China lança 1º módulo de sua estação orbital

Foguete CZ-5B Y2 decolou às 03:23 UTC

O módulo-base Tian He, lançado pelo foguete Longa Marcha CZ-5B nº Y2, pesa cerca de 22.500 kg. O lançamento foi às 03:23:15.613 UTC. A órbita inicial teve parâmetros de perigeu de 171 km e apogeu de 382 km, período 90,04 min e inclinação de 41,47 ° em relação ao equador.

Decolagem do CZ-5 Y2
Foguete CZ-5B Y2

A estação será construída a uma altitude de 340 a 450 km . Será em forma de “T” com o módulo básico no meio e dois módulos-laboratório acoplados em cada lado. Cada módulo laboratório pesará mais de 20 toneladas. O peso total da estação após a conclusão de sua montagem em órbita com nave de carga e espaçonave tripulada pode ser, segundo várias estimativas, de 70 a 100 toneladas.

Etapas de lançamento do Tian He

Poderá receber três tripulantes em caráter permanente e até seis temporariamente (se houver troca de tripulação).
O módulo básico Tianhe (“Harmonia dos Céus”) consiste em um compartimento de instrumentos com uma câmara de acoplagem, um compartimento habitável de dois segmentos cilíndricos e um compartimento de engate com quatro portas de acoplagem e uma escotilha de saída extraveicular. O módulo residencial, com um total de 150 metros cúbicos de espaço interno, inclui cozinha e banheiro, computadores, complexos de comunicação com o posto de comando em terra, entre outros equipamentos. Ele pode ser usado como um veículo autônomo tripulado e laboratório. 
O primeiro módulo laboratorial Wentian ( “Busca Celeste”) será utilizado principalmente para experiências científicas e tecnológicas, como espaço de trabalho e habitacional, e como abrigo de emergência. O módulo será equipado com uma câmara especial para atividades no espaço e um braço-manipulador mecânico para trabalhos fora da estação. O Wentian poderá ser usado como uma central de comando quando necessário. O segundo módulo de laboratório, Mengtian (“Sonho Celestial”), será funcionalmente semelhante ao primeiro, estando equipado com uma câmara de descompressão para a manutenção e reparo de experimentos montados no exterior da estação.

O módulo se separa do estágio central do foguete

A estação terá 14 racks de experimentos científicos do tamanho de uma geladeira e alguns outros de uso geral que fornecem energia, dados, refrigeração e outros serviços para vários projetos de pesquisa. Haverá também mais de 50 pontos de fixação para experimentos na parte externa da estação para estudar como os materiais reagem à exposição às condições do espaço.
Após a conclusão da formação dos elementos principais da estação, um módulo autônomo Xuntian com um telescópio óptico será lançado na mesma órbita. O diâmetro do espelho será de 2 metros. O módulo estará equipado com motores próprios: pressupõe-se que periodicamente acoplará na estação para reparos, reabastecimento e manutenção do equipamento.

Órbita da estação CSS


A montagem da estação em órbita está prevista para ser concluída em 2022. De acordo com as estimativas da Academia Chinesa de Tecnologia Espacial, sua vida útil será de cerca de 15 anos. O Tian He tem quatro propulsores elétricos de efeito Hall, funcionando a xenônio com 80 miliNewtons de empuxo, isp de 1531 s, consumindo 1,5 kW de eletricidade; O módulo tem seis tanques de dimetil hidrazina e tetróxido de nitrogênio (1.800 kg de propelente) para quatro motores de correção orbital e uma série de propulsores de controle de atitude.

A China também enviará a espaçonave de carga Tianzhou-2 e a nave tripulada Shenzhou-12 este ano para acoplar com o módulo central. Três astronautas estarão a bordo do Shenzhou-12 e permanecerão em órbita por três meses, disse Hao Chun, diretor da China Manned Space Agency – agência de voos espaciais tripulados (CMSA). “Vamos transportar materiais de apoio, peças sobressalentes e equipamentos necessários primeiro e, em seguida, nossa equipe”, disse Hao. A nave de carga Tianzhou-3 e a espaçonave tripulada Shenzhou-13 também serão lançadas no final deste ano para acoplar  no Tianhe, e outros três astronautas iniciarão sua estadia de seis meses em órbita.

A estadia mais longa dos astronautas chineses no espaço até agora é de 33 dias. “Em missões anteriores, enviamos água e oxigênio para o espaço junto com os astronautas. Mas, para uma estadia de três a seis meses, água e oxigênio encheriam a nave de carga, sem espaço para outros bens e materiais necessários. Portanto, equipamos o módulo central com um novo sistema de suporte de vida para reciclar urina, condensado do ar exalado e depurador de dióxido de carbono “, disse Bai.

Após as cinco missões de lançamento neste ano, a China planeja seis missões, incluindo o lançamento dos módulos-laboratório Wentian e Mengtian, duas espaçonaves de carga e duas naves tripuladas, em 2022 para concluir a construção da estação espacial.

“Precisamos garantir que cada lançamento seja confiável e que a operação da espaçonave em órbita seja segura. Cada missão é um teste para nossa organização, gerenciamento, tecnologia e capacidade de suporte”, disse Zhou Jianping, projetista-chefe do programa espacial tripulado da China.

A estação orbital chinesa será cerca de cinco vezes menor do que a ISS, e em seus contornos se parece mais com a estação Mir soviética, embora seja menor em tamanho. Seja como for, a nova estação chinesa será o maior projeto desse tipo na história do programa espacial do país. “Não temos a intenção de competir com a ISS em termos de escala”, disse Gu Yidong, cientista-chefe do programa China Manned Space . Em vez disso, a configuração de três módulos é “baseada nas necessidades da China para experimentos científicos” e “o que consideramos um tamanho razoável por uma questão de custo-benefício”.
Além disso, os antigos módulos orbitais da China exigiam reposição regular de água para a tripulação, e a nova estação inclui equipamento para reciclagem de líquidos.

Possível configuração da CSS em órbita

Perspectivas do projeto
A decisão da China de construir sua própria estação espacial se deve em grande parte ao fato de não poder participar da operação da ISS. Para participar deste programa, era necessário obter o apoio de todos os países deste projeto, no entanto, a cooperação espacial entre a China e os Estados Unidos foi congelada por Washington “por motivos de segurança” por muitos anos.
Apesar do alto custo do projeto, a estação espacial nacional traz muitas vantagens para a China: ela não precisa coordenar seu programa de desenvolvimento com outros países, além de depender de suas decisões e financiamento.
Além disso, a ISS pode concluir seu trabalho já em 2024 ou 2028. Então a China se tornará o único país do mundo com uma estação espacial em órbita. Nesse sentido, Pequim pretende desenvolver a cooperação espacial com outros países. O governo da China já anunciou que está pronto para cooperar no âmbito deste programa com todos os países da ONU. Além disso, segundo Pequim, muitos estados já manifestaram interesse em pesquisas conjuntas na estação.

Por exemplo, a Comissão Espacial do maior estado da Península Arábica, o Reino da Arábia Saudita, assinou acordo com a agência espacial chinesa para uma missão científica em 2022 a bordo da futura estação.

O experimento científico planejado se concentrará no estudo dos efeitos dos raios cósmicos em painéis solares modificados. Espera-se que os dados obtidos permitam a criação de sistemas mais avançados de geração de energia para espaçonaves que possam funcionar de forma eficiente por um longo tempo. Até o momento, a China firmou cooperação técnica com 23 instituições em 17 países, incluindo Suíça, Polônia, Alemanha, Holanda, Índia, Japão, Peru, Noruega, França, Espanha, Rússia, Bélgica, Itália, México, Quênia e Arábia Saudita . Os projetos incluem dezenas de áreas, como astronomia, física dos fluidos da microgravidade, ciências da terra, etc.

Painéis solares estendidos em ambos os lados do módulo

O foguete Changzeng CZ-5B

Especificações do CZ-5B
Altura 53,657 m
Diâmetro principal 5,0 m
Massa de Lançamento 849.000 kg
Configuração CZ-5B Estágio central e 4 Boosters
Massa de carga útil para órbita baixa 22.500 kg
A versão 5B da Longa Marcha é baseada em um Módulo Central Criogênico de 5 metros (CZ-5-500) de diâmetro com quatro ‘boosters’ CZ-5-300 de 3,35 metros acoplados a ele. Módulo Central e boosters acendem antes da decolagem, não exigindo ignição em voo e limitando eventos de separação para o lançamento de boosters e carenagem de carga útil e a separação da carga útil, uma redução geral do risco. O estágio central é movido por um par de motores YF-77, uma versão aprimorada do motor criogênico YF-75 em uso na série Longa Marcha 3. Os quatro boosters do CZ-5 são equipados, cada um, com dois motores YF-100 que também são empregados pelos lançadores Longa Marcha 6 e 7, aumentando a semelhança entre os novos foguetes da China. O CZ-5B tem massa de lançamento de 837.000 kg com um empuxo de decolagem total de 10.565 quilonewtons. Ele pode elevar cargas úteis de 23.000 kg para a órbita terrestre baixa (outras fontes afirmam uma capacidade LEO de 25.000 kg).

A versão 5B da Longa Marcha é baseada em um Módulo de Núcleo Criogênico de 5 metros (CZ-5-500) com quatro ‘boosters’ CZ-5-300 de 3,35 metros acoplados a ele. Núcleo e boosters acendem antes da decolagem, não exigindo ignição em voo e limitando eventos de separação para o lançamento de boosters e carenagem de carga útil e a separação da carga útil, uma redução geral do risco. O estágio central é movido por um par de motores YF-77, uma versão aprimorada do motor criogênico YF-75 em uso na série Longa Marcha 3. Os quatro boosters do CZ-5 são equipados, cada um, com dois motores YF-100 que também são empregados pelos lançadores Longa Marcha 6 e 7, aumentando a semelhança entre os novos foguetes da China.

O CZ-5B tem massa de lançamento de 837.000 kg com um empuxo de decolagem total de 10.565 quilonewtons. Ele pode elevar cargas úteis de 23.000 kg para a órbita terrestre baixa (outras fontes afirmam uma capacidade LEO de 25.000 kg).

Foguete CZ-5B Y2 com o módulo-base na seção de cabeça

Author: homemdoespacobrasil

Sua referência em Astronáutica na internet

%d bloggers like this: