Bill Nelson fala sobre os desafios da NASA

“Acho que temos que colocar uma dose de realidade em nossa análise”

Bill Nelson – foto Saul Loeb/Pool- AP

O novo administrador da NASA tem como prioridades “lidar com o clima” e “diversificar a força de trabalho” da agência, mas se preocupa em saber se os EUA podem colocar astronautas na Lua até 2024. Em sua primeira entrevista desde que se tornou o principal oficial da NASA nesta semana, o ex-senador Bill Nelson disse à repórter Marcia Dunn da Associated Press na sexta-feira, 7 de maio, que “rastrear a mudança climática é uma questão importante”. Ele também quer diversificar a força de trabalho da agência espacial “para que reflita a América”. Sua visão subjacente para a NASA: “explorar os céus com humanos e máquinas”. Para pousar astronautas na Lua, Nelson disse que a meta continua sendo 2024, prazo estabelecido pelo governo Trump. Mas ele disse que precisa de mais tempo para revisar o assunto, especialmente com os desafios para o contrato do módulo lunar dos astronautas. “Esse é o cronograma pretendido, mas acho que temos que colocar uma dose de realidade séria em nossa análise”, disse ele da sede da NASA em Washington. As expedições lunares irão beneficiar as tripulações marcianas, de acordo com Nelson. Se a década de 2030 ainda é viável para missões humanas a Marte, “tudo isso está sendo discutido”, disse ele.

Nelson elogiou a SpaceX de Elon Musk por suas realizações no ano passado – lançar astronautas para a Estação Espacial Internacional para a NASA e, apenas esta semana, lançar e pousar com sucesso um protótipo de Starship em escala real pela primeira vez. Esta nave espacial é a que a NASA pretende usar para pousar astronautas na Lua; aquele contrato de US $ 3 bilhões, no entanto, está sendo protestado pelas duas empresas perdedoras. Ele também apóia todos os voos espaciais privados que estão chegando, primeiro pela Blue Origin de Jeff Bezos para as fronteiras do espaço em julho e depois pela SpaceX até a órbita em setembro.

Perguntou-se se Nelson, de 78 anos – que voou no ônibus espacial Columbia [na missão STS-61C] em 1986 – estaria interessado em uma viagem espacial comercial. “Eu os desafio a me oferecer a oportunidade”, disse ele, rindo. Ele rapidamente esclareceu: “É hora dos mais jovens”. Mas ele observou: “Ainda estou fazendo minhas flexões e ainda estou correndo – então não me tente”. Nelson disse que não procurou o emprego de administrador da NASA e recomendou três mulheres [oara cargos de assessoria). Ele disse ao governo Biden que aceitaria a nomeação apenas se uma das mulheres pudesse servir como sua vice. Selecionado para o trabalho: ex-comandante de ônibus espacial Pamela Melroy.

Nelson a bordo da Columbia na missão STS-61C em 1986 – foto NASA

Nelson é o 14º administrador da NASA, e o terceiro a voar no espaço. Ele foi empossado na segunda-feira pelo vice-presidente Kamala Harris, que chefiará o Conselho Nacional do Espaço. Em uma demonstração de apoio espacial bipartidário, os dois administradores anteriores participaram da cerimônia, representando os governos Obama e Trump. Nelson assume o cargo principal da NASA após 44 anos de serviço público, 42 deles em como senador eleito.

Nelson cresceu perto do Cabo Canaveral, terminando o ensino médio um ano antes do astronauta do Mercury, Alan Shepard, se tornar o primeiro americano no espaço há 60 anos. Seus avós paternos eram fazendeiros no que agora é parte da propriedade do Kennedy Space Center. Ele tem uma cópia da escritura assinada pelo presidente Woodrow Wilson em 1917. Os 160 acres estavam localizados na extremidade norte da pista usada para pousos de shuttles. Nelson foi para a faculdade de direito e serviu na Reserva do Exército dos EUA durante a Guerra do Vietnã. Depois de alguns mandatos na legislatura da Flórida, Nelson, um democrata, ganhou as eleições para o Congresso, primeiro na Câmara e depois no Senado, antes que uma derrota em 2018 encerrasse sua carreira política.

Foi enquanto Nelson era congressista que viajou no shuttle – apenas duas semanas antes de os astronautas do Challenger morrerem durante a decolagem. Após a aposentadoria dos ônibus espaciais em 2011, a NASA teve que contar com a Rússia para transportar seus astronautas para a estação espacial – até o primeiro vôo de tripulação da SpaceX no ano passado. “Apesar das diferenças dos governos, sempre tivemos essa cooperação espacial”, disse Nelson. “E é minha esperança fervorosa que isso continue.”

Author: homemdoespacobrasil

Sua referência em Astronáutica na internet