Foguete Vega lança o Pléiades Neo 3

Primeira missão do Vega do ano transportou mais outros satélites

Vega VV-18

Na quarta-feira, 28 de abril de 2021 ou 01:50 UTC da quinta-feira, 29 de abril, a primeira missão de foguete Vega do ano da Arianespace decolou do Centro Espacial da Guiana, com o satélite de observação óptica Pleiades Neo 3. O primeiro de quatro satélites em uma constelação de observação da Terra avançada, Pleiades Neo 3 foi totalmente financiado e fabricado por seu operador, Airbus. O Pléiades Neo-3 e cinco cargas úteis extras foram colocados em suas respectivas órbitas. Neste vôo, a Vega fez uso de parte de seu adaptador de carga útil múltipla desenvolvido pela ESA para Small Spacecraft Mission Service (SSMS). O SSMS é uma estrutura leve de fibra de carbono modular, que pode acomodar vários satélites leves com uma massa de 1 a 500 kg. O serviço SSMS rideshare, desenvolvido com o apoio da indústria espacial europeia, foi empregado pela primeira vez pela Arianespace em setembro de 2020. Financiado pela Agência Espacial Europeia , o SSMS da Arianespace é empregado pelo Multiple Launch Service (MLS), uma oferta semelhante que usará o veículo de lançamento Ariane 6. Com esses dois serviços, a Arianespace pode “oferecer uma ampla gama de oportunidades de lançamento acessíveis para pequenos satélites e constelações”. Para esta missão VV18, o dispensador de satélites SSMS, também denominado módulo HEXA, oferece seis faces verticais para integração de dispensadores de microssatélites / cubesats. O módulo HEXA é integrado entre o adaptador do estágio AVUM e a seção de satélites-passageiros principal. A missão do SSMS piggyback faz parte dessa oferta comercial da Arianespace, como um novo serviço para atender o mercado de pequenos satélites.

A flexibilidade do sistema SSMS permite que a capacidade sobressalente do Vega seja usada para lançar pequenos satélites junto com a carga útil do cliente principal. Usar mais de uma queima do estágio superior AVUM significa que eles podem também ser lançados em diferentes órbitas . O primeiro uso do SSMS foi em uma missão compartilhada em setembro do ano passado, transportando 53 pequenos satélites. Isso demonstrou o novo serviço do Vega para oferecer acesso de rotina acessível ao espaço para vários satélites leves .

Com uma massa de decolagem de 920 kg, o satélite de observação da Terra Pléiades Neo-3 foi o primeiro a ser lançado em sua órbita sincronizada com o Sol, cerca de 54 minutos após o início da missão. Foi seguido cerca de 47 minutos depois pelo lançamento sequenciado do microssatélite Norsat-3 da Noruega e quatro CubeSats: Bravo, dois satélites Lemur-2 e o Tyvak-128A.

Após a decolagem do Centro Espacial da Guiana, o lançador Vega fez um vôo de pouco mais de seis minutos, acionado pelos três primeiros estágios. O terceiro estágio recuou por meio de motores de separação e afastamento depois de se separar do composto superior, que compreendia o estágio AVUM, o satélite Pleiades Neo 3, o SSMS e seus cinco passageiros auxiliares. O estágio AVUM acendeu seu motor pela primeira vez, com duração de cerca de oito minutos, seguida de uma fase balística com duração de 37 minutos. O estágio AVUM então reiniciou seu motor para uma segunda queima de pouco mais de um minuto, antes de liberar o Pleiades Neo 3. As próximas duas fases de ignição do AVUM duraram cerca de 37 minutos ao todo, seguidas pela liberação das cinco cargas auxiliares. Isso marcou o fim da missão VV18, uma hora e 42 minutos após a decolagem.

Cumprindo os regulamentos de manter o espaço limpo, o estágio superior do foguete disparou uma última vez para garantir a reentrada e queimar alto na atmosfera sobre o oceano.

A Avio, contratante industrial principal para o lançador Vega, sob a direção da Arianespace e a ESA, seguiu as recomendações sobre a produção do veículo e os preparativos para o lançamento. O vôo VV18 representou um retorno bem-sucedido às operações do foguete cujo projeto é majoritariamente italiano.

“Estou satisfeito em ver que a Vega está de volta aos negócios e agradeço às nossas equipes na ESA, junto com a Arianespace, Avio e fornecedores pelo trabalho árduo para chegar a este ponto. Este vôo mostra a versatilidade do Vega. Ele levou um satélite principal e fez uso da capacidade sobressalente para ejetar cinco satélites adicionais em uma órbita separada ”, comentou Daniel Neuenschwander, Diretor de Transporte Espacial da ESA.

Pleiades Neo 3

O Plêiades Neo 3 foi colocado em uma órbita síncrona com o Sol (SSO). A altitude na separação foi de cerca de 628 km, com uma inclinação de 97,89 graus em relação ao equador. Os outros cinco satélites também foram colocados em uma SSO com altitude de separação aproximada de 613 km, com inclinação de 97,79 graus

Componente superior do foguete com carenagem de cabeça e estágio superior AVUM


Satélites montados no Small Spacecraft Mission Service (SSMS)

O Pléiades-Neo 3, inicialmente também conhecido como VHR-2020, faz parte de uma constelação da Airbus Defense & Space com altíssima resolução para observação da Terra projetada como uma continuação dos satélites Pléiades-HR. O satélite apresenta um imageador com resolução de 30 cm no solo, possivelmente com espelhos deformáveis ​​CILAS. Eles usam terminais de retransmissão de comunicação a laser TesatSpacecom para transferir dados através da rede de satélites geoestacionários SpaceDataHighway (EDRS), permitindo acesso quase em tempo real às imagens, apenas 30 a 40 minutos após a solicitação, para responder rapidamente às situações mais críticas.. A espaçonave Pléiades Neo altamente compacta tem um instrumento óptico de carboneto de silício de última geração e peso leve. A espaçonave tem uma massa de 920 kg. Totalmente financiado, fabricado, operado e sendo de propriedade da Airbus, o Pléiades Neo dará aos clientes comerciais e institucionais dados de alto nível para a próxima década. Cada satélite adicionará meio milhão de km² por dia a uma resolução padrão de 30 cm. As imagens serão facilmente acessíveis na plataforma digital OneAtlas da Airbus, permitindo aos clientes acesso imediato aos dados recém-adquiridos e arquivados, bem como análises extensivas. Seu motor elétrico SPT-50 M está equipado com um Propulsor de Efeito Hall de xenonio, fabricado pela OKB Fakel em Kaliningrado, na Rússia.
A ser composta por quatro satélites idênticos, a frota Pléiades Neo funcionará com os antigos satélites Pléiades existentes. Será seguido de perto por seu gêmeo, Pléiades Neo 4, também programado para lançamento em um foguete Vega algumas semanas depois.
“A Pléiades Neo oferece uma constelação de última geração com imagens de resolução de 30 cm quase em tempo real, abrindo uma gama completamente nova de aplicações para dar aos nossos clientes mais detalhes e mais rapidamente”, disse Jean-Marc Nasr, chefe de Sistemas Espaciais da Airbus.
A órbita permitirá 10h30 no nó descendente, 620 km de altitude, a resolução da imagem do tipo pancromático é de 0,3 m com uma precisão de geolocalização esperada de menos de <5m CE90 em nadir.
A faixa dinâmica na aquisição é de 12 bits. Sua faixa de imagem é de 14km na posição Nadir; sua capacidade de revisita diária, em qualquer lugar (30 ° fora do Nadir) e duas vezes ao dia, em qualquer lugar (46 ° fora do Nadir); a agilidade de apontamento está na faixa de ± 52 °

NorSat-3 foi desenvolvido pelo Laboratório de Voo Espacial (Space Flight Laboratory – SFL) para a Agência Espacial Norueguesa. O NorSat-3, de 15 kg, carrega um detector de radar de navegação experimental para aumentar as capacidades de detecção de navios de seu receptor do Sistema de Identificação Automática (AIS) a bordo. Decorre dos altamente bem-sucedidos NorSat-1 e NorSat-2, todos produzindo dados relacionados ao monitoramento do tráfego marítimo. O NorSat-3 será o primeiro satélite a ser lançado pela Arianespace para a Agência Espacial Norueguesa e o terceiro satélite a ser lançado para a Noruega. O NorSat-3 também será o terceiro satélite construído pela SFL a ser lançado pela Arianespace. O satélite usa o ejetor XPOD Duo do Laboratório de Voo Espacial.

NorSat-3

BRAVO é um CubeSat 6U construído pela NanoAvionics com carga útil de pesquisa de espectro integrada, desenvolvido pela Aurora Insight. É a metade da missão de dois satélites com o objetivo de expandir a infraestrutura de coleta de dados do espectro de radiofrequência da Aurora Insight. BRAVO será o primeiro satélite a ser lançado pela Arianespace para Aurora Insight e também será o primeiro satélite construído pela NanoAvionics a ser lançado pela Arianespace .
O BRAVO usa o ejetor de satélite Astrofein PSL12U-3w.

BRAVO

Os dois satélites corporativos LEMUR-2 da Spire coletarão dados da Terra para fornecer alguns dos mais avançados rastreamento marítimo, de aviação e meteorológico do mundo. O LEMUR-2 também oferece suporte a software hospedado e cargas úteis por meio da Spire Space Services. Esses dois satélites LEMUR-2 serão o nono e o décimo satélites da Spire lançados pela Arianespace.
Os LEMUR-2 e BRAVO compartilharão o ejetor de satélite Astrofein.

LEMUR-2

Tyvak-182A (de Eutelsat ELO alpha) é um CubeSat 6U, que fornecerá informações sobre backhaul de objetos localizados em áreas não servidas por redes terrestres e fornecerá redundância de cobertura de rede terrestre existente. Será o 35º satélite da Eutelsat a ser lançado pela Arianespace. Existem atualmente sete satélites a serem lançados em nome da Eutelsat na carteira da Arianespace: Quantum, KONNECT VHTS, Eutelsat 10B, bem como quatro satélites adicionais sob um Acordo de Serviços de Lançamento Múltiplo (MLSA) com a operadora. Tyvak-182A também será o quarto satélite da Tyvak International como cliente a ser lançado pela Arianespace. Tyvak-182A usa um dispensador tipo Tyvak 6U.

Tyvak-182A

O Vega – Vettore Europeo di Generazione Avanzata

O Vega tem altura 29,9 m, diâmetro 3,025m, massa de lançamento de 137.000 kg e consiste de: Um composto inferior consistindo de três estágios de propelente sólido; um estágio superior AVUM Attitude and Vernier Upper Module (Módulo Superior de Atitude e Vernier) religável; a carenagem de carga útil; e m adaptador / dispensador de carga útil com sistema (s) de separação. Dependendo da missão , uma variedade de diferentes adaptadores/dispensadores ou estruturas de transporte podem ser usadas. O primeiro estágio é o P80 FW, o segundo é o Z23 FW, o terceiro um Z9 FW e o quarto, o AVUM de fabricação ucraniana.
A família de lançadores comerciais da Arianespace foi expandida em 2012 com a adição do Vega, um veículo de nova geração para voos com cargas úteis de pequeno a médio porte. Este lançador de quatro estágios – um programa da Agência Espacial Européia (ESA) – é adaptado para transportar o número crescente de pequenas espaçonaves científicas e outras cargas úteis leves em desenvolvimento em todo o mundo. Sua capacidade de carga útil é de 1.500 kg. em missões a 700 km, em órbita circular.

Para atender ao crescente mercado de pequenos satélites para necessidades institucionais e comerciais, a Arianespace oferece oportunidades de carga compartilhada (carona – rideshare) nos Vega com o Small Spacecraft Mission Service (SSMS). Este conceito, envolvendo vários pequenos satélites de 1 kg a 500 kg transportados em conjunto com o objetivo de compartilhar o custo de lançamento, foi desenvolvido com o apoio da ESA e da empreiteira principal do Vega, a Avio. O dispensador de satélite é um projeto da ESA desenvolvido pela Avio e produzido pela empresa tcheca SAB Aerospace s.r.o. A integração de satélite pode ser realizada pela primeira vez na na República Tcheca.

Estágios Estágio 1
P80
Estágio 2
Zefiro 23
Estágio 3
Zefiro 9
Estágio 4
AVUM
Altura11,7 m 7,5 m 3,5 m 1,7 m
Diâmetro3 m 1,9 m 1,9 m 1,9 m
Tipo de propelentesólidosólidosólidolíquido
Massa de propelente88 toneladas24 toneladas10,5 toneladas0,55 toneladas
Massa seca do motor7.330 kg 1.950 kg 915 kg 131 kg
Massa da carcaça do motor3.260 kg 900 kg 400 kg 16 kg
Impulso médio2.200 kN 871 kN 260 kN 2,42 kN
Tempo de queima110 s77 s120 s667 s
Impulso específico280 s287,5 s296 s315,5 s
Publicidade

Autor: homemdoespacobrasil

Sua referência em Astronáutica na internet

%d blogueiros gostam disto: