em órbita.
A OneWeb vai começar a oferecer comunicações comerciais via satélite no final de 2021 e até o final de 2022 espera ter uma constelação de 648 satélites, de Internet de banda larga para usuários em todo o mundo. Os satélites são designados com números individuais não consecutivos.

Rússia lança satélite militar Kosmos 2550

Espaçonave de detecção de rádio Pion-NKS

lançamento do Soyuz 2.1b de Plesetsk com o satélite Pion-NKS nº 1, “Kosmos 2550”

O primeiro satélite de inteligência eletrônica naval Pion-NKS nº 1 (espaçonave 14F139, satélite militar da constelação ‘Liana’) da Rússia, conhecido como Kosmos-2550, foi lançado lançado ontem, sexta-feira, a partir do cosmódromo de Plesetsk. O foguete decolou da plataforma PU nº 43/4. O lançamento, em um foguete Soyuz-2-1b às 19:50 UTC, foi catalogado em uma órbita 195 por 465 km inclinada em 67.14° com período de 91.13 min, como 2021-056A / S48865; O satélite militar de nova geração foi incluído no Catálogo de Objetos Espaciais Russo, disse o Departamento de Informação do Ministério da Defesa.

“Especialistas do Centro de Controle Espacial das Forças Aeroespaciais adicionaram informações sobre o novo objeto – a nave espacial do Ministério da Defesa da Rússia, lançada pelo veículo Soyuz-2.1b do cosmódromo de Plesetsk no Catálogo Principal de Objetos Espaciais do Sistema de Controle Espacial Russo”.

Após o lançamento, o foguete Soyuz-2.1b foi rastreado por instalações de controle de solo no Centro Espacial de Testes Principal Gherman Titov. No momento estimado, a espaçonave foi colocada na órbita-alvo e assumiu contato com as Forças Aeroespaciais. Uma conexão telemétrica estável foi estabelecida e mantida e os sistemas a bordo estavam funcionando normalmente. Após o lançamento em órbita, a espaçonave recebeu o nome de série ‘Kosmos-2550’.

As área que cobrem as regiões Izhma e Ust-Tsilemsky foram isoladas porque nelas os estágios do foguete cairiam durante o lançamento. Tais áreas foram declaradas temporariamente perigosas para o período de 25 a 30 de junho.

Zonas de exclusão cobriram as regiões Izhma e Ust-Tsilemsky

Este é o segundo lançamento de um foguete Soyuz-2 do cosmódromo de Plesetsk em 2021. No total, mais de 80 equipes de combate e mais de 50 veículos terrestres do 15º Exército das Forças Especiais Aeroespaciais estiveram envolvidos para garantir o lançamento da espaçonave.
Após o lançamento, esclareceu o Ministério da Defesa da Rússia, os oficiais do Centro de Controle começaram a analisar e processar informações sobre ela para aceitação por meios terrestres do Centro Principal para Inteligência de Situação Espacial das Forças Aeroespaciais. A espaçonave de 6,5 toneladas foi desenvolvida pelo KB Arsenal (São Petersburgo) e o TsSKB-Progress (em Samara). Provavelmente a espaçonave aumentará o perigeu e circularizará a órbita amanhã em 800-900 km.

Foi o primeiro lançamento do satélite militar Pion-NKS; o sexto lançamento de um satélite do sistema de observação Liana; 63º lançamento do foguete Soyuz 2.1b de Plesetsk; e a 58ª tentativa de lançamento orbital em 2021.

Constelação ‘Liana’
Liana é uma nova constelação de satélites de observação militar russos, que consiste em dois tipos de satélites: os Lotos-S1 e Pion-NKS. Ambos são projetados para coletar dados sobre forças militares estrangeiras no solo, na água e no ar. No entanto, eles funcionam de forma um diferente: ‘ Lotos-S1’ tem um sistema de vigilância por radar passivo e o ‘ Pion-NKS ‘ – um sistema ativo. As espaçonaves deste sistema usam nomes de flores (Lotos significa “lótus”; Pion , “peônia”; Liana, “trepadeira”).

O “Liana” deverá incluir dois ‘Lotos-S’ e dois ‘Pion-NKS’.

‘Liana’ é o sucessor do sistema soviético de reconhecimento espacial ‘Leguenda-Tselina’, que também era usado para detecção de alvos e orientação de armas de alta precisão. Os sistemas soviéticos de reconhecimento de alvos marítimos (morskoy kosmicheskoy razvedki i tseleukazaniya – MKRTs) “Leguenda” e reconhecimento rádio-técnico (radiotekhnicheskoy razvedki – RTR) “Tselina” eram, na verdade, um sistema integrado. Eles foram usados ​​pelo Ministério da Defesa da URSS para espionar porta-aviões e o movimento de grandes forças terrestres da OTAN. Além disso, satélites de reconhecimento foram usados ​​para designação de alvos e orientação de armas de alta precisão. Na década de 1990, os sistemas de inteligência soviéticos começaram a se degradar, pois praticamente não foram substituídos por novas espaçonaves. Em meados dos anos 2000, os “Leguenda” (legenda – como dados de mapa, descrição de um desenho) e “Tselina” (terra virgem não lavrada, que ainda não foi cultivada) de fato deixaram de existir. No entanto, quase ao mesmo tempo, o comando militar russo começou a desenvolver um projeto para um novo sistema de inteligência eletrônica mais avançado.

Um dos componentes do sistema, os satélites de radar ativos US-A, possuíam um radar de alto consumo de eletricidade, que precisava ser alimentado de um reator nuclear (além disso, sua órbita de baixa altitude requeria que o satélite fosse o mais ‘esguio’ possível, para evitar ser desacelerado pela tênue atmosfera, o que impedia o uso de painéis solares, que normalmente aumentam o arrasto). Isso causou um escândalo internacional em janeiro de 1978, quando, durante uma descida de emergência do Kosmos 954 com detritos radioativos caindo em mais de 124.000 quilômetros quadrados dos Territórios do Noroeste do Canadá. Outro componente era a espaçonave US-P, de detecção passiva de sinais, equipada com painéis solares. A constelação Liana não usa energia nuclear como fonte de energia.

Até o momento, apenas os satélites Lotus-S já foram colocados em órbita (um Lotos-S e quatro Lotos-S1, uma versão modernizada do Lotus-S). O último lançamento do Lotos-S1 ocorreu em fevereiro de 2021. O principal objetivo deste satélite é monitorar as forças militares estrangeiras. De acordo com a mídia russa, o ‘ Pion-NKS’ pode detectar pequenos objetos, como carros potenciais forças inimigas em tempo real. Ao receber e analisar sinais de rádio, este satélite ajudará a entender qual equipamento militar foi detectado e fornecer suas coordenadas. Pelo contrário, os satélites da série Lotus-S1 são especializados em interceptar informações, incluindo comunicação.

Espaçonave Pion NKS

A espaçonave, um Pion-NKS (14F139, veículo nº 901), de 6.500 kg, é projetada para conduzir observação radar e rádio-técnica de objetos terrestres, escuta em várias faixas de rádio da ionosfera e do espaço próximo à Terra. A órbita média de trabalho é de 500 km. O Pion é equipado com um sistema de radar 11V521 construído pela fábrica Vega em Moscou e está em desenvolvimento há mais de 15 anos. A carga útil de radar é montada no chassi do satélite pela Mashinostroitel’nyy zavod Arsenal (Fábrica de construção de máquinas MZ Arsenal), uma unidade de produção afiliada ao bureau de projetos KB Arsenal. A MZ Arsenal também faz a montagem os satélites Lotos-S1, que usam o mesmo chassi do Pion-NKS. Esse chassi, por sua vez, é construído pela fábrica Progress em Samara. É essencialmente o mesmo chassi que a Progress usou para o satélite de sensoriamento remoto Resurs-DK.

Espaçonave Pion-NKS 14F139

A inteligência radiotécnica permite obter dados sobre a atividade militar de Estados estrangeiros em várias partes do mundo. De maior interesse para o reconhecimento são os campos de treinamento, aeródromos, bases navais, instalações de infraestrutura de mísseis nucleares, empreendimentos estratégicos, movimento de agrupamentos de navios e forças terrestres

Foguete Soyuz 2.1b

O Soyuz 2.1b (14A14 2.1b) tem cerca de 46,3 metros de altura e 2,95 metros de diâmetro básico – e 10,3 metros de envergadura sobre as aletas triangulares dos ‘blocos’ laterais que formam o primeiro estágio. O peso total de decolagem do foguete é de aproximadamente 312.000 kg. A carga útil em órbita terrestre baixa varia de 6.600 a 7.400 kg, dependendo do local de lançamento.

EVA-76

Astronautas instalam mais um pacote iROSA do sistema elétrico da estação

O astronautas Shane Kimbrough da NASA e Thomas Pesquet da Agência Espacial Européia fizeram mais uma atividade extraveicular (a EVA-76, ‘extravehicular activity’) hoje, sexta-feira, 25 de junho, para continuar as atualizações do sistema elétrico e provando a tecnologia que habilitará a futura estação lunar Gateway da agência espacial americana. Foram seis horas, 45 minutos e 07 segundos para continuar a instalação e extensão do segundo conjunto de seis novos painéis solares ISS Out Solar Arrays (iROSA) para ajudar a fornecer eletricidade à Estação Espacial Internacional. Os dois astronautas saíram da câmara de ar do módulo Quest às 08:52, hora de Brasília (11:52 UTC) para começar a trabalhar no segundo grupo de painel solar, iROSA 4B – este no canal de energia “4B” da treliça P6, para instalação e extensão. A cobertura ao vivo começou às 6h30 EDT na NASA Television, o site da agência. Kimbrough e Pesquet instalaram e estenderam o segundo de seis novos ISS Roll-Out Solar Arrays no canal elétrico 4B da estação. Às 1826 UTC, os dois astronautas estavam de volta à câmara de descompressão do Quest.

Shane Kimbrough da NASA e Thomas Pesquet da ESA

Pesquet foi o membro de tripulação extraveicular 1 (EV 1), com listras vermelhas em seu escafandro espacial EMU, enquanto Kimbrough foi o membro de tripulação extraveicular 2 (EV 2), com um traje sem identificação. Durante a caminhada no espaço, Pesquet agarrou-se ao final do Canadarm2 e, em seguida, agarrou o iROSA. Operando de dentro da estação, a astronauta da NASA Megan McArthur, com Mark Vande Hei servindo como reserva, comandou o braço robótico para manobrar Pesquet e o painel o mais próximo possível do local de instalação.

Painéis iROSA sendo estendidos
Os dois astronautas saíram do módulo Quest às 11.52 UTC
Os astronautas saíram ao espaço através do módulo Quest
Módulo Quest (Joint Airlock Module), por onde os astronautas do segmento americano fazem suas saídas extraveiculares. 1 – escotilha para acesso ao exterior; 2 – compartimento da tripulação; 3 e 12 – cilindros de alta pressão (dois com nitrogênio e dois com oxigênio); 4 – escotilha entre o compartimento da tripulação e o compartimento de equipamentos; 5 – pino vertical inferior para montagem do módulo no compartimento de carga do shuttle; 6 – compartimento de equipamento ; 7 e 14 – munhões horizontais do módulo de montagem no compartimento de transporte; 8 – local de armazenamento dos trajes espaciais EMU ; 9 – rack padrão com sistemas de manutenção; 10 – porta de engate passiva tipo CBM; 11 – escotilha; 13 travas de captura tipo FRGF para o braço de manipulação remota Canadarm2 ; 15 – painel dos conectores de interface dos trajes; 16 – recipientes de armazenamento de
equipamentos e ferramentas

Durante as duas atividades extraveiculares anteriores, Kimbrough e Pesquet trabalharam na extremidade esquerda da estrutura de treliça da estação (segmento P6, ou “truss segment P6”) para instalar e desenrolar o primeiro dos dois rolos iROSA que aumentaram a capacidade do canal de energia 2B da P6: Em 16 de junho, Kimbrough e Pesquet moveram o primeiro iROSA para um suporte de montagem no canal elétrico 2B na treliça da P6, onde foi preso em sua configuração dobrada. No dia 20 de junho, os dois voltaram ao canal 2B para concluir a instalação e extensão. Também instalaram um cabeamento para o segmento russo e instalou um roteador wi-fi na treliça.

Desta vez, o trabalho foi na seção 4B, sobre um segundo conjunto de painéis originais da estação. Kimbrough conectou o último cabo elétrico, amarrando a iROSA no canal de energia solar P6 / 4B; Depois que o solo completou o teste de conectividade, a tripulação liberou as ‘mantas’ enroladas para que estendessem ao comprimento total de 18 metros. Assim, os dois novos arranjos solares foram desdobrados e estendidos depois que os astronautas verificaram pontos de atrito e interferência mecânica, com a inserção de pinos de alinhamento.

Os astronautas estavam equipados com os auxilos de atividade extraveicular SAFER
Astronautas usam a ferramenta pistol-grip tool
Ferramenta PGT usada na estação espacial internacional

Antes que o painel pudesse ser estendido e começar a fornecer energia para o laboratório orbital, os dois precisaram instalar os cabos elétricos e configurar dois mecanismos para permitir que o painel solar o desenrole em sua posição totalmente estendida.

Astronautas trabalharam com o braço robótico Canadarm2 durante a atividade extraveicular

Pesquet foi o ‘membro da tripulação extraveicular 1’ (EV 1), com listras vermelhas em seu traje espacial EMU, enquanto Kimbrough foi o ‘membro da tripulação extraveicular 2’ (EV 2) com um traje sem listras.Esta foi a quinta EVA para Kimbrough e Pesquet trabalhando juntos – e a nona EVA para Kimbrough e a quinta para Pesquet no total. Kimbrough e Pesquet conduziram duas caminhadas espaciais juntos durante a Expedição 50 em janeiro e março de 2017. Foi a 241ª caminhada no espaço em apoio à montagem, manutenção e atualizações da estação.

O trabalho correu de acordo com o programado.
Pontos de paineis solares na “Truss’; os canais de cablagem elétrica 4B e 2B estão na extremidade do segmento P6, à direita

Após a realização do trabalho, a paleta de transporte do iROSA, agora vazia, foi separada e preparada ser colocada volta ao compartimento de carga da espaçonave de carga SpaceX Dragon CRS22. O conjunto dos novos paines solares chegaram à estação nesta espaçonave como parte da 22ª missão comercial de serviços de reabastecimento para a estação. Em 10 de junho, os operadores do Centro de Controle da Missão no Centro Espacial Johnson da NASA usaram o braço-robô Canadarm2 da estação para extrair os painéis solares do compartimento vazado do Dragon em preparação para a instalação.

Os novos painéis solares irão aumentar a área dos existentes, que estão funcionando bem, mas começam a mostrar sinais de esperada degradação , pois operaram além de sua vida útil projetada de 15 anos. O primeiro par de painéis solares foi estendido em dezembro de 2000 e alimenta a estação há mais de 20 anos.

Anexar o iROSA ao Beta Gimbal Assembly original permite o uso de rastreamento solar existente, distribuição de energia e cablagem
iROSA instalado na frente do painel solar original. Sombreando aproximadamente dois terços dos paineis originais e conectadas ao mesmo sistema de energia para aumentar o fornecimento existente ; a parte não sombreada do original permanece ativa

Esses astronautas chegaram para uma missão de seis meses na estação em 24 de abril com a missão SpaceX Crew-2 da NASA a bordo da nave Crew Dragon C206 Endeavour.

Starliner: ‘Rosie, the Rocketeer’ prepara-se para o 2º teste da Boeing em julho

Missão nao-tripulada fará segundo teste orbital

Um dispositivo de teste antropomórfico ou manequim de vôo apelidado de Rosie the Rocketeer aparece amarrado a um assento na cápsula Starliner da Boeing antes do segundo teste de vôo sem parafusos do veículo, programado para lançamento em 30 de julho de 2021.
Manequim Rosie the Rocketeer no assento na cápsula Starliner da Boeing antes do segundo teste de voo, programado para lançamento em 30 de julho próximo. – foto Boeing

A Boeing e a NASA marcaram para sexta-feira, 30 de julho as 18h53, horário GMT , o lançamento da missão nao tripulada de teste de vôo orbital 2 OFT-2 da nave Starliner para a Estação Espacial Internacional.

Um dispositivo de teste antropomórfico ou manequim de vôo, apelidado de Rosie the Rocketeer (Rosa, a fogueteira) foi mostrado nas redes sociais amarrado a um assento na cápsula antes do segundo teste de vôo não-tripulado do veículo. Esse passageiro, é coloquialmente conhecido como boneco (dummy) de vôo. “Rosie, the Rocketeer, está preparada para o próximo lançamento do Starliner!” funcionários escreveram no Twitter do Programa de Tripulação Comercial da NASA ontem, quarta-feira (23 de junho). Esse lançamento, num foguete Atlas V N22 da United Launch Alliance, está programado 30 de julho do Complexo de Lançamento 41 na Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral na Flórida. O vôo, chamado Orbital Flight Test 2 (OFT-2), está programado para passar entre cinco e 10 dias em órbita, acoplando-se à ISS para em seguida, pousar de paraquedas no oeste dos Estados Unidos.

Espaçonave Starliner da Boeing

O manequim já voou na missão anterior da Starliner, em dezembro de 2019, que enfrentou problemas de software e não conseguiu acoplar à estação espacial conforme planejado. Dezoito meses depois, o manequim está tendo uma segunda chance de “dizer” aos engenheiros como é um voo da Starliner. Durante o vôo anterior, Rosie foi equipada com 15 sensores que coletaram dados sobre a experiência. Desta vez, os sensores se concentrarão na própria espaçonave, de acordo com um comunicado da Boeing- especificamente na infraestrutura dos assentos projetados para os astronautas. “Enquanto Rosie nos ofereceu uma visão crítica sobre quanta força seu corpo experimentou no assento do comandante durante a primeira missão OFT, esses novos sensores irão obter dados para caracterizar o movimento de todos os quatro assentos da tripulação”, Dan Niedermaier, engenheiro da Boeing e chefe do projeto do módulo da tripulação , disse no comunicado. “Geralmente, todos os locais dos assentos se comportam da mesma forma; no entanto, existem pequenas diferenças que nossos engenheiros desejam validar para garantir que todos tenham uma viagem agradável.”

Rosie the Riveter
Rosie, the Rocketeer

O manequim de vôo, que pesa 82 kg , também ajudará a estabilizar o centro de gravidade do veículo durante o vôo, de acordo com a Boeing. Como no seu primeiro vôo, Rosie estará enfeitada com um lenço de cabeça de bolinhas vermelho e branco para homenagear sua homônima, a icônica Rosie the Riveter da Segunda Guerra Mundial. Mas neste vôo, o manequim também ostentará uma máscara de pano na mesmo padronagem, em homenagem à pandemia de coronavírus que estourou no cenário mundial logo após o primeiro vôo da Starliner. A máscara foi costurada por Mae Krier, que durante a Segunda Guerra Mundial construiu aviões em uma fábrica da Boeing em Seattle, segundo a empresa. Enquanto Rosie the Rocketeer serve a um propósito técnico, a equipe da Boeing vê o manequim como algo mais importante, disse Melanie Weber, a líder do subsistema para Acomodações de Tripulação e Carga no Programa de Tripulação Comercial, no comunicado da empresa. “Estamos todos animados para ver Rosie no Starliner novamente, porque ela simboliza nosso objetivo maior de transportar astronautas para a Estação Espacial Internacional”, disse Weber.

Starliner e foguete Atlas V versão N22

“A Boeing está comprometida em transportar tripulação e carga de forma segura e sustentável para destinos em órbita baixa da Terra. A empresa está realizando a missão OFT-2 sem nenhum custo para a NASA ou o contribuinte para demonstrar confiança no veículo e mostrar a excelência operacional da equipe integrada antes do vôo tripulado.” – declarou a empresa desenvolvedora.

Hubble: continuam os testes no ‘modo de espera’ por problema de computador

Testes estão em andamento para identificar problema e restaurar computador do telescópio espacial

A NASA continua a trabalhar para resolver o problema com o computador de carga útil do Hubble, que parou em 13 de junho. Lançado em 1990, com mais de 30 anos de operações, o Hubble fez observações que aprofundaram o conhecimento do cosmos. Depois de realizar testes em vários módulos de memória do computador, os resultados indicam que uma parte diferente do equipamento pode ter causado o problema, com o erros de memória sendo apenas um sintoma. A equipe de operações está investigando se o equipamento de Interface Padrão (Standard Interface – STINT), que faz a ponte de comunicações entre o Módulo de Processamento Central (Central Processing Module – CPM) do computador e outros componentes, ou se o próprio CPM é responsável pelo problema. A equipe está atualmente projetando testes que serão executados nos próximos dias para tentar isolar ainda mais o problema e identificar uma solução potencial.

O Hubble , que em 2020 marcou seu 30º ano em órbita, interrompeu as operações no domingo (13 de junho) logo após as 20:00 GMT , após o surgimento de problemas com um dos computadores do telescópio.

Telescópio Hubble

Esta etapa é importante para determinar qual equipamento ainda está funcionando corretamente para referência futura. Se o problema com o computador de carga útil não puder ser corrigido, a equipe de operações estará preparada para mudar para o equipamento STINT e CPM a bordo do computador de carga útil reserva. A equipe conduziu testes em solo e análises de procedimentos de operações para verificar todo o comando necessário para realizar essa troca na espaçonave.

Se o equipamento CPM e STINT do computador reserva for ligado, vários dias serão necessários para avaliar seu desempenho e restaurar as operações científicas normais. O computador de reserva não foi ligado desde sua instalação em 2009; no entanto, foi exaustivamente testado no solo antes da instalação na espaçonave.

O computador de carga útil é um sistema NASA Standard Spacecraft Computer-1 (NSSC-1) construído na década de 1980 que está localizado na unidade Science Instrument Command and Data Handling (SI C&DH). Após 18 anos em órbita, o SI C&DH original sofreu uma falha em 2008 que atrasou a missão de manutenção final para o Hubble enquanto uma substituição era preparada para o vôo. Em maio de 2009, a missão STS-125 foi lançada e os astronautas instalaram a unidade existente. A substituição contém equipamento original da década de 1980 com quatro módulos de memória independentes de 64 K de memória Complementary Metal-Oxide Semiconductor (CMOS). Apenas um módulo de memória é usado operacionalmente, com os outros três servindo como backups. Todos os quatro módulos podem ser usados ​​e acessados ​​de qualquer um dos computadores de carga útil redundantes.

Science InstrumentControl & Data Handling unit, SIC&DH 2

Esta não é a primeira falha técnica do Hubble, lançado há 31 anos e cuja última manutenção ocorreu há 12 anos. No início da vida do telescópio, os cientistas encontraram um erro no sistema de controle de apontamento e problemas com a forma de seu espelho principal. A primeira missão de serviço foi lançada para trabalhar no telescópio em 1993, e as missões para o Hubble continuaram a ser lançadas durante o programa do space shuttle . Nessas missões, os astronautas trabalharam em muitas questões, incluindo a substituição de baterias e os giroscópios que permitiram ao Hubble apontar continuamente para seus alvos. O Hubble também superou problemas mais recentemente. . Em março, um problema relacionado a um “aprimoramento” de software recentemente carregado no telescópio colocou o veículo em ‘modo seguro’ por vários dias. Um giroscópio com defeito deixou o telescópio offline por três semanas em outubro de 2018.

No entanto, em um comunicado no dia 18 , a agência disse que os esforços para mudar para um módulo de memória de backup falharam porque “o comando para iniciar o backup falhou ao se completar”. Uma tentativa de restaurar o computador com o módulo de memória original e a unidade de backup também falhou.

Progress MS-17 instalada no foguete em Baikonur

Cargueiro deve partir em 29 de junho para a ISS

No cosmódromo de Baikonur, a preparação do veículo de transporte de carga Progress MS-17 para lançamento no programa do 78º voo de abastecimento da Estação Espacial Internacional continua. Hoje, 24 de junho, no prédio de montagem e testes (MIK- Montazhno-Ispitatelny Korpus) nº 254, especialistas da RKK Energia e as empresas especializadas da Roskosmos realizaram a inspeção da Progress e um conjunto de operações tecnológicas para a instalação da carenagem de cabeça. Depois de verificar a prontidão de lançamento, a nave espacial como parte da ogiva espacial foi para a montagem geral com o veículo lançador no edifício de montagem e teste nº 31.

O lançamento do foguete Soyuz-2.1a número de série V15000-043 com o Progress MS-17 está previsto para 29 de junho (dia 30 na hora de Moscou) da Plataforma nº 31/6 do cosmódromo de Baikonur. A espaçonave deve levar à ISS 470 kg de propelente de reabastecimento, 420 litros de água potável nos tanques do sistema Rodnik, 40 kg de ar e oxigênio em cilindros, além de 1.509 kg de equipamentos e materiais diversos no compartimento seco de carga, incluindo recursos e equipamentos de manutenção sistemas de bordo, controle médico e materiais de saneamento, vestuários, rações padrão e alimentos frescos para a tripulação da 65ª Expedição Principal. Além disso, um complexo de cargas será enviado para a estação como parte do programa russo de pesquisa científica e aplicada nos experimentos:

Os ‘pacotes’ “Neyrolab” destinam-se à realização de uma série de experiências médicas “Pilot-T” para estudar a influência dos fatores de voo espacial a longo prazo na atividade profissional dos cosmonautas;

os materiais do experimento “Korrektsiya” serão usados ​​para desenvolver meios eficazes de prevenir mudanças no tecido ósseo dos cosmonautas em gravidade zero;

as embalagens “Biorisk” e “Konstanta-2” servirão como um laboratório para estudar a influência dos fatores de voo espacial nos compostos proteicos complexos e na sobrevivência de microrganismos;

a experiência “Probiovit” visa o desenvolvimento de uma tecnologia para a produção de produtos farmacológicos com propriedades imunomoduladoras em condições de microgravidade;

o equipamento “UF atmosfera” fará um mapeamento detalhado da estrutura global do brilho noturno da atmosfera terrestre para o estudo dos processos meteorológicos e do “clima espacial”.

Coifa de cabeça sendo deslizada sobre a nave Progress, já instalada no terceiro estágio do foguete Soyuz-2.1a

O trabalho foi realizado por especialistas de subsidiárias da estatal Roscosmos – o Centro Espacial Yuzhny (filial do Centro de Operação de Instalações de Infraestrutura Espacial Terrestre, TsENKI) e centro de foguetes espaciais Progress. A preparação agora conduz testes elétricos, hidráulicos e pneumáticos dos sistemas do foguete.

Progress MS-17, veículo número de série 446

O lançamento do Soyuz-2.1a com a espaçonave Progress MS-17 (veículo tipo 11F615A61 número de série 446) está programado para lançamento em em 29 de junho próximo às 23h27h UTC. A acoplagem ao módulo Poisk da a Estação Espacial Internacional está prevista para 2 de julho, por volta das 01:02: 16 UTC.

Soyuz-2.1a número de série V15000-043

Engenheiros chineses mudam design do superfoguete Longa Marcha 9

CZ-9 terá desesseis motores no primeiro estágio

CZ-9 terá motores movidos a querosene e oxigênio líquido

Na semana passada, Wu Yanhua, vice-diretor da Administração Espacial Nacional da China, confirmou na televisão estatal que o projeto Longa Marcha-9 / CZ-9 estava em andamento para missões tripuladas à Lua e Marte. O CZ-9 terá motores movidos a querosene e oxigênio líquido e deverá ser capaz de transportar até 150 toneladas para a órbita baixa terrestre ou 53 toneladas para injeção translunar, em comparação com a capacidade máxima do CZ-5 de 25 toneladas para órbita baixa e 8 toneladas para trajetória lunar. O motor a hidrogênio e oxigênio líquido mais poderoso da China atualmente, o YF-77, tem um empuxo de 70 toneladas – mas seu difícil desenvolvimento atrasou o progresso das missões do CZ-5.

O novo desenho do CZ-9 apresenta desesseis motores YF-135 no primeiro estágio de 10,6 metros de diâmetro nos tanques, e uma saia inferior englobando a baia de motores; O YF-135 é um motor funcionando a querosene e oxigênio líquido com empuxo de 367 ​​toneladas-força.

O segundo estágio, também de 10,6 metros de diâmetro, tem quatro motores do tipo YF-120, enquanto o terceiro estágio (7,5 m de diâmetro) tem apenas um motor YF-120; a carenagem de cabeça deve ter um diâmetro externo de 9 metros.

O míssil deve ter 108 metros de comprimento na sua configuração padrão, sendo capaz de lançar 53 toneladas em trajetória de injeção trans-lunar, capacidade de 150 toneladas em órbita terrestre baixa (cerca de 300 km), uma massa bruta de 4.122 toneladas e empuxo inicial de 57.594 kN, ou 5.873 toneladas-força.

Novo CZ-5

Enquanto isso, o cientista Jiang Jie – que participa do sessão anual do mais alto conselho político do país, a Conferência Consultiva Política do Povo Chinês – disse na quarta-feira passada que outro novo foguete superpesado está em desenvolvimento, em paralelo com o CZ-9.
Este “veículo de lançamento da tripulação de nova geração” – aparentemente chamado CZ-5DY – seria baseado nos estágios do CZ-5 e nas versões atualizadas do seu motor YF-100, disse ele. “O desenvolvimento bem-sucedido desses dois tipos de foguetes aumentará muito a capacidade de nossas espaçonaves “. Uma configuração do CZ-5 DY (ou CZ-5 ‘921’) terá dois boosters anexados ao primeiro estágio e outra não terá os boosters.

CZ-5DY em versão tripulada, com configuração de boosters e a nova espaçonave pilotada chinesa no topo
CZ-5DY em versão tripulada, sem os boosters, com a nova espaçonave pilotada chinesa
Variantes do CZ-5 “921”, com boosters e sem boosters
CZ-5DY em versão não-tripulada

Irã: Fracassa tentativa de voo espacial

Falha no lançamento deve ter acontecido em 12 de junho

O Comando Espacial dos EUA (USSPACECOM) anunciou uma falha no lançamento de um foguete iraniano – possivelmente um Simorgh – que ocorreu na manhã de 12 de junho passado, disse o porta-voz do Pentágono, tenente-coronel Uriah Orland. Não há pistas da causa na falha no lançamento, e em qual etapa do vôo ocorreu o defeito que levou à perda catastrófica do veículo.

Fotos de satélite da Planet Labs e Maxar Technologies mostram os preparativos no Centro Espacial Iman Khomeini

Imagens de satélite e um especialista em foguetes confirmaram o lançamento fracassado no espaçoporto Imam Khomeini, na província iraniana de Semnan. A tentativa ocorre no momento em que o programa espacial do Irã sofre uma série de perdas importantes, enquanto sua Guarda Revolucionária paramilitar executa seu próprio programa paralelo que lançou um satélite em órbita no ano passado.

Fotos da Planet Labs Inc. e da Maxar Technologies mostram instalações no espaçoporto

O ministro das Telecomunicações do Irã, Mohammad Javad Azari Jahromi, negou na quarta-feira que Teerã tenha fracassado no lançamento de um satélite, mas não ofereceu nenhuma explicação para a atividade no centro espacial. A representação do Irã nas Nações Unidas não respondeu imediatamente a um pedido de comentário na quarta-feira. Fotos de satélite da Planet Labs Inc. e da Maxar Technologies mostram os preparativos no espaçoporto em 6 de junho. Essas imagens incluem o que parecem ser tanques de propelente ao lado de uma torre móvel de montagem e checagem branca que abriga um foguete, enquanto os cientistas o abastecem e se preparam para o lançamento. Antes do lançamento, os trabalhadores rebocam a torre para expor o foguete.

Foguete Simorgh

O número de tanques de propelente, com base em seu tamanho, parece ter sido suficiente para abastecer o primeiro e o segundo estágios de um foguete Simorgh iraniano, disse Jeffrey Lewis, especialista do Centro James Martin para Estudos de Não Proliferação do Instituto de Estudos Internacionais de Middlebury . O Simorgh é um foguete que transportou um satélite que foi lançado do espaçoporto, disse ele.

Imagens de satélite posteriores em 17 de junho mostraram uma diminuição na atividade no local. Lewis disse que analistas acreditam que o Irã lançou o foguete em algum ponto daquela janela. “Nada explodiu. Não havia uma mancha gigante – como se eles tivessem despejado combustível – e os veículos simplesmente se moveram ”, disse ele. “O nível geral de atividade no local era muito mais baixo. Então, em nossa opinião, isso pareceu um lançamento. ”

A CNN, que primeiro relatou o fracasso do lançamento, citou o porta-voz do Pentágono, tenente-coronel Uriah Orland, dizendo que “ O Comando Espacial está ciente da falha no lançamento do foguete iraniano que ocorreu no início de 12 de junho. ” O Pentágono e o Comando Espacial dos EUA não responderam imediatamente a um pedido de comentário, na quarta-feira, da Associated Press.

Não ficou imediatamente claro por que o Irã teria escolhido 12 de junho para um lançamento, já que Teerã normalmente programa esses lançamentos para comemorações nacionais. No entanto, aconteceu na corrida para a eleição presidencial do Irã na semana passada, na qual a República Islâmica esperava aumentar a participação. No domingo, uma nova imagem de satélite da Planet Labs mostrou uma atividade renovada no local. A imagem mostra a plataforma móvel usada anteriormente para proteger um foguete Simorgh na mesa de lançamento, um veículo de apoio visto em voos anteriores e uma nova linha de tanques de combustível alinhados no local. Lewis disse que o equipamento sugere que outro lançamento é iminente.

Voos espaciais tripulados do Centro Espacial da Guiana

‘O acesso independente ao espaço para astronautas da Europa é a chave para qualquer futuro no espaço.’

C H. Bonnal1 * – J M. Bahu1 – Ph. Berthe2 – J. Bertrand1 – C H. Bonhomme1 – M. Caporicci2 J-F. Clervoy3 – N. Costedoat4 – E. Coletti5 – G. Collange5 – G. Debas5 – R. Delage6 – J. Droz; – E. Louaas1 – P. Marx8 – B. Muller6 – S. Perezzan1 – I. Quinquis5 – S. Sandrone7 D. Schmitt2 – V. Taponier1

1 Direção de Lançadores do CNES, Pares, França; – 2 ESA Human & Robotic Exploration Directorate, ESTEC, Noordwijk, Holanda; – 3 Astronauta, Novespace, Paris, França; – 4 Centro Espacial CNES Guiana, Kourou, França; 5 ArianeGroup, Les Mureaux, França; – 6 Airbus Defense & Space, Toulouse, França; – 7 Airbus Defense & Space, Bremen, Alemanha – 8 Consultor, Paris, França; * Autor correspondente

Nota: Apesar de haver no meio aeroespacial europeu um grande número de profissionais trabalhando em tecnologias de voo espacial tripulado, a vontade de ter um programa espacial deste tipo, independente, sempre foi quase inexistente na Europa – no que tange aos governos. A última vez em que um (tímido) interesse governamental ocorreu foi na segunda metade da década de 1980, com o mini-shuttle Hermes, de desenho francês e participação do resto da Europa chegou a ser considerado e teve inclusive protótipos, simuladores e mock-ups construídos. O foguete Ariane 5 era parte deste esforço. Desde então, nenhum país europeu considerou seriamente ter acesso independente ao espaço. As poucas propostas que surgiram não foram além de apresentações e papers como este.

mini-shuttle Hermes

O uso do espaço evoluiu drasticamente nos últimos dez anos. O futuro trará acesso mais fácil e barato ao espaço, manutenção de satélites, fabricação em órbita, voos espaciais privados tripulados para um número cada vez maior de estações orbitais, voos em trajetorias para a Lua, asteróides, Marte. . . Parece fundamental ter certeza de que podemos contar com um acesso robusto, confiável, frequente e acessível para órbita terrestre baixa com sistemas automáticos e missões humanas; tais sistemas são os tijolos com os quais todas as operações futuras no espaço serão construídas. O acesso tripulado independente ao espaço pela Europa para os nossos astronautas é a chave para qualquer futuro no espaço. Foi estudado em profundidade desde os anos 80 com o Hermes Spaceplane, depois através de numerosos estudos, atividades de pré-desenvolvimento e demonstrações como o ARD, X38-CRV ou IXV, que agora permitem à Europa reconsiderar tal empreendimento com uma confiança muito maior. Trabalhamos durante um ano em todos os aspectos de um sistema de voo espacial tripulado europeu com o objetivo de ser lançado do Centro Espacial da Guiana. Seria uma adição lógica às novas infraestruturas orbitais em órbita baixa que, após a aposentadoria da ISS, já estarão em implantação por governos e entidades comerciais nos EUA, Rússia, China e Índia. Descobrimos que a Europa poderia desempenhar um papel muito específico, desenvolvendo um veículo “universal” capaz de visitar qualquer futura arquitetura em órbita terrestre baixa; seguindo a sua tradição histórica, a Europa estaria em condições de cooperar potencialmente com todos na órbita baixa! Nós avaliamos os vários tipos de veículos potenciais lidando com as técnicas de recuperação para casos de performances nominais e de aborto. O lançamento com um foguete Ariane 6 foi analisado em detalhes e um esforço particular foi dedicado à adaptação do Centro Espacial da Guiana. Um exame cuidadoso das tecnologias necessárias mostra que a indústria europeia está totalmente preparada e que a maioria dessas tecnologias está disponível. Em particular, mostramos a prontidão dos sistemas de classificação humana, baseados nos módulos pressurizados do ATV, o Orion ESM e a ISS. Mesmo que a capacidade exija um orçamento significativo, a questão é saber se a Europa pode ser deixada de lado no futuro. Tal programa seria um sinal positivo muito forte para as jovens gerações embaladas pelos feitos de nossos astronautas; daria objetivos de STEM motivadores para a próxima geração de alunos. Como grande potência espacial, é claramente estratégico para a Europa desenvolver o acesso tripulado independente ao órbita terrestre baixa no atual mundo multipolar.

 1. Introdução

Contexto

As questões associadas ao possível lançamento espacial tripulado do Centro Espacial Europeu da Guiana (CSG) cobrem uma vasta gama de domínio. Quais são as motivações, incluindo as políticas e sociais? Por que devemos trazer esse assunto de volta à mesa agora? Quais poderiam ser as soluções técnicas, para o lançador, para o veículo tripulado e para as instalações terrestres? Quais são as competências exigidas na Europa e qual é a disponibilidade tecnológica associada? Qual seria a estrutura de tais operações? Claro, quais são os custos e o planejamento associados e como motivar tal iniciativa?

Para responder a todas estas questões, um Grupo de Trabalho informal reuniu-se uma dúzia de vezes em 2020 a convite da Direção de Lançadores do CNES. Este grupo era composto por especialistas no domínio, com uma sólida formação e experiência anterior adequada, vindos de Agências (ESA Space Transportation Systems Directorate, ESA Human & Robotic Exploration Directorate, CNES Launcher Directorate, CNES Guiana Space Centre), Industriais (ArianeGroup e Airbus Defense and Space) e especialistas externos, ex-astronautas da ESA e ex- Diretores de Prospectiva do CNES. O objetivo deste grupo era identificar alguns cenários possíveis, descritos de ponta a ponta, e identificar as tarefas de consolidação necessárias a serem realizadas a curto prazo para demonstrar totalmente a viabilidade. Os resultados deste trabalho podem então ser usados como esqueleto para uma discussão a nível europeu. Nota importante: os capítulos seguintes são apenas ideias potencialmente úteis para embasar futuras discussões, mas não representam em nenhum caso uma proposta formal de programa, nem mesmo a posição formal das entidades que compõem este Grupo de Trabalho. É apenas um trabalho técnico que não prejudica qualquer desejo programático de caminhar para um vôo tripulado autônomo.

2 Motivações

2.1 Uso futuro de órbitas terrestres baixas

Uma grande mudança de paradigma nas operações espaciais está ocorrendo atualmente. Vemos inúmeros novos atores, para além dos tradicionais, institucionais ou privados, com um claro desejo de ocupação do espaço, para exploração, segurança (tanto civil como militar). O voo espacial tripulado desempenha um papel fundamental nestes desenvolvimentos. A Órbita Terrestre Baixa pode ser vista como um futuro centro de operações espaciais.

O número de aplicações potenciais iniciadas a partir da órbita baixa parece ilimitado: Manutenção em órbita, montagem orbital, reabastecimento para voo Lunar, Marte ou até missões de exploração mais distantes, bem como retorno desses destinos, para possíveis missões de mineração e de recuperação do material recolhido, Estações Solares Espaciais ou Disposição de Resíduos Nucleares, missões estudadas desde o início dos anos 60 que se beneficiariam de um “hub” em órbita baixa, uma zona de partida para missões de proteção planetária. Este “hub” órbita terrestre baixa poderia então se tornar a zona de partida e armazenamento para os “rebocadores espaciais” e “sistemas de transferência de órbita” avançados voltados para a manutenção no espaço. O anunciado fim das operações da ISS abre espaço para várias outras estações orbitais multiuso, ou mais geralmente uma nova infraestrutura em órbita, incluindo para turismo espacial. Este conceito de “hub” de órbita terrestre levanta as questões de sua acessibilidade do solo; deve haver acesso frequente, confiável e acessível à infraestrutura e retorno da órbita baixa, tanto para cargas quanto para missões tripuladas.

2.2 Autonomia europeia em voos espaciais tripulados

A Europa estará presente garantindo a acesso autônomo ao “hub” de órbita baixa, e desempenhando um papel importante nas ações cooperativas, como é feito hoje no âmbito da ISS por exemplo, mas incluindo missões de transporte. Caso contrário, existe um grande risco de que a Europa seja marginalizada como um poderio espacial do século XXI.

Os astronautas europeus se beneficiam atualmente de uma garantia de acesso ao espaço, graças a acordos internacionais, mas estes podem evoluir no futuro com o surgimento de voos privados; por exemplo, até hoje, 40% dos voos tripulados planejados com a SpaceX em sua Crew Dragon dizem respeito a voos privados, em caráter comercial.

A Europa deve completar a sua visão de longo prazo, para além dos seus planos atuais de médio e longo prazo, de forma a jogar no mesmo nível que os parceiros internacionais em órbita baixa e consolidar um lugar no conselho de cooperação internacional quando se discute as operações em órbita ; só então a Europa pode ser um parceiro importante na expansão pacífica da humanidade. Isso pode de alguma forma parecer altamente questionável sem uma capacidade de voo espacial tripulado autônoma, como é o caso da Rússia, EUA, China e, em breve, Índia. A inclusão da ambição europeia na totalidade do “grande quadro” em curso, exploração, operações orbitais, missões futuras, consolida a ideia de que o acesso ao órbita terrestre e à Lua é um pré-requisito para uma valiosa contribuição europeia.

O acesso ao “hub” de órbita baixa, tanto para cargas como para missões habitadas, parece ser o passo mínimo para continuar a desempenhar um papel a nível internacional.

Fig. 1. Ambiente orbital terrestre estruturado por hubs

2.3 Um movimento fundamental para os cidadãos europeus

Nota-se há vários anos a reação muito forte e positiva dos cidadãos (contribuintes) aos voos dos astronautas europeus. De fato, houve uma reação geral calorosa às missões da última equipe de astronautas europeus recrutada, inclusive em nível governamental; na França, os voos de Thomas Pesquet foram seguidos com entusiasmo por todas as categorias de cidadãos, inclusive os jovens; é exatamente igual para os demais países envolvidos, Itália, Alemanha, Reino Unido, Dinamarca, como já foi visto durante missões anteriores. Podemos acreditar que a atual “narrativa” pode ser muito fraca, tanto a nível político como público. Os comentários frequentes são “para que serve? O dinheiro poderia ser usado de uma maneira melhor,etc” e os papéis dos nossos astronautas são provavelmente insuficientemente explicados na Europa, em comparação com os EUA e Japão, por exemplo. Como exemplo, é importante apresentar Thomas Pesquet e seus colegas como um cientista de primeira linha, realizando um número grande de experimentos inovadores a bordo da ISS. Tais justificativas podem levar a um forte apoio, se associado ao aspecto “sonho”. A iniciativa proposta, se razoável em termos de custo e planejamento, poderia gerar um apoio geral muito forte, a nível político, reintegrando a posição da Europa, e a nível do público em geral, impulsionando desenvolvimentos tecnológicos, inovações, startups, visão STEM, perspectivas de trabalhos emocionantes, em domínios muito variados, por muito tempo. Gostamos de comparar com a visão que foi dada há algumas décadas com programas como Airbus, Ariane, High Speed Rail, Channel Tunnel etc. Este é o momento certo para a Europa renovar a sua ambição estratégica, incluindo autonomia e soberania. A Europa deve fazer parte de um “horizonte global” que impulsionará as indústrias, as empresas de serviços, etc num quadro geral de cooperação internacional.

Fig. 2. Astronautas europeus

3. Possibilidades de uma abordagem multilateral

O Grupo de Trabalho analisou inúmeras possibilidades de cooperação internacional, com ampla diversidade de parceiros, institucionais e privados. A Europa pode apoiar modelos de parceria muito diversos. Identificamos que poderia haver uma possibilidade interessante de co-desenvolvimento do sistema de cápsula com a Índia, por exemplo, com uma cápsula projetada e desenvolvida em conjunto, lançada tanto pelo Ariane 6 quanto pelo GSLV-MkIII. As discussões sobre uma possível cooperação com os EUA mostraram algum interesse potencial em torno de um programa conjunto baseado no veículo DreamChaser da Sierra Nevada Space, mas várias questões precisam ser esclarecidas para permitir tal cooperação.

 Dedicamos extensas análises sobre a potencial cooperação com a Rússia, mas elas não levaram a nenhum cenário crível; tecnicamente, a atual cápsula Soyuz exigiria modificações significativas para lidar com abortos no meio do Oceano Atlântico; estudamos um desenvolvimento conjunto do sistema Aryol com a parte russa desenvolvendo a própria cápsula e a parte europeia responsável pelo Módulo de Serviço e Propulsão, lançado no Ariane 6 de Kourou e no Soyuz-5 da Rússia, mas esses tipos de cenários não parecem viáveis com igualdade de condições entre os parceiros, principalmente considerando as regras de controle de exportação. Discutimos as possibilidades de cooperação com nossos amigos de longa data do Japão, mas, pelo que podemos observar, não há atualmente nenhum sinal de seu potencial interesse no domínio. Por último, também examinamos as possibilidades de cooperação com a China no desenvolvimento conjunto de um sistema de cápsulas, mas não parecia crível considerando o notável progresso já feito por nossos colegas chineses nos últimos anos.

4. Uma forte experiência europeia

É importante perceber que, apesar da atual falta de capacidade de voo espacial tripulado autônomo, a Europa adquiriu uma experiência impressionante no domínio. Numerosos estudos foram realizados no passado, como o Hermes é claro, o plano de avião espacial abandonado em 1993, mas também o X38-CRV (Crew Return Vehicle no quadro da ISS), parado unilateralmente pelos EUA em 2002, o ARD (Atmospheric Re-entry Demonstrator ) que efetivamente voou em 1998; Estudos aprofundados como CTV (Veículo de Transferência de Tripulação) e ARV (Veículo Reutilizável Avançado) também devem ser citados. Foi realizado um estudo aprofundado considerando o potencial uso do Ariane 5 ME para o lançamento da nave americana Orion, como um potencial back-up para missões órbita baixa; mais recentemente, o possível lançamento do Dream Chaser no Ariane 6 também foi estudado.

Com base nessa experiência, e em outros desenvolvimentos, podemos dizer que todas as tecnologias-chave estão disponíveis, e geralmente demonstradas, na Europa. Considere-se, por exemplo, as tecnologias de módulos habitáveis: Columbus, mais de 50% do volume pressurizado da ISS, Cygnus, Axiom, Lunar Gateway …, todos eles vêm da Thales Alenia em Torino, Itália. As proteções térmicas , incluindo designs muito inovadores, desde o Hermes (e antes) vêm da ArianeGroup em Bordeaux, e foram demonstradas em voo durante a reentrada do IXV (Intermediate eXperimental Vehicle – veículo experimental intermediário, que serviu de base para o Space Rider atualmente desenvolvido pela Avio) lançado em 2015.

 A autonomia orbital e capacidade de encontro foi demonstrada cinco vezes com a missão ATV (Veículo de transferência automatizado) desenvolvido pela Airbus Defense and Space; isso incluiu uma demonstração de total autonomia durante o quinto voo. O ATV foi o primeiro veículo automatizado europeu a realizar uma acoplagem com a ISS. Elementos-chave como o Módulo de Suporte, derivado do ATV, ou Módulo de Serviço, derivado do ESM desenvolvido pela Airbus Defense and Space, estão totalmente disponíveis, demonstrados, estão sendo desenvolvidos para a definição do Veículo de Transferência Cislunar (CLTV) e serão fundamental no desenvolvimento de um sistema de cápsula. A propulsão sólida potencialmente necessária para o LAS (Launch Abort System – sistema de aborto de lançamento) é muito bem dominada na Europa, seja qual for o tamanho, e não levantará nenhum problema específico.

No momento, a Europa não tem capacidade independente para transportar pessoas para o espaço e precisa usar sistemas americanos ou russos.

O Grupo de Trabalho, no entanto, identificou que algumas tecnologias ainda não foram demonstradas na Europa, como o traje espacial. Mas deve-se observar que o único traje necessário para os primeiros anos de operação é o traje IVA (Atividade Intraveicular), que é bastante simples, por exemplo, se derivado da aviação militar a jato; O de EVA (Atividade Extra Veicular) pode ser desenvolvido posteriormente, se necessário.

5. Compensações técnicas e soluções selecionadas

Uma ampla gama de soluções foi analisada; nem todos são apresentados aqui em profundidade por causa da extensão do artigo, mas eles são bastante abrangentes.

5.1 Nível de sistemas

A nível do sistema, trocamos a arquitetura, com soluções baseadas em cápsulas (como ARD, CTV, ARV…), lifting bodies (como os X38, IXV, Space Rider, Dream Chaser) ou veículos alados (como VIRO, Hermes). Esses sistemas podem ser concebidos como totalmente reutilizáveis ou com módulos de serviço e propulsão descartáveis. Um elemento importante é a seleção da estratégia de recuperação, tanto para casos nominais como de contingência, com os meios de recuperação associados; vários sistemas foram analizados, como para-foil, paraquedas, pouso alado ou retorno após a captura no ar.

5.2 Nível de subsistemas

As funções principais foram examinadas nos subsistemas, ou mesmo no nível do equipamento. Este foi o caso do LAS, que pode ser do tipo trator, de propulsão sólida (como era no Hermes ou é no New Shepard), líquida (como no Crew Dragon ou Starliner), torre de escape de propelente líquido ou de propulsão sólida (clássico nas Soyuz, Gaganyaan, Dream Chaser etc). Em termos de propulsão, a necessidade diz respeito à transferência orbital (como no ATV) e às funções do Sistema de Controle de Atitude, incluindo as necessidades de encontro e prevenção de colisão. Diversas “interfaces” de pouso também foram negociadas, tanto para casos nominais quanto para abortos, como pneus, patins, airbags, recuperação no ar). Analisamos os requisitos em termos de dispositivos de flutuação, caso o sistema caia no meio do oceano após uma contingência.

5.3 Solução pré-selecionada

Uma escolha técnica baseada em um sistema de cápsula, simples e robusto, foi escolhida como referência para estudos posteriores. É importante notar aqui que esta, obviamente, não é a escolha final, e que necessita de sérios estudos de pré-desenvolvimento e compensação, e o conceito pode muito bem evoluir no futuro; por exemplo, um sistema de pouso planado derivado do Space Rider também parece promissor. O sistema consistiria em uma cápsula recuperável e um Módulo de Serviço e Propulsão.

Haveria duas versões do mesmo tamanho desse veículo, primeiro uma versão de carga, que seria atualizada para um veículo tripulado em um segundo momento, como foi proposto no estudo ARV da Astrium, agora Airbus Defense & Space, em 2012, e que como recentemente feito pela SpaceX. O conceito geral de ARV é apresentado na figura 3, como um exemplo de solução típica.

Fig. 3. Exemplo de ARV (Airbus D&S)

O Módulo de Serviço e Propulsão seria derivado de do ATV, incluindo seu sistema de propulsão e ESM. Duas variantes são exibidas na figura, correspondendo a diferentes requisitos de alto nível. O LAS poderia ser um de propulsão sólido clássico, como nas Shenzhou ou Orion, a fim de reduzir os custos e riscos de desenvolvimento. Incluiria uma função de controle que permitisse pousar a cápsula em seu local de pouso nominal em caso de aborto. Um dimensionamento completo e detalhado de tal LAS foi realizado no Ariane 5 em 2009 e não apresentou dificuldade significativa.

5.4 Sistema de lançamento

O lançador de referência selecionado é o Ariane 6, nosso novo burro de carga, em sua versão A64 com 4 boosters sólidos ESR (Equipped Solid Rocket – Foguete Sólido Equipado).

 As interfaces geométricas detalhadas com o estágio superior do Ariane 6 ainda precisam ser estudadas, mas uma interface semelhante já foi baseada no Ariane 5ME sem nenhum problema específico identificado. O paralelo entre o Ariane 6 e todos os estudos anteriores conduzidos no Ariane 5 e no Ariane 5ME mostram que essa configuração é boa.

A Figura 4 mostra um estudo anterior feito no Ariane 5, e relembra a configuração geral do Ariane 6, para comparação. Ao olhar mais detalhadamente a comparação entre os dois lançadores, acreditamos que a configuração do Ariane 6 seria ainda mais segura do que a do Ariane 5. Os estágios possuem tanques separados, diminuindo o risco de mistura do propelente em caso de anomalia. Alguns pontos potencialmente críticos que levantaram preocupação no Ariane 5 não estão mais presentes, como a tubeira extensivel do motor do estágio superior Vinci.

Fig. 4. Ariane 5 (esquerda) e Ariane 6 (direita)

A resistencia a uma explosão de um Solid Rocket Booster é significativamente melhorada, já que os ESRs são monolíticos e muito menores do que os EAPs do Ariane 5 , levando a um fator de “visibilidade” muito reduzido, ou seja, uma probabilidade muito menor de impactar a cápsula. Existem inúmeros pontos comuns aos dois lançadores que devem ser analisados, mas todos os estudos detalhados realizados em torno do sistema de propulsão Vulcain não mostraram nenhuma modificação importante (ainda, redundâncias adicionais necessárias no sistema elétrico, também no isolamento da turbobomba, etc).

 É importante observar a abordagem geral de segurança aplicável ao sistema de lançamento. A confiabilidade da versão tripulada será conquistada através do grande número de voos acumulados na versão automática, levando-se em consideração também a experiência do Ariane 5 para subsistemas aplicáveis. Em seguida, a segurança dos astronautas é abordada através do dimensionamento do LAS; o estudo detalhado correspondente que foi realizado no Ariane 5ME para o lançamento da Orion é totalmente aplicável. Pode-se notar que esta estratégia geral, alta confiabilidade, a segurança abordada pelo LAS é aquela que estava adotado no Falcon 9.

5.5 Trajetórias preliminares

As trajetórias de voo preliminares, segundo a ArianeGroup, não demonstram inviabilidade, muito semelhantes às usadas para o ATV no Ariane 5.

A Figura 5 mostra o perfil de vôo típico, altitude versus distância para a plataforma de lançamento, para uma óbita de circular 283 km x 51,6 °.

 Fig. 5. Perfil de voo típico (ArianeGroup)
Figura 6 mostra o traçado de voo típico, latitude versus longitude, para a mesma trajetória.

Alguns eventos principais são indicados como T = 939 segundos, instante em que o ponto de impacto da cápsula não está mais sobre o oceano. Nessa trajetória, a aceleração máxima é de 4,5 g no final da fase de propulsão dos boosters ESR. As simulações foram feitas considerando um caso abortado a cada 50 segundos; o pior cenário leva a um nível de aceleração de 15,5 g durante 5s, que é considerado aceitável. Uma verificação simplificada da aplicação geral as cargas, ou seja, o dimensionamento mecânico do lançador, não apresentaram problemas. O desempenho total nesta configuração, nesta órbita, é de 21,9 toneladas, o que é bastante amplo; no entanto, existem várias iniciativas de melhoria de desempenho em andamento no Ariane 6, portanto, esse desempenho provavelmente poderia ser aumentado em 600 kg ou mais. Uma versão do Ariane 62 provavelmente seria suficiente.

6. Aspectos de infraestrutura de solo na Guiana Francesa

Visão geral das instalações do CSG (Centro Espacial da Guiana)

6.1 Mapa geral do Centro Espacial da Guiana

A Figura 7 dá uma visão geral das instalações do CSG (Centro Espacial da Guiana). Neste mapa, pode-se notar a Área de Voo da Tripulação no sudeste da zona e a próxima EPCU S5, edifício de Preparação de Carga Útil que foi construído para o ATV. No lado noroeste, o ELA-4 é a Zona de Lançamento do Ariane 6, e apenas ao Norte, a Zona de Pouso para o Space Rider também é exibida, para ser usada também como a zona de pouso nominal para o veículo da tripulação.

6.2 Instalações relacionadas no CSG

O princípio geral é, obviamente, tirar o máximo proveito das instalações existentes, beneficiando-se principalmente dos edifícios desenvolvidos para o ATV.

A Cápsula e o Módulo de Serviço serão preparados e integrados na EPCU S5 onde nenhuma modificação é esperada, pois o edifício está perfeitamente adaptado. Essas atividades de integração são realizadas em paralelo com a campanha do lançador. O conjunto da cápsula é então transportado ao Ariane 6 na Zona de Lançamento 4 em um trailer. A instalação do sistema da cápsula no topo do lançador é feita graças ao guindaste existente do Pórtico Móvel. O acesso à cápsula e ao Módulo de Serviço é feito graças às plataformas existentes; pode ser necessário ter uma adicional. A instalação do Launch Abort System é feita no momento mais tardio por motivos de segurança; isso também é feito graças ao guindaste do pórtico móvel. Provavelmente, uma das plataformas terá que ser adaptada para permitir o acesso às interfaces entre o LAS e a cápsula.

6.3 Cronologia final de lançamento

A cronologia final do lançamento inicia-se com a retração parcial do pórtico permitindo o início dos abastecimentos do propelente do lançador em ambiente não confinado (Figura 8). O gateway de acesso é então instalado entre o pórtico móvel e a cápsula. Ambos os estágios do lançador são abastecidos. Os astronautas podem então chegar à ELA-4. Eles usam o elevador do pórtico existente para alcançar a plataforma (PF9bis) e eles podem entrar na cápsula usando o gateway de acesso, conforme mostrado na figura 9.

Fig. 8 – retração parcial do pórtico
Figura 9 – braço de acesso (gateway) para astronautas. Quando a tripulação está no lugar e pronta para a decolagem, o portal de acesso é removido e o pórtico é completamente retraído.

 

Fig 10 – pronto para lançamento

A porta de acesso é dobrada ao longo da face frontal do pórtico (figura 10). Depois que todo o pessoal foi evacuado da área de lançamento, a sequência sincronizada pode começar até a decolagem do lançador. Nota importante: assim que a tripulação estiver no lugar, o LAS pode ser usado, mesmo com o pórtico móvel parcialmente retraído e com o gateway de acesso estendido (algumas reformas podem ser necessárias ).

 6.4 Caso de emergências

Em caso de evacuação de emergência, os astronautas podem utilizar um meio rápido de evacuação do tipo “montanha-russa”, instalado na lateral do pórtico móvel (conforme mostrado na figura 11). Os astronautas podem então chegar a uma sala de segurança localizada abaixo do pavimento da ZL-4 (abaixo da placa quadrada da figura 12).

Este aposento será protegido e adaptado de acordo. A tripulação aguardará com segurança a chegada de ajuda para evacuar.

Fig.11. Meios de evacuação rápida
Fig.12. Acesso à sala de segurança

6.5 adaptações na ELA-4

As modificações do ELA-4 parecem relativamente limitadas e clássicas. É necessário um portal telescópico e giratório, para permitir o acesso à cápsula a partir do pórtico móvel. Um sistema de evacuação rápida do tipo “montanha-russa” deve ser criado ao longo da fachada oeste do pórtico móvel. Algumas plataformas adicionais, móveis ou fixas, podem ser necessárias para acessar a cápsula, o módulo de serviço e o LAS.

Algumas adaptações da retração do pórtico, e a remoção do portal, devem ser otimizadas a fim de minimizar o número de pessoas na ZL-4 no final fase da cronologia de lançamento. Algumas novas interfaces dedicadas no solo específicas para a cápsula e o módulo de serviço devem ser criadas entre o lançador e o mastro umbilical. Por último, deve ser criada uma sala de segurança para os astronautas no pavimento da ZL-4. Deve-se notar que essas adaptações devem ser realizadas em paralelo às campanhas de lançamento do Ariane 6, portanto, o planejamento das atividades associadas pode ser um pouco complicado.

7. Um sistema multi-destino

Uma ideia surgiu rapidamente dentro do Grupo de Trabalho, a de um sistema “universal” capaz de visitar qualquer infraestrutura existente ou futura em órbita baixa. O lançamento de Kourou tem a grande vantagem de que qualquer inclinação orbital pode ser alcançada (uma vez verificados os aspectos de segurança de trajetória). A cápsula seria equipada com uma porta de acoplagem baseada no sistema europeu de acoplagem IBDM desenvolvido de acordo com o International Docking System Standard (IDSS). Tais sistemas, mostrados na figura 13, são aceitos por todas as principais agências espaciais para uso futuro.

Fig.13. Sistema europeu de engate / acoplagem Este sistema é andrógino, com deteção de força de contato e travamento magnético para captura; permite um encaixe de baixo impacto. Esta escolha pode colocar a Europa no centro da infraestrutura em órbita baixa.

Haveria evidência de uma vontade clara de fazer parceria com todos a nível internacional, com visitas a estações russas, americanas, chinesas, indianas ou privadas … Haveria um forte potencial para novas evoluções do sistema de cápsulas, por exemplo, levando a uma pequena Estação Autônoma Europeia, semelhante a um tipo de módulo visitável como o proposto Man Tended Free Flyer (MTFF) derivado do módulo europeu Columbus; todas as tecnologias são bem dominadas na Europa, e tal módulo poderia estar co-orbitando com uma estação maior. O sistema de cápsulas pode até ser visto como uma boa resposta à demanda muito alta atualmente por voos espaciais privados (comerciais). A Europa cooperaria com todos!

SpaceX deve lançar Falcon 9 com ‘carona compartilhada’ dia 28

Iniciativa comercial de baixo custo SmallSat Rideshare Program

O foguete Falcon 9 v1.2 FT Block 5 B1060.8 da SpaceX teve adiada a data de lançamento da missão Transporter 2 / SXRS-5. O foguete será lançado da Estação da Força Espacial de Cape Canaveral, CCSFS, plataforma de lançamento SLC-40, não antes de 28 de junho de 2021 às 18:56 horas UTC. O “core” de primeiro estágio do foguete descerá de volta para a Zona de Pouso 1, LZ1, na Flórida.

O foguete colocará suas cargas em uma órbita de altitude média de 500-600 km, sincronizadas com o sol.

Há uma área de queda extra para o foguete “core” na região de Nassau em caso de falha do motor de “boostback” (frenagem para retorno à Terra) ou separação do segundo estágio ou falha de ignição. A estimativa de recuperação da carenagem da cabeça está a 605 km do local de lançamento, na área sul ao norte de Cuba (Havana / ACC). A reentrada de destroços de segundo estágio deve ocorrer durante a segunda órbita na área ao norte das Ilhas Kerguelen.

O barco de recuperação de carenagem HOS Briarwood partiu de Port Canaveral para a missão Transporter-2, e está voltando para Miami, devido ao atraso na data de lançamento. Semelhante em tamanho ao Shelia Bordelon, o HOS Briarwood pode ser reservado como um “flotel” e apresenta um grande guindaste, juntamente a ampla área de convés suficiente para suportar duas metades de carenagem recuperadas.

A Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral (CCSFS) é uma instalação do lançamento da Força Espacial dos Estados Unidos “Delta 45”, localizada em Cabo Canaveral no Condado de Brevard, Flórida. Com sede na próxima Base da Força Espacial de Patrick, a estação é o local de lançamento principal para a Faixa Leste da Força Espacial com três plataformas de lançamento atualmente ativas (Complexos de Lançamento Espacial 37B, 40 e 41). A instalação fica ao sul-sudeste do Centro Espacial Kennedy da NASA, na adjacente Ilha Merritt, com as duas interligadas por pontes e estradas. A “Skid Strip” da Estação oferece uma pista de aeroporto de 3.000 m perto dos complexos de lançamento para aeronaves militares que transportam cargas úteis pesadas e grandes para o Cabo.

Falcon 9 v1.2 FT Block 5 B1060.8
Trajetória do lançamento, com o ‘core’ de primeiro estágio pousando em terra

Carona compartilhada

A empresa Spaceflight Inc. coordenará o lançamento, com um total de 36 satélites a bordo do foguete. Este gerente internacional para intermediar com clientes que desejam lançar seus satélites em missões agrupadas de baixo custo instalou três placas de montagem no seu adaptador de lançamento para ejetar 36 espaçonaves – compostas por seis microssatélites, 29 cubesats e uma “carga hospedada” fixa – de 14 organizações em sete países. A Spaceflight Inc. enviou a papelada da FCC constando têm dois ejetores de satélite “Sherpas”, Sherpa-FX2 e Sherpa-LTE1. Ambos irão ejetar as cargas úteis de seus clientes logo após se separarem do segundo estágio. O LTE-1 então testará o novo controle de atitude, comunicações UHF, eletricidade e sistemas de propulsão elétrica ao longo dos próximos meses, enquanto reduz sua órbita para 350 km.

Adaptador multi-lançamento

Para o Transporter-2, os “rebocadores espaciais” carregarão seis microssatélites, 29 nanosatélites ainda menores e a carga hospedada que permanecerá acoplada ao SHERPA em órbita.
A missão também representa a primeira vez que a empresa lançará dois veículos de transporte orbital (OTVs) diferentes e o lançamento do primeiro veículo de propulsão elétrica da empresa, o “SHERPA-LTE1”.
SHERPA é uma plataforma estabilizada de três eixos capaz de manobras em órbita destinadas a implantar pequenos satélites transportados como cargas úteis secundárias em lançamentos orbitais de rideshare. O SHERPA é integrado ao foguete como um adaptador padrão projetado para se encaixar nos foguetes da SpaceX Falcon 9, o Antares da Orbital Sciences Corp. e os Atlas V e Delta da United Launch Alliance. O dispositivo é separado do veículo de lançamento antes de qualquer ejeção de satélite. O SHERPA é um derivado comercial do “ESPA Grande ring” e foi desenvolvido e fabricado pela Andrews Space, uma subsidiária da Spaceflight Industries desde 2010, que foi apresentado à mídia em maio de 2012. A Spaceflight Industries fabrica o SHERPA em suas instalações em Tukwila, Washington.

“Dispensa” dos satelites em órbita

No topo do estágio final do foguete, o SHERPA deve ser separado do veículo de lançamento antes de qualquer ejeção ou “distribuição” de minissatélites, microssatélites, nanossatélites e cubesats. O SHERPA possui um sistema de propulsão especializado para colocar suas cargas em uma órbita diferente da órbita do satélite principal (se houver satélite principal) dentro da carenagem de cabeça do foguete. As variantes motorizadas são capazes de uma ampla capacidade de mudança orbital.

Sherpas LTE e FX2

No Sherpa-LTE1, está instalado um motor de propulsão elétrica usando propelente de xenônio da Apollo Fusion com um alto impulso específico para facilitar uma manobra eficiente necessária para mudanças orbitais de altitude e inclinação. O veículo oferece uma alternativa de baixo custo à compra de veículos lançadores de “injeção direta” e amplia a capacidade dos veículos lançadores de pequeno porte que estão atualmente em desenvolvimento para lançamentos em órbita baixa da Terra.

A Spaceflight Inc. está gerenciando o lançamento de espaçonaves de 14 organizações de sete países, incluindo:

Cargas úteis para Spaceflight Inc. : SXRS-5 com ejetor SHERPA-FX2 com 25 satélites: Astrocast (5 satélites), LEMUR (3 satélites), Hawk (3 satélites), Lynk-06, SpaceBee (12 satélites), PAINANI-2 e TagSat- 2 (aparafusado na estrutura SHERPA); com o SHERPA-LTE1 (até quatorze satélites): Shasta, Faraday Phoenix, Tiger-2, ARTHUR-1, LEMUR, Polar Vigilance KSF1 (quatro satélites), Tenzing, ICEYE (quatro satélites) e YAM-2

Segunda missão de ‘rideshare’ da Exolaunch

Exolaunch – Esta é a segunda missão de rideshare (carona compartilhada) dedicada do Programa SmallSat Rideshare e também a segunda de uma série de rideshares que a Exolaunch está usando o Falcon 9 como parte de um Acordo de Multi-lançamento que a empresa assinou com a SpaceX em 2020. A Exolaunch é um dos principais fornecedores de serviços de lançamento e transporte espacial no setor NewSpace, denominou sua campanha de lançamento “Fingerspitzengefühl” integrando 29 pequenos satélites do EUA, Europa e América do Sul a bordo da missão. Com uma massa combinada de quase uma tonelada, a empresa dobra sua capacidade de massa agrupada anterior da SpaceX para pequenos satélites, tornando a ‘Fingerspitzengefühl’ sua maior missão em termos de massa da carga útil até o momento. Esta também será uma das mais diversas missões de rideshare para a empresa elevando o número total de satélites lançados pelo Exolaunch para 170. No primeiro lançamento dedicado da SpaceX em missão rideshare Transporter-1 no início deste ano, a Exolaunch lançou trinta satélites contratados. Para cada lançamento do Falcon 9 reservado por meio do acordo de múltiplos lançamentos com a SpaceX, a Exolaunch garante um gerenciamento abrangente de missões compartilhadas, integração de satélites e serviços de implantação para seus clientes. O grupo de carona compartilhada “rideshare” da Exolaunch inclui cargas úteis com tecnologias avançadas para internet das coisas (IoT), Observação da Terra e aplicações científicas, e satélites de seus clientes internacionais, como Loft Orbital, NanoAvionics, ICEYE e TU Berlin. A Exolaunch também está fornecendo equipamentos de vôo, sistemas de separação e serviços de integração para ajudar os quatro microssatélites da Satellogic nesta missão. Esta tem sido a missão mais exigente e tecnicamente sofisticada da Exolaunch. Para esta missão, a Spaceflight Inc. está usando toda a sua linha de produtos: quatro adaptadores EXOport, dez CarboNIX, sistemas de separação e dois ejetores de cubesats tipo EXOpod. A Spaceflight Inc. trabalhou com toda a capacidade do ESPA Ring para colocar uma tonelada de cargas úteis usando apenas a tecnologia Exolaunch.
Para maximizar a capacidade de carga útil e o custo-benefício para seus clientes desta missão, o Exolaunch usará sua recente tecnologia, EXOport, um adaptador multissatélites flexível projetado “para acomodar de maneira ideal microssatélites e cubesats em uma única porta Falcon 9 ESPA”. A empresa também utilizará seus sistemas de separação comprovados em voo – CarboNIX, o sistema de separação sem choque de próxima geração para microssatélites, e o EXOpod, ejetor de cubesats avançado da Exolaunch com meia década de herança de voo, para ejetar os satélites de seus clientes na órbita-alvo.

Ejetor CarboNIX
Ejetor EXOpod

Cargas úteis para a Exolaunch Fingerspitzengefühl (29 satélites): YAM-3, TUBIN, D-2 / AtlaCom-1 (“vários satélites”), XR-2 e ICEYE

Descrição de algumas cargas a serem lançadas:
Arthur da Aerospacelab
HawkEye Cluster 3 da HawkEye 360 ​​Inc.
Faraday Phoenix da In-Space Missions Limited
Conjunto da Missão de Vigilância Polar de quatro satélites para o Espaço Kleos
YAM-2 para Loft Orbital
Shannon da Lynk Global Inc.
TagSat-2 para NearSpace Launch Inc.
TIGER-2 5G IoT da OQ Technology
Tanker-001 Tenzing para Orbit Fab
Aurora da Orbital Sidekick Inc.
LEMUR-2 para Spire Global
SpaceBEES da Swarm Technologies
Nanosatélites IoT da Astrocast

TUBIN , satélite de tecnologia da Universidade Tecnica de Berlin

O objetivo da missão Arthur da Aerospacelab Risk Reduction Flight é colocar em serviço uma carga ótica de alta resolução, obter herança de voo para o equipamento desenvolvido internamente e verificar a capacidade de manobrar a espaçonave graças ao Sistema de Micropropulsão da ExoTrail.

Dispensador da EXO Launch

HawkEye 360 Cluster 3: O lançamento do Cluster 3 expande a constelação de satélites de próxima geração do HawkEye 360, que detecta e faz geolocalização os sinais de radiofrequência. Os satélites Cluster 3 são capazes de coletar uma quantidade maior de dados em uma porção mais ampla do espectro de RF, criando percepções valiosas e acionáveis ​​para a conscientização do domínio marítimo, segurança nacional, proteção ambiental e muito mais. O chamado “Cluster 3” terá a designação “Aquela época do ano”, e a órbita do alvo é de 500-600 km, órbita síncrona do sol.

HawkEye 360
HawkEye 360

Faraday Phoenix: da In-Space Missions Limited são especialistas de classe mundial que projetam, constroem e operam missões físicas e digitais personalizadas a partir de seus escritórios no Reino Unido.

Faraday Phoenix

Conjunto de quatro satélites da Missão de Vigilância Polar do Espaço Kleos: Os quatro satélites da Missão de Vigilância Polar transmitirão dados de observação da Terra por radiofrequência.

Kleos

YAM-2 da Loft Orbital: O satélite da Loft Orbital está equipado para várias atividades para clientes comerciais e governamentais.

O YAM-3, outro satélite de teste da Loft Orbital de 83 kg de massa, sem sistemas de propulsão

YAM-3

Shannon: A missão de Lynk, da Lynk Global Inc., é oferecer conectividade global onipresente para telefones e dispositivos celulares não modificados. O satélite também conhecido como Lynk 06.

Satélite TagSat-2: O TagSat-2 da NearSpace Launch Inc. é construído pela NearSpace para fornecer telemetria ininterrupta enquanto hospeda cargas úteis para testes experimentais.

TagSat-2

TIGER-2 5G IoT da OQ Technology: A missão TIGER-2 é a segunda missão da OQ Technology que visa iniciar o serviço comercial fornecendo conectividade 5G IoT global para clientes que usam um satélite 6U de alta potência e para garantir frequências estratégicas. A missão carrega duas cargas úteis de telecomunicações: a carga útil primária fornecerá serviços IoT e M2M baseados em satélite usando baixas frequências, e a carga útil secundária demonstrará a viabilidade de usar altas frequências para links de rádio 5G.

TIGER-2

Tanker-001 Tenzing da Orbit Fab: o primeiro depósito de combustível operacional da Orbit Fab fornecerá propelente para a empresa de manutenção em órbita em rápido crescimento.

Tanker-001 Tenzing

Aurora da Orbital Sidekick Inc.: Tecnologias comerciais usando imagens hiperespectrais baseadas no espaço. A Astro Digital construiu e está operando o satélite para a Orbital Sidekick. Esse Orbital Sidekick Aurora Satellite é um aparelho de teste de 22,5 kg dos futuros seis satélites GHOSt classe ESPA de 100 kg com lançamento previsto para 2022. É um provedor de serviços de lançamento com sede em Seattle.

Aurora da Orbital Sidekick Inc.

LEMUR-2 da Spire Global Inc.: Os satélites LEMUR-2 coletam dados da Terra para fornecer alguns dos mais avançados rastreamento marítimo, aéreo e meteorológico do mundo. O LEMUR – 2 também oferece suporte a software hospedado e cargas úteis por meio do Spire Space Services.

LEMUR-2

SpaceBEES da Swarm Technologies: os satélites 1 / 4U da Swarm são os menores satélites de comunicações comerciais bidirecionais do mundo e são usados ​​para fornecer conectividade global de baixo custo para dispositivos IoT remotos.

SpaceBEES

Astrocast – A Astrocast Network planeja “constelações de nanosatélites abrangentes”, para empresas de IoT que procuram monitorar ativos remotos. Desde o lançamento bem-sucedido de dois satélites-piloto em 2018 e 2019, a empresa aumentou significativamente a potência e o desempenho de seus nanossatélites. Os nanossatélites Astrocast de hoje têm 100 vezes mais velocidade de comunicação e armazenamento a bordo. A Astrocast Network também oferece: comunicações de baixa latência do ativo até a sede; espectro global da banda L; terminais de ultra-baixa potência com antenas patch de baixo perfil; comunicações bidirecionais; propulsão de satélite para evitar detritos no espaço; Além disso, sua tecnologia Astronode S é duas a três vezes mais barato do que os terminais IoT de satélite bidirecionais convencionais. A Astrocast continuará a aumentar esta constelação com quinze satélites adicionais em dois lançamentos ainda este ano.

Astrocast
Astrocast sendo instalado no dispensador

A Tecnology University of Berlin está focada em Educação e Pesquisa na área de pequenos satélites, rovers, e foguetes de sondagem vai lançar seus microssatélites TUBIN (TUBiX-20 e TUBSAT-27) nesta missão.

Quatro satélites ICEYE do tipo radar de abertura sintética (SAR) são do tipo 6U foram integrados junto com os Kleos também estarão a bordo do foguete.

Começa a rotina na estação espacial chinesa

Astronautas instalam rede de wi-fi a bordo

Astronautas Tang Hongbo, Nie Haisheng e Liu Boming a bordo do módulo central TianHe

Uma das primeiras coisas que os astronautas chineses fizeram no dia seguinte à chegada à estação orbital Tiangong foi instalar um ponto de acesso wi-fi. Isso foi relatado na sexta-feira passada pela China Central Television.
Segundo a mídia, eles concluíram a tarefa pela manhã quase imediatamente após se levantarem. Agora, os taikonautas podem entrar em contato com o centro de controle da missão, bem como falar com familiares e entes queridos de qualquer lugar da estação.
O módulo-base Tianhe está equipado com os equipamentos de áudio e vídeo necessários, bem como recursos de comunicação de Internet de alta velocidade. Em seu tempo livre de trabalho e experimentos científicos, os astronautas podem ouvir música, jogar, assistir filmes e televisão ao vivo, enviar fotos, vídeos e mensagens de texto para parentes, amigos e colegas.
A estação também está equipada com algumas funções de uma casa “inteligente”: as tripulações podem utilizar dispositivos móveis para regular a iluminação em diferentes compartimentos e até aquecer remotamente os alimentos no microondas da cozinha.
No momento, o complexo espacial é composto pelo módulo-base TianHe, a nave de transporte Shenzhou-12 e o cargueiro TianZhou-2.

Nave de transporte Shenzhou-12, módulo-base TianHe e o cargueiro TianZhou-2

Rússia deve lançar satélite militar no fim do mês

Decolagem de Plesetsk deve colocar um veículo Pion-NKS em órbita

Satélite Pion-NKS

O lançamento de um foguete Soyuz-2.1b, com um satélite de detecção por radar para o Ministério da Defesa da Rússia, está previsto para 25 de junho. É o que afirma a mensagem do Ministério dos Recursos Naturais e Proteção Ambiental da República de Komi, divulgada quinta-feira passada. “Em 25 de junho de 2021, um foguete Soyuz-2 será lançado do cosmódromo de Plesetsk. O lançamento ocorrerá no interesse da defesa e segurança do país. As datas de lançamento reservas foram marcada para 26, 27, 28 de junho, 29 e 30, 2021 “, disse o anúncio. Conforme especificado pelo ministério, durante o lançamento está planejado o uso da área que cobre as regiões Izhma e Ust-Tsilemsky para serem isoladas porque nelas os estágios do foguete deverão cair durante o lançamento. Tais áreas foram declaradas temporariamente perigosas para o período de 25 a 30 de junho.

A espaçonave, um Pion-NKS (14F139, veículo nº 901), de 6.500 kg, é projetada para conduzir observação radar e rádio-técnica de objetos terrestres, escuta em várias faixas de rádio da ionosfera e do espaço próximo à Terra. A órbita média de trabalho é de 500 km. O satélite deverá ser colocado em uma órbita com inclinação de 67 graus, que é suposta para os veículos do tipo Pion-NKS (a mesma inclinação dos satélites Lotos que também fazem parte da constelação Liana). O Pion é equipado com um sistema de radar 11V521 construído pela fábrica Vega em Moscou e está em desenvolvimento há mais de 15 anos. A carga útil de radar é montada no chassi do satélite pela Mashinostroitel’nyy zavod Arsenal (Fábrica de construção de máquinas MZ Arsenal), uma unidade de produção afiliada ao bureau de projetos KB Arsenal. A MZ Arsenal também faz a montagem os satélites Lotos-S1, que usam o mesmo chassi do Pion-NKS. Esse chassi, por sua vez, é construído pela fábrica Progress em Samara. É essencialmente o mesmo chassi que a Progress usou para o satélite de sensoriamento remoto Resurs-DK.

Foguete Soyuz 2.1b

“Para garantir a segurança da população, de 21 a 24 de junho, funcionários do Ministério de Recursos Naturais de Komi, em conjunto com representantes do cosmódromo de Plesetsk, farão um voo de inspeção pré-lançamento sobre a área da queda ” O ministério também organizou a notificação da população, órgãos territoriais de órgãos executivos federais na república, instituições estatais, autarquias locais, órgãos públicos e empresas.

Zonas de exclusão cobrem as regiões Izhma e Ust-Tsilemsky

Módulo russo Nauka em preparação em Baikonur

O módulo foi integrado ao adaptador que o ligará ao foguete e à coifa de cabeça

A fase final de preparação de pré-lançamento do módulo-laboratório polivalente MLM-U Nauka começa no predio de montagem e teste n.º 254 do cosmódromo de Baikonur. Hoje, 21 de junho de 2021, uma equipe da Roskosmos (e da RKK Energia) fizeram a junção do Nauka ao compartimento de adaptador (PkhO) do terceiro estágio do veículo lançador Proton-M.

Este compartimento faz parte da “cabeça espacial” e fornece a conexão mecânica do módulo com a carenagem , bem como sua conexão elétrica com o sistema de controle de bordo do foguete.

De acordo com o cronograma padrão, após a finalização dos trabalhos de integração, será realizada a pesagem do módulo, para que os especialistas procedam à montagem final da ogiva espacial e às operações de abastecimento dos tanques do módulo. O Nauka é o novo módulo de pesquisa do segmento russo da Estação Espacial Internacional, desenvolvido pela RKK Energia juntamente com a M.V. Khrunichev, a fim de expandir a funcionalidade do segmento russo da ISS.

Roskosmos: Krikalev volta a ter posto-chave

Reviravolta na decisão polêmica

Sergei Krikalev

Sergei Krikalev, que anteriormente fora rebaixado a conselheiro do diretor-geral da Roskosmos, continuará a trabalhar como diretor executivo para programas espaciais tripulados da empresa estatal. O fato foi noticiado hoje, segunda-feira, 21 de junho, pelo serviço de imprensa da Roskosmos.

“Sergei Konstantinovich Krikalev continuará a trabalhar como diretor executivo de programas espaciais tripulados da Roskosmos”, observou o serviço de imprensa. Conforme especificado, esta decisão foi tomada “levando em consideração a experiência e as competências de Krikalev” após sua reunião com o diretor-geral Dmitry Rogozin.

Em 11 de junho, a Roskosmos disse à agência noticiosa TASS que as questões da cosmonáutica tripulada foram transferidas para a gestão do diretor executivo da Roskosmos para programas futuros, Alexander Bloshenko. Em seguida, a estatal explicou que o ex-cosmonauta e Herói da União Soviética e da Federação Russa, que anteriormente atuou como diretor executivo para programas tripulados, fora nomeado conselheiro do diretor geral.

Foguete para a Progress MS-17 sendo preparado em Baikonur

Cargueiro deverá ser lançado em 30 de junho

De acordo com a programação técnica do cosmódromo de Baikonur no programa de lançamento do veículo de transporte de carga Progress MS-17, o ciclo de montagem mecânica do conjunto (quatro ‘boosters’ B,V,G e D do primeiro estágio e bloco central ‘A’ do segundo estágio) do foguete Soyuz-2.1a, número de série V15000-043, foi completado.

Soyuz-2.1a, número de série V15000-043

O trabalho teve a presença de especialistas de subsidiárias da estatal Roscosmos – o Centro Espacial Yuzhny (filial do Centro de Operação de Instalações de Infraestrutura Espacial Terrestre, TsENKI) e centro de foguetes espaciais Progress. A montagem do “pacote” foi realizada no edifício de montagem e teste (MIK) do local nº 31 de Baikonur. O próximo estágio da preparação é conduzir testes elétricos, hidráulicos e pneumáticos dos sistemas do foguete.

Progress MS-17, veículo número de série 446

O lançamento do Soyuz-2.1a com a espaçonave Progress MS-17 (veículo tipo 11F615A61 número de série 446) está programado para lançamento em em 29 de junho próximo às 23h27h UTC a partir do complexo de lançamento do local nº 31 do cosmódromo. A acoplagem ao módulo Poisk da a Estação Espacial Internacional está prevista para 2 de julho, por volta das 01:02: 16 UTC.

EVA-75

Astronautas continuam a ampliação do sistema elétrico da estação espacial

O astronautas Shane Kimbrough da NASA e Thomas Pesquet da Agência Espacial Européia fizeram uma “caminhada no espaço” (a EVA-75, ‘extravehicular activity’). Foram seis horas e 28 minutos para continuar a instalação e extensão do primeiro de seis novos painéis solares ISS Out Solar Arrays (iROSA) para ajudar a fornecer eletricidade a Estação Espacial Internacional. Os dois astronautas saíram da câmara de ar do módulo Quest às 08:42, hora de Brasília, 11:42 UTC .

Shane Kimbrough da NASA e Thomas Pesquet da ESA
Os astronautas saíram ao espaço através do módulo Quest

A dupla já havia instalado o conjunto iROSA 2B em seu suporte de montagem durante uma atividade extraveicular em 16 de junho.
Durante a atividade extraveicular, Kimbrough e Pesquet trabalharam na extremidade esquerda da estrutura de treliça da estação (segmento P6, ou “truss segment P6”) para instalar e desenrolar o primeiro dos dois rolos iROSA que irão aumentar a capacidade do canal de energia 2B da P6.

Os astronautas estavam equipados com os auxilos de atividade extraveicular SAFER

Os dois arranjos solares do iROSA foram desdobrados e estendidos depois que os astronautas verifivaram pontos de atrito e interferência mecânica, com a inserção de pinos de alinhamento sob aplausos do controle de missão em Houston, Texas.

Em determinado momento, a montagem de lanternas e câmeras (Extra-Vehicular Mobility Unit Camera Assembly) instalada no capacete de Kimbrough se soltou, o que exigiu que Pesquet improvisasse um fio de arame de retenção preso com um mosquetão se segurança, para manter o aparelho sobre o capacete do colega. Às 11:34 de Brasilia, a cerca de cinco minutos para o “por-do-sol” na órbita, Pesquet e Kimbrough, com sua câmera e luzes do capacete amarradas, prosseguiram com as conexões elétricas entre o iROSA e o canal de energia P6 / 2B. Os astronautas também instalaram um cabeamento para o segmento russo e instalou um roteador wi-fi na treliça.

Os astronautas usaram ferramentas desenhadas para funcionar no vácuo, em especial a PGT, ou pistol-grip tool. Essa ferramenta de pistola de punho funciona da mesma forma que uma furadeira regular, com uma bateria que se encaixa no cabo, só que tem uma grande tela de informações onde o usuário pode alterar a velocidade e o torque (entre menos de 1.35 Nm e 51.5Nm e entre 5 e 60 rpm). A broca foi projetada para girar lentamente mas ainda assim produzir torque suficiente para soltar parafusos e porcas.

Astronautas usam a ferramenta pistol-grip tool
Ferramenta PGT usada na estação espacial internacional

Antes que o novo painel pudesse ser estendido e começar a fornecer energia para o laboratório orbital, os dois precisaram instalar os cabos elétricos e configurar dois mecanismos para permitir que o painel solar o desenrole em sua posição totalmente estendida. Com a extensão concluída no domingo, Kimbrough e Pesquet farão para uma terceira caminhada no espaço para começar a trabalhar no segundo grupo de painel solar, iROSA 4B- este no canal de energia 4B da mesma treliça P6, para instalação e extensão. Os problemas da EVA anterior (EVA-74), no mostrador e no sublimador de Kimbrough, no iROSA, junto com problemas na montagem do equipamento de modificação consumiram muito tempo. Na atividade anterior, os astronautas não conseguiram abrir e desenrolar o iROSA como planejado. A EVA-75 se concentrou nas tarefas não completadas anteriormente.

Dois rolos do IROSA prontos para serem estendidos durante a atividade extraveicular

Esta foi a 240ª EVA para montagem e manutenção da estação espacial. Pesquet foi o ‘membro da tripulação extraveicular 1’ (EV 1), com listras vermelhas em seu traje espacial EMU, enquanto Kimbrough foi o ‘membro da tripulação extraveicular 2’ (EV 2) com um traje sem listras. Esta foi a oitava “caminhada no espaço” para Kimbrough e a quarta para Pesquet. O tempo total das EVAs na estação agora é de 1.512 horas e 56 minutos.

Painéis estendidos fotografados pelo cosmonauta Oleg Novitskiy
Pontos de trabalho na treliça até chegar à ‘P6 Truss’; os canais de cablagem elétrica 4B e 2B estão na extremidade

O conjunto dos novos paines solares chegaram à estação na espaçonave de carga SpaceX Dragon CRS22 como parte da 22ª missão comercial de serviços de reabastecimento para a estação. Em 10 de junho, os operadores do Centro de Controle da Missão no Centro Espacial Johnson da NASA usaram o braço-robô Canadarm2 da estação para extrair os painéis solares do compartimento vazado do Dragon em preparação para a instalação.

Os novos painéis solares irão aumentar a área dos existentes, que estão funcionando bem, mas começam a mostrar sinais de esperada degradação , pois operaram além de sua vida útil projetada de 15 anos. O primeiro par de painéis solares foi estendido em dezembro de 2000 e alimenta a estação há mais de 20 anos.

Anexar o iROSA ao Beta Gimbal Assembly original permite o uso de rastreamento solar existente, distribuição de energia e cablagem
iROSA instalado na frente do painel solar original. Sombreando aproximadamente dois terços dos paineis originais e conectadas ao mesmo sistema de energia para aumentar o fornecimento existente ; a parte não sombreada do original permanece ativa

Esses astronautas chegaram para uma missão de seis meses na estação em 24 de abril com a missão SpaceX Crew-2 da NASA a bordo da nave Crew Dragon C206 Endeavour.

Telescópio Hubble colocado em ‘modo de espera’ por problema de computador

“Ainda não há um cronograma definitivo de quando o aparelho será testado e trazido de volta ao status operacional”, disse a equipe de operações do Hubble

O Hubble , que em 2020 marcou seu 30º ano em órbita, interrompeu as operações no domingo (13 de junho) logo após as 20:00 GMT , após o surgimento de problemas com um dos computadores do telescópio .

Os controladores da NASA continuam a trabalhar no sistema de memória de computador com defeito , que interrompeu as operações por quase uma semana. Um computador de carga útil parou de funcionar em 13 de junho, disse a agência em um comunicado no dia 16 . Os engenheiros especularam que o computador, usado para gerenciar as operações dos instrumentos científicos do Hubble, não funcionou corretamente devido a um módulo de memória degradado, colocando os instrumentos em um modo seguro. A agência disse na época que trocaria um módulo de memória de backup naquele dia e, após cerca de um dia de testes, reiniciaria os instrumentos e retomaria as observações científicas.

No entanto, em um comunicado no dia 18 , a agência disse que os esforços para mudar para um módulo de memória de backup falharam porque “o comando para iniciar o módulo de backup falhou ao se completar”. Uma tentativa de restaurar o computador com o módulo de memória original e a unidade de backup também falhou. A NASA não deu detalhes sobre as próximas etapas que serão executadas para corrigir o problema, afirmando apenas que a equipe de operações “executará testes e coletará mais informações sobre o sistema para isolar ainda mais o problema.” Os próprios instrumentos e o resto do telescópio permanecem com boa saúde. O computador de carga útil é um sistema dos anos 1980 que pode usar qualquer um dos quatro módulos , cada um contendo 64 kilobytes de memória semicondutora de óxido metálico complementar. Um computador reserva também está disponível.
No domingo, o computador principal do telescópio parou de receber sinais do computador de carga útil e enviou uma mensagem de erro ao sistema de solo , que alertou a equipe de operações de que algo estava errado, disse a equipe. “A análise indicou que o erro foi provavelmente devido a um problema de degradação da memória. A memória pode degradar com o tempo devido a anos de exposição à radiação no espaço. Problemas como este são esperados, razão pela qual existem módulos de memória reserva”, acrescentaram . O computador que parou de funcionar no domingo é uma maquina que controla os instrumentos científicos do observatório como parte do módulo de Controle de Instrumentos Científicos e Manuseio de Dados do telescópio. O módulo foi substituído pela vez durante a última missão de manutenção ao observatório em 2009. O computador de carga útil é um sistema NASA Standard Spacecraft Computer-1 (NSSC-1) construído na década de 1980. “O computador de carga útil é da década de 1980, quando o Hubble foi projetado e construído. Como todo hardware de espaçonave, o ambiente hostil do espaço pode prejudicar sua eletrônica. É por isso que existem módulos de memória de backup e também um computador de carga útil de backup a bordo para a qual podemos mudar se necessário “, escreveram os membros da equipe de operações no e-mail. Depois que o telescópio foi ‘desligado’ no domingo, o computador principal colocou automaticamente todos os seus instrumentos em modo de segurança e, na segunda-feira (14 de junho), membros da equipe do NASA Goddard reiniciaram o computador de carga útil que causou o desligamento. No entanto, após a reinicialização, o computador teve os mesmos problemas que causaram o problema inicial. A equipe de operações está “atualmente no processo de troca de módulos de memória a bordo da espaçonave”, disse a equipe. Depois que esse processo for concluído e veículo tiver sido totalmente testado, ele retomará as operações normais.

O NSSC-1 tem um conjunto de harware assembler / loader / simulador hospedado num mainframe Xerox XDS 930 (24 bits). Um simulador associado funciona a 1/1000 em tempo real. O computador Xerox é conectado a um breadboard OBP de placa de ensaio em um rack, e inicialmente operava em condições de temperatura ambiente. Mais tarde, a Instalação de Desenvolvimento e Validação de Software (Software Development and Validation Facility – SDVF) acrescentou um simulador de vôo dinâmico hospedado em um minicomputador PDP-11/70 . Um NSSC-1 Flight Executive projetado especificamente foi desenvolvido e usado também na Solar Maximum Mission (SMM) e voos subsequentes. É tempo dividido em tarefas em 25 ms. Ele inclui um processador de comando armazenado que controla os comandos de tempo absoluto e relativo. Inclui um buffer de status que pode ser monitorado pelo solo. Exige muita memória, normalmente mais da metade da disponível, deixando o resto para aplicativos e sobressalentes.

Esta não é a primeira falha técnica do Hubble, lançado há 31 anos e cuja última manutenção por um space shuttle ocorreu há 12 anos. No início da vida do telescópio, os cientistas encontraram um erro no sistema de controle de apontamento e problemas com a forma de seu espelho principal. A primeira missão de serviço foi lançada para trabalhar no telescópio em 1993, e as missões para o Hubble continuaram a ser lançadas durante o programa do space shuttle . Nessas missões, os astronautas trabalharam em muitas questões, incluindo a substituição de baterias e os giroscópios que permitiram ao Hubble apontar continuamente para seus alvos. O Hubble também superou problemas mais recentemente. . Em março, um problema relacionado a um “aprimoramento” de software recentemente carregado no telescópio colocou o veículo em ‘modo seguro’ por vários dias. Um giroscópio com defeito deixou o telescópio offline por três semanas em outubro de 2018.

“Supondo que esse problema seja corrigido por meio de uma das muitas opções disponíveis para a equipe de operações, o Hubble deve continuar produzindo descobertas surpreendentes até o final da década de 2020 ou além”, disse a equipe de operações do Goddard Space Flight Center da NASA em Maryland ao site Space.com em um e-mail. No entanto, “ainda não há um cronograma definitivo de quando isso será concluído, testado e trazido de volta ao status operacional”, acrescentaram.

SpaceX pode fazer teste hipersônico com o SN16

Exemplar de teste pode ser elevado a estágio de teste de voo

por Eric Ralph (com correções e adaptações do Homem do Espaço)

Os protótipos SN são a base do desenvolvimento do sistema Starship/Superheavy da SpaceX, destinado a transportar mais de 100 toneladas em órbita com retorno e reutlização do segundo estágio

Em resposta a um relato da Teslarati sobre o aparente transporte do protótipo Starship SN16 para um hangar de armazenamento para veículos inativos, o CEO da SpaceX, Elon Musk, disse que o veículo ainda pode ter uma chance de voar.

Em 16 de junho, os técnicos da empresa transferiram o SN16 para fora da baia alta (high bay, ou prédio de montagem e testes de maior volume) da fábrica em Boca Chica pela primeira vez desde que o foguete foi montado em sua altura total. Medindo 9 metros de diâmetro, 50 m de altura e cerca de 100 a 200 toneladas métricas sem estar abastecido, a SpaceX moveu cuidadosamente o foguete do complexo de montagem para um lote parcialmente pavimentado próximo, juntando-se ao SN15 para uma aparente aposentadoria.

Enquanto o SN15 teve seus três motores Raptor desinstalados e foi removido de uma das duas mesas de lançamento suborbital algumas semanas atrás, apesar de Musk sugerir um que um possível novo vôo (reflight, ou seja, nada mais que ‘voar de novo’, nos neologismos em voga) está no futuro do foguete, nem Musk ou a SpaceX confirmaram que o único Starship em tamanho real comprovado em voo foi efetivamente aposentado.

“Podemos usar SN16 em um teste de vôo hipersônico”- Elon Musk (@elonmusk), em 17 de junho

Três semanas depois de ter sido transportado para lá, o Starship SN15 ainda está conectado a um gerador elétrico, cablagem de telemetria associada e a um suprimento de gás, o que implica fortemente que a SpaceX continuará a manter o veículo pressurizado com nitrogênio. Isso pode significar apenas que a empresa deseja garantir que essa pedra angular da história das Starship ‘sobreviva’ até que um expositor adequado permanente possa ser instalado, mas também pode implicar que o desejo de manter a opção de um novo vôo disponível por enquanto.

16 de junho. Este é o local para o qual a Starship SN16 está se dirigindo:  pic.twitter.com/jHeO6wZK9S– RGVAerialPhotography (@RGVaerialphotos) 

Agora, horas depois que o SN16 foi transportado para a mesma área e totalmente fora do terreno esquerdo, o Musk disse que a SpaceX “pode usar o SN16 em um teste de vôo hipersônico”. Até agora, nenhuma Starship voou mais rápido do que algumas centenas de milhas por hora e os protótipos com três motores de alta altitude pareceram realmente atingir suas velocidades máximas enquanto em queda livre sem propulsão – após o vôo motorizado, em outras palavras. Mesmo um vôo supersônico básico seria um novo ‘território’ para o foguete.

O uso da palavra “hipersônico” por Musk implica que esse teste de voo hipotético do SN16 alcançaria uma velocidade pelo menos cinco vezes a velocidade do som (cerca de 1700 m/s, ou 6.120 km/h) – pelo menos uma magnitude mais rápido do que o protótipo mais rápido. Com base no comentário do CEO da SpaceX, também pode-se presumir que a Starship poderá atingir velocidades hipersônicas com sua própria propulsão – e provavelmente apenas com três motores Raptor instalados.

Starship SN16, 28 de maio. foto Elon Musk

Em última análise, dado que Musk também afirmou que o Starship SN15 “pode” ser lançado uma segunda vez, é impossível avaliar a probabilidade de que o SN16 algum dia seja usado num “teste de vôo hipersônico” ou que faça qualquer tipo de teste em voo. Embora tal voo fosse sem dúvida espetacular, o protótipo provavelmente precisaria de uma semana ou mais de preparação e testes na plataforma de lançamento suborbital, atividades que exigiriam que os funcionários evacuassem a área e, assim, atrasasse diretamente o trabalho na plataforma de lançamento orbital da SpaceX.

China lança três satélites Yaogan-30-09

Satélites de inteligência eletrônica foram acompanhados de um minisatelite para Internet das Coisas

Longa Marcha 2C CZ-2C nº Y48

O foguete Longa Marcha 2C CZ-2C nº Y48 lançou com sucesso três satélites da série “Yaogan 30”, os Yaogan-30-09 para sensoriamento remoto (Yaogan-30 significa “Sensoriamento Remoto 30”). Às 14h30 de 18 de junho, horário de Pequim, o foguete CZ-2C foi lançado no Centro de Lançamento de Satélites Xichang, enviando os satélites do grupo 09 para a órbita programada. Os satélites de Yaogan 30 Grupo 09 são usados ​​principalmente para detecção eletromagnética.

O objetivo não é confirmado, embora as reportagens apontem para uma missão SIGINT (signals intelligente, inteligência militar por detecção de sinais), especialmente para detectar navios por suas emissões de rádio. São também conhecidos como CX-5 pelo fabricante.
De acordo com relatórios estrangeiros, todos os lançamentos rotulados como “satélites de sensoriamento remoto” são geralmente aparelhos militares chineses. Este lançamento é o nono da série atual. De acordo com a declaração oficial unificada, “os satélites adotam um modo de rede multi-satélite, que é usado principalmente para realizar a detecção do ambiente eletromagnético e testes técnicos relacionados.” Essas afirmações são vagas e, podem disfarçar seu uso militar, e o chamado teste de ambiente eletromagnético é útil para fins militares. Num grupo de 3 satélites, cada um pode ter uma tarefa, sendo um responsável por vigilância electromagnética, um pelo reconhecimento óptico e o outro responsável de rastreamento infravermelho, para detectar alvos marítimos. Observadores acreditam que todas os satélites “Sensoriamento Remoto 30” são provavelmente parte da estratégia de anti-acesso / negação de área (A2 / AD) da China. Seu principal objetivo é rastrear e monitorar os principais navios do exército dos EUA em portos, e em navegação.Todas as informações sobre trajetórias e destinos orbitais, especialmente as operações navais dos Estados Unidos na faixa do Pacífico-Índico, são exibidas com precisão na rede de informações do quartel-general do comando chinês. Quanto ao modo de rastreamento integrado da China, incluindo eletromagnético, óptico e infravermelho, supõe-se que seja capaz até de detectar caças stealth das forças armadas dos EUA. O objetivo seria tornar o Exército Popular de Libertação preparado para uma batalha às portas da China. Os satélites ficam espaçados de 120 ° em suas órbitas.

Satélites Yaogan-30

O desenvolvedor dos Yaogan-30 é o Centro de Pesquisa de Microssatélites (Instituto de Inovação de Microssatélites – IIAM) da Academia Chinesa de Ciências de Shangai. O nome oficial do desenvolvedor é Chuangsin-5 (创新 五号 卫星, Chuàngxīn wǔ hào wèixīng – CX-5). Com os satélites lançados hoje, o Instituto de Inovação de Microssatélites já produziu e lançou sessenta e nove aparelhos, colocados em órbita por 36 lançamentos.

A bordo do foguete também estava um micro-nano satélite Tianqi-14 (Tiānqǐ xīngzuò) foi projetado para retransmitir informações a usuários de vários dispositivos no sistema IoT – Internet das Coisas. O satélite é um cubeSat tipo 6U, contruído pela AIVT por encomenda da Companhia de Ciência e Tecnologia de Alta Tecnologia de Pequim Godian (Běijīng guódiàn gāokē kējì yǒuxiàn gōngsī), cujo lançamento foi agendado pela Expace.

Tianqi-14

Este foi o 375º lançamento da série de foguetes Longa Marcha, em seus vários modelos.

Fonte Xinhua

Russos poderão ir à estação orbital chinesa

Estão sendo feitas declarações sobre a possibilidade

A Roskosmos russa está estudando a proposta da China de enviar cosmonautas russos à estação orbital chinesa, mas negociações concretas ainda não começaram, disse Sergei Krikalev, assessor do chefe da estatal à Interfax.

Estação espacial Tiangong chinesa, na sua configuração completa

“Os chineses estão convidando profissionais de todo mundo para trabalhar para eles, mas até agora não houve um conversa real”, disse Krikalev durante a conferência espacial GLEX2021. Ele também lembrou que para essas missões será necessário usar um substituto para a nave russa Soyuz. “Não chegaremos à estação deles em nossa nave, portanto deve haver outro esquema. Para o qual não há negociações concretas ainda”, acrescentou. Esta nova espaçonave seria a Aryol, que está sendo desenvolvida pela Rússia para transportar até quatro cosmonautas em voos orbitais terrestres e também com possibilidade de missões lunares.

Espaçonave Aryol

Anteriormente, o chefe da Roskosmos, Dmitry Rogozin, anunciou a negociação do envio de cosmonautas russos para a estação orbital chinesa.

Foguete Falcon 9 lança GPS III-05 para a Força Espacial americana

Satélite de navegação militar foi colocado em órbita

A SpaceX lançou na quinta-feira, 17 de junho, o foguete Falcon 9 FT v1.2 Block 5 B1062.2 com o satélite GPS III – 05 (GPS III Space Vehicle 05) do Complexo de Lançamento 40 na Estação da Força Espacial do Cabo Canaveral na Flórida. O satélite foi colocado em trajetória que o levará à sua altitude operacional, numa órbita terrestre média a uma altitude de aproximadamente 20.200 km. O plano previa duas ignições do motor Merlin Vac do segundo estágio para a colocação do satélite na órbita-alvo. O foguete pesou cerca de 567.990 kg na decolagem, desenvolvendo cerca de 775.700 kgf de empuxo inicial.

Lançamento e área de pouso do ‘core’ de primeiro estágio
Área de queda do segundo estágio

O GPS-III-SV05 pesa aproximadamente 4.311 kg, o mesmo que os GPS-III-SV03 e GPS-III-SV04. Cada satélite GPS-III está equipado com um único sistema de propulsão de apogeu LEROS-1, bem como painéis solares duplos para fornecimento de energia elétrica.

Lançamento do Falcon 9 B1062.2 com o GPS III-SV-05

O GPS III-05, ou SVN-78 / PRN-11, substituirá o SVN-61 / PRN-28 no plano orbital “D” no ‘slot’ D1. O SVN-61 será reformulado para otimizar sua posição no plano D.

Satélite GPS III-05

A constelação é atualmente composta por cerca de 31 satélites , o mais antigo dos quais datando do final dos anos 1990 e início dos anos 2000. Na época, eles eram a tecnologia de ponta – e mesmo com uma vida útil de original de 7,5 anos, eles ainda fornecem serviços hoje. Em 2008, a Força Espacial contratou a Lockheed Martin para projetar e construir um bloco totalmente novo de satélites GPS – o GPS III – para modernizar a constelação com novas tecnologias e recursos avançados, e atender às necessidades militares de mitigação ameaças à infraestrutura de posicionamento.

Esses novos satélites não representam apenas uma “atualização” do modelo existente – eles são, na verdade, um design totalmente novo e o satélite GPS mais poderoso já construído. O novo modelo oferece precisão três vezes maior e proteção anti-obstrução até oito vezes maior. Ele também tem um novo sinal civil L1C, compatível com outros Sistemas Globais de Navegação por Satélite (GNSS) – como o Galileo da Europa – permitindo mais conectividade para o usuário civil no futuro.

O GPS III também foi criado com um design modular para que novas tecnologias e recursos possam ser adicionados conforme mudanças de tecnologia ou novas necessidades de missão surgissem. A Lockheed equipou-se para atender a essa tarefa, e a Força Espacial concedeu à empresa um contrato para dez satélites GPS III de próxima geração – e mais tarde um contrato adicional para até 22 satélites GPS III Follow On (GPS IIIF), um modelo ainda mais avançado.

Falcon 9 FT v1.2 Block 5

O ‘core’ do primeiro estágio do Falcon 9 B1062.2 anteriormente fez o lançamento do GPS III – 04. Após a separação, a SpaceX pousará esse primeiro estágio do Falcon 9 na barca-drone “Just Read the Instructions”, que estará localizada no Oceano Atlântico. O rebocador Finn Falgout está rebocando a balsa-drone. Desde 16 de junho, os dois navios estão na zona de pouso, a cerca de 642 quilômetros de distância de porto Canaveral. O GO Quest, navio de apoio da balsa, também está estacionado próximo.

Nesta missão, um novo navio da frota de recuperação oceânica da SpaceX será usado, o HOS Briarwood, que tentará recuperar as metades da carenagem do Falcon 9 depois que elas caírem no Oceano Atlântico. Semelhante em tamanho ao Shelia Bordelon, o HOS Briarwood pode ser reservado como um “flotel” e apresenta um grande guindaste, juntamente ampla área de convés suficiente para suportar duas metades de carenagem recuperadas.

Eventos do lançamento até a entrada em órbita

h / min / s

00.00.00 Decolagem
aprox. 00:01:12 Max Q (máximo de tensão dinâmica no foguete)
00:02:32 Corte do motor principal do 1º estágio (MECO)
00:02:35 1º e 2º estágio separados
00:02:43 Ignição do motor do 2º ​​estágio
00:03:27 Carenagem descartada
00:06:18 Queima de reentrada começa para o 1º estágio
00:08:07 Corte do motor do 2º estágio (SECO)
00:08:34 Pouso do 1º estágio
01:03:35 Motor do 2º estágio é reiniciado
01:04:19 Corte do motor do 2º estágio (SECO-2)
01:29:20 Liberação do GPS III – 05

SpaceX lançará GPS III-05 hoje

Satélite de navegação militar americano

Satélite GPS III-05

A SpaceX programou para quinta-feira, 17 de junho, o lançamento do seu foguete Falcon 9 FT v1.2 B1062.2 da missão GPS III – 05 (GPS III Space Vehicle 05) do Complexo de Lançamento Espacial 40 na Estação da Força Espacial do Cabo Canaveral na Flórida. A janela de lançamento de 15 minutos abre às 12h09 EDT, 16h09 UTC, e uma oportunidade reserva de lançamento está disponível na sexta-feira, 18 de junho, com uma janela de 15 minutos abrindo às 12h05 EDT, 16h05 UTC .

Falcon 9 B1062.2

O GPS III-05, ou SVN-78 / PRN-11, substituirá o SVN-61 / PRN-28 no plano orbital “D” no ‘slot’ D1. O SVN-61 será reformulado para otimizar sua posição no plano D. O GPSIII-4 / SVN77 / PRN-14, lançado em 5 de novembro de 2020, foi considerado operante 2 de dezembro seguinte substituindo o SVN-44 / PRN-28 em B3. O SVN-44 / PRN-28 foi movido para a posição GLAN 31.64 (Geographic Longitude of the Ascending Node, Longitude Geográfica do Nó Ascendente) para otimizar sua posição dentro do plano orbital B. Em 10 de novembro de 2020, o SVN-46 foi movido para um status de reserva, tornando o PRN-11 disponível para uso no SVN-78. O SVN-46, lançado em 7 de outubro de 1999, tem atuado como um “Iron Bird” [*] no plano orbital D e tem servido com sucesso aos usuários de GPS do mundo por mais de vinte anos. Tal marca é mais de 12 anos além de sua vida útil projetada, tendo operacionalmente ultrapassado (e em muitos casos, superado) muitos de seus similares em órbita.

O GPS-III-SV05 pesa aproximadamente 4.311 kg, o mesmo que os GPS-III-SV03 e GPS-III-SV04. Cada satélite GPS-III está equipado com um único sistema de propulsão de apogeu LEROS-1, bem como painéis solares duplos para fornecimento de energia elétrica.

A constelação é atualmente composta por cerca de 31 satélites , o mais antigo dos quais datando do final dos anos 1990 e início dos anos 2000. Na época, eles eram a tecnologia de ponta – e mesmo com uma vida útil de original de 7,5 anos, eles ainda fornecem serviços hoje. Em 2008, a Força Espacial contratou a Lockheed Martin para projetar e construir um bloco totalmente novo de satélites GPS – o GPS III – para modernizar a constelação com novas tecnologias e recursos avançados, e atender às necessidades militares de mitigação ameaças à infraestrutura de posicionamento.

Esses novos satélites não representam apenas uma “atualização” do modelo existente – eles são, na verdade, um design totalmente novo e o satélite GPS mais poderoso já construído. O novo modelo oferece precisão três vezes maior e proteção anti-obstrução até oito vezes maior. Ele também tem um novo sinal civil L1C, compatível com outros Sistemas Globais de Navegação por Satélite (GNSS) – como o Galileo da Europa – permitindo mais conectividade para o usuário civil no futuro.

O GPS III também foi criado com um design modular para que novas tecnologias e recursos possam ser adicionados conforme mudanças de tecnologia ou novas necessidades de missão surgissem. A Lockheed equipou-se para atender a essa tarefa, e a Força Espacial concedeu à empresa um contrato para dez satélites GPS III de próxima geração – e mais tarde um contrato adicional para até 22 satélites GPS III Follow On (GPS IIIF), um modelo ainda mais avançado.

Falcon 9 B1062.2

O ‘core’ do primeiro estágio do Falcon 9 B1062.2 anteriormente fez o lançamento do GPS III – 04. Após a separação , a SpaceX pousará esse primeiro estágio do Falcon 9 na barca-drone “Just Read the Instructions”, que estará localizada no Oceano Atlântico. O rebocador Finn Falgout está rebocando a balsa-drone. Desde 16 de junho, os dois navios estão na zona de pouso, a cerca de 642 quilômetros de distãncia de porto Canaveral. O GO Quest, navio de apoio da balsa, também está estacionado próximo.

Nesta missão, um novo navio da frota de recuperação oceânica da SpaceX será usado, o HOS Briarwood, que tentará recuperar as metades da carenagem do Falcon 9 depois que elas caírem no Oceano Atlântico. Semelhante em tamanho ao Shelia Bordelon, o HOS Briarwood pode ser reservado como um “flotel” e apresenta um grande guindaste, juntamente ampla área de convés suficiente para suportar duas metades de carenagem recuperadas.

[*] Um iron bird – “pássaro de ferro” – é uma gíria que se refere a qualquer dispositivo de teste usado para prototipar e integrar sistemas de aeronaves (ou espaçonaves) durante o desenvolvimento de novos projetos. Os sistemas são instalados no ‘pássaro de ferro’ para que suas funções possam ser testadas tanto individualmente quanto em correlação com outros sistemas.

Eventos do lançamento até a entrada em órbita

h / min / s
aprox. 00:01:12 Max Q (máximo de tensão dinâmica no foguete)
00:02:32 Corte do motor principal do 1º estágio (MECO)
00:02:35 1º e 2º estágio separados
00:02:43 ignição do motor do 2º ​​estágio
00:03:27 Carenagem descartada
00:06:18 queima de reentrada começa para o 1º estágio
00:08:07 corte do motor do 2º estágio (SECO)
00:08:33 pouso do 1º estágio
01:03:35 motor do 2º estágio é reiniciado
01:04:19 Corte do motor do 2º estágio (SECO-2)
01:29:20 Liberação do GPS III – 05

Nave Shenzhou-12 acopla-se com a estação espacial chinesa

Primeira ocupação tripulada do ‘complexo espacial Tiangong’ começou

Imagens mostram os sistemas de engate com suas escotilhas no momento do acoplamento – CGTV

A nave espacial Shenzhou 12 concluiu com sucesso suas manobras orbitais e às 15:54 hora de Pequim, de hoje, 17 de junho de 2021, foi acoplada à porta de engate frontal do módulo principal Tianhe em um “modo de aproximação e acoplamento autônomo rápido”. A nave espacial usou um sistema de radar de microondas, alvos visuais alinhados a câmeras de alta resolução 3D e telêmetro a laser para fazer o alinhamento e aproximação final até o encaixe.

A Shenzhou, o módulo TianHe e a espaçonave de carga Tianzhou-2 acopladas juntas formam uma combinação de três ‘cabines’, como chamam os chineses, e todo o processo de encontro e acoplagem levou cerca de 6 horas e meia. Este é o primeiro encontro e acoplamento com uma espaçonave tripulada após o lançamento do módulo Tianhe em órbita. De acordo com o plano da missão, os três astronautas da Shenzhou 12 – Nie Haisheng, Liu Boming and Tang Hongbo – entrarão no módulo principal Tianhe.

Simulação do engate da nave
Vídeo descrevendo o processo de acoplamento da nave

O conjunto dos três aparelhos forma um complexo espacial de aproximadamente 42,5 toneladas e cerca de 150 metros cúbicos de espaço interno. O módulo-base TianHe tem três cabines privadas e um banheiro. Os taikonautas irão configurar os sistemas da estação para modo tripulado e começar a descarregar os pacotes com suprimentos e equipamentos que foram acondicionados tanto no TianHe como no cargueiro Tianzhou-2. A China lançou a Tianzhou-2 em 29 de maio e a nave de carga acoplou em Tianhe no dia seguinte.

O engenheiro de voo Tang Hongbo comemora a acoplagem bem-sucedida com um ‘drink’ de água
Complexo espacial formado pela Shenzhou-12, o módulo-base TianHe e a nave de carga TianZhou-2

Como foi o encontro das naves

A espaçonave Shenzhou 12 fez seis mudanças de órbita usando seus motores principais e seus propulsores auxiliares, usando uma aproximação de quatro voltas em torno da Terra.


Esta aproximação e o encontro final (‘rendezvous’) duraram 6,5 horas.
O ponto-alvo de aproximação estava a 50 km do módulo TianHe. A nave aproximou-se “por trás” da estação e fez um circulo de aproximadamente 45 metros de raio em torno da estação, alinhando-se com a porta de engate andrógina dianteira radial do TianHe.

O sistema de engate andrógino da Shenzhou é do tipo ‘ativo’, pois tem um anel de captura e amortecimento extensível, e o dispositivo andrógino do TianHe é do tipo ‘passivo’, com um anel idêntico, só que girado 60 graus.

Isso acontece para que os dentes e travas de ambos (que são idênticos) se encaixem um no outro (daí a denominação andrógina) e a seguir a tarefa de puxar as duas naves para engatarem é feita pelo sistema hidraulico da nave tripulada.

Este sistema consiste de três grupos de macacos hidráulicos eletricamente controlados. Por fim, o colar externo de ambos os veículos se alinha e encaixa, formando as conexões eletricas, de dados e hidropneupáticas.

Imagens da câmeras remotas durante o acoplamento

China lança nave Shenzhou-12 com três astronautas para sua estação orbital

Será a primeira tripulação da estação chinesa

O lançamento foi às 09:22:27 hora de Pequim – foto Xinhua

A nave espacial Shenzhou-12 foi lançada hoje com o comandante Nie Haisheng , o engenheiro-primeiro operador Liu Boming e o engenheiro-segundo operador Tang Hongbo. O lançamento ocorreu às 01: 22: 31.693 UTC (dia 16 às 01: 22: 31.693 de Brasília), do Centro de lançamento de Jiuquan, da plataforma LC-91/43, pelo foguete Longa Marcha CZ-2F/G nº Y12. A espaçonave, que pesa cerca de de 8.130 kg, entrou numa órbita inicial de perigeu de 200,0 km, apogeu de 347,9 km com período orbital de 89,85 min e inclinação de 41,344°; A espaçonave segue uma trajetória de voo de 6 horas, com previsão de quatro órbitas até o acoplamento com o módulo TianHe da estação espacial chinesa.

Tang Hongbo, Nie Haisheng e Liu Boming

Os três astronautas da Shenzhou ficarão no espaço por três meses. O objetivo do vôo é testar as principais tecnologias para a construção e operação da estação espacial chinesa em órbita, anunciou o Escritório do Programa Espacial Tripulado da China hoje, quarta-feira. A equipe reserva foi composta por Zhai Zhigang, Wang Yaping e Ye Guangfu.

Decolagem
Nave Shenzhou-12
Espaçonave liberada do segundo estágio do foguete

Os astronautas (ou taikonautas, como tambem são chamados) farão duas atividades extraveiculares para “montagem de uma plataforma de ferramentas externa, instalação de câmera panorâmica e de conjuntos extras de bombas”. A instalação de uma câmera panorâmica pode auxiliar nos trabalhos externos durante atividades externas, inspeção do estado geral do casco e observação de relocação dos futuros módulos do complexo. A natureza dessas bombas não foi especificada, mas podem estar relacionadas ao sistema pneumático, hidráulico ou ao circuito de trocador de calor do complexo espacial. Também foi anunciado que as naves tripuladas chinesas deverão pousar em território próximo ao centro de lançamento de Jiuquan ao invés do usual local na Mongólia Interior. O pouso do Shenzhou-12 está planejado para a localidade de Dongfeng, perto do espaçoporto, em vez Sizhi Wang Hoshun, na região autônoma da Mongólia Interior. Em Dongfeng está organizado um serviço permanente de busca e resgate, que permite, se necessário, gerenciar uma aterrissagem de emergência.

Nie Haisheng, 56 anos

Nie Haisheng, de nacionalidade Han, natural de Zaoyang, Hubei, membro do Partido Comunista da China, tem doutorado. Nascido em setembro de 1964, alistou-se no exército em junho de 1983, ingressou no Partido Comunista em dezembro de 1986 e serviu como capitão da brigada de astronautas do Exército de Libertação do Povo Chinês em junho de 2014. Atualmente é astronauta de classe especial da brigada de astronautas, com o posto de major-general em tecnologia profissional. Atuou como piloto diretor do comando de um regimento da Aeronáutica. Com 1.480 horas de voo, foi classificado como piloto de primeira classe da Força Aérea. Em janeiro de 1998, foi selecionado como o primeiro grupo de astronautas chineses. Em setembro de 2003, foi selecionado como astronauta reserva para a missão Shenzhou 5. Em outubro de 2005, realizou a missão Shenzhou-6. Em novembro do mesmo ano, foi agraciado com o título honorário de “Astronauta Heróico” pelo Comitê Central do Partido Comunista da China, pelo Conselho de Estado e pela Comissão Central das Forças Armadas, e foi premiado com a “Medalha Meritória Aeroespacial”. Em maio de 2008, foi selecionado como astronauta reserva para a missão Shenzhou 7. Em março de 2012, foi selecionado como astronauta reserva para a missão Shenzhou 9. Em junho de 2013, ele executou a missão Shenzhou 10. Em julho do mesmo ano, foi agraciado com a “Medalha Meritória Aeroespacial Secundária” pelo Comitê Central do Partido Comunista, o Conselho de Estado e a Comissão Militar Central. Em dezembro de 2019, foi selecionado como comandante da tripulação da Shenzhou 12.

Liu Boming, 54 anos

Liu Boming, de nacionalidade Han, natural de Yi’an, Heilongjiang, membro do Partido Comunista da China, tem mestrado. Nasceu em setembro de 1966, alistou-se no exército em junho de 1985 e ingressou no Partido em setembro de 1990. Atualmente é astronauta de classe especial da Brigada de Astronautas do Exército de Libertação do Povo Chinês, com patente de major-general. Serviu como líder de esquadrão de uma divisão da Força Aérea e tem 1.050 horas de voo catalogadas. Ele foi classificado como piloto da Força Aérea de primeira classe. Em janeiro de 1998, foi selecionado como o primeiro grupo de astronautas. Em junho de 2005, selecionado como parte da tripulação reserva da missão Shenzhou 6. Em setembro de 2008, realizou a missão Shenzhou 7. Em novembro do mesmo ano, foi agraciado com o título honorário de “Astronauta Heróico” pelo Comitê Central do Partido Comunista, pelo Conselho de Estado e pelas Forças Armadas, sendo premiado com a “Medalha Meritória Aeroespacial”. Em dezembro de 2019, foi selecionado para a tripulação da Shenzhou 12.

Tang Hongbo, 45 anos

Tang Hongbo, nacionalidade Han, natural de Xiangtan, Hunan, membro do Partido Comunista, tem mestrado. Nascido em outubro de 1975, alistou-se no exército em setembro de 1995, ingressou no Partido Comunista em abril de 1997 e atualmente é astronauta de segundo nível da Brigada de Astronautas do Exército, com patente de coronel. Serviu como capitão de divisão e regimento da Força Aérea, voou 1159 horas e foi classificado como piloto de primeira classe da Força Aérea. Em maio de 2010, foi selecionado como o segundo grupo de astronautas. Em maio de 2016, foi selecionado como astronauta reserva para a missão Shenzhou 11. Em dezembro de 2019, foi selecionado para a tripulação da Shenzhou 12.

Detalhes da tripulação, segundo a emissora CGTN chinesa
Configuração da estação espacial chinesa com a Shenzhou-12 acoplada ao compartimento de engate frontal do módulo-base TianHe; na traseira está a nave de carga TianZhou-2
Nave Shenzhou-12 (Shén Zhōu shí èr) durante a montagem
Foguete ‘Shenjian’ CZ-2F/G Y12

O foguete Longa Marcha 2 F/G (Changzheng 2 F/G, apelidado de “Shenjian” (flecha divina), abreviado como CZ-2F/G ou LM-2F/G) é desenvolvido pela Academia Chinesa de Tecnologia de Veículos de Lançamento. Baseado no foguete Longa Marcha 2F (por sua vez baseado no Longa Marcha 2E), teve seus sistemas aperfeiçoados para atender aos requisitos das missões espaciais tripuladas para melhorar a confiabilidade e garantir a segurança.

O foguete consiste em quatro boosters propulsores auxiliares, um foguete de estágio central (ou primeiro estágio), e um segundo estágio – todos usando propelentes líquidos (tetraóxido de nitrogênio e dimetil hidrazina assimétrica); Inclui uma carenagem de cabeça envolvendo a nave espacial e uma torre de escape. O foguete tem um fator de confiabilidade de 0,97. Pela primeira vez, o foguete adota o modo preparação “triplamente vertical”, com montagem vertical, teste vertical e transporte vertical.

O foguete Longa Marcha 2 F original foi desenvolvido desde 1992. Foi lançado pela primeira vez em 19 de novembro de 1999 e enviou com sucesso a primeira espaçonave experimental da China, Shenzhou-1, ao espaço. Depois de vários lançamentos bem-sucedidos da série Shenzhou e das transmissão ao vivo da CCTV, ele se tornou a “estrela” da série Longa Marcha. Este foguete da Shenzhou 12 foi produzido em 24 de abril de 2019, e desde então passou por uma série de testes e checagens.

O foguete CZ-2F original tinha um comprimento total de 58,34 metros, com diâmetro do primeiro e do segundo estágios de 3,35 metros, enquanto o diâmetro dos boosters é de 2,25 metros, o diâmetro de carenagem de 3,8 metros e uma massa de decolagem de 479,8 toneladas. Pode colocar uma carga útil de 8,4 toneladas em perigeu de 200 km e apogeu 350 km, em órbita baixa da Terra com inclinação de 42 °. O modelo básico do Longa Marcha 2 F lançou com sucesso as espaçonaves “Shenzhou 1” a “Shenzhou 7” em voos bem-sucedidos. Em 25 de setembro de 2008, a configuração original foi usada pela última vez e a produção foi descontinuada.

No Longa Marcha No. 2 F aprimorado, em uso atualmente foram feitas modificações no Longa Marcha 2 F, conhecido como Changzheng 2 F Modificado (CZ-2F / G), substituindo o modelo básico. É usado para lançar as espaçonaves Shenzhou desde a Shenzhou 8. A massa de lançamento desse modelo atual é de cerca de 493 toneladas, enquanto as dimensões permaneceram as mesmas para o modelo que lança a nave tripulada. (Uma carga útil de 8,8 toneladas pode ser colocada em órbita baixa da Terra com um apogeu de 200 quilômetros, um apogeu de 350 quilômetros e uma inclinação de 42 °.) Na decolagem, os motores produzem 604.387 kgf de empuxo.
Quando usado em missões não tripuladas, é chamado de “modelo T” – CZ-2F/T. Por exemplo, ao lançar as mini-estações espaciais Tiangong-1 e Tiangong-2. A parte superior originalmente elipsóide dos tanques de de propelente foi alterada para um formato cônico, com um volume maior de armazenamento de propelente; O foguete usa uma unidade inercial equipada com sensores a laser com redundância dupla.

Eventos de lançamento

  • -3s – ignição
  • 00 s – decolagem
  • 12s – giro para alcançar o azimute de trajetória
  • 120s – separação da torre de escape
  • 154,8s – Separação dos boosters
  • 159s – Desligamento do primeiro estágio
  • 159.5s – Separação do primeiro estágio e acionamento do segundo estágio
  • 212.5s – Descarte da carenagem
  • 463,1s – Desligamento do motor principal do segundo estágio
  • 582.1s – Desligamento dos motores de controle de atitude do segundo estágio
  • 585.1s – Separação da nave espacial

EVA-74

Astronautas iniciam a ampliação do fornecimento de energia para a estação espacial

O astronauta da NASA Shane Kimbrough e o da Agência Espacial Européia, Thomas Pesquet, fizeram uma atividade extraveicular (EVA) de pouco mais de sete horas, a partir do módulo Quest da Estação Espacial Internacional hoje, quarta-feira 16 de junho. Sua tarefa foi instalar e estender o primeiro de seis novos grupos de painéis solares “ISS Roll-Out Solar Array – iROSA” para ajudar a fornecer energia a estação. A instalação foi concluída, mas a extensão dos painéis não foi feita, devido a problemas técnicos que atrasaram os trabalhos. A cobertura ao vivo da caminhada espacial começou na TV da NASA, no site da agência e no seu aplicativo a partir das 6h30 EDT, com os membros da tripulação programados para colocar seus trajes em energia de baterias próprias por volta das 8h, determinando o início da atividade. Durante a caminhada espacial de mais de sete horas (a 7 horas e 15 minutos de atividade eles já estavam de volta á cãmara de descompressão do Quest), Kimbrough e Pesquet trabalharam na extremidade esquerda da estrutura de treliça (truss) da estação (treliça ‘P6’) para adaptar o canal de energia 2B com a instalação e extensão do pacote iROSA.

Esta foi a 239ª caminhada no espaço em apoio à montagem da estação espacial. O tempo total das EVAs na estação agora é de 1.506 horas e 28 minutos.

Pesquet foi o tripulante extraveicular 1 (EV 1), com listras vermelhas em seu traje espacial EMU (Extravehicular Mobility Unit) e a câmera de capacete ‘helmetcam‘ 20 , enquanto Kimbrough foi o extraveicular 2 (EV 2), com um traje EMU sem fita de identificação e helmetcam 22. O Canadarm2 foi usado para manobrar o pacote iROSA no lugar, comandados de dentro da estação pela astronauta americana Megan McArthur com o astronauta Mark Vande Hei servindo como reserva. As caminhadas espaciais de hoje e do proximo dia 20 serão a sétima e oitava para Kimbrough, e a terceira e quarta para Pesquet.

Kimbrough e Pesquet acionaram suas baterias às 08:11 AM ET para começar oficialmente a EVA.

Visão externa da estação espacial durante a atividade extraveicular

Pesquet prendeu um suporte de apoio portátil para os pés ao braço do robô da estação; ele subiu no suporte , puxando a iROSA e segurando-a enquanto a operadora do braço McArthur o levou para junto a Kimbrough. Pesquet, ancorado na extremidade do braço do robô ; Kimbrough relatou que os monitores e módulo de controle, ou Display and Control Module – DCM, em seu traje pareciam estar desligados; A oficial de cominucação em Houston, CAPCOM Jenni Sidey disse aos astronautas que a remoção da iROSA fosse interrompida enquanto se aguardasse a resolução do problema com o DCM de Kimbrough; (o DCM fornece dados sobre o status dos sistemas da EMU) ; depois, Sidey disse a Kimbrough para retornar à câmara de ar do Quest para que pudesse reconectar seu traje à fonte de energia da estação e ‘resetar‘ seu DCM; Assim, religado, forneceria, dados de diagnóstico, ou até corrigiria o problema imediatamente; O comentarista da NASA, Rob Navias, enfatizou que Kimbrough não corria perigo; os sistemas de suporte de vida de seu traje operavam normalmente; mas os engenheiros queriam ter certeza de que entenderam e resolveram o problema com o DCM (uma leitura errada do sublimador do escafandro pressurizado) antes de prosseguir. Uma vez resolvido o problema, Kimbrough seria instruído a voltar para o local de trabalho da iROSA enquanto os engenheiros continuam avaliando o desempenho do sublimador de seu traje; o trabalho para mover a iROSA em direção ao local de instalação do P6, no entanto, permaneceria em espera para a resolução do problema do sublimador.

A redefinição corrigiu os problemas com o módulo de controle e exibição de seu traje que fornece informações sobre o status. Depois de checar o pico na leitura da pressão no sublimador, que faz o resfriamento do traje , os controladores de vôo fizeram Kimbrough “dar um ciclo” (desligar e ligar) no sistema. Os dados se estabilizaram. Kimbrough voltou para o local de trabalho, onde os painéis solares permaneciam no equipamento de apoio ao vôo. Enquanto isso, Thomas Pesquet permaneceu no apoio para os pés preso ao Canadarm2 em preparação para continuar o trabalho.

O sublimador funciona com água de alimentação passando por um regulador que reduz a pressão para 2,55 a 4,15 psid acima da pressão ambiente para sua operação. O tripulante usa um interruptor no DCM para controlar uma válvula de interrupção. A chave permanece na última posição selecionada se a eletricidade for desligada da EMU. A água de alimentação passa para o sublimador, congela numa placa porosa de aço inoxidável e o gelo sublima no espaço. Esta sublimação resfria a água de resfriamento, que flui através do sublimador adjacente à placa resfriada. Um transdutor de pressão faz o monitoramento da pressão da água de alimentação pelo sistema de controle ambiental. Quando o sublimador não está em operação, o transdutor é usado para monitorar a pressão ambiente. É aberto ao ambiente através da placa porosa.

Display and Control Module – DCM, do traje EMU

O problema foi resolvido e às 03h46m ET (1557 UTC) a CAPCOM Jenni Sidey disse que Pesquet e Kimbrough estavam prontos para prosseguir com a remoção e instalação da iROSA no segmento P6.

Pesquet e Kimbrough tentaram girar as duas metades do painel para sua posição aberta, mas um problema de “interferência” evitou o trabalho; eles fotografaram o mecanismo e dobraram-no de volta por enquanto.

Transferência do equipamento para a posição de instalação
Instalação do iROSA no circuito de cablagem 2B da treliça P6

O conjunto dos novos paines solares chegaram à estação na espaçonave de carga SpaceX Dragon CRS22 como parte da 22ª missão comercial de serviços de reabastecimento para a estação. Em 10 de junho, os operadores do Centro de Controle da Missão no Centro Espacial Johnson da NASA usaram o braço-robô Canadarm2 da estação para extrair os painéis solares do compartimento vazado do Dragon em preparação para a instalação. No domingo, 20 de junho, Kimbrough e Pesquet instalarão o segundo painel para modificar o canal de alimentação 4B na treliça P6. Os novos painéis solares irão aumentar a área dos existentes, que estão funcionando bem, mas começam a mostrar sinais de esperada degradação , pois operaram além de sua vida útil projetada de 15 anos. O primeiro par de painéis solares foi estendido em dezembro de 2000 e alimenta a estação há mais de 20 anos.

iROSA instalado ( e ainda retraído) na base do eixo de rotação Beta Gimbal do painel solar original na P6
O iROSA é um sistema composto por barras de fibra de carbono de 19, 56 cm de diâmetro, estrutura de raiz de alumínio, com dobradiça no meio para acomodar a configuração de lançamento
Anexar o iROSA ao Beta Gimbal Assembly original permite o uso de rastreamento solar existente, distribuição de energia e cablagem
ISS Roll Out Solar Array estendido sobre um painel solar antigo
Astronautas trabalham no iROSA
iROSA instalado na frente do painel solar original. Sombreando aproximadamente dois terços dos paineis originais e conectadas ao mesmo sistema de energia para aumentar o fornecimento existente ; a parte não sombreada do original permanece ativa

A dupla chegou para uma missão de seis meses na estação em 24 de abril com a missão SpaceX Crew-2 da NASA a bordo da nave Crew Dragon C206 Endeavour.

Operação Santa Maria

Exercícios preparam o lançamento do VS-50, previsto para março de 2023

Foi realizada com sucesso, no Centro de Lançamento de Alcântara, a segunda fase da Operação Santa Maria, que trata da logística de lançamento do VS-50, veículo de sondagem financiado pela Agência Espacial Brasileira e desenvolvido em conjunto pelo Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE) e pela Agência Espacial Alemã (DLR). A segunda fase da operação, realizada na quarta-feira (9 de junho), teve por objetivo realizar as adaptações na mesa de lançamento da Torre Móvel de Integração (TMI), a montagem e testes do sistema pneumático de fixação do veículo e a realização de testes de integração do motor S50 (que corresponde ao primeiro estágio do VS-50 e do VLM-1). No que se refere à preparação para as atividades operacionais, a Operação Santa Maria foi idealizada em fases e etapas com o objetivo de mitigar riscos e evitar problemas que adiem, estendam ou até interrompam as futuras operações de lançamento do VS-50, previsto para março de 2023. O VS-50 tem como objetivo o teste em voo do motor S50 e de outros subsistemas, que serão empregados no VLM-1, mitigando os riscos técnicos do projeto de maneira semelhante à estratégia da família SONDA.

A configuração básica do veículo suborbital VS-50 é composta por um propulsor de propenete sólido S50 no primeiro estágio e um motor S44 no segundo. O veículo foi concebido em conjunto com a base móvel de foguetes (MORABA) do Centro Espacial Alemão (DLR) para ensaiar experimentos do projeto SHEFEX, componentes que poderão ser utilizados no projeto VLM e principalmente para desenvolver, fabricar e qualificar em voo o motor S50. Seu comprimento é de 12 metros, com diâmetro de 1,46 m e massa de aproximadamente 15.000 kg.

O desenvolvimento deste projeto foi iniciado em 2014 e segue em parceria com o DLR. Entretanto, apesar de ser um importante meio para desenvolver tecnologias necessárias para o VLM-1 e para as gerações futuras de veículos lançadores, não faz parte do escopo do projeto a redução dos riscos associados aos eventos necessários para a satelitização. Fato que reforça a necessidade do desenvolvimento de outro foguete, o VS-43.

Shenzhou-12 decola hoje com três astronautas

Missão será de três meses na estação espacial chinesa

A nave Shenzhou-12 deverá ser lançada hoje com o comandante Nie Haisheng , o engenheiro de voo-primeiro operador Liu Boming e o engenheiro de sistemas-segundo operador Tang Hongbo. O lançamento deve ocorrer às 01:22 UTC (dia 16 às 22:22 de Brasília), do Centro de lançamento de Jiuquan, da plataforma LC-90 por um foguete-portador Longa Marcha CZ-2F/G nº Y12, numa órbita inicial de apogeu de 200km e perigeu de 330km, inclinada a aproximadamente 41.47°; A espaçonave seguirá uma trajetória de voo de 6 horas, com quatro órbitas até o acoplamento com o módulo TianHe da estação espacial chinesa.

Tang Hongbo, Nie Haisheng e Liu Boming

Os três astronautas da missão Shenzhou-12, que foram selecionados do primeiro e segundo grupos de astronautas da China, ficarão no espaço por três meses. O objetivo do vôo é testar as principais tecnologias para a construção e operação da estação espacial chinesa em órbita, anunciou o Escritório da China Tripulada Programa Espacial hoje, quarta-feira. A equipe reserva é composta por Zhai Zhigang, Wang Yaping e Ye Guangfu.

Liu é general da Força Aérea do Exército de Libertação Popular (PLA); Nie é general dos Serviços Técnicos Civis do PLA e, Tang é major general da Força Aérea.

Os astronautas (ou taikonautas, como tambem são chamados) farão duas atividades extraveiculares para “montagem de uma plataforma de ferramentas externa, instalação de câmera panorâmica e de conjuntos extras de bombas”. A instalação de uma câmera panorâmica pode auxiliar nos trabalhos externos durante atividades externas, inspeção do estado geral do casco e observação de relocação dos futuros módulos do complexo. A natureza dessas bombas não foi especificada, mas podem estar relacionadas ao sistema pneumático, hidráulico ou ao circuito de trocador de calor do complexo espacial. Também foi anunciado que as naves tripuladas chinesas deverão pousar em território próximo ao centro de lançamento de Jiuquan ao invés do usual local na Mongólia Interior.

Nie Haisheng, 56 anos
Liu Boming, 54 anos
Tang Hongbo, 45 anos
Detalhes da tripulação, segundo a emissora CGTN chinesa
Trajetória de lançamento da espaçonave
Foguete Longa Marcha 2F/G Y12
Configuração da estação espacial chinesa com a Shenzhou-12 acoplada ao compartimento de engate frontal do módulo-base TianHe; na traseira está a nave de carga TianZhou-2
Nave Shenzhou
Foguete ‘Shenjian’ CZ-2F/G Y12
Modelo de treinamento da estação chinesa

Shenzhou-12: Primeira tripulação da estação espacial confirmada

Missão durará três meses

Os tripulantes serão o comandante Nie Haisheng , o engenheiro de voo Liu Boming e o engenheiro de sistemas Tang Hongbo. O lançamento deve ocorrer em 17 de junho às 01:17 UTC (dia 16 às 22:17 de Brasília).

A nave Shenzhou-12 deverá ser lançada do Centro de lançamento de Jiuquan, da plataforma LC-90 por um foguete-portador Longa Marcha CZ-2F/G nº Y12, numa órbita inicial de apogeu de 200km e perigeu de 330km, inclinada a aproximadamente 41.47°; A espaçonave seguirá uma trajetória de voo de 6 horas, com quatro órbitas até o acoplamento com o módulo TianHe da estação espacial chinesa.

Foguete Longa Marcha 2F/G Y 12 no centro espacial de Jiuquan

Os três astronautas da missão Shenzhou-12, que foram selecionados do primeiro e segundo grupo de astronautas da China, ficarão no espaço por três meses, durante os quais realizarão tarefas que incluem atividades extraveiculares, reparos e manutenção, troca de equipamentos e operação científica de cargas úteis.

Foguete ‘Shenjian’ CZ-2F/G Y12

Brasil assina o acordo Artemis

O que isso significa?

Brasil assinou hoje a participação no Programa Artemis

A participação brasileira no Programa Lunar NASA Artemis, da agência espacial americana, foi oficializada nesta terça-feira, 15 de junho, com a assinatura do acordo de cooperação, em cerimônia no Palácio do Planalto. O Brasil foi o único país da América Latina até agora, e o décimo-segundo no mundo a entrar para a lista de parceiros. O programa tem entre os objetivos o retorno de voos tripulados à Lua e inclui também missões não tripuladas.

Discurso de Gwynne Shotwell aponta as deficiências da educação nos EUA

A Chefe de Operações da SpaceX reconhece o que já se sabe há pelo menos 10 anos – o sistema educacional americano está em decadência

“Olá, turma de 2021, estou incrivelmente orgulhosa de ser oradora de formatura.

Obrigado, Morty [Schapiro] por me convidar, e obrigado ao conselho e Lanny Martin, seu presidente, por me permitir falar, embora vocês me conheçam pelos meus seis anos de serviço neste conselho, e que este convite seja um pouquinho arriscado. Mas é uma honra seguir os passos da prefeita Lori Lightfoot. No ano passado, ela trouxe seriedade a este evento, enquanto homenageava George Floyd e implorava aos graduados que participassem de nossa democracia.

Este é um ano especial para a formatura da Northwestern University. Este é o meu 35º aniversário da minha formatura na Northwestern University e, o mais importante, Stephen Colbert, que também se formou na NU – ou quase o fez – em 1986, fez este discurso há exatamente 10 anos e previu que o palestrante em 2021 seria , e cito, ‘um papagaio de zoológico com uma placa que foi treinado para dizer parabéns.’ Então aqui estou, Gwynne Shotwell, seu papagaio do zoológico, para a aula de 21; parabéns para você.

Classe de 21, você alcançou algo importante. Todas as graduações merecem uma comemoração, mas você, esta turma de 2021, tem uma conquista ainda maior: você não apenas sobreviveu, mas teve sucesso durante toda a loucura de 2020 e neste ano. Você conseguiu focar e investir no seu futuro durante um período de imenso sofrimento. Mas muitos dos problemas que enfrentaremos no futuro serão diferentes. Acho que situações sociais, políticas e econômicas altamente dinâmicas são a nova normalidade, e agora você está mais bem preparado para ter sucesso nelas. Você viveu e não apenas sobreviveu, mas teve sucesso. Sinta-se bem com isso e carregue essa nova habilidade com você; Eu acho que você vai usar.

Certo, antes de compartilhar algumas joias da minha vida, lições aprendidas, há algumas coisas que você deve saber sobre mim para ajudar a contextualizar minhas observações. Sou mãe, esposa, engenheira mecânica e nerd. Não somos todos nerds, mas tenho orgulho de ser um. Sou uma funcionária e líder de longa data da SpaceX, uma ouvinte ativa, um fazendeira, é claro, uma gata selvagem e uma aspirante a vinicultora. Amo meu país, embora tenha falhas e estou comprometida em ajudar a resolver suas injustiças sociais. E estou desesperada para ser avó, mas meus filhos não estão cooperando com minha visão, pelo menos ainda.

Minha estrada para Northwestern começou em Libertyville, Illinois, que é uma pequena cidade ao norte da universidade – foi onde cresci. Eu me saí muito bem no ensino fundamental e médio, e também trabalhei muito duro para ter uma vida social plena. Decidi ser engenheira mecânica depois que minha mãe me levou a um evento da Society of Women Engineers quando eu tinha apenas 15 ou 16 anos. Eu me inscrevi apenas na Northwestern University School of Engineering. Mas não foi porque era a melhor escola de engenharia – eu me inscrevi por causa da riqueza da Northwestern em outras áreas. Fui classificada entre os primeiros, ou era a primeira na época. Isso foi importante para mim porque, como uma adolescente no final dos anos 70 – sim, eu sou velha – eu estava apavorada por ter sido rotulada como uma nerd. Agora estou super orgulhosa de ser uma.

Fui aceita pela Northwestern – não tenho certeza se seria hoje, então acho que calculei bem o tempo – e concluí dois diplomas nesta excelente instituição, um bacharelado em engenharia mecânica e um mestrado em matemática aplicada. Embora eu critique minha formação em engenharia como muito teórica. Acho que os melhores engenheiros são aqueles que podem colocar o teórico em prática, e quase não tive prática na graduação. Northwestern destacou a criticidade do pensamento de base ampla. Ser bom em matemática e ciências não vai levar ao sucesso. É o pensamento de todo o cérebro trazido à prática que sim. Eu sou grata que Dean Ottino trouxe um forte foco para este conceito e o aplicou tão bem aqui à engenharia da Northwestern.

Enquanto estava construindo minha própria fundação em engenharia, também encontrei tempo para construir uma família. Eu dei à luz e criei dois filhos extraordinários que são pessoas melhores do que eu, e poderiam ser presidentes do universo, ao invés de apenas ser presidente da SpaceX. Um deles é um alúmen duplo em engenharia mecânica da Northwestern e o outro será um alúmen duplo de Stanford, tanto em engenharia mecânica quanto em negócios. Como mãe, aconselho futuros pais em potencial: Nunca diga a seus filhos o que eles devem ser quando crescerem – eles farão o contrário. Mas você pode ser um bom modelo, ou mostrar a eles bons modelos, como minha mãe fez por mim – [nisso] ela era uma artista.

Nos últimos quase 19 anos, trabalhei para um dos, senão o, melhor físico e engenheiro, Elon Musk. Ele me deu a oportunidade de ajudá-lo a expandir a SpaceX de 10 para quase 10.000 pessoas, e de receita zero para bilhões anualmente. Eu ajudei a trazer de volta o negócio de lançamento comercial para este país, junto com as dezenas de milhares de empregos que vêm com ele. A única conquista que temos e da qual mais me orgulho é ajudar a fazer com que nosso país volte a lançar astronautas em foguetes e espaçonaves de fabricação americana. Agora estamos posicionados para voar astronautas de todo o mundo em nossa espaçonave Dragon e, no final deste ano, voaremos a primeira missão totalmente civil, onde pessoas comuns irão viajar para o espaço em uma jornada de vários dias ao redor da Terra. E isso é só o começo. Espero ter ajudado a criar um caminho que permita aos humanos viver na Terra, na Lua ou em Marte, qualquer que seja sua escolha. Eu espero por um futuro onde as pessoas possam viver ainda mais longe, entre outros sistemas estelares e galáxias. Costumo brincar sobre querer conhecer outras pessoas e ver a moda do outro mundo. Sei que não verei isso em minha vida, mas espero que meu trabalho sirva como base ou um pequeno começo para alcançá-lo.

Ok, agora que você sabe mais sobre mim, é hora de dar alguns conselhos. Vou citar os três e depois volto e falo sobre eles. Estabeleça e tente alcançar objetivos absolutamente absurdos, e não tenha medo de falhar, se você não conseguir alcançá-los. Trabalhe duro, muito duro e seja útil. Seja gentil, mas, no mínimo, seja respeitoso. Não tenha medo de admitir que, se você falhar, estará errado e tomará um caminho diferente – ou melhor ainda, nem pense em tentar algo e não obter o resultado que deseja como fracasso. Considere isso como crescimento.

Quando eu estava pensando em ingressar na SpaceX em 2002, estava lutando contra a decisão e isso demorou semanas. Para mim, pessoalmente, parecia muito arriscado ingressar nessa pequena start-up, em uma indústria onde nenhuma havia tido sucesso. Na época, eu era uma mãe solteira em meio período, e isso estava muito fora da minha zona de conforto. Eu estava dirigindo na rodovia aqui em LA quando finalmente me dei conta: eu estava sendo um idiota total. Quem se importa se eu tentei este trabalho e fracassei ou a empresa fracassou? O que eu reconheci naquele momento foi que a parte difícil era o mais importante. Experimente aquela coisa arriscada, faça parte de algo emocionante. Não quero imaginar como seria minha vida e minha carreira se eu tivesse dito não. Tenho certeza de que estaria bem, mas não teria feito parte desta empresa incrível, trabalhando ao lado de pessoas tão extraordinárias.

Em nível de negócios, a SpaceX assumiu enormes riscos de reputação, dominando a tecnologia e as operações associadas ao pouso de um foguete. Na verdade, éramos continuamente criticados por nossos concorrentes e pela mídia por essas falhas. Encarei essas falhas como uma fonte de orgulho. Nossa primeira tentativa de pousar o foguete em um navio-drone, nós o acertamos. Não pousamos nele, mas atingimos o navio – aquele minúsculo alvo estava a centenas de quilômetros de distância do local de lançamento em um vasto oceano. Após cerca de uma dúzia de tentativas, finalmente conseguimos pousar e os foguetes de pouso em barcas e solo se tornaram quase uma rotina para nós. Ainda é complicado, mas é quase rotina. E essa tecnologia tem sido extremamente útil para nossos negócios e é fundamental para estabelecer um plano em Marte. Se você não pode pousar o foguete, não pode levar as pessoas à superfície.

Trabalhando duro e sendo útil. Fui contratada como vice-presidente de desenvolvimento de negócios – o que significa chefe de vendas. Bem, eu fiz meu trabalho e conseguimos clientes, mas então suas missões precisavam ser gerenciadas e precisávamos de uma função de contabilidade e finanças porque, na verdade, estávamos trazendo dinheiro, precisávamos trabalhar de perto com as datas de lançamento e obter permissão para lançar a partir delas, então eu aceitei isso também. E, conforme demonstramos sucesso, precisávamos de uma função de relações públicas para nos defender em [Washington] DC, quando nossos concorrentes começaram a lutar contra nós. Lembro-me de até passar aspirador de pó nos tapetes antes de um grande evento para clientes. Em 2008, quando conquistamos nosso maior contrato até agora – um esforço de quase US $ 2 bilhões da NASA para levar experimentos científicos e carga para a Estação Espacial Internacional – Elon precisava de um parceiro e me pediu para sê-lo.

Ser gentil, mas, no mínimo, você deve ser respeitoso. Observe que quase todas as pessoas com quem você interage todos os dias estão lutando contra algum demônio ou tentando resolver algum problema. Considere isso enquanto você batalha para chegar ao trabalho no metrô, enquanto atravessa as filas do supermercado ou fica frustrado com alguém em uma reunião no trabalho.

Na SpaceX, temos uma política ‘sem … ‘. Esse tipo de pessoa – a ” … ” – interrompe os outros, fecha ou coopta a conversa e cria um ambiente hostil onde ninguém quer contribuir. Essa não é uma forma de promover o compartilhamento de ideias boas, inovadoras e até mesmo ultrajantes, necessárias para resolver problemas difíceis. Resumindo, a melhor maneira de encontrar soluções para problemas difíceis é ouvir com mais atenção, não falar mais alto. Aceite as idéias de seus colegas de trabalho, especialmente quando forem muito diferentes das suas.”

(Nota: isso é desmentido por alguns ex-funcionários da SpaceX, que reclamam exatamente de irredutibilidade e arrogância de certos chefes; isso, porém, pode ser pontual, e esses ‘maus chefes’ podem ser alvo de repreensão)

“Coisas sobre as quais não estou compartilhando lições, mas acho que são realmente importantes, especialmente para falar em um discurso de formatura em 2021. Estou preocupada com muitas coisas, mas não tenho conhecimento suficiente para ter algum conselho útil para vocês, pelo menos não ainda. No entanto, não posso, em um discurso de formatura em 2021, deixar de mencionar as coisas que me preocupo em saber, que são problemas que quero ajudar a resolver no futuro.

Estou preocupado com os filhos de nossa nação. Não estamos dando a todos os nossos filhos uma educação que os transformará em pessoas engenhosas e produtivas de que nosso país precisa para permanecer relevante. Cada criança é um recurso para melhorar nosso futuro, e o futuro será impulsionado pela tecnologia. É por isso que estou tão preocupada com os resultados dos testes de ciências e matemática que temos neste país. A China marca primeiro. Irlanda – eu apenas menciono isso porque é o que é minha herança, meus ancestrais são da Irlanda – pontuou 12º, e os Estados Unidos ficaram em 25º. Pior do que isso, se houver uma pontuação pior do que 25 pontos em matemática e ciências, bem como em leitura, é que a diferença entre nossos alunos com menor pontuação e nossos alunos com maior pontuação está aumentando. Não estamos preparando nossos filhos para o futuro.

Eu amo este país e estou preocupada com o aumento da divisão econômica, social e racial que foi ampliada durante a pandemia. Não abordar a educação para nossos jovens não está ajudando nisso. Não estamos tratando nossos vizinhos com o respeito que eles merecem. Não ouvimos muito uns aos outros e não estamos trabalhando com respeito nas questões realmente importantes que enfrentamos como país e como raça humana. Ainda não ajudei nosso país a trabalhar nessas questões – reclamo muito sobre isso – e é hora, provavelmente em um prazo muito curto, de me comprometer e ajudar a resolvê-las. Talvez possamos trabalhar nessas coisas juntos.

Então, dei a vocês alguma experiência real que me ensinou que mais pode ser realizado quando idéias malucas são respeitadas, ouvidas e avaliadas. Ser prestativo e trabalhador compensa; fez isso por mim. E que desperdiçar recursos, especialmente capital humano, é um pecado moral e ético. E que um pequeno grupo de pessoas, como aqueles de nós na SpaceX, pode mudar uma indústria e, por extensão, pode ajudar a mudar o mundo.

Crescendo e até mesmo no início da minha carreira, meus amigos, colegas e eu nos concentramos em seguir em frente com um aparte ou talvez até mesmo uma reflexão tardia de que talvez devêssemos fazer algo bom para o mundo. Mas, à medida que acumulo mais lições de vida, fica claro que uma vida muito mais rica resulta em mudar isso, encontrar uma carreira em que a busca por um mundo melhor o leve a progredir. E todos vocês têm agora tudo o que precisam para começar sua busca por um mundo melhor. Parabéns e boa sorte. ”

Northrop Grumman lança três satélites militares

Os veículos foram colocados em órbita baixa

Foguete Minotaur-I

A Northrop Grumman lançou hoje, terça-feira, 15 de junho às 13:35 UTC (09:35 EDT) três satélites militares para o National Reconnaissance Office (NRO) na missão NROL-111. A empresa usou seu foguete Minotaur I , todo movido a propelente sólido, para colocar as cargas em órbita baixa com uma decolagem da plataforma de lançamento Zero B no centro espacial regional meio-Atlantico em na Ilha de Wallops na Virgínia.

Nao foram fornecidos dados sobre as cargas úteis, mas os três satélites não devem exceder 580 kg, que é a capacidade máxima do foguete-portador Minotaur-I.

O logotipo da missão # NROL111 mostra um javali voador em uniforme de aviador. Os javalis são um bom guia espiritual a quem recorrer quando você tem objetivos ambiciosos, inspirando tenacidade para alcançá-los. As três estrelas representam três cargas úteis projetadas, construídas e operadas pela NRO.

O Programa de Lançamento de Sistemas de Foguetes da Força Aérea dos Estados Unidos, parte da Diretoria de Lançamento de Empresas no Centro de Sistemas Espaciais e de Mísseis (SMC), concedeu o contrato do National Reconnaissance Office Launch-111 (NROL-111) para a Orbital ATK há mais de um ano. O contrato teve preço fixo avaliado em US $ 29,2 milhões para o veículo lançador Minotaur I. Este foi o primeiro prêmio desse tipo no âmbito do programa Orbital / Suborbital 3 (OSP-3) “Lane 1”. A capacidade solicitada do Lane 1 nesse contrato OSP-3 é de 181-1.810 kg para a orbita terrestre baixa e missões suborbitais de longo alcance. O Minotaur I se encaixava nesta faixa de capacidade.

Turistas espaciais da Rússia poderão fazer “caminhadas espaciais”

A NPP Zvezda já se prepara para a empreitada

A Glavkosmos recebeu pedidos de turistas em potencial para passeios turisticos espaciais. É o que afirma mensagem da empresa, divulgada no domingo após os resultados das negociações da sua alta direção com a direção da NPP Zvezda (que produz trajes espaciais Orlan) realizadas em Tomilino, onde fica a sede da empresa.
“A possibilidade de participantes de voos espaciais comerciais usarem equipamentos produzidos pela NPP Zvezda para voos e atividades extraveiculares foi discutida separadamente em conexão com o recebimento de tais pedidos pela Glavkosmos”, diz o comunicado. Em junho passado, a Rocket and Space Corporation (RSC, ou RKK) Energiya – que produz as naves Soyuz) anunciou que um dos turistas espaciais durante o vôo para a Estação Espacial Internacional em 2023 fará uma “caminhada” no espaço junto com um cosmonauta profissional sob contrato entre a RSC e a Space Adventures Inc. (EUA).

NASA: Missão Crew-3 decola após 31 de outubro

NASA e SpaceX ajustam as datas de lançamento e retorno para as próximas missões de tripulação para a Estação Espacial Internacional

Isso foi decidido com base no tráfego de espaçonaves visitantes.

A missão SpaceX Crew-3 da NASA agora tem como objetivo um lançamento não antes de domingo, 31 de outubro, com os astronautas da NASA Raja Chari , Tom Marshburn e Kayla Barron e o astronauta Matthias Maurer da Agência Espacial Européia . A Crew-3 será lançada em uma nova nave Crew Dragon (cuja numeração de série ainda está para ser designada) do Complexo de Lançamento 39A no Kennedy Space Center na Flórida para iniciar uma missão científica de seis meses na estação espacial. A Crew-2 está há mais de um mês em sua missão a bordo da Estação Espacial Internacional após o lançamento em 23 de abril do Complexo 39A do Centro Espacial Kennedy. Os quatro membros da tripulação retornarão após uma rotação com os astronautas da Crew-3 após seu lançamento e acoplagem no final de outubro.

Os astronautas da Crew-3 chegarão à estação espacial para um curto período de transferência com os astronautas da Crew-2 e outros membros da tripulação na Expedição 66. Os astronautas da NASA Shane Kimbrough e  Megan McArthur , astronauta  Aki Hoshide da JAXA (Japan Aerospace Exploration Agency), e o astronauta da ESA Thomas Pesquet estão planejando um retorno à Terra no Crew Dragon Endeavour na costa da Flórida do início a meados de novembro. Seguindo a Crew-3, a próxima missão de rotação da tripulação é planejada para não antes de meados de abril de 2022 com a espaçonave associada e o veículo de lançamento a ser determinado em uma data posterior.

Cosmonauta Shatalov morre aos 94 anos

Hoje, 15 de junho, aos 94 anos, morreu o duas vezes Herói da União Soviética, piloto-cosmonauta Vladimir Alexandrovich Shatalov

Vladimir Shatalov nasceu em 7 de dezembro de 1927 na cidade de Petropavlovsk, província de Akmola (hoje região do Norte do Cazaquistão) na família de um ferroviário. A infância e os anos escolares do futuro cosmonauta foram passados ​​em Leningrado (hoje São Petersburgo). Enquanto estava na escola, Shatalov estudou no círculo de modelagem de aeronaves do Palácio dos Pioneiros de Leningrado. Antes do início da Grande Guerra Patriótica, ele se formou em seis turmas do ensino médio em Leningrado. Em julho-setembro de 1941, ele participou da construção de fortificações defensivas em Gatchina perto de Leningrado, então foi alistado num regimento, no qual seu pai serviu como sinaleiro militar.

Космические будни Владимира Шаталова

Vladimir Shatalov passou um mês e meio no front e depois foi para sua terra natal, Petropavlovsk, de onde a família partiu para evacuação. Em junho de 1943, ele se formou na escola na cidade de Petropavlovsk e entrou na Escola Especial da Força Aérea de Voronezh, na qual se formou em 1945 com o ensino médio. Formou-se na Escola de Pilotos de Aviação Militar de Kachin em 1949 e na Academia da Força Aérea em 1956. Em 1949-1956, Shatalov serviu como piloto instrutor na escola Kachin, então de 1956 a 1961 – vice-comandante de esquadrão, comandante de esquadrão, vice-comandante de regimento de aviação.

Экипажи «Союз-4» и «Союз-5»

Vladimir Shatalov fez seu primeiro vôo espacial em 14 de janeiro de 1969 a bordo da espaçonave Soyuz-4. Vladimir pela primeira vez realizou um encontro manual e acoplagem com a Soyuz-5 (comandada por Boris Volynov). Com sua participação, pela primeira vez, foi criada uma estação espacial experimental e realizada a transição em espaço aberto dos cosmonautas Alexei Eliseev e Evgeny Khrunov da Soyuz-5 para a Soyuz-4. Em 17 de janeiro, V. Shatalov, A. Eliseev e E. Khrunov retornaram em segurança à Terra na Soyuz-4.

Shatalov fez seu segundo vôo espacial de 13 a 18 de outubro de 1969 como comandante da nave Soyuz-8 junto com A.S. Eliseev. Foi um vôo em grupo de três espaçonaves soviéticas. As Soyuz-6 (comandante – Georgy Shonin), Soyuz-7 (comandante – Anatoly Filipchenko) e Soyuz-8 foram lançadas em intervalos de 24 horas. Durante o vôo, os cosmonautas Shatalov e Aleksey Eliseev realizaram uma sessão experimental de comunicação com o centro de controle em Moscou e sessões de comunicação com o navio de retransmissão, Cosmonauta Vladimir Komarov, via satélite Molniya-1. O vôo dos “sete magníficos” ocupou seu lugar na história da astronáutica tripulada. As tripulações realizaram os experimentos planejados e a pesquisa completa – mas o pretendido engate entre as Soyuz 7 e 8 não foi possível devido a um problema técnico.

Vladimir Aleksandrovich fez seu terceiro vôo espacial de 23 a 25 de abril de 1971 como comandante da espaçonave Soyuz-10. Em 24 de abril, foi realizada a primeira acoplagem com uma estação orbital, a Salyut, após o que a tripulação deveria entrar na estação. Porém, devido a uma quebra da unidade de acoplagem do Soyuz, não foi possível completar a retração junto à estação e garantir a junta hermétic. A transferência para a estação orbital Salyut foi cancelada.

Шаталов в Центре управления полётами

De janeiro de 1987 a setembro de 1991, Vladimir Shatalov serviu como chefe do Centro de Treinamento de Cosmonautas (TsPK) Yu.A. Gagarin.

Владимир Шаталов с семьёй

Vladimir Aleksandrovich recebeu três Ordens de Lenin (1969, 1971, 1976), a Ordem da Revolução de Outubro (1982), a Ordem do Serviço à Pátria nas Forças Armadas da URSS, III grau (1989), a Ordem da Grau Serviços à Pátria IV (2000), Ordem da Amizade (2011), entre outras medalhas, bem como comendas e medalhas estrangeiras.

Brasil assina amanhã o acordo do Programa Artemis

Acordo de cooperação com a NASA prevê a participação do Brasil no programa que quer retornar astronautas à Lua

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) realiza nesta terça-feira (15 de junho), às 10h, no Salão Nobre do Palácio do Planalto, a cerimônia de assinatura do acordo “Programa Lunar NASA Artemis”. A solenidade terá a presença do presidente da República, Jair Bolsonaro, do ministro do MCTI, astronauta Marcos Pontes, do ministro das Relações Exteriores, Carlos Alberto França, e do embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Todd Chapman. O evento será transmitido ao vivo pela EBC, nas redes do MCTI e no canal www.youtube.com/mcti

O programa da agência espacial americana pretende levar “a primeira mulher e o próximo homemà superfície lunar em 2024 enquanto desenvolve as tecnologias e experiência para organizar uma missão tripulada a Marte. A iniciativa conta com colaboração de parceiros comerciais e internacionais e prevê duas missões antes do pouso na superfície da Lua.

O Brasil é o único país da América Latina e o 12º no mundo a entrar para a seleta lista de parceiros até o momento. O acordo foi assinado por oito países em seu lançamento (Austrália, Canadá, Itália, Japão, Luxemburgo, Emirados Árabes Unidos, Reino Unido e EUA), tendo aderência também de Coreia do Sul, Nova Zelândia e Ucrânia.

O acordo Artemis traz um conjunto de princípios, diretrizes e práticas para a cooperação internacional na exploração do espaço. Entre os principais termos do documento, estão os fins pacíficos, a transparência, a interoperabilidade de sistemas, a divulgação de dados científicos e a preservação de patrimônio.

“Para o Governo Federal, a participação no Programa Artemis é mais um instrumento para trazer avanços ao Programa Espacial Brasileiro e usar a ciência, tecnologia e inovações para colocar o país entre as nações que dominam tecnologias aeroespaciais. O setor também faz parte das Tecnologias Estratégicas definidas como prioritárias pelo MCTI. No lado nacional, também participa do Artemis a Agência Espacial Brasileira (AEB), vinculada ao MCTI.”

Em dezembro de 2020, o MCTI assinou uma declaração conjunta de intenção em participar do programa, com presença do embaixador dos Estados Unidos no Brasil e participação virtual do administrador da NASA, Jim Bridenstine, e representantes do Departamento de Estado americano.

China lançou quatro satélites na sexta-feira: BJ-3, HS-2,YW-1 e TJ-1

Foguete foi um Longa Marcha 2D

A China colocou quatro satélites em órbita, a partir do Centro de Lançamento de Taiyuan, no norte da província de Shanxi, na sexta-feira, 11 de junho. Os satélites Beijing-3 (BJ-3), HISEA-2 (“Haisi “, HS-2), Yangwang-1 (YW-1) e Tianjian weixing (TJ-1) foram lançados por um foguete Longa Marcha-2D às 11h03 (horário de Pequim, 03:03 UTC). Esta foi a 373ª missão da série de foguetes Longa Marcha.

Desenvolvido pela China Spacesat Co., Ltd., o satélite comercial de sensoriamento remoto BJ-3 vai fornecer serviços nas áreas de levantamento de recursos, gestão de cidades, monitoramento ambiental e socorro em desastres. O satélite HS-2 será usado pela Universidade de Xiamen para estudar o ambiente ecológico das costas e de mares rasos. O veículo YW-1 será usado pela Origin Space Technology Co., Ltd. para a pesquisa e exploração de recursos de asteróides. O satélite TJ será usado por universidades para ensino e “treinamento em serviços em órbita”. Esta foi a 373ª missão de vôo da série de foguetes Longa Marcha, disse o centro de lançamento.

Pequim-3 (Běijīng xìliè 3 dài xīng, Estrela da Série de 3ª Geração ‘Pequim’, Beijing-3)

O Beijing-3 é um satélite óptico de sensoriamento remoto desenvolvido pela Aerospace Dongfanghong Satellite Co., Ltd. da Quinta Academia de Ciência e Tecnologia Aeroespacial. Usando a nova geração de tecnologia de satélite de resposta rápida, que pode obter rapidamente imagens terrestres de alta qualidade, alta resolução (o,5 m) e alta precisão, melhorando significativamente o nível do sensoriamento remoto comerciais da China. A plataforma CAST3000E de alto desempenho, usando “ultra-alta agilidade, ultra-alta estabilidade, tecnologia de alta precisão, planejamento de missão autônomo, processamento de imagem em órbita e outras tecnologias para testar sistemas inteligentes de imageamento contínuo autônomo”. Deve fornecer um grande número de dados de sensoriamento de alta resolução e produtos de informação para o mercado global e dar suporte de informação espacial para gestão de terra e recursos, agricultura, monitoramento ecológico e planejamento urbano.

Haisi-2


O Haisi-2 (“Hǎi sī”, HISEA-2) foi patrocinado e desenvolvido em conjunto pela universidade de Xiamen e desenvolvido em conjunto pela empresa aeroespacial Dongfanghong Co., Ltd., a Fujian Tendering and Procurement Group Co., Ltd., Sanming Investment Group e o Segundo Instituto de Oceanografia do Ministério de Recursos Naturais. É um satélite de porte “micro-nano”, com equipamento óptico multiespectral de sensoriamento com objetivo de observar o ambiente de águas costeiras rasas e águas interiores, com uma função de demonstração de tecnologia para o desenvolvimento de sensoriamento remoto oceânico. Ele tem instrumentos miniaturizados, e será usado para a observação do ambiente ecológico marinho. Servirá para o desenvolvimento econômico e social de populações locais e prevenção de desastres.
O Aparaleho é chamado “Hǎi sī” – “海丝” porque a Universidade de Xiamen está localizada em Fujian, o ponto de partida da Rota da Seda Marítima; seu nome em inglês HISEA é derivado da similaridade sonora da palavra do dialeto do Fujian meridional “海丝”, e soa como “Hi, Sea!”, que significa “Olá, mar” em inglês; é também a abreviatura do nome em inglês do satélite.

Yangwang-1

Yangwang-1 (YW-1) foi desenvolvido pela Shenzhen Aerospace Dongfanghong Satellite Co., Ltd. É o primeiro satélite astronômico comercial na banda óptica chinês, com equipamentos imageadores de luz visível e ultravioleta com amplo campo de visão. O satélites conduzirá principalmente observações multibanda de descoberta e pesquisas de asteróides, determinação orbital, fotometria, etc., e fará pesquisas aprofundadas sobre recursos de asteróides; ele usa telescópios de campo amplo para realizar observações de levantamento eficientes e conduzir observações astronômicas na faixa do ultravioleta e pesquisas sobre fenômenos astronômicos relacionados.

Tianjian-1 (Teste Espacial-1)

O Tianjian-1 será usado principalmente para realizar testes e verificação de novas tecnologias de gerenciamento inteligente de integridade baseada em ensaios de falha e para ensino e treinamento relacionados. A Universidade de Engenharia Aeroespacial é responsável pela pesquisa e desenvolvimento geral, e o Instituto 805 do Grupo de Ciência e Tecnologia Aeroespacial participaram do desenvolvimento.

Após o lançamento, quatro objetos foram catalogados em órbita, com suas designações internacionais: 2021-050A / 48840, em perigeu de 488 x apogeu de 502 km x inclinação de 97,51 °; 2021-050B / 48841, em 488 x 502 km x 97,51 °; 2021-050C / 48842, em 488 x 501 km x 97,51 °; e 2021- 050D / 48843 em 489 x 503 km x 97,51 °