NASA suspende contrato com a SpaceX na Lua

Blue Origin e Dynetics entraram com protestos

por Marcia Smith

A NASA suspendeu seu contrato com a SpaceX para o sistema de pouso para levar os astronautas de ida e volta da superfície lunar. Dois outros concorrentes para o contrato, Blue Origin e Dynetics, entraram com protestos no Government Accountability Office (GAO) e a NASA emitiu a ordem de interromper o trabalho até que o GAO resolva o assunto.

A NASA concedeu contratos de 10 meses a três empresas há um ano para desenvolver ainda mais seus conceitos de Sistemas de Pouso Humano (HLS) como parte do programa Artemis para retornar astronautas à superfície lunar: SpaceX, Dynetics e “Equipe Nacional” da Blue Origin isso inclui Lockheed Martin, Northrop Grumman e Draper.

O foguete do Sistema de Lançamento Espacial (SLS) da NASA e a espaçonave Orion levarão as tripulações à órbita lunar, mas eles terminarão a jornada usando o HLS.

Duas semanas atrás, a NASA escolheu a SpaceX para prosseguir com o desenvolvimento, concedendo-lhe um contrato de preço fixo de US $ 2,99 bilhões. É apenas para o primeiro pouso do Artemis e um teste de voo sem tripulação do veículo precursor. A NASA está emitindo uma solicitação separada para sistemas de pouso para missões futuras.

Na segunda-feira, a Blue Origin e a Dynetics registraram protestos junto ao GAO, afirmando que o processo de seleção da NASA foi ‘falho’.

A NASA agora disse à SpaceX para parar de trabalhar até que o GAO determine o resultado. Um porta-voz da agência forneceu esta declaração ao SpacePolicyOnline.com esta tarde. “De acordo com os protestos do GAO, a NASA instruiu a SpaceX que o progresso no contrato HLS fosse suspenso até que o GAO resolva todos os litígios pendentes relacionados a esta aquisição.”

A emissão da ordem de interrupção do trabalho foi relatada pela primeira vez pelo Space News. O GAO tem 100 dias – até 4 de agosto de 2021 – para tomar uma decisão.

A SpaceX já está testando protótipos de seu sistema de Starship usando seus próprios fundos. Vários testes foram conduzidos em seu local de teste Starbase em Boca Chica, TX. A nave espacial foi projetada para ser reutilizável. Todos os quatro dos últimos quatro testes de seus protótipos de três motores foram lançados e voaram bem, mas os pousos resultaram em explosões espetaculares. A SpaceX vê essas falhas como experiências de aprendizagem e simplesmente segue para o próximo protótipo. A ordem de interrupção do trabalho pode não ter muito efeito, uma vez que esses testes foram planejados antes da concessão do contrato. O próximo é esperado em breve.

A NASA havia insistido anteriormente que queria escolher dois vencedores, não um, para garantir a redundância. Sua decisão em favor de apenas a SpaceX pegou todos de surpresa.

Source Selection Statement (SSS) da NASA explicou que não tinha dinheiro suficiente para prosseguir com dois. Para o Ano Fiscal 2021, o Congresso destinou apenas 25% (US $ 850 milhões) dos US $ 3,4 bilhões solicitados pela NASA para o HLS. O SSS disse que a agência mal tinha o suficiente para a oferta da SpaceX, que era a mais baixa, acrescentando que tinha voltado à SpaceX para pedir uma oferta melhor e final, mas não as outras duas empresas. A SpaceX não alterou seu preço, mas sim a forma de pagamento.

A Blue Origin disponibilizou uma versão redigida de seu protesto na segunda-feira, listando as razões de seu protesto. Um tema é que o déficit de financiamento mudou os requisitos da NASA e todos os ofertantes deveriam ter tido a chance de rever suas propostas.

O Dynetics não fez uma cópia de seu protesto publicamente disponível, mas duas organizações de notícias, Politico e Space News , postaram histórias com links hoje. Entre suas afirmações, Dynetics diz que a NASA “aparentemente abandonou as regras básicas que havia estabelecido para o programa” por causa do déficit de financiamento, que tornou o programa previsto “não mais executável”. Portanto, a agência deveria ter alterado a solicitação para refletir a nova perspectiva de orçamento, aberto discussões com os ofertantes e permitido que eles apresentassem novamente suas propostas, ou retirado ou cancelado a solicitação e começado novamente.

Ambas as empresas também argumentaram que a avaliação da NASA de suas propostas sobre seus méritos foi falha. A NASA classificou as propostas em três fatores: técnica, preço e abordagem de gestão. A SpaceX ficou em primeiro, Blue Origin em segundo e Dynetics em terceiro.

O SSS revelou apenas o preço da SpaceX, US $ 2,99 bilhões, acrescentando que o Blue Origin era significativamente mais alto do que o da SpaceX, e o da Dynetics era significativamente mais alto que o da Blue Origin.

Na segunda-feira, quando apresentou seu protesto, a Blue Origin revelou que seu preço era de US $ 5,99 bilhões. Dynetics não compartilhou seu lance.

A administração Trump instruiu a NASA a colocar os astronautas de volta na Lua em 2024. A administração Biden apóia o Projeto Artemis, mas não indicou que período de tempo tem em mente. Muitos estão céticos de que 2024 seja tecnicamente ou economicamente viável, mas os funcionários atuais e o novo administrador da NASA, Bill Nelson, afirmam que é uma possibilidade. Até mesmo alguns senadores na audiência de confirmação de Nelson pressionaram por essa data, embora tenha sido o Congresso que cortou drasticamente o financiamento do HLS no ano passado, tornando esse cronograma ainda menos crível. Esperançosamente, a administração Biden apresentará seu plano em um futuro próximo, quando o Congresso começar a considerar a solicitação de orçamento para o ano fiscal 2022 . O governo propôs um aumento de 6,3% para a NASA, um total de US $ 24,7 bilhões, dos quais US $ 6,9 bilhões são para o Artemis. Isso é $ 325 milhões a mais do que o Congresso apropriou no ano passado, mas muito menos do que as projeções da Administração de Trump no ano passado seriam necessários para colocar americanos na Lua em 2024.

Angara: Esperança russa no espaço

Seus projetistas querem voltar a liderar o mercado espacial com o novo cosmódromo em Vostochniy

Reportagem de Igor Afanasiev para a revista Russkii Kosmos

Setenta anos se passaram desde a fundação de uma das organizações mais respeitadas do setor – o Salyut Design Bureau [1]. A equipe, originalmente formada para o desenvolvimento de aeronaves militares, em conexão com o rápido desenvolvimento de foguetes e tecnologia espacial, foi reorientada para uma nova direção. Hoje, o departamento de design Salyut, sendo parte do centro de produção cientifica em homenagem a M. V. Khrunichev – GKNPTs Gosudarstvennyy kosmicheskiy nauchno-proizvodstvennyy tsentr imeni M. V. Khrunicheva -, é conhecido principalmente como o desenvolvedor dos mísseis Angara. Sergei Kuznetsov, Designer Geral do Salyut Design Bureau, falou sobre os projetos atuais e futuros, sobre a possível participação no programa lunar, e os planos para criar um modelo recuperável de estágio de foguete para o programa espacial russo.

Sergei Kuznetsov – foto Interfax

– Sergey Viktorovich, diga-nos, qual é o caminho histórico passado pelo KB Salyut ?

– Nossa empresa foi fundada em 1951, exatamente 70 anos atrás, como um bureau de projetos de aviação OKB-23 [1]. Naquele momento, seus esforços estavam voltados para o desenvolvimento de um bombardeiro estratégico moderno projetado por V.M. Myasishchev. Nos dez anos seguintes, essa tarefa foi concluída com sucesso. Três modificações diferentes foram criadas, e todas elas foram entregues, como se diz na aviação, na asa . Com o início da era espacial, por decisão do governo, em 1960 nossos projetistas passaram a desenvolver foguetes e tecnologia espacial. Tornamo-nos um ramo da organização OKB-52 (agora  NPO Mashinostroyenia-Ed.) e começou a criar mísseis de combate universais UR-100, UR-200 e UR-500 (um lançador pesado baseado neste último é agora conhecido como Proton – Ed.) Nas décadas seguintes, o bureau de projetos resolveu muitos problemas diferentes: desenvolveu estações espaciais tripuladas, estágios superiores, pequenas espaçonaves. No momento, nosso principal projeto são veículos de lançamento ecologicamente corretos da família Angara para os cosmódromos de Plesetsk e Vostochny. Além da criação de modelos básicos, está prevista a modernização e o aumento das características de potência e massa do veículo lançador, inclusive por meio do uso de tecnologias de hidrogênio.

– Qual é o status organizacional da empresa hoje?

– No momento, somos uma unidade do Centro de Pesquisa e Produção Estatal Khrunichev. A principal espinha dorsal de especialistas está localizada em Moscou, mas também há divisões nas novas unidades de produção em Omsk e Plesetsk. Claro, em termos de número de pessoas, a escala não pode ser comparada com as que existiam na era soviética. No entanto, graças às tecnologias digitais e métodos de design modernos, nossa equipe lida com as tarefas com sucesso.

Quais são suas expectativas em relação à mudança para o prédio do Centro Espacial Nacional (Natsional’nogo kosmicheskogo tsentr NKTs)?

– Na verdade, a Roskosmos está trabalhando ativamente na construção do NKTs. Ele está localizado fora do perímetro de nosso empreendimento, literalmente a alguns passos de distância. Assim, nossos funcionários não terão que se mudar muito. Esperamos que nos sejam alocadas áreas suficientes para acomodação e equipadas com os equipamentos e tudo o que for necessário. As melhores condições de trabalho possibilitarão o desenvolvimento de projetos de veículos lançadores modernos de maneira ainda mais eficiente.

Centro Espacial Nacional (Natsional’nogo kosmicheskogo tsentr NKTs)
URMs (Módulo de Foguete Universal) do Angara, na Associação de produção Polyot em Omsk (filial do Centro Espacial de Produção e Pesquisa Estatal M.V. Khrunichev)

– Em que direção o trabalho está sendo realizado no KB Salyut agora?

– Em primeiro lugar, os processos associados ao Angara, incluindo a continuação dos lançamentos de Plesetsk e a criação de um complexo de lançamento em Vostochny. Paralelamente, estamos trabalhando no desenvolvimento do foguete, que está dividido em duas etapas. Na primeira, está prevista a criação de uma versão reforçada, que também será adaptada para lançamentos tripulados. Na segunda estágio, o foguete será equipado com um novo terceiro estágio baseado em motores de oxigênio-hidrogênio, o que permitirá que o Angara participe do programa lunar.

Sobre o Angara

– Como você avalia o papel do Bureau de Design na implementação do programa de foguetes da família Angara?

– O Centro Khrunichev é o empreendedor principal do Angara (designação de fábrica 14A127), e em termos de desenvolvimento não apenas do foguete, mas do complexo como um todo. Estamos trabalhando neste projeto há muito tempo: passamos “por fogo e água” com ele e já fizemos três lançamentos com sucesso.

– Alguma característica foi identificada nos resultados dos primeiros lançamentos exigindo mudanças no design do foguete?

– Testes de vôo são realizados a fim de avaliar o projeto em condições reais. Claro, existem comentários. Felizmente, eles não são globais por natureza e não requerem grandes ajustes. No entanto, de forma a excluir possíveis manifestações negativas na fase de produção em série e funcionamento regular do Angara, é claro que fazemos alterações quando necessário, e nos lançamentos subsequentes confirmamos a eficácia das medidas implementadas.

Lançamento de teste do Angara A5 em 2020 – foto Ministério da Defesa russo

Os mísseis destinados a voos de Plesetsk e Vostochny serão diferentes?

– Estamos colocando no projeto soluções que permitem o lançamento sem modificações tanto do cosmódromo de Plesetsk quanto de Vostochny. Como eu disse, agora está sendo criado um foguete modernizado com a possibilidade de lançamentos tripulados. Era necessário dotá-lo de um determinado conjunto de equipamentos, principalmente relacionados com a garantia da segurança da tripulação. Vamos preparar a versão modernizada principalmente para o cosmódromo Vostochny, de onde os lançamentos tripulados são planejados. E então, a fim de preservar a unificação e a capacidade de lançamento de Plesetsk, faremos um retrofit semelhante para nosso cosmódromo do norte.

 – Como o veículo de lançamento de uma espaçonave tripulada difere do Angara-A5 usual?

Angara A5M configurado para lançamento da espaçonave tripulada Aryol

– Está equipado com dispositovos especiais que, durante o voo, diagnosticam o estado dos motores e dos principais sistemas na presença e desenvolvimento de situações de emergência. Isso tornará possível transferir proativamente o veículo para um estado seguro e fornecer uma oportunidade de trabalhar no sistema, que retornará a tripulação à Terra intacta. Para lançar um homem no foguete modernizado, um modo especial de operação poupador dos motores será fornecido, o que aumentará a confiabilidade e a segurança. Além disso, uma série de melhorias está planejada para aumentar a massa da carga útil, bem como para simplificar e reduzir o custo de produção, aumentando a confiabilidade.

Veículos de lançamento modulares: O foguete leve Angara-1.2 original , o pesado Angara-A5M com a espaçonave Aryol e o lançador pesado Angara-A5V para satélites não-tripulados – render Homem do Espaço / Russkii Kosmos abril’2021

– Alguns especialistas criticam Angara muito seriamente. Existem critérios de avaliação objetivos?

– Direi o seguinte: em termos da totalidade de parâmetros como perfeição do projeto, peso específico da carga útil, requisitos de segurança ambiental, período de fabricação, montagem e preparação para o lançamento de um único produto, a Angara está em um patamar moderno . Claro, você pode encontrar análogos que serão melhores de alguma forma. Mas em termos de nível específico, nosso desenvolvimento atende aos requisitos mundiais. A principal vantagem do Angara é que ele pode ser usado para fornecer acesso independente a órbitas e trajetórias de todos os tipos, e com o uso de combustível ecologicamente correto, o que simplifica muito a operação do complexo. Um único design e unificação ao entrar na produção em série deve levar a uma redução significativa no custo e, assim, aumentar significativamente a competitividade.

O foguete leve Angara-1.2 PP testado em 2014 , o pesado Angara-A5 testado primeiro em dezembro do mesmo ano e novamente em 2020, e o lançador projetado Angara-A5V

– Como o projeto Angara se desenvolverá geralmente?

– Agora a produção em série está em andamento. Presume-se que o foguete estará em operação por muito tempo, e para mantê-la no nível adequado, estamos planejando as obras de modernização que mencionei. Comparado com a versão básica, o futuro Angara-A5V terá um aumento de mais de 1,5 vezes na capacidade de carga devido ao uso de blocos modernizados do primeiro e segundo estágios e um novo terceiro estágio de hidrogênio. Na verdade, em duas iterações, incluindo a versão do Angara-A5M, aumentaremos a massa da carga lançada na órbita de 23 para 37 toneladas.

– Em que estágio está o trabalho no lançador Angara-A5V agora?

– No momento estamos em fase de preparação para a defesa do projeto. Se, de acordo com os seus resultados, for dada uma avaliação positiva, entraremos na fase de trabalho de desenvolvimento.

– Como você planeja trazer o Angara para o mercado internacional diante das sanções impostas pelos Estados Unidos?

– Em primeiro lugar, nosso objetivo é garantir a confiabilidade do foguete. Nossa experiência anterior com a operação do Proton mostra que a confiabilidade dos equipamentos desempenha um papel de liderança neste mercado, no qual os clientes em potencial confiam para lançar suas valiosas cargas úteis. Estamos planejando seguir este caminho. Os lançamentos já realizados inspiram um certo otimismo: todos se passaram sem nenhum acidente e os foguetes cumpriram as tarefas que lhes foram atribuídas. Esperamos que em algum tempo os clientes estrangeiros também prestem atenção ao nosso novo veículo-lançador. É claro que os mecanismos de sanções não-mercantis praticados pelos Estados Unidos não promovem uma concorrência leal, mas se nossa proposta for interessante do ponto de vista técnico, acho que haverá formas de cooperação mutuamente benéfica.

Angara-A5 no cosmódromo de Plesetsk antes do lançamento – foto Ministério da Defesa russo

Não apenas foguetes

– O trabalho está sendo realizado em astronáutica tripulada, em particular na Estação Espacial Internacional?

– Sim, temos participado deste projeto desde o início: O Bloco Funcional de Carga (FGB), o primeiro módulo da ISS lançado em 1998, foi desenvolvido no Salyut Bureau de Design e fabricado na Fábrica de Foguetes e Espaçonaves Raketno-kosmicheskiy zavod (RKZ) [3], que faz parte do Centro Khrunichev. Desde então, o FGB foi operado com sucesso. Para coordenar as ações no MCC (Centro de Controle de Missão TSUP em Moscou), um turno de nossos especialistas que acompanham o voo da ISS está constantemente de plantão. No momento, o novo módulo Nauka (Ciência) , criado com base no backup do FGB, está sendo preparado para lançamento.

Módulo MLM-U Nauka

– Existem desenvolvimentos futuros, em particular na estação orbital nacional russa?

– Agora a estação espacial russa está em fase de pré-projeto. O KB Salyut participa de todas as reuniões realizadas pelos desenvolvedores principais da estação. Quando sua construção for aprovado, nossa participação neste projeto também será determinada.

– Conte-nos sobre os estágios superiores criados pela organização.

– Atualmente, usamos dois de nossos próprios desenvolvimentos – Briz-M para foguetes-portadores pesados ​​(criado para o Proton-M . – Ed.) e Briz -KM para foguetes leves (usado com o Rokot , feito com base no UR100. – Ed.) O Briz -M já voou duas vezes com sucesso no Angara do cosmódromo de Plesetsk. Foram obtidos resultados que pavimentam o caminho para que este impulsionador carregue cargas úteis reais. Quanto ao bloco Briz -KM, estamos trabalhando na substituição do sistema de controle antigo por um moderno, construído exclusivamente sobre a base de elementos russos. Esperamos continuar lançando o Rokot em algum tempo. Acreditamos que as novas perspectivas para o desenvolvimento de veículos lançadores estejam relacionadas ao tema hidrogênio. Historicamente, o Bureau de Design Salyut tem desenvolvido ativamente estágios superiores de oxigênio-hidrogênio desde os tempos soviéticos. O primeiro protótipo de vôo foi criado na década de 1990 sob um contrato com a Índia. Seu análogo ainda está sendo operado com sucesso por nossos colegas indianos. Usamos essa experiência para criar uma unidade russa de oxigênio-hidrogênio, o que permitirá, levando em consideração nossas limitações geográficas, lançar espaçonaves pesadas em órbitas de alta energia. Estamos agora na fase de emissão da documentação do projeto de uma unidade de oxigênio-hidrogênio para serviços pesados ​​(KVTK). Será apresentado em duas versões. O primeiro será operado com o Angara-A5 e com o Angara-A5M modificado e permitirá o lançamento de uma carga útil de mais de 5 toneladas em órbita geoestacionária durante os lançamentos do cosmódromo de Vostochny. Este é um resultado muito importante que não foi alcançado nem na União Soviética nem na Rússia. A segunda modificação – para o Angara-A5V [2], com tanques de propelente ampliados – permitirá lançar mais de 8 toneladas em órbita geoestacionária. Se não se trata de uma aplicação de liderança mundial, pelo menos é uma oferta extremamente atrativa para os clientes.

– Anteriormente, o Salyut Bureau Design desenvolveu espaçonaves para fins científicos e aplicados. Como vão as coisas nessa direção?

– Desde o final dos anos 1990 e praticamente todos os anos 2000, nossa equipe tem desenvolvido ativamente pequenas espaçonaves para lançamento em nossos próprios foguetes, o que tornou possível oferecer esses veículos aos clientes a preços muito atraentes. As soluções técnicas mais avançadas foram utilizadas em sua fabricação. Nosso primeiro aparelho de sensoriamento remoto da Terra, Monitor-E , desenvolveu todos os seus recursos de voo, e o satélite de comunicação KazSat-2 , criado por ordem do Cazaquistão, ainda está em operação. Infelizmente, perdemos vários veículos durante a operação anormal de foguetes, bem como devido à operação incorreta dos sistemas de bordo de nossos subcontratados. No entanto, esta experiência deu uma série de resultados interessantes, que aplicamos, em particular, já em estágios superiores futuros. No momento, não estamos engajados no desenvolvimento de espaçovaves, mas no desenvolvimento de veículos lançadores. Se tal tarefa surgir no futuro, não excluímos a possibilidade de voltar a este assunto.

Missões à Lua e capacidade de reutilização

– O KB Salyut opera no programa lunar?

– Sim, na fase de elaboração das propostas técnicas de um lançador superpesado (rakete-nositelyu sverkhtyazhelogo klass – STK), propusemos utilizar os nossos desenvolvimentos – um estágio e um rebocador interorbital que fornecem a energia necessária para a missão. No momento, uma série de opções alternativas estão sendo consideradas, incluindo o uso do Angara-A5V, que, devido a um esquema de multi-lançamento com investimentos de capital significativamente mais baixos, poderá cumprir a tarefa de pousar um homem na superfície lunar.

– A empresa desenvolve um foguete reutilizável?

– O Bureau Salyut já projeta várias estágios reutilizáveis há muito tempo, o trabalho começou na década de 1990. Até exibimos um modelo do nosso estágio reutilizável Baikal , que envolvia pousar como um avião. Mas agora, levando em consideração o fato de que vários módulos são usados ​​no primeiro estágio do Angara, estamos procurando a possibilidade de seu retorno simultâneo de acordo com o princípio de retro-propulsão. Nossas propostas serão apresentadas dentro do projeto do Angara-A5V .

[1] Em 1951, o Experimental Design Bureau No. 23 ( OKB-23 ) dirigido por V. Myasishchev foi criado e adicionado à Khrunichev. Na década de 1950, projetou os aviões Myasishchev M-4 , Myasishchev M-50 e Myasishchev M-52 , entre outros. A fábrica de Khrunichev foi responsável pela fabricação dos designs do OKB-23. Em 1959, o foco da empresa mudou da tecnologia de aeronaves para foguetes, de acordo com uma decisão do governo. Na década de 1960, a Khrunichev e o OKB-23 foram subordinadas ao OKB-52 de Vladimir Chelomei (mais tarde renomeado para TsKBM, hoje NPO Mashinostroyeniya ). Sob a liderança do OKB-52, o OKB-23 começou a projetar mísseis balísticos intercontinentais . Seus primeiros projetos foram o UR-200 , que nunca voou, seguido pela bem – sucedida família de mísseis UR-100 . Em 1962, o processo de design do ICBM superpesado UR-500 foi iniciado. Este mais tarde evoluiu para o veículo de lançamento espacial Proton em 1964. O primeiro foguete Proton foi lançado em 16 de julho de 1965. Em 1966, o OKB-52 foi renomeado para Escritório Central de Projeto de Construção de Máquinas (TsKBM), e o OKB-23 tornou-se conhecido como Fili Branch of TsKBM . Ela foi separada da TsKBM no final dos anos 1970 e renomeada como Salyut Design Bureau , ou KB Salyut para abreviar. Em 1981–1988, KB Salyut fazia parte da grande empresa NPO Energiya e se tornou um escritório de design independente em 1988. A parceria com a fábrica de construção de máquinas Khrunichev continuou durante todo esse tempo. O KB Salyut e a Khrunichev foram responsáveis ​​por projetar e produzir todas as estações espaciais soviéticas, incluindo Salyut , Almaz e Mir , bem como todos os módulos pesados ​​usados ​​para essas estações. A dissolução da União Soviética resultou em grandes dificuldades para a indústria espacial russa. Ao longo dos anos 1989-1999, o orçamento espacial do país caiu 88% e as cadeias de cooperação produtiva estabelecidas se desintegraram. Tanto Khrunichev quanto o Salyut Design Bureau, que agora eram empresas separadas, tentaram remediar a situação buscando possibilidades de ganho no exterior. Salyut conseguiu ganhar um contrato para produzir o impulsionador 12KRB para o foguete GSLV indiano e fechou um acordo com a Daimler Benz Aerospace para desenvolver uma cápsula recuperável usada para experimentos no projeto Expresso Alemão-Japonês. Nesta época, o veículo lançador Proton provou ser o produto mais lucrativo para as duas empresas. A fábrica Khrunichev assinou um contrato de US $ 156 milhões para o lançamento de 21 satélites Iridium em três foguetes Proton-K em 1997–1998. O Salyut conseguiu assinar apenas um contrato para o lançamento do satélite Inmarsat-3 F com um Proton-K pelo preço baixo de $ 36 milhões. Ambas as empresas tentaram firmar parcerias com empresas estrangeiras para comercializar os lançamentos da Proton. A situação em que duas empresas, o gabinete de design e a fábrica, competiam entre si para vender o mesmo produto, revelou-se problemática. Para resolver isso, em junho de 1993, o presidente Boris Yeltsin emitiu um decreto para fundir Khrunichev e Salyut, formando a empresa Khrunichev State Research and Production Space Center . O status da nova empresa era único, pois não estava subordinada a nenhum ministério ou à Agência Espacial Russa . Vladimir Kirillov, escrevendo para o jornal Eksport Vooruzheniy , especulou que isso aconteceu porque a filha de Yeltsin, Tatyana Dyachenko , que havia trabalhado na Salyut e continuou a trabalhar para a Khrunichev até 1994, desejava garantir um status elevado para seu empregador.

[2] – A Khrunichev propôs uma variante Angara A5 atualizada com um novo grande estágio superior baseado em hidrogênio (URM-2V) como substituto para o URM-2 e impulso de motor atualizado nos estágios URM-1. O impulso para cima dos amplificadores URM-1 seria 10% maior durante os primeiros 40 segundos para permitir uma boa relação impulso / peso, mesmo com o URM-2 substituído pelo URM-2V mais pesado. Motores de alimentação cruzada e ainda mais potentes RD-195 para o URM-1 também são considerados. A capacidade do A5V é supostamente em torno de 35-40 toneladas para LEO, dependendo da configuração final.

[3] A oficina de forja e prensagem da Raketno-kosmicheskiy zavod oferece serviços para a fabricação de peças forjadas e estampadas de aços estruturais, ligas resistentes ao calor, aço inoxidável, alumínio, ligas de titânio etc. A oficina de forja e prensagem da Raketno-kosmicheskiy zavod oferece serviços
para a fabricação de peças forjadas e estampadas de aços estruturais, ligas resistentes ao calor, aço inoxidável, alumínio, ligas de titânio etc. Produz forjados com peso de até 500 kg e comprimento de até 2.000 mm; Estampagens até 30 kg; Anéis laminados com diâmetro de até 1300 mm; Equipamento disponível: Prensa de estampagem e forja hidráulica de 5000 tf; Martelos de forjamento de classe 250kg, 400kg, 1t, 3,15t; Martelos de perfuração de classe 1t e 3,15t; Laminador de anéis KPS-1000; Máquina laminadora DO-44 (anéis de até 400mm de diâmetro)

“Esta é a morte da astronáutica tripulada russa”

Enquanto a China lança uma estação multimodular, os americanos já caminharam na Lua, a Europa, Canadá e Japão vivem no espaço, a Rússia – se encontrar dinheiro – lançará uma estação desatualizada, diz o especialista

Estamos criando uma estação do nível tecnológico do início dos anos 1970, mas, ao contrário daquela época, sem nenhuma tarefa prática.

O que a decisão da Rússia de encerrar sua participação na Estação Espacial Internacional (ISS) e criar sua própria Estação de Serviço Orbital Russa (ROSS) significa para o futuro espacial russo? Especialistas independentes da Roskosmos acreditam que isso não é nada bom. O especialista em aviação e astronáutica Vadim Lukashevich conversou com um correspondente da Rosbalt sobre o assunto.

– Vadim Pavlovich, o que está acontecendo e como isso pode acabar?

– Vamos descobrir. De acordo com planos anteriores, o segmento russo da ISS deveria incluir um módulo científico de energia (NEM). É necessário para acabar com a dependência de eletricidade. No início tínhamos nossas próprias baterias, mas quando o segmento americano cresceu, nós “dobramos como um acordeão” os paineis do módulo Zarya e ficamos sem a energia deles. Isso não foi de modo algum correto.

O NEM deveria consistir em dois “barris” – um compartimento selado e um compartimento nao-pressurizado. Primeiro você precisa fazer um mock-up – que não voará para lugar nenhum. Na aviação, é geralmente aceito fazer um modelo em tamanho real em madeira – a primeira amostra de uma nova aeronave é feita de madeira (mais recentemente, porém, tem sido mais baseada em computador). Esta é a “amarração” da geometria, dutos, arreios …

Desenho proposto para a estação ROSS

Há alguns anos, foi feito um modelo tecnológico, no qual se planejou a realização de testes de resistência. Via de regra, há muitas maquetes antes da nave. Esses “barris” foram entregues à RKK Energia – isso é tudo! Não foi feito mais trabalho porque não há financiamento.

Nesse ínterim, dissemos que não havia problemas no segmento russo, que estava tudo bem, ‘voamos e vamos voar!’. Que existam alguns alarmistas por aí, “não dê ouvidos a eles“. E o tempo todo eles tentaram estender a vida útil da ISS – nós, além dela, não temos para onde voar. E estamos lá, em geral, pelos direitos adquiridos – não tomamos decisões, já que não arcamos com os custos principais. Recentemente, em 5 de abril, a segunda pessoa na direção da RKK, Vladimir Soloviev, expressou a disponibilidade para operar a estação até 2030.

Mas, na realidade, a situação é completamente diferente: tudo é bastante triste. Nossos desejos e vontades não melhoram o estado do segmento russo. Seus módulos têm um recurso designado de 15 anos. Veja o módulo Zvezda: seus cascos foram fabricados na fábrica Khrunichev inicialmente para a estação Mir na década de 1980. E eles tinham uma vida útil de 7-8 anos. Mas as circunstâncias mudaram, este módulo ficou guardado, então a RKK o reequipou e deu a ele um prazo extra de 15 anos. E ele está voando há mais de 20 anos! Está fora do prazo de garantia. E o próprio corpo, seu metal – em funcionamento já há tres decadas.

Naturalmente, existem fissuras, pois a estrutura do metal se degrada. Qualquer produto nasce e morre. No ano passado, houve um sinal específico: o relatório de Solovyov, que dizia: depois de 2025, a degradação do segmento russo será tal que gastaremos 10-15 bilhões de rublos por ano apenas em seus reparos. Os problemas vão crescer como uma avalanche.

– Acontece que ainda precisamos sair da ISS?

– Mas falamos aos nossos parceiros: está tudo ótimo, estamos estendendo a operação até 2030. E dobramos essa linha até o início de abril. E depois de 12 de abril, apareceu na mídia um vazamento de que Putin teve uma reunião secreta em Engels, onde a questão da criação de uma nova estação foi considerada. E nossos parceiros ISS ficaram surpresos! Há pânico no escritório de Moscou da Agência Espacial Europeia, a NASA está em silêncio … Nós aquecemos nossos parceiros e, às escondidas, tomamos a decisão de deixar a ISS depois de 2025.

Não é assim que as coisas são feitas. Este é um projeto internacional que começou sob o acordo Gore-Chernomyrdin no final dos anos 1990. Além disso, vamos lembrar o que estava acontecendo conosco: atropelamos todos os prazos de lançamento do primeiro módulo, porque estupidamente não havia dinheiro. O bloco de carga funcional Zarya no centro de nosso segmento foi construído com dinheiro americano. E agora decidimos sair sem nem mesmo informá-los. Eles souberam sobre isso na mídia. Isso significa que somos parceiros não confiáveis. Não existem apenas riscos políticos: éramos amigos, agora não somos mais amigos. Começamos a transportar seus astronautas de US $ 20 milhões por um assento – e aumentamos o preço para US $ 70-80-90 milhões, comportando-nos como monopolistas. Era preciso falar em tempo e em voz alta sobre o processo de envelhecimento, então a decisão de deixar a ISS seria lógica e compreensível.

Poucos dias depois desse vazamento, houve uma enxurrada de discursos. O primeiro vice-primeiro-ministro Yuri Borisov falou: sim, provavelmente vamos embora, mas consultaremos os parceiros. E então, três dias atrás, houve um discurso de Borisov em Vesti, onde ele disse tudo em texto simples. “Sim, vamos embora. Nosso segmento está em más condições, 80% dos equipamentos estão gastos e a permanência de nossos astronautas a bordo é, em geral, fatal.”

A Roscosmos trocou instantaneamente de calçado e já no dia seguinte Dmitry Rogozin publicou um vídeo desse mesmo modelo tecnológico – e chama-o de futuro módulo da nossa estação! Ele escreveu que a meta foi estabelecida em 2025 : prontidão para voar. Eu escrevi que isso é uma bagunça completa, e o NEM pronto não é um modelo de vôo. E o de vôo um precisa ser redesenhado, e isso precisa de um ou dois anos.

Todo o “paradigma da informação” mudou abruptamente. Agora precisamos promover uma nova estação com urgência. Há alguns dias, a Roskosmos convidou cerca de 80 jornalistas e blogueiros amigáveis ​​para a estação de controle e teste da RKK Energia, onde lhes mostrou esses dois cascos. A história foi contada por Soloviev e o vice de Rogozin para a ciência. E Soloviev disse: “Este não é um blefe, mas um modelo de vôo.”

Mas este não é o caso. Foram apresentados dois modelos: dimensional e tecnológico, para testes de resistência. A propósito, o segundo modelo pode então ser usado como um modelo de vôo. Houve casos semelhantes na história da aviação. Mas isso é de extremo amadorisko. Normalmente, é construído o primeiro modelo de testeo, que quebra durante os testes estáticos no solo. Ele é carregado em 110% e às vezes, quando todos os dados já foram coletados, eles simplesmente os quebram. Já existe a fadiga do metal e tudo mais. E então o primeiro modelo de vôo é feito.

Mas aqui está um excelente exemplo de nossos tempos: o Su-47, este avião preto com uma asa de geometria reversa. Foi construído como planador na URSS, davam 100% de carga (mas não mais!), Matematicamente tudo foi recalculado, e foi esse planador que foi adaptado para um modelo de vôo, e depois voou. Esta é a primeira vez na história do Sukhoi Design Bureau, como na história da nossa aviação em geral.

Talvez por causa da nossa pobreza este módulo também seja usado. Embora, em geral, isso seja estúpido. Via de regra, um novo é lançado para que possa usar seu prazo de vida operacional no espaço. Afinal, o homem que foge também não vai para a tropa, não precisa de um prazo tão grande. Os próprios testes já estão consumindo o prazo de vida operacional .

– E isso – exatamente? Não poderíamos ainda produzir secretamente um módulo realmente real para o futuro ROSS?

– Não, tal milagre está absolutamente fora de questão. Soloviev mostrou aos jornalistas dois modelos. Bem, no dia seguinte após a minha postagem, Rogozin diz que teremos a estação até 2030, e no dia seguinte, que será até 2035, começaremos a montá-la a partir de 2030. Cinco anos foram adicionados numa noite! E esses termos já são reais. Minha posição é: com financiamento normal (e isso é cerca de 1 trilhão de rublos, o que não existe, mas hoje esse trilhão é, uma decisão política), precisamos de pelo menos 5-8 anos para criar uma nova estação, mas na realidade são dez.

É necessário redesenhar o NEM como a unidade base da nova estação. Re-equipa-lo. O lançamento? O lançamento será no “Angara”, de Plesetsk ou de Vostochny. Mas temos apenas dois lançamentos de Angaras até agora, e o complexo de lançamento em Vostochny ainda está em construção. Eu parti do fato de que se os EUA podiam, a URSS podia. E nesse aspecto somos duas vezes piores que a URSS. O programa Buran começou em 1976, o foguete voou em 1987 e o próprio Buran em 1988. Rogozin se orgulha de que “no auge” dos trabalhos em Vostochny, ele emprega de dois a dois mil e quinhentos construtores. E no “Buran” 50 mil foram empregados, dois exércitos de construção.

Rogozin diz: eles falam, nós estamos saindo da ISS, e ao invés de financiarmos um complexo espacial antigo, vamos criar um novo. Veja: gastamos algo entre US $ 350-360 milhões por ano no ISS. E a nova estação custa um trilhão de rublos. Com esse financiamento, levaremos cerca de 40 anos. Não funciona! O orçamento anual da Roscosmos é agora de 25 bilhões de rublos para a exploração espacial tripulada, e estamos falando de um trilhão.

– Mesmo assim, mas se eventualmente tivermos nossa própria estação, isso significa que não perderemos a astronáutica tripulada?

 – Mas acho que estamos perdendo. Estamos criando uma estação do nível tecnológico do início dos anos 1970, mas, ao contrário daquela época, sem nenhuma tarefa. Ou seja, não é necessária. Naqueles anos, queríamos aprender a viver no espaço, a compreender o que é a ausência de peso a longo prazo, a trabalhar os sistemas de suporte de vida, e o próprio homem no espaço era objeto de uma longa experiência. Até o momento, todas as tarefas em órbita terrestre baixa são mais baratas e menos arriscadas de serem resolvidas por máquinas automáticas. Observar a Rota do Mar do Norte? Os satélites fazem isso sem questionar. Todo o reconhecimento é feito por satélites sem falhas e despejando imagens em formato eletrônico. Comunicação, exploração da Terra e até operações militares. Produção de semicondutores, insulina … Não estamos falando de turistas, hotéis – pelo amor de Deus.

As tarefas para os humanos na órbita da Terra baixa desapareceram. Entendeu-se que a estação orbital é uma etapa preparatória antes do espaço profundo, para que a pessoa possa aprender a viver no espaço. Foi-se. Os americanos vão mais longe na Lua. Este ano a China está criando sua primeira estação orbital multimódulo no modelo de nossa “Mir”, pois este é um passo lógico. E nós? Criamos uma estação visitada apenas periodicamente!

– Mesmo sem residência permanente?

– Sim. Por que só visitar? Porque é caro! Não se pode pagar uma permanente. Tínhamos as estações “Salyut 3-4-5”, na “Salyut-6” estabelecemos recordes de duração, e depois a estação “Mir” – 15 anos de operação contínua. E agora de volta aos voos periódicos. Isso é regressão! Dizemos que estudaremos o fator de voo espacial fora da proteção dos cinturões de radiação da Terra. Por que, alguém se pergunta ?! O impacto da radiação no corpo humano já foi estudado, Chernobyl foi o teste.

Bem, o que temos até 2030? Os americanos já estarão caminhando na Lua. Estações quase lunares com a participação da UE, Canadá, Japão (e até a Ucrânia se inscreveu) – as pessoas já viverão lá. A estação multimodal chinesa em órbita terrestre baixa estará em operação há 5 a 7 anos. E, muito provavelmente, os indianos já voarão para o espaço, como Gagarin e Tereshkova. E nós?

Este é o freio de nossa astronáutica. Agora teremos anos de pausa. Apenas turistas podem ser lançados ao longo da rota de Gagarin, mas não há para onde voar. Eu vejo isso como a morte de nossa astronáutica tripulada.

Rússia: Orenburg será o local de pouso da Aryol

Orenburg tem vantagens logísticas para o pouso da nova nave russa

O diretor da TsENKI – Centro de Operação de Instalações de Infraestrutura Espacial de Base Terrestre, Ruslan Mukhamedzhanov, disse em uma entrevista à TASS que foi tomada a decisão de pousar espaçonaves Aryol nas proximidades da cidade de Orenburg, no sudoeste da Rússia, não muito longe da fronteira com o Cazaquistão. Mais especificamente, uma zona de desembarque com um raio de 8 km foi selecionada em uma região a cerca de 60 km a sudeste de Orenburg, sendo as aldeias mais próximas Kryuchkovka, Buranychi, Staritskoye e Tsvetochnoye. Outras áreas que foram estudadas estavam perto de Orsk, Engels e Rubtsovsk (também não longe da fronteira com o Cazaquistão). As zonas de pouso candidatas foram eventualmente reduzidas a Orenburg e Rubtsovsk, mas a escolha final caiu em Orenburg por ser mais perto do fabricante (RKK Energiya) (1.500 km contra 3.600 km de Rubtsovsk). O pesquisador e autor Bart Hendricx observou que: Mukhamedzhanov confirmou que Orenburg será a área de pouso não apenas para a Aryol , mas também para uma espaçonave provisoriamente chamada Arlyonok (“pequena águia”, o diminutivo de Aryol, “águia”). Dmitri Rogozin disse no final do ano passado que Arlyonok é uma versão mais leve, de 16 toneladas, da Aryol – projetada para transportar dois em vez de quatro cosmonautas. Com ela, os cosmonautas russos poderão fazer voos para a Lua antes que o foguete de carga pesada Yenisei esteja disponível. Isso exigirá um esquema de lançamento múltiplo usando foguetes Angara. O cronograma que Rogozin deu na época foi:

2023: voo de teste autônomo não tripulado da Aryol
2024: voo de teste não tripulado da Aryol para ISS
2025: voo tripulado da Aryol para a estação espacial internacional, seguido por voos regulares das Aryol e Soyuz MS para a ISS
2028: primeiro vôo de teste da Arlyonok

Orenburg

Diretor do TsENKI: especialistas levaram em consideração a densidade populacional na escolha da área de pouso da Aryol

por Ekaterina Moskvich

28 de abril marca cinco anos desde o primeiro lançamento do cosmódromo Vostochny, localizado na região de Amur. Agora existe um complexo de lançamento para foguetes de médio porte da série Soyuz-2. Já foram realizados oito lançamentos utilizando a infraestrutura construída.

Um complexo de lançamento para o foguete Angara está atualmente em construção em Vostochny. Ruslan Mukhamedzhanov, Diretor Geral do Centro de Operação de Instalações de Infraestrutura Espacial em Terra (TsENKI), falou à TASS sobre as perspectivas futuras, a campanha de lançamento de 2021 e os preparativos para lançamentos tripulados do cosmódromo.

Em dezembro de 2012, a OAO TYAZhMASH e a FGUP TsENKI assinaram um contrato para a fabricação dos equipamentos para o cosmódromo de Vostochny.

Em 2021, espera-se um aumento no número de lançamentos de Vostochny, o cosmódromo está pronto para isso?

Em 2021, estão previstos sete lançamentos de espaçonaves: quatro no programa comercial e três no federal. O cosmódromo está pronto para lançamentos e conta com todos os materiais e meios técnicos, componentes de propelente, pessoal treinado e autorizado.

Gostaria de destacar, em especial, que desde 2021 o cosmódromo oferece lançamentos com gerenciamento próprio: praticamente sem o envolvimento de especialistas das filiais da TsENKI – o Instituto de Pesquisa dos Complexos de Lançamento Barmin e Centro Espacial Yuzhny.

Plataforma do Soyuz 2.1 em Vostochniy

Existem planos para concluir a construção da primeira fase do cosmódromo Vostochny em 2021? Como está o andamento do trabalho?

Em 2021, está prevista a continuação da construção de nove instalações da primeira fase do cosmódromo, confiadas à TsENKI pelo governo da Federação Russa. Trata-se de estrutura habitacional, um complexo de áreas de pouso, um complexo meteorológico, estradas, ferrovias e outras instalações.

Em 2021, será concluída a construção de três prédios com um total de 258 apartamentos no microdistrito Zvezdny da cidade de Tsiolkovsky, bem como 28 estruturas e redes de engenharia do Complexo Meteorológico, que permitirão receber, analisar e processar dados sobre fenômenos climáticos perigosos para o lançamento de foguetes.

Além disso, os principais objetos da primeira fase do cosmódromo serão concluídos e apresentados ao desenvolvedor (a Direção FKU do cosmódromo): a instalação de lançamento, complexos técnicos e instalações de captação de água.

Já começaram os trabalhos de desenho da infraestrutura para os lançamentos tripulados de Vostochny? Quando começará sua construção?

Durante uma viagem de trabalho ao cosmódromo pelo Presidente da Federação Russa em setembro de 2019, foi decidido testar o novo veículo espacial de transporte tripulado em um foguete de classe pesada Angara-A5 com o primeiro lançamento não tripulado em 2023. Um lançamento não tripulado para a ISS está programado para 2024, e o primeiro lançamento tripulado em 2025.

Os critérios definidores na formação das técnicas de adaptação do complexo de lançamentos foram a minimização de custos e o aproveitamento máximo da configuração existente das unidades e os sistemas a criar.

Agora está sendo concluído o desenvolvimento de um anteprojeto para o complexo espacial e estão em andamento os preparativos para os equipamentos adicionais de sistemas, que terão início em abril após a adoção pelo cliente estatal do anteprojeto e das normas organizacionais e administrativas para a implantação do trabalho. Até o primeiro lançamento do Aryol, está prevista a criação de todo o equipamento necessário para a realização de todas as operações e testes da espaçonave no complexo de lançamento, com exceção do embarque da tripulação na própria espaçonave.

Espaçonave planejada Aryol

Que infraestrutura será necessária para voos de Vostochny para o espaço profundo?

A operação da nova espaçonave tripulada após o teste deve fazer parte do desenvolvimento do foguete de classe superpesada para voos espaciais profundos. Para isso, está prevista a terceira etapa de criação do cosmódromo Vostochny. Inclui a construção de um complexo de lançamento universal, instalações para um complexo técnico universal, instalações para testes do veículo espacial tripulado e um centro de treinamento de cosmonautas, infraestrutura rodoviária e ferroviária, instalações de energia, instalações de abastecimento de água, habitação adicional e outros.

Anteriormente, o projetista geral do TsENKI disse que a espaçonave Aryol, após o voo espacial, pousaria na região de Orenburg. Por que essa área específica foi escolhida? A Aryol e a Arlyonok terão uma área de pouso comum?

Foguete-portador Angara A5M com espaçonave Aryol

Os veículos espaciais Aryol e Arlyonok terão uma área de pouso comum localizada na região de Orenburg. As povoações mais próximas – as aldeias de Kryuchkovka, Buranychi, Staritskoe e Tsvetochnoe.
Para selecionar a área, o projetista-chefe da espaçonave – a RKK Energia – compilou uma lista de requisitos de densidade populacional, geometria do território, ausência de florestas, grandes rios, reservatórios e pântanos, tipo de solo etc. A Energia também divulgou uma lista com as coordenadas dos centros e os raios das possíveis áreas de pouso.

Inicialmente, quatro locais foram escolhidos perto de Orenburg, Orsk, Engels e Rubtsovsk. As localizações nas regiões de Orenburg (raio de 8 km) e Rubtsovsk (raio de 10,5 km) cumpriram integralmente os requisitos. Porém, Rubtsovsk fica a 3.600 km do fabricante, para onde o veículo espacial deverá ser transportado após o pouso, e Orenburg fica a 1.500 km, o que reduz custos e tempo de entrega do veículo espacial.

Quais as principais obras previstas para a construção do complexo de lançamento do Angara em 2021?

Na unidade de lançamento, a TSENKI está trabalhando na instalação do revestimento metálico do defletor de chamas, que faz parte da plataforma de lançamento. Uma montagem ampliada de estruturas metálicas está sendo realizada para a instalação de tanques de alta pressão. Está em andamento uma montagem ampliada do equipamento do sistema de abastecimento de oxigênio líquido e do sistema de suprimento de nitrogênio.

A instalação de 19 sistemas tecnológicos está prevista para este ano. Na instalação de lançamento – uma plataforma pesando 700 toneladas e uma torre de reabastecimento de cabos pesando 3.000 toneladas, tanques de alta pressão (1584 peças pesando mais de 4 toneladas cada), o fornecimento de gás e sistemas de controle de temperatura serão montados na instalação centralizada. Também está prevista a instalação de sistema de controle automatizado de equipamentos no posto de comando, sistema de abastecimento de naftil na sua unidade de processo e sistemas criogênicos na unidade de processamento de oxigênio e nitrogênio.

No ano passado, após dois lançamentos tripulados, a plataforma de lançamento do cosmódromo de Baikonur sofreu danos não críticos. Com que frequência uma plataforma de lançamento é danificada após os lançamentos?

O impacto do jato de gás dinâmico do foguete na plataforma de lançamento é o mesmo para lançamentos tripulados e não tripulados. Portanto, é impossível dizer se o dano estava associado a programas tripulados.

Para minimizar os resultados das consequências dos lançamentos, os projetistas introduziram unidades de ação única no complexo de lançamentos, que, de acordo com a documentação operacional, devem ser substituídas a cada lançamento. Não verificamos danos sistêmicos no nosso local de lançamento.

Estão em curso trabalhos preparatórios em Baikonur relacionados com a reconstrução da plataforma de lançamento do foguete Soyuz-5?

O projeto Baiterek envolve uma profunda modernização das instalações de infraestrutura terrestre do foguete Zenit-M e do seu complexo espacial no cosmódromo de Baikonur.

Foguete proposto Soyuz 5

À custa dos fundos orçamentários da República do Cazaquistão, o TSENKI terá que modernizar os complexos técnicos e de lançamento, bem como criar instalações de treinamento do zero. Para esses fins, o lado cazaque está alocando 88 bilhões de tenges. O lado russo contribui para o projeto desenvolvendo e criando o foguete Soyuz-5.
As características distintivas do novo complexo são sua compatibilidade ambiental (por conta dos propelentes oxigênio líquido e naftil), maior capacidade de carga (17,5 toneladas em órbita de referência), atratividade de mercado (um custo de lançamento dentro de $ 50-55 milhões, com uma carenagem de cabeça com um diâmetro de 5,2 m).

Apesar da pandemia, o trabalho no cosmódromo foi concluído com sucesso no ano passado. Agora que o desenvolvimento do projeto está sendo concluído nas filiais de Moscou da TsENKI , o trabalho de pré-contrato do bloco de construção foi lançado. Uma holding do Cazaquistão – Basis realizará o projeto e os trabalhos de construção e instalação.

O Soyuz-5 será lançado apenas do cosmódromo de Baikonur. A inauguração do complexo não só criará novos empregos, mas também permitirá que o cosmódromo sobreviva após a redução de uma série de outros programas.

Qual é o destino da plataforma 1 “Gagarin Start” em Baikonur ? Já foi assinado acordo para sua modernização?

Agora, a empresa estatal Roscosmos, juntamente com parceiros do Cazaquistão e dos Emirados Árabes Unidos, está considerando a questão de modernizar a plataforma do foguete Soyuz-2. As bases e condições básicas para a implementação do projeto estão refletidas no esboço de um acordo intergovernamental trilateral, que foi aprovado pelas autoridades da Federação Russa e está atualmente sendo aprovado pelo Cazaquistão e os Emirados Árabes Unidos.

Após a conclusão dos trabalhos preparatórios e da assinatura de um acordo intergovernamental, está prevista a celebração de um contrato com a TsENKI para a modernização do complexo de lançamento por um período de três anos. As datas exatas do projeto ainda não foram definidas.

Você está desenvolvendo tecnologias promissoras para a busca e evacuação de estágios descartados ​​de foguetes para agilizar o processo? Que tecnologias estão sendo desenvolvidas?

No momento, o TSENKI está realizando trabalho de desenvolvimento na KERP-Vostok. Além de abrir novas áreas de queda para as partes separadas do lançador Angara-A5 e modernizar (reduzir o tamanho) das áreas existentes onde caem as partes descartadas do lançador Soyuz-2, está prevista a criação de meios técnicos especiais.

Por exemplo, novas estações de radar móveis estão sendo desenvolvidas, capazes de serem instaladas tanto no chassi de um veículo terrestre quanto no compartimento de carga de um helicóptero Mi-8. Essas estações rastreiam os fragmentos de separação de peças de todos os tipos do veículo lançador na fase passiva de vôo, processam as informações recebidas e dão as coordenadas dos pontos de impacto previstos dos fragmentos. Já testamos essa tecnologia durante os lançamentos dos cosmódromos de Baikonur e Vostochny.

Além disso, para reduzir o tempo de voo para helicópteros Mi-8 em operações de busca, começamos a usar amplamente veículos aéreos não tripulados de médio (até 50 km) e longo alcance (até 100 km), o que o tornou possível reduzir os custos financeiros. A próxima ideia é a implementação de propostas para a instalação de transmissores especiais nos componentes do foguete, sinalizando sua posição após a queda no solo, enquanto os equipamentos receptores podem ser instalados tanto a bordo dos helicópteros quanto nos drones.

China lança Yaogan-34

O Yaogan-34 é um satélite de sensoriamento remoto óptico

Às 15:27 hora local 07:27 UTC de hoje, 30 de abril, o foguete Longa Marcha 4C foi decolou no Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan, colocando com sucesso o Satélite de Sensoriamento Remoto nº 34 Yaogan-34 na órbita programada, sendo missão um sucesso total. Os objetos colocados em órbita foram catalogados como:
2021-037A/48340 – em órbita de 1083 km por 1105 km x incl. 63,38 ° e período orbital de 107,14 min, o Yaogan-34
2021-037B/48341 – em órbita de 983 km por 1091 km x incl. 63,45 °, o terceiro estágio do foguete-portador

O Yaogan-34 (Yáogǎn sānshísì) é um satélite de sensoriamento remoto óptico desenvolvido pelo Instituto de Pesquisa de Tecnologia Aeroespacial de Xangai Shànghǎi hángtiān jìshù yán jiù yuàn. É usado principalmente nas áreas de levantamento de terras, planejamento urbano, confirmação de direitos de terra, projeto de rede de estradas, estimativa de rendimento de safras , e prevenção e mitigação de desastres. Fornecerá informações para a construção da iniciativa Road and Belt “Cinturão e Estrada”.

O foguete Longa Marcha 4C é um veículo de lançamento de propelente líquido hipergólico de três estágios desenvolvido pela Oitava Academia de Engenharia Aeroespacial da China (Hángtiān bā yuàn) ou Aerospace Science and Technology Corporation. Este lançamento é o 34º lançamento do foguete transportador Longa Marcha 4 C e o 368º lançamento da série Longa Marcha de foguetes. Este é o primeiro CZ-4 a usar a carenagem padrão de 4 m de diâmetro em Jiuquan.

Modelo de um Yaogan

A pesquisa e o desenvolvimento do modelo CZ-4 começaram em 1999. É um projeto aprimorado com base no Longa Marcha 4B com a adição de terceiro estágio com capacidade de multi-iginições de seu motor. É usado principalmente para lançar satélites em órbita sincronizada com o sol e tem as características de alta confiabilidade e forte adaptabilidade. Em março de 1999, a Shanghai Aerospace lançou o desenvolvimento do foguete modificado Longa Marcha 4B. O terceiro estágio adota o modo de duas ignições para alcançar um aumento substancial na capacidade de carga . A carga útil em órbita sincronizada com o sol (SSO) de 700 km pode chegar a 2.800 kg ; ao mesmo tempo, o foguete foi aumentado. A capacidade de lançar vários satélites foi conseguida para atender às necessidades de lançamento de mais tipos de satélites. Em 27 de abril de 2006, o foguete CZ-4B, voou com sucesso pela primeira vez no Centro de Lançamento de Satélites de Taiyuan, enviando o Satélite de Sensoriamento Remoto para a órbita pretendida com precisão. Em abril de 2007, a China Aerospace Science and Technology Corporation aprovou a denominação do foguete Longa Marcha 4B, que usa três estágios, como foguete transportador Longa Marcha 4C (codinome CZ-4C).

O foguete Longa Marcha 4C ganhou o segundo prêmio de ciência e tecnologia de defesa nacional. Em janeiro de 2009, o Longa Marcha 4B / C recebeu o título de “Foguete de Medalha de Ouro” pela China Aerospace Science and Technology Corporation.

Foguete Longa Marcha Chengzheng 4C

Spacex Atividades em Boca Chica

Dias 25 a 29 de maio

Raptor SN44 – foto John Kraus

Foram feitos trabalhos de soldagem e verificação no cone de nariz ogival do SN16 com as naceles e aletas instaladas; Ao mesmo tempo, testes estruturais do cone do nariz do SN15, simulando os estresses de decolagem e aterrissagem; O motor Raptor serial 59 foi entregue nas instalações e o Raptor serial 55 foi carregado na caminhonete para ser reenviado a planta de McGregor. Mais um tanque de teste de equipamento de suporte de solo, composto por 11 segmentos, foi montado hoje, dia 29. Uma fuselagem com telhas refratárias foi exposta ao ar livre do galpão 3.

Negociações sobre a base de Alcântara

Entrega de registro simbólico foi feita ontem

O presidente da AEB, Carlos Moura, que participou da entrega de registro simbólico aos representantes das empresas selecionadas para realizar lançamentos de veículos espaciais não governamentais orbitais e suborbitais co Centro Espacial de Alcântara , juntamente com o chefe do Estado-Maior da Aeronáutica, tenente-brigadeiro do ar Marcelo Kanitz Damasceno, destacou a importância do momento para o Programa Espacial Brasileiro. “Após a ratificação do Acordo de Salvaguardas Tecnológicas pelo Congresso Nacional, este é mais um grande passo histórico para o desenvolvimento do Programa Espacial Brasileiro, com o objetivo de tornar o espaçoporto de Alcântara uma referência internacional, para lançamentos de vários países”, explicou.

Neste primeiro momento, três empresas americanas (Hyperion, Orion AST e Virgin Orbit) e uma canadense (C6 Launch) seguem para a fase de negociação contratual junto à Aeronáutica. O edital de chamamento público foi lançado em maio de 2020 pela Agência Espacial Brasileira e o COMAER. Um segundo chamamento público, referente à utilização de outra área dentro do CLA, está em andamento desde o último dia 16 de abril.

A solenidade contou com a presença do presidente Jair Bolsonaro, ministros, parlamentares e embaixadores. Em seu discurso, o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, astronauta Marcos Pontes, destacou a importância do espaçoporto de Alcântara para o desenvolvimento do município maranhense, além das ações de governo voltadas à região, tais como a entrega de títulos de propriedade para comunidades que vivem próximas ao Centro de Lançamento e os avanços até aqui no setor espacial brasileiro. “Esse é um momento ímpar de alinhamento entre todos os setores para o desenvolvimento do nosso programa espacial. Muita coisa ainda vem aí. Nós lançamos, desde 2019, quatro satélites brasileiros e temos feito parcerias internacionais, como o programa Artemis, dos Estados Unidos”, declarou.

O comandante da Aeronáutica, tenente-brigadeiro do ar Baptista Júnior, lembrou a trajetória do Programa Espacial Brasileiro e as novas tecnologias que atraem investidores para o setor espacial. “A miniaturização de satélites, a incorporação de soluções inovadoras, ampliação de serviços e presença cada vez mais marcante da iniciativa privada fazem o newspace se avizinhar como a nova fronteira da exploração do espaço. Observa-se, hoje, um crescente interesse pela atividade, que demonstra a confiança do investidor no futuro do setor, tão presente em soluções, em produtos e serviços para a vida cotidiana”, disse.

O evento também lembrou a importância da aprovação, pelo Congresso Nacional, do Acordo de Salvaguardas Tecnológicas (AST) com os Estados Unidos. O AST autoriza que equipamentos contendo componentes americanos, o que significa cerca de 80% do mercado, sejam lançados do Brasil, uma vez que nosso país garante a proteção desses.

Vostochniy: 5 anos

Aniversário do primeiro voo do Cosmódromo Oriental

5 anos atrás, em 28 de abril de 2016, as atividades do cosmódromo Vostochny foram iniciados pelo lançamento bem-sucedido de um foguete Soyuz-2.1a com o estágio superior Volga e as espaçonaves Aist-2D e Lomonosov.

O veículo de lançamento, o estágio superior e a pequena espaçonave “Aist-2D” foram projetados e fabricados pela JSC RKTs Progress de Samara.

Durante 5 anos, o JSC RKTs Progress do cosmódromo de Vostochny realizou 8 lançamentos do Soyuz-2 . A RKTs Progress participou na criação do cosmódromo de Vostochny, começando pela escolha do local e reconhecimento, emissão de dados iniciais para o desenvolvimento da documentação de projeto, construção e instalação. A empresa também forneceu, testou e comissionou conjuntos de equipamentos de processamento em solo para a preparação dos veículos lançadores Soyuz-2 e do estágio Volga nos complexos técnicos e de lançamento.

O complexo de lançamento Soyuz-2 de Vostochny difere dos complexos de lançamento semelhantes de cosmódromos russos pela presença de uma torre de serviço móvel MBO, que fornece acesso para o pessoal técnico a todas as áreas de serviço do veículo de lançamento, que fica em uma posição vertical na plataforma. Para a remoção de vapores de oxigênio líquido da torre de serviço, o foguete é equipado com dispositivos especiais de ventilação . O posto de comando do complexo de lançamento está equipado com os mais modernos equipamentos de controle dos processos , incluindo um sistema de apoio à informação do gestor de lançamento, que permite visualizar o estado dos sistemas de bordo para a tomada de decisões operacionais.

Alcântara: Segundo chamamento público

2º Chamamento Público para apresentação de informações relativas à operação de lançamentos não militares

Processo nº 01350.000442/2021-81
CHAMAMENTO PÚBLICO

CONSIDERANDO a Nota Técnica Nº 03/2021/CLC/DIEN (SEI nº 0105119),
O PRESIDENTE DA AGÊNCIA ESPACIAL BRASILEIRA, no uso de suas atribuições legais, conferidas pela Lei nº 8854, de 10 de fevereiro de 1994, pelo Decreto nº 10.469, de 19 de agosto de 2020, e pelo Decreto nº 1.953, de 10 de julho de 1996, com base na Lei nº 9.784, de 29 de janeiro de 1999, na Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993 e na Lei nº 9.636, de 15 de maio de 1998, e considerando o disposto no Acordo de Cooperação Nº 01/2020, de 11 de maio de 2020, firmado entre a Agência Espacial Brasileira (AEB) e o Comando da Aeronáutica (COMAER),
RESOLVE:
Tornar público este Chamamento Público para apresentação de informações relativas à operação de lançamento de veículos espaciais não militares a partir do território brasileiro.

  1. OBJETIVO
    1.1. Este Edital de Chamamento Público tem o objetivo de identificar empresas que tenham interesse em realizar operações de lançamento orbital de veículos espaciais, empregando o Centro Espacial de Alcântara (CEA), bem como prover informações básicas sobre o processo, na forma a seguir especificada.
  2. OBJETO
    2.1. Disponibilizar bens e serviços da União para operacionalização do lançamento orbital de veículos espaciais não militares, a partir da área 4, conforme perímetro delimitado na imagem constante no Anexo I, empregando o Centro Espacial de Alcântara (CEA).
  3. PÚBLICO-ALVO
    3.1. Este Chamamento Púbico tem como público-alvo pessoas jurídicas, de direito público ou privado, nacionais ou estrangeiras, constituídas individualmente ou em consórcio, que passam a ser designadas neste Edital, coletivamente, como “PROPONENTES” e isoladamente como “PROPONENTE”, que pretendam indicar interesse próprio em realizar operações de lançamento orbital de veículos espaciais, empregando o Centro Espacial de Alcântara (CEA), em conformidade com o objeto deste Edital.
  4. ATENDIMENTO AO CHAMAMENTO PÚBLICO
    4.1. A resposta a este Chamamento Público, com a manifestação dos PROPONENTES em atender ao objeto deste Edital, dar-se-á por meio de inscrição cujas orientações constam no item 5 deste Edital.
  5. ORIENTAÇÕES PARA A INSCRIÇÃO
    5.1. A inscrição será realizada com o envio da declaração constante no Anexo II e do formulário constante no Anexo III, devidamente preenchidos, exclusivamente por meio do endereço eletrônico
    adastra@aeb.gov.br.
    5.2. O campo assunto do e-mail de inscrição deverá fazer referência ao “Chamamento público nº 7/2021 – Utilização da área 4 do CEA”.
    5.3. Todos os campos do formulário constante no Anexo III deverão ser preenchidos para a validação da inscrição, com exceção dos seguintes campos:
    a) (01.02) Aplicável somente aos PROPONENTES brasileiros; e
    b) (01.04, 01.05 e 01.06) Aplicáveis apenas aos PROPONENTES, em caso de consórcio.
    5.4. O formulário deverá ser preenchido em língua portuguesa.

5.5. Os PROPONENTES poderão anexar ao e-mail arquivos em formato PDF, bem como no formato imagem quando se tratar de mapas, plantas e fotos, sendo que os arquivos não poderão conter restrições para sua edição.
5.6. São informações exigidas no Anexo III, conforme os campos listados a seguir:
5.6.1. Informações sobre a empresa (PROPONENTE):
5.6.1.1. (01.01) Nome da pessoa jurídica: razão social e nome de fantasia da empresa isolada, ou da empresa líder quando em consórcio;
5.6.1.2. (01.02) Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ), se o PROPONENTE for pessoa jurídica brasileira;
5.6.1.3. (01.03) Endereço da matriz da empresa atuando de forma isolada; e
5.6.1.4. (01.04, 01.05 e 01.06) Informações das demais empresas integrantes do consórcio formado ou que se pretenda formar para atendimento ao objeto deste Edital.
5.6.2. Contato do PROPONENTE:
5.6.2.1. (02.01 a 02.04) Informações da pessoa indicada para centralizar as comunicações relativas ao objeto deste Edital.
5.6.3. Responsável técnico do PROPONENTE:
5.6.3.1. (03.01 a 03.04) Informações da pessoa indicada como responsável técnico, em documento oficial, com currículo anexado ao formulário de inscrição.
5.6.4. Conceito de operação do PROPONENTE no Brasil:
5.6.4.1. (04.01 a 04.03) Previsão de início da operação, os períodos em que pretende realizar os lançamentos (por dias corridos e/ou por datas específicas do calendário), a cadência de lançamento estimada e a duração esperada do contrato;
5.6.4.2. (04.04) Descrição dos tipos de lançamento orbitais que pretende realizar;
5.6.5. Informações sobre o veículo lançador e sobre as operações de lançamento:
5.6.5.1. (05.01 a 05.09) Informações sobre o(s) veículo(s) lançador(es) que pretendem utilizar;
5.6.5.2. (05.10 a 05.10e) Informações sobre a fase de prontidão tecnológica do veículo, seja a fase de desenvolvimento, qualificação ou comprovação em atividade operacional.

  1. DAS COMISSÕES
    6.1. Ato do Presidente da AEB instituirá a Comissão de Coordenação e a Comissão Especial de Licenciamento.
    6.1.1. Compete à Comissão de Coordenação, formada por integrantes da AEB e do Comando da Aeronáutica (COMAER), coordenar o trâmite documental e agendar reuniões de esclarecimento com os PROPONENTES.
    6.1.2. Compete à Comissão Especial de Licenciamento, formada por integrantes da AEB, analisar as informações apresentadas relativas aos processos de licenciamento e de autorização de lançamento.
    6.2. Ato do COMAER instituirá a Comissão de Avaliação e a Comissão de Contratos.
    6.2.1. Compete à Comissão de Avaliação, formada por integrantes do COMAER, avaliar as Propostas Finais apresentadas.
    6.2.2. Compete à Comissão de Contratos, formada por integrantes do COMAER, negociar as cláusulas contratuais.
  2. DO PROCESSO
    7.1. Os PROPONENTES farão a inscrição de acordo com as orientações previstas no item 5 e conforme o cronograma estipulado no item 8 deste Edital.
    7.2. Após a inscrição, a AEB executará o processo de validação da inscrição.
    7.3. Caso não seja validada a inscrição, o PROPONENTE poderá fazê-la novamente, enquanto estiver vigente o período de inscrição.
    7.4. Depois de validada a inscrição, o PROPONENTE será contatado para firmar o NDA (Non-Disclosure Agreement) com a AEB.
    7.5. A assinatura do NDA é condição necessária para que o PROPONENTE permaneça no processo e para que venha a receber os documentos com informações mais detalhadas sobre os bens e serviços disponibilizados para o emprego do CEA, a partir de sua área 4, bem como os documentos orientadores para elaboração das Propostas Iniciais e Finais.
    7.6. Após a assinatura do NDA, os PROPONENTES receberão o Manual do Usuário, que contém o detalhamento dos bens e serviços disponibilizados, bem como as Orientações para Elaboração da Proposta Inicial, para operacionalização do lançamento orbital de veículos espaciais não militares, a partir da área 4, conforme perímetro delimitado na imagem constante no Anexo I, empregando o Centro Espacial de Alcântara (CEA).
    7.7. Após o recebimento dos documentos mencionados no item anterior, os PROPONENTES deverão enviar a Proposta Inicial para atendimento ao objeto deste Edital. O não envio dessa Proposta dentro do prazo previsto neste Edital será considerado como desistência do PROPONENTE, implicando a sua exclusão do processo.

7.8. A Comissão de Coordenação fará a apreciação das Propostas Iniciais apresentadas.
7.9. Após apreciação de todas as Propostas Iniciais, os PROPONENTES receberão o documento Orientações para Elaboração da Proposta Final.
7.10. Após a entrega do documento Orientações para Elaboração da Proposta Final, será realizada reunião de esclarecimento (face-to-face) com os PROPONENTES, a fim de fornecer o retorno (feedback) sobre as Propostas Iniciais, além de eliminar dúvidas e fornecer informações para elaboração da Proposta Final.
7.11. Após a realização dos eventos previstos nos itens 7.9 e 7.10, os PROPONENTES deverão enviar a Proposta Final para atendimento ao objeto deste Edital. O não envio dessa Proposta dentro do prazo estabelecido neste Edital será considerado como desistência do PROPONENTE, implicando sua exclusão do processo.
7.12. Após o término do prazo para entrega da Proposta Final, a Comissão de Avaliação fará a avaliação das propostas finais apresentadas.
7.13. Após a avaliação das Propostas Finais e escolha da proposta pelo COMAER, terá início a negociação contratual. Esta negociação terá como pré-requisito a obtenção pelo PROPONENTE da Licença de Operador junto à AEB.
7.14. O contrato será firmado entre o PROPONENTE escolhido e o COMAER.

  1. CRONOGRAMA
    8.1. O prazo de inscrição dos PROPONENTES terminará às 23h59, hora de Brasília, do dia 26 de maio de 2021.
    8.2. A AEB enviará um email confirmando o recebimento da inscrição em até 2 (dois) dias úteis após o seu recebimento.
    8.3. A validação da inscrição ocorrerá em até 9 (nove) dias após o seu recebimento.
    8.4. O prazo para assinatura do NDA (Non-Disclosure Agreement) pelos PROPONENTES será de 10 (dez) dias após os PROPONENTES terem sidos contatados pela AEB com essa finalidade.
    8.5. O envio do Manual do Usuário e das Orientações para Elaboração da Proposta Inicial ocorrerá em até 10 (dez) dias após a assinatura do NDA.
    8.6. O prazo para os PROPONENTES enviarem a Proposta Inicial terminará às 23h59, hora de Brasília, do dia 26 de julho de 2021.
    8.7. O envio das Orientações para Elaboração da Proposta Final será realizado até às 23h59 do dia 06 de setembro de 2021.
    8.8. As reuniões face-to-face serão planejadas pela Comissão de Coordenação e ocorrerão após o envio das Orientações Finais para Elaboração da Proposta Final.
    8.9. O prazo de recebimento da Proposta Final terminará às 23h59, hora de Brasília, do dia 22 de novembro de 2021.
  2. DO SIGILO
    9.1. Todas as informações prestadas pelos PROPONENTES serão classificadas como de acesso restrito, ficando disponíveis para a Comissão Especial de Licenciamento, para a Comissão de Coordenação, Comissão de Avaliação, Comissão de Contratos e demais representantes instituídos pelo COMAER.
  3. MEIO DE COMUNICAÇÃO
    10.1. O encaminhamento de dúvidas dos PROPONENTES acerca deste Edital e as manifestações de caráter informativo feitas pela COMISSÃO DE COORDENAÇÃO ocorrerão por meio do endereço eletrônico
    adastra@aeb.gov.br.
    10.2. A COMISSÃO DE COORDENAÇÃO poderá, a qualquer momento, solicitar informações adicionais aos PROPONENTES, para esclarecer quaisquer informações prestadas.
  4. DISPOSIÇÕES GERAIS
    11.1. As informações do processo serão consideradas válidas desde que sejam provenientes dos PROPONENTES ou de seus representantes legais, conforme declaração oficial da pessoa jurídica e comprovada capacidade técnica para a finalidade a que se destina.
    11.2. OS PROPONENTES deverão obter uma Licença de Operador de Lançamento junto à AEB, conforme regulamento específico emitido por esta Agência, em tempo hábil para início da negociação contratual.
    11.3. OS PROPONENTES deverão obter a Autorização de Lançamento, podendo iniciar os respectivos processos junto à AEB em paralelo com a negociação contratual.
    11.4. Este chamamento público não poderá ser interpretado como garantia de contratação futura.
    11.5. A AEB se reserva o direito de resolver os casos omissos e as situações não previstas neste Edital, em sua respectiva área de competência, baseando suas decisões nas normas vigentes no Direito brasileiro e nos princípios que regem a Administração Pública.
    11.6. Este Chamamento público poderá ser revogado a qualquer momento por razões de interesse público, em decorrência de fato superveniente, ou anulada motivadamente, no todo ou em parte, de oficio.

Blue Origin: Passagens disponíveis para o New Shepard em maio

Video no Twitter da empresa anuncia para 5 de maio o evento

Segundo a empresa, os detalhes para a compra dos ingressos serão divulgados no site no dia 5 de maio próximo.

As capacidades da estação orbital chinesa CSS

Módulo-base Tian He será ampliado com mais dois módulos científicos e naves de carga

Complexo espacial “Tiangong” com sua configuração padrão de três módulos e duas naves de transporte

Um engenheiro chinês fez uma comparação ousada de sua estação espacial com a ISS: “Na verdade, a Estação Espacial Internacional como um grande homem gordo, pesando 400 toneladas, mas com apenas 31 postos de pesquisa científica e apenas 90 quilowatts líquidos de fonte de alimentação. E a estação espacial chinesa tem 26 pontos de gabinetes de carga na cabine, 67 portas de carga extras de pequeno e médio porte, 3 pontos de suspensão de carga extra de grande porte, um ponto de suspensão de plataforma de testes estendida , e sua fonte de alimentação pode até atingir 100 quilowatts; Com essa grande capacidade de alimentação, o complexo Tiangong poderá realizar mais projetos experimentais no futuro, e a escala inicial da estação espacial Tiangong é de 100 toneladas, e definitivamente precisará ser aumentada no futuro. Além disso, a estação espacial chinesa também é relativamente flexível na aplicação. A ‘cápsula óptica’ Xuntian carregada com um grande telescópio voará em órbita próxima à estação espacial. Este é um grande telescópio de pesquisa pesando mais de dez toneladas, que excede o Telescópio Hubble em muitos indicadores de desempenho. Ele tem uma capacidade de observação equivalente à resolução do Hubble e uma capacidade de observação de levantamento com um campo de visão mais de 200 vezes maior. A vantagem desse voo em órbita comum é que a cabine óptica pode acoplar na estação espacial a qualquer momento para manutenção e reabastecimento de propelente.”

CSS – Alguns detalhes da estação espacial da China

O objetivo é ter tripulações de logo termo em órbita

A estação espacial uma vez completada será chamada de “Tiangong”. O projeto inicial da estação incluirá um módulo central, dois módulos experimentais e um módulo óptico, cada um pesando cerca de 20 toneladas; após a conclusão, haverá astronautas vivendo e trabalhando em órbita por longos períodos. Esta configuração de três módulos principais (o módulo óptico será acoplado periodicamente ) pode acoplar duas espaçonaves tripuladas Shenzhou e uma espaçonave de carga Tianzhou. Adota uma configuração simétrica em forma de letra T, com uma vida útil de 10 anos, uma tripulação nominal de três e até 6 pessoas durante a rotação.

Na primeira fase uma nave Tianzhou se acoplará à câmara traseira do módulo-base
A configuração básica da estação espacial chinesa

A cabine principal é o Tianhe; a cabine de experimentos I será a Wentian , a cabine de experimentos II a Mengtian e a cabine óptica é chamada Xuntian.

Desde abril de 2011, o China Manned Space Project lançou uma ampla gama de atividades de solicitação para o público. Em 2013, o China Manned Space Engineering Office lançou oficialmente o logotipo do China Manned Space Project e os nomes da estação espacial tripulada e espaçonave de carga da China.

Originalmente, o nome lançado oficialmente em 2013 era este: A estação espacial tripulada completa é chamada de “Tiangong” (não confundir com os Tiangong 1 e 2, naves experimentais – veículos-alvo – lançadas nos anos 2010´s), codinome “TG”; A cabine principal foi chamada de “Tianhe”, codinome “TH”; a cabine de experiência I foi denominada “Wen Tian”, codinome “WT”; A cabine experimental II seria chamada de “Xun Tian”, codinome “XT”; A nave de carga foi nomeada “Tianzhou”, codinome “TZ”.

Mais tarde, a sede da engenharia espacial tripulada decidiu adicionar outra espaçonave óptica astronômica, semelhante em função ao telescópio espacial Hubble, lançada separadamente em órbita e operada junto com a estação espacial para apoiar o desenvolvimento de instalações ópticas multifuncionais, como levantamento do céu e observação da Terra; quando necessário, pode ser acoplada ao corpo principal da estação para realizar atividades como reabastecimento de propelente, manutenção de equipamento e atualização de equipamento de carga.

Devido à adição de uma cabine óptica, o nome foi mudado.A cabine experimental original II foi denominada “Mengtian”, e o nome ” Xun Tian ” foi posteriormente dado à nova cabine óptica.

Ilustração em várias vistas do bloco-base Tian he. Fonte: Zhàndiǎn miànduìmiàn de hángkōng hángtiān

Cabine central Tianhe

Diagrama esquemático da cabine central Tianhe

Modelo inicial da cabine central

O módulo central da estação espacial chinesa é o centro responsável pelo gerenciamento e controle unificados da montagem da estação espacial . É composto por um módulo de acoplagem múltipla (com função de câmara de descompressão para atividades extraveiculares), um compartimento de habitação e um compartimento de propulsão; seus compartimentos pressurizados tem um total de 150 metros cúbicos de espaço interno. Ele apóia o encontro, a acoplagem e a montagem em órbita de cabines experimentais, espaçonaves tripuladas e espaçonaves de carga. Tem a capacidade de acomodar visitas de longo prazo e suprimentos de astronautas, está equipado com braços robóticos e terá equipamentos ára experimentos de medicina e ciências da vida. Ele foi lançado pelo foguete transportador Longa Marcha 5B .

Porta de engate esquerda, manipulador-robô, painel solar e compartimento de propulsão assinaladas

Na foto acima, a caixa laranja refere-se ao  braço robótico da cabine central. O braço tem 10,2 metros de comprimento, 7 graus de liberdade e capacidade de carga de 25 toneladas . O braço robótico tem a capacidade de “rastejar” de forma autônoma e pode ser transferido do módulo principal para o módulo experimental. Ele pode ser usado para tarefas como auxiliar deacoplamento, transferência de módulos, instalação de carga e auxiliar astronautas ao sair da cabine .

Diagrama esquemático do braço robótico auxiliando o astronauta ao sair da cabine.
Interior do Tian He mostrando a seção traseira, com a porta de acesso à câmara traseira de acoplagem
Cargas acondicionadas na seção frontal do compartimento habitável

Compartimento de acoplagem múltipla e câmara de descompressão

A câmara possui quatro portas de acoplamento para engatar as cabines experimentais e as espaçonaves tripuladas, sendo o centro de conexão da estação espacial. Ele também é equipado com uma escotilha de saída para os astronautas saírem da cabine e os astronautas realizam atividades extraveiculares através da escotilha de saída no topo do compartimento .

Compartimento de propulsão

Há uma porta de acoplagem na parte traseira do compartimento de recursos para acoplar com uma nave de carga. Após a conclusão da estação espacial chinesa, os astronautas irão frequentemente para esta câmara de acoplamento, porque lá será atracada a nave de carga Tianzhou. A nave de carga estará carregada com o “expresso” enviado do solo.

Para ressuprir a tripulação, o compartimento de carga seca da espaçonave Tianzhou será preenchido com “entrega expressa” enviada do solo.

Há algum tempo, o documentário de 6 episódios “Innovative China” foi transmitido pela CCTV.

No quinto episódio “Konghai”, foi mostrado o interior da cabine central da estação espacial chinesa.

O interior da cabine central da estação espacial chinesa. (Imagem acima mostra o compartimento de grande diâmetro (4,2m) sem o compartimento menor instalado; a imagem abaixo é uma simulação)

Para os chineses, a espaçonave Shenzhou é equivalente a um carro: serve de transporte e opção de retorno à terra dos tripulantes. Os laboratórios Tiangong No. 1 e Tiangong No. 2, eram equivalentes a uma pequena casa de um quarto e sala de estar. Quando se trata da estação espacial, ela deve ter três salas, dois quartos e uma sala de armazenamento.

De acordo com o plano, após a conclusão da estação espacial, o programa normal é que três astronautas façam missões de longo tempo (cerca de seis meses) em órbita . Durante a rotação das tripulações, haverá seis astronautas a bordo.

Cabine Experimental I Wentian

No futuro, a estação da China terá dois módulos experimentais, o módulo experimental I e ​​módulo experimental II . As duas cabines experimentais serão os principais locais para experimentos espaciais e podem ser usadas para a habitação temporária dos astronautas.

Diagrama esquemático da cabine de experiência Wentian-cabine de experiência I.

A cabine de experimento I Wentian consiste em uma cabine de trabalho, uma cabine com câmara de ar e uma cabine de recursos. A principal tarefa é dar suporte às aplicações da cabine de trabalho e aos testes fora do veículo, fazer backup de parte das funções do TianHe e armazenar os consumíveis dos astronautas, peças sobressalentes e demais suprimentos. Equipado com uma eclusa de ar principal para apoiar as atividades de saída dos astronautas e  com um pequeno braço robótico .

Cabine Experimental II Mengtian

Diagrama esquemático da Cabine-Experimental II Mengtian

O módulo de experimento II é denominado Mengtian. O módulo de experimento II é o principal componente da montagem da estação espacial. Após o lançamento no espaço, ele conclui o encontro e a acoplagem com o conjunto formado pelo módulo central / módulo de experimento I e participa da operação em órbita. Como uma espaçonave centrada em missões de carga de serviço, o módulo experimental II completa três tarefas básicas: suportar a instalação óptica multifuncional (a cabine óptica Xuntian) auxiliar a cabine principal e expor cargas extra-veículares, e tem um sistema auxiliar de suporte vital.

Cabine Ótica Xun Tian

A plataforma da cabine óptica astronômica da estação espacial, transportará um telescópio de 2 metros . Lançada separadamente em órbita, compartilhará em órbita comum com a estação espacial e apoiará instalações ópticas multifuncionais para realizar levantamentos do céu e observações da terra; quando necessário, poderá ser acoplado à estação espacial para realizar atividades como como reabastecimento de propelente, manutenção de equipamentos e atualizações de equipamentos de carga.

Plano de lançamento

As cabines da estação espacial serão lançadas pelo foguete transportador Longa Marcha 5B no Porto Espacial de Wenchang; as naves de carga serão lançadas pelo foguete Longa Marcha 7; as espaçonaves tripuladas Shenzhou serão lançadas por foguetes Longa Marcha 2F no Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan.

Estação montada em órbita, com painéis solares extras nas extremidades das cabines experimentais Wentian e Mengtian

O foguete Longa Marcha CZ-5B desenvolvido para o aprimoramento da missão da estação espacial foi transferido para o centro de processamento em março deste ano, e o treinamento do local de lançamento e os preparativos antes da primeira missão de vôo foram realizados no acompanhamento. 

Existem dois modelos de CZ-5: Longa Marcha 5 e Longa Marcha 5B; A diferença mais visível está no comprimento da carenagem. A carenagem utilizada pelo Longa Marcha 5B (CZ-5B) tem um diâmetro de 5,2 metros, um comprimento de 20,5 metros e um peso de cerca de 4 toneladas, sendo atualmente a maior e mais maciça carenagem da China.

Teste de separação de carenagem do Longa Marcha No. 5B.  foto China Aerospace Network
Teste da carenagem do foguete da Longa Marcha 5.  foto China Aerospace Network

O comprimento da carenagem do Longa  Marcha 5 original é de 12.267 metros . O comprimento da carenagem do  Longa  Marcha 5B  com seu volume maior torna o espaço interno maior de modo que os compartimentos da estação espacial podem ser carregados no veículo de lançamento.

Parte frontal do Tian He, com o compartimento de acoplagem múltipla
Imagem mostra a seção traseira (compartimento de propulsão) do módulo-base

Falcon 9 B1060.7 lança Starlink v1.0 L24

Foguete B1060.7 lançou outros 60 satélites de Internet hoje

A SpaceX lançou outros 60 satélites de Internet hoje à noite às 23:44 EST (00:44 de Brasília) da plataforma LC-40 de Cabo Canaveral, no booster B1060.7. A missão V1 L24 colocou os satelites em sua órbita preliminar e seu “core” pouou com sucesso alguns minutos depois na barca-drone. O total de satélites Starlink chega a mais de 1300. Pouco mais de oito minutos após o lançamento, o B1060 – que se tornou o quarto “core” de Falcon 9 a registrar um sétimo vôo pousou no convés da Autonomous Spaceport Drone Ship (ASDS), “Just Read the Instructions”.

O B1060 voou pela primeira vez em 30 de junho, para impulsionar o terceiro satélite de navegação do Sistema de Posicionamento Global (GPS) Block III da Força Espacial dos EUA para a órbita terrestre média (MEO), de 20.200 km. Nove semanas depois, em 3 de setembro, ele foi lançado novamente – um recorde de intervalo mais curto entre dois voos do Falcon 9 da Costa Espacial – e depois uma terceira missão em 24 de outubro. Ambos carregavam 60 outros satélites Starlinks. Em seu terceiro vôo, o B1060 marcou o 100º lançamento bem-sucedido de um foguete do tipo Falcon.

O B1060 voou na primeira missão da SpaceX do ano, em 7 de janeiro, com o satélite de comunicações geoestacionário turco Türksat 5A , depois foi reconfigurado em apenas 27 dias para lançar um lote de Starlink em 4 de fevereiro, no que a SpaceX chamou de “reutilização rápida”. Em 24 de março, lançou mais sessenta Starlink em órbita.
As primeiras doze missões de Falcon 9’s de 2021 lançaram portanto um total de 550 Starlinks em órbita baixa, bem como o Türksat 5A em órbita geoestacionária. Além disso, a missão Transporter-1 em janeiro lançou o maior número de cargas úteis primárias (143) já lançadas de uma só vez por um foguete dos EUA.

Booster B1060.7 para a missão Starlink V1 L24
O lote de Starlinks é ejetado do segundo estágio do foguete como um bloco, para depois cada satélite ser separado seguir para sua órbita programada
Satélite Starlink com o painel solar estendido

Progress MS-14 desintegrada após voo recorde de 369 dias

Na quarta-feira, 28 de abril de 2021, às 02:11:30 horário de Moscou, o veículo de transporte de carga Progress MS-14 desacoplou-se do módulo Zvezda do segmento russo da Estação Espacial Internacional. Depois disso, teve início seu vôo autônomo, que durou pouco mais de um dia, para testes, e depois a nave reentrou na atmosfera conforme planejado, destruindo-se após 369 dias de voo.

Após seu afsatamento para uma distância segura da estação, especialistas do Grupo Principal de Controle Operacional do segmento russo da ISS (Rocket e Space Corporation Energia, parte da Roscosmos) passaram a controlar seu vôo. Eles testaram um novo sistema de orientação da nave quando ela foi descartada sobre a atmosfera.

De acordo com o programa embutido no computador de bordo em comandos do Flight Control Center de TsNIIMash, às 03:01 horário de Moscou, o motor principal SKD foi ligado para a frenagem . Depois de funcionar por 4 minutos, ele produziu o impulso de 120 m / s. Depois disso, o Progress MS-14 deixou a órbita e cessou de existir. Fragmentos da espaçonave caíram às 03:42:27 horário de Moscou no “cemitério das espaçonaves” na região não navegável do Oceano Pacífico Sul , a 3.150 quilômetros da cidade de Wellington (Nova Zelândia).

O veículo de carga foi lançado para a Estação Espacial Internacional do cosmódromo de Baikonur em 25 de abril de 2020. Com seus propulsores, foram realizadas 10 correções de altitude da órbita da ISS, duas delas não planejadas para evitar “detritos espaciais”. Além disso, ele estabeleceu o recorde de vôo mais longo em órbita terrestre baixa para naves desta família. Antes disso, o voo mais longo era da Progress M-17, que voou como parte da estação Mir em 1993-1994 por 337 dias. A duração do vôo do Progress MS-14 foi de 369 dias.

Atualmente, o segmento russo da Estação Espacial Internacional inclui o veículo de carga Progress MS-16, que foi lançado em 15 de fevereiro de 2021. O próximo lançamento russo está programado para meados do verão deste ano. No início de maio, a preparação do veículo Progress MS-17 para o próximo lançamento terá início no cosmódromo de Baikonur.

A despedida da Progress da estação

As escotilhas entre o cargueiro russo e a ISS haviam sido fechadas em 19 de abril de 2021. Esta noite, às 02h10, horário de Moscou, foi emitido o comando para abrir os ganchos colar de acoplagem SSVP-A da Progress MS-14,e ela se separou da estação por impulso de molas e enviada “em voo livre”, que durará um dia. Neste momento, os especialistas da RKK Energia vão trabalhar um novo sistema de orientação para a reentrada de naves cargueiras. Os motor SKD será acionado em modo de frenagem às 03:01:28, horário de Moscou, em 29 de abril e funcionará por quatro minutos. De acordo com os cálculos do serviço balístico , o Progress MS-14 entrará nas camadas densas da atmosfera às 03:34:23 horário de Moscou. A área estimada de queda de fragmentos é de aproximadamente 3.150 km da cidade de Wellington e 7.390 km de Santiago. A Roscosmos concluiu os procedimentos necessários para estabelecer esta área como temporariamente perigosa para a navegação marítima e de aeronaves.Observe que o veículo de carga Progress MS-14 passou um recorde de um ano e quatro dias em órbita terrestre, superando a duração da espaçonave Progress M-17, que em 1993-1994. passou 337 dias no espaço, servindo ao complexo orbital Mir. A Progress MS-14 fez dez correções de altitude orbital da Estação Espacial Internacional, duas delas não programadas para evitar “detritos espaciais”.

Dados balísticos nominais no desacoplamento do Progress MS-14

Operação
  
Tempo estimado
 (horário de Moscou)
Tempo estimado  (UTC)
Emissão do comando para desacoplar a espaçonave Progress MS-14 da ISS28.04.2021 02:10:0027.04.2021 23:10:00
Separação física da Progress MS-1428.04.2021 02:11:3027.04.2021 23:11:30
Ignição do sistema de propulsão da espaçonave para sair de órbita com impulso de 120 m / s29.04.2021 03:01:2829.04.2021 00:01:28
Desligamento do sistema de propulsão da Progress MS-1429.04.2021 03:05:2729.04.2021 00:05:27
A entrada da Progress MS-14 na atmosfera terrestre29.04.2021 03:34:2329.04.2021 00:34:23
O início da destruição do veículo29.04.2021 03:36:5129.04.2021 00:36:51
Queda de elementos estruturais não queimados da espaçonave no Oceano Pacífico29.04.2021 03:42:2229.04.2021 00:42:22

Foguete Vega lança o Pléiades Neo 3

Primeira missão do Vega do ano transportou mais outros satélites

Vega VV-18

Na quarta-feira, 28 de abril de 2021 ou 01:50 UTC da quinta-feira, 29 de abril, a primeira missão de foguete Vega do ano da Arianespace decolou do Centro Espacial da Guiana, com o satélite de observação óptica Pleiades Neo 3. O primeiro de quatro satélites em uma constelação de observação da Terra avançada, Pleiades Neo 3 foi totalmente financiado e fabricado por seu operador, Airbus. O Pléiades Neo-3 e cinco cargas úteis extras foram colocados em suas respectivas órbitas. Neste vôo, a Vega fez uso de parte de seu adaptador de carga útil múltipla desenvolvido pela ESA para Small Spacecraft Mission Service (SSMS). O SSMS é uma estrutura leve de fibra de carbono modular, que pode acomodar vários satélites leves com uma massa de 1 a 500 kg. O serviço SSMS rideshare, desenvolvido com o apoio da indústria espacial europeia, foi empregado pela primeira vez pela Arianespace em setembro de 2020. Financiado pela Agência Espacial Europeia , o SSMS da Arianespace é empregado pelo Multiple Launch Service (MLS), uma oferta semelhante que usará o veículo de lançamento Ariane 6. Com esses dois serviços, a Arianespace pode “oferecer uma ampla gama de oportunidades de lançamento acessíveis para pequenos satélites e constelações”. Para esta missão VV18, o dispensador de satélites SSMS, também denominado módulo HEXA, oferece seis faces verticais para integração de dispensadores de microssatélites / cubesats. O módulo HEXA é integrado entre o adaptador do estágio AVUM e a seção de satélites-passageiros principal. A missão do SSMS piggyback faz parte dessa oferta comercial da Arianespace, como um novo serviço para atender o mercado de pequenos satélites.

A flexibilidade do sistema SSMS permite que a capacidade sobressalente do Vega seja usada para lançar pequenos satélites junto com a carga útil do cliente principal. Usar mais de uma queima do estágio superior AVUM significa que eles podem também ser lançados em diferentes órbitas . O primeiro uso do SSMS foi em uma missão compartilhada em setembro do ano passado, transportando 53 pequenos satélites. Isso demonstrou o novo serviço do Vega para oferecer acesso de rotina acessível ao espaço para vários satélites leves .

Com uma massa de decolagem de 920 kg, o satélite de observação da Terra Pléiades Neo-3 foi o primeiro a ser lançado em sua órbita sincronizada com o Sol, cerca de 54 minutos após o início da missão. Foi seguido cerca de 47 minutos depois pelo lançamento sequenciado do microssatélite Norsat-3 da Noruega e quatro CubeSats: Bravo, dois satélites Lemur-2 e o Tyvak-128A.

Após a decolagem do Centro Espacial da Guiana, o lançador Vega fez um vôo de pouco mais de seis minutos, acionado pelos três primeiros estágios. O terceiro estágio recuou por meio de motores de separação e afastamento depois de se separar do composto superior, que compreendia o estágio AVUM, o satélite Pleiades Neo 3, o SSMS e seus cinco passageiros auxiliares. O estágio AVUM acendeu seu motor pela primeira vez, com duração de cerca de oito minutos, seguida de uma fase balística com duração de 37 minutos. O estágio AVUM então reiniciou seu motor para uma segunda queima de pouco mais de um minuto, antes de liberar o Pleiades Neo 3. As próximas duas fases de ignição do AVUM duraram cerca de 37 minutos ao todo, seguidas pela liberação das cinco cargas auxiliares. Isso marcou o fim da missão VV18, uma hora e 42 minutos após a decolagem.

Cumprindo os regulamentos de manter o espaço limpo, o estágio superior do foguete disparou uma última vez para garantir a reentrada e queimar alto na atmosfera sobre o oceano.

A Avio, contratante industrial principal para o lançador Vega, sob a direção da Arianespace e a ESA, seguiu as recomendações sobre a produção do veículo e os preparativos para o lançamento. O vôo VV18 representou um retorno bem-sucedido às operações do foguete cujo projeto é majoritariamente italiano.

“Estou satisfeito em ver que a Vega está de volta aos negócios e agradeço às nossas equipes na ESA, junto com a Arianespace, Avio e fornecedores pelo trabalho árduo para chegar a este ponto. Este vôo mostra a versatilidade do Vega. Ele levou um satélite principal e fez uso da capacidade sobressalente para ejetar cinco satélites adicionais em uma órbita separada ”, comentou Daniel Neuenschwander, Diretor de Transporte Espacial da ESA.

Pleiades Neo 3

O Plêiades Neo 3 foi colocado em uma órbita Síncrona com o Sol (SSO) Altitude na separação foi de cerca de 628 km, com uma inclinação de 97,89 graus em relação ao equador. Os outros cinco satélites também foram colocados em uma SSO com altitude de separação aproximada de 613 km, com inclinação de 97,79 graus

Componente superior do foguete com carenagem de cabeça e estágio superior AVUM


Satélites montados no Small Spacecraft Mission Service (SSMS)

O Pléiades-Neo 3, inicialmente também conhecido como VHR-2020, faz parte de uma constelação da Airbus Defense & Space com altíssima resolução para observação da Terra projetada como uma continuação dos satélites Pléiades-HR. O satélite apresenta um imageador com resolução de 30 cm no solo, possivelmente com espelhos deformáveis ​​CILAS. Eles usam terminais de retransmissão de comunicação a laser TesatSpacecom para transferir dados através da rede de satélites geoestacionários SpaceDataHighway (EDRS), permitindo acesso quase em tempo real às imagens, apenas 30 a 40 minutos após a solicitação, para responder rapidamente às situações mais críticas.. A espaçonave Pléiades Neo altamente compacta tem um instrumento óptico de carboneto de silício de última geração e peso leve. A espaçonave tem uma massa de 920 kg. Totalmente financiado, fabricado, operado e sendo de propriedade da Airbus, o Pléiades Neo dará aos clientes comerciais e institucionais dados de alto nível para a próxima década. Cada satélite adicionará meio milhão de km² por dia a uma resolução padrão de 30 cm. As imagens serão facilmente acessíveis na plataforma digital OneAtlas da Airbus, permitindo aos clientes acesso imediato aos dados recém-adquiridos e arquivados, bem como análises extensivas. Seu motor elétrico SPT-50 M está equipado com um Propulsor de Efeito Hall de xenonio, fabricado pela OKB Fakel em Kaliningrado, na Rússia.
A ser composta por quatro satélites idênticos, a frota Pléiades Neo funcionará com os antigos satélites Pléiades existentes. Será seguido de perto por seu gêmeo, Pléiades Neo 4, também programado para lançamento em um foguete Vega algumas semanas depois.
“A Pléiades Neo oferece uma constelação de última geração com imagens de resolução de 30 cm quase em tempo real, abrindo uma gama completamente nova de aplicações para dar aos nossos clientes mais detalhes e mais rapidamente”, disse Jean-Marc Nasr, chefe de Sistemas Espaciais da Airbus.
A órbita permitirá 10h30 no nó descendente, 620 km de altitude, a resolução da imagem do tipo pancromático é de 0,3 m com uma precisão de geolocalização esperada de menos de <5m CE90 em nadir.
A faixa dinâmica na aquisição é de 12 bits. Sua faixa de imagem é de 14km na posição Nadir; sua capacidade de revisita diária, em qualquer lugar (30 ° fora do Nadir) e duas vezes ao dia, em qualquer lugar (46 ° fora do Nadir); a agilidade de apontamento está na faixa de ± 52 °

NorSat-3 foi desenvolvido pelo Laboratório de Voo Espacial (Space Flight Laboratory – SFL) para a Agência Espacial Norueguesa. O NorSat-3, de 15 kg, carrega um detector de radar de navegação experimental para aumentar as capacidades de detecção de navios de seu receptor do Sistema de Identificação Automática (AIS) a bordo. Decorre dos altamente bem-sucedidos NorSat-1 e NorSat-2, todos produzindo dados relacionados ao monitoramento do tráfego marítimo. O NorSat-3 será o primeiro satélite a ser lançado pela Arianespace para a Agência Espacial Norueguesa e o terceiro satélite a ser lançado para a Noruega. O NorSat-3 também será o terceiro satélite construído pela SFL a ser lançado pela Arianespace. O satélite usa o ejetor XPOD Duo do Laboratório de Voo Espacial.

NorSat-3

BRAVO é um CubeSat 6U construído pela NanoAvionics com carga útil de pesquisa de espectro integrada, desenvolvido pela Aurora Insight. É a metade da missão de dois satélites com o objetivo de expandir a infraestrutura de coleta de dados do espectro de radiofrequência da Aurora Insight. BRAVO será o primeiro satélite a ser lançado pela Arianespace para Aurora Insight e também será o primeiro satélite construído pela NanoAvionics a ser lançado pela Arianespace .
O BRAVO usa o ejetor de satélite Astrofein PSL12U-3w.

BRAVO

Os dois satélites corporativos LEMUR-2 da Spire coletarão dados da Terra para fornecer alguns dos mais avançados rastreamento marítimo, de aviação e meteorológico do mundo. O LEMUR-2 também oferece suporte a software hospedado e cargas úteis por meio da Spire Space Services. Esses dois satélites LEMUR-2 serão o nono e o décimo satélites da Spire lançados pela Arianespace.
Os LEMUR-2 e BRAVO compartilharão o ejetor de satélite Astrofein.

LEMUR-2

Tyvak-182A (de Eutelsat ELO alpha) é um CubeSat 6U, que fornecerá informações sobre backhaul de objetos localizados em áreas não servidas por redes terrestres e fornecerá redundância de cobertura de rede terrestre existente. Será o 35º satélite da Eutelsat a ser lançado pela Arianespace. Existem atualmente sete satélites a serem lançados em nome da Eutelsat na carteira da Arianespace: Quantum, KONNECT VHTS, Eutelsat 10B, bem como quatro satélites adicionais sob um Acordo de Serviços de Lançamento Múltiplo (MLSA) com a operadora. Tyvak-182A também será o quarto satélite da Tyvak International como cliente a ser lançado pela Arianespace. Tyvak-182A usa um dispensador tipo Tyvak 6U.

Tyvak-182A

O Vega – Vettore Europeo di Generazione Avanzata

O Vega tem altura 29,9 m, diâmetro 3,025m, massa de lançamento de 137.000 kg e consiste de: Um composto inferior consistindo de três estágios de propelente sólido; um estágio superior AVUM Attitude and Vernier Upper Module (Módulo Superior de Atitude e Vernier) religável; a carenagem de carga útil; e m adaptador / dispensador de carga útil com sistema (s) de separação. Dependendo da missão , uma variedade de diferentes adaptadores/dispensadores ou estruturas de transporte podem ser usadas. O primeiro estágio é o P80 FW, o segundo é o Z23 FW, o terceiro um Z9 FW e o quarto, o AVUM de fabricação ucraniana.
A família de lançadores comerciais da Arianespace foi expandida em 2012 com a adição do Vega, um veículo de nova geração para voos com cargas úteis de pequeno a médio porte. Este lançador de quatro estágios – um programa da Agência Espacial Européia (ESA) – é adaptado para transportar o número crescente de pequenas espaçonaves científicas e outras cargas úteis leves em desenvolvimento em todo o mundo. Sua capacidade de carga útil é de 1.500 kg. em missões a 700 km, em órbita circular.

Para atender ao crescente mercado de pequenos satélites para necessidades institucionais e comerciais, a Arianespace oferece oportunidades de carga compartilhada (carona – rideshare) nos Vega com o Small Spacecraft Mission Service (SSMS). Este conceito, envolvendo vários pequenos satélites de 1 kg a 500 kg transportados em conjunto com o objetivo de compartilhar o custo de lançamento, foi desenvolvido com o apoio da ESA e da empreiteira principal do Vega, a Avio. O dispensador de satélite é um projeto da ESA desenvolvido pela Avio e produzido pela empresa tcheca SAB Aerospace s.r.o. A integração de satélite pode ser realizada pela primeira vez na na República Tcheca.

Estágios Estágio 1
P80
Estágio 2
Zefiro 23
Estágio 3
Zefiro 9
Estágio 4
AVUM
Altura11,7 m 7,5 m 3,5 m 1,7 m
Diâmetro3 m 1,9 m 1,9 m 1,9 m
Tipo de propelentesólidosólidosólidolíquido
Massa de propelente88 toneladas24 toneladas10,5 toneladas0,55 toneladas
Massa seca do motor7.330 kg 1.950 kg 915 kg 131 kg
Massa da carcaça do motor3.260 kg 900 kg 400 kg 16 kg
Impulso médio2.200 kN 871 kN 260 kN 2,42 kN
Tempo de queima110 s77 s120 s667 s
Impulso específico280 s287,5 s296 s315,5 s

China lança 1º módulo de sua estação orbital

Foguete CZ-5B Y2 decolou às 03:23 UTC

O módulo-base Tian He, lançado pelo foguete Longa Marcha CZ-5B nº Y2, pesa cerca de 22.500 kg. O lançamento foi às 03:23:15.613 UTC. A órbita inicial teve parâmetros de perigeu de 171 km e apogeu de 382 km, período 90,04 min e inclinação de 41,47 ° em relação ao equador.

Decolagem do CZ-5 Y2
Foguete CZ-5B Y2

A estação será construída a uma altitude de 340 a 450 km . Será em forma de “T” com o módulo básico no meio e dois módulos-laboratório acoplados em cada lado. Cada módulo laboratório pesará mais de 20 toneladas. O peso total da estação após a conclusão de sua montagem em órbita com nave de carga e espaçonave tripulada pode ser, segundo várias estimativas, de 70 a 100 toneladas.

Etapas de lançamento do Tian He

Poderá receber três tripulantes em caráter permanente e até seis temporariamente (se houver troca de tripulação).
O módulo básico Tianhe (“Harmonia dos Céus”) consiste em um compartimento de instrumentos com uma câmara de acoplagem, um compartimento habitável de dois segmentos cilíndricos e um compartimento de engate com quatro portas de acoplagem e uma escotilha de saída extraveicular. O módulo residencial, com um total de 150 metros cúbicos de espaço interno, inclui cozinha e banheiro, computadores, complexos de comunicação com o posto de comando em terra, entre outros equipamentos. Ele pode ser usado como um veículo autônomo tripulado e laboratório. 
O primeiro módulo laboratorial Wentian ( “Busca Celeste”) será utilizado principalmente para experiências científicas e tecnológicas, como espaço de trabalho e habitacional, e como abrigo de emergência. O módulo será equipado com uma câmara especial para atividades no espaço e um braço-manipulador mecânico para trabalhos fora da estação. O Wentian poderá ser usado como uma central de comando quando necessário. O segundo módulo de laboratório, Mengtian (“Sonho Celestial”), será funcionalmente semelhante ao primeiro, estando equipado com uma câmara de descompressão para a manutenção e reparo de experimentos montados no exterior da estação.

O módulo se separa do estágio central do foguete

A estação terá 14 racks de experimentos científicos do tamanho de uma geladeira e alguns outros de uso geral que fornecem energia, dados, refrigeração e outros serviços para vários projetos de pesquisa. Haverá também mais de 50 pontos de fixação para experimentos na parte externa da estação para estudar como os materiais reagem à exposição às condições do espaço.
Após a conclusão da formação dos elementos principais da estação, um módulo autônomo Xuntian com um telescópio óptico será lançado na mesma órbita. O diâmetro do espelho será de 2 metros. O módulo estará equipado com motores próprios: pressupõe-se que periodicamente acoplará na estação para reparos, reabastecimento e manutenção do equipamento.

Órbita da estação CSS


A montagem da estação em órbita está prevista para ser concluída em 2022. De acordo com as estimativas da Academia Chinesa de Tecnologia Espacial, sua vida útil será de cerca de 15 anos. O Tian He tem quatro propulsores elétricos de efeito Hall, funcionando a xenônio com 80 miliNewtons de empuxo, isp de 1531 s, consumindo 1,5 kW de eletricidade; O módulo tem seis tanques de dimetil hidrazina e tetróxido de nitrogênio (1.800 kg de propelente) para quatro motores de correção orbital e uma série de propulsores de controle de atitude.

A China também enviará a espaçonave de carga Tianzhou-2 e a nave tripulada Shenzhou-12 este ano para acoplar com o módulo central. Três astronautas estarão a bordo do Shenzhou-12 e permanecerão em órbita por três meses, disse Hao Chun, diretor da China Manned Space Agency – agência de voos espaciais tripulados (CMSA). “Vamos transportar materiais de apoio, peças sobressalentes e equipamentos necessários primeiro e, em seguida, nossa equipe”, disse Hao. A nave de carga Tianzhou-3 e a espaçonave tripulada Shenzhou-13 também serão lançadas no final deste ano para acoplar  no Tianhe, e outros três astronautas iniciarão sua estadia de seis meses em órbita.

A estadia mais longa dos astronautas chineses no espaço até agora é de 33 dias. “Em missões anteriores, enviamos água e oxigênio para o espaço junto com os astronautas. Mas, para uma estadia de três a seis meses, água e oxigênio encheriam a nave de carga, sem espaço para outros bens e materiais necessários. Portanto, equipamos o módulo central com um novo sistema de suporte de vida para reciclar urina, condensado do ar exalado e depurador de dióxido de carbono “, disse Bai.

Após as cinco missões de lançamento neste ano, a China planeja seis missões, incluindo o lançamento dos módulos-laboratório Wentian e Mengtian, duas espaçonaves de carga e duas naves tripuladas, em 2022 para concluir a construção da estação espacial.

“Precisamos garantir que cada lançamento seja confiável e que a operação da espaçonave em órbita seja segura. Cada missão é um teste para nossa organização, gerenciamento, tecnologia e capacidade de suporte”, disse Zhou Jianping, projetista-chefe do programa espacial tripulado da China.

A estação orbital chinesa será cerca de cinco vezes menor do que a ISS, e em seus contornos se parece mais com a estação Mir soviética, embora seja menor em tamanho. Seja como for, a nova estação chinesa será o maior projeto desse tipo na história do programa espacial do país. “Não temos a intenção de competir com a ISS em termos de escala”, disse Gu Yidong, cientista-chefe do programa China Manned Space . Em vez disso, a configuração de três módulos é “baseada nas necessidades da China para experimentos científicos” e “o que consideramos um tamanho razoável por uma questão de custo-benefício”.
Além disso, os antigos módulos orbitais da China exigiam reposição regular de água para a tripulação, e a nova estação inclui equipamento para reciclagem de líquidos.

Possível configuração da CSS em órbita

Perspectivas do projeto
A decisão da China de construir sua própria estação espacial se deve em grande parte ao fato de não poder participar da operação da ISS. Para participar deste programa, era necessário obter o apoio de todos os países deste projeto, no entanto, a cooperação espacial entre a China e os Estados Unidos foi congelada por Washington “por motivos de segurança” por muitos anos.
Apesar do alto custo do projeto, a estação espacial nacional traz muitas vantagens para a China: ela não precisa coordenar seu programa de desenvolvimento com outros países, além de depender de suas decisões e financiamento.
Além disso, a ISS pode concluir seu trabalho já em 2024 ou 2028. Então a China se tornará o único país do mundo com uma estação espacial em órbita. Nesse sentido, Pequim pretende desenvolver a cooperação espacial com outros países. O governo da China já anunciou que está pronto para cooperar no âmbito deste programa com todos os países da ONU. Além disso, segundo Pequim, muitos estados já manifestaram interesse em pesquisas conjuntas na estação.

Por exemplo, a Comissão Espacial do maior estado da Península Arábica, o Reino da Arábia Saudita, assinou acordo com a agência espacial chinesa para uma missão científica em 2022 a bordo da futura estação.

O experimento científico planejado se concentrará no estudo dos efeitos dos raios cósmicos em painéis solares modificados. Espera-se que os dados obtidos permitam a criação de sistemas mais avançados de geração de energia para espaçonaves que possam funcionar de forma eficiente por um longo tempo. Até o momento, a China firmou cooperação técnica com 23 instituições em 17 países, incluindo Suíça, Polônia, Alemanha, Holanda, Índia, Japão, Peru, Noruega, França, Espanha, Rússia, Bélgica, Itália, México, Quênia e Arábia Saudita . Os projetos incluem dezenas de áreas, como astronomia, física dos fluidos da microgravidade, ciências da terra, etc.

Painéis solares estendidos em ambos os lados do módulo

O foguete Changzeng CZ-5B

Especificações do CZ-5B
Altura 53,657 m
Diâmetro principal 5,0 m
Massa de Lançamento 849.000 kg
Configuração CZ-5B Estágio central e 4 Boosters
Massa de carga útil para órbita baixa 22.500 kg
A versão 5B da Longa Marcha é baseada em um Módulo Central Criogênico de 5 metros (CZ-5-500) de diâmetro com quatro ‘boosters’ CZ-5-300 de 3,35 metros acoplados a ele. Módulo Central e boosters acendem antes da decolagem, não exigindo ignição em voo e limitando eventos de separação para o lançamento de boosters e carenagem de carga útil e a separação da carga útil, uma redução geral do risco. O estágio central é movido por um par de motores YF-77, uma versão aprimorada do motor criogênico YF-75 em uso na série Longa Marcha 3. Os quatro boosters do CZ-5 são equipados, cada um, com dois motores YF-100 que também são empregados pelos lançadores Longa Marcha 6 e 7, aumentando a semelhança entre os novos foguetes da China. O CZ-5B tem massa de lançamento de 837.000 kg com um empuxo de decolagem total de 10.565 quilonewtons. Ele pode elevar cargas úteis de 23.000 kg para a órbita terrestre baixa (outras fontes afirmam uma capacidade LEO de 25.000 kg).

A versão 5B da Longa Marcha é baseada em um Módulo de Núcleo Criogênico de 5 metros (CZ-5-500) com quatro ‘boosters’ CZ-5-300 de 3,35 metros acoplados a ele. Núcleo e boosters acendem antes da decolagem, não exigindo ignição em voo e limitando eventos de separação para o lançamento de boosters e carenagem de carga útil e a separação da carga útil, uma redução geral do risco. O estágio central é movido por um par de motores YF-77, uma versão aprimorada do motor criogênico YF-75 em uso na série Longa Marcha 3. Os quatro boosters do CZ-5 são equipados, cada um, com dois motores YF-100 que também são empregados pelos lançadores Longa Marcha 6 e 7, aumentando a semelhança entre os novos foguetes da China.

O CZ-5B tem massa de lançamento de 837.000 kg com um empuxo de decolagem total de 10.565 quilonewtons. Ele pode elevar cargas úteis de 23.000 kg para a órbita terrestre baixa (outras fontes afirmam uma capacidade LEO de 25.000 kg).

Foguete CZ-5B Y2 com o módulo-base na seção de cabeça

Alcântara: Americanos e canadenses vão operar no CEA

Empresas dos EUA e do Canadá vão atuar no Centro Espacial de Alcântara

São quatro as empresas selecionadas, cada uma responsável por operar uma unidade do CEA. A Hyperion, dos Estados Unidos, vai operar a plataforma do antigo foguete VLS. A Orion Ast, também norte-americana, ficará responsável por trabalhar na plataforma de lançamento suborbital. A canadense C6 Launch foi escolhida para operar a Área do Perfilador, também plataforma de lançamento, e a Virgin Orbit, outra empresa dos EUA, atuará no aeroporto de Alcântara, que faz parte da base. A expectativa é que as primeiras operações de lançamento tenham início em 2022.   

A Força Aérea Brasileira anunciou hoje a seleção de quatro empresas para operar os lançamentos de satélites a partir do Centro Espacial de Alcântara (CEA), no Maranhão. Três empresas americanas e uma canadense avançaram para a fase de negociação contratual previsto no chamamento público realizado.

O presidente Jair Bolsonaro, durante o anunciou dos nomes das empresas selecionadas para parcerias no Programa Espacial de Alcântara.
O presidente Jair Bolsonaro, durante o anunciou dos nomes das empresas selecionadas para parcerias no Programa Espacial de Alcântara. – Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Cada uma das quatro empresas será responsável por operar uma unidade do CEA. A Hyperion, dos Estados Unidos , vai operar a plataforma do antigo foguete nacional VLS. A Orion Ast, também norte-americana, ficará responsável por atuar em lançadores suborbitais. A canadense C6 Launch foi escolhida para operar a Área do Perfilador, que também é um ponto de lançamento, e a Virgin Orbit, outra empresa americana, atuará no aeroporto de Alcântara, que faz parte da base. A expectativa é que as primeiras operações de lançamento tenham início em 2022.   

Quadro com as empresas selecionadas

Um outro edital, lançado no último dia 16 de abril, vai selecionar empresas para atuar na Área 4 do Centro Espacial. 

Segundo o comandante da FAB, tenente-brigadeiro do ar Batista Júnior, a operacionalização da Base de Alcântara vai ter impactos positivos no desenvolvimento do programa espacial brasileiro. 

“Para o Brasil, a implantação do Centro Espacial de Alcântara implicará ainda no intercâmbio de experiências, no aperfeiçoamento técnico de recursos humanos, da nossa infraestrutura, no desenvolvimento de novos projetos e processos e no aumento do nível de prontidão operacional, advindos da cadência de lançamentos esperada”, afirmou. Ele também espera maior  desenvolvimento do mercado de serviços e da indústria aeroespacial. 

“Nós lançamos, desde 2019 até agora, quatro satélites. Vêm outros pela frente. Essa é a decolagem do programa espacial brasileiro”, comemorou o ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes.

Acordo de Salvaguardas

Em 2019, o Brasil e os Estados Unidos firmaram um Acordo de Salvaguardas Tecnológicas (AST). Por meio desse acordo, o país tem a possibilidade de lançar foguetes e espaçonaves, nacionais ou estrangeiras, que contenham partes tecnológicas norte-americanas. Em contrapartida, o Brasil garante a proteção da tecnologia contida nesses equipamentos. Atualmente, aproximadamente 80% dos equipamentos espaciais do mundo possuem algum componente norte-americano.

O Centro Espacial de Alcântara está localizado em uma posição estratégica para o lançamento de satélites. A sua proximidade com a linha do equador pode reduzir em cerca de 30% o consumo de combustível. A amplitude de lançamento de mais de mais 100 graus permite inserir cargas úteis em órbitas polares e equatoriais. A região também apresenta condições climáticas favoráveis, com tempo estável ao longo do ano, baixa interferência de fenômenos atmosféricos e ausência de eventos como terremotos e furacões. Além disso, é uma região de baixa densidade demográfica e baixo tráfego aéreo e marítimo, também consideradas características vantajosas.

Estação espacial da China CSS

O país deve inaugurar seu posto orbital nos próximos dias com o lançamento do módulo-base Tian He às  03:18 UTC

O módulo-base, a ser lançado por um foguete Longa Marcha CZ-5B nº Y2, será ampliado com dois módulos de experimentos e receberá visitas regulares de naves tripuladas e cargueiras

Módulo-base Tian He vista lateral
Foguete CZ-5B
TianHe em órbita com os painéis solares estendidos
Com uma nave de carga Tianzhou acoplada
Com uma nave tripulada Shenzhou encaixada à frente e uma Tianzhou

Modelo 3D do interior da estação espacial Chinesa

Uma visão do layout geral dos módulos

O modelo parece ter sido feito com base em partes reais dos compartimentos

O tempo em Wenchang, espaçoporto de onde partirá o foguete CZ-5B com o módulo base Tian He, estava nublado até esta manhã. A órbita inicial após a fase de propulsão do CZ-5B deve ser de 180 de perigei por apodeu de 400 km, com inclinação de ~42 graus, e possivelmente a transição para uma órbita circular de 400 km será feita com os motores do próprio Tian He, ou mais tarde, com os propulsores do cargueiro Tianzhou-2 quando acoplado.

Link

ROSS: expedições curtas limitarão a preparação para voos a Marte

Cosmonauta avaliou as capacidades da nova estação espacial russa

Conferência de imprensa pós-voo em Star City - RIA Novosti, 1920, 27/04/2021
 Oleg Kotov – Roskosmos

via RIA Novosti

Expedições curtas à futura estação orbital russa ROSS limitarão as possibilidades de preparação de voos de cosmonautas russos para o espaço profundo, diz o cosmonauta Oleg Kotov , vice-diretor de ciência do Instituto de Problemas Biomédicos da Academia Russa de Ciências .“Infelizmente, é alarmante que Roskosmos esteja atualmente planejando usar esta estação em modo visitado e com curtos períodos de presença da tripulação, o que na verdade limita nossa capacidade de conduzir pesquisas biomédicas em voos longos e ultralongos, que são absolutamente necessários para se preparar para voos de longa distância para Marte “, disse ele em entrevista coletiva à agência de notícias Rossiya Segodnya.

Dmitry Rogozin, Diretor Geral da State Corporation Roscosmos - RIA Novosti, 1920, 21.04.2021
Dmitry Rogozin – Roskosmos

O diretor da Roskosmos, Dmitry Rogozin, explicou por que a Rússia construirá a própria estação orbital. Segundo ele, a duração das expedições à estação orbital russa está prevista para vários meses. Anteriormente, foi relatado que a criação da estação de serviço orbital russa está planejada em duas etapas. Na primeira fase – de 2025 a 2030 – está previsto o lançamento de módulos científicos e energéticos, de acoplagem múltipla, habitacional e de eclusa de ar, e na segunda fase – de 2030 a 2035 – módulos de produção e pesquisa, bem como uma plataforma de serviço de naves espaciais. Está previsto equipar a parte da estação voltada para a Terra com sistemas de observação em diversos espectros – do óptico ao radar, e o lado oposto, com equipamentos de monitoramento do espaço sideral. A estação não será habitada permanentemente, mas será visitada por equipes de 2 a 4 pessoas. Ela pode ser lançada a partir dos cosmódromos de Plestsk e Vostochny . No primeiro estágio, as naves de carga Progress e Soyuz tripuladas continuarão a voar para a nova estação e, no segundo estágio, por naves Aryol tripuladas.

Progress MS-14 fará vôo autônomo antes de se desintegrar

A missão do veículo de transporte de carga Progress MS-14, que durou pouco mais de um ano, está chegando ao fim. De acordo com o programa de vôo da Estação Espacial Internacional em 28 de abril de 2021 às 02:11:30 horário de Moscou, ele se desacoplou do módulo Zvezda do segmento russo ISS no modo normal.

As escotilhas entre o cargueiro russo e a ISS foram fechadas em 19 de abril de 2021. Esta noite, às 02h10, horário de Moscou, foi emitido o comando para abrir os ganchos colar de acoplagem SSVP-A da Progress MS-14,e ela se separou da estação por impulso de molas e enviada “em voo livre”, que durará um dia. Neste momento, os especialistas da RKK Energia vão trabalhar um novo sistema de orientação para a reentrada de naves cargueiras. Os motor SKD será acionado em modo de frenagem às 03:01:28, horário de Moscou, em 29 de abril e funcionará por quatro minutos. De acordo com os cálculos do serviço balístico , o Progress MS-14 entrará nas camadas densas da atmosfera às 03:34:23 horário de Moscou. A área estimada de queda de fragmentos é de aproximadamente 3.150 km da cidade de Wellington e 7.390 km de Santiago. A Roscosmos concluiu os procedimentos necessários para estabelecer esta área como temporariamente perigosa para a navegação marítima e de aeronaves.Observe que o veículo de carga Progress MS-14 passou um recorde de um ano e quatro dias em órbita terrestre, superando a duração da espaçonave Progress M-17, que em 1993-1994. passou 337 dias no espaço, servindo ao complexo orbital Mir. A Progress MS-14 fez dez correções de altitude orbital da Estação Espacial Internacional, duas delas não programadas para evitar “detritos espaciais”.

Dados balísticos nominais no desacoplamento do veículo Progress MS-14

Operação
  
Tempo estimado
 (horário de Moscou)
Tempo estimado  (UTC)
Emissão do comando para desacoplar a espaçonave Progress MS-14 da ISS28.04.2021 02:10:0027.04.2021 23:10:00
Separação física da Progress MS-1428.04.2021 02:11:3027.04.2021 23:11:30
Ignição do sistema de propulsão da espaçonave para sair de órbita com impulso de 120 m / s29.04.2021 03:01:2829.04.2021 00:01:28
Desligamento do sistema de propulsão da Progress MS-1429.04.2021 03:05:2729.04.2021 00:05:27
A entrada da Progress MS-14 na atmosfera terrestre29.04.2021 03:34:2329.04.2021 00:34:23
O início da destruição do veículo29.04.2021 03:36:5129.04.2021 00:36:51
Queda de elementos estruturais não queimados da espaçonave no Oceano Pacífico29.04.2021 03:42:2229.04.2021 00:42:22

Foguete CZ-6 lança Qi Lu 1 e 4 e outros satélites

O CZ-6 nºY5 foi lançado de Taiyuan

(com informações da mídia oficial chinesa e de Igor Lissov, Novosti Kosmonavtiki)

Às 11h20 horário de Pequim (03h20 UTC) de hoje, 27 de abril, a China usou o foguete portador Longa Marcha 6 (CZ-6) do Centro de Lançamento de Satélites de Taiyuan para colocar os três satélites principais Qilu-1, Qilu-4 e Foshan-1 em órbitas programadas, e também seis outros satélites, incluindo o Zhong’an Guotong-1, a constelação Apocalipse 09, o satélite NEO-1, o satélite Taijing-2 01, e os satélites comerciais Golden Bauhinia-1 e o Golden Bauhinia 1-02. Os aparelhos foram colocados em órbita de 495 x 510 km, inclinação de 97.4°.

Na mídia chinesa os satélites foram assim relacionados:

Qílǔ yī hào;
Qílǔ sì hào ;
Fúshān yī hào ;
Zhōng ānguó tōng yī hào ;
Tiānqǐ xīngzuò líng jiǔ xīng;
Qǐyuán Tàikōng NEO-1 ;
Tài jǐng èr hào 01 xīng;
Jīn zǐjīng yī hào 01 ;
e
Jīn zǐjīng yī hào 02

(A agência oficial Xinhua e o jornal Zhongguo Hantian Bao, da China Space Science and Technology Corporation, listaram oito dos nove satélites. Como satelites co-passageiros foram citados “Zhong’an Gotong-1”, “Tianqi-09”, “Qiyuan Taikun NEO-1”, “Taijing-2 No. 01” e “Jinjing-1”. A CASC nomeia o nono satélite como “Jinzijing-1 nº 02” e a Xinhua o lista como “Lingque-1 D02”)

Para atender às necessidades do mercado de serviços de lançamento comercial, a China Aerospace Science and Technology Group Co., Ltd., de propriedade da China Great Wall Industry Corporation, lançou a marca de serviço de lançamento de produto ” Long March Express”, oferecendo os foguetes Longa Marcha nos mercados internacional e doméstico. Esta missão é o primeiro serviço de lançamento comercial de foguete Longa Marcha pela Great Wall Company a clientes sob a marca “Long March Express”. Ela oferece a seis clientes aeroespaciais comerciais domésticos serviços de lançamento “uma seta [o foguete] com nove estrelas [os satélites] “

O veículo lançador Longa Marcha 6 foi desenvolvido pela Oitava Academia do Grupo de Ciência e Tecnologia Aeroespacial. É uma nova geração de pequenos veículos lançadores de propelentes líquidos. Pode alcançar uma órbita sincronizada com o Sol de 700 quilômetros com capacidade de até 1 tonelada e pode fazer lançamentos de um único satélite, ou vários. O veículo lançador CZ- 6 tem as vantagens de capacidade de carga moderada, grande espaço na carenagem, curto período de espera entre a entrega do satelite ao centro de lançamento e sua instalação na cabeça do foguete e suporte a estações de lançamento exclusivas.

O lançamento do CZ-6 é o quinto com vários satélites, o que criou um recorde de lançamento de vinte satélites no esquema uma seta, nove estrelas. Este lançamento também é o 366º da série de foguetes Longa Marcha.

Os satélites Qilu-1 e Qilu-4 atendem principalmente aos usuários da indústria de sensoriamento remoto, principalmente na província de Shandong. O Qilu-1 é um satélite de sensoriamento remoto por radar de abertura sintetica – SAR com varredura lateral em banda Ku com uma abertura sintética com ângulos de incidência de 20-50 ° e a melhor resolução espacial de 2 m. E é capaz de detectar dutos em alguma profundidade abaixo da superfície., transmissores a laser e cargas úteis “inteligentes”. Depois que o satélite estiver em órbita, ele conduzirá principalmente observações de sensoriamento SAR e obtém imagens de por micro-ondas. Além disso, usando comunicação de laser, o Qilu-1 pode verificar o planejamento de missão autônoma em órbita, processamento de imagem e tecnologia de comunicação a laser entre satélites de baixa órbita. Os testes de voo dos satélites e sua operação são confiados ao Grupo Técnico e Científico de Shandong “Zhongke Weixing” (中 卫星 卫星 (山东) 科技 集团ч , Zhongke Weixing (Shandong) Keji Jituan Yuxian Gunsi ). Já o Qilu-4 tem equipamento óptico-eletrônico para levantamento pancromático (preto e branco) da superfície da Terra com uma resolução espacial de 0,5 m (originalmente foi declarado 0,7 m na presença de um pancromático e três canais multiespectrais).

O satélite Foshan No. 1 Fúshān yī hào  é um satélite óptico de sensoriamento com câmera pancromática de alta resolução com resolução de 0,5m. Ele realiza principalmente a verificação em órbita da plataforma flexível e do design integrado, do design ultraleve da câmera e -resolução de tecnologia de imagem. O Foshan-1 é o primeiro exemplar feito pelo Laboratório Jihua (季 华实验室, jihua shiyan shi ), um dos quatro laboratórios na província de Guangdong que trabalham na área de novas tecnologias. O nome do satélite é dado pela cidade de Foshan, onde está localizado. A Beijing Space Science and Technology Company Gengyu musing (耕 宇 牧 星 (北京) 空间 科技 有限公司, genyu musing (Pequim) kunjian keji yuxian gongsi) foi nomeada como a desenvolvedora . Sua massa é de 100 kg.

O satélite Hangsheng-1/Zhongan Guotong 1 (航 升 一号, Hangsheng 1) (中 安 国 通 一号, Zhongan Guotong-1) é outro veículo de sensoriamento remoto óptico que foi comissionado a Pesquisa da Empresa de Ciência e Tecnologia de Satélite “Chzhunan gotun» (中 安 国 通 卫星 科技开发 有限公司, chzhunan gotun Weixing ketszi buzz Youxian gongs ) da Hunan Satellite Science and Technology Company “Hansheng” (湖南 航 升 卫星 科技 有限公司, Hunan hangsheng weixing keji yuxian gongsi), que trabalhou com o Harbin Institute of Robotics. O aparelho com 37 kg foi projetado para testar a tecnologia de observação ótico-eletrônica na faixa do visível por meio de quatro câmeras – alta resolução, banda larga, infravermelho e grande angular. É descrito como o primeiro satélite de sensoriamento “inteligente” chinês com resposta em tempo real, trabalho interativo e capacidade de planejamento inteligente. O usuário com um terminal portátil pode definir a filmagem de um objeto específico no campo de visão e em dois minutos obter a imagem finalizada. Um modelo de panda gigante impresso em 3D de 9,026 cm de altura, segurando uma bandeira nacional e vestindo um traje espacial, foi instalado no exterior do satélite. É um boneco criado conjuntamente pela Base de Pesquisa de Criação de Panda Gigante de Chengdu e a empresa de tecnologia de Pequim, SpaceD.
Enquanto o satélite orbita a Terra, a câmera vai tirar fotos do modelo com o planeta ao fundo. “Pesquisadores e agências de conservação da vida selvagem por si só não são suficientes para salvar espécies ameaçadas”, disse Wu Yongsheng, diretor da base de pesquisa. “Esperamos que o modelo do panda gigante, como símbolo da proteção da vida selvagem e da popularização do conhecimento aeroespacial, incentive mais jovens a aderir à proteção da biodiversidade.” “O modelo 3D do panda vai espalhar o conhecimento sobre o espaço e promover a cultura espacial de uma maneira totalmente nova, além de inspirar o público a explorar a beleza do espaço”, disse Bai Ruixue, presidente do conselho da SpaceD. No futuro, a imagem do panda será usada em iniciativas de educação científica e em obras de arte na proteção do panda gigante, acrescentou Bai.

O Tianqi 0-9 (Tiānqǐ xīngzuò líng jiǔ 0-9) é um satélite de comunicação de internet das coisas – IoT de órbita baixa, usado principalmente para a coleta de informações como a localização e o status do usuário. “Tianqi-09” tem duas variantes da escrita chinesa – a oficial 天启 星座 零九 星 (Tianqi xingzuo ling jiu xing) e com a substituição dos numerais chineses pelos arábicos 天启 星座 09 星. Ambos significam o mesmo – “9º satélite da constelação Tianqi.” A expressão Tianqi , 天启, “Liderança Celestial” é o lema do reinado de um dos imperadores da Dinastia Ming no início do século 17. O desenvolvedor é a Shanghai Space Science and Technology Company ASES (上 海埃 依 斯 航天 科技 有限公司, Shanghai Aiisy Hantian Keji Yuxian Gunsi) e o usuário é Pequim Guodian High-tech Technology Co., Ltd. O número de espaçonaves do grupo chegará a 11 e, até o final de 2021, prevê-se aumentar sua composição para 38 satélites.

O satélite Qǐyuán tàikōng NEO-1 é um satélite de pesquisa científica e verificação de tecnologia, usado para realizar pesquisas baseadas na observação de pequenos corpos celestes e verificação de tecnologias para aquisição de “recursos espaciais” em órbita terrestre baixa. É desenvolvido pela Shanghai Aerospace Science and Technology Co., Ltd., O usuário é Shenzhen Origin Space Technology Co., Ltd.  Seu cliente, a Shenzhen Science and Technology Company “Qiyuan Taikong” (深圳 起源 太空 科技 有限公司, Shenzhen Qiyuan Taikung Keji Yuxian Gunsi , marca registrada Origin Space) se compromete a começar em 2025 explorar recursos extraterrestres em asteróides. Como primeiro experimento nesse caminho, optaram pelo rastreamento e captura de um objeto espacial por rede, já realizado em setembro de 2018 pelo satelite britânico RemoveDEBRIS.

Taijing II 01 (泰 景 二号 01 星, Tài jǐng èr II-01) é mais um satélite de sensoriamento remoto óptico, usado para missões de observação de sensoriamento do solo, e fornecerá aos clientes uma gama completa de serviços de imagem de sensoriamento remoto. O desenvolvedor e usuário é o Beijing Weina Star Technology Co., Ltd e Technology Microsatellite Company “Xingkun” (北京 微 纳 星空 科技 有限公司, Pequim wein Xinggun Keji Yuxian Gunsi , marca registrada MinoSpace). Segundo a empresa, este é o seu nono satélite, incluindo o terceiro no chassi MN50.

Os satélites Jīn zǐjīng yī 1- 02 / Líng què yī -1 D02 金紫荆 一号, são dois satélites de sensoriamento remoto de luz visível usados ​​para observação de alvos terrestres. Os desenvolvedores e usuários são Beijing Zero Heavy Space Technology Co., Ltd. Seu nome alternativo “Lingque-1 D02” (灵 鹊 一号 D02, Lingque-1 D02) é uma referência ao aparelho Lingque-1A da mesma empresa, lançado em 21 de janeiro de 2019, e a um grupo denominado 鹊星座 (Què xīngzuò, “Constelação Lingque”).

Bezos contesta a escolha da NASA para o módulo lunar

Jeff Bezos e Elon Musk, dois dos homens mais ricos do mundo, ambos alegadamente com sonhos de conduzir a humanidade ao sistema solar, estão lutando pela Lua.

The New York Times

A agência espacial americana escolheu a empresa de Elon Musk entre dois outros licitantes para levar seus astronautas de volta à superfície lunar.

Na segunda-feira, a Blue Origin, a empresa de foguetes fundada por Bezos , que deixará o cargo de presidente-executivo da Amazon no final deste ano, entrou com um protesto de 50 páginas junto ao Government Accountability Office federal americano, contestando um contrato de US $ 2,9 bilhões da NASA com a SpaceX para construir um módulo de pouso para os astronautas americanos retornarem à Lua. A NASA anunciou este mês que a SpaceX de Musk foi a única vencedora da competição, derrotando a Blue Origin e uma terceira empresa, a Dynetics of Huntsville, Alabama, uma empreiteira de defesa.

Jeff Bezos

O Dynetics também apresentou um protesto ao GAO na segunda-feira. A empresa não respondeu às perguntas sobre a sua resposta. A NASA reconheceu que foi notificada sobre os protestos. “A NASA não pode fornecer mais comentários devido a litígios pendentes”, disse a agência em um comunicado enviado por e-mail por uma porta-voz. A disputa destaca que quaisquer que sejam as ambições exageradas de Musk e Bezos para o futuro, as fortunas de suas empresas espaciais e a capacidade de gerar os lucros necessários para pagar por seus sonhos grandiosos dependem de preocupações comerciais mundanas como cláusulas de contratos.

A proposta de módulo lunar da Blue Origin

Bob Smith, executivo-chefe da Blue Origin, disse que a decisão da NASA foi baseada em avaliações erradas das propostas – julgando mal as vantagens da proposta da Blue Origin e minimizando os desafios técnicos da SpaceX. Ele também disse que a NASA colocou uma ênfase maior no custo final do que disse que faria. “É realmente atípico para a NASA cometer esse tipo de erro”, disse Smith em uma entrevista. “Eles geralmente são muito bons em aquisições, especialmente em suas missões principais, como o retorno da América à superfície da Lua. Sentimos que esses erros precisam ser corrigidos”.
Ele acrescentou que, de qualquer forma, a agência espacial deveria ter mantido o desejo que já havia manifestado várias vezes, de entregar prêmios a duas empresas.

Starship lunar da Spacex

A SpaceX não respondeu a um pedido de comentário, mas em um tweet dirigido a um repórter do Times , o Sr. Musk fez uma observação em que brincou com o fato de que o Blue Origin ainda não atingiu a órbita com nenhum de seus foguetes. Um ano atrás, a NASA selecionou três projetos de espaçonaves lunares, da SpaceX, Blue Origin e Dynetics, para estudos adicionais. A agência então decidiria quais projetos financiaria para serem construídos para pousos lunares. A proposta da Blue Origin foi uma colaboração conhecida como National Team com três empresas aeroespaciais mais tradicionais e experientes – Lockheed Martin, Northrop Grumman e Draper. O módulo de pouso que eles propuseram parecia uma versão maior do usado para pousos na Lua pela Apollo da NASA nas décadas de 1960 e 1970.

A SpaceX, por outro lado, propôs adaptar sua nave Starship que está desenvolvendo para viagens a Marte. A SpaceX tem testado protótipos em seu centro no sul do Texas, muitas vezes com resultados fracassados na fase de pouso. Durante viagens anteriores à Lua, a NASA estava encarregada de projetos e operações, uma abordagem que triunfantemente venceu União Soviética na corrida à Lua. Mas era caro e, quando o interesse público pela Lua diminuiu, a tecnologia tinha pouco valor para o setor privado.

Nos últimos anos, a agência recorreu a empresas privadas para projetar e operar espaçonaves como uma forma de reduzir os custos das viagens espaciais e estimular empreendimentos comerciais fora da Terra. Isso foi um sucesso para as missões de envio de carga, e agora astronautas, para a Estação Espacial Internacional. A SpaceX, em particular, prosperou nessa nova abordagem empresarial do voo espacial. Seu foguete Falcon 9, usado para as missões da estação, é agora um transportador para o lançamento de satélites comerciais. E sua cápsula Crew Dragon, que carregou uma terceira tripulação de astronautas para a estação na sexta-feira, também será usada para viagens pagas por turistas espaciais.

A Blue Origin está atrás das realizações da SpaceX. Sua pequena nave espacial New Shepard, testada com sucesso, destina-se apenas a passeios curtos suborbitais. Um foguete New Glenn, maior, atualmente em desenvolvimento, irá competir com a SpaceX e outras empresas para enviar satélites para a órbita, mas não fará seu vôo inaugural até pelo menos 2022, dois anos depois do originalmente anunciado.

Os parceiros da Blue Origin têm décadas de experiência espacial, no entanto. A NASA anunciou a competição do módulo lunar em 2018, e as autoridades disseram repetidamente que queriam escolher mais de uma empresa para garantir a competição e estimular a inovação e redundância. Em setembro passado, Jim Bridenstine, então administrador da NASA, testemunhou que se preocuparia se escolhesse apenas um projeto de espaçonave. “Quando você elimina a competição”, disse ele a um subcomitê do Senado, “você acaba com programas que inevitavelmente são interligados, e acaba com custos excessivos e atrasos no cronograma”. No entanto, para o atual ano fiscal, o Congresso forneceu apenas US $ 850 milhões – um quarto do que Bridenstine estava solicitando para o desenvolvimento de espaçonaves lunares. Quando os funcionários da NASA anunciaram a SpaceX como a única vencedora, eles sugeriram que orçamentos limitados influenciaram a decisão. Kathy Lueders, administradora associada da agência para exploração e operações humanas, disse que selecionar uma empresa para construir o primeiro módulo lunar era a “melhor estratégia” no momento.Em suas regras para a competição, a NASA não prometeu que escolheria duas empresas ou mesmo qualquer. Em vez disso, de acordo com o documento, a agência disse que planejava selecionar até duas empresas.A Sra. Lueders disse que uma competição de acompanhamento para construir módulos de alunissagem subsequentes seria aberta para a Blue Origin, Dynetics e outras empresas.

O Sr. Smith disse que a Blue Origin faria ofertas em uma competição futura. Mas ele acrescentou: “A ideia de que seremos capazes de restaurar a concorrência com algo que agora é completamente indefinido e totalmente sem financiamento não faz muito sentido para nós”. Quando Bill Nelson, um ex-senador da Flórida que o presidente Biden nomeou para ser o próximo administrador da NASA , testemunhou em uma audiência de confirmação na semana passada, a senadora Maria Cantwell, democrata de Washington e presidente do Comitê de Comércio, Ciência e Transporte do Senado, pediu-lhe que se comprometesse a fornecer ao Congresso um plano de como a agência garantiria a competição comercial no programa de pouso lunar. “Sim”, disse Nelson. “A competição é sempre boa.”Smith disse que, com programas semelhantes no passado, como as missões de estações espaciais, a NASA contratou mais de uma empresa, embora não tivesse certeza sobre os orçamentos futuros.

A oferta liderada pela Blue Origin, de US $ 6,0 bilhões, foi mais do que o dobro do preço da SpaceX. Mas Smith disse que a NASA voltou à SpaceX e negociou o preço de sua proposta, embora não tenha tido discussões semelhantes com as outras duas equipes.“Não tivemos a chance de revisar e isso é fundamentalmente injusto”, disse Smith.
Menos de US $ 9 bilhões teriam pago por duas naves, e isso é comparável ao custo de US $ 8,3 bilhões do programa de tripulação comercial que agora fornece transporte para a estação espacial, argumentou o protesto.“A NASA está obtendo muito, muito valor dessas propostas”, disse Smith.

As avaliações da agência das propostas deram classificações de “aceitáveis” nos aspectos técnicos das propostas da Blue Origin e da SpaceX. A avaliação do Dynetics foi inferior, como “marginal”. A gestão da SpaceX foi considerada “excelente”, enquanto a Blue Origin e seus parceiros foram julgados “muito boa”, assim como a Dynetics. Smith disse que a NASA julgou mal aspectos de sua proposta, como o sistema de comunicação e redundância na orientação e navegação, como pontos fracos. Ele também disse que minimizou os riscos no design da SpaceX, como a necessidade de reabastecer a nave em órbita, o que nunca foi tentado antes.

Os avaliadores da NASA “descartaram amplamente a dificuldade no número de lançamentos e encontros necessários na solução proposta da SpaceX”, disse Smith. “O risco de desenvolvimento da SpaceX é alto.”
O Government Accountability Office tem 100 dias para tomar uma decisão sobre o protesto.Esta não é a primeira vez que a Blue Origin e a SpaceX brigam por um contrato com a NASA. Em 2013, a agência escolheu a SpaceX para assumir a plataforma 39A no Kennedy Space Center na Flórida, que havia sido usado para os lançamentos do Saturn 5 durante o Apollo e, em seguida, os lançamentos dos ônibus espaciais. A Blue Origin argumentou que sua proposta, que permitiria que a plataforma de lançamento fosse usada por várias empresas, deveria ter sido favorecida. Mas o GAO disse que a NASA não expressou preferência por várias empresas que usaaaem a 39A e negou o protesto. A SpaceX agora usa a plataforma de lançamento para missões à estação espacial, e é aí que as viagens da Starship para a Lua provavelmente começarão.

Detalhes do módulo TianHe da estação chinesa que será lançado dia 29

O foguete Longa Marcha-5B Y2 com o módulo-base Tian He da estação espacial chinesa será lançado de Wenchang em 29 de abril por volta das 23h18, horário de Pequim (03h18 UTC) por um foguete Longa Marcha 5B CZ-5B nº Y2. Um vídeo divulgado na mídia chinesa descreve a estação, com base em uma réplica em tamanho real:

No vídeo, a reportagem da CGTN Estatal entrevistou Xu Yansong [*], Diretor de Cooperação Internacional da Organização de Cooperação do Pacífico-Asiática APSCO na Administração Espacial Nacional da China. O módulo-base tem 22.500 kg de massa, com um volume habitável de 50 m³, o que parece muito pouco já que o veículo cilíndrico tem aproximadamente 16,6 metros de comprimento e 2,6 e 4,2 metros de diâmetro. O interior da réplica parece muito simplório, faltando detalhes como suportes de mão (ou alguns presentes, mas semelhantes a peças de mobiliário cromados de escritório) e um acabamento dos painéis de parede rudimentar, de modo que deve tratar-se apenas de um modelo educacional e de marketing. Os motores de correção de órbita e controle de atitude usam como propelentes a dimetil hidrazina assimétrica e o tetraóxido de nitrogênio – um valor de 8 toneladas de propelente é citado, o que deve se referir à capacidade total dos três módulos previstos (Tian He, Mengtian e Wentian, e possivelmente mais uma nave tripulada Shenzhou e um cargueiro espacial Tianzhou acoplados).  O complexo espacial CSS deve atingir uma mass em órbita de 66.000 kg, em órbita circular de 400 km. A CSS foi projetada para operar em órbita com uma inclinação de aproximadamente 41 ° a 43 °. Os três principais componentes da estação são horizontalmente simétricos e acoplados em forma de T. A massa pode chegar a 100.000 kg “quando acoplada com várias espaçonaves tripuladas e veículos de carga” – segundo um documento chinês divulgado em 2018.

Maquete da estação, com alguns elementos fora de escala. O módulo TianHe está ao centro enquanto o Mengtian à direita, com o Wentian à esquerda, cada um com dois paineis solares inclinadod de frente para a câmera
Um dos giroscópios de controle de momentum (CMGs) para estabilização fina da estação
Bicicleta ergomêtrica para exercícios
Painel de controle de algum tipo, possivelmente apenas representativo, pela pouca quantidade de botões e lâmpadas de sinalização
Aparelho de toalete, com sistemas sanitários de coleta de dejetos masculino e feminino
Embalagem de alimentos, com pacotes contendo comida liofilizada
Uma cama aparentemente destinada a experimentos biomédicos
Escafandro de pressão tipo Sokol à esquerda, para uso a bordo da nave Shenzhou, e em pé, um traje Feitian para atividade extraveicular.

Cronograma para a construção da estação espacial CSS:
2021.04.29: Módulo central lançado no foguete CZ-5B Y2
2021/05/20: Lançamento do foguete CZ-7 Y3 com a nave de carga Tianzhou 2
2021.06.10: CZ-2F / G Y12 lança a Shenzhou 12
2021.09: Shenzhou 12 retorna, e o CZ-7 Y4 lança a nave de carga Tianzhou 3;
2021.10: Foguete CZ-2F / G Y13 lança a Shenzhou 13
2022.03: Shenzhou 13 retorna
2022.03-04: Lançamento do CZ-7 Y5 com a nave cargueira Tianzhou 4
2022.04: Avaliação da validação de tecnologia da estação espacial
2022.05: Foguete CZ-2F / G Y14 lança Shenzhou 14
2022.05-06: CZ-5B Y3 lança o módulo Wentian
2022.08-09: CZ-5B Y4 lança o módulo Mengtian
2022,10: Lançamento do foguete CZ-7 Y6 com a Tianzhou 5
2022.11: Lançamento CZ-2F / G Y15 lança a Shenzhou 15 (que ficará acoplada ao mesmo tempo que a Shenzhou 14 por 10 dias, perfazendo uma tripulação de seis taikonautas)

Estação com os três módulos principais e uma nave Tianzhou na extremidade traseira do TianHe e uma Shenzhou pilotada na frente

[*] Xu Yansong Atualmente atua como Diretor de Cooperação Internacional na Administração Espacial Nacional da China. Ele é responsável por toda a cooperação em nível governamental e facilitou várias iniciativas bilaterais e multilaterais, incluindo a série de satélites China-Brasil CBERS, Cooperação China-ESA e missões lunares. Ele trabalhou na Organização Internacional por quatro anos como Diretor Geral Adjunto para Relações Externas e Assuntos Jurídicos da APSCO, representando o governo chinês e responsável por todas as Reuniões de Conselho e expansão de membros. Antes de ingressar na CNSA, ele atuou no antigo Ministério do Espaço em uma fábrica de instalações espaciais em Pequim. Aqui está uma entrevista em inglês em que ele fala sobre a estação.

As atrizes russas para o filme na ISS

A seleção final será anunciada em 15 de maio

por Tony Quine, abril de 2021

O nome da atriz que será enviada à Estação Espacial Internacional, no próximo voo espacial da Soyuz, será revelado no dia 15 de maio, segundo o responsável da Roscosmos. Este vôo espacial incomum será conectado à filmagem do filme  «Вызов», (O Desafio) .
Space Sleuthing Blog acompanhou essa história em desenvolvimento por seis meses , trazendo atualizações regulares. O site foi o primeiro veículo de mídia no mundo a revelar os nomes das quatro finalistas, uma dos quais irá para a Estação Espacial Internacional, daqui a cinco meses.

Em entrevista coletiva na TsSKB Progress, em Samara, no dia 23 de abril, Dmitri Rogozin revelou que o diretor do filme Klim Shipenko completou seus exames médicos e foi confirmado em condições de voar para a ISS. O próximo passo será Shipenko e sua equipe de elenco selecionar a atriz que o acompanhará e ao cosmonauta Anton Shkaplerov a bordo da Soyuz MS-19.

Rogozin continuou: “No final das contas, temos que entender que é sempre o Diretor quem decide com quem ele vai trabalhar. É importante para nós agora mostrar a ele qual dessas meninas está pronta para enfrentar o desafio de o vôo espacial. ” 

Explicou que, conforme o esperado, houve uma alta taxa de eliminação entre as vinte atrizes que entraram na fase final do concurso, em março, o que foi reportado neste post .

“Várias moças foram selecionadas, depois de uma grande evasão, o que era de se esperar. Os médicos são muito rigorosos e estão verificando todos os requisitos, pois as exigências para trabalhar no espaço são muito altas, mesmo para um vôo curto”. explicou o chefe da Roscosmos.Embora Rogozin se recusasse a nomear as candidatas finais, ou dizer quantas são, uma informação adicional que se tornou disponível para o  Space Sleuthing Blog  confirma que o grupo é composto por quatro mulheres, com idades entre 27 e 36 anos. Três são atrizes profissionais experientes , enquanto a quarta é uma atriz amadora, com licença de piloto privado. 

Alena Mordovina, nascida em 1987
Yulia Peresild, 1984
Sofya Arzhakovskaya também conhecida como Sofya Skya, 1987
Galina Kairova, 1994

De acordo com Rogozin, a protagonista, que se juntará à Equipe Principal da Soyuz MS-19, e seu substituto / substituta, será agora selecionada pela equipe de criação e elenco de Klim  Shipenko, e pela empresa de TV First Channel, no decorrer de algumas semanas, como seria o caso com qualquer outro filme.

Também parece provável que a questão dos contratos e acordos todas as partes serão, sem dúvida, obrigadas a celebrar, será bastante complexa. O projeto não tem precedentes e há vários cenários que podem surgir durante o treinamento, o voo espacial e após o retorno à Terra, que precisam ser considerados e resolvidos. Por exemplo, e se a atriz escolhida decidir desistir? 

Uma vez escolhida e contratada a atriz, toda a tripulação da Soyuz MS-19, que será comandada por Shkaplerov, e os seus back-ups deverão ser confirmados, pela Comissão Estatal no dia 13 de maio. Isso vai coincidir com o anúncio oficial a que Rogozin aludiu, sendo feito dois dias depois.

A única ponta solta é a identidade do back-up de Klim Shipenko. 

Pavel Vlasov, Chefe do Centro de Treinamento de Cosmonautas Yuri Gagarin afirmou anteriormente que a Soyuz MS-19 será lançada em 20 de setembro, dando um período de treinamento de apenas quatro meses. Vlasov disse anteriormente que ele e a sua equipe pretendem aperfeiçoar um processo de formação desta duração, para futuros Turistas Espaciais. No entanto, outras fontes ainda mencionam uma data de lançamento para 5 de outubro.

Após uma estadia de doze dias na ISS, durante os quais partes do filme serão filmadas, Shipenko e sua protagonista retornarão à Terra a bordo da Soyuz MS-18, com o comandante da ISS, Oleg Novitsky.

A reunião da Comissão no dia 13 de maio também deve confirmar a tripulação prevista da Soyuz MS-20, como sendo o cosmonauta russo Alexander Misurkin, e dois clientes da Space Adventures, a aviadora austríaca  Johanna Maislinger  e a artista japonesa Yumi Matsutoya

Foguete Vega lançará Pléiades Neo 3 dia 28

Primeira missão do Vega do ano vai levar vários satélites

Na quarta-feira, 28 de abril de 2021 ou 01:50 UTC da quinta-feira, 29 de abril, a primeira missão de foguete Vega do ano da Arianespace vai decolar do Centro Espacial da Guiana, com o satélite de observação óptica Pleiades Neo 3. O primeiro de quatro satélites em uma constelação de observação da Terra avançada, Pleiades Neo 3 foi totalmente financiado e fabricado por seu operador, Airbus.
Os satélites que estão instalados dentro da carenagem da cabeça do Vega são Pleiades Neo 3, NorSat-3, ELO Alpha / Tyvak-182A da Eutelsat e o satélite Bravo para NanoAvionics / Aurora Insight, e dois Lemur-2 da Spire Inc.

Pleiades Neo 3

O Plêiades Neo 3 será colocado em uma órbita Síncrona com o Sol (SSO) Altitude na separação de cerca de 628 km, com uma inclinação de 97,89 graus em relação ao equador. Os outros cinco satélites também serão colocados em uma SSO com altitude de separação aproximada de 613 km, com inclinação de 97,79 graus

Componente superior do foguete com carenagem de cabeça e estágio superior AVUM

A 18ª missão do lançador europeu Vega também orbitará também um microssatélite de observação para a agência espacial norueguesa, Norsat-3, mais quatro cubesats para os operadores Eutelsat, NanoAvionics / Aurora Insight e Spire. Esses pequenos satélites serão transportados como cargas úteis auxiliares no sistema de ejeção Small Spacecraft Mission Service (SSMS). O serviço SSMS rideshare, desenvolvido com o apoio da indústria espacial europeia, foi empregado pela primeira vez pela Arianespace em setembro de 2020. Financiado pela Agência Espacial Europeia , o serviço SSMS da Arianespace é empregado pelo Multiple Launch Service (MLS), uma oferta semelhante que usará o veículo de lançamento Ariane 6. Com esses dois serviços, a Arianespace pode “oferecer uma ampla gama de oportunidades de lançamento acessíveis para pequenos satélites e constelações”. Para esta missão VV18, o dispensador de satélites SSMS, também denominado módulo HEXA, oferece seis faces verticais para integração de dispensadores de microssatélites / cubesats. O módulo HEXA é integrado entre o adaptador do estágio Avum e a seção de satélites-passageiros principal. A missão do SSMS piggyback faz parte dessa oferta comercial da Arianespace, como um novo serviço para atender o mercado de pequenos satélites.
Este serviço de missão da Vega foi especificamente concebido para fornecer um acesso regular, flexível e acessível ao espaço para os pequenos clientes de satélites europeus e mundiais.

Satélites montados no Small Spacecraft Mission Service (SSMS)

O Pléiades-Neo 3, inicialmente também conhecido como VHR-2020, faz parte de uma constelação da Airbus Defense & Space com altíssima resolução para observação da Terra projetada como uma continuação dos satélites Pléiades-HR. O satélite apresenta um imageador com resolução de 30 cm no solo, possivelmente com espelhos deformáveis ​​CILAS. Eles usam terminais de retransmissão de comunicação a laser TesatSpacecom para transferir dados através da rede de satélites geoestacionários SpaceDataHighway (EDRS), permitindo acesso quase em tempo real às imagens, apenas 30 a 40 minutos após a solicitação, para responder rapidamente às situações mais críticas.. A espaçonave Pléiades Neo altamente compacta tem um instrumento óptico de carboneto de silício de última geração e peso leve. A espaçonave tem uma massa de 920 kg. Totalmente financiado, fabricado, operado e sendo de propriedade da Airbus, o Pléiades Neo dará aos clientes comerciais e institucionais dados de alto nível para a próxima década. Cada satélite adicionará meio milhão de km² por dia a uma resolução padrão de 30 cm. As imagens serão facilmente acessíveis na plataforma digital OneAtlas da Airbus, permitindo aos clientes acesso imediato aos dados recém-adquiridos e arquivados, bem como análises extensivas. Seu motor elétrico SPT-50 M está equipado com um Propulsor de Efeito Hall de xenonio, fabricado pela OKB Fakel em Kaliningrado, na Rússia.
A ser composta por quatro satélites idênticos, a frota Pléiades Neo funcionará com os antigos satélites Pléiades existentes. Será seguido de perto por seu gêmeo, Pléiades Neo 4, também programado para lançamento em um foguete Vega algumas semanas depois.
“A Pléiades Neo oferece uma constelação de última geração com imagens de resolução de 30 cm quase em tempo real, abrindo uma gama completamente nova de aplicações para dar aos nossos clientes mais detalhes e mais rapidamente”, disse Jean-Marc Nasr, chefe de Sistemas Espaciais da Airbus.
A órbita permitirá 10h30 no nó descendente, 620 km de altitude, a resolução da imagem do tipo pancromático é de 0,3 m com uma precisão de geolocalização esperada de menos de <5m CE90 em nadir.
A faixa dinâmica na aquisição é de 12 bits. Sua faixa de imagem é de 14km na posição Nadir; sua capacidade de revisita diária, em qualquer lugar (30 ° fora do Nadir) e duas vezes ao dia, em qualquer lugar (46 ° fora do Nadir); a agilidade de apontamento está na faixa de ± 52 °

NorSat-3 foi desenvolvido pelo Laboratório de Voo Espacial (Space Flight Laboratory – SFL) para a Agência Espacial Norueguesa. O NorSat-3, de 15 kg, carrega um detector de radar de navegação experimental para aumentar as capacidades de detecção de navios de seu receptor do Sistema de Identificação Automática (AIS) a bordo. Decorre dos altamente bem-sucedidos NorSat-1 e NorSat-2, todos produzindo dados relacionados ao monitoramento do tráfego marítimo. O NorSat-3 será o primeiro satélite a ser lançado pela Arianespace para a Agência Espacial Norueguesa e o terceiro satélite a ser lançado para a Noruega. O NorSat-3 também será o terceiro satélite construído pela SFL a ser lançado pela Arianespace. O satélite usa o ejetor XPOD Duo do Laboratório de Voo Espacial.

NorSat-3

BRAVO é um CubeSat 6U construído pela NanoAvionics com carga útil de pesquisa de espectro integrada, desenvolvido pela Aurora Insight. É a metade da missão de dois satélites com o objetivo de expandir a infraestrutura de coleta de dados do espectro de radiofrequência da Aurora Insight. BRAVO será o primeiro satélite a ser lançado pela Arianespace para Aurora Insight e também será o primeiro satélite construído pela NanoAvionics a ser lançado pela Arianespace .
O BRAVO usa o ejetor de satélite Astrofein PSL12U-3w.

BRAVO

Os dois satélites corporativos LEMUR-2 da Spire coletarão dados da Terra para fornecer alguns dos mais avançados rastreamento marítimo, de aviação e meteorológico do mundo. O LEMUR-2 também oferece suporte a software hospedado e cargas úteis por meio da Spire Space Services. Esses dois satélites LEMUR-2 serão o nono e o décimo satélites da Spire lançados pela Arianespace.
Os LEMUR-2 e BRAVO compartilharão o ejetor de satélite Astrofein.

LEMUR-2

Tyvak-182A (de Eutelsat ELO alpha) é um CubeSat 6U, que fornecerá informações sobre backhaul de objetos localizados em áreas não servidas por redes terrestres e fornecerá redundância de cobertura de rede terrestre existente. Será o 35º satélite da Eutelsat a ser lançado pela Arianespace. Existem atualmente sete satélites a serem lançados em nome da Eutelsat na carteira da Arianespace: Quantum, KONNECT VHTS, Eutelsat 10B, bem como quatro satélites adicionais sob um Acordo de Serviços de Lançamento Múltiplo (MLSA) com a operadora. Tyvak-182A também será o quarto satélite da Tyvak International como cliente a ser lançado pela Arianespace. Tyvak-182A usa um dispensador tipo Tyvak 6U.

Tyvak-182A

Após a decolagem do Centro Espacial da Guiana, o lançador Vega terá um vôo de pouco mais de seis minutos, acionado pelos três primeiros estágios. O terceiro estágio recuará por meio de motores de separação e afastamento depois de se separar do composto superior, que compreende o estágio AVUM, o satélite Pleiades Neo 3, o SSMS e seus cinco passageiros auxiliares. O estágio AVUM acenderá seu motor pela primeira vez, em uma fase com duração de cerca de oito minutos, seguida de uma fase balística com duração de 37 minutos. O estágio AVUM irá então reiniciar seu motor para uma segunda queima de pouco mais de um minuto, antes de liberar o Pleiades Neo 3. As próximas duas fases de ignição do AVUM durarão cerca de 37 minutos ao todo, seguidas pela liberação das cinco cargas auxiliares. Isso marcará o fim da missão VV18, uma hora e 42 minutos após a decolagem.

O Vega – Vettore Europeo di Generazione Avanzata

O Vega tem altura 29,9 m, diâmetro 3,025m, massa de lançamento de 137.000 kg e consiste de: Um composto inferior consistindo de três estágios de propelente sólido; um estágio superior AVUM Attitude and Vernier Upper Module (Módulo Superior de Atitude e Vernier) religável; a carenagem de carga útil; e m adaptador / dispensador de carga útil com sistema (s) de separação. Dependendo da missão , uma variedade de diferentes adaptadores/dispensadores ou estruturas de transporte podem ser usadas. O primeiro estágio é o P80 FW, o segundo é o Z23 FW, o terceiro um Z9 FW e o quarto, o AVUM de fabricação ucraniana.
A família de lançadores comerciais da Arianespace foi expandida em 2012 com a adição do Vega, um veículo de nova geração para voos com cargas úteis de pequeno a médio porte. Este lançador de quatro estágios – um programa da Agência Espacial Européia (ESA) – é adaptado para transportar o número crescente de pequenas espaçonaves científicas e outras cargas úteis leves em desenvolvimento em todo o mundo. Sua capacidade de carga útil é de 1.500 kg. em missões a 700 km, em órbita circular.

Para atender ao crescente mercado de pequenos satélites para necessidades institucionais e comerciais, a Arianespace oferece oportunidades de carga compartilhada (carona – rideshare) nos Vega com o Small Spacecraft Mission Service (SSMS). Este conceito, envolvendo vários pequenos satélites de 1 kg a 500 kg transportados em conjunto com o objetivo de compartilhar o custo de lançamento, foi desenvolvido com o apoio da ESA e da empreiteira principal do Vega, a Avio. O dispensador de satélite é um projeto da ESA desenvolvido pela Avio e produzido pela empresa tcheca SAB Aerospace s.r.o. A integração de satélite pode ser realizada pela primeira vez na na República Tcheca.

Estágios Estágio 1
P80
Estágio 2
Zefiro 23
Estágio 3
Zefiro 9
Estágio 4
AVUM
Altura11,7 m 7,5 m 3,5 m 1,7 m
Diâmetro3 m 1,9 m 1,9 m 1,9 m
Tipo de propelentesólidosólidosólidolíquido
Massa de propelente88 toneladas24 toneladas10,5 toneladas0,55 toneladas
Massa seca do motor7.330 kg 1.950 kg 915 kg 131 kg
Massa da carcaça do motor3.260 kg 900 kg 400 kg 16 kg
Impulso médio2.200 kN 871 kN 260 kN 2,42 kN
Tempo de queima110 s77 s120 s667 s
Impulso específico280 s287,5 s296 s315,5 s

SpaceX adquire terminal marítimo em Long Beach

Contrato foi aprovado na segunda-feira

O Conselho de Comissários do Porto de Long Beach aprovou na segunda-feira um novo contrato de sublocação com a SpaceX – para fornecer à empresa um terminal marítimo para suas operações de recuperação de foguetes na Costa Oeste. As novas instalações permitirão uma assistência aos lançamentos de satélites Starlink em órbitas polares a partir da base de Vandenberg AFB.

A sublocação proposta prevê um prazo de dois anos, com início em 1º de maio próximo, e autoriza a SpaceX a usar as instalações para atracação de navios, barcaças e outras embarcações, e atividades relacionadas em relação às suas operações de recuperação de equipamentos de lançamento de espaçonaves no mar , incluindo o descarregamento do equipamento por guindaste.

O documento HD-21-248 adota a resolução e autoriza o Diretor Executivo a executar a sublocação com a SpaceX para permitir o uso de aproximadamente 2,85 de terra firme, 3,54 acres de terra submersa e melhorias localizadas na Estrada Nimitz 2700 e faz a determinação de que a ação está categoricamente isenta das disposições da Lei de Qualidade Ambiental da Califórnia.

No sábado, 1º de maio, a empresa assumirá parte de uma instalação à beira-mar em Long Beach, equipada com cais, desocupada há pouco mais de um ano pela Sea Launch, uma empresa de lançamento de satélites comerciais que estava sediada no Porto há 20 anos .

“Estamos extremamente satisfeitos por chegar a um acordo que trará a Space Exploration Technologies Corp. ao porto de Long Beach. Este pacto beneficiará ambas as partes ”, disse o presidente da Comissão do Porto de Long Beach, Frank Colonna. “Damos as boas-vindas à SpaceX na família do Porto.”

“Este é um bom acordo para o Porto, pois oferecemos as instalações e serviços líderes do setor que são perfeitamente adequados para a missão da SpaceX”, disse Mario Cordero, Diretor Executivo do Porto de Long Beach. “Gostaria de parabenizar nossa equipe do Porto, especialmente nossa divisão de ativos imobiliários, por desenvolver este acordo com a SpaceX.”

A SpaceX ocupará cerca de 6,5 acres no Píer ‘T’ do Porto, que já foi o local de um complexo da Marinha dos EUA. A empresa utilizará o cais existente no local para atracar seus navios e descarregar equipamentos. A área negociada oferecerá espaço para descarregar os ‘cores’ de Falcon 9 do que o antigo local do Porto de Los Angeles na Miner Street – que exigia um fechamento parcial da estrada de aecssso para se trazer e posicionar o guindaste. O contrato inclui não apenas o Pier 16, mas cerca de 6131.6 m2 de espaço para escritórios e depósitos. O armazém de 5759 m2 na Nimitz Road nº 2.700 tem um segundo andar com 371m2, que provavelmente serão usados para escritórios.

SN15 pode ser testado dia 28

Starship SN15 pode ser testado em voo na quarta de manhã

Os testes com o SN15 e seus motores Raptors em Boca Chica foram bem-sucedidos. Um teste de ignição está previsto para terça-feira. O teste do SN15 deve acontecer na próxima quarta-feira 28, dependendo dos resultados dos testes dos motores sob alimentação dos tanques de cabeça. A única impedimento para um teste na quarte serão os ventos cuja previsão é de que sejam fortes para a date. Caso as condições atmosfericas permitirem, a SpaceX deve tentar um voo de teste durante a manhã.

Próximo lançamento de Starlinks pode atrasar

Problemas são com a frota marítima da SpaceX

O proximo lançamento dos Starlink da SpaceX (Starlink v1.0 L24 a ser lançado da plataforma SLC-40 da Cape Canaveral Space Force Station em 28 de abril às 0405 UTC) pode sofrer impacto de problemas com a frota de embarcações de reboque e apoio da empresa. O rebocador Hawk que estava rebocando a balsa-drone Just Read the Instructions apresentou um defeito não especificado (se na parte de motorizaçao ou elétrica) e não pode realizar o serviço. A SpaceX já está enviando seu outro rebocador (Finn Falgout) para o trabalho. Outro componente da frota, o GO Quest, também levantou âncora e foi colocada em prontidão para auxiliar na operação.

O Hawk é um rebocador de escolta oceânica pertencente e operado pela Seabulk. O barco foi contratado intermitentemente desde 2017 para rebocar balsas-drones offshore no Oceano Atlântico.
O Finn Falgout é um rebocador construído em 1975. Seu comprimento total é de 43,25 metros e sua largura de 12,19 metros.

Foguete Delta IV-H lança o NROL-82

Lançamento ocorreu às 20:46 UTC da base de Vandenberg AFB; o foguete colocou um satélite militar dos EUA

É consenso dos observadores, com base em evidências publicamente disponíveis, que este lançamento colocou em órbita o segundos atélite Bloco V KH-11/Kennen/Crystal, que pesa entre 15.000 e 17.000 kg e se assemelha ao telescópio espacial Hubble. Uma indicação da carga útil é a trajetoria de voo, que foi divulgada mostrando os primeiros estágios da subida do Delta IV. Embora o azimute para a maioria dos lançamentos possa ser determinado a partir de NOTAMs (avisos aos marinheiros e aviadores, bem como advertências de áreas de risco onde boosters gastos ou estágios de foguete podem cair abaixo do alcance), para a missão NROL-82, a ULA deu uma pista incomum de publicar um guia de visualização que mostrava o Delta IV tomando um rumo sudoeste após sua decolagem de Vandenberg.

Kennen/Crystal – G. de Chiara

Isso exclui uma órbita tipo Molniya, que exigiria uma trajetória sudeste, mas é consistente com uma órbita sincronizada com o Sol, ou SSO.  A SSO é um tipo de órbita terrestre baixa inclinada de forma que um satélite sempre passará sobre um determinado ponto da superfície da Terra no mesmo horário solar local. Isso significa que o Sol sempre iluminará a superfície do mesmo ângulo sempre que o satélite passar por esse ponto. Este é o tipo de órbita usado pelo satélite brasileiro Amazonia-1, por exemplo.

Os satélites de imagem e sensoriamento remoto costumam usar esse tipo de órbita, pois permite a qualidade entre as imagens em várias passagens. Órbitas sincronizadas com o Sol típicas seguem uma trilha ligeiramente retrógrada, quase polar.

Acredita-se que os satélites usem um espelho principal de 2,4 m de diâmetro, o que dá uma resolução teórica do solo de 15 cm. A resolução operacional seria pior devido aos efeitos da atmosfera. Os satélites terrestres provavelmente usam detectores de foto-diodos; mais tarde, detectores CCD foram usados ​​para a geração de imagens. Alegadamente, alguns equipamentos ELINT também são transportados. O contratante principal para os satélites KH-11 é a Lockheed (agora Lockheed Martin).

A série KH-11 transmite seus dados por meio de satélites de retransmissão chamados Satellite Data System ( SDS-1 , SDS-2 , SDS-3 ), que operam em órbitas Molniya e em órbitas geoestacionárias.

Os satélites KH-11 foram construídos em várias versões ou “blocos”, cada um introduzindo melhorias. O sistema óptico provavelmente permaneceu praticamente inalterado, enquanto os sensores e aviônicos foram aprimorados. Com o advento do veículo de lançamento Titan-4 no anos 80 , a quantidade de combustível provavelmente aumentou para uma vida operacional mais longa. Muitas das capacidades dos satélites Crystal permanecem secretas , embora uma amostra de suas capacidades foi divulgada em 2019, quando o então presidente Donald Trump tuitou uma imagem mostrando as consequências de um lançamento fracassado de um satélite iraniano. A imagem, que os observadores de satélite concluiram ter sido feita pelo satélite USA-224 com base em seu ângulo de visão e o tempo de passagem derivado da posição das sombras – mostrou a plataforma de lançamento iraniana com tal clareza que muitos inicialmente pensaram que não poderia ter vindo de um satélite.

Outra pista que aponta para um satélite Crystal como a carga útil NROL-82 é o emblema da missão, retratando uma águia vestindo um traje de vôo da época da Segunda Guerra Mundial contra um fundo da bandeira dos EUA e um céu estrelado. Um caça Vought F4U Corsair pode ser visto ao fundo. O lançamento anterior de um satélite Crystal também apresentava uma águia em trajes de piloto.

China divulga planos de veículo similar ao Starship

Uma nave alada capaz de decolagens e pousos horizontais também está nos planos dos chineses

por Eric Berger, do Ars Technica

Como parte das celebrações do seu “Dia Nacional do Espaço” em Nanjing, as autoridades espaciais chinesas destacaram a missão Chang’e-5 que trouxe amostras lunares, algumas das quais estavam em exibição, e anunciaram o nome do primeiro rover marciano da China, Zhurong , que deve pousar no planeta em maio. Um estande do principal fabricante estatal de foguetes da China, a Academia Chinesa de Tecnologia de Veículos de Lançamento, também destacou o potencial do transporte suborbital ponto-a-ponto – no qual um veículo espacial é lançado da Terra, voa em altitude suborbital e pousa em uma meia-volta ao redor do mundo em menos de uma hora.

O vídeo promocional compartilhado na rede social chinesa Weibo , mostra dois conceitos diferentes para a realização de voos suborbitais de passageiros daqui a cerca de duas décadas. O primeiro conceito se parece muito com o veículo Starship da SpaceX, capaz de decolagem e pouso verticais.

O conceito é notável não apenas por sua similaridade com nave da SpaceX (o exterior do veículo é brilhante, como a estrutura de aço inoxidável da Starship, e o primeiro e segundo estágios são tem o mesmo diâmetro e também em sua função). Embora o Starship tenha sido promovido principalmente como um veículo para levar pessoas à Lua e Marte, a SpaceX também propõe um conceito de transporte ponto-a-ponto. A SpaceX revelou pela primeira vez este conceito ponto-a-ponto em setembro de 2017. Um vídeo divulgado mostrou um voo suborbital na Starship de Nova York a Xangai de apenas 39 minutos e anunciou a capacidade de “qualquer lugar na Terra em menos de um hora.”

O segundo conceito ponto-a-ponto no vídeo chinês mostra uma espaçonave com asas em decolagem horizontal, ao que parece usando uma catapulta eletromagnética. Ambos os sistemas fazem parte dos planos previamente anunciados da China para desenvolver o transporte global ponto-a-ponto até 2045. De acordo com as metas de longo prazo do país, a indústria chinesa começaria a transportar carga ao redor do globo por meio de voo suborbitais em 2035 e passageiros em 2045 .

Esta não seria a primeira vez que o programa espacial chinês se inspira na SpaceX. O país acompanhou a SpaceX desde o início, especialmente com interesse nos planos da SpaceX de reutilizar os primeiros estágios do foguete. Durante o primeiro lançamento da empresa em 2006, um barco espião chinês estava no local do oceano onde o primeiro estágio do foguete Falcon 1 deveria cair.

Mais recentemente, em 2019, o foguete chinês Longa Marcha 2C testou “aletas em grade” como as usadas no primeiro estágio do foguete Falcon 9 controlar sua atitude durante a reentrada. A China pretende desenvolver o foguete Longa Marcha 8 para pousar em uma plataforma marítima como o Falcon 9 , e empresas semi-privadas chinesas como LinkSpace e Galactic Energy parecem estar imitando a tecnologia de lançamento SpaceX.

Foguete CZ-6 pronto para lançamento dia 27

O CZ-6 nºY5 será lançado de Taiyuan com os Qilu-1 e Qilu-4

O foguete CZ-6 número Y5 será lançado do espaçoporto de Taiyuan, para lançar as espaçonaves Qilu (山东 齐鲁 卫星) QL-1 Qilu-1 (齐鲁一号01) e QL-4 Qilu-4 (齐鲁一号04). O sistema Qilu foi desenvolvido pelo Shandong Industrial Research Institute em colaboração com a CAS. O QL-1 é um satélite radar de abertura sintética (SAR), enquanto o QL-4 é um satélite de sensoriamento remoto óptico. Ambos os satélites irão transmitir dados para estações terrestres na banda X.

Segundo seus construtores, “A constelação de satélites Qilu é um projeto inovador do Instituto de Indústria e Pesquisa de Shandong. O Qilu adota o modo de “Internet baseada no espaço + pequenos satélites” pela primeira vez na China, e usa comunicação a laser entre od satélites para obter rápida transmissão e processamento de dados. O satélite tem alta resolução, vários modos de trabalho e maximiza os recursos de observação da Terra. Ele pode ser amplamente usado em muitos campos, como proteção ambiental ecológica, levantamento de terras e recursos, gerenciamento de emergência e produção agrícola.”

O Instituto de Pesquisa de Tecnologia Industrial de Shandong foi oficialmente estabelecido em 30 de julho de 2019. É uma entidade legal independente estabelecida pelo Governo Provincial de Shandong. Está envolvido na inovação e integração de tecnologia industrial e realiza tecnologia produção e comercialização. Aderindo ao conceito de que “sucesso empresarial é o único critério para testar a inovação tecnológica”, o Instituto é baseado em empreendedores inovadores e de acordo com os requisitos de “satisfação das empresas, satisfação dos empresários inovadores e satisfação do comitê do partido e do governo”.


No mesmo voo, serão lançados o Weina Xingkong Weixing (微 纳 星空 卫星), um micro-nano satélite, o Hangsheng-1, de 37 kg, da Hunan Hangsheng Satellite Technology (航 升 一号) e o Taikong Caikuang Shiyan Xing (太空 采矿 试验 星 等), este um satélite de teste de detecção de recursos naturais.

PRÓXIMOS LANÇAMENTOS

ABRIL/MAIO 2021

25 de abril Soyuz • OneWeb 6
Horário de lançamento: 2214 GMT
Local de lançamento: Vostochny Cosmódromo, Rússia
Um foguete russo Soyuz lançará 36 satélites em órbita para OneWeb, que está desenvolvendo uma constelação de centenas de satélites em órbita baixa da Terra para comunicações de banda larga de baixa latência. O foguete Soyuz-2.1b usará um estágio superior Fregat.

26 de abril Delta 4 Heavy • NROL-82
Data de lançamento: 1939-2257 GMT
Local de lançamento: SLC-6, Base da Força Aérea de Vandenberg, Califórnia
Um foguete Delta 4 Heavy da United Launch Alliance lançará uma carga de um satélite espião classificado para o Escritório de Reconhecimento Nacional dos Estados Unidos. O maior da família Delta 4, a versão Heavy apresenta três estágios ‘core’s comuns CCB montados juntos para formar um foguete de corpo triplo. Adiado de setembro.

27/28 de abril Vega • Pleiades Neo 3
Horário de lançamento: 0150 GMT do dia 28
Local de lançamento: ZLV, Kourou, Guiana Francesa
Um foguete Arianespace Vega, denominado VV18, lançará o satélite de observação da Terra Pléiades Neo 3 para Airbus. Pléiades Neo 3 é o primeiro de quatro satélites de observação da Terra de alta resolução Pléiades Neo construídos, pertencentes e operados pela Airbus. O foguete Vega também lançará várias cargas úteis de rideshare. Adiado de fevereiro após falha no lançamento do VV17. Adiado do final de março e 20 de abril.

28 de abril Falcon 9 • Starlink V1.0-L24
Horário de lançamento: 0405 GMT
Local de lançamento: SLC-40, Estação da Força Espacial de Cabo Canaveral, Flórida
Um foguete SpaceX Falcon 9 lançará o 25º lote de aproximadamente 60 satélites para a rede de banda larga Starlink da SpaceX, uma missão designada Starlink V1.0-L24.

29 de abril Longa Marcha CZ- 5B • Tianhe 1
Hora de lançamento: ~03:18 GMT
local de lançamento: Wenchang, China
Uma Longa Marcha 5B chines lançará o Tianhe 1, módulo central da estação espacial chinesa em órbita baixa da Terra.

Abril/maio GSLV Mk.2 • GISAT 1
Hora de lançamento: TBD
local de lançamento: Satish Dhawan Space Center, Sriharikota, Índia
Veículo de lançamento GSLV Mk.2 , designado GSLV-F10, lançará o primeiro GEO Imaging Satellite da Índia, ou GISAT 1. A espaçonave GISAT 1 oferecerá observações contínuas de sensoriamento remoto sobre o subcontinente indiano a partir da órbita geoestacionária de mais de 36.000 quilômetros acima da Terra. Adiado em 15 de janeiro, fevereiro e 5 de março de 2020. Adiado em 28 de março e 18 de abril.

Imagens do voo do Ingenuity em Marte

A performance do drone é excelente, como demonstrador de tecnologia

O drone Ingenuity é capaz de fazer um vôo horizontal mais rápido (até 2 m/s) do que previsto nos testes. Esses testes eram limitados ao tamanho das câmeras de vácuo terrestres. O drone rastreia a superfície marciana durante o vôo, mas como sua câmera de navegação em preto e branco usa o mesmo computador que roda simultaneamente o programa de vôo, foi observado que a velocidade diminui a capacidade do aparelho de monitorar a superfície.

Foguete CZ-6 lançará satélites no dia 27

Deverão ser cinco pequenos satélites em órbita baixa

O foguete CZ-6 número Y5 será lançado do espaçoporto de Taiyuan, para lançar as espaçonaves Shandong Qilu (山东 齐鲁 卫星) QL-1 Qilu-1 (齐鲁一号01) e QL-4 Qilu-4 (齐鲁一号04). O sistema de satélites Qilu foi desenvolvido pelo Shandong Industrial Research Institute em colaboração com a CAS. A espaçonave QL-1 é um satélite radar de abertura sintética (SAR), enquanto o QL-4 é um satélite de sensoriamento remoto óptico. Ambos os satélites irão transmitir dados para estações terrestres na banda-X.

Segundo seus construtores, “A constelação de satélites Qilu é um importante projeto inovador do Instituto de Indústria e Pesquisa de Shandong no campo da informação aeroespacial. O Qilu adota o modo de aplicação de “Internet baseada no espaço + pequenos satélites” pela primeira vez na China, e usa interconexão de comunicação a laser entre satélites para obter rápida coleta, transmissão e processamento de dados. O satélite tem alta resolução, vários modos de trabalho e maximiza os recursos de observação da Terra. Ele pode ser amplamente usado em muitos campos, como proteção ambiental ecológica, levantamento de terras e recursos, gerenciamento de emergência e produção agrícola.”

O Instituto de Pesquisa de Tecnologia Industrial de Shandong foi oficialmente estabelecido em 30 de julho de 2019. É uma entidade legal independente estabelecida pelo Governo Provincial de Shandong. Está envolvido na inovação e integração de tecnologia industrial e realiza tecnologia produção e comercialização. Aderindo ao conceito de que “sucesso empresarial é o único critério para testar a inovação tecnológica”, o Instituto é baseado em empreendedores inovadores e de acordo com os requisitos de “satisfação das empresas, satisfação dos empresários inovadores e satisfação do comitê do partido e do governo”.


No mesmo voo, serão lançados o Weina Xingkong Weixing (微 纳 星空 卫星), um Micro-nano satélite, o Hangsheng-1, de 37 kg, da Hunan Hangsheng Satellite Technology (航 升 一号) e o Taikong Caikuang Shiyan Xing (太空 采矿 试验 星 等), este um satélite de teste de recursos naturais.

Saturn SA-6

Sexto vôo do foguete Saturno I

57 anos atrás, o foguete Saturn SA-6 é visto na plataforma, antes de um teste de interferência de radiofrequência no complexo de lançamento 37. O AS-101 (também designado SA-6) foi o sexto voo do veículo de lançamento Saturn I, que transportou um modelo não funcional (boilerplate) da nave Apollo para a órbita terrestre. O teste ocorreu em 28 de maio de 1964, com duração de quatro órbitas (cerca de seis horas). A espaçonave e seu estágio superior completaram um total de 54 órbitas antes de reentrar na atmosfera e cair no Oceano Pacífico em 1 de junho de 1964.

O vôo experimentou uma única anomalia: um dos oito motores do primeiro estágio do Saturn I desligou mais cedo, mas o sistema de orientação compensou queimando os sete motores restantes por mais tempo.

foto NASA

Retorno da Crew-1 dia 28

Cobertura ao vivo do retorno dos astronautas da SpaceX Crew-1 à Terra em 28 de abril

NASA fará cobertura ao vivo das atividades de retorno da missão Crew-1 com os astronautas Michael Hopkins, Victor Glover , Shannon Walker e Soichi Noguchi da Estação Espacial Internacional.

A Crew Dragon C207 Resilience está programada para desacoplar da estação espacial para começar o retorno às 7h05 EDT na quarta-feira, 28 de abril. NASA e SpaceX têm como meta 12h40 para a amerrissagem.  O retorno à Terra – e as atividades que levam ao retorno – serão transmitidos ao vivo na NASA Television, no NASA App e no site da agência.

A Crew-1 é a primeira de seis missões tripuladas que a NASA e a SpaceX farão como parte do Programa de Tripulação Comercial da agência, que trabalhou com a indústria aeroespacial dos EUA para retornar os lançamentos com astronautas em foguetes e espaçonaves americanos em solo americano.

Antes da partida da estação espacial, a astronauta da Crew-1 e comandante da estação Shannon Walker, da NASA, entregará o comando da estação ao astronauta da JAXA e membro da Crew-2, Akihiko Hoshide, durante um evento de mudança de comando e de despedida.

A Crew Dragon vai se desacoplar de forma autônoma, afastar-se da estação e pousar em uma das sete zonas de pouso no Oceano Atlântico ou Golfo do México na costa da Flórida. A Resilience também retornará à Terra pesquisas importantes e sensíveis ao tempo. Para operações normais de resgate e da tripulação, as equipes da NASA e SpaceX selecionam dois locais primários de pouso dos sete locais possíveis cerca de duas semanas antes do retorno, com marcos de decisão adicionais ocorrendo antes do embarque da tripulação na espaçonave, durante o vôo livre e antes da tripulação executar uma queima de de-órbita.

A NASA e a SpaceX coordenam com a Guarda Costeira dos EUA para estabelecer uma zona de segurança de 10 milhas náuticas em torno do local esperado para garantir a segurança para o público e para aqueles envolvidos nas operações de recuperação, bem como a tripulação a bordo da nave espacial .

A cobertura de retorno da Crew-1 é a seguinte (todos os horários são do Leste):

Segunda – feira, 26 de abril

12:30 – coletiva de imprensa final da Tripulação-1 a bordo da Estação Espacial Internacional

Terça-feira, 27 de abril

13h25 – Mudança de Comando e Comentários de despedida da Tripulação-1 a bordo da Estação Espacial Internacional

Quarta-feira, 28 de abril

04h45 – A cobertura da TV da NASA começa às 05h00min.

06h45 – A cobertura da TV NASA começa para o desencaixe às 07h05

12h40 – Amerrissagem (a NASA TV fornecerá cobertura contínua do desengate até a amerrissagem )

14h30 – Retorno à coletiva de imprensa da NASA no Johnson Space Center em Houston, com os seguintes participantes:

    Kathy Lueders, administradora associada, Exploração Humana e Diretoria de Missão de Operações, Sede da NASA
    Steve Stich, gerente, Programa de Tripulação Comercial, Kennedy Space Center
    Kenny Todd, vice-gerente, Estação Espacial Internacional, Johnson
    Hans Koenigsmann, Consultor Sênior, Confiabilidade de Voo, SpaceX
    Hiroshi Sasaki, vice-presidente e diretor geral, JAXA Diretoria de Tecnologia de Voo Espacial

Emirados quererem modernizar a plataforma de lançamento “Gagarin”

Plataforma 1 – ‘Gagarinsk Start’

Os Emirados Árabes Unidos fizeram alguns progressos na conclusão de um acordo trilateral sobre a modernização da primeira plataforma de lançamento do cosmódromo de Baikonur (” plataforma Gagarin”) e estão contando com sua assinatura antecipada. O anúncio foi feito em uma entrevista à TASS pelo Embaixador dos Emirados Árabes Unidos na Federação Russa, Mohammed Ahmed al-Jaber.

O diplomata lembrou que os Emirados Árabes Unidos estão muito interessados ​​em tudo o que se relaciona com o desenvolvimento de altas tecnologias. “O desenvolvimento conjunto da plataforma Gagarin , local do qual Yuri Gagarin decolou em 1961, faz parte dos esforços dos Emirados Árabes Unidos nessa direção,– disse al-Jaber. –Sim, houve algum progresso na iniciativa trilateral relativa à modernização e operação do complexo de lançamento Gagarinsky Start

Ele acrescentou que, nesta fase, estão em andamento os trabalhos para chegar a um acordo sobre um projeto de acordo relevante entre os governos da Rússia, Emirados Árabes Unidos e Cazaquistão.

Al-Jaber destacou que os Emirados Árabes Unidos estão se esforçando para desempenhar um papel importante no espaço, bem como para desenvolver seu pessoal em cooperação com parceiros, incluindo a Federação Russa. Segundo ele, tudo isso é feito para beneficiar a humanidade. O embaixador observou que a missão de exploração de Marte dos emirados é um excelente exemplo nesta área.

Os Emirados Árabes Unidos estão interessados ​​em desenvolver cooperação com a Rússia na exploração espacial, as partes irão em breve assinar um acordo de cooperação, acrescentou Ahmed al-Jaber. “Podemos dizer que é questão de tempo”, – disse o embaixador, respondendo a uma pergunta relacionada.

Ele ressaltou que os trabalhos para a conclusão de um acordo intergovernamental sobre cooperação na exploração espacial estão em andamento desde 2020. Em particular, esta questão foi discutida em março em uma reunião do Ministro de Tecnologias Avançadas dos Emirados Árabes Unidos- o presidente da agência espacial Sara bint Youssef al-Amiri com o diretor-geral da Roscosmos Dmitry Rogozin. “Sara bint Youssef al-Amiri observou que os Emirados Árabes Unidos estão interessados ​​em um maior desenvolvimento bem-sucedido da cooperação com a Federação Russa no campo da exploração espacial”, – disse o embaixador.

Delta IV H lançará satélite militar NROL-82

O lançamento será em 26 de abril a partir de Vandenberg

O foguete Delta IV Heavy da United Launch Alliance (ULA) está nos preparativos finais para lançar a missão NROL-82 para o National Reconnaissance Office (NRO) para a segurança nacional americana. O lançamento está programado para 26 de abril do Space Launch Complex-6 na Base da Força Aérea de Vandenberg. O lançamento está previsto para 13h46 PDT. A transmissão do lançamento ao vivo começa às 13h26 PDT em 26 de abril em www.ulalaunch.com .

“A ULA tem orgulho de nossa longa história de apoio à segurança nacional. O desempenho incomparável do Delta IV Heavy é essencial para o lançamento de algumas das missões espaciais de segurança nacional mais críticas e estamos ansiosos para colocar este ‘ativo’ crítico no espaço ”, disse Gary Wentz, vice-presidente de Programas Comerciais e Governamentais da ULA. “É necessária uma equipe multifuncional para apoiar o lançamento da segurança nacional e gostaríamos de agradecer aos nossos parceiros de missão por sua confiança, colaboração e trabalho em equipe contínuos.”

O Delta IV Heavy é o maior foguete da ULA, cumprindo missões de alta prioridade para a Força Espacial dos EUA, NRO e NASA. O veículo também lançou a cápsula Orion da NASA em seu primeiro vôo de teste orbital e enviou a Parker Solar Probe em orbita solar, por exemplo.

Este Delta IV Heavy é composto de três ‘cores’ common booster core CBC, cada um alimentado por um motor de hidrogênio / oxigênio líquido Aerojet Rocketdyne RS-68A, produzindo um total combinado de mais de 1.000.000 kgf de empuxo. O segundo estágio é movido por um motor de hidrogênio / oxigênio líquidos AR RL10B-2.

Este será o 42º lançamento do foguete Delta IV e o 13º na configuração ‘Heavy’. Até o momento, a ULA foi responsável por 142 lançamentos com 100 % de ucesso.

A ULA se classifica como ” a provedora de serviços de lançamento mais experiente e confiável do país. A ULA entregou com sucesso mais de 140 missões em órbita que ajudam os meteorologistas a rastrear o clima severo, desvendar os mistérios do nosso sistema solar, fornecer recursos essenciais para as tropas em campo, fornecer serviços comerciais de ponta e permitir a navegação GPS.”

Soyuz 2.1b Oneweb ST31 lançado com sucesso

O segundo lançamento da Arianespace/Starsem em 2021 colocou 36 satélites Oneweb F6 em órbita a uma altitude de 450 km, junto com o estágio superior Fregat-M, que fará as manobras de liberação. Os satélites se elevarão à sua órbita operacional. O lançador Soyuz 2.1b nº V15000-005/Fregat-M 123-11 transportou uma carga útil total de 5.808 kg. O lançamento foi realizado a partir do complexo de lançamento ‘1S Soyuz’ em Vostochny, Rússia, às 19:14:08 hora de Brasília.

De acordo com as informações de telemetria, o lançamento, a separação dos estágios e a entrada em orbita foram realizados no modo normal. Depois disso, o estágio superior Fregat continuou ejetando os 36 veículos na órbita circular com uma altitude de 450 quilômetros. Durante as seguintes 3 horas e 40 minutos, os satélites OneWeb, de acordo com a sequência de vôo, serão sequencialmente separados (em grupos de quatro ) do Fregat-M russo produzido pela S.A. Lavochkin. Este foi o terceiro lançamento totalmente comercial do cosmódromo Vostochny, implementado por encomenda do provedor europeu de serviços de lançamento Arianespace e da empresa franco-russa Starsem para a constelação de satélites OneWeb do novo cosmódromo da Federação Russa.

Soyuz 2.1b nº V15000-005/ Fregat-M 123-11/ Coifa 81KS V15000-050

Trajetória do foguete – TsENKI/Russianspaceweb.com
Satélites Oneweb – foto TsENKI

A duração nominal da missão (da decolagem à separação dos satélites) será de 3 horas, 51 minutos e 40 segundos.
Após a decolagem do Cosmódromo de Vostochny, a fase de motorização dos três estágios inferiores do Soyuz durará aproximadamente nove minutos. O terceiro estágio do foguete será então separado do composto superior, que compreende o estágio superior Fregat e os satélites OneWeb. Os três estágios inferiores do Soyuz e a carenagem de carga útil cairão de volta a Terra. Antes do lançamento dos satélites, o estágio superior Fregat realizará várias fases de ignições principais. Os 36 satélites serão separados durante nove sequências de separação. No final da missão, um disparo adicional do motor Fregat o colocará em uma órbita de reentrada.

Cliente OneWeb
Fabricante OneWeb Satellites (fábrica na Flórida)
Objetivo conectividade global
Órbita operacional Órbita terrestre baixa, a 1.200 km e inclinação de 87,4 °
Propulsão Elétrica (motor de efeito Hall HET a xenonio )
Eletricidade dos satélites por bateriais de Li-ion
Carga útil de comunicação – Duas antenas omni TTC; duas antenas de banda Ku; duas antenas banda Ka
Estabilização 3 eixos
Cobertura Global

Soyuz 2.1b nº V15000-005 no prédio de montagem e testes (MIK) em Vostochniy

O complexo de lançamento 371SK14 Soyuz-2 em Vostochny dispõe das quatro estruturas de suporte semelhantes que suspendem o foguete sobre a abertura 15 metros de diâmetro com o defletor de chamas . Da mesma maneira que em Baikonur , Plesetsk e Kourou, a plataforma em Vostochny tem a cabine de serviço KO abaixo da superfície de concreto dando acesso à base do foguete . Outros componentes principais do complexo de lançamento incluem: Sistema de lançamento; Mastro de Cabeamento e Abastecimento KBM – SM575 ; Cabo Superior e mastro secundário de Abastecimento; Sistema de fornecimento de energia ; Torre de serviço móvel – MBO; Transportador-eretor TUA; Sistema de Controle Remoto de Acionamento Elétrico e Hidráulico do Complexo de Lançamento – EGPDU SS.

Lançamento do Soyuz ST31 Oneweb às 19:14 BRT

O segundo lançamento da Arianespace/Starsem em 2021 colocará 36 satélites em órbita da Terra a uma altitude de 450 km, antes de se elevarem à sua órbita operacional. O lançador Soyuz 2.1b nº V15000-005/Fregat-M 123-11 carregará uma carga útil total de 5.808 kg. O lançamento será realizado a partir do complexo de lançamento ‘1S Soyuz’ em Vostochny, Rússia.

A equipe de lançamento do cosmódromo de Vostochniy assumiu seus postos às 02:50, horário de Moscou (08:50, horário local) e começaram a verificar o lançador. Às 03:00 horário de Moscou, o resfriamento do combustível começou, e então a pressão de peróxido de hidrogênio concentrado no sistema ZhZ VPV. Às 04:00 horário de Moscou, os especialistas da Roscosmos monitoraram o estado das baterias das espaçonaves OneWeb.
Às 6h, horário de Moscou, começou o abastecimento de peróxido de hidrogênio com a conexão das mangueiras de reabastecimento ao foguete espacial e as operações finais no próprio complexo de lançamento.
Foi realizada a reunião da Comissão Estayal, na qual foi tomada a decisão de abastecer o foguete com propelentes e seu posterior lançamento.

De acordo com o cronograma , especialistas da Roscosmos começaram o abastecimento do foguete às 20:40, horário de Moscou – peróxido de hidrogênio , 22:00 – blocos A, e B,V,G e D e terceiro estágio Bloco I com oxigênio líquido, 22 : 15 – resfriamento e abastecimento de nitrogênio líquido, 22:25 – blocos A, e B,V,G e D com querosene, 22:55 – terceiro estágio Bloco I com naftil. Depois disso, as operações finais tiveram início no complexo de lançamento: o ciclo automático de preparação de pré-lançamento, a retirada da cabine deslizante de manutenção para o nicho subterraneo da estrutura de lançamento e a retirada da torre móvel de manutenção MBO.

Soyuz 2.1b nº V15000-005/ Fregat-M 123-11/ Coifa B15000-050

Link para a transmissão de vídeo

Outro link para transmissão

A decolagem está programada para segunda-feira, 26 de abril de 2021 25 de abril às 19:14:08 hora de Brasília.

Trajetória do foguete – TsENKI/Russianspaceweb.com
Satélites Oneweb – foto TsENKI

A duração nominal da missão (da decolagem à separação dos satélites) será de 3 horas, 51 minutos e 40 segundos.
Após a decolagem do Cosmódromo de Vostochny, a fase de motorização dos três estágios inferiores do Soyuz durará aproximadamente nove minutos. O terceiro estágio do foguete será então separado do composto superior, que compreende o estágio superior Fregat e os satélites OneWeb. Os três estágios inferiores do Soyuz e a carenagem de carga útil cairão de volta a Terra. Antes do lançamento dos satélites, o estágio superior Fregat realizará várias fases de ignições principais. Os 36 satélites serão separados durante nove sequências de separação. No final da missão, um disparo adicional do motor Fregat o colocará em uma órbita de reentrada.

Cliente OneWeb
Fabricante OneWeb Satellites (fábrica na Flórida)
Objetivo conectividade global
Órbita operacional Órbita terrestre baixa, a 1.200 km e inclinação de 87,4 °
Propulsão Elétrica (motor de efeito Hall HET a xenonio )
Eletricidade dos satélites por bateriais de Li-ion
Carga útil de comunicação – Duas antenas omni TTC; duas antenas de banda Ku; duas antenas banda Ka
Estabilização 3 eixos
Cobertura Global

Soyuz 2.1b nº V15000-005 no prédio de montagem e testes (MIK) em Vostochniy

O complexo de lançamento 371SK14 Soyuz-2 em Vostochny dispõe das quatro estruturas de suporte semelhantes que suspendem o foguete sobre a abertura 15 metros de diâmetro com o defletor de chamas . Da mesma maneira que em Baikonur , Plesetsk e Kourou, a plataforma em Vostochny tem a cabine de serviço KO abaixo da superfície de concreto dando acesso à base do foguete . Outros componentes principais do complexo de lançamento incluem: Sistema de lançamento; Mastro de Cabeamento e Abastecimento KBM – SM575 ; Cabo Superior e mastro secundário de Abastecimento; Sistema de fornecimento de energia ; Torre de serviço móvel – MBO; Transportador-eretor TUA; Sistema de Controle Remoto de Acionamento Elétrico e Hidráulico do Complexo de Lançamento – EGPDU SS.

Progress MS-14 será desacoplada dia 28

A missão orbital recorde do veículo de transporte de carga Progress MS-14, que durou mais de um ano, está chegando ao fim. De acordo com o programa de voo, em 28 de abril de 2021 às 02:11:30 horário de Moscou , a espaçonave será desacoplada da câmara de transferência traseira do módulo Zvezda do segmento russo da estação espacial

De acordo com cálculos preliminares de especialistas do serviço de apoio balístico e de navegação do Centro de Controle de Voo TsNIIMash (associado à Roscosmos), após o desacoplamento, o cargueiro ficará em órbita por cerca de um dia. O tempo de vôo autônomo longo está associado ao “teste de um novo sistema de controle de atitude durante a reentrada”.

Dados balísticos nominais no desengate do veículo de carga Progress MS-14

Operação
 
Tempo estimado *
horário de Moscou )
Tempo estimado *
UTC )
Emissão do comando para desacoplar a Progress MS-14 da ISS28.04.2021 02:10:0027.04.2021 23:10:00
Separação física da Progress MS-14 e da ISS28.04.2021 02:11:3027.04.2021 23:11:30
Acionamento do sistema de propulsão S 5.60 SKD da Progress MS-14 para a tirar de órbita com impulso de 120 m / s29.04.2021 03:01:2829.04.2021 00:01:28
Desligamento do sistema de propulsão da Progress MS-1429.04.2021 03:05:2729.04.2021 00:05:27
A entrada do Progress MS-14 na atmosfera terrestre29.04.2021 03:34:2329.04.2021 00:34:23
O início da destruição do veículo29.04.2021 03:36:5129.04.2021 00:36:51
Queda de elementos estruturais não queimados da espaçonave no Oceano Pacífico29.04.2021 03:42:2229.04.2021 00:42:22

Local de queda dos destroços no Oceano Pacífico : 3150 km de Wellington, 7390 km de Santiago.

Estação espacial russa terá seis módulos

Construção deve começar em 2025

estação orbital de serviço russa (ROSS)

A nova estação orbital de serviço russa (Rossiyskoy orbital’noy sluzhebnoy stantsii – ROSS) consistirá em seis módulos, disse Vladimir Solovyov ex-cosmonauta, e vice-construtor geral da Corporação de Foguetes Espaciais RKK Energiya.
Agora, a estatal Roscosmos já havia aprovado a construção do primeiro módulo básico. No estágio inicial, o complexo será composto por quatro módulos e, no futuro, serão aumentados para seis.

O chefe da Roskosmos também anexou à sua mensagem um vídeo, onde uma placa é visível num módulo em construção informando que se trata de um compartimento pressurizado do módulo científico e de energia (NEM), que está sendo desenvolvido pela RKK Energia. Em 2019, foram concluídos os testes de habitabilidade do compartimento, e o módulo foi planejado para ser usado como parte do ISS, com lançamento em 2023. No entanto, posteriormente a data de lançamento foi adiada para 2024.

“Estamos planejando lançar a primeira unidade básica no final de 2025. É compreensível que o que temos agora seja insuficiente e será necessário fazer um módulo de interconexão adicional, um módulo extra pequeno para orientação da estação. São operações compreensíveis que os engenheiros mapearam. Se fizermos esforços extras, faremos isso até o final de 2025 “, disse o chefe da Roscosmos.

Como a Roscosmos especificou para a TASS, o chefe da agência espacial russa falou sobre o lançamento de um módulo de pesquisa e energia (o NEM) que foi inicialmente planejado para a Estação Espacial Internacional.
A primeira missão tripulada na ainda a ser criada estação orbital da Rússia está prevista para 2026, Solovyov disse à mídia. “Se lançarmos um módulo de pesquisa e energia em 2025, uma expedição tripulada seguirá em 2026”, disse ele. As tripulações chegarão em espaçonaves Aryol, de nova geração.

Primeiro, é planejado construir um módulo básico, científico, de energia, câmara de descompressão e compartimento multiconector e, em seguida, direcionar a produção. Os cosmonautas também receberão uma plataforma para manutenção de espaçonaves.
A estação foi projetada para uma tripulação de 2 a 4 pessoas, o volume interno total ficará em 667 metros cúbicos. O número de postos de trabalho externos será 48, e os cosmonautas poderão visitar o a estação uma ou duas vezes por ano. Pela configuração, a estação lembra a lendária Mir, que funcionou em órbita por 15 anos e foi desativada em 2001
Todos os módulos da ROSS podem ser colocados em órbita usando foguetes Angara-A5. Espera-se que a nova estação permita um módulo-laboratório de produção regularmente acoplado e três naves de carga por ano.

Starliner: Foguete Atlas V N22

Atlas V N22 com espaçonave Starliner

Configuração do Boeing CST-100 Starliner com o foguete lançador Atlas V

1. CST-100 Starliner
2. Adaptador frontal do estágio Centauro
3. Adaptador para fixar a espaçonave
4. Aeroskirt (saia aerodinâmica)
5. estágio Centauro
6. Tanque de Combustível do Centauro (LH2)
7. Antepara Comum
8. Tanque do Oxidante do Centauro (LO2)
9. Motores duplos do Centauro (RL-10)
10. Adaptador interestágio
11. Tanque do Oxidante (LO2)
12. Foguete Comum Central (Common Core Booster)
13. Estrutura Isogrelha (Isogrid)
14. cone do nariz do SRB
15. Foguete auxiliar de propelente sólido (SRB)
16. Tanque de combustível querosene (RP-1)
17. Linha de alimentação do Oxidante (LO2)
18. Motor SRB de combustivel sólido
19. Motor RD-180
20. Cone da tubeira do SRB

ilustração ULA

Soyuz 1 – 54 anos da tragédia espacial soviética

Vladimir Komarov foi o primeiro cosmonauta a perecer numa missão espacial. Ao mesmo tempo que seu voo foi trágico, marcou o nascimento da mais confiável máquina de voo espacial do mundo, a Soyuz

“Em 23 de abril de 1967, a nova espaçonave Soyuz-1, pilotada pelo herói cosmonauta da URSS, o coronel engenheiro Komarov, Vladimir Mikhailovich, foi lançada na órbita da Terra na espaçonave Soyuz soviética para testes de vôo. Durante o vôo de teste, que durou mais de um dia, V. M. Komarov completou o programa planejado para testar os sistemas da nova nave, e também conduziu os experimentos científicos planejados. Durante o vôo, o cosmonauta V. M. Komarov manobrou a espaçonave, testou seus principais sistemas em vários modos e deu uma avaliação qualificada das características técnicas. Em 24 de abril, quando o programa de testes terminou, ele foi solicitado a parar de voar e pousar. Após realizar todas as operações, associadas à transição para o modo de pouso, a nave passou com sucesso a parte mais difícil e crucial da frenagem nas camadas densas da atmosfera e extinguiu completamente a primeira velocidade espacial. No entanto, quando a cupula principal do paraquedas foi aberta a uma altura de sete quilômetros, de acordo com dados preliminares, como resultado da torção das linhas do paraquedas, a espaçonave caiu em alta velocidade, o que causou a morte de V. M. Komarov. A morte prematura do notável astronauta, o engenheiro de teste de espaçonaves Vladimir Mikhailovich Komarov, é uma grande perda para todo o povo soviético.” – Comunicado oficial da Agência TASS de 24 de abril de 1967

Vladimir Mikhailovich Komarov

24 de abril marca o aniversário da morte trágica do membro do primeiro esquadrão de cosmonautas, duas vezes Herói da União Soviética, coronel engenheiro, comandante de nave espacial Vladimir Mikhailovich Komarov. Vladimir Mikhailovich nasceu em 16 de março de 1927 em Moscou, vindo de modesta família de classe trabalhadora. Em 1943, ele se formou na 235ª escola secundária em Moscou, e já em 1945 na escola especial da Força Aérea de Moscou. Em 1949, ele se formou na Escola de Aviação Militar de Bataysk, batizada em homenagem a A. K. Serov, e atuou como piloto em regimentos de caça. no norte do Cáucaso e na região dos Cárpatos. Em 1959, ele se formou com honras na Academia de Engenharia da Força Aérea NE Zhukovsky. Depois da academia, atuou como assistente de um engenheiro de teste líder em uma das unidades de aviação. Komarov fez seu primeiro vôo em 12 de outubro de 1964 a bordo da espaçonave Voskhod, quando pela primeira vez havia uma tripulação de três pessoas (ele, Konstantin Feoktistov e Boris Yegorov). Assim, a URSS alcançou o primeiro lugar em espaçonaves com vários assentos. Outra conquista foi que, pela primeira vez, os humanos foram ao espaço sem trajes espaciais. A duração do vôo foi de 24 horas, 17 minutos e 3 segundos. Enquanto isso, nos Estados Unidos (desde 1961) estavam em andamento os preparativos para um voo para a Lua. O designer Sergei Korolyev decidiu não ficar atrás dos americanos e, em 1962, a nave Soyuz foi projetada, em uma de suas variantes, para voar ao redor da Lua. O trabalho na nave durou cinco anos, mas, apesar de três lançamentos de teste, em 1967 a Soyuz ainda não estava pronta. No entanto, no ano do 50º aniversário da Revolução de Outubro, os designers não tinham chance de adiar o primeiro voo tripulado.

A época era de corrida frenética entre as superpotências no cenário espacial. A corrida à Lua havia se iniciado quando o presidente Kennedy lançou o Projeto Apollo em 1961 – antes mesmo que um americano entrasse em órbita, uma ousadia incalculável nos dias atuais. Os soviéticos estavam na liderança, com seus Sputniks, suas naves Luna para a Lua, satélites científicos, sondas para Marte e Vênus, além de espaçonaves de aplicações (comunicação e meteorologia). E tudo isso sob orientação de uma única equipe principal: O Bureau de Design Experimental OKB-1, liderado pelo engenheiro-chefe Serguey Pavlovitch Korolev, foi incumbido de desenvolver a espaçonave lunar – como aliás ocorria na maioria dos projetos espaciais de importância na URSS da época. A nave seria uma variante da 7K-OK ‘Soyuz’ (União, como em Sovietski Saiús, União Soviética) que já estava nas pranchetas desde 1962.

Mas enquanto os EUA já se haviam lançado no projeto lunar em 1961, o governo da URSS só aprovou de fato o desenvolvimento da nave lunar e de seu foguete em 1964. Muito tempo foi perdido. Os engenheiros de Korolev desenvolviam os protótipos e modelos iniciais de voo e depois repassavam o trabalho para outros escritorios de design. Isso aconteceu com as sondas espaciais e os satélites. Com as espaçonaves tripuladas, isso não acontecia. Os americanos em 1967 estavam sem duvida mais avançados que os sovieticos na tarefa de pousar um homem na Lua, mesmo com a tragica ocorrencia do teste em terra da “Apollo 1”, quando os astronautas Grisson, White e Chaffe morreram sufocados em janeiro.

Um dos auxiliares mais proeminentes de Korolev, Boris Chertok, muitos anos depois, em seu livro de memórias, admitiu: “[já em 1961] quando olhamos para a telemetria do vôo de Titov (o cosmonauta número 2, que voou quatro meses depois de Gagarin e passou mais de um dia em órbita), coçamos nossas cabeças: “Como conseguimos chegar até aqui?!”

A Soyuz tem suas raízes no projeto Sever (Norte), uma nave multifuncional cujo primeiro encargo seria a missão em órbita baixa terrestre. A Sever teria três módulos: um de habitação, outro de pilotagem e um de propulsão e serviço.
O sistema lunar começou a ser projetado em 1962 no OKB-1 para voar ao redor da Lua. O projeto inicial “A” que previa enviar à Lua um conjunto de espaçonave, estágio superior e naves-tanques 7K, 9K e 11K foi cancelado em favor de projetos separados : um para voo circunlunar usando a espaçonave ‘Zond’ / Soyuz 7K-L1 11F92 ( usando o foguete UR500K Proton ); e, para pousar na Lua, o complexo expedicionário L3 usando a nave orbital 7K-LOK 11F93 e a nave de pouso LK 11F94 (estas usando o gigantesco veículo de lançamento N-1) – e a espaçonave Sever, esta foi transformada em Soyuz 7K-OK 11F615.

E começaram os testes com a versão orbital terrestre da Soyuz, a 7K-OK propriamente dita.

A Soyuz

Soyuz 7K-OK ‘A’ ativa, com sistema de engate ‘masculino’. Esta era a aparência da Soyuz-1

A nave, de 6.900 kg aproximadamente, é composta de um compartimento habitacional de 1.000 kg (BO- Bitovoy Otsek), onde ficam instrumentos, cargas, sanitários, armários, etc; Uma cabine de pilotagem de 2.800 kg, ou aparelho de descida (SA – Spuskaemi Apparat) e um compartimento de motores e instrumentos de 3.000 kg (PAO- Priborno-Aggregat Otsek). A nave tem paineis solares e baterias químicas, e dois motores de correção orbital, um principal e outro reserva, além de propulsores de posicionamento.

Nave Soyuz 7K-OK ‘A’: 1- Mastro da montagem de encaixe ativa; 2 – Compartimento da unidade de acoplamento; 3 – Compartimento doméstico BO; 4 – Antena do sistema Igla; 5 – Assento; 6- Veículo de descida SA; 7 – Motores de atitude e orientação; 8 – Compartimento de instrumentos (aviônicos e bateriais etc) do PAO; 9 – Compartimento ‘agregado’ tanques e motores do PAO; 10- Compartimento toroidal extra de instrumentos do PAO; 11- Sistema de propulsão e frenagem (principal e reserva); 12- Antena de busca e aproximação; 13- Radiador do sistema de controle térmico; 14- Sensor infravermelho de vertical; 15- Painel solar (dobrado); 16- Periscópio; 17- Escotilha para embarque e extraveicular; 18- Corrimão para transferência externa de cosmonautas – ilustração RKK Energiya /TsPK

Foguete 11A511 “Soyuz”

O lançador 11A511 Soyuz foi criado com base no lançador 11A57 Voskhod A principal mudança foi feita na unidade de 3º estágio, que foi modernizada para aumentar ainda mais a capacidade de carga. O desenvolvimento desta modificação começou em meados de 1963 Naquela época, o OKB-1 estava desenvolvendo o complexo tripulado Soyuz 7K-9K-11K para voar ao redor da lua. De acordo com os dados iniciais (final de 1962 – início de 1963), a massa da espaçonave Soyuz original em órbita deveria ser de 5,8 toneladas. Seu lançamento foi previsto usando o foguete Voskhod 11A57 No entanto, em meados de 1963, quando no curso de desenvolvimento a massa da espaçonave ultrapassava 6 toneladas e a massa da carenagem de cabeça com motores de emergência SAS se aproximava de 2 toneladas, ficou claro que o 11A57 não seria capaz de colocar a nave na órbita desejada. A modernização dos estágios foi realizada pela filial Kuibyshev nº 3 do OKB-1, e a unidade da cabeça (coifa e seção adaptadora da espaçonave) realizada conjuntamente pelo OKB-1 e pela Filial 3. O foguete 11A511 incorporava uma rede simplificada de cablagem de sistemas de controle e telemetria; o sistema de telemetria dos blocos laterais B,V,G e D e central (bloco A) foi substituído por um novo sistema instalado no bloco A; a inclinação da órbita da espaçonave em relação ao plano equatorial foi reduzida de 64,8 ° para 51,5 °; a força dos motores do primeiro estágio foi aumentada, uma vez que com um novo ciclograma, sua separação era feita com um aumento de velocidade; o comprimento do terceiro estágio bloco “I” foi reduzido, e sua rede de cabos foi reduzida; e o sistema de controle do terceiro estágio foi modernizado.

O cenário muda

Em janeiro de 1966, o designer-chefe Korolev morre durante uma cirurgia. Isso seria um enorme impacto no programa espacial da URSS. Entre os varios candidatos ao posto do grande engenheiro – e sobretudo grande gerente-, o escolhido foi seu vice, Vassily Mishin – um profissional competente mas com evidente falta de tato para gerência e problemas pessoais que atrapalhavam exercer função tão exigente.

A preparação da Soyuz 7K-OK levou três anos. Ela foi finalmente levada para o MIK (predio de montagem e teste – montazhno ispitatelniy korpus) no cosmódromo de Baikonur, em 12 de maio de 1966 – e lá ficou estacionada por vários meses.

Soyuz 7K-OK ‘P’ passiva, com sistema de engate receptor. Esta é a configuração pretendida para a Soyuz-2 de Bikovsky, Khrunov e Yeliseev

A espaçonave demonstrou ter 2 123 defeitos, para a eliminação dos quais seriam necessários 897 modificações. Então, já no cosmódromo, foram descobertos cerca de trezentos outros defeitos. Tudo isso seria perfeitamente aceitável num programa de desenvolvimento cujo cronograma não estivesse sendo pressionado ao limite, com tempo de sobra para tentativa e erro, do projeto ao teste.

Mas a situação, como sabemos, era diferente: O tempo urgia, e enquanto a máquina 7K-OK nº 1 era finalizada, a 7K-OK nº 2 começou a ser preparada. Os soviéticos iriam lançar as duas Soyuz, e elas iriam se acoplar em órbita. As Soyuz 7K-OK nº 3 e nº 4 foram despachadas em setembro para o cosmódromo. O plano era lançar as duas últimas com cosmonautas, caso as duas primeiras funcionassem como desejado. Na nomenclatura de produção, as espaçonaves pares eram as ‘ativas’, e as ímpares, as ‘passivas’. Os sistemas de engate eram do tipo macho-fêmea, e a nave ativa fazia a maior parte das manobras.

Desenho em corte da Soyuz ‘ativa’ – RKK Energiya

O lançamento do 7K-OK nº 2 foi programado para 28 de novembro de 1966. No dia seguinte, a 7K-OK nº 1 seria lançada para servir-lhe de alvo, usando o sistema de aproximação por transponder de radar ‘Igla’ (ponteiro de bússola).

A espaçonave nº 2 entrou na órbita calculada com sucesso (com o nome-fantasia Cosmos 133), mas seu sistema de orientação havia sido instalado incorretamente, com polaridade invertida. Com isso, os comandos de solo também foram executados invertidos, aliados ao aumento do consumo de combustível do sistema de controle de atitude, na 20ª órbita a nave tornou-se praticamente incontrolável. O lançamento da 7K-OK nº 1 teve que ser cancelado. A 7K-OK nº 2 ‘Cosmos 133’ foi comandada para pouso, mas o veículo de descida errou o corredor de reentrada e entrou no espaço aéreo da China. O comando da URSS não permitia o vazamento de materiais do programa espacial no exterior, e a nave foi explodida pelo sistema de autodestruição, o APO.

O próximo lançamento de teste, com a 7K-OK nº 1 acabou em desastre: o sistema de resgate de emergência da espaçonave funcionou de repente – a espaçonave não foi imediatamente danificada, mas o incêndio resultante destruiu completamente o foguete e a plataforma de lançamento. Na ignição, um dos boosters do primeiro estágio falhou e um comando automático desligou o estágio central e os boosters restantes. O pessoal de lançamento começou a desativar o foguete em preparação para retirá-lo da plataforma para exame. Cerca de 27 minutos após o lançamento abortado, o sistema de escape de lançamento SAS foi ativado repentinamente. O módulo de descida foi ejetado pela torre de escape a 400 m da plataforma . Enquanto isso, o escapamento do SAS incendiou no terceiro estágio do foguete. As chamas começaram a se espalhar pela lateral do impulsionador enquanto o pessoal técnico corria para se proteger. Depois de alguns minutos, os estágios explodiram, destruindo completamente o veículo de lançamento e causando grandes danos a plataforma. Uma pessoa foi morta e a plataforma não foi usada novamente por sete meses após o desastre.

O terceiro, teste com a 7K-OK nº 3, ou Cosmos-140, aconteceu em 7 de fevereiro de 1967, e foi parcialmente bem sucedido, mas ao entrar na atmosfera devido a um plug tecnológico instalado incorretamente no escudo térmico, um buraco de 30 centímetros foi aberto pelo calor na base da cápsula.

A cápsula pousou na superfície congelada do Mar de Aral, derreteu o gelo e afundou. Naquela época, a NASA, de março de 1965 a novembro de 1966, realizou dez voos tripulados do programa Gemini , pela primeira vez realizando manobras orbitais, encontro de espaçonaves e acoplamentos. Portanto, apesar de uma série de falhas com os veículos não-tripulados, e sob grande pressão da liderança soviética, os seguintes dois lançamentos de naves Soyuz foram ordenados. As 7K-OK 4 e 5 seriam as Soyuz-1 e 2.

Uma foto da época dos treinos para a missão original Soyuz-1/Soyuz-2: Gagarin, Khrunov, Komarov, Yeliseev e Bikovsky. Os cosmonautas que fariam a atividade extraveicular vestem escafandros Yastreb Foto TASS

Chegou o ano de 1967 e, apesar da tecnologia não estar bem desenvolvida, acreditava-se que um cosmonauta experiente seria capaz de lidar com possíveis defeitos em órbita. A preparação para a missão começou mais de seis meses antes , em setembro , porém, devido às falhas dos lançamentos não tripulados, não houve uma decisão final sobre o voo Em abril de 1967, o Designer Geral Vladimir Mishin se dirigiu ao corpo de cosmonautas. Ele também estava em uma situação difícil, por um lado, a liderança do Partido Comunista exigia resultados, por outro , um lançamento tripulado em uma nave com problemas técnicos não resolvidos era um grande risco. Após a morte de Korolev, o posto de designer geral era difícil para o ex-vice, ele não gozava de grande prestígio tanto entre os colegas quanto na direção do partido, mas tentava agradar a ambos, mas francamente com medo de assumir responsabilidades. Mishin propõe abandonar o vôo tripulado e tentar um teste de acoplar automaticamente. Porém, é Komarov quem insiste na acoplagem tripulada, já que naquela época o procedimento automático com o sistema Igla não havia sido totalmente elaborado, e o encontro final no simulador era realizado pelo cosmonauta, portanto as chances de sucesso para um acoplamento não tripulado eram pequenos. Isso, aliás, refuta a lenda de que Komarov não queria voar, que ele sabia que voar em um nave não totalmente confiável o condenaria à morte e que voou apenas para proteger Yuri Gagarin, seu amigo íntimo. De forma alguma: todos no corpo de cosmonautas estavam ansiosos para voar independentemente dos riscos – incluindo o próprio Gagarin, que estava extremamente insatisfeito com seu papel de “cosmonauta honorário”.
No dia seguinte, no conselho de designers gerais, Komarov expressou novamente suas opiniões sobre a complexidade do encaixe totalmente automático, e muitos o apoiaram. Como resultado, a missão foi aprovada para acoplamento em modo semiautomático e voo com tripulação. Em 20 de abril, a comissão estatal tomou a decisão final: lançar a espaçonave Soyuz-1 em 23 de abril, às 3h35, horário de Moscou, e na Soyuz-2, no dia seguinte, 24 de abril, às 03h10.

Uma interessante foto de Komarov usando um escafandro Yastreb, uma vez que a missão não exigia que o piloto da Soyuz usasse um na missão. Foto TASS

“Do meu ponto de vista, é muito bom que Komarov tenha sido encarregado de uma tarefa tão difícil. A escolha é muito boa. Ele é um cosmonauta altamente educado e treinado. Deve-se ressaltar que ele realizará o programa não apenas como cosmonauta-piloto, mas como uma pessoa que, após vários anos de treinamento espacial, se tornou um especialista em sua área. O perfil de engenharia espacial tornou-se uma profissão para ele. Este detalhe é muito importante dada a natureza da tarefa atual. ” – dissera Gagarin antes da missão.

Komarov na plataforma – foto TASS

O programa de vôo era ousado. Komarov decolaria na Soyuz-1 de três assentos, e depois a Soyuz-2 se juntaria a ela em órbita com a tripulação de Valery Bykovsky, Alexey Eliseev e Yevgeny Khrunov. A Soyuz-1, ativa, realizaria encontro orbital e engate com a Soyuz-2; Eliseev e Khrunov sariam de sua nave numa atividade extraveicular (não havia sido ainda desenvolvido um sistema de passagem interna, e ademais o projeto lunar previa a transferência de cosmonautas entre a nave LOK e o módulo lunar também por fora) e iriam para a nave de Komarov, e voltariam à Terra. Bikovsky retornaria sozinho um dia depois. Acredita-se que, se Sergey Korolyev estivesse vivo, Komarov seria substituído por Gagarin, já que o projetista geral prometeu a Gagarin que o enviaria primeiro na nova espaçonave. Os preparativos para o lançamento da Soyuz-1 aconteceram exatamente dentro do cronograma: na véspera do lançamento, Komarov passou por todos os exames médicos e, às três da manhã, estava pronto para partir.

Como seria a missão Soyuz-1/Soyuz-2: Ye Khrunov e A Yeliseev saindo da sua nave e passando para a outra.

A Soyuz-1 foi lançada em 23 de abril, às 03:35 (horário de Moscou), e colocada em órbita com perigeu de 201,1 km, apogeu  de 223,1 km, inclinação de 51,72 ° e período de 88,45 min. Todos os parâmetros do foguete 11A511 nº U15000-03 foram normais, e a temperatura no cockpit da nave atingiu quinze graus. 540 segundos após o lançamento, a Soyuz-1 entrou em órbita. Komarov tinha como codinome ‘callsign‘ Rubin – Rubi.

Sobre o objetivo do vôo – apenas palavras gerais: testar a nave, conduzir experimentos científicos , técnicos e biomédicos. Os sistemas de bordo, disse a TASS, funcionavam bem. Além disso, foram indicadas as frequências de rádio em que a comunicação com a Soyuz era feita.

No entanto, na segunda volta, Komarov relatou que o painel solar esquerdo não abriu, os indicadores de corrente elétrica eram de apenas 13 a 14 amperes. Essa energia não era suficiente para acoplar com a segunda espaçonave. Foi decidido cancelar o lançamento da segunda nave e escolher um plano adequado para retornar Komarov à Terra. No início, o cosmonauta deveria pousar na 17ª órbita; no entanto, isso não ocorreu devido ao mau funcionamento dos novos sensores de orientação a íons. Na manhã de 24 de abril, na décima oitava órbita, 26 horas e 45 minutos após o lançamento, o cosmonauta conseguiu orientar a espaçonave manualmente, medindo a posição da Soyuz em relação à Terra. Nesse caso, era necessário evitar desvios de atitude ao voar sobre o lado noturno do planeta. Os cosmonautas nunca fizeram esse treinamento antes.

“Eu não tinha dúvidas de que Komarov havia há muito entendido a complexidade da situação. Ele não era um jovem piloto de caça, mas um engenheiro experiente, piloto de teste. Agora, o retorno do espaço seria determinado não pela automação, mas por seu autocontrole e ações livres de erros ”, escreveu Chertok.

Depois disso, a comunicação com a Soyuz interrompeu repentinamente, mas Komarov logo transmitiu que tudo estava em ordem e a nave mudara para uma trajetória de descida balística.

Rubin, aqui Zarya-10 (Gagarin): Ligando em contato…

Rubin – O motor funcionou por 146 segundos. Tudo está indo bem. Até agora tudo bem! O nave foi orientado corretamente. (Há notas de alegria na voz de Komarov.) Estou no assento do meio. Amarrado com alças.

Zarya-10 (Gagarin) – Como você está?

Rubin – O estado de saúde é excelente. Tudo está bem.

Zarya-10 (Gagarin) – Aqui os camaradas recomendam respirar mais fundo (este conselho se deve ao fato de que durante a descida o cosmonauta sofre grandes sobrecargas, e são mais fáceis de suportar se respirar fundo algumas vezes antes ). Estamos esperando o pouso…

Rubin – Obrigado. Passe adiante para todos. Aconteceu uma vez… (Provavelmente, isso significa a separação dos compartimentos da espaçonave. A Soyuz então entra nas camadas densas da atmosfera).

Com isso, a voz de Komarov se interrompe. No posto de comando os operadores, comunicando-se, estão tentando restabelecer a comunicação com a nave: – “Rubin”, aqui é “Zarya”. Não podemos te ouvir. Como você nos ouve? Câmbio… Câmbio… Câmbio… Câmbio…

A alegria foi interrompida por um relatório de que o cosmonauta “precisava urgentemente de atenção médica”. Chegando ao local de pouso na região de Orsk, a equipe de busca encontrou moradores locais que jogavam terra na espaçonave em chamas, tentando apagar o fogo.

O que ocorreu com a Soyuz-1?

Como funcionam os paraquedas da nave

O sistema principal OSP possui um bloco de pára-quedas-piloto constituído por dois velames de tamanhos diferentes, projetados para puxarem um pára-quedas de freio com área de 14 m2 . Em baixas velocidades de vôo (no caso do sistema de resgate de emergência SAS operando no lançamento ou em baixas altitudes), ambos os velames estão envolvidos na abertura do páraquedas de frenagem; em velocidades de descida nominais, o maior deles quebra sua adriça, calibrada em termos de resistência e se separa, e o pára-quedas de frenagem é puxado pelo extrator menor a uma altitude de 9,5 km, o que reduz a velocidade de descida para 90 m/s e puxa o páraquedas principal com uma área de 1.000 m2 para fora do contêiner, com a ajuda de um pequeno velame de desfraldamento. O paraquedas principal tem um cabo de retenção no primeiro estágio de enchimento e antes desta retenção ser removida (por 4 s após o paraquedas principal ser retirado) ele reduz a velocidade para 35 m/s. No inglês, este é o unreefing, quando a abertura do velame é limitada para não impingir demasiado stress nas cordas. No segundo estágio – após a remoção da retenção – o pára-quedas principal é completamente preenchido e amortece a velocidade para 13 – 17 m/s com sua subsequente diminuição para 6 – 7 m/s conforme a densidade do ar aumenta.

Sistemas principal (OSP) e reserva (ZSP) de paraquedas da Soyuz – RKK Energiya

Em caso de não desprendimento da tampa do contêiner do sistema de pára-quedas principal ou avaria e falha de um dos elementos desse sistema, é introduzido o sistema reserva, ZSP, ao comando do sistema de pouso, se a velocidade de descida da cápsula excedem o especificado. A ultrapassagem da velocidade pode ser causada pela destruição do velame de frenagem ou do pára-quedas principal, sendo o paraquedas danificado automaticamente separado do ponto de fixação e, com algum atraso, o sistema de paraquedas reserva é introduzido a uma altitude de cerca de 4,5 km .

O sistema de pára-quedas reserva é composto por uma unidade de escape e um pára-quedas principal com uma área de 574 m2 com um cabo retentor reforçado, o que lhe permite funcionar como um pára-quedas de arrasto. Em 4 s após o paraquedas reserva ser aberto, o retentor é removido e quando os motores de pouso são ligados, a velocidade da cápsula é de cerca de 9 m / s.

No processo de descida constante, o escudo térmico é separado e os motores de pouso (de propelente sólido) são expostos, e a cápsula assume uma posição em que seu eixo longitudinal coincide com a direção da vertical. Essa transição é necessária para que a cápsula assuma a posição ideal quando o altímetro e os motores de freio estiverem operando. Na cabine, os amortecedores hidraulicos dos assentos sao armados, e a pressão entre a cabine e a atmosfera é equalizada.

Ao comando do altímetro, os motores de frenagem são ligados a uma altura de cerca de 1 m na descida no pára-quedas principal e cerca de 1,5 m no pára-quedas reserva. Quase em simultâneo com o fim do funcionamento dos motores-freio, é feita a aterragem.

A comunicação durante a descida

Após a separação dos compartimentos, a comunicação com a espaçonave somente poderia ser realizada por meio da antena VHF embutida no nariz da cápsula. A conexão permanecia estável até entrar nas camadas densas da atmosfera, mas normalmente sem muita qualidade. Além disso devido à natureza da propagação do VHF, a comunicação só pode ser realizada dentro da linha de visada.
Após a passagem da reentrada, a comunicação só era possível através da antena embutida, até uma altura de 10 km. Nesta altitude o sistema de pára-quedas entra em ação. Depois que sua tampa é disparada, um pára-quedas extrator se abre primeiro; após sua inflação, a uma altitude de cerca de 7,5 km, este puxa o principal. Nessa mesma fase, estão ocorrendo mudanças na forma de comunicação.

Ao ejetar a tampa do pára-quedas principal, a antena embutida mudava automaticamente para o modo de radiofarol e a comunicação passava aos transmissores HF cujas antenas estão nas cordas do pára-quedas principal. Em caso de problemas com o sistema principal, é utilizado o sistema sobressalente: muito menor e mais leve, mas também capaz de proporcionar um pouso seguro.
Quando, ao comando do altímetro gama, os motores de pouso suave são acionados, a cápsula toca o solo suavemente. Neste ponto a transmissão muda novamente para a antena embutida, e uma antena de vara na faixa HF / VHF é estendida.

A catástrofe da Soyuz-1 ocorreu quando o pára-quedas principal saiu. O extrator não conseguiu puxá-lo. O sistema automatico detectou a falha e ligou o sistema sobressalente, que foi lançado com sucesso, mas se enrolou no paraquedas extrator do principal. O acidente da nave começou a uma altitude de 9,5 quilômetros, quando o sensor barométrico emitiu a ordem de lançar o paraquedas principal. Nesse caso, o paraquedas , acondicionado no conteiner, é preso aos morteiros que atiram longe a tampa do recipiente, de onde sai o paraquedas de extração que, puxa um paraquedas de freio, então um cronômetro faz uma contagem regressiva de 17 segundos, após o que, quando a velocidade da cápsula diminuiu bastante, a trava das linhas do pára-quedas de freio são removidos para que este puxe o principal. O paraquedas piloto e o freio arrancaram com sucesso, mas o pára-quedas principal não saiu. A velocidade do veículo de descida permaneceu em cerca de 50-80 m / s (cerca de 200-300 km / h). Naquele momento, Komarov percebeu pela primeira vez que algo estava errado com o sistema de pára-quedas, tanto por seus próprios sentidos quanto pelos sensores da cabine. O pára-quedas de frenagem, que não se separou, violou as características aerodinâmicas do veículo em descida, que começou a girar rapidamente (possivelmente o giro do veículo já estava acontecendo, causado pela queda balística na atmosfera). Komarov confiou na última coisa que lhe restava – o pára-quedas reserva, enquanto as travas devem separar as linhas do pára-quedas principal, o que acontece, mas já que o pára-quedas principal preso no recipiente, impedia se separar o seu pára-quedas de freio. O pára-quedas reserva se abre e a velocidade do veículo começa a cair, mas quase imediatamente as linhas do pára-quedas do freio são enroladas ao redor do reserva . Era o fim, Komarov não tinha mais do que três minutos de vida.

Esquema de operação do sistema de pouso da espaçonave Soyuz: 1 – início da descida; 2 – disparo da tampa do recipiente do páraquedas; 3 – abertura do paraquedas piloto, que puxa o páraquedas de freio ; 4 – descida com páraquedas de freio; 5 – separação do pára-quedas do freio e da entrada do principal; 6 – descida com páraquedas principal e separação do escudo térmico; 7 – transferência para suspensão simétrica; 8 – acionamento dos motores de frenagem; 9 – pouso

A velocidade da colisão do espaçonave com a terra excedeu todas as normas permitidas a uma velocidade de cerca de 80 metros por segundo. Os tanques de peróxido de hidrogênio do sistema de controle de reentrada explodiram com o choque.

Às seis da manhã, o serviço de busca e resgate nº 1 foi alertado. Helicópteros e aviões de busca decolaram. Logo, nosso helicóptero com o grupo operacional e técnico em sua totalidade a bordo foi para a área do pouso do veículo de descida da Soyuz-1. O comandante de uma das aeronaves de busca An-12 informou ao comandante do helicóptero que avistou a Soyuz-1 no ar. Instantaneamente, todos as janelas foram ocupadas por membros do grupo. Mas não foi possível ver a cápsula no ar. O comandante do helicóptero começou uma descida brusca. Em seguida, seguiu-se uma curva fechada do helicóptero para a direita, e os membros do grupo viram a cápsula caindo no meio do campo verde. Ela estava deitada de lado, e um paraquedas era visível nas proximidades. E imediatamente os motores do pouso suave do espaçonave funcionaram. Isso alarmou os especialistas a bordo do helicóptero, já que os motores tiveram que ligar antes do toque com o solo. O helicóptero pousou a 70–100 metros da cápsula, sobre a qual havia uma nuvem de fumaça preta.

Aí perceberam que o cosmonauta “não precisava mais de ajuda”. Um incêndio estava ocorrendo no aparelho. Do lado dos motores de pouso suave, na parte inferior o fundo queimou e metal líquido incandescente fluíra para o solo.
O grupo de resgate começou imediatamente a apagar o fogo. Extintores de espuma não ajudaram, e recorram a terra. “Durante a extinção do fogo, o aparelho foi completamente destruído, e o local assumiu a forma de um monte de terra, no topo do qual estava a escotilha.”

O que restou da cápsula da Soyuz-1 – Roskosmos

No dia seguinte à morte de Komarov, a TASS emitiu a declaração oficial informando sobre a tragédia. No local da morte do cosmonauta na região de Orenburg, a 65 km de Orsk, um obelisco foi erguido pelos militares locais. 20 anos após, um memorial foi erguido no lugar do obelisco.

Em 26 de abril, políticos como o segundo-secretário Mikhail Suslov, a cúpula do governo soviético, personalidades científicas como o famoso acadêmico Mstislav Keldysh, e Gagarin, falaram no serviço memorial na tribuna do Mausoléu do Kremlin. A urna com as cinzas de Komarov foi inserida em um nicho da parede do Kremlin. Por iniciativa de alguém, a viúva do cosmonauta recebeu um certificado muito estranho da morte de Komarov, que não refletia a verdadeira causa da morte. O certificado declarava: queimaduras extensas no corpo; local da morte: a cidade de Shchelkovo. Este documento ofendeu profundamente Valentina Komarova e Yuri Gagarin. Como resultado, o certificado foi reescrito, indicando: “… morreu tragicamente no final do vôo de teste na espaçonave Soyuz-1.

A análise do acidente

A reconsitutição do ocorrido foi muito complicada pelo fato da destruição quase completa do veículo de descida. Tudo o que os especialistas conseguiram estabelecer é que os morteiros responsáveis ​​pela extração do pára-quedas principal e reserva trabalharam em vôo, e não ao atingir o solo ou no subsequente incêndio. Após analisar todas as versões, a comissão estatal chegou à conclusão de que o travamento do pára-quedas no contêiner foi causado por uma queda de pressão, que deformou as paredes. De acordo com as conclusões da comissão, a culpa foi de erro de projeto. Quando um pára-quedas sai do contêiner a uma altitude de 10 km, nele (no contêiner) é estabelecida uma pressão igual a aproximadamente 25% da pressão ao nível do mar. As paredes do contêiner fazem parte estrutural do volume pressurizado interno da espaçonave, que mantém a pressão de uma atmosfera. A diferença de pressão resultante tem um efeito deformador no corpo do recipiente, como resultado do qual a força necessária para retirar o pára-quedas é grandemente aumentada – pois o páraquedas fica ‘espremido’ contra as paredes do contêiner, pois a parte que fica junto à carcaça da cabine fica ‘estufada’. A versão explica por que a Cosmos-140 teve seu paraquedas aberto: o buraco aberto no fundo da cápsula esvaziou o ar interno, e a parede do conteiner nao foi comprimida.

No entanto, essa conclusão não foi confirmada por ensaios de vôo de exemplares de teste do veículo de descida, nos quais tais incidentes não foram percebidos. O pára-quedas de emergência também abriu normalmente.

Muito mais tarde, em suas memórias, Boris Chertok escreveria que a razão mais provável para o mau funcionamento do páraquedas foi uma violação da técnica ao aplicar um escudo térmico ablativo. O veículo de descida finalizado era colocado em uma câmara especial, onde o revestimento de resina fenólica formaldeído era aplicado na carcaça de aluminio da cabine na forma líquida, então era exposto a altas temperaturas para polimerizar o revestimento. Muito semelhante a um esmalte da cerâmica. Ao mesmo tempo, as tampas dos contêineres de pára-quedas para as Soyuz-1 e 2 não estavam prontas, e uma tampa improvisada foi feita para os conteineres, e que provavelmente não foram vedadas o suficiente. A exposição à temperatura e condensação de vapores pegajosos dos materiais do escudo térmico em contato com o pára-quedas fizeram com que este ficasse travado dentro do recipiente. Em um experimento não oficial conduzido por engenheiros, uma cápsula foi suspensa pelo cordame do paraquedas principal em um guindaste, tentando descobrir quanta força era necessária para tirá-lo do contêiner. Para surpresa dos participantes do experimento, mesmo com o veículo de descida totalmente suspenso nas linhas, o páraquedas não saiu. Eles não relataram esses resultados à comissão de inquérito, pois temiam as mais graves consequências para os membros do grupo responsavel pelos paraquedas e a instalação do escudo térmico. (Nos ensaios de vôo mencionados acima, as cápsulas não tinham revestimentos de resina, ou seja, não haviam passado pelo forno e portanto não tinham contaminação no interior dos conteineres: por isso os páraquedas abriram).

Tanto as cápsulas SA das Soyuz-1 e 2 haviam recebido o revestimento térmico da mesma maneira – ou seja, os paraquedas da Soyuz-2 também iriam apresentar defeito. Se a Soyuz-2 fosse lançada, Bikovsky também morreria, um dia após seus amigos terem perecido na Soyuz-1, já que Khrunov e Yeliseev teriam retornado com Komarov.

Como resultado, o tamanho dos contêineres de paraquedas foi aumentado, e suas tampas passaram a ser sempre colocadas hermeticamente na hora do procedimento de autoclave – e problemas com a extração das cúpulas nunca mais se repetiu.

Mitos e absurdos que cercam a vida e a morte de Komarov

  1. Komarov, antes mesmo do lançamento, sabia que estava condenado à morte e voou apenas sob pressão da liderança, além de tentar proteger seu amigo Gagarin, que era seu substituto – Os testes da nova nave experimental e do próprio voo espacial estão associados ao risco de vida, do qual Komarov tinha conhecimento. Ninguém pressionou Komarov, e ele mesmo se manifestou para voar . Este foi o negócio ao qual dedicou nos últimos seis anos de sua vida. A filha de Komarov lembra que pouco antes do lançamento, na família e com amigos, o cosmonauta se mostrou várias vezes cético sobre as chances de sucesso do voo, mas não está claro se ele tinha em mente o propósito designado da missão (acoplamento e transferência de tripulações através do espaço aberto) ou uma catástrofe. Quanto a Yuri Gagarin, na impensável hipótese de Komarov desistir da missão, certamente seria ele o mártir da Soyuz-1.
  2. Komarov foi suspenso de serviço por causa de problemas de coração, o que exigiu uma operação para remover as amígdalas para eliminá-lo – curiosamente, essa afirmação absurda é freqüentemente encontrada em artigos sobre Komarov e a Soyuz-1. Komarov foi temporariamente suspenso de voo após uma cirurgia de hérnia inguinal. Ele não fez remoção de amígdalas e, além disso, não há conexão entre extra-sístole e remoção de amígdalas.
  3. Komarov queimou ao entrar na atmosfera devido a um escudo de calor com defeito – provavelmente as origens desse mito estão no pouso de emergência da Soyuz 7K-OK nº 3 não tripulada e na forte destruição térmica dos restos de Komarov, que não parecem com os danos de incêndio comum. A combustão em alta temperatura de peróxido de hidrogênio concentrado (do sistema de controle de reentrada) é significativamente diferente de um incêndio convencional. Pode-se afirmar com segurança que até o contato com o solo Komarov estava vivo e no controle da nave, já que a cúpula reserva do veículo de descida podia ser acionada manualmente.
  4. Durante a descida, Komarov amaldiçoou obscenamente os operadores e engenheiros do centro de controle que o enviaram numa missão suicida em um nave defeituosa sendo que isso foi ouvido em estações de rádio ocidentais – A velocidade de queda do veículo de descida não foi estabelecida de forma confiável, e não foi possível a observação visual precisa por reconhecimento aéreo , porém foi estimada uma velocidade da ordem de 30-60 m / s, de forma que, teoricamente, Komarov, dependendo da velocidade da queda, teve cerca de 2-3 minutos desde que percebesse a emergência até o momento da morte. Porém, ele não poderia fazer comunicações via rádio, já que a antena estava localizada nas linhas do pára-quedas principal, que acabara de se emaranhar.
    Além disso, no momento em que o paraquedas de reserva foi lançado, mesmo que um transmissor HF embutido nele funcionasse, a altitude já era de cerca de 5 a 6 quilômetros e nessa altura, os sinais de rádio não atingiriam o suficiente para serem recebidos em outros países. Mas mesmo que Komarov tivesse a capacidade técnica para trasmitir nos últimos 60-90 segundos de sua vida, é extremamente duvidoso que linguagem chula e insultos tivessem se tornado suas últimas palavras. Tudo em sua vida, seu caráter e circunstâncias de missão contradiz isso. É bem provável que as últimas palavras de Komarov tenham ficado na gravação do gravador de bordo, mas depois do desastre, a fita não pôde ser restaurada, como a fita do aparelho Mir-3 com os registros de telemetria da nave.

Memórias

No Museu Memorial da Cosmonáutica de Moscou, foi aberta uma exposição especial dedicada a Komarov. Debaixo dos vidros estão objetos como o barbeador com que se barbeou antes do último voo, a mala com que viajou para Baikonur, o casaco que tirou antes de embarcar na nave, seus lenços. Em um registro: “Ovcharenko. Descobrir”. Naquela época, I. Ovcharenko estava encarregado do centro de testes da Força Aérea em Feodosia, onde o veículo de descida da Soyuz foi testado. Ele foi o único que não assinou o certificado de aceitação da nova nave.

Máquina de barbear “Sputnik” modelo 1959 de Komarov. O barbeador foi produzido na fábrica de gramofones de Leningrado por quase 30 anos. Abaixo, seu pente. Após a tragédia, eles foram devolvidos à viúva do astronauta. Foto Alexander MILKUS
Transcrições das comunicações entre Komarov e Gagarin – Foto Alexander MILKUS

Esta exposição foi a primeira em meio século; Ao longo dos anos, nem um único funcionário do museu visitou os Komarovs. Todos os pertences do cosmonauta foram guardados em sua casa – da mesma forma que ele os deixou antes do vôo. A estrela dourada de herói da URSS, que Vladimir Mikhailovich recebeu por voar na Voskhod-1 antes, a família entregou ao Museu do Exército Russo. A segunda estrela do Herói , com que Komarov foi premiado postumamente, nunca foi vista pela família.

Anotações de Komarov sobre o paraquedas da nave – Foto Alexander MILKUS
O relógio de pulso de Komarov e o cronômetro da nave – RKK Energiya

A filha de Vladimir, Irina Vladimirovna, entregou mais de 18 cartões-postais ao Museu Memorial. Na capa, há uma fotografia de seu pai e um autógrafo. No verso – o endereço, sobrenome e nome do destinatário. Todos os cartões postais foram assinados em 10 de dezembro de 1964 e endereçados a moradores de Ufa. Mas por alguma razão desconhecida, eles não foram enviados. O Museu e o jornal Komsomolskaya Pravda passaram a procurar por essas pessoas (ou seus parentes) para dar-lhes esses documentos únicos do passado.